Page 1

e x p o s i ç ã o

e

pesos medidas

2002


Os pesos e as medidas

Desde sempre se sentiu a necessidade de atribuir a cada produto, a cada matéria, o seu devido peso e medida. Inconscientemente existe, persiste mesmo, em nós a inevitável tentação de quantificar e qualificar sentimentos e atitudes; noções que à partida consideramos como abstractas. Se atentarmos nas primeiras designações para as medidas de comprimento (pés, côvados, braças), assim como na metragem para a capacidade e para os pesos (sacos, arcas, carros, mãos), verificamos que têm por base o próprio corpo humano, no primeiro caso, e os objectos familiares de uso quotidiano, no último. Os pesos e as medidas encontram-se bem definidos na documentação medieval portuguesa, entendidos desde logo como padrões e assentando em sistemas utilizados pelos romanos e muçulmanos. Com efeito, logo em 1179, na carta de Foral da cidade de Lisboa, são citadas medidas como o arrátel, o alqueire ou o almude de origem árabe, coexistindo com outras unidades de origem romana como o cúbito e o módio, entre outras. No entanto, os padrões de aferimento variavam de região para região, constituindo um dos principais obstáculos ao desenvolvimento do comércio medieval. Neste sentido, nasce a ideia de uma regulamentação específica para os pesos e medidas. Até à introdução do sistema métrico, foram decretadas numerosas disposições legais de controlo. Contudo, e a par dessas medidas régias de uniformização nacional, em cada concelho existiam padrões definidos localmente.


Os pesos e medidas em Benavente

Não encontramos referências específicas quanto aos valores exactos dos pesos e medidas utilizados em Benavente. Termos como a canada, o almúde, o alqueire ou o arrátel são bastante frequentes, nomeadamente no Livros de Actas de Vereação do século XVI, embora nunca apareceçam quantificados com valores absolutos, mas sempre por relação a outras medidas. Também no que respeita ao controlo exercido sobre os comerciantes para verificação dos pesos e medidas, existem numerosas determinações da Câmara.

11.Janeiro.1561 Nomeação e posse de Pedro Alvares, alcaide, do cargo de aferidor das medidas desta vila, sam qualquer outro rendimento.

16.Março.1562 “Acordam mais que todas as medidas sejam aferidas pelo aferidor, e que o almude, pelas medidas pequenas, tenha que ter 13 canadas”.


Reformas reais de uniformização

As cartas de foral são os primeiros documentos históricos do Estado onde os pesos e as medidas são referidos. Com a consolidação do poder político, cedo se colocou a necessidade da uniformização dos padrões. A mesma unidade de volume para cereais, por exemplo, não devia ter valores diferentes de região para região embora fosse sempre o que acontecia. O crescimento e intensificação das trocas comerciais, criou a necessidade de definir claramente os sistemas de unidades que contivessem múltiplos e submúltiplos da unidade tomada para padrão.

A Primeira tentativa de uniformização As Cortes de Elvas, no reinado de D.Pedro I (1361), tomaram pela primeira vez a decisão de uniformização dos pesos e medidas . A consciência da identidade do território como Estado e o incremento das trocas comerciais entre as diversas regiões impunham a necessidade de pôr termo aos múltiplos padrões de medida, em regra adoptados por outorga real de uso local, segundo usos e costumes específicos, e nem sempre preservados qualitivamente ao longo dos tempos. A uniformização de medidas como a alna (medida para os panos), o côvado (distâncias em geral) e o almude (para o vinho) foi já nessa época tentada infrutiferamente.


A adopção do "marco" de Colónia A adopção em Portugal do "marco" de Colónia, padrão de peso de uso então generalizado na Europa, decidida pela provisão de 14 de Outubro de 1488, no reinado de D.João II, é sintomática da importância do mercantilismo nascente e da internacionalizarão dos pesos e medidas, fruto das crescentes trocas comerciais.

A Reforma Manuelina A reforma adoptada no reinado de D.Manuel I com as Ordenações Manuelinas (1499) visou clarificar os sistemas de unidades para as várias aplicações correntes no comércio. A reforma manuelina, apesar de não pretender pôr termo a outras unidades tradicionais, cujo uso, nos volumes, continuou a ser tolerado, só teve êxito assinalável no domínio do peso. Esse êxito é, sem qualquer dúvida, atribuível ao facto de que, para além da decisão reformadora, os concelhos foram dotados de novos padrões, cópias dos padrões reais, o que não se passou com as reformas das unidades dos volumes para os secos (cereal e azeite) e para os vinhos.

A Reforma de D.João VI A reforma adoptada no reinado de D.João VI colheu influências várias de importância assinalável nas sociedades européias do tempo, mantendo porém intensa ligação às unidades portuguesas tradicionais. Os sistemas de unidades foram assim definidos, obedecendo ao princípio decimal e estabelecendo uma equivalência da unidade de volume às de comprimento e de peso (l canada de água <=> l libra <=> l mão cúbica de água), e pondo termo às diferentes unidades de volume para secos e para líquidos. Foram então mandados executar (em 1814) novos padrões de pesos e medidas, de acordo com protótipos vindos de França e distribuídos pelos concelhos.


