Issuu on Google+

www.mundoequestre.com.br

Bem-estar para cavalo e cavaleiro.

Número 22 | 2010

Nesta Edição #22

R$ 8,90

ENTREVISTA

Luiz Fernando Monzon

ESPECIAL

Alimentação Equina

Pôneis de Gales

Adoráveis e Polivalentes Alta Escola - Conheça os fundamentos desta elegante modalidade


Top Car

Concessionรกria para Santa Catarina

Puro Prazer de Dirigir


E D I TO R I A L

Caro Leitor Todos os meses, nossa redação “ferve” pensando em quais seriam os melhores assuntos, quais matérias poderiam contribuir com o cenário hípico, que notícias seriam capazes de transmitir melhor o espírito do esporte para nossos leitores. Neste mês, com o objetivo de explorar ainda mais o vasto universo que o hipismo engloba, trazemos como entrevistado Luiz Fernando Monzon, um dos grandes locutores do país. Monzon, como é conhecido pelos atletas, é cavaleiro e também juiz de saltos, porém foi como narrador que este carioca encontrou sua verdadeira paixão. Divertido e carismático, ele comenta os desafios de sua profissão, suas estratégias como narrador e também discute o crescimento do esporte em nosso país. Saindo do Brasil diretamente para o país de Gales, trazemos como Raça do Mês os cativantes e polivalentes Welsh Pony (Pônei de Gales). Com vários tamanhos e diferentes qualidades, estes pôneis são febre na Europa, onde são requisitados tanto por sua beleza, quanto por sua funcionalidade. Na seção saiba mais, conheça a história e as aplicação da requintada modalidade Alta Escola de Equitação. A adaptação dos cavaleiros às batalhas com armas de fogo deu origem a essa requintada modalidade, que veio extrair ainda mais destreza e suavidade dos cavalos. Uma boa leitura a todos,


Índice 8

Entrevista Luiz Fernando Monzon

8

12

Raça do mês Pônei de Gales

16

dicas A Importância do Tratador

18

SAIBA MAIS Alta Escola de Equitação

22

variedades Canoa Havaiana

24

ESPECIAL Alimentação Equina

28

pergunta veterinária Tosse

30

Clínica veterinária Congelamente de Sêmen da Cauda do Epidídimo

12

18

26 36 38 39 40 42

álbum notícias Teu mundo equestre Quadrinhos classificados agenda

expediente Edição

Afonso Westphal

Redação e edição de texto

Departamento comercial

Revisão

Sarah Westphal

comercial@mundoequestre. com.br

Sarah Westphal

direção EXECUTIVA E

Fotografia

SUPERVISÃO GrÁFICA

Grace Carvalho

Manuela Merico

Equipe veterinária assessoria Jurídica

Merico Advogados

Capa

Arquivo

Pedro Vicente Michelotto Jr. Lívia Medalha Araújo Valdir Tonin

arte e diagramação

Editora BemAmostra

Redação e Administração

BemAmostra Editora Rua do Convento, 30 - sala 103 - Centro - 88350-380 Brusque - SC redacao@mundoequestre. com.br

Fone 41-3203.1960

Impressão e acabamento

Gráfica Impressul

6

Para sugestões ou dúvidas, fale direto com a redação, enviando e-mail para redacao@mundoequestre.com.br ou escreva para Rua Visconde do Rio Branco 1630, sala 705, Centro. CEP 80420 210 - Curitiba, PR.


e n tre v i s ta Texto: Equipe Mundo Equestre | Foto: Equipe Mundo Equestre

Luiz Fernando Monzon

Foto: Equipe Mundo Equestre

A voz da experiência Uma competição não depende apenas da concentração de cavalo e cavaleiro. Para que tudo saia perfeito, é preciso que os espectadores vibrem, torçam e silenciem no momento certo. Para orquestrar as emoções do público, lá está ele, o locutor. 8


Luiz Fernando Monzon iniciou no hipismo como cavaleiro, mas acabou substituindo as pistas pela tribuna. Juiz e narrador, Monzon comenta sobre sua profissão, relembra provas inesquecíveis e expõe sua opinião quanto a evolução dos campeonatos nacionais.

1) Há quanto tempo começou sua carreira de

Existem vários brasileiros que estão se destacando na Eu-

narrador esportivo?

ropa, mas para termos uma verdadeira indústria do cavalo

Eu comecei a narrar no Torneio do Haras Pioneiro em Brasília, em 1979. Com 19 anos eu já fazia uma espécie de

no Brasil é fundamental ter muito cuidado com essa base, tanto na área de criação como na de produção de valor.

cover do melhor locutor da época, Eraldo Nunes de Souza. Foi ele quem criou um jeito mais charmoso e brincalhão de

4) Antes de um cavaleiro entrar na pista, você

fazer a locução. Anteriormente, a narração era muito bá-

sempre fala sobre o atleta, sobre quantas e

sica, resumia-se a “temos o prazer de apresentar fulano”.

quais provas ele ganhou, etc. Qual é a im-

Se o cavaleiro fizesse 20 pontos ou fizesse zero e passasse

portância desses dados para o público geral?

a liderar a prova, usava-se a mesma entonação. Ficava mo-

Eu acredito que as pessoas devam saber das conquistas

notóno, sem graça. A locução era pobre, como ainda é em

do cavaleiro porque se ele já venceu um grande prêmio, ele

muitos lugares na América do Sul. Não era participativa,

tem que ser um grande espetáculo. Não pode ser uma pro-

não envolvia a emoção do cavaleiro, nada disso.

va como outra qualquer. Também é legal quando você conta um detalhe interessante e coloca o público para torcer. O que

2) Como surgiu a vontade de virar locutor?

anima a torcida não é necessariamente uma grande vitória.

