Issuu on Google+

REVISTA DIGITAL – LENDAS INDÍGENAS TURMA 142 PROFESSORA FÁTIMA COLÉGIO LA SALLE SANTO ANTÔNIO 2013


Lendas Indígenas ANHANGÁ É um espírito que assombra os caçadores. Ele aparece em forma de veado, com pele branca e os olhos pegando fogo. Ele só aparece quando algum caçador está caçando algum animal, pois ele é destinado a ajudar os animais.

O CAIPORA É um menino de pele negra, de cabelos longos, muito rápido e feio. Fuma cachimbo e sua missão é proteger os animais, as florestas, os rios e as cachoeiras. Vive sondando a mata montado num porco, sempre com uma longa vara na mão.


Alexandre e Nicolas

Lendas indígenas Uma bela sereia estava sentada em uma pedra penteando o cabelo. Ela tem o poder de encantar todos que passavam por lá.

A princesa do lago Por de trás da praia de Maiandêua, nono município de Maracanã, existe um lago de águas onde mora uma linda princesa muito bela. Ela aparece em todas as noites usando um lindo vestido branco, passeia vagarosamente pela beira do lago e depois desaparece.

Amanda, Elisa e Maria Eduarda


LENDAS INDIGENAS

Anhangá e muito inteligente e ele protege os animais da mata. Se algum caçador vai atrás de um animal, pode ser atacado pelo anhangá. Sai fogo dos seus olhos e quando algum caçador pega um animal ele vira uma fera e um redemoinho e mata o caçador.

Bruno e Felipe


LENDAS INDIGENAS CAIPORA Sempre nu pela floresta, montado num porco selvagem domina os animais. De acordo com a lenda, ele ataca os caçadores que não cumprem os acordos feitos com ele assim como o curupira, parentesco do caipora. Sua missão é proteger os animais da floresta.

Carolina e Laura Jardim


Lendas Indígenas

Boitatá alguns acreditam que é uma cobra de fogo. Se alguém a ver, pode ficar cego.

Felipe Mendonça


Lendas indígenas O uirapuru Há muito tempo atrás existia um homem que amava uma mulher muito bela, mas o problema é que ela era namorada do Cacique. Ele pediu ao Tupã que o transformasse em um pássaro para chamar a atenção do Cacique. Assim, ele levaria o cacique para a floresta e então perdê-lo e ficar com a moça bonita. Mas tinha um problema, ele não sabia o feitiço de voltar a ser um humano. Então ele ficava todos os dias cantando de cima da árvore para sua amada.

ANHANGÁ Era uma vez um gênio que protegia os animais. Um dia um caçador foi caçar um veado fêmea e o gênio ficou furioso e então ele virou um veado branco de olhos de fogo. Depois ele foi correndo a procurar o caçador e ele o pegou e nunca mais ele foi visto.

Gabriel e Guilherme


Lendas Indígenas O menino que atingiu uma flecha no sol. Em um dia ensolarado havia um menino que tentava atingir uma flecha ao sol. Ele tentava dia á pós dia, e não se cansava de tentar. Certo dia enquanto caminhava o menino avistou duas belas árvores. Uma brilhante como o sol, e outra prateada como a lua. Ele teve uma ideia de derrubar as duas, e derrubou a árvore brilhante, e a prateada. Com a árvore do sol fez o arco, e com a da lua a flecha. Então tentou mais uma vez. Para lançar fez muita força para ter certeza que ia acertar. E teve uma surpresa, sua flecha não tinha caído. Em pouco tempo o mundo começou a acabar, tudo foi se destruindo, os animais foram virando pó, árvores, grama, chão tudo que estava a sua frente.

FIM Isadoras


A LENDA DO GUARANÁ No meio de uma floresta amazônica viviam índios maués. Entre eles 60 casais moravam na tribo. A felicidade deles era abalada. Resolviam pedir ajuda ao tupã. Graças a ele realizaram o desejo de ter um filho saudável, querido, educado, feliz e obediente. Admirava a fama Curumim. Jurupari cheio de inveja acompanhou o filho. O pequeno curumim estava colhendo frutas e o jurupari virou uma cobra e devorou o menino.

Laura e Luciana


Lendas indígenas!!! O Guaraná

A lenda fala, que em uma aldeia tinha um casal de indígenas que tinham um filho, esse menino era muito bonito, bom e inteligente. Certo dia o pai dele começou a ter raiva dele, até que um dia o pai do menino virou uma cobra. E quando ele virou uma cobra matou o menino, e então já que o próprio pai matou o filho a mãe do garoto mandou enterrá-lo e retirar os olhos do garoto que iria nascer uma fruteira e assim, dos olhos do menino nasceu o guaraná.

Luísa e Mariana


LENDAS INDÍGENAS A Iara A Iara é como uma ninfa, que habita rios e lagos. Conhecida como dama das águas ou mãe d´água. Ela possui grande encanto e beleza. Metade mulher metade peixe, com a sua formosura, atrai os homens para a água.

A princesa do lago

Por detrás da praia de Maiandêua, no município de Maracanã, existe um lago de águas claras e cristalinas. Lá mora uma linda princesa, de uma beleza sem igual. Ela aparece todas as noites, às margens dos rios lagos, usando um lindo vestido branco, passeia pela beira do lago e depois desaparece.

Marina e Júlia


A PRINCESA DO LAGO

Atrás da praia Maiandêua, no município de Maracanã, há um lago de águas cristalinas onde mora uma linda princesa de cabelos loiros. Ela aparece todas as noites nas margens do lago, usando um longo vestido branco. Passeia vagarosamente pela beira do lago e depois desaparece.

Raquel e Manuela


A lenda do curupira

Curupira é um índio protetor das florestas. O curupira tem Cabelo vermelho fogo dentes verdes e azuis e pés virados. O curupira consegue imitar humanos e animais e com isso consegue fazer Caçadores e lenhadores se perderem.

Renan e Rodrigo


Lendas indĂ­genas Saci Era uma vez um menino chamado saci, ele era muito capeta. Dizem que para redemoinho parar, tinha que jogar uma peteca lĂĄ dentro. Curupira Era uma vez um defensor da mata, ele tinha os pĂŠs virados e o nome dele era curupira.

Ricardo


Lendas Indígenas A cidade encantada No Maranhão, abaixo do rio Gurupi, existe uma grande pedra negra. Os barcos de cablocos nunca passam a noite próxima a ela. A mesma tem uma enorme caverna. Dizem que antigamente existiu uma cidade neste mesmo lugar, mas a maré cobriu tudo, ficando apenas um pedaço da imensa pedra para fora. À noite se ouvem sons de instrumentos musicais e até toques de sino sair da pedra.

O velho da praia

Dizem que em uma casinha isolada na ponta do sul da praia de Maracanã, é mal-assombrada, pois pertence a um velho de longas barbas brancas, usam como vestimentas roupas velhas, apoiado a um grosso cajado de madeira, que aparece de vez em quando para expulsar quem quer que seja da sua velha casa e vai para o fundo do mar. Thaís e Maria Clara


Lendas indígenas 142