Issuu on Google+


2

Jornal da Unimed • Região da Produção

Editorial

Q

ual o maior bem do ser humano? Ao fazer esta pergunta, a resposta que vamos obter é SAÚDE. Pois é pela saúde que a Unimed Região da Produção luta. A cooperativa apresenta, ao longo do tempo, campanhas e atividades para promovê-la. Em 07 de abril, Dia Mundial da Saúde, realizou uma campanha cujo tema foi Alimentação Saudável. Para manter nossa saúde, uma das palavras de ordem é PREVENÇÃO. Pensando nisso entrevistamos dois ex-fumantes. Sabem o que eles dizem? Nem chegue perto do cigarro, não vale a pena. O vício além de caro, ameaça o nosso bem maior, que é impagável, a saúde. Falando nisso, 31 de maio é o Dia Mundial contra o Ta-

baco. Quem sabe é agora que você deixa de fumar? Aproveite a data para começar uma nova vida. Uma outra atitude positiva de prevenção é cuidar da saúde dos olhos desde cedo. Mesmo antes de sair da Maternidade é possível fazer o “Teste do Olhinho”. A recomendação é que a consulta oftalmológica seja uma vez ao ano. E não espere seu filho ter problemas de visão para levá-lo ao oftalmologista. A primeira visita deve ser feita ainda criança para prevenir qualquer problema. Lembre-se: atitudes e hábitos saudáveis sempre, para preservar a sua saúde.

Quem faz a Unimed Monique De Marchi, Atendente de Serviço de Saúde no Centro de Diagnóstico da Unimed Região da Produção. “Tenho orgulho em trabalhar nesta empresa, que é uma referência na precisão de resultados laboratoriais e clínicos, ajudando para que todos tenham bem estar.”

Liege Filter, Atendente de Serviço

de Saúde no Centro de Diagnóstico da Unimed Região da Produção.

“Há seis meses faço parte da equipe da Unimed Região da Produção. Tenho muito orgulho e satisfação em fazer parte desta equipe que trabalha visando o bom atendimento e bem estar de seus usuários.”

Expediente DIRETORIA EXECUTIVA Presidente Dr. Luiz Carlos Colle Thomé Vice-presidente Dr. Paulo Roberto Cattapan Superintendente Dr. Darlan Martins Lara CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Alvacyr de Castro Collares, Darlan Martins Lara, Elbio Balcemão Esteve, Luiz Carlos Colle Thomé, Luis Carlos Michel, Paulo Roberto Cattapan, Paulo Roberto Menta, Sérgio Luis Garcia de Macêdo, Sérgio Ribeiro Weinmann Filho. CONSELHO FISCAL Efetivos: Carlos Alberto Vilarino, Mauro Luiz Smaniotto, Nelson Luiz Matiotti Audino. Suplentes: Jasson Camarrgo Ruas, Josemar Roberto Machado, Luciano Luiz Alt. COMITÊ DE AUDITORIA Coordenador: Dr. Paulo Roberto Cattapan Membros: Dr. Alfeu René Wedy Couto, Dr. Carlos Roberto Munerolli, Dr. Orlando Ferrari, Dr. José A. Xavier da Rocha, Dr. Silvano Pauletti de Moura, Dr. Olavo Bruno Donazollo e Dr. Luiz Carlos Michel. CENTRO DE DIAGNÓSTICO E TERAPIA Diretor Técnico: Dr. Sérgio Luís Garcia Macedo COMITÊ DE DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Membros: Dr. Alvacyr de Castro Collares e Dra. Sandra Regina Weissheimer Tiragem: 1.600 exemplares Impressão: Gráfica Sanini Criação e Desenvolvimento: Baumgardt Comunicação Jornalista Responsável: Luisa Zerwes Reg. Prof. 5271 DRT/RS Diagramação: Multiverso - Design e Gestão de Marcas Agora você tem espaço para enviar sugestões, críticas e elogios para o JORNAL DA UNIMED. E-mail: secretaria@ regiaodaproducao.unimed.com.br Sede Administrativa: Carazinho: Av. Pátria, 823 - sala 105 Fone: (54) 3330-3100 Sarandi: Rua Paulo Dal´Oglio, 70 Fone: (54) 3361-2129 Santa Bárbara do Sul: Av. Coronel Vitor Dumoncel, 1157 - sala 23 A - Galeria B Edifício Coronel Vitor - Centro. Fone: (55) 3372-2013 Este informativo é uma publicação gratuita, dirigida aos usuários da Unimed Região da Produção e comunidade em geral. Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seu autores e não expressam, necessariamente, a opinião da Cooperativa.


