Page 1

Informativo Colégio Motiva João Pessoa, PB - Ano3 - No 11 Abril de 2012

Dez anos

Motiva João Pessoa comemora aniversário Educação

Ortografia

TDAH

Qual a melhor hora para colocar seus filhos na escola?

Novo acordo da língua portuguesa será obrigatório em 2013.

Você sabe o que é Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade? Confira.


Ao Leitor

Expediente O Motiva Cultural é uma publicação do Colégio Motiva. Campina Grande Jardim Ambiental Rua Luiza Bezerra Motta, 589 - Catolé Fone: (83) 2101.4900 Centro Rua Irineu Joffily, 163 - Centro Fone: (83) 2101.4800 João Pessoa Ambiental Rua Silvino Lopes, 255 - Tambaú Fone: (83) 3015.2100 Miramar Av. Rui Carneiro, 850 - Miramar Fone: (83) 3015.2800

ar

Colégio Motiva Miram

A primeira edição de 2012 do informativo Motiva Cultural tem um gostinho especial: a comemoração dos 10 anos do Motiva João Pessoa. A Escola das Grandes Conquistas está de parabéns pelas conquistas e desafios ao longo desta década e compartilha com você algumas informações marcantes ao longo dessa história com matérias e entrevistas. Neste exemplar, toda a comunidade Motiva vai poder conferir notícias sobre eventos e atividades realizadas já em 2012 e também uma abordagem sobre temas atuais e de interesse de todos como a matérias sobre o novo acordo ortográfico da língua portuguesa, que passa a ser obrigatória já a partir de 2013 e a matéria que fala sobre o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), esclarecendo dúvidas e orientando os pais, familiares e professores a agir em determinadas situações. Você sabe qual a melhor hora de colocar o filho na escola? O Colégio Motiva oferece turmas a partir de um ano de idade. Entrevistamos a psicóloga Leânia Ferreira, supervisora da Educação Infantil, para falar sobre o acompanhamento e estímulo escolar desde a primeira infância. Na matéria sobre o vestibular, uma pequena entrevista com a aluna Amanda Marra, aprovada em sete universidades para o curso de Medicina e 3º lugar geral no concurso vestibular da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Continuando as homenagens alusivas aos 10 anos do Colégio Motiva, uma entrevista com as primeiras alunas matriculadas na escola, em 2003, Juliana e Luciana Miranda. Hoje universitárias, elas contam um pouco do que viveram nos tempos de escola. Juliana relembra o primeiro dia de aula, quando plantou uma muda de pau-brasil, simbolizando o início de tudo. Confira na nossa página Sempre Motiva. Quer saber o que temos mais nessa edição? Confira nas próximas páginas e acesse também o site www.colegiomotiva.com.br para ficar por dentro de tudo o que acontece na escola. Tenham todos uma boa leitura! Rafaella Ribeiro www.colegiomotiva.com.br

Direção: Carlos Barbosa Jane Eyre Karamuh Martins

Jornalista Responsável Rafaella Ribeiro - DRT: 2735

Projeto Gráfico e Diagramação Feliciano Neto

Revisão Jerônimo Vieira Rafaella Ribeiro

Fotografia Artur Cavalcanti

Impressão Gráfica Moura Ramos


3

Tome Nota

Ex-aluno faz intercâmbio nos EUA O estudante universitário Victor Araújo, ex-aluno do Colégio Motiva, embarcou em 2011 para os Estados Unidos, onde está participando de um intercâmbio na Brown University, uma das 15 melhores universidades do país. Victor foi aprovado em 2007, no vestibular do Instituto Tecnológico da Aeronáutica. Segundo ele, o intercâmbio acontece através do programa Ciências Sem Fronteiras, que manda estudantes de várias áreas em crescimento no Brasil para outros países, a fim de adquirir experiências internacionais. “Irei fazer um ano do meu curso lá. Sempre quis a oportunidade de ter uma experiência internacional em uma universidade de outro país”, contou. Para Victor, tudo será enriquecedor. “Acredito que conhecerei mais áreas de estudo, já que irei para uma universidade muito maior que a minha atual”, revelou.

Preparativos para o X Jogos da Amizade No início do mês de março, representantes das escolas parceiras do Colégio Motiva estiveram reunidos para acertar detalhes sobre a realização do X Jogos da Amizade. A reunião aconteceu em João Pessoa, cidade sede do evento em 2012 e definiu datas e delegações participantes. Segundo o coordenador de esportes do Colégio Motiva, Eduardo Jorge, os jogos irão acontecer de 6 a 9 de setembro. “Esperamos receber de 900 a 1.000 atletas de outros estados”, afirmou. Este ano, participam as escolas Master e Antares (Fortaleza), Colégio CEI (Natal) e Colégio Motiva (Campina Grande e João Pessoa). O ‘Jogos da Amizade’ é um evento que acontece anualmente entre escolas, que reúne atletas de várias cidades do Nordeste, com o objetivo de valorizar os ideais olímpicos através do esporte, incentivando o sentimento de amizade e valorizando integração de jovens.

