Issuu on Google+

MARIA: CASA DE OURO ILUMINADA PELA POBREZA

A

intenção de engrandecer a figura de Maria levou algumas pessoas a identificarem nesta singela invocação a mãe de Jesus com um templo precioso de Deus ou santuário da divina presença. A casa, porém, indica uma realidade bem mais modesta e próxima de nossa vida cotidiana, que não intimida e nos possibilita experimentar a acolhida e a intimidade. Na casa de Nazaré, onde viveram Jesus, Maria e José, certamente não existiram traços de ouro nem de outros metais preciosos, aliás, era uma casa que não precisava de ouro para ser uma habitação preciosa e digna de admiração. As pessoas que moravam nela eram suficientes para ornamentá-Ia da mais pura e rara beleza. A riqueza não simboliza plenitude de felicidade e hannonia na vida de uma família. Conhecemos muitas casas simples de pessoas humildes onde transbordam a alegria e a harmonia. Estes são lares sagrados onde Deus se faz presente na história humana. As nossas tradições populares enriqueceram as imagens de Nossa Senhora comjóias e roupas suntuosas, coroas de pedras preciosas e até orações que não correspondem ao mundo em que ela viveu com José e Jesus. A riqueza e a beleza de Maria nascem da integridade de sua vida, da coerência de sua vocação e da sua obediência de fé. Na medida em que caminhamos na espiritualidade e na fé, precisamos assumir o compromisso de arrancar os penduricalhos que muitas vezes desfiguram Maria. Livres dos apetrechos, é possível contemplar uma Maria mais humana e próxima de Deus, santa, bela e toda pura como todo ser humano é convidado a ser na vida. O cardeal ewman, ao explicar a invocação Casa de Ouro, diz que ela é a morada do grande

Nossa casa é de ouro quando se torna espaço sagrado de acolhida do outro

rei, do próprio Deus em pessoa. Deus mesmo habitou nela. Foi hóspede, aliás, muito mais que hóspede, porque não a deixou do mesmo modo como entrou. O Senhor nasceu nesta casa santa, nela assumiu a nossa carne e nosso sangue da carne e do seio de Maria. A invocação de Maria como Casa de Ouro abre nosso coração para uma série de indicações que enriquecem nossa espiritual idade cotidiana. A casa de Maria era uma moradia simples, semelhante a tantas outras, e não se distinguia pela riqueza. Uma casa como são as casas de tantas pessoas simples. No mundo de hoje as pessoas entram para a história pelo que elas possuem. Ornamentam suas moradias sem preocupação com a qualidade de vida das pessoas que vivem dentro. Faltam hamlonia e sentido de responsabilidade no estilo de vida que estamos assumindo atualmente. Nossa casa é de ouro quando se torna espaço sagrado de acolhida do outro. Quando há respeito, silêncio, diálogo, oração, serenidade, doação recíproca, gestos de bondade, pureza de conduta. Quando é uma casa aberta, sem muros de defesa, sem torres de guarda, quando é lugar onde mora Deus, como foi Maria com sua vida e sua história. No livro O Cotidiano de Maria de Nazaré, Clodovis Boff mostra com rigor científico e com poesia que a mãe de Jesus levou na terra vida igual à de todos, cheia de cuidados familiares e de trabalhos, como diz o Concílio Vaticano IJ. Maria precisa ser traz ida de volta para o meio da gente humilde onde é construída, passo a passo, dia após dia, a história fundamental da nossa vida. Em Maria de Nazaré Deus fez morada na nossa história. PAORE CLEMILSO MISSIONÁRIO DA fMACUL' -

TEOOORO

-

055


Maria, Casa de Ouro Iluminada pela Pobreza