3

Abril e Maio de 2013

PROMOÇÃO DE SAÚDE Unimed realiza ação de conscientização no Dia Mundial da Saúde Com o foco na promoção de saúde, a Unimed Região da Produção aproveitou a data de 7 de abril, no qual é comemorado o Dia Mundial da Saúde e realizou uma blitz de conscientização, em frente ao Centro de Diagnóstico e Terapia, na Avenida Pátria. O tema escolhido para este ano foi “Alimentação Saudável”. Durante todo o dia, os colaboradores da Unimed estiveram distribuindo mais de dois mil folders, que alertavam para os benefícios das castanhas. Também distribuíram amostras do produto, a

fim de estimular a inclusão deste tão saudável alimento na dieta diária de toda a população. Como uma empresa voltada ao setor da saúde, a Unimed está sempre buscando agir de forma preventiva, alertando que uma boa alimentação é o caminho ideal para evitar doenças. Durante o dia também foram disponibilizados outros serviços como a verificação da pressão arterial e cálculo do Índice de Massa Corpórea (IMC), ambos realizados pelas enfermeiras da Unimed.

Castanhas

As castanhas foram escolhidas, por serem ricas em vitaminas e fibras, ajudam a controlar o colesterol, aumentando o bom (HDL) e reduzindo o ruim (LDL), trazendo benefícios para o coração. Devem ser consumidas na quantidade de três unidades ao dia, para estarem a favor da nossa saúde. Por possuírem ômega 3, auxiliam na prevenção de problemas vasculares, trombose e aterosclerose, e também melhoram a imunidade

.


4

Jornal da Unimed • Região da Produção

CUIDADO COM OS OLHOS DEVE COMEÇAR CEDO Teste do Olhinho OFTALMOLOGIA é um ramo da medicina que investiga e trata das doenças relacionadas com a visão e com os olhos e seus anexos. Especialidade médica que se dedica ao estudo e tratamento das doenças e erros de refração apresentada pelo olho.

A

preciar um belo entardecer ou o amanhecer de um bonito dia ensolarado? A quem prefira admirar a chuva, outros gostam de ver as crianças brincando na praça. É através do olhar, que conseguimos admirar todas estas paisagens ou situações. São muitas as emoções que “entram” pelos olhos... Falando nisso, como você tem tratado os seus olhos? Tem cuidado deles? Qual foi a sua última visita ao oftalmologista? E a sua primeira vez, você lembra?

A atenção com os olhos deve começar cedo, ou melhor, muito cedo. Assim como já ouvimos falar que é necessário que se faça no bebê o teste do Pezinho, o teste da Orelhinha, também é preciso fazer o Teste do Olhinho. Ao contrário do teste do Pezinho, que é super conhecido nacionalmente (até por ser obrigatório), os testes da Orelhinha e do Olhinho são muito menos “famosos” entre os pais, pois não existe uma lei federal garantindo este direito, apenas alguns estados brasileiros possuem leis que garantem o exame. O Dr. Anderson Meira Lermen afirma que o teste do Olhinho é recomendado a todas as crianças recém-nascidas, devendo ser realizado o mais breve possível, ainda no hospital ou logo após a alta. “O teste é importante, pois pode diagnosticar algumas doenças congênitas do olho. Doenças estas, que quando não tratadas adequadamente, podem levar a um déficit visual permanente“, explica.


5

Abril e Maio de 2013

FOTO: COVDBLOG. WORDPRESS.COM

É preciso cuidar sempre

A partir do teste do Olhinho, o médico recomenda que a consulta médica oftalmológica seja realizada uma vez ao ano. “Desta maneira, podemos acompanhar o desenvolvimento da criança e da sua visão, podendo se necessário, efetuar o tratamento adequado”, pondera. O oftalmologista lembra que a nossa visão inicia o seu desenvolvimento após o nascimento e se estende até aproximadamente 7

a 8 anos, sendo então este período determinante e fundamental para a nossa visão futura.

