Issuu on Google+

edição n.º 203 quinzenal • distribuição gratuita 11 de junho de 2012 Directora: Patrícia tadeia

Festas Populares Seja Santo António ou São João, toca a festejar P. 6 e 7

Terraços na cidade Fica a conhecer algumas das esplanadas “de topo” P. 12 pub

Por um sorriso A felicidade dos outros é a nossa própria felicidade. É assim que estes alunos encaram o voluntariado. Falámos com seis exemplos de voluntários que guardam sempre um tempinho para ajudar os outros. E com isso só podem ganhar. P. 8 e 9


Eu esperei. Esperei por um tempo que não vinha. Por uma vida que não tinha. Por uma história que nunca vivi. Esperei por um emprego que nunca chegou. Por uma noite em que pudesse sorrir. Por um dia enfeitado de luzes e sol. Por um final de tarde com arco-íris. Por um amor que se escondeu de mim.

mp3

pssst...

11 jun 2012 • 2

Eu esperei

Alexandre Tavares, Ciências da Cultura FLUL

Eu vivi. Vivi aquele amor que se perdeu. Aquele sonho que morreu em troca de nada. Aquela vida perfeita que não era verdade. Aquela bondade que se tornou prisão. Aquela história que agora pergunto se existe. Aqueles risos e abraços que me fizeram sorrir. Que agora quase esqueço que existiram. Eu fugi. Fugi de um amor que nascia para o mundo. Um amor que parecia feito com molde. Um amor que me encheu o coração. Um amor que me adaptou. Que me fez ver o que é gostar. Que me fez acreditar que é possível encontrar. Eu lutei. Lutei por uma vida que queria diferente. Por uma formação que me marcasse enquanto ser humano. Por uma vida melhor para mim e para aqueles que gosto. Por um lugar ao sol na penumbra da vida. Por uma alegria que me desse força. Por um mundo sem saudade. Sem dor, só verdade.

“Fluorescent Adolescent” – Arctic Monkeys

vox pop

É possível saber a idade de uma pessoa através do seu cheiro. A conclusão é de um estudo de neurocientistas norte-americanos, que saiu na revista PLoS One. Ao que parece é possível diferenciar os odores corporais de pessoas mais velhas (75-95 anos), adultas (45-55) e jovens (20-30). Além disso, os cheiros que para nós são mais suaves e agradáveis são aqueles de pessoas mais velhas, enquanto os jovens emitem um odor pessoal mais característico e intenso, qualificado como “suado” ou “almiscarado”. Já entre homens e mulheres, os especialistas concluíram que os odores de homens adultos e jovens eram qualificados como mais desagradáveis que o de mulheres da mesma idade.

Achas que os jovens hoje em dia estão sensibilizados para o voluntariado? Porquê?

Eu perdi. Perdi entre os dedos de uma mão. Entre as ruas de uma qualquer cidade. Entre os sonhos de um amor perfeito. Entre os versos daquela música que era nossa. Entre a percepção de uma incapacidade que hoje me marca. E no relógio ecoa “Dá tempo”, a todo o segundo. A todo o minuto. E enquanto me perco nas horas, entre ponteiros que não param, penso que é impossível dar tempo a um tempo que não pára de correr. Até ao momento em que o relógio vai voltar a parar, para que eu possa dizer: eu venci.

Filipe Grilo, 24 anos, Lisbon School of Design Os jovens estão sensibilizados para o voluntariado, se for no Rock in Rio e festivais de Verão. Mas de resto, não me parece que haja uma grande consciencialização da parte deles das necessidades dos outros, bem como do dever de ajudar.

Bárbara Rodrigues, 20 anos, Estudos portugueses e Lusófonos, UNL No meu caso, gostaria de fazer, mas por vezes a sustentabilidade fala mais alto e não me permite avançar para o voluntariado. Nos jovens em geral, acho que, na maioria, é isso que também acontece. Existe um espírito de ajuda e de querer fazer alguma coisa, mas não partem para a acção, porque depois não têm mesmo como pagar as contas ao fim do mês.

Mariana Pinheiro Lopes, 22 anos, Fisioterapia Por um lado acho que há uma maior sensibilização que tem como justificação o aumento da promoção realizado pelas organizações onde existe voluntariado. Há também o banco de voluntariado, que nos pode direccionar para imensas instituições. Claro que há sítios que têm muito mais visibilidade e que por isso conseguem chegar a mais pessoas. No entanto, a participação ainda não é suficiente. Actualmente vivemos todos a correr, e parece não haver tempo para nada, o que me parece a maior justificação para não concretizar este tipo de acções.

editorial FICHA

Patrícia Tadeia • Directora editorial ptadeia@mundouniversitario.pt

Título registado no I.C.S. sob o n.º 123881 | Propriedade/Editor: Metro News, Publicações, SA| Empresa Jornalística n.º 223575 | Matrícula n.º 505434229 da C.R.C. de Cascais | NIPC 505434229 | Capital Social €156.480,00 | Principais accionistas Cofina, SGPS, SA, António Stilwell Zilhão, Francisco Pinto Barbosa, Gonçalo Sousa Uva | Directora Editorial: Patrícia Tadeia | Redacção: Bruno Martins, Catarina Poderoso, Raquel Madureira | Revisão: Catarina Poderoso | Projecto Gráfico e Paginação: Joana Túlio | Marketing: Director de Marketing – Luís Rebola | Publicidade: Director Comercial – Ricardo Branco | Coordenadoras Agências – Ana Silveira, Joana Santana; Agências – Adriana Macedo, Margarida Rêgo, Paula Tavares, Raquel Pinto, Daniel Barata; Directos – Luís Filipe (Coordenador), Eva Oliveira, Filomena Mestre, João Rodrigues, Luís Farinha, Ricardo Afonso, Sónia Andrade | Distribuição: José Magalhães | Sede Redacção: Arruamento D à Rua José Maria Nicolau, nº 3, 1549-023 Lisboa | Tel: 21 049 4000 | Distribuição: Gratuita


pub


11 JUN 2012 • 4

news Por onde é que ele anda?

news

O desafio era enorme. Era e continua a ser, pois só acaba em 2017! Cinco Continentes. Cinco Anos. E um monte de desenhos. Há uns tempos demos-te a conhecer Luís Simões. Tem 32 anos e anda por aí — sim por aí, pelo mundo — a desenhar o que vai encontrando. Nós quisemos saber como está tudo a correr e depois de já ter andado por Espanha, França, Holanda e Bélgica, o luís sugere-te alguns destinos. Que tal aproveitares e dares lá um salto neste Verão? Escolhe entre os seus desenhos, e atira-te de cabeça! Tal como o Luís fez. Patrícia Tadeia

ESPANHA

La Coruña Ponham a bicicleta no carro e vão até La Coruña. Há lá melhor sensação que percorrer, de bicicleta, toda a cidade, parar a meio para descansar numa boa praia e no final do dia comer algo nas dezenas de esplanadas com vista para a marina? Sugiro que aproveitem o momento, para quebrar o mito e falarem com os espanhóis em português. Depois é esperarem pelas reacções!

