Issuu on Google+

Distribuição gratuita

EUROCIDADE DO GUADIANA NASCE EM CASTRO MARIM PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS PARA 2013 NOVAS AVENIDAS RASGAM O FUTURO DE CASTRO MARIM ENTREVISTA A PAULO TEIXEIRA PINTO

NOTÍCIAS DE

#16

Castro Marim PUBLICAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL # JUNHO ‘13


Índice #5 Mensagem do presidente #6 Plano Plurianual de Investimentos #9 #10 #12 #14

para 2013 OBRAS MUNICIPAIS UNIDADE ORGÂNICA DE CULTURA E DESPORTO EUROCIDADE DO GUADIANA NASCE EM CASTRO MARIM Entrevista com PAULO TEIXEIRA PINTO

#45 #46 #52 #60 #62 #71

PINTURA DE OLIVEIRA TAVARES FESTAS RELIGIOSAS XV EDIÇÃO DOS DIAS MEDIEVAIS ENTREVISTA AO LATOEIRO JOÃO LOURENÇO CULTURA E MÚSICA NO CONCELHO Câmara municipal RECUPERA CASAS A IDOSOS

#73 AUTARQUIA PROMOVE IMAGEM DO CONCELHO #74 BAIXO GUADIANA NO LIFECOOLER #75 CASTRO MARIM CELEBRA DIA INTERNACIONAL

#19 #20 #22 #28 #29 #30 #31

FESTIVAL INTERNACIONAL DO CARACOL 6.ª FEIRA Terra de Maio DIA DO município Dia Mundial da Criança 4.ª Edição das Férias Ativas EDUCAÇÃO ALUNOS DE CASTRO MARIM DESCOBREM PARLAMENTO EUROPEU #36 INAUGURAÇÃO DA CASA DE ODELEITE #42 FORTE DE S. SEBASTIÃO É MONUMENTO NACIONAL

#76 #78 #79 #83 #84 #86 #87 #88 #89 #90

DA MULHER SAÚDE DIA NACIONAL DOS MOINHOS DESPORTO 39.ª VOLTA AO ALGARVE EM BICICLETA ENTREVISTA AO PRESIDENTE DO GRUPO DESPORTIVO E CULTURAL DO RIO SECO leituras provérbios correio do leitor o canto da poesia pescada corada com amêndoa

Revista Municipal da Câmara Municipal de Castro Marim Rua Dr.TÉCNICA José Alves Moreira, n.º 10 FICHA 8950-138 CASTRO MARIM

Tel: 281 510 740 # Fax: 281 510 743 e-mail: gam@cm-castromarim.pt www.cm-castromarim.pt Direção: José Fernandes Estevens Tiragem: 5 mil exemplares Periodicidade Semestral Distribuição gratuita Depósito Legal: 313047/10 Junho 2013


Abertura 5#

Mensagem do Presidente

A mensagem de abertura de mais um Notícias de Castro Marim é o melhor pretexto para fazer um balanço sobre o trabalho do atual executivo à frente dos destinos do concelho. E se todas as imagens e palavras que se seguem são a mais eloquente prova do muito que foi feito, todavia acabam sempre por parecer pouco, tamanha é a ambição de servir a nossa terra que orienta a equipa que dirijo. Porque em Castro Marim, a vida do concelho se conjuga em três tempos verbais: no passado, no presente e no futuro e estas três realidades coincidem, de forma invisível, no quotidiano dos munícipes. A atenção ao passado e às nossas raízes, que fizeram de nós aquilo que somos hoje, tem sido uma constante da autarquia, com a recuperação e consolidação do património histórico edificado – não posso deixar de expressar o enorme orgulho pelo Forte de São Sebastião ter sido eleito Monumento Nacional – e o apoio e promoção das artes e saberes tradicionais, com as mostras de artesanato e gastronomia locais e a realização de festivais de folclore e de serões de acordeão. O presente do concelho caracteriza-se pelo esforço constante de melhorar o nível de vida da população, de forma a combater assimetrias e injusti-

ças, nesta época particularmente difícil que o país atravessa, tanto a nível económico como social. O que significa, entre outros, o apoio incondicional à terceira idade, com a recuperação de casas a idosos, prosseguindo a política de habitação social, mas também a melhoria do abastecimento de água e saneamento básico junto das populações, assim como os cuidados de saúde para todos e a promoção do convívio entre os munícipes. De olhos postos no futuro e nos mais novos, que são motivo de enorme e fundada esperança, a educação, a cultura e a tecnologia de informação têm sido áreas de atuação privilegiadas, de forma a projetar no amanhã o enorme potencial que o concelho encerra. Nesta terra que vive em três tempos, revivem-se velhas memórias e criam-se novas, abrindo as portas ao desenvolvimento e à modernidade. Porque se Castro Marim sempre foi uma terra com história é, seguramente e cada vez mais, um concelho com futuro. E o futuro, à semelhança de uma eterna página em branco, é o que fomos fazendo dele, dia após dia.

José Fernandes Estevens


6# Desenvolvimento

Plano Plurianual de Investimentos para 2013 As obras de conclusão da Urbanização das Laranjeiras em Altura, a remodelação do Mercado Municipal de Altura, a conclusão da Estrada Municipal Altura-Furnazinhas e o Centro Interpretativo do Sal de Castro Marim constituem uma das principais prioridades do Orçamento para 2013. Não obstante as dificuldades económicas existentes no país e as medidas restritivas do Governo para as autarquias, que comprometem seriamente a realização de objetivos essenciais para a melhoria de vida das populações, que se traduzem na perda acentuada das receitas e no decréscimo das verbas do Orçamento Geral do Estado a transferir para os Municípios, bem como a «Lei de Compromissos», a Assembleia Municipal aprovou a proposta de orçamento do executivo para 2013. O Plano Plurianual de Investimentos do Município de Castro Marim atinge o valor de €  23  986  867, com o investimento a situar-se nos € 13 526 363, o equivalente a 56% do orçamento aprovado. As Grandes Opções do Pla-

no (GOP) definem uma conduta de exigência e de grande rigor, no que se refere aos cortes nas despesas correntes, de forma a garantir a saúde financeira da Autarquia, sem colocar em risco a estratégia de desenvolvimento do futuro do concelho, como prova o investimento de € 9 042 627 nas funções sociais, de que são exemplo o ordenamento do território, o abastecimento de água, as acessibilidades e a cultura, representando mais de 66% do investimento total. Abastecimento de Água e Saneamento Básico Numa linha de continuidade com os elevados investimentos realizados no Abastecimento de Água e Saneamento Básico, que têm permitido dotar de água e esgotos diversas localidades do concelho, nomeadamente nas freguesias de Odeleite e Azinhal, a Autarquia continua apostada em canalizar meios financeiros para este setor como indicam os 4,2 milhões de euros previstos em orçamento para 2013. O Municí-


Desenvolvimento 7#

pio aguarda a decisão da candidatura apresentada ao POVT para poder lançar a obra da 1.ª fase do Subsistema Central, destinada a servir água e esgotos a 11 localidades do interior do concelho: Piçarral, Eira Grande, Sentinela, Murteira de cima, Murteira de Baixo, Quebradas, Corujos, Casa Branca e Choça Queimada. Entretanto, a Câmara Municipal espera reunir os meios necessários para poder iniciar a construção das redes de abastecimento de água e esgotos das localidades de Cabeço de Junqueira, Casinhas e Montes Castelhanos. Ordenamento do Território Atendendo à importância de definir uma política coerente de uso dos solos e da gestão dos espaços, designadamente na delimitação e desenho das malhas urbanas, a Câmara Municipal aprovou uma fatia de 1,8 milhões de euros do orçamento para o ordenamento do território. Pela inf luência e interação no tecido socioeconómico municipal nesta área, destacam-se a Revisão do Plano Diretor Municipal, o Plano de Pormenor da Área de Negócios do Sotavento Algarvio (ANESA), as obras de urbanização do Plano de Pormenor n.º 1 de Altura e a conclusão das infraestruturas da Urbanização Lupamar, projetos estruturantes para o futuro de Castro Marim. Acessibilidades Uma das marcas impressivas deste executivo é a revolução viária ocorrida no concelho. As vias de comunicação construídas permitiram que se rasgassem novos horizontes de modernidade e progresso para esta terra, ligando o litoral ao interior. As Grandes Opções do Plano para 2013, em matéria de acessibilidades, dispõem de uma verba de 2,7 milhões de euros. Depois da construção e da entrada em funcionamento de duas artérias essenciais à expansão e ao desenvolvimento da vila de Castro Marim - a Avenida Dr. José Afonso Gomes e a Avenida General Lino Dias Miguel - a Câmara Municipal iniciou a obra de conclusão da Estrada Municipal Altura-Furnazinhas, numa extensão de 34 Km, com a construção do troço Eira Verde-Monte Novo/

Furnazinhas, num investimento de 2 milhões de euros. Ainda no campo das acessibilidades será executada a obra da ponte sobre a ribeira de Rio Seco, na Várzea das Canas. Cultura Visando a valorização e o enriquecimento cultural do concelho, a Câmara Municipal tem vindo progressivamente a realizar grandes investimentos neste campo, desde a recuperação e consolidação do património histórico edificado como são os casos do Forte de São Sebastião, da Colina do Revelim de Santo António, da Casa de Odeleite ou do Moinho das Pernadas, até à construção de equipamentos culturais tais como a Biblioteca Municipal, o Centro Multiusos do Azinhal e a Casa da Música em Castro Marim. Para 2013, a fatia do orçamento destinada à cultura pelo executivo atinge o valor 1,1 milhão de euros. Entre outras obras, estão previstas a finalização do Centro Interpretativo do Sal de Castro Marim e a recuperação e consolidação do troço da muralha do Forte de S. Sebastião de acesso ao Castelo. Habitação A habitação social é outra das grandes prioridades, tendo nos últimos anos sido investidos centenas de milhares de euros na construção de fogos de habitação social em Castro Marim e Altura, permitindo que dezenas de famílias desfavore-


8# Desenvolvimento

cidas do concelho possam dispor de habitações condignas para viver. Prosseguindo a política de habitação social empreendida pelo executivo municipal vão ser concluídas as obras dos últimos oito apartamentos na Urbanização das Laranjeiras em Altura. No que respeita ao desenvolvimento económico, é de sublinhar a remodelação do Mercado Municipal de Altura, cuja obra visa a adaptação e modernização daquele espaço comercial às novas exigências, garantindo melhores condições no atendimento ao público consumidor com a construção de novas bancas, o acondicionamento e congelação do pescado em condições de higiene e segurança. No âmbito da ação social e intervenção comunitária levada a cabo pela Autarquia, é ainda de referir a aquisição de dois autocarros que permitirão aumentar a qualidade e o conforto dos transportes escolares e da rede de circuitos de transporte social do Município. As Grandes Opções do Plano para 2013, consagram ainda no capítulo das atividades mais relevantes, um papel central às políticas sociais e culturais, re-

presentando um montante de 29% das despesas correntes. Ao abrigo do Programa de Conforto Habitacional para Pessoas Idosas (PCHI) do Ministério da Solidariedade e da Segurança Social, a Câmara Municipal vai recuperar e qualificar habitações degradadas a idosos do concelho, contribuindo para a melhoria da sua qualidade de vida e, ao mesmo tempo, prevenir situações de dependência. O executivo vai igualmente continuar a desenvolver outras tantas políticas de alcance social, de que são bons exemplos os subsídios de incentivo à natalidade, o Cartão do Idoso, o transporte para consultas ao médico e a rede de transportes coletivos do Município. Quanto à Proteção Civil e combate a incêndios, a Câmara Municipal aposta na continuidade do Protocolo de Colaboração com os Bombeiros Voluntários de Vila Real de Santo António. No plano cultural e desportivo, as atividades mais relevantes privilegiam ações e iniciativas como os Dias Medievais, o Programa Férias Ativas, a  atribuição de bolsas de estudo e a assinatura de Contratos-Programa com as associações locais.


Obras Municipais 9#

Avenidas rasgam o futuro Avenidas Dr. José Afonso Gomes e General Lino Dias Miguel em castro marim

No dia 24 de junho, feriado municipal, foram inauguradas duas obras de urbanismo estruturantes para o futuro da vila de Castro Marim: a Avenida Dr. José Afonso Gomes e a Avenida General Lino Dias Miguel, num investimento total de 3,2 milhões de euros. A Avenida Dr. José Afonso Gomes tem uma extensão de 1 Km, ligando a entrada Norte de Castro Marim (E.N. 122) à zona da Espargosa. Esta infraestrutura viária dispõe de quatro rotundas, duas nas extremidades e outras duas intercalares e com duas faixas de rodagem de 7 metros por sentido. A Avenida General Lino Dias Miguel está localizada entre a entrada nascente de Castro Marim e a Espargosa, numa extensão de 650 metros. Dispõe de duas rotundas com duas faixas de rodagem de 7 metros por sentido com separador central e uma ciclovia no passeio com 2,5 m de largura. As duas novas avenidas em funcionamento desempenham um papel nuclear na sede do concelho. Além de melhorarem a qualidade e segurança das

acessibilidades à vila de Castro Marim, constituem um elemento de modernidade, potenciador do desenvolvimento económico e do bem-estar social da comunidade castromarinense.


10# Serviços Municipalizados

Unidade Orgânica de CULTURA E DESPORTO

Na

sequência do conhecimento das diferentes unidades orgânicas do Município, em edições anteriores da Revista Notícias de Castro Marim, neste número propomo-nos apresentar a equipa dirigente do pelouro da Cultura e Desporto. A Unidade Orgânica de Cultura e Desporto assume um papel de relevo nas áreas da Cultura e Desporto, para as quais a Câmara Municipal canaliza investimentos muito significativos, com a finalidade de garantir à população do concelho a fruição de bens culturais e desportivos. Na sua intervenção, a UOCD tem, entre outras atribuições e competências, a responsabilidade de planear, programar e coordenar as políticas culturais, desportivas e de lazer do executivo municipal. Para isso concorre, em larga medida, a realização de grandes eventos que acontecem anualmente,

de que são um bom exemplo os Dias Medievais e que são um elemento incontornável da marca Castro Marim, dentro e fora da região. Também no campo desportivo, esta Unidade Orgânica desempenha uma função social de grande relevo na dinamização e desenvolvimento de ações de promoção da atividade física dirigida às diferentes camadas da população como provam o programa de atividade física adaptada, “Ao ritmo dos 60” para a 3.ª Idade e as Férias Ativas, direcionadas aos alunos. É com brio e orgulho que os treze elementos, entre assistentes operacionais, um assistente técnico e técnicos superiores que constituem a Unidade Orgânica de Cultura e Desporto, vestem a camisola do Município para que o desenvolvimento cultural e desportivo no concelho seja um exemplo de modernidade e urbanidade na região algarvia.


Serviรงos Municipalizados 11#


12# Desenvolvimento Económico

Eurocidade do Guadiana nasce em castro marim Castro Marim celebrou no passado 9 de maio o Dia da Europa com a criação da «Eurocidade do Guadiana», na sequência da adesão do município à Eurocidade, até agora constituída pelos municípios de Ayamonte e Vila Real de Santo António.

A cerimónia

de adesão, que foi presidida pelo Presidente da Câmara Municipal, Dr. José Estevens, teve lugar no cenário esplendoroso da Colina do Revelim de Santo António, e contou com a presença do Secretário de Estado da Administração Local, Dr. António Leitão Amaro, do Presidente da Eurorregião Alentejo-Algarve-Andaluzia e Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve, Eng. David Santos, do Presidente da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, Eng. Luís Gomes, do Alcaide do Ayuntamento de Ayamonte, D. António Javier Castillo e do Representante do governo Regional da Junta de Andaluzia, em Huelva, D. José Fiscal. Trata-se de um projeto Transfronteiriço entre os três municípios, que tem por finalidade o desenvolvimento e a harmonização de um modelo de cooperação, de modo a contribuir para a sustentabilidade ambiental e a coesão económica e social, centrado na estratégia europeia da Eurocidade. O Secretário de Estado da Administração Local, António Leitão Amaro, enalteceu as virtudes da criação da «Eurocidade do Guadiana» e a ação empenhada dos três municípios no reforço de uma comunidade que interage há séculos, onde o rio Guadiana não é um obstáculo, mas antes um espaço marítimo de oportunidades, assentes numa estratégia de aproveitamento e partilha dos recursos existentes, quebrando fronteiras nacionais e municipais. A concluir, o governante afirmou que todos se devem empenhar na concretização deste projeto, que cons-

A cerimónia de adesão contou com a presença do Secretário de Estado da Administração Local, Dr. António Leitão Amaro titui “uma eurocidade das pessoas no geral com ideias em realidade”. No seu discurso, José Estevens, Presidente da Câmara Municipal de Castro Marim, realçou a importância da adesão do concelho à Eurocidade e o simbolismo desta data, dia em que se celebra a Europa, entendendo que a inclusão de Castro Marim na primeira Eurocidade da região do Algarve reforça e melhora o projeto, permitindo um aproveitamento das sinergias existentes entre os três municípios. “A nova realidade exige que as oportunidades criadas sejam devidamente aproveitadas para bem do futuro desta comunidade, sendo que Castro Marim estará disponível, com entusiasmo e vontade para que este projeto se torne sustentável”, proferiu na ocasião. Também o Alcaide do Ayuntamento de Ayamonte, António Javier Castillo, referiu que o alargamento da Eurocidade a Castro Marim é um momento impor-


Desenvolvimento Económico 13#

tante para o seu crescimento, constituindo uma aliança de confiança para um futuro melhor para os cidadãos. Salientando a importância da população na construção da Eurocidade, assegurou que é um passo em frente na intensificação da união existente entre os três municípios em prol da população e de uma cooperação que vai muito além das fronteiras existentes. Ainda durante a cerimónia foi apresentado o novo logótipo Eurocidade Ayamonte – Castro Marim – Vila Real de Santo António, com o slogan “Unidas pelo Guadiana”. A «Eurocidade do Guadiana» é um passo decisivo no reforço de cooperação e intercâmbio entre os três municípios, tendo como fio condutor o Guadiana, “o grande rio do Sul” e um território de 500 Km. A nova estrutura vai possibilitar a partilha de equipamentos e serviços, a realização de eventos conjuntos e a promoção concertada das cidades para o desenvolvimento nos setores turístico, cultural, empresarial e patrimonial. A criação da primeira Eurocidade entre as regiões do Algarve, do Alentejo e da Andaluzia realizou-se em janeiro de 2013, entre Ayamonte e Vila Real de Santo António.


