Page 1

Ano 2 nº 20 Dezembro 2008 R$ 8,90

A força de uma marca

Uma loja de secos e molhados fundada por Heinz Schwanke foi o primeiro passo para a criação de uma marca que é sinônimo de qualidade em Blumenau e região: a Schwanke

Herdeiras do espírito empreendedor do pai, Margit (D) e Sheila Schwanke administram as três lojas do grupo

TRADIÇÃO: Quase um século do empreendimento fundado pelo imigrante Walter Schmidt


EDITORIAL

Desafios

Divulgação

Eraldo Schnaider / Divulgação

Recuperar a infra-estrutura da cidade e manter os empregos gerados nos últimos anos são desafios que devem ser encarados com muita seriedade por todos Sobre a tragédia que assolou Blumenau e região, temos dois grandes desafios. O primeiro de reconstrução da infra-estrutura e das residências e lares perdidos. Em conjunto, o governo federal, por meio do presidente Luís Inácio Lula da Silva, senadores e deputados federais, e o governador Luiz Henrique da Silveira estão totalmente comprometidos e chegaremos lá. Com relação aos novos lares, uma importante solução é apoiar o projeto “SOLIDARIEDADE VOLTA AO LAR”, através de depósito na conta 36000-7, agência: 2186-5, aberta pela Fiesc no banco Bradesco e administrada pelos empresários. O outro desafio, talvez o maior deles, é manter o nível de empregos da população de Blumenau e região. Para isso, todos devem ajudar e incentivar, sejam entes públicos ou privados, entidades laborais ou patronais. Ricardo Stodieck Presidente da Acib 3


SUMÁRIO

Divulgação

Divulgação Divulgação

Próxima dos 100 anos de fundação Walter Schmidt busca sua diferenciação no mercado segmentado

12 APOSTA NO Emprego temporário

16

Prêmio Conceito Varejista

26

Reconhecimento aos melhores estabalecimentos comerciais de Blumenau

Final de ano é período para conquistar um novo emprego

06 Empresários locais avaliam a crise financeira global

18 Tecnologia na emissão de notas fiscais 24 Sétima edição do Prêmio Gustav Salinger destaca empreendedores de Blumenau

28 Núcleo Setorial de Comércio Exterior 30 Artigo – Minha incrível mãe! 32 Acib é notícia 35 CDL é notícia 38 Sindilojas é notícia 40 Memória EDITOR-EXECUTIVO Sidnei dos Santos - 1198 JP (MTb/SC) - sidnei@mundieditora.com.br EDITORA Michele Wilke - 01227 JP (MTb/SC) - michele@mundieditora.com.br EDITORA-ASSISTENTE Gisele Scopel - 02807 JP (MTb/SC) - gisele@mundieditora.com.br REPÓRTERES Ana Paula Lauth, Elis Facchini, Mariene Maluli e Kakau Santos (Fotografias); Cristiane Soethe Zimmermann e Juliana Pfau (Institucional) COORDENADOR DE ARTE Guilherme Faust Moreira - guilherme@mundieditora.com.br FOTO DE CAPA Ivan Schulze - Tratamento de imagem: Bruno Bachmann DIRETOR COMERCIAL Cleomar Debarba - 47 3035.5500 - debarba@mundieditora.com.br DIRETOR EXECUTIVO Niclas Mund - niclas@mundieditora.com.br DIRETOR EDITORIAL Luiz Mund - 0189 JP (MTb/SC) - mund@mundieditora.com.br

4


Ivan Schulze

LOJAS Schwanke Uma das marcas mais tradicionais de Blumenau é exemplo de garra e realização de um sonho

08

Conselho Editorial Acib: Ricardo Stodieck, Cristiane Soethe Zimmermann, Charles Schwanke, Avelino Lombardi e Rubens Olbrisch CDL: Marcelino Campos, José Geraldo Pfau, Paulo César Lopes e Jorge Luiz Caresia Sindilojas: Alexandre Ranieri Peters, Márcio Rodrigues, Marco Aurélio Hirt e Juliana Pfau

Rua Ingo Hering, 20 – 8º andar CEP: 89010-205 Blumenau – SC 47 3326.1230 www.acib.net

Alameda Rio Branco, 165 CEP: 89010-300 Blumenau - SC 47 3221-5735 www.cdlblumenau.com.br

Alameda Rio Branco, 165 CEP: 89010-300 Blumenau-SC 47 3221 5750 www.sindilojasblumenau.com.br

Mundi Editora Luiz Mund e Sidnei dos Santos

5


Entrevista

Os efeitos locais

da crise global

De acordo com o analista de câmbio da corretora Liquidez, Mario Paiva, o mercado vive um momento de aversão muito grande a riscos, muita incerteza e muitos prejuízos. O medo da recessão tem assombrado os investidores e o reflexo é a incerteza generalizada. Em Blumenau, o proprietário da Relojoaria e Óptica Ônix, Luiz Bernardino dos Santos, o coordenador da Câmara Brasileira de Produtos e Serviços Ópticos (CBÓptica/CNC), Leandro Luiz Fleury Rosa, e o diretor da NS Importação e Comércio, Fábio Sartorti, avaliam a alta do dólar e as incertezas do mercado em relação às vendas e o consumo interno. 6


Os efeitos negativos da crise global atingiram as indústrias e empresas, principalmente com a limitação de crédito, o que nos leva a pressentir um recuo nas vendas futuras Revista Empresário: A alta do dólar e as incertezas do mercado já afetaram diretamente as vendas e o consumo interno? Luiz Bernardino dos Santos: Acredito que, como já estamos no final do ano, quase todos os nossos fornecedores já tenham recebido suas mercadorias. É claro que os preços serão reajustados e, em conseqüência disso, as vendas sofrerão uma queda. Leandro Luiz Fleury Rosa: O setor óptico varejista ainda não sentiu os efeitos da alta do dólar. Apesar de muitos insumos ópticos virem de fora do País, os efeitos de aumento de custos e as influências sobre as vendas, advindas dessa crise internacional, com reflexos imediatos sobre as bolsas e o dólar, ainda não foram percebidas no varejo óptico. Com outros produtos, como relógios, já há tal percepção, assim como na aquisição de equipamentos, a maior parte deles provenientes do Exterior. Sobre eles, já se percebem as dificuldades. As incertezas do mercado financeiro ainda não atingiram o mercado varejista de óptica, apesar de gerar preocupações à frente. O consumo ainda está dentro da normalidade, apesar de alguns estados perceberem pequenas reduções, que até o momento podem ser consideradas características sazonais no consumo de produtos e serviços ópticos. Fábio Sartorti: De uma forma ou de outra, o câmbio é um fator extremamente relevante para as empresas que participam do comércio internacional, seja como exportadoras ou importadoras. O reflexo de sua instabilidade se desdobra automaticamente até o consumidor final no mercado interno. Sabemos que a tendência é que o mercado mais sensível seja aquele que tem suas operações calculadas em moeda estrangeira, mas, na prática, há uma insegurança e precaução geral em se fechar negócios de qualquer natureza, principalmente, os que envolvem dívidas em longo prazo. RE: Já é possível sentir no caixa os efeitos da crise? Santos: Com certeza, mercadorias

do Exterior virão com reajustes. Nós, lojistas, teremos que repassar e, com isso, ocorre uma queda nas vendas. Mas acho que com a chegada de final de ano tudo se ajeita. Rosa: Não. Os fornecedores estudam aumentos, alguns já os anunciaram, outros já os praticam, em especial o de máquinas e equipamentos, mas os efeitos ainda não estão perceptíveis no caixa das empresas de uma forma geral. É provável que tal situação se consolide, mas, até o momento, não foi sentida. O setor produtivo varejista de óptica acredita que esse aumento desenfreado seja contido, evitando grandes reflexos negativos à economia. Mas o cenário tem se alterado e é visto com preocupação pelos empresários. O varejo de óptica não possui clientes no Exterior. Seus reflexos no âmbito interno são imperceptíveis ainda. Sartorti: Com certeza, a crise financeira mundial se tornou sistêmica, afetando a economia dos principais países do mundo. No entanto, especificamente o segmento têxtil possui uma característica logística que permite que os reajustes não sejam repassados em um primeiro momento, mas em curto prazo. Invariavelmente, isso acaba acontecendo. Como a volatilidade cambial foi muito intensa, não há margem para absorvê-la. RE: Estes reflexos são realmente causados pela falta de crédito e o medo de recessão ou há muito da especulação de fornecedores e do mercado? Santos: Acredito que é mais medo da recessão, claro que com isso vem a especulação. Rosa: Há as duas situações. Por isso ainda não houve uma manifestação uniforme por parte dos fornecedores, até por que muitos deles têm condições, caso a turbulência não se prolongue ou se instale de vez, de manter o nível de preços praticados antes da crise. Mas existem fornecedores cujos impactos da crise já são sentidos, apesar de toda cadeia produtiva ainda não perceber de forma significativa tais impactos da crise econômica, especialmente o vare-

