__MAIN_TEXT__

Page 1

Temporada ― 2020/2021

Agenda #1

―

setembro outubro novembro dezembro 2020


02 06 10 26 36 44 50 52

editorial

setembro

outubro

novembro

dezembro

Lab Criativo

assinaturas de temporada

informaçþes


Temporada ― 2020/2021

Agenda #1

―

setembro outubro novembro dezembro 2020


Dias felizes os que hoje vivemos. Podemos ir ao Teatro. Se antes gostávamos agora sabemos quão sortudos somos por ter esta oportunidade de poder ver de novo um espetáculo de dança, música ou teatro. Poder ir e embalar o espírito. Por poder viver e respirar o ar de um planeta que teimamos em corromper. Vale a pena pensar no privilégio de poder estar aqui e partilhar com outros, mesmo com o distanciamento e novas regras para estarmos juntos, momentos culturais como estávamos habituados. Podermos olhar-nos nos olhos e sorrir mesmo com a cara tapada. Bater palmas porque ouvimos um som que nos deu prazer ou os nossos olhos se encontraram com as palavras, com as imagens. Uma agenda que procura recuperar o tempo em que o Teatro fez uma pausa, com novos espetáculos e também os reagendados porque a ditadura do Covid-19 o impôs.

A VEREADORA DA CULTURA

Elvira Sequeira

2


editorial Após o interregno a que nos obrigou a pandemia de Covid-19, o Teatro Virgínia retoma a sua atividade, condicionada ao cumprimento exemplar das recomendações emanadas pela Direção Geral de Saúde. De setembro a dezembro reagendámos alguns dos espetáculos anteriormente previstos na temporada de abril a junho e que, devido ao confinamento, não se puderam realizar. E juntámos-lhe vários outros que complementam mais um leque de propostas de qualidade para que possa regressar à nossa sala e usufruir novamente da enriquecedora oferta cultural que preparámos para si. Aos poucos, e para o bem de todos, temos de recuperar a «normalidade», nunca descurando os cuidados essenciais (que provavelmente nos acompanharão por mais algum tempo), mas reativando rotinas e hábitos do dia a dia, apoiando setores essenciais da nossa economia, e procurando o nosso próprio bem-estar, nomeadamente o mental, inegavelmente afetado pelo afastamento a que esta doença nos forçou. Aqui encontrará a sinalética adequada, os equipamentos de proteção necessários e uma equipa preparada e muito motivada para o/a receber de braços abertos, num abraço conjunto, e virtual, à cultura. Em suma: estamos prontos. É hora de regressar. O PRESIDENTE DA CÂMARA

Pedro Paulo Ramos Ferreira

3


Uso de máscara obrigatório —

nas instalações e ao longo de todo o espetáculo

Mantenha a distância de segurança —

pelo menos 2 metros

Higienize as mãos antes de entrar na sala de espectáculos — e pelo menos a cada 2 horas

Respeite os circuitos de circulação — é crucial para mantermos o distanciamento necessário

Sente-se nos lugares atribuídos — não ocupe lugares de segurança

4


medidas de segurança —

no regresso, para a sua segurança Cumpra a etiqueta respiratória

— Quando espirrar ou tossir tape o nariz e a boca com o braço ou com lenço de papel que deverá ser colocado imediatamente no lixo

No final do espetáculo permaneça sentado no seu lugar

— aguarde indicações dos assistentes de sala

É proibida a entrada após o fecho de portas

Proibido o uso de telemóvel, filmar ou fotografar

5


setembro


26/

SET.

cinema

M3 anos

60 min

entrada gratuita mediante levantamento prévio de bilhete (limitado a 2 por pessoa)

SÁB. 21H30

Gelosia —

Atelier Teatral dos Miúdos e Grupo de Teatro Juvenil do Virgínia

Gelosia é uma janela do século XIX, em madeira ripada, que permite ver para fora e não para dentro. Foi da necessidade de nos mantermos ativos, tendo em conta o cenário de pandemia, que apresentamos uma ideia à GELOSIA . Abre-se assim uma janela criativa na sua forma que tem como objetivo envolver o Atelier Teatral dos Miúdos e o Grupo de Teatro Juvenil do Virgínia, de forma a minimizar a frustração de não levar a cena os projetos que estavam a ser desenvolvidos há longos meses. É uma ideia simples na sua execução e de poucos recursos, assumidamente criada à distância, nos tempos que vivemos, e contando apenas com ensaios virtuais. É uma performance que explora o espaço público e propõe um cruzamento entre a obra do poeta Mário de Sá Carneiro e o património da cidade de Torres Novas, relevando pormenores e palavras que o tempo, perigosamente, pode fazer esquecer.

Este projeto integra as Jornadas Europeias do Património Bio Eduardo Dias é natural de Avanca, Aveiro. Formou -se e iniciou o seu percurso teatral com Victor Valente em 1999 na Companhia do Jogo a par de uma licenciatura em Psicologia onde aprofundou os estudos em Arte-Terapia. Colaborou como ator e encenador em diversas estruturas. Atualmente dá formação em Teatro, trabalha como ator e dirige projetos de caráter comunitário a par de um Mestrado em Estudos de Teatro na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

8


LAB CRIATIVO Textos Mário Sá Carneiro Encenação Eduardo Dias Apoio à Criação Choral Phydellius: Dulce Félix, João Durão, Manuela Moniz, Pedro Fonseca, Sara Carvalho e Vítor Ferreira Interpretação António Costa, Augusto Oliveira, Bernardo Carvalho, Bruna Fonseca, Catarina Ferreira, Constança Arreigota, Constança da Silva, David Henriques, Inês Vieira, Íris Correia, Joana Duro, Leonor Viana, Madalena Dinis, Margarida Inácio, Margarida Oliveira, Maria Clara Santos, Maria Clara Branco, Maria Inês Lavado, Maria Leonor Santos, Maria Rita Correia, Marta Neves, Martim Hickel, Matilde de Oliveira, Miguel Moita, Miguel Nunes, Nicole Cordeiro, Noa Serra, Pedro Escarameia, Pedro Lavado, Radija Schwingel, Rafael Lopes, Sara Manso, Sérgio Rodrigues, Sofia Rodrigues, Soraia Alves, Vera Oliveira Produção Teatro Virgínia Apoio à Produção Adriana Cruz Silva, Cláudia Simões, João Vidal, João Ribeiro, Miguel Silva, Telma Mendes Pereira, Vítor Ferreira Agradecimentos CRIT, ARPE, Adelino Pires, António Moiteiro, Eduardo Faria, Manuel Alho, José Correia, Patrícia Pereira, Pedro Simões, Ramon Nunes, Teresa Simões

9


outubro 15.º aniversário da remodelação do atual edifício — 64.º aniversário da inauguração do atual edifício


2/

OUT.