Sevilha Sevilha é uma cidade quente, por isso não se visita no Verão. Dizem os locais que os momentos ideais são a semana Santa e as festas de Abril. Quis o destino que entrasse de copo na mão e festejasse com as sevilhanas a semana em Abril. Saí “enamorado” e com uma vontade de regressar tremenda. Deixem-se ir e apaixonem-se!

San José Posem as mochilas e deixem-se ficar até se cansarem. Especialmente se o vosso tom de pele já se confunde com o do vosso frigorífico. É este o desejo quando se chega a San José. “Quero ficar aqui!” disse eu com um sorriso na cara, depois de vários dias em cidades. Espírito de Verão, praia e calmaria. O corpo no fim vai-vos agradecer cada minuto por terem optado por aqui ficarem.

Barcelona Barcelona pode ser um caos, se repleta de turistas e altas temperaturas, ou a cidade perfeita, se escolherem passar pela rua do lado pela altura da Primavera. Foi o que fiz. Acreditem, vão perceber as diferenças.

BÉLGICA

frança

Bruges Passei por aqui sem estar apaixonado. Sem ter namorada. Nem sequer tinha uma amiga. Andei sozinho com os meus desenhos. Nada de queixumes, mas se puderem, não façam como eu. Bruges é para se viver um amor e comer um belo gelado, decorado com belas fachadas e monumentos.

Bayonne Quem sai de Espanha passa por esta pequena e acolhedora cidade francesa, repleta de casas estreitas e cheiro a pão, denominada Bayonne. Ao centro, uma catedral, como alto representante do catolicismo na cidade.

Le mans O centro é bem lá em cima. Subo toda uma colina e, enquanto recupero fôlego, vejo o sol a dizer-me até já. O pôr-do-sol daqui tem outro encanto. Sabe bem escutá-lo em francês. As casas não escondem nada da sua história, mas guardam segredos por dentro. É bom, por breves instantes, ser-se protagonista de uma cidade assim. Daqui de cima.

HOLANDA Amesterdão Devia ser obrigatório, para se visitar a terra das tulipas, ter tempo para desfrutar os vários cafés que se colam aos inúmeros canais da cidade, ouvir as bicicletas a passar e comer um croquete no pão! Depois sim, é ir pelas ruas que levam a outras ruas mais estreitas.

Itinerário

2012 – 2013 – Europa 2013 - 2014 – Ásia 2014 - 2015 – Oceânia

2015 - 2016 – América 2016 - 2017 - África


finanças pessoais É comigo. É com a Universidade de Aveiro. dicas Um trabalho nas férias ou nos tempos livres pode ajudar a aprenderes a movimentar-te no mercado de trabalho. Trabalhar exige outras competências que dificilmente terás adquirido na escola. Lidar com os colegas de trabalho, com os clientes e com os chefes, cumprir horários e a execução das tarefas que te são determinadas, entreajuda e trabalho de equipa são competências que o mercado de trabalho exige e que precisas de desenvolver, sendo que há uma que é essencial: saber procurar trabalho. Sem esta capacidade, que exige confiança, determinação e perseverança (para demonstrares que és a pessoa que o empregador precisa), vais ter dificuldades em rentabilizar as competências que adquiriste na universidade e ganhar o teu sustento. Já agora, lembra-te que não há empregos para toda a vida. Provavelmente, vais ter de procurar trabalho várias vezes. Pelo que vale a pena fazê-lo, sempre, antes de caíres numa situação de desemprego e começar a treinar, já! Procura um trabalho para as férias. Além de ganhares experiência, dá para amealhar algum dinheiro que poderás gastar mais tarde nalguma coisa que gostes ou precises.

perguntas E quando acabares o curso? O ano está a chegar ao fim. E tu, já pensaste no que vais fazer quando terminares o curso? Certamente que sim… Afinal, ao esforço que tu e a tua família andaram a fazer, estes anos todos, tem de corresponder uma oportunidade de auferires uma boa remuneração no futuro. Mas, será que já fizeste alguma coisa para encontrares essa oportunidade? É bom que te vás inteirando das possibilidades, pesquisando ofertas de emprego nos jornais, particularmente na tua área de formação. Procura informar-te nos centros de emprego, visita feiras de emprego, fala com os teus professores, passa pelos serviços de saídas profissionais da tua escola. É que não basta seres bom aluno, teres boas notas e saíres do curso bem preparado. Também é preciso saber arranjar trabalho…

actividade Já não falta um mês. A Universidade de Aveiro vai realizar, nos dias 3 e 4 de Julho, a 3ª Conferência Internacional de Educação Financeira. É uma excelente oportunidade para ampliares conhecimentos e alargares horizontes. Durante dois dias, o anfiteatro do Departamento de Ambiente da Universidade de Aveiro vai receber especialistas nacionais e estrangeiros, que vêm partilhar connosco as suas preocupações, os seus conhecimentos e experiências. O tema é “Educação financeira: transversalidade e cidadania”. Pelo que se espera a participação de entidades oficiais, empresas, movimentos e organizações da sociedade civil. E, claro, também contam contigo!

mini

news

11 jun 2012 • 5

news

Torna-te num aluno “Green” Ainda agora estão a começar os festivais de Verão, nós sabemos, mas como te vamos deixar durante uns tempos, lembramos-te do Greenfest, o último dos Festivais. Decorre de 26 a 30 de Setembro, no Centro de Congressos do Estoril. Durante o evento vais assistir a concertos, espectáculos, prémios, concursos, desfiles, actividades radicais, e experiências “Green”. Acontece ainda a final nacional do U>Rock 2012 e podes encontrar por lá, um bolsa de experiências profissionais e workshops com os conselhos Top para os empregos do futuro. Grava a data na tua memória! E torna-te num aluno “Green”.

