Page 1

Ignácio Costa

REVISTA DO GRUPO FIAT DO BRASIL NúmERO 119 - EDIÇÃO ESPECIAL SUSTENTABILIDADE - 2012

Uma estratégia

sustentável

Grupo Fiat/Chrysler amplia capacidade produtiva no País Indicadores Ethos e metodologia WCm no centro das ações do modelo sustentável de negócios mudanças no processo produtivo e novas tecnologias garantem melhor eficiência do desempenho ambiental Veículos cada vez mais econômicos e ecológicos Programas sociais transformam comunidades


A decisão de continuar a crescer em harmonia com o ambiente e as pessoas se reflete no equilíbrio dos três pilares do desenvolvimento sustentável – o econômico, o ambiental e o social

cledorvino belini*

A estratégia da sustentabilidade

P

100 95 75

25 5

ara o Grupo Fiat, a sustentabilidade não é um fim em si, mas um processo de melhoria contínua e uma atividade essencial para a perenização do negócio e para assegurar o desenvolvimento sustentável e harmônico. Ao longo dos anos, a estratégia de sustentabilidade do Grupo deu origem a uma série de projetos destinados a promover uma mobilidade mais sustentável, ajudar a proteger o meio ambiente e recursos naturais, garantir a saúde e a segurança dos trabalhadores, investir em seus profissionais e estabelecer um relacionamento construtivo com as comunidades locais e parceiros. A decisão de continuar a crescer em harmonia com o ambiente e as pessoas se reflete no equilíbrio dos três pilares do desenvolvimento sustentável – o econômico, o ambiental e o social –, em um sistema de governança corporativa e de gerenciamento de riscos em linha com as melhores práticas internacionais, que abrange: cada vez mais seguros, com menor emissão de CO2 e de poluentes e com maior economia de combustível, compatíveis com múltiplos combustíveis e com crescente capacidade de reciclagem, recuperabilidade e reutilização dos componentes dos veículos ao final de seu ciclo de vida; em processo de contínua redução do impacto ambiental do sistema produtivo e otimização do consumo de energia e de água; que buscam reduzir o impacto ambiental do transporte e deslocamentos; com iguais oportunidades de desenvolvimento, para atração e retenção dos melhores talentos, salvaguardando sua saúde, segurança e bem-estar; incorporados aos conceitos e práticas de sustentabilidade do Grupo; desfrutando de experiências cada vez melhores com nossas marcas, produtos e serviços; baseado no estímulo e apoio ao desenvolvimento local, no reforço da cidadania e no apoio ao desenvolvimento profissional dos jovens. Esse é o plano de ação global do Grupo Fiat. É nosso compromisso diário e nossa diretriz permanente dentro e fora dos muros das empresas. É a base do relacionamento com nossos stakeholders. (*) Presidente da Fiat/Chrysler para a América Latina

0

MUNDOFIAT

3


sumário

18 Gestão

eXPedienTe

Comitês de Sustentabilidade, Indicadores Ethos e a metodologia WCM são ferramentas que contribuem para a adoção de práticas sustentáveis, incorporadas à rotina do trabalho e ao centro da estratégia dos negócios

31

Mundo Fiat é uma publicação da Fiat do Brasil S/A, destinada aos stakeholders das empresas do grupo no Brasil.

POr MArCo AnTônIo LAge(*) www.eticagrupofiat.com.br FIAT DO BRASIL S/A Cledorvino Belini MONTADORAS

Meio Ambiente

Cledorvino Belini

O aprimoramento contínuo dos processos produtivos resulta em tecnologias inovadoras para reduzir e eliminar os impactos ambientais. Várias iniciativas são pioneiras, como a conquista pela Fiat Automóveis do índice de 100% de reciclagem e reaproveitamento dos resíduos

Valentino Rizzioli Marco Mazzu COMPONENTES Enrico Vassallo

12 Perfil

Ampliação da capacidade, novos processos e produtos fazem parte do ciclo de investimento das empresas do Grupo Fiat/Chrysler no País. Na Fiat Automóveis, as obras para aumentar a produção da planta de Betim (MG) já começaram

47 Inovação

Veículos mais econômicos e com menor emissão de gases poluentes já estão nas ruas. A versão Economy do Novo Uno, com o motor 1.4l Evo, alcançou a nota “A” no Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular, do Inmetro

Rogério Silva Jr. SISTEMAS DE PRODUÇÃO Gerardo Bovone SERVIÇOS FINANCEIROS Gunnar Murillo Brett Davis Gilson de Oliveira Carvalho SERVIÇOS (interino) Marco Pierro Marcio Jannuzzi Valmir Elias

ASSISTÊNCIA SOCIAL

E mais

Programas sociais agregam valor para as comunidades com promoção de cidadania. As iniciativas têm em comum a estratégia de mobilizar crianças, adolescentes e jovens na busca por mudanças

6

Entrevista: Ricardo Voltolini

40 Rotina de combate ao desperdício 42 Caminhos da eficiência energética

31

44 Referência em construções ecológicas 55 Tecnologia nos detalhes 59 Promessas da nanotecnologia 60 Valorizar o passado sem parar no tempo 63 Fiat e Iveco participam do projeto Cidades do Futuro 68 Laboratório sobre rodas

24

72 Parceria para o combustível do futuro

77

75 Uma nova fase da economia global 111 Relatório Anfavea: Indústria Automobilística e Sustentabilidade 2012 129 Raio X da Sustentabilidade

4

Luca Biagini

Márcia Naves

77 Investimento Social

47

Um olhar estratégico

Adauto Duarte CULTURA José Eduardo de Lima Pereira EDUCAÇÃO Raffaele Peano COMITÊ DE COMUNICAÇÃO Alexandre Campolina Santos (Fiat Services), Ana Vilela (Casa Fiat de Cultura), Pollyane Bastos (Teksid), Cristielle Pádua (Fundação Torino), Elena Moreira (Fundação Fiat), Eliana Giannoccaro (Magneti Marelli), Fernanda Palhares (Isvor), Jorge Görgen (CNH), Marco Antônio Lage (Fiat Automóveis), Claudio Rawicz (Iveco), Milton Rego (CNH), Othon Maia (Fiat Automóveis), Tarcísia Ramalho (Comau) e Roberto Baraldi (Fiat do Brasil). Marco Antônio Lage (Diretor de Comunicação e Sustentabilidade da Fiat/Chrysler). MTb: 4.247/MG Margem 3 Comunicação Estratégica. Ellen Dias. Isabela Soares e Lilian Lobato. Leila Maria Rodrigues. Sandra Fujii. Ilma Costa. EGL Editores Gráficos Ltda. 19.500 exemplares. Rua Oriente, 445 – Serra – CEP 30220-270 – Belo Horizonte – MG – Tel.: (31) 3261-7517. mundofiat@fiatbrasil.com.br José Maria Neves (31) 3297-8194 – (31) 9993-0066 – mundofiat@uol.com.br

D

esde 2009, o Grupo Fiat/Chrysler publica anualmente uma edição dedicada exclusivamente ao tema sustentabilidade. Fazendo uma retrospectiva, é possível constatar os avanços alcançados pelas empresas do Grupo nas diferentes dimensões do tema, no âmbito de uma estratégia que tem como fio condutor o melhoramento contínuo. São novos processos, sistemas de gestão e produtos que refletem o trabalho incansável dos dirigentes e colaboradores comprometidos com um modelo sustentável de negócios, que toma forma a partir dos Comitês de Sustentabilidade, que se multiplicam pelas empresas do Grupo e que, a todo momento, impulsionam mudanças de conceitos e práticas. Nesta edição, selecionamos como elemento central a estratégia da sustentabilidade. E não foi por acaso. De acordo com Henry Mintzberg, renomado acadêmico canadense, estratégia é uma forma de pensar o futuro, integrada ao processo decisório no presente, com base em um procedimento formalizado e articulador de resultados. De ações periódicas e pontuais, o conceito de sustentabilidade foi-se propagando, alcançando nossos stakeholders e, hoje, podemos afirmar que o tema é visto pelo Grupo Fiat/Chrysler através de um olhar estratégico. Esta edição especial de Mundo Fiat demonstra isto e propõe reflexões. Logo nas primeiras páginas, o jornalista Ricardo Voltolini, uma das mais importantes referências brasileiras nessa área, aponta como principais desafios das empresas a incorporação da sustentabilidade na estratégia de negócios, a atuação de líderes comprometidos com os resultados socioambientais e, no caso específico do setor automotivo, motores mais eficientes. São três fatores que já estão presentes na trajetória do Grupo Fiat, com resultados concretos que agregam valor para a sociedade. Estamos no caminho certo, mas nosso desafio é permanente. Sabemos de onde partimos, onde estamos e para onde vamos. Buscamos no relacionamento aberto e transparente com nossos stakeholders a energia para avançar em direção a um futuro sustentável. Mantemos nossas mãos firmes no volante do presente, na busca contínua da sustentabilidade associada à inovação, qualidade e competitividade, com os olhos postos no horizonte. Boa leitura! (*) Diretor de Comunicação e Sustentabilidade da Fiat/Chrysler

MUNDOFIAT

5


desejo de transformação

H

á mais de 15 anos, o jornalista Ricardo Voltolini tem traçado uma trajetória profissional ligada ao tema desenvolvimento sustentável. Ele antecipou-se aos tempos, abriu caminhos e conquistou confiança e credibilidade, mobilizando empresas, governo e sociedade civil em discussões que têm como fio condutor a necessidade de mudanças. Se no início era visto como um sujeito romântico, abraçador de árvores, hoje Voltolini é uma das vozes mais respeitadas do País. Autor do livro “Conversas com líderes sustentáveis”, lançado em 2011, ele detalha, nesta entrevista, os desafios para a prática da sustentabilidade incorporada à gestão dos negócios e aponta alguns caminhos.

O primeiro passo é identificar os impactos sociais e ambientais gerados pela atividade. Com esse diagnóstico em mãos, é possível a empresa buscar soluções para minimizar ou eliminar esses impactos, em um caminho que, com certeza, levará à inovação, ao redesenho de processos e à definição de novas tecnologias.

Antes, aceitava-se a ideia de que a empresa podia ter

“ 6

MUNDOFIAT

Divulgação

enTrevisTa

Sustentabilidade:

Ricardo Voltolini destaca o papel dos líderes empresariais comprometidos com a sustentabilidade

um conjunto de práticas socioambientais sem necessariamente mudar sua estratégia central de negócio. Hoje, as práticas pontuais já não são mais suficientes e, para fazer mudanças realmente importantes, a empresa tem que buscar alterações na sua estratégia de negócio.

Não há menor dúvida. Quando comecei a trabalhar o tema há 15 anos, a sustentabilidade era um assunto tratado à parte dos negócios. Era coisa de ambientalista, abraçador de árvore. Na medida em

A sustentabilidade é uma questão central e está entre os temas mais importantes de qualquer empresa líder

” MUNDOFIAT

7


Stock.Sxc

enTrevisTa

que a ciência foi nos alertando sobre os efeitos das mudanças climáticas, a sustentabilidade passou a fazer parte da agenda das empresas, que se viram diante do desafio de cumprir o que foi definido como desenvolvimento sustentável em 1987, no relatório “Nosso Futuro Comum”. Atualmente, a sustentabilidade é uma questão central e está entre os temas mais importantes de qualquer empresa líder.

Em 2009, entrevistei os 50 executivos de sustentabilidade mais importantes do Brasil. Ao final desse estudo, a conclusão a que cheguei foi que há cinco fatores comuns nas empresas em que a sustentabilidade avança. O primeiro é a existência de um líder sentado na cadeira de presidente que acredita e pratica os conceitos da sustentabilidade na gestão do negócio. O segundo fator é de que a sustentabilidade é vista como oportunidade e não risco. O terceiro é que os valores de sustentabilidade são colocados na estratégia central do negócio. O quarto é que essas empresas envolvem e educam, mais do que a média, os seus stakeholders. O último fator é que

essas empresas comunicam bem o valor da mensagem da sustentabilidade. Após hierarquizar esses cinco fatores, o mais importante deles e que define todos os demais é a existência de um líder. Portanto, liderança é uma variável fundamental para a sustentabilidade inserir-se na gestão do negócio.

Além do processo de produção que evidentemente gera impactos, tem que se considerar o uso dos automóveis pelos consumidores. Hoje, a principal discussão gira em torno da redução das emissões dos gases de efeito estufa e o desafio da indústria automobilística é desenvolver motores mais eficientes.

A discussão da mobilidade urbana vem cercada de temas como poluição, impactos à saúde, locomoção e transporte público. Na minha avaliação, o governo precisa reunir a iniciativa privada para ajudar a pensar soluções, como um transporte coletivo mais funcional. É um tema que me faz lembrar uma afirmativa do

Hoje, a principal discussão gira em torno da redução das emissões dos gases de efeito estufa e o desafio da indústria automobilística é desenvolver motores mais eficientes

8

MUNDOFIAT

físico Fritjof Capra, ainda muito válida nos dias atuais. Ele disse que a crise que vivemos é de natureza tão grave e tão sistêmica que não a resolveremos se buscarmos apenas soluções econômicas. Ou seja, temos que encontrar caminhos que passam pelo estabelecimento do diálogo entre o governo, empresas e sociedade civil, em uma discussão que alcança as questões sociais e ambientais.

O consumidor evidentemente tem um papel importante, mas esperar que a classe C consuma de forma sustentável é uma análise rasa. Não dá para imaginar que quem ficou muitos anos sem consumir vai começar preocupando-se com produtos e materiais sustentáveis. De maneira geral, percebo que o consumidor consciente ainda é uma minoria, mas é um movimento que tende a crescer na medida em que verificarmos maior disponibilidade de produtos sustentáveis no mercado.

O excesso do uso do termo em contextos não muito claros gerou um desgaste. Temos que evitar reforçar os preconceitos e as ideias falsas construídos em torno do conceito de sustentabilidade. É comum, por exemplo, as pessoas reduzirem a prática da sustentabilidade a uma ação de fechar a torneira, de fazer a coleta seletiva, de preservar os recursos naturais. Tudo bem que fechar torneira e economizar água são discussões do universo da sustentabilidade, mas não é só isso. É um assunto complexo e as pessoas tendem a simplificá-lo. Quando você simplifica o que é complexo, evidentemente haverá perda de ideias e conceitos.

A discussão da mobilidade urbana abrange aspectos ligados à saúde e à infraestrutura do transporte público

Meu desejo é ter líderes mais comprometidos com esse tema, pois líderes mais comprometidos vão facilitar e acelerar o processo de transição para modelos sustentáveis. A sustentabilidade é o valor deste século e nos impõe como desafio fazer mudanças que não poderemos transferir para ninguém. É um desafio de cada um de nós e de todos nós.

MUNDOFIAT

9


Perfil

Fatos & Números da Sustentabilidade Índice de

novo Uno economy tem nota A no

reciclabilidade de 88,3% e recuperabilidade de 99,5% do novo Uno

Programa Brasileiro de etiquetagem Veicular do Inmetro

- 68% de consumo de água por veículo produzido na Fiat Automóveis, em 15 anos

sustentável de baixo impacto ambiental

peso total do veículo

Iveco é a maior fabricante mundial de

veículos comerciais movidos a gnV

anos da tecnologia flexfuel

eleito uma das 50 melhores práticas que contribuem com os objetivos do Milênio, em prêmio do Pnud

10

MUNDOFIAT

Fiat S.p.A. admitida no Carbon Disclosure Leadership Index (CDLI) e no Carbon Performance Leadership Index (CDLI) pelo compromisso com redução das emissões de carbono

- 30% de consumo de energia elétrica

por item produzido, em dois anos, na unidade da FPT Industrial de Sete Lagoas

em teste, em Belo Horizonte, o Iveco eurorider gnV para avaliar viabilidade do gás natural no transporte público

Árvore da Vida – Jardim Teresópolis

são encaminhados para reutilização e reciclagem

nova fábrica da Fiat Automóveis em goiana (Pe) adota modelo

Teksid desenvolve

blocos de motor com paredes mais finas, reduzindo o

Magneti Marelli comemora, em 2013, 10

100% dos resíduos da Fiat Automóveis

Fiat S.p.A. e Fiat Industrial confirmadas nos índices mundial e europeu de

Sustentabilidade da Dow Jones

Fiat comemora 15 anos de ISo 14001, sendo a 1ª do setor de automóveis leves e de passeio do País a conquistar a certificação

- 25% de consumo de energia na fábrica da Iveco, em quatro anos

CD da CnH/Iveco é o 1º do setor de autopeças na América Latina a conquistar a

certificação Leed de edificações verdes

MUNDOFIAT

11


para crescer

Pioneirismo e liderança definem a história do Grupo Fiat/Chrysler no Brasil. Para manter-se no topo, ampliação da capacidade, novos processos e produtos fazem parte do ciclo de investimento das empresas no País

“S Divulgação Fiat

e você quer ir rápido, vá sozinho. Se você quer ir longe, vá acompanhado”. O provérbio africano, já repetido por importantes personalidades mundiais, como o ex-vice-presidente dos EUA, Al Gore, traduz o movimento das empresas do Grupo Fiat/Chrysler de buscar,

12

MUNDOFIAT

com sinergia, o crescimento dos negócios, associado às estratégias de inovação, qualidade e sustentabilidade. Para transformar esses princípios em resultados, as empresas possuem uma infraestrutura de ponta na América Latina, com investimentos contínuos para avançar sempre mais.

Fábrica da Fiat, em Betim, terá capacidade produtiva ampliada em 150 mil veículos/ano

Divulgação Fiat

Perfil

A força de um Grupo

No País, a história do Grupo teve como marco o ano de 1976, com a inauguração da fábrica da Fiat Automóveis, em Betim (MG). Desde então, o Grupo cresceu e diversificou negócios e mercados com a criação de empresas também voltadas para os segmentos de serviços, serviços financeiros, cultura, educação e assistência social. Hoje, é sinônimo de força, liderança e pioneirismo. Já na estreia da fábrica de Betim, a marca Fiat trouxe inovações. Foi a primeira indústria automotiva a instalar-se fora do Estado de São Paulo. Outra novidade foi o Fiat 147, primeiro automóvel no Brasil com motor dianteiro transversal, tração dianteira, coluna de direção retrátil e pneu radial de série. Após 36 anos de plena atividade, detém a marca de produção de mais de 12 milhões de automóveis e comerciais leves, além de 11 anos de liderança de vendas no mercado nacional. Após a integração com a Chrysler, em um processo que começou em 2011, a Fiat Automóveis está em meio ao seu maior ciclo de investimentos no País, com recursos que irão chegar a mais de R$ 10 bilhões, no período de 2011 a 2014, como resposta às projeções de crescimento da economia e do mercado automotivo brasileiro. Os investimentos são destinados ao desenvolvimento de novos produtos, sistemas e processos, bem como à ampliação da capacidade de produção da fábrica de Betim, que passará de 800 mil para 950 mil unidades por ano, em 2014. De Minas para Pernambuco, o ciclo de expansão da empresa alcançou o município de Goiana, a 60 quilômetros de Recife. A segunda fábrica da Fiat no Brasil será instalada em um terreno de 14 milhões de metros quadrados de área contínua e fará parte de um complexo polo automotivo, composto pelo parque de fornecedores, centro de treinamento, centro de

pesquisa e desenvolvimento, pista de testes e campo de provas. A planta terá capacidade de produção de 250 mil carros por ano e sua operação vai gerar cerca de 4,5 mil empregos.

Linha de produção do Fiat 147, primeiro automóvel do Brasil com motor dianteiro transversal

no CAMPo e nAS oBrAS O Grupo Fiat também tem forte presença nos setores de máquinas agrícolas e de construção. Presente no País há mais de 60 anos, a Case New Holland (CNH) é dona de quatro marcas: Case Construction e a New Holland Construction, no segmento de construção, e a New Holland Agriculture e a Case IH, na produção de máquinas agrícolas. Com 4,6 mil funcionários e unidades localizadas em Contagem (MG), Curitiba (PR), Piracicaba e Sorocaba (SP), a CNH mantém como estratégia de negócio os investimentos contínuos em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos; renovação do portfólio das marcas; processo pro-

MUNDOFIAT

13


Perfil

dutivo com novas máquinas e treinamentos para funcionários; além das instalações industriais com obras de expansão. Para a FPT Industrial, uma das maiores produtoras do mundo de sistemas de propulsão para veículos de transporte, máquinas agrícolas e de construção e setores náutico e de geração de energia, 2012 foi um ano de conquistas, com a renovação do portfólio e o início da produção da nova unidade de Córdoba, na Argentina. Somada à unidade de Sete Lagoas (MG), a empresa atualmente conta com uma capacidade produtiva total de 120 mil motores por ano na América Latina, onde possui aproximadamente 750 colaboradores. Com 12 anos de atuação no País e dona da mais moderna gama de caminhões, a Iveco anunciou, em 2012, a entrada no mercado de ônibus urbanos. Outra boa notícia que sinaliza a opção da empresa pela diversificação do portfólio é construção de uma fábrica totalmente dedicada à produção de veículos de defesa, dentro do complexo industrial de Sete Lagoas (MG). Os investimentos chegarão a R$ 55 milhões e a inauguração está prevista para 2013. Em 2012, o projeto do condomínio de fornecedores, localizado ao lado da fábrica, em Sete Lagoas, também começou a sair do papel. A Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemig), órgão do Governo mineiro, proprietária do terreno e que comercializará os lotes às empresas

Fotos Divulgação CnH

A CNH é dona de quatro marcas: Case IH e New Holland Agriculture, na produção de máquinas agrícolas, e Case Construction e New Holland Construction, no segmento de construção

14

MUNDOFIAT

interessadas, já iniciou as obras de infraestrutura do empreendimento. Na área de sustentabilidade, a Iveco é protagonista no desenvolvimento de combustíveis alternativos e tem orgulho de afirmar que é a maior fabricante mundial de veículos comerciais movidos a gás natural veicular (GNV). No Brasil, protótipos já circulam pelas ruas de várias cidades para avaliar a viabilidade da tecnologia, em parceria com diversas instituições. Na Magneti Marelli, o primeiro passo para os bons resultados nos negócios é o investimento em inovação. No País, a Magneti Marelli possui cinco centros de Pesquisa e Desenvolvimento que, associados às nove unidades produtivas localizadas em Minas Gerais e São Paulo, posicionam a empresa como uma das maiores no segmento de sistemas e componentes automotivos. Presente no Brasil desde 1978, conta com cerca de 8,5 mil colaboradores e é dona de marcas consagradas no mercado, como Cofap e Automotive Lighting. Nos lançamentos da Marelli, o diferencial é a união da tecnologia com a sustentabilidade. Na relação dos novos produtos que entraram no mercado nos últimos anos, destacam-se o sistema Flexfuel, o Tetrafuel, o câmbio robotizado FreeChoice, os injetores de combustí-

veis Pico ECO, as lanternas a LED, os sistemas de escapamentos Close Couple, entre outros. Com mais de três décadas de atuação no País, a unidade da Teksid no Brasil, localizada em Betim (MG), registra liderança absoluta na produção de blocos de motor para automóveis e comerciais leves, detendo cerca de 70% de participação no mercado. A posição estratégica é resultado do amplo portfólio de produtos. A empresa fornece mais de 200 tipos de peças, como blocos e cabeçotes para motores diesel, entre outras. ALTA TeCnoLogIA Do setor automotivo para o petroquímico, a Comau está presente em 13 estados brasileiros e reúne 30 clientes de diversos segmentos de atuação, como siderúrgico, mineração, papel e celulose, portuário, entre outros. Somente no Brasil, Argentina e México, a empresa tem cerca de oito mil profissionais. Além de prestar serviços completos de manutenção industrial em máquinas e linhas de produção, a Comau também atua no desenvolvimento e construção de robôs industriais de alta tecnologia, sistemas de produção, protótipos, entre outros projetos de engenharia, sempre reinventando o futuro.

Empresas, divisões, associações e fundações ligadas ou mantidas pelo Grupo Fiat/Chrysler no Brasil Case new Holland (CnH), Comau, Iveco, Fiat Automóveis, Chrysler, FPT Industrial, Magneti Marelli, Teksid, Banco Fidis, Banco CnH Capital, Casa Fiat de Cultura, Fiat do Brasil, Fiat Finanças, Fiat revi, Fiat Services, Fiat group Purchasing/Fast Buyer, Fides Corretagens de Seguro, Fundação Fiat, Fundação Torino e Isvor (Instituto de Desenvolvimento organizacional do grupo Fiat)

MUNDOFIAT

15


gesTão

Gerar no presente

as bases para o futuro Comitês de Sustentabilidade, Indicadores Ethos e metodologia WCM são ferramentas que contribuem para a adoção de práticas sustentáveis, incorporadas à rotina do trabalho e ao centro da estratégia dos negócios

C Divulgação Fiat

WCM avança na linha produtiva, com ganhos ambientais

18

omo uma bússola sempre apontada para o futuro, a sustentabilidade carrega em si um importante princípio: o de ser um processo contínuo, ou seja, cada estágio de aprimoramento atingido é a base para um novo processo de práticas ainda melhores. Em grande parte das

empresas do Grupo Fiat/Chrysler, esse desafio é vencido por meio dos Comitês de Sustentabilidade, que atuam no desenvolvimento de programas e projetos, fazendo desse movimento a semente de novas conquistas. Para garantir a gestão qualificada dos programas de sustentabilidade,

os comitês são representados por diferentes áreas das empresas e, para chegar ao centro da estratégia dos negócios, têm como dimensões os funcionários, os processos, os produtos, os parceiros (fornecedores) e a comunidade. Nesse processo, os Indicadores Ethos, além do Global Report Initiative (GRI), cujos padrões são utilizados internacionalmente pelo Grupo Fiat, são ferramentas que tornam possível a prática da sustentabilidade de forma sistêmica, abrangendo a cadeia produtiva. A dinâmica dos Indicadores Ethos tem como ponto de partida o preenchimento de um questionário detalhado, dividido em sete temas (ver quadro ao lado) que dão origem a 40 indicadores, para identificar as oportunidades de melhorias. O Unie-

SETE PILARES DE AVALIAÇÃO INDICADORES ETHOS 1 – Valores, Transparência e governança 2 – Público Interno 3 – Meio Ambiente 4 – Fornecedores 5 – Consumidores e Clientes 6 – Comunidade 7 – governo e Sociedade

thos avalia as respostas e prepara um relatório que permite à empresa desenvolver planos de ação. A Comau iniciou os trabalhos em 2010 e já está elaborando projetos a partir dos pontos a serem aprimorados. "Os Indicadores Ethos são ferramentas de autoavaliação que nos auxiliam a identificar os problemas e as soluções, gerando inovações, novos conceitos e perspectivas", destaca a gerente de Comunicação, Sustentabilidade e Mobilidade Internacional da Comau, Tarcísia Ramalho. O Comitê de Sustentabilidade da Teksid existe desde 2009 e a adoção dos Indicadores Ethos vem permitindo a empresa ir além das exigências legais, encontrando novas possibilidades de atuação. O fato de ser a primeira fundição do mundo a obter a certificação Carbon Footprint, a partir do monitoramento e redução das emissões dos gases de efeito estufa (GEE), é um reflexo direto dessa premissa de estar sempre um passo à frente. "Desde 2009 evoluímos, sobretudo, nos pilares Fornecedores, Consumidores e Clientes, Comunidade e Meio Ambiente. Tudo isso graças à atuação do Comitê que monitora constantemente o desempenho da empresa e está sempre atento às melhorias possíveis”, ressalta Pollyane Almeida Bastos, responsável pelo Comitê da Teksid.

MUNDOFIAT

19


Ignácio Costa

Facilitadores Ambientais da Iveco em ação

20

MUNDOFIAT

Outra importante metodologia que norteia os programas e projetos voltados para a sustentabilidade é o World Class Manufacturing (WCM), adotado pelas empresas do Grupo Fiat que têm processo de produção de manufatura. O sistema é focado na eliminação de perdas e desperdícios e na melhoria acentuada de eficiência na produção. Implantado a partir de 2007, opera sobre 10 pilares técnicos: Segurança, Desdobramento de Custos, Melhoria Focada, Organização do Posto de Trabalho/Manutenção Autônoma (atividades autônomas), Manutenção Profissional, Gestão Preventiva de Equipamentos, Controle de Qualidade, Logística, Desenvolvimento de Pessoas e Meio Ambiente. E se o combustível do futuro é a eficiência, na fábrica da Iveco, em Sete Lagoas (MG), o Pilar Meio Ambiente do WCM ganhou um reforço especial. Os Facilitadores Ambientais estão de olhos atentos para identificar possíveis melhorias e disseminar no-

vas práticas em todas as áreas da empresa. Com "mandato" de três meses, a proposta é estimular a participação do maior número de pessoas. "A presença do Facilitador Ambiental é eficaz devido à atuação de mobilização, trazendo a temática ambiental para a rotina do trabalho", afirma a analista ambiental da Iveco, Mariana Lanza. Na avaliação do gerente WCM Fiat/Chrysler para a América Latina, Jasson de Azevedo, a metodologia contribui para disseminar no chão de fábrica os conceitos da sustentabilidade no momento em que impulsiona novas atitudes e posturas dos empregados. "Os próprios funcionários são estimulados a liderar as mudanças para reduzir perdas e desperdícios em uma visão primeiramente reativa e que se torna preventiva e proativa na ótica do melhoramento contínuo, antecipando problemas e atuando para evitá-los. É ter as mãos no presente e os olhos sempre voltados para o futuro", afirma.

Fiat S.p.A. e Fiat Industrial confirmadas nos índices mundial e europeu de Sustentabilidade da Dow Jones Pelo quarto ano consecutivo, a Fiat S.p.A., holding global que reúne as operações de automóveis, componentes e serviços do Grupo, foi incluída nos índices de Sustentabilidade Mundial e Europeu da Dow Jones (DJSI), recebendo uma nota de 91/100, em comparação com uma média geral de 74/100 para empresas do setor automotivo avaliadas pela SAM – empresa especialista em investimento sustentável. A holding Fiat Industrial, que engloba a produção de caminhões, ônibus, máquinas agrícolas, de construção e seus motores, foi confirmada pelo segundo ano consecutivo como Sector Leader nos índices de Sustentabilidade Mundial e Europeu da Dow Jones (DJSI), alcançando pontuação de 85/100, frente à média setorial de 51/100. A inclusão nos prestigiosos índices de equidade DJSI Mundial e DJSI Europeu é limitada a empresas consideradas de primeira classe, em termos de desempenho econômico, assim como ambiental e social. O CEO da Fiat, Sergio Marchionne, comentou: “Uma cultura de responsabilidade é integral para o modelo de negócios do Grupo Fiat, porque acreditamos que o verdadeiro valor de uma organização multinacional como a nossa também é determinado por seu nível de consciência ambiental, respeito pelas pessoas, conduta justa e transparente em relacionamentos comerciais e contribuição

positiva para as comunidades locais”. A qualificação para o DJSI baseia-se em uma gama de critérios de seleção em três dimensões distintas (econômica, ambiental e social), nas quais o conceito de sustentabilidade é baseado. A análise da dimensão econômica examina governança corporativa, gerenciamento de risco, código de conduta, gerenciamento da marca, gerenciamento da cadeia de fornecimento e processo de inovação. Para a dimensão ambiental, a análise cobre relatórios, políticas e gerenciamento ambientais, gestão responsável de produtos, estratégia para mudanças climáticas e redução de emissões, assim como ecoeficiência operacional. Para a dimensão social, os fatores considerados incluem relatórios sociais, desenvolvimento e gerenciamento do capital humano, direitos humanos, cidadania corporativa e filantropia, saúde e segurança ocupacionais e engajamento de stakeholders.

Divulgação Fiat

gesTão

Foco na eliminação de perdas e desperdício

Sergio Marchionne: “Uma cultura de responsabilidade é integral para o modelo de negócios do Grupo Fiat”

MUNDOFIAT

21


gesTão

Decidir hoje pensando no amanhã À frente da coordenação do Comitê de Sustentabilidade da Fiat/Chrysler, o diretor de Comunicação e Sustentabilidade, Marco Antônio Lage, faz uma avaliação dos caminhos já percorridos e aponta os desafios para acelerar os passos

Divulgação Fiat

Marco Antônio Lage: “Sustentabilidade requer consciência e conhecimento e também pressupõe responsabilidades”

22

MUNDOFIAT

A sustentabilidade deve ser incorporada à estratégia da empresa, fazendo com que deixe a periferia das ações pontuais e esporádicas e passe a orientar as decisões de negócios. Ao decidir por esse caminho, percebemos que é um desafio contínuo, pois a cada dia novas demandas surgem, levando a processos de evolução permanente. E as transformações estão acontecendo. São mudanças que, no curto e longo prazos, permitem identificar novas oportunidades de negócios, reduzir custos de produção e minimizar impactos ambientais, gerando valor para toda sociedade, além de fortalecer a marca. A Fiat Automóveis já deu passos muito importantes, como a criação do Comitê de Sustentabilidade e a inclu-

são do tema em seu mapa estratégico. Hoje, estamos elaborando, no âmbito do Comitê de Sustentabilidade e em parceria com o Uniethos, um Plano de Sustentabilidade Integrado, considerando nossos diferentes stakeholders.

Não se pode fazer mudanças sem a participação efetiva dos colaboradores e fornecedores, assim como de outros públicos, como governo e comunidade. Os indivíduos precisam se sentir parte da solução e não do problema. Acreditamos que a imagem institucional é construída de dentro para fora e deve refletir os valores que são cultivados internamente. Por isso, não basta desenvolver ações orientadas para a sustentabilidade no desenvolvimento dos produtos. É preciso que essas políticas toquem e sensibilizem nossos stakeholders, para que o modelo se transforme em atitudes e comportamentos. Nesse processo, destaco a publicação da nova versão do Código de Conduta do Grupo Fiat em 2010, complementado posteriormente por diretrizes sobre temas específicos, que apresentou um texto inovador ao incluir entre seus stakeholders as futuras gerações e estender os requisitos de um modelo mais sustentável de negócios a toda a cadeia de fornecedores.

Devemos criar valor para a sociedade não apenas produzindo e distribuindo bens e serviços, mas gerando bem-estar social. Empresas são agentes de desenvolvimento e, nessa ótica, temos que atender às nossas necessidade de produção sem comprometer o futuro, deixando para as próximas gerações um legado de integridade.