SEXTA

MANHÃ E TARDE

3/

OUT. SÁB. 11H00

ESCOLAS

Bicicleta da República — Suzana Branco

A contadora herdou um álbum de fotografias feito pela sua bisavó, inspirado por Carolina Beatriz Ângelo e pelo ideal republicano. Nele está guardado tudo aquilo que diz respeito a este momento histórico. Em jeito de passagem de testemunho, a contadora abre o seu universo a quem a ouve. Entre linhas, cordas, flores (os cravos brancos das mulheres republicanas), fotografias e xaropadas os ouvintes são iniciados num clima de secretismo que recria os passos que levaram à passagem da Monarquia à República em Portugal. É um acontecimento interativo pelo que existirão atividades para os participantes se tornarem revolucionários e experimentarem passo a passo os acontecimentos do 5 de Outubro.

12

© Imagem do Arquivo Municipal de Lisboa

Espetáculo Atelier criado para as Comemorações dos 100 anos da República A Bicicleta da República fez parte do leque de propostas promovido pela Comissão do Centenário da República ao longo de 2010. Conceção: Suzana Branco, Tânia Cardoso, Vera Alvelos Apoio à encenação Madalena Vitorino. Interpretaçâo: Suzana Branco


teatro/oficina

M6 anos

90 min

entrada gratuita

LAB CRIATIVO

Bio Suzana Branco trabalha na área do teatro há 22 anos. Formada em Teatro pela Escola Superior de Teatro e Cinema e em Estudos Portugueses e Lusófonos pela Universidade Nova. Trabalhou com diversos encenadores, companhias de teatro e centros culturais enquanto atriz, encenadora e professora. Trabalhou ainda com a plataforma europeia maig-net e com a encenadora italiana Leitizia Quintavalla em terras de Espanha. Entrou em filmes, curtas, telenovelas e no programa infantil "Zig Zag". Realizou um filme e lançou três textos em coautoria. Ganhou dois subsídios pontuais; teve o destaque de melhor peça do ano e dois prémios pelo Clube Português de Artes e Ideias. É cooperante do teatro "O Bando" onde fundou a "Confraria do Teatro" e atualmente é uma das diretoras da companhia.

lotação limitada 1 turma/sessão | 12 lugares

Marcação prévia obrigatória para escolas seducativo.teatrovirginia@cm-torresnovas.pt 13


10/

OUT.

SÁB. 21H30

Clã

— Véspera

2020 marca o regresso dos Clã aos discos. «Véspera» chegou com a primavera, sob o signo da estranheza destes tempos que vivemos. Lançado em pleno confinamento, o nono disco da banda foi muito bem recebido pelo público, imprensa e crítica especializada. O álbum alcançou, na primeira semana, o primeiro lugar no top de vendas da AFP e os temas de avanço – Tudo no Amor, Sinais, Armário e Jogos Florais - são presenças constantes nas rádios nacionais. Depois do estúdio, «Véspera» chega finalmente ao palco – segunda casa para uma banda amplamente reconhecida pela energia e excelência dos seus concertos. Na nova digressão, os Clã prometem dar corpo e músculo às novas canções, trazendo também com elas outros temas e clássicos que fazem a sua história e a de todos nós.

música

14

M6 anos

75 min

15 € (descontos aplicáveis)


© João Octávio Peixoto

Voz Manuela Azevedo Guitarras e voz Hélder Gonçalves Teclados e voz Miguel Ferreira Teclados Pedro Biscaia Baixo Pedro Santos Bateria Pedro Oliveira Desenho de som Nelson Carvalho Desenho de luz Wilma Moutinho Desenho cénico Victor Hugo Pontes Figurinos Cristina Cunha e Victor Hugo Pontes

15


entrada gratuita mediante levantamento prévio de bilhete (limitado a 2 por pessoa) 70 min M3 anos música Bio Criado em meados de 2005 pelo músico David Santos, Noiserv é considerado um dos mais criativos e estimulantes projetos musicais, de entre os surgidos em Portugal na última década. O seu percurso tem sido marcado pela criação de canções capazes de atingir cada indivíduo na sua intimidade, relembrando-lhe vivências, momentos e memórias intrincadas entre a realidade e o sonho.

16


— Uma Palavra Começada por N

15.º ANIVERSÁRIO

Noiserv

13/

OUT.

TERÇA. 21H30

Noiserv, multi-instrumentista a quem já chamaram «o homem-orquestra» ou «banda de um homem só», conta no seu currículo com o bem sucedido disco de estreia One Hundred Miles From Thoughtlessness (2008), o EP A day in the day of the days (2010), o galardoado Almost Visible Orchestra que foi distinguido como melhor disco de 2013 pela Sociedade Portuguesa de Autores e ainda em 2016 o longa-duração 00:00:00:00 que é descrito pelo músico lisboeta como «a banda sonora para um filme que ainda não existe, mas que talvez um dia venha a existir». Noiserv regressa em 2020 às edições discográficas com um trabalho escrito inteiramente em português. Uma Palavra Começada Por N assume um tom mais confessional que os registos anteriores e aproxima-se ainda mais do ouvinte através da sonoridade que sempre o caracterizou aliada à sua língua materna.

© Vera Marmelo

Voz e instrumentos Noiserv

17


17/

OUT.

teatro

M14 anos

75 min

7,5 € (descontos aplicáveis)

SÁB. 21H30

Alma —

de Tiago Correia

«Alma» é uma peça sobre a juventude, a solidão e a possibilidade de confiança na amizade e no amor. A importância de que se revestem os laços familiares e a transmissão de valores entre gerações são alguns dos temas abordados. É retratado um episódio de viragem na vida conturbada de um adolescente. Impossibilitado de se mover após um acidente, um rapaz passa os dias no sótão da casa dos avós, a olhar pela janela. As visitas do amigo, da namorada e de uma desconhecida vão precipitar a revelação do que verdadeiramente aconteceu. Foi distinguida com o Grande Prémio de Teatro Português SPA 2018. O júri realçou a qualidade da obra, « as personagens apresentam-se com uma autenticidade surpreendente: num texto que dirige um olhar lúcido e questionador sobre a futilidade do mundo contemporâneo».