Eu era cavaleiro, competia e tudo, mas o Eraldo pedia

Às vezes o cavaleiro faz aniversário naquele dia, ganhou uma

ajuda porque ele não tinha voz para aguentar o esforço. Os

prova na véspera ou é a estreia dele em um GP. O brasileiro

concursos eram muito longos, com muitos conjuntos. Se eu

sempre torce pelo mais fraco. A ideia é atrair os espectadores

não estivesse saltando, ele me colocava lá. Na época, o que

para que eles participem e façam silêncio na apresentação.

eu fazia era quase uma imitação dele. Eu imitava, às vezes,

Algumas vezes, em provas mais longas, as pessoas começam

até o timbre da voz. Tinha muita gente que ligava pro júri

a conversar e os murmurinhos incomodam, principalmente

chamando o Eraldo e eu respondia como se fosse o próprio.

em um indoor. Quando você chama a atenção do público

Era uma brincaderia engraçada. Normalmente ele estava des-

com um detalhe – um animal que acabou de ser

cansando e – ele não esconde isso de ninguém – também

comprado, um cavalo grande, um cavalo novo,

tomando um “whiskynho” para melhorar a garganta e de

ou se o cavaleiro é muito jovem, ou o mais

repente fazer o desempate. Meu grande parceiro é o Eraldo,

experiente da prova – é interessante porque

que está no Rio de Janeiro com a gente até hoje.

as pessoas param para olhar e, quando elas param para olhar, elas param de falar.

3) Qual a evolução que você vê nas competições nacionais? Os campeonatos melhoraram, sem dúvida. Nós temos

5) Qual foi o campeonato mais emocionante que você já narrou?

que, obviamente, apoiar aqueles lugares em que o hipismo

Todos são muito importantes. Acredito que

está em crescimento, porque você só faz uma boa pirâmi-

os que eu mais gosto de fazer são os das crian-

de, uma pirâmide alta, se você abrir a maior base possível.

ças. Com crianças pequenas é super importante

9


Foto: Equipe Mundo Equestre

porque, além de você ter o cuidado de narrar bem, jamais

7) Para você, qual é o papel do narrador para

se deve passar qualquer tipo de nervosismo para eles, que

o sucesso de uma competição?

já é natural. O campeonato mais importante no Brasil talvez

O locutor não deve querer aparecer mais do que o ca-

tenha sido o Campeonato Brasileiro de Sênior no qual a gente

valo ou o cavaleiro, que são as grandes figuras, os grandes

escolheu a equipe do Pan-americano de Santo Domingo, em

astros da competição. Fazendo uma comparação com o

2003. Eu era presidente do júri e locutor da prova. É sempre

futebol, ele deve ser como o juiz: aparece pouco, mas

complicado pois uma prova assim representa muito para os

comanda o jogo para que seja jogado com lealdade.

cavaleiros. Acredito que este tenha sido o campeonato em

Acho que no caso do narrador é a mesma coisa. O que

que mais estive sob pressão.

ele deve fazer é atrair a atenção do público para o número que vai acontecer naquele momento.

6) E o mais longo? Eu acho que talvez a competição na qual a gente passa mais tempo dentro do júri seja a Competição do Clube Hípi-

10

8) Na sua opinião, qual é o ponto fraco no hipismo nacional?

co de Santo Amaro. Acredito que essa última edição tenha

É preciso dar mais visibilidade aos campeonatos. Só

sido o campeonato em que eu participei por mais tempo.

assim é possível atrair patrocinadores, dividir a despesa

Foram 160 conjuntos. Acho que chegou a 14, 15 horas de

dos participantes e levar o esporte para que as pessoas

narração.

vejam “nossa, que bacana, um garotinho montado em


um cavalo consegue fazer um percurso desse. Por que não meu filho, meu sobrinho?”. Para que isso aconteça, a presença de mídia, muita mídia, é fundamental. Pode ser jornal, rádio, o que você conseguir. É preciso que a marca dos patrocinadores apareça para conseguir agregar novos patrocinadores. O hipismo ainda é muito pouco divulgado no Brasil. Dizia-se há uns anos que o nosso esporte era secreto. A gente fazia coisas maravilhosas, mas ninguém sabia.

9) Para você qual é o grande “barato” de narrar? O “barato” de narrar é apresentar as pessoas na pista como eu gostaria de ter sido apresentado todas as vezes que entrei. É fazer o melhor para que o cavaleiro se sinta bem. Sem dúvida, a melhor parte é apresentar as pessoas como você gostaria de ser apresentado.


ra ç a do m ê s Texto: Afonso Westphal

Pôneis de Gales Há os que saltam e os que caçam. Os de trabalho e os de passeio. Uns tem força, outros elegância. Vire a página e conheça essa família amável com habilidades tão diferentes.

12


13


Os pôneis de Gales abrangem animais que possuem características morfológicas distintas. Assim, o Stud Book da raça divide os exemplares em quatro grupos: A, B, C e D.

E

ssa classificação leva em conta principalmente a

Pônei B

Os pôneis B, conhecidos como Pô-

altura e os cruzamentos

nei Galês de Montaria, são maiores,

sanguíneos de cada tipo.

chegando a 1,37 m. Apresentam um

Em comum, estes pôneis apresentam

corpo mais delgado devido à introdu-

qualidades invejáveis, como caráter,

ção do Puro Sangue Inglês em sua li-

postura e grande desenvoltura, sendo

nhagem. Esses pôneis são indicados

uma das mais apreciadas raças de pônei

para o salto e recomendados para ca-

da Europa.

valeiros e amazonas pré-adolescentes.

Pônei A

Pônei C

Os pôneis categorizados como A,

O Pônei de Gales tipo Cob, ou

também conhecidos como Pônei Galês

Pônei C, apresenta a mesma altura

das Montanhas, não excedem 1,22 m

dos pôneis tipo B (até 1,37 m), porém

de altura. Eles são alegres, resistentes,

o que o diferencia é sua morfologia

apresentam comportamento amigável

mais robusta e pesada. O aprimora-

e regular, são econômicos (não necessi-

mento genético proveniente do cru-

tam de tanta comida quanto um animal

zamento com a raça Cob (animais

maior) e se configuram em uma grande

grandes e vigorosos, bastante utiliza-

opção para ser a primeira montaria de

dos em plantações do Norte e Oeste

crianças. Além disso, estes pôneis são

da França) foi definitiva para conferir

considerados por muitos os mais boni-

força e estrutura óssea para estes pô-

tos da Grã Bretanha.

neis.