Sustentabilidade requer consciência e conhecimento e também pressupõe responsabilidades. Esse novo modo de pensar e fazer negócios, através do olhar estratégico da sustentabilidade, considera que as empresas devem ir além de suas atividades fim, estendendo ações para toda sua cadeia de valor, considerando o ciclo de vida dos produtos. No cenário atual em que a indústria automotiva é uma importante alavanca para o desenvolvimento socioeconômico do País e os mercados estão mais atentos e rigorosos quanto aos problemas socioambientais, verifica-se a necessidade de um novo posicionamento do setor como agente de mudanças. Isso implica, por exemplo, a construção de um novo conceito de mobilidade – cujo pilar é, dentre outros, o uso responsável do automóvel.

Manter uma posição de liderança de resultados nas dimensões econômica, ambiental e social pressupõe estabelecer relacionamentos adequados e transparentes com cada stakeholder, além de investir em qualidade e inovação. Outro conceito-chave da estratégia de sustentabilidade é a gestão integrada com o envolvimento das diferentes áreas das empresas e de toda a cadeia produtiva nos mesmos objetivos, coordenando objetivos de curto prazo com visões de longo prazo.

Empresas pouco transparentes são cada vez percebidas como sendo menos prósperas e insustentáveis. Vejo as redes sociais como instrumento para a mudança do patamar de consciência da sociedade, pois são eficientes para mobilizar, para criar comunidades que exerçam a cidadania e pressionem positivamente a sociedade para mudanças. A partir dessa constatação, associada à evolução do comportamento do consumidor, a Fiat investiu na criação do Social Drive, plataforma que conecta o motorista às redes sociais e aos portais de notícias enquanto dirige, pelo comando de voz. O Novo Punto é o primeiro carro a trazer esse serviço, que é uma inovação. Em outubro de 2012, a Fiat foi a primeira empresa do setor automotivo no Brasil a alcançar 1 milhão de fãs no Facebook. O número conquistado destaca a importância das redes sociais na nossa estratégia de comunicação.

MUNDOFIAT

23


A estratégia para a sustentabilidade tem como ponto central o homem, que é, ao mesmo tempo, a razão de ser de toda a ação sustentável e o agente capaz de efetivar mudanças

e fornecedores. “Na pós-graduação, os alunos são incentivados a desenvolver o trabalho de final de curso com foco na aplicabilidade industrial. Isso representa oportunidades de inovação de processo”, afirma a

Vencedores da edição 2012 do Prêmio Fiat de Educação comemoram com diretores do Grupo Fiat/Chrysler Divulgação Fiat

gesTão

O jeito de ser e fazer

Betim (MG), foi criado em 2003 para atender a essa demanda e oferece cursos técnicos, profissionalizantes e de pós-graduação, com aulas presenciais e a distância, trazendo como diferencial o envolvimento de parceiros

A

evolução contínua dos processos e a inovação dos produtos são apenas alguns fatores da complexa equação da sustentabilidade. O público interno das empresas é o ponto de partida de muitas das iniciativas voltadas para consolidar o modelo sustentável de negócios, com estratégias que envolvem disseminar conhecimento, melhorar continuamente a qualidade do ambiente de trabalho e valorizar o colaborador, em ações que se complementam e são os alicerces para impulsionar mudanças de atitudes e comportamentos. Investir no crescimento humano e profissional dos empregados é, portanto, uma diretriz central da estratégia para a sustentabilidade. O Centro de Competências, localizado dentro da fábrica da Fiat Automóveis, em

A Fundação Torino

Cada passo, uma conquista.

Uma escola internacional que oferece a seu filho, da educação infantil ao ensino médio, uma formação com projeto pedagógico brasileiro e europeu. Em cada passo do percurso escolar, ele tem acesso a muitas oportunidades que o colocam à frente no mundo, ampliando-lhe os horizontes e conquistas. Num ambiente interativo com relacionamentos saudáveis, línguas estrangeiras, esporte, intercâmbio e muito mais.

Siga o nosso caminho e dê novos passos para o futuro do seu filho.


A família dos colaboradores também está no foco das ações. Muitas dessas iniciativas têm à frente a Fundação Fiat, que atende às empresas do Grupo com programas de promoção da saúde, entretenimento e desenvolvimento social. E se o desafio é preparar as organizações para a o futuro, o caminho é reforçar as ações de estímulo à educação. O Prêmio Fiat de Educação, criado em 1997 pela Fiat S.p.A., premia os filhos de empregados do Grupo que se destacaram no desempenho escolar ao longo da vida acadêmica. Em 2012, foram distribuídos 100 prêmios de R$ 4 mil na categoria Ensino Médio e 30 prêmios de R$ 8 mil na categoria Ensino Superior. Desde sua primeira edição até hoje, quase dois mil estudantes foram beneficiados com um valor total que atinge mais de R$ 6 milhões. “O Prêmio Fiat de Educação representa vivamente a filosofia do Grupo Fiat/Chrysler de valorizar o esforço e as boas práticas na busca do melhor para nossos funcionários, para suas famílias e sociedade”, afirmou o presidente do Grupo Fiat/Chrysler para a América Latina, Cledorvino Belini, durante a solenidade de entrega da edição 2012 do Prêmio, realizada em dezembro.

Intercâmbio e viagem à Europa

Esportes, tecnologia, teatro, balé, judô e capoeira

Vivência multicultural

Opção de horário integral

Valorizar a diversidade para integrar POr LILIAn LoBATo As diferenças, muitas vezes, são um empecilho para manter as boas relações. Por outro lado, a diversidade agrega valor e até integra as pessoas, estando aliada à sustentabilidade. Na Comau, é realizado, há dois anos, o treinamento em Diversidade para os supervisores da empresa em todo o Brasil. A proposta é valorizar o potencial de cada colaborador. Durante a atividade, são abordados assuntos como preconceito racial, inclusão, sexualidade e também a relação com o meio ambiente. "A iniciativa faz com que os supervisores entendam que é possível trabalhar em equipe, respeitando as diferenças de cada profissional. O papel do líder é extrair o que há de melhor nos colaboradores", ressalta a analista de Desenvolvimento da Comau, Maiara Lima. Ao todo, a Comau em Minas Gerais reúne 200 supervisores. Durante esses dois anos, cerca de 130 profissionais passaram pelo treinamento. Em 2012, foram realizadas três edições e novos cursos já estão previstos para 2013. O treinamento em Diversidade foi ministrado pela gerente de Comuni-

Divulgação Comau

gesTão

diretora do Centro de Competências, Silvana Rizzioli. Em 2012, no período de janeiro a outubro, foram realizadas mais de 200 mil horas de treinamento, incluindo palestras, cursos de idiomas técnicos instrumentais, profissionalizantes e de pós-graduação. Atualmente, o Centro de Competências mantém convênio com 12 universidades no exterior, 10 entidades governamentais e 97 instituições acadêmicas brasileiras. Além de cursos e capacitações, o estímulo ao desenvolvimento de novas competências e habilidades passa pela gestão do ambiente de trabalho. Nesse quesito, a Case New Holland (CNH) já colhe os resultados. Pelo sétimo ano consecutivo, a organização está presente no ranking das revistas Exame e Você S/A, que aponta as 150 melhores empresas para se trabalhar no Brasil. As ações voltadas para o bem-estar dos funcionários envolvem o programa “Viva Bem – Qualidade de Vida em Foco”, que promove campanhas periódicas para prevenção de doenças, saúde da mulher, perda auditiva, dicas de alimentação saudável, vacinação, programas de auxílio a fumantes e dependentes químicos.

cação, Sustentabilidade e Mobilidade Internacional, Tarcísia Ramalho. De acordo com ela, é preciso desmitificar preconceitos. "Ainda existem pessoas que têm dificuldade de trabalhar com funcionários mais jovens. Outras têm resistência às mudanças e precisam se abrir para novas culturas. Somos essencialmente diversos e respeitar a diversidade é a riqueza do relacionamento", avalia. O treinamento em Diversidade é um dos módulos do programa Supervisor de Classe Mundial, que ainda conta com os temas Feedback, Cultura de Serviços, Liderança e Gestão de Pessoas, WCM e Qualidade e Segurança.

Da Ed. Infantil ao Ens. Médio e Técnico

Seleção 2013 fundacaotorino.com.br

(31) 3289.4200

Supervisores participam de treinamento sobre inclusão e diversidade


gesTão

Family Day na Argentina POr LILIAn LoBATo

Ignácio Costa

As ações de valorização dos empregados também passam por projetos que incluem a família. Esse princípio tem sido seguido à risca pela FPT Industrial. Para comemorar o início da produção da nova unidade de Córdoba, na Argentina, a empresa realizou, em setembro, o primeiro Family Day da planta. Ao todo, 350 pessoas estiveram presentes no evento. “A família é a sustentação fundamental de qualquer pessoa e a harmonia desse vínculo se traduz em um melhor desempenho do empregado e, portanto, em um melhor produto”, ressalta Eduardo Lopez, responsável de Recursos Humanos da planta argentina. O Family Day reuniu diversas atrações. Além de jogos para as crianças e apresentação de ginastas e acrobatas, os participantes visitaram a fábrica para conhecer o processo de produção dos motores. O CEO da FPT Industrial

Alimentação mais saudável POr LILIAn LoBATo Preparar continuamente a empresa para o futuro significa investir na valorização dos colaboradores e disseminar a cultura da prevenção de doenças e da promoção da saúde. O hábito de manter uma alimentação saudável reflete tanto na vida pessoal como profissional. Com isso, a Fiat Automóveis está de olho nos perigos que o consumo excessivo de sal pode causar. A empresa já deu o primeiro passo e, ao longo de 2012, reduziu a utilização do ingrediente na receita do pão francês, produzido para consumo interno. Conforme a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) – que propôs o Guia de Boas Práticas Nutricionais para orientar os serviços de alimentação na preparação de refeições mais saudáveis – o excesso de sal na alimentação faz mal à saúde e pode causar problemas como pressão alta, doenças nos rins e no coração. De acordo com o Guia, o consumo diário de sódio recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é de dois mil miligramas, o que equivale a cinco gramas de sal por dia (uma colher de chá). Entretanto, no Brasil, o consumo diário chega a aproxima-

28

MUNDOFIAT

damente 12 gramas per capita. Em média, um pão francês de 50 gramas apresenta 320 miligramas de sódio. Como o brasileiro consome cerca de 90 gramas de pão por dia, pode-se chegar a um consumo de 576 miligramas de sódio, ou seja, mais de um quarto da quantidade diária total recomendada. “A empresa busca sempre oferecer uma alimentação saudável aos funcionários. Apesar de a Anvisa estipular a redução do ingrediente em vários alimentos, começamos pelo pão francês por ser produzido na fábrica”, ressalta a nutricionista da Fiat, Andreia Cristina Figueiredo. A produção do pãozinho é feita pela Sapore, empresa especializada em alimentação coletiva. Ao todo, são produzidos de 20 a 25 mil pães por dia na fábrica da Fiat, em Betim (MG). De acordo com a coordenadora de projetos da Sapore, Renata Moreira, a modificação da receita do pãozinho aconteceu por etapas, sendo necessário um teste piloto para verificar se haveria alteração na qualidade do produto, sabor, crocância, aparência e formação do miolo.

Fotos Divulgacao FPT

São produzidos por dia, na Fiat, 25 mil pães, que tiveram receita alterada para reduzir o sal

para América Latina, Enrico Vassallo, destaca a importância do evento e comemora o começo da vida produtiva da fábrica: "Nossa planta na Argentina é um grande orgulho. Estamos trabalhando muito para que seja um exemplo. Inovamos tanto em produtos como nos serviços prestados aos clientes". Para o plant manager da unidade Argentina, Carmine Pilolli, o Family Day foi um momento muito especial para a FPT Industrial. “Foi a primeira vez que mostramos integralmente ao público a nova planta de Córdoba, construída desde o princípio, dia após dia, com paixão, empenho, capacidade e inteligência”. Em seis meses, a planta foi erguida com novas instalações e utilidades. Ganhou também uma linha de montagem de motores pesados Cursor, com capacidade de 14 mil propulsores por ano. O processo de montagem, que inclui a prova de 100% dos produtos, foi desenvolvido sob a ótica do World Class Manufacturing (WCM). Com isso, aspectos que envolvem segurança, meio ambiente, manutenção, qualidade e ergonomia estão em primeiro lugar. “Com esse processo de produção, resultado de investimentos da ordem de 100 milhões de pesos, a planta de Córdoba vai colaborar para que a FPT se mantenha líder na fabricação mundial de motores. O objetivo é sermos sempre protagonistas dessa liderança”, destaca o plant manager.

Funcionários e familiares estiveram presentes em evento, que contou com diversas atrações

MUNDOFIAT

29


Um grupo comprometido

Fórum de Fornecedores desenvolve ações com foco no fortalecimento do relacionamento e avança para a disseminação de princípios e práticas socioambientais na cadeia de negócios

As possibilidades e os desafios que se apresentam com a economia verde integram a agenda de prioridades do Grupo Fiat, que busca o aprimoramento constante do processo produtivo

cadeia de fornecedores

meio ambienTe

gesTão

Sustentabilidade na

com as futuras gerações

POr eLLen DIAS e LILIAn LoBATo

Divulgação Aethra

Aethra desenvolveu uma nova geração de tanques de combustíveis, mais ecológica

30

MUNDOFIAT

tema sustentabilidade. "Com o Grupo de Sustentabilidade, os fornecedores têm a oportunidade de trabalhar em conjunto ações relacionadas ao tema e que são de interesse comum", afirma Fernando Fidelis, do Fórum de Fornecedores do Group Purchasing, a divisão mundial de compras do Grupo. Como resultado desse esforço, os fornecedores já promovem mudanças no processo produtivo. É o caso da Lear, empresa com unidade em Betim (MG), que fabrica os bancos dos veículos, e investiu na construção de uma moderna Estação de Tratamento de Efluentes (ETE). O produto também foi alvo de melhorias com foco na sustentabilidade. “Em conjunto com a empresa parceira na produção de espumas, apresentamos à Fiat Automóveis uma proposta para emprego do poliol de soja em substituição à espuma derivada do petróleo”, conta Luciano Caldeira, plant manager da Lear. Na Aethra, também localizada em Betim (MG), o mix de produtos que fornece para a Fiat Automóveis também passou por mudanças. "Desenvolvemos a nova geração de tanques de combustíveis em chapas de aço com revestimento organometálico, totalmente ecológico. O novo tanque atende às mais rigorosas normas ambientais PZEV da Califórnia – EUA e a Euro 5", informa o superintendente de Engenharia da Aethra, Marley de Souza Lemos.

T

ransformar em prática os preceitos do desenvolvimento sustentável é uma regra do Grupo Fiat/ Chrysler. O caminho para a consolidação da política de gestão ambiental passa pela prevenção dos impactos, uso racional dos recursos naturais, investimentos em tecnologias e treinamento das equipes, em procedimentos

que têm como alicerces a certificação ISO 14001. Nessa trajetória, a Fiat Automóveis, em Betim (MG), é referência nacional. Foi a primeira fábrica de automóveis leves e de passeio do País a conquistar a ISO 14001, há 15 anos. "Desde então, realizamos projetos contínuos e simultâneos que envol-

Complexo de Tratamento de Efluentes da Fiat Automóveis: uma das mais modernas da América Latina

Fotos Ignácio Costa

O

s requisitos de um modelo sustentável de negócios devem ultrapassar os limites das empresas e alcançar a sua cadeia de fornecedores. Guiado por esse princípio, o Grupo Fiat/Chrysler tem como estratégia, para seleção desses parceiros, critérios que vão além da qualidade e da competitividade dos produtos e serviços. O comprometimento com a sustentabilidade é também um parâmetro central de avaliação. Dentro dessa dinâmica, o Fórum de Fornecedores mantém no plano de trabalho um grupo dedicado ao

MUNDOFIAT

31


meio ambienTe Colaboradores da Iveco vestem uniformes feitos com tecido de pet

vem o controle rigoroso dos aspectos ambientais da atividade, o uso responsável de matérias-primas, o programa difusor de WCM (World Class Manufacturing), o engajamento dos colaboradores e a disseminação da cultura da sustentabilidade entre os parceiros de negócio", explica Cristiano Felix, gerente de Meio Ambiente, Saúde e Segurança do Trabalho da Fiat/Chrysler para a América Latina.

Somente nos últimos cinco anos, os investimentos ultrapassaram R$ 20 milhões – recursos que sinalizam a aposta da Fiat Automóveis em tecnologias mais eficientes e eficazes para prevenir e reduzir os impactos. Um exemplo é o Complexo de Tratamento de Efluentes Líquidos, em atividade desde 2010 e uma das mais modernas da América Latina, trazendo como diferencial os sistemas de membrana (MBR) e de osmose reversa (OR). “Com a instalação dos novos equipamentos, o índice de recirculação de água alcançou 99%. Na prática, significa a quase eliminação da captação da água potável da rede pública para o uso industrial e uma economia que corresponde, em valores, ao abastecimento de uma cidade de 30 mil habitantes", destaca Cristiano Felix. Aliados aos investimentos, a empresa também reúne indicadores que traduzem o esforço para reduzir a geração de resíduos e o consumo de energia (ver quadro ao lado). "Trabalhamos fortemente com a metodologia WCM, que nos permite obter grandes resultados com os investimentos corretos”, completa Gabriel Castro, difusor de WCM. UnIForMeS eCoLógICoS Para a Iveco, a obtenção da certificação, em 2010, é a conquista da melhor eficiência do desempenho ambiental. Incansável, a equipe de Meio Ambiente quer avançar sempre mais e busca implementar mudanças em todas as áreas da fábrica de Sete Lagoas (MG). Até os uniformes foram alvo de avaliação e, desde 2011, o tecido contém fibras de pet. “O número de calças e camisas adquiridos em 2011 somou 12 mil peças. A partir dessa ação, 5,5 mil garrafas pet foram retiradas do meio ambiente, além de contribuirmos com a geração de trabalho e renda, impulsionando a cadeia de reciclagem", diz a coordenadora de Energia e Ecologia da Iveco, Gracielle Muniz.

32

MUNDOFIAT

FIAT AUTOMÓVEIS: OS AVANÇOS DA ISO 14001

ENERGIA ELÉTRICA

1994

ÁGUA

kWh/veículo

1994

REÚSO DE ÁGUA

m3/veículo

2011

1994

- 56% - 68%

2011

2011

60%

Redução de 68%

Redução de 56%

60% para 99%

GERAÇÃO DE RESÍDUOS

1994

99%

REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS

Kg/veículo

2011

- 44%

1994

2011

70%

100%

70% para 100%

Redução de 44%

Como resultado da ISO 14001, a planta de Sete Lagoas (MG) da FPT Industrial registra, desde 2009, queda contínua dos indicadores de geração de resíduos, consumo de água e de energia (ver quadro abaixo). “Os avanços são resultado de uma combinação de investimentos em gestão ambiental e capacitação das equipes para a diminuição do desperdício. Os ganhos não se limitam à redução de custos e ganho de produtividade, envolvendo também a conservação de recursos na-

turais não renováveis", destaca Flávio Silva de Paula, responsável pela área de EHS da unidade. Os indicadores positivos dão fôlego para a empresa continuar com ações diversificadas, sempre de olho na sustentabilidade. Ainda no primeiro semestre de 2013, a FPT Industrial irá substituir o gás R22, presente no ar condicionado e nocivo à camada de ozônio, para outro, ecologicamente correto, antecipando-se à legislação.

FPT INDUSTRIAL/SETE LAGOAS (MG): OS AVANÇOS DA ISO 14001

ENERGIA ELÉTRICA

2009

kWh/item produzido

GERAÇÃO DE RESÍDUOS

ÁGUA

2009

m3/item produzido

- 30%

2011

Redução de 30%

- 29%

2009

Kg/item produzido

- 22%

2011

2011

Redução de 29%

Redução de 22%

MUNDOFIAT

33


Uso de ferro-gusa na forma líquida é um diferencial da Teksid, que conquistou a certificação Carbon Footprint

34

A decisão estratégica de buscar a competitividade aliada à sustentabilidade tem conduzido o Grupo Fiat a percorrer uma trajetória marcada pelo pioneirismo. Assim como a Fiat, a Teksid foi a primeira fundição do Brasil a conquistar a ISO 14001, há 12 anos. Outro título que a Teksid comemora é ser a única fundição do mundo a obter a certificação Carbon Footprint, a partir do monitoramento das emissões dos gases de efeito estufa (GEE). "Estamos atualizando o inventário para renovar a certificação em 2013", conta o responsável pela Segurança do Trabalho e Meio Ambiente da Teksid, Ezequiel Filho. A certificação da pegada de carbono foi obtida após a confirmação de que as emissões de GEE da Teksid são 25% inferiores à média mundial das indústrias de fundição no processo de fabricação de blocos de motor. De acordo com Ezequiel Filho, foi necessária a elaboração de um inventário com a análise do ciclo de vida dos produtos, desde a extração da matéria-prima até

o cliente final. “A utilização do ferro-gusa na forma líquida, transportado em veículos especiais diretamente da siderúrgica até a Teksid, foi um diferencial que impactou na obtenção da certificação", conta. Essa iniciativa reduz em 32% o consumo de energia. Com o objetivo de reduzir a pegada de carbono, a Fiat Automóveis, a Magneti Marelli, a Iveco e a CNH também fazem a contabilidade de CO2. “O inventário aponta os pontos críticos para que possamos melhorá-los. A partir desses dados, a Fiat já efetivou mudanças como a implantação do monitoramento online de CO2 nas caldeiras, a otimização da logística de cargas com a redução do número de viagens, dentro outras ações", diz Cristiano Felix, gerente de Meio Ambiente, Saúde e Segurança do Trabalho da Fiat/Chrysler para a América Latina. As plantas de Amparo e Hortolândia (SP) da Magneti Marelli foram as primeiras do Grupo Fiat a concluírem o inventário de carbono em 2010. “Em 2012, estendemos a ação para

Divulgação Fiat

meio ambienTe

Rastros de sustentabilidade todas as unidades do País", ressalta Heber Braida, responsável corporativo pela área de Meio Ambiente e Segurança do Trabalho da Magneti Marelli. Ainda de acordo com ele, a empresa somou, no período de 2004 a 2011, investimentos de R$ 62 milhões em projetos ambientais nas oito plantas do Brasil. CoMProMISSo MUnDIAL A Fiat S.p.A. acabou de ser admitida no Carbon Disclosure Leadership Index (CDLI) e no Carbon Performance Leadership Index (CDLI), de acordo com o CDP Italy 100 Climate Change Report (Relatório sobre Mudanças Climáticas) de 2012, publicado pela Accenture S.p.A. e CDP. A Fiat recebeu a maior pontuação pela transparência na divulgação (95/100) e a pontuação máxima (“A") por seu compromisso com a diminuição das emissões de carbono. Ambas as pontuações confirmam que a redução do impacto ambiental das atividades é parte integrante da estratégia global de negócios da Fiat. Mais demonstrações desse compromisso durante o ano de 2011 incluem a Fiat ser reconhecida, pelo quinto ano consecutivo, por seus carros apresentarem a menor média de emissões de CO2, entre as marcas mais vendidas na Europa, e as fábricas de montagem e estampagem para as marcas de grande consumo do Grupo terem alcançado uma redução de 10% em emissões de CO2 por veículo produzido em relação a 2010. O Carbon Disclosure Project (CDP) é uma organização internacional sem fins lucrativos, que fornece o único sistema global para empresas e cidades para medir, divulgar, gerir e compartilhar informações ambientais essenciais. O CDP opera em nome de 655 investidores institucionais e possui US$ 78 trilhões em ativos.

Fábrica de Goiana (PE) incorpora o knowhow do Sistema Fiat de Gestão Ambiental

De Minas a Pernambuco A fábrica da Fiat Automóveis em Goiana (PE) vai nascer com características de um modelo sustentável de baixo impacto ambiental, reproduzindo as melhores práticas já consagradas na planta de Betim (MG). As obras de terraplanagem começaram e os Estudos de Impacto Ambiental (EIA) foram apresentados à comunidade em audiência pública realizada em novembro. Entre as iniciativas ambientais já definidas, destacam-se a criação de Ilha Ecológica para o reaproveitamento e reciclagem dos resíduos gerados, a implantação da coleta seletiva e a construção de um complexo de tratamento de efluentes, que permitirá o reúso de 99% da água utilizada na unidade. “A fábrica de Goiana, desde sua concepção, já incorpora todo o know-how do Sistema Fiat de Gestão Ambiental", afirma Victor Ambrosi, diretor adjunto do Projeto Pernambuco. A previsão é de que as obras sejam concluídas em 2014.

MUNDOFIAT

35


meio ambienTe

Um passo à frente na gestão dos resíduos Para muitos, o resíduo é apenas o fim, o que sobrou. Para o Grupo Fiat, é oportunidade de matéria-prima, tecnologia e inclusão social

RAIO X DA ILHA ECOLÓGICA DA FIAT AUTOmÓVEIS Criação: 1994 Área: cerca de 20 mil m2 Número de colaboradores: 120 Principais resíduos que recebe: metal, madeira, papel, papelão, plástico, fitas adesivas etc.

Zero – Nova Visão de Gestão de Resíduos Sólidos”.

A

Fotos Ignácio Costa

Na Ilha Ecológica da Fiat Automóveis, 100% dos resíduos são encaminhados para reutilização e reciclagem

36

MUNDOFIAT

movimentação é grande. Além do entra-e-sai dos caminhões, são mais de cem pessoas que arregaçam as mangas para fazer a gestão dos resíduos que, diariamente, chegam à Ilha Ecológica da fábrica da Fiat Automóveis, em Betim (MG). No espaço de 20 mil metros quadrados, o desafio é incluir todo o material recebido na rota do reaproveitamento e da reciclagem. Meta que é cumprida pela empresa desde 2011, com o projeto “Aterro Zero”. “Adotamos como prática não enviar nenhum tipo de resíduo para os aterros licenciados”, explica Cristiano Felix, gerente de Meio Ambiente, Saúde e Segurança do Trabalho da

Fiat/Chrysler para a América Latina. Para alcançar esse resultado, são realizados diversos projetos dentro da metodologia do World Class Manufacturing (WCM) para reduzir a geração de resíduos, ampliar a coleta seletiva e buscar novas tecnologias para reciclagem e reaproveitamento dos materiais. “Mais uma vez saímos na frente e somos a primeira fábrica de automóveis do País a conquistar esse índice”, completa Cristiano Felix, que, em agosto de 2012, esteve no Rio de Janeiro para receber o 8º

Prêmio Brasil Ação Ambiental, realizado pela Câmara de Comércio Americana, com o projeto “Aterro

Para alcançar o índice de 100% de reciclagem e reaproveitamento, os materiais anteriormente enviados para os aterros foram alvo de pesquisas e estudos, na busca por novas destinações. Um exemplo foi o papel liner, comum em rótulos e etiquetas. A Ilha Ecológica recebe, por mês, 10 toneladas desse resíduo, que possui em sua composição parafina e resina. Como verdadeiros detetives, a equipe identificou uma empresa em Pernambuco que desenvolveu uma técnica inovadora de reciclagem desse tipo de papel. “Em vez de seguir para o aterro, retorna ao processo produtivo, dando origem a novos produtos”, conta o gerente. E se a tecnologia não é encontrada, o jeito é criar. Na Ilha Ecológica, está em funcionamento desde 1998 um sistema pioneiro no País de reciclagem do isopor, que é processado e transformado em matéria-prima para a produção de diversos materiais e utensílios, como vasilhames, solas para calçados, corpo de caneta e embalagens. São, em média, seis toneladas de isopor recicladas por mês. Outro caminho que, atualmente, 300 toneladas de resíduos mensalmente percorrem é rumo às fábricas de cimento. Por meio do coprocessamento, os resíduos industriais são totalmente reaproveitados como matéria-prima ou como fonte de geração de energia térmica. O coprocessamento também tem sido o destino dos resíduos perigosos, como EPI e PVC contaminados, cola

de vidro e filtros de óleo, gerados no processo produtivo da Iveco, em Sete Lagoas (MG). “Antes, essas sobras eram incineradas, acarretando um custo que chegava a R$ 1,5 mil por tonelada, além dos impactos ao meio ambiente, pois gerava cinzas que eram destinadas em aterros industriais”, explica Gustavo Passos, analista ambiental da Iveco. Atualmente, cerca de 25 toneladas de resíduos perigosos

No processo de reciclagem, o isopor é submetido ao calor, adquirindo o formato de filetes. Depois de resfriado e seco, passa por uma máquina de picotes, que transforma os filetes em grânulos

MUNDOFIAT

37


Divulgação FPT

Na Iveco, todos os resíduos classificados como perigosos são encaminhados para coprocessamento nas fábricas de cimento

são enviadas, por mês, para os fornos das fábricas de cimento. “Além de ampliarmos nosso índice de reapro-

veitamento, ainda reduzimos os custos, com uma economia que chega a R$ 200 mil por ano”, completa.

Ideias simples com resultados sustentáveis

Ecobag mobiliza costureiras da Cooperárvore

Divulg

ação

os retalhos de cinto de segurança que chegam à Ilha ecológica da Fiat, rapidamente passam para as mãos das 22 mulheres que integram a Cooperárvore, cooperativa do programa Árvore da Vida – Jardim Teresópolis. Com criatividade, transformam-se em matéria-prima para a produção de ecobags para porta-malas. Idealizada pela área de Planejamento e estratégia de Produto da Fiat e desenvolvida pela Plataforma de

38

MUNDOFIAT

Acessórios da engenharia da Fiat, a ecobag é uma alternativa sustentável para a organização segura dos produtos no porta-malas dos veículos, dispensando o uso de sacolas plásticas. "os consumidores que adquirirem esse produto estão comprando muito mais do que uma sacola. estão engajados em uma ação voltada para a inclusão social", reforça o supervisor de Acessórios da área de Planejamento e estratégia de Produto, Leonardo Cavaliere. Além de cintos, outra matéria-prima é o tecido de pet. o produto foi lançado em 2012 e está à venda nas concessionárias. A produção das ecobags é feita exclusivamente pela Cooperárvore, gerando emprego e renda para famílias do Jardim Teresópolis, região do entorno da fábrica da Fiat, em Betim (Mg), caracterizada por altos índices de vulnerabilidade social, como analfabetismo, desemprego e violência. De acordo com Cavaliere, em breve novos produtos irão aumentar a gama de acessórios produzida pela cooperativa.

Antes de seguir para a indústria da reciclagem, os copos plásticos são moídos em equipamento da Ilha Ecológica da Fiat

A gestão adequada dos resíduos pode demandar tecnologia e anos de pesquisa, como aconteceu com o isopor. Mas, com ações simples também é possível colocar em prática o princípio da reutilização. Na planta da FPT Industrial, em Sete Lagoas (MG), as embalagens plásticas (galões) transformam-se em lixeiras, em uma iniciativa que chegou a despertar a atenção da Universidade Norte do Paraná (Unopar). Para incentivar a prática da coleta seletiva, são construídos kits com as embalagens para a destinação do papel, plástico, metal, vidro e resíduo orgânico, com cores diferenciadas. "A parceria com a instituição de ensino viabilizará a implantação dos kits em escolas públicas da cidade", explica Denis Amorim, técnico em Segurança e Gestão Ambiental da unidade. Outra iniciativa que tem gerado resultados que extrapolam os muros da fábrica da FPT é a doação de resíduos de madeira para a Floresta Nacional de Paraopeba – unidade de conservação em Minas Gerais, administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Lá, a madeira é reutilizada na oficina de marcenaria e em projetos sociais, que promovem a confecção de brinquedos, móveis e objetos para uso em creches, escolas e associações. Em 2011, foram doados mais de 5 mil Kg. Em 2012, o valor chegará a 12 mil Kg. “Sem essa parceria, não seria possível o desenvolvimento do projeto que visa à inclusão de jovens em situação de vulnerabilidade social”, conta a gerente da Floresta Nacional de Paraopeba, Rosângela Ribeiro Silva.

MUNDOFIAT

39


Divulgação CnH

meio ambienTe

com água e produtos químicos diferentes. “Como o conteúdo vai ficando saturado, pois as carrocerias são mergulhadas nas vascas, é preciso definir um período de descarte do efluente que, então, é encaminhado para tratamento. Elaboramos estudos que indicaram a possibilidade do aumento da periodicidade do ciclo de descarte em quatro vascas. Se o ciclo era semanal, passou a ser quinzenal. O quinzenal passou a ser mensal, sem prejuízos para a qualidade do produto”, explica Ricardo Lamounier, engenheiro que integrou a equipe.

Na unidade da CNH em Piracicaba (SP), a eficiência do tratamento do efluente é avaliada com bioindicadores (peixes)

Rotina de combate

ao desperdício P

ara não desviar a direção rumo à conservação dos recursos naturais, os processos e gestão adotados pelas empresas do Grupo Fiat/ Chrysler trazem contribuições para consolidar a cultura da sustentabilidade, alinhada à rotina do trabalho. É o caso do World Class Manufacturing (WCM), metodologia que possui o pilar “Meio Ambiente” e dissemina os princípios para a transformação contínua do ambiente de trabalho em um local mais eficiente e sustentável. Na redução do desperdício de água, por meio do WCM, os colaboradores são os protagonistas das mudanças.