Texto original e encenação Tiago Correia Assistência à criação Maria Pinto Interpretação Bernardo Gavina, Inês Filipe, Rafael Ferreira, Telma Cardoso Cenografia Ana Gormicho Figurinos Sara Miro Desenho de luz Pedro Nabais Desenho de som Joel Azevedo Música original André Júlio Teixeira Design gráfico Francisco Ribeiro Direção técnica Zé Diogo Cunha Produção Executiva Ludovica Daddi e Maria Pinto Produção A Turma (estrutura financiada pela Direção-Geral das Artes e pela República Portuguesa) Coprodução Teatro Nacional São João, Teatro Virgínia Apoios de A Turma A Liga; Fundação Escultor José Rodrigues Apoios à Divulgação Antena 2; FNAC Santa Catarina; Rádio Nova; Revista Intro; Revista Gerador, Mecenas Brochado Coelho e Associados; Central da Informação

18


Bio Tiago Correia . Tomar, 1987. Licenciado em Teatro-Interpretação e Pós-Graduado em Dramaturgia e Argumento, pela ESMAE. Cofundou A Turma, em 2008, assumindo a sua direção artística desde 2018. É ator, encenador, dramaturgo, professor de interpretação e músico da banda Les Saint Armand. Encenou pel’A Turma, “História de Amor (Últ. Cap.)" de Jean-Luc Lagarce, “Do Discurso Amoroso” a partir de Roland Barthes, “Gaspar” de Peter Handke, “A Noite Canta” de Jon Fosse, e, da sua autoria, “Pela Água”, “Turismo” e “Alma”. Autor de peças de teatro, filmes e audiowalks, com obra publicada, recebeu por duas vezes o Grande Prémio de Teatro da SPA, com os textos “Pela Água” em 2016 e “Alma” em 2018.

19


Bio A Companhia Erva Daninha tem como missão a criação de circo contemporâneo explorando o diálogo entre diferentes expressões das artes performativas. Surge em 2006 e rapidamente centra o trabalho na investigação de novas formas de fazer e apresentar circo, procurando elevar o virtuosismo a uma forma de comunicação de ideias e emoções.

Direção artística Daniel Seabra Direção Erva Daninha Julieta Guimarães e Vasco Gomes Cocriação e interpretação Daniel Seabra e Margarida Monteny Música original Miguel De Assessoria artística Julieta Guimarães e Vasco Gomes Produção executiva Teresa Camarinha Fotografia Ashleigh Georgiou, Danny Leal e Miguel De Vídeo Ashleigh Georgiou Técnico de montagem e operação Luís Ribeiro Apoio à residência Teatro Municipal do Porto, Salto Produção Erva Daninha Coprodução Teatro Municipal do Porto Apoio República Portuguesa – Cultura/Direção Geral das Artes

20


24/

OUT.

SÁB. 21H30

Por um Fio

— Companhia Erva Daninha /Daniel Seabra Através de um espetáculo de circo, dois intérpretes utilizam a acrobacia aérea como técnica para procurarem continuamente o equilíbrio entre dois corpos, usando uma corda solta com duas pontas a 7 metros de altura. Esta corda, este fio impermanente e inconstante, altera a perceção do espectador sobre os corpos em cena. Partimos desta corda que enforca a necessidade de algo mais do que uma simples conexão. Dependemos desta ligação, desta corda que nos suspende e que nos prende. Que nos amarra, mas nos segura. Qualquer ação desencadeia uma consequência no estado do outro, e é esta dependência que nos obriga a confiar no outro. Com este espetáculo pretendemos repensar as potencialidades que podem surgir de algo tão simples, humano e volátil. O valor da confiança e a importância da nossa presença no momento presente através desta vertiginosa dança aérea entre dois corpos. A que distância é possível estar junto, hoje? O que nos une em relação ao outro? Será que na nossa sociedade fragmentada e individualista é ainda possível criar espaços comuns? Quais são os limites contemporâneos da empatia humana?

circo contemporâneo

M3 anos

45 min

7,5 € (descontos aplicáveis)

21


27/

OUT.

TERÇA. 21H30

Num formato intimista, munido de um leitor de cd, uma guitarra e o que estiver à mão, a proposta é embarcar numa viagem tranquila, guiada pelo próprio Tiago Bettencourt ao seu novo disco «2019 Rumo ao Eclipse». Não serão vendidos bilhetes, não haverá pompa e circunstância, será sim uma celebração honesta da verdade por detrás das canções, uma conversa sobre as palavras, sons e histórias à volta do sétimo disco da sua carreira.

Voz e Guitarra acústica: Tiago Bettencourt música

22

M6 anos

60 min

acesso com lotação limitada a 50 pessoas, mediante passatempos


Tiago Bettencourt —

Listening Party

23

64.º ANIVERSÁRIO

Bio Autor de várias composições de referência da nova música portuguesa, e sempre em Português, foi há mais de dez anos que embarcou naquela que seria a sua primeira aventura em estúdio, com os Toranja, marcando para sempre o panorama musical português, a riqueza da simplicidade dos seus poemas e melodias depressa captou a atenção do público. A solo desde 2006, a escrita de Tiago Bettencourt, sempre honesta e transparente, parece apelar ao mais íntimo de nós, fazendo-nos parar e olhar para o mundo de outra forma. Além de multi-instrumentista é também produtor.


31/

OUT.

SÁB. 21H30

teatro

M16 anos

90 min

12,5 €

Depois do irrepreensível sucesso da web-série, Carlos Coutinho Vilhena, humorista, e João André, ator, juntam-se para levar a cena «O Resto da Tua Vida» ao vivo, desafiando os seus seguidores a saírem do conforto de um ecrã para uma sala de teatro. O espetáculo assenta na disputa entre teatro e stand up, deixando sempre o veredicto final ao público. A peça oferece ao público textos intemporais que percorrem autores que vão desde Shakespeare a Karl Valentin, apresentando-lhes as versões de um ator e de um humorista. Mas pretende, acima de tudo, elevar todas as camadas artísticas e sociais que são o foco principal da série, para as efetivar ao vivo e as transmitir a uma camada de público jovem que representa, precisamente, o futuro.