Quanto custa estudar? O custo total por aluno no Ensino Superior Público foi de 5.841 euros em 2010/2011, diz um estudo da Universidade de Lisboa. Este valor representa mais 10% do que em 2004/05. O estudo revela que o número de alunos que pediu empréstimo bancário aumentou de 1,6% em 2004/2005, para 4,9% no ano lectivo passado. São os estudantes do sistema privado os que pedem mais empréstimos. pub


11 jun 2012 • 6

news

Olha o

manjerico! Quer em Lisboa, quer no Porto, está na hora de saíres à rua! Os bailaricos, os arraiais, as sardinhas e o alho-porro esperam por ti! O Santo António ainda não se acabou, e muito menos o São João. Qualquer razão serve para festejares, por isso, arranja uma rima e sai pela cidade, a cumprir a tradição. patrícia tadeia e raquel madureira


11 jun 2012 • 7

news

lisboa

12 e 13 de Junho

Santo antónio e o seu balão Ora, chegou a hora. Por Lisboa a festa faz-se em todo o mês. Porque, afinal, também é festa quando o homem quer. Por isso, prepara-te para a noite de Santo António com as Marchas a descer a Avenida da Liberdade, e as sardinhadas escondidas em cada esquina. Pára num bailarico, e segue para o próximo. O que não falta é música, manjericos e balões pela cidade que nesta noite é a mais feliz do País. Festeja se estiveres triste. Anima os outros que vejas cansados. Nesta noite ninguém se cansa.

O MU sugere: Desfile das Marchas Populares A noite do dia 12 é noite de ver quem passa. Vai cedo até à Avenida da Liberdade, se é que queres um bom lugar, para não perderes pitada. As marchas começam às 21h. Já tens uma preferida?

porto 23 e 24 de Junho

Ninguém fica em casa no São João Arraiais pela cidade O acesso é livre e destina-se a gente de todas as idades. Os arraiais populares são o momento alto que o associativismo alfacinha oferece a Lisboa. Celebra os Santos pela cidade! Deixamos-te algumas sugestões para dançares um pouco e comeres uma sardinha. Ou porque não oferecer um manjerico a uma menina bonita? Marvila, Clube Oriental de Lisboa Praça David Leandro da Silva Socorro, Grupo Desportivo da Mouraria Largo da Severa, Rua da Guia Santos-o-Velho, Vendedores de Jornais Futebol Clube Rua das Trinas

Está a chegar a noite mais longa do ano. Aquela em que o Porto não dorme e sai à rua para soltar os balões, bater com os martelos e agitar o alho-porro. De 23 para 24 de Junho, para celebrar o nascimento de São João Baptista, a cidade está enfeitada com manjericos e versos populares, em bairros históricos como as Fontainhas, Miragaia ou Massarelos salta-se à fogueira e assam-se as sardinhas e depois lá parte o povo rumo à Ribeira para o ponto alto da festa: o famoso fogo-de-artifício junto à Ponte D. Luís I, no meio do rio Douro, ao som de música, à meia-noite em ponto. No São João a ordem é para divertir.

O MU sugere: Concerto na Casa da Música Se não quiseres ir cedo para a Baixa, às 22h na Casa da Música há o tradicional Concerto de São João, pela Orquestra Sinfónica do Porto, na Sala Suggia. A entrada é livre.

Baile das Fontainhas A partir das 22h, este tradicional bairro da cidade é um dos pontos de passagem obrigatória. É para quem sabe dançar e para quem tem pé-de-chumbo. É para toda a gente.

Bailarico e Arraial Minimal nos Aliados Um palco no meio da Avenida com dois sistemas de som orientados em sentidos opostos vai dividir os Aliados com duas sonoridades diferentes: de um lado músicas populares, do outro o rock e a música alternativa. A animação do arraial fica a cargo de Fernando Alvim e Zé Pedro, dos Xutos, será um dos DJ convidados para o lado minimal.

Caminhada é tradição Hoje o dia é também de casamentos. Esta é uma iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa, que une dezasseis casais de Lisboa em simultâneo na Sé, Paços do Concelho e Museu da Cidade.

Depois do fogo, os mais corajosos percorrem a pé toda a marginal desde a Ribeira até à Foz do Douro e terminam a noite na praia, aguardando pelo nascer do sol. Todos os bares de praia estão abertos, com concertos e actuações de DJ. O melhor mesmo será levares um saco-cama e aterrares na areia.

Art’a_Bordo

XXIX Regata de Barcos Rabelos

Casamentos de Santo António

Entre as 16h e as 19h, os comboios da linha de Cascais recebem a arte do teatro. Entra na carruagem e quem sabe não serás surpreendido por momentos musicais, entrevistas, uma peça de rádio-teatro e crónicas culturais.

Se és resistente e não precisas de passar a tarde toda a dormir, então esta sugestão é para ti. No dia de São João, a 24, há um espectáculo imperdível no rio Douro, desde o Cabedelo até à Ponte D. Luís I. A partir das 17h.


11 jun 2012 • 8

Dá a tua mão Ajudar. Se todos tirássemos uma hora do nosso dia para ajudar quem mais precisa, talvez o mundo fosse um pouco melhor. A dar o exemplo estão a Ana, a Cátia, a Joana, o Amadeu, o Pedro, a Vera e a Joana. Entre livros e aulas, conseguem tirar tempo para os outros, e para eles próprios. Porque, afinal, ao fim do dia, são eles que se sentem felizes com aquele sorriso que colocaram na cara de alguém. Com aquele momento em que puderam fazer alguém um pouco mais feliz. Só porque estavam ali, presentes.