40

MUNDOFIAT

PegADA HÍDrICA Na Fiat Automóveis, em Betim (MG), os passos para o uso mais eficiente de água são avaliados pelo WCM em todas as fases do processo produtivo. Em 2011, a empresa também passou a estudar esse consumo por meio da Pegada Hídrica, avaliando desde a produção da matéria-prima até o uso do veículo pelo consumidor. "Estamos consolidando os resultados, mas já foi possível sistematizar uma lógica para novos projetos e ações dentro e fora da fábrica", afirma Rodrigo Miarelli, analista de Engenharia Ambiental da Fiat. Ignácio Costa

Consumir menos água significa produzir de forma mais competitiva, com o desenvolvimento de novas tecnologias e práticas para o uso eficiente

oUTroS exeMPLoS Na Teksid, em Betim (MG), com a economia gerada pelo reúso da água que, após tratamento, retorna ao processo produtivo, é possível abastecer cerca de 800 residências de até quatro pessoas. O armazenamento da água da chuva, na planta da Fiat em Campo Largo (PR), resulta no aproveitamento anual de 2,7 mil metros cúbicos de água, que é utilizada nas torres de resfriamento. Na unidade de Piracicaba (SP) da CNH, além das ações para reduzir as perdas, o tratamento do efluente é

motivo de orgulho. Associado à Estação de Tratamento de Efluente (ETE), foi construído um pequeno lago com peixes, que atuam como indicadores naturais da eficiência do processo. “O biomonitoramento é importante para avaliação de longo prazo, proporcionando um ponto de vista mais amplo sobre a qualidade da água, antes de ser lançada na rede pública”, afirma Giuliano Marchiani, responsável pela área de Segurança, Saúde e Meio Ambiente da CNH para a América Latina.

Diante de um problema, buscam soluções, transformando dificuldades em vantagens competitivas. Na Iveco, em Sete Lagoas (MG), uma equipe de funcionários apresentou à empresa uma alternativa para diminuir o consumo hídrico no processo de pintura, que resultou em uma economia anual de quase nove milhões de litros – valor que equivale a cerca de 7% do gasto total na área. O processo é o seguinte: ao sair da funilaria, a carroceria passa por um pré-tratamento antes de seguir para a etapa de cataforese. No pré-tratamento, são utilizados 11 tipos de vascas

Na Iveco, mudança no pré-tratamento da carroceria gerou uma economia anual de 7% do consumo de água na área de Pintura

MUNDOFIAT

41


Divulgação Magneti Marelli

meio ambienTe

Caminhos da

eficiência energética Com monitoramento contínuo e envolvimento dos colaboradores, o Grupo Fiat/Chrysler persegue a meta de reduzir, cada vez mais, o consumo de energia

N

Ignácio Costa

Pequenas mudanças, como a introdução de equipamentos à bateria, fazem diferença no saldo final do consumo de energia

42

o quesito eficiência energética, o Grupo Fiat também traz exemplos de pioneirismo. A Comau foi a primeira empresa brasileira a obter a ISO 50001, em 2011. A Fiat Automóveis, a Iveco, a Magneti Marelli e a CNH se preparam para a conquista dessa certificação, que atesta o uso consciente de energia, sem desperdício. Máquinas e equipamentos com dispositivo para economia de energia, telhas translúcidas para iluminação natural, lâmpadas a LED

e sistema de aquecimento solar são algumas iniciativas que, associadas ao monitoramento sistemático, sinalizam o compromisso das empresas de buscar alternativas para reduzir o consumo, de forma contínua. Na Iveco, por meio da metodologia do World Class Manufacturing (WCM), os resultados estão por todos os lados. Na Unidade Operativa Funilaria da Iveco, em Sete Lagoas (MG), a economia veio com a introdução de ferramentas pneumáticas à bateria,

dando fim ao uso dos compressores. "A economia anual chegou a 185.328 kW, sem prejudicar a produtividade”, informa o analista de Tecnologia da Iveco, Hudson Leonardo dos Santos, que integrou a equipe que elaborou o projeto. “Como resultado da melhoria de máquinas e equipamentos, além de mudanças na infraestrutura dos galpões e edifícios, com a instalação de coletores solares e sistemas de iluminação e ventilação naturais, a Iveco registrou, em quatro anos, uma queda de 25% do consumo geral da fábrica", afirma a coordenadora de Energia e Ecologia da Iveco, Gracielle Muniz. Na fábrica da Fiat em Campo Largo (PR), a solução também veio com a sugestão dos colaboradores. O sistema de aquecimento implantado na área de Montagem é natural, seguindo a seguinte lógica: a água utilizada para resfriar as máquinas sai aquecida a mais de 30 graus centígrados, indo direto para um trocador de calor, que mantém a temperatura do local mais alta no período do inverno. O processo evita o consumo de 185 mil kWh/ano. Localizado em Hortolândia (SP), o Galpão 5 da Magneti Marelli foi erguido em 2009, tendo como alicerces os princípios da eficiência energética. Em plena atividade, o espaço re-

gistra queda de 30% do consumo de energia em decorrência do emprego de novas tecnologias na sala limpa, local onde é produzido o bico injetor Pico Eco®, com destaque para os sistemas de controle de climatização e umidade. O engenheiro de Instalações da Marelli, André Michel De Grande, dá uma importante dica: “Para a compra dos equipamentos, o fator energia tem que ser avaliado”. Na sala limpa do Galpão, uma única máquina faz a diferença. “Adquirimos um compressor de velocidade variável e mancal magnético, que proporciona uma redução de até 40% se comparado a um equipamento convencional”, conta.

No Galpão 5 da Magneti Marelli, em SP, a redução do consumo de energia alcança 30%

rUA ILUMInADA Na Fiat Automóveis, em Betim (MG), a mensagem da eficiência energética está nas ruas. Para iluminar as vias internas da fábrica, alguns postes incorporaram duas tecnologias: as placas fotovoltaicas, que transformam a energia solar em elétrica, e as lâmpadas a LED. “Mais uma vez a Fiat é pioneira no País ao utilizar esse tipo de iluminação em fábrica de automóveis, reforçando seu compromisso socioambiental”, destaca Cristiano Felix, gerente de Meio Ambiente, Saúde e Segurança do Trabalho da Fiat/ Chrysler para a América Latina.

MUNDOFIAT

43


Divulgação CnH

meio ambienTe

CD Integrado CNH/Iveco foi o primeiro do setor de autopeças na América Latina a conquistar a certificação

Referência em

construções ecológicas O Centro de Logística e Distribuição de Peças da CNH/Iveco e o Tech Center da Magneti Marelli compõem a rigorosa lista da Leed, que certifica edificações sustentáveis

N

o Centro de Logística e Distribuição de Peças – CD Integrado CNH/Iveco, em Sorocaba (SP),

44

MUNDOFIAT

cada metro quadrado foi cuidadosamente planejado, seguindo à risca os critérios da ecoeficiência. As portas

do espaço foram abertas em março de 2010 e, dois anos depois, veio o selo

Leed (Leadership in Energy and Environmental Design), concedido pelo Conselho de Construção Sustentável dos EUA (USGBC). "É o primeiro do setor de autopeças na América Latina a conquistar certificação Leed Gold para prédio verde", afirma José Manis, diretor de Operações de Peças da CNH para a América Latina. Aproveitamento da água da chuva, três unidades de tratamento de efluentes, sistema de iluminação na-

tural, coletores solares e grandes áreas verdes são alguns dos detalhes do projeto, que resultaram na conquista da certificação. O processo teve início em 2008, ainda na fase de concepção do CD. Do projeto para o canteiro de obras, a gestão adequada dos resíduos foi um importante diferencial, assim como a seleção das matérias-primas e insumos. “Cerca de 53% dos materiais derivaram da reciclagem ou apresentam certificado de origem sustentável”, explica Giuliano Marchiani,

MUNDOFIAT

45


inovação

Divulgação Magneti Marelli

meio ambienTe

Sustentabilidade como fonte de inovação Sempre um passo à frente, o Grupo Fiat/Chrysler faz da inovação uma estratégia para aliar os conceitos da qualidade ambiental e da mobilidade urbana às novas tecnologias

E Magneti Marelli foi pioneira na obtenção da Leed com o Tech Center, espaço que conta com auditório e área de eventos

46

MUNDOFIAT

responsável pela área de Segurança, Saúde e Meio Ambiente da CNH para a América Latina. Outro número de destaque é a economia de água, que chega a 30%. A eficiência hídrica foi garantida com a construção de um tanque para captação e contenção da chuva, que é reutilizada em vasos sanitários e irrigação das áreas verdes. “No caso de chuvas torrenciais, o tanque atua como um controlador de vazão, evitando grandes enxurradas para o ribeirão local”, completa Giuliano Marchiani. Outra ação para evitar o assoreamento dos mananciais foi a criação de amplas áreas verdes, permitindo a absorção da água pelo solo. No quesito eficiência energética, o CD possui telhas metálicas na cor branca, que refletem a luz solar e evitam o aquecimento do ambiente. O Centro possui ainda 4% de sua área coberta por telhas translúcidas especiais, que permitem a entrada de luz, mas filtram a passagem do calor. Na equação final, a redução do consumo energia atinge 40%.

Criada nos EUA no ano de 2000, a certificação chegou ao Brasil há cinco anos e, hoje, é considerada o principal selo para edificações no País. “A obtenção da Leed é resultado do comprometimento de todos os colaboradores. A sustentabilidade tem que permear todas as atitudes de uma empresa e essa foi nossa principal conquista”, destaca José Manis.

instein já dizia que “insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes”. No Grupo Fiat/ Chrysler, a inspiração para as mudanças vem do desejo de descobrir novos processos, produtos e mercados, em um movimento guiado pelo princípio de transformar ideias em valor. Nos centros de pesquisa, a forte ligação entre a inovação e a sustentabilidade sinaliza que os veículos do futuro serão, cada vez mais, eficientes e ecológicos – atributos já considerados indispensáveis para aumentar a competitividade. Como toda estratégia, a inovação demanda planejamento, investimento e ações estruturadas, voltadas para mudanças nos modelos de negócios e para pesquisa e desenvolvimento (P&D). Reduzir os impactos socioambientais é uma tarefa diária que mobiliza técnicos, cientistas e engenheiros em projetos que, na

prática, resultam na introdução de novas tecnologias no mercado. Como resultado dessa política, desde o primeiro carro a álcool vendido no Brasil, há 33 anos, o Grupo Fiat tem dado importantes passos na agenda da sustentabilidade, antecipando tendências e abrindo novos caminhos. Os exemplos de pioneirismo são muitos. Citando apenas alguns, o Siena Tetrafuel, o Iveco Eurorider GNV, a tecnologia MultiAir, a enfardadora da New Holland e o eco:Drive são ideias que, transformadas em produtos, trazem contribuições significativas para reduzir a emissão de CO2. Na área de Ecologia do Produto, materiais, como fibras naturais e plásticos reciclados, carregam a mensagem de que é possível avançar sempre mais, em projetos que vão além dos motores, inserindo a sustentabilidade em todas as dimensões do veículo.

PIoneIrISMo A primeira construção verde do setor automotivo tem a marca Magneti Marelli. O Centro Tecnológico, ou Tech Center, na unidade de Hortolândia (SP), conquistou a certificação Leed em 2011. No local, que possui auditório com capacidade para receber até 150 pessoas e área de eventos, a água da chuva é reutilizada em descargas sanitárias e a eficiência energética chega a 40% - resultado do uso de sistema de ar condicionado de alta eficiência, lâmpadas de baixo consumo, além das soluções arquitetônicas.

MUNDOFIAT

47


inovação

O desafio de fazer

sempre melhor Os lançamentos da Fiat Automóveis já colocam nas ruas motores mais econômicos e com menor emissão de gases poluentes

Motor MultiAir

M

Fotos Divulgação Fiat

otores mais eficientes e ecológicos. Guiada por esse desafio, a Fiat Automóveis abre caminhos para introdução de novas tecnologias no mercado auto-

48

motivo nacional. Em 2008, liderou o movimento para estrear no País o conceito downsizing, com o lançamento do propulsor Fire 1.4l T-Jet, presente nos modelos Bravo e Punto.

O segredo é reduzir o volume interno (cilindrada) do motor, que passa a contar com um turbocompressor. A regra é simples: motor compacto sobrealimentado (turbocompressor) consome menos combustível e, consequentemente, emite menos CO2 na comparação com um motor de mesma potência numa cilindrada maior. Tudo isso sem perder o torque e a força, mesmo em baixas rotações. A versão Economy do Novo Uno, lançada em 2011, apresenta como salto de inovação o motor 1.4l Fire

Fiat 500 Lounge 1.4l 16V é equipado com motor MultiAir

Evo, que alcançou a nota "A" no Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular (PBEV), com consumo médio equivalente aos modelos 1.0. Para o desenvolvimento do projeto, foram revistos a aerodinâmica do veículo, as pressões de trabalho dos pneus, as relações de marchas e até o gerenciamento do motor, tornando o Novo Uno 1.4 uma referência nacional de redução de consumo e de baixa emissão de CO2. Um importante conceito que guiou as pesquisas para o desenvolvimento da versão Economy foi a melhoria do coast down, ou seja, melhoria da resistência total ao deslocamento. Na prática, foram criadas soluções para diminuir o atrito do pneu com o solo, o atrito da carroceria com o ar e os atritos de partes mecânicas da transmissão. A equação é a seguinte: menor atrito demanda menos potência do motor para deslocar o veículo e, consequentemente, menor consumo de combustível com ganhos para o meio ambiente. "Dependendo da situação, pode chegar até 15% de economia e redução de gás carbônico", afirma o diretor de Desenvolvimento e Design/Estilo de Produto da Fiat, Cláudio Demaria. MenoS CArBono Da Itália direto para o Brasil, o MultiAir une potência à sustentabilidade. Lançado no Brasil em 2011 e presente nos Fiat 500 Sport, Lounge, Cabrio e Gucci, a tecnologia permite o controle inteligente da entrada de ar no motor, que passa a ser realizada diretamente pelas válvulas de admissão, eliminando a necessidade de atuação da borboleta. O resultado é a redução das perdas de bombeamento do motor de maneira acentuada. Além do aumento da potência de até 10%, outras vantagens são o ganho de até 15% no torque em baixas rotações e a queda em até 10% da emissão de CO2,

MUNDOFIAT

49


inovação

Inovações do Novo Uno Economy motor: o Fire evo 1.4l é baseado na versão Attractive 1.4, reconhecida pelo baixo consumo de combustível. o novo Uno economy eleva esse patamar de economia sem perder o torque e o prazer de dirigir. o propulsor é o primeiro de pequena cilindrada no mercado nacional a incorporar o variador de fase contínuo no comando de válvulas CVCP (Continuously Variable Cam Phaser), capaz de gerar uma economia de combustível de até 5%. o Fire evo 1.4l possui ainda pistões e anéis de menor atrito e bicos injetores com spray otimizado que também favorecem o menor consumo, além do bloco do motor com circulação de água tipo U Circulation (mesma tecnologia empregada nos motores turbinados T-Jet, que garante um arrefecimento uniforme em todos os cilindros). Cut-off: toda vez que o carro está em desaceleração, com marcha engatada, o gerenciamento do motor corta, de imediato, a injeção de combustível. no “anda e para” das grandes cidades, a nova calibração do Cut-off do motor evo garante um corte de combustível nas desacelerações de maneira eficiente e mais rápida.

Punto traz o sistema T-Jet em motor Fire 1.4l 16V: vantagens do downsizing

até 40% de monóxido de carbono e até 60% de óxidos de nitrogênio. Com tecnologia pioneira, o MultiAir já ganhou os troféus "Internacional Engine Of the Year” (Best New Engine) e o TechnoBest, considerado o "oscar" do setor, além do prêmio Motor do Ano até 2.0 litros da Revista AutoEsporte. "Investimos continuamente na inovação na busca de sistemas de propulsão menos poluentes. A tecnologia MultiAir, que foi uma revolução para os motores de combustão interna, abre o caminho para uma onda de evoluções tecnológicas adicionais", comenta Paolo Ferrero, diretor da Engenharia da divisão Powertrain da Fiat Automóveis na América Latina. DownSIzIng Ao exTreMo A evolução do MultiAir já circula nas ruas da Europa. É o motor TwinAir, que equipa o Fiat 500 e reúne a premiada tecnologia MultiAir ao

50

MUNDOFIAT

conceito de downsizing ao extremo. O motor turbo de dois cilindros e apenas 0.9l emite 30% menos CO2 na comparação com um motor 1.4l 16v de igual desempenho. O TwinAir pode substituir propulsores de 1.4l a 1.6l com emissões de poluentes extremamente reduzidas e menor consumo de combustível associados a um excelente desempenho. Na avaliação de Ferrero, graças aos novos motores, como o TwinAir, às tecnologias plug-in, como Start Stop, e à contínua redução do atrito interno do motor e melhoramento da combustão, os propulsores do ciclo Otto ainda terão vida longa para os automóveis. "São inovações que, aliadas ao uso de combustíveis como o etanol e GNV, reduzem os índices de poluentes emitidos pelos veículos de passeio sem perder o desempenho e o prazer em dirigir, garantindo um ar mais saudável para quem vive nos grandes centros urbanos", destaca.

marchas: as novas relações de marchas visam à menor rotação do motor e, por consequência, mais economia de combustível e menos ruído interno. A grande diferença do câmbio do novo Uno economy, em relação à versão Attractive, é a adoção de uma nova coroa e pinhão determinando uma relação de diferencial cerca de 9% mais longa, passando de 4,067:1 para 3,714:1. Para manter a elogiada agilidade da versão Attractive, o economy adota a relação de 5ª marcha do Uno Sporting, mais curta, passando de 0,838:1 para 0.872:1. Pneus: uma nova pressão de pneus foi adotada, passando de 28 libras da versão Attractive para 35 libras. o novo Uno economy teve sua altura em relação ao solo reduzido em 10mm, me- lhorando também o escoamento do ar pela parte inferior da carroceria. essas modificações garantem uma redução na força resistiva (torque que o motor tem de desempenhar apenas para manter a velocidade do carro). Fazendo menos força, o motor consome menos combustível.

MUNDOFIAT

51


Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular A etiqueta Veicular classifica os veículos de acordo com a eficiência energética por categoria, ou seja, quanto despendem de energia para se locomover. A classificação vai de ‘A’ (mais eficiente) até ‘e’ (menos eficiente). São considerados mais eficientes os automóveis que, nas mesmas condições, gastam menos energia em relação a seus pares e, portanto, consomem menos combustível. outra informação apresentada é o valor de referência da quilometragem por litro, na cidade e na estrada, com diferentes combustíveis. o Programa Brasileiro de etiquetagem Veicular (PBe Veicular) foi lançado em novembro de 2008 pelo Instituto nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

Fiat atinge o menor nível de emissões de CO2 na Europa TwinAir: motor turbo a gasolina mais verde do mundo

52

MUNDOFIAT

Pelo quinto ano consecutivo, a Fiat Auto é a marca que atingiu os menores níveis de emissões de CO2 nos veículos vendidos na Europa em 2011, com uma taxa média de 118,2 g/km (4,9 g/km menor que o índice de 2009). A Fiat também ficou em primeiro lugar como grupo, com 123,3 g/km – uma melhoria de 2,6 g/km em relação ao ano anterior. O desempenho foi certificado pela Jato Dynamics, empresa líder em pesquisa no mercado automotivo. Essa é uma grande conquista e prova de me-

lhoria contínua: nos últimos cinco anos, a Fiat reduziu as suas emissões médias de CO2 na ordem dos 14%, de 137,3 g/km para 118,2 g/km, bem abaixo da meta estabelecida pela União Europa até 2015, fixada em 130 g/km. Esse resultado demonstra o compromisso da Fiat com a redução do impacto ambiental por meio do desenvolvimento de soluções simples e engenhosas, como o TwinAir – motor turbo a gasolina mais verde do mundo –, além do uso de combustíveis como o gás metano/LPG – segmento no qual a marca é líder no mercado europeu –, e no desenvolvimento de tecnologias inovadoras, como o eco:Drive – uma aplicação que avalia o estilo de dirigir do condutor e sugere medidas mais responsáveis e amigáveis com o ambiente. Toda a inovação em ecotecnologia Fiat está agrupada sob a marca “Air Technologies”, que concilia soluções de baixo impacto ambiental que preservam o prazer de dirigir.

Lançado no Brasil com o Fiat 500, e agora também disponível no Novo Fiat Punto, o eco:Drive une a tecnologia de informação à sustentabilidade. A aceleração, desaceleração, trocas de marchas, velocidade e até o tempo em que o motorista fica parado no trânsito são analisados e pontuados, gerando infográficos detalhados que indicam o desempenho geral do veículo, o consumo e os níveis de emissão de poluentes. A partir desses dados, o eco:Drive sugere melhorias na forma de dirigir, visando à maior eficiência do uso do combustível e, consequentemente, menor emissão de CO2. Para a análise dos dados, o programa estabelece três ambientes: cidade, extracidade e estrada. As informações são transmitidas para um pen-drive ou celular com tecnologia Android, que deverá estar acoplado à entrada USB no painel do carro. Após trafegar por um determinado percurso, o motorista precisa apenas retirar o pen-drive e conectá-lo ao computador pessoal. Logo quando adquiriu o Fiat 500 em maio de 2012, Fabio Vione passou a utilizar o eco:Drive. “O primeiro gráfico foi uma decepção. Percebi que tinha que melhorar em vários parâmetros, principalmente na variação da velocidade durante o percurso”, lembra Vione que, atualmente, já incorporou as orientações do eco:Drive no seu dia a dia à frente do volante. “Aprendi muito e de uma forma divertida. Além de reduzir a emissão de poluentes, outro benefício é a diminuição do desgaste do automóvel, pois incentiva uma condução mais suave. Pneus, freios e embreagem duram mais”, ressalta Vione, que é presidente do 500 Clube – fórum online criado por ele em julho de 2011 para trocar informações sobre o veículo e tirar dúvidas. Hoje, mais de 2,1 mil pessoas estão cadastradas no 500 Clube.

Ignácio Costa

inovação

Direção sustentável com o eco:Drive

Fabio Vione incorporou as orientações do eco:Drive e já constata aumento da eficiência do veículo

MUNDOFIAT

53


inovação

inovação

Tecnologia nos detalhes

Nos veículos, cada material é avaliado com o objetivo de reduzir o peso e ampliar os índices de reciclagem e recuperação no fim da vida útil do produto. As inovações vão da espuma dos bancos à espessura dos blocos do motor

Sistema reduz a emissão de CO2 em até 10%, no modo automático

54

MUNDOFIAT

A contribuição do Dualogic Na Magneti Marelli, o time de pesquisadores é guiado pelo desafio de desenvolver componentes e sistemas eletrônicos que contribuam para melhorar a eficiência dos veículos com ganhos para o meio ambiente. O Dualogic é um exemplo. A tecnologia já faz parte da vida dos consumidores da Fiat. Lançado em 2008, com o Stilo, traz o conforto de um câmbio automático, sem perder o desempenho do motor e o prazer de dirigir. O que muitos não sabem é que o Dualogic também diminui a emissão de CO2. Na versão Plus, lançada em 2012 e já incorporada ao Bravo, Linea, Punto e Idea, a redução pode chegar a até 10%, quando utilizado no modo automático.

“No modo automático, as trocas de marchas são feitas sempre na condição ideal para a utilização do veículo, o que possibilita a redução do consumo de combustível e das emissões de gases”, explica Eduardo Campos, gerente Comercial da Magneti Marelli Powertrain. O Dualogic é um sistema de gerenciamento da transmissão mecânica, no qual todos os comandos manuais são substituídos por um sistema eletro-hidráulico, comandado por uma centralina eletrônica – TCU (Transmission Control Unit) –, que troca informações instantaneamente com o motor e o próprio câmbio. Essa tecnologia, desenvolvida pela Magneti Marelli, proporciona um funcionamento igual ao de um câmbio automático convencional, não existindo, portanto, o pedal da embreagem e nem suas funções de controle de rotação numa manobra ou arrancada. O próprio Dualogic faz isso: controla a rotação do motor, as desacelerações e as acelerações nas trocas de marchas e, claro, as próprias trocas de marchas quando o sistema se encontra na função automática.

A

de variedade de materiais. Só de termoplásticos, são 25 diferentes tipos. É um amplo celeiro de oportunidades para P&D", afirma o analista sênior de Engenharia de Produto da Fiat Automóveis, Júlio Souza. Desde 2000, as pesquisas estão a todo vapor, com resultados que posicionam os veículos da Fiat em patamares cada vez mais ecológicos. "Já dispomos de uma série de tecnologias e materiais verdes empregada nas mais diversas funções do veículo,

Protótipo Uno Ecology é referência em soluções ambientalmente corretas

Divulgação Fiat

Dualogic Plus está presente no Idea Adventure E.TorQ 1.8l 16V

busca por carros eficientes vai além dos motores. É um processo que envolve a descoberta de novos materiais, mais verdes e mais leves. O Uno Ecology, lançado em 2010, é um exemplo de carro conceito que apresentou ao mercado uma série de soluções, muitas das quais estão sendo estudadas por pesquisadores da Fiat, guiados pelo desafio de viabilizar a aplicação dessas inovações nos veículos comerciais. "Na fabricação de um automóvel, é utilizada uma gran-

MUNDOFIAT

55


56

MUNDOFIAT

como, por exemplo, a adoção de óleo de soja na produção das espumas dos bancos, presente em toda nossa linha de automóveis", explica Júlio Souza. As inovações não param por aí. Fibras de madeira são usadas como reforço em componentes de acabamento plástico, como o porta-pacotes, em aplicação no Palio Fire. Os laboratórios também são palco de testes para uso de materiais reciclados. “Além de reduzirmos o consumo de recursos naturais, contribuímos também para diminuir a quantidade de resíduos gerados e que necessita de tratamento final", detalha. Nos carros da Fiat, os materiais reciclados estão presentes nos isolamentos acústicos, feitos de desfiado de brim (resíduo da indústria da moda), e nas proteções do vão de roda e nos reparos aerodinâmicos, produzidos com polipropileno (plástico) reciclado. Como resultados das pesquisas, Júlio Souza também destaca a eliminação de metais pesados de peças como tanque de combustível e tintas, que continham chumbo, e de revestimentos anticorrosivos, que possuíam

cromo VI. Para que nenhum item esteja em desacordo com esse princípio, é feito um trabalho conjunto com os fornecedores. "Por meio de um sistema, os fornecedores declaram a composição dos seus componentes, o que nos permite verificar algum possível emprego de substâncias proibidas", explica.

A energia necessária para mover os veículos provém do uso de combustível que, consequentemente, converte-se na emissão de CO2, gás que contribui para o efeito estufa e o aquecimento global. Para reduzir essa equação, um fator que ganha destaque é o peso dos automóveis e caminhões. "Quanto menor o peso, menos combustível é queimado e menos gases poluentes são lançados no ar", afirma Paula Emília Prates, líder do grupo de Inovação de Materiais e Tecnologias Leves da Fiat Automóveis. Na busca por soluções, está no radar dos pesquisadores da Fiat diminuir a espessura do aço em diversas

peças que compõem a carroceria, em um trabalho conjunto com as siderúrgicas. Estudos com outros materiais, como os polímeros de alta performance e o alumínio, também estão em andamento. "Buscamos alternativas que apresentem menor dano ambiental e, ao mesmo tempo, atendam às necessidades de desempenho e durabilidade”, afirma Paula Emília. "A cada 10% de peso que se retira de um veículo, pode-se ter um potencial de cerca de 6% de redução no consumo de combustível”, completa. Outras inovações vêm da Teksid. Estão em testes blocos de motor em ferro com paredes mais finas. O im-

Processo de Macharia foi alterado para produção de blocos de motor com paredes mais finas Ignácio Costa

Ignácio Costa

inovação

José Guilherme (à esquerda), Júlio Souza e Paula Emília avaliam amostra de material em microscópio eletrônico

Menos peso, mais sustentabilidade

reCICLABILIDADe O resultado desse esforço tem impacto direto nos índices de reciclabilidade e recuperabilidade dos veículos. O Novo Uno alcançou taxa de reciclabilidade de 88,3% e recuperabilidade de 99,5% - números que extrapolam os limites da Diretiva 2005/64/CE, que é a norma vigente na Europa. "A análise do ciclo de vida dos veículos é um dos nossos desafios. Buscamos avaliar casa fase do ciclo de vida do carro, desde sua concepção até o fim do uso, considerando os possíveis impactos para a saúde e para o meio ambiente", ressalta José Guilherme, gerente do setor de Pesquisa, Inovação e Engenharia de Materiais da Fiat Automóveis.

MUNDOFIAT

57


CAMInHõeS Da Iveco, a boa notícia vem dos engenheiros e técnicos da área de Estruturas e Segurança, que anunciam a redução de 30% de massa de um dos

58

MUNDOFIAT

M

ais e mais se fala em nanotecnologia. O termo diz respeito à capacidade de manipular materiais em escala quase atômica, de 1 a 100 nanômetros. Para se ter uma ideia do tamanho, um nanômetro é 80 mil vezes menor que o diâmetro de um fio de cabelo. O motivo que leva os pesquisadores a “esmiuçarem” os detalhes é a possibilidade de criar novos materiais, capazes de tornar os veículos mais seguros, confortáveis, sustentáveis e econômicos. Na Fiat, em Betim (MG), um grupo formado por químicos e engenheiros dá os primeiros passos para transformar a nanotecnologia em realidade. “Por meio da nanotecnologia, é possível manipular as propriedades dos materiais, gerando aplicações e funções sob medida”, explica o coordenador da Engenharia de Materiais Metálicos e Revestimentos e líder do grupo de Inovação em Nanotecnologia e Materiais Inteligentes, Marcello Dumont. Já se preparando para o futuro, a fábrica desenvolve estudos em parceria com centros de pesquisa nacionais e internacionais, universidades, fornecedores estratégicos, polos de Pesquisa & Desenvolvimento de outras empresas do Grupo Fiat, além de inciativas com o Governo Federal em programas de incentivo à nanotecnologia brasileira e fóruns de discussão. No veículo, a nanotecnologia pode ter diferentes aplicações, desde a carroceria ao motor, proporcionando maior durabilidade de componentes,

inovação

redução de emissões veiculares, diminuição do consumo de energia, dentre outros benefícios. "É uma promessa de avanço tecnológico sem precedentes na indústria automotiva", afirma Marcello Dumont. A NANOTECNOLOGIA VAI INVADIR SEU CARRO Bancos e carpetes: impede o acúmulo de água e poeira, tornando o material autolimpante e bactericida, além de melhorar as propriedades mecânicas.

Divulgação Fiat

componentes do sistema de suspensão do caminhão Vertis a partir do uso otimizado de ferro fundido. "A pesquisa teve como foco otimizar a geometria da peça, mantendo as suas características de durabilidade", explica o coordenador da área, Marco Mottin. Na geração dos caminhões Ecoline, que a Iveco lançou em 2012, os cuidados com o meio ambiente resultaram em modificações no sistema pneumático. “A válvula APU do sistema pneumático não descarrega o óleo residual do compressor de freio diretamente na atmosfera. Esse óleo é conduzido por uma tubulação de aço inoxidável para o sistema de escapamento do veículo, para ser queimado junto com os gases do sistema de exaustão, diminuindo, assim, a contaminação do meio ambiente”, explica o gerente de Engenharia de Cabine da Iveco, Alexandre Jordão, que participou das pesquisas. A tecnologia já existia na Europa e foi trazida para o Brasil pela equipe de engenheiros da Iveco.

Veja como essa tecnologia pode revolucionar a indústria automotiva, trazendo mais conforto, eficiência e sustentabilidade aos veículos

Telas e dispositivos eletrônicos: produz telas finas, transparentes e flexíveis para uso em sistemas multimídia e telecomunicações. Possibilita melhor definição de imagens, maior rapidez na transmissão de informações e menor consumo de energia.

oLeDworks

Linha Ecoline traz modificações no sistema pneumático para reduzir impactos ambientais

Catalisadores: aumenta significativamente a eficiência desse componente, responsável em transformar os gases nocivos produzidos pela combustão do motor em gases menos poluentes.

Ignácio Costa

pacto na redução do peso é de até 20% na comparação com os modelos atuais. “O diferencial está no sistema de vazamento das peças e no processo de Macharia. Os blocos, ao contrário do sistema convencional, são vazados na vertical”, explica o gerente Comercial Nafta-Mercosul da Teksid, Raniero Cucchiari. Para transformar a ideia em um produto inovador, pesquisadores da Teksid concentraram esforços na busca por novos processos que possibilitassem a redução da espessura das paredes do bloco sem comprometer a qualidade do produto final. “Os resultados dos testes estão positivos. A expectativa é de que, em 2013, já tenhamos condições de produzir o bloco em escala”, afirma Cucchiari.

nanotecnologia

Pintura: aumenta a resistência à corrosão e à abrasão. Produz também uma barreira contra radiação infravermelha, reduzindo o aquecimento interno sob o sol. Para-choque: aumenta a resistência mecânica e a durabilidade, além de reduzir o peso.

Divulgação Fiat

Divulgação Iveco

inovação

Promessas da

Pneus: aumenta a resistência mecânica da borracha sem comprometer a aderência do pneu ao solo, aumentando sensivelmente a durabilidade.

MUNDOFIAT

59


sem parar no tempo Quando o assunto é combustível, o Grupo Fiat é protagonista de importantes momentos, como o lançamento, em 1979, do primeiro carro a álcool do Brasil. Em 2003, a Magneti Marelli revolucionou com a tecnologia flex

I

novar é ter uma nova e boa ideia para mudar algo, causando impacto no que existia anteriormente. O SFS® (Software Flexfuel Sensor) foi tudo isso. Desenvolvido pela Magneti Marelli, a tecnologia completa, em 2013, 10 anos de grande sucesso. Da

60

combustível, de forma a definir as melhores condições de queima no motor. “Antes de 2003, os veículos bicombustíveis possuíam um sistema com sensor físico, que fazia a análise do combustível. O diferencial do nosso projeto foi excluir esse sensor físico, que é de altíssimo custo, e desenvolver um programa de computador. O maior ganho foi tornar a

Em 2003, a Fiat incorporou a tecnologia flex ao Palio Fire 1.3

Divulgação Fiat

inovação

Valorizar o passado

etanol e gasolina do tanque, utilizando informações recebidas de sensores instalados em todo o sistema de injeção de combustível, entre eles a sonda lambda, localizada no escapamento, sensores de detonação, rotação, velocidade e temperatura. Traduzindo: a central eletrônica do sistema flex identifica, por meio de um software, os parâmetros do

primeira ideia aos testes, foram cinco anos de pesquisa para desenvolver um programa de computador, que foi inserido no módulo de comando da central eletrônica – também conhecido como centralina. A função do software é quantificar a mistura entre

MUNDOFIAT

61


Fiat e Iveco participam do

inovação

inovação

Fiat lançou em 1979 o primeiro carro a álcool em série do mundo

projeto Cidades do Futuro Para transformar tendências em realidade, pesquisa liderada pela Cemig tem parceria de empresas do Grupo Fiat, com foco na evolução do veículo elétrico

Divulgação Fiat

O tecnologia dos bicombustíveis acessível”, explica o diretor do Engenharia da Magneti Marelli Powertrain Brasil, Gino Montanari. Ainda em 2003, a tecnologia foi incorporada à família Palio. O primeiro veículo lançado foi o Palio Fire 1.3 Flex. Atualmente, 99% dos carros produzidos pela Fiat são equipados com o sistema flexfuel. Para o consumidor, a principal vantagem é poder escolher o combustível com melhor relação custo-benefício. Outro fator que influência a decisão é a equação ambiental. "O uso do etanol em substituição à gasolina, em veículos flex, já evitou a emissão de mais de 100 milhões de toneladas de CO2 na atmosfera, além de não conter enxofre e não gerar fuligem", detalha o supervisor do Centro de Diagnose do Setor de Pesquisa, Inovação e Engenharia de Materiais da Fiat, Ronaldo Ávila. Guiada pelo princípio de unir alta tecnologia à responsabilidade ambiental, a Marelli tem investido na evolução do SFS®. “As novas gerações de centrais eletrônicas são indispensáveis ao gerenciamento do motor para

62

MUNDOFIAT

a redução da emissão dos poluentes”, conta Montanari, que está à frente de uma equipe que concentra esforços para melhorar sempre mais.