Encenação e coordenação artística Carlos Coutinho Vilhena e João André Assistente de encenação Ricardo Soares Cenografia Carlos Coutinho Vilhena, João André e Ricardo Soares Desenho de luz Carlos Coutinho Vilhena, João André, Ricardo Soares e Paulo Santos Guião Carlos Coutinho Vilhena, João André, Pedro Durão

Bios Carlos Coutinho Vilhena começou o seu percurso na comédia em 2013 com o grupo Bumerangue. Depois de uma temporada de sketches na Sic Radical, criou novo projeto audiovisual a solo com o nome «Bon Vivant» a que se seguiu META. Em 2019, começou a trabalhar na web-série «o resto da tua vida», juntamente com João André. João André, licenciado em Teatro e pós graduado em Comunicação Cultural. Enquanto ator, destacam-se os espetáculos «Ilha», «Uma espécie de Hamlet», «Antígona», «edifício autor». Fundador e diretor artístico da Bruta Companhia de Teatro. Atualmente é docente de Artes Performativas nos Salesianos do Estoril.

24


O Resto da Tua Vida

de Carlos Coutinho Vilhena e João André

25


novembro


LAB CRIATIVO

teatro

M6 anos

75 min

7,5 € (descontos aplicáveis)

A Cantora Careca é uma obra de Eugéne Ionesco, escrita em 1948, que nega os valores críticos e literários da época traçando o caminho do antiteatro, conduzindo-o, assim, ao sucesso atual de escritor teatral. Ionesco rompe com o seu teatro do absurdo, todo o convencionalismo literário defendendo que a arte tem como objeto fundamental transmitir angústia. Essa angústia pode ser provada através de A Cantora Careca onde a palavra se transforma num fim e não num meio. É num ambiente formal e caseiro que toda a cena se desenrola. Dois casais dialogam sobre a trivialidade da sua condição revelando um vácuo de pensamento e um desprezo enorme pelas palavras, criando, através de diálogos atemporais, uma espécie de anticomunicação, que poderá causar alguma estranheza no espectador. O Teatro Maior de Idade continua, desta forma, as suas descobertas e explorações literárias apelando a uma participação dinâmica e livre no traço do objeto artístico.

Texto Original Eugéne Ionesco Textos anexos Maria Amélia Maia, Dília Cunha, Maria Dulce Paulino, Hélder Azevedo, Lucinda Pimenta, Luís de Lima, Maria João Brilhante, Samuel Mendes Encenação Eduardo Dias Interpretação António Paixão, Dília Cunha, Elizabete Freire, Hélder Azevedo, Idílio Seguro, João Vidal, Laura Conceição, Lucinda Dias Pedro Pimenta, Maria Amélia Maia, Maria Assunção Moço, Maria Demitília Grácio, Maria Dulce Paulino, Maria Manuela Fazenda, Maria Otília Bicho, Samuel Mendes Produção Teatro Virgínia

Bio Eduardo Dias é natural de Avanca, Aveiro. Formou -se e iniciou o seu percurso teatral com Victor Valente em 1999 na Companhia do Jogo a par de uma licenciatura em Psicologia onde aprofundou os estudos em Arte-Terapia. Colaborou como ator e encenador em diversas estruturas. Atualmente dá formação em Teatro, trabalha como ator e dirige projetos de caráter comunitário a par de um mestrado em Estudos de Teatro na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

28


7/

NOV.

SÁB. 21H30

A Cantora Careca —

Teatro Maior de Idade

29


14/

NOV.

SÁB. 21H30

Rodrigo Leão

música

M6 anos

75 min

15 € (descontos aplicáveis)

— O Método

«Talvez este seja o meu concerto mais intimista e mais atmosférico» diz Rodrigo Leão a propósito do espetáculo com que vai apresentar o seu novo álbum O Método. «Um concerto que convida o público ao silêncio, à tranquilidade.» O músico português define a digressão, do álbum O Método como «uma produção onde as influências clássicas e eletrónicas estão mais presentes e são mais exploradas. E onde, pela primeira vez, toco mais piano acústico.» A estética musical dos novos temas gravados em O Método trará novidades para o material mais antigo que fará parte do alinhamento, cuja escolha e adaptação será feita de acordo com o ambiente geral dos concertos. «Haverá uma sensação de maior unidade e coesão ao longo de todo o concerto, apesar de tocarmos temas que foram compostos há mais de 25 anos», valorizados pelos arranjos «que fomos construindo ao longo deste último ano com a ajuda dos produtores Federico Albanese, João Eleutério e Pedro Oliveira».

Bio Em 2018, Rodrigo Leão comemorou o 25.º aniversário de uma carreira a solo que o levou ao reconhecimento global. Foi em 1993 que Rodrigo, então ainda parte integrante dos Madredeus, editou o seu primeiro trabalho em nome próprio: Ave Mundi Luminar explorava recantos criativos que não cabiam nos seus projetos anteriores. O disco tornou-se num sucesso inesperado e o resto, como se costuma dizer, é história.

30


Piano acústico e sintetizador Rodrigo Leão Guitarra, baixo, sintetizador, percussão e harmónio indiano João Eleutério Violino e voz Viviena Tupikova Voz, sintetizador e metalofone Ângela Silva Violoncelo Carlos Tony Gomes

31


21/

NOV.

SÁB. 21H30 dança

M12 anos

90 min

7,5 € (descontos aplicáveis)

Bio Victor Hugo Pontes nasceu em Guimarães, em 1978. É licenciado em Artes Plásticas – Pintura, pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Em 2001, frequentou a Norwich School of Art & Design, Inglaterra. Concluiu os cursos profissionais de Teatro do Balleteatro Escola Profissional e do Teatro Universitário do Porto, bem como o curso de Pesquisa e Criação Coreográfica do Forum Dança. Como criador, a sua carreira começa a despontar a partir de 2003 com o trabalho Puzzle. Desde então, vem consolidando a sua marca coreográfica, tendo apresentado o seu trabalho por todo o país, assim como em Espanha, França, Itália, Alemanha, Rússia, Áustria, Brasil, Países Baixos, entre outros. É, desde 2009, o Diretor Artístico da Nome Próprio – Associação Cultural.

