__MAIN_TEXT__

Page 20

Exportações avícolas | 45 anos não somos melhores que ninguém, mas ninguém é melhor que o Brasil. (Com apoio de informações da Associação Brasileira de Proteína Animal).

Avanço rumo ao futuro promissor

136 países. As exportações naquele ano somaram 2,470 milhões de toneladas, um aumento de 26% em relação ao mesmo período de 2003. A receita cambial chegou a US$ 2,6 bilhões, o que corresponde a um crescimento de 44% na mesma comparação. Esse desempenho representou mais um recorde nas exportações do setor, consolidando a posição do Brasil como líder tanto em receita cambial quanto em volumes. O setor de frangos também se consolidou como o segundo maior no ranking da exportação do agronegócio brasileiro, superado apenas pelo complexo carnes. E na pauta geral brasileira sua

20

A Revista do AviSite

posição ficou em sexto lugar, com uma participação de 2,6%.” E hoje, 45 anos desde o primeiro embarques de carne de frango brasileira com destino à Nações Islâmicas, vemos um setor que lidera o mercado e dita tendências. Somos benchmarking em preservação sanitária, qualidade, estratégia mercadológica e, agora, de enfrentamento à graves crises sanitárias humanas – com a manutenção das exportações e do abastecimento interno. Décadas de investimentos, trabalho e profissionalismo resultaram em uma marca reconhecida e respeitada em todo mundo, seja pelos clientes ou pelos concorrentes. Como costumo dizer:

Frente aos padrões atuais, os embarques então consolidados eram pouco expressivos, já que – por exemplo – o total exportado nos 12 meses de 1980 (perto de 170 mil toneladas) é alcançado, hoje, em menos de 15 dias de embarques. Mas tinham expressividade ímpar, pois representavam a entrada em um mercado até então dominado por americanos e alguns poucos países europeus que não davam chance de penetração para outros concorrentes. Mesmo assim, foi preciso aguardar outras duas décadas até que o Brasil galgasse a posição de grande player nas exportações de carne de frango. E se deslanchou a partir de 1995, nove anos depois (2004) o comércio internacional da carne de frango colocou o País no posto de líder do setor, colocação que mantém de forma imbatível há 16 anos. Notar, pelo gráfico na sequência, que nesses 45 anos as exportações brasileiras sofreram redução mais incisiva em apenas duas ocasiões: em 2006 e no biênio 20017/2018. A primeira foi decorrente de surto de Influenza Aviária em grande parte do Hemisfério Norte, com efeitos devastadores sobre o comércio mundial da carne de frango. A segunda é reflexo dos desdobramentos da “Operação Carne Fraca”. Mas não necessariamente por isso (e nem por conta da atual pandemia de coronavírus), as exportações de carne de frango já não evoluem no mesmo ritmo anterior. No atual quinquênio (e prevendo que os embarques do ano aumentem 4%, chegando aos 4,340 milhões de toneladas) devem se expandir ao menor índice destes nove quinquênios de história. Tudo indica a chegada a um ponto de estabilização a partir do qual os incrementos anuais, mesmo sendo contínuos, serão mínimos.

Profile for Mundo Agro Editora

Revista do AviSite - Edição 133  

Revista do AviSite - Edição 133