jo. O receio de problemas econômicos ainda não percebidos de forma prática pode gerar medo, o que é muito ruim ao setor produtivo. Esperamos que os potenciais problemas que estão sendo sinalizados não sejam confirmados. O receio maior é que essa crise gere invasão ainda maior de produtos chineses, fato que, por si só, já preocupa. Sartorti: Primeiramente, creio que é importante separar o empresário gerador de riqueza do investidor especulativo. O empresário que produz, que atua na geração de riqueza, não tem como trabalhar com investimentos de natureza especulativa. Seu foco é fazer girar o negócio; enquanto o investidor especulativo trabalha com uma aposta na valorização da moeda e faz disso seu principal negócio. É natural que essas operações aconteçam e que um clima de instabilidade se instaure. No entanto, avaliando a crise global, creio que é pouco provável a hipótese de uma especulação nesse nível, relacionando ambos, com abrangência e reflexos em escala mundial. RE: O Brasil e a região, se considerarmos de janeiro a novembro, têm superado as expectativas de crescimento e desenvolvimento econômico. Apesar desta crise parecer estar revertendo este cenário, conseguiremos fechar o ano de 2008 no positivo? Santos: Até agosto veio muito bem. Aí surgiu essa crise na qual se fala tanto que acaba atrapalhando, mas, com certeza, será um bom ano e fecharemos no positivo sim. Rosa: Não me sinto em condições de responder essa pergunta. Sartorti: Os efeitos negativos da crise global atingiram as indústrias e empresas, principalmente com a limitação de crédito, o que nos leva a pressentir um recuo nas vendas futuras, sobretudo nas empresas que dependem de operações de financiamento. Com o custo do crédito mais alto, é possível que o impacto venha a ser sentido, mesmo que em menor escala, pelas empresas brasileiras, catarinenses e blumenauenses. 7


reportagem de capa

xxxxx

Fotos Ivan Schulze

Ousadia e sonho tornaram

a Schwanke uma marca de prestígio Diante do peso que hoje o nome Schwanke representa em Blumenau é difícil imaginar a simplicidade de uma época em que as oportunidades eram muitas, mas os recursos escassos. Com uma loja de secos e molhados, Heinz Schwanke foi quem deu os primeiros passos para construir o que se tornou uma marca renomada na cidade.

Margit (E) e Sheila administram o negócio da família, iniciado pelo pai Heinz Schwanke 8

Inovador, Heinz investiu em uma máquina que transformava retalhos em algodão para preenchimento de cobertas. Em 1959, casou-se com Edith, que há oito anos morava no Brasil, vinda da Alemanha. A esposa começou a separar os pedaços grandes de retalho na garagem de casa e em certa tarde, um comprador chegou à loja e levou todos os retalhos. Foi assim que teve início a loja de tecidos. Não demorou para aquele pequeno estabelecimento se tornar uma loja de armarinhos conhecida. O casal teve três filhos e Margit, a filha mais velha, acompanhou todo o processo de crescimento da empresa. Sempre dentro da loja, ela aprendeu muito com o pai.


Novos desafios drados, começou a ficar pequena. Para ficar perto dos olhos do pai, as empresárias mudaram para outra loja ainda na mesma rua, porém com 2 mil metros quadrados, para atender o setor de cortinas, moda masculina, feminina e bebê – com móveis, kits e puericultura, além de um ambiente para as costureiras. Até 2001, a loja ainda mantinha a parte de retalhos para os clientes mais antigos. Mas a quantidade diversificada de produtos dificultava a mão-de-obra especializada. Em março do mesmo ano, houve um incêndio no setor feminino da loja. O cheiro e a fuligem não deixaram nada escapar. “Tudo foi estragado e tivemos que ficar com as portas fechadas por 40 dias”, contam. Com mais mercadorias chegando a cada momento e a falta de lugar para estocar, a família se reuniu para decidir os novos caminhos da loja. Parte dos produtos ainda ficou na loja que havia sido queimada, mas deixaram de trabalhar com a moda masculina, os retalhos e cama, mesa e banho. O setor de bebê foi ampliado e, em junho de 2001, as irmãs inauguraram a Schwanke Mulher. Instalada em um endereço nobre de Blumenau, a Alameda Rio Branco, a loja mostrava um perfil so-

fisticado e marcante. Pouco mais de um ano depois a divisão de bebês também ganhou um novo espaço, quando foi aberta a Schwanke Baby and Kids, também na Alameda Rio Branco. A seqüência de novidades não tinha fim e, em novembro de 2005, a loja de decoração, também na Alameda Rio Branco, foi inaugurada. Posteriormente, esta loja foi absorvida pela loja de cortinas e persianas, na Rua Indaial, que abriu suas portas em abril de 2007. Esta loja as irmãs costumam chamar de “fábrica de sonhos sob medida”. Fotos Ivan Schulze

Os anos 1970 chegaram com muitas transformações e as confecções tomaram conta do mercado. Heinz sabia que era preciso acompanhar as mudanças e ousar. A empresa apostou em produtos confeccionados de roupas femininas e masculinas e também produtos para banho. “As pessoas, as exigências dos clientes mudam e quem não segue a evolução fecha as portas”, diz Margit. Assim como o pai, ela se tornou uma empresária empreendedora e seu grande projeto era transformar a Schwanke em uma loja de produtos de primeira linha. Com a evolução, a empresa se dividiu entre uma indústria fabricante de panos de limpeza e uma loja localizada no Bairro da Velha. Já na metade da década de 1980, a irmã Sheila, que estava em Curitiba a estudos, volta para ajudar nos negócios da loja. O que elas não imaginavam é que este seria o casamento perfeito. Margit passou a focar nas finanças e Sheila se entusiasmou com a criação. Sheila admite que não foi fácil abrir mão do serviço social em que se formou. Por outro lado, um mundo de novas possibilidades se abriu e ela encarou o desafio. A loja instalada na Rua João Pessoa, com aproximadamente 200 metros qua-

9


reportagem de capa

Homenagem

10

Lojas: Schwanke Mulher Schwanke Baby and Kids Schwanke Cortinas e Persianas Fundação: 1951 – Sociedade Beneficiadora de Resíduos Têxteis (Soberetex) Empregos diretor - 40 funcionários

Fotos Ivan Schulze

Prestes a fazer 30 anos no comando de uma das marcas de maior requinte de Blumenau, Margit Schwanke recebeu a homenagem de Mulher Empresária no evento Conceito Varejista. A festa inédita aconteceu no dia 20 de novembro no Moinho do Vale, em uma ação conjunta do Sindicato do Comércio Varejista (Sindilojas) e Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL). Segundo ela, a notícia foi recebida com muita surpresa. “A gente não tem idéia do quanto as pessoas estão nos olhando”, afirma. Para as irmãs, a homenagem significa o reconhecimento de um trabalho feito em equipe e das lições ensinadas pelo pai: humildade, qualidade, honestidade e credibilidade. A empresária Margit se emociona ao ver seu projeto realizado. A Schwanke se transformou em uma marca de conceito e confiança tão grande que, muitas vezes, as empresárias esquecem da potência que o nome conquistou. A loja que vendia panos, hoje oferece produtos de primeira linha, atendendo às necessidades dos mais exigentes arquitetos e decoradores com uma linha bastante diversificada. Para manter a excelência, elas abraçam a responsabilidade de andar lado-a-lado com as novidades.

Perfil


3 Suítes

(47) 3368 9048 ESTÚDIO GRÁFICO

Invista com Segurança

Lançamento Exclusivo

( Master com Sacada )

Matrícula de Incorporação Registro de Imóveis 13741 1º Ofício

2 Apartamentos

por Andar

• • • •

Somente 14 apartamentos Vista privilegiada Lazer com piscinas térmicas Alto padrão de acabamento

Living Apartamento

Construção e Incorporação

Informações

47 3322 7233 www.andrausempreendimentos.com.br

Realização

EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS

CRECI 9252

3 Vagas de Garagem


Case empresarial

Quase um século

de bons negócios

“A Sonepar, que por sua vez tem um poder de barganha muito maior do que tínhamos isoladamente antes, negocia mundialmente com os principais fabricantes a compra de material elétrico. Então, a partir do momento em que ingressamos no Grupo, os preços de compras dos produtos reduziram para nós e, naturalmente, esses preços foram repassados para o mercado, o que melhorou nossa competitividade”, afirma Nebelung. Ele destaca o acesso à tecnologia e melhores práticas. “A Sonepar descortinou um horizonte novo e muito mais amplo e o grande beneficiado é o cliente, que tem ao seu dispor uma empresa com conhecimento global”, enfatiza o empresário. No novo endereço, às margens da BR-470, a Walter Schmidt está instalada num depósito com 2 mil metros quadrados. Do Centro de Distribuição, as mercadorias são despachadas para qualquer lugar do sul do Brasil. A estrutura de estocagem é montada de forma a priorizar a agilidade dos processos, para isso utiliza ferramentas como endereçamento de produtos e código de barras, além de uma equipe eficiente para realizar as tarefas no menor prazo e na maior confiabilidade possíveis. A empresa tem como principal cliente a indústria, mas possui na nova sede uma loja com produtos a preço de atacado para atender pessoas físicas. Nebelung argumenta que a equipe de vendas da Walter Schmidt recebe treinamentos constantemente a fim de estar sempre atualizada e apta a oferecer aos clientes a melhor solução. “Os mais de 15 mil itens comercializados são distribuídos a todas as regiões do sul do Brasil através de parcerias com empresas de transporte ou veículos próprios”, aponta. “Nossa missão é ser a melhor empresa de distribuição de materiais elétricos em Santa Catarina”, ressalta o empresário. 12

Kakau Santos

Prestes a completar 100 anos, a Walter Schmidt atua no mercado de distribuição de materiais elétricos através da comercialização de produtos das marcas mais reconhecidas nacional e internacionalmente. O diretor comercial da empresa, Bruno Nebelung ressalta que em janeiro de 2007 a Walter Schmidt se associou ao grupo francês Sonepar, potência mundial no segmento de distribuição de materiais elétricos. Iniciou então uma nova fase da empresa que culminou na mudança de endereço, do Centro da cidade para a Rua Tapajós, Bairro Salto do Norte, mais próxima às indústrias.