Oficina de Texto estimula leitura e escrita Incentivar o hábito da leitura e escrita é uma das principais propostas pedagógicas do Colégio Motiva. No início do ano, foram abertas inscrições para a Oficina de Texto, realizada pelas professoras Alessa Amorim e Maíra Fonseca. As aulas são ministradas em horário opcional para os alunos do 6º ao 9º ano, sem custo adicional. A Oficina de Texto tem como objetivo despertar no aluno uma relação tríade entre leitura, escrita e reescrita. “O trabalho estimula o aluno Motiva, agregando-lhe novos valores e promovendo descobertas no mundo da comunicação, leitura e letras. Além disso, solta a imaginação, estimula a criatividade, aumenta o vocabulário, amplia o conhecimento de mundo e incentiva o senso crítico”, afirmou Alessa. As aulas têm duração de uma hora e meia por turma, cada uma com um encontro semanal. O trabalho não para por aí. Todos os anos, os melhores textos produzidos pelos alunos nas oficinas são publicados no livro Notáveis Autores, lançado durante o Projeto Giroletras.

Projeto Giroletras 2012 O Colégio Motiva iniciou, no mês de março, o Projeto Giroletras 2012, desde a Educação Infantil até o 8º ano do Ensino Fundamental II. Os kits foram entregues em sala de aula aos alunos. Na Educação Infantil, a apresentação de algumas peças teatrais como “Chapeuzinho Vermelho” e “Alice no País das Maravilhas”, marcaram a abertura das atividades. Com o objetivo de despertar o interesse pela leitura, desenvolver o hábito de ler e formar leitores críticos, o Projeto Giroletras é um dos principais desenvolvidos pela escola. O aluno recebe no início do ano um kit contendo três livros e um passaporte da leitura. A cada semana, os livros vão sendo trocados em sala de aula e transformam-se em ferramentas didádicas. Dependendo do número de alunos em cada sala, é possível que ao término do projeto cada um tenha lido até 90 livros. No mês de novembro, acontece a culminância do projeto, quando serão apresentados os trabalhos e atividades desenvolvidas a partir dos aprendizados como apresentação de obras literárias, dramatizações, danças, músicas, pesquisas, exposições e muito mais. @MotivaJP


4

Motiva comemora aprovação de alunos na UFPB

Euforia, tensão, ansiedade, uma mistura de sentimentos era o que estava estampado no rosto de cada um dos futuros feras 2012 da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e também dos pais e familiares antes da divulgação do resultado. Enfim, a espera acabou. O que antes era nervosismo se transformou em alegria, comemoração e muitas cabeças e sobrancelhas raspadas, na festa do Colégio Motiva, no dia 25 de janeiro. Ao todo, o Colégio Motiva aprovou nos concursos vestibulares de todo o país, 1335 alunos nos mais diversos cursos de graduação. O diretor Karamuh Martins comemorou duplamente o sucesso alcançado com a aprovação dos alunos e também a aprovação da filha mais velha Gabriela Martins, no curso de Arquitetura. “Como diretor fica a sensação do dever cumprido, de ter acertado, de ter errado, mas ter a certeza de que estamos sempre buscando construir o melhor. Como pai, é indescritível. É, com certeza, melhor do que quando eu passei”, revelou.

“A concorrência é enorme, mas dá! Se você estiver estudando do jeito certo, consegue. Não tem segredo” Amanda Marra Aprovada em Medicina

Exemplo - A estudante Amanda Marra, 17 anos, foi aprovada em sete universidades de Medicina (UFPB, UFCG, Fuvest, UFRJ, Famerpe, Unir e Ufac). O segredo? Segundo ela, muita perseverança e um cronograma de estudos bem definido. “Tem que ter uma vida regrada. Claro que tem que ter diversão, mas com horário certo para estudar. Eu estudava de 5 a 6 horas por dia. Não precisa dormir tarde ou ficar a madrugada www.colegiomotiva.com.br

estudando, mas precisava regrar, disciplinar o horário e segui-lo a risca”, contou. Além de passar nas sete universidades, a jovem, que estudou no Colégio Motiva do 7º ao 3º ano, foi aprovada em 1º lugar na UFPB, através do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e 2º lugar também na UFPB, através do Processo Seletivo Seriado (PSS), o que lhe rendeu a 3ª colocação geral no certame. Para conseguir atingir os seus objetivos, Amanda contou que começou a ter uma rotina de estudos desde que iniciou o Ensino Médio. “Eu sempre quis fazer Medicina. Às vezes você fica pensando, será que vai dá certo? A concorrência é enorme, mas dá! Se você estiver estudando do jeito certo, consegue. Não tem segredo”, revelou. Amanda enfatizou que o Colégio Motiva e o incentivo dos pais foi primordial para a sua conquista. “Os professores me ajudaram muito recomendando livros e materiais, já que eu fiz vestibular fora. Não adianta só estudar em casa. Nosso aprendizado depende muito de como o professor dá a aula, de como ele nos dá dicas importantes e tudo isso foi fundamental. A escola tem uma metodologia muito organizada, nos proporciona testes e simulados que nos prepara para vestibulares de todo o país. Meus pais também não pouparam esforços com relação aos meus estudos”, afirmou ela.