Pônei D Os pôneis tipo D também sofreram influência dos Cobs. Assim, ultrapassaram os 1,37m e costumam medir entre 1,50 e 1,55 m. São animais corpulentos e ao mesmo tempo possuem facilidade para o salto, sendo utilizados tanto em competições de hipismo clássico quanto em provas de atrelagem.

Versáteis e dóceis, estes

Pônei A

pôneis encantam crianças e adultos pelo mundo inteiro.


Pônei B

História Todos os tipos de Pôneis de Gales derivam dos Pôneis A (Pôneis das Montanhas). Acreditase que os antepassados remotos destes pôneis sejam os pré-históricos pôneis célticos. Devido às condições climáticas das colinas do País de Gales – solo ácido, vegetação esparsa e clima frio e úmido – apenas os animais de menor porte

sobreviveram.

Os

mais

adaptados

desenvolveram a habilidade de poupar energia e resistir à escassez de comida.

Uma raça, múltiplos talentos Por muitos anos os Pôneis de Gales foram utilizados como cavalos mineradores, puxa-

Durante a ocupação da Grã Bretanha pelo

dores de arado, carregadores de cartas do

Império Romano, cavalos originários do Norte da

correio, entre outros. Hoje, esses animais são

África (provavelmente de origem árabe) foram

usados tanto para montaria quanto para levar

trazidos para a região e cruzados com os pôneis

carruagens e são bastante populares em shows

locais, o que resultou num cavalo mais vigoroso e

de cavalos no continente europeu e norte-

robusto, porém ainda não muito belo.

americano.

As características físicas da raça foram es-

Os pôneis do tipo A e B são amplamente

tabelecidas somente no século XV, com grande

empregados no hipismo para crianças e pré-

influência do Cavalo Árabe. A partir desta linha-

adolescentes que desejam iniciar no esporte

gem, novos sangues foram introduzidos, dando

de uma maneira mais segura e simples. Já os

origem aos tipos de Pôneis de Gales citados an-

pôneis C e D são utilizados principalmente em

teriormente.

caçadas e em eventos com carruagens, além de servirem como montarias para turistas que visitam o País de Gales .

Pônei C

Pônei D


di c a s

A importância do Tratador O tratador, dentre todos os envolvi-

Tratadores competentes são aqueles

dos nos cuidados com os cavalos, é um

que têm iniciativa e domínio sobre a ro-

profissional que muitas vezes acaba sen-

tina do animal, variam a alimentação de

do deixado em segundo plano quando,

acordo com a temperatura do dia ou do

na verdade, é um dos elos mais impor-

grau de atividade física a que o cavalo

tantes da corrente vitoriosa da carreira

foi submetido e agem sempre dentro do

de um equino, atleta ou não.

bom senso que a experiência confere aos

Enquanto trabalha, o tratador con-

Dicas escritas por:

Paulo Porto

Tratador Profissional Autor do Livro “A Arte de Tratar Cavalos de Esportes”

mais vividos e interessados.

vive com o cavalo por mais tempo que

O bom relacionamento entre o tra-

qualquer outro profissional da área. Ele

tador e o médico veterinário traz agilida-

o alimenta, conforta e educa. É comum

de e segurança no trato do animal, ga-

encontrar equinos que confiam apenas

rantindo assim uma boa base para um

no tratador e procuram nele proteção e

desempenho esportivo satisfatório. O

amparo nas horas de tensão, estabele-

tratador atua como um importante par-

cendo uma relação de amizade.

ceiro no que se refere aos cuidados veterinários. A percepção de problemas ou anormalidades dos cavalos é, de modo geral, uma função que este deve exercer. Os proprietários de equinos devem dar o devido valor a todos os bons profissionais que estão em contato com seu animal e, de forma especial, ao tratador que possui laços estreitos com o cavalo. Esta relação pode auxiliar bastante na conquista de resultados cada vez mais positivos.


17


ssai a am m ai a s is abi b Texto: Manuela Merico | Fotos: Spanish Riding School www.srs.at

Alta Escola Na Alta Escola, as andaduras e os saltos atingem o mais elevado padrão de elegância. Nesta modalidade, cavalo e cavaleiro tornam-se um só.

Durante a Idade Média, a equitação era simples e pouco requintada. Naquela época, os cavaleiros vestiam armaduras e carregavam armas muito pesadas. O cavalo, por sua vez, também usava uma espécie de armadura, o que restringia significativamente sua mobilidade. Com o passar do tempo, as armas de fogo tornaram-se cada vez mais populares e as armaduras perderam sua função. Na equitação, vigorou a agilidade do cavaleiro em se esquivar nos combates. Para isso, os cavaleiros tiveram que aprender a dominar melhor os cavalos e a dar comandos mais precisos. A adaptação dos cavalos ao novo modelo de guerrear foi o ponto chave para o desenvolvimento da chamada Alta Escola. Esta transformação no treinamento aconteceu primeiramente na Itália Renascentista, depois espalhou-se por toda a Europa.

18


A Equitação de Escola A Equitação de Escola ou Equitação Acadêmica adotava regras precisas para o desenvolvimento dos ginetes. A postura era uma delas. O cavaleiro deveria manter a coluna a 90° do solo, como se estivesse de pé. Os joelhos deveriam estar fechados na sela e os calcanhares voltados para fora. Leveza e elegância no montar foram pontos que começaram a ser desenvolvidos. Os Mestres, como eram designados os grandes precursores desta nova arte equestre, fizeram do século XVII um marco na equitação. Eles a transformaram em uma modalidade de fundamentos bem definidos na qual se buscava dominar o cavalo não só física, mas também psicologicamente.

Inverno de Viena, com o intuito de valorizar o adestramento dos cavalos Lippzanos. Nesse

Atualmente A Alta Escola é uma arte pouco praticada.

momento, inicia-se a construção do que se tornaria o picadeiro mais belo do mundo.

