Page 1

[ interiores ]

[ aquário ] jun/jul.12 Ano 7 R$ 11,90

#52

JANELA PARA OUTRO

MUNDO

CONTRASTES DO COLOR BLOCKING NA

DECORAÇÃO


Artezanalle lança nova coleção em noite especial Mais uma vez Eunice Mariano abriu as portas de sua loja Artezanalle Móveis, na noite de 30 de março, para o coquetel anual de lançamento da coleção 2012-2013, que foi especialmente ambientada por profissionais renomados de Balneário Camboriú e região. O local contou com 11 ambientes montados com móveis da loja, todos assinados por profissionais locais: Arianne Saut e Flavia Saut; Juliana Petrati e Amanda Sales; Thyciane Bortolanza; Karem Morgana e Jean Bonissoni; Carla Feitosa e Camila Rosa; Luciene Medeiros; Eneida Miranda; Sálvio Moraes Jr. e Moacir Schmitt Jr.; Ernani Luiz e Marianne Clasen; Eliege Longen; e Silvia Pedrassani. Os móveis apresentados são o resultado de uma extensa pesquisa de mercado e uma busca por produtos e marcas da mais alta qualidade e padrão, trazidos em primeira mão pela Artezanalle. Este ano, a loja agregou novas marcas, como a grife italiana de sofás, a Italsofa, com produtos mundialmente reconhecidos, além das marcas Sergio Fahrer, Paulo Alves e Sergio Berti, com vendas exclusivamente da Artezanalle para toda a região. O mix de produtos da Artezanalle é planejado para garantir aos arquitetos e designers de interiores tudo o que imaginam e necessitam para realizar seus projetos.

Na oportunidade, Eunice Mariano e o sócio José Carlos Wilhans Junior aproveitaram para homenagear os profissionais da região que mais se destacaram nos últimos meses no programa de fidelidade, lançado no ano passado, o Club A. Os vencedores 2011 foram Moacir e Sálvio, da Casa Design Interiores e Felix Valle. O Club A é mais uma vantagem que a Artezanalle oferece, convertendo em pontuação as vendas efetuadas pelos profissionais. As premiações vão desde viagens até um carro 0 Km. O programa Club A 2012-2013 começou a valer no dia 1º de abril, contabilizando as vendas até 3 de março de 2013. No evento foi oferecido aos convidados um coquetel delicioso assinado pelo buffet Soul, de Balneário Camboriú, que deu um toque especial à noite. Um barman também esteve à disposição preparando drinks maravilhosos.

:: Eunice Mariano ::

Eunice Mariano e José Carlos Wilhans Junior

A empresária atua no segmento há 15 anos e participa do Núcleo Catarinense de Decoração da Regional de Balneário Camboriú. A Artezanalle Móveis foi fundada em Itajaí em 1996, com revenda exclusiva Saccaro Móveis. Reposicionou-se em 2006, passando a oferecer diversos produtos de marcas renomadas, ampliando o mix de móveis e objetos de decoração.

Ambiente desenvolvido pelas Arquitetas Juliana Petrati e Amanda Sales


informe publicitรกrio

Ambiente desenvolvido pela Arquiteta Silvia Pedrassani

Ambiente desenvolvido pelos Arquitetos Ernani Luiz e Marianne Clasen

Ambiente desenvolvido pelas Arquitetas Carla Feitosa e Camila Rosa

Ambiente desenvolvido pelas Arquitetas Arianne Saut e Flavia Saut


informe publicitรกrio

Ambiente desenvolvido pelos Arquitetos Sรกlvio Moraes Jr e Moacir Schmit Jr

Ambiente desenvolvido pela Arquiteta Eliege Longen

Ambiente desenvolvido pela Arquiteta Thyciane Bortolanza


Ambiente desenvolvido pela Arquiteta Eneida Miranda

Ambiente desenvolvido pelos Arquitetos Karen Morgana e Jean Bonissoni

Ambiente desenvolvido pela Arquiteta Luciene Medeiros

:: Artezanalle M贸veis :: Rodovia Osvaldo Reis, 2630 Itaja铆 - Santa Catarina (47) 3344-6974 www.artezanallemoveis.com.br


[ editorial ]

[ expediente ]

Também no computador, smartphone e tablet Esta edição, a de número 52 da revista Alto Padrão, chega com novidades. A partir de agora, você que já acompanha a publicação impressa da Mundi Editora, também poderá ler e compartilhar a revista no computador, smartphone e tablet. Você pode acessar e compartilhar as reportagens da revista no mundieditora.com.br/altopadrao. Acompanhe também no facebook (revistaAltoPadrao).

CONSELHO EDITORIAL Amanda Marques, Amauri Alberto Buzzi, Ângela Ferrari, Carla C. Back, Daniela P. Garcia, Danielle Fuchs, Jorge Luiz Strehl, Margareth Volles, Maurilio Bugmann, Odete Campestrini, Patrícia Serafim, Sidnei dos Santos, Silvana Silvestre e Valter Ros de Souza

Além do conteúdo impresso, a versão digital conta com mais fotografias, vídeos, curiosidades e acesso a mais informações. A publicação rompe a limitação física e pode ser acessada de qualquer lugar do mundo pela internet. Para isso, mais três etapas foram agregadas ao processo de produção da revista: produção multimídia, edição de vídeos e finalização – incluindo a trabalho de oito profissionais. Álbuns de fotos e vídeos disponibilizados na versão digital, contam com a produção, principalmente, do jornalista e fotógrafo Daniel Zimmermann, que já era o principal responsável pelas fotografias das revistas publicadas pela Mundi Editora. Na edição 52, primeira disponibilizada na plataforma Digital+, o leitor pode conferir um álbum de fotos especiais da reportagem de capa. Ela mostra como o conceito de color blocking, uma tendência das passarelas, também ganha espaço na arquitetura e design de interiores. A reforma de um casarão histórico em Brusque, cujo processo foi todo pensado e executado visando o pouco impacto ambiental e a sustentabilidade, também recebe o reforço de um álbum de fotos na versão digital. Assim como a reportagem que mostra o maior complexo de construções na técnica enxaimel de Santa Catarina: a Pousada Rural Mundo Antigo, em Pomerode. E, como o Inverno está aí, uma reportagem sobre diferentes tipos de café recebe o incremento de dois vídeos produzidos na Ice Café Company e na Sociedade do Café, ambas no Shopping Park Europeu. Os vídeos ensinam a preparar deliciosos drinks e permitem uma experiência a mais além da leitura habitual. No sétimo ano de circulação, a revista Alto Padrão torna-se ainda mais acessível. Na versão impresso ou digital – através do computador, smartphone e tablet – desfrute do melhor conteúdo sobre arquitetura, design, paisagismo e gastronomia. E encaminhe sugestões de reportagens pelo altopadrao@mundieditora.com.br.

/Editor-Executivo: Sidnei dos Santos Palavra Escrita Ltda. ME sidnei@mundieditora.com.br /Reportagem: Daiani Caroline Coelho, Fernando Gonzaga, Francielle de Oliveira e Iuri Marcelo Kindler /Gerente de Arte e Desenvolvimento: Lucas Gonsalves lucas@mundieditora.com.br /Diagramação: Tiago de Jesus e Adriana Baier /Projeto Gráfico: Ferver Comunicação www.ferver.com.br /Foto de Capa: Daniel Zimermann /Editora-Chefe: Danielle Fuchs Fuchs Editorial Ltda. ME danielle@mundieditora.com.br /Gerente Comercial: Eduardo Bellidio eduardo.bellidio@mundieditora.com.br /Gerente Geral Comercial: Cleomar Debarba debarba@mundieditora.com.br /Diretor-Executivo: Niclas Mund niclas@mundieditora.com.br /Circulação: circulacao@mundieditora.com.br /Sugestão de pauta: pauta@mundieditora.com.br /TIRAGEM: 3.000 exemplares /TIRAGEM VIRTUAL: 50.000 exemplares mundieditora.com.br facebook.com/mundieditora twitter.com/mundieditora

Apoio:

Boa leitura!

Sidnei dos Santos Editor-Executivo 14


47.3322.1999

. 47.3326.0536

E-mail: projetados@artenobre.net Endereรงo: Rua 7 de setembro 1069, sl.3 - Centro, Blumenau-SC.


[ sumário ] Daniel Zimmermann

Eduardo Sofiati

32 [ hospedagem Pousada reúne maior complexo enxaimel de Santa Catarina

28 [ arquitetura

Transformação sustentável

Clima lúdico no quarto das crianças

Conheça algumas das pontes mais impressionantes do mundo

Janelas abertas para outro mundo

Restaurante recupera antigo casarão

O charme das mesas de mármore

Tecnologia pela sustentabilidade

O incrível capim-dourado

Com base no crescimento da família

Ter um lago é mais fácil que parece

Cuidados necessários no Outono

16

54 [ monumentos Banco de Imagens

24 [ infantil 36 [ aquários 40 [ projeto comercial 44 [ móveis 46 [ banheiros 48 [ artesanato 50 [ interiores 58 [ paisagismo 62 [ jardinagem


GM Móveis / Divulgação

18 [ capa

68 [ cafés

Tendência da moda influencia decoração de interiores

Dicas para variar o sabor no dia a dia

72 [ gastronomia

64 [ museus Acervo preserva história recente da marcenaria Daniel Zimmermann

76 [ vinhos

O português de Blumenau

Um arsenal para degustar melhor

82 [ cervejas 86 [ festival

Surge boa artesanal no Alto Vale

As novidades que passaram por aqui

88 [ design AP 90 [ clic AP

Ponte Hercílio Luz

92 [ AP indica 96 [ agenda AP 17


[ decoração ] Daniel Zimmermann

Paredes de

18

cores únicas

caracterizam

teriores

ração de in

ng na deco

lor blocki o uso do co


Tendência do color blocking na moda inspira a decoração de ambientes

Das passarelas

para casa

Uma tendência muito presente nas passarelas está influenciando a decoração: é o color blocking, que leva tons vibrantes para os ambientes da casa. A ideia é usar cores em bloco para alegrar os espaços, sem estampas ou padronagens. Empresas tradicionalmente ligadas à moda, como Armani, Diesel, Moschino, Kenzo e Ralph Lauren, estão investindo fortemente no mercado de decoração de interiores. A Gucci foi uma das principais responsáveis por divulgar este conceito, que não usa indiscriminadamente as cores, mas cria blocos contrastantes com harmonias complementares. O efeito é alcançado quando

ja e azul em objetos, molduras, almofadas, móveis soltos e na parede atrás do sofá. “Para renovar as salas, eu precisei trabalhar as cores, criando destaques. Para isso, fiz uso do color blocking sobre uma base neutra em tons de cinza claro e escuro”, destaca.

se utiliza uma cor em conjunto com duas cores adjacentes ou dois pares de cores complementares entre si. Na hora de decorar, pode-se optar por cores frias em contraste com cores quentes, utilizando, por exemplo, uma cor quente na parede e móveis de cores frias complementares. Algumas combinações ousadas, mas que podem dar muito certo, são amarelo e roxo, roxo e verde, azul e laranja, amarelo e laranja, violeta e rosa, entre outras. Para revitalizar as salas de uma casa, o designer de interiores da Bugstudium Creative Design, Maurílio César Bugmann, utilizou detalhes nas cores laran-

Apesar de a casa ter sido construída há alguns anos, o projeto de interiores não estava concluído. Com grande potencial arquitetônico, as salas articulam-se perfeitamente com a área íntima e de serviços. A configuração forma um “L” com pé direito alto e tetos inclinados e proporciona a sensação de amplitude espacial com iluminação e ventilação naturais. Divulgação

rmite ousar

A mistura de

cores

tes torna frias e quen

o ambiente

blocking pe vel. O color

ções

nas combina

radá

alegre e ag

19


[ decoração ]

Com a personalidade dos moradores período em que moraram na Europa, onde visitaram lugares marcantes e de grande significado emocional. Desse período, selecionamos algumas peças que pudessem relembrar bons momentos”, destaca Maurílio.

No projeto de interiores da residência, além do color blocking, foi utilizada a história pessoal dos proprietários. “A personalidade deles ficou refletida no ambiente”, diz o designer. Para ele, isso é necessário para que os moradores se sintam, realmente, em casa, rodeados por coisas de admiração, que tragam boas sensações e lembranças que lhes façam bem. Sendo assim, uma das diretrizes do projeto foi que a atmosfera final dos ambientes expressasse um pouco da história pessoal dos moradores, além dos aspectos funcionais em relação ao uso dos ambientes, definição dos materiais e distribuição do mobiliário. Na troca de ideias, o designer conheceu um pouco mais da história, do dia a dia e alguns gostos e preferências do casal para utilizar nos ambientes.

Na Europa, o casal conheceu a obra do arquiteto e artista plástico austríaco Friedensreich Regentag Dunkelbunt Hundertwasser (1928-2000) que projetou um dos mais importantes conjuntos de construções do patrimônio arquitetônico da Áustria. “Devido à admiração pelo trabalho desse artista, selecionamos gravuras de obras que emolduramos para utilizar em uma parede do home theater. Para sala de estar, mandamos plottar, atrás do sofá, uma reprodução ampliada da tela ‘Pintura de FAX de 30 dias’”, ressalta Bugmann. Nesta obra, o artista trabalha cores vibrantes que contrastam com o tom azul da parede de fundo.