14# Entrevista

Paulo Teixeira Pinto “para se ter uma boa biblioteca dentro de cada um, é preciso ler muito e eu comecei a ler desde muito cedo.”

NCM: O

Dr. Paulo Teixeira Pinto nasceu em Huambo, Nova Lisboa. De que modo é que África inf luenciou o seu crescimento enquanto homem e também como ser humano? PTP: Nós somos sempre as circunstâncias em que nascemos, e em que vivemos e em que crescemos, especialmente numa altura em que isso faz parte da formação essencial do que vai ser o caráter e a personalidade de cada um. Eu tive o privilégio de ter uma infância feliz numa terra bonita, tive depois a desventura de ter que a abandonar em circunstâncias trágicas e refazer a minha vida noutra terra, neste caso, como eu costumo dizer, já no hemisfério norte. Na verdade, a minha matriz, como em todas as pessoas forma-se, no essencial, muito cedo e isso tam-

bém terá sucedido comigo, com a característica de ter vivido aquilo que não é suposto ninguém viver, e muito menos na adolescência, que é estar no meio de uma guerra civil, com tudo o que isso tem de horror e de peso e também de algum sentido educativo. NCM: No mundo profissional onde é que se sente mais à vontade: como consultor jurídico, editor, pintor ou escritor? PTP: Aquilo que eu gosto mesmo é o ato de criar. Na vida tive várias experiências profissionais, gostei muito de ensinar. Do ponto de vista estritamente profissional, de todas as coisas que fiz, foi a experiência na universidade aquela que mais gostei, o ato de tentar transmitir aos outros alguma coisa que nós sabemos é muito gratificante. Gostei muito de ensinar durante os anos


Entrevista 15#

em que dei aulas. NCM: Sendo o fundador do grupo Babel, como vê o mercado do livro em Portugal? PTP: O mercado do livro está a sofrer muitíssimo, como aliás quase todos, para não dizer todos os mercados e segmentos de atividade económica em Portugal. As últimas informações que tenho é de que terá descido cerca de 40%, o que é um número absolutamente af litivo. Depois surgem notícias animadoras, quase um tiro no escuro, mas de qualquer forma um tiro no escuro pode ser um clarão também, como agora foi mais um evento da feira do livro. Mas isto para dizer que em Portugal, edita-se muito e vende-se razoavelmente ainda, e é um mercado com muitas editoras, que continua a atrair muita gente do lado da edição e que sofre muito do lado do livreiro, do retalho, mas um livro continua a ter a magia insuperável que sempre teve. NCM: O facto de ter grandes responsabilidades no mundo literário fez de si um leitor compulsivo? PTP: É quase ao contrário. O facto de eu ter sido um leitor compulsivo desde muito cedo, mas leio menos do que já li, porque para isso e ao contrário do que se pensa, também é preciso resistência e aguentar estar acordado muitas horas, ler para se ter uma boa biblioteca dentro de cada um, é preciso ler muito e eu comecei a ler desde muito cedo. Não leio por ser editor ou por estar no mercado do livro, é ao contrário, é por ter sido um apaixonado pelos livros que me interessei pela atividade de os fazer também. NCM: No seu entender o Prémio Camões ref lete com inteira justiça o esplendor da língua portuguesa? PTP: Os prémios nunca ref letem nada com inteira justiça. Em Portugal fazem lembrar um bocado aquilo que se diz das homenagens, que são sempre contra alguém ou a favor de alguém que está morto. Raramente são homenagens aos vivos. Os últimos vencedores dos prémios Camões foram sem dúvida pessoas merecedoras dessa distinção e são grandes expoentes da língua portuguesa e nesse sentido fazem a justiça de reconhecerem esses autores e esses autores merecem o prémio. Mas os autores da literatura

portuguesa não se podem esgotar num prémio, em nenhum prémio. NCM: Gostaria que comentasse a frase do decano dos jornalistas portugueses, o saudoso Norberto Lopes: “Hoje pensa-se melhor mas escreve-se pior”. PTP: É uma personagem de um livro de José Eduardo Agualusa, grande escritor lusófono de origem angolana, se não me engano, um vendedor de passados que diz “quem não escreve bem, não pode pensar bem” e a verdade é essa, “quem não fala bem, não pode pensar bem”, então “quem não fala bem também não pode escrever bem”. Nós pensamos com palavras dentro de nós, não pensamos numa abstração total, pensamos com palavras ou com números. E falar bem às vezes é só soar bem, não quer dizer que se diga alguma coisa de bem. Parece-me que não é possível pensar bem, sem de facto exprimir pela ordem lógica e harmoniosa essas palavras que transmitem conceitos, não é possível um bom pensamento sem uma boa formulação desse pensamento, seja ela por via oral ou escrita. NCM: Como é que avalia a sua passagem pela presidência do Millennium BCP? Diz-se que foi o escudo de uma guerra entre acionistas, da qual saiu financeiramente prejudicado. Já perdoou o Eng.º Jardim Gonçalves? PTP: Eu não tenho nada que perdoar a ninguém, nunca falo de assuntos relativos ao banco do qual fui presidente entre 2005 e 2007. Digo apenas que foi uma casa onde gostei muito de trabalhar. Fica para a memória e para o registo das coisas ter tido a felicidade de ser nesse período que o banco obteve os seus dois melhores resultados de sempre na sua história. NCM: O que sentiu quando aos 47 anos recebeu a brutal notícia de que sofria da doença de Parkinson? Foi nesse momento que ganhou a consciência que a ideia da morte não o perturbava, como afirmou à Notícias Magazine, em 2010? PTP: Eu acho que a ideia da morte já não me perturbava na minha essência direta. Posso vir a dizer isto hoje e amanhã vir a sentir esse medo. Mas encarei essa notícia com o realismo


16# Entrevista

que me parece necessário. Sabemos todos que temos um fim, isso é uma verdade irrefutável para todos, que nós fingimos não saber, o que muda é o tempo e a condição que dá origem a esse fim. Para mim o que me tocou foi olhar para esse fim eventualmente mais cedo do que aquilo que poderia ser esperado ou em condições diferentes das que podiam ser as normais e olhar para este calendário de uma forma inversa, sabendo que tinha que preencher os dias que faltam nesse calendário da melhor maneira possível. Portanto, aquilo que mudou mais em mim não foi o medo da morte, foi a necessidade de dar um sentido de utilidade e proficuidade ao tempo que resta. NCM: Como é que se vive a morte de um filho? PTP: Não se vive, sobrevive-se. É provavelmente o facto mais terrível que alguém pode enfrentar. Quem sobrevive à morte de um filho está a fazer um ato contrário à natureza das coisas. A natureza das coisas é que os pais morrem primeiro que os filhos. Tanto assim que não há, já uma vez o disse, uma palavra para descrever esse estado de pai. Um filho sem um pai é um órfão, mas não há nome para um pai que perde um filho, não há palavra para isso. Isso cria um vazio por dentro que nada pode preencher. NCM: Quando é que descobriu o gosto pela pintura? PTP: É difícil dizer com exatidão. Sei que durante uns anos pensei sempre que gostaria de experimentar pintar. Achei sempre que as mãos me obedeceriam à cabeça e aquilo que se imagina poderia ser executado manualmente. Até que um dia dei mesmo esse passo, há um caminho para tentar e comecei com essa experiência. NCM: Foram precisos 20 anos para perceber que já não fazia sentido continuar no Opus Dei, na qualidade de membro da obra de Deus? PTP: O tempo, para cada fase da vida, não é ditado por nós próprios. Podemos pensar que as coisas essenciais da nossa vida são as melhores e algumas serão seguramente, as outras parecem surgir ao acaso. A vida escolhe por nós e houve

uma fase em que achei que era esse o caminho que deveria fazer e procurei fazê-lo com empenho, dedicação e lealdade. Entendi ou senti que esse já não era o caminho para mim e não tenho que continuar a gostar do caminho que já está feito. Começamos numa ponta, saímos noutra e há outro caminho para fazer na vida e é tão simples como isso. NCM: Está zangado com Deus? PTP: Não, de todo. Felizmente hoje tenho uma tranquilidade e uma paz de espírito que me permitem dizer que não estou zangado com nada nem com ninguém, nem com Deus, nem com a vida, pese embora tudo o que se passou, tento merecer cada dia que me resta de vida. NCM: Foi secretário de Estado da presidência do Conselho de Ministros do XII Governo Constitucional, liderado pelo Prof. Cavaco Silva e é um homem respeitado e ouvido pelos políticos. Desde então, o senhor não aceitou participar na política ativa. Está descrente na política ou nos políticos? PTP: Eu sempre me interessei pelo fenómeno político, entendo que isso é um direito e também um dever da cidadania, mas depois da experiência de que aliás gostei muito, dos 4 anos que estive como secretário de estado da presidência e porta-voz do governo do Prof. Cavaco Silva, nunca mais quis estar numa posição em que pudesse ter que mudar alguma coisa para sobreviver. A política deve-se fazer quando se está em condições plenas de se poder dizer sim ou não, de não estarmos dependentes de outras condicionantes. Nunca quis estar numa posição em que dependesse da política ou outros cargos da política. Portanto, a partir daí, a minha opção foi uma vida profissional, participei naquilo em que pude participar, exceto ser candidato ao que quer que fosse, ter qualquer tipo de cargo. NCM: Como vê Portugal nos próximos vinte anos? PTP: Em 2001 escrevi um livro intitulado “Um dever chamado futuro”, que tenta ser a definição de um conceito estratégico para Portugal. É muito difícil, para não dizer im-


Entrevista 17#

possível alguém saber o que é que vai ser nos próximos vinte anos Portugal, não há previsões com o mínimo de credibilidade, nem sobre Portugal nem sobre o resto, a desconfiança é muita nesse tipo de previsões. O que posso dizer é que aquilo que verdadeiramente mais importa, aquilo que fica na história, não é a taxa de inf lação ou a percentagem do défice, isso não faz parte da história, o que verdadeiramente me importa é que Portugal estivesse muito melhor do que está hoje. É ver o grau de evolução e qualidade do país em matérias como saúde, educação, segurança, esperança de vida, cultura. Ver Portugal no top 20 de todos os países do mundo em termos de desenvolvimento humano, isso era o que eu gostava, se isso vai ser possível ou não, não sei. Mas sei que o grande desígnio da política não é uma abstração real, existe apenas para um fim que é o bem da comunidade. O bem da comunida-

de mede-se também por realidades objetivas e não há bem da comunidade sem condições que permitam tornar a vida menos amarga, mais tolerável, mais interessante para todos aqueles que compõem essa comunidade, tudo o resto são qualificativos e abstrações. NCM: Dr. Paulo Teixeira Pinto, onde é que acaba o homem cerebral, estudioso com elevado grau de exigência e começa o adepto do Futebol Clube do Porto? PTP: O adepto do Futebol Clube do Porto é também alguém adepto da exigência, do rigor, mesmo enquanto adepto de futebol, também procura nunca dizer ou expressar-se dominado pelas emoções. NCM: Que mensagem gostaria de deixar aos leitores da Revista “Notícias de Castro Marim”? PTP: Que procurem, no dia a dia, perceber o quão maravilhoso pode ser viver num sítio assim.


18# Obras Municipais

Odeleite trata esgotos com a construção de etar

Dando resposta a uma legítima reivindicação da Câmara Municipal, o tratamento dos esgotos na aldeia de Odeleite, a empresa Águas do Algarve construiu recentemente uma ETAR e respetiva estação elevatória naquela localidade do interior do concelho, integrada na empreitada “Construção da ETAR de Santa Justa, Barrada e ETAR e Sistema Elevatório de Odeleite”. Num investimento de 607 mil euros, a ETAR em funcionamento realiza o tratamento das águas residuais domésticas pro-

duzidas na aldeia, anteriormente descarregadas numa fossa séptica. Os esgotos são conduzidos à ETAR através de uma conduta com 500 metros constituída em tubagem de PEAD, proveniente da Estação Elevatória, cujo edifício exterior se enquadra na arquitetura da região. A construção desta infraestrutura é de extrema importância para Odeleite, pois além de garantir a recolha e tratamento de águas residuais da aldeia, permite qualificar o ambiente e potenciar o bem-estar da população local.


Eventos 19#

Festival Internacional do Caracol

Tendo

por base o cenário único da Colina do Revelim de Santo António, a Câmara Municipal organizou, de 17 a 19 de maio, o Festival Internacional do Caracol, que apaladou o gosto e o apetite a milhares de apreciadores de caracóis, com cerveja e muita música à mistura. Ao longo de três dias, foram saboreados no Revelim de Santo António os melhores caracóis confecionados no Algarve e no país, mas também por chefs de cozinha espanhóis, franceses e marroquinos que, uma vez mais, surpreenderam com deliciosas receitas deste afamado petisco. O Festival Internacional do Caracol começou com uma arruada pela Banda Musical Castromarinense, seguindo-se uma noite de animação musical pelo “Trio Mix” e que

terminou ao som da Banda “Pilha Galinhas”. No sábado, as portas do festival abriram com a música do “Quarteto Maravilha”, prosseguindo pela noite dentro até à subida ao palco da fadista Joana Amendoeira, com um memorável concerto no anfiteatro do Revelim de Santo António. Neste cruzamento de sonoridades e vozes que atravessaram, transversalmente, as culturas musicais presentes no evento, estiveram em palco no domingo o grupo de f lamenco “El Camino” e a “Orquestra Libertina de Lisboa”. No recinto do festival houve diversas tasquinhas com doceiras do concelho, que apresentaram alguns dos nossos melhores doces como as filhós, o dom Rodrigo ou a muito apreciada torta de alfarroba.


20# Eventos

6.ª Feira Terra de Maio

Tendo em vista a promoção e o incremento dos produtos tradicionais e biológicos, dos saberes tradicionais, da gastronomia, da queijaria, da cabra de raça algarvia, da etnografia e do folclore, a Câmara Municipal, em parceria com a Junta de Freguesia de Azinhal e a Associação Nacional dos Criadores de Caprinos da Raça Algarvia (ANCCRAL), realizou a 6.ª edição da Terra de Maio, que decorreu no mês de maio no Centro Multiusos do Azinhal. Na abertura do certame, o Secretário de Estado da Agricultura, Eng. José Diogo Albuquerque felicitou a organização pela qualidade do evento, sublinhando que o mesmo é um bom contributo para a afirmação do mundo rural e dos produtos da terra. O governante alertou ainda para “a necessidade do emparcelamento dos solos e da importância dos agricultores se associarem, pois só assim será possível tornar a produção rendível e com escala suficien-

te para conquistar a internacionalização, numa aposta clara na marca e na promoção dos produtos de qualidade que a terra dá”, concluiu. Por seu turno, o Presidente da Câmara Municipal, José Estevens, congratulou-se pela qualidade e quantidade de produtores e expositores presentes na Terra de Maio, os quais espelham bem a excelência dos nossos produtos de que são exemplo o azeite, os enchidos, o presunto, os vinhos, o queijo de cabra de raça algarvia e a f lor de sal de elevada qualidade produzida nas salinas de Castro Marim. O autarca pediu o apoio do Governo para os agricultores e produtores locais, designadamente o desenvolvimento de políticas capazes de fixar os jovens à terra em projetos agrícolas sustentáveis e que sejam geradores de riqueza e de postos de trabalho. O primeiro dia da Terra de Maio terminou ao som das cordas da guitarra portuguesa, numa inesquecível grande Noite de


Eventos 21#

Fado, pelo meio houve demonstrações de Corte de Gargalo e as provas de vinhos do Algarve e a promoção de produtos regionais com a participação da Confraria dos Enófilos e Gastrónomos do Algarve, da Confraria dos Bacchus, da Confraria do Medronho e da Confraria do Atum. No sábado, a jornada foi dedicada aos sabores e ao saber da terra com o seminário Desafios do Desenvolvimento Rural. Durante a tarde, os visitantes tiveram oportunidade de participar em diversos Workshops, nomeadamente o de fabrico de queijo artesanal, de equitação e dos ateliês de olaria ao vivo, do burro e do pão. Também o Laboratório de Gostos pela Escola de Hotelaria e Turismo de V.R.S.A., um espaço que já fidelizou os amantes da boa mesa, prendeu a atenção dos visitantes, que não deixaram de provar a Cozinha ao Vivo e os produtos tradicionais. No campo da música, além do folclore e da etnografia, que foram uma constante no evento, na noite de sábado o artista Quim Barreiros subiu ao palco principal das festas para um espetáculo inolvidável.