Patrícia Tadeia

Amadeu Martins, 22 anos

Medicina Nuclear na Escola Superior de Tecnologias da Saúde de Lisboa Aos 17 anos, sentiu a necessidade de “desenvolver as capacidades sociais”, como nos diz. Um período conturbado fê-lo sentir a vontade de se tornar útil. “Queria ter experiências novas, queria ganhar responsabilidades”, conta. E assim foi. O IPO e a Acreditar receberam-no. Até hoje não os abandonou. E mesmo porque, como diz, “isto do voluntariado é um pouco ‘viciante’”. Assim, quinzenalmente durante 3 horas, vai ao serviço de pediatria do IPO onde tem como papel “aliviar um pouco os pais”, “entreter as crianças e também fazer com que tenham momentos de quem não está doente, que brinquem e que façam todas as coisas que as

outras crianças fazem no dia-a-dia”. Mas acrescenta: “É preciso desmistificar a falsa ideia de que somos ‘heróis’ porque estamos num serviço difícil como a pediatria do IPO. A verdade é que somos uma pequena peça, quase irrelevante, em todo o processo de tratamento da criança”, confessa. Até agora, esta experiência de 5 anos já lhe ensinou muita coisa: “Às vezes o ajudar não é mais do que dar um sorriso na altura certa, pôr uma mão em cima do ombro ou até estar calado e sentado ao pé de uma pessoa. A verdade é que estamos ali e aprendemos grandes lições.”


11 jun 2012 • 9

Vera Pinto-Coelho, 23 anos Design no IADE

O voluntariado para a Vera começou em 2009 com diversas tarefas de apoio a pessoas carenciadas no centro paroquial da Boa Nova. E no final de 2011 começou a trabalhar na Aldeia SOS em Bicesse. O facto de se manter ocupada e poder sentir-se útil foram as principais motivações. “O voluntariado é um trabalho que considero muito compensador, no qual damos e recebemos ao mesmo tempo”, diz ao mu. Na Aldeias SOS é responsável pelos diversos donativos que chegam diariamente. “Porém,

Joana Santos, 21 anos Finanças no ISCTE-IU

Acredita que o facto de ser escuteira desde os 6 anos a formou enquanto pessoa. Por isso, também desde cedo que participa em bancos alimentares e peditórios. Além disso, há cerca de 5 anos que ajuda crianças desfavorecidas. Fica com elas durante o dia a desenvolver actividades, ou dar apoio em deslocações à praia/piscina. Quando começou, as 4 horas por dia, durante duas semanas, já não lhe chegavam. Precisava de mais. Então passou lá todo o Verão e o Verão do ano seguinte. Aqui encontrou “crianças com problemas reais, histórias de vida complicadas e muito desfavorecidas, que no fundo do

que precisavam é de alguém que as compreenda e lhes dê um pouco de carinho e atenção”, diz. Na Terra dos Sonhos, os voluntários são também de sonho. E é assim que Joana se sente. “Sem dúvida que o vou continuar a fazer, porque me faz feliz!” Mas o seu sonho vai mais longe e em breve vai concretizar-se. “Em Julho e Agosto, vou para a Índia trabalhar com crianças desfavorecidas e órfãs. Vou fazer voluntariado através de um programa da AIESEC do ISCTE. Esta vai ser sem dúvida uma experiência única e que marcará a minha vida em vários sentidos”, conta ao mu. Esperemos que sim, Joana

acabo por fazer tudo o que for necessário nesse dia para o bom funcionamento da Aldeia. Participo também na Loja Solidária que abriu recentemente na Parede”, diz. Segundo Vera, os jovens estão cada vez mais interessados em ajudar. O que vai faltando é a disponibilidade necessária, “pois as universidades e as escolas, implicam muitas horas de estudo e dedicação, além de serem caras e muitos jovens verem-se assim obrigados a terem de trabalhar para se sustentarem”.

Ana Ferreira, 22 anos

Mestrado em Desenvolvimento, Diversidades locais e desafios mundiais ISCTE Aos 16 anos começou a inscrever-me em acções de voluntariado esporádico no Hospital Santa Maria. Andava no 10º ano. Mais tarde soube do Banco de Voluntariado da Câmara Municipal de Lisboa e que a encaminhou para os projectos com que se identificava. Mas a vontade de ajudar é mais antiga. “O meu interesse em actuar sobre causas sociais começou quando andava no 8º ano em que tive uma colega que apresentava um problema físico que a tornava aos meus olhos ‘especial’. Ao observar o negativismo ou mesmo indiferença de vários colegas sobre ela, só me fez com que desenvol-

vesse cada vez mais um sentimento de protecção”, recorda. Aliás, Ana acrescenta que foi o conhecer a realidade dessa amiga que a fez querer “apoiar outras causas, usar as mãos e as pernas para fazer algo que aumente o índice de felicidade”. Além do Banco Alimentar já participou no Centro de Artes e Formação do Lumiar, no bairro da Cruz Vermelha, onde deu apoio escolar a crianças do 1º ao 4º ano; no Instituto São João de Deus, onde apoiava Idosos em Terapias ocupacionais; No Banco Alimentar de Lisboa, no projecto Educar para a Cidadania, com crianças do 3º e 4º ano; entre outros.

VOX POP

Ao final do dia, depois de ajudar alguém, o que sentes? Amadeu Martins: O verdadeiro desafio é termos humildade para fazer a coisa certa sem exageros... Lembramo-nos de que somos uma pequena peça, mas que a nossa ajuda pode ser importante no momento adequado... Quando consigo ser essa pequena peça, que fez sorrir alguém, ou que pelo menos tornou menos pesado um momento difícil a recompensa é dar-nos vontade de voltar no turno seguinte... Joana Santos: Sinto uma enorme sensação de felicidade... algo que nos transcende. Fica uma enorme sensação de missão cumprida. Cada momento é único e especial e por isso é quase impossível descrever, e só quem os vive, é que consegue perceber exactamente o que quero dizer.

Vera Pinto-Coelho: Apesar de cansada fisicamente, fico extremamente feliz. Este trabalho acaba por ser um alimento para a minha alma. O convívio diário com crianças com as quais vamos criando laços e poder acompanhar o seu desenvolvimento é sem dúvida muito gratificante. Ana Catarina Ferreira: É um sentimento misto, sinto-me bem porque sei que fiz o melhor que pude, mas fica sempre a remoer na cabeça o que mais posso vir a fazer, no caso de uma criança ou idoso no hospital, se ela depois da nossa saída ficou bem, se ainda está bem. Mas no fim de um dia, quando tudo corre mesmo bem, é impossível não ter um sorriso na cara e não parar de falar.