Por isso, foi tomado o cuidado de selecionar alguns itens dos quais eles gostavam e que pudessem ser usados de forma harmônica na ambientação das salas. “Algo de grande valor para os proprietários foi o

Outro item selecionado para compor a ambientação exclusiva do projeto foram quatro fotos das fachadas da Capela de Ronchamp,

projeto do arquiteto franco-suíço Le Corbusier, um dos mais importantes do Modernismo, utilizadas em uma das paredes da sala de jantar. Fotos originalmente coloridas foram impressas em preto e branco e ampliadas, compondo um painel confeccionado com imagens de autoria dos proprietários. “Algo realmente exclusivo e original”, afirma Bugmann. Durante a estada na Europa, o casal morou por um tempo na cidade de Aulendorf, em Baden Württemberg, na Alemanha, onde acontece, anualmente, uma festa em que as pessoas se fantasiam de bruxas, inspiradas em lendas da região. Dessa cidade, os proprietários trouxeram um conjunto de esculturas representando as bruxas. Apesar do valor sentimental, as peças estavam guardadas sem utilização. “Como lembrança desse período, emolduramos as peças, tendo como fundo o laranja, usado em outros pontos da decoração”, destaca. Divulgação

Plotter repr

oduz, de fo

20

rma amplia

da, a tela ‘P

intura de FA

X de 30 dias

’, do artista

plástico au

stríaco Frie

densreich Hu

ndertwasse

r


Daniel Zimmermann

Acesso ao mezanino Segundo o proprietário e autor do projeto arquitetônico, arquiteto Mairo Volkmann, a concepção do projeto original previa a execução de um mezanino que serviria como acesso à sala de som. Com a reforma das salas, foi executado o mezanino e a escada, com design exclusivo e estrutura metálica aparente. Devido ao aspecto industrial, a escada funciona como um contraponto aos demais materiais de acabamento. Com design diferenciado, ela foi projetada por Volkmann com degraus em leque, posicionados estrategicamente para que o usuário inicie sempre a subida com o pé direito.

“Devido à admiração pelo trabalho de Hundertwasser, selecionamos gravuras de obras que emolduramos para utilizar em uma parede do home theater” Maurílio Bugmann

Iluminação A iluminação das salas foi pensada para valorizar o espaço como um todo, criando destaques para diferentes focos de interesse nos ambientes. Ao mesmo tempo, ela os integra e os individualiza.

A ilumin

pensad ação foi

a para cr

iar áreas

de

interesse

Com mangueiras de LED na parte superior de prateleiras e trilhos com spots reguláveis com lâmpadas tipo AR e Par20, a iluminação contribui para a atmosfera aconchegante das salas. 21


[ decoração ]

Divulgação

Peças de design O uso de peças consideradas clássicas do design internacional no projeto de interiores proporciona um charme vintage aos ambientes. Duas poltronas Tulipa (1965), com design do francês Pierre Paulin (1927), em couro marrom escuro, foram usadas para compor o layout da sala de estar, além de uma réplica da famosa luminária de mesa retrô com cúpula de vidro e base cromada, modelo MT8, de 1923, de Wilhelm Wagenfeld, uma das mais famosas peças de design da Escola Bauhaus.

Conceito da moda, com peças de cores únicas e sem estampas, ganha espaço na decoração de interiores

Fotos Daniel Zimmermann

Design de Interiores Réplica

22

da lum

inária d

e mesa

retrô co

m cúpu

la de vid

ro e ba

se crom

ada, de

Maurílio César Bugmann Bugstudium Creative Design (47) 3340-3507/ 9985-1985 bugstudium.blogspot.com.br bugstudium@bugstudium.com.br Wilhelm

Wagen fe

ld


Daniel Zimmermann

A antiga

cristaleira

e fotos fe

itas pelo

casal na Eu

ropa garan

tem o toq

ue pessoal

na decoraç

ão

Móveis de família têm releitura De acordo com Maurílio, algo que os proprietários mostraram logo no início do projeto foram algumas peças de mobiliário que pertenciam aos antepassados e que gostariam de preservar e utilizar na decoração. O conjunto de peças era constituído por uma cristaleira, mesa de centro, de canto, uma mesa de jantar com oito cadeiras, aparador tipo console e espelho com moldura entalhada. “Os móveis eram feitos de madeira de lei envernizada, tinham belíssimos detalhes entalhados e estavam em bom estado de conservação. Estudei as peças, selecionando as que ficariam bem no layout, e decidi pintar a maioria com laqueado branco e algumas em cinza es-

curo brilhante, fazendo uma releitura das peças para que fazessem parte da composição do novo look das salas. A repaginação do conjunto de peças valorizou o projeto e preserva a memória da família”, afirma Maurílio.

conteúdo multimídia Veja mais fotos em mundieditora.com.br/altopadrao 23


[ infantil ]

O lúdico invade

os quartos Personagens de desenhos animados ajudam a desenvolver a criatividade da criança com jogos e brincadeiras

Fotos Daniel Zimmermann

Planejar o quarto do bebê é, sem dúvida, uma das tarefas mais prazerosas das futuras mamães. Assim como a compra da primeira roupinha, o primeiro presente e a emoção da ultrassonografia, a escolha das cores e até a disposição dos móveis mexem com o emocional e a criatividade das gestantes. A sócia-proprietária da Schwanke Baby & Kids, Margit Schwanke Ruediger, conta que, assim que as mães descobrem o sexo do bebê, já começam a pesquisar na internet ou em revistas de decoração um tema que querem para o quarto do 24

filho. “Geralmente, quando a grávida chega à loja e busca pela decoração e itens, ela já tem em mente o que deseja”, conta. Mesmo com os tempos modernos e novas tendências, o branco e os tons beges estão muito presentes, pois trazem um ar de leveza e elegância ao ambiente onde o bebê passará os primeiros meses. Segundo Margit, o sexo também delimita algumas escolhas. “Quando é menina, a mãe prefere os tons claros, como rosê, verde-oliva claro e rosa claro. Para elas, as principais

opções são os temas românticos, com rendas e frufrus. No caso do casal esperar um menino, o pai já opina mais. Os quartos, geralmente, têm temas de times de futebol, Fórmula-1 e Navy, com tons predominantes de azul, vermelho e bege”, afirma. Um personagem adorado pelos pais e campeão na preferência é o ursinho, tanto para meninas, quanto para meninos. Como o ursinho de pelúcia esteve presente na infância dos, agora papais e mamães, eles acabam transferindo esta preferência para o quartinho do bebê.


Cor azul, soldadinhos e ursinhos são constantes nos quartos de bebês do sexo masculino

Mesmo com os tempos modernos e novas tendências, o branco e os tons beges estão muito presentes, pois trazem um ar de leveza e elegância ao ambiente onde o bebê passará os primeiros meses

25


[infantil ] Fotos Daniel Zimmermann

Amadurecimento e escolhas próprias Quando a criança tem por volta de dois anos, começa a expressar os próprios gostos. Nessa idade, os canais de TV e filmes têm grande influência sobre os pequeninos. Geralmente, os temas até os cinco anos são os lúdicos, com o objetivo de desenvolver a criatividade através de jogos e brincadeiras. “O quartinho precisa ser um lugar alegre e descontraído, que estimule a imaginação dos pequeninos, a partir de cores alegres e cheios de brincadeiras”, destaca Margit. Assim como para o bebê, a decora-

ção do quarto para os maiorzinhos inicia com a escolha do tema. Os desenhos são os preferidos. Estão na lista Thomas e seus amigos e filmes da Disney, como Carros, com forte apelo para os meninos; e Princesas e Little Pony, para as meninas.

persianas, colchas, brinquedos, até o formato da cama para criar a história. “Os diversos tecidos em tons lisos, xadrez, listras e estampas dão um toque para a composição. O resultado é um quarto perfeito”, destaca Margit.

Além desses temas, também tem a Turma do Mickey, Ursinho Puff, Soldadinho de Chumbo, Meios de Transporte, Toy Store, Buzz, Piratas do Caribe, entre outros. A decoração com os temas vai desde enfeites, papéis de parede, quadros, tapetes,

Atento a estes temas, o mercado lança diversos produtos. “É um processo de pesquisa constante em viagens para a Europa. Os papéis de parede são importados exclusivamente para a composição dos projetos”, finaliza.

A partir dos dois anos, meninos e meninas já começam a opinar sobre a decoração do quarto e a expressar gostos e traços da personalidade

26


[ arquitetura ]

Fotos Eduardo sofiati

Restauração

Casa de 1890 é transformada em show room em processo que respeita o meio ambiente

sustentável

28

Um show room que traz o aconchego do lar. Assim é a Casa Atlântica, uma vitrine permanente que apresenta os produtos do Grupo Atlântica Cama e Banho. Inaugurado em março, em Brusque, o espaço também preserva um dos princípios básicos da empresa: o cuidado com o meio ambiente.

O projeto e acompanhamento da obra foram dos arquitetos André Sani e Rafaela Richter, do escritório Kubbo Arquitetos. Eles também contaram com a assessoria do consultor de materiais eco-eficientes, Erico Valter Neumitz, que auxiliou na escolha dos materiais utilizados na restauração.

Para abrigar o show room, foi reformada uma antiga residência, propriedade da empresa, e que data do ano de 1890. Toda a restauração foi realizada utilizando materiais reaproveitados, os chamados craft industry e eco produtos. Tudo com objetivo manter as principais características dos ambientes.

Segundo os arquitetos, uma das principais dificuldades encontradas na elaboração do projeto foi o tempo. “Entraram em contato conosco no início de fevereiro e queriam inaugurar o espaço na primeira semana de março. Por isso, tivemos praticamente um mês para desenvolver o projeto e executar a obra”, destaca Rafaela.

Apesar do pouco tempo, os arquitetos conseguiram atingir o objetivo da restauração: aliar a história à sustentabilidade. A parte estrutural da residência não foi modificada, preservando elementos originais, como o piso de madeira dos dormitórios, o piso cerâmico dos banheiros e os tacos de madeira existentes na copa. “Em alguns ambientes, optamos por descascar o reboco e deixar aparente a parede com o tijolo original da residência. Dá um contraste maior”, saliente Sani. Os móveis escolhidos para compor os ambientes foram garimpados em antiquários e lojas de móveis usados.


“Alguns desses móveis foram recuperados pelos próprios funcionários da empresa. Outros foram fabricados em madeira de demolição por lojas especializadas nesse tipo de material, ou foram desenvolvidos com a madeira reaproveitada da própria casa”, enfatiza Rafaela.

pensamos em um pergolado feito com toras de bambu e cobertura em policarbonato para manter a luminosidade natural. Os pilares que sustentam esta estrutura foram feitos com madeira de demolição e o fechamento foi feito com portas de correr em vidro temperado”, destaca Rafaela.

No total, foram projetados seis dormitórios, um banheiro, um lavabo e uma copa com cozinha integrada. Todos esses ambientes situam-se no pavimento térreo. Além deles, foi projetada uma área externa para ser utilizada pelo departamento comercial da empresa no atendimento aos clientes.

O paisagismo ao redor da residência também foi valorizado. Traves-

Para a área de atendimento, foi projetada uma ampliação que contorna uma das laterais e os fundos da residência. “Para esse espaço,

sas feitas a partir da madeira de demolição sinalizam o caminho até a entrada principal. Foram reaproveitadas algumas peças de bambu, transformadas em balizadores, e peças sucateadas da própria fábrica – como rolos de fios transformados em mesas para o jardim. “Futuramente, a ideia é transformar a parte externa em um local para os funcionários da empresa descansarem entre os turnos de trabalho”, diz Sani.

conteúdo multimídia Veja mais fotos em mundieditora.com.br/altopadrao

Recuperação da estrutura Para poder restaurar todos os elementos que formam a identidade da residência, Rafaela e Sani buscaram materiais que não tirassem as características e o aspecto originais de cada local. “Como a empresa preza pela filosofia de sustentabilidade, desde o início, optamos por utilizar produtos sustentáveis e ecologicamente corretos”, ressalta a arquiteta. As paredes da fachada, por exemplo, passaram por um processo de hidro-jateamento – jato de água com alta pressão e uso de uma solução de água e hipoclorito de sódio. Essa solução eliminou a camada externa de pintura, fazendo com que as cores originais – tons de verde, azul e avermelho – surgissem novamente. Em seguida, pra proteger a superfície, foi aplicada uma emulsão à base de silicato de potássio. O mesmo produto foi utilizado em algumas paredes internas que tiveram o reboco removido. “Essa emulsão apresenta grande durabilidade, retardando a necessidade de nova pintura. Além disso, oferece proteção contra fungos e é resistente ao fogo”, destaca Rafaela. Assoalho, forro e madeiras de demolição que foram reaproveitadas também receberam proteção de óleos naturais de oiticica e mamona. Além de garantirem mais beleza ao material tratado, esses produtos protegem a madeira contra a ação dos raios solares e umidade.

Móveis reaproveitados e madeira de demolição caracterizam a decoração dos ambientes

29


[ arquitetura ]

Fotos Eduardo sofiati

Sustentabilidade Construção sustentável é aquela que promove intervenções sobre o meio ambiente, adaptando-o às necessidades de uso, produção e consumo humano, mas sem esgotar os recursos naturais. Foi partindo desse princípio que o consultor de materiais Erico Valter Neumitz procurou produtos que minimizassem a agressão ao meio ambiente durante a restauração. Para isso, foram utilizados produtos de baixo ou médio impacto nos casos que não existem opções de eco-produtos; os produtos reciclados ou que mesclem matéria-prima ecológica com outras de baixo impacto; e os produtos recomendados, obtidos com o mínimo de dano ao meio ambiente, com matérias-primas naturais renováveis ou reaproveitáveis e que também resultem em benefício para a saúde do consumidor.

Toda a restauração da Casa Atlântica foi feita utilizando solventes, óleos, massas e tintas de origem natural, livres dos chamados Compostos Orgânicos Voláteis (COVs). Os COVs, presentes em tintas e solventes convencionais, causam

sérios impactos ambientais e prejudicam tanto a saúde dos trabalhadores – na fase de construção –, quanto a saúde dos futuros usuários do ambiente em que eles são aplicados. Por isso, há a tendência em deixar de usá-los.

Projeto futuro A restauração da casa ainda não terminou. Além da parte externa, que será transformada em um local para recreação dos funcionários da Atlântica, o segundo andar da residência vai receber uma nova decoração: será um Hotel Boutique para hospedar e receber amigos, clientes e representantes da empresa.

