Page 1

N º 2 06

UM DIA COM...

João Góis

Atleta de DH

FUJI

SLM 29 1.1

Vê aqui

ENDURO E XC EM GRANDE NÍVEL CANYON Strive AL 7.0 SENSA Fiori TNT Pro

O VÍDEO DO TESTE

TESTES

ENTREVISTA

JENNY RISSVEDS

Entrevistámos a sueca que acabou de ganhar a Taça do Mundo de XCO em sub-23 TESTEMUNHO

PAULO REMÍGIO

Já pesou 120 kg e agora é comum vê-lo nas provas da Taça de XCM

A versão aditivada

MECÃNICA

CONVERTE AS TUAS RODAS EM TUBELESS Aprende os 12 passos necessários para evitares furos desnecessários

ISBN 5601753001303

MENSAL PVP continente 3,95€

SLM 29 1.1

maio 2014

FUJI

00206

5

601753 001303

Acompanha-nos no


SHIMANO 2015

XTR M9000 O novo Shimano XTR M9000 apresenta soluções para os mais diversos tipos de andamentos. A principal mudança para a próxima temporada é a introdução de um sistema compatível com

que diz respeito às rodas, o carbono chegou ao topo de gama da marca nipónica, não havendo nenhum modelo de roda 26.

impacto

1, 2 ou 3 pratos e 11 velocidades. No

Todos os componentes da transmissão foram redesenhados para melhorar as comutações e a estabilidade da corrente e os travões são agora mais potentes.

1

6 05/2014

Os travões não sofreram alterações drásticas em termos de ergonomia e design mas são agora mais potentes, apresentando também uma manete em carbono.

5 4

3

2

Com uma textura dupla para mais aderência, os manípulos têm a patilha em carbono e oferecem uma ação 20% mais leve.

3

O perfil do desviador traseiro é agora mais estreito, e a patilha mais fácil de acionar.


1

2

6

4

A cassete de 11 velocidades tem carretos de 11 a 40 dentes, garantindo passagens suaves em todas as relações.

5

O desviador dianteiro oferece 15% mais espaço para o pneu e o novo encaminhamento do cabo reduz o atrito.

6

Estão disponíveis pedaleiros com 1, 2 e 3 pratos. Haverá um pedaleiro específico para XC, com um factor Q de 158 mm e outro mais reforçado para Trail e Enduro.

bikemagazine 77


TESTE

Fuji SLM 29 1.1

Suspensão

Fox 32 Float Factory Fit Kashima 15QR 100 mm Travagem

Shimano XTR 180/160 mm Transmissão

Shimano XTR

FUJI

O VÍDEO DO TESTE

Vê aqui

SLM 29 1.1

F

az praticamente um ano que testámos a SLM 1.0, só que entretanto passaram-nos várias 29ers hardtails pelas mãos… Os quadros estão constantemente a sofrer alterações e melhorias, a concorrência aumentou, e o próprio quadro desta topo de gama também recebeu algumas melhorias significativas, mas será que ainda se coloca em posição de destaque face à concorrência? Para já sabemos que o quadro se tornou mais leve, que utiliza escoras inferiores mais curtas e que outras atualizações foram cumpridas para que a missão de 30 05/2014

mostrar melhorias palpáveis, e não apenas estéticas, seja cumprida. Se de facto conseguiram reduzir o peso do quadro das 1300 g para as 1000 g, como nos diz a marca, merecem todos os elogios (desde que a estrutura não seja debilitada). Utilizaram uma fibra de carbono diferente, um processo de fabrico alternativo e optaram por diferentes diâmetros nos tubos num autêntico três em um da luta contra o peso. Mas mais do que isto, a Fuji quis tornar a SLM ainda mais viva e ágil nas nossas mãos e a solução teve de passar por umas escoras inferiores mais curtas, passando de 439 mm para 430 mm, uma alteração quase drástica que não passa despercebida ao mais distraído dos riders. A outra novidade são os


DANÇAS COM

SINGLES

A FUJI DEIXOU A TRANSMISSÃO 1X11, ALTEROU A GEOMETRIA E O QUADRO TORNOU-SE MAIS LEVE. ESTA É A SLM MAIS AGRESSIVA E MAIS RÁPIDA DE SEMPRE. ABRAM ALAS! [texto e rider] Gonçalo Ramalho [fotografia] Pedro Lopes

Agilidade infernal para 29er Seleção de equipamento Rigidez na zona do pedaleiro Avanço mais curto em condução técnica

cranques sobredimensionados que nos deixam transferir a nossa potência com maior eficiência aonde ela tem de chegar. Trata-se dos primeiros cranques da Oval destinados a BTT puro e duro. Quando temos uma transmissão Shimano XTR quase completa - os cranques Oval quebram a monotonia - não há quem se consiga lembrar de uma melhoria, o mesmo se passando com a suspensão Fox 32 com a camada milagrosa Kashima ou mesmo das rodas Sun Black Flag Pro SL com um peso (1630 g o par) e um perfil interno de 21 mm que funciona bem com pneus mais largos. O cockpit assenta que nem uma luva e o selim dá-nos conforto quanto baste para longas distâncias. Face à versão da época passada, esta

