Page 58

“A rota do desenvolvimento urbano do Rio de Janeiro, expandindo as fronteiras de moradia de seus trabalhadores, abria terreno para a vertente do capital imobiliário, voltado para o segmento popular [...] na Baixada Fluminense, conforme iam se alargando as vias de transporte. Mas a marca desses loteamentos populares era também a da irregularidade e a ocupação através da autoconstrução provocou a precariedade com a desordenada formação do território, sem estrutura de saneamento e sem equipamentos urbanos essenciais” (BARBOSA, 2010, p. 52).

No caso das favelas que começam a surgir nas encostas dos morros na área central e na Zona Sul, como nos aponta Venturelli (2007, p. 14), a proximidade do local de trabalho foi um importante fator a ser considerado quando da decisão do morador em se fixar em determinada localidade. Além disso, Ferreira (2009) nos lembra que o transporte era também precário, o que certamente contribuiu para a decisão dessa “força de trabalho” de buscar “viabilizar” sua residência próximo ao local em que trabalhava ou pretendia trabalhar. Outro fator merecedor de registro, pois atua no processo de dinamização da favela enquanto realidade social e que também está vinculado à transformação urbana deflagrada no final do século XIX, foi a própria “Indústria da Construção Civil” mobilizada durante as reformas e a expansão urbana. Segundo Ferreira (2009), as obras de demolição, reformas e expansão da cidade demandavam grande quantidade de mão de obra. Durante sua realização, os canteiros de obras, além de serem os locais do trabalho dos operários, também os acolhiam como moradias. Entretanto, quando a construção terminava e os trabalhadores não encontravam imediata colocação em outra construção, precisavam acomodar-se em moradias próximas àqueles locais à espera das novas oportunidades que ocorreriam. Com isso, engrossavam as favelas já existentes ou formavam outras, sempre acompanhando o eixo de expansão da metrópole carioca (FERREIRA, 2009). Um exemplo desse fenômeno nos é dado por Silva e Barbosa (2005) quando falam de uma das primeiras favelas surgidas na Ti-

56

memória e identidade dos moradores de nova holanda

Profile for Mórula Editorial

Memória e Identidade dos Moradores de Nova Holanda  

O livro “Memória e Identidade dos Moradores de Nova Holanda” faz parte de um projeto mais amplo e ambicioso: apresentar a história e memória...

Memória e Identidade dos Moradores de Nova Holanda  

O livro “Memória e Identidade dos Moradores de Nova Holanda” faz parte de um projeto mais amplo e ambicioso: apresentar a história e memória...

Profile for morula
Advertisement