Mais informações Kubbo Arquitetos André Sani – asani.arq@terra.com.br Rafaela Richter – arq.rafaela@terra.com.br (47) 3232-8806 www.kubboarquitetos.com.br

Consultor de Materiais Eco-eficientes Erico Valter Neumitz (47) 9119-0898 ericovn@gmail.com

30


[ hospedagem ] Fotos Daniel Zimmermann

32


Volta

Pousada Rural Mundo Antigo é considerada o maior complexo no estilo germânico do Estado

no tempo

Preservar a história e a tradição dos colonizadores alemães não é tarefa fácil. Juntar isso a um lugar tranquilo, de natureza exuberante, é mais difícil ainda. Mas não é impossível. Em Pomerode, a cidade mais alemã do Brasil, é possível encontrar essa combinação na Pousada Rural Mundo Antigo, que alia beleza, tradição e tranquilidade. São mais de 750 mil m² de muito verde, cachoeiras e jardins floridos. No local, o que mais chama a atenção são as pequenas casas na técnica enxaimel, onde os hóspedes ficam. Ao todo, são 11 casas distribuídas pela propriedade. Sendo que, dessas, oito estão disponíveis para hospedagem.

Cada uma é dividida em dois cômodos, onde cabem até cinco pessoas. Com decoração rústica, mas sem deixar o conforto de lado, elas remetem a tempos antigos, quando a simplicidade e o contato com a natureza faziam parte da rotina. “Os chalés estão instalados em meio às paisagens, onde é possível ouvir até o som das cachoeiras. Cada um tem uma cama de casal, duas camas de solteiro, uma bi-cama, ar-condicionado, frigobar, televisão e internet”, destaca Adolar Fischer, proprietário da pousada. A propriedade onde está localizada a Pousada Mundo Antigo pertence à

família Fischer desde 1924. A ideia de criar o negócio surgiu em 1997, depois de uma viagem que Adolar e a família fizerem para Gramado, no Rio Grande do Sul. Na ocasião, eles visitaram o Mini Mundo, um parque que traz cidades inteiras em miniatura, inclusive cidades europeias, onde a técnica enxaimel predomina. “Em Pomerode, nós tínhamos casas assim em tamanho real. Então, por que não abrir para o público?”, salienta Adolar. Hoje, o local é considerado o maior complexo de construções na antiga técnica germânico de Santa Catarina. E será ampliado. Outras nove unidades estão sendo construídas.

33


[ hospedagem ]

Gastronomia e lazer Além de descansar em uma aconchegante casa enxaimel, na Pousada Mundo Antigo também há um restaurante com café colonial e pratos caseiros da culinária típica da região. Entre as especialidades, estão marreco recheado, eisbein, chucrute e repolho roxo, entre outros. Quem não está hospedado também pode saborear os pratos, já que o estabelecimento abre para o público nos fins de semana e feriados. Quem procura fugir da rotina também

pode aproveitar as diversas opções de lazer, como passeios de charrete, cavalgadas, pedalinhos, pescaria, canoagem e trilha para caminhada. Também há piscina, quadras poliesportivas, playground e uma sala de jogos, com tênis de mesa, sinuca, cama elástica, entre outros. A pousada é ideal para quem quer se afastar da correria do dia a dia e descansar. Aproveitar o ar puro para dar uma volta pela propriedade e ver as diversas constru-

Veja mais fotos e assista ao vídeo em mundieditora.com.br/altopadrao

34

Ele também conta que muitos utilizam o local para eventos, ou como cenário para books de aniversários e casamentos. A pousada já foi, inclusive, capa de CD de bandas típicas e é constantemente escolhida por grupos folclóricos para as fotos de divulgação. Fotos Daniel Zimmermann

conteúdo multimídia

ções, plantas e animais que circulam livremente. “Aqui, as pessoas têm privacidade. É realmente um lugar para se afastar de tudo”, salienta Adolar.


O complexo de construções enxaimel está localizado em meio à natureza exuberante da zona rural de Pomerode. A decoração rústica das casinhas completa o clima bucólico

Pousada Rural Mundo Antigo Rua Ribeirão Herdt, 1830, Ribeirão Herdt, Pomerode, SC (47) 3387-3143 www.mundoantigo.com.br

35


[ aquários ]

Fotos Banco de Imagens

Janela para

Aprenda como montar, cuidar e manter um aquário dentro de casa ou no escritório

outro mundo

36

Um aquário não é apenas uma caixa de vidro com peixinhos, plantinhas e decoração, mas uma excelente atividade de lazer. Milhões de pessoas já descobriram o divertimento, a satisfação e o relaxamento que se consegue mantendo aquários cheios de peixes coloridos dentro de casa, ou mesmo no escritório.

De acordo com o veterinário e proprietário da Atol Pet, Adriel Ghizoni Rohling, uma das vantagens de se ter um aquário em casa é que ajuda as crianças a desenvolverem a disciplina quando tornam-se responsáveis por cuidar dos peixinhos. Também ajuda no conhecimento de Biologia, Física e Geografia.

Não importa o espaço, sempre é possível encontrar lugar para um aquário. Além disso, os peixes são ideais para as pessoas que não têm tempo de cuidar de animais de estimação.

Existem vários tamanhos de aquários de água doce e marinha, que variam de meio litro até cerca de mil litros. Atualmente, já existe no mercado o sal sintético para aquá-

rio marinho – um quilo faz 30 litros de água marinha. Adriel explica que o aquarismo é um hobby e que a pessoa precisa ler e entender como funciona. “Se a pessoa for montar um aquário no estilo amazônico, ela precisa ter produtos que simulem o ecossistema do Rio Amazonas. É como se estivesse tirando um pedacinho da Amazônia e trazendo para dentro de casa. Assim, os peixes vão viver mais, pois se sentirão no habitat natural”, ressalta.


Como montar um aquário Para mostrar como é fácil e não dá trabalho ter um aquário em casa, Adriel ensina como montá-lo. Esse aquário completo, já com peixinhos, custa, em média, R$ 1.200,00. 1º passo: uma cuba de vidro temperado com sistema de filtragem. Prefira aqueles acima de 50 litros e retangulares, para ter uma maior estabilidade química e biológica, praticidade e mais espaço para uma maior variedade de peixes e plantas. 2º passo: coloque o cascalho de rio lavado, de preferência, as pedras miúdas, para uma melhor fixação das plantas. Coloque diretamente no vidro, com uma espessura de 3 a 5cm. 3º passo: para a decoração, pode-se usar tronco natural, pedras e folhas artificiais. 4º passo: colocar a água, que pode ser da torneira e depois adicionar um condicionador de água. Testar o pH da água também é importante. 5º passo: colocar os peixes. Adriel optou por colocar cerca de 20 peixes do Rio Amazonas, como néon-cardinal, acara-bandeira e mato-grosso. Evite colocar mais de um centímetro de peixe para cada litro de água. Adriel orienta nunca levar peixes para casa no mesmo dia em que comprou o aquário, pois um ambiente aquático leva cerca de seis meses para equilibrar-se por completo. No mesmo dia da montagem do aquário, ou poucos dias depois, o ambiente ainda é inadequado para qualquer tipo de peixe. A razão é que, o verdadeiro filtro de um aquário são bactérias que se reproduzem por todo o ambiente e processam elementos perigosos e até fatais aos peixes, como a amônia e o nitrito. Por isso, espere, no mínimo, 15 dias para colocar os peixes. Quando comprar um peixinho, deixe o saco flutuando no aquário por cerca de 10 minutos. Depois, coloque água do aquário dentro do saco de cinco em cinco minutos, até que o pH esteja semelhante. Então, solte somente os peixes, sem a água.

Manutenção A manutenção de um aquário é bastante simples, mas não pode deixar de ser feita - Alimentar os peixes todos os dias, com uma ração de qualidade - Efetuar testes básicos com a água a cada 15 dias - Limpar os vidros usando limpadores magnéticos (pela praticidade e eficiência), sempre que necessário - Aspirar a sujeira depositada no cascalho, usando um sifão próprio, e retirar entre 25% e 30% da água do aquário a cada 30 dias. - Após a retirada da água com a sujeira do cascalho, dose um condicionador de água no aquário de acordo com a quantidade de água retirada. Exemplo: em aquários de 120 litros são retirados 38 litros de água. Dose 5ml de condicionador de água diretamente no aquário ou em um balde onde esteja a água da torneira que será posta para repor a que foi retirada.

37


[ aquários ]

Alimentação No mercado, há vários tipos e marcas de ração para peixes. O erro da maioria dos aquaristas iniciantes é alimentar os peixes em excesso. O segredo para evitar isso é criar uma rotina de alimentação. Peixes vivem para comer, portanto, é natural que, ao passar alguém na frente do aquário, eles fiquem alvoroçados, mesmo que estejam bem alimentados. Adriel aconselha nunca jogar muita ração no aquário. “Quando a ração é jogada em grande quantidade, ela afunda e se espalha por todo o aquário. Isso suja o ambiente e traz diversas doenças para os peixes”, ressalta. A melhor maneira de alimentá-los é jogar entre três e cinco flocos de ração na água e esperar. Quando estiver acabando, repita a operação, até perceber que o ímpeto dos peixes em pegar mais alimentos diminui e, então, pare. Os peixes podem ser alimentados entre duas e três vezes ao dia. Hoje, também existe no mercado um aparelho de alimentação automática e iluminação com timer, que facilita o dia a dia e até mesmo quando é preciso fazer uma viagem.

Fotos Banco de Imagens

Peixe Betta O peixe Betta é um dos mais populares do mundo, graças à beleza e à marcante característica de não necessitar de equipamentos no aquário para a sobrevivência. Isso torna a aquisição do aquário mais econômica e a manutenção simples, pois eles vivem sozinhos.

38


[ projeto comercial ]

A casa da Casarão da família Lorenz, de Timbó, foi revitalizado e deu lugar ao restaurante Naoma

Oma

À noite, a iluminação destaca ainda mais o casarão que serviu de residência para a família Lorenz

A arquitetura tipicamente alemã do tradicional casarão da família Lorenz sempre chamou a atenção de moradores e visitantes de Timbó. Tombada pelo Patrimônio Histórico de Santa Catarina, a casa estava fechada há 12 anos. O charme e a elegância do local fizerem com que o casal de empresários Cleomir de Souza e Marcela Conaco alugassem a casa para montar o Restaurante Naoma. 40

A configuração da casa de três andares e amplos cômodos foi mantida para receber o restaurante, inaugurado em 29 de fevereiro. Cleomir explica que, como a casa é tombada, não se pode modificar a estrutura e o visual externo. Assim, manteve as mesmas cores de janelas e paredes, brancas e vermelhas, respectivamente.

A casa foi toda revitalizada e Cleomir procurou manter ambientes distintos entre os andares. O térreo ficou dedicado ao happy hour e à cozinha internacional e o segundo andar às pizzas à la carte, assadas no forno à lenha. A entrada até a recepção é feita com troncos de madeira no chão e


Tijolos à vista e o assoalho original da casa garantem o clima especial. Espécie de varanda com janelas deixa a luz externa entrar e servia de espaço para leitura leitura

um belo jardim. Uma banheira, retirada da suíte da casa, foi colocada na entrada do restaurante e serve, segundo Cleomir, para ocasiões especiais. “Encho a banheira com gelo e coloco vinhos e champanhes”. Na recepção, foi tirado todo o reboco da parede, deixando os tijolos à mostra. A iluminação com lustres está em todos os cômodos. Uma máquina registradora antiga também foi comprada em uma loja de antiguidade para fazer parte da decoração e combina com um velho aparelho de telefone. Nos outros locais do térreo, a pintura branca nas paredes foi mantida e o chão recuperado, pois 99% da madeira são originais da casa. “As madeiras foram apenas lixa-

Saindo da área da cozinha internacional para a escada que dá acesso ao segundo andar, onde é a pizzaria, a parede é sem reboco, para mostrar que ali já começa outro espaço. No segundo andar, ficavam três quartos e, cada um possui um canto com abertura de vidro, pois, antigamente, era costume fazer um espaço para leitura que aproveitasse a luz do dia. Uma varanda com floreira também dá lugar para as mesas.

das e envernizadas”, explica o proprietário do restaurante. A maioria dos móveis é feita com madeira de demolição. O biombo da entrada para o banheiro masculino, que fica ao lado da recepção, foi feito com portas retiradas da própria casa. Na estrutura do balcão do bar foram reutilizados tijolos e, para as prateleiras, tábuas da própria casa. Em outro espaço com mesas e cadeiras ficou a área da cozinha internacional.

O espaço onde era o banheiro da casa foi modificado. A parede foi derrubada e deu lugar ao parapeito feito de madeira de demolição, pois, de lá, consegue-se ver a recepção. Nesse local, também há um banco de madeira feito de máquina de lavar antiga, da tradicional marca Wanke, de Indaial.

O cardápio, assinado pelo chef Ricardo Bernardini, foi organizado com pratos de diversos países, como Portugal, Inglaterra, Moçambique, França, Grécia, Malásia, Itália, Tailândia, Turquia, Estados Unidos e México, entre outros.

Fotos Daniel Zimmermann

Em dias especiais, a velha banheira serve para gelar a bebida

41


[ projeto comercial ]

Happy hour Os apaixonados por futebol se encontram em dia de jogos na área temática: um ambiente totalmente decorado com o esporte preferido dos brasileiros. O chão tem grama sintética e até uma trave decora o ambiente, imitando um campo de futebol. O espaço tem mesas e cadeiras e aparelhos de televisão para os clientes assistirem aos jogos. As paredes têm quadros com camisetas autografadas de vários clubes de futebol. Um deck com mesinhas, bancos com almofadas brancas e guarda-sol é o espaço ideal para o happy hour, com drinks, cervejas especiais e chope. O deck não pertencia à casa, foi montado na lateral e na frente.

