Issuu on Google+

61

Set/Out 2012

A otorrinolaringologista Dafne Cerchiari é um exemplo de mulher moderna que se divide em várias atividades para cumprir as demandas do dia a dia: é médica, professora, administradora de uma escola de idiomas, mãe e dona de casa

MULHERES MULTITAREFAS


ÍNDICE Veículo de Divulgação da Unimed Blumenau - Cooperativa de Trabalho Médico.

CONSELHO EDITORIAL

Dra. Ana Cristina de Oliveira Dr. Alfredo Nagel Dr. Fernando Sanches Dr. Odilon Ascoli Dr. Rodrigo Vanzelli Luiz Mund

4 ALÔ VOCÊ O canal de comunicação do leitor 5 EM FOCO Unimed Blumenau é destaque em pesquisa sustentável 8 PÁGINAS VERDES com a pesquisadora Zelinda Maria Braga Hirano 14 PREVENÇÃO Escolas desenvolvem projetos contra as drogas 18 PESQUISA Alimentos capazes de liberar o hormônio serotonina 20 DIA MUNDIAL DA ASMA Cuidados desde a infância 23 TRATAMENTO Pacientes com necessidades são atendidos no aconchego do lar 24 QUALIDADE DE VIDA Em dia com a balança 34 ARTIGO Malformações fetais Divulgação

Divulgação

Divulgação

EDITOR-EXECUTIVO

Sidnei dos Santos - Palavra Escrita Ltda ME sidnei@mundieditora.com.br

REPORTAGEM

Daiani Caroline Coelho, Fernando Gonzaga, Francielle de Oliveira, Mariana Tordivelli e Rafael Meira

GERENTE DE ARTE Lucas Gonçalves

DIAGRAMAÇÃO

Adriana Baier e Tiago de Jesus

CAPA

Foto: Daniel Zimmermann

EDITORA-CHEFE

Danielle Fuchs - Fuchs Editorial Ltda ME danielle@mundieditora.com.br

GERENTE COMERCIAL

12

Mulheres modernas desempenham várias funções no dia a dia

30

Atividades físicas trazem benefícios à futura mamãe e ao bebê

28

Diminuir a ingestão diária de sal ajuda a prevenir a hipertensão

Eduardo Bellidio - 47 3035.5500 eduardo.bellidio@mundieditora.com.br

GERENTE COMERCIAL GERAL Cleomar Debarba debarba@mundieditora.com.br

DIRETOR-EXECUTIVO

Niclas Mund niclas@mundieditora.com.br CIRCULAÇÃO circulação@mundieditora.com.br SUGESTÃO DE PAUTA pauta@mundieditora.com.br

UNIMED BLUMENAU

Rua das Missões, 455 • Blumenau/SC Fone: 47 3331.8500 • Fax 47 3331.8570 www.unimedblumenau.com.br Twitter: @unimedblumenau

HOSPITAIS

UNIDADE CENTRO Neumarkt Trade & Financial Center, 5º andar • Blumenau/SC Rua Ingo Hering, 20 | Anexo ao Shopping Neumarkt Fone: 47 3037.8500 UNIDADE VILA NOVA Rua Almirante Barroso, 1159, Bairro Vila Nova • Blumenau/SC Fone: 47 3331.8700 UNIDADE TIMBÓ Rua Pomeranos, 3000, Bairro Pomeranos • Timbó/SC Fone: 47 3281.4000 SOS UNIMED Fone: 0800.6454747

Editorial

Mulheres independentes A cada dia a mulher ganha mais destaque no mercado de trabalho. Entretanto, a conquista do reconhecimento profissional e a busca pela independência financeira não as tira do compromisso de administrar o lar. Além das atividades desempenhadas no emprego, a mulher cuida da casa, dos filhos, do marido e dela própria. O perfil multitarefa garante à mulher a habilidade de tocar várias atividades ao mesmo tempo. Dra. Dafne Cerchiari, por exemplo, é médica, professora de alemão, administra uma escola de idiomas e ainda arruma um tempinho para cuidar da casa e acompanhar o crescimento da filha. A oncologista Lisiane Anzanello também se desdobra no dia a dia para dar conta de tantas atividades. Ela é médica, professora de Semiologia no curso de Medicina da Furb, juíza conciliadora, cuida da casa e dos filhos e faz pós-graduação nos fins de semana. Esses são apenas dois exemplos de mulheres batalhadoras que são felizes assim e não abrem mão de serem independentes. O segredo para dar conta de tudo, segundo Dra. Lisiane, é saber administrar o tempo. Dando continuidade ao tema mulher, confira a reportagem sobre os benefícios dos exercícios físicos na gestação. Alguns desconfortos durante a gravidez, como varizes e dores nas costas, podem ser aliviados pela prática de exercícios. Mas, atenção! Eles devem ser acompanhados e orientados por um profissional. Esta edição está repleta de importantes informações para o bem-estar e cuidados com a saúde. O Centro de Promoção e Atenção à Saúde (Cepas) realiza, continuamente, programas que oferecem soluções para problemas que atingem a população, como a obesidade. Outro fato preocupante abordado é a hipertensão arterial, que atinge 50% da população adulta. Para combatê-la, é preciso adotar hábitos saudáveis e diminuir o sal nos alimentos, pois ele é considerado o grande vilão da pressão alta. Leia também na edição 61 da Revista Unimed sobre os programas de combate às drogas nas escolas; uma pesquisa realizada pela Univali, que avaliou alimentos capazes de liberar o hormônio serotonina, responsável pelo bem-estar; o Programa a Beneficiários Fragilizados, e saiba como conviver com a asma e ter qualidade de vida. Boa leitura!

3


ALÔ VOCÊ CURSO DE GESTANTE “Eu e meu esposo gostaríamos de agradecer a oportunidade de participar do curso de gestante. Acreditamos que é importante dar um retorno para vocês, pois percebemos que a equipe que ministrou as palestras é bastante profissional e acolhedora. Percebemos que tudo é organizado e preparado com muito carinho. Parabéns a toda equipe”. Cintia Taice Oneda Petris Beneficiária Unimed Blumenau

HOMECARE “Gostaria muito de agradecer a toda equipe Homecare pelo excelente atendimento prestado à minha mãe, Rita Schreiber, Fernanda, Dra. Susane, Dra. Maura, Andressa, Lucas e a fisioterapeuta. Todos sempre muito carinhosos com ela. Parabéns! Vocês são uma equipe muito bem preparada. Agradeço pela carinho prestado e pela coroa de flores enviada para minha mãe”. Soraia Schroeder Colaboradora Unimed Blumenau

ATENDIMENTO “Quero apenas registrar o excelente atendimento que recebi da colaborada Marilene Lemos Huscher Reiter. Liguei para consultar sobre um telefone que não encontrei no site. Ela também não localizou no cadastro, mas anotou meu telefone e foi atrás da informação, me ligando logo em seguida. Enfim, atendimento que deveria ser padrão em qualquer empresa, mas que eu penso que é cada vez mais raro”. Ricardo Duarte Pimenta Beneficiário Unimed Blumenau

PROJETO NAS ESCOLAS Divulgação

“Gostaria de parabenizar a Unimed Blumenau pelo excelente projeto nas escolas. Assisti a uma palestra para pais na Escola Oscar Unbehaun, com Michelle Kamers. Ela é ótima”. Juliana Berns Colaboradora Unimed Blumenau


em foco Unimed Blumenau é 1ª do País em responsabilidade social A Unimed do Brasil anunciou que, de acordo com seleção nacional, a Unimed Blumenau é a primeira do País em Responsabilidade Social entre as grandes Unimeds. A Cooperativa conquistou o Prêmio Djalma Chastinet Contreiras, obtendo a pontuação mais elevada do Selo Unimed de Responsabilidade Social edição 2012 na categoria Grande Unimed. O Selo identifica e reconhece as Cooperativas que adotam práticas socialmente responsáveis em sua gestão. “A conquista deste primeiro lugar confirma as boas práticas de gestão, projetos e ações de Responsabilidade Social que a Unimed Blumenau realiza e que a fazem referência nacional”, comemora o diretor presidente, Marco Antônio Bramorski. Entre as melhores do país desde que o

Selo foi lançado pela Unimed do Brasil, em 2003, para ser a primeira entre as 10 foi preciso cumprir três etapas: preencher os Indicadores de Responsabilidade Social, um questionário dividido em sete temas totalizando 91 questões; preencher o Balanço Social Anual, exercício 2011, em uma ferramenta específica desenvolvida pela Unimed do Brasil (Sistema do Balanço Social); e realizar o cadastro dos projetos da Unimed Blumenau no Banco de Responsabilidade Social, também em ferramenta própria, para a inclusão de projetos, programas e ações de Responsabilidade Social no Banco de Dados da Unimed do Brasil. “Cumprimos com êxito todas as etapas para poder receber o Selo de Responsabilidade Social 2012 e agora o prêmio de número 1 do Brasil em Responsabilidade Social entre as grandes Unimeds”, destaca a gerente de Responsabilidade

Social e do Instituto Unimed SC - Filial Blumenau, Jeane Tomaz Pinheiro. O prêmio será entregue no dia 12 de setembro, em Florianópolis, durante a 42ª Convenção Nacional Unimed.

Jeane Tomaz Pinheiro.


EM FOCO Sucesso do Plano de Abandono Eduardo Sofiati

Dr. Marco Antônio Bramorski participou do evento

O Plano de Abandono, com enfoque em incêndios, aconteceu simultaneamente nas 35 escolas do Projeto Unimed Vida, no dia 28 de junho. Com a presença do Corpo de Bombeiros, Equipe SOS, representantes da diretoria e colaboradores da Unimed, o plano cumpriu as expectativas, mostrando que a ação é muito bem aceita e compreendida pela comunidade escolar. “A ação despertou também o

interesse da imprensa local, que acompanhou tudo de perto”, ressalta a pedagoga Sharon Koepsel. “O Plano de Abandono é útil na medida em que aprendemos a ter atitudes corretas numa situação difícil como um incêndio, auxiliando a superar o pânico. Com organização e disciplina pode-se evitar outros acidentes e salvar pessoas”, comenta a professora Maria Fernando Santiago, da EBM Tiradentes.