De voluntários a fundadores Cátia Cóias

Pedro Bártolo

Mestrado Educação Social e Intervenção Comunitária Escola Superior de Educação de Lisboa Fundadora da Plataforma de Acção Fotográfica

Mestrado em Engenharia no Instituto Superior Técnico Fundador do MySocialProject. org

Cátia foi mais longe. Foi ela que criou um projecto de intervenção social. “A Plataforma de Acção Fotográfica utiliza a fotografia participativa como um instrumento de inclusão, de diálogo intercultural e de estimulação da criatividade, através de técnicas de promoção de empowerment individual e comunitário”, explica. Mas o voluntariado para Cátia começou muito mais cedo, já na escola secundária. Este projecto funciona também como uma plataforma facilitadora da resolução de uma série de paradigmas sociais, trabalhando directamente em bairros de intervenção prioritária, junto das suas comunidades, Associações, ONG e IPSS locais.

Desde 2006 que Pedro faz voluntariado. “Tinha algum tempo livre e decidi dedicar umas horas da minha semana a projectos sociais”, recorda. Já participou em alguns projectos, como voluntário e/ou como organizador. “Fui um dos fundadores do Pegadas – Campos de jovens com miúdos desfavorecidos – e do MySocialProject.org – rede social centrada no voluntariado – do qual sou director executivo. Para Pedro, os jovens estão “cada vez mais sensibilizados para a importância que o voluntariado tem na sociedade. Onde ainda temos que crescer é no compromisso que os voluntários precisam de ter juntos das instituições que apoiam”, afirma.


11 jun 2012 • 10

música

mini

news O regresso dos Primitive

Gonçalo Bilé

“Temos de desamarrar-nos da vida presa” As canções de Gonçalo Bilé fazem pensar positivo. Uma fusão de folk acústico, blues, roots e pop/rock fizeram nascer este primeiro disco do músico da Caparica. Mas o cantor, que desde novo ouve nomes como Jack Johnson, John Butler ou Ben Harper, não quer que a sua música seja um vazio e diz-nos que tudo tem uma mensagem: seja de amor, amizade, mas também de despertar consciências. “Pelo menos, é essa a minha perspectiva de vida”, diz, em entrevista ao MU. Bruno Martins

Como é que começaste a fazer música? Sempre fui consumidor de música em excesso. Desde os meus pais, que ouviam muita coisa lá em casa. Mas quando tinha uns 12 ou 13 anos, no meu grupo de amigos surgiu a ideia de formar uma banda. Comecei pela bateria, mas acabei por pegar numa das guitarras do meu pai e comecei a querer aprender. Depois disso fui, intuitivamente, querendo espalhar uma mensagem. O que ouvias lá por casa? Sempre gostei muito de blues. Mas os meus pais ouviam muito os Beatles, Led Zeppelin, por aí. A minha mãe gostava também um bocadinho da música portuguesa, como Jorge Palma ou Sérgio Godinho… Mas a minha geração sempre teve muito acesso à Internet e ir à procura das coisas com que nos identificamos. Comecei pelo Jack Johnson ou John Butler e a perceber as influências deles: Robert Johnson, Howlin’ Wolf ou Muddy Waters.

Dizes que este disco tem o objectivo de passar uma mensagem. Ou várias mensagens. Quais? É um álbum de inconformismo com a sociedade, que vive muito fechada e dependente de demasiados factores. Daí também o single, “Amarrado”, que tem a ideia de passar uma mensagem de liberdade, de que temos de desamarrar-nos de uma vida presa. Mas é um disco que fala também muito de amor, amizade e também tem temas mais interventivos, como o “Líderes e Nações”, que canto com o Frankie Chavez. Como é que tentas fugir às preocupações do dia-a-dia? Com muita honestidade, mas também com uma perspectiva positiva. Creio que uma das receitas poderá ser visualizar o cumprir de objectivos para nós mesmos. As canções deste disco são muito pessoais?

Sim, bastante. Até posso dizer que há uma música que é uma homenagem ao meu cão, o Dylan! É a melhor forma de homenagear o Bob Dylan, teres dado o nome ao teu cão? Exactamente! Espero que um dia algum miúdo se lembre de dar o nome “Bilé” ao seu cão (risos). O Bob Dylan é um grande ídolo, pela forma simples e directa de escrever canções, mas sempre em defesa da mensagem e das letras que escreve. Achas que este single, “Amarrado”, é uma boa dica para os jovens? Sem dúvida. Mas mesmo algumas pessoas mais velhas dizem-me que é música que faz pensar no que andamos aqui a fazer… Não creio que são sermões, mas é a minha perspectiva de vida enquanto ser humano, nascido e criado em Portugal – que é um aspecto muito importante.

Os Primitive Reason estão de volta com novo single e novo disco, financiados em parte pelos seus fãs. O primeiro single do novo trabalho dos Primitive Reason, “Seeds Among the Rain”, estreou-se a 5 de Junho na Antena 3, e aponta um regresso às origens estéticas da banda com uma sonoridade que mistura o ska e o rock, e uma letra que aponta o positivismo e humanismo que sempre caracterizaram este projecto musical. Já o disco chega-nos no Outono. Chama-se “Power to the People!”

Dengaz agradece em novo vídeo Dengaz lançou recentemente o primeiro e novíssimo single/vídeo de uma futura mixtape que tem data de lançamento prevista para Setembro/ Outubro. “Obrigado” é o título da música que conta com a participação de Dino, dos Nu Soul Family. É em forma de agradecimento a quem o rodeia, que o rapper de Cascais lança este vídeo. Dengaz iniciou a sua carreira musical aos 14 anos, quando, juntamente com um grupo de amigos, fundou os Dinastia. Uns anos mais tarde, desligou-se um pouco do hip hop, e voltou à musica como parte integrantre da banda de reggae InnaStereo. Regressou com um projecto a solo, que viria a resultar no lançamento, em 2010, do primeiro álbum intitulado “Skill Respeito & Humildade”.

Joss Stone com novo álbum Depois de ter passado por Portugal, no Rock in Rio Lisboa, há bem pouco tempo, Joss Stone tem novidades. Passados nove anos da edição do seu debut álbum, “The Soul Sessions” — que vendeu mais de 5 milhões de unidades em todo o mundo e a catapultou para o patamar dos artistas mais famosos com apenas 16 anos — Joss Stone volta agora, aos 25 anos, com a mesma fórmula de sucesso: o “Soul Sessions Vol. 2”. O disco sai a 16 de Julho.