Inscrição obrigatória para seducativo.teatrovirginia@cm-torresnovas.pt

32

© José Caldeira

Espetáculo com a participação da comunidade


Drama

— De Victor Hugo Pontes

Drama, uma criação de Victor Hugo Pontes, parte de Seis Personagens à Procura de Um Autor (1921), tal como A Gaivota de Tchékhov foi o ponto de partida para Se Alguma Vez Precisares da Minha Vida, Vem e Toma-a. Victor Hugo Pontes dá assim continuidade à sua pesquisa em torno das fronteiras que separam (ou não) o teatro e a dança, a palavra e o movimento. Drama recria cena a cena a peça seminal de Pirandello, levando mais longe as questões acerca do próprio ato criativo: Até que ponto é possível coreografar um clássico da dramaturgia? Que tipo de objeto resulta? Que interpretações são suscitadas? Tal como acontece em Pirandello, Drama, ao ampliar o jogo metateatral da peça recriada e ao romper com convenções da composição coreográfica, cria uma linguagem artística simultaneamente peculiar e desafiadora, quer para o coreógrafo e os intérpretes, quer para o público.

Direção e Coreografia Victor Hugo Pontes Interpretação Ángela Diaz Quintela, Dinis Duarte, Félix Lozano, Mercedes Quijada, Pedro Frias, Valter Fernandes, Vera Santos e participantes da comunidade local Cenografia F. Ribeiro Desenho de Luz e Direção Técnica Wilma Moutinho Música Original Rui Lima e Sérgio Martins Pianista Joana Gama Figurinos Cristina Cunha e Victor Hugo Pontes Assistente de Direção João Santiago Apoio Dramatúrgico Madalena Alfaia Interpretação Ángela Diaz Quintela, Daniela Cruz, Dinis Duarte, Félix Lozano, Pedro Frias, Valter Fernandes, Vera Santos e participantes da comunidade local Confeção de Figurinos Emília Pontes, Domingos Freitas Pereira e Mário Ribeiro Direção de Produção Joana Ventura Produção Executiva Mariana Lourenço Apoio residência artística Circolando e Teatro Nacional São João Coprodução Nome Próprio, Centro Cultural Vila Flor, São Luiz Teatro Municipal e Teatro Municipal do Porto / Festival DDD – Dias da Dança. Apoio residência artística Circolando e Teatro Nacional São João A Nome Próprio é uma estrutura residente no Teatro Campo Alegre, no âmbito do programa Teatro em Campo Aberto e tem o apoio da República Portuguesa – Ministério da Cultura / Direcção-Geral das Artes.

33


27/

NOV.

SEXTA. 21H30 música

M6 anos

80 min

20 € (descontos aplicáveis)

Adriana Calcanhotto Com o novo disco «Margem», Adriana Calcanhotto fecha a trilogia marítima iniciada com «Maritmo» (1998), o primeiro que explicita a sua paixão pelo mar, e «Maré» (2008), o seu sétimo disco, que reforça a inspiração oceânica. «Margem» permite, em palco, o encontro destes três projetos, separados por dez anos cada um e por diferentes aventuras musicais entre eles. Para além do enfoque nestes três trabalhos, o concerto conta ainda com algumas canções de álbuns paralelos e outras músicas de Adriana Calcanhotto interpretadas por outros cantores.

Voz, guitarra Adriana Calcanhotto Guitarra, flauta Bem Gil Baixo, synths Bruno di Lullo Bateria, percussões Rafael Rocha Produção Im.par

Bio A sua trajetória teve início em meados dos anos 80. O primeiro disco, «Enguiço» (1990), valeu-lhe o Prémio Sharp de Revelação Feminina. «Senhas» (1992), foi o primeiro totalmente concebido e produzido por si. A imprensa considerou «A Fábrica do Poema» (1994) disco do ano. As referências explícitas ao mar surgem em «Maritmo» (1998), mais tarde repetem-se em «Maré» (2008), «Olhos de Onda» (2014) e «Margem» (2019). Lança «Público» (2000) e «Cantada» (2002). Adriana Partimpim (2004) surge como heterónimo infantil (Grammy Latino de Melhor Álbum Infantil). Em 2011 produz o primeiro trabalho inteiramente da sua autoria: «O Micróbio do Samba». Em 2016 lança o livro de letras «Pra que é que serve uma canção como essa?».

34


© Murilo Alesso

35


dezembro


5/

DEZ.

SÁB. 21H30

WAKE UP

— de António Afonso Parra e Luís Araújo A partir de "Wake Up And Smell The Coffee" de Eric Bogosian

teatro M16 anos 70 min 7,5 € (descontos aplicáveis) 38

«WAKE UP» é um trabalho de reescrita e adaptação do texto “Wake Up And Smell The Coffee” do premiado ator e autor norte-americano Eric Bogosian. Este monólogo, primeira criação assinada por António Parra na companhia A Turma, em colaboração com Luís Araújo, cruza a linguagem dos dois criadores com a escrita cáustica e lancinante de Bogosian diluindo a fronteira entre teatro e stand-up, entre intérprete e público e ator e personagem. Nesta reescrita, apesar do alvo ser o ator, aponta-se o foco ao público: a sede de sucesso, a ansiedade que isso provoca, a espiritualidade pop, o caos e a alienação da vida pós-moderna. Uma sucessão vertiginosa de personagens moralmente questionáveis e à deriva entre a conformidade e a hipocrisia procuram desesperadamente capitalizar a dor, a miséria e o desastre. O universo não perdoa ninguém e nós não perdoamos ninguém. Nem nós próprios. No fundo no fundo para podermos seguir em frente vamos rodeando-nos de paliativos inócuos. Este espetáculo é um deles.