Pesquisa Sustentável coloca Unimed Blumenau em destaque A Unimed Blumenau é a segunda melhor colocada em um ranking com 114 empresas avaliadas pela 8ª Pesquisa de Gestão Sustentável. A pesquisa é realizada pela consultoria Aequo Soluções em Sustentabilidade em parceria com a Revista Expressão e pode ser considerada o maior mapa da responsabilidade social do Sul do País. Juntas, as 114 empresas avaliadas faturaram R$ 280 bilhões e empregaram 553.622 pessoas em 2011. Além da segunda posição, a Unimed Blumenau também ficou entre as 10 melhores empresas avaliadas nos temas “Envolvimento Comunitário”, “Questões do Consumidor”, “Direi-

tos Humanos” e “Governança Organizacional”. No total, a avaliação envolveu sete temas centrais de responsabilidade social da norma ABNT NBR ISO 26000/2010 e as quatro perspectivas do Balanced Scorecard (BSC), uma metodologia que traduz a missão e a estratégia das empresas em objetivos e medidas. Pelo excelente desempenho na pesquisa, a Cooperativa receberá o Certificado de Sustentabilidade no Fórum de Gestão Sustentável, evento que acontecerá na sede da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), em Florianópolis, no dia 21 de setembro.


Moção de Louvor agradece e reconhece trabalho da Amub A Associação da Mulher Unimediana (Amub) recebeu Moção de Louvor da Câmara de Vereadores de Blumenau em reconhecimento aos serviços prestados à comunidade e em especial às crianças e adolescentes.

importância da Associação para o bem-estar das nossas crianças e adolescentes”, destacou. A presidente Débora Arenhart enfatizou o apoio que a Associação recebe da Cooperativa. “A Amub é o coração da Unimed e vamos continuar trabalhando e levando este amor à sociedade”.

Divulgação

A entrega aconteceu na sede da Cooperativa, no dia 28 de junho, e reuniu autoridades e representantes da Associação. Estiveram presentes o superintendente da Federação de SC, Jauro Soares, o vice-presidente da Unimed Blumenau, José Carlos Arenhart, o presidente da Usirede, Josemar Batista de Oliveira, Julio Cesar Pereira, secretário de Assistência Social da Criança e do Adolescente de Blumenau, o vereador Mário Hildebrandt, autor do pedido da Moção à Amub e a presidente da Associação, Débora França Arenhart.

O vereador destacou o envolvimento e a dedicação voluntária das mulheres unimedianas na melhoria do cotidiano de crianças e adolescentes da cidade em situação de vulnerabilidade e risco social. “Esta moção é um agradecimento e um reconhecimento da cidade e em especial do Legislativo à Amub. Uma forma singela de expressar a


PÁGINAS VERDES

com a professora universitária Zelinda Maria Braga Hirano

“A população tem muito respeito e curiosidade” Foto Daniel Zimmermann

A

cientista da área de bioquímica e professora universitária Zelinda Maria Braga Hirano passeava por Indaial quando ouviu o som de um bugio. Curiosa, decidiu ir até a mata e, ao se deparar com o primata, ficou encantada e decidiu ser umas das responsáveis pela conservação da espécie. Nasceu, então, o Projeto Bugio. A iniciativa cresceu e, hoje, é referência internacional em manejo de primatas. Para falar sobre o projeto e a preservação dos bugios, Zelinda concedeu entrevista exclusiva à revista Unimed.

8

Revista Unimed: Como surgiu o Projeto Bugio? Zelinda Maria Braga Hirano: Quando eu me mudei para cá, vinda de São José do Ribeirão Preto, eu caminhava numa rua em Indaial e escutava o bugio. Escutava o bicho gritando na minha orelha até que um dia perguntei para a população o que era aquele som. Disseram que era o bugio e que o primata gritava porque estava em uma briga de bando ou porque ia chover naquele dia. Certa vez, não me aguentei de curiosidade, peguei um facão de churrasco e subi o morro. Para a minha surpresa, um macho da espécie surgiu entre dois galhos e começou a gritar para mim. Eu nunca vou me

esquecer do que eu senti naquele momento. Sentei embaixo da árvore e fiquei observando aquele animal tão lindo e tão vermelho. Fiquei encantada! RU: Há quanto tempo existe o Projeto Bugio? Zelinda: Fez 20 anos este ano. RU: Qual foi o próximo passo depois do primeiro contato com o bugio? Zelinda: Sou cientista da área bioquímica e curiosa. Fui atrás da literatura e não encontrei nada sobre o bugio. Então pensei: vou ter que estudar esse bicho. Só que não sabia nada sobre primatas e tive que


estudar muito. Como a comunidade já sabia que eu estava estudando aquela espécie, uma pessoa trouxe para mim um bugio que estava morto porque o medicaram de forma errada. Sabe o que eu fiz? Coloquei o bicho em um saco plástico e joguei na mesa do falecido prefeito Victor Peters e perguntei: Até quando você vai permitir mais isso? Ou você monta uma área de preservação no município ou a coisa não vai ficar boa. RU: E o que aconteceu depois disso? Zelinda: Depois disso, o prefeito montou a lei junto com o Centro de Pesquisas Biológicas e o Observatório de Primatas de Indaial. O próximo passo foi estudar mais ainda, abrir as trilhas na mata para a observação da espécie. Começamos a receber os animais que as pessoas tinham em casa e o cativeiro científico foi criado. Agora, temos 38 animais neste espaço. RU: As pessoas tentam domesticar esses animais? Zelinda: Sim. Quando o bugio é filhote é a coisa mais linda desse mundo, mas quando vai ficando jovem, fica agressivo por ser um animal selvagem e acaba mordendo o dedo das pessoas. Então, querem se livrar do bicho e nos entregam. Quando ele é pequeno é a coisa mais querida, na verdade, ele é querido sempre, mas quando fica grande começa a atrapalhar. O tráfico era muito comum, hoje, não tem tanto porque as pessoas sabem do projeto. RU: Então a comunidade está informada sobre o projeto? Sendo assim, colabora de alguma forma? Zelinda: A comunidade apoia muito. O município, junto com a Furb, financia o projeto. Então, a população tem muito respeito e curiosidade. As pessoas querem visitar e conhecer. Todas as escolas recebem palestras sobre o bugio para se familiarizarem com o animal. Hoje, muitas famílias têm grupos de macacos perto de casa e nos chamam para saber se eles estão bem de saúde. A comunidade sente-se responsável também.

“Os bugios são animais que comem folhas e frutos da mata, vivem em árvores e a espécie que temos aqui tem a pelagem vermelha nos machos e marrom nas fêmeas”


Fotos Pâmela Schwabe Schmidt / Divulgação

RU: Quantos bugios há na área de preservação? Zelinda: Só na nossa área, que tem 30 hectares, tem mais ou menos 45 animais. No geral, a espécie entende-se em uma faixa que começa na Bahia até o Rio Grande do Sul. RU: Quais as características dessa espécie? Zelinda: Os bugios são animais que comem folhas e frutos da mata, vivem em árvores e a espécie que temos aqui tem a pelagem vermelha nos machos e marrom nas fêmeas. O macho adquire essa tonalidade porque o suor dele é vermelho. Esse suor é como se fosse uma tinta de cabelo, que tinge os pelos do macaco. Essa cor atrai a fêmea, já que o bugio é o único primata do Novo Mundo que enxerga colori-

do. Eles enxergam como a gente. Os outros primatas dessa categoria conseguem apenas perceber o preto e o branco. Eles criam grupos familiares que vivem em áreas separadas, pois quando se encontram em áreas sobrepostas eles brigam, mas a briga é apenas no grito. Ganha quem gritar mais. Em 20 anos, nunca presenciamos uma agressão. RU: Qual é a importância da conservação da espécie? Zelinda: O bugio é sinalizador da presença de diversas doenças. Quando teve surto de febre amarela no Rio Grande do Sul, a doença afetou os animais primeiro. Na época, morreram 700 bugios. Eles indicam que há algum desequilíbrio. Eles também são dispersores de sementes.


RU: Qual é o predador natural do bugio? Zelinda: Os felinos são os predadores. Um deles atacou um bugio na nossa mata. Outras causas de baixas são desmatamento, choque na rede elétrica e caça.

RU: Quais os próximos passos do projeto? Zelinda: Agora ganhamos uma área muito grande em Indaial, num local chamado Ribeirão das Pedras e, lá, poderemos construir um novo centro. Ainda não tenho previsão de quando poderemos iniciar essa mudança, mas sei que chegaremos lá. Começamos com um animal morto e uma pasta e mesmo assim crescemos muito. Temos 15 pessoas envolvidas nesse trabalho.

RU: Como está a adequação das políticas públicas com relação ao projeto? Zelinda: A Prefeitura de Indaial e a Furb financiam o projeto, não tenho como “O bugio é RU: Se você pudesreclamar de nada. sinalizador da se fazer esse projeto Considero o municínovamente, mas com pio de Indaial super presença de outro animal da redesenvolvido por ter diversas doenças. gião, qual escolheria? uma prefeitura que Zelinda: Com a carealmente investe Eles indicam pivara. É um animal no projeto. Oferecemos um curso de quando há algum que está no cotidiano das pessoas e é tido manejo de primatas desequilíbrio na como um bicho que que recebe alunos incomoda porque cai de todos os cantos natureza” na piscina das casas do mundo. Como ou é atropelado. O o projeto e o curso que essas pessoas têm visibilidade innão sabem é que está acontecenternacional, quem nos apoia acaba do um desequilíbrio ecológico, é sendo destaque da mesma forma. preciso ter um estudo mais aproAs entidades privadas também são fundado sobre esse animal e ter importantes para nós. Um exemum controle. A capivara não tem plo é o Angeloni e a Cooper, que um predador natural e também fornece toda a alimentação para não tem muito espaço para ela os animais. São 50 quilos de frutas por aqui, isso merecia um trabalho toda semana para alimentar os bumais profundo. gios do criadouro.