22# Eventos

Dia do Município com a música dos Amor Electro

“Apesar das dificuldades económicas, a Câmara Municipal de Castro Marim não deixou de fazer aquilo que é mais importante para as populações, sendo das poucas autarquias do país que tem as contas em dia, e tal deve-se a uma gestão rigorosa feita à medida da realidade do município”. Foram estas as palavras que marcaram o discurso do presidente da Câmara Municipal, José Estevens, nas cerimónias do Dia do Município. Numa saudação amiga e solidária aos castromarinenses e convidados presentes na Sessão Solene, o autarca fez uma avaliação positiva do estado atual do concelho e das mudanças operadas, não obstante a entrada em vigor das “novas normas no âmbito do Orçamento do Estado que vieram destruir direitos constituídos e que perturbam a continuação de uma gestão de realização de compromissos para a melhoria da quali-

dade de vida dos castromarinenses” e da «Lei de Compromissos». Tais medidas não têm impedido a autarquia de realizar obras estruturantes de que são exemplo as escolas, a biblioteca municipal, o Centro Multiusos do Azinhal, a rede viária, o saneamento básico, a requalificação do património e o apoio social. Mais à frente, na sua intervenção, José Estevens sublinhou a importância de associar o dia do feriado municipal à inauguração de obras essenciais ao desenvolvimento como a Casa de Odeleite e as novas avenidas na sede do concelho: a Avenida Dr. José Afonso Gomes e a Avenida General Lino Dias Miguel, duas vias que “rasgam a nova Castro Marim”. Tais obras ref letem bem a esperança e a vontade de continuar a trabalhar para que Castro Marim seja uma terra de modernidade. Por último, o presidente da Câmara Municipal referiu que há um


Eventos 23#

conjunto de obras prontas para avançar, entre as quais o Plano de Pormenor da Zona Nascente, que irá urbanizar 7 hectares de solos municipais e o Plano de Pormenor do Parque de Lazer e Zona desportiva de Castro Marim, mas que devido “à crise aguda que se abateu sobre o país”, não se poderão iniciar de imediato. Na abertura da Sessão Solene, o presidente da Assembleia Municipal, General Lino Dias Miguel, fez uma alocução sobre a vida municipal, onde confidenciou que gostaria de ter feito mais pelo seu concelho, deixando uma palavra de incentivo aos mais novos para que “dediquem mais tempo à sua terra-natal”. No decurso da sessão, o Prof. Doutor Luís Marques, da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, apresentou uma comunicação denominada “O Património Cultural e Imaterial e o Desenvolvimento Local”, na qual enalteceu a importância de proteger e defender este bem, que identifica uma terra e os valores a ela associados. A sessão comemorativa terminou com o presidente da Câmara Municipal a agraciar com as medalhas de mérito municipal Grau Ouro, o

reputado historiador Hugo Cavaco, com várias obras publicadas sobre o concelho e a Associação Recreativa, Cultural e Desportiva dos Amigos da Alta Mora, liderada por Valter Matias. As comemorações do Dia do Município tiveram início no dia 23 de junho, com o Grande Arraial de São João, na Praça 1.º de Maio, com as participações musicais do Grupo Etnográfico de Castro Marim e do Grupo Coral de Altura. Durante o Arraial, realizou-se a cerimónia da entrega de prémios às associações vencedoras do XIII Concurso de Mastros do concelho. No dia 24 de junho, feriado municipal, além da sessão solene, teve lugar a cerimónia de inauguração das avenidas Dr. José Afonso Gomes, Avenida General Lino Dias Miguel e da Casa de Odeleite. Ao fim da tarde, a música de câmara ecoou nas paredes do Forte de São Sebastião, com um Concerto pela Orquestra do Algarve. O Dia do Município terminou na Colina do Revelim de Santo António, numa magnífica noite de luar, com um grande concerto pela banda Amor Electro e segundo, Mariza Liz, vocalista do grupo, este foi o espaço mais bonito onde já atuaram.


24# Eventos


Eventos 25#


26# Biografia

Biografia Associação Recreativa, Cultural e Desportiva dos Amigos da Alta Mora (ARCDAA) Compreendendo a necessidade de combater o despovoamento e a desertificação na freguesia de Odeleite e, particularmente, na cumeada da Alta Mora, um grupo de jovens liderados por Valter Manuel Pereira Matias, fundaram no dia 13 de agosto de 2003 a Associação Recreativa, Cultural e Desportiva dos Amigos da Alta Mora (ARCDAA). Esta jovem associação tem como finalidade a organização, promoção e dinamização de atividades de lazer, recreio, desporto e cultura, a recuperação de tradições em vias de extinção, a divulgação e valorização da zona da Alta Mora e o desenvolvimento da cooperação e da solidariedade entre os seus associados. A Associação Recreativa, Cultural e Desportiva dos Amigos da Alta Mora tem a sua sede social na antiga escola primária da localidade e é uma das associações mais ativas e empreendedoras no fenómeno do associativismo no concelho de Castro Marim. Fruto da sua interação com a comunidade local, obteve em 2005 a aprovação de uma candidatura ao Programa Leader +, que garantiu os recursos financeiros para a realização de obras de beneficiação e remodelação da sua sede social. A sua atividade constante e permanente em prol do desenvolvimento local está bem patente na multiplicidade de iniciativas que anualmente desenvolve nas áreas da cultura,

do desporto e do recreio. Os Passeios de BTT e de Todo-o-Terreno, as comemorações do São Martinho ou dos Santos Populares, cujo XIII Concurso de Mastros acabou de conquistar, a recuperação de uma das maiores tradições da freguesia, O São João na Malhada, mas também a honrosa participação em eventos da Autarquia como é o caso dos Dias Medievais em Castro Marim, são um bom exemplo do empenhamento e do dinamismo desta associação. O entusiasmo e gosto que milhares de pessoas de toda a região, mas também da vizinha Espanha, demonstram na participação nas ações levadas a cabo pela ARCDAA são surpreendentes. Um dos grandes sonhos desta associação do concelho, cujo aparecimento constituiu uma verdadeira pedrada no charco, é conseguir uma sede com condições para prosseguir e intensificar o caminho do associativismo no Baixo Guadiana e assumir-se como um agente ativo no desenvolvimento sustentável do interior do concelho. A Câmara Municipal de Castro Marim distinguiu a Associação Recreativa, Cultural e Desportiva dos Amigos da Alta Mora, na pessoa do Fundador e Presidente Valter Manuel Pereira Matias, com a Medalha Municipal de Mérito – Grau Ouro, pelos relevantes serviços prestados nas áreas desportivas, recreativas e culturais.

Biografia Hugo Reinaldo Salvador Cavaco No ano de 1945 nasceu em Vila Real de Santo António um menino a quem os seus pais deram o nome de Hugo Reinaldo Salvador Cavaco. Após ter frequentado a instrução primária e o Externato Nacional na terra natal, concluiu com êxito o Curso do Magistério

Primário de Faro em 1964, que o levaria a abraçar uma carreira dedicada ao ensino, que os anos consagraram. Carinhosamente, ainda hoje reconhece a inf luência da sua professora da escola primária, Amélia da Conceição Serpa, no gosto por ensinar. Hugo Cavaco foi um


Biografia 27#

filho exemplar, perdeu o pai muito cedo, e não esquece as dificuldades que a mãe, uma verdadeira mãe coragem passou para o criar a si e à sua irmã. Apesar disso, teve uma infância feliz e tal como os amigos da sua idade, gostava de jogar futebol. Jogou em clubes como o Sporting de Vila Real de Santo António, os Leões do Guadiana e o Grupo Desportivo Pic- Nic, sendo um dos seus fundadores. O Gica, o Manuel Zé, o conquilha, o mestre Rosa, o João Vasques e o Neto Gomes, que tinha a alcunha de Malito, eram alguns dos seus camaradas de equipa. Conta-se que, certo dia, o Pic-Nic se deslocou a Cabanas de Tavira para disputar um jogo com a equipa local. O Malito, capitão da equipa, acertou com um pontapé na bola na caixa do dinheiro do indivíduo que fazia um peditório para o clube da casa, levando a que o jogo terminasse antes de ter começado. Já na estação dos comboios, o Hugo Cavaco exclamou: “Malito, moço só dás barraca, ias matando o homem.” Começou em 1964 a vida de professor em Altura, para onde se deslocava de motorizada e dos vários alunos que lhe passaram pelas mãos recorda, com carinho, o atual presidente da Câmara Municipal de Castro Marim, José Estevens. Em 1967 foi mobilizado para o serviço militar em Tavira, onde fez o Curso de Sargentos Milicianos de Infantaria. Reza a história que foi atirador de primeira sem nunca ter dado um tiro certeiro. No alvor da democracia em 1974, e no Grupo Desportivo Pic-Nic descobre o gosto pelo atletismo, tendo atingido boas marcas na modalidade em diversas provas no país e no estrangeiro. Participou em treze maratonas de atletismo pela Europa fora, realizando a última na Grécia em Atenas, uma das viagens de que mais gostou de realizar. De 1974 a 1979, em Lisboa, faz uma incursão pela Banca. Contudo, o gosto pelo ensino permanecia e em 1978, após a conclusão da licenciatura em História na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, volta a lecionar no ano letivo de 1979-1980, agora ao nível do secundário. Uma vez concluído o estágio pedagógico na Escola Secundária “Infanta D. Maria”, em Coimbra, regressa a Vila

Real de Santo António e à Escola Secundária como professor efetivo até 1991. Nesse mesmo ano é convidado para Assistente na Unidade de Ciências Económicas e Empresariais da Universidade do Algarve, lugar que ocupa até 1998. Na sequência do Mestrado em História Moderna na Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa, apresentou em 1996 a dissertação: “A Dinâmica Portuária e Aduaneira do Levante Algarvio na 2.ª Metade do Século XVIII”. A sua intervenção no campo de investigação na área da História Local, em especial na vertente económico-social, fazem de Hugo Cavaco um prestigiado e respeitado investigador e historiador do Algarve, como prova o seu acervo de 26 obras publicadas, das quais destacamos: «O Degredo e o Privilégio em Castro Marim, (1.ª ed. 1983 e 2.ª ed.1987)»; «Epidemias no Reino do Algarve – A Peste de 1645-1650 (1983)»; «Visitações” da Ordem de Santiago no Sotavento Algarvio (1987»; «Luzitano Football Club – Origens, Percurso, Atualidade: Comemorações do 75.º Aniversário (1991)»; «Marquês de Ontem, de Hoje, de Sempre (1999)»; «Castro Marim Quinhentista (2000)» e «Castro Marim nas Posturas Municipais e Regulamentos dos Anos 20 do Século Passado (2012)». Hugo Cavaco é um humanista que perfilha os valores da amizade e da solidariedade e que abomina injustiças. Maria Donaciana Cavaco, mulher e companheira de uma vida é o seu porto de abrigo e os filhos são os seus heróis. Gostava de ter sido pianista e elege como escritor preferido Eça de Queirós e o seu livro “Os Maias”. Na tela, o filme da sua vida é “O Nome da Rosa”, inspirado na obra homónima de Umberto Eco. Atualmente aposentado, divide os seus dias entre Vila Real de Santo António e Santo Estevão em Tavira, sem perder de vista o trabalho de historiador, pois quer continuar a trazer à luz do dia novas investigações históricas. A Câmara Municipal de Castro Marim distingue Hugo Reinaldo Salvador Cavaco com a Medalha de Honra do Município, pelos relevantes serviços prestados ao Concelho na área da investigação, no campo da história.


28# Educação

Dia Mundial da Criança

Com um sorriso contagiante e uma alegria incontida, as crianças do pré-escolar e do 1.º ciclo do concelho celebraram o Dia Mundial da Criança, 1 de junho, através de um conjunto de atividades organizadas pela Câmara Municipal e Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Castro Marim (CPCJ). A Praça 1.º de Maio encheu-se de crianças que participaram com entusiasmo e muita algazarra no “Passeio de Família”, percorrendo as ruas da vila em clima de grande festa. Porque as brincadeiras fazem parte da vida de qualquer criança, também neste dia, os mais pequenos realizaram um conjunto de atividades na Praça 1.º de Maio, tais como os irresistíveis insufláveis, as pinturas faciais, o ateliê de artes plásticas ou a modelação de balões animados, atividades essas que contribuíram para alimentar os seus sonhos.

As comemorações do Dia Mundial da Criança encerraram com a apresentação de 14 faixas, o número de direitos que integram a Declaração Universal dos Direitos da Criança, que decoraram festivamente a Praça do Município. Para a Câmara Municipal e Comissão de Proteção de Crianças e Jovens do Concelho de Castro Marim (CPCJ), o Dia Mundial da Criança, mais do que uma data para celebrar os direitos da criança, deve constituir uma preocupação constante e permanente da comunidade internacional na defesa intransigente dos Direitos da Criança, condenando todas as manifestações de violência física ou psicológica sobre crianças que, infelizmente e em diversos partes do mundo, ainda não podem sonhar e crescer livremente.


Educação 29#

4.ª Edição das Férias Ativas

Numa iniciativa da Câmara Municipal e com o apoio da Empresa Municipal NovBaesuris, realizou-se, entre junho e setembro, a 4.ª edição das Férias Ativas, destinada aos alunos do 1.º, 2.º e 3.º ciclos do concelho. As mais de duas centenas de alunos participantes foram surpreendidos como novas atividades, designadamente a patinagem, a dança, a equitação e a cerâmica. As crianças tiveram aulas de patinagem no Pavilhão Municipal, modalidade que desenvolve a agilidade, o equilíbrio, a capacidade de reação e a coordenação dos alunos. A dança foi outra das atividades introduzidas, escolha que se justifica pela importância que desempenha na educação motora e na ação pedagógica e psicológica. Também a equitação mereceu a aposta da equipa das Férias Ativas, porque melhora o equilíbrio e a postura e desenvolve a coordenação de movimentos entre tronco, membros e visão. A representação foi outra actividade

promovida, com a realização de workshops de teatro no auditório da Biblioteca Municipal. Os jovens, com idades compreendidas entre os 6 e os 15 anos, participaram ainda nos ateliês de cerâmica e cozinha, cuja finalidade é ensinar as crianças a perceber a importância de uma alimentação saudável e a descobrir a arte de ser chef de cozinha. Realizaram-se ainda aulas de piano, acompanhadas pelo ensino da expressão musical e organizaram-se visitas semanais ao Centro de Ciência Viva, em Tavira, à Quinta do Vale para aulas de golf e canoagem, jogos desportivos, idas à praia, natação e hidroginástica na Piscina Municipal. Todas estas atividades lúdico-pedagógicas proporcionaram aos alunos um conjunto alargado de experiências inesquecíveis com vivências diversificadas e enriquecedoras, nestes programas que asseguram aos pais e encarregados de educação a ocupação dos tempos livres dos seus educandos.


30# Educação

Alunos de Castro Marim VISITAM CAPITAL EUROPEIA DA CULTURA A Câmara Municipal de Castro Marim distinguiu os melhores alunos da Escola EB/2,3 do concelho com uma viagem à cidade de Guimarães, Capital Europeia da Cultura 2012, no último fim de semana de junho passado. Nesta deslocação à Capital Europeia da Cultura, os 15 melhores alunos de cada uma das turmas da Escola EB/2,3 de Castro Marim, foram acompanhados pelo Vereador da Câmara Municipal, Nuno Pereira, pela funcionária da Autarquia, Fátima Faria e pelos professores Ângelo Graça e Rosa Teixeira Nunes. Durante os três dias da estada em Guimarães, em ambiente de festa e grande euforia, os alunos visitaram as principais praças e ruas do centro histórico da cidade, incluindo o Castelo e o Paço dos Duques de Bragança e fizeram uma viagem de teleférico na subida ao Monte da Penha. Ou-

tro dos momentos altos da sua passagem por esta cidade foi a visita à exposição José de Guimarães, que apresenta o valioso acervo deste artista plástico da cidade numa mostra considerada pela crítica como um dos ícones da Capital Europeia da Cultura. Também o concerto de música de Paula Teixeira, no Centro Cultural Vila Flor, conquistou os melhores alunos da Escola EB/2,3 de Castro Marim, num espetáculo dedicado à inclusão, onde além da audição da música, os alunos puderam participar ativamente no mesmo, recorrendo à linguagem gestual. Com esta viagem a Guimarães, a Câmara Municipal quis premiar o mérito e a excelência dos melhores alunos, esperando que o seu exemplo possa inf luenciar os seus colegas e amigos, para que também eles possam ser vencedores deste prémio do Município.


Educação 31#

Alunos de Castro Marim descobrem o Parlamento Europeu Os alunos André Torrinha, Gonçalo Pereira, Inês André e Vanessa Pereira, do Agrupamento de Escolas de Castro Marim, conquistaram no final do mês de junho uma viagem ao Parlamento Europeu, em Bruxelas, por terem sido uma das três escolas vencedoras a nível nacional do concurso “Entre Palavras”. O concurso “Entre Palavras – Fórum de Leitura e Debate de Ideias” é promovido pelo Jornal de Notícias com os apoios da Rádio e Televisão de Portugal (RTP), do Plano Nacional de Leitura e do Parlamento Europeu e destina-se a premiar com viagens à sede do Parlamento Europeu as três escolas do país que apresentem os melhores trabalhos escritos sobre um tema e

as melhores equipas de debate de duas escolas. Na 8.ª edição do concurso, a Escola de Castro Marim, a par das escolas de Vizela e do Seixal, foi uma das vencedoras ao realizar um dos três melhores trabalhos escritos sobre a criatividade. Os alunos premiados mostraram-se entusiasmados com a visita ao Parlamento Europeu e à capital belga, experiência que lhes aguçou o espírito para conhecer outros países e outras culturas, com o mesmo empenho e dedicação com que defenderam as suas ideias no trabalho que apresentaram a concurso. A equipa de trabalho do Agrupamento de Escolas de Castro Marim foi coordenada pelos professores Pedro Tavares e Rosa Teixeira Nunes.