Prevenção antes da dificuldade

É importante que os pais saibam disso, para que não fiquem esperando a criança apresentar algum problema oftalmológico para levá-la ao médico. Muitas vezes, nos perguntamos: quando ir ao oftalmologista? E só lembra-

mos de marcar uma consulta quando estamos sentindo alguma dificuldade. Com relação às crianças, temos o mesmo comportamento. O alerta só toca quando apresentam problemas de comportamento e dificuldade de socialização pois não enxergam bem. Ou quando tem alguma dificuldade na escola, para ler ou para escrever. Como também, quando ficam muito próximos a tela do computador ou da televisão

.

Recomendação A recomendação do médico é clara. Segundo o oftalmologista, é necessário que se mantenha o intervalo de uma consulta ao ano. Como diz o antigo ditado “é melhor prevenir do que remediar”. Segundo o Dr. Anderson Meira Lermen, as doenças mais comuns nas crianças são as ametropias, comumente chamadas de “grau”. São elas a miopia, a hipermetropia e o astigmatismo. Elas levam a uma perda visual, que quando não tratada de maneira correta, podem levar a um déficit permanente da visão. Dr. Anderson Meira Lermen Oftalmologista Cremers 22.125


6

Jornal da Unimed • Região da Produção

31 de Maio

DIA MUNDIAL CONTRA O TABACO F

umar já deixou de ser um ato de glamour há muito tempo. Era na época dos filmes em preto e branco que os atores (e atrizes) desfilaram charme com cigarros na boca. A triste notícia é que muitos jovens da época, estimulados pelo modismo, iniciaram um caminho difícil. Décadas após e, sem conseguir abandonar o fumo, muitos adoeceram e morreram por enfisema pulmonar, bronquite crônica, cânceres (inclusive de pulmão). E é incrível, como hoje, com tanta informação, há uma gama tão grande de fumantes. Só para contextualizar, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), há 5 milhões de mortes no mundo por ano, em virtude do cigarro e assemelhados (charutos e outros). No Brasil, são 200 mil mortes anualmente (23 pessoas morrem por hora no país, por causa do fumo, 1 a cada 3 minutos).

FOTO: TRIPP

O tabaco, ao ser queimado, libera 2 formas de substâncias tóxicas, perfazendo um total de 4.720 substâncias nocivas. Existem as fases particulada (metais pesados e cancerígenos, níquel, polônio) e não particulada (ou gasosa: acroleína, monóxido de carbono, benzeno, arsênico). Diga-se de passagem que, nenhuma destas substâncias é vendida pura, pelo risco que trazem à saúde. Imagine alguém que fuma há 20, 30, 40 anos. Ao fumar, as substâncias tóxicas passam pelas vias aéreas, impactando sobre os pulmões (paralisam os mecanismos de defesa naturais do pulmão, como os cílios que eliminam as impurezas na traquéia e brônquios). Dos pulmões, tais substâncias passam à corrente sanguínea e, aí, circulam por todos os órgãos, levando a alterações que levam ao câncer (pulmões, bexiga, pâncreas, boca, laringe, esôfago e rim), infarto cardíaco e cerebral (isquemias) – pois há reações inflamatórias nos vasos sanguíneos levando a infartos (ataques cardíacos) e derrame – por obstruir esses vasos. O fumo, mesmo que passivo, causa outros males: hipertensão arterial, aneurismas, úlceras, tromboses, catarata, impotência sexual no homem, infertilidade na mulher, menopausa

Dr. Luciano Luiz Alt Cremers 28.841 Oncologista e Diretor Técnico do Serviço de Oncologia do HCC/COQ Carazinho

precoce e complicações na gravidez (para gestante e feto). Ao interromper o hábito de fumar, o organismo necessitará de tempo e tratamento para se refazer dos danos. Não é possível que alguém tenha fumado por 20 anos e, em 1 ano, tenha eliminado todos os fatores nocivos do organismo. É necessário disciplina e auxílio profissional (medicamentos, psicoterapia, apoio do grupo familiar e amigos). Pense: como quero estar daqui a 20/30 anos? Se persistir fumando, o panorama não será dos melhores. Libere-se do tabaco e viva com saúde para curtir por mais tempo as coisas boas da vida

.