Reportagem de capa

Os desafios da mulher moderna Divulgação

Rafael Meira rafael@mundieditora.com.br

A

s mulheres são as protagonistas do Século 21, pois desde que entraram no mercado de trabalho, elas têm demonstrado muitas qualidades e capacidade para assumir funções que, até então, eram exclusivas do sexo masculino. Além de serem extremamente exigidas durante o trabalho formal, as mulheres também exercem um papel fundamental fora dali. Muitas ainda arrumam tempo para ser mãe, esposa, estudante e ter outra profissão. Dados do relatório Perfil do Trabalho Decente no Brasil: um Olhar sobre as Unidades da Federação, divulgado recentemente pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), mostram que os homens têm jornada de 52,9 horas semanais, enquanto as mulheres, de 58 horas, 5,1 horas a mais do que o sexo oposto – o que equivale a 20 horas adicionais por mês, cerca de 10 dias a mais por ano.

A médica oncologista Lisiane Anzanello é um exemplo de como é possível desempenhar diversas atividades durante o dia. O segredo, segundo ela, é saber administrar o tempo. “Meu dia começa bem cedo. Levo meu filho para o colégio, depois vou ao hospital visitar os pacientes e, em seguida, para o

12

consultório. Faço o almoço todos os dias e depois volto para o trabalho”, detalha. Ela ainda arruma tempo para dar aula de Semiologia no curso de Medicina da Furb, ser juíza conciliadora e fazer pós-graduação nos fins de semana.

dar de Naila no período da tarde, o sucesso por conseguir executar tantas atividades. “Saber que ela está com minha mãe me dá segurança para trabalhar, pois tenho certeza que ela está bem, confortável e segura”, confidencia.

Outra mulher que também agrega diversas funções e, mesmo assim, consegue manter a harmonia no cotidiano é a otorrinolaringologista Dafne Cerchiari. Entre uma consulta e outra ela realiza, em média, cinco cirurgias por semana, administra uma escola de idiomas junto com o marido, leciona alemão duas vezes na semana e faz questão de acompanhar o desenvolvimento da filha Naila, de dois anos.

Para Dra. Lisiane, o mais difícil de ter uma vida tão cheia de atividades é conseguir dar atenção para a família. Para ficar mais tempo com os filhos, a médica prepara o almoço e o jantar diariamente e,

A língua germânica entrou na vida da Dra. Dafne quando foi estudar o terceiro ano do Ensino Médio na Alemanha. “Quando voltei, comecei a lecionar em escolas de São Paulo. Durante o cursinho e os sete anos de faculdade, dei aula de alemão”, explica. Ela credita ao apoio do marido na administração da escola e ao fato da mãe cui-

Eduardo Sofiati

Muitas médicas, além da profissão que exige dedicação constante, exercem diferentes funções fora do consultório ou hospital. Em comemoração ao Dia do Médico, no dia 18 de outubro, a Revista Unimed traz uma reportagem com duas cooperadas que se dividem em várias atividades para cumprir as demandas do dia a dia.

Dra. Lisiane com o filho Franco

Dra. Lisiane no consultório


Outro desafio para as mulheres modernas que já encaram diversas tarefas no trabalho e em casa é encontrar tempo para cuidar delas mesmas. “Fazemos tanta coisa que acabamos nos deixando de lado. Faço questão de sempre ir ao cabeleireiro, ter meu momento de meditação e relaxamento”, frisa Dra. Lisiane. Nos planos da médica, que dorme apenas quatro horas por noite, está fazer aula de francês, cursar Gastronomia e passar no concurso para juíza. “Minha especialidade médica me faz dar mais valor à vida. Quero aproveitá-la da melhor forma possível”.

Fotos Daniel Zimmermann

recentemente, começou a fazer muay thai com o filho caçula. A Dra. Cerchiari também se desdobra para ficar com a filha. “Quando chego em casa, procuro fazer parte da vida dela. Dou banho, preparo a comida e conversamos muito. Ela me conta o que fez durante o dia e, por último, coloco-a para dormir”.

Além de médica, Dra. Dafne também dá aulas de alemão

Quando questionadas se pretendem mudar o estilo de vida e assumir menos responsabilidades, ambas garantem que são felizes assim e não abrem mão de serem mulheres independentes. “Gostaria de ter mais tempo pra mim, ver um filme, ou ficar sem fazer nada. No fundo, acho que gosto do meu ritmo de vida. Não consigo ficar parada mesmo”, revela Dra. Dafne.

Dra. Dafne também administra uma escola de idiomas

Dra. Dafne atende no consultório e ainda realiza cinco cirurgias por semana

13


PREVENÇÃO

Blumenau no combate às drogas nas escolas

N

uma época em que o convívio social com as más companhias pode levar uma família ao estado de decomposição, medidas de orientação e campanhas de prevenção aparecem como luz no fim do túnel. Cada vez mais cedo os jovens têm aderido ao uso de drogas. De acordo com a Associação Brasileira de Alcoolismo e Outras Drogas (Abrad), por volta dos 12 anos, os jovens começam a consumir o álcool e o cigarro, que são uma porta de entrada para as

drogas ilegais, como a maconha, a cocaína, entre outras. Um dos principais motivos que levam os jovens a procurar drogas é a curiosidade e a influência dos amigos. Hoje, a maioria dos jovens não tem supervisão de adultos em sua rotina. E os prejuízos vão além do âmbito da saúde do indivíduo, que são irreparáveis e, muitas vezes, incontroláveis. Há um prejuízo imensurável no que diz respeito à vida social, familiar, emocional e psicológica da pessoa.

Deve-se prestar atenção à condição social do indivíduo, pois na maioria das vezes, os jovens consumidores usam as drogas como fuga de uma realidade que enfrentam. A formação individual do adolescente também é determinante. O fato de se sentirem sozinhos ou perdidos, sem muitas experiências de vida e sem boas referências para orientar o caminho correto a seguir, também serve como subterfúgio.

Trabalho de prevenção

Conforme o Conselho Tutelar Garcia, é preciso pensar na criação de novas estratégias de atuação em rede, investindo mais na prevenção. O órgão é responsável por atender às ocorrências em escolas, notificar a família e encaminhar o jovem a entidades como o Centro de Atenção Psicossocial Infantil (CAPSi), Ambulatório Geral e psicólogo quando necessário. Após esse direcionamento, o Conselho

14

Fotos Divulgação

As escolas trabalham de forma preventiva e, por meio da aprendizagem, desenvolvem projetos e programas de prevenção ao uso de drogas. Segundo a Secretaria Municipal de Educação (Semed), antes da escola estar preparada para lidar com usuários, vêm a família e as políticas de saúde e assistência. “A escola vai trabalhar o tema preventivamente e fazer os encaminhamentos necessários às políticas públicas de atendimento com a colaboração das famílias”. Muitas vezes, a escola necessita encaminhar o fato ao Conselho Tutelar para que haja garantia de direitos no que se refere à proteção integral da criança e do adolescente. Alunos e pais participam de palestra de prevenção às drogas

Tutelar recebe mensalmente os relatórios de como os jovens vem aderindo ao programa. Mediante alguma reincidência, o órgão fiscalizador notifica a família novamente e, em casos mais extremos, repassa o caso ao Ministério Público para que tome as providências cabíveis.

De acordo com Liane Koffke, coordenadora de Programas de Saúde Escolar na Gestão do Cuidado, da Prevenção e da Proteção, o fácil acesso às substâncias psicoativas e a fragilidade dos vínculos familiares são fatores responsáveis por levar os jovens a este caminho. “Faltam limites, cuidados essenciais como carinho e atenção.


Faltam mãos que protejam e eduquem. Mãos para prevenir, acolher, informar, educar, orientar, amparar, proteger, ensinar e amar. Crianças e adolescentes estão compensando nas drogas e na violência a falta de afeto, de abraço, de atenção, de cuidado e de carinho”. Conforme a coordenadora pedagó-

gica do Colégio Energia de Blumenau, Estefânia Cristina Taube Pereira, os professores trabalham o tema em sala de aula de forma transdisciplinar. Além das abordagens do assunto em algumas disciplinas, o colégio também dispõe de uma psicóloga, que atende individualmente cada aluno que espontaneamente queira conversar ou que necessite de orientação.

Programas de orientação

Proerd auxilia na prevenção do uso de álcool, cigarro e outras drogas

A Gerência de Programas de Saúde Escolar vinculada à Diretoria de Programas e Projetos Integrados (Lei complementar nº 700/2009) da Semed busca a consolidação de políticas públicas de prevenção e promoção de educação e saúde, com foco na ação interdisciplinar integrada ao currículo escolar. Desta forma, dispõe nas escolas de uma série de programas e projetos intersetoriais e parcerias, específicos de prevenção, como é o caso do Tá Ligado, Proerd, Prevenção ao uso de Drogas, Bullying, Sexualidade Humana, Projeto Unimed Vida, Programa Saúde nas Escolas (PSE), Escola que Protege, Programa Saúde e Prevenção nas Escolas (SPE), Projeto de Prevenção Integral

nas Escolas/Consegs, entre outros. Um dos mecanismos parceiros da Semed, o Programa de Resistência às Drogas e Violência (Proerd), desde 1998 vem auxiliando a juventude na prevenção do uso de álcool, cigarros e outras drogas. O projeto, que é uma iniciativa do 10º Batalhão da Polícia Militar de Blumenau (BPM), tem como propósito capacitar adolescentes e adultos por meio de ações de política ostensiva de caráter educacional e de valorização à vida saudável. O 10º BPM possui 11 instrutores, sendo sete em Blumenau e os demais nas cidades vizinhas (Indaial, Ascurra, Apiúna, Rodeio, Rio dos Cedros, Pomerode, Timbó, Doutor Pedrinho e Benedito Novo).