Soul e Jazz nos jardins

Aos domingos, aquele dia em que acordas tarde e não tens grande vontade de te mexer, fica a saber que a partir das 17h, toda a gente se junta para celebrar a boa música, sol e confraternizar. Só resta saber onde. Deixamos-te a programação deste mês para que não percas nadinha! A entrada é livre, por isso não tens desculpa. Cinco meses, cinco jardins e muitas praças por aí. Não percas! Sabe mais em http://ncs.pt/ Junho Sexta, 15 Junho – 18h, Miles Davis feat Fernando Pessoa (Largo da Rua do Século) Domingo, 17 Junho – 17h – Muri Muri/DJ João Gomes (Anfiteatro Keil do Amaral – Monsanto) Sexta, 22 Junho – 18h – Fred Martinho Trio (Estação de Santa Apolónia) Domingo, 24 de Junho – 17h – Tora Tora Big Band/Rockit feat DJ Ride/Streossauro e Rui Murka (Anfiteatro Keil do Amaral – Monsanto) Sexta, 29 de Junho – 18h – Nuno Salvador (Ascensor da Bica) & DJ Yugo-Dee (Miradouro Monte Agudo Jardins Junho Anfiteatro Keil do Amaral (Monsanto) Julho Parque Eduardo VII Agosto Jardim da Torre de Belém Setembro Jardim da Tapada das Necessidades

ao minuto

Com o Meo Out Jazz, uma iniciativa que se tem repetido nos últimos anos em Lisboa, todas as sextas-feiras às 18h há DJ nas praças, ruas, espaços verdes, miradouros e até hotéis, museus, ascensores e estações de comboio.

Mundo

Não tens nada para fazer nos teus fins de tarde por Lisboa? Pois, fica a saber que até Setembro, de sexta a domingo, os jardins de Lisboa, e não só, enchem-se de magia, música e inspiração. A música negra invade a capital há já seis anos, para momentos de boa disposição e um verdadeiro hino à música. patrícia tadeia Falámos com o mentor e produtor do projecto, José Filipe Rebelo Pinto. Quisemos saber como tudo começou e qual o balanço do Out Jazz até agora. Quando e como nasceu a ideia deste projecto? Nasceu há 6 anos. Sempre adorei música, especialmente música negra, como o jazz, soul, hip hop, r&b, sempre achei que Lisboa tinha um potencial enorme para ser usufruído nos espaços verdes e daí a criação do OUT JAZZ. Como se caracteriza o ambiente nestas tardes nos jardins de Lisboa? Acho que não temos nenhum evento destes que seja gratuito, com uma oferta destas que traga tantas pessoas à rua e espaços verdes. Como eu digo, é um festival para todos, em que as pessoas se encontram para rir, ouvir música e sobretudo, descontrair. O nosso target vai desde famílias, jovens, pessoas de todos os estilos e idades... Muitos já chamaram o verdadeiro hino à alegria. Qual o feedback que têm tido? Enorme, brutal. O ano passado a estimativa foi de 45.000 pessoas nos cinco meses. Este ano já vamos nas 25.000 só no primeiro mês. Qual o balanço das edições até hoje? Muito positivo. Foi uma luta muito grande para chegar aqui, com muito esforço e hoje somos finalmente reconhecidos pelo público e especialmente pelas marcas e algumas já estão connosco há três anos e entenderam finalmente que o OUT JAZZ é uma plataforma excelente para comunicar marcas.

11 jun 2012 • 11

festas

festas

agenda 12 de Jun • Santos Pop 2012 Cais do Sodré, Lisboa A noite de Santos Populares oferece-te uma festa muito especial no Cais do Sodré. O Santos Pop 2012 já vai na terceira edição e trata-se de um arraial que quer ser tanto popular quanto alternativo. No Jardim Móvel do Cais do Sodré e a partir das 19h, no Sunset “Santos Pop”, alinham-se nomes como John Player Special, Tiago Santos, Miguel Sá, Miss Wonder, Vítor Silveira e uns tantos outros mais. A partir das 22h, o programa estende-se e acolhe os Ena Pá 2000, JP Simões, FunkoffAndFly, Yellow, Guta Naki, Texabilly Rockets, Agrupamento Musical Lauro Palma, Voodoo Marmelade e mais uns quantos santos da música a ajudar à festa.

15 jun • Youthless Palco Instantâneo Offbeatz - Baixa-Chiado PT Bluestation Os Youthless são um duo composto por Alex Klimovitsky e Sebastiano Ferranti. Lançaram o single “Monsta” em Março e, desde então, não têm parado de tocar. Representaram Portugal na Canadian Music Week, andaram em digressão pela Costa Este dos EUA e no regresso a Portugal participaram no Adidas Urban Sounds (Lx Factory). Será difícil resistires aos seus sons rock eléctricos.

26 Jun a 1 Jul • Festival Silêncio 2012 Cinema São Jorge, Musicbox, Povo, Pensão Amor e Fundação Saramago É a quarta edição de um festival que pretende devolver o poder à palavra cruzando-a com as diferentes artes, juntando em Lisboa grandes nomes da cena literária e artística. Da programação de espectáculos, destacam-se “Os Poetas – Entre Nós e as Palavras” de Rodrigo Leão e Gabriel Gomes, “Neurotycon” de Pop Dell’ Arte, “Bate Papo” por Mão Morta e “Irmãos Demónio” com Hélio Morais e Quim Albergaria (Paus), Kalaf, Filho da Mãe, e ainda B-Fachada. pub


11 jun 2012 • 12

noite

Esplanadas de topo

As noites quentes estão aí. E com elas a vontade de sair à rua, e beber um café numa esplanada com os amigos. Além dos miradouros que vais encontrando por aí, propomos-te alguns espaços de topo! E quando dizemos de topo, dizemos no cimo de edifícios, mesmo. Fica a saber o que podes encontrar por Lisboa. Pequenos paraísos escondidos nuns telhados por aí! PATRÍCIA TADEIA

Lounge • NH Liberdade Avenida da Liberdade Aqui a oferta é variada. Podes optar por um lanche, teatro ou ainda massagens e exercício físico. Em todos a vista é garantida. Situado no topo do hotel NH Liberdade, este espaço lounge com a cidade de Lisboa e o azul do rio Tejo como cenário de fundo, oferece várias iniciativas. Desde o acesso à piscina, às massagens corporais e localizadas ou terapias orientais, ao próprio restaurante. E que tal umas gargalhadas? O terraço transforma-se no palco da comédia teatral “Café Improv”, trazida a cena pelo Teatro Anónimo todos os sábados às 21h30. Este é um espectáculo de improviso baseado numa série de jogos com regras pré-definidas, que se desenrolam a partir de situações sugeridas pelo próprio público.