O empresário Bruno Nebelung é da quarta geração do fundador Walter Schmidt


Fotos Kakau Santos

Destaques O principal negócio da Walter Schmidt é a distribuição de materiais elétricos, porém a empresa procura agregar valor aos produtos e se diferenciar no mercado atuando nos segmentos: Automação industrial: a Walter Schmidt atua fortemente em soluções para automação através dos técnicos de campo, que avaliam as possibilidades e fazem levantamentos de necessidades, de acordo com os objetivos dos clientes. Desta forma, a empresa tem condições de fornecer solução completa. “Nosso objetivo principal é aumentar a produtividade e reduzir o custo de produção do cliente, para isso contamos com marcas mundialmente conhecidas”, aponta Nebelung. Iluminação técnica: os projetos lumino-

técnicos desenvolvidos visam obter o máximo da relação custo x benefício no que diz respeito à iluminação industrial, comercial e esportiva, respeitando as exigências técnicas para cada tipo de iluminação e proporcionando economia de energia. “Nosso grande parceiro na melhoria de iluminação dos ambientes com redução no consumo de energia é a Philips”, observa. Produtos de Segurança: a empresa comercializa ampla linha de materiais elétricos voltada para segurança de pessoas e máquinas. Além disso, realiza estudos e projetos a fim de adequar as mais diversas empresas às normas de segurança vigentes no País. “O Ministério do Trabalho e Emprego tem pressionado as empresas

quanto à adequação do parque industrial às normas de segurança e a Walter Schmidt auxilia neste sentido”. Contratos de fornecimento: a Walter Schmidt tem administrado contratos de kanban (forma de trabalho criada no Japão) com os clientes. Os contratos podem ser: Just-in-time, são acordados preços para o fornecimento, que ficam fixos por determinado período. Os produtos permanecem no Centro de Distribuição, porém a entrega é garantida, pois os materiais ficam reservados para o cliente de contrato; e Consignação, em que são acordados preços que ficam fixos por determinado período de tempo. Nesta modalidade, os estoques ficam nas dependências do cliente para o uso imediato.

13


Case empresarial

Há quase 100 anos no mercado

Sonepar O Grupo Sonepar é uma organização privada, independente e propositalmente descentralizada, distribuidora de materiais e de soluções para os profissionais da eletricidade, com excelência em serviço. Criado em 1969, se desenvolveu de uma maneira rápida e sustentada e hoje registra um faturamento de 10,5 bilhões de Euros. É representado por mais de 100 empresas em 29 países e quatro continentes.

14

Fotos Divulgação

A empresa nasceu no ano de 1910, quando Walter Schmidt veio da Alemanha para Blumenau e adquiriu uma torrefação de café. A partir desta data e durante as décadas de 1920 e 1930, o café era distribuído a estabelecimentos de “secos e molhados” da região e produtos importados da Alemanha. Mas, a Segunda Guerra Mundial mudou o panorama da empresa que, em meados de 1946, ingressou definitivamente no ramo da eletricidade, fornecendo motores e geradores de energia a diesel, atendendo à demanda crescente. “Após a Segunda Guerra, o Brasil passou por uma crise de energia elétrica motivada pela expansão da produção e Walter Schmidt percebeu uma lacuna no mercado”. Nas décadas seguintes, e principalmente após as enchentes de 1983 e 1984, a empresa ampliou o leque de produtos, entre eles uma linha de ferramentas, lavajatos e roçadeiras (hoje comercializados pela WS Máquinas). E iniciou a montagem de painéis e fabricação de transformadores, que posteriormente transformou-se também numa empresa independente. O empresário credita a longevidade da empresa ao trabalho, comprometimento, honestidade e qualidade – premissas instituídas pelo fundador. “Somos a empresa mais antiga do segmento no País e o fato de estarmos com 98 anos mostra que temos capacidade de nos reinventarmos e é isso que nos faz permanecer no mercado”, analisa o empresário.

A empresa surgiu quando Schmidt adquiriu uma torrefação de café, em 1910

Antiga sede da Walter Schmidt S/A, quase um século de história

Perfil Razão Social: Walter Schmidt Eletro Comercial S/A Fundação: 1910 Fundador: Walter Schmidt Ramo de atividade: Distribuição de materiais elétricos, projetos de automação, iluminação e materiais de segurança e contratos de fornecimento Colaboradores diretos: 30 funcionários


EMPREGO

Chance de mostrar serviço Divulgação

60%”, conta. Há oferta de vagas temporárias também nas áreas administrativas, em casos que o funcionário efetivo desfruta de licença maternidade ou férias. “Hoje, temos empresas na área de comércio e na área de conservas. O serviço temporário só possui lados positivos, pois a partir do momento em que a pessoa está dentro da empresa pode manter-se lá”, afirma. Kattrim argumenta que para permanecer no mercado de trabalho é preciso dedicação e comprometimento. “O mercado está carente de fatores como estes, sempre observados pelos líderes. É fundamental vestir a camisa da empresa”, afirma. Outro aspecto destacado por ela é a pessoa estar preparada para as oportunidades.

As regras Contrato

Criado pela Lei nº 6.019, de 3 de janeiro de 1974, o trabalho temporário é aquele prestado por pessoa física a uma empresa para atender à necessidade transitória de substituição de seu pessoal regular e permanente ou a acréscimo extraordinário de serviços. Em Blumenau, estas vagas temporárias têm demanda ampliada a partir de agosto, quando diversas empresas de indústria e comércio aumentam o quadro de funcionários para o movimento de final de ano. A chance de ser efetivado em um emprego temporário é grande para quem demonstrar interesse e fizer um bom trabalho. Agências de recursos humanos de Blumenau, contratadas para realizar a ponte entre as empresas e os candidatos, apresentam uma média de 70% de funcionários temporários que tornam-se efetivos. A gerente da Chance Master Assessoria de Recursos Humanos, Adriana Sabrine Schimidt Bremer conta que a agência trabalha em quatro módulos de contratação: efetivos, temporários, terceirização e estágio. “O empregos temporários surgem com o acréscimo de produção em períodos sazonais”, observa. Adriana enfatiza que hoje a maioria dos empregados temporários tem chance de efetivação, mas diz que nem sempre são chamados logo 16

em seguida – às vezes a contratação vem mais tarde. Ela explica que as empresas abrem vagas e passam o perfil do que precisam para as agências em detalhes como: grau de escolaridade, experiências anteriores, salário e benefícios oferecidos. “Entre nosso banco de dados e os currículos entregues temos atualmente cerca de 25 mil pessoas”, diz. Adriana afirma que todo ano é feito um recadastramento para renovar os currículos que estão aguardando. Na agência é realizada uma pré-seleção e depois da filtragem o candidato é encaminhado para a entrevista na empresa. Neste ano, a Chance Master realiza uma parceria com a Associação dos Lojistas do Shopping Neumarkt. Os candidatos interessados nas vagas tiveram acesso a uma palestra sobre “Como o vendedor deve proceder” e “Técnicas de vendas”. “Como os perfis das lojas são diferentes, é necessária uma escolha criteriosa”, avalia Adriana. Kattrim de Melo, gerente de relacionamento da RHBrasil Recursos Humanos analisa que de outubro a dezembro a oferta de serviços temporários é aquecida, principalmente na área do comércio, pelo acúmulo de atendimento aos clientes, e no setor de produção, para substituição de mão-de-obra. “A partir de setembro, as vagas aumentam aproximadamente

O contrato de trabalho celebrado entre empresas de trabalho temporário e cada um dos assalariados colocados à disposição de uma empresa tomadora ou cliente será, obrigatoriamente, escrito e nele deverão constar, expressamente, os direitos conferidos aos trabalhadores por esta Lei (6.019, de 3 de janeiro de 1974). Prazo O contrato entre a empresa de trabalho temporário e a empresa tomadora ou cliente, em relação a um mesmo empregado, não poderá exceder de três meses, salvo autorização de prorrogação conferida pelo órgão local do Ministério do Trabalho e Emprego. Parágrafo único. O contrato de trabalho temporário poderá ser prorrogado uma única vez, pelo mesmo período, desde que a empresa tomadora ou cliente informe e justifique que: I – a necessidade transitória de substituição de pessoal regular e permanente excedeu ao prazo inicialmente previsto; II – as circunstâncias que geraram o acréscimo extraordinário dos serviços e ensejaram o contrato de trabalho temporário foram mantidas. A empresa tomadora ou cliente deverá protocolizar, no órgão regional do Ministério do Trabalho e Emprego, o requerimento de prorrogação do contrato de trabalho temporário, previsto no Anexo desta Portaria, devidamente preenchido, até 15 dias antes do término do contrato.