32# Educação

Leituras na Biblioteca Numa política efetiva de apoio à educação e à promoção da leitura no concelho, a Biblioteca Municipal de Castro Marim continua a realizar um conjunto de ações dirigidas às crianças do ensino pré-escolar e aos alunos do primeiro ciclo, que visa o desenvolvimento das suas capacidades cognitivas e do gosto pela leitura. De entre as ações que decorrem ao longo do ano letivo, entre outubro de 2012 e junho de 2013, destacam-se: “Massajar a imaginação”, “Histórias no estendal” e a “Árvore Livreira”. Em “Massajar a imaginação”, os alunos são convidados a estimular a sua imaginação criando uma história onde a magia e o sonho dominam o enredo, e na qual cada um deles pode ser o personagem principal da sua narrativa. Depois de criarem a sua história, as crianças e os alunos têm um desafio a alcançar: a elaboração de um livro intitulado “Massajador da imagina-

ção”. Quanto às “Histórias no estendal”, partindo do lema “Era uma vez” ou “Há muito, muito tempo”, os participantes nesta atividade podem construir histórias e ouvi-las e contá-las de forma lúdica. Outra das atividades promovidas pela Biblioteca Municipal é “A Árvore Livreira”. Trata-se de uma árvore mágica, regada com letras, cujos frutos são livros e cujas folhas são palavras. Com “A Árvore Livreira” procura-se que os alunos vejam no livro um incentivo à leitura, tendo um papel interativo na leitura das histórias pelos contadores. A Câmara Municipal empenha-se na realização deste conjunto de atividades com o objetivo de proporcionar às crianças do concelho a aquisição de novas competências nos domínios da criação narrativa e da expressão, tanto oral como escrita, alargando a capacidade e o interesse pela leitura através destas atividades lúdicas.


Educação 33#

Bibliomóvel em Castro Marim

A Câmara

Municipal colocou, na última quadra natalícia, o Bibliomóvel em funcionamento. Este projeto resulta de uma candidatura ao programa comunitário PRODER e insere-se no desenvolvimento de uma política cultural efetiva do executivo junto das populações, que visa democratizar o acesso ao conhecimento e à leitura de toda a comunidade local. O Bibliomóvel arrancou no mês de dezembro, com deslocações às escolas do 1.º ciclo, durante as quais os alunos se inteiraram do modo de funcionamento e das potencialidades desta biblioteca itinerante. Esta biblioteca móvel apetrechada de meios especializados e informatizados, uma extensão da Biblioteca Municipal transporta livros, mas também DVD, CD e CD-ROM. Destinado sobretudo à população que vive nas localidades das freguesias mais afastadas da sede do concelho, o Bibliomóvel visita-as

com uma periodicidade quinzenal. Quanto ao modo de funcionamento desta biblioteca itinerante, qualquer cidadão em Furnazinhas, Alta Mora ou Pisa Barro pode ser um dos utilizadores do Bibliomóvel, dispondo para o efeito de um cartão que poderá ser requisitado no local. Cada utilizador pode requisitar dois documentos por um prazo de 15 dias, renovável duas vezes por igual período. O Bibliomóvel funciona de segunda a sexta-feira e além da promoção do livro e da leitura, é um espaço que disponibiliza aos utilizadores outros tipos de informação no âmbito cultural, social, desportivo e também informação ao munícipe. A Câmara Municipal acredita que o renascer da biblioteca móvel no concelho, materialização do lema inscrito na Biblioteca Municipal: estar “para além do conhecimento”, é um valioso contributo para o enriquecimento cultural dos munícipes.


34# Educação

Câmara Municipal atribui apoios escolares

Com

um dos melhores parques escolares da região algarvia e um investimento continuado na qualidade e na excelência do ensino no concelho, a Câmara Municipal efetuou, durante o ano letivo 2012/13, despesas na ordem dos 250 mil euros com a educação. Durante este ano letivo, a Autarquia apoiou e nalguns casos, até aumentou, os subsídios para auxílios económicos aos alunos carenciados do 1.º, 2.º e 3.º Ciclo do Ensino Básico, inseridos nos escalões A e B e destinados à aquisição de material escolar. No campo da alimentação escolar, outra das competências do município em matéria de ação social, a Autarquia forneceu, com a participação da empresa municipal NovBaesuris, refeições aos alunos do pré-escolar e do 1.º Ciclo do Ensino Básico, no valor de 22 mil euros. No que se refere às Atividades extra curriculares (AEC’S),

a Câmara Municipal garante desde 2006 aos alunos do 1.º Ciclo o ensino da música, do inglês e da atividade física e desportiva, tendo sido uma das primeiras no Algarve a implementar estas iniciativas. Ao nível dos apoios educativos há que destacar ainda a atribuição das bolsas de estudo aos alunos do ensino secundário e superior do concelho, uma vez que a situação de carência das famílias castromarinenses não pode constituir um óbice para que os alunos deixem de prosseguir ou completar com sucesso os seus estudos. Para a Câmara Municipal de Castro Marim, a atribuição dos apoios escolares indicados espelha, de forma clara e inequívoca, as preocupações que o executivo municipal tem face à comunidade escolar local, no sentido de dar aos alunos uma melhor preparação e um ensino de maior qualidade.


Educação 35#

Encontros com bebés na piscina municipal

Este programa de exercícios para bebés na Piscina Municipal TEM A MONITORIZAÇÃO DE técnicos credenciados da Autarquia

Compreendendo

os benefícios da natação a nível físico, mas também a nível psicológico, visto tratar-se de um desporto que pode ser adaptado e praticado por todos, a Câmara Municipal levou a cabo a 2.ª edição de Encontros para Bebés, na Piscina Municipal de Castro Marim. A ação destina-se a bebés entre os 9 e os 36 me-

ses, com periodicidade mensal, tendo decorrido esta edição até ao mês de maio. Este programa de exercícios para bebés na Piscina Municipal que são monitorizados por técnicos credenciados da Autarquia, exige a presença de acompanhante e além de fortalecerem os laços afetivos entre pais e filhos, contribuem para uma maior socialização entre os bebés.


36# Eventos

Inauguração da Casa de Odeleite

Um dos pontos altos das comemorações do Dia do Município foi a cerimónia de inauguração da «Casa de Odeleite», presidida pelo presidente da Câmara, José Estevens, que reuniu mais de uma centena de convidados, entre entidades oficiais e castromarinenses, os quais ficaram deslumbrados com o espaço de “memória das gentes de Odeleite” adquirido pela Autarquia em 1999. Trata-se do imóvel mais emblemático do casario da aldeia de Odeleite, cujas platibandas apresentam um dos mais belos exemplares da arquitetura popular, tendo desempenhado um papel central na vida do território do Baixo Guadiana, atendendo ao facto de ter sido um importante entreposto comercial no início do século XX. O êxito da atividade comercial da Casa está bem patente nos produtos transacionados nos anos 20 e 30, desde os frutos secos aos tecidos, passando pelos cabedais, devido ao empreendedorismo

do seu proprietário, João Xavier de Almeida, um dos grandes comerciantes e proprietários da época, que soube aproveitar a navegabilidade da ribeira de Odeleite e do rio Guadiana para dinamizar a atividade económica. Nos últimos anos, a Câmara Municipal executou um projeto de recuperação do conjunto arquitetónico que permitiu a sua adaptação às componentes museológica e gastronómica, desenvolvendo paralelamente um trabalho aturado de investigação e tratamento do acervo documental da Casa a cargo da antropóloga Eglantina Monteiro. Referindo-se à intervenção levada a cabo na Casa, a antropóloga asseverou: “Gostaria de ver esta casa ocupada pelo que é genuíno no que diz respeito aos produtos e à documentação que recuperam a sua memória e dão sentido à sua história, evidenciando a «A Casa de Odeleite» sempre numa grande relação com o entorno”.


Eventos 37#

«A Casa de Odeleite» é uma coleção visitável, diariamente aberta, onde o visitante poderá descobrir o edifício e a sua história, bem como o território envolvente, com recurso às novas tecnologias através de ecrãs táteis. Este projeto faz parte da estratégia de desenvolvimento turístico do concelho e do Baixo Guadiana, que integra outros elementos como o moinho das Pernardas, o rio Guadiana, o Parque Aventura e a ribeira de Odeleite. Com orgulho na obra realizada, José Estevens, o presidente da Câmara Municipal assegurou: “A nossa ideia é utilizar essa casa com um objetivo idêntico, ao que teve no início do século passado, naturalmente com as devidas adaptações aos tempos que correm. O objetivo maior é que a «A Casa de Odeleite» funcione como a receção e serviços comuns de um Hotel de Aldeia cujos quartos estão dispersos pelas casas de Odeleite”.


38# Educação

Castro Marim comemora Dia mundial do livro A Biblioteca Municipal de Castro Marim assinalou o Dia Mundial do Livro, dia 23 de abril, com a exposição de “101 livros para ler antes do entardecer”, inspirada no livro de Peter Boxall, “1001 livros para ler antes de morrer”.

A exposição

ocupou diversos espaços da Biblioteca com a colocação de bonecos em tamanho real, propondo aos utilizadores 101 livros de referência a nível mundial para ler e desvendar, sendo que cada um dos títulos integrou informação relativa ao autor e ano de edição. Os 101 livros presentes nesta exposição alusiva ao Dia Mundial do Livro transportaram os visitantes para uma viagem ao século XVIII, com alguns exemplos de monografias publicadas antes de 1800, obras dos séculos XIX e XX, que foram de intensa produção literária, concluindo a viagem já no século atual, com algumas obras literárias incontornáveis. A encerrar a exposição, que decorreu de 23 de abril a 31 de maio, foi conhecido o top das preferências dos leitores da Biblioteca Municipal de Castro Marim, entre os 101 livros mais lidos pelos utilizadores, cuja esco-

lha recaiu sobre o romance “O Primeiro Verão das Nossas Vidas”, do escritor americano Pat Conroy. Esta ação, no âmbito do Dia Mundial do Livro, insere-se na política de promoção da leitura levada a cabo pela Câmara Municipal, que entende a importância do livro como fonte do conhecimento, mas também um elemento essencial ao estímulo e à criatividade do ser humano.


Ambiente 39#

Vigilância Móvel COMBATE INCÊNDIOS

À semelhança

de anos anteriores, nos meses de verão, a Câmara Municipal, pôs em prática o Programa de Vigilância Florestal para a prevenção e deteção de fogos f lorestais no território do concelho, ao abrigo do Plano Operacional Municipal (POM). No período crítico de incêndios, de julho a setembro, os Sapadores Florestais Municipais percorreram diariamente as manchas f lorestais do concelho, com o objetivo de prevenir e combater eventuais incêndios que pudessem def lagrar. A este propósito importa referir a ação abnegada e empenhada da equipa de Sapadores Municipais e das associações de caçadores do

concelho, que ao lado de outras corporações, nomeadamente dos Bombeiros Voluntários de Vila Real de Santo António, combateram tenazmente os incêndios que em julho último fustigaram as localidades de Almada D’Ouro e Junqueira, evitando assim maiores danos para as populações e para a f loresta. Paralelamente, a Câmara Municipal tem promovido campanhas de sensibilização acerca da problemática dos incêndios f lorestais dirigidas a públicos-alvo, em particular às associações de caçadores, visto que são parceiros ativos na defesa da f loresta e dos recursos cinegéticos, cuja ligação à vigilância móvel é indissociável.


40# Ambiente

Almada D’ Ouro constrói Parque de Autocaravanas em Alcaria de Odeleite

Consciente

da importância em garantir um espaço de estacionamento para os muitos caravanistas, especialmente cidadãos estrangeiros que, nas suas viagens turísticas, demandam ao interior do concelho de Castro Marim e às terras do Baixo Guadiana, o Almada D’Ouro Clube construiu um Parque de Autocaravanas em Alcaria, na freguesia de Odeleite. Com um investimento de 15 mil euros, este parque, único no interior do concelho de Castro Marim, ocupa uma área de 2756 metros quadrados, dispondo de doze lugares de estacionamento, assim como mesas e bancos de jardim de apoio aos utentes do espaço. Esta infraestrutura, que não causa um impacto visual significativo nas condições paisagísticas envolventes, conta com uma estação de serviços multiusos, de apoio

e pernoita dos autocaravanistas, que integra o abastecimento de água e a drenagem de águas residuais, fornecimento de energia elétrica, bar de apoio e loja de conveniência, na qual poderão ser adquiridos produtos tradicionais do concelho, como o artesanato e a doçaria. Para o Almada D’Ouro Clube, a construção do Parque de Autocaravanas em Alcaria constitui uma mais-valia para os adeptos do caravanismo que, deste modo, aqui podem pernoitar e descansar durante as suas digressões turísticas de forma ordenada e em segurança. Também para o concelho de Castro Marim este parque é um elemento importante na estratégia de promoção turística em desenvolvimento, que potencia a atratividade turística e dinamiza a economia local.


Ambiente 41#

Workshops ambientais nas praias do concelho

Pelo 12.º ano consecutivo, a Câmara Municipal realizou, durante o mês de agosto, Workshops de Educação Ambiental nas praias do concelho, destinados às crianças em idade escolar. Os Workshops, que ref letem a atenção e o cuidado da Autarquia face às questões ambientais e à necessidade de aprofundar, cada vez mais, uma consciência ecológica junto dos mais novos, foram constituídos por ateliês, num total de 18 sessões distribuídas de modo equitativo pelas três praias do concelho: Alagoa/Altura, Verde e Retur. Os mais de 300 jovens que frequentaram as praias do concelho foram convidados a realizar atividades tão di-

versificadas como jogos educativos relacionados com a poupança da água “A Água – Fonte da Vida”, a pintura de tecidos e a reciclagem. Houve igualmente o reaproveitamento de materiais, como latas e cartões para elaboração de utensílios (caixas p/arrumações, ímanes para frigoríficos e brinquedos). A Câmara Municipal entende que os Workshops Ambientais nas praias do concelho, além de constituírem um espaço privilegiado de atividades lúdico-pedagógicas para os mais novos, despertam-nos para a problemática da produção de resíduos e para a necessidade de proteção do meio ambiente.


42# Cultura

Forte de São Sebastião é Monumento Nacional


Cultura 43#

Por decisão do Conselho de Ministros de 6 de dezembro, o Forte de São Sebastião em Castro Marim foi classificado Monumento Nacional. A par do Castelo e do Revelim de Santo António, a fortificação integra o património histórico da Vila. A construção do Forte de São Sebastião e das muralhas adjacentes datam do Século XVII e foram mandados construir em 1641, pelo rei D. João IV, no âmbito das Guerras da Restauração com Espanha, o que denota a importância estratégica deste lugar do território. A edificação desta fortaleza veio transformar o velho castelo medieval na praça militar mais importante de todo o Algarve, atendendo à sua localização privilegiada junto à linha de fronteira. É de salientar que a planta do Forte adaptou-se ao cerro onde está implantado, contando com um recinto amuralhado que integra cinco baluartes e cuja porta principal está virada a Norte, em direção à vila e ao Castelo, que está classificado como monumento nacional desde junho de 1910. Originariamente, o Forte de São Sebastião, enquanto elemento defensivo da vila, dispunha de duas portas de ligação ao Castelo: uma na entrada nascente em São Sebastião e outra na entrada Sul em Santo António. Para José Estevens, Presidente da Câmara Municipal, “a decisão do Governo em classificar o Forte de São Sebastião como Monumento Nacional é motivo de orgulho e, ao mesmo tempo, de esperança para o futuro do concelho. Trata-se de reconhecer, muito justamente, o valor histórico que Castro Marim tem, porque uma vila tão pequena possuir dois elementos que integram o património nacional é motivo digno de orgulho. Na região do Algarve, talvez sejamos a sede de concelho que terá património com maior relevância e dimensão relativa classificado”. O autarca faz questão de sublinhar que a classificação do Forte de São Sebastião foi um processo liderado pelos serviços de cultura do Algarve, e que a mesma contribui para a afirmação e valorização da terra, uma vez que o interesse em visitar estes monumentos aumenta especialmente quando o património passa a integrar os catálogos de monumentos classificados. Um dos fatores que pode ter contribuído para esta distinção

é o facto deste património estar completamente recuperado e dispor de uma vista panorâmica deslumbrante sobre a Reserva Natural do Sapal de Castro Marim/Vila Real de Santo António. Recorde-se que o Forte de São Sebastião se encontrava, nos finais dos anos 90, num estado avançado de degradação que ameaçava a sua destruição total. Em 2004, a Câmara Municipal de Castro Marim iniciou um arrojado projeto de reconstrução integral e consolidação do Forte de São Sebastião e das respetivas muralhas, com vista à preservação da autenticidade e integridade do monumento, respeitando a sua configuração original. Num investimento de 2 milhões de euros, faseado em três intervenções, as obras na fortificação, que integraram o Baluarte do Enterreiro, o Baluarte de São Sebastião, a Cortina do Enterreiro e a Cortina do Forte contemplaram a desmatação e limpeza, a reconfiguração pontual da alvenaria, a reparação de juntas desguarnecidas, a reparação de fissuras, a melhoria das condições de drenagem das águas pluviais, a remoção e execução de argamassas de revestimento e a reconstrução dos diferentes troços de muralhas. A intervenção na fortaleza foi acompanhada por arqueólogos da Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa, sob a orientação da arqueóloga Ana Arruda. Recorde-se que nos últimos 200 anos, o monumento não tinha sido objeto de qualquer melhoramento. A recuperação e requalificação do Forte de São Sebastião ficará completa com a execução da 4.ª fase do projeto, que prevê a reorganização dos espaços intramuros e área envolvente, destinados a fins turísticos, criando para o efeito dois espaços para a realização de grandes eventos culturais: um fechado dentro da cidadela do Forte, o outro no terreiro adjacente à Cortina da Lezíria, mais informal e polivalente. Por seu turno, a obra de melhoramento e valorização do Passeio de Ronda, que percorre toda a muralha da fortificação e disporá de estruturas de acolhimento e informação para o visitante que procura conhecer e descobrir esta peça do património histórico da vila de Castro Marim, será executada brevemente.


