Page 1

Ano 8 nº 70 FEVEREIRO 2013 R$ 8,90

O empresário Hans Bethe comanda a empresa fundada pelo pai, Curt Bethe, em 1960

as luzes do progresso Imperial Luminárias se destaca no fornecimento de soluções completas em iluminação para ambientes corporativos

ambiente: Municípios discutem destinação dos resíduos sólidos e conhecem exemplo sueco


Planeje seu futuro, hoje. Garanta uma aposentadoria tranquila e assegure a felicidade de sua família.

O Sicoob, em parceria com a Blucredi, oferece a você o plano de benefício previdenciário, o Sicoob Previ, a previdência do sistema cooperativo, elaborada especialmente para atender às necessidades de segurança financeira do associado. Você investe mensalmente e, a partir da data escolhida, passará a receber uma renda mensal. Os planos ainda oferecem aposentadoria por invalidez e pensão que garante o futuro das pessoas que você ama. Além disso, conta com uma renda extra, pois o Sicoob Previ disponibiliza 13 parcelas anuais, sendo duas no mês de dezembro.


Vá até uma agência da Blucredi e saiba mais sobre Sicoob Previ! 34 Agências no Vale do Itapocú, Vale do Itajaí e Litoral Catarinense.

OUVIDORIA SICOOB

0800 725 0996


EDITORIAL Banco de imagens

Coletividade e representatividade No dicionário, a definição da palavra parceria diz tratar-se de uma “reunião de indivíduos para certo fim com interesse comum”. Reforçar as parcerias e trabalhar para vencer obstáculos e superar desafios comuns ao desenvolvimento socioeconômico e ambiental é meta permanente de quem acredita no potencial do associativismo. É pela parceria que se chega às soluções conjuntas. Aproveitando as expectativas que o início de 2013 suscita nos campos político e econômico e, já de olho nos grandes eventos que o Brasil sedia nos próximos anos (Copa do Mundo e Olimpíadas), mais do que nunca, é tempo de reforçar laços e promover a coletividade. Blumenau 8

deve continuar sendo cidade empreendedora e criativa para atrair turismo nessas épocas. Nestes tempos em que compartilhar é palavra de ordem, a troca de experiências figura como mais um incentivo à participação nas entidades de classe. E não faltam exemplos de ações positivas empreendidas graças à parceria e espírito de união. Não podemos, jamais, nos acomodar nas reivindicações, mais do que justas, junto aos governos municipal, estadual e federal. Nossa região ainda é carente de investimentos em infraestrutura em relação aos impostos arrecadados. Assim, ao assumir a coordenação da Intersindical Patronal, renovamos a perspectiva de ver o empresariado

local estreitando relacionamentos – seja por meio das associações, seja pela participação em ações e projetos. Também entendemos que é pela união e pelo diálogo que seremos capazes de antecipar discussões e amenizar impactos, especialmente diante de fatos já instituídos no calendário da cidade, como a paralisação de algumas classes laborais, que afetam o dia a dia da cidade. E se os problemas são nossos velhos conhecidos, as soluções também já estão perto de ganhar esse status. Sabendo que depende de nós, o que mais nos resta a não ser a parceria? Richard Steinhausen Coordenador da Intersindical


SUMÁRIO

Daniel Zimmermann

Daniel Zimmermann

Daniel Zimmermann

12

COORDENADOR DA INTERSINDICAL FALA SOBRE AS BANDEIRAS

REDIX OFERECE SOLUÇÕES COMPLETAS EM TI

Richard Steinhausen assume o órgão patronal em substituição a Hans Bethe, coordenador em 2011 e 2012

Foco da empresa é fazer com que os clientes não precisem se preocupar com o setor interno de informática

21 CDL prepara o Ciclo de Palestras 2013 24 As normas para trabalho em altura 26 Região discute o destino dos resíduos sólidos 30 Conheça os vereadores de Blumenau (2) 36 Artigo

18

DA BUSCA POR DIAS MELHORES NASCEU A ELÉTRICA ZATA

Jovens que buscavam trabalho fora da agricultura fundaram a empresa que é referência em materiais elétricos

38 Acib é notícia 40 CDL é notícia 42 Intersindical é notícia 44 SINDILOJAS é notícia 46 Memória

EDITOR Sidnei dos Santos / Palavra Escrita- Ltda. ME - sidnei@mundieditora.com.br EDITORA ASSISTENTE Francielle de Oliveira REPORTAGENS Daiani Caroline Coelho, Mariana Tordivelli e Rafael Meira GERENTE DE ARTE E DESENVOLVIMENTO Lucas Gonçalves - lucas@mundieditora.com.br DIAGRAMAÇÃO Adriana Baier e Tiago de Jesus CAPA / Fotos: Daniel Zimmermann - Produção: Iuri Kindler - Arte: Tiago de Jesus EDITORA-CHEFE Danielle Fuchs / Fuchs Editorial-Ltda. ME- danielle@mundieditora.com.br GERENTE COMERCIAL GERAL Cleomar Debarba - 47 3036.5659 DIRETOR-EXECUTIVO Niclas Mund - niclas@mundieditora.com.br CIRCULAÇÃO circulação@mundieditora.com.br SUGESTÃO DE PAUTA empresario@mundieditora.com.br

10

22

Conselho Editorial Acib: Ronaldo Baumgarten Junior, Charles Schwanke e Cristiane Soethe Zimmermann CDL: Paulo Cesar Lopes, José Geraldo Pfau, Carlos Jacques Dressler e Ana Paula Ruschel Intersindical: Richard Steinhausen, Leomir Minozzo e Emil Chartouni Neto SINDILOJAS: Emílio Rossmark Schramm, Márcio Rodrigues e Juliana Pfau Mundi Editora: Sidnei dos Santos e Danielle Fuchs TIRAGEM 4.000 exemplares

TIRAGEM VIRTUAL 50.000


Daniel Zimmermann

IMPERIAL LUMINÁRIAS SE DESTACA NO ATENDIMENTO AO MERCADO CORPORATIVO A empresa nasceu e se consolidou com o crescimento da indústria têxtil da região e, hoje, atende também empresas do PR, RS e MS

Rua Almirante Barroso, 712 - Sala 2 Vila Nova - Blumenau/SC CEP. 89.035-401 Telefone: + 55 (47) 3035-5500

Rua Ingo Hering, 20 – 8º andar CEP: 89010-909 Blumenau – SC 47 3326.1230

Alameda Rio Branco, 165 CEP: 89010-300 Blumenau - SC 47 3221-5735

Alameda Rio Branco, 165 CEP: 89010-300 Blumenau-SC 47 3221 5750

www.acib.net

www.cdlblumenau.com.br

www.sindilojasblumenau.com.br

14

Rua XV de Novembro, 550 – sala 403 47 3037 4932 www.intersindicalpatronal.com.br

mundieditora.com.br facebook.com/mundieditora twitter.com/mundieditora

11


Entrevista

Fotos Daniel Zimmermann

“Vamos incentivar a participação dos associados”

Richard Steinhausen À frente da coordenação da Intersindical Patronal, agora, está Richard Steinhausen, presidente do Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares (Sihorbs), desde 2011 e sócio proprietário dos Hotéis Steinhausen. Na entrevista a seguir, o coordenador conta como pretende inflar novo fôlego na entidade e como acredita na coletividade e no equilíbrio entre as partes para o crescimento de todos. 12


Revista Empresário: Qual é o papel da Intersindical? Richard Steinhausen: A Intersindical é formada por presidentes de entidades que se reúnem mensalmente para trocar experiências e compartilhar as dificuldades de cada setor. Nas reuniões, nós buscamos, juntos, as soluções para essas dificuldades. RE: Quantos associados a entidade tem hoje? O senhor pretende trabalhar para aumentar esse número? Steinhausen: Hoje, existe pouca participação por parte dos associados nas reuniões mensais. Então, vamos criar incentivos para que as pessoas voltem a participar. Por exemplo, a entidade que mais frequentar os encontros terá a oportunidade de se reunir com algum secretário de Estado para discutir melhorias no setor. Vamos supor que o representante do Sindicato de Hotéis tenha tido uma boa participação durante o primeiro semestre, então, vamos procurar agendar um encontro com o Secretário de Turismo do Estado ou do Município. Quanto mais representantes de sindicatos participarem, mais forte se tornará a Intersindical. RE: Quais as metas da coordenação para este ano? Steinhausen: Vamos continuar o trabalho que estava sendo desenvolvido, com transparência, como a campanha da carga tributária, lançada em maio do ano passado, em que os valores referentes aos tributos pagos são mostrados à população. RE: Quais as principais bandeiras que a intersindical deve defender? Steinhausen: A gente vai tentar amenizar os impactos das reivindicações que a classe laboral tenta nos impor quando é feita uma convenção coletiva. O que a classe laboral pede sempre impacta, em termos de custos, às empresas, indústrias e presta-

dores de serviço. O que vamos fazer é procurar um equilíbrio para que não desmotive a contratação de pessoas e que não torne a produção inviável. RE: Como é a relação dos sindicatos patronais com os sindicatos de trabalhadores em Blumenau? Precisa mudar alguma coisa? Steinhausen: Existem problemas com alguns sindicatos, mas a Intersindical vai procurar antecipar esses problemas para superar os obstáculos. É o caso do transporte público e as paralizações que acontecem todo ano na mesma época. O que pretendemos fazer é chamá-los para conversar antes mesmo das paralizações, dessa forma, a população não será afetada.