5

Novo acordo ortográfico será obrigatório em 2013

Polêmica Desde 1º de janeiro de 2009 entrou em vigência o novo acordo ortográfico da língua portuguesa. Ainda usado de maneira optativa, mas com algumas alterações na grafia das palavras, a decisão tem sido alvo constante de críticas. O fato é que até o final de 2012 todos ainda podem usar as duas regras, nova e antiga, mas a partir de 2013 será obrigatório o uso do novo acordo. Tira hífen, coloca hífen, dobra a consoante, cai o trema. Segundo o professor de língua portuguesa, do Colégio Motiva, Jerônimo Vieira, a mudança atinge todos os usuários da língua. “As regras de acentuação e emprego do hífen são as mudanças mais difíceis. Quanto ao trema e ao acréscimo de novas letras, não vejo problemas, uma vez que tais mudanças já foram incorporadas há tempos”, citou. Mandar bem na leitura e praticar a escrita é a melhor maneira de deixar as no-

vas regras fresquinhas na cabeça. Jerônimo afirma que na escola a discussão sobre o acordo e as cobranças já começaram desde o início da vigência. “A discussão sobre o acordo já foi feita num primeiro momento, com os alunos das séries finais do fundamental II e do Ensino Médio, uma vez que os alunos precisam se adequar à nova escrita. Hoje é adequada a realidade da sala de aula e cobrada constantemente nas provas”, explicou. Algumas alterações são básicas e devem estar na ponta da língua. O alfabeto agora tem 26 letras - incorporou K, W e Y; o trema não é mais usado; o acento em palavras paroxítonas com ditongos abertos (jiboia, colmeia, epopeia) deve ser desconsiderado. O hífen tornou-se o tormento de muitos e, para Jerônimo Vieira, merece dedicação para que não se cometam inadequações no uso.

O Novo Acordo Ortográfico foi elaborado para uniformizar a grafia das palavras dos países lusófonos, ou seja, os que têm o português como língua oficial. O professor Jerônimo Vieira não caracteriza tais mudanças como positivas ou negativas. “Eu penso que há aspectos mais importantes, no ponto de vista linguístico e normativo, que mereceria uma revisão, não a escrita já convencionada nos países envolvidos. Se positivo ou negativo o tempo dirá, aliás, nos mostrará, ainda é cedo para tecer um comentário dessa natureza”, refletiu. Quer saber mais sobre as novas regras? Então acesse já o nosso site www.colegiomotiva.com.br

@MotivaJP


6

Capa

10 ANOS DO MOTIVA JOÃO PESSOA No dia 03 de fevereiro de 2000 nascia o Colégio Motiva. A primeira unidade começou a funcionar em Campina Grande com poucos alunos e apenas duas salas de aula, mas com uma ideia de levar adiante um projeto de ensino diferente e inovador. Esse sonho tornou-se realidade e hoje o Colégio Motiva, com quatro unidades (João Pessoa e Campina Grande) e 12 anos de história é referência na educação paraibana, abrangendo os três níveis de Ensino: Infantil, Fundamental e Médio. Este ano, o Colégio Motiva João Pessoa está em festa. É o aniversário de 10 anos de existência. Desde a inauguração da unida-

de Miramar, em 2003, até agora, em 2012, a escola soma inúmeras conquistas e desafios, com o objetivo oferecer sempre qualidade de ensino aliada a formação integral do aluno, para que ele possa ser detentor de conhecimentos, mas também exerça sua cidadania com base em princípios éticos. Ao longo de uma década podemos citar inúmeras conquistas: a aprovação de alunos nos concursos vestibulares de todo o país, o primeiro lugar no Exame Nacional do Ensino Médio por seis vezes consecutivas, os títulos em olimpíadas científicas nacionais e a participação em olimpíadas

internacionais, títulos brasileiros de handebol e basquete, a parceria com a Unesco, trabalhando ano a ano as temáticas propostas dentro da programação pedagógica, a realização de inúmeros projetos como Giroletras, SACC, Tureco, Mimotiva, Valores, Onda Verde, Vocare, Lanche Vitaminado e muito mais. Em entrevista, o diretor das unidades de João Pessoa, Karamuh Martins, fala como surgiu a ‘Escola das Grandes Conquistas’, conta um pouco da história e traça planos para o futuro.