RECEITA

Nota Fiscal

Eletrônica agiliza processos

Desde abril deste ano, fabricantes e distribuidores de combustíveis líquidos e de cigarros têm obrigatoriedade no uso da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), novo modelo de documento fiscal que substitui a nota fiscal modelo 1/1A. Esta tem como características principais o fato de ser emitida e armazenada eletronicamente, além de possuir assinatura digital do eminente para garantir sua autoria e autenticidade. Até dezembro, mais nove segmentos econômicos terão que se adaptar a nova nota fiscal: fabricantes de veículos, cimento, bebidas alcoólicas e refrigerantes, ferro-gusa e aço, atacadistas de carnes, medicamentos alopáticos de uso humano e os atacadistas de energia elétrica. Quem informa é o auditor fiscal da Secretaria de Estado da Fazenda (SEF) e Gestor da Nota Fiscal Eletrônica em Santa Catarina, Marcilino Jucemar Bonorino Figueiredo. Segundo ele, para o mês de abril de 2009 estão previstos mais 25 segmentos, que complementam os demais, conforme relacionado no artigo 23 do anexo 11 do Regulamento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) em Santa Catarina. “Os estados já tem proposta de inclusão de novos segmentos para o mês de setembro de 2009, que se encontra em processo de aprovação no Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) e, se aprovado, teremos a publicação do respectivo protocolo para início de outubro”, destaca Figueiredo. A NF-e é obrigatória para as indústrias e distribuidores atacadistas de certos pro-

18

dutos, para os quais há interesse de controle por parte da administração tributária. Esta é utilizada em todas as operações comerciais das empresas, de importação e exportação, de entrada de mercadorias, de transferência e apropriação de créditos. Para Figueiredo, as vantagens da Nota Fiscal Eletrônica são inúmeras. Primeiramente a comodidade no manuseio e na conferência, tanto para os participantes no processo produtivo e comercial, quanto para a administração tributária e contabilistas envolvidos na escrituração comercial e fiscal. “Cálculos das empresas participantes do projeto piloto indicam redução de custos na ordem de 80% em relação ao da nota fiscal tradicional”, pontua o gestor da NF-e. Além disso, as transportadoras obtêm redução de custo e agilidade na emissão dos conhecimentos e manifesto de transporte, pois passam a gerenciar as notas eletrônicas. Elas terão possibilidades de emitir, em breve, o conhecimento eletrônico de transporte e, para o ano que vem, o manifesto eletrônico de cargas, que trará redução de custos no transporte. Como proceder a instalação

Em Santa Catarina, voluntariamente, qualquer empresa industrial ou comercial atacadista poderá requerer o uso da NF-e. As limitações são feitas para o comércio varejista. “Porém, dependendo da situação específica poderá ser autorizado o uso”, completa Marcilino Jucemar Bonorino Figueiredo. Para uso da Nota Fiscal Eletrônica, a empresa precisa solicitar credenciamento através do site da Secretaria de Estado da Fazenda (http://www.sef.sc.gov.br), sendo dividido em duas fases: testes e produção. De acordo com Figueiredo, é preciso providenciar a aquisição, desenvolvimento ou obtenção gratuita do programa aplicativo emissor de NF-e e um certificado digital de pessoa jurídica da ICP Brasil. Além disso, deve preparar o ambiente tecnológico, com computador, área de armazenamento seguro dos arquivos eletrônicos de NF-e, impressora adequada para a impressão do Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica (DANFE) e link com a Internet.

É importante também a aquisição de estoque mínimo de formulários de segurança, para atender alguma necessidade urgente de emissão de NF-e, por falta de comunicação com a fazenda estadual. “Neste caso poderá circular com o DANFE emitido em formulário de segurança e transmitir o pedido de autorização no retorno das condições normais de operação do sistema”, explica Figueiredo. Para empresas da obrigatoriedade de uso, há exceções quanto ao limite de faturamento para os fabricantes de aguardente e de vinho, cujo valor total anual, em 2007, foi inferior a R$ 36 mil. Para os demais segmentos, a lei não prevê dispensa pelo porte da empresa, sendo que pequenas e médias empresas também utilizarão a NF-e. “As empresas que querem utilizar a NF-e em opção a implementação do Número Seqüencial Único (NSU), devem fazer a opção imediatamente, solicitando seu credenciamento para testes, visto que a partir de outubro vence o prazo legal”, informa Figueiredo.

Saiba mais 261 estabelecimentos emitem mensalmente cerca de 300 mil NF-e em Santa Catarina. Esse número deve aumentar substancialmente a partir de dezembro, quando novas empresas iniciarão a operação no regime de obrigatoriedade. Mais informações sobre credenciamento, legislação e empresas emissoras são obtidas no Portal da NF-e/SC, acessado através de link existente na página da Fazenda Estadual ou diretamente pelo link http://nfe.sef.sc.gov.br As administrações tributárias disponibilizaram gratuitamente, através da Secretaria de Fazenda do Estado de São Paulo, um programa aplicativo emissor de NF-e para aqueles contribuintes com baixo volume de emissão de notas fiscais. O seu download poderá ser feito diretamente no Portal da NF-e/SP (link: http://www. fazenda.sp.gov.br/nfe/) ou no Portal Nacional, (link: http://www.nfe.fazenda.gov. br/portal/).


Empreendedorismo

Prêmio Gustav Salinger

destaca casos de sucesso Alexandre Eggert / Divulgação

Sérgio José Tomio, Marilda Constâncio, Fabiana Rubia Vieira e Rodolfo Hess de Souza lembrou a importância da empresária Adelina Clara Hess de Souza para o cenário empresarial blumenauense. Quem recebeu a honraria em nome dela foi o filho Rodolfo Hess de Souza. Quatro empresas de Blumenau foram agraciadas no último dia 10 de novembro com o VII Prêmio Gustav Salinger. Na categoria Serviços a ganhadora foi a Proway Informática, representada por Sérgio José Tomio. Recebeu o prêmio de Jovem Empreendedor Fabiana Rubia Vieira, da Vipper Talentos RH. Já na categoria Comércio a vencedora foi a empresa Cristal Acrílico, representada por Marilda Constâncio. E na categoria Indústria uma homenagem especial

24

O evento também comemorou o Dia Municipal e Estadual do Empreendedor e os 107 anos da Acib. O coordenador da Acib Jovem Tomás Dalsenter anunciou que em breve o dia 05 de novembro poderá se tornar também o Dia Nacional do Empreendedor. Projeto com esse teor foi aprovado no Congresso Nacional e tramita agora no Senado. Ao falar da data que marca o aniversário de fundação da Acib, o presidente da entidade Ricardo Stodieck lembrou o trabalho incansável da associação na busca de recursos provenientes do Poder Público para melhorias na infra-es-

trutura e qualidade de vida da cidade e da região. Fruto disso, segundo ele, é a pesquisa publicada pelo jornal Folha de São Paulo que destaca Blumenau entre as 20 cidades brasileiras que mais receberam investimentos per capita da União, mesmo sendo governada por uma coligação de oposição. Os vencedores do Prêmio Gustav Salinger deste ano receberam uma bolsa de estudos de pós-graduação do ICPG Uniasselvi, além de um troféu e um certificado expedido pela Associação Empresarial de Blumenau (Acib). O evento teve patrocínio da Caixa, ICPG, Fator Contabilidade e Schrader. Na mesma noite, a Acib lançou o calendário 2009 e um caderno, ambos patrocinados pela Caixa. O caderno pode ser retirado pelos associados na sede da associação.