Curiosidade Em 26 de agosto de 1882, nasceu, em Blumenau, Fritz Lorenz, filho de Thusnelda Müller e Robert Lorenz. Do primeiro casamento, com Marie Sgholz, ele teve quatro filhos e, em 1920, a esposa faleceu. Em 1921, Fritz Lorenz casou-se com Gertrud, popularmente conhecida como Oma Lorentz e, deste casamento, teve mais quatro filhos. Em 1924, construiu, na rua hoje nomeada Fritz Lorenz, a primeira casa com suíte de Timbó, onde morava com a esposa e os oito filhos. Em 22 de abril de 1959, Fritz Lorenz faleceu e a esposa permaneceu morando no casarão, mas alugou o segundo andar para jovens solteiros. Em 21 de julho de 1999, Oma Lorentz faleceu e a casa ficou fechada até meados de 2011, quando, nesse mesmo ano, o casarão passou por uma grande restauração para dar lugar ao restaurante Naoma.

Naoma Restaurante Rua Fritz Lorenz, Bairro Quintino, Timbó, SC Terça a quinta-feira, a partir das 19h; Sexta, sábado e domingo, a partir das 18h. www.naoma.com.br

conteúdo multimídia Veja mais fotos em mundieditora.com.br/altopadrao Fotos Daniel Zimmermann

42


[ móveis ]

Elegância

durável

Conferindo elegância aos mais variados ambientes, o mármore está presente na construção de inúmeros móveis, famoso pela durabilidade. Com as mesas não é diferente. Hoje, existem muitas opções que vão desde aquela mesa feita totalmente de mármore, ideal para jardins e outros espaços abertos, até aquela menor

e mais discreta, com pés feitos de outro material e que fica muito bem em pequenas cozinhas.

Por ser uma rocha formada por vários componentes que, juntos, dão origem aos diferentes desenhos, o mármore oferece combinações de cores e texturas únicas. Cada mesa

Além de maior durabilidade, mesas de mármore trazem sofisticação aos ambientes

é diferente. As cores, que podem ir do branco até o preto, também aparecem em tons que variam entre verde, amarelo e vermelho. Entre os modelos disponíveis estão mesas retangulares com seis e oito lugares, redondas e quadradas. Todas vêm em tons sóbrios que trazem requinte ao ambiente.

Fotos: Daniel Zimmermann

Tons sóbrios e requintados caracterizam as mesas de mármore, que podem ser usadas desde o jardim até em charmosas cozinhas

44


Por serem maiores, as retangulares são ideais para salas de jantar ou espaços mais amplos. Os modelos redondos e quadrados são indicados para espaços menores, podendo ficar na própria cozinha, já que conferem um ar mais aconchegante ao ambiente. “As mesas em mármore compõem ambientes desde os mais clássicos até os contemporâneos, trabalhando em perfeita harmonia com diversos estilos de cadeiras e poltronas”, salienta a gerente de vendas da Dimy’s Bath & Home, Mônica Dellagnolo. O mármore costuma ser um pouco mais caro do que a madeira e o vidro, os materiais mais comuns na construção de mesas. Mas vale investir no produto pela durabilidade do mineral. Além de trazerem sofisticação, essas mesas oferecem vantagens na hora da limpeza. Para mantê-las com aspecto de novas por mais tempo, deve-se utilizar apenas uma escova macia ou um pano úmido, água e sabonete neutro, pois o uso de outros produtos industrializados pode ocasionar manchas e fazer com que a peça perca o tom original.

Algumas mesas de mármore contam com a proteção da laca. Trata-se de uma resina produzida por certas árvores que protege a pedra e ajuda a mantê-la limpa. “A laca é uma tendência muito forte, que traz beleza e sofisticação desde a linha de móveis em geral até a linha de mármore. A grande vantagem dessa resina é a vitrificação da pedra, que proporciona um efeito espelhado, além de dar um belo acabamento à peça”, ressalta Mônica.

Dimy’s Bath & Home Rua Sete de Setembro, 1829 Centro – Blumenau (47) 3035-6789 www.dimys.com.br

45


[banheiros ]

Moderno e

sustentável

Tecnologia permite maior conforto aos usuários e ajuda a evitar o desperdício de água A tecnologia está cada vez mais presente em todos os cômodos da casa. E o banheiro, nos últimos tempos, tem recebido atenção especial. É o caso do modelo high tech do designer italiano Stefano Giovannoni, desenvolvido para a Toto. O estilo é simples e moderno, com todos os avanços tecnológicos para um banheiro.

Os fãs de design high tech também vão se interessar pela torneira digital criada por Min Kong. A Flat-Fold possui design arrojado e foi desenvolvida com um painel sensível ao toque. É possível personalizar como a água será liberada, bem como o sistema que será utilizado. Também existem sistemas pré-estabelecidos, incluindo um para evitar o desperdício. Quem optar por uma torneira personalizada, a Flat-Fold permite selecionar a temperatura, pressão e como será a saída da água. Outra torneira curiosa possibilita que você ajude na preservação do Planeta enquanto lava as mãos. É a One Liter Limit. Segundo estudos, cada vez que lavamos as mãos usamos apenas um litro de água, mas mandamos seis pelo ralo. Com esta torneira, podemos usar exatamente um litro para a tarefa. O design futurístico lembra um tubo de laboratório. É neste recipiente transparente que a água fica reservada. Ao abrir a torneira, o tubo libera a água e trava, automaticamente, quando o recipiente estiver vazio. É preciso esperar até que o reservatório volte a ficar cheio para poder usar a torneira novamente. 46

Fotos Divulgação

A promessa é de que não é o usuário que vai tomar conta do banheiro e, sim, o contrário. Ele foi desenvolvido para mimar as pessoas, com assento aquecido, desodorizante, funções no controle remoto, autolimpeza, design inovador e revestimento único para mantê-lo limpo e higiênico.

Já a torneira high tech permite personalizar a quantidade de água que será liberada

Torneira ecológica garante que usuário gastará apenas um litro de água para lavar as mãos


[ artesanato ]

O ouro do

Jalapão

Agência Brasil

O capim-dourado só brota nas veredas do Jalapão, região do Tocantins que atrai cada vez mais turistas que buscam natureza exuberante. A haste fina e de brilho metálico intenso é usada pelos artesãos do lugar, geralmente mulheres, para produção de uma diversidade de peças: bolsas, brincos, pulseiras, chapéus, mandalas, cestas e diversos objetos de decoração. Peças de beleza única, que ultrapassaram os limites do Tocantins, conquistando mercado em todos os estados brasileiros e no Exterior.

Planta da família das sempre-vivas é matéria-prima para a produção de utensílios e ornamentos

A arte de trabalhar com o capim dourado foi ensinada às mulheres do Jalapão por Dona Miúda, uma matriarca do povoado de Mumbuca, Município de Mateiros. Antes, a técnica foi passada pelos índios que habitavam a região à avó de Dona Miúda e depois à mãe dela. As técnicas do artesanato em capim dourado continuam sendo ensinadas no povoado de Mumbuca e também nas cidades de Mateiros, Ponte Alta, Novo Acordo, Santa Tereza, Lagoa do Tocantins e no Prata, um vilarejo do Município de São Felix do Jalapão.

O capim Na verdade, o que se chama de capim-dourado (syngonanthus nitens) é a haste de uma pequena flor branca da família das sempre-vivas. É na flor que se encontram as sementes que garantem a perpetuação da planta (endêmica do Jalapão) e a renda para centenas de famílias. Depois de seco, o capim-dourado 48

está pronto para ser trabalhado pelas artesãs. O grande desafio é fazer extração controlada da planta, que corre risco de desaparecer da região do Jalapão caso o manejo não seja correto. Mumbuca é uma comunidade de ex-escravos, remanescentes de quilombos. Lá, a planta cresce abundantemente entre abril e junho e so-

mente pode ser colhida de setembro a novembro. Toda a região do Jalapão trabalha com o capim-dourado fazendo deste artesanato a principal fonte de renda das famílias. A importância é tanta que a planta recebeu o apelido de ‘ouro do Jalapão’. Compras podem ser feitas pela internet, através de sites como www.capimdouradojalapao.com.


[ interiores ]

A chegada de um novo membro na família deu o norte para a reforma do apartamento

O bem-estar em

primeiro lugar

A praticidade seguida da necessidade de espaço para a boa circulação foram as bases para o projeto da designer de interiores Adriana Scartaris, em um apartamento de 220m². A obra para a nova residência contou com a troca de todos os revestimentos, além da instalação de ar condicionado, som ambiente, home theater integrado, novo projeto luminotécnico e forros em gesso. Para atender uma jovem família de pai

e mãe com menos de 40 anos, uma filha de 17, outra de 15 e um bebê de 6 meses, a profissional percebeu que todas as escolhas giravam em torno das necessidades do mais novo membro da família, que pedia praticidade, espaço para brincar e correr, móveis sem cantos vivos e materiais que pudessem facilitar a limpeza. Usando cerâmica no living e no terraço, com apenas um tapete em couro no primeiro ambiente, Adriana pre-

zou pela futura liberdade do bebê, com os primeiros passos, e para que tudo ficasse bem prático na manutenção, com uma melhor fluidez nos espaços e cantos levemente arredondados em todos os móveis. A principal tendência apresentada neste projeto foi o uso de cores básicas com toques de tons vibrantes, além da mistura de materiais naturais. Para a cozinha, detalhes em vidro vermelho trazendo a cor de preferên-

Fotos Divulgação

50


cia da dona da casa, enquanto os quartos das filhas foram coloridos com as tonalidades que mais as agradavam. A opção por vidros aplicados nas portas, tanto da cozinha, quanto dos quartos das meninas, abre caminho para facilitar a troca da cor quando sentirem necessidade, sem grandes investimentos ou dificuldades. Já para o living, terraço gourmet e demais ambientes, o pedido foi por aconchego para que os moradores estivessem sempre em um “ninho”, criado por conta da mistura de materiais naturais como algodão, couro, pastilhas de coco, objetos em madeira e fibras. Soluções básicas de automação foram suficientes para atender o cliente em suas necessidades, como som ambiente, home theater e iluminação integrada no living, que privilegia a luz aconchegante e quente, sem pontos que ofusquem a visão. Para os ambientes internos, a iluminação é feita com dimmer para cenas de estudo e repouso. Para dar mais realce ao projeto, o uso de revestimento de alta qualidade ficou por conta do porcelanato espanhol padrão crema marfil, com destaque para os inserts no hall de entrada, onde há um luxuoso papel de parede com grandes flores, igualmente utilizado no lavabo, ambos customizados com aplicação de pedras swarovski nas cores âmbar e prata. Ao todo, foram aplicados 2,6 mil cristais nos dois ambientes. 51


[ interiores ]

Fotos Divulgação

Contemporaneidade Há mais de 25 anos, a designer de interiores e artista plástica Adriana Scartaris, desenvolve projetos combinados ao estilo contemporâneo e ao universo particular de cada cliente. Sempre alinhados aos conhecimentos acadêmicos, seus trabalhos ganharam toques especiais e arrojados ao longo da carreira, como técnicas de terapias complementares que lhe renderam publicações em diversas revistas especializadas, premiações e participação em mostras renomadas como as últimas três edições da Casa Cor São Paulo e, em 2010, da Equipotel e Beauty Fair.

52


[ monumentos ] Obras feitas para atravessar rios viram cartões-postais e monumentos históricos

uma ponte?

Tem certeza que é apenas Elas têm a função de permitir a passagem, geralmente de veículos automotivos, sobre vãos de rios ou outras formações. Também podem servir unicamente a pedestres, mas sempre com o objetivo de ligar dois pontos. Contudo, as pontes não se resumem

a meras obras de engenharia. Muitas são construções carregadas de história e significados, representam a imponência de uma época. As novas exibem modernidade e muita tecnologia construtiva. Seja por isso, ou por uma série de outros fatores, muitas delas

despertam a curiosidade e a admiração, viram cartões postais e ícones de uma cidade ou região. Dessa forma, Alto Padrão traz uma lista com algumas das mais belas e curiosas pontes espalhadas pelo mundo. Vale a pena conferir.

Pont du Gard A bela ponte sobre o Rio Gardon, na França, foi construída no primeiro século a.C. e é típica do Império Romano. A construção serviu para levar água entre as cidades de Uzès e Nîmes, no Sul da França, além de pedestres. Na lista de patrimônio histórico da Unesco, a ponte é um dos cinco pontos turísticos mais visitados da França, devido à arquitetura tão antiga quanto fascinante.

Esta obra impressionante, com 125 metros de comprimento, serve somente a pedestres. Ela fica no topo do Gunung Mat Chinchang, em Pulau Langkawi, na Malásia, a 700 metros do nível do mar. Construída para servir de ponto de observação das belezas da região, a ponte chama atenção pela estrutura. Ela é sustentada apenas por um pilar, que a mantém fixa por cabos como uma espécie de guindaste. Muitos turistas têm medo de encarar a travessia, mas os construtores garantem que é segura. 54

Fotos Divulgação

Langkawi Sky Bridge


Sydney Harbour Um dos belos cartões postais da cidade mais conhecida da Austrália completa 80 anos em 2012. Os primeiros veículos atravessaram a estrutura de 1.149 metros em 19 de março de 1932, sobre a Baía de Sydney. A ponte figura no Guiness Book como a mais larga e elevada ponte de arco em aço do mundo. Mas o que impressiona mesmo é a beleza e modernidade.

Khaju Bridge Vinte e três arcos de pedras e tijolos formam uma das mais bonitas pontes do mundo. Localizada na cidade de Isfahan, no Irã, a construção acumula as funções de servir como ligação de uma margem à outra do Rio Zayandeh e de ser um dique para regular o fluxo do rio por meio de um sistema de comportas. Ela encanta os turistas desde o Século 17, quando foi construída a pedido do rei persa Shah Abbas 2º.