44# Cultura

Castelo da Vila recebe “D. Dinis – entre a História e a Lenda” Em

outubro passado, a antiga Igreja da Misericórdia, no castelo da vila, acolheu a exposição «D. Dinis, entre a História e a Lenda». Tratou-se de uma mostra lúdico-pedagógica sobre a vida e legado do Rei D.Dinis, cujos cognomes eram O Lavrador (pela plantação do Pinhal de Leiria) e Rei Poeta (devido à sua obra literária), com a apresentação em diversos painéis dos factos históricos da vida do monarca, resultado de um trabalho de investigação inédito sobre o legado deste rei. A exposição incluiu um jogo didático para os mais pequenos, denominado «Assalto aos Castelos» e foi organizada pela Associação ODIANA e pela Câmara Municipal no âmbito do projeto GUADITER – Itinerários do Baixo Guadiana, do Programa Operacional de Cooperação Transfronteiriça Espanha – Portugal 2007/2013.

Igreja do Castelo de C. Marim “À Descoberta das Fortalezas da Raia” Entre 18 de julho e 8 de agosto, a Câmara Municipal promoveu a exposição “À Descoberta das Fortalezas da Raia”, do artista plástico e pintor José Alberto Gomes Pereira, que esteve patente ao público na Igreja do Castelo da vila. Tal como se estivesse no século XVI, o visitante era convidado a observar 12 quadros que retratam as primeiras 12 fortalezas implantadas no país, de Castro Marim a Juromenha, passando por Moura, recriando a viagem épica de Duarte d’Armas, considerado pintor por Damião de Góis, como é descrito nas Crónicas de El-Rei de Portugal D. Manuel I. Esta iniciativa insere-se no projeto GUADITER – Itinerários do Baixo Guadiana, uma iniciativa de cooperação entre Algarve, Alentejo e Andaluzia, cofinanciada pelo Programa de Cooperação Transfronteiriça Portugal – Espanha.


Cultura 45#

Pintura de Oliveira Tavares exposta na vila Em

agosto e setembro esteve patente ao público, na Igreja da Misericórdia, no Castelo da vila, uma exposição de pintura a óleo sobre tela, de Oliveira Tavares. O pintor nasceu em Lisboa em 1961, viveu e trabalhou em Bruxelas e Paris e frequentou o curso de Engenharia do Instituto Superior Técnico de Lisboa, o Curso de Desenho no A.R.C.O e o curso de História de Arte na Sociedade de Belas-Artes. Segundo João Tavares, estamos em presença de uma pintura de luz: “As suas telas sempre acrescentam luz à luz sem a dividir, sendo cada uma das suas pinceladas, um hossana dado por suas mãos a QUEM a dispensa a todos nós para que a partilhemos”. Esta exposição insere-se na política cultural delineada pela Câmara Municipal de apoio às artes e aos artistas, os quais desempenham um papel de relevo na afirmação da nossa identidade coletiva.

Movimentos Feministas na Biblioteca Municipal Na Biblioteca Municipal esteve patente ao público, no passado mês de agosto, a exposição “Aspetos Históricos dos Movimentos Feministas”. Esta exposição da Associação Lusófona para o Desenvolvimento do Conhecimento (ALC), que integra o Projeto Ser Igual = SER +, ilustra através de magníficas pinturas e de forma pormenorizada o processo de evolução da Mulher e as lutas que foram travadas para que a sua emancipação se tornasse uma realidade nos dias de hoje. A Associação Lusófona para o Desenvolvimento do Conhecimento (ALC) entende que na conquista da emancipação da mulher “influíram todos os enormes êxitos alcançados, como a profunda consciência de que ainda há muito por fazer, ao compararmos a situação entre homens e mulheres em todo o mundo”.


46# Eventos

Festas em Honra de nossa senhora dos mártires

No

dia 15 de agosto, iluminados pela fé, milhares de f iéis devotos acompanharam, ao cair da tarde, a imagem de Nossa Senhora dos Mártires em procissão pelas ruas da vila, homenageando a sua Santa padroeira, numa romaria com grandes tradições em Castro Marim. Os festejos começaram com a Alvorada pela Banda Musical Castromarinense, a que se seguiu uma missa solene na Igreja matriz. Durante 2 dias, além das manifestações re-

ligiosas, os visitantes foram brindados com bons momentos de animação musical. A primeira noite de festa na vila terminou com um espetáculo intimista de Lena D’Água, uma das melhores vozes da música popular portuguesa dos anos 80. A assinalar o encerramento das festas esteve em palco o conceituado artista Emanuel, num grande concerto onde a luz e a cor se confundiram com a alegria e o entusiasmo dos milhares de f ãs.


Eventos 47#


48# Eventos

Nossa Senhora das Angústias visita castro marim

Integrada na visita à região do Algarve, a veneranda imagem de Nossa Senhora das Angústias, padroeira de Ayamonte (Espanha), esteve na vila em maio de 2012. A manifestação religiosa de receção à imagem de Nossa das Angústias, junto à Igreja de São Sebastião, em Castro Marim, foi saudada por centenas de fiéis que em procissão acompanharam a Virgem até à Igreja de Nossa Senhora dos Mártires. A visita da Virgem das Angústias à vila de Castro Marim terminou com a Celebração da Eucaristia na Igreja matriz, sendo concelebrada pelos padres Manuel Nóbrega Chícharo, da Paróquia de Castro Marim, e Carlos Javier Sanches, da Paróquia das Angústias, à qual assistiram o Presidente da Câmara Municipal, José Estevens e o vereador Nuno Pereira. Segundo reza a lenda, no final do século XVI, dois irmãos pescadores espanhóis (Coritos, de apelido) que pescavam no esteiro de São Bartolomeu do Sul, em Castro Marim, encontraram uma caixa hermeticamente fechada no interior da qual estava uma bonita imagem de

Maria com Cristo nos braços, a que as entidades eclesiásticas de Ayamonte deram o nome de Nossa Senhora das Angústias, dedicando-lhe a Igreja de “El Baluarte de las Angústias”. A Virgem das Angústias foi proclamada padroeira de Ayamonte a 11 de janeiro de 1756, na sequência do terramoto e tsunami ocorridos no dia 1 de novembro de 1755. Para a Irmandade das Angústias, “a Visita da imagem de Nossa Senhora das Angústias a Portugal responde à profunda união e fraternidade que sempre existiu entre as populações fronteiriças. Além disso, pretende difundir a devoção mariana e fortalecer o culto da imagem de Nossa Senhora das Angústias, venerada durante séculos por muitos portugueses.” Nesta sua primeira deslocação a solo português, resultado de uma manifestação de vontade expressa pelos párocos de Silves e Ayamonte em 2008, a imagem de Nossa Senhora das Angústias participou também em cerimónias religiosas nos concelhos de Vila Real de Santo António e Silves.


Eventos 49#

UHF nas Festas de Altura em Honra do Imaculado Coração de Maria

Numa organização conjunta da Câmara Municipal, da Paróquia de Altura e do Clube Recreativo Alturense, decorreram de 7 a 10 de junho as Festas em Honra do Imaculado Coração de Maria, em Altura. Estas festas, fundadas no espírito da fé, começaram com a abertura da 14.ª Feira de Artesanato de Altura no parque de estacionamento, com uma mostra de artes e ofícios tradicionais, incluindo algumas das melhores especialidades da doçaria do Algarve, que decorreu em simultâneo com uma arruada pela Banda Musical Castromarinense. Ao cair da tarde de sexta-feira, 7 de junho, a música tomou conta do palco das Festas em Honra do Imaculado Coração de Maria ao som do acordeão, do grupo Coral de Altura e dos cantares Etnográficos de Castro Marim e a noite terminou com participação do grupo “Ahi Nama”. No sábado, o dia foi dedicado às manifestações

religiosas que incluíram a recitação do Terço Mariano e a celebração da Eucaristia na Igreja de Altura. Também neste dia, numa cerimónia sublime e com muita beleza, o Bispo do Algarve Dom Manuel Neto Quintas inaugurou a Paróquia do Imaculado Coração de Maria. Pelas 19 horas realizou-se a procissão em Honra do Imaculado Coração de Maria, que como manda a tradição percorreu as ruas da localidade, saudando os fiéis. A fechar a noite de sábado, houve um concerto com os “UHF”, que este ano assinalam os 30 anos da banda. As celebrações das Festas em Honra do Imaculado Coração de Maria encerraram dia 10 de Junho, “Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades”, com as comemorações do 40.º Aniversário do Clube Recreativo Alturense, com destaque para a prova de atletismo “Memorial Adílio Gomes”.


50# Eventos

Festas em Honra DE NOSSA SENHORA da Visitação

No primeiro fim de semana de setembro, a aldeia de Odeleite celebrou as Festas em Honra de Nossa Senhora da Visitação. As Festas iniciaram-se dia 1 de setembro, com o folclore e a etnografia do Rancho Folclórico do Calvário e a noite prosseguiu com animação musical e um espetáculo da artista Ruth Marlene. No domingo, principal dia das festas, foi celebrada a missa na Igreja Matriz, pelo padre da paróquia Feliz Pires. Uma hora depois, a procissão com a ima-

gem veneranda de Nossa Senhora da Visitação percorreu as ruas da aldeia numa manifestação de fé, reunindo centenas de fiéis que de modo solene homenagearam a sua padroeira. As festividades encerraram com a música tradicional portuguesa e a atuação do grupo “Cantigas na Eira”. As festas tiveram a organização da Junta de Freguesia de Odeleite, da Associação Social da Freguesia, o apoio da Câmara Municipal e a colaboração da Paróquia de Odeleite.


Eventos 51#

Noites do Revelim animadas por DJ’s

Com a chegada do verão e a vontade de proporcionar animação noturna aos jovens castromarinenses, bem como a quem nos visita, a Autarquia apresentou, em parceria com a empresa municipal NovBaesuris, a 2.ª edição das Noites do Revelim, na Colina do Revelim de Santo António. Num ambiente descontraído, de convívio e entretenimento, destinado à juventude, realizou-se no mês de julho a primeira de três Noites Revelim Club com os ritmos trepidantes da música de discoteca pelos DJ Shelmy, um jovem castromarinense que uniu sons, pessoas

e sorrisos de diversos estilos na pista das Noites do Revelim e Switch. Em agosto foi a vez dos DJ Nelly Mon e Miss Sheila animarem as centenas de jovens, que há muito elegeram as Noites do Revelim como um espaço de brilho e convívio das noites algarvias. A encerrar o programa, dia 17 de agosto estiveram na pista de dança o DJ Gustavo Vera de Castro Marim, uma revelação da dance music que tocou grandes músicas nacionais e estrangeiras de todos os estilos e o DJ Christian F, um nome com créditos firmados.


52# Eventos


Eventos 53#

XV Edição dos Dias Medievais

De 23 a 26 de agosto, a XV Edição dos Dias Medievais em Castro Marim propôs uma visita guiada à vida e ao imaginário de então, a uma Idade Média que se deixa sonhar e viver nas suas fascinantes contradições. Lugar mitológico e de “espantosas disformidades”, como a descreveu Umberto Eco, foi durante muito tempo classif icada erroneamente como a idade das trevas ou “uma longa noite de mil anos”. Durante quatro dias e quatro noites, a vila de Castro Marim viajou na máquina do tempo e voltou muitos séculos atrás, até à misteriosa Idade Média. Longe do stress quotidiano e perto do imaginário do homem medieval, a Idade Média foi revivida na sua pluralidade e nas suas contradições, simultaneamente bárbara e culta. De ano para ano,

este evento, considerado um dos maiores a sul do Tejo, aumenta a sua fasquia de qualidade e variedade do programa, daí resultando o crescente aumento do número de visitantes, tanto nacionais como estrangeiros. Mais de 60 mil pessoas mergulharam neste época povoada por cavaleiros e princesas, monstros e guerras, punições e mistérios, para se deixarem deslumbrar pelas produções culturais de então. Num ambiente totalmente adaptado à época, a vila de Castro Marim recriou a Idade Média numa verdadeira aula de história ao vivo e a cores, que se iniciou com o desf ile pelas ruas da vila das classes sociais de então, de uma sociedade heterogénea: clero, nobreza, burguesia e povo, revelando uma convivência e proximidade inimagináveis na


54# Eventos


Eventos 55#


56# Eventos

época. Desde a abertura dos Dias Medievais, as ruas foram tomadas de assalto por trovadores, bobos, saltimbancos, contorcionistas, arqueiros, falcoeiros, cuspidores de fogo, mágicos, cavaleiros, malabaristas, contadores de histórias, almocreves, bobos e músicos. Do programa, que recriou com todo o rigor esta época histórica, f izeram parte emotivos torneios de cavalaria, espetaculares exibições de tiro com arco e falcoaria, as exposições dos instrumentos de tortura e punição medievais e de animais exóticos, a recriação histórica de “Um dia no tempo de D. João I” no Forte de S. Sebastião e o Acampamento Árabe do Sheik F’Al Kayd, revivendo o quotidiano de uma caravana árabe. Todas as noites, nos longos banquetes animados pela harpa e alaúde, foram servidas iguarias da cozinha da época, que deliciaram os mais exigentes comensais. E para que tudo fosse real, neste reino de encantar, os visitantes trocaram nos cambistas os euros contemporâneos pela moeda da época, os reais, com que f izeram as suas compras e adquiriram recordações desta viagem inesquecível ao passado, para levar para casa e para o século XXI.


Eventos 57#


58# Eventos


Eventos 59#

Concurso de estabelecimentos aderentes

1.º lugar - minimercado rita pena

2.º lugar - restaurante típico — tasca medieval

3.º lugar - RESTAURANTE os dois irmãos

Integrado na XV Edição dos Dias Medie-

de análise dos vários estabelecimentos a concurso, o júri atribuiu a seguinte classificação: 1.º lugar, Mini-Mercado Rita Pena; 2.º lugar, Restaurante Típico – Tasca Medieval e o 3.º lugar, Restaurante Os Dois Irmãos. O 1.º classificado conquistou um prémio de 1250 euros, o 2.º classificado obteve um prémio no valor de 1000 euros e os restantes concorrentes alcançaram um prémio de participação no valor de 400 e 200 euros.

vais, o Centro de Cultura e Desporto do Pessoal da Autarquia (CCD) organizou o Concurso de Estabelecimentos Aderentes, no qual os comerciantes da vila de Castro Marim evidenciaram o talento e o engenho na recriação do espírito da Idade Média nos seus estabelecimentos, propiciando aos clientes e visitantes momentos únicos desta época distante e misteriosa. Após um trabalho rigoroso


60# Entrevista

João Oliveira Lourenço latoeiro

A caminho de Moncarapacho, no lugar de (Lameiro) Amaro Gonçalves, freguesia da Luz de Tavira, à beira da estrada de asfalto, a Notícias de Castro Marim encontrou João Maria Maldonado de Oliveira Lourenço, um dos últimos latoeiros no Algarve, na oficina improvisada, moldando a folha zincada à qual as mãos do artesão latoeiro darão forma a várias peças.


Entrevista 61#

Ti João, como é conhecido este alentejano de 74 anos, natural da Aldeia Nova de São Bento no concelho de Serpa, que desceu ao Algarve na procura de uma vida melhor, quando questionado com quem aprendeu a arte da latoaria, responde orgulhoso e com riso franco: “Os meus mestres foram o meu pai e o meu avô, sou de uma família de latoeiros de Reguengos de Monsaraz”. João Lourenço não sabe ler nem escrever, “nunca fui à escola, nem o meu nome sei fazer” lembra. Aos 10 anos começou a cortar a chapa, demonstrando aí a habilidade manual para o ofício. As primeiras peças que produziu foram pequenas pás para as crianças e tampas para panelas. Considera que um bom latoeiro nunca se faz antes dos 21 anos. As maiores dificuldades que sentiu para aprender foi riscar e talhar a chapa. Outro dos problemas era a falta de material para trabalhar, porque se não conseguisse fazer alguns artigos, não garantia o sustento da família. Ao longo de mais de 60 anos a trabalhar a latoaria com a folha zincada e a folha de Flandres, esta última praticamente inexistente, João Lourenço já perdeu a conta ao número de artigos a que deu forma: potes para o azeite, cântaros para a água, funis, pás do lixo, alcatruzes para tirar água das noras, alguidares, almotolias, baldes, caldeiras e regadores, entre muitos outros. Recorda com orgulho a primeira peça que produziu enquanto latoeiro calejado, um cântaro de 10 litros que custava 50 escudos e que hoje tem um custo de 10 euros “que as pessoas acham caro”, desabafa. A maioria dos seus fregueses estão nos mercados que realiza em Castro Marim, Vila Nova de Cacela, Tavira, Olhão e Estoi, onde vende mensalmente os seus artigos. Questionado sobre o processo de produção de um objeto, o latoeiro, residente no Lameiro, Luz de Tavira, explicou-nos: primeiro faz-se a riscagem da peça e o respetivo corte a partir dos moldes. A seguir efetuam-se os vincos e as dobras, com a ajuda de uma bigorna estreita, bate-se a chapa com o maço de madeira, terminado com a soldadura dos vários componentes. Com o uso do alumínio, do plástico e do avanço das tecnologias, a arte da latoaria perdeu importância. Grande parte dos artigos feitos destinavam-se à vida rural e presentemente muitos são usados para decoração, ainda assim João Lourenço assegura: “as coisas feitas à mão duram

uma vida”. No desfiar da conversa com a Notícias de Castro Marim, um dos últimos latoeiros no Algarve lamenta que os jovens não queiram saber da sua arte e que a mesma não tenha continuadores. “Os moços hoje não querem aprender qualquer ofício, é raro que apareça algum para aprender, quando um bom mestre que queira trabalhar a profissão pode ganhar dinheiro. A maior pena que tenho é que nenhum dos meus dois filhos tenha aprendido o ofício. Nem sabem pegar numa tesoura. Filhos de um latoeiro, netos de um latoeiro e nunca aprenderam, seguiram outros trabalhos”. Já de partida da oficina, Ti João, segurando religiosamente nas mãos uma das últimas peças que produziu, confidencia-nos que sente muito orgulho e alegria em poder participar nos Dias Medievais em Castro Marim. “Agradeço ao Senhor Presidente da Câmara por me dar a oportunidade de mostrar aquilo que sei fazer. Digo-vos uma coisa: sou muito acarinhado na vila. Já tenho dito à minha mulher, ainda gostava de morar em Castro Marim”.