Alexandre Eggert / Divulgação

Conheça as empresas vencedoras Proway Informática - Fundada em 1995, a empresa é hoje referência em Santa Catarina no segmento em que atua. Principal provedora de treinamento profissional e formadora de mão-de-obra, possui como clientes empresas produtoras de software do ramo têxtil e de diversas outras áreas. Pioneira no Estado na oferta de cursos Delphi, Linux e Open Office e em ter sua estrutura instalada em um shopping center. Sua participação na implantação e manutenção do Programa Entra 21, da Blusoft, em três anos já beneficiou mais de 700 jovens de baixa renda e encaminhou centenas a empregos de qualidade na área de informática. Vipper Talentos RH – Especialista

em processos de seleção em níveis estratégicos e táticos, possui um leque de prestação de serviços ampliado nas áreas de desenvolvimento organizacional, gerencial e nos sistemas de gestão humana. Possui como missão apresentar aos seus clientes as melhores soluções de capital humano e oferecer aos candidatos as melhores possibilidades de evolução profissional. Nos planos para os próximos seis anos estão abrir filiais em Joinville, Rio Grande do Sul e Curitiba. Cristal Acrílico – A empresa tem como objetivo mobilizar todos os recursos disponíveis, elevando o grau de interação com os clientes e procurando manter o seu produto atual e desenvolver novos

mercados. O diferencial estratégico consiste em criar e produzir peças com a melhor qualidade e os melhores recursos. A empresa foi fundada em 2001 e, mesmo nestes poucos anos, já atende os três estados da Região Sul do País. Adelina Clara Hess de Souza – Nascida em 20 de março de 1926, em Luís Alves, iniciou sua trajetória profissional ainda jovem. Com criatividade e disciplina transformou o que poderia ter sido mais um drama rural brasileiro em uma história de grande sucesso empresarial. De um lote de tecidos abandonado fez uma empresa referência nacional, que já ultrapassou as fronteiras de mais de 55 países: a Dudalina.


comércio

Sucesso na primeira edição Divulgação

do Prêmio Conceito Varejista

Marcelino Campos (E) e Alexandre Ranieri Peters (terceiro da E para a D) com os representantes da Casas Bahia, vencedora da categoria mais importante da noite - Melhor Loja de 2008 O Sindicato do Comércio Varejista (Sindilojas) e a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Blumenau promoveram, no dia 20 de novembro, no Complexo Turístico do Moinho do Vale, a primeira edição do Prêmio Conceito Varejista. O evento, que premiou os melhores estabelecimentos comerciais de Blumenau em 2008, segundo uma pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisas Sociais (IPS) da Furb, contou com a presença de 400 pessoas, entre em26

presários indicados, homenageados, convidados, autoridades e imprensa. Na abertura da cerimônia de premiação, foram entregues os troféus às personalidades e empresas identificadas por uma comissão formada por representantes dos realizadores em conjunto com demais entidades do segmento empresarial, que merecem destaque por suas ações que contribuem de maneira significativa com a comunidade de Blumenau. O momento mais importante da noite – o anúncio dos premiados em 33 cate-

gorias de segmentos do comércio – foi aguardado por todos com muita expectativa. O objetivo das entidades era promover a divulgação dos ganhadores somente na noite do evento, mantendo o resultado em poder somente do IPS, o que aumentou ainda mais o clima de suspense. Os presentes elogiaram a iniciativa e as entidades organizadoras acreditam que este acontecimento ficará marcado na história de Blumenau, pelo reconhecimento aos melhores de um dos segmentos mais importantes da economia, o comércio varejista.


Os ganhadores da noite

(Personalidades empresariais de destaque) Casas Bahia

Melhor Loja de 2008

Blubel Esportes

Artigos Esportivos

Coremma

Auto Peças e Acessórios Automotivos

Sulamericana Modas

Brinquedos Calçados Cama, Mesa e Banho CD e DVD

Homenageados

Concessionária de Veículos Decoração e Presentes

Flamingo

Empreendedorismo Inovação

Breitkopf Veículos

Posto Mime

Infohard Sesi Farmácia

Farmácia Floricultura

Arte floral

Instrumentos Musicais

Multisom

Joalheria e Relojoaria

Relojoaria e Ótica Universal Livraria Alemã

Livraria

Havan

Loja de Departamento

Construcon

Materiais de Construção Moda Feminina

Lojas Marisa

Moda Infantil e Jovem

Lojas Renner Cia. do Homem

Moda Masculina

Casas Bahia

Móveis Ótica

Relojoaria e Ótica Universal

Papelaria e Revistaria Perfumes e Cosméticos Posto de Combustível Revenda de Motos Revenda de Veículos Usados e Semi-Novos Supermercados Tecidos, Aviamentos e Acessórios Revenda de Telefones Fixo e Móvel Video Locadora

Moinho do Vale

Cine Foto Carlos

Casas Bahia

Equipamentos de Informática

Empresário Luciano Hang (Havan)

Vivenda Cortinas e Decoração

Eletrodomésticos e Eletrônicos

Hering Store

Pittol Calçados Bruneti Discos (Shopping Neumarkt)

Cine, Foto e Som

Case Nacional

Responsabilidade Social Unimed Jovem Empresário Nilto José da Silva (Book Center) Mulher Empresária Margit Schwanke Ruediger Renúncia Fiscal Cooper Personalidade Antônio Edmundo Pacheco

Destaques nos bairros Região Norte Supermercado Central – Rede Top

Livraria Alemã

Região Oeste

O Boticário

Blubel Magazine

Posto Patinho Feio Breitkopf Motos Joni Veículos Angeloni Loja Brueckheimer Lojas Salfer 100% Vídeo

Região Central Supermercado Giassi Região Sul Lojão Progresso Região Leste Joni Veículos Divulgação

27


NÚCLEOs SETORIAIS

Em prol das relações Luís C. Kriewall Filho

internacionais de comércio Participantes Blucargo

Hemmer

Blumimpex

Hering

Comércio de Lubrificantes Rubens Moreira Coteminas

Criado em julho de 2002, o Núcleo de Comércio Exterior da Acib tem 20 participantes, que representam diferentes segmentos. O núcleo é formado por profissionais que trabalham para melhorar os processos que envolvem os negócios de empresas da região com outros países. O grupo se destaca pela promoção de eventos realizados para facilitar o acesso às informações sobre comércio exterior a empresas de todos os portes e segmentos. O objetivo do núcleo é fomentar a discussão das questões do comércio exterior entre as empresas e buscar soluções ou meios para melhorar os procedimentos existentes na área. O coordenador Carlos Eduardo Silveira explica que a intenção é reunir o maior número de pessoas em torno do tema, com o propósito de provocar um maior envolvimento em torno das necessidades. O vice-coordenador do núcleo, David Colin Morton Bilsland, informa que, com freqüência, há novas portarias e mudanças na área. “Precisamos nos atualizar constantemente”, afirma, acrescentando que o núcleo procura trazer profissionais e cases de sucesso para ilustrar tais novidades. A Receita Federal, o Banco do Brasil e o 28

Karsten Lourival Piaz Representações

Cremer

Eduardo Silveira e David Bilsland coordenam o núcleo

J Chicatto

D&A Comércio Exterior

Redbras

Dudalina

Reta Importadora

Eletro Aço Altona

Sanmak

Faculdade IBES

Sulfabril

Furb

Teka

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) são os principais e importantes parceiros do núcleo, que também mantém relação de parceria com instituições de ensino envolvidas com o comércio exterior. Em junho deste ano, foi constituído o Conselho Estadual de Comércio Exterior – solicitação antiga da região – do qual participam representantes dos Núcleos de Comércio Exterior de todo o Estado. Blumenau é representada nos encontros por Ido José Steiner, diretor para Assuntos Internacionais da Acib e integrante do núcleo. Além de Blumenau, participam do Conselho representantes das cidades de Itajaí, Joinville, Jaraguá do Sul e Brusque.

tem como foco o desenvolvimento da exportação de serviços através dos programas do Governo Federal. Posteriormente, Do Val proferiu palestra aberta à comunidade. Carlos Eduardo Silveira conta que uma das atividades do núcleo foi visitar o Porto de Navegantes (Portonave) antes de iniciar as operações, para que os empresários entendessem o funcionamento do porto. Recentemente, o Núcleo realizou reunião itinerante da Câmara do Porto de Itajaí, com o objetivo de estreitar relação e conhecer a estrutura de logística portuária existente no município de Itajaí, com ênfase ao Porto. Projetos

Ações do núcleo

O coordenador do núcleo informa que se tem atuado para envolver mais os nucleados, buscando consolidar os participantes efetivos do núcleo. “Precisamos reconquistar o pessoal e fortalecer o núcleo”, afirma. Em 2008, mais de 600 pessoas foram envolvidas nos eventos da Acib. O evento de maior destaque realizado no ano foi a vinda do diretor da Secretaria de Comércio e Serviços do MDIC, Maurício Lucena Do Val, no dia 21 de agosto. Primeiramente, Do Val se reuniu com empresários de Blumenau e região. Ele esclareceu dúvidas e falou sobre o trabalho da secretaria, que

A estratégia do núcleo para o próximo ano é continuar trabalhando com as dificuldades do dia-a-dia do Comércio Exterior. O coordenador do núcleo, Carlos Eduardo Silveira, garante que as reuniões vão continuar acontecendo a cada 15 dias, mas com o objetivo de aumentar o envolvimento das empresas. Um dos projetos do núcleo para 2009 é realizar o 2º Encontro Catarinense de Comércio Exterior, em Blumenau. “É necessário ter o apoio dos empresários, incentivando os representantes de Comércio Exterior de suas empresas, para participar das reuniões e atividades do núcleo”, revela Silveira.