esse número de alunos ela estava bem. Já no primeiro ano, nos surpreendemos com a adesão. Dos 225 alunos planejados, iniciamos com 475 alunos do Ensino Fundamental II e Médio. Nesse mesmo ano, percebemos que existia uma procura grande dos pais por uma escola mais ampla, não só no aspecto físico, mas que recebesse alunos menores, da Educação Infantil e Ensino Fundamental I. Em 2004, inauguramos o Motiva Ambiental, em Tambaú. Qual foi a nossa grande surpresa? A credibilidade que a escola tinha naquele momento. As pessoas apostaram numa escola que elas nem sabiam se ia ficar pronta, mas ficou e iniciamos com 800 alunos no dia 9 de fevereiro daquele ano. COMO SURGIU A IDEIA DE CRIAR O COLÉGIO MOTIVA? Karamuh - O Motiva surge de um projeto de Carlos e Jane de criar uma escola diferenciada, na época, em Campina Grande. Uma escola que tivesse um projeto arrojado, uma filosofia diferente das que eram oferecidas na cidade e que fosse focada na aprendizagem, no bem-estar e na segurança de crianças e adolescentes. O Motiva nasceu no ano de 2000, em Campina Grande, como uma escola do Ensino Médio, mas já em 2001, começou a atuar com turmas da www.colegiomotiva.com.br

Educação Infantil ao Ensino Médio. DE QUE FORMA FOI IDEALIZADA A EXPANSÃO DA ESCOLA PARA JOÃO PESSOA? Karamuh – De 2001 a 2003, o Motiva atuou no mercado de Campina Grande sempre vislumbrando dar um passo maior. Foi quando a direção geral me chamou para conversar. O projeto logo me encantou, porque eu nunca tinha pensado em ser diretor de escola. Eu era um professor extremamente feliz e realizado, mas quando

surgiu a oportunidade de ter uma escola diferente, que propiciasse o que eu sonhava de escola, então resolvi abraçar e mergulhar de cabeça nesse projeto. Em 2003, abrimos a primeira unidade do Motiva, no Miramar, em João Pessoa. COMO FORAM OS PRIMEIROS ANOS DA ESCOLA EM JOÃO PESSOA? Karamuh - O Motiva já nasceu para nós como uma grande surpresa. Nós planejamos a escola para ter 225 alunos. A gente achava que se a escola começasse com

O QUE MUDOU DE LÁ PRA CÁ? Karamuh – Nós temos hoje algumas expectativas que não tínhamos. Mudamos algumas coisas do ponto de vista pedagógico. Desenvolvemos um projeto de letramento na Educação Infantil, por exemplo. O resultado disso vai ser sentido ao longo do tempo, porque a escola tem uma perspectiva de se fortalecer diante do Enem. Há dois anos atrás fizemos uma parceria com o Sistema Poliedro, para o 3º ano do Ensino Médio. Também adotamos a formação


7 das turmas olímpicas. Temos aula de química e física experimental. São investimentos dessa natureza que fazem com que a escola vá inovando, vá renovando o seu oxigênio. QUAIS OS PILARES EDUCACIONAIS DO COLÉGIO MOTIVA? Karamuh – O Motiva se baseia nos pilares que a Unesco propõe: uma cultura de paz, uma aprendizagem significativa, uma escola voltada para educação de valores. O Motiva se baseia numa pedagogia moderna e atuante, que valoriza a aprendizagem significativa do aluno. A gente não acredita que é preciso aprender para aprender, mas que é preciso aprender porque as coisas são importantes. A proposta pedagógica é arrojada, holística, preocupada com a formação integral do ser humano e com a questão da cidadania. Enfim, uma escola que tem uma proposta idealizada a partir dos princípios fundamentais do bem-estar do ser humano.

O QUE O MOTIVA REPRESENTA PARA VOCÊ, ENQUANTO DIRETOR? Karamuh –Eu investi no Motiva duas coisas que para mim são fundamentais: a primeira, eu investi num grande sonho e a segunda, eu investi numa bem sucedida carreira de professor. Então, eu peguei essa carreira, a experiência que ela me deu, a vivência que ela me deu, os saberes e coloquei a serviço de um sonho. A gente erra, a gente falha, a gente precisa melhorar a cada dia, mas ao mesmo tempo precisamos ter a consciência de que temos um trabalho voltado fundamentalmente para a expectativa de realizar a melhor escola possível. NESSES 10 ANOS, QUAL FOI A SUA MAIOR ALEGRIA? Karamuh – A minha maior alegria foi a inauguração da escola. Existem também as alegrias do dia a dia, das aprovações, dos abraços dos alunos, das realizações. Esse ano, por exemplo, minha filha concluiu o 3º ano e foi aprovada em todos os vestibulares que fez.