EVOLUÇÃO DO ETANOL NO BRASIL

veículo é movido à energia elétrica, abastecido durante a noite na própria residência. Após o trabalho, ao retornar para casa, o motorista percebe que a bateria do carro ou do caminhão ainda possui energia. Como o horário é de pico, decide, então, vender esse excedente para a concessionária local. As ações descritas parecem roteiro de cinema, mas, em Sete Lagoas, a 60 quilômetros de Belo Horizonte, esse cenário está mais próximo da realidade do que imaginamos. No projeto

“Cidades do Futuro”, desenvolvido pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) em parceria com diversas instituições e empresas, dentre elas a Fiat e a Iveco, os pesquisadores terão como desafio criar redes elétricas inteligentes, também conhecidas como Smart Grid, tornando possível à população gerar sua própria energia e vendê-la no mercado, assim como programar-se para o uso de equipamentos fora dos horários de pico, quando as tarifas são mais baixas.

1971 – grande crise do petróleo 1975 – Criação do Programa nacional do Álcool (Proálcool) 1979 – Modelo Fiat 147 é o primeiro carro a álcool do Brasil 1983 – Brasil comemora a produção do carro a álcool número 1 milhão 1986 – Produção dos automóveis a álcool chega a 95% do volume total 1986 – Produção de álcool não supre a demanda, desencadeando uma crise 1998 – Torna-se obrigatória a adição de 22% a 24% de álcool anidro na gasolina 2003 – Magneti Marelli cria o SFS® (Software Flexfuel Sensor). Fiat lança o Palio Fire 1.3 Flex

t

Divulgação Fia

2006 – Lançamento do Siena com tecnologia tetrafuel, movido a quatro combustíveis 2013 – Tecnologia SFS® completará 10 anos de grande sucesso no Brasil

MUNDOFIAT

63


Divulgação Iveco

Detalhe da bateria de cloreto de sódio, totalmente reciclável

O projeto “Cidades do Futuro” reúne seis linhas de pesquisa e tem endereço certo: a UniverCemig, que é a universidade corporativa da Cemig, localizada em Sete Lagoas. A Fiat e a Iveco estão envolvidas, juntamente com a Puc Minas, no estudo para avaliar o impacto do veículo elétrico nas redes de distribuição, dentro do conceito Smart Grid. “O motorista irá carregar a bateria do carro elétrico à noite, quando a tarifa é mais barata. No horário de pico, quando a demanda de energia elétrica é maior e o preço é mais caro, poderá vender essa energia armazenada na bateria. O fluxo de energia elétrica se dará de forma bidirecional, criando a figura do prossumidor, ou seja, aquele que é produtor e consumidor”, explica o supervisor de Veículos Especiais da Fiat, Leonardo Cavaliere.

reALIDADe BrASILeIrA No projeto “Cidades do Futuro”, o consumidor também poderá gerar energia em suas residências a partir dos painéis solares fotovoltaicos. “Apesar de o tema estar sendo discutido em âmbito mundial, ainda é necessário adequar legislações e avaliar questões técnicas e econômicas sob a ótica da realidade brasileira”, afirma Cavaliere, que cita a Alemanha como uma importante referência para o Brasil na evolução do Smart Grid.

Divulgação Cemig

Cemig se consolida como uma das empresas mais sustentáveis do mundo Quem está à frente do projeto “Cidades do Futuro” é a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) que, pelo 13º ano consecutivo, está presente na lista de empresas do Dow Jones Sustainability World Index (DJSI World). A Cemig é a única empresa do setor elétrico da América Latina a fazer parte desse índice desde a sua criação, em 1999. Essa conquista é o resultado do conjunto de ações adotado pela empresa com o objetivo de promover a atração de novos negócios, o interesse de investidores e o aprimoramenDivulgação Cemig

inovação Ignácio Costa

Leonardo Cavaliere, da Fiat, participa de pesquisa que permitirá ao veículo receber e doar energia

Em relação aos estudos do veículo elétrico, o ponto de partida foi em agosto deste ano, com o início do projeto das obras do laboratório, para a realização de testes e pesquisas. As portas do novo espaço serão abertas no primeiro semestre de 2013 com um quadro de cerca de 20 pesquisadores, sendo cinco bolsistas, além de dois Palio Weekend Elétrico, um caminhão Daily 55C/E Elétrico e um micro-ônibus Daily 50C/E Elétrico. O principal desafio da equipe será desenvolver, em um prazo de dois anos, o inversor direcional – tecnologia que permitirá ao veículo receber e doar energia. “Os veículos elétricos ainda têm um custo alto e a autonomia que as baterias permitem é reduzida se comparada aos combustíveis tradicionais. Daí a importância de investimento em pesquisas para a promoção de tecnologias que tornem os motores elétricos cada vez mais próximos de nossa realidade", afirma o engenheiro de Produto SR da Iveco, Fabio Nicora. De acordo com ele, o projeto “Cidades do Futuro”, no conceito de rede inteligente Smart Grid, é um dos mais completos atualmente em curso na América Latina. "A Iveco e a Fiat estão juntas nesse desafio com a aplicação do know how adquirido pelo Grupo Fiat”, completa.

to das práticas de sustentabilidade empresarial. A nova composição do DJSI World reúne 340 empresas de 30 países. Dentre as ações realizadas pela Cemig que a posicionam na lista das empresas mais sustentáveis do mundo, destacam-se os investimentos contínuos em pesquisas para o desenvolvimento de fontes de energia renováveis com baixo impacto ambiental e economicamente viáveis. Uma dessas iniciativas é o Complexo Eólico Alto Sertão I, localizado na Bahia e que acaba de ser inaugurado. Considerado o maior do gênero na América Latina, irá gerar 294 megawatts de energia, o que representa um incremento de 29,4% na matriz eólica do País, atualmente na ordem de 1 gigawatts. Fundada em 1952, a Cemig é considerada a maior empresa integrada do setor de energia elétrica do Brasil. Em Minas Gerais, responde por 96% da área de concessão, com mais de sete milhões de consumidores, em 774 municípios. É, ainda, a maior fornecedora de energia para clientes livres do País, com 25% do mercado, e um dos maiores grupos geradores, responsável pela operação de 65 usinas, com capacidade instalada de 6.925 megawatts.

Cemig opera 65 usinas com capacidade para gerar 6.925 MW

Companhia investe em parques eólicos

Divulgação Iveco

64

MUNDOFIAT

MUNDOFIAT

65


inovação

Laboratório

sobre rodas Iveco é líder mundial em veículos comerciais GNV

C

om os olhos voltados para o futuro, a Iveco possui uma trajetória marcada pelo pioneirismo. Foi a primeira fábrica no Brasil a lançar o caminhão movido à energia

elétrica, 100% limpa e renovável. Desenvolveu, em 2011, o Iveco Trakker Bi-Fuel, dotado de tecnologia que permite reduzir o consumo do óleo diesel com adoção do etanol. A empresa

detém ainda o título de maior fabricante mundial de veículos comerciais movidos a gás natural veicular (GNV), responsável pela marca de mais de 12 mil unidades vendidas. Hoje, o objetivo da empresa, assim como da FPT Industrial, é consolidar essa tecnologia na América do Sul. No País, os primeiros motoristas que apostaram no uso do gás natural foram os taxistas. Estavam de olho no preço do combustível e atrás de economia no bolso. No transporte público, o GNV é uma alternativa para reduzir a emissão de poluentes e melhorar a mobilidade nas cidades. Em Belo Horizonte, desde o dia 29 de outubro, está em teste o Iveco Eurorider GNV. Na comparação com o diesel, o que sai pelo escapamento do “ônibus verde” indica a redução de 99% de poeira e partículas sólidas e 95% de óxido de nitrogênio – substância que agride a camada de ozônio e contribui para a formação da chuva ácida. Também não produz óxido de enxofre e libera 22% menos gás carbônico no ar. Com duração de seis meses, o projeto-piloto é resultado de um convênio firmado entre a Iveco, a Companhia de

68

Gás de Minas Gerais (Gasmig), a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop) e o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros Metropolitano (Sintram). O objetivo é avaliar o desenvolvimento e a adaptação do veículo de passageiros nas condições reais do País. “Essa parceria se destaca por unir a última novidade da Iveco, que entrou recentemente no mercado de ônibus, com o que há de mais avançado em tecnologia de combustível alternativo no Brasil. O GNV é uma solução técnica e economicamente viável, que traz verdadeiros benefícios ao meio ambiente e à economia”, afirma o presidente da Iveco, Marco Mazzu. O Iveco Eurorider GNV circula na linha que liga o bairro Lindeia à região Central de Belo Horizonte, em um trajeto de cerca de 40 quilômetros, ida e volta. É um modelo 4×2, com motor FPT Cursor 8, câmbio automático e suspensão pneumática, desenvolvido na Europa. Possui, ainda,

Ônibus Iveco Eurorider GNV circula em Belo Horizonte

Motor FPT Cursor 8 GNV

Divulgação

Fotos Divulgação Iveco

Iveco faz testes, em diferentes cidades do País, com protótipos de ônibus e caminhões movidos 100% a gás natural veicular. Na comparação com o diesel, o combustível libera 22% menos CO2

MUNDOFIAT

69


inovação

chassi flexível, possibilitando mais conforto, resistência, flexibilidade e comodidade aos usuários. Tem capacidade para 42 passageiros sentados e 35 em pé. Além das vantagens para a melhoria da qualidade do ar, o ônibus GNV reduz entre 10% e 30% o custo operacional e em seis decibéis o nível de ruído, na comparação com o mesmo modelo movido a diesel.

ra de gás do Rio Grande do Sul, e do Departamento Municipal de Limpeza Urbana. O acordo também envolve a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Puc-RS), que monitora as emissões de poluentes e o desempenho do caminhão nas rotas de coleta. O Iveco Tector GNV tem 16 toneladas de Peso Bruto Total (PBT) e é equipado

Em Porto Alegre, o Iveco Tector GNV está equipado com compactador de lixo

com um motor FPT NEF 6, de seis cilindros, 126 metros cúbicos de gás e autonomia para rodar até 350 quilômetros. A marca Iveco também está presente na capital paulista com o Daily GNV, que roda em parceria com a Unilever e a Companhia de Gás de São Paulo (Comgás). Nas ruas de São Bernardo do Campo, no interior de São Paulo, circula, em parceria com a empresa Trafti Logística, o Tector GNV com câmbio automático e equipado com compactador de lixo. "Todos os resultados são bastante satisfatórios", afirma animado o engenheiro de Produto SR da Iveco, Fabio Nicora. Além do Brasil, com testes de protótipos, a Colômbia e a Venezuela também já possuem caminhões Iveco Daily movidos a gás natural. "Hoje, o GNV representa uma real alternativa ao diesel nos veículos que operam em regiões urbanas, onde é disponível a infraestrutura de abastecimento. O GNV, além de trazer benefícios para o meio ambiente, permite aos clientes uma redução dos custos. É uma tecnologia já madura, limpa, segura e econômica", destaca Fabio Nicora.

Verde e econômico A Iveco apresentou na Feira Internacional de Veículos Comerciais (IAA) deste ano em Hanover, na Alemanha, o "Iveco Dual energy", um conceito futurista para os chassis de caminhões leves, tornando possível ao motorista alterar a fonte de energia – elétrica ou híbrida – de maneira prática. A principal vantagem é permitir a escolha da solução mais apropriada para realizar a operação de transporte. A tecnologia baseia-se na utilização de dois tipos diferentes de tração. Uma é exclusivamente elétrica, a fim de garantir emissões zero de poluentes e baixos níveis de ruído. A outra tração é a híbrida (diesel-elétrica), adequada para aplicação urbana e intermunicipal, com redução de consumo de combustível e de emissões de Co2 em até 25%. A operação funciona da seguinte forma: a energia química do combustível é

PArCerIAS Em Belo Horizonte, a fábrica também participa de acordo de cooperação com a Patrus Transportes, BHTrans, Gasmig e Federação das Empresas de Transportes de Carga de Minas Gerais (Fetcemg/Setcemg), para testes do Iveco Daily GNV. O modelo europeu é utilizado em cerca de 50 entregas diárias. O desempenho, consumo de combustível, resistência e performance do veículo é avaliado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), por meio do Núcleo de Transporte da Escola de Engenharia (Nucletrans). O protótipo que circula pelas ruas de Porto Alegre (RS) é o caminhão semipesado Iveco Tector GNV, equipado com compactador de lixo. O projeto tem parceria da Sulgás, distribuido-

70

MUNDOFIAT

convertida em energia mecânica para movimentar o veículo, enquanto a energia cinética (que se perderia durante a frenagem ou desaceleração) é recuperada, convertida em energia elétrica e armazenada nas baterias aumentando a eficiência do sistema. essa energia é reutilizada para tração do veículo. Já o sistema elétrico é indicado para áreas urbanas e de baixo tráfego, onde o limite de velocidade não ultrapasse 50 km/h. Ao alternar entre esses dois tipos de tração, o veículo consegue praticamente "zerar" as emissões de poluentes, sem perder a rentabilidade nas operações de transporte.

MUNDOFIAT

71


Divulgação new Holland

inovação

Parceria para o

combustível do futuro Enfardadora da New Holland permite o melhor aproveitamento da palha da cana-de-açúcar para produção do etanol de segunda geração

O

s motivos que levam à inovação são muitos. No caso dos combustíveis, o fio condutor das pesquisas é a busca da eficiência energética associada à redução da emissão de poluentes. Na linha do tempo, os próximos passos indicam que os motores poderão ser abastecidos com etanol de segunda geração, produzido a partir de todo tipo de biomassa (celulose), incluindo lixo orgânico, bagaço e palha da cana-de-açúcar. No Cone Sul, a primeira usina de etanol de segunda geração será construída em 2013 no município de São Miguel dos Campos, em Alagoas, para produção de 82 milhões de litros combustível, que terá como princi-

72

MUNDOFIAT

pal matéria-prima a palha da cana. As operações agrícolas já começaram e contam com a parceria da New Holland, que viabilizou a aplicação de máquinas agrícolas para o processo de recolhimento da palha na lavoura. O primeiro conjunto de equipamentos inclui duas enfardadoras BB9080, um aleirador H5980, um carregador frontal Pamp, cinco tratores (sendo três T7.240, um TL75E e um TM7020) e uma carreta acumuladora de fardos PT2010, além de dois caminhões Iveco e um manipulador telescópico da NH Construções. Os estudos para uso da enfardadora BB9080 estão em desenvolvimento desde 2010 em parceria com o Centro de Tecnologia Cana-

vieira (CTC), com foco na aplicação da palha para geração de energia elétrica e produção de etanol 2G. “A parceria com a Usina Caeté e a GraalBio Investimentos, responsáveis pela construção da Bioflex, coloca a New Holland na vanguarda das pesquisas para o desenvolvimento do etanol 2G, contribuindo para uma maior competitividade do processo. O mercado brasileiro trabalha com expectativa de dobrar a produção atual de combustível entre 2016 e 2020 e, por isso, o etanol 2G é visto como novo pré-sal pela indústria do setor”, afirma o gerente de Vendas Especiais Cana-de-Açúcar da New Holland, Márcio Bastos.

Em média, uma tonelada colhida de cana gera 140 quilos de palha de base seca. Após o acúmulo da palha em leiras, a enfardadora BB9080, acoplada ao trator, passa recolhendo o material. “O processo é todo mecanizado e envolve cinco etapas: recolhimento, pré-compactação, formação do fardo, amarração e descarregamento”, afirma o diretor de Recursos Humanos para a América Latina, Massimo Cavallo. O início de operação da Bioflex – que será a sexta unidade industrial de etanol celulósico construída no mundo – está previsto para dezembro 2013. Até 2014, a New Holland fornecerá dez conjuntos de máquinas para enfardamento da palha.

O processo envolve as etapas de aleiramento, recolhimento, enfardamento e carregamento dos fardos

MUNDOFIAT

73


Simulador de direção da Fiat inclui pessoas com mobilidade reduzida no mundo dos automóveis. O equipamento funciona no Detran-MG

Frase do economista inglês John Keynes induz à reflexão sobre as práticas de mercado, diante da incorporação de princípios do consumo responsável

74

gIULIAno MArCHIAnI Gerente EHS (Environment, Health and Safety) da CNH para a América Latina

COMPANHIA B CO

COMPANHIA A

lo passado, as relações entre agentes econômicos e a humanidade com o patrimônio ambiental tornam-se elementos correntes nos desafios da humanidade, determinando mudanças profundas nos paradigmas vigentes. Podemos considerar como marco inicial desse processo de mudança, até mesmo como efeito didático, a Conferência das Nações Unidas de Estocolmo – primeira do gênero a semear a necessidade da discussão das relações entre homem e meio ambiente, realizada em 1972. Na época, a sociedade científica já detectava graves problemas futuros em razão da poluição, seja no estado sólido, líquido ou gasoso, provocada pelos processos produtivos, em grande medida, após a revolução industrial de meados do

ECONÔMI

E

m pleno calor da crise de 1929, o economista inglês John Maynard Keynes, considerado o pai da macroeconomia moderna, afirmou: “O problema político da humanidade é como combinar eficiência econômica, justiça social e liberdade individual”. Anos se passaram e a humanidade enfrentou, recentemente, uma nova crise econômica em escala global, considerada por alguns estudiosos, de maior severidade que a anterior. Contudo, diferentemente da primeira, o cenário atual é determinado por circunstâncias mais complexas que interferem diretamente não apenas nas relações comerciais e financeiras, mas também na própria existência humana. Atualmente, além das variáveis citadas por Keynes no início do sécu-

AMBIENTAL

Ignácio Costa

Equipamento avalia capacidade de reação física e mental dos condutores aos estímulos visuais e sonoros

Gerais (Detran-MG), onde atende diariamente a cerca de 40 pessoas. Com o apoio do simulador de direção, uma equipe médica avalia a capacidade psicomotora do condutor por meio de testes específicos. Segundo Leonardo Cavaliere, supervisor de Veículos Especiais da Fiat, o equipamento é um grande avanço. “Muitas vezes, o motorista dirige um veículo sem ter a sua mobilidade reduzida identificada com exatidão. Com esse simulador, o Detran-MG sabe exatamente qual é a necessidade de cada condutor”, avalia. O diretor-geral do Detran-MG, Oliveira Santiago Maciel, explica que os testes no simulador mostram a agilidade, a capacidade de reação física e mental a estímulos visuais e sonoros, o campo visual e o senso de direção. “É como se o indivíduo estivesse realmente dentro de um carro”, explica. O simulador mede, ainda, a força do motorista sobre seus membros superiores e inferiores. Criado em 1994, na Itália, e em 1996 no Brasil, o programa Autonomy inclui o projeto Fiat de Inclusão à Mobilidade. A partir dessa iniciativa, é possível transformar os veículos e instalar equipamentos que tornem a direção mais segura e confortável. O condutor já pode contar com sistemas como o acelerador de aro no volante, freio manual por alavanca, embreagem automática e inversão do pedal do acelerador.

ECONÔMICO

A

cessibilidade é um direito de todo cidadão. Pensando nisso, a Fiat Automóveis, por meio do programa Autonomy, voltou a atenção para as pessoas com mobilidade reduzida. Uma das principais iniciativas do projeto foi a fabricação, em parceria com a Guidosimplex, de um simulador de direção. Com tecnologia inédita na América Latina, o equipamento está em funcionamento há mais de 10 anos no Departamento de Trânsito de Minas

IAL

POr LILIAn LoBATo

arTigo

prol da inclusão

Uma nova fase da economia global

SOC

inovação

Tecnologia em

MUNDOFIAT

75


MUNDOFIAT

O desejo de investir em empresas consideradas ambiental e socialmente corretas também encontra ressonância nos chamados índices de ações sustentáveis. Como exemplo, temos o ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial) da BM&F Bovespa e o Dow Jones Sustainable Index(DJSI). Os produtos e ativos financeiros que tenham lastro em empresas e instituições com práticas sustentáveis mostram rentabilidade positiva crescente. Nos últimos 12 meses, o Ibovespa subiu 9,7% enquanto o índice sustentável da BM&F Bovespa avançou 21% no mesmo período. Desde o fim de 2008, quando houve o auge da crise financeira, as altas registradas ficaram em 49,2% e 80%, respectivamente. No caso do DJSI, desde sua criação em janeiro de 1999, tornou-se referência importante para instituições administradoras de recursos que se baseiam nesse índice para tomar suas decisões de investimentos. É importante salientar a inclusão da Fiat Industrial, pelo segundo ano consecutivo, no DJSI global e europeu com um score de 85/100, evidenciando o alinhamento do Grupo Fiat à nova fase da economia global. Portanto, antagonicamente à visão passada em que os ecossistemas eram considerados apenas como um setor extrativo e de disposição de resíduos da economia, confrontamos hoje com uma nova observação da utilidade, importância e interferência do meio ambiente nas relações sociais e econômicas. O dilema pontuado por Keynes no início deste artigo continua altivo como nunca, pois, seguramente, aliar crescimento econômico de maneira harmônica com os limites finitos dos ecossistemas, justiça social e garantir equidade de acesso ao consumo responsável e liberdades individuais para optar por bens e serviços sustentáveis foram, são e serão o grande problema da humanidade.

Investimento social

incorporado ao negócio

invesTimenTo social

arTigo 76

século XVIII. O senso comum, tanto dos países como das organizações privadas, considerava que os ativos ambientais, como água, solos, minérios, petróleo e tantos outros, seriam fontes inesgotáveis. Felizmente, à medida que a história seguia seu curso, todos foram surpreendidos com a finitude dos recursos naturais – constatação que, consequentemente, influenciava as relações de oferta e demanda, base de toda a estrutura econômica. É válido salientar que a inversão de valores da sociedade catalisou os ventos da mudança, afetando, direta e indiretamente, os rumos das relações de consumo regionais e internacionais. Em março de 2012, a empresa Nielsen, líder global em avaliação de tendências de consumo, realizou uma pesquisa com 28 mil consumidores em 56 países, intitulada “The global, socially-conscious consumer”. Sinteticamente, as conclusões foram: 63% estão abaixo de 40 anos; 66% acreditam que o setor privado deve promover processos limpos e sustentáveis; 64% desejam trabalhar em empresas que possuem estratégias sustentáveis claras e transparentes; 45% aceitam pagar mais por produtos e serviços social e ambientalmente responsáveis; e 63% desejam investir em empresas com estratégias sustentáveis claras e transparentes. Os números consolidados na pesquisa evidenciam, empiricamente, não apenas uma tendência momentânea, mas uma nova fase da economia global, orientada para atender às necessidades financeiras do mercado e também às expectativas de consumo responsável por meio da redução dos vetores causadores da depredação do patrimônio ambiental e daqueles perpetuadores da pobreza e fome. São atitudes que, como consequência direta, pressionam mudanças nos ordenamentos jurídicos locais, regionais e internacionais e nas estratégias de curto, médio e longo prazos das organizações privadas.

A responsabilidade social forma o tripé que sustenta a atuação do Grupo Fiat, gerando programas e projetos que agregam valor para as comunidades com promoção da cidadania

A

pergunta foi inesperada: “Você é feliz?”. A jovem de 19 anos, Érika Sá, foi rápida na resposta: “Sim. Realizei meu sonho de ter um emprego com carteira assinada”. A frase da ex-aluna do programa Árvore da Vida, da Fiat Automóveis, resume bem o resultado que uma ação pode alcançar – transformar vidas. Com planejamento, objetivos e metas, os projetos de investimento social desenvolvidos pelas empresas do Grupo Fiat têm em comum a estratégia de mobilizar crianças, adolescentes e jovens na busca por mudanças. Em vez de simplesmente esperarem, são estimulados a atuarem como protagonistas na solução dos problemas. No Grupo, os programas são como pontes que ligam as pessoas ao esporte, à cultura, às atividades socioeducativas e de geração de trabalho e renda. Na prática, apontam os caminhos que, integrados às políticas públicas, indicam a promoção da cidadania. As iniciativas

são diversificadas, disseminadas em diferentes regiões do País, onde o Grupo mantém atuação. É o caso do Filhote do Salão do Encontro, da Teksid do Brasil, que, por meio de oficinas, oferece às crianças e adolescentes de Betim (MG) oportunidades de construírem forte alicerce para o futuro. A Case e a Magneti Marelli apresentam projetos ligados ao esporte como estratégia para melhorar o desempenho das crianças e adolescentes nos estudos. Já a Iveco, em Sete Lagoas (MG), faz da literatura uma ferramenta para valorizar a cultura local, com inspiração em Guimarães Rosa, Fernando Sabino e Monteiro Lobato. Outros exemplos vêm da Comau, New Holland, Fundação Torino e Casa Fiat de Cultura que, juntas com as outras empresas do Grupo, fazem do investimento social uma estratégia incorporada aos desafios do negócio, sempre em direção à sustentabilidade.

MUNDOFIAT

77


própria história

Os resultados do programa Árvore da Vida podem ser atestados não apenas pelas pesquisas que regularmente são realizadas, mas, principalmente pelos depoimentos das pessoas beneficiadas

A

plataforma de relacionamento da Fiat com a comunidade, chamada de Árvore da Vida, orienta e estrutura programas baseados no princípio de que oferecer oportunidades aos jovens significa dar chances para que se tornem protagonistas de transformações individuais

e coletivas. Na prática, isso acontece por meio dos programas Árvore da Vida – Jardim Teresópolis, Árvore da Vida – Capacitação Profissional e Árvore da Vida – Parcerias. Essas iniciativas levam a crianças e jovens de vários estados brasileiros, por meio de ações diretas ou em par-

minha história

Essa história tEm início há três anos, quando Érika sE dEparou com um cartaz do programa árvorE da vida – parcErias(1) na Escola.

Inscrições abertas para o processo seletivo do projeto Muros do Jardim do Teresópolis. São

MUNDOFIAT

O projeto Muros do Jardim Teresópolis foi a porta de entrada de Érika no programa Árvore da Vida

no projeto muros do Jardim teresópolis(2), Érika teve aulas de técnicas do grafite, história da arte, desenho e sensibilização artística.

além das aulas na sede do árvore da vida, o grupo viajou para várias cidades, inclusive rio de Janeiro.

O termo vem do latim...

Tô dentro!

(1) O programa Árvore da Vida – Parcerias reúne os projetos sociais, socioesportivos e socioculturais patrocinados e apoiados pela Fiat por meio das leis de incentivo fiscal (Fundo para a Infância e Adolescência – FIA, Lei Rouanet, ICMS e Lei do Esporte) com a gestão direta de outras instituições. Em 2012, essas iniciativas beneficiaram diretamente cerca de 15 mil pessoas. 78

do Árvore da Vida – Capacitação Profissional. Por meio dos desenhos que fez, a jovem relembra os principais momentos e conquistas alcançadas nos dois anos em que vestiu a camisa do Programa. Ignácio Costa

invesTimenTo social

Protagonistas da

ceria com outras organizações, atividades socioeducativas, de esporte, de capacitação profissional, de geração de trabalho e renda, de cultura, de cidadania e de fortalecimento comunitário. Já se passaram oito anos desde a criação do primeiro programa, o Árvore da Vida – Jardim Teresópolis. Nesse período, o conjunto de programas “Árvore” cresceu com raízes e galhos fortes para abrigar os frutos. Na colheita, mais do que números que comprovam os resultados positivos, estão histórias de vida que têm em comum a esperança e a certeza de que é possível transformar para melhorar. Érika Sá, de 19 anos, é quem vai nos contar um pouco dessa história. Moradora do Jardim Teresópolis, em Betim (MG), ela participou de iniciativas do Árvore da Vida – Parcerias e

(2) O projeto Muros do Jardim Teresópolis integra o Árvore da Vida – Parcerias. Por meio de aulas teóricas, práticas e viagens orientadas, um grupo de jovens do Jardim Teresópolis fez uma imersão em história da arte, técnicas de desenho e do grafite. Para colocar em prática o aprendizado, eles grafitaram sete muros, embelezando a comunidade e transmitindo mensagens de paz, otimismo, respeito à pluralidade e ao meio ambiente. MUNDOFIAT

79


invesTimenTo social

(3) O Jardim Teresópolis é uma comunidade localizada em frente à fábrica da Fiat, em Betim, e concentra cerca de 40 mil pessoas. É uma região marcada por altos índices de vulnerabilidade social, como analfabetismo, violência e desemprego.

Érika já estava pronta para grafitar. o primeiro muro que pintou foi de uma creche do bairro Jardim teresópolis(3).

alguns meses depois, prestes a concluir o Ensino médio, Érika se inscreveu para participar do árvore da vida – capacitação profissional(4). Foi selecionada e frequentou o curso de garantista.

O Rio de Janeiro continua lindo!!

as aulas da oficina acabaram, mas a história continua. Érika foi convidada para ser monitora da 2ª edição do projeto muros.

(4) O programa Árvore da Vida – Capacitação Profissional oferece cursos profissionalizantes na área automotiva a jovens de 18 a 24 anos, em sete cidades: Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Recife, Salvador e São Paulo. Desde 2006, 527 jovens já foram beneficiados. Ao final da capacitação, os alunos são contratados pelas concessionárias Fiat, parceiras do Programa.

ao dar suporte aos professores e alunos, Érika teve oportunidade de ensinar, mas também aprender.

Não existe um jeito certo desenvolve seu próprio estilo...

depois de seis meses, Érika finalizou o curso, recebeu o diploma...

...tirou a carteira de trabalho e foi contratada pela concessionária roma, na grande Belo horizonte...

...dando início a uma outra história: a do primeiro emprego.

80

MUNDOFIAT

MUNDOFIAT

81


invesTimenTo social

Árvore que dá frutos Com foco no estímulo ao desenvolvimento da comunidade vizinha à fábrica da Fiat Automóveis, em Betim (Mg), a vertente Árvore da Vida – Jardim Teresópolis promove uma agenda de oficinas de percussão, canto, esporte e atividades de formação humana para adolescentes de 12 a 15 anos, além de uma série de cursos de capacitação para jovens a partir de 15 anos. outra iniciativa visa ao fortalecimento da comunidade por meio da articulação e capacitação de lideranças e instituições locais, que são impulsionadas a atuar como protagonistas do desenvolvimento do bairro.

os resultados do Programa podem ser conferidos na pesquisa de avaliação de impacto, realizada em 2011. “Para a Fiat, acompanhar a comunidade e atestar seu desenvolvimento é um desejo e compromisso desde o primeiro dia de atividade do Árvore da Vida – Jardim Teresópolis. Promover um resultado efetivo significa também manter o monitoramento dos indicadores que são, ao mesmo tempo, motivadores e norteadores”, afirma a coordenadora de relacionamento com a Comunidade da Fiat Automóveis, Ana Veloso.

PRINCIPAIS CONqUISTAS DO PROGRAmA ÁRVORE DA VIDA – jARDIm TERESÓPOLIS

Mais de 17 mil moradores beneficiados entre 2004 a 2012

82

MUNDOFIAT

em média, ¼ das famílias tem pelo menos um membro que participa ou já participou do Programa

População desempregada na comunidade caiu de 12,6%, em 2004, para 7,3% em 2011

renda das famílias que possuem membros no Programa é 29% superior em relação às famílias sem participação no Árvore

eleito, em 2012, uma das 50 melhores práticas brasileiras que contribuem com os objetivos do Milênio no Prêmio oDM Brasil, realizado pela Presidência da república em parceria com Pnud


invesTimenTo social

Uma cidade para

chamar de nossa Em Betim, o desejo por uma cidade mais justa e sustentável está se transformando em realidade graças à atuação do Movimento Nossa Betim. O ponto de partida foi dado pela Fiat, que reuniu um importante grupo para construir esse novo capítulo da história do Município

H

por que não mudar o lugar onde vive? Na busca por respostas, a professora uniu-se a outras pessoas e entidades que, juntas, compartilhavam as mesmas inquietudes e sonhos de gerar mudanças sociais. Era o início do Movimento Nossa Betim, que nascia com um objetivo ousado: construir uma força política e social ca-

Betim é a quinta maior cidade de Minas Gerais

Divulgação Fiat

Divulgação Fiat

á três anos, a empresária e professora Cristiane Ferreira Andrade queria mudar de Betim (MG). Mãe de dois filhos, ela procurava uma região com melhores condições de acesso à educação, cultura e segurança. Cristiane já estava decidida, quando se deparou com o seguinte desafio: em vez de mudar de lugar,

paz de comprometer a sociedade e os governos com um conjunto de metas para o desenvolvimento sustentável do Município. “Parei de falar mal da cidade e passei a agir”, conta Cristiane. Além dos sonhos e do desejo de mobilização social, a iniciativa da Fiat foi decisiva para que o movimento saísse, de fato, do papel, em 2010. “Acreditamos que a cidade e seus moradores merecem um olhar cuidadoso para o desenvolvimento, com a garantia de qualidade de vida para todos. As mudanças só acontecem se os diversos setores da sociedade se articularem em torno de um projeto de futuro coletivo”, afirma a coordenadora de Relacionamento com a Comunidade da Fiat Automóveis, Ana Veloso, que integra o Comitê Gestor do Movimento.