FILMES

PREVENÇÃO Fotos Divulgação

INDICADOS Graça e perdão

“Um crime horrível. Uma reação que impactou uma nação. Uma história verídica sobre a experiência restauradora do perdão. No Outono de 2006, a tranquilidade da pequena comunidade Nickel Mines, na Pensilvânia, Estados Unidos, foi abalada com um crime que ninguém poderia imaginar. Uma tragédia chamou a atenção de toda a nação, destacando uma outra visão sobre a vida e a morte e oferecendo uma inesperada lição sobre o perdão. Um filme baseado no aclamado livro Amish Grace. Um relato verídico sobre um evento trágico, mas ao mesmo tempo inspirador e instrutivo sobre uma comunidade muitas vezes mal interpretada. “ Aldina Joanice Dorigatti Secretária da Diretoria Executiva e de Gestão da Unimed

Um mundo perfeito “Após fugir da prisão, Bucth Haynes (Kevin Costner), um presidiário que se julga injustiçado, sequestra o menino Phillip Perry (T. J. Lowther) e parte em fuga pelo estado do Texas. Durante a fuga, ambos descobrem terem pontos em comum e desenvolvem uma certa afeição, e o menino passa a enxergar em Haynes a figura paterna que nunca conheceu. Para encontrar o fugitivo, Red Garnett (Clint Eastwood) assume o comando da equipe, que conta com a criminologista Sally Gerber (Laura Dern). Um drama que comove não apenas pela relação desenvolvida por Butch e Phillip, mas por nos fazer questionar até que ponto podemos julgar as pessoas tão superficialmente, sem compreendê-las em toda sua complexidade.” Vanessa de Souza Cliente Unimed desde 01/03/2009

16

Intrutores da Polícia Militar, através do Proerd, auxiliam os alunos

Cerca de 50 mil crianças do quinto ano escolar já foram orientadas pelo programa. Nele também são disponibilizados aos pais e responsáveis ferramentas para que, quando questionados sobre os efeitos negativos das drogas, possam atender às expectativas. “A escola e a Polícia Militar não podem ser a solução para todos os problemas. Pais que negligenciam seus filhos abrem caminhos para outras oportunidades”, pondera o capitão Reginaldo Rocha de Souza, coordenador do Proerd, cobrando uma participação mais afetiva dos pais na educação dos filhos.

Outro projeto de prevenção que também faz parte do programa é o Projeto Unimed Vida, que por meio de palestras semanais, tem tido papel importante como alicerce aos jovens e também aos pais. “O intuito é proporcionar aos alunos aprendizagens significativas, que ultrapassem os muros da escola e que façam parte da rotina familiar, com uma postura investigativa e curiosa frente aos fatos, desafiando-os a construir conceitos sobre qualidade de vida e a refletir sobre a importância de suas escolhas para uma vida mais responsável”, avalia a psicóloga e psicanalista Michele Kamers.

Cerca de 50 mil crianças do quinto ano escolar já foram orientadas


LIVROS Conheça alguns destes programas de prevenção Programa Mais Educação/Educação Integral: Ampliar a jornada e espaço escolar para o mínimo de sete horas diárias e contribuir para a formação integral Banco de Leite Humano de crianças e adolescentes, em consonância com o Projeto Político Pedagógico da escola, ampliando tempo, espaços e oportunidades educativas. Programa Saúde na Escola (PSE): Garantir a integralidade do cuidado na educação e na saúde do escolar. Promove a saúde e a cultura da paz, reforçando a prevenção de agravos à saúde, bem como fortalecer e articular as ações do Sistema Único de Saúde (SUS). Programa Saúde e Prevenção nas Escolas (SPE): Contribuir para a sustentabilidade de uma política de Educação e Saúde articulada ao Projeto Político Pedagógico da escola, cujo campo de atuação compreende as temáticas em direitos sexuais e reprodutivos, gravidez na adolescência, prevenção das DST/ Aids, redução de preconceitos e estigmas relacionados à raça, etnia, e promoção da igualdade de gênero. Programa de Formação Continuada de Profissionais da Educação Básica - no Projeto Escola que Protege: Ofertar curso de especialização “A gestão do cuidado para uma escola que protege” para capacitar educadores e outros atores sociais para construírem projetos de intervenção que tornem a escola um espaço articulado, que protege crianças e adolescentes. Programa de Resistência às Drogas e Violência (Proerd): Prevenir e reduzir o uso de álcool, cigarro e outras drogas afins, ensinando os alunos, na prática, as formas e os motivos pelos quais devem dizer não às drogas. Este projeto é uma iniciativa do 10º Batalhão da Polícia Militar de Blumenau em parceria com a Semed. Programa de Prevenção às Drogas - Tá Ligado: Desenvolver e colocar em prática as ações pensadas pelo Comen, nas áreas preventivo-educacional, assistencial terapêutico, orientação e acompanhamento de crianças e adolescentes em situação de risco. Programa de Formação dos Multiplicadores nas Temáticas: Criança e Adolescente Prioridade Absoluta, Escola e Família de Mãos Dadas, Paz na Escola, Prevenção ao uso de Drogas, Sexualidade Humana e Bullying: Formar profissionais multiplicadores e assessorar as unidades educacionais e comunidade em geral na temática da criança e adolescente e na consolidação de políticas públicas de atenção integral, com estudos de casos, palestras, mediações, orientações, encaminhamentos, intervenções e formações, sob o olhar da gestão do cuidado, prevenção e proteção na garantia dos direitos fundamentais. Projeto de Prevenção Integral nas Escolas (Conseg): Contribuir para a melhoria da qualidade de vida da comunidade escolar e a socialização de saberes educativos e sócio-culturais. Desenvolve temas sobre prevenção às drogas, cidadania, valores, a tolerância à diversidade, a responsabilidade, a organização em respeito às normas estabelecidas. Projeto Unimed Vida: O projeto desenvolve, além dos temas Prevenção de Acidentes, outras temáticas relacionadas à qualidade de vida, como: Consumo Consciente, Adolescência e Sexualidade, Alimentação Saudável e Objetivos do Milênio. Este interesse veio ao encontro do conceito ampliado de saúde e a Política Nacional de Promoção à Saúde.

INDICADOS

Vivências e narrativas de um blumenauense “Uma excelente obra sobre a colonização de Blumenau, traduzido por Annemarie Fouquet Schünke, através dos manuscritos originais do emigrante Karl Kleine, nascido na Província de Posen, atualmente Poznan - Polônia, emigrou para o Brasil acompanhado pelos pais e irmãos em 1856 e, após longa viagem, a família chegou à Foz do Rio Itajaí com destino a Blumenau. Conheceu Dr. Blumenau e trabalhou na demarcação de terras no Vale do Itajaí, ainda muito jovem, exerceu a função de emissário do correio, foi agricultor e professor em Blumenau. O livro mostra que não houve nenhum glamour na colonização e na condição de vida dos colonos. Uma vida difícil e de muita luta para que Blumenau chegasse a ser o que é hoje. Uma importante leitura para quem quer conhecer mais sobre nossa história e desmistificar a época da colonização. ” Osnildo Torquato de Souza Assistente Administrativo da Unimed Blumenau

A Cidadela “Estou relendo pela terceira vez. Livro notável. O autor não perdoa os mercenários, desnuda os especialistas, ridicularizando os incompetentes. É uma epopeia da vida dos homens devotados a medicina. Autor: A.J.Cronin” Dr. Luiz Carlos Lins Ginecologista e Obstetrícia CRM 481

17


PESQUISA

Alimentos do bem-estar o pó usado na substituição do cacau. Naturalmente doce, dispensa o uso de açúcar na fabricação de seus produtos. Não contém estimulante como cafeína e teobromina, e é rica em vitaminas e minerais. A Griffonia simplicifolia foi escolhida por ser fonte natural de 5-Hidroxitriptofano, um precursor natural da serotonina.

Griffonia simplicifolia é uma planta medicinal que produz bem-estar emocioanal

A

A quantidade de serotonina no cérebro depende da ingestão de alimentos que contêm triptofano e carboidratos. Uma vez que chega ao cérebro, o triptofano aumenta a produção da serotonina, o que reduz a sensação de dor, diminui o apetite e relaxa. A falta de serotonina está associada à depressão, à agressividade, ao comportamento compulsivo, à ansiedade e ao desejo de ingerir doces e outros tipos de carboidratos, o que leva a elevação das taxas de glicose e gordura no sangue. Quando a serotonina está em quantidade normal, a pessoa atinge a saciedade mais facilmente, além de ter um maior controle sobre a ingestão de açúcar. “Escolhemos os determinados alimentos devido ao alto consumo de choco-

18

lates referido pela população, além de querer testar o efeito da alfarroba, um substituto do chocolate”, esclarece a professora Sandra Soares Melo, coordenadora da pesquisa. A alfarroba é uma vagem da qual se extrai a polpa, que é torrada e moída para se obter

Fotos Divulgação

Universidade do Vale do Itajaí (Univali) realizou uma pesquisa para avaliar quatro tipos de alimentos capazes de liberar o hormônio serotonina, responsável pelo bem-estar. O objetivo da análise foi avaliar se eles poderiam auxiliar no controle do apetite e exercer efeitos positivos na saúde cardiovascular. O estudo comparou tratamentos com chocolate ao leite, chocolate 50% cacau, alfarroba e Griffonia simplicifolia, uma planta medicinal, que também produz bem-estar emocional.