ARTIGO

Fotos Divulgação

Minha Incrível Mãe!

Meu amigo José Aparecido Mendes, imortalizou a história de minha mãe, nas letras da música “Incrível Adelina”, que cantou para ela, no dia do seu 82º aniversário, dia 20 de Março passado. Com lágrimas escorrendo pela face, ela ouvia entre emocionantes versos, esses: “Cheia de amor no coração, a poesia em seu olhar, quebrou as regras do seu tempo, juntou a fé com o talento e o seu sonho foi buscar!.. Lutou e venceu sem armas nas mãos, ainda gerou dezesseis corações, nunca virou as costas prá ninguém,sempre foi de dividir o pão, e ensinou a praticar o bem! 30

Essa é uma síntese poética da trajetória de minha mãe, que muitos conhecem. Nascida em uma época em que as mulheres eram tratadas como seres frágeis, desprovidas de ação e iniciativa própria, sem dúvida alguma, ela foi o símbolo perfeito da exceção. Desde menina, travessa e destemida, já demonstrava em suas brincadeiras criativas, que era um ser incomum. Adolescente ainda, percebeu nos negócios de meu avô, um comerciante de secos e molhados de Luís Alves, a possibilidade de incrementar as vendas. Com criatividade, espírito empreendedor e muito trabalho, minha mãe reverteu o quadro de estagnação e comodismo que imperava, e em pouco tempo, as vendas multiplicaram, os produtos diferenciaram-se e os clientes eram fidelizados. Começava a desenhar seu futuro. Não esquecia o lazer, e na sua saga pioneira, fundou clube de vôlei feminino, formava grupos de passeio, criava sessões de cinema, numa época em que essas coisas não eram comuns. Ao participar de um comício político (naquela época era um “acontecimento”), minha mãe atraiu a atenção de um poeta. Meu pai perdeu-se de amores e embevecido, muitas vezes nos relatava: “Ela era bela, esguia e altiva, e irradiava força e magnetismo irresistíveis”. O casamento foi a concretização de um sonho lindo, e com ele, a decisão: teriam todos os filhos que

Deus lhes concedesse. Minha mãe sempre quis vencer. Não por vaidade ou por satisfação pessoal. Impelia-a à luta no alcance desse objetivo, a sua maternal preocupação com o futuro e a segurança de seus dezesseis filhos, que ela cuidou, amparou e amou como se fossem únicos. Ela sabia que a vitória dependia de sua criatividade, de perseverança, e de muito trabalho. E a ela, Deus concedeu esses atributos, sem limitação. Com sua visão de futuro, vislumbrou num lote de tecidos que meu pai havia comprado e que teimava em permanecer no estoque, uma oportunidade de transformá-lo em camisas para uma centena de operários que estavam trabalhando em uma ferrovia na região. Desenhava-se o começo da Dudalina, fábrica de camisas que hoje ocupa lugar de destaque no cenário nacional. Perfeccionista por natureza, minha mãe nunca deu ouvidos ao “mais ou menos”. Arrojada e corajosa, passou longe do “impossível”. Com paciência e perseverança, sempre fez do impossível, uma realidade... com perfeição. Lembro-me sempre do semblante perplexo das pessoas que resistiam, ante a insistência e a certeza de minha mãe. Era assim que ela conseguia tudo que planejava. Com obstinação e coragem. Transformava oportunidades em negócios. Onde havia retalhos, como sobras dos cortes de camisas, ela enxergava produtos prontos. Assim fundou a “Patchwork”, fábrica de colchas, aventais, jogos americanos, etc. Muitas outras coisas poderia relatar, da magnífica e breve vida de minha mãe. Breve? Sim. Tenho certeza que seres como ela, cuja história não tem dimensão, porque extrapola os limites que conhecemos, deveriam ser eternos. São exemplos imorredouros e deixam uma saudade muito grande. Mas conforta-nos o orgulho de fazermos parte de sua história, de termos seu exemplo a nos guiar. Como meu pai, que em um de seus versos, chamava-a “fada encantada”, hoje eu reporto-me a outro poeta – Carlos Drumond de Andrade, para afirmar que existem pessoas que não morrem: ficam encantadas - como minha INCRÍVEL MÃE ADELINA! Sonia Regina Hess de Souza Presidente da Dudalina S/A e filha de Adelina Clara Hess de Souza

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K


ACIB É NOTÍCIA

Divulgação/Deinfra

Barragens devem receber novos recursos

Barragem de José Boiteux passa por obras de recuperação As barragens de contenção de cheias do Vale do Itajaí foram tema de uma reunião conjunta entre diretoria e conselho da Acib no mês de novembro, que contou com a presença do diretor de obras civis do Deinfra Luiz Carlos Marinho Cavalheiro e do gerente de obras hidráulicas Guilher-

estratégia de mercado O Núcleo de Segurança Privada, Asseio e Conservação da Acib promoveu um café da manhã com uma palestra sobre a terceirização de serviços, destacando a importância da contratação de empresas especializadas e regulamentadas, que não coloquem em risco o patrimônio das organizações. O especialista em sistemas de segurança eletrônica Marcos Antônio de Souza também tratou da legislação que determina que o contratante é co-responsável pela execução das obrigações assumidas pelo prestador de serviços de segurança. 32

me Rodolfo Bresciani. O assunto, debatido recentemente no Fórum Parlamentar ocorrido em Blumenau, preocupa os empresários. Poucos dias após a reunião, em 17 de novembro, os técnicos do Deinfra estiveram em Brasília para definir detalhes de um convênio que deve trazer cerca de R$

4 milhões em recursos federais e quase R$ 2 milhões de contrapartida do Estado. As verbas serão investidas em serviços, equipamentos e mobiliário nas três barragens: José Boiteux, Taió e Ituporanga. Os técnicos do Deinfra explicaram que atualmente encontram-se em andamento dois convênios firmados entre o Ministério da Integração Nacional e o Estado de Santa Catarina em 2005, tendo como prioridade as reformas na barragem de José Boiteux, depois que a comunidade indígena invadiu e depredou a área. Os recursos desse convênio estão sendo aplicados em modernização do sistema de acionamento das comportas e recuperação de estrutura, dragagem para desassoreamento, recuperação de equipamentos de controle do sistema, recuperação de dique, entre outras obras. Também já está em andamento o cumprimento do protocolo de intenções firmado com os indígenas, incluindo recuperação das estradas, construção de pontes e de 20 casas. “Além disso, estamos trabalhando no desenvolvimento de um sistema informatizado, que deve começar a operar no próximo mês”, anunciou Luiz Cavalheiro. Também estiveram presentes na reunião os vereadores eleitos Napoleão Bernardes (PSDB), Deusdith de Souza (PP), Marcelo Schrubbe e Antonio João Veneza do DEM, Vanderlei de Oliveira e Vânio Salm do PT e Roberto Tribess (PMDB).

AGENDA Programa Sebrae de Gestão da Qualidade Quando: Início no dia 02 de março de 2009 (duração de dez meses) Inscrições até 27 de fevereiro de 2009 Vagas Limitadas para oito empresas. Carga Horária: 98 horas de capacitação e 20 horas de consultoria por empresa. Investimento: 10 x R$ 315 (para associados Acib) e 10 x R$ 335 (para não associados) Inscrições no Sebrae (47) 3222-2655 ou Acib: (47) 3326-1230 O programa é direcionado para empresários e gerentes de micro e pequenas empresas com mais de dois anos e máximo de 20 funcionários e aborda temas essenciais como: mudança pessoal e orga-

nizacional, visão estratégica do negócio, gerenciamento dos processos, medição dos resultados, valorização das pessoas e conseqüente melhoria do ambiente de trabalho. O programa contempla cinco módulos: Fundamentos da Excelência; D-Olho na Qualidade; Parcerias Eficazes; Os Processos; e Visão Estratégica. Objetivo: tem como objetivo levar às micro e pequenas empresas conhecimentos e ferramentas para a implementação de um sistema de gestão da qualidade. O Programa foi desenvolvido com o apoio técnico da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) e utiliza o Modelo de Excelência em Gestão. Utiliza recursos instrucionais modernos (jogos, simulações, dinâmicas de grupo) que facilitam o aprendizado e a aplicação prática.


ACIB É NOTÍCIA

Acib é reconhecida em congresso empresarial No dia 14 de novembro a Acib foi reconhecida no Congresso Empresarial Catarinense como a entidade empresarial mais antiga do Estado. O prêmio foi recebido pelo vice-presidente da associação, Carlos Tavares D’Amaral. O evento foi uma realização da Facisc e da Acif (Associação Comercial e Industrial de Florianópolis) e contou com a presença de cerca de mil pessoas durante dois dias. A Acib foi lembrada por, ao longo de mais de 100 anos de história, ter um papel relevante nos mais importantes fatos da cidade relacionados ao crescimento econômico e desenvolvimento empreendedor.

