Page 161

É difícil afirmar exatamente o ano de chegada do primeiro membro de minha família no Rio de Janeiro. Porém, na Maré, me arrisco, sem medo de errar, o ano de 1962. Mais especificamente o feriado de 1o de maio, quando o Sr. Ademar Ferreira, irmão de minha avó materna, pisou em solo maréense, em uma pequena favela em construção, conhecida como Parque União. Em 1967, chegou o meu avô materno Otacílio Lino Guilherme, já casado com Matilde Ferreira Guilherme. Um fato curioso a respeito de minha família – espero não confundir cabeça de ninguém: minhas duas avós eram irmãs e meus pais, primos legítimos. O resultado é que, mais ou menos em 1978, meus pais começaram a namorar e no ano seguinte, ficaram noivos. Meu pai comprou seu “barraco” na Rua Bela, no número 29. Meus pais casaram-se em 1981, passando então minha mãe a se chamar Maria do Socorro Guilherme da Silva, e, em 1984, eu nasci. No mesmo ano, meu pai decidiu construir uma casa de alvenaria no lugar do “barraco” e isso me possibilitou passar a vida inteira, até aqui, na mesma casa. Dando sequência ao fluxo migratório de minha família, durante a década de 1980, meu pai abrigou seus irmão e primos que começaram a chegar em busca de melhores condições de vida. Assim, pude acompanhar a vinda de meus tios, que se estabeleceram e moram até hoje na Maré, em sua maioria no Parque União. Com esta breve apresentação, acredito que fica mais que claro que eu, como muitos de meus amigos e outros de minha geração, filhos da construção da Maré, estamos entrelaçados em uma mesma realidade social. Isso fica claro, quando olhamos para o passado de nossos tios, avós e pais, um passado de sofrimento e de luta. Dessa maneira, negar a história da Maré é negar a nossa história, deixar morrer essa história é matar um passado que, apesar de sofrido, não é feio ou vergonhoso, pelo contrário, podemos encher o peito de orgulho, pois fazemos parte de um processo de crescimento, feito por pessoas que trabalharam duro para melhorar suas vidas e de suas famílias. Precisamos valorizar todo esse legado aceitando toda sua originalidade.

// Biografia dos pesquisadores do NUMIM

159

Profile for Mórula Editorial

Memória e Identidade dos Moradores de Nova Holanda  

O livro “Memória e Identidade dos Moradores de Nova Holanda” faz parte de um projeto mais amplo e ambicioso: apresentar a história e memória...

Memória e Identidade dos Moradores de Nova Holanda  

O livro “Memória e Identidade dos Moradores de Nova Holanda” faz parte de um projeto mais amplo e ambicioso: apresentar a história e memória...

Profile for morula
Advertisement