Atualmente, o Nossa Betim mobiliza cidadãos, empresas, entidades da sociedade civil e instituições de ensino e pesquisa, em um movimento plural, autônomo, apartidário e aberto à participação democrática de todos os que queiram contribuir com seus objetivos. "Nossa proposta é estimular a atuação cidadã, ou seja, ampliar a participação da sociedade na organização e gestão de Betim", explica Oswaldo Ferreira Barbosa Júnior, secretário-executivo do Movimento. rAIo x Para o início dos trabalhos, o ponto de partida foi conhecer as condições de vida nas diferentes regiões de Betim. No raio x da realidade do Município, foram selecionados 58 indicadores nas áreas de saúde, educação, violência, assistência social, trânsito, saneamento e trabalho e renda, que passaram a ser monitorados. Os dados estão reunidos no Observatório Nossa Betim, plataforma disponível na internet, no endereço www.nossabetim.org.br. “Não temos como melhorar a cidade sem conhecê-la. Os indicadores não existem para apontar os culpados, mas para demonstrar que, juntos, poderemos mudar esses números”, explica o professor Osvaldo Maurício de Oliveira, que representa a Pontifícia Universidade Católica de Betim (Puc Betim) no Comitê Gestor. Com o objetivo de facilitar a interpretação do banco de dados, os indicadores foram organizados em mapas comparativos das regiões da cidade e em séries históricas. “O monitoramento permanente permitirá ao Poder Executivo, empresas, universidades e organizações sociais avaliar os resultados e planejar as políticas públicas e projetos que realizam, segundo as necessidades de cada região”, completa Osvaldo Oliveira. Além do sistema de indicadores, o Observatório Nossa

MUNDOFIAT

85


Divulgação Fiat

Sustentável' estão entre as claras demonstrações da capacidade e desejo da cidade em se organizar para pensar o futuro de forma apartidária, autônoma e equilibrada", destaca a coordenadora de relacionamento com a Comunidade da Fiat Automóveis, Ana Veloso. Paralelo ao debate político com os candidatos, o Movimento nossa Betim também saiu às ruas com o projeto “nossa Betim nas regionais”. o objetivo é divulgar informações sobre cada uma das oito regiões administrativas do Município, estimulando a população a identificar os principais problemas e causas associados aos 58 indicadores monitorados pelo observatório nossa Betim. nos encontros, os moradores estão empenhados na elaboração de metas, tendo como referência a região onde moram. “Desejamos do cidadão uma participação consciente. Para isso, ele precisa conhecer a realidade para buscar melhorias e influenciar a elaboração do Plano de Metas da próxima administração municipal”, conclui o secretário-executivo.

Betim reúne pesquisas de percepção da população, análises da execução do orçamento público e outros estudos, que compõem um diagnóstico da qualidade de vida na cidade e revela suas desigualdades internas. Com o Observatório Nossa Betim no ar, a próxima conquista do Movimento foi a aprovação, por unanimidade, da Lei do Programa de Metas, pela Câmara de Vereadores, em dezembro passado. Com a aprovação dessa lei, o prefeito eleito terá um prazo de cem dias para apresentar o Programa de Metas e Prioridades de Gestão, além da obrigação de prestar contas periodicamente dos resultados alcançados. “Agora, temos certeza de que as promessas de campanha se transformarão em metas de gestão, aumentando a transparência na administração da cidade", diz o coordenador de Cultura do Salão do Encontro, Rômulo Sat'Ándre, que também integra o Comitê Gestor do Nossa Betim. No Brasil, 29 municípios já conseguiram a aprovação dessa lei.

As bases do Nossa Betim foram construídas a partir de experiências vitoriosas realizadas em Bogotá (Colômbia) e São Paulo (SP). O Movimento integra a Rede Social Brasileira e a Rede Latinoamericana por Cidades Justas e Sustentáveis, criada com o objetivo de reunir os movimentos cidadãos que buscam fomentar a melhoria da qualidade de vida por meio do comprometimento da sociedade e de sucessivos governos, com comportamentos éticos e metas de desenvolvimento sustentável.

Comitê Gestor reúne representantes de diferentes setores

Indicadores estão disponíveis na internet Ignácio Costa

"A democracia atua quando me ouso, amua quando repouso". A frase é do cantor Tom zé e foi seguida à risca pelo nossa Betim neste ano. Para não deixar a população repousar, o Movimento ousou ao lançar o projeto "eleições 2012: Por uma Betim Sustentável", que integra o programa Cidades Sustentáveis. "o voto consciente é um dos alicerces desse processo participativo", explica oswaldo Ferreira Barbosa Júnior, secretário-executivo do Movimento. no decorrer de 2012, as eleições foram temas de eventos e encontros, aproximando o cidadão do debate político. Como resultado da mobilização social, todos os candidatos à Prefeitura da cidade assinaram a Carta Compromisso do programa Cidades Sustentáveis, comprometendo-se a elaborar e divulgar diagnósticos sobre as condições de vida na cidade e a participar de uma rede na qual gestores públicos irão trocar experiências e caminhar juntos rumo a um novo modelo de desenvolvimento. “A aprovação da Lei de Metas e o lançamento do projeto ‘eleições 2012: Por uma Betim

Divulgação Fiat

invesTimenTo social

Oportunidades para transformação

PRINCIPAIS mARCOS DO mOVImENTO NOSSA BETIm Dezembro de 2010 – Lançamento do Movimento nossa Betim e apresentação da pesquisa de percepção da população sobre o Município Dezembro de 2011 – Lançamento do observatório nossa Betim e aprovação da Lei do Programa de Metas pela Câmara Municipal março de 2012 – Início do projeto nossa Betim nas regionais População participa de evento de lançamento do projeto “Eleições 2012: Por uma Betim Sustentável”

86

MUNDOFIAT

Agosto de 2012 – Assinatura da Carta Compromisso do programa Cidades Sustentáveis pelos candidatos à Prefeitura

MUNDOFIAT

87


invesTimenTo social

Literatura para todos Todo mês de novembro, Sete Lagoas tem um encontro marcado com a literatura. Já na terceira edição, a Literata reúne crianças, jovens, adultos e idosos em atividades que inspiram o hábito da leitura. A iniciativa tem assinatura da Iveco

P

Fotos Ignácio Costa

ara celebrar os 10 anos da fábrica de Sete Lagoas (MG) em 2010, a Iveco Latin America tinha uma certeza: a comemoração deveria envolver toda a cidade com impactos para o desenvolvimento local. Guiada por esse desafio, a empresa escolheu como ponto de partida a literatura que, combinada a uma programação gratuita para todas as idades, deu origem à Literata. A primeira edição da festa reuniu, durante quatro dias, mais de 2,5 mil pessoas e

88

25 escritores. No segundo evento, em 2011, o público chegou a cinco mil leitores e, hoje, Sete Lagoas já faz parte do circuito literário nacional. "A Literata é um evento estrategicamente realizado em novembro para celebrar, ao mesmo tempo, os aniversários da empresa e da cidade de Sete Lagoas. Com a realização de uma iniciativa de tamanha relevância sociocultural, quem ganha o presente é a comunidade. Afinal, ao patrocinarmos a maior feira li-

Ponto turístico, o Museu Ferroviário recebe atividades do Literata

terária de Minas Gerais, buscamos não somente estimular a leitura e promover a educação, mas também cumprir o papel de promover o desenvolvimento sustentável no Mu-

nicípio", afirma Claudio Rawicz, diretor de Comunicação da Iveco. Para mergulhar no universo da literatura, a programação é inspirada nas obras e biografia de um autor homenageado. Nesses três anos, os escritores contemplados foram Guimarães Rosa, Fernando Sabino e Monteiro Lobato, respectivamente. Esses nomes invadiram a cidade e tornaram-se protagonistas de debates, palestras, exposições, feiras e oficinas, com a participação de escritores e autores de renome nacional e internacional, como Moacir Scliar, Ignácio de Loyola Brandão, Márcia Tiburi, Fabrício Carpinejar, Luis Fernando Veríssimo, João Paulo Cuenca, José Eduardo Agualusa, Arnaldo Antunes, entre outros. “O sucesso da Literata é resultado de sua capacidade de envolver e mobilizar a população de Sete Lagoas, sobretudo os jovens, por meio de uma variada e estimulante pauta de eventos", destaca o curador da festa, o jornalista e escritor Humberto Werneck. O ponto de concentração das atividades é o Centro Cultural Nhô Quim Drumond, mais conhecido como Casarão, localizado na região central da cidade. Espaços como shoppings e museus também entram na programação. Na avaliação do secretário de Cultura

Programação diversificada estimula a participação dos jovens

MUNDOFIAT

89


Evento é oportunidade de negócios para grupo de artesãs

Arnaldo Antunes (à direita) participa de debate com o doutor em Literatura Brasileira, Wander Melo Miranda, e o jornalista Kiko Ferreira (centro)

90

MUNDOFIAT

e Comunicação de Sete Lagoas, Freddy Antoniazzi, a Literata extrapola os limites da cultura. "É uma festa que reúne educação e lazer. Quem ganha é a população com acesso a novas oportunidades de conhecimento e diversão", afirma Antoniazzi, que utiliza as palavras de Monteiro Lobato para expressar a importância do evento: "Um país é feito de homens e livros". Nas três edições, as oficinas foram um capítulo à parte. Com temas diversificados e muita criatividade, as dinâmicas reuniram crianças, adolescentes, adultos e idosos em torno de um objetivo comum: transformar a realidade por meio da literatura. Para

ProTAgonISTAS Os alunos também têm uma participação especial na Literata. Na terceira edição, realizada neste ano, estudantes de 50 escolas municipais, incluindo as turmas de Educação de Jovens e Adultos (EJA), aceitaram o desafio de serem autores de trabalhos artísticos, inspirados em Monteiro Lobato. Por meio da dança, da música, do teatro e do artesanato apresentaram à cidade novos olhares sobre a obra do criador da boneca Emília. "Não se trata apenas de assistir, mas também de participar", ressalta o curador Humberto Werneck. Para a diretora Rúbia Mariz, a iniciativa foi além do acesso ao conhecimento: "O jeito lúdico de ensinar literatura está melhorando a autoestima dos alunos, mostrando o potencial de cada um”.

Autores homenageados na Literata 1ª eDIção/2010 – gUIMArãeS roSA “o mais importante e bonito do mundo é isto: que as pessoas não estão sempre iguais, mas que elas vão sempre mudando.”. na busca pela beleza, “mestra guima” se inspirou no sertão brasileiro. em suas obras, inovou aos misturar vocábulos antigos com expressões regionais, além de criar neologismos. nasceu em 1908, em Cordisburgo (Mg), cidade próxima de Sete Lagoas. Formou-se médico em 1930, mas resolveu ser diplomata. Dentre suas obras, destaca-se o “grande Sertão: Veredas”, de 1956.

Acervo Casa guimarães rosa

Desde a primeira edição, a Literata também alcança os recuperandos da Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac) de Sete Lagoas, que passaram a ver nos livros um caminho para vivenciar a liberdade. Dentre as dinâmicas já oferecidas na instituição, destacam-se a contação de histórias e os jogos teatrais. “É uma experiência que ficará para sempre, que o indivíduo carregará pela vida toda”, afirma o diretor-presidente da instituição, Flávio Lúcio Rocha. Para atrair públicos de diferentes idades e gostos, uma opção dos organizadores é misturar os livros com outras linguagens, como cinema, música e teatro. "Uma história pode ser contada de diversas maneiras. No mundo da literatura, o diálogo com outras artes é possível e, muitas vezes, facilita o envolvimento do indivíduo com a leitura", diz Lúcio Teixeira, um dos idealizadores do evento. “Além do caráter de entretenimento, a literatura produz um novo olhar sobre o mundo, pessoas e coisas. Ela se constitui em fonte de reflexão e acréscimo ao intelecto e à sensibilidade, conduzindo à participação e à cidadania", acrescenta Lúcio Teixeira.

2ª eDIção/2011 – FernAnDo SABIno o escritor e jornalista nasceu em Belo Horizonte em 1923. Aos 13 anos, publicou seu primeiro conto e não parou mais. em sua trajetória pela literatura, teve oportunidade de fazer grandes amigos, como Hélio Pellegrino, rubem Braga, Vinicius de Moraes, Di Cavalcanti, Manuel Bandeira, Clarice Lispector e Millôr Fernandes. em 1956, publicou o romance “o encontro Marcado”, um grande sucesso de crítica e de público. Sua bibliografia completa, entre contos, crônicas, cartas e novelas, ostenta quase 50 títulos.

Arquivo Pessoal

Em frente ao Casarão, ponto de encontro da festa, a literatura ganha novas formas por meio do artesanato, produzido por um grupo do bairro Cidade de Deus, em Sete Lagoas. São tapetes, cestos, pano de prato, biscuit e enfeites em madeira e jornal, que ficam expostos para venda. Muitas peças são inspiradas nas obras do autor homenageado do evento. Além de conhecer nomes da literatura nacional, a artesã Marilander Geralda de Souza Moreira, mais conhecida como dona Nan, vê na Literata uma oportunidade de negócios. "É o período do ano em que mais vendemos. Com esse dinheiro, coloco minhas contas em dia", explica. O sucesso das vendas vem atraindo novas pessoas para o time. "Em 2010, na primeira edição, éramos seis. Hoje, o grupo é de quase 20 pessoas", diz dona Nan.

os professores da rede de Sete Lagoas, as oficinas da Literata possibilitam o acesso a novas estratégias pedagógicas para despertar nos alunos o gosto pela leitura. “O ato de ler deve ser prazeroso e constante. Queremos formar leitores para a vida inteira”, diz a diretora do Departamento de Ensino da Secretaria Municipal de Educação, Rúbia Mariz.

3ª eDIção/2012 MonTeIro LoBATo Monteiro Lobato nasceu em Taubaté (SP) e, ainda criança, despertou o gosto pela leitura. “reinações de narizinho”, “Caçadas de Pedrinho” e “o Picapau Amarelo” são suas obras mais famosas para crianças, chegando às telas da TV. no livro “Urupês” (1918), criou o “Jeca Tatu”, símbolo do caipira brasileiro, associado à pobreza e à ignorância. A convivência com pesquisadores e obras sobre saneamento fizeram Lobato escrever “Jeca Tatu – a ressurreição”, mudando completamente a concepção do personagem. Jeca, considerado preguiçoso, descobre que sofre de amarelão. Trata-se e transforma-se em fazendeiro rico. MUNDOFIAT

Acervo Família Lobato

invesTimenTo social

Pausa para o artesanato

91


Ignácio Costa

invesTimenTo social

Desde 2009, Guedes participa do programa Semear, que beneficia oito entidades

Solidariedade, palavra que muda vidas

Colaboradores da Comau apoiam, por meio do programa Semear, associação de Pernambuco que atua na inclusão social de portadores de HIV

POr ISABeLA SoAreS

H

á 12 anos, recém-viúva e mãe de dois filhos, Cricilane Ferreira da Silva recebeu o diagnóstico do vírus da Aids. Sete anos depois, já convivendo com as dificuldades da doença, a moradora do município de Cabo de Santo Agostinho, em Pernambuco, viu-se diante de um novo desafio: a gravidez. "Neste mo-

92

MUNDOFIAT

mento difícil, uma ajuda inesperada veio ao meu encontro. A Ampare me procurou e abraçou a minha causa", conta Cricilane. A sigla, que significa Associação de Pais, Responsáveis, Amigos e Portadores de HIV, na prática indica a oportunidade de acesso à cidadania para vencer as barreiras do preconceito.

“Durante toda a gravidez, a Ampare esteve ao meu lado e, mesmo depois do nascimento da Ester, que não contraiu a doença, a instituição mantém a ajuda”, conta. Atualmente, a Associação apoia cerca de 30 crianças e adolescentes e suas famílias, buscando ajudá-los com doação de alimentos, brinquedos e agasalhos e no atendimento às necessidades psicológicas, incluindo atividades de lazer, como oficinas de brinquedos e pinturas aos sábados, e ações de conscientização para prevenir a transmissão da doença. Na avaliação da Cricilane, o trabalho da Ampare abriu as portas da inclusão social, possibilitando a toda família melhores condições de vida. Ela cita como exemplo a participação da Ampare na negociação com a Prefeitura de Cabo de Santo Agostinho para transferi-la para uma nova casa. A nova moradia foi conquistada em 2009. "Antes eu morava em uma área de risco", conta. Em 2011, a Ampare foi uma das instituições contempladas com o Semear. O programa, realizado pela Comau, incentiva a participação de seus colaboradores e parceiros com a doação de 6% do Imposto de Renda devido para o Fundo da Infância e Adolescência (FIA) que, por sua vez, repassa para as organizações sociais. Desde sua primeira edição, em 2007, o Semear já destinou mais de R$ 700 mil a oito instituições de Alagoas, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. “Investir nas crianças e adolescentes das comunidades onde atua é um compromisso da Comau e uma aposta no futuro dessas regiões. Melhor ainda é poder colocar em prática esse compromisso todos os anos por meio da solidariedade de nossos colaboradores", afirma Massimo Cavallo, diretor de Recursos Humanos da Comau para a América Latina. Com o dinheiro em mãos, a Ampare tem como planos erguer uma sede

RAIO X – PROGRAmA SEmEAR número de entidades beneficiadas: 8 Crianças e adolescentes atendidos: 2.100 Total de recursos arrecadados: r$ 700 mil número de colaboradores e parceiros que participaram da edição 2011: 2.300

própria. As obras estão previstas para começar no primeiro semestre de 2013. Segundo Maria José Pereira, presidente da Associação, a construção do novo local visa a aumentar o número de crianças e adolescentes atendidos em um ambiente mais adequado e agradável, viabilizando a realização de atividades de lazer em espaços de convivência e salas de recreação. "Será a realização de um sonho", conta Maria José. ConFIAnçA O coordenador de equipe de manutenção, José Antônio Moreira Guedes, contribui com o Semear desde 2007. "O que me estimula a participar é a vontade de ajudar as pessoas e a confiança que tenho no programa da Comau para monitorar a aplicação dos recursos repassados", afirma o coordenador que, em 2009, teve a oportunidade de conhecer de perto uma das organizações beneficiadas. Guedes integrou a comitiva que visitou a ong Pró-Viver, localizada na região do PTB, em Betim (MG). “Vi como o dinheiro é aplicado no atendimento de crianças e adolescentes em diversas oficinas, como de música, dança, esportes e cursos profissionalizantes. É gratificante ver o resultado", conta Guedes, que também incentiva os colegas a participarem do programa: "Todos os anos, faço a divulgação do Semear junto à minha equipe de trabalho com o objetivo de ampliar o volume das doações”.

MUNDOFIAT

93


Fotos Ignácio Costa

invesTimenTo social Alzely Lucas valoriza as técnicas de reutilização e reciclagem

Cadê o resíduo que estava aqui? Nas oficinas do Filhote do Salão do Encontro, em Betim, os resíduos transformam-se em matéria-prima para a cidadania. Criado em 2006 pela Teksid do Brasil, o projeto social beneficia 180 crianças e adolescentes

"S

ou garimpeira!". Mais do que uma profissão, a frase sinaliza um projeto de vida. Todos os dias, em todos os lugares, Alzely Lucas está à procura de materiais que, nas mãos de crianças

94

MUNDOFIAT

e adolescentes, transformam-se em verdadeiros tesouros. São brinquedos, quadros, flores, cestas e vários outros produtos construídos a partir do resíduo. Por meio da reciclagem e da reutilização, as latas, os jornais, pallets,

espumas, TNT, radiografias antigas e tubos de PVC ganham novos destinos, bem longe das lixeiras. “Quando soube que uma empresa estava queimando retalhos de MDF, logo pedi o material para as nossas oficinas”, conta orgulhosa. A transformação dos resíduos em tesouros acontece nas oficinas do Filhote do Salão do Encontro – projeto social localizado no bairro Laranjeiras, em Betim (MG), criado em 2006 pela Teksid do Brasil em parceria com o Salão do Encontro e a Prefeitura Municipal de Betim. Verônica Pereira de Souza, 11 anos, é uma das 180 crianças que participam das aulas.

Em uma das oficinas, deparou-se com o retalho de MDF que iria virar cinzas. Com criatividade, construiu pequenos quadros com imagens que ganharam vida com o uso de serragem, papel e linhas – tudo reutilizado. Há dois anos no projeto, a aluna do quarto ano do Ensino Fundamental tem a lição na ponta da língua: "Temos que ter outros olhos para o lixo". Atualmente, o Filhote do Salão do Encontro realiza nove oficinas, oferecidas no contraturno escolar. Além do acolhimento, alimento e atenção, as crianças deparam-se com oportunidades de aprendizado e descobertas. "Por meio dessa iniciativa, a Teksid está contribuindo para a construção de novos caminhos para esses jovens, incentivando-os para que possam desempenhar

Gabriel Honorato é aluno destaque na oficina de circo

Restos de pallets transformam-se em brinquedos

MUNDOFIAT

95


invesTimenTo social

um papel ativo na sociedade, conscientes de seus direitos, responsabilidades e deveres", afirma a responsável pelas atividades de Responsabilidade Social da Teksid, Marta Bodevan. Presente desde os primeiros passos do Filhote, Alzely – que, além de garimpeira, é a coordenadora do projeto – já coleciona muitos sorrisos e histórias de vitória. "Sempre recebo cartas e visitas de ex-alunos, relatando sonhos realizados, como a conquista do primeiro emprego. O Filhote muda a vida dessas crianças e, como efeito cascata, transforma a realidade social dessas comunidades", destaca. Um desses sorrisos vem de Gabriel Honorato Pereira, 15 anos, aluno da oficina de circo. Logo nos primeiros dias no Filhote, há três anos, o adolescente demonstrou dificuldades de socialização. "Esse comportamento estava escondendo minhas habilidades e qualidades. Aos poucos, fui aprendendo as técnicas de malabarismo e crescendo. Hoje, me considero um artista", diz o adolescente, que já faz apresentações em igrejas, hospitais e creches. "Seu modo de ver o mundo mudou através da arte", explica Alzely. MúLTIPLoS SABereS Nas oficinas do Filhote, os alunos são encorajados a trilhar os próprios

Eliane Gonçalves aprendeu a fazer cachecol com sua filha Jhennifer

Localização: bairro Laranjeiras, em Betim (Mg) Oficinas: tapeçaria de sisal, tear chileno, marcenaria, cestaria, flores, literatura, salão de jogos pedagógicos, circo e informática. Também são oferecidas oficinas de padaria, com foco na geração e renda, para mães dos alunos e comunidade em geral mantenedora: Teksid do Brasil Parceiros: Salão do encontro e Prefeitura Municipal de Betim Número de alunos atendidos desde 2006: 326 Critérios de seleção dos alunos: idade entre 9 e 12 anos, estar matriculado na escola, morar próximo ao projeto e rendimento familiar

MUNDOFIAT

o instrutor de marcenaria, Márcio rodrigues do Santos, ensina como fazer uma luminária com tubo de PVC, considerado resíduo da construção civil. Aprenda passo a passo: 1º - Corte o cano de PVC em três partes de 25cm, 30cm e 45cm. o corte deve ter uma pequena inclinação. Antes de começar a cortar, utilize óculos de proteção e máscara. 2º - Com fio de sisal, amarre os três canos. Dê cerca de 15 voltas com o fio. 3º - Com uma furadeira, faça um pequeno furo no tubo de 25cm. Antes de começar a cortar, utilize óculos de proteção e máscara. Por esse furo, passará o fio para a instalação elétrica.

4º - Após a instalação elétrica, pinte com tinta spray da cor de sua preferência. Durante a aplicação, use máscara.

RAIO-X – FILHOTE DO SALÃO DO ENCONTRO

Coordenação: Salão do encontro

96

Faça você mesmo

caminhos, com responsabilidade e comprometimento com os estudos e com a família. As crianças e adolescentes também são estimulados a compartilhar o conhecimento. A rotina da dona de casa Eliane Gonçalves mudou após a entrada das duas filhas no projeto. "Além da tranquilidade de saber que minhas filhas não estão na rua, tenho a oportunidade de aprender com elas. O conhecimento que adquirem no Filhote passam

pra frente", conta Eliane, que já está craque na produção dos cachecóis. "Foi Jhennifer, minha filha de 13 anos, quem me ensinou após as aulas do Filhote", completa. Na avaliação de Marta Bodevan, o Filhote representa uma oportunidade e esperança de mudança de vida dos participantes. "Paralelo às oficinas, buscamos inserir os adolescentes no mercado de trabalho, na conquista do primeiro emprego”, destaca.

MUNDOFIAT

97


invesTimenTo social

Correr atrás dos

sonhos No Centro regional de Iniciação ao Atletismo de Lavras (Cria), 450 crianças e adolescentes não perdem o fôlego para correr e vencer obstáculos. O projeto, que tem apoio da Magneti Marelli, é referência nacional na formação de jovens atletas

A Fotos Studio Cerri

Para participar do Cria, os jovens atletas precisam ter boas notas na escola

98

MUNDOFIAT

inda pequena, Jenifer Nicole Vieira Norberto queria sair de Lavras, em Minas Gerais, rumo a São Paulo, atrás do sonho de melhorar de vida. Em julho deste ano, ela teve a oportunidade de pisar em terras paulistas, mas apenas de passagem. O destino era Maringá, no interior do Paraná. Após alguns dias longe de casa, o retorno da adoles-

cente foi marcado pela esperança. Na bagagem, ela trazia as medalhas conquistadas na 3ª edição do Campeonato Brasileiro/Caixa Interclubes de Menores de Atletismo, que ocorreu na cidade. “Antes de me tornar atleta, queria ir para São Paulo. Hoje, quero ficar em Lavras e treinar muito. Meu sonho é subir no pódio olímpico e entrar para

a universidade”, conta Jenifer. A descoberta da atleta foi por acaso. O professor do curso de Educação Física da Universidade Federal de Lavras (Ufla), Fernando de Oliveira, andava de moto pela cidade quando se deparou com a família de Renata de Paula e convidou as filhas para participarem do projeto Cria. A sigla não é por acaso. O Centro Regional de Iniciação ao Atletismo de Lavras é uma verdadeira escola de futuros medalhistas do esporte. Com apenas quatro anos vestindo o uniforme do Cria, Jenifer já bateu os recordes brasileiros no heptatlo (sete provas combinadas) e foi campeã brasileira no salto em altura. Outras duas irmãs de Jenifer também participam do projeto: Sthefanie, 17 anos, e Kathlin Naiara, 13 anos, que é recordista no pentatlo (cinco provas combinadas). Além das medalhas e troféus expostos pela casa, o atletismo é sinônimo de melhores condições para a família. No período de agosto de 2011 a agosto de 2012, Jenifer recebeu a Bolsa-Atleta estadual, no valor mensal de R$ 350. “Parte do dinheiro entregava para minha mãe pagar as contas. Já me cadastrei para continuar a ter acesso ao benefício em 2013”, diz a adolescente, que, no próximo ano, também terá acesso à bolsa nacional do Ministério do Esporte em razão do título brasileiro. O Cria Lavras nasceu em 2010 como um grupo de iniciação ao atletismo da Ufla, com o envolvimento de crianças e jovens de nove a 18 anos que moram próximos à Universidade. Para participar, além da vontade de aprender o esporte, os jovens atletas precisam ter boas notas na escola e participar de aulas de reforço, ministradas pelos estudantes da própria Ufla. Hoje, o projeto atende a cerca de 450 alunos. “O Cria une educação ao esporte. Seguimos uma metodologia em que o esporte é uma ferramenta para a formação e desenvolvimento das crianças e dos adolescentes. Uma

Jenifer é campeã brasileira no salto em altura

MUNDOFIAT

99


Divulgação

No projeto “Arremesso para o Amanhã”, que tem parceria da Case, os pontos são contabilizados pelo engajamento das crianças e dos adolescentes, que correm atrás do sonho de formarem a futura geração do basquete

T tonomia e autoestima”, destaca a presidente da Associação, Sonia Tambellini giacomasso. As atividades do programa não se limitam às salas da sede. Também estão presentes nas escolas por meio de ações de suporte à prática pedagógica, como recursos ópticos, informática e materiais didáticos adaptados às necessidades do aluno com deficiência visual. "na região de Amparo, apenas a Associação Mulher Unimed atende aos deficientes visuais. o Vida Iluminada dá oportunidades para o convívio na sociedade", afirma Marcos Antonio Costa, que trabalha na área de Pesquisa e Desenvolvimento da Magneti Marelli e há cinco anos é membro do Comitê de responsabilidade Social Corporativa da Companhia.

prova disso é que não temos processo seletivo. Todos que querem entram”, destaca Fernando de Oliveira, coordenador técnico do Cria. A iniciativa tem o apoio da Magneti Marelli, que aposta no projeto como uma oportunidade de incentivar o desenvolvimento local. “O Cria está alinhado com a visão de responsabilidade social da Marelli, que é de atuar no processo de transformação

100

MUNDOFIAT

Cidadania na cesta

invesTimenTo social

“eu perdi a visão em 2002 por causa da diabetes. em 2006, me informaram sobre o trabalho realizado pela Associação Mulher Unimed, em Amparo, São Paulo. Como estava meio desanimado, procurando algo para preencher o vazio que a perda da visão me deixou, resolvi me inscrever no programa Vida Iluminada”. o relato é de João Francisco Sobrinho, 52 anos, casado e pai de duas filhas. Muito dinâmico, já trabalhou como metalúrgico e motorista de caminhão, viajando pelos estados de goiás, São Paulo, Minas gerais, Paraná e rio grande do Sul. no programa Vida Iluminada, que tem apoio da Magneti Marelli, João Francisco descobriu os caminhos da inclusão social e voltou a ter uma rotina movimentada. Durante a semana, ele participa das aulas de informática, braile, coral, oficina de artes, além das atividades de vida diária e da orientação e mobilidade. “Frequentar o programa significa aprender coisas novas, coisas que eu nem imaginava existir. A vida do deficiente não é fácil e na Associação encontramos orientação e acolhimento”, conta João Francisco, que é um dos 38 alunos do “Vida Iluminada”– número que também inclui crianças e adolescentes. o programa é gratuito e tem o objetivo de desenvolver as habilidades cognitivas e motoras dos deficientes visuais, além de promover o envolvimento dos familiares no processo de interação socioeducativo. “Ao participarem das atividades, é notório o desenvolvimento na socialização, au-

oda manhã, são duas horas de treino e 90 minutos de exercícios na academia. No fim da tarde, a camisa volta a suar em uma nova maratona de jogos. A rotina de Diego Gomes, 21 anos, é de um atleta do basquete. Na posição de armador, organiza jogadas e cria oportunidades para os colegas da Liga Sorocabana de Basquete pontuarem. De brincadeira de criança até integrar o time profissional da cidade, Diego teve a oportunidade de aprender a manusear a bola laranja no "Arremesso para o Amanhã", projeto criado há 15 anos pela Liga Sorocabana e por onde já

passaram mais de mil atletas mirins – futuras promessas do esporte. No "Arremesso para o Amanhã", as aulas são gratuitas e acontecem duas vezes por semana, para crianças a partir dos nove anos de idade. Grande parte dos alunos que ingressam na categoria de base sub 17 é bolsista e recebe uniforme e vale-transporte. "Meus pais não tinham condições de arcar com os custos da passagem. Sem esse apoio, não conseguiria realizar o sonho de ser profissional”, conta o armador, que tem planos de ingressar na seleção brasileira. "Estou de olho nas Olimpíadas 2016.

O armador Diego Gomes aprendeu as primeiras jogadas no projeto

Mirna Módolo

invesTimenTo social

Inclusão que ensina

de vidas por meio de programas de educação, formação e geração de renda”, ressalta o gerente de Recursos Humanos da unidade de Lavras, Sílvio Gonçalves, que se sente orgulhoso com os resultados. “No primeiro campeonato nacional que o Cria participou com o apoio da Marelli, já conquistou o título geral”, diz o gerente em referência à disputa em Maringá.

MUNDOFIAT

101


Studio Cerri

MoTIVAção Além da prática do basquete, as aulas contribuem para a evolução física e pessoal dos alunos. "O esporte é um fator motivador para o desenvolvimento do senso de comprometimento, responsabilidade e disciplina. A cada dia, percebemos melhorias no comportamento dos alunos", conta Rinaldo Rodrigues, coordenador do projeto e técnico da Liga. Atualmente, 150 crianças e adolescentes participam do projeto. A baixa estatura não fez Lucas Maciel de Oliveira, 12 anos, desistir de ser um atleta. Há dois anos, ele pediu aos pais para matriculá-lo nas aulas e assumiu o compromisso com o esporte todas segundas e quartas. “Tenho que treinar forte para ser um bom jogador”, ressalta Lucas. A motivação para vencer os desafios está bem próxima: na Liga Sorocabana de Basquete. “Quero jogar igual ao Kenny Dawkins",

conta o aluno, em referência ao norte-americano, considerado o maior cestinha do time da cidade. Mirna Módolo

SUCeSSo De PúBLICo

Além do apoio ao projeto "Arremesso para o Amanhã", a Case é Lucas (com a bola) sonha em ser igual ao ídolo Kenny Dawkins

102

MUNDOFIAT

Quem sabe?", desafia Diego, que desde os 12 anos convive com o esporte. A Case, por meio do programa Case Multiação, é uma das principais parceiras do projeto. “O 'Arremesso para o Amanhã' dá oportunidade de as crianças aprenderem um esporte, ficarem longe das ruas e até seguirem uma carreira profissional”, afirma o diretor-geral da Case para a América Latina, Roque Reis. "Poder apoiar os jovens junto ao esporte e, assim, formar pessoas melhores, com capacidade de enfrentar os desafios profissio-

patrocinadora da Liga Sorocabana de Basquete. "Hoje, o basquete é o esporte mais popular da cidade. Aqui, as crianças correm atrás da bola laranja", conta orgulhoso o técnico Rinaldo Rodrigues. De acordo com ele, o sucesso pode ser comprovado pela presença do público, que acompanha de perto os resultados do campeonato. "As partidas reúnem mais de 1,5 mil espectadores”, ressalta Ronaldo Rodrigues, que elenca as vitórias do time: "No ranking estadual, estamos na oitava posição e no ranking nacional, somos o décimo primeiro".