O maior desafio é a falta de participação. Os associados comparecem muito pouco nas reuniões e precisamos fazer entender que a união, de fato, faz a força RE: Quais os principais desafios dos sindicatos patronais? Steinhausen: O maior desafio é a falta de participação. Os associados comparecem muito pouco nas reuniões e precisamos fazer entender que a união, de fato, faz a força. A rede de contatos dos representantes é muito grande e, quanto maior a participação, mais pessoas são beneficiadas com esses importantes contatos.

RE: Quais as expectativas que o senhor tem para a economia em 2013? Steinhausen: Teremos um ano bom novamente. Posso dizer sobre o setor de serviços, que o ano passado foi um ótimo ano, com bastante feiras e muitos turistas. Se o governo mantiver as reduções do IPI e dos impostos sobre a luz, acredito que isso acabará refletindo no aumento da competividade, a população sai ganhando e tudo isso combinado faz a economia girar. RE: Especificamente no seu setor, o hoteleiro, o que podemos esperar? Steinhausen: Eu sempre digo que, se a gente não tiver a enchente, já é um bom negócio. É que toda vez que acontece uma catástrofe dessas, a economia para. O empresário tem que gastar o dinheiro que investiria em melhorias em reparos. Por outro lado, estamos caminhando para as vésperas da Copa do Mundo e isso acaba movimentado o setor, pois os visitantes não vêm somente para assistir o futebol. RE: Em que pé está o projeto do Centro Empresarial de Blumenau (CEB)? Steinhausen: Vamos fazer uma reunião na Acib com os participantes para apresentar a maquete do projeto. Na ocasião, vamos expor as vantagens de ter um lugar em comum, fora da área central e também buscaremos parcerias. 13


Indústria

E assim fez-se a luminária! Fotos Daniel Zimmermann

Empresário Hans Bethe salienta que os empreendedores estão cada vez mais atentos à questão da iluminação nos ambientes de trabalho. Há normas de segurança que precisam ser cumpridas

A luz que ilumina a loja, a fábrica, o centro de distribuição e o ambiente corporativo em muitos estabelecimentos de Blumenau e região vem do mesmo lugar: da Imperial Luminárias. Sob o comando de Hans Bethe, a organização está há mais de cinco déca-

14

das iluminando ambientes de trabalho e, segundo o empresário, com qualidade, eficiência e economia. “A falta de luminosidade adequada já foi considerada insalubridade pelo Ministério do Trabalho e Emprego. Existem normas a serem seguidas e os

empreendedores se preocupam cada vez mais com esse elemento”, explica. Para Bethe, muitos buscam a luz mais adequada com o menor custo possível e a Imperial Luminárias, sendo uma das mais antigas no País neste setor, possui know how em projetos luminotécnicos para ambientes de trabalho.


Nasce uma luminária O empresário conta que a Imperial Luminárias teve a sorte de nascer e de crescer durante o primeiro período de desenvolvimento da indústria têxtil do Vale do Itajaí e recorda que, já na década de 1960, havia a preocupação em garantir iluminação adequada nas fábricas e comércios. “Os clientes foram e ainda são a nossa escola. Atender às exigências fez com que evoluíssemos também em termos de pesquisa”, diz. Segundo Bethe, muitos modelos de luminárias e lâmpadas foram personalizados para atender à necessidade específica de cada lugar.

Um exemplo são os produtos para laboratórios farmacêuticos ou da área alimentícia, cuja manutenção é feita pela área externa, para evitar a contaminação do ambiente. Outro desenvolvimento importante apontado pelo empresário são as luminárias projetadas para grandes alturas, como acontece nos centros de distribuição. “Esses projetos devem oferecer boa luminosidade e economia. As pesquisas com essas finalidades saem daqui do nosso departamento de engenharia”, informa. Os três anos mais recentes da Imperial Luminárias foram marcados

pela inovação. O empresário revela que investiu muito no maquinário moderno e enquadrado dentro das normas de segurança. Equipe treinada e máquinas de ponta trabalham para atender à demanda da linha comercial, industrial e especial, que abrange ambientes de produção esterilizados. Segundo Bethe, os clientes estão espalhados pela região, no entanto, a empresa também atende os estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul, pois algumas das corporações que migraram daqui continuam fiéis aos produtos da Imperial.

Inovação tecnológica é uma das marcas da empresa com mais de 50 anos, mas, em constante atualização 15


Indústria

Sucessão garantida A Imperial Luminárias é uma empresa familiar. Foi fundada por Curt Bethe, pai de Hans Bethe, que também prepara a sucessão. As filhas gêmeas Ellen e Heloisa cuidam da produção, do comercial e do financeiro e, segundo o empresário,

fazem um ótimo trabalho. “Uma delas fez o treinamento para operar e consertar todas as máquinas. Elas realmente vestiram a camisa da empresa. Meu plano para o futuro é a aposentadoria”, brinca. Contudo, o empresário conta

que é difícil repassar os aspectos técnicos do setor, adquiridos durante os 45 anos de experiência. “Procuro prepará-las e passar para frente todo o conhecimento, no entanto, sei que a experiência é a melhor forma de dominar o assunto”, afirma.

Daniel Zimmermann

Monitorar o setor é Cores outra tarefa que Bethe passou para as filhas, já que o mercado da iluminação está de verdade

sendo assediado pelo LED. De acordo com o empresário, este tipo de luz ainda não atingiu o nível de desenvolvimento necessário para iluminar um ambiente por completo, seu uso se restringe à decoração. Ele esclarece que o LED não alcança a fidelidade de cores, por exemplo, e essa é uma problemática, especialmente no comércio. “A última vez que comprei um terno, saí da loja pensando que havia comprado um preto e, quando cheguei em casa, vi que era um tom de verde bem escuro. Minha esposa até brincou comigo, pois eu trabalho com luz e deveria saber que boa iluminação é essencial para enxergar as cores de verdade”, lembra.

PERFIL Razão Social: Imperial Eletrometalúrgica Ltda. Fundação: 1960 Fundador: Curt Bethe Colaboradores: 30

O empresário prepara as filhas Ellen e Heloisa para a sucessão na Imperial Luminárias. Elas já cuidam da produção, do comercial e do financeiro da empresa famaliar 16

Parque fabril: 1,8 mil m² de área construída


Tecnologia

TI sem

Quando a solução em gestão da tecnologia da informação visa a traquilidade do cliente e garante o foco do empresário apenas na importância dos negócios é certo que a prestadora de serviço terá clientes fiéis e satisfeitos. É o caso da Redix, que neste segmento de negócios tem como propósito apresentar soluções confiáveis para que o cliente esqueça que existe um suporte de TI em seu negócio. Fundada em 2003 por Jorge Luiz Pompermayer Jr. e Fabio R. Segundo, a Redix recebeu a bordo o diretor comercial Giovanni Moser Frainer e, em 2004, teve o quadro societário revisto. Desde a fundação, a empresa prima pelo atendimento e pela qualidade dos serviços. “Prova disso é que nunca perdemos um cliente que seja por motivo de insatisfação”, enaltece Frainer. A analista comercial Kerolyn Bernardi afirma que a Redix oferece desde projetos de reestruturação da TI atual até a continuidade com monitoramen-

Fotos Daniel Zimmermann

preocupação

Os diretores Giovanni Moser Frainer e Jorge Luiz Pompermayer Jr.

to e suporte especializado. “A empresa preocupa-se em oferecer as melhores soluções com o melhor investimento

possível e utiliza diferentes opções ao adequar as possibilidades de acordo com a realidade de cada cliente”, diz.