As avaliações foram feitas com ratos, separados por grupos e alimentados diariamente, cada qual, com um dos alimentos selecionados na pesquisa. Eles recebiam a porção duas horas antes do período em que o corpo mais precisa da serotonina. “Entre 17h e 19h é o período em que há queda de serotonina no corpo. Por isso, o indicado é que com duas horas de antecedência sejam consumidos os tais alimentos que contenham o aminoácido triptofano”, ressalta a coordenadora.

Testes foram feitos com Griffonia e Alfarroba


Resultado Ao final das análises, os pesquisadores diagnosticaram que os grupos que ingeriram o chocolate ao leite e o 50% cacau não tiveram nenhuma alteração. Já os ratos que ingeriram o pó (extrato) da Griffonia apresentaram significativa redução do apetite. Mas foi a dieta com alfarroba que resultou na diminuição dos triglicerídeos. Conforme a coordenadora, o resultado bem sucedido da alfarroba e da Griffonia sugerem que essas substâncias possam auxiliar na diminuição da obesidade, do sobrepeso e também da depressão e, dessa forma, atuar como coadjuvantes de tratamentos das doenças do coração. Ela ressalta ainda que, a quantidade de chocolate recomendada para fins terapêuticos corresponde de 15 a 20 gramas diárias, o equivalente a um tablete pequeno. Se o consumo diário foi superior a esta quantidade, pode influenciar no ganho de peso. Por isso, é aconselhado aos chocólatras substituir o chocolate por produtos à base de alfarroba (barras de alfarroba, alfarroba em pó, alfarroba com frutas secas), pois o sabor é muito semelhante, sendo que devido à elevada quantidade de fibras, vitaminas e minerais, este produto reduz as taxas de triglicerídeos no sangue. A serotonina, além de regular a saciedade alimentar, desempenha importantes funções no sistema nervoso, tais como a liberação de alguns hormônios, a regulação do sono, da temperatura corporal, do humor, da atividade motora e das funções cognitivas. A pessoa com baixos níveis de serotonina tende a uma sensação de necessidade de alimentos, sobretudo de doces, além do mal-estar emocional. O hormônio serotonina provoca um efeito similar ao efeito da endorfina, pois ambos são substâncias químicas produzidas pelos neurônios, as células nervosas. É através destas substâncias que as células enviam informações às outras. Também são produzidas e liberadas em resposta a estímulos. A endorfina pode ser liberada após 30 minutos de atividade física e também pelo consumo de chocolate acrescido de pimenta.

Alimentos que liberam o hormônio serotonina: Fontes de triptofanos: carnes magras, leite e iogurte desnatado, queijos brancos, peixes, leguminosas e nozes. Fontes de carboidratos: pães, massas e arroz integrais, aveia, frutas, chocolate amargo e legumes. Vitamina B6: banana, atum, frango, cereais integrais, levedo de cerveja, arroz integral, alho e semente de gergelim. Fontes de magnésio: soja, tomate, espinafre, aveia e arroz integral.


DIA MUNDIAL DA ASMA

É possível conviver com a doença e ter qualidade de vida Banco de Imagens

A

sensação de faltar o ar nos pulmões provoca uma reação angustiante e nada confortável ao asmático. O ato mal sucedido na respiração deixa a pessoa com o peito apertado, com aumento dos batimentos cardíacos e uma estranha impressão de sufocamento. Desde 1998, esta doença tem reunido pessoas de mais 30 países para o Dia Mundial da Asma. O encontro tem o propósito de melhorar a sensibilização sobre a asma e seus cuidados em todo o mundo.

As crises de asma podem ser causadas pela fumaça do cigarro, poeira, mofo, ácaros e até a poluição dos carros

20

O evento, que ocorre anualmente na primeira terça-feira do mês de maio, é organizado pela Global Initiative for Asthama - GINA, e ao longo dos anos tem mostrado aos portadores da doença que ela


pode ser grave, mas se bem monitorada, pode permanecer sob controle, permitindo que a pessoa leve uma rotina normal sem limitações e com qualidade de vida.

Neste ano, o Dia Mundial da Asma foi comemorado em 1º de maio com o tema “Você pode controlar a sua asma”. A ideia é melhorar a informação sobre o

tratamento e o controle da enfermidade, que ainda causa muitas mortes no mundo. Cerca de 2,5 mil pessoas morrem por ano por causa da asma.

Sintomas e recomendações Dois em cada 10 brasileiros sofrem deste mal que atinge as vias aéreas e os canais dentro do pulmão, que inflamam, incham e dificultam a passagem do ar. Esta inflamação acaba ocasionando o chiado, a tosse e, sobretudo a incômoda falta de ar. Podem provocar o ataque de asma a fumaça do cigarro, poeira, mofo, ácaros e até a poluição dos carros. O cheiro de tintas e produtos de limpeza que contenham aroma acentuado, bolor, entre outros, podem agravar os sintomas, assim como o frio, emoções intensas e exercícios físicos desordenados, também são responsáveis por desencadear crises asmáticas.

A recomendação médica são os cuidados ambientais, o cuidado em permanecer em locais arejados. “Além de evitar contato com alérgenos, como ácaros e restos de insetos, o paciente deve ficar longe do tabagismo e realizar as vacinas anualmente, principalmente a vacina da gripe”, avalia o pneumologista Roger Pirath Podrigues. Estima-se que em Blumenau cerca de 30 mil pessoas sofram de asma. A cidade, por ter uma característica geográfica e climática peculiar, apresenta maior umidade, favorecendo os eventuais descontroles da doença. A umidade propicia proliferação e disseminação de fungos, vírus e ácaros, sendo um fator desencadeante das crises. Entre o

Outono e o Inverno aumenta o caso de crises, chegando de 30% a 40%. Os medicamentos mais adequados para conter esses ataques são broncodilatadores, que promovem a dilatação dos brônquios, e os anti-inflamatórios, que interrompem o desenvolvimento da inflamação. “Hoje, há uma preferência pelo uso dos sprays inalatórios ou “bombinhas”. Em crises mais graves, podemos associar medicações como os corticóides por via oral ou endovenosa. No entanto, é bom lembrar que tratar apenas as crises, não significa tratar a doença”, afirma o pneumologista.


DIA MUNDIAL DA ASMA

Divulgação

Cuidados na infância A asma é uma doença hereditária, logo, quem a desenvolve apresenta predisposição genética. “Dentre os fatores desencadeantes das crises de asma, as infecções são determinantes, principalmente nas crianças de até quatro anos de idade, que têm maior propensão para adquiri-las, devido à imaturidade imunológica e ao convívio em creches”, reitera o pediatra Laerte Costa Alberton.

É necessário que a criança tenha bons hábitos de vida, como alimentação equilibrada, qualidade de sono, atividade física e controle de doença alérgica associada, como a rinite alérgica, além de doenças associadas como as sinusites e refluxo gastroesofágico dentre outras. Isto permitirá que a criança possa ter uma boa evolução no controle da asma. De acordo com o pediatra, a asma é doença crônica que até o momento não apresenta cura (remissão completa e definitiva dos sintomas), mas permite o controle clínico, resultando em qualidade de vida dentro de parâmetros satisfatórios. “As crianças com o crescimento apresentam melhora da imunidade, maturidade pulmonar e alcançam, na grande maioria delas, o controle da doença, principalmente na fase da puberdade”.

22

A preferência é pelo uso da bombinha

Fotos Daniel Zimmermann

É importante que os pais tenham conhecimento das causas que levam às crises de asma para que se obtenha um melhor controle clínico. “Os principais fatores desencadeantes são mudança climática, infecções e as condições ambientais. No ambiente deve ser evitado fumaça de cigarro, pelos de animais, cheiros fortes e acúmulo de ácaros”. As medidas incluem retirada do cobertor de lã, bichos de pelúcia, tapetes e o uso de capas anti-ácaros nos colchões e travesseiros, evitando fatores irritantes como o uso de material de limpeza com odor forte.

MAIS INFORMAÇÕES

MAIS INFORMAÇÕES

Dr. Laerte Costa Alberton CRM 5983 (47) 3037-7099

Dr. Roger Pirath Podrigues CRM 10218 (47) 3037-7099

Incidências de asma no Brasil 16 milhões de pessoas no Brasil sofrem de asma; 350 mil internações por asma ocorrem em média por ano; 2,5 milhões de pessoas morrem anualmente de asma no País; 15% das crianças brasileiras sofrem da doença.

Com o evento do Dia Mundial da Asma, a expectativa é melhorar o conhecimento e o manejo da doença, que depende muito da educação da fa-

mília, além de clamar pela necessidade de maior acesso da população aos recursos, que permitam ao portador levar uma vida saudável sem restrições.


TRATAMENTO

Programa beneficia portadores de necessidades clínicas aumentadas

E

stabelecer uma prática assistencial de qualidade, com estímulo à promoção, prevenção e recuperação da saúde direcionada à população portadora de condições crônicas e necessidades clínicas aumentadas é o objetivo do Programa a Beneficiários Fragilizados, da Unimed Blumenau, por meio do Serviço de Atenção à Saúde. Ao todo, já foram 178 pacientes beneficiados e, atualmente, 155 recebem o acompanhamento – 139 por meio de visitas domiciliares e 16 em monitoramento telefônico. De acordo com a coordenadora do programa, Jany Luz da Silva, o perfil dos pacientes é idosos, com alto custo assistencial, portadores de diversas enfermidades e que possuem dificuldade de deslocamento do domicílio.

qualidade de vida para estas pessoas. Os resultados alcançados são animadores. Em dois anos de operação já reduziu em 61,55% o custo assistencial dos pacientes acompanhados, o que significa menor índice de internações e complicações. “Observamos uma melhora da qualidade de vida deste beneficiário, redução da sinistralidade e sua fidelização. Eles não têm nenhum custo adicional e, com exceção do fim de plano, desistência, falta de adesão ou óbito, o beneficiário recebe o acompanhamento por tempo indeterminado, havendo a possibilidade, no decorrer deste período, de ser classificado para o subgrupo de monitoramento telefônico, se houver estabilização do quadro de saúde”, finaliza Jany.