7

Abril e Maio de 2013

Quase vinte anos sem fumar

Morigi para aliviar a ansiedade começou a caminhar

A

vida tem mais sabor, colorido, cheiro e fôlego. Esta é a afirmação que resume o que sentem os nossos dois entrevistados, Jandir Morigi e Flávio Armando Zanonatto, ao descreverem a sensação de viverem sem o fumo. Mesmo sendo entrevistados separadamente, eles afirmaram que a impressão captada pelos órgãos dos sentidos (olfativa e gustativa) mudou muito. Eles salientaram que o gosto da comida, de cada alimento ficou diferente. Na verdade, eles deixaram escapar, que quando fumavam, e fizeram isso por muito tempo, nem sentiam o gosto. Com o hábito de fumar, deixado no passado, eles vêm aproveitando, há muito tempo, um significado diferente da vida. Inclusive encaram, e até recomendam uma atividade física. Hoje dizem com orgulho que são ex-fumantes. Salientam que é difícil deixar o vício, e relembram a luta diária, que já passou, quando tiveram que largar o cigarro. No início não se conta, é apenas um dia de cada vez. Atualmente, podem estufar o peito, (e agora têm fôlego para isso) e dizerem, orgulhosos, que já faz uma década, quase duas que deixaram de lado, o cigarro.

Muitas semelhanças

Os ex-fumantes, Jandir e Flávio, têm muitas semelhanças. Começaram na adolescência a fumar, ou porque era moda, ou influenciado por amigos. Num tempo em que o fumante tinha

Zanonatto várias tentativas para parar de fumar seu “charme” e espaço livre para praticar seu hábito. Apesar dos pedidos das esposas e dos filhos, fumaram por muito tempo. Mais de vinte anos, e ambos, ao apresentarem problemas de saúde, tiveram que largar o cigarro. Contam que muitos fumantes, tomam a decisão de parar, porém poucos conseguem, pois o vício é mais forte. Histórias tão parecidas, com milhares de fumantes, que hoje lutam para abandonar definitivamente o uso do tabaco.

Data para comemorar

Mesmo que silenciosamente, Jandir comemora, anualmente, a data em que deixou de fumar. Está na ponta da língua: 08 de setembro de 1994. Ao deixar o hospital, depois de uma pneumonia, ele teria uma semana para se recuperar, em casa. Na estante, quatro carteiras de cigarro, uma estava aberta. Naquele momento, avaliou o que tinha passado, e com muita “força de vontade” decidiu: vou parar de fumar. Jandir conta que os primeiros dias foram muito difíceis. “Eu sonhava que estava fumando”, diz. Para aliviar a ansiedade, ele começou a caminhar. Atividade que faz até hoje, durante uma hora por dia. Nunca mais fumou e salienta que, depois de um tempo, começou a ter nojo do cigarro.

vio. Inclusive, ele ficou três anos, sem fumar, mas não resistiu e retornou. Aos 45 anos, infartou pela primeira vez, e o aviso de que estava na hora de parar de fumar veio junto. Desta maneira, ele atendia os sucessivos pedidos do filho Evandro para “largar o cigarro”. Porém, depois do primeiro, ele teve mais cinco infartos até os 59 anos. Flávio conta com tranquilidade, e com uma ponta de orgulho de quem sobreviveu, que teve duas paradas cardíacas, quando teve que ser levado às pressas pela UTI Móvel da Unimed, para Passo Fundo. Ele contabiliza também oito stents, as famosas “molinhas”. Setembro, também é um mês de comemoração para ele, mais exatamente dia 25, foi quando fez a cirurgia, lá em Itabuna, na Bahia, que segundo ele, lhe deixou 100%

.

