Page 1

MUNDO-NIPO

Janeiro/2011(3)

CULTURA Tsuru ''A Lenda'' Izanagi e Izanami FÓRUM O Simbolismo da Rosa Como Surgiu o Tae Kwon do Naruto é um livro de Auto Ajuda BREVE Novo Filme de Full Metal Alchimist: Brotherhood NOTÍCIAS TOC – Shounen Jump

LEVANDO A CULTURA JAPONESA À SÉRIO!!!


JANEIRO 2011 CULTURA

Tsuru ''A Lenda'' Izanagi e Izanami Futuro Artigo sobre Cultura

FÓRUM O Simbolismo da Rosa Como Surgiu o Tae kwon do Naruto é um livro de autoajuda

BREVE Full Metal Alchimist: Brotherhood

NOTÍCIAS

Toc - Shounen Jump


Modo de Leitura

1

2

3

4


Tsuru ( 鶴 ) ''A Lenda'' A Magia: Os tsurus (no ocidente são conhecidos como cegonha ou grou) são aves grandes, de cores contrastantes, plumagem clara chegando ao branco com extremos de fascinante degradê vermelho, e dotado de inigualável encanto. Beleza essa considerada sagrada pelos japoneses que acreditam que o pássaro representa a vitalidade da juventude. Na cultura asiática, são tidos como os pássaros mais velhos do planeta, com expectativa de vida de cerca de mil anos. Eram os pássaros companheiro dos eremitas que faziam meditação no alto das montanhas. Tidos como Eremitas Místicos, supunham ter poderes sobrenaturais que retardava o envelhecimento. Ao longo dos tempos - por ter sido companheiros desses eremitas - creditaram aos tsurus essa mística de serem um talismã poderoso, uma ave com ações sobrenaturais capazes de retardar o processo de envelhecimento. Assim, o pássaro ganhou o título "Pássaro da longevidade". A crença da juventude perdura até os dias atuais na Ásia, onde os tsurus simbolizam a mocidade eterna e a felicidade plena.

A Homenagem: Hiroshima e Nagasaki são memórias vivas no Japão. Todo ano, no dia 06 de agosto, as vítimas da tragédia da “Bomba atômica” são homenageadas pela população japonesa. Nesta data, inúmeros tsurus são colocados em Memoriais erigidos em homenagem aos que morreram na tragédia. Para os japoneses, depositar tsurus nesses memoriais representa votos de paz ao mundo, e uma manifestação pacifica no intento de chamar a atenção aos povos do mundo inteiro para que nunca se esqueçam do mal que a “Bomba Atômica ou uma Guerra Nuclear” causou e ode causar a uma nação e é justamente nesse dia que eles comemoram “O Dia da Paz”. Em Nagasaki o dia 09 de agosto é repetidamente homenageado em seus memorias, justamente porque a 2ª bomba nuclear foi jogada nesta Cidade três dias após a tragédia de Hiroshima.

A Crença: A arte do origami (dobrar papel) se inspirou nessa ave para criar uma de suas mais conhecidas formas, tanto que muitos também consideram o tsuru como o símbolo dessa arte japonesa. Até algum tempo atrás era comum encontrar no Japão pedaços de barbantes amarrados com vários desses tsurus de papel, que eram pendurados no teto para distrair os bebês ou deixados nos templos para pedir proteção. Nesse país, acredita-se que dobrar 1.000 origamis de tsurus com a mente direcionada para uma necessidade ou desejo, garante seu desejo realizado. Aos enfermos, papéis para fazer origamis de tsurus são oferecidos pelos visitantes, amigos, parentes, etc. A lenda diz que quanto mais origamis de tsurus o adoentado fizer, mais rápida será sua recuperação.

Em memória de Sadako Sasaki: Sobre dobrar os mil tsurus de origami e ter seu desejo realizado, a lenda foi reforçada a partir de uma das mais belas histórias de esperança e luta pela vida que conhecemos. No dia 6 de agosto de 1945, ocorreu um dos mais trágicos eventos da história da humanidade: os Estados Unidos detonaram sobre a cidade de Hiroshima, no Japão, a primeira bomba atômica da 2ª Guerra Mundial! Três dias depois seria a vez da cidade japonesa de Nagasaki sofrer com um ataque nuclear. A bomba caiu a pouco mais de um quilômetro da casa da menina Sadako Sasaki, que na época tinha dois anos. A mãe de Sasaki conseguiu salvá-la da explosão, no entanto, durante a fuga, as duas tomaram da chuva radioativa que caiu após o ataque. Sasaki viveu normalmente até os 12 anos de idade, quando descobriu que estava com leucemia (câncer no sangue devido a radiação nuclear que foi exposta). Em tratamento no hospital ela recebeu a visita de uma amiga que lhe contou a lenda dos mil tsurus de papel. Logo Sasaki começou a fazer as dobraduras, mentalizando sempre a sua cura, para que ao final do trabalho ela saísse do hospital livre da leucemia. Sasaki, no entanto, não teve forças para completar os mil pássaros de papel que pretendia, tendo feito 964 tsurus até o dia 25 de outubro de 1955, quando veio a falecer. Seus colegas de classe completaram os tsurus de papel que faltavam a tempo para seu enterro.