Golden Gate Cenários de vários filmes norte-americanos, a grandiosa estrutura de metal avermelhado liga a cidade de São Francisco a Sausalito. Foi inaugurada em 27 de maio de 1937 e surpreende com 1.966 metros de extensão. A estrutura está suspensa por 27.572 cabos, formando uma estrutura impressionante e inovadora para a época em que foi construída. 55


[ monumentos ]

Tower Bridge Inaugurada em 1894, a construção é a mais famosa ponte basculante do mundo, e um dos principais pontos turísticos de Londres. Com torres no estilo dos fortes escoceses e suas básculas que se erguem como pontes levadiças de castelos medievais, a ponte é parte importante do sistema de transporte da capital inglesa, sendo uma das principais ligações entre os dois lados do Rio Tamisa.

Gateshead Millennium Bridge Dedicada à travessia de pedestres e ciclistas, essa ponte, construída em 2001, sobre o Rio Tyn, em Newcastle, na Inglaterra, é, geralmente, referida como a “ponte do piscar de olhos”, devido à estrutura curva que lembra um grande olho. De tempos em tempos, os “olhos” se fecham: a estrutura é erguida para que navios e barcos passem por baixo dela.

Vem da Roma Antiga os primeiros registros dessa ponte sobre o Rio Arno, em Florença. Cheias destruíram a original e, em 1345, foi reinaugurada com o formato original, formada por três arcos. Mas o que mais chama a atenção é o emaranhado de lojas, sendo a maioria ourivesarias e joalherias, situadas sobre o tabuleiro. A quantidade de cadeados presos à ponte é uma das curiosidades. Tudo graças a uma crença de que os namorados que os prenderem à ponte e jogarem a chave no rio têm garantia de amor eterno. Mas o ato pode resultar em multa de 50 euros. 56

Fotos Divulgação

Ponte Vecchio


Ponte Chengyang A Ponte da Chuva e do Vento é um exemplo do nível de detalhamento da arquitetura tradicional chinesa. É completamente coberta e contém duas plataformas, três cais, quatro vãos, cinco pavilhões, 19 varandas e três andares. A estrutura é toda em madeira, com pilares de pedra e telhas na cobertura. Construída em 1916, é a mais bonita das 180 pontes de Sanjiang Chengyang.

Ponte John A. Roebling Quando o primeiro pedestre cruzou, no dia 1º de dezembro de 1866, a ponte sobre o Rio Ohio, de Cincinnati, em Ohio, até Covington, no Kentucky (Estados Unidos), a ponte que leva o nome do engenheiro que a projetou era considerada a maior ponte suspensa do mundo, com 322 metros de comprimento. Hoje, diversas pontes já a superaram em tamanho, mas a base de pedra ainda garante charme e muita beleza.

Ponte JK Pontes também chamam atenção em todo o Brasil. Para representá-las, escolhemos a Ponte Juscelino Kubitschek, ou Ponte JK. Está situada em Brasília, ligando o Lago Sul, Paranoá e São Sebastião à parte central do Plano Piloto, atravessando o Lago Paranoá. Inaugurada em 15 de dezembro de 2002, tem comprimento de travessia total de 1,2 mil metros, largura de 24 metros com duas pistas, cada uma com três faixas de rolamento, duas passarelas nas laterais para uso de ciclistas e pedestres com 1,5 metros de largura e comprimento total dos vãos de 720 metros. Nota da redação: leia sobre a Ponte Hercílio Luz, a mais famosa de Santa Catarina, na seção clic AP, na página 90. 57


[ paisagismo ]

Oferta de equipamentos no mercado torna fácil ter um lago ou cascata no jardim e até dentro de casa

Ecossistema em

miniatura

Cada vez mais pessoas procuram ter um pouco mais de natureza em casa: são espaços de contemplação, tranquilidade e meditação. Um lago, envolto por um jardim, proporciona mais do que isso, pois só quem tem um consegue definir as sensações que proporciona: paz, harmonia, sensibilidade, encanto e beleza. Porém, a falsa ideia do custo alto e da difícil manutenção faz com que as pessoas desistam desse desejo. O paisagista Júlio Bomfim, da Alameda Paisagismo, mostra que dá para montar um lago em qualquer espaço e investindo pouco.

Segundo ele, os principais problemas foram solucionados devido à facilidade de encontrar no mercado equipamentos necessários e com preços acessíveis, garantindo o equilíbrio do lago com a utilização de filtros biológicos, lâmpadas UV e bombas. “Para cada tamanho de lago é utilizada uma potência diferente em cada equipamento”, salienta. Ele explica que no paisagismo é possível fazer lagos grandes e pequenos, espelho d’água, fontes, cascatas, chafarizes, entre outras opções. “Vem crescendo a procura por pequenos lagos ou fontes d’água, mui-

to utilizados em escritórios, apartamentos, varandas e, inclusive, para aproveitar os espaços vazios debaixo de escadas”, afirma. Os lagos ornamentais podem ser projetados com cascatas, chafarizes, iluminação interna e externa, rodas d’água e muitos outros acessórios. “Dependendo do estilo da pessoa, a decoração pode ser tropical, oriental, contemporânea etc. A escolha das plantas a serem utilizadas é um fator importante, pois facilita a integração do lago com as demais áreas”, ressalta.

Divulgação

Bomfim destaca que é preciso cuidado com a escolha das plantas próximas ao lago ou na decoração em torno dele, pois algumas espécies de arbustos são de raízes agressivas, podendo, depois, comprometer a estrutura do lago. Há também espécies de folhas pequenas que podem cair no lago, comprometendo o funcionamento das bombas. “No paisagismo próximo ao lago, sugiro o plantio de palmeiras de pequeno a médio porte. Elas diminuem a incidência de luz solar sobre o lago, ajudando a inibir o crescimento de algas e o aquecimento da água. No Inverno, servem de cobertura natural nas baixas temperaturas e geada, protegendo todo o biossistema”, destaca. O lago pode ter diversos formatos e tamanhos e pode ser construído com diferentes materiais, como alvenaria e mantas (lonas).

58


Daniel Zimmermann

Etapas básicas para construir um lago de alvenaria 1-Escolha o local, preferencialmente, longe de árvores de enraizamento agressivo, evitando comprometer a estrutura do lago.

2-Desenhe no solo o formato que mais lhe agrada, de preferência, com curvas, tornando-o mais natural.

3-Cave o buraco demarcado (de 60cm a 80cm de profundidade), pois, com a concretagem do piso, facilmente perderá de 10cm a 15cm. Essa profundidade facilita a visualização dos peixes e a decoração interna do lago. Pode-se optar por um lago com duas ou três medidas de profundidade.

4-Quando o buraco estiver pronto, é preciso forrá-lo por completo com lona e preparar as ferragens para o piso. Para as paredes internas, são necessárias ferragens para sapatas e vigas, amarrando as mesmas à ferragem do piso. Após essa fase, vem a instalação das tubulações, entrada e saída de água, tubulação para filtragem e para o retorno da água filtrada. Concluída essa fase, deve-se levantar a parede de blocos de cimento, preferencialmente, consertando o piso e preenchendo os blocos com cimento em uma só etapa, podendo ser rebocado em outra fase.

5-Após a cura do reboco, o lago necessita de impermeabilização. O mais indicado, porém, de maior custo, é a utilização de manta asfáltica. Opção mais econômica e também eficaz é aplicar asfalto líquido.

Ter um lago em casa é como manter um recanto de traquilidade e contemplação para a família e amigos

6-Na parede do lago podem ser colocadas pedras ou lascas. No fundo, pode-se colocar seixos (lavados) com pedras de rio, utilizando nas laterais as mesmas pedras de rio, empilhando-as até completar toda a parede interna e a borda.

7-A próxima fase é o preenchimento com água. A sugestão é de três a cinco dias antes de iniciar a colocação de peixes (utilizar produtos anti-cloro e outros necessários).

8- A fase do paisagismo é a final. Ela é responsável pelo embelezamento e envolvimento do lago. A magia inicia após a chegada das carpas japonesas, admiradas pelas cores resplandecentes e elegância no movimento. São conhecidas

“No paisagismo próximo ao lago, sugiro o plantio de palmeiras de pequeno a médio porte. Elas diminuem a incidência de luz solar sobre o lago, ajudando a inibir o crescimento de algas e o aquecimento da água. No Inverno, servem de cobertura natural nas baixas temperaturas e geada, protegendo todo o biossistema” Júlio Bomfim, paisagista

como joias dos rios e lagos e simbolizam prosperidade, longevidade e fertilidade.

59


[ paisagismo ]

Divulgação

Equipamentos necessários Daniel Zimmermann

Filtro biológico: funciona para filtrar a água do lago e armazenar os materiais orgânicos, tornando muito fácil a manutenção.

Bombas: as atuais são muito eficazes e silenciosas, com baixo consumo de energia. Servem para puncionar a água até a lâmpada UV e, consequentemente, para o filtro biológico. São equipamentos necessários para a circulação da água dentro dos elementos filtrantes.

Bomba d’água secundária: responsável pela circulação de água para melhorar a oxigenação para os peixes

A colocação dos peixes é a parte final e traz visa ao lago

e animais aquáticos.

Alameda Paisagismo Lâmpadas UV: são responsáveis pela eliminação

60

das algas e materiais orgânicos através do contato

(47) 3336-6006

dos raios ultravioletas, tornando a água transparente

www.alamedapaisagismo.nafoto.net

e com qualidade.

Facebook: alamedapaisagismo


[ jardinagem ]

Os jardins

É tempo de cuidar e preparar as plantas para a chegada do Inverno

no Outono Fotos Divulgação Fotos Banco de Imagens

No Outono, começa a temporada de cuidados especiais nos jardins. É o início de um novo período, quando as plantas que sofreram com o calor do Verão precisam de cuidados para se recuperarem e aguentarem as baixas temperaturas do Inverno que está por vir. O Outono remete àquele pensamento de jardins pouco floridos e de árvores que vão, aos poucos, perdendo as folhas amareladas. Em muitos países europeus, essa imagem pode ser comum, mas é difícil de ser presenciada aqui no Brasil. O clima tropical, predominante no País, faz com que as estações interajam e não sejam bem definidas.

Plantas que florescem no Inverno e início da Primavera, como a azaleia (abaixo), são ideais para serem plantadas no Outono

Justamente por isso, essa passou a ser considerada a estação ideal para recuperar as plantas cansadas do calor, fazer podas e enxertos e prepará-las para o Inverno, quando as plantas entram em estado de dormência. “Essa também é a época recomendada para preparar o solo onde serão plantadas as novas sementes e mudas que irão florescer na Primavera”, destaca Jennifer Ronchi, da Floricultura Paraíso. Algumas plantas com flores menores, como pinheiro, azaleia, peperomia, entre outras, são espécies que vão florescer durante o Inverno e no começo da Primavera. Por isso, são mais indicadas para serem plantadas durante o Outono. “Além dessas, o bico-de-papagaio, amor-agarradinho, begônia, dama-da-noite e ipomeia também florescem bem no clima ameno da estação”, destaca Jennifer.

62


Ipomoea (acima) e amor-agarradinho (ao lado) são espécies que florescem no clima ameno do Outono

Cuidados no jardim O Outono é perfeito para deixar o jardim em ordem. Cuidados como limpeza e adubação devem ser rotineiros durante a estação. Revolver a terra do jardim, eliminar insetos, plantas mortas e ervas daninhas, deve ser o primeiro passo. “Essa é a época propícia para realizar a poda e a limpeza das plantas e, assim, garantir a extração de galhos danificados, aqueles que não recebem a iluminação adequada e, por isso, produzem menos flores e frutos”, recomenda Jennifer. No Outono, o correto é realizar apenas uma poda de limpeza para retirar galhos secos e favorecer a penetração de raios solares. “Para evitar transtornos, é importante realizar a manutenção da área verde, retirando as eventuais ervas daninhas que podem aparecer e afetar a saúde do jardim, pois um jardim saudável está menos susce-

tível a ataques de pragas. Mas não é recomendado podar plantas que vão florir no Inverno ou início da Primavera, pois a floração pode ser prejudicada”, ressalta Jennifer. Ela também destaca a importância de manter a terra úmida, pois, nessa época, as plantas precisam de água para potencializar o aproveitamento dos nutrientes. No Outono, o calor diminui e a evaporação da água é menor. Por isso, as regas devem ser diminuídas, mas sempre cuidando para o solo não ficar ressecado. “É recomendado incorporar à terra materiais que tenham ação hidrorretentora, que absorvem e mantêm a umidade da terra na quantidade ideal. O mais comum é o húmus de minhoca que, além de manter a terra úmida, também contém nutrientes importantes para as plantas”, destaca.

Durante o Outono - Realize uma boa limpeza, tirando insetos e ervas daninhas. Folhas e galhos secos também devem ser eliminados. - É preciso limpar as pragas das folhas. Para isso, pegue um pano umedecido com água limpa ou álcool e remova todos os vestígios de insetos. - Faça uma poda de limpeza retirando folhas amareladas e galhos que impedem a penetração do sol entre as plantas. Utilize tesouras de pontas finas para alcançar áreas de acesso mais difícil. - Aproveite a estação para fazer a manutenção dos canteiros já formados, escarificando (amaciando, afofando) o solo para favorecer a oxigenação das raízes.