texto Eric Bogosian Tradução Luís Mestre Interpretação António Afonso Parra Encenação António Afonso Parra, Luís Araújo Cenografia Ana Gormicho Desenho de luz Rui Monteiro Sonoplastia João Oliveira Desenho de som Joel Azevedo Vídeo e fotografia Francisco Lobo Fotografia Sara Pazos Design Francisco Ribeiro Direção técnica Zé Diogo Cunha Produção administrativa e executiva Ludovica Daddi Produção A Turma (estrutura financiada pela República Portuguesa – Ministério da Cultura/DGArtes) Coprodução Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, Teatro Nacional São João, Teatro Virgínia Apoios A Turma A Liga, Fundação Escultor José Rodrigues, Antena 2, Fnac Santa Catarina, Rádio Nova, Revista Intro, Revista gerador Mecenas A Turma Brochado Coelho e Associados, Central de Informação Agradecimentos Agente a Norte, Albertina Parra, Alessandra Mencancini, APPC, Artur Parra, ASSéDIO Teatro, Bernardo Daddi, Celso Miguel, Chiara Gazzarrini, Filipa Telo Alves, Helder Alves, Isabel Varela, Luísa Quintela, Marcelino Teixeira, Maria João Maia Rosa, Marília Júlio Teixeira, Paulo Cunha Martins, Tom Cruise e a Igreja da Cientologia

Bios António Afonso Parra . Vila Nova de Famalicão, 1987. Concluiu o curso de Teatro – Interpretação na ESMAE. É membro fundador e da direção das Companhias A TURMA e AMANDA. Fundou com Tiago Correia o seu projeto musical “Les Saint Armand” tendo já composto bandas sonoras para alguns espectáculos teatrais. Escreveu e coproduziu a web-série “A Velhinha que Fuma”. Em televisão fez algumas pequenas participações em programas/novelas da SIC, SIC RADICAL, RTP E RTP2. Em cinema fez curtas-metragens com Francisco Lobo, Hernâni Gonçalves, Pedro Augusto Almeida entre muitos outros. É desde 2016 professor de interpretação na ACE – Famalicão. Luís Araújo . Formou-se em Interpretação pela Academia Contemporânea do Espetáculo (ACE). Em 2003 iniciou o seu percurso profissional trabalhando com o dramaturgo australiano Raimondo Cortese (Ranters Theatre) e com a companhia italiana Teatrino Clandestino. Em 2018 foi homenageado pela Casa do Artista com o prémio Canto e Castro por serviços de exceção prestados ao teatro português e em 2019 foi o vencedor do campeonato de sueca da associação recreativa ao lado da casa dos pais. Acredita que as pirâmides foram construídas por extraterrestres e que o 11 de Setembro foi um inside job.

39


11/

DEZ.

SEXTA 14H30 ESCOLAS

Mininu

12/

— de Fernando Mota

DEZ.

SÁB. 11H00

Bio Fernando Mota. Compositor, músico e artista multidisciplinar. Desde 2010 que tem vindo a criar uma série de espectáculos desenvolvendo uma linguagem cénica multidisciplinar e universal, em criações como Mininu, Mapa, Peixe Lua, Photomaton e Quando o Homem Lavrava o Mar. O seu universo musical resulta do cruzamento de diversas linguagens, geografias e ferramentas, como o estudo de instrumentos tradicionais portugueses e de outras culturas, a construção de instrumentos experimentais e objetos sonoros e a utilização de elementos da natureza e sons do quotidiano nas suas composições.

40

© Mário Melo Costa

Texto e Direção Fernando Mota Cocriação e Interpretação Ana Sofia Paiva, Fernando Mota, Gueladjo Sané e José Grossinho Direção Musical e Desenho de Som Fernando Mota e José Grossinho Vozes off Gueladjo Sané e Tiago Mota Vídeo Mário Melo Costa Realização Plástica e Adereços Marco Fonseca Desenho e operação de Luz Catarina Codea Produção e Coordenação Violeta Mandillo Caderno Pedagógico Margarida Botelho Coordenação da Oficina Fernando Mota e José Grossinho Vídeo promocional Mário Melo Costa Apoio Companhia de Actores Coprodução A Caravana, Artemrede, CCB - Fábrica das Artes, Teatro Aveirense, CAE Sever do Vouga e São Luiz Teatro Municipal Criação inspirada no projeto de recolha e edição Nha Mininu, no âmbito de “Cultura i nô balur” – promovido pela FEC – Fundação Fé e Cooperação e parceiros, com o financiamento da União Europeia, da Misereor e do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, I.P


Era, era? Era certo. Esta é a história de um menino que tinha um sonho. É uma história de fuga e viagem, desde os campos de arroz e os tambores mandinga de Gabu aos ritmos da Guiné Conakry, passando por Moscovo, Bissau e Lisboa. O que tem um menino de fazer para encontrar o seu lugar na vida e no mundo? Mininu é um espetáculo multidisciplinar para a infância que utiliza várias linguagens como o teatro, a literatura, a música, as artes plásticas e o vídeo para criar um objeto comunicante e universal. Inspirado na cultura guineense, é criado na sequência de Nha Mininu – projeto que envolveu a recolha de canções tradicionais infantis em todas regiões da Guiné-Bissau e a produção de um CD com arranjos originais e a participação de músicos guineenses residentes em Portugal. Mininu é uma história de viagem e encontro. Marcação prévia obrigatória para escolas seducativo.teatrovirginia@cm-torresnovas.pt teatro

M6 anos

45 min

2 € (escolas) 3 € (público geral)

lotação limitada a 80 lugares

41


19/

DEZ. SÁB. 21H30 música

M6 anos

80 min

20 € (descontos aplicáveis)

Expensive Soul Expensive Soul é hoje uma das grandes bandas nacionais, com uma sonoridade única em Portugal, que tem conquistado gerações, inúmeros prémios (entre os quais, 2 Globos de Ouro, melhor música em 2011 e melhor grupo em 2013), airplay nas rádios e lugares cimeiros nas tabelas de vendas. «A Arte das Musas», o álbum lançado em 2019, marcou um ano de afirmação e celebração para os Expensive Soul que, não só celebraram 20 anos de carreira com um novo disco como partilharam este momento de celebração com o público num espetáculo inesquecível e totalmente criado à sua imagem no fim de 2019, na Altice Arena. Expensive Soul são conhecidos pelos seus concertos «mágicos» e em 2020 garantem elevar o seu legado nesta digressão.

Bio Demo e New Max celebraram em 2019 vinte anos de carreira, dando início a um novo capítulo na sua vida. Talentosos, arrojados e resilientes, foram desbravando o território até fazerem de Portugal a verdadeira Soul Nation.

42


Voz Tiago Novo (New Max), António Conde (Demo) Guitarra Lino Matos Baixo Pedro Ferreira Teclas Diogo Santos Silva Bateria Ricardo Danin Percussão Andrés Tarabbia Back vocal Helena Neto, Bruno Pina e Bruna Moreira Trombone João Seco Saxofone Samuel Silva Trompete José Silva

43


Lab criativo


LAB CRIATIVO

a arte dá trabalho

set. a dez.