Parceria que gera sorrisos O programa Plantar & Construir, da New Holland Construction e da New Holland Agrícola, também tem traçado um caminho pautado pela defesa dos direitos das crianças e adolescentes. Para a realização dos trabalhos, o fio condutor é a parceria com ongs e entidades sem fins lucrativos. Em Curitiba (PR), o apoio ao Hospital Pequeno Príncipe teve início em 2007. Após cinco anos, o resultado dos projetos é medido pelos sorrisos dos pacientes e familiares. Por ano, são 25 mil internações e 17 mil cirurgias. Desse total, 70% é proveniente do Sistema Único de Saúde (SUS). Os números do Pequeno Príncipe garantem à instituição o título de maior centro pediátrico do País – valores que também incentivam a melhoria constante da qualidade dos serviços. Referência em tratamentos de alta e média complexidade, o hospital segue à risca uma receita que tem dado certo: a presença constante da família, associada às atividades de educação, cultura e recreação. Em meio à rotina dos tratamentos, as oficinas são uma pausa para alegria e aprendizagem. Em vez do choro, o som que alcança os corredores é o das gargalhadas. No lugar do repouso, as crianças são convidadas a dançar, ouvir histórias e brincar. “O paciente desmitifica a ideia de que hospital é lugar apenas de dor e de sofrimento", explica o coordenador de Novos Projetos do hospital, Felipe Carvalho, que destaca o apoio das empresas para realização das atividades: "Somente por meio das parcerias é possível colocar em prática o programa Família Participante, com uma estrutura de acolhimento de qualidade". A New Holland, por meio do programa Plantar & Construir, é uma das empresas parceiras. Neste ano, transformou a rotina de mais de mil crian-

Divulgação

invesTimenTo social

nais que virão, é parte importante da nossa função empresarial", completa Mirco Romagnoli, vice-presidente da Case IH para a América Latina.

ças e familiares com o projeto Magia da Dança. Mais do que diversão, os pacientes tiveram a oportunidade de fazer novos amigos, ao ritmo das danças populares e clássicas. Em 2011, a alegria tomou conta do espaço com o projeto Histórias de Bolso – um convite ao universo da fantasia e da leitura. “Os resultados são perceptíveis. Reduzimos o tempo de internação em 50% e os índices de infecção hospitalar em 20%, além de extinguir os casos de depressão infantil", afirma Carvalho.

Mais de mil crianças e familiares participaram do projeto Magia da Dança

FUTUro MeLHor Na última década, a New Holland Construction e a New Holland Agrícola criaram e ampliaram as ações sociais, culturais e ambientais, apoiadas em projetos incentivados por leis federais e por meio de doações diretas das duas marcas. "Nosso objetivo é plantar e construir um futuro melhor, investindo nas crianças e adolescentes, cultura e meio ambiente", explica o diretor de Marketing da New Holland Agrícola, Carlos D'Arce. "Queremos devolver à sociedade um pouco do que a empresa colhe nas suas principais atividades", finaliza.

MUNDOFIAT

103


invesTimenTo social Fotos Ignácio Costa

Professora Maria Chiara (no centro) com os estudantes em dinâmica para multiplicar os conceitos da sustentabilidade

Quando o supermercado

vira sala de aula Com criatividade, alunos da Fundação Torino, na região Metropolitana de Belo Horizonte, partem para ação na luta contra o desperdício

“Q

uanto meno spr più eco per tutti”. Com o lema na ponta da língua e muitas ideias na cabeça, os alunos da Escola Internacional Fundação Torino estão mobilizados para a 6ª edição do projeto Econscienza. "Quanto menos desperdício, mais natureza para todos", traduz a estudante do 2º ano do Liceo (Ensino Médio), Helena Vasconcellos, que se inspirou nas cores da coleta seletiva para desenhar o mascote. "Criei um personagem com nariz de torneira

104

MUNDOFIAT

atitudes no nível individual para alcançarmos o coletivo. Nossos alunos mudam, as famílias mudam, a comunidade muda", explica a professora de Ciências Naturais e coordenadora do projeto, Maria Chiara Algisi. Para colocar em prática os princípios do uso racional dos recursos naturais, o lugar escolhido pelo grupo de estudantes da Scuola Superiore (Ensino Médio) foi o supermercado. O saguão de entrada virou a sala de aula e a professora Maria Chiara deu as últimas explicações sobre o tema. Com panfletos e sacolas retornáveis nas mãos, os alunos transformaram-se em fiscais do meio ambiente, orientando os consumidores no combate ao desperdício. “O que você faz para reduzir o desperdício em sua casa?” foi a primeira pergunta feita pelos alunos. Do outro lado, as respostas foram as mais variadas. Vanessa de Oliveira Marques ouviu com atenção as orientações e dicas, mas reconheceu: “Não faço a coleta seletiva. Sei que posso contribuir mais”, afirmou. A pedagoga Maria das Graças Fernandes assumiu que não tem o hábito de reutilizar as embalagens, como os potes de sorvete. "Acaba indo tudo para o lixo", disse.

Alessandra Silva Castro deu sinal verde para a iniciativa da Fundação Torino. "A educação ambiental deveria estar presente em todas as escolas, com o envolvimento dos alunos de todas as idades”, destacou a psicóloga, que compartilhou dicas para o melhor aproveitamento dos alimentos: “Faço bolinhos de diversos sabores para aproveitar as sobras das refeições". Na avaliação do aluno Carlos Henrique Prado, 17 anos, o desperdício é um problema cultural e não será fácil a mudança de atitudes. "Nossa sociedade é consumista, mas, se cada um fizer a sua parte, podemos vencer essa guerra”, disse animado ao fim da dinâmica. Além das aulas práticas, outras atividades serão realizadas no decorrer do ano letivo, como gincanas, palestras e elaboração de flip books (livro filme), com o envolvimento de professores de diferentes disciplinas e foco no combate ao desperdício de alimentos, energia, água, dentre outros itens. "Na política dos 5Rs, o primeiro refere-se ao ato de repensar. Será que o que você está comprando realmente necessita?", desafia a professora Maria Chiara.

A cliente Vanessa de Oliveira ouviu dicas para reduzir o desperdício

e relógio no pescoço, para refletirmos sobre o uso consciente da água e sobre o desperdício do tempo", explica. Desenvolvido desde 2007, o Econscienza é um projeto de educação ambiental que tem como objetivo incentivar a atuação dos alunos como agentes indutores de práticas ambientalmente corretas. O desperdício será o tema trabalhado neste ano letivo que, de acordo com o calendário europeu, vai de agosto de 2012 a junho de 2013. “Buscamos impulsionar novas

MUNDOFIAT

105


Divulgação©Collezione Privata

invesTimenTo social

Tela “A Medusa Murtola”, de Caravaggio

Além dos limites

do olhar

A Casa Fiat de Cultura faz da arte um elemento de inclusão social e incorpora em suas exposições recursos de acessibilidade para atendimento às pessoas com deficiência visual

“O

rosto é de mulher, porém possui algumas características que lembram traços masculinos. A expressão é de absoluto espanto. A boca está aberta

106

MUNDOFIAT

como se estivesse prestes a emitir um sonoro grito de terror”. Para Irani Rodrigues de Souza, a descrição da tela A Medusa Murtola, de Caravaggio, vai além das palavras. Representa

seu primeiro mergulho no mundo das artes visuais. “Foi a primeira vez que visitei uma exposição de pintura”, conta a estudante do setor de braile da Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa. As descobertas e impressões de Irani, que é deficiente visual, só foram possíveis graças ao projeto de acessibilidade da Casa Fiat de Cultura, localizada em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Na visita às exposições “Caravaggio e seus Seguidores” e “De Chirico: o Sentimento da Arquitetura”, em junho, Irani integrou um grupo de 20 pessoas, todas deficientes visuais. Nas duas mostras, o diferencial foi a audiodescrição. “São áudios muito ricos, com detalhes que nos permitem compreender a obra como um todo”, ressalta a estudante, que já está atenta ao calendário da Casa Fiat de Cultura: “Se tiver áudio, com certeza, estarei lá!”. Além da Medusa Murtola, outras seis telas da mostra “Caravaggio e seus Seguidores” contaram com áudios de cerca de três a quatro minutos. Do mestre De Chirico, foram nove audiodescrições, além de três esculturas, que puderam ser tocadas com autorização da Fundação Isa e Giorgio De Chirico, em Roma. Divulgação Casa Fiat de Cultura

Arte que leva à liberdade Poucos museus e centros de cultura do Brasil estão preparados para receber públicos especiais. De acordo com a consultora e museóloga Viviane Panelli Sarraf, esse número não ultrapassa 30, sendo que a metade está localizada no estado de São Paulo. "Faço constantemente pesquisas no exterior para avaliar perspectivas e práticas no Brasil e, hoje, posso afirmar que, em termos de qualidade, nossas iniciativas de acessibilidade estão equiparadas às disponibilizadas nos grandes museus europeus. nosso desafio agora é crescer em quantidade e de forma descentralizada, ampliando as experiências para as demais regiões do País", afirma a consultora. na avaliação de Viviane, uma estratégia que assegura a qualidade das audiodescrições é a participação de profissionais portadores de necessidades especiais no processo de construção das ferramentas. "É importante avaliarmos a efetividade desses recursos e técnicas, de maneira a garantir o real atendimento às necessidades desse público", comenta. entre 2006 e 2012, 14 grandes exposições realizadas pela Casa Fiat de Cultura receberam a visita de portadores de necessidades especiais, com atendimento especializado. "os números da Casa Fiat de Cultura mostram que é possível e viável pensar a arte com acessibilidade", afirma o historiador Flávio Couto e Silva de oliveira, que defende a inserção cultural das pessoas com deficiência como uma das formas de cumprimento dos direitos humanos. "Sempre repito um pensamento do filósofo alemão Friedrich Schiller: ‘Para resolver um problema político, é necessário caminhar através do estético, pois é pela beleza que se vai à liberdade’. o que percebo é que, para resolver os desafios da inclusão, o caminho é o acesso democrático à beleza da arte”, conclui Flávio.

MUNDOFIAT

107


“Caravaggio e seus Seguidores” foi a maior exposição já feita na América do Sul das obras do artista italiano. Depois de uma temporada de dois meses na Casa Fiat de Cultura, em Belo Horizonte, e cerca de 90 mil espectadores, a mostra foi visitada por mais de 200 mil pessoas no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp) e em Brasília, no Palácio do Planalto. A mostra reuniu sete óleos do mestre e 14 pinturas dos chamados “Caravaggescos”, os mais importantes seguidores do artista. Além de pertencentes a coleções particulares, as telas provêm de três dos mais prestigiados museus estatais italianos: Galleria Borghese (Roma), Palazzo Barberini (Roma) e Galleria degli Uffizi (Florença). No acervo, os destaques foram a Medusa Murtola, Ritratto di Cardinale e San Giovanni Battista che nutre l’Agnello, que saíram da Itália pela primeira vez.

Studio Cerri

TATo AgUçADo Além das audiodescrições, três esculturas em bronze da exposição "De Chirico: o Sentimento da Arquitetura"

108

MUNDOFIAT

A mostra reuniu 11 esculturas de De Chirico

Studio Cerri

Divulgação Casa Fiat de Cultura

invesTimenTo social

Pela primeira vez no Brasil

Em parceria com a Associação Pró-Cultura e Promoção das Artes (Appa), o projeto de acessibilidade da Casa Fiat de Cultura é, hoje, referência no País. O historiador Flávio Couto e Silva de Oliveira, um dos idealizadores da iniciativa ao lado de Aída Ferrari, conta o segredo da técnica da audiodescrição: “As imagens se materializam pelo som das palavras. O desafio é escolher as expressões certas para emocionar o espectador. Nossa intenção é traduzir a poesia da obra”. Para elaboração dos textos, o historiador, que também é deficiente visual, fez uma ampla pesquisa histórica e social das obras, além de entrevistar pessoas com diferentes olhares e percepções. "Criei os áudios a partir da experiência do não ver, pensando em leitores e ouvintes que não veem, recriando imagens com a paleta mágica das palavras", explica Flávio. Um grupo de 40 alunos do Instituto São Rafael, em Belo Horizonte, também percorreu, em junho, os salões da Casa Fiat de Cultura para conhecer de perto a arte dos mestres italianos Caravaggio e De Chirico. Antes da visita, os professores trabalharam o tema em sala de aula. Os estudantes também participaram de uma palestra ministrada pelo historiador Flávio Couto e Silva de Oliveira, para contextualizar as obras aos movimentos artísticos e históricos. À frente da comitiva, a professora e vice-diretora do Instituto São Rafael, Silvânia Morais Rosa, associou a visita a uma viagem inesquecível, que teve ponto de partida a real interação do espectador com o conteúdo: “Eles sentiram-se pertencentes àquela arte. A audiodescrição possibilitou aos alunos a construção de sua própria leitura da obra”.

Acessibilidade no bolso A exposição "De Chirico: o Sentimento da Arquitetura" somou, nos meses de maio a julho, um público de cerca de 75 mil pessoas na Casa Fiat de Cultura. os ingressos e transporte foram gratuitos, ampliando o acesso das pessoas às obras do artista italiano. Considerada a mais expressiva coleção de giorgio de Chirico (1888-1978) já exposta no Brasil, a mostra contou com 122 trabalhos – 45 pinturas e 11 esculturas produzidas no período denominado "neometafísico", além de 66 litografias de 1930, apresentadas juntas pela primeira vez no País. A maioria das obras foi da última fase do artista e caracteriza-se pela exaltação da cor, pelo caráter seco e pela redução poética. A arquitetura – presente em toda a exposição – é considerada um dos motivos centrais da obra de De Chirico, que dizia: "o sentimento da arquitetura é, provavelmente, um dos primeiros que os homens experimentaram".

puderam ser tocadas, em uma associação do tato com a audição. Os visitantes passearam com as mãos pelos rostos e corpos das esculturas-manequins. "Nosso desafio é a inclusão com qualidade, tornando universal o acesso ao conhecimento e à arte", ressalta o presidente da Casa Fiat de Cultura, José Eduardo de Lima Pereira. De acordo com ele, desde a criação do espaço, há seis anos, a acessibilidade é um assunto presente em todas as exposições. "Foi uma evolução.

Primeiro, investimos na adequação da arquitetura para permitir a autonomia dos cadeirantes. Na sequência, vieram os textos em braile e a seleção de obras para serem manipuladas até chegarmos às audiodescrições", conta José Eduardo, que também destaca o atendimento diferenciado para portadores de necessidades especiais, com apoio de uma equipe especializada. "Ainda não chegamos à plenitude. Estamos sempre pesquisando para avançar mais", afirma.

MUNDOFIAT

109


SxC

relaTório

competição

SxC

Divulgação Fiat

invesTimenTo social

Mais do que uma

Distribuição de sementes e mobilização dos participantes para doação de leite fazem do rally Universitário Fiat uma competição pela sustentabilidade

rodrigo Cancela

POr Jorge VeLLoSo

P

Arquivo pessoal

rincipal porta de entrada para o mundo do off-road, o Rally Universitário Fiat também contribui com a sustentabilidade. Todas as equipes levam para casa sementes de árvores nativas da região onde ocorrem as provas. O casal de namorados Tiago Alves de Brito e Patrícia Belomi está entre os que decidiram enraizar a história e cultivaram ipês. Eles gostaram tanto da primeira participação na prova de Londrina (PR), em 2011, que, quando a competição retornou à cidade este ano, decidiram postar, na rede social, uma foto com as mudas. "Além de proporcionar um fim de semana diferente, a competição também nos coloca em contato com a natureza e paisagens pouco conhecidas", resume Tiago, que esco-

110

MUNDOFIAT

ConFeDerAção nACIonAL DA InDúSTrIA (CnI) ASSoCIAção nACIonAL DoS FABrICAnTeS De VeÍCULoS AUToMoToreS (AnFAVeA)

Indústria Automobilística e Sustentabilidade 2012 lheu o sítio do pai, em Abatiá (PR), para plantar os ipês. Além de deixar um rastro de verde por onde passa, o evento – que vai concluir sua sexta temporada nacional com um histórico de 67 provas realizadas nas regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste – apresenta outros conceitos importantes. Um deles é a introdução dos jovens no esporte. Todos os inscritos têm direito a uma aula de navegação gratuita, para que possam interpretar corretamente as indicações das planilhas de prova. Outro pilar importante dessa competição gratuita é a promoção da solidariedade. Para garantir vaga, cada participante deve doar quatro latas de leite em pó, que são sempre repassadas para instituições filantrópicas das cidades que sediam as provas. A disputa para amadores também incentiva a educação no trânsito. Por ser um rally de regularidade, disputado em baixas velocidades, adota-se o slogan "a velocidade é inimiga do pódio".

N

as páginas seguintes, a Mundo Fiat apresenta o relatório "Indústria Automobilística e Sustentabilidade 2012”, elaborado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). O objetivo é informar, debater e evoluir as práticas de sustentabilidade ao longo da cadeia automotiva. A sustentabilidade é sistêmica em um processo abrangente e contínuo de atuação, com visão de futuro. Nesse contexto, a indústria automobilística é parte relevante na equação "desenvolvimento com sustentabilidade". Com extensa cadeia produtiva, é indutora de tecnologias e geradora de novas economias, com reflexos em vasto campo de atividades. Das matérias-primas e insumos aos setores de fornecedores e às linhas de montagem e, posteriormente, às redes de comercialização e ao consumidor final, o setor tem profundos impactos nos meios social, econômico e ambiental. Em oito capítulos, são apresentados o panorama e os princípios ambientais e socioeconômicos que guiam o setor na busca por processos de produção mais limpa e produtos mais econômicos e ambientalmente corretos. Mais do que adotar novas práticas, são posicionamentos e atitudes que refletem a integração da sustentabilidade às estratégias de negócio, agregando valor às organizações.

Tiago e Patrícia plantaram as mudas de ipê, que ganharam na competição

MUNDOFIAT

111


relaTório

INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E SUSTENTABILIDADE 2012

1. INDúSTRIA AUTOmOBILíSTICA BRASILEIRA A indústria automobilística e o mercado automotivo brasileiros posicionam-se entre os maiores do mundo: o Brasil é o 4º maior mercado e o 7º maior produtor automotivo mundial (2011). estão estabelecidos no País os mais importantes grupos automotivos presentes no cenário global. São 20 fabricantes de veículos (automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus) e sete produtores de máquinas agrícolas (tratores, colheitadeiras, outros produtos).

o complexo industrial automotivo é composto por indústria fornecedora de autopeças, fabricantes de veículos e máquinas agrícolas, além de possuir desenvolvida engenharia automotiva nacional e quadro de pessoal altamente qualificado. na ponta do mercado, setores de comercialização e de serviços cobrem todo o País. A indústria automobilística tem efeitos sobre múltiplos setores da sociedade. Mais de 200 mil empresas no Brasil desenvolvem suas atividades ligadas ao setor automotivo.

GRÁFICO 2. BRASIL - PRODUÇÃO DE VEíCULOS Milhões de Unidades

109,3%

2,12

FIGURA 1. COmPLEXO AUTOmOTIVO BRASILEIRO

Produção acumulada de 63 milhões de veículos

54 anos de atividades no País

Investimento de US$ 70 bilhões (1980 – 2010)

Capacidade instalada de 4,5 milhões/ano

5,2% do PIB Nacional

Mercado interno de 3,7 milhões (2011)

1,63

1,68

2002

2003

2004

2,36

2,40

2005

2006

| 8,6% a

.a.

2,82

2007

3,05

3,07

2008

2009

3,38

3,41

2010

2011

em 54 anos de atividades no País, a indústria automobilística produziu 63 milhões de veículos.

GRÁFICO 3. PRODUÇÃO DE VEíCULOS POR SEGmENTO | 2005 - 2011 Milhões de Unidades

22,5% do PIB Industrial

Produção de 3,4 milhões (2011)

Milhões de Veículos

3,5 2005

112

MUNDOFIAT

4,0

2009

4,3

2011

3,41

2,49

2,58

2,52

3,07

2,27

2,41

2,82

2,36

2,40

Automóveis

1,87

1,91

0,34

0,36

0,39

0,44

0,44

0,57

0,61

Comerciais Leves Caminhões

0,11

0,10

0,13

0,16

0,12

0,19

0,22

Ônibus

0,03

0,03

0,03

0,04

0,03

0,04

0,05

2005

2006

2007

2008

2009

2010

2011

Total

GRÁFICO 1. CAPACIDADE DE PRODUÇÃO

3,38

3,05

MUNDOFIAT

113


relaTório

INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E SUSTENTABILIDADE 2012

GRÁFICO 4. BRASIL - LICENCIAmENTO DE VEíCULOS NOVOS

145,4%

| 10,5%

1,48

1,43

1,71

Milhões de Unidades

8,0

3,63

7,0

a.a.

2,46 1,59

GRÁFICO 6. mERCADO AUTOmOTIVO | CENÁRIO FUTURO

2,82

3,14

3,51

6,0

1,93

2003

2004

2005

2006

4,5

5,0 4,0

2002

Milhões de Unidades

2007

2008

2009

2010

2011

os veículos de motorização 1.0 representam, historicamente, mais de 50% da produção e do mercado interno automotivo brasileiro.

3,6

3,8

4,8

5,4

5,1

5,7

6,0

6,3

4,1

3,0 2,0 1,0

GRÁFICO 5. BRASIL - LICENCIAmENTO DE VEíCULOS POR COmBUSTíVEL | 2011 Milhões de Unidades

0,0

2011

2012

2013

2014

2015

2016

2017

2018

2019

2020

Total Projeções indicam potencial do mercado interno de 6,3 milhões de veículos/ano em 2020. Etanol Diesel Flex Fuel

0,0%

GRÁFICO 7. BRASIL - INDúSTRIA AUTOmOBILíSTICA | INVESTImENTOS PROGRAmADOS mONTADORAS

5,8%

Bilhões de Veículos

10,9%

22,0

83,3%

11,8 3,6 Gasolina

114

MUNDOFIAT

2004-2006

2007-2010

2011-2015

US$ 22 bilhões de investimentos programados até 2015, em aumento de capacidade de produção, processos, produtos, tecnologia e inovação, preparam a indústria para o futuro.

MUNDOFIAT

115


relaTório

INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E SUSTENTABILIDADE 2012

2. REGIONALIzAÇÃO E SUSTENTABILIDADE A indústria automobilística brasileira tem sua base de produção descentralizada no País, tanto no que se refere às montadoras e fabricantes dos produtos finais, como à indústria fornecedora de autopeças. no caso da indústria montadora de veículos e máquinas agrícolas, são 26 empresas com 53 unidades industriais e outras sediadas em 39 municípios de nove estados brasileiros, do Centro-Sul ao Centro-oeste e ao norte-nordeste, ou seja, em todas as regiões do País. A regionalização da indústria automobilística no País, marcadamente a partir da década de 1990, levou também à descentralização da indústria fornecedora de autopeças, principalmente por meio da criação de condomínios industriais que integram fornecedores e montadoras, como os polos automotivos de gravataí (rS), de Camaçari (BA), além de outros polos industriais automotivos em Betim (Mg), São José dos Pinhais (Pr) e resende (rJ). os investimentos programados pela indústria automobilística para os próximos anos priorizam a descentralização da produção pelo interior do País. São inegáveis os efeitos da interiorização dos investimentos automotivos, mudando radicalmente, e para melhor, o cenário socioeconômico das regiões onde se instalam. em consequência, múltiplos investimentos são gerados em infraestrutura e serviços públicos nas comunidades e nas regiões, ao mesmo tempo em que ocorre efeito multiplicador de investimentos privados em paralelo para atendimento de novas necessidades de consumo de bens e serviços locais. A descentralização dos investimentos automotivos cria novas economias locais e regionais, agregando empregos, renda, consumo e qualidade de vida, num círculo virtuoso. A interiorização da indústria automobilística atua como fator de sustentabilidade local, regional e nacional. A descentralização dos investimentos prossegue. novas fábricas serão instaladas, gerando novas economias nas regiões.

116

MUNDOFIAT

FIGURA 2. BRASIL - FÁBRICAS DE VEíCULOS E mÁqUINAS AGRíCOLAS

GRÁFICO 8. PRODUÇÃO DE VEíCULOS POR ESTADO | 2011

Paraná 13,3%

Rio de Janeiro 6,7%

Rio Grande do Sul 6,8%

Bahia 5,6%

Ceará

Minas Gerais 23,0% Goiás 2,3%

Bahia Goiás Minas Gerais São Paulo

São Paulo 42,4%

Rio de Janeiro

Paraná

3. EmPREGO, TRABALHO E SUSTENTABILIDADE Rio Grande do Sul

Uma característica marcante da indústria automobilística é a geração de empregos de alta qualificação e remunerações condizentes com o elevado nível de seus quadros profissionais. estão empregados diretamente na indústria montadora mais de 145 mil trabalhadores. Porém, o grau de capilaridade do setor é tamanho que, somando-

-se os trabalhadores da cadeia industrial anterior às linhas de montagem e os da rede de distribuição e serviços automotivos em geral, cerca de 1,5 milhão de pessoas têm seu trabalho diretamente ou indiretamente relacionado com a indústria automobilística e os produtos automotivos. A indústria automobilística é agregadora, com

MUNDOFIAT

117


relaTório

INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E SUSTENTABILIDADE 2012

intensas repercussões em inúmeras e importantes cadeias econômicas e, principalmente, na escala econômica e social de comunidades e regiões, multiplicando as possibilidades de emprego e trabalho, de qualidade de vida e ascensão social.

Cada emprego criado na indústria montadora pode gerar cerca de outros dez empregos no amplo universo de atividades ligadas à indústria e aos produtos automotivos.

4. mATRIz ENERGéTICA VEICULAR E SUSTENTABILIDADE no mundo todo são intensos os trabalhos de pesquisa e desenvolvimento de inovações e tecnologias para a cadeia de sustentabilidade da matriz energética veicular, envolvendo combustíveis e veículos. na área de combustíveis, os trabalhos concentram-se em novas fontes energéticas alternativas aos combustíveis fósseis, biocombustíveis renováveis, combustíveis sintéticos e célula de combustível. na área de motores, os desenvolvimentos visam à maior eficiência energética para os motores de combustão interna, veículos híbridos e motores elétricos.

A matriz energética veicular mundial tende a ser múltipla, com predominância de uma ou outra forma de acordo com as vocações e os recursos disponíveis em cada região e da escala de consumo automotivo. no Brasil, a curto e médio prazo, a viabilização técnica e econômica está no plano dos motores a combustão, com a utilização de derivados de petróleo e biocombustíveis como o etanol e o biodiesel. Há casos pontuais de utilização de motores elétricos veiculares ou híbridos em nichos, em geral para frotas de empresas e instituições.

4.1 PIONEIRISmO E AVANÇOS Em BIOCOmBUSTíVEIS Com o etanol, o Brasil é pioneiro no mundo na utilização em larga escala de biocombustível renovável como energia veicular. A partir de 1979, com o Programa nacional do Álcool e o início da produção de veículos a etanol, criou-se no País uma nova e extensa cadeia econômica, da produção do etanol na agroindústria canavieira à distribuição e utilização em larga escala do combustível diretamente nos motores de ciclo otto (etanol hidratado) e para adição de até 25% na gasolina consumida no País (etanol anidro). entre 1979 e 2000 foram produzidos 5,6 milhões de veículos movidos exclusivamente a etanol. A partir de 2003, com desenvolvimento tecnológico próprio, são lançados no Brasil os veículos flex fuel, que podem consumir indistintamente, ou ao mesmo tempo, etanol e gasolina, em qualquer proporção. Já são 15 milhões de veículos flex em circulação no País, o que representa mais de 40% da frota,

da ordem de 34 milhões de veículos. A viabilização técnica e econômica do combustível etanol consolidou essa nova e importante cadeia econômica no País. os efeitos tecnológicos, econômicos e sociais dessa atividade são intensos, interiorizando o desenvolvimento com investimentos, produção, geração de empregos, renda, consumo e qualidade de vida das regiões produtoras do combustível renovável, bem como ainda movimentando a cadeia automotiva propriamente dita com a produção dos veículos flex fuel. Ao lado desses benefícios socioeconômicos estão os ganhos ambientais da produção e do consumo do etanol, com a redução das emissões de Co2 na atmosfera. o balanço ambiental do etanol é positivo, considerando-se que suas emissões de Co2 durante o consumo são compensadas pelo cultivo de cana-de-açúcar para a produção do combustível.

4.2 VEíCULOS flex fuel

FIGURA 3. CADEIA DA SUSTENTABILIDADE Matriz Energética Sustentável

os veículos flex fuel são projetados para serem abastecidos com gasolina, etanol, ou qualquer mistura desses dois combustíveis. Por meio de alguns sensores especiais, o computador de bordo reconhe-

ce qual é o combustível e ajusta adequadamente os parâmetros de combustão do motor, sem qualquer interferência do condutor. Foram introduzidos no mercado brasileiro em março de 2003.

GRÁFICO 9. LICENCIAmENTO DE VEíCULOS FLEX FUEL | 2003-2011 Milhões de Unidades de Veículos Flex Melhoria da eficiência energética

2,00

Fontes de energias alternativas

2,88

2,85

2010

2011

1,40

Redução da poluição Desenvolvimento de fontes neutras para CO 2

2,33

2,65

0,81 0,05 2003

0,33 2004

2005

2006

2007

2008

2009

os veículos flex já representam mais de 40% da frota de veículos leves no Brasil.

118

MUNDOFIAT

MUNDOFIAT

119


relaTório

INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E SUSTENTABILIDADE 2012

refere às tecnologias de motores e de combustíveis alternativos, quanto ao próprio design e performance geral dos produtos automotivos.

FIGURA 4. VANTAGENS DA UTILIzAÇÃO DO ETANOL

Motorizações mais eficientes, de menor consumo e menores emissões, bem como combustíveis alternativos aos derivados de petróleo estão no foco dos

GRÁFICO 10. REDUÇÃO DE EmISSÕES | VEíCULOS LEVES

O balanço ambiental do etanol é positivo, neutralizando os gases do efeito estufa em todo ciclo de produção e consumo.

CO2

Monóxido de Carbono - CO (g/km)

Hidrocarbonetos - HC (g/km)

30 .

3,0 .

25 .

24,0

05 . 00 . L1

os produtos automotivos têm longo ciclo de vida e isso representa impactos significativos na sociedade, em termos de meio ambiente, mobilidade urba-

MUNDOFIAT

na, segurança de trânsito, na sustentabilidade. Tornam-se fundamentais os contínuos investimentos em inovações nos veículos, tanto no que se

2,0

1,3

L3

L4

L5

L6

0,5 .

0,30

0,16

0,05

0,05

L3

L4

L5

L6

0,03

0,03

0,02

0,02

L3

L4

L5

L6

0,0 . L1

L2

0,30 . 0,25 .

2,00

0,20 .

1,40

1,0 .

4.4 GANHOS AmBIENTAIS DOS VEíCULOS

2,0

Aldeídos Totais - CHo (g/km)

1,5 .

2% de biodiesel (óleo vegetal esterificado, biomassa renovável) ao combustível diesel consumido no País pelos veículos de transporte de carga e de passageiros. Atualmente, a adição do biodiesel é de 5%. As projeções indicam expressiva participação dos biocombustíveis no consumo de energia veicular do Brasil, com efeitos positivos sobre o equilíbrio ambiental e geração de novas economias no interior do País.

2,0

3,0 . 2,0 .

nos últimos anos, o Brasil passou a desenvolver o Programa do Biodiesel, que pode se transformar em nova e importante cadeia econômica sustentável, com fortes reflexos econômicos, sociais e ambientais, notadamente a inclusão social por meio da agricultura familiar na produção de matérias-primas para o combustível. Com esse programa, o Brasil passou a adicionar

L2

1,20

1,0 .

Óxidos de Nitrogênio - NOx (g/km) 2,5 .

4.3 BIODIESEL

1,5 .

12,0

10 .

ETANOL

2,10

2,0 .

15 .

CO2

120

2,5 .

20 .

0,60

0,5 .

0,10 .

0,25

0,0 . L1

L1 = L2 = L3 = L4 =

L2

0,15

0,15 .

L3

1988 1992 1997 2005 (40%) 2006 (70%) 2007 (100%)

L4

0,12

0,08

L5

L6

0,05 . 0,00 . L1

L2

L5 = 2009 L6 = 2013 (Veículos leves a diesel) 2014 (Novos modelos ciclo Otto) 2015 (Otto 100%)

MUNDOFIAT

121


relaTório

INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E SUSTENTABILIDADE 2012

projetos dos centros de pesquisas e desenvolvimento automotivo em todo o mundo, e também no Brasil. os ganhos de eficiência energética e de redução

de emissões no Brasil são significativos. no caso das emissões, os veículos brasileiros leves e pesados cumprem o atendimento de suas respectivas legislações,

GRÁFICO 11. REDUÇÃO DE EmISSÕES | VEíCULOS PESADOS Monóxido de Carbono - CO (g/km)

Hidrocarbonetos - HC (g/KWh)

30 .

3,0 .

25 .

2,5 .

20 .

2,0 .

15 .

2,45

1,5 . 11,2

10 .

4,9

05 .

4,0

00 . P2

1,23

1,0 .

P3

P4

5,45 2,1

1,5

P5

4,0

NmHC 0,66 0,78 0,46 0,55

0,0 . P2

P3

P4

P5

Óxidos de Nitrogênio - NOx (g/KWh)

Material Particulado - MP (g/KWh)

16 . 14 . 12 . 10 . 8. 6. 4. 2. 0.

1,0 .

14,4

GRÁFICO 12. PROCONVE P7 | REDUÇÃO DE EmISSÕES

P7

100 . 90 . 80 . 70 .

0,4 .

5,0 5,0 2,0 2,0

0,4

0,2 .