Floricultura Paraíso Rua Bahia, 1020 – Bairro do Salto Blumenau – SC www.floriculturaparaiso.com.br (47) 3323-4710

63


[ museus ]

Tradição e arte

em madeira

O Museu do Marceneiro conta a história dos Móveis Behling, empresa familiar que atua em Pomerode desde a década de 1950. O museu contrasta passado e presente, com a exibição de uma roda d’água e equipamentos utilizados desde a época em que a indústria era apenas serraria e marcenaria. Fundada em 1945 por Alex Behling, a marcenaria iniciou as atividades nas proximidades do Clube de Caça e Tiro Pomerode. Devido aos inúmeros problemas no fornecimento de energia elétrica na década de 1950, Alex resolveu mudar de endereço e aproveitar a força da água para mo64

vimentar o maquinário da empresa e honrar os compromissos comerciais. O local escolhido na época abriga, hoje, o Museu do Marceneiro e a Loja Behling Estilo Fazenda, resgatando parte da história de Pomerode com antigas máquinas e equipamentos de marcenaria e uma roda d’água com mais de seis metros de altura. Na parte superior da loja ficam os produtos e alguns maquinários. Na parte inferior, podem ser vistas a roda d´água, correias e engrenagens que movimentam toda a estrutura. O Museu do Marceneiro, inaugurado em 2004, nasceu da vontade da

família Behling em criar um cenário de trabalho e dedicação a partir do agrupamento de antigas máquinas, ferramentas gastas pelo uso, arrojo nas técnicas de fabricação e, principalmente, empreendedorismo. Assim, o Museu do Marceneiro preserva a antiga estrutura criada por Alex Behling. De acordo com o neto de Alex Behling, Franz Richard Behling, todas as máquinas (serra-fita, fresa, serra, plaina, torno, galopa) ainda funcionam e tudo está como o avô deixou, até mesmo os instrumentos (formões) em cima da bancada de marceneiro. Como Alex colecionava


Fotos Daniel Zimmermann

O Museu do Marceneiro preserva história deste ofício, com a exposição de uma roda d’água e equipamentos utilizados desde 1945

peças de metal diversas, devido aos altos valores cobrados na época para este tipo de material, ele montava objetos com sucatas, como uma bicicleta que está exposta no museu. Alex Behling trabalhou até 1994 serrando madeira e até 2000 beneficiando as madeiras serradas. A maioria dos maquinários do museu é de madeira e são originais. A empresa Behling também funcionou por muito tempo como escola para aprendizes de marceneiros. A Móveis Behling começaram em 1972, com o pai de Franz, Veno Behling, e Alex fazendo móveis sob

medida para o mercado interno e externo. No final da década de 1980, com a retração da economia, a empresa voltou-se somente para o mercado interno e precisou fazer uma readaptação. Assim, começaram a fabricar utensílios domésticos para todo o Brasil. Com 50 colaboradores, a Móveis Behling está em um galpão ao lado do Museu do Marceneiro. O design dos produtos é sintonizado com as necessidades e demandas do público consumidor, com matéria-prima ecologicamente correta com madeiras de reflorestamento (Eucalipto e Pinnus), além de chapas de MDF.

Na loja, anexa ao Museu do Marceneiro, os visitantes também têm a opção de adquirir os produtos Behling, como utensílios domésticos, objetos de decoração e brinquedos educativos, todos feitos de madeira de reflorestamento. Franz é engenheiro florestal e, há 10 anos, maneja os reflorestamentos para suprir a produção da empresa Behling. “Ainda não usamos dessa madeira porque é preciso esperar mais uns cinco anos para colher o fruto do reflorestamento”, explica. São 50 hectares plantados com eucaliptos e pinnus que vão garantir a produção com baixo impacto no ambiente. 65


[ museus ] Fotos Daniel Zimmermann

O acervo Serra-fita Máquina de corte, ideal para cortar peças longas. Tem o objetivo de cortes transversais com bom acabamento. É uma serra mecânica constituída por uma cinta de aço flexível dentada sobre uma ou duas bordas em torno angulares de dois ou três volantes, utilizada para cortar curvas, executar cortes angulares ou serrar madeira com casca.

Fresa Velhas ferramentas usadas por Alex Behling e até uma bicicleta montada por ele com sucata estão expostas no Museu do Marceneiro

Ferramenta constituída por arestas de cortes dispostos em torno de um eixo giratório que serve para cortar ou desbastar metais e outras peças.

Torno É um aparelho rotativo, com o qual se dá forma arredondada à madeira.

Serra Instrumento cortante de lâmina dentada de aço. Apresenta a forma de um disco dentado de espessura fina e animado por movimento circular.

Plaina Instrumento de carpintaria para alisar a madeira.

Museu do Marceneiro Rua Alfredo Hoge, 525, Centro, Pomerode

Roda d’água

Telefone: (47) 3387-2073

Mecanismo utilizado para gerar energia mecâ-

www.behling.ind.br

nica através da água. É o principal maquinário

loja@behling.ind.br

do museu. A roda d’água recebe manutenção

66

periodicamente. Ela fica girando 24 horas, mas

Horário: de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h às 18h. Aos sábados, das 9h às 13h.

apenas para demonstração.

Entrada gratuita.


[ gastronomia ]

Incremente o café do dia a dia

Banco de Imagens

Para festejar o Dia Nacional do Café, comemorado em 24 de maio, dê um up no cafezinho com as receitas selecionadas

O café, tradicional bebida de aroma e sabor inconfundíveis, é consumido diariamente por milhões de pessoas em todo o mundo, nas mais variadas formas de preparo: puro, espresso, gelado, com creme, adoçado ou não. Para homenagear essa bebida tão tradicional, desde 2005, a Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic) escolheu o 24 de maio como Dia Nacional do Café. A comemoração ganhou dimensão, passando a ser festejada por produtores, exportadores, varejistas, cafeterias e por todos que são apaixonados pela bebida. Essa data marca o início da colheita na maioria das regiões produtoras de café do País. O objetivo é promover, valorizar e manter viva a importância histórica, social e econômica do produto, que é cultivado há 284 anos em terras brasileiras, desde que as primeiras mudas foram trazidas da Guiana Francesa para Belém, no Pará, por Francisco Melo Palheta, em 1727. Dê uma nova cara ao cafezinho com as receitas da Ice Café Company e da Sociedade do Café, as cafeterias instaladas do Shopping Park Europeu, em Blumenau. 68


Fotos Daniel Zimmermann

Capuccino Sociedade do Café Ingredientes: 30ml de café espresso 70ml de leite quente 5g de chocolate em pó Modo de preparo: Em uma xícara de 150ml, coloque o café e depois o leite. Para finalizar, polvilhe com chocolate em pó.

Mocha Ice Café Company Ingredientes: 20ml de calda de chocolate Leite vaporizado 1 dose longa de café espresso Modo de preparo: Coloque a calda de chocolate no fundo de uma taça de 300ml. Depois, complete com o leite vaporizado, só deixando espaço para a dose de café espresso. Finalize com raspas de chocolate meio amargo por cima. Para fazer o leite vaporizado em casa, coloque 100ml de leite bem quente em uma garrafa com tampa, chacoalhe bem e abra com cuidado.

Machiatto Sociedade do Café Ingredientes: 30ml de café espresso 10ml de leite quente Modo de preparo: Em uma xícara de 150 ml, coloque o café espresso e o leite bem quente com a espuma.

69


[ gastronomia ]

Café Bombom Ice Café Company Ingredientes: 1 dose curta de café espresso 20ml de leite condensado Modo de preparo: Coloque o leite condensando em um copo de 30ml e acrescente o café espresso.

Fotos Daniel Zimmerman

Frapuccino

n

Ice Café Company Ingredientes: 3 bolas grandes de sorvete de creme 1 dose de café espresso 50ml de leite frio Modo de preparo: Bata todos os ingredientes no liquidificador. Coloque a calda de chocolate em uma taça de 300ml e despeje o conteúdo batido. Sirva imediatamente.

Capuccino Sociedade do Café Ingredientes: 30ml de café espresso 70ml de leite quente 5g de chocolate em pó Modo de preparo: Em uma xícara de 150ml, coloque o café e depois o leite. Para finalizar, polvilhe com chocolate em pó. 70

conteúdo multimídia Assista ao vídeo em mundieditora.com.br/altopadrao


[ gastronomia ]

Daniel Zimmerma nn

Portuguesa, com certeza! Em terras que imperam tradições alemãs e italianas, algo de diferente apareceu. O local é modesto, ao gosto familiar, porém, cheio de charme, pelos adereços que transmitem um clima típico na decoração. Já o sotaque dos principais anfitriões, que não é nada carregado como o germânico e ou italiano, entrega a origem. É alí que muita gente tem redescoberto os prazeres da cozinha portuguesa. O Portugália foi inaugurado 72

há seis meses e está ganhando cada vez mais adeptos. Sinal de que da cozinha para as mesas, comida como aquela, por aqui, não tem igual. Na verdade, não tem mesmo. É o único restaurante tradicionalmente português em Blumenau e, diga-se de passagem, com o melhor em bacalhau. Quem afirma isso é Samuel Luis Cardoso Teixeirinha Santos. Vindo do outro lado do Atlântico há cinco anos, Santos resolveu apostar

Único restaurante português de Blumenau serve um bacalhau de dar água na boca

na culinária que sua esposa trouxe consigo. De dona de casa à cozinheira profissional, todas as técnicas aprendidas com a mãe e as outras mulheres da família, agora preenchem o menu do Portugália. Zulmira Maria Gomes dos Santos Teixerinha logo afirma: “Preparo tudo com muito carinho e sempre procuro deixar nos pratos o jeito mais caseiro possível, mesmo fazendo para mais pessoas, diferente de quando é para o marido e meus dois filhos”.


E para quem tem curiosidade a respeito disso, Santos explica: “Em Portugal não existe bacalhau. Eles sempre vieram de outros lugares, mas, principalmente, da Noruega. E é de lá que vem o peixe utilizado na cozinha do Portugália”.

Reprodução Danie

O bacalhau é o mais procurado, mesmo ao meio dia, quando o método de serviço é bufê; ou a noite, quando são servidos os empratados. O famoso peixe, sempre tão ligado aos portugueses, vem direto da Noruega.

l Zimmermann

[ gastronomia ]

Trabalhando de domingo a domingo, o casal está sempre atento ao gosto dos clientes. Servem também opções de carnes e peixes grelhados e mais saudáveis.

No ‘Cantinho do Fado’, imagens remetem os visitantes a Portugal

O criador Este tradicional prato da culinária portuguesa leva o nome do seu criador, José Luís Gomes de Sá, falecido em 1926. Quando criou a receita original, era cozinheiro do Restaurante Lisbonense, no Porto. Sua receita tradicional propõe que o bacalhau seja cortado em pequenas lascas marinadas

Muitas das receitas Zulmira não conta pra ninguém. Porém, para dar água na boca de todos, preparou para a Alto Padrão um prato saboroso e fácil de fazer: o tradicional Bacalhau à Gomez de Sá, um ícone da cozinha lusitana.

no leite por mais de uma hora. Assado no forno, com azeite, alho, cebola, acompanhando azeitonas pretas, salsa e ovos cozidos. Este é um prato típico da região Norte de Portugal. É de preparação simples e relativamente rápida.

Bacalhau à Gomez de Sá INGREDIENTES • 300 gramas de bacalhau desfiado • 500 gramas de batata palha • 1 ½ xícara de azeite extra-virgem • 1 cebola picada em pedaços finos • 1 dente de alho moído • 6 ovos • 4 colheres de sopa de creme de leite • Salsa a gosto • Azeitonas pretas a gosto MODO DE PREPARO • Refogue no azeite a cebola e o alho, logo depois acrescente o bacalhau, mexendo sempre. Logo após misturar bem estes primeiros ingredientes, acrescente a batata palha e os ovos (já mexidos). Na sequência, inclua o creme de leite. • Em menos de 10 minutos, tudo deve estar bem misturado e deve ir para um recipiente para ser servido. Decore com a salsa e as azeitonas prestas a gosto. • Detalhe: não há sal na receita, pois o bacalhau, depois de ter ficado de molho para retirar o sal, ainda mantém-se salgado o suficiente. • O bacalhau fica de molho durante três dias com duas trocas de água a cada dia. • Para acompanhar, a dica é um vinho português Príncipe do Dão Tinto Douro. 74


[ vinhos ]

Arsenal do

enófilo

Saber apreciar um bom vinho é uma arte. Um bom apreciador faz uso de alguns pequenos rituais. Levantar a taça à altura dos olhos e sentir o aroma da bebida, por exemplo, para só então dar o primeiro gole, é um deles. Mas, para que o vinho seja degustado da melhor maneira possível, é necessário utilizar alguns produtos. “Os acessórios são fundamentais. A taça correta, o saca-rolha, o corta-gotas – para o vinho não derramar – e o corta-cápsula são alguns deles. Além disso, colocar o vinho na temperatura adequada e escolher o melhor local e momento fazem a diferença”, ressalta o especialista José Carlos Grando, da Companhia do Vinho. Um dos itens que proporcionam praticidade na hora de abrir um vinho é o corta-cápsula, acessório que abraça o gargalo da garrafa e, ao girá-lo, corta a cápsula que envolve a parte superior da garrafa.

76

Os acessórios certos são fundamentais para apreciar um bom vinho

Depois de aberta, é hora de servir a bebida. É normal ver respingos ou gotas que deslizam pela superfície da garrafa. O corta-gotas é feito exatamente para evitar o escorrimento do vinho. Prático e muito utilizado por enófilos em todo o mundo, trata-se de uma fina lâmina, de aparência metálica, que é enrolada e encaixada internamente no gargalo. Além desses, ainda está faltando o acessório principal e mais lembrado na hora de apreciar um vinho: o saca-rolha. Hoje, esse acessório

está disponível em vários modelos, sendo que os mais baratos e tradicionais são aqueles que têm o formato em “T” e que exigem certo esforço para abrir a garrafa. “É fundamental a escolha de um saca-rolha que exija pouco esforço do usuário e seja eficiente na sua função essencial, que é tirar a rolha sem danificá-la. A abertura da garrafa de vinho é uma operação óbvia e simples, mas pode-se transformar em verdadeira tortura se não se dispõe de um saca-rolha adequado”, ressalta Grando.