Embora seja conhecida por sua graça e gla-

A estrutura em estilo barroco levou seis

mour, são poucos os centros de treinamento

anos para ser construída e conserva-se até

que adotam este modelo. Na Espanha, por

hoje. Nela encontra-se um picadeiro de 55 X

exemplo, existem apenas dois locais que se-

18 metros, iluminado por três imensos lustres

guem a linha da Alta Escola, porém não como

de cristal. O pé direito mede cerca de 17 m e

na época da Renascença. São eles a Escola Real

as janelas em arco vão do teto ao chão. Atrás

Andaluza, localizada em Jerez de La Fronteira, e

da tribuna de honra, há um enorme retrato do

a Escola de Aplicação de Cavalaria e Equitação

fundador Carlos IV, ao qual os ginetes fazem

de Carabachel, perto da cidade de Madri.

reverência quando entram no picadeiro. Nas apresentações, que acontecem geralmente

Escola Espanhola de Equitação de Viena

nos finais de semana, todos os cavaleiros usam uniformes militares do século XIX. Um chapéu

É a única instituição do mundo que há

de duas pontas com um adorno dourado era

mais de 400 anos pratica sem alterações a

característico dos cargos mais altos. O público

equitação clássica da Alta Escola da Renascen-

pode assistir aos espetáculos do primeiro ou

ça. Sua história começa em 1565, quando foi

do segundo piso.

determinado que a área em frente aos estábu-

O nome Escola Espanhola de Equitação se

los do palácio de Stallburg seria usada especi-

deve à raça Lipizzano, que descende dos cava-

ficamente para o treinamento de cavalos. Em

los espanhóis e é utilizada até hoje pelos cava-

1729, o Imperador Carlos IV funda a Escola de

leiros da Alta Escola.

19


O treinamento Cada cavaleiro é responsável pelo desenvolvimento do seu cavalo e deve instruir o animal a fazer movimentos que são naturais para ele. O objetivo é fortalecer e definir a musculatura que necessitará para fazer os saltos clássicos. O treinamento dos cavalos é feito de forma moderada. Os saltos clássicos não são treinados todos os dias, a fim de poupar os animais. Estes saltos só são vistos em alguns treinos matutinos ou apresentações de gala. Entre as outras performances executadas durante as apresentações estão a “Pas de Deux”, em que dois animais “dançam” ao som de música instrumental e uma grande quadrilha, que envolve oito garanhões. O valor do ingresso para assistir a um espetáculo de 80 minutos pode chegar a R$ 435.

Lipizzanos Estes cavalos apresentam grande precisão nos movimentos e acompanham muito bem a música. A raça descende dos cavalos espanhóis e são originários da região de Lipizza, na Eslovênia, antiga integrante do império austro-húngaro. Em 1580, o arqueduque Carlos II de Habsburgo, atraído pela cor e pelo porte da raça, importou seis exemplares e fundou o Stud book Imperial. Os Lipizzanos possuem hoje seu próprio museu, localizado dentro do palácio renascentista de Stallburg, em frente ao picadeiro da Escola de Viena.


v ariedade s Texto: Sarah Westphal

Canoa Havaiana A canoagem havaiana é um esporte inspirado nas canoas utili-

Na prática

zadas na colonização das ilhas da Polinésia. Usadas para a pesca de

Na canoa havaiana os remadores remam no mesmo

subsistência, essas embarcações eram capazes de enfrentar as altas

sentido do deslocamento. Em uma embarcação co-

ondas dos mares do Oceano Pacífico. As canoas havaianas eram

letiva, cada um dos remadores exerce uma função

esculpidas a partir de apenas um tronco e cercadas de significados

específica.

simbólicos. Quando uma criança nascia, era comum que o pai plan-

O banco 1 dá o ritmo e a frequência da remada.

tasse uma árvore para que, quando o filho atingisse a maturidade,

O banco 2 auxilia o banco 1.

tivesse matéria-prima para construir sua própria canoa. Além disso,

O banco 3 é o contador. É ele quem determina a tro-

a estreia da embarcação era precedida de um ritual religioso.

ca de lado dos remos. Isso acontece a cada 15 a 20

O tempo passou e a canoagem havaiana acabou se transfor-

remadas e é sinalizado com o comando “Hip Roll”.

mando em um esporte praticado no mundo todo. A canoa de ma-

O banco 4 é responsável por tirar a água da canoa e

deira foi substituída por materiais mais modernos, como a fibra de

deve cuidar para que o estabilizador não levante.

vidro. Em vez de peixes, os remadores buscam emoção num esporte

O banco 5 auxilia o banco 4 e o banco 6.

que une velocidade, trabalho de equipe e resistência. Atualmente

O banco 6 é o único que consegue ver todos os outros

existem 4 tipos de canoa: as individuais, as duplas, as de quatro e

remadores. É ele quem dá a direção e altera os rumos

de seis lugares. As embarcações medem entre 6 e 14 m. Para ajudar

da canoa.

a manter o equilíbrio, as canoas possuem um estabilizador lateral,

A velocidade pode chegar a 20km/h.

que é ligado ao corpo da embarcação por hastes chamadas iakos.

Competições As provas podem ser de velocidade, com 1000 m, ou de distância. O percurso das provas de média distância varia entre 12km e 20 km. Os de longa distância têm geralmente mais de 30km. A maior prova de longa distância no Brasil é a “Volta à Ilha de Santo Amaro”, no Guarujá (SP). O trajeto tem 55 km, com duração média de 6 horas. A prova ocorre com revezamento, a cada 15 a 30 minutos, conforme a estratégia da equipe. No Brasil, há Circuito Brasileiro, composto por quatro etapas. A competição existe desde 2001 e apresenta esta formatação (com quatro etapas) há três anos. Conforme o presidente da Federação Catarinense de Canoagem Havaiana, Alexey Belacqua, uma das etapas deve acontecer em Florianópolis.


EM BALNEÁRIO CAMBORIÚ, CONHEÇA O CONCEITO MÁXIMO DE LUXO E SOFISTICAÇÃO. DESCUBRA UM EMPREENDIMENTO SINGULAR COMO VOCÊ.