62# Eventos

Grandes filmes em castro marim e Altura Durante

os meses de julho e agosto e pelo 14.º ano consecutivo, a Câmara Municipal apresentou “As Noites de Cinema”, nas quais os amantes da 7.ª arte assistiram a grandes filmes que foram sucesso de bilheteira no mundo. Do cartaz fizeram parte filmes como “Jack e Jill”, “Homens de Negro 3”, “As Aventuras de Tintin: O Segredo do Licorne” e “O que se espera enquanto se está à espera”. O leque das películas foi bastante diversificado, desde a aventura à ficção, passando pelo romance, até à animação infantil. Na Praça 1.º de Maio, em Castro Marim, iluminada pelo luar, as estrelas de cinema desfilaram todas as segundas e quintas-feiras. No Cine-Estúdio em Altura, as sessões cinematográficas realizaram-se às terças-feiras e aos sábados.

XVIII Festival de Folclore do azinhal Numa realização da Casa do Povo do Azinhal, do Rancho Folclórico do Azinhal e com os apoios da Câmara Municipal de Castro Marim e da Junta de Freguesia local, decorreu no mês de julho a XVIII edição do Festival de Folclore do Azinhal, no Centro Multiusos. A abertura do festival coube ao Rancho Folclórico do Azinhal, que com as suas danças e trajes encheu de alegria e cor o palco e contagiou de entusiasmo as centenas de espetadores, seguida das atuações, ao longo de mais de cinco horas, dos ranchos convidados, que mostraram o melhor do nosso folclore e etnograf ia: Rancho Folclórico de Elvas, Grupo de Dança Típica da Queimada de Melides, Grupo de Danças e Cantares dos Pioneiros de Vendas Novas e o Rancho Regional das Lavadeiras de Carreço de Viana do Castelo.


Eventos 63#

Palco do Acordeão Numa organização do Centro de Cultura e Desporto da Câmara Municipal (CCD) e com o apoio da autarquia, realizou-se no passado mês de julho a 7.ª edição de Castro Marim, Palco do Acordeão no Revelim de Santo António, na vila de Castro Marim. Na presença de um público entusiasmado e empenhado, o festival teve início com a participação dos alunos da Escola de Acordeão de Castro Marim, que tocaram ao vivo diversas peças musicais, mostrando o fruto de muitas horas dedicadas ao estudo da música e do acordeão. Esta Escola de Acordeão é hoje uma referência regional e nacional no ensino deste instrumento musical, tendo nas suas fileiras alunos do concelho, mas também de Mértola, Alcoutim, Vila Real de Santo António, Tavira e Lepe. A segunda parte do espetáculo foi marcada pela Gala Internacional de Acordeão, na qual atuaram um conjunto de acordeonistas portugueses galardoados internacionalmente, como João Frade, Nelson Conceição e Tino Costa.

XVI Festival de Bandas em castro marim Visando

perpetuar a cultura filarmónica e a descoberta de novos talentos no campo da música, a Banda Musical Castromarinense realizou, dia 7 de julho, a XVI edição do Festival de Bandas, na Praça 1.º de Maio em Castro Marim. O festival, que teve os apoios da Câmara Municipal e da Junta de Freguesia de Castro Marim, iniciou-se com o desfile das Bandas convidadas pelas ruas da vila, seguindo-se a execução dos hinos da Sociedade Filarmónica Democrática Timbre Seixalense, da Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense e da banda anfitriã. As bandas tocaram ainda uma peça musical em conjunto, num dos momentos aguardados com mais interesse por parte do público, que encheu por completo o recinto da Praça 1.º de Maio.


64# Eventos

São João na Malhada em odeleite Com

o objetivo de perpetuar a tradição dos santos populares na freguesia de Odeleite, a Associação Recreativa, Cultural e Desportiva dos Amigos da Alta Mora (ARCDAA) comemorou, no dia 24 de junho de 2012, o São João na Malhada, com um diversificado programa de atividades desportivas e recreativas. A jornada de convívio teve início com o 3.º Passeio de Ciclomotores Antigos (até 50cc) e o conjunto alargado de marcas presentes, entre as quais a Zundapp, a Sach, a Casal, a V5 e a Macal, percorreu as localidades da Alta Mora, Magoito, Corte Pequena, terminando na Malhada com uma exposição dos motociclos participantes. Nas margens da ribeira de Odeleite, palco do São João na Malhada, realizou-se ao meio-dia uma sardinhada com gaspacho para os visitantes, que a par dos desportos radicais e do baile com o “Grupo + 2” fizeram as delícias dos mais novos.

Animação de verão em altura Tendo em vista proporcionar momentos de fruição cultural e de convívio a todos aqueles que procuram o concelho de Castro Marim para gozar as suas férias, nomeadamente na freguesia de Altura, a Câmara Municipal realizou nos meses de julho, agosto e setembro um programa de Animação de verão na zona de lazer junto à Avenida 24 de junho. Este programa privilegiou um conjunto de espetáculos musicais variados, cujos géneros contemplaram o folclore, a música tradicional portuguesa, o fado e as danças sevilhanas. A iniciativa contou com a colaboração do Clube Recreativo Alturense.


Eventos 65#

6.a Feira do Livro em altura Apostada em contribuir para o reforço da animação cultural, ao mesmo tempo que proporciona um contacto vivo e direto com os livros, a Câmara Municipal organizou, no passado mês de agosto, a 6.ª edição da Feira do Livro em Altura, na Zona de Lazer junto à Avenida 24 de Junho, que mobilizou as famílias e os seus grandes e pequenos leitores. Ao longo de duas semanas, livrarias representantes das diversas editoras nacionais possibilitaram à população residente e aos turistas que, no mês de agosto passam férias nesta estância balnear, adquirir livros de grandes autores nacionais e estrangeiros a preços mais convidativos. Esta edição do certame ficou marcada pela apresentação ao público da coleção “Histórias para adormecer e Sonhar” da escritora Piedade Glória. Também a música esteve presente pela voz do fadista Márcio Gonçalves.

XVIII Festa do Emigrante Música, entusiasmo e alegria não faltaram na XVIII Festa do Emigrante que no primeiro fim de semana de agosto invadiu o Monte Francisco. A festa iniciou-se no dia 3 de agosto, com uma noite especial dedicada à juventude, a cargo do DJ Nuno Lourenço, que manteve acordados e bem dispostos os jovens pela madrugada fora, com a melhor música das pistas de dança. Prosseguindo a animação, no sábado, o Campesino Recreativo Futebol Clube realizou um baile com o afamado grupo + 2 e outros músicos que conquistaram a amizade e os afetos dos emigrantes, bem como das suas famílias, que por esta altura gozam uns merecidos dias de férias. A encerrar a XVIII Festa do Emigrante, no dia 5 de agosto, houve no Largo do Parque um almoço para a comunidade emigrante, constituindo um momento único de confraternização e amizade para as gentes do Monte Francisco.


66# Eventos

Castro Marim comemora OS SANTOS POPULARES

No Arraial de São João foram anunciados os vencedores do XIII Concurso de Mastros do concelho: a Associação Recreativa, Cultural e desportiva dos Amigos da Alta Mora (ARCDAA) foi a grande vencedora

No mês de junho, consagrado aos santos populares, Santo António, São João e São Pedro, onde as marchas, as fogueiras, os balões, os manjericos, o alecrim, o rosmaninho e as sardinhas assadas têm presença obrigatória, a Câmara Municipal assinalou uma das mais representativas manifestações da cultura popular com a realização da XIII edição do Concurso de Mastros do concelho. Durante mais de um mês, várias associações locais meteram “mãos à obra” e deram expressão artística a mastros tradicionais, incluindo as marchas e a elaboração de quadras alusivas aos Santos Populares, que o júri teve a difícil tarefa de avaliar. No Arraial de São João, realizado na Praça 1.º de Maio, em Castro Marim, foram

anunciados os vencedores do XIII Concurso de Mastros do concelho: a Associação Recreativa e Cultural dos Amigos da Alta Mora (ARCDAA) foi a grande vencedora, a Associação Social da Freguesia de Odeleite ficou com o 2.º lugar, o Clube Desportivo e Cultural do Rio Seco, em 3.º lugar, o Campesino Recreativo Futebol Clube alcançou o 4.º lugar e a Associação de Pesca Desportiva arrecadou o 5.º lugar. O 1.º classificado obteve um prémio de 850 euros, o 2.º classificado de 500 euros e o 3.º classificado de 400 euros. A iniciativa contou com as colaborações do Agrupamento de Escolas de Castro Marim, da Associação Odiana, do Centro de Cultura e Desporto do Pessoal da Autarquia (CCD) e do Sapal Verde, que integraram o júri.


Eventos 67#

Serões de Acordeão animam Castro Marim No desenvolvimento da Agenda Cultural do Município para 2013, a Câmara Municipal promove, entre 9 de março e 7 de setembro e com o apoio das Juntas de Freguesia e das Associações Locais, a nova temporada dos Serões de Acordeão nas freguesias de Azinhal e Odeleite. Num total de vinte sessões, os castromarinenses e os turistas que nos visitam poderão ouvir e dançar as modinhas que se soltam das teclas do acordeão, instrumento que continua a encantar os seus ouvintes, através das atuações dos acordeonistas João e Miguel Pereira. Com a nova temporada dos Serões de Acordeão pretende preservar-se a cultura e o património do concelho, quebrando o isolamento das zonas do interior e igualmente conferir bem-estar e qualidade de vida às populações locais.

Ricardo de Sousa apresenta “Hoje eu vou” Ricardo

Sousa apresentou em 2012 no Auditório da Biblioteca Municipal, o seu mais recente trabalho discográf ico “Hoje Vou”. Este segundo álbum caracteriza-se por uma música com as sonoridades pop/rock, do qual se destacam temas como “Dar-te música”, “Rendo-me” e a balada “No teu sono”. Ricardo Sousa iniciou a sua carreira musical em 1993, quatro anos mais tarde estreou-se no programa de televisão “Chuva de Estrelas” da SIC e em 2000 gravou o seu primeiro álbum, “Azul”. O novo trabalho integra uma música dos Bush, com um arranjo e produção feitos por Alan Winstanley, reconhecido produtor internacional de grandes nomes como David Bowie, Elvis Costello e Stranglers.


68# Eventos

Castanhas assadas e jeropiga no São Martinho em Alta Mora Mais

de três centenas de pessoas, muitas delas vindas de Espanha, participaram no Dia de São Martinho, na cumeada da Alta Mora, no 9.º Convívio do «Santo do inverno que traz o verão» da Associação Recreativa, Cultural e Desportiva dos Amigos da Alta Mora (ARCDAA). As comemorações decorreram no dia 11 de novembro e iniciaram-se com o 2.º Passeio de BTT e um Passeio Pedestre pelos montes e vales da Alta Mora, num percurso de 8 Km, terminando num almoço na sede social da associação para os participantes. A jornada prosseguiu durante a tarde com o tradicional Magusto de São Martinho, onde as castanhas assadas, a jeropiga e o vinho novo se juntaram ao convívio e à música de Fernando Amores e à mostra de artesanato e produtos locais.

Natal de Música Na tradição da grande música de Natal, a Banda Musical Castromarinense realizou dia 15 de dezembro um Concerto de Natal, na Igreja de Nossa Senhora dos Mártires, em Castro Marim. Neste concerto dirigido pelo maestro Bruno Correia foram executadas peças musicais alusivas ao Natal. A primeira parte foi integralmente preenchida com a atuação da Escola de Música da Banda Musical Castromarinense, onde os jovens músicos celebraram a magia e os sons enternecedores deste tempo de advento para o numeroso público que se deslocou à Igreja de Nossa senhora dos Mártires. Na segunda parte, os músicos da filarmónica tocaram temas clássicos do Natal, tais como “White Christmas”, de Irving Berlin, “Merry Christmas”, de Willy Haustvast e “Happy Christmas”, de John Lennon e Yoko Ono. Com este concerto, que integrou a programação de Natal do Município, a Banda Musical Castromarinense quis lembrar e partilhar os valores como a amizade, a fraternidade e o desejo de paz no mundo.


Eventos 69#

Festa de Natal dos Idosos

“Neste tempo de partilha dos afetos e da solidariedade que é o Natal, gostaria de vos transmitir a alegria que sinto em estar convosco, uma vez mais, no convívio das mulheres e dos homens que ajudaram a construir esta terra.” Foi deste modo que o presidente da Câmara Municipal, José Estevens, se dirigiu aos mais de quinhentos idosos participantes, na Festa de Natal, no passado dia 23 de dezembro, na Quinta do Sobral. Na sua alocução aos presentes fez um balanço da atividade do executivo, realçando as políticas desenvolvidas em áreas essenciais como o saneamento básico, as acessibilidades, o património, a cultura e em especial a ação social, as quais têm contribuindo decisivamente para a qualidade de

vida e conforto dos castromarinenses. Durante o almoço de Natal, que sentou à mesa munícipes de todo o concelho, houve música e muita animação com o grupo de baile “+ Dois” e a fadista Aurora Gonçalves, uma das grandes revelações do fado, tendo já conquistado vários prémios internacionais. Com este almoço de Natal para os idosos do concelho, a Câmara Municipal quis promover um momento de confraternização à luz do espírito natalício, realçando a importância do amor e a necessidade de viverem em paz e comunhão, para que os valores da amizade, da solidariedade e da fraternidade não esmoreçam neste tempo de angústia e de dificuldades para muitas famílias.


70# Eventos

Semana da Paixão no Castelo da vila A Associação Cultural das Amendoeiras em Flor realizou, com a colaboração da Câmara Municipal, a exposição “Semana da Paixão”, na Igreja do castelo. Durante o mês de março, o visitante descobriu a Semana Santa, período compreendido entre o Domingo de Ramos e o Domingo de Páscoa, através de uma maquete com mais de três mil peças de cerâmica pintadas à mão, recriando a paixão de Cristo. No ato inaugural da “Semana da Paixão” teve lugar a atuação do coro litúrgico “CREDO IN VOBIS” da Associação Cultural das Amendoeiras em Flor. O evento contou com a colaboração da Autarquia e os apoios das Juntas de Freguesia de Castro Marim e Odeleite, Paróquia de São Tiago de Castro Marim e da Escola de Hotelaria e Turismo de Vila Real de Santo António.

Enterro do Entrudo em altA MORA Com o objetivo da preservar a tradição local, a Associação Recreativa, Cultural e Desportiva dos Amigos da Alta Mora (ARCDAA) celebrou, no passado mês de Fevereiro, o Enterro do Entrudo. Dezenas de participantes, entre grupos de mascarados, trapalhões e matrafonas calcorrearam a Cumeada da Alta Mora e os festejos foram marcados pelas brincadeiras de rua e as piadas às portas dos moradores, os quais ofereceram comida e vinho. Depois do tradicional baile de Carnaval, que reuniu centenas de foliões realizou-se, na quarta-feira de cinzas e como manda a tradição, o Enterro do Entrudo. Os populares seguiram atrás de um boneco de palha transportado numa padiola que percorreu as ruas, perante os gritos dos acompanhantes que choravam o morto. O Enterro do Entrudo terminou com um convívio onde foram consumidas as iguarias oferecidas durante as festividades.


Sociedade 71#

Câmara Municipal recupera casas a idosos

No

desenvolvimento de uma política de habitação social sem precedentes no concelho, de que são exemplo a construção das urbanizações do Cercado do Poço da Ordem em Castro Marim e das Laranjeiras em Altura, que garantiram condições dignas de habitabilidade a dezenas de famílias castromarinenses, a par da recuperação de casas degradadas, a Câmara Municipal vai melhorar, ao abrigo do Programa de Conforto Habitacional para Pessoas Idosas (PCHI), habitações a pessoas idosas que beneficiem de apoio domiciliário. Este investimento do Ministério da Solidariedade e da Segurança Social, no montante de 31.500 de euros, abrange a qualificação de nove habitações degradadas de idosos do concelho mediante um protocolo celebrado entre a Câmara Municipal e o Instituto de Segurança Social, IP, cabendo ao Município os custos com a mão de obra das intervenções a realizar.

O Programa Conforto Habitacional para Pessoas Idosas (PCHI) tem por finalidade o combate à pobreza e à exclusão dos idosos, cujas habitações estejam degradadas e necessitem de intervenções, o que se traduz na melhoria da qualidade de vida e na prevenção de acidentes domésticos e de situações de dependência. Além deste programa, de grande alcance social para uma faixa da população que tem necessidade de ser devidamente apoiada e outras políticas sociais estão a ser levadas a cabo pela autarquia. São disso um excelente exemplo o Cartão do Idoso, que permite a um número cada vez maior de castromarinenses ter benefícios na obtenção de medicamentos, na sequência do protocolo celebrado com as farmácias do concelho, assim como no transporte para consultas no médico ou ainda a rede de transportes coletivos existente no Município, “Castro Marim Mais Perto”.