RoofTop Bar Hotel Mundial Praça Martim Moniz

Com os pés bem assentes no chão! Horizontal Edifício Transparente, Porto

No 9º andar do Hotel Mundial, no centro de Lisboa, encontras umas das melhores vistas panorâmicas da cidade. Aqui abre-se uma janela sobre Lisboa, ideal para um cocktail ao fim da tarde. O espaço oferece uma carta de refeição ligeira variada, desde saladas a tapas, acompanhadas por cocktails e pôr-do-sol. Aqui podes encontrar ainda alguns DJ convidados e jazz ao vivo.

Sky Bar • Hotel Tivoli Avenida da Liberdade No último andar do Tivoli Lisboa abriu recentemente o Sky Bar. Um espaço ao ar livre, discreto e exclusivo, onde a vista deslumbrante da cidade de Lisboa se junta a uma deliciosa carta de snacks e cocktails, para tornar as noites de Verão ainda mais perfeitas. E que tal um jantar sob o céu estrelado? Podes escolher entre Prego do lombo em bolo do caco, Skyburger, Focaccia de salmão fumado com creme fraiche de cebolinho ou então uns wraps, acompanhados pelos melhores cocktails, como o Absolut Vanilie In The Sky, o Royal Sky Cosmo, o Mojito, a Caipirinha, os Daiquiris e os Bellinis. Aqui a animação musical está a cargo dos DJ Ana Gabriela e Bruno Safara.

Se és adepto de sushi, aceita a sugestão. O Horizontal, que abriu recentemente no Edifício Transparente, no Porto, oferece-te um restaurante, Sushi e Cocktail Bar. Aberto de quarta a sábado, das 18h às 2h, aqui tens o mar como horizonte e o céu como limite. A esplanada em frente ao mar conta sempre com música (banda ao vivo ou DJ).


O Professor que gostamos de gostar Sim, bem sabemos que estás em época de exames e que a Nintendo DS devia estar sossegadita dentro da gaveta e blábláblá… Mas com “Professor Layton and the Spectre’s Call” tens uma boa desculpa para fazeres uma pausa no estudo e desenvolveres o cérebro com puzzles complicados e aventuras por terras de Sua Majestade… catarina poderoso

Se gostas de jogos com sangue por todo o lado, zombies, extra-terrestres, carros rápidos e murros a torto e a direito, este jogo não é para ti. Mas se gostas de resolver puzzles, de imitar o sotaque “posh” britânico e se até costumas passar as aulas a fazer os sudokos que apanhas por aí, então sim, este é “o” jogo para ti. Esta série de jogos para a Nintendo DS narra as aventuras do Professor Layton e do pequeno Luke, muito ao estilo de Sherlock Holmes só que, em vez de descobrirmos quem matou a vítima, solucionamos puzzles sacaninhas de serem resolvidos. Apesar de este ser já o 4º título da série a chegar ao nosso país, só agora ficamos a conhecer a história que juntou estes dois amigos improváveis.

37 horas

Tudo começou na pequena vila de Misthallery, quando o pai de Luke, Clark Triton, desafia o Professor Layton a tentar solucionar o enigma de um espectro que assombra a localidade… Não pensem que é tarefa fácil! Esta caríssima que vos escreve demorou precisamente 37 horas a desvendar o mistério (e não, não vos vou contar como acaba, homessa!) e confessa que deixou alguns puzzles por resolver de tão frustrantes que eram! Além dos puzzles que ajudam a solucionar o enigma da vila, temos ainda mini jogos que aumentam o nosso tempo de jogabilidade em muito! E são de facto viciantes, assim como o sotaque que adoramos imitar enquanto jogamos. Somos tão “bem”.

Demorámos 37 horas a acabar este jogo (deixando alguns puzzles ainda por resolver e os mini jogos por concluir). Podíamos culpar o facto de o jogo estar todo em inglês ou até mesmo os longos vídeos de narração da história, mas a realidade é que alguns puzzles nos deram a volta à cabeça e tivemos que engolir o orgulho e pedir a ajuda do público (que é como quem diz usar as três ajudas disponíveis em troca de “Hint Coins” – moedinhas que estão escondidas pela vila e que temos que ir descobrindo para nos ajudarem em puzzles mais chatinhos).

Preço 29.85 euros www.dvd.co.uk

pub

tech


11 jun 2012 • 14

casting o último apurado

finalistas

E eis que chega o último dos candidatos 100% Talento, directamente do Algarve! O MTV Casting está quase a terminar. Só falta a final! E para que não te esqueças das caras dos candidatos, fazemos aqui um apanhado de quem seguiu em frente. Fica ainda a saber como correu toda a edição até aqui, enquanto aguardas pela grande final que acontece a 21 de Julho no Fórum Sintra.

Bárbara Magalhães Sara Fidalgo Guimarães aveiro

Joana Martins viseu

31 anos, natural do Porto

21 anos., Gafanha da Nazaré

17 anos., Viseu

Paulo Vaz coimbra

Rita Anuar sintra

Diana Taveira Lisboa

21 anos, São João da Madeira

17 anos., Mem Martins

24 anos., V. N. de Famalicão

Ana Sofia almada

Rafaela Salgado montijo

Pedro Afonseca madeira

25 anos, Lisboa

29 anos., Lisboa

26 anos., Funchal

António Courinha

BI

Francisco Beatriz Fórum Algarve Tenho 25 anos Sou de Lisboa Fiz o programa de conservatório em representação no The Lee Strasberg Theatre and Film Institute Os meus hobbies são ski, praia, yoga, Xbox

O que foi mais fácil e mais difícil neste teu VJ Casting? O mais difícil foi claramente o primeiro casting de todos, e o mais fácil foi a semifinal porque a equipa pôs-me bastante à vontade. É a primeira vez que participas em algo do género? Sim, é a primeira vez. Achas que serias o “partner” ideal do Diogo, porque... Tenho a dinâmica ideal para trabalhar com

ele, sou energético, divertido e super comunicativo. Acredito que nos vamos entender. O que tens que os outros não têm? (Além dos lábios grandes) Tenho muito “power”, bom-humor, trabalho muito bem sob pressão e crio empatia com as pessoas muito facilmente. Como te descreves? Sempre bem-disposto, muito trabalhador, descontraído e muito falador. QUAL O TEU MAIOR SONHO A NÍVEL PROFISSIONAL? Ganhar um Óscar. Houve algum episódio engraçado no casting que te recordes? A entrevista com o Pedro Fernandes foi sem dúvida o ponto alto do casting. Foi complicado manter a cara séria nessa altura.