BALNEÁRIO CAMBORIÚ/SC

47 3361.2000 WWW.FGEMPREENDIMENTOS.COM.BR


EEsSP p eEcCial IAL Texto: Afonso Westphal | Adriana Busato

Dicas de Alimentação

Atenção e cuidado na hora de alimentar seu animal nunca são demais. A fim de garantir o bem estar e a saúde do seu cavalo elaboramos uma lista com os mais importantes tópicos para uma boa alimentação equina. A todos os cavalos: bom apetite. 24


Doze tópicos importantes:

1 2 3 4 5 6

Seu cavalo deve ter acesso à água fresca e limpa sempre que desejar. Lembre-se: a água compõe aproximadamente 60% da massa corporal do equino adulto.

Alimente seu cavalo por peso, e não por volume de comida. Assim você poderá ministrar todos os dias a mesma quantidade.

Alimente seu cavalo sempre nos mesmos horários, todos os dias (cavalos são animais que possuem hábitos).

Alimente seu cavalo de acordo com o peso e nível de atividade do mesmo (consulte um veterinário de sua confiança para saber exatamente a quantidade exata para suprir as necessidades de seu cavalo).

Não ofereça comida para seu animal logo após o trabalho. O ideal é aguardar no mínimo uma hora.

Não pratique exercícios com seu cavalo logo após a ingestão de comida. Espere de duas a três horas para montá-lo. Você estará garantindo uma boa digestão, além de um merecido descanso para seu companheiro.

8 9 10 11 12

Verifique se existe poeira, excrementos de animais ou outros resíduos que possam se acomodar nos blocos de feno, quando guardados por muito tempo. As refeições de ração e volumoso devem ser alternadas para que sejam aproveitadas ao máximo pelo organismo do cavalo. Um intervalo de uma a duas horas entre uma e outra é o ideal, com o volumoso ofertado antes do concentrado. Alterações na dieta do cavalo devem ser feitas de maneira gradativa, a fim de evitar problemas digestivos.

Busque sempre rações, fenos e verdes de qualidade, produzidos ou entregues por empresas e fornecedores de confiança.

No momento de abrir o saco de ração, fique atento ao prazo de validade e verifique se não há presença de mofo nos grãos. Estes fungos podem estar presentes na ração devido a más condições de armazenamento da mesma, e podem ser percebidos pelo nítido odor de mofo ao abrir o pacote.

7

Nunca deixe de oferecer volumoso. Estes animais necessitam de uma dieta rica em fibras e pelo menos 50% de sua alimentação deve ser composta por volumosos.

Nos cavalos, muitos problemas de saúde estão relacionados à má alimentação. Garantir uma alimentação de qualidade é uma importante medida preventiva, além de manter seu animal mais alegre e disposto.


Álb u m

Enilton

Foto: Grace Carvalho

Bárbara Sandini e César Almeida

Foto: Grace Carvalho

Pauline M. Horn e Anderson Reis e Silva

Foto: Grace Carvalho

Victoria Martinelli, Carolina Oliveira, Isabela Aisengart, Isabela Oliveira e David Alexandre Lay Donini

Foto: Verônica Pacheco

Eloy Biesus e Maximo Asinelli

Lauro Olsen e seus pais

Foto: Grace Carvalho

Foto: Verônica Pacheco


Rodrigo Rosa e Theodora Ghizoni Junckes

Foto: Grace Carvalho

Estevão Grossi, Marcos Teixeira, Cláudia Alves, Sarah Willrich e Angela Teixeira

Foto: Equipe Mundo Equestre

Foto: Equipe Mundo Equestre

lho Foto: Grace Carva

Carlos Gaiosos e Denis Gouvea

Isabela Martinez e Giulia Pucceti

Foto: Equipe Mundo Equ estre

Foto: Grace Carvalho

Fábio Monteiro e sua esposa

Maria Clara Brandão e Vivian Carrara

Foto: Equipe Mundo Equestre

Foto: Equipe Mundo Equestre

Francisco Calvelo, Marice Ballon, Carlos Orifici e Facundo Bertoldi


p er g u n ta v eteri n á ria Medico Veterinário Pedro Vicente Michelotto Jr.

Meu cavalo tosse algumas vezes quando está comendo ou no início do trabalho. Devo me preocupar? Pergunta feita por Edgard Luiz Cotto

A tosse é uma das formas para a limpeza das vias aéreas e também um sinal clínico. No seu papel de limpeza das vias aéras, pode ser que a poeira inalada no momento da alimentação tenha irritado a mucosa das vias aéreas superiores (narinas, garganta) ou inferiores (traqueia, brônquios), e não haja qualquer significado mais importante. Contudo, como ele também tosse no início do trabalho, a tosse pode estar acontecendo para desobstruir pequenas vias aéreas obstruídas com muco/secreção. Então, podemos estar diante de um quadro de inflamação das vias aéreas que está se instalando de forma gradativa. Se os sinais não melhorarem, deve-se procurar um profissional.

Envie suas perguntas para redacao@mundoequestre.com.br ou para a rua Des. Motta, 2175/502 - Centro, CEP 80420-190, Curitiba-PR.

C u rio s idade s Por Marcela Martins, MV, CRMV-PR 5285 Marcelo Miranda, MV, CRMV-PR 4407

1 2 3 28

A Palmilha de Apoio Progressivo de Ranilha é capaz de estimular o crescimento do talão dos cavalos, resolvendo definitivamente situações como o “achinelamento” e os desequilíbrios do eixo podo-falangeano.