Sendo assim, a Redix busca sempre o melhor conhecimento técnico, Para isso, une-se às mais relevantes provedoras de solução no setor. Entre as certificações e parcerias estão fortes instituições e empresas como Red Hat, ITIL, VMware, Jboss, Microsoft, Linux Professional Institute, Zimbra e Aker, entre outras. Alguns exemplos ilustrados por Frainer são as parcerias com a VMware e a Red Hat, cada uma líder em seu segmento. Enquanto a VMware gera mais economia e segurança para as empresas, possibilitando a chamada TI Verde, a Red Hat traz maior flexibili-

dade, com sistemas operacionais de código aberto em nível corporativo. O diretor comercial elucida que a virtualização dos servidores simplifica a infraestrutura de TI, criando um data center mais dinâmico e flexível. Além disso, ajuda a reduzir as despesas por meio da consolidação do servidor e equilibra as despesas operacionais por meio da automação. “Utilizando essa tecnologia, o cliente minimiza a perda de receita, reduzindo o tempo de inatividade e, ainda, promove o conceito de TI verde, ao virtualizar os serviços”, explica Frainer.

Informação Verde A Redix tem clientes em todas as regiões do Brasil e de diversos segmentos, pois pode atender em qualquer local onde há conexão com a internet. Contudo, Pompermayer salienta que é em Santa Catarina onde as principais parcerias estão instaladas. “Na verdade, é dessa forma que lidamos com os nossos clientes, somos parceiros. Eles são importantes para o nosso prestígio, assim como o sucesso deles é importante para nós. Por isso, mantemos uma relação mais consistente que apenas a de fornecedor-cliente”, destaca o diretor Pompermayer.

18


A analista comercial Kerolyn Bernardi com os diretores Pompermayer e Frainer

Requisitos do sucesso A metodologia de trabalho da Redix, segundo Pompermayer, também é responsável pelos bons ventos da empresa, uma vez que conta com especialistas e engenheiros certificados. “Durante o processo de contratação, o último aspecto analisado é a parte técnica do candidato. Primeiro, procuramos conhecer o perfil da pessoa e tentamos entender a personalidade dela”, explica o diretor administrativo. Para Frainer, o resultado de uma equipe entrosada é a baixa rotatividade de funcionários. “Oferecemos ambiente agradável ao colaborador, pagamos pelos cursos que os próprios profissionais sugerem e a única exigência nossa é o cliente sossegado na outra ponta”, completa. Segundo ele, a empresa disponibiliza a melhor estrutura para o desenvolvimento de produtos, com a melhor tecnologia e ambiente de teste.

Equipe 100% certificada pelos principais fornecedores do mercado, atendimento de qualidade e tecnologias de ponta atraíram clientes de grande porte como o Hospital Angelina Caron, do Paraná, Unimed de Florianópolis, Unoaesc, Fiesc, Vestes BR, Posthaus, Gaboardi, Shefa, entre outros. “São, aproximadamente, 300 bases instaladas”, contabiliza Frainer. De acordo com Pompermayer, existe a terceirização de uma em-

presa de marketing para garantir a captação de novas contas, no entanto, a prospecção também é feita por indicação dos clientes da Redix. “Com pensamento de expansão para o próximo ano, quando completa 10 anos de existência, a Redix pretende crescer não só em número de clientes e colaboradores, como também aumentar os investimentos em desenvolvimento tecnológico”, afirma Frainer.

Perfil Razão Social: Redix Serviços em Informática Fundador: Jorge Luiz Pompermayer Jr. e Fabio R. Segundo Fundação: 2003 Número de colaboradores: 20 (47) 3323-7313 www.redix.com.br

19


Qualificação

CDL prepara

Ciclo de Palestras Foto divulgação

O comunicador multimídia Marcelo Tas pode ser uma das estrelas do Ciclo de Palestras 2013

O ano de 2012, ao ver do diretor de treinamento da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) Ewald Fischer Neto, foi muito positivo se comparado aos anteriores, quando havia algumas palestras aleatórias e pontuais. De acordo com o diretor, a criação do Ciclo de Palestras e a parceria de empresas que abraçaram a causa colaboraram para este importante avanço. “Trazer palestrantes de renome nacional não é tarefa fácil. Tivemos auditórios lotados,

cuidamos da preparação da palestra, da recepção do palestrante e de outras situações que precisam de atenção”, conta. Outra grande ação feita no ano que passou, segundo Ewald, foi a remodelação dos cursos. “Buscamos novos instrutores e oferecemos horários diferenciados. Foram realizados 36 cursos para aproximadamente 800 pessoas. Nossas pesquisas mostram um nível de satisfação bastante elevado, em torno de 93%”, comemora.

Palestrantes renomados O diretor adianta que muita dedicação está envolvida para a preparação do Ciclo de Palestras deste ano. Para Ewald, a intenção é direcionar o público certo para palestras que o envolva em termos de conteúdo. O diretor aproveita para revelar alguns nomes que estão sendo cogitados para palestrar em 2013: Max Gehringer, Arnaldo Jabor, Marcelo Tas, Carlos Hilsdorf, entre outros.

A razão de tanto trabalho é a certeza da preparação do participante para enfrentar o mercado de trabalho, que, segundo Ewald, está cada dia mais dinâmico e competitivo. “Temos muitas vagas de emprego em Blumenau, porém, os candidatos precisam estar dispostos e preparados para as boas vagas que irão aparecer”, ressalta.


EDUCAÇÃO materiais elétricos

João Zata, atualmente, comanda a empresa fundada por ele e por dois irmãos, todos vindos de Criciúma, em 1988

Zata é lição de empreendedorismo Era final da década de 1980 quando João Zata e os irmãos deixaram o Município de Criciúma, no Sul catarinense, com a intenção de procurar trabalho fora da agricultura. A oportunidade surgiu, depois de algumas viagens, a pouco mais de 300 quilômetros, em Blumenau, com a fundação da Elétrica Zata. “Somos em 15 irmãos. Naquela época, não queríamos ficar na agricultura. Foi então que o interesse por Blumenau surgiu durante as viagens que fazíamos até aqui para o trabalho de manutenção de saunas, acompanhando meu irmão que trabalhava em uma empresa 22

do ramo”, conta João Zata. João, José Paulo e Pedro Zata fixaram residência em Blumenau e começaram a comercializar material elétrico em uma sala simples, ao mesmo tempo em que prestavam serviços de instalação no Bairro Itoupava Central, em maio de 1988. A aposta deu certo. Logo, a empresa, requisitada por pessoas e empresas de outras regiões da cidade, foi transferida da primeira sede para um espaço maior. Naquele período, entre os anos 1990 e os primeiros anos do Século 21, a Elétrica Zata se consolidou no mercado. “Quem é cliente sabe do comprometimento que temos com

a qualidade dos produtos e boa prestação de serviço. Penso que isso reflete o respeito que devemos ter com as pessoas”, avalia o empresário. Hoje, a empresa está sob comando de João Zata, sendo referência no segmento em todo o Vale do Itajaí. São 45 colaboradores, que formam uma equipe que atua na administração, vendas, estoque e entrega de produtos, além de equipes responsáveis por elaboração e execução de projetos. Agora, a Elétrica Zata atende aos clientes em estrutura inaugurada em outubro de 2012. São 2,5 mil metros quadrados de área construída, moderna e totalmente equipada, onde o cliente tem aces-


Fotos Daniel Zimmermann

so a 10 mil itens, divididos em 26 categorias de produtos da área elétrica. A loja está localizada na Rua Paris, Bairro Itoupava Norte. No hall de especialidades estão projetos de alta e baixa tensão nas áreas elétricas residencial, predial

e industrial, além dos trabalhos estruturais para redes de informática e segurança patrimonial. “Ao longo dos 25 anos, é perceptível o avanço tecnológico na área elétrica. Só no quesito iluminação, por exemplo, as alternati-

vas de sustentabilidade permitiram criar produtos ecologicamente corretos, com qualidade e durabilidade. Podemos perceber aí um contraste entre as lâmpadas incandescentes e os novos modelos com tecnologia LED”, analisa Zata.