Faz parte das visitas uma equipe multiprofissional, composta por enfermeiros, médico, educador físico, nutricionista e fonoaudióloga, que pode variar de acordo com a necessidade do beneficiário. “Eles avaliam o estado geral do paciente, realizam um acompanhamento do tratamento proposto pelo médico assistente, verificam a qualidade dos cuidados prestados, além de fazer o exame físico”, detalha a coordenadora. Segundo Jany, a periodicidade das visitas é estabelecida pela equipe de acordo com as necessidades de cada paciente e o monitoramento é feito por meio de contatos telefônicos regulares. “Cada participante é classificado de acordo com a gravidade. Pode ser risco baixo, médio ou alto, definindo automaticamente a periodicidade das visitas”. Os pacientes que possuem um risco baixo recebem visitas trimestrais, já os de risco médio, visitas bimestrais e, risco alto, visitas mensais. As vantagens de participar do programa são diversas, pois além de receber um atendimento personalizado por meio das visitas, o paciente tem o direito de usufruir do SOS Unimed em casos de urgência e emergência, mesmo sem cobertura no plano. Também há a possibilidade de internação domiciliar pelo Serviço de Atenção Domiciliar (SAD), orientação para os cuidadores e familiares, melhorando assim a assistência ao beneficiário, inclusive com avaliação da residência para redução de riscos à segurança. A intenção da Unimed Blumenau é ampliar o programa e estender os benefícios para um número ainda maior de pacientes, proporcionando mais

23


QUALIDADE DE VIDA

Em busca de paz com a balança

O

Centro de Promoção e Atenção à Saúde (Cepas), da Unimed Blumenau, realiza, continuamente, programas que buscam auxiliar e melhorar a saúde e qualidade de vida dos beneficiários. Para isso, oferece soluções para problemas que atingem grande parte da população, entre os quais estão o sobrepeso e a obesidade.

“A obesidade é evidenciada em todas as faixas etárias e classes econômicas. Impacta de forma negativa no trabalho e na qualidade de vida da população. Aspectos psicológicos estão normalmente associados à obesidade, agravada pela discriminação social que normalmente sofrem os obesos”, ressalta Jany Luz da Silva, coordenadora de Atenção à Saúde.

Hoje, a proporção de pessoas acima do peso no Brasil é de 48,5% e o percentual de obesos chega a 15,8%. Para ajudar os beneficiários que também sofrem com esse problema, o Cepas desenvolveu o programa Sob Medida. Esse programa é indicado para pessoas que estão acima do peso considerado ideal, com o Índice de Massa Corporal (IMC) acima de 25, classificado como sobrepeso, ou para quem já está com obesidade grau 1.

Cerca de 70 pessoas já participaram do programa, que iniciou em novembro de 2011. Os encontros são realizados mensalmente e contam com o acompanhamento de uma equipe multidisciplinar, composta por médico, psicólogo, nutricionista e educador físico que, juntos, estabelecem as metas a serem cumpridas pelos participantes. Na primeira etapa do programa, ocorre a avaliação nutricional,

quando são feitas as medições iniciais de peso, altura, IMC, entre outros. A cada reunião, os participantes recebem orientações e objetivos para serem realizados até o próximo encontro. Além dessas orientações, também são realizadas atividades físicas monitoradas, como forma de estimular a prática e auxiliar no processo de emagrecimento. “O programa consiste em 12 encontros em que são abordados assuntos como nutrição, aspectos psicológicos que interferem na obesidade, fisiopatologia e riscos da obesidade, medicamentos e atividade física”, destaca Jany. O Sob Medida é gratuito e direcionado para quem busca perder peso e medidas por meio da adoção de hábitos de vida saudáveis que visam, principalmente, manter a saúde e a autoestima.

Fotos divulgação

EXEMPLO Apesar sobrepeso em

nível

do e

aumento da

do

obesidade

nacional,

o

estado

catarinense também traz alguns dados positivos. Florianópolis, por exemplo, é considerada a melhor capital quando o assunto são atividades físicas e alimentação, apresentando os melhores índices de todo o Brasil. A capital catarinense lidera o

ranking

sobre

o

consumo

de porções diárias de frutas e hortaliças e, entre a população

Os encontros são realizados mensalmente e contam com uma equipe multidisciplinar

24

da Ilha, 41% pratica algum tipo de exercício no tempo livre.


Proporções epidêmicas O problema do excesso de peso e obesidade tem alcançado proporções epidêmicas em todo o mundo. No Brasil, esse problema já atinge quase a metade da população. Os hábitos de vida tornaram esse um fator preocupante que vem aumentando ao longo dos anos.

cedo, muitas vezes, a partir dos hábitos adquiridos na infância. Manter uma alimentação correta e praticar exercícios desde criança, principalmente com o estímulo dos pais, pode prevenir a obesidade e uma série de doenças decorrentes dela.

Em 2006, 47,2% dos homens e 38,5% das mulheres estavam acima do peso. Em 2011, as proporções passaram para 52,6% e 44,7%, respectivamente. Hoje, mais de 65 milhões de pessoas sofrem com o sobrepeso e 10 milhões são consideradas obesas.

Segundo dados do Ministério da Saúde, o excesso de peso começa a ser percebido em homens e mulheres ainda jovens. Entre os 18 e 24 anos, por exemplo, 29,4% dos homens e 25,4% das mulheres sofrem com esse problema. Dos 25 aos 34 anos, o índice quase dobra, chegando a 55% entre eles e a 39,9% entre elas.

Esse é um problema que começa

Obesidade no Brasil A Comissão de Prevenção e Tratamento da Obesidade, da Associação Médica Brasileira (AMB), disponibiliza diversas informações sobre a obesidade e os malefícios que ela causa à saúde. No www.obesidadenobrasil.com. br é possível encontrar uma lista de doenças correlacionadas ao excesso de peso, várias maneiras de se prevenir e tratar a obesidade, curiosidades e receitas para manter uma alimentação saudável.


SEU PLANO

SUA VIDA

QUALIDADE DE VIDA

Uma nova visão

Reinaldo César Fagundes Gerente de Relacionamento com Mercado reinaldo@unimedblumenau.com.br (47) 3331-8698

26

Como calcular o IMC O Índice de Massa Corporal (IMC) mede o grau de obesidade. Com esse cálculo é possível saber se alguém está acima ou abaixo dos parâmetros ideais de peso em relação à altura. Para calcular o IMC basta dividir o peso pela altura ao quadrado (IMC = peso x altura²).

Para saber se o índice está ideal, o número gerado deve ser comparado aos valores da tabela da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade: Tabela IMC

Fotos Banco de Imagens

A Unimed Blumenau, com vistas a aperfeiçoar seu desempenho, reestruturou, recentemente, a área de Relacionamento com Mercado, dando mais dinamismo e, concomitantemente, novas atribuições foram acrescidas às atividades até então desenvolvidas por aquele setor. Dentre as principais mudanças, citamos o maior envolvimento entre as áreas de Vendas e Relacionamento com Mercado, formando a área Comercial da Cooperativa, na qual, como em uma “corrida de bastão”, as ações destas são sequenciais e contínuas, pois, enquanto a primeira comercializa os Planos de Saúde, a segunda tem a missão de ser elo entre contratante e contratada, agindo com vistas a dirimir dúvidas; efetuar migrações de contratos não regulamentados para outro regulamentado, conforme determinação legal; alterações contratuais no que tange percentuais de coparticipações ou mesmo de abrangência geográfica, ou troca de titularidade por alterações contratuais; gerir eventuais conflitos; direcionar as solicitações das contratantes aos setores competentes na Unimed; manutenção da carteira, incentivando novas inclusões em contratos coletivos empresariais já existentes; informações gerenciais acerca do andamento dos contratos e culminando com reajustes anuais nos aniversários destes. Cabe ainda aos Gestores de Mercado, ofertar de forma continuada para a atual carteira de clientes, novos produtos que, periodicamente, passam a integrar o mix da cooperativa, dentre os quais destacamos: Planos Odontológicos em parceria com a Uniodonto; Seguro Saúde da Seguros Unimed, destinado, normalmente, ao corpo diretivo das empresas, face à modalidade de contratação; Seguro de Vida em Grupo para os colaboradores de nossas contratantes; e outros que, brevemente, passarão a integrar nosso portfólio. Para que todo trabalho saia a contento, além do novo ERP, que está sendo implantado, o setor é constituído por oito funcionários, sendo um gerente, um coordenador, duas assistentes e quatro gestoras, cujas atividades na maioria são externas nas frequentes visitas a nossas contratantes, notadamente pessoas jurídicas. Em breve, serão incorporadas novas atividades, quando novos colaboradores deverão se juntar à nossa equipe, aumentando, assim, o conforto e a comodidade no atendimento de nossos beneficiários.

