Issuu on Google+


2

Posts

GUARDIÕES DA GALÁXIA

por

FLORES

Guardiões da Galáxia é a estranha aposta, ou o estranho primeiro grande risco, da Marvel Studios+Disney. O filme, cheio de gracinhas, apresentará ao grande público a equipe cósmica da editora (que nem é tão conhecida nos quadrinhos). Formada por Groot, Rocket Raccoon, Drax, Gamora e Senhor das Estrelas, a equipe tenta impedir crises intergalácticas antes que aconteçam. A equipe surgiu em 1969 na edição 18 da revista Marvel Super-Heroes, ganharam uma revista própria em 1990, que chegou a ter 62 edições. A estreia está marcada para o primeiro dia do vindouro mês de agosto. O trailer completo no updateordie.com

HOMEM-ARANHA, O PRIMEIRO SUPER-HEROI EMBAIXADOR DO WWF

Essa semana a cantora Sophia lançou seu segundo clipe na VEVO e foi um grande sucesso de views. “Flores” faz parte do álbum de estreia da cantora que deve chegar ainda no 1º semestre de 2014. Por falar em sucesso, a Sophia é a primeira artista brasileira a ser “Detectado” pela VEVO no programa “VEVO Detected”. No programa a atriz falou sobre o começo de carreira, Rebeldes e o seu atual momento. Assista e outros grandes clipes na www.vevo.com

APP PARA AQUELE DESEJO INCONTROLÁVEL DE CONTAR SEGREDOS O “Secret” é um aplicativo que varre a lista de contatos do seu celular para encontrar outros usuários que já fazem uso do app e, a partir disso, insere você em um circulo de usuários anônimos, mas que no fundo, é formado por pessoas que fazem parte da sua rede de contatos. Você só não consegue identificar quem é quem. Lá você é estimulado a publicar “segredos” em forma de imagens e texto. Pra contar e ler segredos: www.secret.ly

POR QUE O CURSOR É INCLINADO PRA ESQUERDA?

Expediente

O Homem-Aranha é o primeiro super-herói embaixador do “Earth Hour”, o movimento global organizado pelo WWF. Este ano, o movimento lança o seu projeto “Earth Hour Blue”, uma plataforma de crowdsourcing e crowdfunding digital para o planeta. Conheça o projeto no www.earthhour.org JORNAL MUNDO UNIVERSITÁRIO é uma publicação sobre a vida universitária fora da sala de aula, idealizado, editado e produzido pela EDITORA MUNDO UNIVERSITÁRIO. Publisher: Caio Romano (caioromano@mundouniversitario.com.br) Diretor Comercial: Dado Lima (dado@mundouniversitario.com.br) Direção de Arte: Luti Menezes (arte@mundouniversitario.com.br) Conteúdo compartilhado: Catraca Livre, Casal sem Vergonha, Cia de Talentos, ObaOba, Paulão de Carvalho, Radio 89FM, Universidade Capenga, Update or Die e youPIX. Distribuído quinzenalmente nas principais universidades de S.Paulo.

Tiragem de 50.000 exemplares dirigida exclusivamente ao público universitário. Acreditamos no poder dos jovens de mudar o mundo transformando os valores da sociedade. Nossos parceiros e anunciantes compartilham essa ideia. Saiba mais da gente: Facebook: www.facebook.com.br/jornalmundu Twiter: @agencia Fale e colabore conosco: jornal@mundouniversitario.com.br Anuncie: 11-3078 2958 (Dado e Valter)

Visibilidade! O cursor é inclinado porque se fosse reto virava uma linha na tela, ficava magrinho demais e com certeza desapareceria como um Wally (Onde está o cursor?) no meio dos outros elementos. Outro motivo também bastante plausível para o cursor torto, além do fator da visibilidade, é que quando a gente aponta alguma coisa na tela, nosso dedo fica inclinado para esquerda... testa aí. Viu? Compartilhado por: Gustavo Giglio, Wagner Brenner, Leandro Amaral e Vince Vader do site updateordie.com