PERFIL Razão Social: Elétrica Zata Fundação: maio de 1988 Fundadores: João Zata, José Paulo Zata e Pedro Zata Colaboradores: 45 Área construída: 2,5 mil m²


Segurança

Divulgação

Trabalhos executados em altura acima de dois metros do chão precisam de cuidados especiais, agora regulados pela NR 35

Em março de 2012, a Secretaria de Inspeção do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego publicou a Portaria nº 313, aprovando a Norma Regulamentadora nº 35, que estabelece as diretrizes para segurança especificamente para trabalhos em altura. Até sua criação, usava-se a informação-base contida na NR-18 (Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção Civil).

O perigo do trabalho nas alturas Pela NR 35 é considerado trabalho em altura toda atividade executada acima de dois metros do nível inferior, onde haja o risco de queda. O que inclui, por exemplo, vendedores e lojas que precisam apanhar produtos em prateleiras acima dessa altura. O objetivo da norma é garantir que sejam estabelecidos os requisitos mínimos das medidas de proteção para o trabalho em lugares altos. Tudo deve ser planejado, organizado e executado para a plena segurança e, principalmente, saúde dos trabalhadores envolvidos direta ou indiretamente com a atividade. As responsabilidades do empregador e dos trabalhadores; capacitação e treinamento; planejamento, organização e execução; e equipamentos de proteção individual, acessórios e sistemas de ancoragem também são temas abordados pela portaria, que está disponível para download no site do Ministério do Trabalho e Emprego (www.portal. mte.gov.br) na aba ‘Legislação’, item ‘Normas Regulamentadoras’.

“No caso de acidentes, a empresa deverá emitir o Comunicado de Acidente do Trabalho (CAT) e investigar as causas através da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa), Serviço Especializado de Segurança e Medicina do Trabalho (Sesmt) ou profissionais competentes”, afirma a engenheira de Segurança do Trabalho e sócia-proprietária da MPL SanMed, Patrícia de Oliveira Gonçalves.

Nas alturas Para a atividade de Trabalho em Altura, deve-se observar: Programa de treinamento e capacitação dos trabalhadores Análise de Risco (AR) Permissão de Trabalho (PT) Procedimentos operacionais Monitoramento da saúde dos trabalhadores

Consequências de um acidente

Cinto

de

O empregador deixará de contar com aquele trabalhador que ficará afastado pelo período necessário à completa recuperação

paraquedista

De acordo com o perfil da empresa, o acidente repercutirá no cálculo do Fator Acidentário de Prevenção (FAP)

jugular

Dependendo do contexto do acidente, a empresa poderá sofrer uma Ação Regressiva Acidentária por parte do INSS para ressarcimento dos custos do afastamento Dependendo das consequências do acidente ao trabalhador, a empresa deverá adaptar o local e atividades para o trabalhador para reabilitação profissional A empresa e os profissionais responsáveis poderão responder a processos trabalhistas, cíveis ou penais, dependendo das causas e consequências do acidente Ao retornar, o trabalhador terá um ano de estabilidade Fonte: MPL SanMed

24

Sistemas de ancoragem segurança,

tipo

Capacete de segurança com

Sapatos de segurança Talabarte Dispositivo trava-quedas Equipamentos específicos à particularidade de cada atividade Procedimentos para emergência e salvamento Fonte: MPL SanMed


Sustentabilidade

O bom exemplo sueco Daniel Zimmermann

Encontro na Furb reuniu pessoas interessadas em dar destino sustentável aos resíduos sólidos

Entre os dias 23 e 24 de janeiro, a Associação dos Municípios do Médio Vale do Itajaí (Ammvi), em parceria com Furb e Acib, promoveu o 4º Fórum Regional de Resíduos Sólidos Urbanos do Médio Vale do Itajaí e o Seminário Brasileiro-Sueco sobre gestão de resíduos. Antes mesmo de o evento começar, a Acib reuniu os representantes de empresas suecas que atuam na área de gestão de resíduos sólidos e sustentabilidade para apresentar o processo de reciclagem de uma cidade modelo na Suécia chamada Borás. Na ocasião, 26

empresas brasileiras interessadas em gestão ambiental acompanharam a apresentação. “A intenção é fomentar parcerias entre as empresas dos dois países. Esse é um desdobramento do processo iniciado em 2011, por meio de uma parceria firmada entre a Ammvi, a SP Tecnology e a Furb”, explica o coordenador de Relações Institucionais da Furb, David Bilsland. O evento contou com a apresentação de palestrantes e debatedores, assim como especialistas suecos e brasileiros. Temas como o desenvolvimento do sistema de gestão de resíduos na Suécia foram discutidos.

Fórum e seminário Os dois dias de evento foram marcados por apresentação de novas tecnologias para a gestão do lixo na região; a exposição de métodos de reciclagem, sistemas de logística e campanhas educativas serão desenvolvidos numa cooperação entre a Furb, a Ammvi, a Universidade de Borás e as instituições suecas. O objetivo é criar um modelo intermunicipal para o gerenciamento dos resíduos sólidos. Segundo o responsável pelo projeto Vinnova, Bo von Bahr, a parceria entre as entidades iniciou em 2012, junto à Universidade de Borás – com a qual a Furb possui convênio de intercâmbio acadêmico.


Cidade modelo A cidade de Borás, na região Sul da Suécia, reaproveita 99% do lixo produzido. Apenas menos de 1% não tem serventia alguma e vai para o aterro sanitário, enquanto Blumenau recicla só 4,6% dos resíduos sólidos. Na cidade sueca, o lixo é transformado em energia, assim, 104 mil moradores pagam até 50% menos na conta de luz e o transporte público sai 20% mais barato. Contudo, segundo a representante da Borás Energia e Meio Ambiente, Linda Eliasson, nem sempre essa foi a realidade. O Rio Viskan já foi um esgoto a céu aberto e, de tão poluído, ninguém ousava passar por perto. Dez anos depois, o rio se transformou depois que a população começou a separar o lixo. A população recebe sacos de lixo gratuitamente – os resíduos são separados em orgânicos, nos

sacos pretos, e inflamáveis, em sacos brancos. De acordo com Linda, as 200 toneladas de lixo domiciliar coletadas todos os dias na cidade são levadas para o centro de triagem. O lixo orgânico vira biogás e o lixo inflamável alimenta as caldeiras de termoelétricas, que produzem eletricidade. O trabalho de separação das sacolinhas pretas e brancas é automatizado. A máquina reconhece a cor dos sacos e faz a separação. Nas fornalhas das termelétricas e nos biodigestores das usinas de gás, o lixo se transforma em economia. O destino das garrafas PET é ainda mais interessante. Há uma máquina nos mercados nos locais públicos da cidade que recebe o material e, em troca, oferece ao morador um ticket que pode ser convertido em mercadoria ou em dinheiro.

Foto divulgação

Borás, na Suécia, é modelo para o mundo quando se fala em destinação adequada para o lixo


sustentabilidade

Foto divulgação

Algumas cidades brasileiras já contam com serviços de coleta seletiva e reciclagem de resíduos sólidos, mas o trabalho ainda é tímido. Em Blumenau, por exemplo, apenas 4,6% desses resíduos são reaproveitados

Local e global Segundo Linda, o primeiro passo para uma cidade mais limpa foi concientizar os moradores. Ela conta que todas os meios de comunicação foram explorados: jornal local, programas de TV, de rádio, escolas, redes sociais, correspondência – recentemente um blog e um aplicativo para smartphone também foram criados e estão sempre atualizados. “Um pequeno cesto de lixo foi deixado em frente às casas com as sacolinhas pretas e brancas, assim como folhetos que ilustravam como as pessoas 28

deveriam proceder daquele momento em diante”, relata. Segundo Linda, nessa fase, a meta foi envolver as pessoas na causa e fazê-las entender a importância da participação na mudança da cidade e, quem sabe, em logo prazo, do mundo. Os passos seguintes foram as adaptações, tanto por parte da cidade como por parte dos cidadãos. Linda salienta que os pontos de coleta foram planejados para estar muito bem localizados pelos bairros, a formação de grupos de moradores para visitar o local onde é

feita a triagem e a composição de um grupo de pessoas de vizinhanças diferentes, para dar feedback do trabalho desenvolvido. “É claro que a implantação desse sistema custou caro. Houve aumento no imposto, no entanto, uma pesquisa foi feita com os moradores e a diferença foi cobrada daqueles que não queriam separar o lixo”, explica. “É um investimento grande, mas, se pensarmos no futuro, essa talvez seja a nossa única alternativa”, completa Linda.