Todas essas situações são importantes, mas o melhor de tudo foi dizer assim: O Motiva existe, agora vamos fazer ele crescer. TEVE ALGUMA TRISTEZA? Karamuh – Naturalmente nós temos momentos de tristeza. Nós tivemos um problema na escola de 2007 para 2008, que foi o famoso caso do bulling. Um momento de muita tristeza e muita dor para todos nós. Pequenos atritos, pequenas raivas, você tem sempre, porque a vida é assim, é feita de alegrias e tristezas constantes. Apesar de tudo, se a gente colocar numa balança, as alegrias são muito maiores. Elas acontecem constantemente, no dia a dia, no abraço dos alunos, nos pequenos acontecimentos, porque escola é um espaço de alegria, de felicidade. O COLÉGIO MOTIVA, EM 10 ANOS, CONSEGUIU ALCANÇAR OS SEUS OBJETIVOS? Karamuh – O Motiva caminha nessa direção. Digo sempre que no dia que o Motiva, ou qualquer

outra instituição, seja de que atividade for, entender que ela não precisa melhorar, ela vai fechar. O Motiva está no caminho certo, tem um direcionamento traçado, tem objetivos definidos, tem seriedade e solidez naquilo que pensa. Mas, naturalmente, eu digo que o Motiva está sendo construído, porque a vida está sendo construída. QUAIS OS PROJETOS FUTUROS? Karamuh – Num curtíssimo prazo, o principal plano é a construção da nova unidade, no Altiplano. Nós já adquirimos a área, já temos um projeto arquitetônico praticamente pronto, já temos alguns contatos com empreiteiras para construir e já estamos dando entrada na documentação legal. A nova unidade, que começará a funcionar em 2013, terá, inclusive, o ensino integral, apesar de ainda não está definido em que séries isso irá ocorrer.

a v i t c e p s o Retr 2007 2003

2004

Primeiro ano do Colégio Motiva Miramar. Primeira turma de formandos do 3º ano.

Expansão do Colégio Motiva em João Pessoa. Inauguração da unidade Ambiental.

2008 O Colégio Motiva recebe a certificação do PEA/ Unesco.

2009 Alunos do Motiva participam da V Jornada Espacial, em São Paulo.

2005 Realização do primeiro Jogos da Amizade na cidade de João Pessoa, sediada pelo Colégio Motiva.

2006 O Colégio Motiva conquista o primeiro lugar no Enem pela primeira vez. De lá para cá já são seis conquistas consecutivas.

2010

2011

Abertura de turmas do Infantil I, para alunos de 1 ano de idade.

Colégio Motiva doa mais de 100 mil fraldas descartáveis para Ong Donos do Amanhã

Aprovação no vestibular do ITA dos alunos Vitor Araújo e Matheus Henrique. Em 2010, o estudante Vitor Elias também foi aprovado no vestibular do ITA.

2012 Aluna Juliana Miranda, 10 anos depois de ter plantado a árvore paubrasil, no 1º dia de aula, em 2003. @MotivaJP


8

Qual a melhor hora para colocar o filho na escola? Colégio Motiva tem turmas de crianças a partir de 1 ano de idade Com um cenário cada vez mais comum onde pais e mães trabalham igualmente, as crianças estão entrando mais cedo na escola e a procura pelo segmento da Educação Infantil aumenta gradativamente. Apesar disso, muitos ainda têm o receio de está precipitando as coisas, pulando etapas e acreditam que ficar em casa, nos primeiros anos, ainda é a melhor opção. O que eles não sabem é que essa é uma escolha importante para o futuro da criança. Em um ambiente em que se oferecem condições e estímulos adequados a cada faixa etária, o desenvolvimento será essencial para expandir o seu mundo. Segundo a psicóloga Leânia Ferreira,

supervisora da Educação Infantil, no Colégio Motiva João Pessoa, ao entrar na escola, com apenas um ano de idade, a criança terá oportunidade de se socializar com pessoas fora do seu ambiente familiar, desenvolver melhor a linguagem, a coordenação motora e enfrentar situações particulares. “Todas as atividades, por mais lúdicas que sejam, têm uma intenção pedagógica. Eles estão brincando, mas não estão brincando por acaso. Cada brincadeira tem o objetivo de desenvolver alguma habilidade na criança”, explicou. Para ela, em casa os filhos têm atenção, carinho, mas talvez não tenham pessoas capacitadas para oferecer os estímulos que

eles precisam para o seu desenvolvimento. “Certas atividades, desenvolvidas por profissionais adequados, vão ajudá-los em todo o processo pedagógico escolar”, alertou Leânia, ressaltando que na escola também se aprende lições de cidadania, a conviver em grupo, a partilhar material e outros objetos com os colegas e professoras.

Adaptação

Pais seguros

A inserção do aluno na escola se dá, porém, de uma maneira gradativa, para não criar traumas e tornar o hábito de frequentar as aulas uma escolha prazerosa e saudável. É o momento de separação entre mãe e filho e de muitos sentimentos ambivalentes para os pais e para as crianças. Leânia revelou que a maior insegurança dos pais é ter que dividir a educação dos filhos com pessoas que eles não conhecem. “Eles imaginam que as professoras não vão dar conta. Então vem a pergunta, quem vai conseguir atender as necessidades do meu filho? Porque em casa, todas as atenções são voltadas para ele. Mas as regras que são estabelecidas no ambiente coletivo são diferentes e, com o tempo, eles entram na rotina, deixando os pais mais seguros”, contou.