4

ObaOba

LUGARES QUE TODO CINÉFILO

DEVE IR EM SÃO PAULO

Para os cinéfilos de plantão, São Paulo é um oásis cinematográfico. É que o polo cultural do Brasil conta com centenas de salas, comerciais ou não, além de vários outros espaços dedicados à sétima arte. Sem contar os milhares de filmes em cartaz, coisa que só rola por aqui e importantes festivais. Se você adora pegar um cineminha, confira o nosso guia com alguns lugares em São Paulo que todo cinéfilo deve conhecer. MIS - MUSEU DA IMAGEM E DO SOM Com programação que não abrange apenas a sétima arte, o MIS é um lugar para cinéfilos e amantes de outras artes em geral - música, arte e fotografia. CINEMATECA BRASILEIRA Filha do Clube de Cinema de São Paulo, que nasceu nos anos 40, a Cinemateca conta com mais de 200 mil rolos de filmes, entre longas, curtas e cinejornais. Possui também livros, revistas, roteiros originais, fotografias e cartazes que traduzem a história da sétima arte. Com programação mensal, é um dos poucos lugares na cidade dedicado totalmente à sétima arte. Para conhecer, relembrar ou apenas passear, vale a visita! CCBB Ocupando um prédio histórico na Rua Álvares Penteado, o CCBB é um dos centros culturais mais bacanas de São Paulo. Com programação voltada para as artes plásticas, fotografia, música e teatro, é claro que o cinema não poderia ficar de fora. A sala de cinema do CCBB oferece frequentes mostras de cinema de destaque na programação da cidade e faz parte do circuito de lançamentos alternativos e independentes. Tudo prezando pela qualidade a preços acessíveis. CENTRO CULTURAL SÃO PAULO Localizado junto a estação Vergueiro do metrô, o CCSP é um espaço público de cultura e convívio. A programação abrange teatro, música, literatura e poesia, artes visuais, oficinas, debates, palestras e também projeções de cinema e vídeo. É um espaço bacana por si só, mas ficar de olho na programação é sempre uma boa, já que rolam diversas mostras que contemplam a sétima arte. CINE SESC Com uma sala ampla, uma das melhores da cidade, o diferencial do Cine Sesc é a programação especial. Lá, você encontra filmes que dificilmente estarão em cartaz em outros cinemas, além de mostras e cursos. O local também conta com um bar com várias delicinhas, além de loja e do tradicional pipoqueiro que está sempre na porta. Durante a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, o Cine Sesc é um dos espaços mais concorridos. Saiba mais sobre balada, bares, shows e comportamento na noite no obaobcom.br

COMPARTILHADO POR:


6 Catraca Livre EXPOSIÇÃO ‘PORTUÑOL’ EXIBE GRAFFITIS QUE FAZEM RELAÇÃO ENTRE BRASIL E CHILE

Brasil e Chile estão mais próximos do que você imagina. Ao menos é isso o que mostra a exposição de graffiti “Portuñol”, dos artistas plásticos Thiago Goms e Daniel Marceli. Ambos apresentam essa fusão de culturas em obras que ficam em cartaz na Galeria A7MA, entre 15 de fevereiro e 11 de março, podendo ser visitada de segunda a sábado, das 11h às 20h. A entrada é Catraca Livre. Portuñol é o que conhecemos pela mistura dos dois idiomas latinos. No caso dos artistas Daniel Marceli e Thiago Goms, esta fusão vai além da linguagem e representa o encontro dialético entre Chile e Brasil. Eles são dois expoentes do graffiti nacional que agrupam similaridades e contrastes entre culturas, traços e técnicas, dialogando por meio de imagens.

por

CHARLES DARWIN É HOMENAGEADO EM EXPOSIÇÃO NO CATAVENTO CULTURAL

No mês em que completaria 205 anos de idade, o biologista e naturalista britânico Charles Darwin é homenageado pelo Museu Catavento Cultural e Educacional. Em cartaz até 9 de março, a mostra “Darwin para todos” pode ser visitada de terça a domingo, das 9h às 17h. Os ingressos custam até R$ 6 e, aos sábados, a entrada é Catraca Livre. Darwin foi um grande teórico e principal defensor do Evolucionismo e agora tem seu trabalho exposto para que todos possam ter conhecimento de sua intensa pesquisa. A mostra demonstra como essa teoria influencia o ser humano na compreensão de suas condições de existência no planeta. A exposição conta com painéis, animais conservados e exemplos de espécies coletadas por Darwin em sua passagem pelo Brasil.

COMO É A VIDA A DOIS? MOSTRA FOTOGRÁFICA RETRATA OS DRAMAS E OS MITOS DE UMA RELAÇÃO Os atores Gilda Nomacce e Germano Melo foram fotografados por Leonardo Kossoy em situações que exprimem dramas, mitos, oposições e fronteiras. Seus corpos foram a base desse trabalho fotográfico que leva 145 imagens ao Instituto Tomie Ohtake, na exposição “Only You”. A mostra fica em cartaz de 20 de fevereiro a 6 de abril, de terça a domingo, das 11h às 20h. A entrada é Catraca Livre. De acordo com o curador da exposição, Fernando Azevedo, “Only You” questiona o público sobre todos os momentos da vida em que o ser humano se encontra duplamente a sós, nos velhos rituais da vida a dois. Compartilhado por: www.catracalivre.com.br