Sessões por marcação

ESCOLAS

seducativo.teatrovirginia@cm-torresnovas.pt

oficina

Teatro

técnica da máscara neutra

com Miguel Lemos

Ser uma página em branco. Trabalhar o movimento. Consciência do corpo. Gestualidade. Neutralidade. Dizer isto tudo na linguagem do silêncio.

Bio Miguel Lemos // ator de teatro (ACE/Teatro do Bolhão e Porta 27), televisão (RTP) e cinema, é formador pela Federação Portuguesa de Teatro. ensino secundário, alunos dos cursos de Animação 3h + 3h Cultural e/ou Teatro e outros interessados

oficina

Guionismo —

com David Alves

gratuito

1 turma (por sessão)

Uma ideia e uma página em branco. Deixamo-nos levar pela criatividade, sempre com a responsabilidade de criar um espetáculo/programa. Organizam-se as ideias, controla-se o tempo e passamos para o papel. No final do guião passamos para a ação.

Bio David Alves // licenciado em Comunicação Social, guionista de «O Programa da Cristina» e realizador audiovisual. ensino secundário, alunos do curso de Línguas e Humanidades e outros interessados

46

4 horas

gratuito

1 turma (por sessão)


Marcação prévia obrigatória

seducativo.teatrovirginia@cm-torresnovas.pt

NOVEMBRO

17 — 19

TERÇA A QUINTA

A Dança e a Filosofia —

de e com Leonor Barata Produção Companhia Paulo Ribeiro A dança desde sempre se cruzou com o pensamento filosófico, na medida em que ambos tentam uma organização do real que nos sirva como pessoas e como cidadãos e que nos force a sair do senso comum na análise dos problemas e promova um espaço verdadeiramente reflexivo.

Bio // Leonor Barata. Licenciada em Filosofia e pós-graduada em Estudos Artísticos. Fez formação em dança no Forum Dança. Foi intérprete em vários espetáculos de dança e de teatro. O seu trabalho é extenso na área da Pedagogia Artística tendo sido colaboradora regular de várias instituições. Coreógrafou e criou vários espetáculos para o público jovem. Foi responsável pelas visitas guiadas ao Centro Cultural de Ílhavo e ao Teatro Académico de Gil Vicente. Desde 2010 é diretora da companhia ProjectoD – Pedagogia e Criação Artísticas. oficina de dança

Assim, a dança pode também ela ser vista como um exercício ativo do pensamento. Corpo visível e pensamento materializado. A convite da Companhia Paulo Ribeiro, Leonor Barata apresenta o corpo dançante como um corpo que pensa e, nessa medida, encerra em si as grandes questões filosóficas que acreditamos são transversais a todos nós e a todos os tempos. Provocar o espanto e a capacidade de questionar, colocando desafios a partir de duas premissas principais: tudo passa pelo corpo; tudo implicará decisão. «A Dança e o Ensino Criativo» (2019-2021) é um projeto da Companhia Paulo Ribeiro, que promove o cruzamento da dança com disciplinas curriculares – filosofia, literatura e matemática.

3.º ciclo, secundário e escolas de dança

90 min

gratuito

1 turma por sessão

47


LAB CRIATIVO

teatro em formação O teatro em formação é um projeto do Lab Criativo do Teatro Virgínia, que convida a experimentar e a fazer teatro no seu espaço. Todos os curiosos, interessados e com vontade de integrar esta aventura pelo mundo da criação teatral, podem fazê-lo junto a nós.

48


Atelier Teatral dos Miúdos

Miúdos » 7 aos 11 anos Os miúdos do nosso Atelier Teatral vão regressar aos encontros semanais! Finalmente, a sua viagem pela exploração de propostas artísticas, jogos criativos e exercícios de palco vai continuar. Desta vez, os pequenos atores do ano anterior mantêm-se e retomam esta aventura até maio de 2021.

Grupo de Teatro Juvenil do Virgínia

Jovens » 12 aos 18 anos O percurso dos nossos jovens atores vai continuar com o seu trabalho, dedicação e exploração do texto escolhido no ano anterior, dentro do projeto PANOS. Certamente que voltarão em força e já com propostas para retomarem esta criação conjunta, que terá estreia em abril de 2021.

Teatro Maior de Idade

Seniores » maiores de 50 anos Verdadeiros entusiastas e genuinamente dedicados a este projeto, os nossos atores têm preparado a sua nova peça “A Cantora Careca”, que será levada à cena no dia 7 de novembro no Teatro Virgínia. Desde janeiro deste ano que a caminhada do Teatro Maior de Idade tem acontecido numa partilha muito frutífera e criativa, ainda que à janela das novas tecnologias.

49


assinaturas de temporada Escolha uma das nossas assinaturas e usufrua de descontos de mais de 50%.

Condições Gerais Campanha não acumulável com outros descontos em vigor; A venda das assinaturas está limitada à disponibilidade de lugares em cada sessão; Ao adquirir uma Assinatura do Teatro Virgínia irá receber os bilhetes individuais para cada um dos espetáculos; A aquisição da assinatura não é pessoal, pelo que pode ser transmitida a terceiros; Apenas poderão ser adquiridas na bilheteira local; As assinaturas não são reembolsáveis ou passíveis de troca por outros.

