Page 1

U m a r e v i s ta d o s e u m o d o

LifI

EDIÇÃO 11 OUTUBRO R$13,90

Casa Cor MT projetos premiados mostram que é possível construir sofisticação

através da sustentabilidade Coerente e de estilo

Peças para um guarda-roupa ser

coeso e essencial em todas as estações Concentre-se, se puder Entenda por que É

preciso você se desconectar, ao menos, um pouquinho

Renato Ratier Prestes a inaugurar uma nova fase de um dos clubes mais bem sucedidos do Brasil, o D-Edge, o empresário e DJ fala sobre quem foi, quem é e o que pretende ser ainda


mood ao nosso modo

editorial

Há um ano a revista Mood Life chegava ao mercado editorial de Campo Grande com novas propostas e ambições. A vontade de fazer algo diferente era grande e, antes de tudo, preciso. Se em sua primeira edição, ela trazia em detalhes a inédita mostra Casa Cor Mato Grosso do Sul, nesta, relevamos a vez de Cuiabá surpreender com espaços sustentáveis e funcionais. Estivemos dentro da franquia mato-grossense e mostramos que dá pra ser ˝verde˝ e ao mesmo tempo pautar a casa com sofisticação. Com o objetivo de aproximar o leitor de seu lado mais íntimo e confortável, concretizamos nossas pautas por meio do estilo de vida e das preocupações e desejos que tanto nos consomem. E é neste gancho que revelamos a relação que se estabelece entre signos e decoração. Será que sua casa coincide com as características do seu signo solar? Seja uma boa idéia para relaxar no final do dia, seja uma pausa para você pensar a quantas anda sua concentração, revelamos de forma simples e com um toque de bom humor, sempre necessário, que o encontro com nosso

equilíbrio é fundamental e feito, como deve, ao modo de cada um. E como a cada edição propomos falar de estilo, nesta pontuamos quais peças adquirir para manter o seu guarda-roupa essencial e coerente. Falamos também de bom comportamento para pais e filhos. Saiba por que até os pequenos precisam de regras básicas de uma etiqueta contemporânea. Já Renato Ratier, prestes a inaugurar uma nova fase de um dos clubes mais bem sucedidos do país, relembra quem foi e quem é hoje em nossa matéria de capa. E como cultura também é alimento para alma, colocamos em destaque a 29ª Bienal de São Paulo, que depois de sua última edição, conhecida como Bienal do Vazio, veio cheia de polêmica e com um tema que propõe discutir arte e política. E se ˝há sempre um copo de mar para um homem navegar,˝ como já dizia o poeta Jorge de Lima que empresta o verso para título da Bienal, convidamos você leitor a navegar em mais uma edição da revista Mood Life, uma revista que completa um ano ao seu modo.

CAPA Renato Ratier Foto Alexis Prappas Produção Executiva André Furquim Cabelo e Maquiagem Claudir Fernandes Ele veste acervow Poltrona ArteFacto. Agradecimento Casa Design

EXPEDIENTE REVISTA MOOD LIFE Diretores ANDRÉ FURQUIM andre@moodlife.com.br IARA DINIZ iara@moodlife.com.br JOSUÉ SANCHES jsanches@moodlife.com.br LUIS PEDRO SCALISE luis.pedro@moodlife.com.br  | Conselho Editorial Alexis Prappas, Carla Matsu, Eduardo Zeilmann, Iara Diniz, Josué Sanches, Luis Pedro Scalise e Melissa Tamaciro | Redação Carla Matsu redacao@moodlife.com.br | Jornalista Responsável CARLA MATSU (DRT 543/MS) | Arte EDUARDO ZEILMANN editor@moodlife.com.br | Editor de Imagem Alexis Prappas alexis@prappas.com.br | Fotógrafos Alexis Prappas, Jean Vollkopf, Marcos Vollkopf e RODRIGO MARQUES Departamento Comercial atendimento@moodlife.com.br REJANE MOreira

Para anunciar ligue (67) 3028-4377

Colaboraram nesta edição Texto Adriana Estivalet e Carla Gavilan. Foto Marcelo Buainain Revista MOOD Life é uma publicação mensal integrante do grupo DNZ Participações e Negócios Ltda. Rua Bahia, 10- Centro. Campo Grande/MS CEP 79003-032. A Revista MOOD Life não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos assinados. As pessoas que não constam no expediente não tem autorização para falar em nome da Revista MOOD Life ou a retirar qualquer tipo de material se não tiverem em seu poder uma carta em papel timbrado assinada por qualquer pessoa que conste no Conselho Editorial. Impressão e Acabamento Idealiza Gráfica e Editora.

www.twitter.com/revistamoodlife


EDIÇÃO 11

OUTUBRO 2010

Lifestyle Decoração Estilo

Consumo

Gourmet Viagem

LifI

60

24

84

VIVER COM ESTILO A trajetória e os porquês que fizeram Renato Ratier um dos empresários mais bem sucedidos da cena eletrônica nacional

34

34

76 GOURMET Completando dez anos, o D.O.M, de Alex Atala, se renova e revisita o melhor de sua história. Já o premiado Kaá restaurante mostra o porquê de ser considerado um oásis de gastronomia 94 ESTILO As principais peças

que farão o seu guarda-roupa ser coeso e essencial em todas as estações

98 ETIQUETA

CONTEMPORÂNEA Sem espaço para malcriações. Conheça as regras básicas de boas maneiras válidas para os pequeninos.