11º Finalista - Eleito pelo Público da MTV no Site MTV.PT: Rúben Carvalho 20 anos., Figueira da Foz. Acompanha todas as novidades em www.mtv.pt www.mtv.pt/vjcasting www.facebook.com/mtvportugal

Paulo Alves, António Matias Lopes, Victor Mourão, Marta Caeiro. Para Victor Mourão, director-geral do canal, “sabíamos que este seria um projecto desafiante, mas a nossa aposta no talento nacional não nos desiludiu e a prova disso são os nossos 11 finalistas ‘100% Talento’”. A parceria com a Multi Mall Management foi crucial para a concretização do MTV VJ Casting permitindo chegar às principais cidades do País. Como partilha António Matias Lopes, managing director da MMM, “o VJ Casting cimenta a força e o sucesso que a dupla MTV & MMM conseguem alcançar quando colaboram em parceria. Estou certo que o futuro reserva-nos novos desafios”.


ASUS com novo design

A ASUS revelou um novo design da sÉrie N com Áudio SonicMaster Premium. Baseado num espírito de inovação, os novos notebooks multimédia vêm com som de nível profissional, estilo elegante e a terceira geração de processadores Intel® Core™, conduzindo a uma melhor experiência dos utilizadores. Eles utilizam o som SonicMaster Premium, ecrã com ângulos de visão amplos com imagem de alta definição Full HD e um novo design luxuoso já premiado com um prestigiado reddot 2012 design award. Os processadores de terceira geração Intel® Core™ equipam a série N que utiliza também a tecnologia Super Hybrid Engine II, um exclusivo da ASUS, que permite retomar o sistema do modo sleep em dois segundos.

tu cá, tu lá como eras na faculdade? Carolina Torres, apresentadora da SIC Radical

Barriga lisa este Verão Este ano, os Cereais FITNESS da Nestlé lançam o Programa Barriga Lisa 2012 e com o apoio de três personal trainers. A decorrer em exclusivo na página de Facebook da marca – www.facebook.com/ cereaisfitness – o Programa convida-te a votar nos personal trainers que “gostas pouco”, com o objectivo de os eliminar durante a primeira fase do programa. A partir deste mês, os três menos votados formarão uma equipa de sonho, que, sob o comando da líder Vanessa Oliveira, darão dicas e conselhos sobre nutrição e exercício físico, ajudando assim todas as mulheres a chegarem ao Verão em forma!

Lábios naturalmente bonitos Durante mais de 100 anos, o líder de mercado Labello foi lendo os lábios dos consumidores. Um toque de naturalidade e uma fórmula inovadora traduzem o novo Labello Pure & Natural – um novo produto para o cuidado diário dos lábios. Os lábios são expostos a factores climatéricos como frio e raios UV e, por isso, precisam de cuidado extra para não secarem. Labello Pure & Natural Milk & Honey mima e hidrata os lábios. O mel é rico em antioxidantes, fornece hidratação e cura a pele gretada. O leite é um elixir de beleza clássico: rico em aminoácidos e vitaminas. É também este ingrediente o responsável por ter tornado a pele da Cleópatra suave e aveludada.

A natureza no teu corpo Com uma forte herança na fórmula do Sabão Natural de Marselha e nos aromas das flores e frutos campestres, os produtos Le Petit Marseillais® contam com uma excelente capacidade de limpeza e fragrâncias naturais. Sempre com soluções hipoalergénicas e testadas dermatologicamente, com níveis de qualidade e benefícios únicos para a pele e cabelos. Le Petit Marseillais® leva-te a gama para Cabelos Louros, que, com uma fórmula à base de Camomila e Gérmen de Trigo, devolve o brilho natural ao cabelo. No Verão é também altura de começarem a crescer as amêndoas, um poderoso agente suavizante e hidratante, o que podes atestar no gel duche Leite de Amêndoas Doces, na Loção Corporal ou no Creme de Mãos Hidratante.

11 jun 2012 • 15

what’s new

Curso: Ciências da Comunicação • Universidade: UTAD • Anos em que frequentou o curso: 2009

O que levaste da faculdade? Alguns amigos, muitas noites frias e inesquecíveis, um programa de rádio com muita música boa, muitas apostas, muitas directas a trabalhar, os primeiros cozinhados, raposas e cobras dentro da universidade, algum rock’n’roll.... Tenho muitas saudades dos meus amigos de lá. E da simplicidade dessa minha vida. Eras uma “croma/nerd” ou a “popular”? Nem uma coisa nem outra. Acho que sempre fui um bocado “a maluca”, não sei bem porquê. Talvez seja por fazer e dizer aquilo que queria. E eram muitas as vezes em que chegava às aulas e havia frequência, mas não era surpresa, só mesmo para mim. Qual a maior vergonha que passaste? Ou o episódio mais engraçado? Em Vila Real a vida académica é, acima de tudo, bonita, porque estamos num ambiente natural cheio de belas paisagens. Saía muitas vezes com os meus grupinhos, nem que fosse ao frio. Uma vez roubámos uma canoa nas piscinas municipais e fomos para o rio que

existe lá perto... mas às 4h da manhã! Foi mega noite... Ainda demos uns tiros com uma pressão de ar, montámos um esquema de forma a termos que acertar num bonequinho e eu cheia de sorte, acertei! Mas bom, podia escrever um livro sobre esses anos! Qual a melhor e a pior nota que tiveste? Não me lembro da melhor nota, mas tudo o que não fosse decorar e que tivesse que ver com lógica, era mais a minha cena. Lembro-me de ter tirado uma má nota em Culturas Africanas e a minha professora disse que eu era um diamante em bruto. Na altura, fiquei confusa, mas hoje acho que percebo o que ela quis dizer. E é incrível, porque ela disse que só ia perceber mais tarde. Às vezes eles têm razão, por isso fiquem atentos. Foram os melhores anos da tua vida? Agora que penso nisso, sim.. Posso dizer que foram uns bons anos, sem dúvida. Mas não se enganem, pensem sempre que os melhores anos ou dias da vossa vida são estes que estamos a passar. pub


pub


Mundo Universitário - edição 203