Lauro Xavier, pai do pequeno Lauro Ernesto, de apenas um ano, estudante do Infantil I, revelou que sentiu-se confiante e seguro já no primeiro contato com a escola, com uma conversa antecipada com o corpo pedagógico. “A idéia de colocá-lo já tão cedo para frequentar as aulas foi prepará-lo cognitiva, motora e socialmente. Além do que, ele vai ter contato com outras crianças e ficar um pouco mais distante e independente do ambiente familiar, no caso dele pai e mãe”, pontuou. Luana Leite, mãe de Yasmin, passou pela mesma experiência de Lauro, em 2011. Agora, já no Infantil II, a pequena colhe os frutos do aprendizado. “O mais importante para mim foi ver, ao final do ano, a quantidade de coisas que ela estava fazendo, como subir e descer escadas, correr, pular e realizar atividades cognitivas”, elencou ela, que inicialmente sofreu preconceito por parte da família por colocar a filha tão cedo na escola, mas não hesitou e hoje tem a certeza de que a pequena está segura e bem acompanhada. Já Bianca Santos tem três filhos no Colégio Motiva: um no Infantil II, no 1º ano e outro no 7º ano (Fundamental II). Hoje, ela sabe que fez a escolha certa, quando colocou os filhos para estudar desde cedo. “O meu filho mais velho entrou na escola com um ano e quatro meses e hoje é um estudante seguro e independente. Realiza as tarefas sozinho, é um bom aluno e sente prazer em permanecer na escola, participando de diversas atividades optativas, que lhes são disponibilizadas”, afirmou.

www.colegiomotiva.com.br


9

Matemática, um bicho papão? Uma pesquisa recente realizada pelo site Seu Professor apontou que no Ensino Fundamental 60% das dúvidas dos estudantes são na disciplina de matemática, uma ciência exata que é vista com bons olhos por uns, mas ainda como bicho papão pela maioria. De acordo com o site, a matéria foi a que mais motivou os acessos em busca de conteúdos e explicações de exercícios nos últimos seis meses, enquanto que 20% foram dúvidas em ciências, 10% de português e os outros 10% divididos entre história e geografia. Segundo Carlos Henrique, professor de

“Matemática não é só conta, é necessário entender o contexto para se dar bem na disciplina” Carlos Henrique - Professor

Matemática do Colégio Motiva, a dificuldade de interpretação dos problemas por parte dos alunos é o que alimenta o mito de bicho papão. “É preciso que as pessoas entendam que a matemática não é só conta, é necessário entender o contexto de determinado problema para se dar bem na disciplina. O aluno que interpreta bem um problema é aquele cidadão que lê, ampliando com isso o seu conhecimento de mundo”, destacou. Carlos Henrique acrescentou que o estímulo correto do professor em sala de aula é imprescindível para o desenvolvimento da mente do aluno e a sua boa relação com a matéria. “A matemática não é difícil. Difícil é aplicar ela com clareza. A cultura do ensino ‘decoreba’ está enraizada como a melhor forma de ensinar o conteúdo. Ora, essa é a melhor forma ou a mais fácil? O professor deve mudar o modo de explicar. É ele quem deve estimular o raciocínio do estudante com a aplicação de problemas do cotidiano em sala de aula, fazendo com que o aluno aprenda visualizando situações do seu dia-a-dia, ajudando-o a entender, não decorar”, enfatizou.

Estímulo constante A supervisora do Ensino Fundamental II, no Colégio Motiva, Marília Gabriela, afirmou que existe um trabalho constante na escola para desmistificar a matemática e mostrar que todos podem e têm condições de aprender. “Matemática é uma disciplina que serve de base para as outras, então a gente precisa ter os conteúdos muito bem vistos e aprendidos no Ensino Fundamental para que eles não tenham dificuldade na matemática do ensino médio, na física e na química”, apontou. De acordo com Marília, nas turmas do sexto ano, a professora Rafaela Pena trabalha com o projeto Litemática, que tem o objetivo de integrar o ensino da matemática à leitura. “Para isso, a professora utiliza um boneco, Zureta. Assim, os meninos interagem e quebram esse medo, porque eles já chegam no 6º ano com medo da matemática. Zureta é um instrumento que facilita essa integração e o resultado tem sido bastante positivo”, revelou. “Já no sétimo ano, a professora Socorro utiliza muita coisa lúdica, do dia-a-dia, tentando trazer a matéria mais para perto deles. O ano passado, por exemplo, ela fez um trabalho com os alunos analisando a conta de energia. Mostrando para eles que ali tem um monte de números, mas o que significa cada um deles?”, falou e enfatizou que cada professor trabalha da sua forma, porém buscando agregar o ensino da disciplina ao trabalho lúdico.