Games

7 11

por

A experiênciA dA velocidAde como você nuncA viu Quem já não quis pilotar uma Ferrari? Ou pisar fundo e ver o que uma McLaren consegue fazer? Bom, a dura verdade é que a maior parte de nós, meros mortais, não vai conseguir fazer isso tão cedo. Mas se a realidade está um pouco fora do alcance, a segunda melhor chance de realizar este sonho está aqui: Forza Motorsport 5. O novo jogo da franquia de automobilismo mais premiada na história chega exclusivamente ao Xbox One e traz inovações técnicas e visuais que nunca seriam possíveis em nenhum outro console. O jogo é um dos títulos de lançamento do console da Microsoft e veio para mostrar todo o seu potencial, começando pelos gráficos. Os carros foram modelados à perfeição, desde a textura da carroceria aos detalhes do couro nos bancos, tudo para ficarem indistinguíveis de suas versões do mundo real. Até os sons de cada tipo de motor foram reproduzidos. Os circuitos também receberam bastante atenção, com um sistema de clima que influencia as condições de cada corrida, plateias e espectadores

Compartilhado por: Microsoft

que reagem ao que acontece na pista e várias outros detalhes que contribuem para deixar tudo mais natural e realista. E para aqueles que reclamam da inteligência artificial neste tipo de jogo, o Forza Motorsport 5 tem uma novidade: o sistema Drivatar. Usando a conectividade com a nuvem que o Xbox One possibilita, este sistema está aprendendo ativamente como você, seus amigos e todos os outros membros do Xbox Live correm. Com essas informações, o jogo sabe quais tendências esperadas, erros e acertos que os jogadores mais cometem, e as recria nas corridas. Assim, parece menos que se está correndo contra uma máquina e vencer fica ainda mais gratificante. Quer saber mais sobre este jogo incrível? É só acessar xbox.com/forza

www.xboxone.com


8 Capa

Passo a passo para aprov Como funciona um estágio?

Um estágio tem como foco colocar em prática os ensinamentos de sala de aula e, para garantir que isso aconteça, a contratação é feita por meio da Lei nº 11.788. É ela que regulamenta que a empresa contratante e a sua faculdade assinem um contrato com vários detalhes, entre eles a duração do estágio, a carga horária (4h ou 6h diárias) e o seu direito a férias. Em caso de dúvidas sobre esta parte burocrática, inclusive documentação, o ideal é procurar a Central de Estágio da sua faculdade.

Se liga!

Aqui que começa, tá!?

Você sabia que os aprendizados na faculdade vão além da sala de aula? Participar de Atléticas, Centros Acadêmicos, Empresas Jrs e eventos contam ponto na hora de mostrar quem é você e o que você é capaz de oferecer como estagiário para uma empresa! Enquanto procura uma oportunidade de estágio (tomara que por princípios e não só porque a faculdade obriga!), preocupe-se em engordar sua mala para esta “viagem”.

Encontre um estágio com a sua cara! Procure primeiro nos canais da Central de Estágio da sua faculdade (se a empresa foi lá, deve curtir vocês!). Depois procure no site das empresas que gosta ou das consultorias que as representam. Veja também em jornais, portais de noticias e redes sociais. Agora uma dica: Não se candidate para toda e qualquer vaga que aparecer na sua frente, assim você só perderá tempo e foco. Antes de se inscrever, pesquise sobre a empresa e veja se ela tem valores parecidos com os seus.

Para o candidato é quase a mesma coisa. Programa de estágio é uma ação em que a empresa contrata vários estagiários de diferentes graduações para diferentes áreas; já vagas pontuais são oportunidades ofertadas de forma individual. As duas opções, geralmente, incluem um plano de desenvolvimento estruturado, por meio do qual você irá participar de treinamentos técnicos e comportamentais. O importante mesmo é que você busque entender, durante o processo seletivo, como os estagiários de lá aprendem e se desenvolvem.

Compartilhado por: Cia de Talentos. Facebook.com/ciadetalentos - @ciadetalentos www.youtube.com/canalciadetalentos


9

por

veitar bem um estágio! Não passei :( Prepara...que agora... é a hora...do Processo Seletivo As inscrições dos processos seletivos costumam ser online e tudo deve ser preenchido com muita atenção. Depois que esperto com seu e-mail: é por meio dele que você será convidado para participar de testes online e receberá todos os comunicados durante o processo. Na sequencia, normalmente vêm as dinâmicas de grupo que geram curiosidade sobre o que tantas atividades podem dizer sobre você. A ideia é veriicar se seus comportamentos, posturas e atitudes estão próximos (ou não) do que é esperado para aquela vaga. A dica aqui parece óbvia, mas funciona: seja você mesmo! Ouça com atenção às explicações, não fale demais nem de menos e participe das atividades (se você car quieto, como alguém pode conhecer você?). Na etapa nal ocorrem entrevistas individuais com alguém da empresa. Procure reeetir antes desta entrevista sobre sua história de vida, seus valores e fatos que mostrem quem é você de verdade. Aproveite para tirar suas últimas dúvidas sobre a empresa! Importante: Se por algum motivo você tiver que faltar numa etapa presencial, avise - assim ca mais fácil remarcar e garantir sua continuidade no processo.