60% 0,25 0,15

0,13 0,1

0,21

0,0 . P2

P3

P4

P5

P7

P3

Emissões

7,0

P4

0,16

80%

0,02 0,02 0,03 0,03

P5

P2 = P3 =

1987 (Ônibus urbano) 1989 (100%) 1994 (80%) 1996 (100%) 1994 (Ônibus urbano) 1996 (80%) 2000 (100%)

P4 =

P5 =

P7 =

122

MUNDOFIAT

1998 (Ônibus urbano) 2000 (80%) 2002 (100%) 2004 (Ônibus urbano) 2005 (Micro-ônibus) 2005 (40%) 2006 (100%) 2012 (100%)

50 . 40 . 30 . 20 . 10 .

P7

00 .

NOx P1 =

60 .

% 96,3

0,6 .

3% 87,

0,8 . 0,7 9,0

automóvel de hoje emite 28 vezes menos que um veículo produzido nos anos 1980. em outras palavras, seriam necessários 28 veículos atuais para gerar o mesmo nível de emissões de apenas um veículo de meados dos anos 1980. A partir de 2012 e 2013, entram em vigor os novos limites de emissões para veículos a diesel (fases P7 e L6 do Proconve, equivalentes à euro 5), estabelecendo novas reduções de emissões, sobretudo de óxido de nitrogênio e de material particulado. no caso dos veículos leves do ciclo otto (gasolina e etanol), nova etapa (L6) entra em vigor em 2014, reduzindo os limites de emissões.

1,10

0,5 .

P7

com redução de emissões de monóxido de carbono (Co), hidrocarbonetos (HC), óxido de nitrogênio (nox), aldeídos totais (CHo) e material particulado (MP). Já é intensa a utilização de novos materiais e tecnologias menos poluidoras e mais recicláveis e isso se intensificará e se consolidará no futuro. A introdução dos chamados “pneus verdes”, por exemplo, de menor coeficiente de atrito, menor desgaste e maior durabilidade, amplia-se nas linhas de montagem, gerando ganhos ambientais nas operações dos veículos em uso. Como resultado representativo do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve), criado em 1986, constata-se que um

NOx

mP Euro 3 (P5)

Euro 5 (P7)

A nova legislação P7, em vigor a partir de janeiro de 2012, traz redução de 60% de óxido de nitrogênio (nox) e de 80% das emissões de material particulado (MP) em relação à fase atual (P5, equivalente à euro

Euro 0 (P2)

Euro 1 (P3)

mP Euro 2 (P4)

Euro 3 (P5)

Euro 5 (P7)

3, válida para veículos produzidos até dezembro de 2011). Se comparada com o início do Proconve, em 1986, a redução de material particulado da nova fase é de 96,3% e a de nox, de 87,3%.

MUNDOFIAT

123


relaTório

INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E SUSTENTABILIDADE 2012 GRÁFICO 13. INDúSTRIA AUTOmOBILíSTICA BRASILEIRA | UTILIzAÇÃO DE INSUmOS 4.5 PROCONVE – GANHOS TECNOLÓGICOS E AmBIENTAIS

Água

Energia (elétrica, GN, GLP, óleo)

m3/veículo

kWh/veículo

5,50

1.550 1.450

4,45 4,10

1.404

3,92

1.379

cânisters

2008

2009

2010

2011

2008

2009

2010

2011

GRÁFICO 14. INDúSTRIA AUTOmOBILíSTICA | EmISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA (GEE) flex fuel

metodo WRI - World Research Institute GEE Tonelada/veículo

0,33

0,30

5. mATRIz INDUSTRIAL E SUSTENTABILIDADE A questão ambiental é um dos pilares da sustentabilidade da matriz industrial do setor automotivo, ao lado da ecologia de produtos. Sistemas, processos e gestão para maior qualidade ambiental, com processos de produção limpos, economia de recursos, redução de desperdício, tratamento e redução de efluentes, além de ganhos de competência e produtividade nas empresas são capítulos basilares para a sustentabilidade nas empresas. As políticas e os princípios de sustentabilidade ambiental e social adotados na indústria montadora são permeáveis a todas as cadeias de suprimentos anteriores e posteriores às linhas de montagem,

124

MUNDOFIAT

alinhando fornecedores de matérias-primas e intermediários, bem como logística e concessionários a operarem fundamentados em princípios de economia verde, com metas claras e objetivas. na questão ambiental da indústria automobilística, os principais indicadores dizem respeito à queda de consumo de insumos por veículo produzido; também relevante é a redução dos gases de efeito estufa. o tripé se completa com os indicadores de resíduos e resíduos reciclados. os esforços da indústria automobilística brasileira nessa direção podem ser vistos nos gráficos a seguir.

0,26

0,15

0,18 0,14

2008

0,16

0,15 0,11

CO2 Indireto

0,14 0,11

2010

2009 CO2 Direto

0,25

2011

CO2 Total

MUNDOFIAT

125


relaTório

INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E SUSTENTABILIDADE 2012

6.1 OS VEíCULOS DO FUTURO

GRÁFICO 15. INDúSTRIA AUTOmOBILíSTICA | GERENCIAmENTO DE RESíDUOS Tonelada/veículo

0,40 0,33 0,27

0,31

0,28

0,26

0,24

0,24

0,13 0,09 2008

0,05

2009

2010

0,04 2011

Conceitualmente, os veículos caminham para inovações e tecnologias que favoreçam o meio ambiente, a mobilidade urbana e a segurança do trânsito. Com o processo dinâmico da tecnologia, os veículos – sejam automóveis, caminhões ou ônibus – tornam-se mais sustentáveis. Há uma verdadeira revolução tecnológica nos centros mundiais de pesquisa e desenvolvimento de veículos, priorizando cada vez mais no DnA dos veículos do futuro os conceitos de segurança veicular, qualidade ambiental e mobilidade urbana. São projetos que enfatizam carros compactos, motorizações de maior eficiência, menor consumo e menores emissões e uso de combustíveis alternativos aos derivados de petróleo. A eletrônica, a informática e a conectividade das mais variadas formas estão e estarão em crescente presença nos veículos, acionando-os e movimentando-os, definindo percursos e orien-

tando operações de maior dirigibilidade ao condutor, com economia de tempo e de recursos, com adequados padrões de segurança de trânsito e de qualidade ambiental. novos materiais e a nanotecnologia tornam os veículos mais leves e também mais recicláveis ao fim do ciclo de vida. As emissões de poluentes dos veículos serão cada vez menores e, em alguns casos, provavelmente eliminadas, ou reduzidas drasticamente. Biocombustíveis, veículos híbridos e elétricos já são realidades que ganham campo. outras energias veiculares, como célula de hidrogênio e outras ainda inimagináveis, serão testadas em novas formas de mover os veículos nos anos futuros. os veículos tendem a tornar-se cada vez mais produtos globais em sua concepção, o que significa que essas novas concepções, desenvolvidas ou trazidas de fora, também acabarão sendo incorporadas, observando-se características, particularidades e vocações do País.

7. mOBILIDADE E SUSTENTABILIDADE Total

Reciclados

Não Reciclados

6. FROTA E SUSTENTABILIDADE A frota de veículos do Brasil é de cerca de 34,65 milhões (2011). estimativas atribuem um veículo para cada 6,5 habitantes no País, número ainda modesto considerando-se a relação de um veículo por habitante nos estados Unidos, um por 1,8 habitante na europa e um por 4,0 habitantes na Argentina. As projeções indicam que a médio e longo prazo o mercado brasileiro poderá adquirir mais de 6,3 milhões de veículos por ano, e a estabilização da frota brasileira – com cerca de 70 milhões de unidades, na proporção de um veículo para cada três habitantes – poderá ocorrer após 2020. As estimativas consideram o crescimento populacional e do mercado automoti-

126

MUNDOFIAT

vo, e também o sucateamento de veículos ao fim de seu ciclo de vida. nos últimos anos, vem ocorrendo renovação natural da frota brasileira e redução de sua idade média. Hoje, considera-se que a frota brasileira de automóveis e comerciais leves tenha idade média de cerca de oito anos. A renovação da frota e a adoção de programas de inspeção veicular em nível nacional, aliadas à futura estabilização da frota, concorrerão para a melhoria da qualidade ambiental, da mobilidade urbana e da segurança de trânsito – fatores relevantes de sustentabilidade.

o tema da mobilidade urbana nas metrópoles passa a ser presença constante e crescente na vida dos cidadãos, dos governantes e das empresas, por seus efeitos sobre a qualidade de vida dos habitantes, sobre o meio ambiente e mesmo sobre a competitividade e atratividade das economias metropolitanas. ou seja, a mobilidade urbana vai além dos problemas de congestionamento do dia a dia, é uma questão social, ambiental e econômica, tanto para o ir e vir do cidadão quanto para a qualidade de vida e para a própria sustentabilidade das economias das metrópoles. o papel da indústria automobilística nesse contexto é e deve ser relevante. Cabe a ela o desenvolvimento e a produção de veículos tecnologicamente aptos a promover a redução do consumo de combustível, menores níveis de emissões e ruídos, motorizações com combustíveis alternativos e veículos habilitados a rodar dentro dos padrões de segurança veicular exigidos. e, no seu campo de atuação, deve

ser incessante a busca por tecnologias que se traduzam em mobilidade e sustentabilidade ambiental das metrópoles, tanto no que se refere aos veículos para o transporte pessoal quanto para o transporte público. Além desses focos de atuação, há no Brasil carros compactos – especialidade da indústria automobilística local – de menores dimensões e motorizações de 1.0 a 2.0, o que ajuda na ocupação de menor espaço nas vias públicas e na qualidade ambiental. A questão da mobilidade urbana deve ser vista considerando-se não apenas um ou outro aspecto isoladamente, como a quantidade de veículos nas ruas. A mobilidade urbana deve ser vista a partir de um conjunto de fatores: quantidade de veículos, transporte individual, transporte público, adensamento residencial e populacional, infraestrutura viária, engenharia de trânsito, legislações e educação de trânsito e planejamento urbano das grandes cidades. o crescimento das metrópoles pressupõe a adequa-

MUNDOFIAT

127


FIAT AUToMóVeIS

INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E SUSTENTABILIDADE 2012

ção e o crescimento organizado e paralelo do entorno das concentrações residenciais, da malha e engenharia viárias e do transporte público como condição fundamental para a mobilidade. A questão da mobilidade nas metrópoles é desafiadora. Ao lado de paliativos pontuais, devem ser buscadas soluções estruturais e políticas públicas de

Ações Econômicas

Market share: obteve, em 2011, a liderança no mercado brasileiro de automóveis e comerciais leves pelo 10º ano, com 754.276 veículos emplacados, o equivalente a 22% de participação no mercado nacional. A política de relacionamento da Fiat com a comunidade estrutura programas e orienta ações com foco no estímulo à autonomia do ser humano, na criação e fortalecimento de redes e no empoderamento das comunidades para que se tornem protagonistas de suas próprias histórias. em 2004, a Fiat criou a plataforma de atuação “Árvore da Vida”, que hoje atua nas vertentes: Árvore da Vida – Jardim Teresópolis, Árvore da Vida – Capacitação Profissional, Árvore da Vida – Parcerias e Movimento nossa Betim.

longo prazo, pois somente estas serão capazes de tornar fluida a vida nas metrópoles no futuro. equação automóvel, segurança de trânsito, meio ambiente e mobilidade urbana serão construídos com produtos corretos e avançados por parte da indústria, com legislações e políticas públicas e educação e disciplina dos cidadãos, pedestres, condutores e passageiros.

Árvore da Vida – jardim Teresópolis (Betim/mG): tem como foco o desenvolvimento local inclusivo da área localizada em frente à fábrica da Fiat – uma comunidade formada por cerca de 30 mil pessoas, com importantes índices de vulnerabilidade social. Implantado em 2004, as propostas do trabalho estão centradas no desenvolvimento do território, com atividades voltadas para crianças e jovens da comunidade e seus públicos de relacionamento, como família, escolas e instituições locais. Para isso, tem como estratégia fomentar a geração de emprego e renda, promover o fortalecimento da comunidade e oferecer atividades socioeducativas. De 2004 a 2012 foram beneficiadas mais de 17 mil pessoas.

8. INDúSTRIA AUTOmOBILíSTICA E SUSTENTABILIDADE – CONCLUSÕES Considerando os impactos negativos e positivos a partir de suas atividades e de seus produtos na sustentabilidade, a indústria automobilística trabalha seguindo princípios ambientais e socioeconômicos que abrangem amplo arco de políticas com foco em

processos de produção e administração mais enxutos e limpos; produtos mais econômicos e ambientais; e melhorias nas comunidades e regiões onde está instalada, por meio de investimentos e ações sociais, econômicas e ambientais.

8.1 INDúSTRIA AUTOmOBILíSTICA – PRINCíPIOS DE SUSTENTABILIDADE

com energia alternativa; redução de ruídos; novas tecnologias e materiais verdes; reciclabilidade; e nanotecnologia e eletrônica embarcada.

redução das emissões e tratamento de efluentes industriais; gerenciamento de resíduos, com redução, reutilização e reciclagem; melhoria da logística; qualificação dos trabalhadores; condições de trabalho adequadas; e valorização das pessoas.

Árvore da Vida – Parcerias: reúne os projetos sociais, socioesportivos e socioculturais patrocinados e apoiados pela Fiat por meio das leis de incentivo fiscal (FIA – Fundo para a Infância e Adolescência, Lei rouanet, Lei estadual da Cultura de Minas gerais e Lei do esporte) com a gestão direta de outras instituições ou ongs. em 2012, realizaram-se as seguintes parcerias:

riais e insumos; melhoria dos índices de reciclagem; e uso máximo de energia solar.

ar condicionado); e destinação adequada de resíduos e efluentes.

História de um Grande Rei (Betim/mG): integrando as ações de formação artística do programa Árvore da Vida – Jardim Teresópolis, esse projeto prepara um grupo de 20 bailarinas para apresentação de espetáculos com danças folclóricas e clássicas.

e fortalecimento das comunidades/regiões.

MUNDOFIAT

Ações Sociais

Árvore da Vida – Capacitação Profissional (Betim, Belo Horizonte, São Paulo, Curitiba, Recife, Brasília, Salvador e Porto Alegre): oferece cursos profissionalizantes com foco no setor automobilístico a jovens de 18 a 24 anos. os cursos são realizados em parceria com o Isvor, Senai e rede de Concessionárias Fiat das cidades participantes. Ao final do curso, os jovens recebem a oportunidade de contratação pelas concessionárias. Dessa forma, o projeto gera inclusão social por meio da empregabilidade e, ao mesmo tempo, oferece profissionais qualificados à rede de Concessionárias.

Fundação AVSI/CDm – Projeto Oficinas Artísticas do Programa Árvore da Vida – jardim Teresópolis (Betim/mG): integra as atividades de formação artística do programa Árvore da Vida – Jardim Teresópolis. oferece oficinas de canto, coral e percussão a 200 jovens da comunidade e entorno do Jardim Teresópolis. Ao longo do ano, são realizadas apresentações abertas à comunidade e desenvolvido um espetáculo com a participação dos alunos e músicos convidados.

-

128

Atividade: produz veículos de passeio e comerciais leves. Instalada em Betim (Mg), a fábrica tem capacidade para produzir 800 mil veículos por ano, ou três carros por minuto.

raio-X da susTenTabilidade

relaTório

Raio-X da Sustentabilidade

Salão do Encontro (Betim/mG): dois projetos foram apoiados pela Fiat em 2012: “Construtores do Futuro”, que visa à ampliação de atividades de formação e beneficiou 800 crianças e adolescentes com oficinas de reforço escolar, formação artística e lúdico-esportivas; e “Tecendo Sonhos, Construindo Vidas”, com oficinas de reforço escolar e literatura, iniciação artesanal, iniciação em artes circenses, jogos pedagógicos e de raciocínio lógico, inclusão digital e padaria-escola, envolvendo 200 crianças e adolescentes.

MUNDOFIAT

129


Ações Ambientais

FIAT AUTOmÓVEIS

FIAT AUTOmÓVEIS

raio-X da susTenTabilidade

Ações Sociais

Servas – Serviço Voluntario de Assistência Social (Belo Horizonte/mG): o Valores de Minas, do governo de Minas gerais, é voltado a jovens de 14 a 24 anos de escolas públicas da rede estadual. oferece formação em habilidades artísticas de circo, dança, música, teatro e artes plásticas, com o intuito de possibilitar a formação cidadã e o crescimento pessoal. manutenção da Programação da Rede minas 2012 (mG): o apoio da Fiat, pelo quarto ano consecutivo, viabiliza a programação da emissora estatal de televisão que leva aos telespectadores programas de conteúdo cultural, jornalístico, de emprego e renda, educação, ciência, tecnologia e sustentabilidade. Associação São miguel Arcanjo (Barbacena/mG): “Salvando Vidas” é um projeto de desenvolvimento social que envolve 430 crianças e adolescentes. São desenvolvidas ações de proteção social básica e restabelecimento de vínculos familiares. AjAm – Associação jaibense de Apoio ao menor (jaíba/mG): a iniciativa “Capacitação em Panificação e Confeitaria” capacita profissionalmente adolescentes e adultos e os prepara para o mercado de trabalho. Associação Cidade Escola Aprendiz (São Paulo/SP): a Fiat apoia dois projetos: “Ações pela educação Integral“ e o “Projetando Mudanças”. o primeiro projeto propõe a realização de oficinas com educadores e adolescentes para fomentar a comunicação comunitária, garantindo os direitos da criança e do adolescente, especialmente em relação à educação integral de qualidade e acesso à cultura. Já o “Projetando Mudanças” beneficia crianças e jovens de 4 a 18 anos das zonas oeste e Central da cidade. oferece formação, ensinando os beneficiários a planejar e executar projetos a partir de seus interesses e da demanda local, na área da educação. o objetivo é promover o protagonismo das crianças e jovens nos processos educativos como forma de efetivação do seu direito à educação. Hospital Pequeno Príncipe (Curitiba/PR): o projeto “Apoio à Inovação e Humanização do Atendimento Hospitalar para Crianças e Adolescentes” viabiliza a aquisição de equipamentos para as alas de ortopedia, emergência, Laboratório Clínico, Centro de Diagnóstico de Câncer, Cardiologia, UTIs, neurologia e Centro de Imagem. o objetivo é garantir a qualidade no atendimento oferecido a crianças e adolescentes, com assistência e presença da família, cuidado humanizado, educação e recreação. Prefeitura de Betim (Betim/mG): o projeto “esporte para Todos” viabiliza a principal política pública do município na área de esporte. oferece a toda população a prática de 21 modalidades esportivas em 18 núcleos espalhados pelo município. As oficinas também incluem atividades físicas adaptadas, voltadas a pessoas com deficiência. outro projeto apoiado pela Fiat é o “Bola pra Frente”, que oferece oficinas de Futebol de Campo a crianças e jovens de 6 a 17 anos. As atividades ocorrem em 15 núcleos espalhados pelo município. minas Tênis Clube (Belo Horizonte/mG): o projeto “natação rio 2016” é focado no alto rendimento de atletas da natação, preparando-os para as olimpíadas de 2016. CONI Brasile (Belo Horizonte/mG): o projeto “21º Jogos da Juventude” estimula a prática esportiva por meio da realização de um campeonato envolvendo jovens de Minas gerais em competições de natação, Atletismo e Futebol de Campo. ADD – Associação Desportiva para Deficientes (São Paulo/SP): o projeto “ADD equipes de Basquete” promove a inclusão de deficientes físicos cadeirantes por meio da modalidade esportiva de basquete. o projeto propõe a preparação de uma equipe para a participação nas Paraolimpíadas de 2016. movimento Nossa Betim: mobiliza e articula os diversos segmentos da sociedade para construir e estabelecer compromissos com um conjunto de indicadores e metas de melhoria contínua da qualidade de vida na cidade. Iniciativa autônoma e apartidária estimulada pela Fiat Automóveis em Betim (Mg), que tem como objetivo promover a corresponsabilidade solidária pela promoção do desenvolvimento justo e sustentável no município. Rede Fiat de Cidadania: conjunto de parcerias formadas com fornecedores da empresa, concessionários, governo e terceiro setor na busca do fortalecimento das ações desenvolvidas pelo Programa Árvore da Vida.

Ações Premiadas

ISO 14001: foi a primeira fábrica de automóveis leves e de passeio do País a obter a certificação há 15 anos, conquistando os seguintes resultados: Consumo de energia elétrica: de 1994 a 2011, redução de 56% (kwh/veículo) Consumo de água: de 1994 a 2011, redução de 68% (m³/veículo) Geração de resíduos: de 1994 a 2011, redução de 44% (Kg/veículo) Investimentos ambientais: r$ 20,5 milhões nos últimos 5 anos Gestão de resíduos: reciclagem e reaproveitamento de 100% dos resíduos gerados no processo produtivo, com o projeto “Aterro zero”. Gestão de água: índice de recirculação de água é de 99% com a implantação de modernos equipamentos, resultando na quase eliminação da captação de água potável da rede pública para o uso industrial. Inventário Água (Pegada Hídrica): concluído em 2011, em fase de atualização. Medidas para reduzir o consumo de água foram implementadas, como controle do sistema de resfriamento, monitoramento diário, torneiras automáticas, descarga automática em vaso sanitário, além da nova unidade pintura Inventário GEE – Gases de Efeito Estufa (Pegada de Carbono): concluído em 2010, em fase de atualização. Medidas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa foram implementadas, como monitoramento online de Co2 nas caldeiras, logística reversa, projeto Aterro zero, melhoria na logística de cargas com a redução do numero de viagens, além da nova unidade de pintura. Gestão de energia: está em andamento uma série de projetos voltados para a eficiência energética como, por exemplo, instalação de postes de placas fotovoltaicas e lâmpadas a LeD, para iluminação das ruas internas da fábrica, em uma iniciativa pioneira em fábrica de automóveis. Desenvolvimento de produtos: investimento contínuo no desenvolvimento de motores mais econômicos e com menor emissão de poluentes, associado a pesquisas de inovação em combustíveis e ecologia do Produto. 2012 Programa Árvore da Vida – jardim Teresópolis eleito uma das cinquenta melhores práticas brasileiras que contribuem com os Objetivos de Desenvolvimento do milênio (ODm): premiação coordenada pela Secretaria-geral da Presidência da república, em parceria com o Programa nacional das nações Unidas para o Desenvolvimento (PnUD) e com o Movimento nacional pela Cidadania e Solidariedade. 8º Prêmio Brasil Ação Ambiental: com o projeto “Aterro zero – nova Visão de gestão de resíduos Sólidos”. A iniciativa é da Câmara de Comércio Americana. Prêmio Brasil de Ação Ambiental: categoria Melhor Trabalho em Água pelo projeto de melhoria técnica da estação de Tratamento de efluentes (eTe). A premiação é uma parceria da Casa Brasil com o Jornal do Brasil. Prêmio Aberje/Regional minas Gerais e Centro-Oeste: categoria Comunicação de Programas voltados à Sustentabilidade empresarial, com a campanha de comunicação interna “Consciência Sustentável Fiat: o presente é o seu futuro”. 2011 Prêmio Cidadãos do mundo para o programa Árvore da Vida: categoria responsabilidade Social empresarial, promovido pelo jornal Hoje em Dia. 2010 e 2009: “melhor Empresa na Gestão da Responsabilidade Social, Recursos Humanos e Sustentabilidade Financeira”: no setor de Veículos e Indústria de Transporte, reconhecida pela publicação “As Melhores da Dinheiro”, da revista IstoÉ Dinheiro. Prêmio Aberje/Regional minas Gerais e Centro-Oeste: por cinco anos consecutivos, o Árvore da Vida foi premiado nas seguintes categorias: intangível – Comunicação e relacionamento com a Sociedade/2010

mento com a Comunidade/2008

MUNDOFIAT

-

res/2007 dade/2006

130

-

ção e relacionamento com a Comunidade/2009

-

MUNDOFIAT

131


raio-X da susTenTabilidade

Centro Social São josé (Pastoral do menor): apoio ao projeto “Molecada”, realizado em Sorocaba (SP), na gestão de centros educacionais comunitários, localizados na periferia da cidade. nesses centros, são realizadas atividades educativas e recreativas, somando-se mais de 2,5 mil atendimentos a crianças, adolescentes, jovens e familiares em situação de vulnerabilidade social, com idades entre 5 e 19 anos.

CASe new HoLLAnD (CnH) Atividade: produção de máquinas agrícolas e equipamentos para construção, incluindo as marcas new Holland Agriculture, Case IH, new Holland Construction e Case Construction. Ações Econômicas

Centro de Formação de Atletas Vânia e Vanira: apoio ao projeto “educando Através do esporte”, de Sorocaba (SP). A iniciativa promove aulas de basquete como instrumento de inserção social e como forma de acesso à educação, cultura e lazer. A ong atende, aproximadamente, a 700 crianças, jovens e adolescentes.

Receita líquida 2011: U$$ 3,1 bilhões (América Latina) Market share 2011: as colheitadeiras detêm 48% do mercado nacional, os tratores agrícolas, 24% e as colhedoras de cana, 40%. na área de máquinas de construção, a Case new Holland detém 33% de participação.

“Arremesso para o Amanhã”: apoio ao projeto desenvolvido pela Liga Sorocabana de Basquete (LSB), que incentiva a prática do esporte com aulas para 150 jovens com idades entre 7 e 14 anos.

New Holland Agriculture: Prêmio New Holland de Fotojornalismo: em sua oitava edição, o concurso recebeu 2,5 mil fotos do Brasil, Uruguai, Paraguai, Argentina e Chile, inscritas por cerca de 550 fotógrafos, entre profissionais e não profissionais.

Ações Sociais, Culturais e Esportivas

New Holland Industrial (Agriculture e Construction) – Plantar & Construir:

Associação Cultural Sempre Um Papo: apoio ao projeto “Literatura em Vídeo – Ano III”, com o objetivo de realizar palestras e debates com grandes escritores.

Ações Sociais, Culturais e Esportivas

Fundação AVSI: apoio ao projeto “Construindo oportunidades para Crianças e Adolescentes” com ações socioeducativas, que têm como objetivo contribuir para reduzir os índices de vulnerabilidade das vilas, promovendo o desenvolvimento social das famílias e o fortalecimento das comunidades vizinhas à fábrica. Apoio também ao projeto “grafitti: Invenções nos Muros”, que promove a formação artística de jovens.

Hospital de Câncer de Barretos: é uma das patrocinadoras do Hospital, que atende a pacientes via SUS. Case New Holland:

CASE NEW HOLLAND (CNH)

Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba (PR): desenvolvimento do projeto “A Magia da Dança”, que tem como objetivo organizar oficinas de dança para pacientes por meio do ballets clássico e moderno e das danças folclóricas.

Prêmio CNH de jornalismo Econômico: lançado como Prêmio Fiatallis, em 1993, o Prêmio é dirigido à imprensa e tem como principal objetivo estimular a boa informação e o debate sobre a economia brasileira, valorizando as matérias e reportagens do setor que contribuam para o desenvolvimento do País. Livro Ciclos da Economia – Borracha: edição e publicação de livro sobre o ciclo da borracha, complementando a série já produzida sobre a evolução da economia brasileira (pau-brasil, ouro, cana-de-açúcar e café). Gestão de resíduos: programas de coleta seletiva e de reciclagem e reaproveitamento presentes em todas as unidades CnH LAr.

Associação São miguel Arcanjo (mG): apoio ao projeto “Salvando Vidas”, que oferece educação integral, assim como alimentação adequada, para cerca de 420 crianças e adolescentes, com idades entre 3 a 18 anos. Associação Ágape (PE): apoio ao projeto “resgate da Cidadania Através do esporte”, que assegura cidadania de 220 crianças, com idades entre 7 e 18 anos, por meio da educação e formação profissional adequadas. os jovens atendidos são vítimas de abandono, abuso sexual e de drogas. Uma das ações do projeto foi a construção de uma quadra poliesportiva para o desenvolvimento de habilidades e recreação.

Gestão de energia: as unidades CnH LAr estão implantando o Sistema de gestão de energia conforme o padrão internacional ISo 50001. Unidade de Contagem (mG): efetiva redução do consumo de energia com “programas de redução de perdas de ar comprimido”. Ações Ambientais

MUNDOFIAT

Complexo Industrial de Sorocaba (SP): tratamento de borra de tinta e 100% de reaproveitamento da água utilizada no processo industrial. Centro de Logística e Distribuição de Peças, em Sorocaba (SP): o primeiro do setor de autopeças na América Latina a conquistar certificação Leed gold para prédio verde.

Construction e Case IH: Case multiação:

132

ONG Bola da Vez: apoio ao projeto “esporte e Cidadania”, de Sorocaba (SP), com aulas de futebol para 1,1 mil jovens, de 7 a 17 anos, como forma de inclusão social e de estímulo à formação cultural, social e educacional. As aulas ocorrem em 11 núcleos espalhados por bairros da zona norte de Sorocaba.

museu do Açúcar de Piracicaba: busca restaurar e adaptar o complexo do engenho Central, em Piracicaba (SP), para a implantação de um acervo cultural sobre o açúcar no Brasil.

Inventário GEE – Gases de Efeito Estufa (Pegada de Carbono): concluído em 2011, em fase de atualização. Inclui o Banco CnH.

Associação Cultural Pintura Solidária: apoio ao projeto “o Tom da Pintura”, de Sorocaba (SP). A ong desafia crianças, adolescentes, adultos e terceira idade a expressarem a criatividade por meio da pintura. As oficinas são organizadas em hospitais, creches, entidades que assistem crianças com problemas psicológicos e casas de apoio, contribuindo para a elevação da autoestima e do fortalecimento do sistema imunológico dos pacientes e da coordenação motora em crianças com problemas físicos.

150 melhores Empresas para se Trabalhar: pelo sétimo ano consecutivo, a CnH está no ranking das revistas exame e Você S/A. Ações Premiadas

melhores do Agronegócio 2012: a CnH Latin América foi eleita a Melhor empresa no setor Tratores e Máquinas Agrícolas, pelo segundo ano consecutivo. A iniciativa é da revista globo rural, que premia as empresas mais destacadas em 30 segmentos do agronegócio.

MUNDOFIAT

133


Ações Econômicas

Atividade: produção de caminhões leves, médios e pesados, ônibus, veículos comerciais para aplicações militares, fora de estrada, bombeiros, defesa civil, entre outros. A linha de produtos é composta pelos modelos Iveco Daily, Iveco Stralis, Iveco Tector, , Iveco Trakker e Iveco Vertis. A produção de ônibus conta com o novo modelo Iveco CityClass, Iveco Daily Minibus e o chassi-ônibus Iveco S170. Market Share: cerca de 9%.

Gestão de resíduos: a Ilha ecológica, inaugurada em 2000, recebe, segrega, armazena e destina corretamente os resíduos. na Ilha, também é tratado 100% dos resíduos líquidos nas duas estações de Tratamento de efluente (eTe). recentemente, a Ilha ecológica passou por reforma que aumentou a capacidade de armazenamento em 77%.

IVECO

raio-X da susTenTabilidade

IVeCo

Ações Ambientais

ISO 14001: a Iveco conquistou a certificação ambiental pelas melhorias nos indicadores e reformas na Ilha ecológica.

Projeto Top Driver: treinamento e capacitação de motoristas para torná-los melhores condutores, além de garantir redução de custos com transporte e manutenção da frota de caminhões.

Desenvolvimento produtos: investimento no desenvolvimento de produtos com baixo consumo de combustível e pioneirismo nos combustíveis alternativos. A Iveco trabalha hoje com um mix que engloba veículos dotados com as tecnologias gnV (gás natural Veicular), elétrica, Bi-Fuel (Diesel-etanol), híbrido, entre outras.

Programa Próximo Passo: desenvolvido desde 2007 com o objetivo de promover ações de curto e longo prazos em benefício da comunidade, clientes, funcionários e fornecedores, o Próximo Passo é baseado em três pilares: o econômico, o social e o ambiental. Suas ações envolvem o uso racional de recursos, a reciclagem, a ética, a cidadania, a capacitação e o desenvolvimento.

MAgneTI MAreLLI

Projeto Sempre Um Papo na Comunidade: série de palestras realizada na comunidade de Sete Lagoas, sobre temas voltados para a responsabilidade social, empreendedorismo, saúde e a família. Projeto SEI (Projeto SocioEducativo Integrado): faz parte do Fundo da Infância e Adolescência (FIA), e visa a oferecer a jovens de regiões de vulnerabilidade social de Sete Lagoas oficinas de arte e cultura, música, esporte, idiomas e informática. o objetivo é fortalecer o relacionamento do jovem na família e na sociedade, além de proporcionar o acesso à atividades extracurriculares que proporcionam o desenvolvimento intelectual e profissional.

Ações Sociais

Atividade: produz componentes automotivos nas áreas de powertrain, sistemas eletrônicos, iluminação, amortecedores, escapamentos, suspensão, camisas de cilindro, pedais e plásticos. Ações Econômicas

Projeto Ciência: tem foco no desenvolvimento ambiental, em parceria com o Instituto de Arte Contemporânea Inhotim. Foi criado para desenvolver atividades voltadas para a ciência e informação ambiental junto a alunos da rede pública de ensino, e já beneficiou 1,6 mil estudantes de Sete Lagoas, com atividades nas escolas e visitas ao Inhotim.

Teste Drive Solidário: desde 2010, durante os lançamentos de caminhões, a cada teste drive, uma cesta básica é doada para comunidades carentes próximas ao local onde o evento é realizado. Escola Formare: tem como objetivo incentivar o desenvolvimento de jovens e proporcionar a oportunidade de formação inicial para o mercado de trabalho, com duração de, aproximadamente, um ano. o foco é desenvolver habilidades como: comunicação, trabalho em equipe, solução de problemas, processo produtivo e cidadania, tendo como educadores voluntários os funcionários da Iveco, com aulas ministradas nas instalações da empresa.

134

MUNDOFIAT

Market share 2012: sistemas de injeção 35% (Powertrain); painéis 36% (Sistemas eletrônicos); faróis 38% e lanterna 19% (Iluminação); amortecedores 63% (Amortecedores); sistemas de exaustão 39% (escapamentos); travessa 12% e eixos 9% (Suspensão); Filler neck 12% (Módulos e Componentes Plásticos). Formare: 386 educadores voluntários e 81 alunos formados em 2012. o programa desenvolve as potencialidades de jovens de baixa renda para integrá-los à sociedade como profissionais e cidadãos. Com duração de um ano, o curso é realizado dentro da empresa e os jovens recebem benefícios como bolsa-auxílio, transporte, alimentação, convênio médico e odontológico. A escola Formare está instalada nas unidades de Lavras, Amparo, Hortolândia, Mauá e Santo André.