Controlo metrológico institucional

Registam-se, adiante, até ao período que antecedeu a criação do sistema métrico, algumas das disposições mais relevantes hoje conhecidas, relativas à criação e funcionamento das instituições de controlo metrológico e do exercício das respectivas funções: - A lei de almotaçaria de 1253, no reinado de D.Afonso III; o almotacé (do árabe "al-mohtacib") era um magistrado eleito pelos homens-bons com a missão de vigiar o cumprimento das posturas municipais. - A aprovação nas Cortes de Lisboa (1352), no reinado de D. Afonso IV, da "alna", de origem francesa, determinada para medir "panos de cor", substituindo assim o côvado. O regimento do Corregedor da Corte nas Ordenações Afonsinas (compiladas na regência de D. Pedro durante a menoridade de D. Afonso V) determinava: “Sempre que o rei se deslocava de um lugar para o outro, era posto às ordens do Corregedor uma besta de carga para transporte de pesos e medidas que ordenados são, sendo as despezas desta deslocação pagas por conta das multas aplicadas”. As multas, castigos corporais ou prisão em alguns casos, eram aplicados por falta de marca de aferição ou em função dos erros encontrados nos pesos e medidas - A concessão, por alvará de D. Afonso V (1460), aos juízes da confraria de Santo Eloy, do direito de exercerem o ofício de aferidor na cidade de Lisboa, direito esse que foi mantido até ao século XIX. - A decisão de distribuir pelos concelhos cópias do padrão de D. Manuel I , ainda hoje existente no Museu de Metrologia do Instituto Português de Qualidade e em alguns municípios.


O sistema métrico O Sistema Métrico, concebido com base única no metro, tinha por princípios : a universalidade e a simplicidade. - Universalidade, porque destinado a poder ser usado por todos os países, independentemente da sua localização, em todas as esferas da actividade científica e técnica, a cada grandeza ccrrespondendo uma única unidade para todas as aplicações. - Simplicidade, porque baseada numa única unidade - o metro - ao qual todas as outras se reportam por relações simples, e com relações de múltiplos e submúltiplos exclusivamente decimais. A Convenção do metro, em 1869, representa o corolário de um processo iniciado com a adopção do “sistema métrico”, em França, em 1791.

Medidas para líquidos Tonel ou 2 pipas Casco Pipa ou 25 almudes Almude ou 2 potes Pote Canada ou 4 quartilhos Quartilho

847,50 l 508,50 l 423,75 l 16,95l 8,47l 1,41l 0, 35 l

Medidas para secos Moio ou 15 fanagas Saco Fanga ou 4 alqueires Alqueire ou 4 quartas Quarta Oitava Maquia Salamim

828,00 l 82,80 l 55,20 l 13,80 l 3,45 l 1, 72 l 0, 86 l 0, 43 l

Antigas medidas da massa referidos a quilogramas Tonelada Quintal Arroba Arrátel Quarta Onça Oitava Escrópulo Grão

13,5 quintais

4 quartas

3 escrópulos

54 arrobas 4 arrobas 32 arráteis 16 onças 4 onças 8 oitavas 72 grãos 24 grãos

793, 152 Kg 58,725 Kg 14,688 KG 0,459 KG 0,11475 KG 0,028687 Kg 0,003585 Kg 0,001195 Kg 0,000049 Kg

Medidas lineares expressas em metros Braça terrestre Toesa Passo geométrico Vara Côvado Pé Palmo Polegada Linha Ponto

12 varas 6 pés 5 pés 5 palmos 3 palmos 12 polegadas 8 polegadas 12 linhas 12 pontos

2,20 m 1,98 m 1,65 m 1,10 m 0,66 m 0,33 m 0,22 0,027 m 0,00223 m 0,000190 m

(as medidas lineares eram consideradas identicas em todo o país, embora houvesse o côvado de lisboa com 0,68 m)

Antigas medidas agrárias Muito variável , no entanto era considerada de uso geral a geira, que se definia como sendo a superfície lavrada por dois bois ou cavada por dois homens num dia de trabalho. A geira subdividia-se em aguilhadas, variando de 8 a 12. Geira de 8 aguilhadas e 4 côvados = 4 938,988 m2 Geira de 9 aguilhadas e 4 côvados = 5 122,656 m2 Geira de 10 aguilhadas e 4 côvados = 5 691,840 m2 Geira de 11 aguilhadas e 4 côvados = 6 261, 024 m2 Geira de 12 aguilhadas e 4 côvados = 6 380,208 m2