E o que a empresa espera de você como estagiário? As empresas investem alto em estágio e querem ver retorno desse investimento: desenvolver proossionais aptos para seguir carreira na organização. Para isso, buscam estudantes que queiram aprender, sejam capazes de construir bons relacionamentos, tenham iniciativa e trabalhem bem em equipe. É uma etapa sim de aprendizado e claro que um estagiário pode ter dúvidas e encher seu líder de perguntas, mas deve também trazer soluções, dar o seu melhor e assumir o papel de protagonista da sua trajetória proossional.

Lembre-se que, no nal das contas, é contratado o candidato mais adequado para aquela oportunidade. Se não foi você, não signiica que não se encaixa em nenhuma vaga. Saber lidar com o “não” será importante em toda sua trajetória proossional, então, aproveite a reprovação para desenvolver autoconhecimento e investir em pontos de melhoria. Comece de novo e não desista!

Uhul! Passei Foi aprovado? Comemore e curta bastante esta nova conquista! Prepare-se bem para este grande passo, pois o mundo universitário é bem diferente do mundo corporativo. Na faculdade você escolhe com quem faz o trabalho de classe e sabe como se dar bem. No trabalho, não é bem assim. Pode ser que você não goste de algum colega e talvez nem do seu chefe. Um ponto que tem que car claro é “amigos, amigos, negócios a parte”. O que importa é que você dê o seu melhor, certo?

Fim do contrato de estágio? E agora? Será que é melhor renovar o contrato, pedir para ser efetivado ou partir para outra? Essa resposta depende da empresa, mas muito mais de você. Os feedbacks do seu chefe te desenvolveram? Gostou do que aprendeu? É nessa área/ segmento que quer continuar trabalhando ou quer aproveitar para conhecer outra? Sente-se motivado a continuar na mesma empresa? Só com estas respostas na cabeça é que você pode dar seu próximo passo de carreira. Fazer esta escolha é tão ou mais difícil do que dar todos os passos anteriores até aqui, mas trabalhar é assim mesmo: um eterno aprendizado com múltiplas escolhas. Se tiver dúvidas, busque ajuda, quem sabe não é o momento até de procurar um programa de orientação de carreira. www.ciadetalentos.com.br


10 Entrevista O ESTAGIÁRIO QUE VIROU SÓCIO!

O

O Jornal Mundo Universitário bateu um papo com Dirceu Ferreira, sócio da área de TAX da PwC, um network global de firmas separadas e independentes que prestam serviços de Consultoria de Negócios, Consultoria Tributária e Societária, Auditoria e Outsourcing. Nas vésperas de se formar em Economia, Dirceu, como muitos outros jovens, entrou na PwC de Belo Horizonte por meio do Programa Nova Geração, onde permaneceu entre 1994 e 1996. Depois estudou Direito e Contabilidade e, em 2000, quando já ocupava a posição de supervisor, foi convidado para trabalhar no QG da companhia em São Paulo. Em 2006, virou sócio da empresa e atua até hoje na área de consultoria tributária. A seguir, um pouco mais da história do estagiário que virou sócio de uma das empresas mais importantes do mundo. MundU: O que você considerou para decidir onde estagiar na época? Acha que esses critérios ainda servem para hoje? Oportunidade de ingresso em uma empresa em que eu pudesse me desenvolver profissional e pessoalmente, sobretudo de construir uma carreira de longo prazo. Com certeza esses critérios ainda se aplicam nos dias de hoje. MundU: Aquele mito de que estagiário só tira xerox e serve cafezinho... foi verdade para você? Definitivamente não. Porém, é preciso ter consciência de que às vezes será requerido de você tarefas simples, tais como tirar xerox, organizar e arquivar documentos, etc., que fazem parte do cotidiano de qualquer profissional.

MundU: Como foi seu período de estágio na PwC? Bastante dinâmico e desafiador. Trabalhava sempre em equipe, conhecendo novas pessoas, aprendendo cada dia uma coisa nova. Lembro-me de ter participado de vários projetos, inclusive com prazos bem exíguos, o que me ensinou a trabalhar sob pressão.

Sim, no Banco do Brasil e na Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais - FIEMG.