72# Sociedade

Fidelidade Mundial atribui donativo ao Município

Atenta às dificuldades económico-financeiras que o país atravessa e à situação de carência de muitas famílias, no âmbito da sua responsabilidade social, a Fidelidade Mundial – Companhia de Seguros S.A. atribuiu um donativo, no valor de € 7 000, ao Município de Castro Marim. O donativo atribuído ao abrigo do Estatuto dos Benefícios Fiscais destina-se a apoiar a política social do executivo, na área da educação, em particular na atribuição de bolsas de estudo aos alunos, nomeadamente ao nível do ensino secundário, cujos pedidos têm vindo a aumentar significativamente. No ato da entrega do donativo, que decorreu no Salão Nobre dos Paços do Concelho, dia 26 de outubro, Francisco Sousa, Diretor da Fidelidade Mundial para a região Sul, afir-

mou que a atribuição destes apoios ref letem as preocupações da Seguradora em contribuir para que haja maior justiça social na sociedade portuguesa. Quanto ao donativo atribuído à Câmara Municipal de Castro Marim, disse “que é com muito gosto que a empresa líder de mercado no Algarve se associa à Autarquia num bem tão importante como é a educação”. Por seu turno, José Estevens, Presidente da Câmara Municipal, congratulou-se pelo apoio concedido, salientando que o mesmo é um contributo significativo para a melhoria da ação social escolar no concelho e, particularmente para os alunos do ensino secundário, que assim veem melhoradas as condições de acesso à educação.


Sociedade 73#

Autarquia promove imagem do concelho

Percebendo

a importância real e efetiva dos equipamentos multimédia na promoção e difusão da imagem de uma terra e dos valores culturais e endógenos que a mesma encerra, a Câmara Municipal inaugurou junho de 2012, em parceria com a empresa Prosperitas – Agência de Publicidade Lda, um Monitor Led na rotunda norte, à entrada da vila. Trata-se de um painel digital de grande formato com tecnologia LED, que projeta imagens de superior qualidade sobre o concelho. Assim, os visitantes da vila de Castro Marim poderão contemplar, sequencialmente, belas imagens que lhes apresentam o que de melhor esta “Terra com História” tem para oferecer: do património natural único da Reserva do Sapal ao património histórico edif icado da vila, passando pelas praias douradas

do concelho, até à mesa com a rica gastronomia, sem esquecer o melhor sal do mundo e a descoberta dos saberes tradicionais, donde sobressaem a renda a bilros, as empreitas e a cestaria. Nesta janela de oportunidade para descobrir o território de Castro Marim, por via da tecnologia, o Município passa igualmente a dispor de um canal de excelência para difusão de informação relativa a atividades por si realizadas ou patrocinadas, nomeadamente grandes eventos como os Dias Medievais, a Terra de Maio ou o Festival Internacional do Caracol. A existência do Monitor LED em Castro Marim é um passo importante para a imagem de modernidade e de urbanidade de um concelho que, graças à vontade e ao dinamismo das suas gentes, se af irma cada vez mais como um concelho de futuro.


74# Sociedade

Baixo Guadiana no Lifecooler O canal online Baixo Guadiana, que integra no Lifecooler os concelhos de Alcoutim, Castro Marim e Vila Real de Santo António registou, de acordo com os dados fornecidos por aquele que é considerado o maior site português de turismo e lazer, 3 milhões de visitas no último ano. O universo de visitantes registado reporta ao período compreendido entre dezembro de 2011 e dezembro de 2012, sendo que no mês de agosto, o canal Baixo Guadiana alcançou o maior número de visualizações, num total de 354 mil. No topo das preferências dos 200 mil visitantes mensais, que acedem através deste meio ao território do Baixo Guadiana, encontram-se as seções de «Roteiro», «Dormidas», «Gastronomia», «Restauração», «Património”, sendo a de «Alojamento» a mais procurada de todas. Este atrativo canal online, que proporciona uma viagem virtual rica

em imagens pelos territórios do Baixo Guadiana, foi criado em dezembro de 2011 pela associação de desenvolvimento local Odiana, como forma de promoção turística desta região.


Sociedade 75#

Dia Internacional da Mulher

Mais de uma centena de pessoas, maioritariamente mulheres, marcaram presença no Auditório da Biblioteca Municipal para celebrar no dia 8 de março o Dia Internacional da Mulher, numa tertúlia organizada pela Autarquia subordinada ao tema “MULHERES DO SÉCULO XXI – O papel da mulher na sociedade atual”. A tertúlia, que teve a moderação da jornalista castromarinense Almerinda Romeira, juntou quatro distintas mulheres que participam ativamente na vida da região para discutir a intervenção da mulher na sociedade: Elsa Cordeiro, deputada à Assembleia da República; Isabel Soares, Administradora Delegada da Empresa Águas do Algarve; Nélia Mateus, Presidente da Junta de Freguesia de Altura e a Professora Rita Pires. Isabel Soares, ex-presidente da Câmara Municipal de Silves, lembrou a ação relevante da mulher na construção de uma sociedade mais justa, dando o seu exemplo enquanto professora e autarca, para afirmar que discorda da lei da paridade, entendendo que as mulheres devem aceder

aos cargos políticos por mérito próprio e não por uma qualquer norma que obriga à sua inclusão em listas políticas. Já Elsa Cordeiro assegurou que a lei da paridade “é uma lei de género, não foi feita para as mulheres” e lembrou ainda que os grandes desafios da mulher no século XXI são o reforço da educação, a participação cívica e o mercado de emprego. Nélia Mateus, presidente da Junta de Freguesia de Altura, referiu que as mulheres “já mostraram que são capazes de exercer funções em diversas áreas, defendendo que a partilha entre homem e mulher é muito produtiva, não obstante as características próprias de cada um. Por seu turno, a professora Rita Pires acredita que na sociedade do futuro haverá mais mulheres qualificadas do que homens, pois “há mais mulheres a entrar para as universidades”. A docente salientou o facto de cada vez mais as tarefas no seio familiar serem partilhadas com os homens, achando que um dos grandes desafios das mulheres é conseguir mais tempo para dedicar aos filhos.


76# Saúde

ANIMART promove Campanha de Vacinação

este Programa Nacional de Vacinação Contra a Gripe do Ministério da Saúde inscreve-se na política de cuidados de saúde que promovem o bem-estar e a qualidade de vida dos castromarinenses

Nos

passados meses de outubro e novembro, a Unidade Móvel de Animação e Acompanhamento Psicossocial (ANIMART) da Associação Bem Estar Social da Freguesia do Azinhal (ABESFA) promoveu, no concelho de Castro Marim, a Campanha de Vacinação Contra a Gripe, ao abrigo do Programa Nacional de Vacinação gratuita do Ministério da Saúde. Ao longo destes dois meses, uma equipa da ANIMART constituída por uma enfermeira, uma assistente social e um motorista deslocou-se às quatro freguesias do concelho para ministrar a vacina

contra a gripe a um universo de aproximadamente 600 pessoas com mais de 65 anos ou pertencentes a grupos de risco. Esta ação contou com a coordenação do ACES/Sotavento (Agrupamento de Centros de Saúde) e com o apoio da Câmara Municipal de Castro Marim. Para a autarquia, este Programa Nacional de Vacinação Contra a Gripe do Ministério da Saúde é de grande importância para a população do concelho e inscreve-se na política de cuidados de saúde que promovem o bem-estar e a qualidade de vida dos castromarinenses.


Saúde 77#

O Cancro Cutâneo crónica do médico Pedro Viegas Existem vários tipos de tumores cutâneos malignos, com aspetos e formas de apresentação muito diversos. São muito comuns nas idades mais avançadas, embora possam atingir pessoas de qualquer escalão etário, particularmente o melanoma, que é o tipo mais agressivo, e um dos cancros com maior mortalidade nas pessoas mais jovens. A incidência dos cancros cutâneos tem crescido progressivamente a nível mundial, em aparente relação com as mudanças de estilo de vida, nomeadamente com o aumento de popularidade das atividades de lazer e desportivas exteriores. A sua origem parece correlaciona-se diretamente com o nível de exposição aos raios ultravioleta presentes na luz solar, motivo pelo qual, é natural que exista no Algarve uma elevada incidência, sobretudo nos municípios com população mais idosa e ligada a atividades rurais e piscatórias. Felizmente, os tumores da pele estão muito acessíveis à nossa observação e podem ser detetados, na maioria dos casos, numa fase muito inicial ou quando ainda não se deu a completa transformação maligna. Este aspeto pode ser decisivo, uma vez que a deteção precoce permite quase sempre um tratamento simples e eficaz. Frequentemente, os primeiros indícios podem ser muito subtis, com um aspeto banal, quase semelhante a um sinal normal ou a uma verruga. Por este motivo, qualquer transformação ou lesão nova da nossa pele merece sempre ser esclarecida. Se o sol representa o principal fator de risco para o cancro da pele, é natural que a sua prevenção assente nos cuidados com a exposição solar. Embora o sol tenha alguns benefícios para a saúde, como todas as outras coisas, em excesso pode ser bastante prejudicial. A proteção solar deve ser baseada no bem senso, com o fator hora do dia em primeiro plano, seguido do uso de

sombras, peças de vestuário e outras barreiras físicas e, finalmente, com o complemento dos protetores solares, uma vez que a queimadura solar deve ser sempre evitada. Pedro Viegas Dermatologista


78# Desporto

Castro Marim comemora dia nacional dos moinhos

Com vista a potenciar e a desenvolver o património molinológico do concelho de Castro Marim, a Câmara Municipal comemorou no dia 7 de abril o Dia Nacional dos Moinhos, através de um conjunto de atividades em torno dos moinhos tradicionais. Os 150 participantes na iniciativa tiveram a oportunidade de realizar atividades tão distintas como as visitas culturais à Casa de Odeleite, o passeio de BTT “Rota dos Moinhos”, a “Aventura no Moinho das Pernardas”, no Parque Aventura de Odeleite e o passeio pedestre da família “Vamos Descobrir o Moinho”. O Dia Nacional dos Moinhos começou pela manhã na Casa de Odeleite, onde os ciclistas e os pedestrianistas se acotovelaram para iniciar as atividades que convidavam a passar um dia diferente em contacto direto com a natureza. Enquanto

os mais destemidos praticavam desportos radicais no Parque Aventura de Odeleite, para os restantes houve visitas ao moinho de maré das Pernadas, cuja memória cultural e etnográfica tem atravessado gerações. Outra das atividades que despertou o interesse dos participantes foi o passeio de BTT que ligou o moinho das Pernadas ao moinho do Revelim de Santo António, em Castro Marim. Este Dia Nacional dos Moinhos em Castro Marim foi uma ação integrada no programa nacional da Rede Portuguesa dos Moinhos e teve o apoio das associações locais. Além de dinamizar este magnífico património do concelho, a ocasião serviu também para assinalar o Dia Mundial da Atividade Física com a promoção de práticas saudáveis para ocupar os tempos livres e estimular a atividade física em família.


Desporto 79#

VIII Passeio amendoeiras em flor Com o manto branco das amendoeiras em f lor a vestirem a Cumeada da Alta Mora, a Associação Recreativa, Cultural e Desportiva dos Amigos da Alta Mora (ARCDAA) realizou, no mês de fevereiro, a VIII edição do Passeio Pedestre «Amendoeiras em Flor», naquela localidade da freguesia de Odeleite. Mais de duas centenas de interessados pelo pedestrianismo e pela natureza praticaram a atividade física, ao longo de 8 quilómetros. O passeio, que teve a colaboração da Câmara Municipal e da Junta de Freguesia de Odeleite, terminou com um animado almoço.

4.º Passeio de BTT “Pelos Trilhos do Azinhal” No

âmbito da cooperação associativa, a Associação Recreativa e Cultural “Azinhal” (ARCA) e a Casa do Povo do Azinhal organizaram no dia 9 de junho, o 4.º Passeio de BTT “Pelos Trilhos do Azinhal”. A jornada desportiva iniciou-se junto à sede da Casa do Povo e contou com a participação de duas centenas de atletas, que se distribuíram pelos dois percursos existentes, ao longo das margens do rio Guadiana e da ribeira de Odeleite, passando por caminhos e localidades do interior das freguesias de Azinhal e Odeleite, desfrutando de tão belas paisagens. O passeio, sem caráter competitivo, contou com dois percursos: um na distância de 30 Km, com grau de dif iculdade fácil e acessível a participantes no BTT e outro, na distância de 50 Km, com um grau de dif iculdade médio, sendo mais exigente ao nível técnico e físico. Este evento, que terminou com um almoço no Centro Multiusos, possibilitou aos participantes um saudável convívio.


80# Desporto

Sporting Clube de Portugal vence 11.ª Prova de Natação de Mar O atleta olímpico Pedro Miguel e Leonor Mourinho, ambos do Sporting Clube de Portugal, conquistaram a 11.ª Prova de Natação de Mar “Vila de Castro Marim” dos Leões do Sul Futebol Clube, na categoria oficial e João Rafael Pereira e Inês Fernandes Garcia do Estádio Universitário de Lisboa, venceram a prova na categoria de divulgação. A prova, realizada a 12 de agosto, na Praia da Alagoa/ Altura, integrou o 20.º Circuito de Natação de Mar do Algarve, única do género realizada no Sotavento Algarvio. Nesta edição, o número de participantes, num total de 219, entre atletas federados e não federados, alcançou novo recorde. O evento teve a organização dos Leões do Sul Futebol Clube e contou com os apoios da Associação de Natação do Algarve, da Câmara Municipal de Castro Marim, Instituto Português de Desporto e Juventude, Juntas de Freguesia de Altura e Castro Marim, Capitania do Porto de Vila Real de Santo António, Bombeiros Voluntários de VRSA e Associação Naval do Guadiana.

Final do Campeonato de Petanca A final

do Campeonato Nacional de Petanca, na Categoria de Triplete Masculino Seniores, organizada pela Associação de Petanca do Algarve e Federação Portuguesa da Petanca e com o apoio da Câmara Municipal, realizou-se a 30 de setembro no castelo da vila de Castro Marim. A prova foi disputada de forma entusiástica pelos 48 jogadores apurados, em três eliminatórias, de um total de mil inscritos que integraram as dezasseis equipas. O Clube Caça e Pesca de Santa Margarida, do concelho de Tavira, foi o vencedor da final, com os jogadores Hugo Daniel das Dores, Paulo Jacinto e Manuel Dores.


Desporto 81#

10.ª Edição Peddy Paper cumeada da alta mora No passado mês de abril, duzentas e setenta pessoas participaram na 10.ª edição do Peddy Paper Cumeada da Alta Mora, organizada pela Associação Recreativa, Cultural e Desportiva dos Amigos da Alta Mora. As 48 equipas presentes iniciaram o passeio pedestre em Corte Pequena, tendo percorrido uma distância de 7 Km nos quais foram postos à prova os seus conhecimento e sagacidade. Para a ARCDAA, o Peddy Paper, que finalizou com um almoço de confraternização entre os participantes e a entrega de prémios, destinou-se a promover a atividade física e a valorizar o meio natural e os aspetos panorâmicos da freguesia de Odeleite. A 10.ª Edição do Peddy Paper na Cumeada da Alta Mora teve o apoio das câmaras municipais de Castro Marim e de Alcoutim e a colaboração da Associação Odiana, do Centro de Cultura e Desporto do Pessoal da Autarquia (CCD) e dos Bombeiros Voluntários de Alcoutim.

Contratos-Programa com associações locais No

âmbito da política cultural e desportiva levada a cabo no Município, e na atenção crescente dada ao fenómeno do associativismo e à importância do mesmo na construção de uma comunidade mais unida e solidária, a Câmara Municipal atribuiu subsídios no montante de € 93 651 às associações locais. Os subsídios, concedidos ao abrigo dos Contratos-Programa, de acordo com as atividades e capacidade de realização demonstradas por cada uma das agremiações que interagem com o meio cultural, social e desportivo castromarinense, foram concedidos às seguintes entidades: Associação de Pesca Desportiva de Castro Marim € 1406 // Associação Recreativa, Cultural e Desportiva dos Amigos da Alta Mora € 2812 // Associação Recreativa e Cultural “Azinhal” € 1968 // Campesino Recreativo Futebol Clube

€ 11 250 // Casa do Povo do Azinhal € 4218,75 // Clube de Junqueira € 1406 // Clube Recreativo Alturense € 16 875 // Grupo Desportivo e Cultural do Rio Seco € 1406 // Leões do Sul Futebol Clube € 4218 // Putos da Rua Futebol Clube € 1406 // Seção Columbófila Castromarinense € 843 // Seção Columbófila do Clube Recreativo Alturense € 843 // Sociedade Recreativa Banda Musical Castromarinense € 5625 // União Desportiva Castromarinense € 39 375. É vontade da Câmara Municipal continuar a apoiar as associações locais, na medida em que elas desempenham um papel essencial na coesão social do concelho, não só na sua ação diária, substituindo com êxito os poderes públicos, mas também porque enriquecem e fortalecem o património humano que são as pessoas.