Teatro Redenção: patrocínio da restauração do teatro redenção, um dos imóveis mais importantes do patrimônio histórico de Sete Lagoas. Com a finalização da obra, a comunidade ganhará um novo espaço para eventos culturais e mostras. Literata: pelo terceiro ano consecutivo, a Iveco realizou a Literata, festa literária de Sete Lagoas, que reuniu mais de 8 mil pessoas em 4 dias de evento. neste ano, o grande homenageado foi o autor Monteiro Lobato, que inspirou temas de discussões literárias, mesas-redondas, oficinas, exposições e apresentações diversas, para públicos de todas as idades, em 2010, o evento reuniu mais de 3 mil pessoas para discutirem guimarães rosa e, no ano seguinte, cerca de 5 mil pessoas prestigiaram as atividades em homenagem ao autor Fernando Sabino.

Emissões atmosféricas: opera abaixo dos limites legais de lançamento de poluentes atmosféricos. Já foram implantados sistemas de pós-combustores de pintura, aspiração de sola de carroceria e escapamento de veículos, exaustão de Co2 no interior do galpão de montagem e sistema de insuflamento de ar.

Amparo: 1253 pessoas beneficiadas em 2012

Ações Sociais

Formação Técnico Profissional de Adolescentes – Capacitação Inicial: apoio ao programa da Associação guarda Mirim, que promove capacitação profissional e desenvolvimento de habilidades psicossociais, para inserir e manter adolescentes no mercado de trabalho. Tocando em Frente II: apoio ao projeto do educandário nossa Senhora do Amparo, voltado para o acompanhamento de crianças e adolescentes, com aulas de reforço escolar, atividades de lazer e habilidades sociais, artísticas e manuais. Educação e qualificação para o Trabalho: apoio à Associação de Pais e Amigos dos excepcionais (Apae) com o objetivo de possibilitar a inclusão da pessoa portadora de necessidades especiais no mercado de trabalho, qualificando-a em suas habilidades básicas e elevando a autoestima.

MUNDOFIAT

135


raio-X da susTenTabilidade

Apoio Pedagógico, Orientação às Famílias e Incentivo Cultural: desenvolvido pela Associação da Mulher Unimed de Amparo, visa a promover o envolvimento e a integração de crianças, adolescentes e adultos com deficiência visual no sistema regular de ensino, com ações que contemplem a inserção e a permanência no contexto educacional e social por meio de recursos apropriados para o desenvolvimento de suas atividades escolares.

Resíduos sólidos: programas de coleta seletiva, de reciclagem e reaproveitamento de resíduos implantados em todas as plantas. Programa recicle Melhor nas unidades do ABC em que parte da verba gerada com os materiais reciclados é destinada para a compra de kits de material escolar para os filhos dos colaboradores. Gestão da água: efetiva redução do consumo na unidade de Santo André (SP) por meio de circuito fechado para refrigeração dos fornos de sinterizados. A unidade de Amparo (SP) também implantou o reúso de água do sistema de remediação. outras ações: substituição gradativa das torneiras convencionais por torneiras com controle de fluxo, substituição de tubulações e controle de vazamentos.

Programa Educacional de Resistências às Drogas e à Violência: da Polícia Militar do estado de São Paulo, o programa consiste em uma ação conjunta entre as Policias Militares, escolas e Famílias, no sentido de prevenir o abuso de drogas e a violência entre estudantes, bem como ajudá-los a reconhecer as pressões e as influências diárias que contribuem para o uso de drogas e para a prática de violência, desenvolvendo habilidades para resisti-las. Lavras: 1.980 funcionários beneficiados em 2012

mAGNETI mARELLI

Projeto Acamar/Associação dos Catadores de materiais Recicláveis: promove o exercício da cidadania e de novas práticas de sociabilidade, além de favorecer a geração de empregos e despertar a consciência ambiental da população por meio de parceria com a Fundação Pró-Defesa Ambiental.

mAGNETI mARELLI

movimento Arte Parte 2: realizado pelo Movimento de Ação rural do Bairro Pantaleão (Marp), tem como objetivos promover a geração de renda e a valorização do trabalho, bem como capacitar as mulheres para o mercado, promovendo a melhora da autoestima e da qualidade de vida.

Ações Ambientais

Green Building em Hortolândia (SP): construção de Tech-Center certificada conforme os requisitos Leed em 2009.

Bom de Bola, Bom na Escola: em parceria com a Associação Beneficente recreativa e educacional, incentiva a prática esportiva na vida de 180 jovens da comunidade, com idades entre 6 e 17 anos, estreitando a relação do aluno com a escola por meio de reforço escolar, suporte médico, assistência odontológica, avaliação nutricional, além de acompanhamento social e psicológico. Ações Sociais

Inventário GEE – Gases do Efeito Estufa: concluído em todas as plantas do Brasil, com o objetivo de identificar oportunidades de melhorias de processos para redução das emissões. Desenvolvimento de produtos: investe fortemente em produtos ecológicos (Flex, Tetra, Free Choice, farol a full-LeD).

Dançando e Transformando: da Associação Conquista, visa a promover a inclusão social das pessoas com deficiência e a conscientização de crianças, adolescentes e comunidade, mostrando a importância do respeito às diferenças na sociedade. o público alvo é formado por professores e alunos. Cozinha Escola: coordenado pela Fundação Padre Dehon, tem como objetivo a capacitação profissional por meio de temas centrados na alimentação, tais como: cuidados, processamento e reaproveitamento de alimentos, privilegiando-se uma educação voltada para uma alimentação equilibrada e saudável. o público alvo é formado por mães e donas de casa. Escola de Arte musical: coordenado pela Corporação Musical e euterpe operária de Lavras, visa a desenvolver atividades de capacitação relacionadas ao ensino musical, com instrumentos de sopro e percussão.

FPT InDUSTrIAL Ações Econômicas

Cria Lavras: projeto coordenado pela Associação Acadêmica de esportes/ Liga de esportes da UFLA, utiliza o atletismo como instrumento pedagógico. Aproximadamente, 1.450 estudantes de escolas públicas, entre 7 e 20 anos de idade, moradores de bairros periféricos e em situação de risco social, participam da iniciativa.

ISO 14001: certificada desde 2009

Ações Ambientais

Colorindo a Vida: visa à melhoria da qualidade de vida, apontando para a comunidade alternativas sociais, educacionais e de saúde.

136

MUNDOFIAT

Consumo médio de energia: de 2009 a 2011 redução de 30% (kwh/item produzido) Consumo médio de água por item produzido: de 2009 a 2011 redução de 29% (litros/item produzido)

Ler e Escrever é Bom Saber: apoio ao programa da Casa Betânia da Paz, que promove trabalhos educacionais e sociais, além de prestar serviços de assistência social e saúde a crianças, adolescentes e suas famílias. Ampliando Horizontes com Arte: apoio ao projeto do Centro de Convivência, Aprendizagem, reabilitação e Trabalho (CCArT), que visa à capacitação de pessoas com deficiência intelectual para possível inclusão no mercado de trabalho.

Atividade: desenvolve, produz e comercializa sistemas de propulsão para caminhões leves, médios e pesados; ônibus, máquinas de construção e agrícolas; geradores de energia e aplicações marítimas. em Sete Lagoas (Mg), produz os motores F1A, F1C, 8140, neF (4 a 6L), S 8000 e g-drive. Já em Córdoba (Argentina), fabrica os propulsores Cursor 9 e Cursor 13. Sete Lagoas:

Hortolândia: 522 funcionários beneficiados em 2012 Projeto Vida Nova: apoio ao programa da escola evangelho esperança, que oferece à população atendimento para prevenção do uso de drogas e outras substâncias psicoativas.

Redução do consumo de energia: utilização de máquinas e equipamentos com dispositivo de economia de energia, uso de telhas translúcidas para redução da utilização de iluminação ambiente, substituição de lâmpadas convencionais por do tipo LeD, energia solar para aquecimento de vestiários (concluído em Suspensão Contagem/Mg e Amortecedores Mauá/SP), identificação de perdas de ar comprimido, entre outras ações. A empresa está implantando o Sistema de gestão de energia, conforme o padrão internacional ISo 50001.

Gestão de resíduos por item produzido: de 2009 a 2011 22% (Kg/item produzido)

Ações Sociais

Projeto Sementinha: tem como objetivo compensar a emissão de gases que provocam o efeito estufa com o plantio de árvores na fábrica, além de conscientizar as crianças que participam do projeto sobre a importância do meio ambiente.

MUNDOFIAT

137


raio-X da susTenTabilidade

ISO 14001: primeira fundição do Brasil a obter a certificação, em 1999. Ao longo desses 13 anos de certificação, várias ações foram e continuam sendo implementadas para otimizar a gestão ambiental, reduzindo o uso de recursos naturais como, por exemplo, o reaproveitamento de areia descartada de fundição e o reúso da água.

TeKSID

Ações Econômicas

Atividade: um dos maiores grupos de fundição de autopeças do mundo com mix de produtos composto por mais de 200 peças automotivas em ferro e alumínio, destinadas à indústria automotiva mundial. Possui uma moderna fábrica de alumínio, que produz cabeçotes para motores 1.0 e 1.4 evo, com capacidade produtiva de 10 mil toneladas/ano, o equivalente a 250 mil peças.

Gusa líquido: primeira fundição no mundo a receber o ferro-gusa em estado líquido, de fonte externa, diretamente em sua linha de moldagem, o que possibilitou uma economia de 32% no consumo de energia elétrica.

Market share: líder na produção de blocos de motor automotivos, detendo 70% do mercado nacional.

Acompanhamento de fornecedores: visa a garantir práticas sustentáveis em toda a sua cadeia produtiva.

Filhote do Salão do Encontro: oferece oficinas de marcenaria, cestaria e tapeçaria de sisal, flores, tear chileno, informática, literatura, sala de jogos pedagógicos e circo, para 180 crianças e adolescentes de Betim (Mg).

Emissões atmosféricas: única fundição do mundo a obter a certificação Carbon Footprint, que assegura o monitoramento das emissões dos gases de efeito estufa. A empresa está atualizando o inventário para renovar a certificação em 2013.

Projeto Água em Casa: construção de caixas de captação e armazenamento de água no Vale do Jequitinhonha, região norte de Minas gerais, amplamente castigada pela seca.

Efluentes líquidos: os efluentes gerados nos processos domésticos e industriais são encaminhados para as estações de Tratamento de efluentes Biológicos, Industriais e Pluviais. A qualidade do tratamento tem permitido o reúso, no processo produtivo, em um volume que permitiria abastecer cerca de 800 residências com até quatro pessoas.

Projeto Horta Comunitária: construção de hortas nas escolas no Vale do Jequitinhonha. A iniciativa tem parceria da Prefeitura Municipal de Monte Formoso e da emater-Mg, com o objetivo de contribuir para a redução dos índices de desnutrição da região e estimular o respeito e o cuidado com o meio ambiente.

Projeto Creches: apoio a 16 creches da região metropolitana de Belo Horizonte, totalizando 2 mil crianças beneficiadas.

Ações Ambientais

Novo processo de pintura de machos: mudanças no transporte, estocagem e manuseio da tinta utilizada na pintura de machos garantiram redução do consumo de água, eliminação do uso de até 2,7 mil tambores por mês entre transporte e movimentações internas, além da otimização do processo com a diminuição da geração de resíduos.

TEkSID

Campanha Natal Solidário: campanha interna (anual) de arrecadação de alimentos não perecíveis, roupas e brinquedos, para doação a entidades e famílias carentes do Vale do Jequitinhonha e da região metropolitana de Belo Horizonte. Mais de mil toneladas já foram doadas desde o início da campanha, em 2001.

Resíduos sólidos: implantação da coleta seletiva com destinação dos materiais para a Ilha ecológica. A madeira dos pallets é encaminhada ao projeto Filhote do Salão do encontro como matéria-prima para a realização da oficina de marcenaria.

Teksid Solidária: programa de estímulo ao voluntariado. Ações Sociais

Escola Teksid de Fundição: voltado para a formação técnica de jovens, que têm a oportunidade de participar de aulas práticas e teóricas sobre fundição, manutenção mecânica, elétrica e projetos.

Otimização de recursos e processos: são adotadas as metodologias TPM (Manutenção Produtiva Total) e Seis Sigma, para uso racional de recursos, otimização de processos e eliminação de desperdícios.

Adolescente Aprendiz: em parceria com a ramacrisna, visa a dar oportunidade de experiência profissional aos jovens de baixa renda. Aprendiz Social: oferece o curso de aprendizagem a jovens de 18 a 23 anos.

HPI (High Performance Iron): nova liga de ferro fundido para motores de nova geração, que possibilita menor consumo de combustível e menor emissão de poluentes.

Inclusão Eficiente: promove a inclusão produtiva de pessoas com deficiência no mercado de trabalho.

PSIU (Programa de Sugestões e Ideias úteis): estimula os colaboradores a sugerirem ideias que visem, dentre outras coisas, à sustentabilidade.

Telecurso: oferece o ensino Fundamental aos colaboradores. Bem Nascer: orientações e acompanhamento aos colaboradores e esposas que aguardam a chegada de um bebê.

Semana do meio Ambiente: evento anual com palestras, apresentações teatrais e intervenções sobre a importância da preservação dos recursos naturais e conservação do planeta.

Papo Família: oferece palestras para colaboradores e familiares sobre temas como planejamento financeiro, familiar, sexualidade na adolescência, direção defensiva e uso de drogas. Um Dia no Parque: oferece cultura e lazer para os filhos dos colaboradores de 6 a 12 anos, no mês de julho. Prêmio Fiat de Educação: premia os filhos de colaboradores com as maiores notas no ensino Médio e na graduação.

138

MUNDOFIAT

Regeneração de areia: reutilização da areia utilizada no processo produtivo, evitando o descarte em aterros.

Qualitas Awards – Responsabilidade Social: oferecido pelo Fiat group Purchasing. Ações Premiadas

Indicação ao Prêmio Autodata – Inovação Tecnológica: com a liga HPI. Prêmio Top Engenharias: da Associação de engenheiros da UFMg.

MUNDOFIAT

139


raio-X da susTenTabilidade

CoMAU

Ações Econômicas

Atividades: projeto, construção e montagem de equipamentos e linhas automatizadas para o setor automotivo e de manufatura; automação robotizada para linhas de prensas; linhas de montagem final para o segmento automotivo; centros de usinagem de grande porte, bem como o fornecimento de linhas de montagem para motores e câmbio; engenharia de produto para a indústria automotiva; fornecimento de células robotizadas; gestão de ativos industriais em diversos segmentos da indústria, incluindo serviços, planejamento e engenharia de manutenção de linhas de produção, operação e manutenção de utilidades e gestão predial, com contratos de preço fechado e/ou por desempenho; manutenção corretiva, preventiva e preditiva em equipamentos; engenharia de processos para a indústria automotiva, aeroespacial e militar.

FIAT FInAnçAS

Ações Econômicas

Volume negociado 2011: r$ 228 bilhões. Patrocínio de projetos da Casa Fiat de Cultura por meio de leis de incentivo. Ações Sociais

Programa Inclusão Eficiente: visa à qualificação e inclusão profissional de pessoas com deficiência no mercado de trabalho.

Adolescência (FIA), capitalizando recursos para apoiar instituições de aten-

Projeto mesa Limpa: visa à organização do ambiente de trabalho, favorável à concentração, criatividade e produtividade. Disseminação de práticas sustentáveis: ação de incentivo ao uso de copos e xícaras de vidro para redução dos descartáveis, com eventos dirigidos aos colaboradores e familiares.

Programa Semear: a empresa incentiva os colaboradores a doarem parte do Imposto de renda, ou de forma voluntária, ao Fundo para a Infância e

Atividade: atua na área de investimento, financiamento e cobertura de riscos, gestão das operações de financiamentos subsidiados, trade finance, project finance, administração de fundos de pensão dos funcionários do grupo Fiat, governança, análise e estabelecimento de parâmetros macroeconômicos e distribuição de títulos (CDB) das empresas financeiras do grupo. É representante oficial dos interesses das sociedades junto ao Banco Central do Brasil, órgãos do governo em geral e agência de rating.

Ações Ambientais

dimento às crianças.

Campanha educativa: foco no público interno para redução do consumo de papel e de energia elétrica. Utilização de papel certificado FSC (Forest Stewardship Council)

Linha do Saber: em parceria com o Senai e a Prefeitura de Betim, a Comau promove o curso eletricista Industrial para 40 jovens em situação de vulnerabilidade social.

BAnCo CnH

Projovem: realiza ações em parceria com o Projovem, programa do goverAções Sociais

no Federal que busca a reinserção dos jovens no processo de escolarização. As ações da empresa incluem palestras para profissionais e jovens, além da qualificação profissional com cursos de aprendizagem.

Ações Econômicas

Voluntariado: realização de campanhas para arrecadação de donativos, que são encaminhados a instituições indicadas pelos próprios colaboradores.

o BCnH participa de iniciativas sociais da CnH Indústria. Destacam-se as ações:

Aprendiz: realização de cursos, que podem ser técnicos, em parceria com

Hospital Pequeno Príncipe em Curitiba (PR): destinação de recursos, via incentivo fiscal, para o Fundo estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente. em 2011, o valor foi de r$ 40 mil.

o Senai, ou administrativos, em parceria com outras instituições. os jovens aprendem uma profissão e participam de palestras com colaboradores da Comau.

Ações Sociais

questionário Ethos: anualmente é respondido com o objetivo de avaliar e melhorar as práticas de sustentabilidade.

Ecomau: programa de gestão ambiental, que tem como lema “Uma atitude de todos” e visa a sensibilizar os colaboradores para a preservação do meio ambiente, em cumprimento às normas da ISo 14001. Inclui as seguintes ações: Programa 5S, 3rs (reduzir, reutilizar e reciclar) e Coleta Seletiva. Não ao Desperdício: campanha que incentiva os colaboradores a evitarem o desperdício no dia a dia de trabalho. essa iniciativa possui valor universal, já que pode ser adotada tanto na empresa quanto na vida doméstica.

140

MUNDOFIAT

Incentivo à pratica de esportes: organização de eventos internos, visando à promoção da saúde e do bem-estar dos colaboradores, assim como o incentivo, por meio de patrocínio, às equipes do Banco em eventos esportivos externos (ex: Corrida do Povo). Apoio às instituições que atendem a crianças e idosos em situação de risco: doações de roupas e materiais diversos por meio da promoção do voluntariado entre os funcionários.

ISO 14001: a sede da Comau do Brasil, em Betim (Mg), conquistou a certificação ambiental em 2008.

Ações Ambientais

Atividade: financiamento de máquinas agrícolas e de construção das marcas new Holland e Case. oferece seguros para máquinas e implementos da Case new Holland. em 2011, foram financiados, entre tratores, colheitadeiras e implementos na área agrícola, 3.699 equipamentos. na área de construção, o número chegou a 1.732, totalizando 5.431 máquinas financiadas ao cliente final.

Natal Solidário: participação de campanha promovida pela CnH Curitiba. Comitê de Sustentabilidade BCNH: ações de conscientização do público interno. Ações Ambientais

BCNH Informer Verde: ampliação do canal de comunicação interno, por meio TV Corporativa, com divulgação dos dados do Comitê de Sustentabilidade, matérias publicadas na mídia relacionadas às questões ambientais e fatos e datas relevantes.

MUNDOFIAT

141


BANCO CNH

raio-X da susTenTabilidade

FIDeS – CorreTAgenS De SegUroS

Ação Régua de Papel: monitoramento do desperdício do papel com resultados significativos. Ação Coleta Seletiva: sensibilização do público interno. Ações Ambientais

Ação Divulgação do Código Florestal: distribuição de cartilha explicativa. Ação Impressão Protegida: trabalho, em conjunto com a ICT, para conscientizar e orientar em relação às impressões.

Ações Econômicas

Ação Biblioteca Colaborativa: incentivo ao compartilhamento de livros, filmes, CDs, DVDs, entre outros, visando à difusão do conhecimento.

Atividades: atua na área de corretagens de seguros e gerenciamento de risco, dando suporte às empresas da Fiat S.p.A., Fiat Industrial e outros clientes fora grupo. Possui as mais inovadoras soluções em seguros e gerenciamento de riscos. Conta com uma equipe de profissionais capacitados e comprometidos com a construção de relações comerciais confiáveis e duradouras. Sua expertise permite oferecer aos clientes uma assessoria completa nos principais ramos de seguros: riscos patrimoniais, financeiros, de pessoas, energia, responsabilidade civil, engenharia, transportes, automóveis e caminhões, máquinas agrícolas e de construção, saúde e planos de previdência privada aos funcionários do grupo Fiat. Casa Fiat de Cultura.

FIAT SerVICeS Ações Econômicas

Ações Sociais

Atividade: realiza contabilidade, controle fiscal, contas a pagar e tesouraria, controle ativo fixo, contas a receber, registro fiscal, faturamento, gestão tributária e societária, arquivo e gestão de atividades de pessoal. Atua na área de Comércio exterior (consultoria, desembaraço alfandegário, gestão logística e transporte).

Ações Sociais

Projeto mesa Limpa: visa à organização do ambiente de trabalho, favorecendo a concentração, criatividade e produtividade.

Eventos sociais do Grupo Fiat: apoio e patrocínio. Fundação Fiat: incentivo e apoio às ações sociais.

Asilo Nossa Senhora da Piedade – Lar da Vovó: desde 1992, a Fides apoia a entidade. o Lar da Vovó abriga dezenas de idosas, dando-lhes carinho e respeito, além de um lar digno em um ambiente composto por capela, sala de fisioterapia, ambulatório médico e espaço para a realização de trabalhos manuais.

Ações Ambientais

Consumo consciente: realização de campanhas internas para uso racional de água, energia, copos descartáveis e papel, além da coleta seletiva dos resíduos.

Campanha interna de utilização consciente de energia: colocação de adesivos em pontos estratégicos da empresa para reforçar essa atitude.

Ações Ambientais

Cartilha compartilhável: impressão reduzida de cartilhas para cada área da empresa, fortalecendo a cultura de compartilhar informações e diminuir a quantidade de papel impresso.

ISVor

Cartão Semente: para comemorar o aniversário de cada colaborador da empresa, é distribuído um cartão com sementes de manjericão, que podem ser plantadas. Ações Econômicas

BAnCo FIDIS

Ações Econômicas

Ações Sociais

Atividade: suporte financeiro para a rede de concessionários Fiat, Iveco e Chrysler por meio de linhas de crédito para capital de giro e financiamento de estoques de veículos novos e usados. Financiamento ao consumidor final de caminhões e ônibus da marca Iveco, oferecendo uma linha completa de produtos financeiros, tais como CDC, Leasing e Finame. Financiamento ao consumidor final de veículos de passeio da marca Chrysler nos produtos CDC e Leasing.

Apoio a projetos realizados pela Casa Fiat de Cultura.

142

MUNDOFIAT

Árvore da Vida/Capacitação Profissional: atua como parceiro do Programa na capacitação dos jovens, preparando-os para uma atuação profissional, cidadã e eficiente na rede de concessionárias Fiat. Ações Sociais

Grupo Interagir: realiza iniciativas para incentivar seus colaboradores a manterem o foco na responsabilidade social e ambiental, visando à redução do consumo de energia e de resíduos, como o papel, garantindo, assim, uma cultura corporativa mais sustentável e ecologicamente responsável. Apoio a eventos culturais.

Atividade: contribuir para a competitividade das empresas-clientes por meio do desenvolvimento humano e organizacional. Um dos nossos desafios é transformar as estratégias das organizações em um processo contínuo de mudanças por meio da educação corporativa. As ações do Isvor são voltadas para toda a cadeia de valor – funcionários, clientes, fornecedores e comunidades –, sempre de acordo com a perspectiva da cultura empresarial e com o modelo de liderança da organização, com propostas inovadoras e sustentáveis. Desenvolve mais de 300 mil pessoas por ano, com projetos construídos pelas áreas Desenvolvimento Humano e Organizacional, Soluções para a Rede de Concessionárias, Tecnologia Automotiva e Design Intelligence.

Ações Ambientais

Nossa Betim: participa e patrocina o Movimento nossa Betim, para construir e comprometer a sociedade e os governos com um conjunto de metas para o desenvolvimento sustentável e melhoria da qualidade de vida em Betim. Coleta seletiva: destinação de papel e copos descartáveis para instituições que trabalham com reciclagem de resíduos, como Ascapel (Betim), Asmare (Belo Horizonte) e Astrapi (Ibirité). Reciclagem de 100% do óleo utilizado na oficina: a empresa Lwart faz a coleta do óleo e refina-o duas vezes, para que possa ser reaproveitado nas refinarias.

MUNDOFIAT

143


Comitê de Sustentabilidade – Isvor Sustentável: criado em 2011, já desenvolveu as seguintes ações: Ações Sociais

Ações Ambientais criação de newsletters sobre boas práticas; de papel, energia elétrica e água. questionário Ethos: anualmente é respondido com o objetivo de avaliar e melhorar as práticas de sustentabilidade.

FUnDAção FIAT Ações Econômicas

Assistência Previdenciária: orienta e auxilia os empregados do grupo Fiat com relação aos benefícios oferecidos pelo Posto Prisma (Posto do Instituto nacional do Seguro Social – InSS – dentro das empresas).

Ações Ambientais

Atividade: responsabilidade social interna para colaboradores e familiares das empresas Fiat, tendo como principal oferta de produtos e serviços: plano de saúde, entretenimento (eventos e clube corporativo) e desenvolvimento social (educação, cultura, esporte, assistência psicossocial e previdenciária, convivência).

Respirar: prevenção de doenças respiratórias para o público infantil. Imunização: vacinas para adultos e crianças. Ações Econômicas

Nutrição e Saúde: combate à obesidade e reeducação alimentar. Prosa: grupo de discussão com temas como sexualidade e drogas, voltados para a saúde dos adolescentes.

Ações Sociais

Ampliação do acesso à cultura: gratuidade de toda a programação, com serviço de transporte oferecido, desde 2007, para escolas e visitantes. entre 2007 e 2012, 65 mil pessoas foram beneficiadas com o transporte gratuito.

melhorAR: programa de combate ao tabagismo por meio de acompanhamento médico individualizado.

Acessibilidade universal: com infraestrutura e equipamentos adequados.

Incentivo à Educação: maratona Cultural: valorização e incentivo aos estudos com envolvimento direto dos pais, escolas e estudantes dos ensinos Fundamental e Médio. kit Escolar: material escolar para estudantes do ensino Fundamental. Portas Abertas: ciclo de palestras educativas sobre diversos temas relacionados à família. Promoção da Cultura: teatro, cinema, dança, circo e variada oferta de shows musicais por meio dos eventos e programação no Fiat Clube.

MUNDOFIAT

Atividade: realização de programas culturais e educativos, com atividades nas áreas de artes plásticas, música, cinema, educação, seminários e palestras, além de edição de publicações. em seis anos de atuação, apresentou 1.992 obras de arte entre pinturas, esculturas, gravuras, joias, objetos e fotografias. o público alcançado nesse período foi de mais de 600 mil visitantes, sendo 200 mil estudantes e grupos atendidos no programa educativo, com a participação de 5 mil escolas e instituições. A cada exposição, são envolvidos cerca de 200 profissionais, estimulando a geração de trabalho e renda no mercado cultural.

Programa de Planejamento Familiar: controle de natalidade e orientações sobre o uso de métodos contraceptivos.

Programa educativo para escolas e visitantes: inclui material didático, palestras, oficinas, programação de cinema, visitas orientadas, além de assessoria ao professor.

Bate Coração: programa que ajuda o beneficiário a manter o controle de saúde no caso de doenças crônicas, como hipertensão arterial, diabetes, alteração de colesterol e cardiovasculares.

144

Eventos: promovidos com forte atenção à sustentabilidade e ao compromisso com os recursos financeiros por meio da utilização de materiais possíveis de serem reaproveitados e também da destinação das sobras para projetos sociais. em alguns eventos, são abordados temas relacionados à preservação do meio ambiente. Destinação adequada de resíduos: além de realizar devidamente a coleta seletiva em todas as suas unidades, a Fundação Fiat divulga e pratica a coleta seletiva em todos os eventos realizados. Doação de lonas utilizadas em eventos para o programa Árvore da Vida: reaproveitamento.

CASA FIAT De CULTUrA

Programas de Promoção da Saúde:

Vida Nova: acompanhamento médico e educativo para o casal grávido e o recém-nascido até completar 2 anos de idade.

Assistência Psicossocial: importante suporte de uma equipe de psicólogos dentro da empresa. Assistência jurídica: programa que oferece gratuitamente suporte jurídico por meio de parceria com a Puc Minas.

FUNDAÇÃO FIAT

ISVOR

raio-X da susTenTabilidade

Estímulo ao Esporte: competições desportivas de diversas modalidades, como futebol, peteca, natação e kart, em um clube corporativo (Fiat Clube), que dispõe de uma ampla estrutura para a prática esportiva (piscinas, quadras poliesportivas, campos de futebol, pista de atletismo, ginásio etc.).

Descarte correto do líquido que lava as peças da oficina.

Ações Sociais

Programa de visitas com atendimento especializado: pela primeira vez em Belo Horizonte, um espaço cultural dispõe de profissionais com conhecimento de Língua Brasileira de Sinais (Libras). em 2012, ofereceu o serviço de audiodescrições de algumas obras nas exposições de Caravaggio e De Chirico, além da distribuição de material educativo para os professores, incluindo conteúdos em braile e CDs com as audiodescrições para o trabalho em sala de aula. o projeto de acessibilidade integrou o programa “Arte para Jovens”, em uma parceria com a Associação Pró-Cultura e Promoção das Artes (Appa). Apoio na edição do Caderno de Acessibilidade – reflexões e experiências em exposições e museus: um guia com orientações práticas e informações sobre como ampliar e aprimorar a relação das instituições ligadas à arte com seus públicos especiais.

MUNDOFIAT

145


Doação do material utilizado na cenografia das mostras: madeira, tecidos, acrílicos, placas de sinalização, banners, entre outros, são encaminhados para instituições públicas e do terceiro setor, para reciclagem e apoio a projetos sociais. Prêmio Aberje Brasil 2012: categoria Comunicação de Programas, Projetos e Ações Culturais, com o Momento Itália-Brasil – roma, De Chirico e Caravaggio na Casa Fiat de Cultura.

CASA FIAT DE CULTURA

raio-X da susTenTabilidade

Ações Ambientais

Prêmio Aberje Brasil 2010: categoria Comunicação de Programas, Projetos e Ações Culturais, com as exposições “o Mundo Mágico de Marc Chagall – o sonho e a vida” e “rodin, do Ateliê ao Museu – fotografias e esculturas”. Prêmio minas Desempenho 2009-2010: categoria excelência Institucional de Minas – Iniciativas Culturais de Destaque. A iniciativa é da revista Mercado Comum. Ações Premiadas

www.newholland.com.br

NEW HOLLAND. UMA LINHA COMPLETA DE PRODUTOS PARA TODOS OS DESAFIOS DE QUALQUER TIPO DE CULTURA.

Prêmio Amide 2009: homenagem especial recebida da Associação Mineira de Decoradores pela notória contribuição cultural e artística da Casa Fiat de Cultura prestada a Minas gerais e ao País. Ano da França no Brasil 2009: homenagem especial recebida do governo de Minas gerais e do Comissariado Franco-Brasileiro, pela realização das exposições “o Mundo Mágico de Marc Chagall – o sonho e a vida” e “rodin, do Ateliê ao Museu – fotografias e esculturas”. Prêmio minas Desempenho 2008: categoria excelência Institucional de Minas – Iniciativas Culturais de Destaque. A iniciativa é da revista Mercado Comum.

FUnDAção TorIno

Ações Econômicas

Ações Sociais

Atividade: escola Internacional, da educação Infantil ao ensino Médio/ Técnico, reconhecida pelos governos brasileiro e italiano. Adota o padrão europeu de ensino, alfabetização bilíngue e, ainda, o ensino de inglês desde a educação Infantil, espanhol no ensino Médio e opção de latim. Também agrega o Centro de Língua e Cultura Italiana, que oferece cursos do idioma, culinária italiana, arte, entre outros, que possibilitam a difusão da cultura italiana em Belo Horizonte. Atentado Poético: realizado desde 2003, o projeto visa ao incentivo à leitura. A cada ano, um formato diferente é proposto para tratar o tema, envolvendo ações como declamação de poemas e distribuição de contos de escritores italianos, ingleses e espanhóis, traduzidos pelos próprios estudantes.

A maior linha de colheitadeiras do mercado. Uma linha completa de tratores de 60 a 560 cv. A melhor solução em semeadoras e pulverizadores do mercado. Soluções completas para biomassa. Tecnologia de ponta em agricultura de precisão.

Doação a creches e asilos: duas vezes por ano, os alunos se envolvem em campanhas de arrecadação de alimentos, agasalhos e brinquedos, doados a entidades filantrópicas.

Ações Ambientais

Projeto econscienza: alunos do ensino Médio promovem palestras, elaboram materiais de conscientização e distribuem ecobags como forma de disseminar ideias e ações ecologicamente corretas. o projeto já implantou a coleta seletiva (papel, plástico, metal, óleo, pilhas e baterias) na escola, utiliza ventiladores eólicos em alguns espaços e incentiva a redução do consumo de água e energia. o tema atualmente trabalhado é o desperdício. Adoção da Praça Arquiteto Ney Werneck, no Belvedere (BH): mais conhecida como Praça da Criança, o local recebe cuidados e limpeza semanal da Fundação Torino, além de ser palco de grandes encontros entre a escola e as famílias, como Festa della Famiglia e Passeio Ciclístico.

146

MUNDOFIAT

New Holland. Máquinas com a mais alta tecnologia do plantio à colheita, serviços cada vez mais eficientes e uma rede presente em todo o Brasil. Essa marca já faz parte da paisagem do campo. N E W H O L L A N D . E M T O D O S O S C A M P O S , C U LT I VA N D O N O V O S T E M P O S .


Mundo Fiat 119 - Sustentabilidade  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you