MundU: Tem alguma atividade que você realizava como estagiário e que tem vinculo com o seu trabalho hoje? Sim. O trabalho em equipe, o compartilhamento de conhecimento e experiências e a importância de uma MundU: Com base em sua vivência, que adequada e completa formalização dos experiências são importantes para um trabalhos realizados. estagiário passar? A experiência mais importante como MundU: E agora no papel de “diretor”, estagiário a meu ver é de estar aberto a como você enxerga os estagiários? Acha qualquer oportunidade, ter curiosidade e, que o perfil de estagiário na empresa sobretudo, observar e mudou? aprender com os mais Enxergo da mesma forma que quando entrei experientes. na firma. Os estagiários são os talentos que buscamos atrair, aqueles que com MundU: O que certeza a cada ano revigoram o nosso time, mais você sente se desenvolvem e vão nos substituindo falta do seu período ao longo do tempo. São pedras preciosas de estágio? brutas que precisam ser lapidadas. Quanto Sinto falta da equipe ao perfil, apenas verifico uma ansiedade com quem trabalhava, maior de obter resultados em curtíssimo especialmente de dois prazo, uma certa “impaciência”. profissionais mais experientes, incluindo aqui MundU: Pode dar duas dicas do que meu coach, que me guiaram fazer e do que não fazer quando se é nos meus primeiros passos e me estagiário? proporcionaram ensinamentos que guardo A primeira dica é sempre fazer o melhor, ter comigo até hoje. extremo comprometimento com o trabalho e sua equipe, lembrando que somente com MundU: Você tomava quantos litros de performance você assegura uma carreira café naquelas manhãs no estágio pós de longo prazo e/ou abre possibilidades festas de faculdade? quanto a novas oportunidades de trabalho. Sempre gostei muito de café, então eu Outra dica é investir em si próprio, fazendo tomava de qualquer jeito independente das cursos, estudando línguas, buscando festas da noite anterior. Mas com certeza, se diferenciar naquela época, sobrava energia para se profissionalmente. divertir até altas horas da madrugada, Quanto ao que acordar cedo e ir trabalhar. Hoje, deixo as não fazer, como festas para o final de semana. comentei antes, deve se evitar MundU: Ao que você atribui sua a ansiedade de efetivação e toda essa trajetória dentro colher resultados da mesma empresa? imediatos e de A minha vontade de apreender, de estar se desmotivar sempre buscando me aperfeiçoar e de na primeira procurar dar sempre o meu melhor em frustração. O qualquer tarefa. estagiário deve ser auto motivado MundU: Você fez outros estágios antes e sobretudo da PWC? resiliente.

Compartilhado por: Jornal Mundo Universitário e Cia de Talentos.


Trampo

11 OPORTUNIDADES DE por

ESTĂ GIO E TRAINEE

ABERTAS NO MOMENTO

Compartilhado por: Cia de Talentos. Facebook.com/ciadetalentos - @ciadetalentos www.youtube.com/canalciadetalentos


12

Sexxxetc...

por

MANIFESTO PELO SEMANCOL DOS HOMENS QUE NEM SABEM O BÊ-A-BÁ E JÁ QUEREM ACESSO AO LADO B

M

uitos homens não aprenderam nem a fazer um papai-mamãe direito e já querem partir para o sexo anal. Os caras de hoje acham que comer um rabo é algo trivial, quase como um arroz com feijão. Eles se acostumaram tanto com a sequência do pornozão batido, boquete-bucetacu, que pensam que a vida real segue o mesmo roteiro. Antes de chegar ao lado B, é preciso dominar muito bem o lado A. Sexo anal (bem feito) não significa apenas mudar de posição, representa avançar de fase na arte da trepada. E isso não acontece de um minuto para o outro. Pra conseguir fazer uma mulher enlouquecer de vontade de dar o rabo, tem que ser primeiro um expert no bêa-bá. Não dá pra sair nadando bem antes de aprender a respirar debaixo d´água. Existem alguns pré-requisitos que são incontornáveis. Só depois de explorar a casa inteira é que se deveria chegar à porta dos fundos. Sexo anal exige preparo, conhecimento pleno do terreno. Um homem que ainda não se pósgraduou no sexo oral, por exemplo, não

poderia se aventurar por outros orifícios. Aqueles que têm nojinhos, frescuras ou regulam suas lambidas também deveriam ser proibidos terminantemente de entrar. Em uma das minhas primeiras experiências anais, o cara me entregou o lubrificante e disse: “passa aí você”. Nem preciso contar que a enrabada não deu certo. Se fosse hoje, eu certamente diria para ele: “se você não quer enfiar sua língua e seu dedo aqui, seu pau também não entra”. Para começar, acho equivocado esse papo de convencer uma mulher a liberar o botãozinho. O melhor seria seduzir e excitar tanto a parceira ao ponto de ela também ficar curiosa em experimentar novas sensações e se permitir uma entrega total. Nessa hora, o importante não é só relaxar, o fundamental, crucial e essencial é ter muito tesão. Mas muito mesmo. Um tesão mega master ultra plus. Sem ser um mestre do bê-a-bá, da chupada, do papai-mamãe, do frangoassado, do beijo, do orgasmo, não tem como provocar todo esse tesão na mulher.