Mais funcionais, os modelos de alavanca única, que vêm com uma peça para se colocar na boca do gargalo como apoio, e os de alavanca dupla, com dois braços laterais para alavancar a saída da rolha, facilitam muito a abertura da garrafa. “Em minha opinião, o mais adequado é o saca-rolha de alavanca única de dois estágios, que facilita ainda mais o processo de extração da rolha”, enfatiza o especialista. Para escolher o saca-rolha ideal, Grando traz algumas dicas. Segundo ele, a haste é o item fundamental para o bom funcionamento do utensílio. “Ela deve ter um passo amplo, isto é, as voltas da espiral devem ser largas. Quando o passo é curto, a haste não abraça firmemente a cortiça e, ao ser puxada, esfarela a rolha e não a retira. Além disso, também deve ser revestida de teflon, material que permite um perfeito deslizamento no interior da cortiça”, recomenda. Outras opções, mas um pouco mais difíceis de encontrar, são os saca-rolhas de lâminas. Esse modelo é útil para retirar a rolha quando ela ameaça cair dentro do vinho. Também existe o saca-rolha de injeção a gás, que, através de uma agulha, insere o gás que expulsa a rolha. Ao utilizá-lo, porém, deve haver cuidado, pois a garrafa pode estourar se o ar for injetado em excesso.

Antes de beber Os vários segredos dos vinhos não se resumem apenas aos acessórios. Os cuidados devem começar muito antes de servi-lo. Entre esses cuidados, a forma de armazenamento e a temperatura do ambiente são os mais importantes. “O vinho deve ser armazenado na posição horizontal para o líquido ter contato com a rolha e não deixar entrar oxigênio. A entrada de ar pode ocasionar a continuidade do processo de fermentação e a oxidação do produto”, explica Grando. Para quem não tem uma adega construída para o armazenamento

ideal, existe a alternativa de adquirir uma adega climatizada, muito prática para ter dentro de casa ou apartamentos. Ela pode ser encontrada em vários modelos, preços e tamanhos, e funciona através de um sistema de refrigeração eletrônica de baixo consumo de energia. Assim, as garrafas de vinho ficam protegidas das oscilações de temperatura e mantêm as características fundamentais da bebida. “O vinho deve estar longe da luz e do calor, pois estes dois fatores aceleram o envelhecimento precoce. O local deve ser isento de umi-

dade e ter temperatura média de 16 graus. Para quem não tem uma adega nestas condições, a adega climatizada é a mais adequada e pode ser comprada normalmente em lojas de eletrodomésticos”, recomenda o especialista. Outra opção para manter o sabor do vinho na hora de bebê-lo é usar um decantador. Esse utensílio permite ao vinho ‘respirar’. A operação de decantação consiste em transferir o vinho para uma jarra de vidro fino com a base larga – decantador –, onde a bebida sofre maior aeração em menos tempo. 77


[ vinhos ]

“Quanto melhor o vinho, quanto maior a estrutura e complexidade de aromas, maior será o tempo que ele deve ficar aerando. Os vinhos que mais lucram com esse processo são os tintos de qualidade, maduros, já suficientemente envelhecidos, que devem ‘respirar’, no mínimo, por um período de uma a três horas”, explica Grando. Esse processo é necessário porque no interior dos vinhos mais envelhecidos ocorre a sedimentação de várias substâncias que, ao longo dos anos, acabam depositadas no fundo da garrafa. Ao ficar em repouso no decantador, o vinho fica mais saboroso, pois esses sedimentos irão se separar da bebida em si, ficando no fundo do recipiente. “Em geral, um bom vinho não envelhecido em demasia, quando exposto ao oxigênio do ar, sofre alterações benéficas, liberando mais intensamente os aromas e aprimorando os aspectos gustativos. Portanto, a decantação é aconselhável por razões estéticas na degustação do vinho: melhor visualização e melhor sensação gustativa”, enfatiza o especialista.

O decantador ajuda o vinho a ‘respirar’ e é indicado, principalmente, para as bebidas mais complexas

Preservando o sabor Depois de aberto, o melhor acessório para conservar o vinho é a bomba de vácuo. Esse aparelho é semelhante a uma seringa e possui um sistema que retira o ar da garrafa. Assim, pode ser conservado na adega por muito tempo. Mas, não é possível chegar a um vácuo absoluto e, mesmo utilizando-se a bomba, o indicado é consumir a bebida em até dois dias. Outro equipamento de conservação de vinhos é a Le Verre de Vin, máquina de origem inglesa que retira todo o oxigênio da garrafa depois de aberta, fazendo com que as propriedades e sabor do vinho 78

sejam preservados. A Le Verre de Vin é utilizada por restaurantes, possibilitando o consumo do vinho em taças, sem a necessidade de o cliente adquirir toda a garrafa. Grando ressalta, porém, que não é possível fazer com que um vinho mantenha as mesmas propriedades por muito tempo. “Esta máquina foi concebida para vinhos e espumantes e conserva o sabor por algum tempo, mas não para sempre. É mais utilizada em restaurantes que vendem o vinho e o espumante em taças, onde o giro é grande. O melhor mesmo é abrir a garrafa e tomar o vinho; e não guardá-lo depois de aberto”, recomenda.

A bomba de vácuo retira o ar da garrafa permitindo que o vinho possa ser guardado na adega depois de aberto. Mas, como não dá para chegar ao vácuo absoluto, o melhor é consumir em até dois dias


[ vinhos ]

As taças Assim como existem várias opções de vinhos, também existem várias opções de taças. No mercado, são inúmeros os modelos, séries, preços e formatos disponíveis. Essa grande variedade ocorre pelo fato de que cada taça é feita para determinado tipo de vinho, cada uma foi desenvolvida

para realçar os sabores, cores e aromas de cada bebida.

vidro fino e ter um volume em torno de 350ml.

A recomendação é de que todos os apreciadores de vinho tenham uma taça coringa, aquela que serve para degustar qualquer opção da bebida. De forma geral, as taças devem ser feitas de cristal ou

Outro fator importante em relação às taças é o manuseio delas pela haste. Além de evitar que o bojo fique com marcas de dedos, minimiza o aquecimento do líquido, que ocorre quando entra em contato com as mãos.

Tipos de taças Bordeaux As taças Bordeaux foram feitas para vinhos mais encorpados. Elas possuem o bojo grande, mas têm a borda mais fechada para evitar a dispersão de aromas.

Borgonhesa Os vinhos da Borgonha são mais complexos e concentrados. Para eles, as taças são em formato balão – com o bojo maior do que as Bordeaux – para que haja mais contato com o ar.

Vinhos brancos As taças têm corpo menor do que as para vinho tinto. Isso ocorre porque o vinho branco precisa ser consumido em temperaturas mais baixas e, em um recipiente menor, há menos troca de calor com o ambiente.

Espumantes A taça ideal para espumante é em formato flauta. Além de proporcionar a apreciação das borbulhas da bebida, essa taça direciona a efervescência e os aromas para o nariz. Quanto mais bojo tiver a taça, melhor, pois, se tiver um formato reto demais não irá realçar os aromas.

Mais informações Enófilo e consultor de vinhos José Carlos Grando www.ciadovinho.com.br grando@ciadovinho.com.br Rua Eng. Paul Werner, 218 – Itoupava Seca – Blumenau – SC (47) 3222-2040

80


[ cervejas ]

Feito

à mão

Num ambiente aconchegante e familiar é servido um dos mais saborosos e tradicionais chopes artesanais do Alto Vale

n

Fotos Daniel Zimmerman

Mais do que uma opção de gastronomia, a Cervejaria Handwerk representa, para a cidade de Ibirama, um importante ponto turístico, visitado por degustadores de chope de toda a região. A cidade de mais de 17 mil habitantes, situada a 67 quilômetros de Blumenau e a 217 quilômetros de Florianópolis, tem como atrativos esportes radicais, como rafting, rappel e vôo livre, além de caminhadas ecológicas e 82

belas cachoeiras. A partir de junho, o Município terá a maior tirolesa urbana do Brasil, com cerca de 1,5 quilômetro de extensão. Insatisfeitos com a cerveja habitual, que com o passar dos anos foi deixando a desejar em termos de qualidade e sabor, um grupo de amigos resolveu assumir o desafio de produzir uma cerveja que saciasse o gosto dos apreciadores.

Luis Alexandre Muller, Jerson Jaeger, Dácio Krause e Duílio Gehrke, que tinham por hábito se reunir às segundas-feiras para confraternizar na Confraria Rikli, idealizaram o projeto de fabricar a própria cerveja. A ideia prosperou e o grupo, além de estabelecer a cervejaria, resolveu proporcionar para a pequena cidade do Alto Vale uma nova opção de lazer e gastronomia. O sucesso não demorou a chegar.


Preservando as origens A estrutura da cervejaria foi erguida num ponto considerado berço das primeiras empresas da cidade, que foram iluminadas com energia elétrica produzida por um gerador e uma roda d’água, movida por um desvio do Ribeirão Taquaras. Posteriormente, o local abrigou uma fecularia, antes de passar anos desocupado. Depois de meses de reestruturação e adaptação até acertar o ponto ideal do chope, o projeto, enfim, saiu do papel em julho de 2010. Foram mantidas as características da construção original e preservados os detalhes rústicos que são peculiares do ambiente, como a roda d’água, que foi conservada e hoje é mais um atrativo para os visitantes. O ambiente tem capacidade para acomodar 230 pessoas e o estacionamento abriga até 120 carros. Desde o local escolhido à mobília, tudo foi minuciosamente planejado para o conforto dos clientes. A ideia sempre foi dispor de um ambiente agradável, com boa cerveja e pratos saborosos, que cativassem a população. Em uma ala separada, a Handwerk atende a eventos e festas em geral.

83


[ cervejas ]

Fotos Daniel Zimmermann

Atendimento A área de degustação/restaurante denomina-se Choperia Handwerk Bier e está anexa à fábrica, batizada de Cervejaria Taquaras. Além de apreciar uma boa cerveja, os clientes têm o privilégio de acompanhar a produção da mesma. O funcionamento da cervejaria é de quarta aos domingos, com atendimento após as 17h. O diferencial ocorre às quintas-feiras, quando a casa recebe música ao vivo, batizada de a ‘Noite do Jovem’. Este é o dia em que a Handwerk chega ao ápice de público e também no consumo do chope e dos pratos. O restaurante é terceirizado. A Handwerk tem capacidade de produção de 23 mil litros de chope por mês. O produto pode ser considerado artesanal pelo simples fato de não haver nenhum tipo de conservante. A composição leva água, malte, lúpulo e fermento, produzidos pelo cervejeiro da casa em 10 tanques e sob a gerência de Léoneu Félix da Silva. A empresa administrada por cinco diretores e por um quadro de 46 sócios tem como produto mais consumido a cerveja tipo Pilsen. Segundo Dácio Krause, 40% do consumo desse chope correspondem às mulheres. Ainda há as opções do chope escuro, que contém um maior teor alcoólico e de sabor mais forte, além do chope de vinho. A novidade fica por conta do chope Premium, que está em fase de testes e em breve estará pronto para ser degustado. Nestes dois anos de cervejaria, dá para se afirmar que o primeiro ano foi de aprendizado e adaptação. O diretor avalia que o sucesso do empreendimento se deve ao visual do lugar, à beleza das instalações rústicas, à qualidade do produto e também pela quantidade de sócios. A empresa de capital próprio almeja crescer, mas sempre mantendo os pés no chão.

Cervejaria Taquaras Rua Duque de Caxias, 239, Centro, Ibirama, SC (47) 3357-33431/ (47) 3357-3343 www.handwerk.ind.br

84


[festival]

Banco de Imagens

4° Festival Brasileiro da Cerveja atrai mais de 22 mil pessoas e consolida a vocação cervejeira do Vale

Blumenau: a capital nacional

da cerveja

Em março, blumenauenses e turistas puderam experimentar o que há de melhor quando o assunto são cervejas. Durante quatro dias, mais de 22 mil pessoas estiveram no 4° Festival Brasileiro da Cerveja. De acordo com o presidente da Vila Germânica e da comissão organizadora do festival, Norberto Mette, o total de visitantes estava dentro da expectativa, que era de 22 mil a 25 mil pessoas. O festival reuniu, no Setor 2 do Parque Vila Germânica, os melhores do ramo 86

e trouxe ao público amante de boas cervejas diversas opções de sabores, texturas e aromas. Estiveram à disposição cerca de 500 rótulos da bebida, apresentados por mais de 80 expositores, entre fornecedores, cervejarias artesanais e cervejeiros caseiros. Ao contrário das primeiras edições, além da bebida, este ano o festival deu destaque também para a gastronomia local. Ao todo, seis pontos de alimentação foram distribuídos pelo Setor 2.

Outro ponto forte dessa edição do Festival Nacional da Cerjeva foi a música. Grupos regionais e nacionais trouxeram um repertório composto por muito rock, pop, samba, jazz e MPB, além de clássicos que marcaram os anos 1960, 1970 e 1980. Estiveram presentes, por exemplo, Renato Carlini, de São Paulo, considerado o melhor cover de Elvis Presley do Brasil, e Dave Maclean, que fez muito sucesso nos anos 1970 ao gravar hits internacionais.


As cervejas Opções não faltaram para quem procurava sabores originais. Os cerca de 500 rótulos até tornavam difícil a escolha. Na dúvida, muitas pessoas resolveram experimentar aquela que é sucesso nos desenhos animados. Uma das cervejas mais vendidas durante o festival foi a Duff, famosa por ser a bebida preferida de Homer Simpson, no seriado ‘The Simpsons’. Estilo pilsen, a cerveja é direcionada ao público jovem. A Duff foi lançada em 2006, na Espanha, e chegou ao Brasil no final de 2011, quando um

grupo de empresários fez um contrato de distribuição exclusiva. Cada país decide qual será o segmento da bebida. Aqui, é produzida artesanalmente pela cervejaria catarinense Saint Bier, de Forquilhinha. Com sabor e aroma suaves, a Duff é fácil de beber e é ideal para os dias de calor. A Cervejaria Colorado foi outra muito procurada durante o festival. Além dos quatro rótulos já tradicionais da marca – Caium, Appia, Indica e Demoiselle –, a cervejaria também trouxe uma novidade: a Ithaca.