Alguns cavalos reagem às embocaduras devido à dor causada por uma artrite na articulação temporomandibular. Além dos dentes, esta articulação também deve ser periódicamente examinada

Cavalos de esporte que permanecem grande parte do ano em cocheiras se beneficiam muito com a utilização de massagens e alongamentos realizados por médicos veterinários com a devida especialização.


c l í n i c a v eteri n á ria

Congelamento de Sêmen da cauda do epidídimo

Prof. Carlos Eduardo Camargo - EmbrioHorse A Biotecnologia da Reprodução Equina tem evoluído muito nas ultimas décadas, tornando-se cada vez mais uma realidade na equideocultura nacional. Além da Ultrassonografia, Inseminação Artificial e Transferência de Embriões, que hoje já são rotina de muitas propriedades, a congelação do sêmen dos garanhões é uma das técnicas mais relevantes para a preservação de genéticas importantes. Atualmente, graças às pesquisas, a congelação de sêmen de garanhões apresenta melhores resultados comparados há alguns anos atrás. Esta técnica é considerada hoje como um seguro biológico de garanhões valiosos, pois permite a difusão de certa genética mesmo após a morte deste animal. Pode ser realizada durante a vida do garanhão para posterior armazenamento e utilização após a sua morte. Outra utilização do sêmen congelado é nos casos de garanhões que, por exemplo, fazem sua campanha atlética em outros países. Porém, em algumas situações podemos nos deparar com um complicador, como, por exemplo, uma morte súbita de alguns garanhões de alto valor genético e econômico, dos quais não se possuía nenhuma palheta de sêmen congelada.

30


Para estas situações, existe uma técnica após o óbito do

com diluente próprio de congelação de sêmen, constituído

animal pela qual os testículos são retirados e enviados a um

principalmente de crio protetores que têm a finalidade de

laboratório especializado que irá realizar a colheita de sêmen

protegerem os espermatozóides das baixas temperaturas do

direto dos testículos, mais especificamente da cauda do epidí-

nitrogênio líquido (– 196 °C). Após, o sêmen é envasado em

dimo para posterior criopreservação destes espermatozóides.

palhetas de 0,5 ml que são colocadas em uma geladeira para

O sêmen obtido do epidídimo de garanhões encontra-se apto

iniciar o processo de resfriamento. Estas palhetas passarão

a realizar a fertilização, o que torna possível o seu armazena-

por vapor de nitrogênio e finalmente serão mergulhadas no

mento para uso futuro.

nitrogênio líquido, onde poderão ser mantidas por tempo in-

Os espermatozóides são produzidos nos testículos e, em

determinado.

seguida, passam para o epidídimo, que é um órgão alongado

Esta é uma das diversas técnicas que existem para a congela-

e enovelado, localizado na superfície do testículo. Pode ser di-

ção de espermatozóides da cauda do epidídimo. Outros mé-

vidido anatomicamente em 3 segmentos: a cabeça, onde há a

todos estudados também têm apresentado bons resultados.

absorção de fluidos e aquisição de motilidade progressiva pelos

Utilizando esta técnica, realizamos no final de 2009 um

espermatozóides, o corpo, onde os espermatozóides passam a

trabalho de criopreservação de sêmen da cauda do epidídimo

ter capacidade fecundante, e, por último, a cauda, cuja função

de um garanhão, único exemplar da raça no Brasil, que pas-

básica é o armazenamento e manutenção dos espermatozói-

sou por uma cólica muito forte, não resistindo e indo a óbito.

des maduros. À medida que os espermatozóides passam pelo

Neste mesmo momento, seus testículos foram retirados e le-

epidídimo, eles sofrem importantes alterações morfofuncionais.

vados ao laboratório de reprodução da PUCPR. Foram obtidas

Para a realização desta técnica, é necessário que os testí-

78 palhetas de sêmen congelado deste animal.

culos sejam retirados até no máximo 24 horas após o óbito.

Obviamente, outra preocupação será a qualidade do sê-

Assim que retirados, como em uma castração convencional,

men no momento do descongelamento e utilização. No caso

estes testículos devem ser armazenados em caixa de isopor

descrito acima, o sêmen pós descongelamento apresentou

com gelo e levados a um centro especializado em reprodução

uma qualidade muito boa, possibilitando continuar a produzir

animal. Quanto antes retirado após a morte do animal, me-

potros deste garanhão mesmo após a sua morte.

lhores serão os resultados.

Neste caso em específico, uma égua da mesma raça, tam-

Após a chegada no laboratório, os testículos são lavados

bém único exemplar no Brasil, foi controlada por ultrassono-

em solução de Ringer com Lactato e os epidídimos são separa-

grafia até o momento da inseminação artificial. Oito dias após

dos dos testículos, isolando-se a cauda do epidídimo e o ducto

a inseminação, coletou-se um embrião de ótima qualidade,

deferente.

comprovando a fertilidade deste sêmen congelado da cauda

Os canalículos do epidídimo são lavados internamente

do epidídimo, após a morte do animal.


Sorteio do mês

Apoio

A Looty valoriza a biodiversidade brasileira, e se preocupa com o ecossistema e com a saúde dos animais. Quando você usa um produto com ativos da Amazônia, está ajudando a preservar a maior floresta tropical do mundo e consequentemente o planeta.

Para concorrer aos prêmios sorteados pela Revista Mundo Equestre, você deve seguir três passos: • Entrar no site www.mundoequestre.com.br • Clicar em sorteio e selecionar a opção: Não sou cadastrado • Após realizar o cadastro, inserir o número identificador no campo correspondente. Importante: Se você já for cadastrado, você deverá entrar no site e digitar seu número identificador, a fim de revalidar sua participação para o mês correspondente. Boa sorte!

Um kit limpeza: desembaraçador de cauda e crina, sabonete líquido, shampoo neutro, pelagem clara e dourada

Sorteado de janeiro

Um par de palmilhas amortecedoras da marca ESE

Fabricio Pereira de Farias

Perfil

Por Sarah Westphal

O

primeiro contato entre a paulista Rianne e a equitação ocorreu quase

por acaso. Aos nove anos, ela foi a um hotel fazenda durante as férias e seu encanto pelos cavalos foi tanto que os pais decidiram matriculá -la em uma escola de hipismo. No início, o objetivo era apenas aprender a montar. Hoje, dez anos mais tarde, a amazona tem metas mais complexas: quer se profissionalizar e quem sabe poder defender o Brasil em uma equipe. Para concretizar seu plano, a estudante de veterinária enfrenta uma rotina intensa: faz faculdade pela manhã e treina de terça a domingo. Além disso, assiste às aulas do cavaleiro Eric Zorzetto duas vezes por semana e tem como hobby o adestramento. Apesar de constarem em seu histórico vitórias importantes como Campeã Jovem Cavaleiro Top Agromen 2009 , Eficiência de Jovem Cavaleiro Top 2009 e Troféu

• Nome: Rianne Morais Clímaco

Eficiência de Amazonas 2007, Rianne considera que a parte mais emocionante do hipismo não é o pódio, mas o desafio: “O hipismo é um esporte que nunca é

• Onde monta: Haras RCli, em Indaiatuba

igual, cada dia de treino é diferente do outro, cada competição apresenta graus

• Categoria: Jovem Cavaleiro Top

de dificuldade distintos. Isso me incentiva a querer sempre mais.”