Poder Legislativo

vereadores de Blumenau (2) Ivan Naatz Fotos Divulgação

Controlar as tarifas do transporte coletivo está nos planos de Naatz

Idade: 45 anos Partido: PDT Mandatos como vereador: eleito pela primeira vez Cargos públicos não eletivos: nenhum Votos na última eleição: 5.292 Principais bandeiras para este mandato: 1. Fiscalizar a aplicação da Lei de Responsabilidade Fiscal. 2. Controlar as tarifas do transporte coletivo. 3. Controlar a execução do contrato da Foz do Brasil.

30


Mario Hildebrandt

A educação é uma das preocupações de Hildebrandt

Idade: 43 anos Partido: PSD Mandatos como vereador: eleito pela segunda vez Cargos públicos não eletivos: Secretário Municipal de Assistência Social, da Criança e do Adolescente de 2005 até março de 2012; presidente da Fundação Pró Família; presidente do Colegiado Estadual de Gestores Municipais de Assistência Social de SC (Coegemas); conselheiro do Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social. Votos na última votação: 5.482 Principais bandeiras para este mandato: 1. Defender e apresentar projetos de lei referentes às políticas de assistência social, saúde e educação. 2. Acompanhar as obras financiadas pelo BID, Badesc e BNDES, bem como outras obras de calçamento. 3. Lutar contra a legalização das drogas e pela ampliação do atendimento.

31


Poder Legislativo

Fotos Divulgação

Jens Mantau

As unidades de saúde estão entre as bandeiras de Mantau

Idade: 51 anos Partido: PSDB Mandatos como vereador: eleito pela sexta vez Cargos públicos não eletivos: nenhum Votos na última eleição: 3.558 Principais bandeiras para este mandato: 1. Projeto Bairro Saudável: desenvolver ações efetivas para otimizar a limpeza urbana dos bairros. Com participação de órgãos públicos municipais e sociedade civil. O projeto ocorre no período de três dias e interage com toda a comunidade, com palestras e seminários sobre a importância do sistema de coleta e reciclagem do lixo, além do mutirão de limpeza. 2. Lutar pela construção de creches e a ampliação das vagas. 3. Acompanhar e reivindicar soluções para as unidades de saúde do município, principalmente, a construção de sedes próprias.

32


Marcos da Rosa

Vereador promete lutar pela melhoria da Segurança Pública

Idade: 36 anos Partido: DEM Mandatos como vereador: eleito pela primeira vez Cargos públicos não eletivos: supervisor político (assessor do Vereador Jovino Cardoso) por seis anos Votos na última eleição: 5.588 Principais bandeiras para este mandato: 1. Primar por princípios da moralidade, legalidade, ética e eficiência. 2. Priorizar as principais demandas do povo blumenauense, que são: saúde, educação e segurança pública. 3. Ser incansável na fiscalização da aplicação dos recursos públicos pelo Executivo Municipal e ser atuante em todas as fases do processo legislativo, sempre priorizando os reais interesses do povo.

33


Poder Legislativo

Divulgação

Jefferson Forest

Forrest pede tributação municipal justa e proporcional

Idade: 33 anos Partido: PT Mandatos como vereador: Eleito pela primeira vez. Cargos públicos não eletivos: Secretário Municipal de Juventude e assessor parlamentar. Votos na última eleição: 2.581 votos Principais bandeiras para este mandato: 1. Exercer todas as prerrogativas que competem ao vereador. Fiscalizações dos recursos públicos, incluindo os escândalos de corrupção que envolveram o governo passado, além de acompanhar cada passo do atual governo. 2. Legislar propondo projetos que venham ao encontro dos anseios da sociedade, no que diz respeito à questão da transparência, da participação popular, da proteção dos animais e da defesa daqueles que mais precisam de um Poder Público eficiente. 3. Atuar na defesa de uma tributação municipal justa e proporcional e pressionar o Executivo para que atenda as necessidades da comunidade.

34


artigo

Memória empresarial e responsabilidade histórica Daniel Zimmermann

Muitas empresas têm uma significativa coleção de memórias tangíveis de um passado coletivo, memórias estas de inestimável valor cultural e simbólico, não apenas para seu público interno, mas, também, para comunidades bem além das fronteiras daquela organização. As empresas que têm suas origens, identidade e imagens preservadas destacam-se no mercado e na comunidade, pois oferecem referências seguras para seus consumidores, para seus funcionários e parceiros de negócios, como também à comunidade na qual estão inseridas. Ao resgatar a memória, as organizações relembram as trajetórias e assumem a responsabilidade acerca das ações e conquistas que conduziram seus negócios ao longo do tempo, até os dias atuais. Recontando sua história, a empresa afirma sua cultura, suas crenças e valores. Esse contexto desperta nos funcionários o senso de pertencimento, de estar fazendo parte de algo maior. Fazer parte da história, sentir-se agente da história da empresa é, certamente, uma das mais produtivas formas de engajamento de pessoas em torno de objetivos comuns. A memória institucional reforça, portanto, a credibilidade e a confiança na sociedade como um todo. A história de uma empresa somente tem valor legítimo quando contada a partir da história dos homens e mulheres que fizeram e que fazem essa empresa. Tenha a empresa 10 anos ou 100 anos, o trabalho de preservação e disseminação da memória é uma forma de transformar sua história em instrumento de comunicação, que reforça fortemente a cultura e os valores organizacionais, inspirando todos que dela fazem parte a uma reflexão quanto à forma de fazer negócios, à 36

união, à excelência, ao crescimento e à evolução da organização e dos seres humanos que dela fazem parte. O resgate e preservação da memória empresarial é uma ferramenta estratégica, inclusive, haja vista que agrega valor para a marca, evidenciando a experiência no ramo em que atua. A criação de um Centro de Memória Corporativa tem a função de resgatar e guardar fotografias, vídeos, imagens em geral, documentos e objetos que contam a história da organização. Os trabalhos ocorrem em duas frentes: pesquisa histórica e tratamento arquivístico dos documentos do acervo. O Centro de Memória é, assim, a área responsável pela implantação de uma política sistemática de resgate, avaliação, tratamento técnico e divulgação de acervos e, principalmente, pelos serviços de dissemina-

ção do conhecimento acumulado pela empresa. Para o pleno atingimento de tais objetivos devemos considerar as técnicas desenvolvidas e aprimoradas para este fim na área da ciência da informação, que abrangem, entre outras atividades, a digitalização e a indexação de cada item, para a formação de um banco de dados online que reúna documentos de diferentes gêneros, como os textuais, audiovisuais, gráficos, banco de história oral, todos de interesse histórico para a empresa.

Jacqueline Hess

Proprietária do Escritório das Memórias e Gestora de Centros de Memória Corporativos e Centros de Memória de Família Blumenau, SC. Fone (47) 3041-8121


Acib é notícia

Problemas? Oba! Divulgação

O médico e administrador Roberto Shinyashiki estará em Blumenau no dia 12 de março para uma palestra promovida pelo Núcleo de Consultoria e Treinamento Empresarial da Acib, com o tema: “Problemas? Oba!”. O evento será no Teatro Carlos Gomes, a partir das 19h30min. O especialista falará sobre a revolução na qual o mundo dos negócios está imerso; como ajudar os clientes a resolverem os problemas; a preparação das equipes; competitividade; perfis profissionais, entre outros assuntos relacionados às oportunidades que os problemas podem trazer no mundo dos negócios. Roberto Shinyashiki tem influenciado toda uma geração de administradores do País. É um dos nomes mais requisitados no meio empresarial, fazendo palestras, conduzindo seminários e convenções no Brasil e no Exterior. Sua formação como médico psiquiatra, com pós-graduação em Administração de Empresas e doutorado em Administração e Economia, embasa todo seu trabalho.

O médico Roberto Shinyashiki realiza palestra em Blumenau em março

A experiência como empresário, à frente da Editora Gente, lhe dá o conhecimento prático de quem convive com os desafios diários de um empreendedor. Consultor e orientador de altos executivos de empresas dos setores público e privado, ministros de Estado, governadores, pre-

Nota de falecimento Leandro Victor Bona

feitos e personalidades de destaque, Shinyashiki é profundo conhecedor dos dilemas e dos desafios do dia-a-dia desses profissionais. Informações sobre a palestra em Blumenau podem ser obtidas na Acib, pelo telefone (47) 33261230 ou email nucleos1@acib.net.