Cálculo IMC

Situação

Abaixo de 18,5

Abaixo do peso ideal

Entre 18,5 e 24,9

Está no peso ideal

Entre 25 e 29,9

Acima do peso (sobrepeso)

Entre 30 e 34,9

Obesidade grau 1

Entre 35 e 39,9

Obesidade grau 2

40 e acima

Obesidade grau 3


Os perigos da obesidade

A obesidade pode ser definida como a acumulação de gordura no corpo, que dá origem a um excesso de peso em relação à altura e estrutura corporal do indivíduo. São vários os prejuízos que ela causa: maior esforço para respirar, risco de cancro, sobrecarga dos ossos e articulações, diabetes, doenças cardiovasculares, entre outros. A herança genética é um fator importante na causa da obesidade, mas não exclusivo. A doença é causada, principalmente, pela combinação de hábitos alimentares pouco saudáveis com um

estilo de vida sedentário. Assim, quando a ingestão de energia supera o gasto energético, o excesso é guardado no tecido corporal na forma de gordura. Além de uma alimentação adequada, para combater o excesso de peso é importante manter um programa de tratamento mais amplo, que deve incluir também a prática de exercícios físicos e um acompanhamento médico de longo prazo. Os exercícios mais recomendados são os de função aeróbica, como caminhadas, natação, ciclismo ou, até mesmo, dança.

Programa Sob Medida Centro de Promoção e Atenção à Saúde (Cepas) Rua Frei Fulgêncio, nº 131, Bairro Vila Nova, Blumenau medicinapreventiva@unimedblumenau.com.br (47) 3331-8790


HIPERTENSÃO

A bomba relógio da Saúde

O

Para Dr. Tridapalli, a hipertensão arterial é um dos principais agravos à saúde no Brasil por causa das complicações que acarreta à saúde, como o Acidente Vascular Cerebral (AVC) e a doença isquêmica coronariana. Insuficiência cardíaca, insuficiência renal crônica, doença arterial periférica e aneurisma também estão na lista de complicações causadas pela pressão alta, além de serem responsáveis pela alta frequência de internações nos hospitais. De acordo com o médico, a hi-

pertensão arterial é uma doença traiçoeira que só provoca sintomas em fases muito avançadas ou quando a pressão arterial aumenta de forma abrupta e exagerada. “Não existe um sintoma típico que possa servir de alarme para estimular a procura por um médico. Não é possível estimar se a pressão arterial está alta ou normal baseando-se na presença ou na ausência de sintomas, como dor de cabeça, cansaço, dor no pescoço, dor nos olhos, sensação de peso nas pernas ou palpitações”, explica. Divulgação

Banco de Imagens

perfil da saúde do brasileiro com mais de 50 anos vem apontando um dado preocupante: cerca de 50% dos adultos são hipertensos e esse número não para de crescer. O fato é perceptível no consultório do cardiologista Humberto Tridapalli, que diz não saber exatamente a razão dessa epidemia do mundo moderno. “Talvez o abuso de sal, a obesidade, o sedentarismo e a exposição ao estresse estejam contribuindo para esses números tão alarmantes”, supõe.

Livre-se das complicações Adotar hábitos saudáveis é a principal ferramenta para prevenção da hipertensão arterial: Reduzir o peso corporal por meio de dieta calórica controlada; Diminuir o consumo de sal de cozinha, embutidos, enlatados, conservas; Evitar o consumo exagerado de álcool; Abandonar o tabagismo; Exercitar-se regularmente 30-45 minutos, de três a cinco vezes por semana; Controlar o estresse; Evitar drogas que elevam a pressão arterial como anticoncepcionais, antiinflamatórios, moderadores de apetite, descongestionantes nasais, antidepressivos e corticoides.

28


Para não fazer parte das estatísticas, o cardiologista recomenda uma simples mudança na rotina: limitar a ingestão diária de sódio para no máximo uma colher de chá, sendo que esse total deve incluir o sódio contido no alimento natural e manufaturado.

mercado formas de sal light, com substituição cloreto de sódio por cloreto de potássio. “Uma forma prática de avaliação é considerar o consumo de sal da família. Numa casa onde moram quatro pessoas, um quilo de sal deve durar um mês e meio”, ensina.

Dr. Tridapalli informa que o sal é considerado um fator importante no desenvolvimento da hipertensão arterial. A restrição está associada a uma redução da mortalidade por acidente vascular encefálico e regressão da hipertrofia ventricular esquerda, ou seja, o aumento da musculatura do coração. O cardiologista esclarece que estão disponíveis no

“Adultos devem medir a pressão arterial a cada seis meses, principalmente se existirem pessoas hipertensas na família, não por prevenção, mas porque o diagnóstico precoce é muito importante”, alerta o cardiologista, que completa dizendo que crianças também devem auferir a pressão com regularidade, pois não estão livres do problema.

Dra. Kazue Harada Ribeiro Dir. Técnica | CRM/SC 2035 | RQE 9014

Foto Daniel Zimmermann

Escape dos números

MAIS INFORMAÇÕES

Dr. Humberto Tridapalli CRM 9691 (47) 3322-9838


SAÚDE DA GESTANTE

Divulgação

Benefícios dos exercícios físicos

D

urante muito tempo, praticar exercícios no período gestacional era considerado um tabu. As mulheres eram desaconselhadas a ficarem muito tempo em pé e levavam uma vida sedentária. Hoje, isso mudou, e a atividade física é recomendada também para as grávidas, trazendo muitos benefícios para a futura mamãe e o bebê. Alguns dos desconfortos comuns na gravidez, como a formação de varizes e dores nas costas podem ser aliviados pela prática de exercícios. Entre as vantagens também está o aumento da resistência cardiorrespiratória e muscular, o que

30

ajuda durante o trabalho de parto. “Temos trabalhos científicos que demonstram que o exercício regular durante a gravidez promove benefícios tanto para a mulher quanto para a criança. Entre eles, está a redução do risco de ganho excessivo de peso durante a gestação e a redução do risco de condições patológicas associadas, como a diabetes e a hipertensão gestacional”, salienta o anestesiologista Fabio Santana Cardoso. Ao escolher o tipo e a intensidade dos exercícios, a gestante deverá contar com o auxílio de um médico, pois as atividades variam de acordo

com o período da gestação. A pessoa que nunca praticou exercícios físicos deve iniciar com atividades de baixo risco, como caminhadas, natação ou hidroginástica leve. “Se a paciente já estiver fazendo atividades físicas, ela não precisa parar, pode apenas adequar à gestação. Se ela não praticar nenhum exercício, indicamos começar com uma caminhada leve e intensificar após o terceiro mês”, destaca a ginecologista e obstetra Muriel Salete Giongo. Os exercíciows variam de gestante para gestante, e devem sempre respeitar o condicionamento de cada


Apesar de ser indicado para a maioria das gestantes, a prática de exercícios físicos não é recomendada para mulheres que apresentem alguns problemas de saúde. O indicado é que, antes de iniciar atividades físicas, a gestante procure um profissional, como um fisioterapeuta ou educador físico, para acompanhar e auxiliar nas atividades.

Devem evitar atividades físicas gestantes que apresentem: insuficiência cardíaca; doenças pulmonares graves: incompetência cervical uterina; gestação gemelar com risco de trabalho de parto prematuro; sangramentos vaginais persistentes no segundo e terceiro trimestre gestacional; ocorrência de placenta prévia; diagnóstico de trabalho de parto prematuro durante a gestação; ruptura de membranas; pré-eclampsia ou eclampsia; hipertensão gestacional.


SAÚDE DA GESTANTE

Divulgação

Atividades hídricas são as mais indicadas durante toda a gestação

pessoas. “Na gravidez, as repostas fisiológicas às atividades físicas agudas aumentam – como o consumo de oxigênio, frequência cardíaca, pressão arterial, parâmetros ventilatórios –, o que impossibilita que todas as gestantes possam realizar exercícios”, salienta.

Dr. Fabio destaca que é importante monitorar de forma muito próxima a realização dos exercícios, ajustando de acordo com os sintomas, desconfortos e habilidades realizáveis durante a gestação. Muitas vezes, as alterações no corpo durante a gestação fazem com que as respostas aos exercícios sejam diferentes do que quando praticados por outras

Mas, quando a gestante estiver liberada para praticar atividades físicas, as recomendações médicas para prescrever os exercícios são muito similares as da população em geral: promover a saúde. O indicado é que ela se exercite três vezes por semana, por no mínimo 30 minutos, evitando-se esportes de risco e de alto impacto.

Daniel Zimmermann

32

uma. “Cada paciente deve praticar os exercícios que melhor se adaptem ao organismo. Geralmente, atividades hídricas são mais toleradas durante toda a gestação, pois a paciente fica mais confortável na água e não sente tanto o impacto e a gravidade”, recomenda Dra. Muriel.


Recomendações de atividades físicas Frequência: no mínimo três vezes por semana, mas, preferencialmente, todos os dias; Intensidade: moderada. A gestante possui uma resposta mais alta da frequência cardíaca, o que dificulta na hora de avaliar a intensidade; Tempo: iniciar com pelo menos 15 minutos por dia, aumentando gradualmente até 50 minutos por dia, ou acumulando um mínimo de 150 minutos por semana e evitando ultrapassar 300 minutos por semana; Tipo: atividades físicas dinâmicas, rítmicas, que utilizem grandes grupos musculares, preferencialmente aeróbicas, como caminhada. Não existem proibições para exercícios leves e alongamentos, desde que monitorados corretamente por um profissional; A gestante deve evitar calor excessivo e sempre se manter hidratada antes, durante e depois do exercício; A gestante deve evitar esportes de contato ou atividades físicas que possam causar perda do equilíbrio ou trauma dela ou do feto, como futebol, basquetebol, handebol, ciclismo competitivo ou de trilha, hipismo, esportes de luta ou que utilizem raquetes, quando realizados de forma vigorosa.