50


ESPETÁCULOS

Clã . Véspera 10 de outubro . sáb. 21h30

Alma . de Tiago Correia 17 de outubro . sáb. 21h30

Wake Up . de António Afonso Parra e Luís Araújo

9

6

4

ESPETÁCULOS

ESPETÁCULOS

ESPETÁCULOS

X

X

X

X

escolher um escolher um destes dois destes dois espetáculos espetáculos

5 de dezembro . sáb. 21h30

Por um Fio

Companhia Erva Daninha

X

24 de outubro . sáb. 21h30

Drama . de Victor Hugo Pontes 21 de novembro . sáb. 21h30

A Cantora Careca

Teatro Maior de Idade

escolher um escolher um destes dois destes dois espetáculos espetáculos

X

X

X

X

7 de novembro . sáb. 21h30

Rodrigo Leão . O Método 14 de novembro . sáb. 21h30

Adriana Calcanhotto Margem

X

X

X

X

X

X

65 €

45 €

27 de novembro . sáb. 21h30

Expensive Soul 19 de dezembro . sáb. 21h30

PREÇO

20 €

51


INFORMAÇÕES —

CONTACTOS 249 839 300 Teatro Virgínia Largo José Lopes dos Santos | 2350-686 Torres Novas www.teatrovirginia.pt LAB CRIATIVO 249 839 305 | seducativo.teatrovirginia@cm-torresnovas.pt BILHETEIRA 249 839 309 | bilheteira.teatrovirginia@cm-torresnovas.pt » segunda a sexta das 15h às 18h30 » em dias de espetáculo abre 2 horas antes do mesmo e encerra 30 minutos após o seu início » nos 30 minutos que antecedem os espetáculos, só se vendem bilhetes para o mesmo. BILHETEIRA ONLINE Poderá adquirir os seus bilhetes sem ter de deslocar-se à nossa bilheteira, aceda a www.bilheteiraonline.pt e imprima o seu bilhete em casa. PONTOS DE VENDA ADERENTES Poderá adquirir os seus bilhetes nos pontos de venda Worten e na Fnac. DESCONTOS Os bilhetes com desconto são pessoais e intransmissíveis e obrigam à identificação no ato a compra e na entrada quando solicitada. Os descontos não são acumuláveis. Os espetáculos sujeitos a descontos estão devidamente assinalados. Descontos de 30% » Família (pai/mãe com filhos menores) » Estudantes » Pessoas portadoras de deficiência » Desempregados » Maiores de 65 anos* » Funcionários do Município de Torres Novas » Grupos de 10 ou mais pessoas* Descontos de 50% » Cartão do idoso do Município de Torres Novas » Espetáculos para Famílias 3 ou + elementos (pontual) Programa És Cultura 18 Entrada gratuita para jovens que completem 18 anos em 2020. Válido durante 12 meses após a data do aniversário. » Aplicável nos espetáculos promovidos pelo Município de Torres Novas, limitada à lotação disponível. Não se realizam reservas. Os bilhetes têm de ser levantados na semana do espetáculo, até uma hora antes do seu início, mediante apresentação do cartão do cidadão. O bilhete é intransmissível. *Descontos disponíveis também nos pontos de venda aderentes.

PREÇOS ESPECIAIS » Grupos do Teatro em Formação | espetáculos de teatro, dança contemporânea e música erudita — 5€ e espetáculos do Lab Criativo — 1€ » Grupos de teatro amador do concelho de Torres Novas | espetáculos de teatro — 5€ » Escolas de dança | espetáculos dança contemporânea — 5€ » Escolas de música e bandas filarmónicas do concelho de Torres Novas | espetáculos de música erudita — 5€

52

RESERVAS Após terem sido efetuadas, têm de ser levantadas no prazo de 7 dias e/ou até 4 dias antes da realização do espetáculo, caso contrário serão anuladas automaticamente pelo sistema. As reservas poderão ser efetuadas na bilheteira do Teatro Virgínia, através de telefone ou email. Não existe lista de espera para eventuais desistências. DEVOLUÇÕES Se por motivo de força maior a data de espetáculo for alterada, os bilhetes adquiridos serão válidos para a nova data definitiva. Serão restituídas aos espetadores que o exigirem, as importâncias dos respetivos ingressos sempre que não se puder efetuar o espetáculo no local, na data e hora marcados, assim como em caso de cancelamento do espetáculo. Os portadores dos ingressos do espetáculo em causa devem apresentar-se na bilheteira, num prazo de 8 dias, a fim de deixarem os dados pessoais (NIB e NIF) para a restituição do respetivo valor dos ingressos. O mesmo se aplica em casos de interrupção do espetáculo, nos mesmos prazos e com as mesmas condições. A devolução das respetivas importâncias será feita no prazo máximo de 30 dias. CONDIÇÕES DE ACESSO Após o início do espetáculo não é permitida a entrada na sala, não havendo lugar ao reembolso do preço pago pelo bilhete, salvo indicação dos assistentes de sala e apenas para lugares disponíveis no balcão e camarotes. Programas e elencos podem ser alterados por motivos imprevistos. Os menores de 3 anos não podem assistir a quaisquer espetáculos, mesmo que acompanhados pelos pais (exceto nas atividades especificamente dirigidas a este público), de acordo com o artigo 26.º do Dec. Lei 23/2014. O bilhete deverá ser conservado até ao final do espetáculo. É expressamente proibido filmar, fotografar ou gravar, assim como fumar, consumir alimentos ou bebidas. À entrada, os espetadores devem desligar os telemóveis e outras fontes de sinal sonoro.

EQUIPA

— Direção Elvira Sequeira Coordenação Técnica e Produção Carlos Ferreira Produção Executiva Cláudia Plácido Lab Criativo Joana Carreira Técnico de Luz , Maquinaria de Cena e Audiovisuais João Guia Técnico de Som João Cotovio Direção de Cena e Apoio Técnico Paulo Silva Bilheteira Ana Cunha e João Inácio Assistentes de Sala Ana Cunha, Dulce Cruz, Joana Vieira, João Inácio, Paulo Claudino, Ricardo Rosado, Sandra Alcobia, Sílvia Martins, Sandra Soares Manutenção Cláudio Marques Limpeza Sílvia Reis Comunicação e Imprensa Liliana Oliveira | CAI Design Sofia Ferreira | CAI Paginação Sofia Ferreira | CAI Divulgação João Inácio, Paz Miguel e José Ramos


PLANTA DA SALA

TE A

CAMAROTE

CAMARO

B

TE C

RO CAMA

CAM

ARO

TE D

O N

BALCÃO

M

L K P

J

O

I

N M

H

L

G

K J

F

ALTA

H

D

ALTA

PLATEIA

PLATEIA

I

E

G

C

F E

B A

D C B A

PLATEIA

PALCO

LOTAÇÃO Lotação segundo as Normas e Orientações da Direção-Geral de Saúde


Teatro Virgínia

Largo José Lopes dos Santos 2350-686 Torres Novas www.teatrovirginia.pt facebook.com/teatrovirginiatorresnovas www.cm-torresnovas.pt

INICIATIVA

Profile for Município de Torres Novas

Agenda Teatro Virgínia - setembro a dezembro 2020  

Advertisement