SLM é mais agressiva e tem umas reações mais diretas. Isto explica-se pelo tubo da direção ultra curto que coloca a dianteira mais baixa, e também pelas curtas escoras inferiores, tal como é fácil apercebermo-nos da eficiente transferência de potência desde os cranques até à cassete e roda traseira. A escora do lado da corrente é sobredimensionada e isso ajuda bastante nesse campo. Esta SLM não segue a tendência dos avanços curtos, mas nem por isso sentimos a falta de um numa utilização em XCO ou XCM. Em suma, se podes chegar a estes preços e procuras uma 29er ultra rápida e ágil, com um equipamento de topo, esta Fuji é uma das melhores escolhas do mercado. bikemagazine 31


REPORTAGEM. PAULO REMÍGIO

Testemunho de um vencedor

pesado CONHECEMOS O PAULO REMIGIO HÁ UNS ANOS. NA ALTURA ESTAVA A MEIO DE UMA IMPRESSIONANTE METAMORFOSE DE OBESO ATÉ ATLETA DE ALTA COMPETIÇÃO. A SUA HISTÓRIA E EVOLUÇÃO MOSTRAM QUE COM A NATUREZA E DESPORTO A NOSSO LADO PODEMOS SUPERAR TODOS OS OBSTÁCULOS E TER UMA VIDA MAIS SAUDÁVEL E FELIZ. [texto] Paulo Remígio [imagem] João Carlos Oliveira, P.R.

68 05/2014


O

desporto entrou cedo na minha vida, mas nunca “a sério”. Pratiquei natação desde novo, comecei nas escolas da SFUAP Almadense (devia ter uns 4 ou 5 anos), depois passei para o Clube Lisnave e fui fazendo temporadas por lá até por volta dos meus 15/16 anos. Pelo meio ainda fiz um pouco de judo, um pouco de ginástica (na altura era moda, depois havia os “saraus” onde se apresentava uma rotina), mas nunca me apliquei muito em nada. O facto é que o desporto, nos moldes em que me era apresentado, não me motivava, pois faltava a aventura, faltava a natureza. Na altura era demasiado novo para perceber isso e desmotivado, acabei por me desinteressar e abandonar a atividade desportiva.

Sempre a descer

Na faculdade comecei a fazer muitas noitadas, umas para estudar, outras por diversão com os amigos. Andei quase 10 anos nessa “má vida” e quando me casei em 2004 estava em bastante mau estado fisicamente. O excesso de horas acordado e a falta de rotina provocou-me um grave desequilíbrio alimentar que me levou quase aos 120kg. A juntar a isso, bikemagazine 69


Escola Se levas o treino mesmo a sério, então não deixes de ler este artigo. Tiago Aragão, um dos treinadores nacionais mais conceituados, tem dicas para ti! Maximixa a tua performance

TREINO

IN SEASON AS FASES DE TREINO EM PRÉ-ÉPOCA SÃO TEMAS BASTANTE DEBATIDOS EM FÓRUNS E CURSOS DE FORMAÇÃO DE TREINADORES, CONTUDO, RARAS VEZES SE DEBATE ACERCA DO TRABALHO A REALIZAR DURANTE A FASE COMPETITIVA. [texto] Tiago Aragão [imagem] Arquivo

76 05/2014


A

A utilização das provas como meio de treino Para além dos treinos em préépoca, muitos atletas – incluindo os de topo – utilizam algumas competições como forma de treino tendo em vista a otimização dos parâmetros físicos, conferindo ao mesmo tempo ritmo competitivo. Mesmo assim, as provas não devem aparecer aleatoriamente no plano de treinos do atleta mas sim, com uma estruturação de treinos adequada ao perfil da mesma. Não devemos pura e simplesmente ignorar que temos pela frente uma prova (com o desgaste que tal acarreta) e fazer treinos intensos nas vésperas, sob pena de induzirmos demasiada intensidade e volume de treino, podendo resultar num estado mais severo de fadiga, e sem grande proveito para o objetivo traçado inicialmente. Deste modo, devemos abrandar ligeiramente a intensidade dos treinos

bikemagazine 77


ENTREVISTA

ESTRELA EM ASCENSÃO

A CAMINHO DO TOPO! ASSIM PARECE ESTAR A JOVEM SUECA JENNY RISSVEDS, UM DOS MAIS BELOS E RECENTES ROSTOS DA EQUIPA SCOTT/ ODLO. DAMOS-TE AGORA A CONHECER MELHOR ESTA VERDADEIRA MÁQUINA NÓRDICA!

NA EQUIPA SCOTT/ODLO ESTÁ LONGE DE SE SENTIR O ELO MAIS FRACO. O seu currículo, já abrilhantado em 2013 com a conquista do título europeu de XCE e do título sueco de XCO, está agora ainda mais bem apetrechado com a obtenção da primeira vitória da carreira na Taça do Mundo de XCO, na categoria de Sub-23. Prestes a completar 20 anos esta sueca mostra ter mesmo muita pedalada! 82 05/2014


JENNY RISSVEDS Nome: Jenny Rissveds Data de Nascimento: 6/6/1994 Equipa: Scott/Odlo Localidade: Falun

bikemagazine 83

Bike Magazine 206  

Revista mensal especializada em BTT com incontestável liderança no sector. Aborda as novidades que vão desde os acessórios até aos testes a...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you