• Principal montaria:  A.Max Z RCli

Atualmente, a amazona monta o cavalo A. Max Z. “Comecei saltando com ele 1,10m e já fiz até prova de 1,40m. Max Z. tem sido um grande companheiro desde 2008 e graças a ele consegui chegar onde estou. .   


N O T ÍC I A S

Fonte: Rute Araujo / Carola May

Foto: Equipe MUndo equestre

Guilherme Jorge

Clínica Go For Gold

Guilherme Jorge

Em 23 de setembro o Comitê de Sal-

Professores e alunos - Go For Gold 2010

to da Federação Equestre Internacional (FEI) recomendou o nome do desenhador de percursos brasileiro Guilherme Nogueira Jorge a “ Official International Course Designer “. Posteriormente, na Assembléia Geral da FEI realizada em Copenhagen (Dinamarca), entre 16 e 19/11, o Bureau aprovou o nome do brasileiro. Com isso, Guilherme, 42, natural de Campinas (SP), course-designer do Pan RIO 2007 e de duas Finais de Copa do Mundo em 2005 e 2007, passa a integrar o grupo de 28 Course Designers credenciados pela FEI para desenhar Jogos Equestres Mundias e Olimpíadas. Guilherme é formado em veteriná-

Entre os dias 19 e 31 de janeiro, foi realizada a clínica de saltos Go For Gold no Centro Hípico Del Verde/ Hannover, em Itapecerica da Serra - SP. Ministrada pelos cavaleiros César Almeida, Vitor Alves Teixeira, Denis Gouvea e André Giovaninni, a clínica reuniu atletas dos quatro cantos do Brasil, que em duas semanas de treinos puderam aprimorar seus conhecimentos e técnicas de salto. Além dos treinos, os atletas participaram de palestras com importantes figuras do meio hípico, como o juíz internacional de hipismo Pedro Cordeiro e o tratador profissional Paulo Porto. Mesmo com as fortes chuvas que assolaram o estado de São Paulo durante as duas semanas, as atividades não foram prejudicadas, tendo em vista o amplo picadeiro coberto do Centro Hípico, além da eficiente drenagem de pista. No último dia, foi realizada uma prova de saltos, na qual os alunos puderam demonstrar na prática o aprendizado adquirido durante os treinos. Para visualizar mais fotos da clínica Go For Gold, acesse o site: www.mundoequestre.com.br/fotos

ria e montou aproximadamente por dez anos na Sociedade Hípica de Campinas onde competiu até a categoria Junior (2004). Dono de um vasto currículo, Guilherme cada vez mais assina os percursos nos principais eventos internacionais e está entre os bem cotados para desenhar as pistas na Olimpíada RIO 2016. Palestra com Paulo Porto 34

O cavaleiro Said Felix


CSN Haras Fischer Foto: Grace Cravalho

Foto: global champions tour

Rolex Leipzig

Jessica Kürten

A oitava etapa da Rolex Fei World Cup em Leipzig, Alemanha foi monopolizado pelas amazonas. A irlandesa Jessica Kürten venceu pelo terceiro O vencedor do GP Irmãos Fischer - Irineu Gehlen Filho

ano consecutivo o Grande Prêmio do concurso, com Castle Forbes Libertina.

Mais de 250 conjuntos competiram na terceira edição do CSN Haras Fis-

O conjunto levou para Irlanda mais de

cher, em Brusque, Santa Catarina. Os quatro dias de campeonato marca-

35 mil euros.

ram a final do ranking da Federação Catarinense de Hipismo.

O segundo lugar coube à experiente

Além de atletas locais, as provas tiveram a participação de cavaleiros e

amazona natural da Austrália, Alexan-

amazonas do Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, dentre outros estados.

dra Edwina e sua montaria Cevo Itot

Grandes figuras do hipismo nacional também prestigiaram o evento, como

du Chateau. Pelas cores da frança, Pe-

César Almeida, Vitor Alves Teixeira e Denis Gouvea.

nelope Leprevost com Mylord Cartha-

As pistas utilizaram a metragem oficial da Copa do Mundo (70 x 30 m). O

go ocupou a terceira colocação.

traçado dos percursos foi assinado pelo course designer internacional, Vail-

Sob o traçado do course designer

ton Jaci Cordeiro, o Baíca. Segundo os organizadores, cerca de mil pessoas

alemão Frank Rothenberger, 40 con-

compareceram ao evento.

juntos participaram da primeira etapa

No sábado à noite, 19, foi realizada a entrega de prêmios para os melho-

do GP, sendo que somente 16 se qua-

res atletas catarinenses de 2009 em um jantar festivo. No domingo, 20, a

lificaram para o desempate. Jessica

prova mais importante do CSN, o GP Irmãos Fischer (1,35m), teve como

Küerten, com um percurso sem faltas

ganhador o gaúcho Irineu Gehlen Filho, que além do título, faturou mais

em 40,52s, garantiu a vitória deixando

de 6.500 reais como premiação.

o segundo posto para Edwina Alexan-

wSegundo o presidente da Federação Catarinense de Hipismo, Artísio

der, 19 milésimos mais lenta.