Seis infartos, duas paradas cardíacas e oito “molinhas”

Várias tentativas de parar de fumar pontuaram a vida de fumante de Flá-

FOTO: LIVE ZAKYNTHOS


8

Jornal da Unimed • Região da Produção

Homenagem A Unimed Região da Produção faz uma homenagem ao médico cooperativado Luciano Geraldo Diehl, falecido em abril, através das palavras do seu primo e amigo, também médico Mauro Smaniotto. QUERIDO LUCIANO

M

uitos anos atrás, minha mãe me falou que eu tinha primos cursando Medicina em Passo Fundo. Alguns anos depois, novamente ela comentou sobre um outro primo daqui, outro filho do tio José Diehl, cursando em Santa Maria. Na ocasião trabalhava no B Lauxen, nos meus 17 anos, quando decidi que eu também podia seguir esse caminho. Meu pai me sugeriu primeiro trabalhar com ele, com um caminhão, juntar um dinheiro, e depois seguir o sonho. Confesso que depois de uns meses dirigindo um 1113, juntei algum troco, e fui visitar esse meu primo que estudava em Santa Maria, e “fugir daquele caminhão”. Foi aí que o Luciano me deu a primeira ajuda: “minha primeira inspiração”. Já cursando a faculdade, fiquei sabendo do seu brilhantismo no Hospital Universitário. Continuava me inspirando. Formei-me, fiz as residências, liguei pro parente: E aí primo, preciso trabalhar, prá onde eu vou? Ele me deu muito apoio, o entusiasmo era grande, encarei a realidade e fui trabalhar. Quando finalmente decidi ter um consultório próprio, tive novamente seu apoio. Então Carazinho me recebia. E tivemos uma grande jornada.

E nos dias de hoje, todas as lembranças, a dedicação aos pacientes, a sua inteligência médica que me ensinou a ser um pouco clínico, já que urologista se assusta quando pega um estetoscópio, ficou gravado para sempre na minha retina. Luciano Geraldo foi parente, foi colega, foi amigo. Querido Geraldão! De muitas brincadeiras que tivemos, permanece aquela: Porque ainda te chamo de Geraldão? Numa ocasião estávamos numa cirurgia, e o anestesista Dr. Sergio Rech brincava com a gente, quando comentei que eu conhecia um personagem de histórias em quadrinhos que se chamava Geraldão, que era muito engraçado, que fazia e aprontava; a partir daquela dia, sempre que nos encontrávamos para começar uma cirurgia, citava uma tira nova do personagem, e ríamos. Acompanhei tua trajetória, convive com tuas alegrias, senti as tuas dores, vi teus filhos crescerem. No confronto com o câncer, conseguimos ser forte e superar. Durante tua vida e tua jornada, sei que o que não te faltou foi amor. E ficou algo muito lindo e grandioso que podemos ver dentro dos teus filhos Marcel e Ana. Querido Luciano , mesmo que tua saída das nossas vidas tenha sido de uma maneira que nós não nos con-

formamos, aprendi que foram aqueles bons momentos diários que tivemos, que tornaram a nossa vida espetacular. Descanse em paz Luciano Geraldo Diehl, querido primo e colega...

“Disse Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá, e todo aquele que crê em mim, nunca irá morrer. Crês tu isto?” João 11:25,26

Luciano Geraldo Diehl


9

Abril e Maio de 2013

Laboratório de Analises Clínicas

A IMPORTÂNCIA DA

VITAMINA D

Obtida principalmente através da luz solar (90%) e de fontes dietéticas (10%), a vitamina D tem funções importantes!

A

vitamina D (ou calciferol) é uma vitamina que promove a absorção de cálcio (após a exposição à luz solar), essencial para o desenvolvimento normal dos ossos e

dentes. Recentes pesquisas demonstram atuação importante da vitamina D no sistema imunológico, no coração, no cérebro e na secreção de insulina pelo pâncreas. Funcionalmente a vitamina D atua como um hormônio que mantém as concentrações de cálcio e fósforo no sangue através do aumento ou diminuição da absorção desses minerais no intestino delgado. A vitamina D também regula o metabolismo ósseo e a deposição de cálcio nos ossos. A exposição ao sol desencadeia a produção de vitamina D na pele,assim como alguns alimentos como óleo de fígado de bacalhau, gema de ovo, manteiga e salmão representam uma fonte desta vitamina.