CÓDIGO DE POSTURAS DA CÂMARA MUNICIPAL DE BENAVENTE - 1900 Capitulo 14º Vendas Secção 1ª Dos instrumentos de pesar e medir Artigo 192 Todo aquelle que exposer á venda, em qualquer posto, coisas que só por peso ou medidas podem ser vendidos, é obrigado a ter os instrumentos necessarios para as pesar ou medir. Pena dois mil reis de multa. § 1º Os que só vendem por grosso não carecem de ter pesos nem medidas inferiores a dez Kilogramas e dez litros para liquidos e secos. § 2º Os que só venderem por miudo não carecem de ter pesos nem medidas superiores ás designadas no paragrapho antecedente. Artigo 193 Todo o vendedor é obrigado a ter aferido, no praso legal, os instrumentos de pesar ou medir, de que fizer uso, sem excepção alguma. Pena mil reis de multa. Artigo 194 É prohibido usar instrumentos de pezar com faltas maiores que as provenientes do uso, dentro dos limites fixados na tabella que se segue este artigo. Pena dois mil reis de multa, não excedendo as faltas verificadas o dobro das que são toleradas; de quatro mil reis, excedendo-o, mas não passando o triplo; e oito mil reis, e não mais, excedendo o triplo. Artigo 195 Além do que ficou disposto no artigo precedente, é tambem prohibido sob pena de dois mil reis de multa: 1º Usar de instrumentos de pesar ou medir, tendo elles qualquer defeito, falta ou coisa, que lhes não deixe dar a devida medida ou pezo; 2º Usar de instrumentos de pesar ou medir a mais dos que os mencionados no respectivo bilhete de aferição. Artigo 196 As medidas, que servirem a algum liquido oleoso não podem servir a outro liquido qualquer. Pena mil reis de multa. § unico - Considera-se infringidor este artigo, quando expostos á venda liquidos oleosos, se não encontrem medidas particularmente destinadas para cada um d'elles. Artigo 197 É prohibida a medição de quaesquer liquidos acidulados, por medidas de ferro, cobre, estanho, zinco ou barro vidrado. Pena mil reis de multa. Artigo 198 Deve ser conico o pavilhão dos funis empregados na venda de azeite ou outro qualquer liquido oleoso. Pena mil reis de multa. § unico Os funis que obedecerem a este preceito podem ser carimbados, por uma só vez, na repartição de aferições de pezos e medidas, como prova de que estão nas condições d'este artigo.

Artigo 199 As balanças de braços eguaes, até á força de vinte Kilogramas, exceptuando as de pezos minimos, só podem ter correntes de ferro ou de outro metal e do comprimento de 0,70m o maximo. Pena mil reis de multa. Artigo200 Consideram - se em uso, para os effeitos dos artigos antecedentes, todos os instrumentos de pesar ou medir, que forem encontrados em acto de venda volante ou em casas, lojas ou logares, onde os objectos vendiveis estejam expostos à venda e não se admitte prova em contrario. Artigo 201 Todos os instrumentos de pezar ou medir serão apprehendidos para se verificar a sua exactidão, quando se desconfie. Secção 2ª Das coisas que devem ser pesadas ou medidas no acto da venda Artigo 202 Todo aquelle que em qualquer posto vender coisas, que só por pezo ou medida podem ser vendidas, é obrigado a peza-las ou medilas no proprio acto da venda ao comprador. Pena mil reis de multa. Artigo 203 Os generos e mercadorias, que até aqui eram vendidas por pezo ou medida, continuarão a ser vendidas da mesma forma, sob pena de mil reis de multa. Artigo 204 Todo aquelle que vendendo coisa que deva ser pesada ou medida nos termos dos artigos precedentes, der ao comprador menos do que deve, considerase que não a pesou ou mediu, como era obrigado a fazer; não se admittindo prova em contrario e incorrerá na pena de dois mil reis de multa. § unico - Tolera-se a falta de pezo, na proporção de cinco por mil grammas em todas aquellas coisas que forem sujeitas a esfarelar-se ou a secar; não se admittindo que o peso seja collocado na balança antes do genero que se pretenda pezar para o effeito da venda. Artigo 205 Todos os objectos à pezagem ou medição no acto de venda podem ser apprehendidos no decurso d'ella ou logo em seguida, para se verificar o peso ou medida, sendo logo depois restituido a seu dono. Artigo 206 Nas casas de comidas e bebidas, onde o comprador se propuser a consumir o genero que comprou, só terá logar a verificação do pezo ou medida da coisa vendida se o comprador assim o exigir. Artigo 207 Os generos comprados e vendidos por grosso entre comerciantes, na forma que lhes permitte o codigo commercial, não estão sujeitos á disposição d'esta postura.


BIBLIOGRAFIA - Catálogo da exposição Nacional de metrologia; Instituto Português da Qualidade e Museu de Ciência da Universidade de Lisboa; 1990. - MIGUEL, António; “Manual do Aferidor; Inspecção geral dos produtos Agrícolas e Florestais; S/data. - CORREIA, Francisco; “Sumários de um Livro de Actas da Câmara de 1559 a 1564”; Benavente, 1996. - Livro de Posturas da Câmara Municipal de Benavente; Benavente, 1900.


c 창m ar a m uni

c i pal

B E N A V E N T E

Museu

MunIcIpal de Benavente

Pesos e medidas  

Catálogo da exposição "Pesos e Medidas" Museu Municipal de Benavente 2002

Advertisement