Sem ser um amplo conhecedor do corpo feminino, dos caminhos do prazer, da anatomia do clitóris, não se obtém a certificação de expert do bê-a-bá, prérequisito indispensável para se tornar um bom comedor de cuzinho. Isso porque sexo anal dói, pelo menos para a maioria dos mortais. Não acredite em tudo o que você vê na tela do seu computador. Os sorrisinhos da pornostar Stoya ou a cara de “está tudo ótimo” da Sasha Grey, enquanto têm seus anéis arregaçados violentamente, não contam a história toda. Você não sabe como elas chegaram até ali. E, bem, a vida não é um filme pornô. Só uma excitação intensa é capaz de aplacar gradualmente a dor. Só um desejo abundante transforma essa dor em prazer. Chucas e lubrificantes não passam de coadjuvantes no sexo anal. Sem tesão extremo como combustível, não vai, não há como desfrutar desse momento de nível máximo de intimidade, confiança e entrega. Só um homem com domínio completo do lado A, está pronto para gozar dos prazeres do lado B e, claro, fazer gozar. Ok?

Compartilhado por Francesinha, do Casalsemvergonha.com.br. Felicidade a dois, simples como 1+1. Visite a nossa fanpage: facebook.com/casalsemvergonha


Let s ROCK

por:

13

O rock pode pesar a seu favor durante avaliação profissional Sempre dá um frio na barriga quando temos que fazer uma entrevista de emprego. Afinal de contas, tudo é analisado! O seu jeito de falar, agir, a maneira como se veste, os lugares que frequenta, gostos literários e até musicais. Apaixonados por rock geralmente sofrem preconceito explícito: "Você não é de Deus!", "delinquente!", "aberração!" etc, e são julgados sem direito à réplica. Mas, nós da 89 A Rádio Rock, trazemos ótimas notícias mothafuckers! Se liga só nessas histórias: No começo de agosto um gerente de uma grande multinacional instalada no ABC (Grande São Paulo) penava para contratar um estagiário para a área de contabilidade e administração. Ele analisou diversos currículos e entrevistou 24 jovens ainda na faculdade e cursos técnicos. Conversou com todo o tipo de gente, do mais certinho ao mais despojado, do mais conservador à mais desinibida e modernosa. Preconceitos à parte, procurou focar apenas na questão técnica e os conhecimentos exigidos. Alguns candidatos até possuíam a maioria dos requisitos exigidos, mas acabaram desclassificados em um quesito fundamental para o gerente: informação geral, que inclui hábitos culturais. O escolhido foi um rapaz de 20 anos, o penúltimo a ser escolhido. Bem vestido, mas de forma casual, usando rabo de cavalo, mostrou segurança e certa descontração, além de bom vocabulário e de se expressar de forma razoável, bem acima da média. Durante as perguntas, o gestor observou que o garoto segurava um livro e carregava um iPod. O livro era a biografia de Eric Clapton. Após a quinta pergunta, direcionou a conversa para conhecimentos gerais e percebeu que o rapaz lia jornais e se interessava pelo noticiário. “Você gosta de rock?”, perguntou o gerente. “Sim, e de jazz também”, respondeu o garoto. O entrevistador não se conteve e indagou se o rapaz se importava de mostrar o que o iPod continha. E viu um gosto eclético dentro do próprio rock: havia muita coisa de Black Sabbath, Deep Purple, AC/DC, mas também de Miles Davis e big bands. “Não aprecio rock, não suporto o que minhas filhas ouvem, mesmo seja Rolling Stones, meu negócio é Mozart, Bach e música erudita. Mas uma coisa eu aprendi nas empresas em que passei e nos processos seletivos que coordenei: quem gosta de rock geralmente é um profissional mais antenado, que costuma ler mais do que a média porque se interessa pelos artistas do estilo. Geralmente são mais bem informados sobre o que acontece no mundo e respondem bem no trabalho quando são contratados. Nunca me arrependi ao levar em consideração também esse critério”, diz o gerente. Eric Clapton ajudou um candidato a estágio a conseguir vaga numa empresa do ABC. O resultado é que o garoto foi contratado após 15 minutos de conversa, enquanto cada entrevista com os outros candidatos durava 40 minutos. “Não tive dúvida alguma ao contratá-lo. E o mais interessante disso: percebo que essa é uma tendência em parte do mercado há pelo menos três anos, pois converso muito com amigos de outras empresas e esse tipo de critério está bastante disseminado. Quem gosta de rock é ao menos diferenciado”, finalizou o gestor. Já em uma escola particular da zona oeste de São Paulo, do tipo mais alternativo e liberal, o trabalho de conclusão do ensino médio era uma espécie de TCC das faculdades. A diferença é que, para não ter essa responsabilidade, foi criado uma espécie de concurso para premiar algumas categorias de trabalhos – profundidade do tema, ousadia, importância social entre outros critérios. O vencedor geral foi o de uma menina esperta de 17 anos, filha de um jornalista pouco chegado ao rock, mas com bom gosto para ouvir jazz e blues. O trabalho reproduzia para a nova geração, a influência dos Beatles para a música popular do século XX. Para isso realizou uma ampla pesquisa sobre as origens do blues, do jazz, da country music norte-americana e traçou um panorama completo da evolução do rock desde os primórdios até os megashows de Rush, AC/DC, U2 e Metallica. Seu trabalho contou ainda com a defesa de uma tese em frente a uma banca de professores. O resultado é que, além do prêmio principal – placa de prata e uma quantia em dinheiro em forma de vale para ser gasto em uma livraria –, acabou sendo agraciada com a proposta