Novos Associados ASCENDERH Fone: (47) 3035-1383 www.ascenderh.com.br

Faleceu, vítima de infarto, em 8 de janeiro deste ano, o empresário Leandro Victor Bona. Ele foi vice-presidente da Acib entre 1969 e 1971, no mandato do presidente Lothar Schmidt, e presidente da Acib entre 1971 e 1973. Ex-diretor da Cia. Lorenz, ex-corista de câmara do Teatro Carlos Gomes, ex-funcionário das secretarias de Planejamento do Estado e do Município, pai de cinco filhos, deixou oito netos e a esposa Hedda Bona.

O começo profissional de Bona foi na Cia. Lorenz, fundada pela família. Lá, chegou a ser diretor. Entre 1979 e 1982, foi para Florianópolis trabalhar no Gabinete de Planejamento do governo Jorge Bornhausen. Depois, voltou a Blumenau e integrou as equipes de Planejamento da Prefeitura na década de 1990. Em 1999, mudou-se com a esposa para o ancionato Lar Elsbeth Koehler, onde viveu seus últimos anos.

CANTINHO CASEIRO Fone: (47) 3222-6164 www.cantinhocaseiro.com.br

FASTFRAME MOLDURA NA HORA Fone: (47) 3035-5504 www.fastframe.com.br/blumenau

SANTINVEST S.A CFI Fone: (47) 3035-6952 www.santinvest.com.br

38


Fiesc articula missão para a CeBIT 2013

Agenda

Divulgação/CeBIT

Curso Comunicação: A Competência de Liderar, Influenciar e falar em Público Data: 14, 20, 21, 25, 26 e 27 de fevereiro Horário: das 19h às 22h Investimento: R$ 493,00 associados/ R$ 580,00 não associados (em até 4x no cheque e desconto para mais de três inscrições por empresa) Local: Acib Organizador: HDH Treinamentos Ltda e Acib Informações: (47) 3326 1230 – eventos@acib.net, com Gislaine 1° Curso de Cipa 2013 Data: 18 a 21 de fevereiro Horário: das 8h às 17h e no dia 21 das 8h às 12h Investimento: R$ 160,00(clientes MPL)/R$ 170,00(associados Acib)/R$ 185,00(não associados) Local: Acib Organizador: Integrada Assessoria e Treinamentos Informações: (47) 3326 4535 – Katiene / (47)9975 8320 – email: integrada.bnu@terra.com.br Curso Vendas Intensivo Data: 19 de fevereiro Horário: das 19h às 22h Valor: R$ 80,00 (associados)/R$ 90,00(não associados) Local: Acib Organizador: N. Marinho e Acib Informações: (47) 3326-1230 – eventos@acib.net, com Gislaine

Estande do Brasil na CeBIT 2012

A Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) está articulando a missão empresarial brasileira para a Alemanha para a feira CeBIT 2013, em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI). A missão será realizada em conjunto com o Programa AL-Invest e com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). A CeBIT, em Hannover, é considerada o maior evento mundial de Tecnologia da Informação e Comunicação. O público-alvo são empresas interessadas em importar, exportar, estabelecer parcerias e atualizar-se nos novos lançamentos tecnológicos mundiais no segmento de TIC. O programa da missão será de

3 a 11 de março, incluindo visita aos expositores com acompanhamento técnico; estande de apoio aos integrantes; catálogo da missão com perfil das empresas; e um guia do participante. O investimento é de 2.250 euros, mais taxas de embarque por pessoa, contemplando passagem área de ida e volta com saída de Porto Alegre, transfer aeroporto-hotel-aeroporto, hospedagem, seguro viagem, ingresso para os cinco dias de feira e deslocamento para visita técnica. As inscrições podem ser feitas até o dia 24 de janeiro, por meio do Centro Internacional de Negócios do Rio Grande do Sul, email cin@fiergs.org.br ou telefone (51) 3347 8675.

Palestra Gestão Financeira – do Controle à Decisão Data: 20 de fevereiro Horário: das 8h às 10h Gratuita Local: Acib Organizador: Sebrae e Acib Informações: (47) 3326 1230 – Gislaine / (47)3222 2655 – Ionita Curso Personal Stylist Data: 20 e 21 de fevereiro Horário: das 19h às 22h Valor: R$ 170,00 (associados)/R$ 190,0(não associados) Local: Acib Organizador: N. Marinho e Acib Informações: (47) 3326 1230 – eventos@acib.net, com Gislaine Palestra Viagem – Moda & Varejo Dia: 27 de fevereiro Horário: 19h Gratuita Local: Acib Organizador: N. Marinho Informações: (47) 3326 1230 – Gislaine / (47) 3325 2708 – Cristina –contato@nmarinho.com.br

39


CDL É NOTÍCIA

Caminhão de prêmios muda a vida de consumidores Fotos divulgação

A virada de ano é sinônimo de esperança. O período é de acreditar em mudanças, em boas novas. Assim está sendo 2013 para dona Editte Petters. A costureira, de 56 anos, mora na Vila Itoupava, em uma casa simples, sem fogão e com a televisão estragada. Ela foi um dos cinco ganhadores da campanha Natal de Sorte, da Câmara de Dirigentes Lojistas de Blumenau. Recebeu, em 18 de janeiro, dezenas de presentes, como TV de LED, geladeira, computador e cozinha. “Fiquei em choque e não acreditava que era uma das sorteadas. Estou muito feliz. Esses prêmios vão melhorar muito a minha vida”, disse Editte. Ela fez questão de comentar que o que tem em casa em bom estado será doado para a vizinha. A história de dona Editte foi um prêmio também para a CDL Blumenau que não encontrava a ganhadora. Ela preencheu o cupom do sorteio com o número da casa errado e a organização da campanha não conseguiu contato nem por telefone. Mas a equipe da CDL e da loja Bazar Márcia, onde ela comprou uma bolsa de presente de Natal para a nora e passou a concorrer no Natal de Sorte, não desistiram. “Fizemos de tudo. Chegamos a ligar para todas as pessoas de Blumenau com o mesmo sobrenome, fomos ao bairro para saber se alguém a conhecia. Com persistência, a encontramos e ficamos ainda mais felizes por ser alguém que precisa tanto”, contou o presidente da CDL Blumenau, Paulo Cesar Lopes. “Não tenho como traduzir o que estou sentindo. Receber esse prêmio é um estímulo e tanto para acreditar que 2013 será um ano cheio de boas novas”, vibrou. A entrega dos caminhões de prêmios do Natal de Sorte foi amplamente divulgada. Além de aparecer em jornais e sites, equipes da RBS TV e da RIC Record acompanharam quando Editte Peters recebeu os 19 prêmios do caminhão. Confira as reportagens no site www.cdlblumenau.com.br.

Entrega dos prêmios para Editte Petters

Amarildo Amazoni Maba também comemorou o sorteio

Waldemar Thomé e família também receberam os prêmios da CDL

Entrega do Caminhão de Prêmios para Farli Tadeu Poli

Maria Gorete Pedrini Batista foi outra ganhadora da promoção de Natal

Ganhadores dos caminhões de prêmios Farli Tadeu Poli (comprou na Loja Dagnoni) Maria Gorete Pedrini Batista (comprou no Mini Mercado Kuller) Amarildo Amazoni Maba (comprou na Grendelli Calçados) Waldemar Thomé (comprou no Supermercado Central) Editte Petters (comprou no Bazar Márcia) 40


Liquida Blumenau marca programação de Verão Divulgação

Blumenau quer chamar a atenção dos turistas e moradores na estação mais quente do ano. Além do Festival Gastronômico e da Sommerfest, o calendário oficial de eventos de Verão da cidade conta com o Liquida Blumenau. Entre os dias 17 de janeiro e 9 de fevereiro as promoções movimentam o comércio.

“A iniciativa une produtos de qualidade com preços muito especiais”, diz o presidente da CDL, Paulo Cesar Lopes. “É mais uma importante opção para quem mora ou passa por nossa cidade. Além de conhecer nossa cultura, é possível fazer boas compras por aqui”, afirma o secretário de Turismo de Blu-

menau, Ricardo Stodieck. O Liquida Blumenau une entidades empresariais do comércio para a tradicional campanha de liquidação de Verão. A intenção é atrair moradores e turistas que passam pelo Estado com vantagens como condições especiais de pagamentos, descontos e brindes.