Novas disciplinas Neste ano, o Colégio Motiva adotou duas novas disciplinas. No oitavo ano, a novidade é “Desenho Geométrico”, que surgiu com o objetivo de introduzir alguns conceitos que ajudarão os alunos no Ensino Médio. “Muitas vezes eles têm dificuldade na resolução de questões por não saber construir as figuras geométricas. Os meninos tem um material específico de desenho e a forma de avaliação é diferente. Como uma disciplina prática, as construções que eles realizam em sala de aula valem ponto”, detalhou. Já no nono ano, a novidade é a disciplina “Fundamentos da Matemática”, na qual os estudantes focam na resolução de exercícios de todo o conteúdo visto no Ensino Fundamental. “Não tem nada de novo, mas precisamos fazer uma revisão de todo o ciclo. Com isso, nós estamos fazendo com que a matemática não seja o que muitos pensam e abrindo caminhos para que eles possam chegar no Ensino Médio com uma base muito bem estruturada, podendo continuar nos seus estudos de forma mais aprofundada”, acrescentou.

@MotivaJP


10

Sempre Motiva

Parte da nossa história Juliana e Luciana Miranda foram as primeiras alunas matriculadas no Colégio Motiva, quando inaugurou em João Pessoa. Saiba como elas estão hoje e um pouco das histórias vividas na Escola das Grandes Conquistas

“A gente morre de saudade. Praticamente morávamos na escola, pois tínhamos aula de manhã e de tarde, mas adorávamos. Foi uma época muito boa” Luciana Miranda

www.colegiomotiva.com.br

O Colégio Motiva João Pessoa está comemorando 10 anos de existência neste ano de 2012 e nada mais representativo do que duas alunas que fizeram parte da história da escola para uma entrevista. O fato é que a escolha das garotas não aconteceu apenas porque são ex-alunas. As irmãs Juliana e Luciana Miranda foram as primeiras a efetuar matrícula na escola que acabara de chegar. Em 2003, no início de tudo, Juliana cursava o 5º ano e Luciana o 6º ano, no Ensino Fundamental. Hoje, já universitárias, Juliana cursa Direito no Unipê e Luciana cursa Relações Internacionais, na UEPB, e Direito, na UFPB, elas lembram com carinho e uma felicidade estampada no olhar os anos em que estudaram no Motiva. “A gente morre de saudade. Praticamente morávamos na escola, pois tínhamos aula de manhã e de tarde, mas adorávamos. Foi uma época muito boa”, lembra Luciana. Segundo Juliana Miranda, a escolha do Motiva aconteceu antes mesmo de terminada a obra do prédio onde seria a então unidade do Miramar. “Minha mãe veio conversar com o diretor Karamuh e não hesitou, tinha certeza que daria tudo certo e no mesmo dia nos matriculou. Só soubemos que tínhamos sido as primeiras alunas matriculadas quando fui chamada para plantar o pau-brasil, como representação do início da escola, no primeiro dia de aula”, contou. Entre uma história e outra, peripécias, lembranças, amizades e aprendizados. “A disciplina foi um dos maiores aprendizados que conquistei ao longo desses anos de estudo no Motiva. Tudo era muito rígido, horário, provas, entrega de tarefas”, afirmou Luciana. A irmã, Juliana, completou: “Eu melhorei muito aqui. Olhe que eu era

uma peste, aprontava muito”, disse. A estudante lembrou da época em que participava dos Jogos da Amizade. “Participei de todas as edições. Inclusive, fui eu quem organizou o primeiro time de futsal feminino para participar da competição, no primeiro ano. Detalhe, ao invés de chamar as meninas que sabiam jogar futebol eu chamei as minhas amigas e, mesmo assim, conquistamos medalhas. Era muito bom, porque a gente viajava sempre todas juntas.”, lembrou Juliana. Luciana enfatizou que os ensinamentos, aulas, puxões de orelha e projetos foram essenciais para ser a pessoa que é. “O Motiva também me deu a base de conteúdos e aprendizados que eu levo para a minha vida. Sinto isso hoje na pele, dentro da universidade quando vou estudar assuntos diversificados que acabo não tendo dificuldade porque vi no Motiva, enquanto outros estudantes ficam ‘voando’ e não sabem nem o que o professor está falando. A escola também sempre nos incentivou a ter disciplina e valorizar

“A disciplina foi um dos maiores aprendizados que conquistei ao longo desses anos de estudo no Motiva. Tudo era muito rígido, horário, provas, entrega de tarefas” Juliana Miranda

aprendizados de cidadania e consciência ambiental”, revelou. O tempo passou. Em 10 anos muitas coisas acontecem e aconteceram. As irmãs fizeram intercâmbio, terminaram o terceiro ano, entraram para a faculdade, participam de projetos de extensão na universidade e se preparam para o futuro. “Sempre fomos boas alunas, apesar de bagunceiras. Eu pretendo atuar em Direito Internacional e estudar para concursos. Já Juliana quer ser juíza”, planejou Luciana, que já é casada e mãe de Sofia, de 2 anos. Luciana acrescentou: “Sempre indicamos o Colégio Motiva e quero muito que minha filha estude aqui um dia”. Ela aproveitou para parabenizar a escola pelo aniversário. “O Motiva está de parabéns por esses dez anos. Além de ser uma escola, é também um empreendimento e todo empreendimento tem um risco, mas o Motiva está aí com um sistema de ensino de excelência e crescimento constante, fruto do trabalho constante de todos desde o porteiro até a direção da escola.”, pontuou Luciana.