A notícia do esforço de Sasaki logo se espalhou pelo Japão e pelo mundo. Estudantes de mais de 3.000 Escolas do Japão e de 9 outros países iniciaram uma campanha para a construção de um monumento em Hiroshima em sua memória e das outras milhares de crianças que morreram, ficaram feridas ou estavam doentes em decorrência da bomba. O apelo popular foi atendido e em 05 de maio de 1958 foi inaugurado em Hiroshima, no Parque da Paz, o Monumento da Paz das Crianças com a Estátua da menina Sasaki erguendo um origami de tsuru. A história de Sadako Sasaki é considerada como um dos símbolos da luta pelo fim das armas nucleares, e a vontade de viver da menina japonesa que mesmo doente se pôs a fazer mil tsurus de papel são vistas como um símbolo da paz, tanto que todos os anos, no dia 6 de agosto (no qual se comemora o Dia da Paz) milhares de pessoas enviam tsurus ao Monumento da Paz das Crianças e, visitam todos os memoriais erigidos com esse propósito em “Hiroshima e Nagazaki” depositando milhares de Tsurus, para mostrar que a esperança e o desejo de dias melhores ainda existem em nosso planeta.

Nota da autora: Escrever este artigo foi um desafio aos meus sentimentos. Estudo a Cultura japonesa há muitos anos. No entanto, o Tsuru é a ave que me fascinou! Dado o fato de que eu a coloquei como símbolo do meu site (Mundo-Nipo) e vai estar na capa de meu livro. Fiz questão de desenhar a mão livre. Este artigo já foi editado por mim inúmeras vezes, porque sempre o vejo em outros sites – não posso fazer nada quanto a copiarem o que faço – só me resta editar o que crio. Contudo, eu tenho provas de que ele é meu porque meu editor tem o original desde 1995 e eu nem lembrava o ano. Confesso que o original é melhor do que essas edições que faço e é ele que vai estar no livro (que nunca sai), quem sabe quando eu morrer? _ Assim diz o editor, porque nunca termino. O que quero expressar mesmo sobre esse artigo é uma pequena coisa e escrevi tanto... Desculpemme! Se um dia vocês puderem ter a oportunidade de verem um Grou (tsuru) de perto (eu vi na neve) e ver aquela ave enorme te olhar ao longe, bater as asas, alçar vôo e depois dar uns grunhidos que depois ficam ecoando em seus ouvidos como um canto... Sinceramente, você vai achar que elas são mágicas e nunca mais esquecerão! E não pensem que isso aconteceu comigo porque sou ocidental e nunca tinha visto. Dizem que é essa a sensação que é descrita nas lendas quando ela tem afinidade com você e lança uma magia como uma espécie de união de espíritos, e foi assim que ela me encantou. Depois me vi comovida com os monumentos de Hiroshima e Nagazaki. Principalmente com o respeito e a seriedade que aquele povo tem com os seus mortos e os seus propósitos. O respeito por seus ideais é comovente e ninguém deixa de homenagear anualmente os monumentos. A visitação é crescente e o propósito não tem quaisquer outros intuitos a não ser o de mostrar ao mundo que eles almejam e querem oferecer a “PAZ”, em silêncio e através de um símbolo em uma simples forma de dobradura de papel “Origamis de TSURU”. •Fonte 01: Arquivo de pesquisas "Cultura Japonesa" Maria Rosa •Fonte 02: Museu e Biblioteca Nacional de Nagazaki •Fonte 03: Memorial da Paz de Hiroshima •Fonte 04: Aprendendo - Brasil / Japão Gostou do Artigo? Quer fazer uma crítica, elogio ou algo do gênero? Comente Aqui


Assunto  

swswgsuywtgswygwgw