Issuu on Google+

LIVRO DE JOSUÉ

O

livro de Josué narra a conquista da terra prometida, pelas tribos de Israel sob a liderança de Josué, e a distribuição da terra às tribos. Após a morte de Moisés (cf. Dt 34,1-6), Josué conduz o povo de Moab pelo Jordão até a terra de Canaã. A posse dessa terra é narrada como uma grande marcha de conquista militar. Está dividido em três partes: primeira parte, a principal (1, I - 12,24), segunda parte (13, I 22,34) e W11 apêndice (23,1 - 24,28). A conclusão é feita por meio de uma nota sobre a morte e o sepultamento de Josué (24,29-33). O conteúdo se dá no compromisso de Josué com o povo caminhante e na fidelidade com a Torá de Moisés. A obediência à lei garante a posse da terra. Nas duas partes principais do livro, mostrase como, sob a liderança de Josué, fiel a Deus Javé, a terra é conquistada e distribuída. O apêndice dos capítulos 23-24 volta mais uma vez a atenção para a relação de Israel com Deus. Agora não está no primeiro plano a Torá, e sim a alternativa: servir a Javé ou aos deuses da terra.

As ênfases teológicas I. Guerra e violência: em nenhum outro livro do antigo testamento fala-se com tanta frequência de guerras, atos violentos e aniquilamento de pessoas e animais. As guerras narradas neste livro são realizadas por incumbência do Deus da terra, que dá a ordem de submeter um país e aniqui lar seus moradores, caso ofereçam resistência. 2. Monolatria a Javé: não se nega a existência de outros deuses e sua adoração na Palestina, mas o povo de Israel tem que se decidir entre a adoração dessas divindades e o culto a Javé

.. uma

estreita ligação de Israel com sua

terra ...

(monolatria). Ambos são irreconciliáveis entre si. O culto a outras divindades é qualificado como idolatria e revolta contra Javé. 3. A Torá e a obediência à Torá: como sucessor de Moisés, Josué transmite adiante a Torá: se agir de acordo com ela, terá sucesso (cf. 1,7s). Também o povo é inserido no compromisso com a Torá (cf. 23,6 - 8.12s.ISs). As consequências trazidas pela desobediência à Torá são mostradas pelas narrativas do roubo de Akan (cf. 7), e da construção do altar na beira do Jordão (cf. 22). 4. A terra como dádiva de Javé: Israel conquistou a terra não por causa da perfeição do seu próprio poder, mas recebeu-a como presente de Deus. Se o povo se afasta de Javé, também perderá a terra. 5. Impulsos histórico-teológicos: Israel não é um grupo autóctone da Palestina, mas provém de fora, é o produto do Êxodo e da peregrinação pelo deserto, sendo totalmente estranho à Palestina em termos religiosos. É por isso que ele também não deve fazer alianças com os moradores da terra.

A relevância do livro Contra qualquer cálculo humano, não há poderes terrenos que possam resistir a Israel, um povo sem terra e sem meios, mas dirigido por Deus. Não é por acaso que a figura de Josué é apresentada como protagonista, como líder de uma nova ocupação da terra. Assim, o livro de Josué estabelece uma estreita ligação de Israel com sua terra, e a história de Deus com seu povo é centralizada no lugar. A promessa de Javé não é nenhuma utopia para o além. PADRE FERNANDO FIGUEIREDO DE 80

SA

MISSIO ÁRlü DA IMACUL

053


Livro de Josué