11

TDAH atinge 10% da população em idade escolar Você sabe o que é Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH)? É um dos transtornos mentais mais comuns na infância e adolescência e acomete até 10% da população em idade escolar. As causas são genéticas e os portadores, no geral, apresentam desatenção, inquietude e impulsividade, dificuldades nas funções executivas do cérebro que prejudicam a capacidade de organização e disciplina. Segundo a psicóloga do Colégio Motiva, Tereza Sibely, a identificação do problema geralmente acontece na escola, quando os professores percebem a inquietude de determinado aluno, a falta de concentração em sala de aula e a dificuldade em realizar provas e tarefas. “As crianças portadoras desse transtorno são aquelas que não conseguem prestar atenção ao que o professor está falando, sendo necessário que se explique o assunto uma, duas, até três vezes. Não porque elas não saibam ou não consigam entender, mas porque não conseguem parar para ouvir o que o professor está dizendo”, explicou. Ao primeiro sinal, Sibely alerta que é preciso conversar com os pais e investigar se o aluno é ou não portador de TDAH. “Para chegar ao diagnóstico, temos que analisar a questão da primeira infância. Todas as crianças pequenininhas são muito agitadas, mas tem uma diferença da criança que tem o transtorno e da que não tem. Aquela que tem o transtorno não consegue se concentrar em uma única coisa, quer fazer tudo ao mesmo tempo. Então, se a família confirma que desde pequena a criança age dessa forma, a escola orienta que os pais levem-no a um psicólogo ou psicopedagogo para avaliar a situação”, orientou. De acordo com a psicóloga, crianças e adolescentes com esse tipo de transtorno devem ter um acompanhamento periódico de um profissional competente para que o resultado seja positivo, uma vez que ele acompanha a pessoa a vida toda,

São crianças e adolescentes que precisam mas pode e deve ser controlado. “O diagconstantemente ser fiscalizados quanto à nóstico não é o fim, é o começo de tudo. Brasileira do Déficit depontuou. Atenção realização das tarefas”, O tratamento é Associação necessário para que ele construa a sua própria autonomia,www.tdah.org.br caso contrário, essa criança vai ser um adulto que não consegue terminar um curso, por ilustrações Bel Paiva exemplo, um adulto que vai se envolver 10 dicas sobre como em casamentos múltiplos ou um adulto identificar os sintomas: que tem uma probabilidade altíssima de se envolver em drogas”, ressaltou. Ela lem• Deixa de prestar atenção aos brou também, que o transtorno é mais comum em meninos do que em meninas. detalhes ou comete erros por descuido em atividades escolares;

Atenção escolar Pais e professores desempenham um papel fundamental no tratamento dos portadores do TDAH e devem ficar atentos aos problemas de aprendizado ou de relacionamento social dos filhos e alunos. No Colégio Motiva, esse acompanhamento é realizado periodicamente. Sibely enfatizou que o laudo profissional não serve apenas para comprovar que o estudante é portador do transtorno, mas é necessário para que sejam realizados os procedimentos coerentes. “Em algumas situações, esse aluno deve sair de sala para realizar as provas, sendo acompanhado por um profissional na hora de sua avaliação. Como eles não têm um foco, então na hora da prova ele pode pular uma linha, um parágrafo, uma questão. Nestes casos, o setor de psicologia realiza esse trabalho de fiscalização e orientação, fazendo as intervenções necessárias”, disse. A psicóloga acrescentou que os professores também são orientados a agir de acordo com a necessidade dos casos. “Esses alunos precisam sentar perto do professor durante as aulas, porque eles se dispersam facilmente, então devem ser chamados à atenção, porém de uma forma que não desperte o restante do grupo.

• Agita as mãos ou os pés ou se remexe na cadeira; • Tem dificuldades para manter a atenção em tarefas ou atividades lúdicas • Parece não escutar quando lhe dirigem a palavra; • Não segue instruções e não termina os deveres escolares, tarefas domésticas ou deveres profissionais; • Evita, antipatiza ou reluta em envolver-se em atividades que exijam esforço mental constante; • Perde objetos pessoais (brinquedos, lápis, livros etc); • É facilmente distraído por estímulos alheios à tarefa; • Apresenta esquecimento em atividades diárias; • Tem dificuldade para brincar ou para se envolver silenciosamente em atividades de lazer.

@MotivaJP


Motiva Cultural - 10 Anos  

Motiva João Pessoa comemora aniversário.

Advertisement