Pré-requisito para g de emprego: vaga

graduação língua extrangeira eexperiência ggostar de rock de transformar seu trabalho em um pequeno livro, bancado pela escola. Detalhe: a reivindicação partiu dos colegas da menina, que ficaram fascinados com a história do rock – poucos deles eram íntimos do gênero, pelo que o pai da menina contou. Os Beatles foram o ponto de partida para uma aluna de um colégio paulistano traçar

um panorama extenso e completo sobre a história do rock; o trabalho ganhou prêmio e vai se transformar em livro; Seria um exagero afirmar que gostar de rock facilita a obtenção de emprego ou estágio – ou que quem gosta de rock é muito melhor aluno do que os outros nas escolas. Mas o simples fato de haver reconhecimento de que apreciar rock frequentemente leva a uma situação diferenciada já é um "solo de guitarra" para nossos ouvidos diante dos seguidos casos de intolerância e preconceito. Gostar de rock não torna ninguém melhor ou pior, mais ou menos competente, mais ou menos inteligente. Mas estes casos mostram que o roqueiro pode se beneficiar de situações em que é possível mostrar um diferencial e mais versatilidade no campo profissional.

Compartilhado por: Aline Cavalcanti, Larissa Negreiros, Tiago Marinho e Willian Maier | facebook/radiorockoficial | www.radiorock.com.br


14 Cultura Web

por

8 MANIAS DA VIDA DIGITAL QUE FAZEMOS TODOS OS DIAS E MAL PERCEBEMOS 1) ABRIR MIL ABAS NO NAVEGADOR Nada hoje supera a sensação que era entrar no seu Orkut e ver que havia recebido um depoimento. Seja o “não aceita”, com declarações amorosas, ao “O que falar desse cara que mal conheço e já considero pakas?”… era simplesmente incrível.

5) ABRIR O FACEBOOK (E NÃO OLHAR NADA) Sabe quando você tá em casa e abre a geladeira só pra pensar? O equivalente na internet é olhar o Facebook, ficar dando scroll e, quando perceber, não ter a mínima ideia do que acabou de passar na tela.

2) QUAL MATÉRIA EU IA LER MESMO?

6) CHECAR O CELULAR ANTES DE DORMIR/DEPOIS DE ACORDAR

Isso acontece normalmente com quem sofre da síndrome das mil abas: você clica numa notícia ou post que quer ler e coloca “abrir em uma nova aba” – só que você vai fazer outras coisas. Até lembrar que você queria ler alguma coisa, mas não sabe o que é. E pra achar naquelas quatrocentas abas? O sentimento é parecido de quando você ia falar alguma coisa e esquece. Frustrante.

Já é quase uma regra: a hora em que você deita na cama não é a hora que você vai dormir. Checar e-mails, whatsapp, Facebook na cama é inevitável quando se tem smartphone – e hoje em dia o mesmo vale pra hora de acordar. Não queremos ficar por fora nem do que aconteceu durante os momentos em que dormimos. Meio assustador, mas é uma triste realidade.

3) POR QUE EU ENTREI NESSE SITE? Da mesma forma que a gente quer ler uma matéria e não sabe depois o que era, a gente simplesmente esquece o motivo de ter entrado em um site. ‘Mas eu ia fazer o que? Olhar as notícias? Ver um vídeo? Caralho, to ficando louco’. Todos estamos…Todos estamos.

7) LER COMENTÁRIOS SÓ PELO ESPORTE Às vezes um vídeo ou uma matéria em um site de notícias valem o clique apenas pelos comentários. Tretas, ignorância, bizarrices, boas sacadas — o YouTube e sites como UOL merecem um tempo dedicado só para ver os comentários. O problema é que, do mesmo jeito que a gente dá risada com uns, tem uns que são tão idiotas que a gente até fica com raiva.

4) RECEBER UM INBOX, LER E NÃO CLICAR É uma bad quando você recebe uma mensagem inbox, não quer responder, mas também não gosta de ser indelicado de dar um “visualizado”. Então, o que você faz? Só vê o começo da mensagem e não clica, pra que a pessoa não saiba que você viu. Essa serve pro WhatsApp também.

8) OLHAR PRO CELULAR (E TER QUE OLHAR DE NOVO) Saiu uma pesquisa que mostra que olhamos, em média, 110 vezes pro celular por dia. Muito desse incrível número se deve ao nosso hábito – olhamos e às vezes não prestamos atenção. Sabe quando você quer ver que horas são, olha pro relógio, tá com a cabeça em outro mundo e tem que olhar 10 segundos depois? É mais ou menos isso que acontece com o smartphone.