82# Desporto

Campeonato Mundial Escolar de orientação

De

15 a 21 de abril, os concelhos de Castro Marim e Vila Real de Santo António receberam o Campeonato Mundial Escolar de Orientação (World Schools Championship - ISF Orienteering 2013), reunindo para o efeito 600 atletas da modalidade. A competição integrou atletas de ambos os sexos, da categoria Sub-17 anos, representando as equipas da Áustria, Bélgica (Francófona e Flandres), China, Inglaterra, Nova Zelândia, Israel, Escócia, Eslováquia, Espanha, França, Suécia e Portugal. Em Castro Marim, o evento teve dois grandes momentos desportivos: a “Corrida da Amizade”, com passagem pelo centro histórico da vila e junto à Reserva Natural do Sapal e a cerimónia de encerramento do Campeonato Mundial Escolar de Orienta-

ção, no Pavilhão Municipal de Castro Marim. A Orientação é uma modalidade desportiva exigente ao nível físico e intelectual, que consiste na escolha do melhor trajeto entre pontos marcados num mapa e materializados no terreno através de balizas de Orientação, procurando cumprir assim no mais curto espaço de tempo possível um percurso somente com o auxílio externo de uma bússola e do próprio mapa. A organização do Campeonato Mundial Escolar de Orientação esteve a cargo do Ministério da Educação e Ciência, tendo contado com a colaboração da Direção Regional de Educação do Algarve (DREALG), da Federação Portuguesa de Orientação e dos municípios de Castro Marim e Vila Real de Santo António.


Desporto 83#

39.ª Volta ao Algarve em bicicleta Última etapa teve início em Castro Marim

Entre 14 e 17 de fevereiro, ao longo de quatro etapas, um pelotão de grandes nomes do ciclismo mundial tais como Mark Cavendish, Tony Martin, Denis Menchov e o castromarinense Ricardo Mestre, representando a equipa do Euskaltel/Euskadi, animou as estradas algarvias de Castro Marim a Tavira, passando por Faro, Albufeira, Lagoa, Portimão e Loulé. Tony Martin conquistou a prova ao vencer o contrarrelógio de 34,8 Km entre Castro Marim e Tavira. “Tive de dar tudo para conquistar este triunfo, que não foi nada fácil”, assegurou

o ciclista da equipa Omega. A Volta ao Algarve em Bicicleta é uma das provas de maior prestígio do calendário velocipédico nacional e marca o arranque da época oficial da modalidade em Portugal. Constituindo um excelente cartaz turístico para a região, associado ao singular espetáculo das amendoeiras em f lor, fomenta e promove anualmente a hotelaria e a restauração do Algarve. Organizada pela Associação de Ciclismo do Algarve, a 39.ª Volta ao Algarve em Bicicleta teve o apoio de vários Municípios do Algarve, nomeadamente o de Castro Marim.


84# Entrevista

Luís Manuel Godinho Gomes Presidente do Grupo Desportivo e Cultural do Rio Seco

Com uma paixão sem limites pelo associativismo, Luís Manuel Godinho Gomes fala com devoção incontida do Grupo Desportivo e Cultural do Rio Seco à Notícias de Castro Marim. Nesta entrevista, o presidente da direção faz um balanço dos cinco anos que leva à frente dos destinos do seu clube. Sem vaidade mas com a consciência do dever cumprido afirma o respeito e a confiança que o G.D.C.R.S. tem vindo a conquistar junto dos sócios e das pessoas do Rio Seco, as ações realizadas e a ambição de concluir as obras na sede social da associação, pois acredita que o futuro de Castro Marim também passa pelo fortalecimento da causa do associativismo. NCM: Como descreve o papel do Grupo Desportivo e Cultural do Rio Seco no movimento associativo do concelho? LMGG: A fundação do Grupo Desportivo e

Cultural do Rio Seco, em 26 de Novembro de 1992 , foi um marco muito importante para a comunidade do Rio Seco, mas também para os montes à volta, na medida em que as pessoas desta área não disponham de quaisquer atividades culturais, desportivas ou de lazer onde pudessem preencher os seus tempos livres. Nessa medida as várias direções que passaram pelo clube procuraram conferir-lhe alguma dinâmica com a realização de eventos diversos quer culturais, quer desportivos. A direção que tenho o orgulho de liderar há cinco anos tem procurado interagir com os sócios e a população local, para que tenhamos um clube robusto e melhor preparado para responder aos novos desafios do associativismo da nossa terra. NCM: Uma das marcas do Grupo Desportivo e Cultural do Rio Seco é o facto


Entrevista 85#

de ser um clube eclético. Tanto participa numa maratona de futebol como organiza a “Noite das Bruxas” ou a “Festa da Chouriça Assada”. Neste momento que atividades desenvolve o clube? LMGG: Desde que tomamos conta dos destinos desta associação houve a preocupação de envolvermos os sócios e todas as camadas da população do Rio Seco nas nossas atividades e assim se explica que organizemos com o mesmo entusiasmo uma prova desportiva, um baile ou um peddy-paper. Por exemplo, a “Prova dos Vinhos” que foi criada por nós há cinco anos, realiza-se apenas em dois locais do concelho e um deles é no Rio Seco. O Clube Caça e Pesca Dallas, que dirige a seção de caça do clube é responsável por este evento. Aqui está uma forma de cooperação muito salutar entre duas coletividades do concelho. NCM: Na atual conjuntura de austeridade que o país atravessa, quais são as maiores dif iculdades com que o vosso clube se depara? LMGG: Como facilmente imagina, todas as associações locais têm dificuldades e nós não somos exceção. Todavia, à data de hoje, podemos afirmar com orgulho que temos um saldo de tesouraria positivo, o que nos dá alguma tranquilidade. Para isso muito tem contribuído o apoio financeiro da Câmara Municipal, sem o qual não seria possível cumprir o Plano de Atividades que estamos a desenvolver. Também é justo assinalar o apoio da Junta de Freguesia de Castro Marim e das receitas obtidas com eventos que organizamos e que nos ajudam a enfrentar as despesas correntes como são os custos de manutenção com o edifício sede. NCM: Quando se afirma que o associativismo está em crise, qual a receita do grupo Desportivo e Cultural do Rio Seco e dos seus 110 sócios para continuar esta caminhada? LMGG: Eu entendo que não há receitas, mas sim trabalho e dedicação a uma causa que é o associativismo. O nosso lema é fazer mais com menos e isso só se consegue de duas formas. A primeira é motivar os dirigentes e os sócios a trabalhar com empenho e dedicação, indepen-

dentemente do lugar que cada um aqui ocupa. A outra é realizar atividades que despertem o interesse e o gosto da massa associativa e da população a quem se dirige a nossa ação, sem perder de vista que as despesas têm que estar em consonância com as receitas obtidas. NCM: Que leitura lhe merece o facto do concelho de Castro Marim ter um dos movimentos associativos mais ativos? De que modo é que isto pode ser uma vantagem para o desenvolvimento desta terra? LMGG: Castro Marim é um concelho com 300 Km, que se divide entre o litoral, o barrocal e a serra. Se é verdade que a faixa litoral, em virtude da sua localização geográfica, dispõe de um conjunto de condições que permite que haja uma atividade social intensa, também não é menos verdade que a área de serra do concelho é vasta e tem uma carência muito significativa de atividades culturais e desportivas. É aqui que as associações locais podem e devem ter um papel de entreajuda e de complemento aos poderes públicos, através da realização de ações que enriqueçam e valorizem a comunidade cultural e socialmente, chegando onde a Câmara Municipal ou a Junta de Freguesia não conseguem chegar. NCM: Dizia o poeta António Gedeão “Sempre que o homem sonha, o mundo pula e avança”. Como gostaria que fosse o futuro do Grupo Desportivo e Cultural do Rio Seco? LMGG: Acima de tudo, gostaria que o Grupo Desportivo e Cultural do Rio Seco tivesse um futuro risonho, onde os sócios e a população local sentissem o clube como seu, contribuindo de forma solidária para o engrandecimento do associativismo, no concelho de Castro Marim. Outro dos nossos desejos é poder concluir as obras junto à sede social do Clube e para isso precisamos de cinquenta mil euros que não temos. Falta-nos concluir os arranjos exteriores, designadamente a construção de um parque arborizado, onde as crianças e os idosos possam estar e confraternizar em segurança. Também prosseguimos o desígnio do sócio fundador do Clube, o saudoso Jacinto Guerreiro, a construção de um polidesportivo para o qual doou um lote de terreno.


86# Leituras

Leituras Na sua primeira incursão pela escrita de romances, Mercedes Balsemão traça-nos o retrato desta infanta portuguesa, mulher do Renascimento numa Europa do século XVI, palco de batalhas, guerra, alianças e traições. Foi em Sevilha que a filha de D. Manuel I viu pela primeira vez o seu marido. Carlos V, rei da Hispânia e o amor nasceu naquele mesmo instante e durou toda a sua vida, até à morte dela, com apenas 36 anos. Aclamada por todos como a mulher mais bela da sua época, Isabel exerceu na perfeição a sua função de rainha, mulher e mãe. Foi regente de Castela durante as prolongadas ausências do marido e musa de poetas e pintores, tendo desenvolvido intensa atividade cultural na corte. “A Imperatriz que veio de Portugal”, Mercedes Balsemão — PORTO EDITORA

Tudo começa com uma madrugada suja: uma noite de álcool de estudantes que acaba num pesadelo que perseguirá os seus protagonistas durante anos. Depois, há uma aldeia do interior alentejano despovoada aos poucos, até restar apenas um avô e um neto, Filipe, que parte para o mundo sem esquecer a sua aldeia e tudo o que lá aprendeu. As circunstâncias do seu trabalho levam-no a tropeçar num caso de corrupção política e ele enreda-se na trama, que se confunde com o seu passado esquecido. Através de várias vozes narrativas, seguimos o destino dessa aldeia e em simultâneo o dos protagonistas daquela madrugada suja e daquela intriga política, até que o final do dia e o raio verde venham pôr em ordem o caos aparente. “Madrugada Suja”, Miguel Sousa Tavares — Clube do Autor

Viajar por este Alfabeto dos Países é conhecer diferentes terras, gentes e costumes. Tudo começa com o A de Austrália, que fica do outro lado do mundo, terra dos koalas e dos cangurús e continua com o B de Brasil, onde se fala português com sotaque. Quando damos por ela já se está no misterioso Egito dos faraós e das pirâmides. Segue-se a França dos queijos e monumentos. O J é de Japão, a terra do sushi, dos samurais e gueixas e o P é, claro, de Portugal, país vizinho do mar e de navegantes. Segue-se a Suíça, país dos chocolates e dos relógios e quase a terminar, ficamos a conhecer um país que não vem nos mapas: a Xislândia, país de sonhos e segredos onde vivem duendes, fadas e dragões em f lorestas encantadas. “o alfabeto dos países“ TEXTO DE JOSÉ JORGE LETRIA E ILUSTRAÇÕES DE AFONSO CRUZ — OFICINA DO LIVRO


Provérbios 87#

Provérbios Quem vai ao mar, avia-se em terra.

Todas as ruas vão dar ao mar.

O mar não está para peixe.

O mar que é mar, não está sempre cheio.

Grande mar, grande tormenta.

Os mares mais calmos são os mais

Gota a gota, o mar se esgota.

profundos.

O mar aproxima as regiões que ele

No grande mar se cria o grande peixe.

separa.

Gaivotas em terra, tempestade no mar.

Antes o mar por vizinho do que

Não se afoga no mar o que lá não entrar. Nem tudo o que vem à rede é peixe. Quem anda no mar aprende a rezar.

cavaleiro mesquinho.

O mar, que é mar, nem sempre dá; hoje não há, amanhã haverá.

Sem razão se queixa do mar quem outra vez navega.

Quanto mais luz o mar, mais os cães hão de ladrar.

Quem anda no mar, não faz do vento o que quer.

Nem com o mar contar, nem a muitos fiar. Vista bela é ver o mar e morar em terra. Quem o mar gaba, não tem visto a praia. Não há mar bravo que não amanse. Repartiu-se o mar e fez-se sal. No mar bravo às vezes há bonança.

Nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Jornada de mar não se pode taxar. Não pude passar o mar sem da fortuna me queixar. Homem do mar, cabeça no ar. Nau grande pede mar fundo. É inútil levar água ao mar. Nem todo o mar é água. Em tempo de guerra, mentiras por mar e por terra.


88# Correio do Leitor

Correio do Leitor

Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Castro Marim

Percebendo as crescentes dificuldaExmo. Senhor Dr. José Estevens Presidente da Câmara Municipal de Castro Marim

Senhor Presidente, Devo confessar que cheguei a pensar que não gostava do Parque Infantil, situado na zona do arranjo da envolvente à vila de Castro Marim, construído no princípio da década de 90. Digo isto pelo estado de abandono e degradação a que chegou aquele espaço, que até há bem pouco tempo atrás, constituía um bom cartão de visita de Castro Marim, reunindo centenas de crianças que acompanhadas pelas suas famílias vindas de vários lugares, muitas delas da vizinha Espanha, brincavam alegremente em segurança nos vários equipamentos ali existentes, dando vida e animação à vila. Há cerca de dois anos, para tristeza de muita gente, em especial da miudagem, o Parque Infantil morreu. O vandalismo exercido sobre as suas estruturas e alguma incúria tornaram-no num lugar inóspito e cinzento. Como lembra a sabedoria popular “mais vale tarde do que nunca”, e a fazer fé naquilo que vejo, a decisão de remover as estruturas degradadas do Parque pela Câmara Municipal, que o senhor dirige, mandando reparar aquele espaço para devolver a alegria e o encantamento às nossas crianças e, ao mesmo tempo, sentirmos ainda mais orgulho na nossa histórica e bela vila, merece o meu aplauso. Obrigado.

des que o Poder Local atravessa e o quanto é difícil a qualquer autarca responsável fazer obra nos dias que correm, ainda assim, alguns afoitos e teimosos batem-se com valentia e galhardia na resposta às legítimos aspirações e preocupações do povo. Sendo eu um inconformado por natureza, despido de quaisquer interesses na Autarquia que V. Ex.ª superiormente dirige, a não ser o facto de ser um castromarinense que tem um enorme orgulho na sua terra, gostaria de o felicitar pela construção das Avenidas Dr. José Afonso Gomes e General Lino Dias Miguel. Inegavelmente são duas obras essenciais para sonhar e construir o futuro da vila de Castro Marim. Em primeiro lugar, constituem um elemento de modernidade, que expressa de modo claro a ambição de transformar a terra para melhor, fazendo dela um polo de atratividade para as pessoas que aqui se procuram fixar. Depois, porque resolveu um problema que se colocava com muita acuidade, que era o congestionamento do trânsito no coração da vila, nas horas de maior afluxo de pessoas. Entendo que o Presidente da Câmara foi feliz ao atribuir o nome de dois ilustres filhos de Castro Marim às Avenidas, casando presente e passado na perfeição. O Dr. José Afonso Gomes, um respeitado médico, que colocou a sua vida ao serviço da comunidade e o General Lino Dias Miguel, que enquanto General Piloto Aviador prestigiou as Forças Armadas do país e ocupou de modo exemplar ao longo de 15 anos o cargo de Ministro da República para a Região Autónoma da Madeira. O meu bem haja!

Maria de São José - C. Marim António Gonçalves – C. Marim


Poesia 89#

O Canto da Poesia O Sol e a luz do mundo Ali juntinho ao mar Eu vi o Sol nascer Que coisa maravilhosa Jamais eu vou esquecer Beijei-o abracei-o Até lhe chamei menino Oh não! Sou da idade do mundo Já vês que sou velhinho Vá lá ! Não sejas modesto Deixa-te de fantasias Como se pode fazer velho Quem nasce todos os dias? Sol, tu és um amigo Cheio de amor e ternura Senão fosse a tua luz Era sempre noite escura Se os homens fossem como tu O mundo seria diferente Pois o pão bem repartido Chegava para toda a gente Estás bem: Até amanhã Já não tenho mais vagar Vou para o outro lado do mundo A minha luz espalhar E lá foi todo contente Com os seus raios a brilhar Aquecendo rico e pobre Sem ninguém discriminar Almerinda Madeira – C. MARIM

a velhice Sempre que a velhice chega Há tristeza e desilusão Pensamentos absurdos Dos tempos que já lá vão   Bem velhinho pensa mais Encostado ao seu bordão Hoje velho é um farrapo Sem ter quem lhe dê a mão   Sozinho ele se vê E no passado remexe Lembrando a mocidade E dos amores não se esquece   Conta histórias tão antigas Que sua avô lhe contou Algumas já centenárias Que na voz do povo ficou   Velhinho que vês passar Os dias sempre a correr Sozinho tu hoje te encontras Sem saber o que fazer   Tu que fostes sonhador Acordado tu sonhavas Voavas nas asas do vento Ias longe e inventavas   Hoje és velho já não sonhas Apenas vês realidade Pensas de forma diferente Com muito mais naturalidade   Assim por vezes pensa Que um dia vai terminar E vê os dias passando Com vontade de chorar   Natália Palma – Azinhal


90# Gastronomia

Pescada Corada com Amêndoa

Receita de Maria do Carmo Guerreiro Caldeira [Altura]

Ingredientes para 8 pessoas

Modo de confecionar

8 postas de pescada 3 Kg de batata 4 fatias de fiambre com alguma espessura 4 fatias de queijo com alguma espessura 0,5 Kg de manteiga ¼ l de óleo ou azeite 0,5 Kg de amêndoa 1 ramo de salsa Limão Pimenta Sal

e tempere-a com sal, pimenta e limão, ficando a marinar em calda , por quatro ou cinco horas. Passe a pescada pela farinha e coloque a corar ao lume durante 10 minutos. Num tabuleiro untado com óleo leve ao forno, durante 10 a 15 minutos. Paralelamente, coloque a manteiga ao lume a derreter. Uma vez alourada, adicione limão e molho de carne até ficar em estado líquido sem contudo deixar ferver. Numa travessa, coloque as postas de pescada e regue-as com molho de carne, servindo-as decoradas com falhas de amêndoa torrada, pequenos cubos de fiambre e queijo e salsa picada. Acompanha com batata cozida.

Corte a pescada em postas não muito grossas


FORTE S. SEBASTIテグ CSSIFICADO MONUMENTO NACIONAL


Notícias de Castro Marim #16