Fotos Eduardo Sofiati

Fonte: Dr. Fábio Santana Cardoso

MAIS INFORMAÇÕES

MAIS INFORMAÇÕES

Dra. Muriel Salete Giongo CRM 6513 (47) 3222-0525

Dr. Fabio Santana Cardoso CRM 11796 (47) 3035-7863


ARTIGO

Malformações fetais Divulgação

tudo, realizado nos Estados Unidos, demonstrou que, apesar dos riscos envolvidos, houve redução das complicações associadas à hidrocefalia e melhor desfecho fetal após 30 meses de idade. No Brasil, ainda não consta no rol da Agência Nacional de Saúde (ANS). Prevenção Os folatos têm papel fundamental no turn over (divisão e multiplicação) celular. A sua deficiência pode impedir que isto ocorra de maneira adequada em um momento crítico para o fechamento do tubo neural intrauterino. Logo, é recomendada a sua suplementação.

O

s defeitos do tubo neural estão entre as malformações fetais mais comuns, atrás apenas das malformações cardíacas nos Estados Unidos. A mielomeningocele (ou spina bífida aberta) é o defeito do tubo neural mais comum e é caracterizada por uma fissura na coluna vertebral e na pele fetal, que expõe a medula espinhal e as meninges (membranas que recobrem a medula). Durante a vida embriológica, no final do primeiro mês após a concepção, ocorre o fechamento do tubo neural. A mielomeningocele é causada pela falha deste fechamento. A incidência da mielomeningocele é de um a cada mil gestações (0,1%). Em uma mulher que já teve uma gestação afetada anteriormente a chance é de 2,5%. Mulheres que utilizam drogas antagonistas do folato, como anticonvulsivantes para tratamento de epilepsia ou que seguem dietas

34

rigorosamente orgânicas (não consomem alimentos suplementados por ácido fólico) são também consideradas de alto risco. As principais afecções neurológicas envolvidas são déficit sensitivo e motor dos membros inferiores, incontinência urinária e fecal e hidrocefalia (complicação da malformação de Chiari tipo II). O diagnóstico pode ser feito no pré-natal, por meio da ultrassonografia e, eventualmente, por ressonância magnética no segundo trimestre. O tratamento é neurocirúrgico e o reparo tem por objetivos recompor a anatomia regional e reduzir as complicações associadas. Habitualmente, o tratamento é feito pelo neurocirurgião após o nascimento do bebê. Entre 2003 e 2010 foi realizado o estudo MOMs para identificar a eficácia do tratamento intrauterino. Este es-

O folato é uma vitamina hidrosolúvel do tipo B (B9) e está presente em vegetais de folhas verdes, laranja e legumes. Sua forma sintética é o ácido fólico. No entanto, o consumo destes alimentos em forma orgânica ou mesmo quando acrescidos industrialmente de ácido fólico mostra-se insuficiente na prevenção dos distúrbios do tubo neural. A suplementação de ácido fólico é habitualmente feita na dose diária de 400 mcg (0,4 mg) em mulheres susceptíveis a uma gestação, ou seja, sem nenhuma forma de proteção anticoncepcional. No entanto, portadoras de um risco maior como usuárias de anticonvulsivantes ou afetadas em gestações anteriores, a dose recomendada é maior: 4 mg. É interessante que este uso inicie pelo menos um mês antes da gravidez. Esta e outras orientações são rotineiras nas consultas pré-concepcionais com o obstetra.

Dr. João Luiz Fabrin Ascoli Especialista em Ginecologia e Obstetrícia CRM 12329


O RIEN TA N DO 04/12

CLÍNICA DR. MARTINS DE CIRURGIA MAXILOFACIAL S/S CLM 643 Centro Clínico Santa Catarina - Blumenau - SC (47) 3322 4389 / 3035 4350

www.martinsjr.com.br

Médico CRM 18281 Cirurgião Dentista CRO 7549 José C. Martins Jr.

DEFORMIDADES ESQUELÉTICAS DA FACE Cirurgia Ortogná tica É uma cirurgia realizada nos ossos da face, maxila e mandíbula, com a finalidade de corrigir deformidades dento-esqueléticas, congênitas, de desenvolvimento ou adquiridas, que não podem ser corrigidas com o tratamento ortodôntico convencional isolado. O problema pode localizar-se em um único osso (maxilar superior, por exemplo) ou acometer os dois maxilares (deformidade bimaxilar).

relhos dentários durante vários anos sem o correto diagnóstico, tentando tratar posição dentária, quando o seu problema real é o esqueleto facial. A tentativa de se tratar pacientes com deformidades esqueléticas somente com o uso de aparelhos ortodônticos, ou com próteses com inclinações dentárias excessivas, quase sempre é frustrada, sendo necessária a realização da cirurgia como tratamento em qualquer idade.

Como se dá o preparo cirúrgico? Denominada cirurgia estético-funcional, é realizada sob anestesia geral, com preparo prévio do paciente através da avaliação de exames complementares de rotina para se reduzir ao máximo os riscos de uma intervenção cirúrgica. Na maioria dos casos há necessidade do uso de aparelhos ortodônticos previamente à cirurgia para nivelar e alinhar os dentes, o que pode levar alguns meses. Em casos selecionados não há a necessidade do uso desses aparelhos dentários, podendo a posição dentária ser corrigida pós-cirurgia ou podem ser usados por um período curto de tempo. Esta técnica é conhecida como benefício antecipado. No momento da cirurgia são realizados cortes nos maxilares, que são colocados em uma nova posição e fixados com miniparafusos e miniplacas de titânio. Essa nova posição óssea é Deformidades Maxilofaciais mais comuns: determinada previamente através de estudos radiográficos, traçados cefalométricos, modelos de gesso e análise de fotografias. A intervenção dura de 2 a 4 horas, dependendo do tipo de deformidade operada, e em alguns casos Excesso Maxilar inferior Deficiência Maxilar inferior pode ser realizada a correção de alterações do nariz, orelhas e ossos zigomáticos (maçã do rosto) no mesmo ato cirúrgico, como complemento estético. “O pós-operatório é desconfortável, porém indolor e o paciente normalmente recebe alta hospitalar entre 48 a 72 horas, sendo mantido em dieta líquida/pastosa por algumas semanas”, diz o médico e cirurgião dentista José C. Martins Jr, que realiza este tipo de cirurgia há 14 anos, sendo 8 destes em Blumenau.

Esta cirurgia pode ser usada para tratar Apneia do Sono? A indicação desta cirurgia em pacientes com deformidade facial associada à Síndrome da Apnéia do sono grave é amplamente divulgada e seu benefício conhecido, porém é importante informar que ela pode ser realizada em pacientes com apneia grave mesmo quando não há uma deformidade esquelética presente, sendo considerada a melhor forma de tratamento definitivo para estes casos.

Qual a época ideal de tratamento? O ideal é que a cirurgia seja realizada logo após o término do crescimento, no homem por volta dos 18 anos e na mulher mais cedo, 16 anos. Em alguns casos a intervenção se torna necessária antes disso, quando a deformidade afeta gravemente a mastigação, fonação e respiração, ou traz problemas estéticos capazes de influenciar psicologicamente o paciente, principalmente em fase escolar, dificultando o convívio social. Os adultos podem ser operados? Deformidades dentofaciais, quando presentes em adultos, podem levar a problemas na articulação Têmporomandibular, normalmente denominado de Disfunção Crânio-Mandibular, que frequentemente se traduz em cefaléias constantes, dores na coluna cervical, dor à mastigação, dificuldade de deglutição, além de dificuldade de respiração, dores, estalidos e creptação nos ouvidos, perdas dentárias precoces, entre outros. Há uma quantidade significativa de pacientes adultos em tratamento com apa-

Simulação de cirurgia de avanço Bimaxilar

Qual o resultado desta cirurgia? É notável a grande interferência positiva que este tipo de cirurgia traz ao paciente, sob o aspecto funcional e estético, interferindo positivamente na autoestima e sociabilidade do indivíduo. É fundamental considerar se a queixa do paciente condiz com a realidade ou se o mesmo está superdimensionando um problema físico. Atualmente, há um grande crescimento no número de cirurgias realizadas, em comparação com as duas últimas décadas. Isso se deve ao desenvolvimento das técnicas cirúrgicas e materiais de fixação óssea interna rígida (placas e parafusos), o que minimiza o desconforto pós-operatório e a necessidade bloqueio dos maxilares (necessidade de amarrar a boca), além de ser coberto por todos os convênios médicos. Cirurgia Plástica ou Cirurgia Ortognática? Muitas deformidades esqueléticas são confundidas e tratadas com cirurgias de tecido mole, o que resulta em falha e insatisfação por par te do paciente. Algumas vezes, o paciente tem a intenção de lipoaspirar a papada embaixo do queixo, Deformidade pré e pós cirurgia esquelética quando o tratamento ideal seria corrigir a posição mandibular levando os tecidos moles em conjunto. Nariz O nariz, por ser a estrutura mais proeminente na face, é o órgão mais passível de avaliação. Deficiência na região mandibular pode ser percebida pelo paciente de forma indireta através da percepção errada da estrutura nasal. Uma mandíbula recuada dá a falsa impressão de nariz grande. Outras vezes o paciente se queixa de ponta nasal caída, quando sua deformidade real é uma maxila retroposicionada. A posição dos maxilares tem influência direta na estética nasal. Nesses casos a cirurgia dos maxilares tem um papel impor tante na alteração da estética facial. Quando não se levam em consideração esses tipos de alterações, as chances de sucesso são diminuídas, levando o paciente à insatisfação quanto ao resultado final.

Seguimos as normas e orientações do Conselho Federal de Medicina (CFM) e não exibimos fotografias de pré e pós-operatórios de nossos pacientes, mesmo que haja autorização expressa do mesmo. Cada paciente apresenta um resultado único e individual, e jamais será exatamente igual a outro apresentado em uma fotografia. Todas as dúvidas deverão ser esclarecidas durante uma consulta médica.



Unimed Blumenu - Ed. 61