100 COMPORTAMENTO Se sua

concentração anda mais distraída que criança na pré-escola, entenda por que será preciso você se desconectar, ao menos, um pouquinho

108 MEU CANTO O lado rock ‘n’ roll do cirurgião plástico Cesar Benavides 110 LOUNGE Mariana Nogueira em ritmo de desafio 112 VOX A rotina e os desafios de Alexandre Scaffi Raffi, presidente da Associação Novilho Precoce de Mato Grosso do Sul 126 VIAGEM Para espíritos aventureiros, uma forma única de explorar com conforto a América do Sul 134 EQUILÍBRIO Relaxe o corpo e a mente através da Reflexologia


94

106

MORAR COM ESTILO Os detalhes e projetos da edição mais verde da Casa Cor MT. Conheça os ambientes premiados desta mostra funcional e sofisticada realizada em Cuiabá

46 FEIRA HYPE Do despertador que pula ao mobiliário vintage, revelamos objetos e móveis que deixam a casa do seu modo

68 EU SOU Karolina Boaventura e João Pedro D’Ornellas revelam o perfil de trabalho da sociedade, que conferiu destaque na Casa Cor Mato Grosso 70 FORMAS Conheça a

versatilidade e irreverência do trabalho da designer Fabíola Bérgamo, conhecida como mestra dos artesãos

54

WWW.REVISTAMOODLIFE.COM.BR 19


comentários e sugestões

mood ao SEU modo Quero agradecer imensamente por terem me enviado esta última edição que está linda. Parabéns a todos. Fiquei feliz e gostei muito em tê-la recebido. Um grande abraço. Jussara Feltrin Moraes Muito boa a matéria sobre células-tronco. Parabéns a revista e a professora Themis, que como sempre demonstrou conhecimento e passou informações tão importantes. Já fui sua aluna e a admiro pela sua competência e simplicidade. Juliana Medeiros Li pela primeira vez a revista há algumas semanas e gostei muito de tudo. Percebi que é algo regional de muito bom gosto. Parabéns pelo excelente trabalho. Clarianne Guedes

A proprietária da Gracià, Márcia Barros Rodrigues, em sua casa para a produção da capa da edição número 10

CONTATO Quer deixar A MOOD DO SEU MODO? Faça comentários e sugestões. Envie e-mails para a seção informando o seu nome completo.

editor@moodlife.com.br A revista MOOD Life se reserva o direito de, sem alterar o conteúdo, resumir e adaptar os textos publicados.


MARCELO BUAINAIN

FICA DECRETADO Para esta edição do mês de outubro, cujo calendário é permeado com o aniversário de São Francisco de Assis, Festa da Padroeira do Brasil e Dia da Criança, hesitei entre dois temas de relevância do meu arquivo fotográfico: religiosidade e criança. Como a vida e os momentos são feitos de escolhas, fiz a minha selecionando essas imagens com um poema de Thiago de Mello, onde o autor decreta: O homem confiará no homem como um menino confia em outro menino.

24


˝Fica decretado que o homem não precisará nunca mais duvidar do homem. Que o homem confiará no homem como a palmeira confia no vento, como o vento confia no ar, como o ar confia no campo azul do céu. Parágrafo único: O homem, confiará no homem como um menino confia em outro menino.˝

À esquerda, índias Pataxó, Aldeia do Meio, Bahia. Acima, crianças Hindu, Deoprayague, Índia. Documentarista, assim se define Marcelo, empresta seu olhar sensível para registrar os fatos seja em foto ou vídeo. Desde maio deste ano, abre seus arquivos para os leitores da MOOD. Para saber mais sobre o seu trabalho acesse www.buainain.com ou mande e-mail netbuainain@gmail.com 25


Um século de Bresson

Obra reúne a extensa produção de um dos mestres mais produtivos da história da fotografia Por Carla Matsu