Brinquedos, livros, artigos de vestuário e higiene pessoal estão sendo arrecadados pelo Núcleo de Farmácias de Manipulação da Acib para uma campanha beneficente de Natal, chamada “Manipulando Carinho”. Os donativos serão encaminhados às crianças da Associação de Educação Complementar Puro Amor em Blumenau e ao PEAL - Projeto Espaço Alternativo em Timbó. Quem quiser contribuir pode levar a sua doação até o dia 10 de dezembro, a um dos postos de arrecadação espalhados pela cidade.

34

Amaral (D) recebe o prêmio de José Henrique Carneiro de Loyola

Conselho de Núcleos faz avaliação do ano Cristiane Soethe

Novos associados Clínica Estética Fitness Center Fone: (47) 3387-2121 www.bevilaquacenter.com Coalização Adm. e Corretora de Seguros Fone: (47) 3036-2600 Comercial Kimeri Fone: (47) 3326-3277 Comércio Repres. JJB Fone: (47) 3323-0662 Ecobalance Projetos Ambientais Fone: (47) 3339-0727 www.ecobalance.com.br Empresa Blumenauense de Comunicação Fone: (47) 3340-1260 www.radioblumenauam.com.br Evolvere – Consultoria de Proc. E Sist. Fone: (47) 3041-0706 Farmácia Nova Fone: (47) 3378-1220 Lojas Fácil Comércio de Móveis Fone: (47) 3330-3110 www.facilplanejados.com.br M&S Montagens Fone: (47) 3322-2122 www.flormabella.com.br Reffinato Point Móveis e Decoração Fone: (47) 3340-0139 Romualdo Alberto Gassert Jr ME Fone: (47) 3323-2734 Ronaldo Cesar Theiss Fone: (47) 3330-0250 SDR Com. de Móveis e Dec. Interiores Fone: (47) 3222-0807

Renato Gama

Farmácias promovem campanha

Integração de nucleados foi o principal foco dos debates

Na última reunião do ano, em 18 de novembro, o Conselho de Núcleos da Acib fez uma avaliação das atividades de 2008 e planejou futuras ações. O presidente Rubens Olbrisch ressaltou a necessidade de maior participação dos coordenadores dos núcleos setoriais. Entre os pontos positivos deste ano foram destacados o evento de integração dos núcleos e a missão à Associação Empresarial de Jaraguá do Sul. Entre as prioridades para 2009 está fazer projetos comuns aos interesses dos núcleos.

Empresário em missão à China A China se tornou nas últimas décadas uma das maiores economias do mundo. A média de crescimento econômico nos últimos anos é de quase 10%, taxa superior a das maiores economias mundiais, inclusive a do Brasil. O Produto Interno Bruto (PIB) daquele país cresceu 11,9% em 2007. Estas cifras apontam que a economia chinesa representa atualmente 13% da economia mundial. A Facisc (Federação das Associações Empresariais de SC) promoveu através do seu braço técnico, a Fundação Empreender, uma missão empresarial para conhecer de perto esta potência no final de outubro de 2008, entre os dias 12 e 24.

Representante da Acib, Hans Dieter Didjurgeit participou da missão e considera que foi uma chance de buscar uma nova visão de negócios e futuras oportunidades. “A cultura, humildade, conceitos e história, o desenvolvimento e a competência nos negócios foram características chinesas observadas ao longo da viagem”, cita. Os 20 empresários que deixaram suas cidades em Santa Catarina puderam ver por que a China cresce de forma estrondosa. A Canton Fair 2008 foi um dos principais pontos da viagem. A feira ocorre duas vezes ao ano (outubro e abril), e desde sua inauguração, em 1957, conta com a participação de 210 países.


cdl É NOTÍCIA

CDL realiza assembléia Divulgação / CDL

A CDL realizou, no dia 18 de novembro, uma assembléia com os sócios efetivos para, entre outros assuntos, promover uma votação e discussão sobre uma série de alterações estatutárias da entidade. Entre os tópicos discutidos, o principal foi com relação à criação de núcleos de bairros, com o objetivo de aproximar ainda mais a CDL dos lojistas que têm seus negócios fora do eixo central da cidade. Encerrada a assembléia e aprovadas as alterações propostas, a entidade ofereceu aos seus mais de 200 associados presentes uma palestra com o professor Ricardo Machado. O palestrante abordou temas como a economia da experiência e sensações como entrega de valor superior ao mercado; atitude e orgulho como diferencial competitivo; como gerar uma postura diferenciada nas empresas, entre outros. Ao final do evento, Papai Noel esteve presente desejando a todos um Feliz Natal e um próspero Ano Novo. Lojistas participam da assembléia da CDL

Pesquisa revela opinião dos consumidores A CDL promoveu, em outubro, em parceria com o Instituto de Pesquisas Sociais (IPS) da Furb, uma pesquisa com a população de Blumenau com o objetivo de avaliar a imagem da CDL, do SPC e comércio da cidade. O levantamento foi feito através de 385 entrevistas pessoais aplicadas em pontos de fluxo de Blumenau, em diversos bairros e respeitando a faixa etária acima de 16 anos. Sobre a avaliação da imagem da entidade junto aos consumidores, apenas 24,16% dos entrevistados afirmaram não conhecer a CDL e 77,92% acreditam que a entidade é importante para a cidade por razões como: ser a maior representação do comércio da cidade, oferecer segurança ao lojista, inibir a inadimplência, incentivar a melhoria do

comércio, promover campanhas promocionais, entre outros. A respeito do comércio da cidade, vários aspectos foram destacados positivamente pelos blumenauenses, tais como: a variedade de lojas (mix), o horário de atendimento de segunda a sexta feira; a qualidade dos produtos; a atratividade das vitrines e as ofertas e liquidações. Já com relação aos pontos avaliados negativamente, o que a entidade considera como um desafio para os lojistas, estão itens como: opções de estacionamento; preços praticados e atendimento dos vendedores. Sobre os hábitos de consumo dos consumidores, 47,45% afirmam realizarem suas compras nos finais de semana e 61,17% em dias de semana. Quando

questionados quanto a estabelecimentos em que costumam fazer suas compras, destacam que 44,64% são em hipermercados ou supermercados, 37,93% em lojas do centro da cidade, 33,36% em lojas de shopping center ou centros comerciais e 24,36% em lojas de bairro. Já quanto às formas de pagamento, em média, 64,08% das vezes compram em dinheiro, 52,58% através de cartão de crédito, 38,87% através de carnê/crediário, 33,23% através de cheque prédatado e 26,56% através de cheque à vista. Os resultados da pesquisa também serão utilizados no planejamento estratégico da CDL para 2009, auxiliando nas ações a serem tomadas e em uma melhor compreensão do comportamento do consumidor de Blumenau.

35


CDL É NOTÍCIA

Pedágio do Brinquedo 2008 Foi iniciada a campanha Natal Solidário – Pedágio do Brinquedo 2008, em uma parceria entre a FCDL/SC, as mais de 160 CDLs catarinenses e a RBS TV. O Pedágio do Brinquedo 2008 visa gerar uma corrente de solidariedade nas diversas regiões de Santa Catarina, por meio da união de esforços de todos os setores

- governos, sociedade civil organizada, iniciativa privada e a comunidade em geral – juntamente comprometidos para arrecadar brinquedos e contribuir com um Natal mais alegre para as crianças carentes do Estado. A campanha tem, até o fim da primeira quinzena de dezembro, a tarefa de ar-

recadar 200 mil brinquedos. As atividades começaram no dia 25 de outubro. Postos de coleta: Blumenau e região: CDL; Madrugadão Lanches (Itoupava Norte e Antônio da Veiga), RBS TV (Blumenau, Brusque, Itajaí e Rio do Sul).

Natal na Casa do Comércio

Combate à Pirataria Três de dezembro é o Dia Nacional de Combate à Pirataria e uma série de ações serão desencadeadas, inclusive em Blumenau. A intenção das entidades envolvidas é, cada vez mais, alertar os consumidores sobre os riscos de se comprar produtos piratas, que, muitas vezes, trazem prejuízos à saúde, como é o caso dos óculos solares, ou mesmo para a economia como um todo. Em Blumenau, várias ações estão sendo programadas e o Núcleo de Videolocadoras da CDL estará participando ativamente, sempre com um trabalho de conscientização da população.

36

Divulgação / CDL

A CDL e o Sindilojas promoveram, no dia 14 de novembro, a abertura do Natal do comércio de Blumenau com a inauguração da decoração natalina da Casa do Comércio. O projeto de decoração explora a beleza arquitetônica da construção, bem como oferece uma contribuição ao clima natalino de Blumenau. O evento contou com uma série de atrações, como show de luzes e fogos de artifício, coral de crianças e idosos nas janelas da Casa, distribuição gratuita de pipoca e algodão doce, além da chegada do Papai Noel. O evento é parte integrante da programação festiva da cidade com o “Feliz Natal em Blumenau”.