A 25-OH - Vitamina D é a medida de preferência para se avaliar o status nutricional de vitamina D. Valores diminuídos estão associados com insuficiência dietética de vitamina D, doença hepática, má absorção, exposição ao sol inadequada e síndrome nefrótica. Valores aumentados são associados à intoxicação por vitamina D. O laboratório Unimed Região da Produção implantou recentemente em sua rotina a dosagem sérica da vitamina D a qual está sendo realizada pelo método de eletroquimioluminescência no equipamento E-411 Roche sendo recomendado jejum de 8 horas antes da coleta sanguínea informa a bioquímica Adriana Becker Pinto, diretora técnica do laboratório

.


10

Jornal da Unimed • Região da Produção

MURAL UNIMED • No dia 20 de abril aconteceu no município de

Sarandi o evento “Ação Cooperada”, promovido pela Aurora Alimentos de Sarandi. A Unimed Região

da Produção participou do evento que aconteceu na Praça Central da cidade, prestando os serviços de verificação da pressão arterial, cálculo de Índice de Massa Corporal (IMC), distribuindo folders com dicas de alimentação saudável e demais serviços ligados a promoção da saúde. O evento tinha como intuito o desenvolvimento social, cultural e ambiental

.

• O médico nefrologista Dr. Darlan Martins Lara participou do V Congresso Sul Brasileiro de Nefrologia, que aconteceu em Gramado/RS de 11 a 14 de abril no Serrano Ressort. • O médico oncologista Dr. Luciano Alt participou do IV Congresso Internacional de Uro-Oncologia, realizado de 28 de fevereiro a 02 de março de 2013 em São Paulo/SP. • O médico pediatra Dr. Leonídio Viott participou em Porto Alegre nos dia 3 e 4 de maior do XVI Simpósio de Doenças de Inverno, Rinite, Rinossinusite e

Asma, do XIV Workshop de Otorrinolaringologia Pediátrica, do XV Fórum Interativo de Otites, do II Curso de Foniatria e I Otite Média Brasil. • A Unimed Região da Produção em parceria com o Sistema OCERGS-SESCOOP/RS, desenvolveu mais uma atividade com seus colaboradores no dia 20 de abril (foto ao lado). A palestra “Ciclo PDCA na solução de problemas”, com o instrutor Nilson Varella Rübenich, mestre em administração, tendo como objetivo a melhoria na prestação dos serviços da Unimed.

• Aconteceu no dia 24 de abril em Carazinho o

simulado para atendimento de um acidente de trânsito. A ação foi organizada pela Defesa Civil em

parceria com diversos órgãos, entre eles a Unimed Região da Produção, que dispõem de duas UTIs Móvel que estão sempre prontas para prestar serviço de remoção. O objetivo foi verificar como cada órgão participante da ação de socorro se comporta para agir em situações de risco. A Unimed está sempre pronta a auxiliar a comunidade a qual está inserida

.


11

Abril e Maio de 2013

Berçário Unimed A Unimed Região da Produção apresenta seus novos usuários:

Confira a galeria completa dos novos usuários da Unimed no site: www.regiaodaproducao.unimed.com.br

Amanda Rosa Baruffi

Gabrielli Pimentel Xavier

Manuela Xavier Coradini

Nascida no dia 12 de janeiro de 2013 Saldanha Marinho/RS

Nascida no dia 4 de março de 2013 Carazinho/RS

Nascida no dia 5 de março de 2013 Carazinho/RS

Andressa Ott de Couto

Arthur Coradin Pereira

Martina Mazzutti Aquino

Nascida no dia 10 de abril de 2013 Chapada/RS

Nascido no dia 25 de abril de 2013 Carazinho/RS

Nascida no dia 25 de abril de 2013 Carazinho/RS

Mãe: Carine Rosa Costa Pai: Leandro Baruffi

Mãe: Débora Ott Pai: Adriano de Couto

Mãe: Daniela Dahmer Pimentel Pai: Cleber Roni Xavier

Mãe: Marivane Coradin Pereira Pai: Fábio Teran Pereira

Mãe: Carla Daniela Ramos Xavier Pai: Jonatan Coradini

Mãe: Márcia Mazzutti Pai: Matias Aquino



Jornal Unimed #67