O novo rótulo é representante do estilo Imperial Stout. Com 10,5% de teor alcoólico, ela é elaborada artesanalmente e possui um grande diferencial em relação a outras marcas: um leve toque de rapadura queimada. Ao contrário da Duff, a bebida é encorpada e recomendada para ser consumida em dias frios. Além disso, também é de guarda – assim como alguns bons vinhos, apresenta uma interessante evolução dos sabores e complexidade quando guardada por algum tempo. Fotos Divulgação

Cervejaria do ano No Great Beer Cup, a cervejaria Wäls, de Belo Horizonte, foi eleita a melhor do ano. A mineira conquistou três medalhas de ouro: nas categorias Pilsen, Imperial Stout e Special – com a cerveja Brut.

Blumenau em destaque As cervejarias de Blumenau e região fizeram bonito na competição realizada durante o festival. O Great Beer Cup teve a participação de 220 cervejas de 20 estilos do Brasil, Argentina, Chile e Uruguai e premiou as cervejas exemplares com medalhas de ouro, prata e bronze. Bierland, Eisenbahn, Das Bier e Zehn Bier estiveram entre as cervejas especiais premiadas no concurso, realizado pela primeira vez

no Brasil. Entre elas, a Bierland foi a que mais se destacou. Ganhou bronze com a cerveja Vienna, prata com a Pale Ale e a Bock e menção honrosa com a Strong Golden Ale. As cervejas foram avaliadas por um júri composto por sommeliers, produtores e membros do Beer Judge Certification Program (BJCP) – programa para formação e certificação de juízes de concursos cervejeiros – do Brasil, Estados Unidos, Chile e Argentina. 87


[ design AP ]

Gatos, conto de fadas e

livro de dormir Banco Cubo Ripa Design

Buffett Fifty Saccaro

Seguindo a linguagem marcante dos produtos da década de 1950, dos móveis e eletrodomésticos arredondados e peças bem trabalhadas, surge o Buffet Fifty. A peça tem portas de madeira maciça revestidas com trançado em fibra natural. Um produto de design vintage moderno, perfeito para enriquecer qualquer ambiente.

88

Peças produzidas a partir de placas abandonadas de ipê e vinhático, com pontos em caxeta e cabureíba – madeiras nobres e brasileiras –, que permitiu um resultado estético monocromático. A abstração, intrínseca ao cubo, tanto na forma e na imagem quanto na função, possibilita vários usos a este objeto. O Banco Cubo pode ser criado-mudo, mesa de centro, descanso de pés, escultura e mesa de canto.


Livro-cama Yusuke Suzuki

Conto de fadas Vincent Leman

Por meio de formas e curvas inusitadas, a Dust Furniture cria mobílias nada convencionais, decretando guerra contra as linhas retas. O design dessas incríveis peças parece ter saído direto de um livro de conto de fadas, enchendo os olhos com formas e cores imprevisíveis. Todo o acabamento é feito artesanalmente. Todas as mobílias começam de um conceito, seguido de muitos esboços. O conceito pode ser apenas uma curva, uma ideia, como em Acrobats, que parecem estar se equilibrando em cima do outro. As peças revelam cores e formas completamente singulares dentro do que podemos encontrar em uma loja de móveis. Sem perder a ideia de um móvel clássico, consegue transmitir a sensação de que o fantástico se transforma em real dentro de qualquer cômodo da casa.

Soninho aconchegante Andre Scariot

Um enorme livro aberto em que as páginas funcionam como edredons e travesseiros viram marcadores e brinquedos e são usados para contar histórias. Essa é a proposta do livro-cama, que é assinado por Yusuke Suzuki. Uma boa ideia para o quarto das crianças.

Olha que fofura essa casinha de design 100% nacional produzida pela Guisapet. O designer da marca, Andre Scariot, conta que os cães e gatos são animais de toca, ou seja, eles preferem dormir e relaxar em pequenos ambientes mais fechados e confortáveis.

89


[ clic Alto Padrão ]

Burocracia impede a

passagem

90

Maior cartão-postal do Estado sofre com a ação do tempo, falta de manutenção e demora dos governos


Fotos Arquivo Mundi Editora

A maior ponte pênsil do Brasil é conhecida internacionalmente por ser cartão-postal de Santa Catarina e ter a estrutura, que liga o continente à Ilha de Santa Catarina, com o maior vão central do mundo entre todos os suspensos por barra de olhal. Há muito manezinho dizendo por aí que, se a Ilha não é o paraíso, seria impossível que o paraíso verdadeiro tivesse um horizonte tão privilegiado sem uma Ponte Hercílio Luz, como Floripa tem. Moradores e turistas elogiam o que ontem foi a solução de tráfego e hoje é um monumento histórico. Mas passam dias, semanas e meses e os elogios se calam ficando à frente os problemas estruturais causados pela ação climática incisiva e pela falta de ação eficiente de conservação, motivada pela burocracia. Inaugurada em 13 de maio de 1926, com cinco mil toneladas, a Ponte Hercílio Luz corre o risco, afirmado por engenheiros que atuam no tardio trabalho de reforma, iniciado em 2006, de parar no fundo do mar. Ao completar 86 anos, a comemoração não teve a festa por vários motivos. Um deles é o atraso das obras iniciadas há seis anos. Deveriam ser concluídas pelo Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra) e pelo Consórcio Florianó-

polis Monumento (CFM) em maio deste ano, mas foram adiadas para 2014. Outro entrave é a restauração orçada acima de R$ 170 milhões, mas com caixa relativamente baixo em comparação ao montante desejado. É prevista a injeção de R$ 64,5 milhões na obra, vindos da captação de recursos através da Lei Rouanet, mas, até o momento, não foram iniciadas as apresentações para possíveis interessados. Empresas que declaram pelo lucro real podem doar até 4% do Imposto de Renda devido à projetos pela Lei Rouanet. Pessoas físicas podem colaborar com até 6% do imposto devido. Este é o projeto com maior valor levantado para esta lei até hoje pelo Ministério da Cultura, porém, três vezes menor que a pretensão inicial. Há questionamentos entre políticos sobre o investimento, mas os fãs da bela estrutura, que sempre arranca suspiros, querem apenas a certeza de que, ali, a ponte irá continuar e no futuro próximo voltará a ser aberta ao tráfego.

Dados técnicos O comprimento total é de 819,471 metros, com 259 metros de viaduto insular, 339,471 metros de vão central e 221 metros de viaduto continental.

A estrutura de aço tem o peso aproximado de 5 mil toneladas e os alicerces e pilares consumiram 14.250m³ de concreto.

As duas torres medem 75 metros, a partir do nível do mar, e o vão central tem altura de 43 metros.

91


[ AP indica ]

Arte, cozinha e

decoração .QUADROS COM DESENHOS

.CAIXA DECORATIVA E CASTIÇAIS Laqueada em azul turquesa, com divisórias, tampa de espelho com acabamento bisotê e pegador cromado. E castiçais em madeira torneada, com vela

Martelados manualmente sobre chapa de alumínio escovado

R$ 119 (caixa) R$ 65 (castiçal menor) R$ 69 (maior)

R$ 269

.PORTA-RETRATO Para foto 15x21cm, de alumínio, com temas gravados manualmente e envernizado R$ 59

.APOIO PARA NOTEBOOK Bandeja com almofada para apoio do notebook no colo, feita em MDF laqueado branco, com imagem impressa e almofada lavável. Várias estampas R$ 99

.GARRAFAS DE ALUMÍNIO Revestidas em tecido ou madeira, em várias cores R$ 69 (pequena) R$ 79 (média) R$ 89 (grande)

.CAFÉ DA MANHÃ Bandeja para café da manhã com pés retráteis, feita em MDF laqueado branco e impressão sobre a tampa R$ 145

. Aluminarte Atelier – www.aluminarte.com.br – (47) 3041-1492 92


.FACA DO CHEF Com revestimento antiaderente, lâmina com fio superior e capa protetora na cor azul R$ 53

.POTINHOS

.PARA SALADAS Misturador de molho para saladas, de plástico, em várias cores

Para guardar o restante da cebola e tomate para que fiquem frescos e sem odor R$ 20 cada

R$ 68

.RALADOR MANUAL .PANELAS DE CERÂMICA Resistentes ao choque térmico, 100% atóxicas, em várias cores. Jogo com cinco peças

Fatia em três tipos de espessura (fina, média e grossa) R$ 60

R$ 618

.JOGO DE TAÇAS Seis taças com jarra bico de jaca R$ 353

.CORTADOR DE PIZZA Com lâmina inox em formato sorriso R$ 32

.Art Cozinha – artcozinhautilidades.blogspot.com – (47) 3324-1515 93


[ AP indica ]

.CADEIRA

.ABAJUR

Estilo Luís 15, em tecido de fibra de bambu

Com base de madeira laqueada azul e cúpula de tecido estampado

R$ 1.534

R$ 1.364

.MARILYN MONROE .APARADOR

Banco com tecido Marilyn Monroe, laqueado na cor vermelha

Com 70cm de largura, laqueada, na cor laranja

R$ 1.510

R$ 1.738

.POLTRONA GIRATÓRIA Vermelha, em fibra de bambu-rubi R$ 2.851

.MESA LATERAL DREY Em laca azul turquesa, design de Jader Almeida

.POLTRONA LOU

R$ 1.370

Estilo Berger, de chenile cinza R$ 2.149

.Boze Ambientes – www.boze.com.br – (47) 3035-1316 94


[ agenda AP ]

Cursose eventos

Patchwork Design 2012

O Patchwork Design reúne trabalhos feitos com a técnica do patchwork contemporânea. Consagrado pelo público, o evento, realizado nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, chega a 11ª edição. A mostra vai reunir as obras dos melhores artistas nacionais e estrangeiros do gênero e contará com uma feira de produtos com vários fornecedores, além de palestras e workshops com convidados internacionais.

Fabricon 2012 A Fabricon é uma feira direcionada ao ramo de negócios da indústria da construção civil. A feira tem como público principal empresários do ramo técnico, lojista e empresarial. São vários os setores que participarão da Fabricon, entre os quais estão produtos e equipamentos para a construção, iluminação, pisos e revestimentos, louças, cerâmicas, entre outros. Com entrada gratuita, a expectativa é de que, durante os cinco dias de feira, mais de 30 mil pessoas passem pelo Parque Vila Germânica.

+ informações O quê: 11º Rio Patchwork Design Quando: 31 de maio a 02 de junho (RJ) e 14 a 16 de junho (SP) Onde: Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP) Telefone: (21) 2256-1091 Site: www.bializ.com

+ informações O quê: Fabricon 2012 Quando: 13 a 17 de junho Onde: Parque Vila Germânica, Blumenau (SC) Telefone: (47) 3336-3314 Site: www.feirafabricon.com.br

+ informações Expo Rio Móbile A 2ª edição do Expo Rio Móbile trará as novidades em decoração e da indústria moveleira. Na feira, haverá projetos assinados por profissionais conceituados e que trazem um alto padrão de qualidade e também de sustentabilidade aos trabalhos.

Cinema Infantil A Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis é um dos eventos cinematográficos mais tradicionais de todo o Brasil, em que são apresentados filmes de até 20 minutos de duração com temática infantil. A mostra incentiva a produção desse gênero de filme, além de também divulgar a diversidade cultural. 96

+ informações O quê: Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis 2012 Quando: 29 de junho a 15 de julho Onde: Florianópolis (SC) Telefone: (48) 3232-5996 Site: www.mostradecinemainfantil.com.br

O quê: Expo Rio Móbile Quando: 19 a 23 de junho Onde: Rio de Janeiro (RJ) Telefone: (21) 2178-4243 Site: www.exporiomobile.com.br


[ agenda AP ]

+ informações

Fenearte A Feira Nacional de Negócios do Artesanato (Fenearte) é a maior feira do gênero realizada na América Latina. O evento conta com a presença de artesãos do Brasil e de outros países e, anualmente, recebe um público de aproximadamente 250 mil pessoas. A Fenearte oferece oficinas de xilogravura, atividades infantis, desfiles de moda, além de diversas outras atrações, como o Espaço Indígena, Alameda dos Mestres, Salão de Arte e Roda de Negócios.

O quê: 13ª Fenearte Quando: 6 a 15 de julho Onde: Olinda (PE) Telefone: (81) 3426-4775 Site: www.fenearte2012.com

+ informações Enflor e Garden Fair O 21º Encontro Nacional de Floristas (Enflor) e a 9º Garden Fair ocorrem, novamente, em conjunto. Juntos, vão apresentar novas tecnologias e produtos na área de floricultura e paisagismo em geral.

O quê: 21º Enflor e 9º Garden Fair Quando: 15 a 17 de julho Onde: Holambra (SP) Telefone: (19) 3802-4196 Site: www.rbbeventos.com.br

Rota Gastronômica Além de belas praias, o turismo gastronômico também é muito apreciado no Litoral Catarinense. Para explorar esse potencial, surgiu a Semana Internacional de Gastronomia da Costa Esmeralda. Durante uma semana, dezenas de restaurantes e chefs conceituados dos municípios de Bombinhas, Itapema e Porto Belo oferecem pratos especiais e preços diferenciados.

ForMóbile A 5ª Feira Internacional de Fornecedores da Indústria Madeira e Móveis (ForMóbile) reunirá representantes da indústria moveleira do Brasil e do Exterior. A feira é direcionada para empresas e fornecedores de matérias-primas, ferragens e acessórios e serviços interessados em conhecer um pouco mais sobre o mercado de construção.

98

+ informações O quê: 5ª Semana Internacional de Gastronomia da Costa Esmeralda Quando: 24 a 31 de julho Onde: Restaurantes de Bombinhas, Itapema e Porto Belo (SC) Telefone: (47) 3369-8904 Site: www.semanadegastronomia.com.br

+ informações O quê: 5ª ForMóbile Quando: 24 a 27 de julho Onde: Pavilhão de Exposições do Parque Anhembi, São Paulo (SP) Telefone: (11) 3017-6807 Site: www.feiraformobile.com.br


Alto Padrão - Ed. 52  

Produzida pela Mundi, a Alto Padrão é destinada aos profissionais de arquitetura, design, decoração e engenharia em todo o Sul do Brasil.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you