Compartilhado por: YOUPIX.COM.BR, o maior site de cultura de internet do Brasil. Acompanhe o youPIX no twitter @youPIX ou facebook.com/youPIX


Buteco do Paulão 15

PERNALONGA A PASSARINHO O tempo, definitivamente, perdeu sua própria noção. Parece que foi ontem que eu tava planejando meu reveillon. Parece que foi há poucos segundos que estávamos em janeiro. Nem bem pisquei meus olhos e já estamos em fins de fevereiro e não se surpreenda, caro leitor, caso, antes do final desta linha, estivermos em pleno natal de 2014. Mal o ano começou e já estou numa correria danada. Ensaios, fotos de divulgação, lançamento de duas novas marchinhas, lançamento de CD, de cerveja nova e trampo. Muito trampo! Uau! 20h36. Acabei de chegar, esbaforido, ao Restaurante e Cervejaria Toca do Coelho, aqui em frente ao estúdio onde ensaiamos na Teodoro Sampaio, e já to atrasado. Preciso tomar umazinha e correr pro ensaio. Opa, uma imagem que merece registro: três japas sentados à mesa degustando coca-colas, cada qual com a sua. Gente: já cometi vários tipos de gafes e heresias nesta vida, mas sentar-me num bar como este, com mais de 200 rótulos de cerveja de todo o

mundo e beber refrigerante? Não, este pecado eu nunca cometi. Dou uma olhada rápida nas geladeiras e me decido por uma belga chamada La Chouffe, com 8% de teor alcoólico, cujo rótulo traz estampado um simpático duende que, diz a lenda, habita a região da Valônia, onde a cerveja é produzida desde 1982. No copo. Delícia. Refrescante, cheia de aromas, encorpada. Viva a Bélgica! 20h49. Minha nossa senhora, já ta quase na hora de ir pro ensaio. Mas tô com fome. Não tive tempo de jantar no SBT. Saí de lá atrasado. E sigo atrasado agora. Que tal um rango tradicional da casa? Uma porção de coelho a passarinho. Vamos degustar o Pernalonga? Sim. Harmoniza com a La Chouffe? Sei lá! Coelhinho em andamento. Porra, to com 98 quilos. Precisava fazer um regime. O quê? Diminuir a cerveja? Nem pensar! Diminuamos a comida, nunca a bebida. A La Chouffe se foi. Pego outra, mas esta é mais forte. É uma La Chouffe Dobbelen Ipa Tripel com 9% de álcool. Mais amarguinha e mais intensa em todos os sentidos.Hum! Puta merda, os japas pediram mais uma rodada de coca-cola. Vamos ser “coxinhas”, mas assim já é demais. O álcool vai circulando dentro do meu ser e minha capacidade crítica triplica. Na TV em frente ta rolando Michael Jackson. O som ta bem baixo, mas é Black or White. Não consigo ouvir o que Jackson tá cantando porque tem um cretino cantando alto ao meu lado, com um playback que sai de seu celular. Ele ta mostrando uma música prum outro fariseu que parece interessado. Porra, estamos

na rua dos músicos e esta é uma cena comum por aqui. Mas é um pé no saco. 20h55. Mais um gole da La Chouffe. Felicidade engarrafada. O clipe agora é Strokes. Meu Pernalonga a passarinho chegou. Aumenta o som preu ouvir Strokes. O cara parou de cantar. Os japas se refestelam com suas coca-colas. O ensaio está pra começar do outro lado da rua. Tenho mais uns minutos enquanto o povo se pluga e baterista e percussionista armam suas latas batuqueiras. Coelho tem uns ossinhos bem pequenos que galinha não tem. O sabor é até parecido. Pego mais uma tripel, mas agora é uma Walls, nascida em Minas Gerais. 9% de teor alcoólico. Tô no ponto pra ir pro ensaio. 21h03. Atraso em andamento. Terminei o coelho. O cara que tava cantando pagou a conta e se “fue”. Os japas nem sequer arrotam, mesmo depois de tanta cocacola. Pago a conta no cartão. Mato a cerveja. Palitadinha básica nos dentes. Limpo a boca. Simbora! 21h07. Preciso ir. Pego minha bolsa masculina. Pego a pasta com letras. Agradeço e me despeço dos garçons e dos donos do bar. Chego na porta e, sei lá porque, olho uma última vez pra TV antes de ir. Porra, um clipe dos Smiths. Alto lá. Morrissey é Morrissey. Volto, sento ao balcão, coloco pasta e bolsa na cadeira do lado. - Me dá uma Duvel Tripel Hop! Que horas são mesmo? Nem sei... Fodase! A música dos Smiths? How soon is now!

Compartilhado por: Paulo de Carvalho (vulgo Paulão), bebedor de cerveja, vocalista da Banda Velhas Virgens e pai da Maju > www.facebook.com/paulo.decarvalho.9



Jornal MundU #30