Presidente da CDL participa de convenção em Nova Iorque O presidente da CDL de Blumenau, Paulo Cesar Lopes, participou da 102ª Convenção Anual da NRF, realizada entre os dias 10 e 18 de janeiro, em Nova Iorque. Mais de 200

convencionais integraram a delegação da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) que foi à NRF para conhecer as tendências do mercado do varejo mundial, além

de trocar experiências e se relacionar com lojistas do Brasil e do mundo. Simultaneamente, foi realizado o Salão Expo, uma vitrine para as novas tecnologias para o varejo.

Calendário Cdl treinamentos Fevereiro Atendimento de Alta Performance De 4 a 6 Cada vez mais o atendimento a clientes se torna algo complexo devido ao número de informações e estilo de colaboradores que temos no mercado. Este curso visa facilitar o atendimento, melhorando a desempenho dos colaboradores para a maior satisfação dos clientes e lucratividade do negócio. 9h Vitrinismo e Visual Merchandising De 18 a 21 Contempla atividades práticas levando o

participante a desenvolver a criatividade, senso crítico e habilidade em organização e composição interna da loja e vitrine. Uma linguagem simples que fará com que o participante se envolva com todos os conteúdos apresentados dando a formação que permita realizar em seu dia a dia. 12h Liderança transformadora De 25 a 28 Desenvolve nas lideranças a conscientização da produtividade profissional e as técnicas e comportamentos frente a pessoas e situações, bem como as habilidades

práticas da liderança. 12h Sobre os cursos: Aulas das 19h. as 22h., na Casa do Comércio CDL Inclui: Certificado, estacionamento, apostila e coffee-break. Informações e Inscrições: 47 3221 5766 / marcos@cdl-sc.org.br Desconto garantido para associado CDL. Informe-se sobre condições especiais para grupos e in-company.

41


Intersindical é notícia

Sescon Blumenau investe em capacitação tâncias governamentais. “A capacitação técnica dos profissionais contábeis e os investimentos na educação continuada dos empresários contábeis são fatores essenciais para o desenvolvimento do setor, garantindo sempre a melhor prestação de servi-

ços para os clientes”, destaca a presidente Daniela Zimmermann Schimitt. Para otimizar a realização dos cursos e treinamentos, o Sescon investiu na aquisição de 30 notebooks, equipamentos que garantem maior conforto e produtividade aos participantes.

Fotos Divulgação

Durante 2012, o Sescon Blumenau promoveu mais de 80 cursos, palestras e treinamentos especiais, envolvendo cerca de 2,3 mil pessoas, além da participação em congressos, seminários e reuniões de trabalho com representantes de diversas ins-

Sincor-SC oferece curso gratuito para jovens Com a intenção de inserir jovens de famílias de baixa renda no mercado de trabalho, o Sincor-SC elaborou um projeto piloto em parceria com o Centro de Integração Empresa-Escola (Ciee) de Blumenau. A iniciativa vai capacitar jovens a partir dos 16 anos, que ainda não têm experiência e precisam contribuir para a renda da família. Os alunos participam de aulas

42

diárias, com três horas e meia de duração, durante um mês, na sede do sindicato. Profissionais especializados, como corretores e funcionários de corretoras, auxiliam no treinamento. O curso envolve conteúdos como endomarketing, noções básicas de atendimento ao cliente, cálculo e seguros. A primeira turma iniciou as atividades em 22 de janeiro. Após a conclusão do treina-

mento, os jovens serão encaminhados para estágios em corretoras. “Esta é uma oportunidade muito importante, tanto para quem está recebendo a capacitação, quanto para as empresas, que poderão contar com profissionais capacitados”, afirma o presidente do Sincor, Odair Roders. Assim que a primeira turma se formar, a intenção do sindicato é expandir a ação para delegacias em todo o Estado.


Sintex divulga produtos nacionais na Alemanha O Sindicato das Indústrias de Fiação, Tecelagem e do Vestuário (Sintex), em parceria com a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), por meio da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), participou da Heimtextil 2013. O evento aconteceu de 9 a 12 de janeiro, em Frankfurt, na Alemanha. Ao participar da feira, o objetivo do Sintex foi, mais uma vez, auxiliar na divulgação e promoção dos produtos brasileiros no mercado internacional, especialmente o setor de têxteis para o lar. A Heimtextil é considerada uma das principais feiras internacionais de têxteis para o lar. Conta com uma média de 2,5 mil expositores de mais de 60 países. Tem como importante diferencial o de abrir o calendário de eventos do ano, servindo como referência para fabricantes e visitantes de todo o mundo.

Diretoria de Micro e Pequena Empresa é mantida O prefeito Napoleão Bernardes manteve, mesmo com a reforma administrativa, a Diretoria da Micro e Pequena Empresa, inserida na estrutura da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico. Durante a campanha para prefeito, Bernardes recebeu da Ampe um manifesto contendo uma série de reivindicações, entre elas, a manutenção desta diretoria. Para a Ampe, existe uma perfeita sintonia entre os empreendedores de pequenos negócios e a administração pública e o que se pretende é a instalação oficial do Fórum Municipal da Micro e Pequena Empresa e a implantação, o quanto antes, da Lei Geral da Microempresa do Município de Blumenau, para que se possa estender à classe o tratamento diferenciado e favorecido de que tratam os artigos 170 e 179 da Constituição Federal. A diretoria da Ampe deve apresentar a entidade ao secretário de Desenvolvimento Econômico, Jorge Cenci, informando o que será desenvolvido pelo Centro Integrado de Apoio e Qualificação à Micro e Pequena Empresa do Vale do Itajaí (Ciampevi). Na avaliação da entidade, a nova gestão municipal também acertou ao nomear um técnico para o cargo de diretor da Micro e Pequena Empresa, o consultor empresarial Móris Kohl, associado da Ampe que já foi diretor de Núcleos Setoriais da entidade e, atualmente, integra o Conselho Deliberativo da gestão 2013/2015, presidida por Carlos Alberto Pintarelli.

O presidente do Sintex, Ullrich Kuhn, no estande do Sintex/Abit em Frankfurt, na Alemanha

novos critérios para entidades sindicais Há dois anos, as empresas brasileiras passaram a adotar as Normas Internacionais de Contabilidade (IRFS) e os resultados puderam ser acompanhados nas publicações dos balanços de atividades dos anos de 2010 e 2011. Agora, as entidades sindicais também terão que se adaptar à nova realidade, com a publicação da resolução do Conselho Federal de Contabilidade (CFC) 1.409/12 de 21 de setembro de 2012, que editou novos procedimentos e critérios para as entidades sem fins lucrativos, o que implica também em novos procedimentos para os sindicatos. “Entre os novos procedimentos, o destaque é a correta classificação das receitas e despesas, desde a origem até a aplicação, principalmente no que diz respeito ao recebimento da Contribuição Sindical e seu destino na entidade”, afirma o contador Jaderson Theiss, que assessora o Simmmeb nesse processo de adaptação. “No aspecto administrativo contábil, podem ser observadas mudanças na composição do orçamento, em que, mensalmente, serão acompanhadas receitas e despesas por meio de um comparativo do que é orçado e do que é realizado”, prossegue. O Simmmeb, por exemplo, também utiliza o Sistema de Informações Gerenciais (SIG), que, incorporado à contabilidade, possibilita realizar o acompanhamento por meio de indicadores. “Todas as ferramentas administrativas estão intimamente ligadas à contabilidade, deixando claro, e de fácil leitura, os atos praticados, tanto para a diretoria quanto para os associados”, finaliza Theiss. A resolução do CFC pode ser acessada no link http:// www.cfc.org.br/sisweb/sre/docs/RES_1409.doc.

43


Sindilojas é notícia

Fotos Divulgação

Reunião com o diretor do Procon O novo diretor do Procon de Blumenau, Alexandre Caminha, esteve, em 22 de janeiro, na sede do SINDILOJAS. A reunião com o presidente Emílio Rossmark Schramm e executivos da entidade teve como objetivo a apresentação dos planos do Procon na gestão do prefeito Napoleão Bernardes, sempre buscando orientar as empresas comerciais no atendimento às necessidades do consumidor. Entre os assuntos abordados estiveram alguns cases recentes do comércio local, bem como o estudo de uma campanha sobre a educação para o consumo e os projetos do Procon de Blumenau que serão colocados em prática já em 2013. O objetivo do SINDILOJAS com este tipo de encontro é aproximar a entidade das instituições, sejam públicas ou privadas, prezando sempre pela defesa dos interesses do comércio varejista.