Abertura do Natal na Casa do Comércio recebeu excelente público

Calculadora do lojista A CDL está disponibilizando a todos os seus associados a “Calculadora do Lojista”, uma ferramenta idealizada pela entidade que tem como objetivo facilitar o cálculo de juros em parcelamentos e financiamentos e juros sobre parcelas em atraso. O arquivo, que já foi enviado a todos os associados por e-mail e que em breve estará disponível no site da entidade, oferece um suporte completo sobre as informações que precisam estar contidas em etiquetas de preço e vitrines, de acordo com as normas estabelecidas pelo Procon. A calculadora possui dois módulos: um para Juros em Parcelamentos e Financiamentos, que tem o objetivo de realizar o cálculo de juros compostos para parcelamentos e financiamentos de dívidas e sua respectiva tabela de amortização pelo sistema price; e outro módulo para Juros Sobre Parcelas em Atraso, que auxilia no cálculo de juros simples e multas sobre o pagamento de parcelas em atraso. Quem ainda não recebeu ou precisar tirar alguma dúvida, pode entrar em contato diretamente com o departamento financeiro da CDL de Blumenau pelo telefone (47) 3221-5735, com Alexander, ou através do email alexander@cdl-sc.org.br.


SINDILOJAS é notícia

Luís C. Kriewall Filho / Banco Folha

Nível de emprego formal é positivo

Indústria gerou 5,86% dos empregos No acumulado dos nove primeiros meses do ano, os dados do nível de emprego formal em Santa Catarina registram um acréscimo de 6,10% em relação ao mesmo

período do ano anterior. Isto significa a geração de 88.926 empregos no período de janeiro a setembro de 2008, apresentando o melhor resultado de toda a série histórica do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego. Os setores que mais influenciaram a geração de vagas, no acumulado do ano, foram o industrial (5,86%) e o de serviços (5,44%), com 33.149 e 24.659 empregos contabilizados, respectivamente. No primeiro setor analisado, se destaca o sub-setor da indústria têxtil e vestuário, com 9.630 oportunidades de trabalho. Já no segundo setor, o sub-setor comércio e administração de imóveis é responsável por 7.734 postos de trabalho gerados. Os setores do comércio (4,15%) e construção civil (24,26%) também exibiram bons resultados, com a abertura de 12.493 e 12.459 postos de trabalho. No caso do comércio, o bom desempenho ocorreu no varejista, com a geração de 8.764 vagas.

Horários do comércio no Natal 2008 Dezembro 1º a 5 – até 19h 6 (sábado) – até 18h 7 (domingo) – das 14h às 20h 8 a 12 – até 21h 13 (sábado) – até 18h 14 (domingo) – das 14h às 20h 15 a 19 – até 21h 20 (sábado) – até 20h 21 (domingo) – das 14h às 20h 22 e 23 – até 22h 24 – até 13h A partir de 26 – horário normal


Coluna Jurídica

Intenções de compras para o Natal Divulgação

Extinção de contribuição Segue tramitando em regime de prioridade o Projeto de Lei Complementar 378/06, do deputado Antônio Carlos Mendes Thame (PSDB-SP), que extingue a contribuição social de 10% sobre os depósitos do FGTS, devida pelo empregador no caso de demissão imotivada do empregado. A contribuição foi criada em 2001, pela Lei Complementar 110, com vistas a ajudar o Governo Federal a ressarcir os trabalhadores pelos expurgos da inflação decorrentes dos planos econômicos Verão e Collor 1.

registros de ponto

Consumidores apontam as preferências de compras para dezembro A crise financeira deve mudar os hábitos do consumidor nas compras do Natal. É o que aponta a pesquisa realizada pela Federação do Comércio de Santa Catarina (Fecomércio), entre os dias 27 de outubro e 3 de novembro, com 800 consumidores da Grande Florianópolis. A pesquisa mostra que 64% dos entrevistados acreditam que a crise econômica influenciará as compras de Natal, contra 17% que acreditam nos efeitos positivos da crise. Na avaliação do presidente da Fecomércio, Antônio Edmundo Pacheco, os consumidores não deverão reduzir as compras devido à crise financeira. “Os consumidores estão cautelosos, mas ainda há boas perspectivas e o otimismo para o consumo, uma vez que este é tradicionalmente um período de grande movimentação no varejo, em função das compras do Natal”, destaca o presidente. Para se proteger do endividamento, a pesquisa mostra que o consumi-

dor vai priorizar as compras à vista (68%). Além disso, 26,3% das pessoas ouvidas preferem quitar suas contas, prestações e financiamentos, em vez de investir o 13º salário nas compras de Natal (24%). Ainda segundo o levantamento, 52,3% possuem alguma dívida, conta ou financiamento. Com relação às compras de final de ano, 20% dos entrevistados afirmam que irão gastar até R$ 200, seguido de 17,8% que dizem gastar até R$ 300. As compras do comércio de rua são citadas como preferência de 72% dos entrevistados, enquanto 42% se referem aos shoppings. Sobre as intenções de compras de supermercado para o Natal, 62,10% afirmaram que irão desembolsar mais em dezembro que no mês anterior. Já a respeito do vestuário, a pesquisa mostra equilíbrio nas intenções de compras para o mês de dezembro, onde 44,5% afirmaram que comprarão mais roupas e calçados e 40,1% que comprarão a mesma quantidade referente ao mês de novembro.

É importante que os empregados assinem os seus cartões de ponto para dar validade plena ao que neles está registrado. No entanto, não se trata de procedimento obrigatório e nem é exigido pelo art. 74 da CLT. Caberá sempre ao empregado o ônus de provar que os horários não foram corretamente anotados ou que foram adulterados pelo empregador. Fica apenas ressalvada a hipótese das anotações que demonstram horários de entrada e saída uniformes (sempre os mesmos, durante todo o período). Neste caso, caberá à empresa o ônus de provar sua exatidão.

Trabalho aos domingos Por ocasião da época de Natal, as empresas poderão trabalhar aos domingos mediante a concessão de folga em qualquer dia da semana anterior ao domingo trabalhado. Entretanto, a cada dois domingos trabalhados o funcionário lojista folgará no terceiro. Nos domingos trabalhados, além de receber o valor correspondente ao descanso semanal remunerado, o funcionário lojista fará jus a uma ajuda de custo de natureza indenizatória, no valor de R$ 33,00. Não haverá expediente nos dias 25 de dezembro (Natal) e 1° de janeiro. 39


MEMÓRIA

História Fotos arquivo de Eduardo Alencar de Azambuja

ilustrada do comércio

Ex-presidentes da CDL reunidos no 25° Aniversário da entidade, em 1991. De pé: Carlos Althof, Silvio Hirt, Stelio Abis-Zaid, Jorge Caresia, Décio Moser, Theofanes Hass, Hans Schadrack e Udo Prochnow. Sentados: Ernesto Narcizo Deschamps, Ricardo Meyer, Antônio Edmundo Pacheco, Osmar Augusto Schwanke, Helmut Lauterjung, Lothar Paul e Willy Siewert

A CDL de Blumenau foi fundada em 22 de julho de 1966. A reunião de fundação reuniu 17 empresários lojistas em torno dos mesmos objetivos e problemas. O primeiro presidente foi Alfred Freschel, proprietário da Casa do Americano. Como na maioria das cidades brasileiras, em Blumenau a CDL também surgiu da necessidade de criação de um Serviço de Proteção ao Crédito. Aos poucos, a entidade foi agregando novos serviços, campanhas e ganhando a adesão de mais associados. No início, a gestão da CDL era desvinculada do SPC (então Seproc), com a escolha de um presidente para cada entidade. Mais tarde, uma alteração dos estatutos permitiu unir as duas entidades, passando a agregar os sócios de ambas, que foram então classificados em duas categorias: patrimonial e usuário. Em sua história de lutas, conquistas e sucessos, a CDL de Blumenau preserva 40

momentos importantes, como a realização de uma convenção nacional de CDLs, em 1992, e também as convenções estaduais em 1970 e 1980. Algumas iniciativas do comércio catarinense e até brasileiro foram pioneiras em Blumenau. Foi aqui que os lojistas primeiro apostaram no turismo de compras e na participação do comércio no processo promocional de turismo da cidade.

Atualmente, a CDL/SPC de Blumenau conta com mais de 1,3 mil associados, num quadro formado por lojas, centros comerciais, prestadores de serviços, shoppings e profissionais liberais. Além dos serviços do SPC, são colocados à disposição dos associados planos, estudos, pesquisas, cursos, treinamentos, convênios e uma série de outras iniciativas, com o propósito de servir de suporte para a atividade.

Prefeito Félix Theiss (C), o presidente Osmar A. Schwanke e autoridades municipais, em 1974


Empresário | Acib - CDL - Intersindical - Sindilojas - Ed. 20