Prandini Neto, a última etapa do ranking encerrou com chave de ouro o

O Ranking provisório da Rolex FEI

ano hípico catarinense : “Estamos muito satisfeitos com o desempenho

World Cup, após a oitava etapa apre-

de nossos atletas durante 2009. Gostaria de agradecer aos dirigentes dos

senta o cavaleiro Eric Van der Vleuten

clubes, aos cavaleiros e amazonas, criadores de cavalos, proprietários, pais

(57 pontos) em primeiro lugar, as ama-

de atletas, tratadores, enfim, todos os responsáveis pelo sucesso que ob-

zonas Jessica Kürten e Pius Schwizer

tivemos este ano”.

com 48 pontos em segundo e terceiro

O Campeonato teve o apoio das seguintes empresas: Gerdau, Esmalte me-

lugar respectivamente. O brasileiro Ro-

talúrgica, Bruzinox, SanCris linhas e fios, ARES incorporadora, Uvel veículos

drigo Pessoa ocupa a nona colocação,

e Ramatex tecidos.

com 41 pontos.

35


Fonte: Rute Araujo / Carola May

Foto: global champions tour

Foto: Tupa vídeos | cedida

Clínica QH

Rumo a Valdivia

Ludo Philippaerts

O jovem destaque Guilherme Foroni

O campeão Ludo Philippaerts esteve em São Paulo para ministrar uma

Em busca de uma vaga nas Olimpíadas da Juventude 2010, que acontecem

clínica no Manège Quality Horse, lo-

em agosto, em Cingapura, a Confederação Brasileira de Hipismo (CBH)

calizado na região de Cotia, entre os

convocou o cavaleiro paulista Guilherme Foroni, 18, para defender o Brasil

dias 11 e 13 de janeiro.

na seletiva da América do Sul que acontece na cidade de Valdivia, Chile,

No total, 26 atletas se inscreveram

até domingo, 31.

para os três dias de eventos. Yuri

A América do Sul tem direito a três vagas e cada país um representante.

Mansur, proprietário da Quality

Participam da seletiva chilena atletas de 10 países.

Horse, considera que os resultados

Guilherme Foroni é o campeão do ranking Junior de 2009 na modalidade

foram positivos: “Percebo que as

Salto da Confederação Brasileira de Hipismo e da Federação Paulista de

clínicas têm evoluído bastante. O

Hipismo (FPH).

número de inscritos é sempre su-

Em princípio a seletiva rumo à Olimpíada da Juventude estava agendada

perior aos dos anos anteriores e, ao

para acontecer na Colômbia - local em que altos custos para os participan-

final das atividades, os atletas estão

tes, entre outros detalhes, impediram a realização do evento. Em final de

satisfeitos e mais bem preparados

dezembro, a seletiva foi transferida para final de janeiro no Chile. “Como

tecnicamente”.

não tínhamos tempo hábil para realizar uma seletiva no Brasil, enviamos

Vindo de uma família de cavaleiros,

o primeiro colocado do Ranking Junior”, explicou o diretor de Salto da

Ludo é inegavelmente o maior cava-

CBH Caio Sérgio de Carvalho. “Estamos torcendo pelo Guilherme e caso

leiro belga da atualidade. Venceu o

ele consiga a vaga, a posteriori, realizaremos uma seletiva para a escala-

FEI World Cup 2008 e já participou

ção definitiva do representante do Brasil”, esclarece Luis Roberto Giugni,

de quatro olimpíadas nas categorias

presidente da CBH.

individual e em equipe.

A CBH, entidade máxima do esporte no País custeou passagens e estadia

Para encerrar as atividades da clíni-

do cavaleiro, bem como do chefe de equipe. O cavalo que Guilherme Foro-

ca, foi realizado um concurso nas

ni está montando foi emprestado pela organização do evento.

dependências do Clube Hípico de Santo Amaro

36


Teu Mundo Equestre

Mostre sua paixão pelo mundo equestre! Não importa a idade, se você ama cavalos e tem algum desenho ou foto que deseja compartilhar, mande para nós. Sua imagem será publicada nesta seção, e todos vão poder conhecer um pouquinho do seu mundo equestre.

Me chamo Arthur Rigetto, moro em Ribeirão Preto e adoro cavalos. Desenhei o meu potrinho Veloz, da raça Paint Horse. Adoro a revista, vocês estão de parabéns! Aos Amigos da Mundo Equestre: Meu nome é Larissa Ramos, pratico adestramento a sou apaixanada por Lusitanos! Um abraço para todos apaixonados por cavalos!

Olá, meu nome é Camila Teixeira, tenho 14 anos, moro em Ipatinga e amo os cavalos, principalmente o meu cavalo que se chama BlackJack. Amo também a Revista Mundo Equestre, sempre nota 1000!

38

Oi, me chamo Ana Clara e adoro pintar! Achei muito legal que os quadrinhos da revista 21 eram para colorir. Espero que gostem de como pintei a Ginger! Ana Clara Pietro - 17 anos

Para enviar on line, entre em nosso site e clique em “Teu mundo equestre”. Se você preferir, mande uma carta para Rua Visconde do Rio Branco - 1630 - 705, Curitiba - PR, CEP 80420-210.


q u adri n h o s

Ilustração: Aline Rosa Garbellotti

39


Classificados Anuncie. Ligue

Tel. (41)

41

3203.1960

3266-6644

SHPr - Br 116, Km 93 Tarum達 - Curitiba-PR.

Falc達o Transportes

Caminh達o para 8 e 9 animais.

41-3627.1582 / 41-9946.8295

falcaotransportes@gmail.com

Selaria

Tito Schier Tel. (41)

3248.9020

Av. Rep. Argentina, 4186 - Curitiba PR


Classificados Anuncie. Ligue

41

3203.1960

ANUNCIE AQUI


AGENDA

Fevereiro 06 a 07

26 a 28

I Etapa torneio de verão Local: SOCIEDADE HÍPICA PARANAENSE

PR

SP

XXI Torneio de Verão 2009 - 1ª etapa Local: c.h. santo amaro

27 a 28

II Etapa torneio de verão Local: SOCIEDADE HÍPICA PARANAENSE

13

SC

Carnaval HÍPICO -1ª Etapa do RCCS Local: SOCIEDADE HÍPICA CATARINENSE

14 a 17

Clínica com Sérgio STOCK Local: CELEME - JOINVILLE

27 a 28

i etapa do ranking fch Local: sociedade hÍPICA CATARINENSE

42



Revista Mundo Equestre | Fevereiro 2010