O diretor do Procon de Blumenau, Alexandre Caminha, reuniu-se com presidente e executivos do SINDILOJAS

Mínimo regional para o comércio fica em R$ 835 Trabalhadores pertencentes às quatro faixas salariais do piso mínimo regional receberam, já na folha de pagamento de janeiro, o reajuste definido dia 15, após a quarta rodada de negociações entre entidades representativas patronais e dos empregados. A proposta de correção do novo salário mínimo regional varia de 9,28% a 9,37%. O acordo é retroativo ao dia 1º de janeiro deste ano. A Fecomércio-SC, que representa as empresas do comércio de bens, serviços e turismo do Estado, atuou, desde o início, diretamente nas negociações. A entidade considera o reajuste equilibrado e ratifica a importância da manutenção de um diálogo direto entre as duas partes. A primeira faixa do mínimo catarinense, que estava em R$ 700,00, passa a R$ 765,00 pelo acordo (correção de 9,28%). A segunda faixa aumentou de R$ 725,00 para R$ 793,00 (reajuste de 9,37%). Já a terceira faixa, que abrange diretamente

44

Trabalhadores do varejo em SC passam a ter piso salarial de R$ 835 as empresas do setor de comércio e prestação de serviços, subiu de R$ 764,00 para R$ 835,00 (ajuste de 9,29%). A quarta faixa, que abran-

ge empresas do setor imobiliário e também do turismo, que tinha como valor de R$ 800,00, foi fixada em 875,00 (correção de 9,37%).


Comércio envia reivindicação ao prefeito

Napoleão Bernardes recebeu reivindicações do sindicato Início de ano com nova administração municipal e o SINDILOJAS, buscando defender os interesses do comércio varejista, está em contato com o novo prefeito, Napoleão Bernardes, levando os anseios e solicitações da classe. Uma correspondência foi enviada manifestando a insatisfação de toda classe lojista da cidade quanto ao horário de Verão da Prefeitura, bem como das habituais férias coletivas adotadas pela administração municipal. Neste período, o atendimento fica prejudicado, principalmente em razão dos horários praticados. A questão dos estacionamentos da Prefeitura, onde o contribuinte não tem acesso, somente os funcionários públicos. A melhor solução seria aplicar a Área Azul também nestes locais. O SINDILOJAS quer, tão somente, contribuir com a administração municipal, levando ao conhecimento do Poder Público as expectativas da comunidade, principalmente do empresariado lojista que tanto necessita dos serviços prestados pela Prefeitura. A entidade reitera que está em sintonia com a Prefeitura e estará presente em tudo que estiver ao seu alcance para que seja feita uma grande administração em Blumenau.

coluna jurídica COTA PARA DEFICIENTES Em acórdão da 5ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (São Paulo), a desembargadora Ana Cristina Lobo Petinati entendeu que uma empresa não pode ser penalizada por não ter preenchido todas as vagas destinadas a deficientes físicos e reabilitados se tentou preencher a cota e não conseguiu pela precariedade e carência de profissionais reabilitados pela Previdência Social ou com deficiência. Pela Lei nº 8.213/91, as empresas são obrigadas a preencher entre 2% a 5% de seus cargos, a depender do número de empregados, com beneficiários reabilitados ou pessoas com deficiência. Segundo a magistrada, na medida em que a empresa publicou diversos anúncios de oferta de empregos a candidatos com deficiência, bem como, implantou programa de qualificação dessas pessoas junto ao Senai, restou demonstrada a boa-fé e o justo motivo para o não cumprimento do percentual estabelecido em lei. “E, para finalizar, importa sinalizar que a legislação em que se baseou o decisum (art. 93, Lei 8.213/91) não aponta como destinatário da norma o portador de deficiência sem nenhuma qualificação, mas, antes, os habilitados e reabilitados, não havendo como concluir que para estes devam as empresas abrir suas portas pelo simples fato de serem deficientes, desempregados, desativados do mercado de trabalho, resumidas como condição sine qua non para que as empresas estejam obrigadas a admiti-los, sem o preenchimento do requisito habilitação para tanto”, concluiu a relatora. Nesse sentido, os desembargadores da 5ª Turma julgaram improcedente a ação civil pública e reformaram a sentença de 1º grau, que havia condenado a empresa pagar multa de R$ 10 mil por funcionário não contratado e indenização de R$ 500 mil por danos morais coletivos. “Ao contrário do esposado em sentença, é possível entrever que a ré tem preocupação em colocar em seus quadros pessoas portadoras de deficiência, levando-se à conclusão de que esta não ignora o fato, tampouco adota política discriminatória, impondo absolvê-la da condenação. Para tanto, considere-se a farta documentação encartada aos autos, bem como a presença de 34 empregados nesta condição”. (Proc. RO 05224001320065020081) Fonte: Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região

NovoS associadoS JL PRESENTES (47) 33374959 jlpresentes@oi.com.br

Vidraçaria Glória (47) 3324-2430 45


memória Daniel Zimmermann

Lothar Schmidt foi presidente da Acib de 1969 a 1971 e, hoje, atua como membro do Conselho Deliberativo da entidade

Um rapaz direito Presidente da Acib de 1969 a 1971, o empresário Lothar Schmidt continua participando assiduamente das reuniões da associação como conselheiro. Apesar de aposentado, garante que ainda tem muito a contribuir, uma vez que presenciou o crescimento de Blumenau e colaborou para a evolução do cenário empresarial e industrial da cidade. “Comecei a trabalhar aos 14 anos. São muitos anos de registro em carteira”, brinca. Para Schmidt, o trabalho enobrece as pessoas e, para ele, é o segredo da longevidade. “O meu lema é: basta ser um rapaz direito para ter crédito na exposição. Sempre pensei assim e sempre agi assim”, diz.

Fiel ao conselho Segundo Schimdt, sua gestão ficou conhecida por defender os associados. “Na época, Santa 46

Catarina seria alvo de mais um imposto. Para evitar que isso acontecesse, nos unimos com associações de diversas cidades catarinenses e com órgãos de São Paulo e do Rio de Janeiro. Com o envolvimento de importantes cidades do Estado, conseguimos impedir a implantação do encargo”, conta. O empresário recorda que, além desse feito, fez tudo que estava ao alcance para projetar a entidade e para atrair novos associados. Como membro do Conselho Deliberativo, Schmidt se diz muito satisfeito com a gestão atual, principalmente por ser muito ativa e por trabalhar em prol de Blumenau. “A problemática atual são os inúmeros encargos que são cobrados da classe. Nesse sentido, infelizmente, o governo não colabora e quando reduz de um lado, aumentam do outro”, analisa. Schmidt se diz ansioso para a construção do Centro Empresa-

rial de Blumenau (CEB). O aposentado explica que este projeto centralizará órgãos importantes em um só lugar e, assim, facilitará a comunicação e a tomada de decisões.

Em atividade A trajetória do empresário no cenário industrial blumenauense é extensa, com 12 anos na presidência da Cremer. Schmidt comandou ainda a Itadisa, agência de revenda de caminhões, em Itajaí. Atualmente, o empresário continua a participar das reuniões do Sintex, como visitante. Para ele, é importante manter-se ativo e envolvido nos assuntos que conhece muito bem. Afinal, é muito válida a experiência de alguém que nasceu e cresceu em Blumenau e acompanhou e participou do desenvolvimento da cidade.


R I R E F N O C A E H R N VE ING STO R E H HERING STORE

BALNEÁRIO CAMBURIÚ :: Avenida Brasil, 1600 - Balneário Camburiú Shopping BLUMENAU :: Shopping Neumarkt - Blumenau Norte Shopping - Shopping Park Europeu FLORIANÓPOLIS :: Beiramar Shopping - Shopping Iguatemi JOINVILLE :: Shopping Muller - Joinville Garten Shopping ESPAÇO HERING :: Rua Bruno Hering, 1421

Empresário | Acib - CDL - Intersindical - Sindilojas - Ed. 70  
Empresário | Acib - CDL - Intersindical - Sindilojas - Ed. 70  

Revista empresarial da Acib, CDL, Intersindical e Sindilojas de Blumenau. Produzida Pela Mundi

Advertisement