Henri Cartier-Bresson: o século moderno, organizado por Peter Galassi, é uma obra para admiradores curiosos sobre a trajetória profissional do fotógrafo que dá nome ao livro. Lançado pela editora Cosac Naify, o volume nos permite acesso não somente às imagens produzidas entre 1908 e 2004, mas também preenche as lacunas de dúvida sobre sua carreira, com informações inéditas sobre sua vida, seus percursos e extensa obra. Cineasta, ator, editor, diretor de documentários, pintor e desenhista, Bresson, através de suas icônicas fotografias, foi também historiador. O livro retrata e enfatiza a ascendência familiar burguesa, e, em contrapartida, sua relação com o ideário do Partido Comunista dos anos 20 e 30, sua participação

no movimento surrealista, o engajamento social, a conexão com fotógrafos de seu tempo e, em especial, sua participação na Agência Magnum, da qual foi co-fundador com outros fotógrafos. O livro também revela toda a perspicácia de um fotografo intuitivo. Mostra em detalhes a forma como ele trabalhava, evidenciando tanto especificações técnicas de câmeras e filmes, como a logística das viagens com seus colaboradores. O lado pessoal é revelado nas relações que ele tinha com outros profissionais de sua área, em particular, sua proximidade com Robert Capa, decisivo para que Bresson se assumisse como fotojornalista, já que não queria ser rotulado apenas como fotógrafo surrealista. Peter Galassi defen-

de a tese de que Cartier-Bresson, desde o início dos anos 1930, ajudou a definir o modernismo fotográfico e surpreende o leitor por apresentar a farta documentação acumulada por um organizado e meticuloso Bresson. Morto aos 96 anos de idade, o fotógrafo deixou um trabalho lendário e números que impressionam: em 1976 ele ultrapassou o rolo número 14 mil, somando mais de meio milhão de fotografias em três décadas de trabalho. Para o crítico, a obra de Bresson é extraordinária não necessariamente por sua amplitude geográfica e cultural, mas também por seu alcance histórico ao largo das vastas transformações do século moderno. O volume ainda traz uma listagem cronológica dos jornais e revistas que publicaram as fotografias de Bresson em todo o mundo; uma expressiva listagem das principais exposições fotográficas e livros publicados; e uma selecionada bibliografia e filmografia do autor. Onde: www.editora.cosacnaify.com.br

Hyère, France. 1932. The Museum of Modern Art, New York. Purchase ©Henri Cartier-Bresson

26


CD

A grande volta em Gal Total Pela primeira vez os 15 CDs gravados por Gal Costa na antiga Phillips- depois PolyGram e hoje Universal Music - são reunidos em uma só caixa e com um adendo lendário: o álbum de 1967 resultado da parceria com o amigo Caetano Veloso. O Box revela a trajetória de Gal entre os anos de 1967 e 1983, em reedições caprichadas que oferecem letras em todos os CDs e som remasterizado. A coleção também vem para saciar a curiosidade de muitos de seus fãs saudosos. O organizador do projeto Gal Total, Marcelo Fróes, é quem se incumbiu de longas entrevistas com a cantora. O resultado são textos históricos sobre os bastidores de cada disco. Além dos 15 álbuns originais, há também o duplo intitulado Divina, Maravilhosa, contendo 28 fonogramas raros– em sua maioria inéditos até agora. São faixas gravadas para festivais, trilhas sonoras, compactos, projetos coletivos em geral e até duetos com amigos. “É um presente que complementa essa história de música, glamour e sucesso que envolve a carreira de uma diva que atravessa décadas sem perder seu brilho e seu carisma”, pontua o próprio Marcelo Fróes. Onde: Por R$269,00 em www.livrariasaraiva.com

DVD

Ode ao Suspense

Alfred Hitchcock tinha um apreço único pela tensão. O título de mestre do suspense psicológico não lhe veio à toa. Desde jovem, soube como ninguém manipular as emoções de seu telespectador atento. Para homenagear os 30 anos desde a morte do cineasta, a Universal Pictures lançou sua coleção de filmes mais completa. As obsessões, as neuroses, o voyeurismo e a fragilidade da condição humana, temas recorrentes em suas obras, estão lá, onde podemos acompanhar a evolução do cineasta de filme a filme e ver as próprias experimentações com a câmera, edição, e se deixar tensionar pela música, uma das grandes protagonistas em seus filmes. Obras primas como “Um corpo que cai”, “Janela indiscreta”, “Psicose” e “Os pássaros” estão nesta coleção ao lado de obras igualmente prestigiadas e outras menos conhecidas. Ao todo são 18 DVDs que totalizam 23 filmes de um brilhante Hitchcock. Onde: Por R$299,00 em www.livrariasaraiva.com

LIVRO

Ziraldo em Cartaz Era ainda nos anos 60 quando o mineiro de Caratinga, Ziraldo Alves Pinto, começava a ganhar notoriedade com o que mais gostava de fazer: criar. Foi com A turma do Pererê, a primeira revista em quadrinhos feita por um só autor, que Ziraldo passava a consolidar sua carreira de quadrinista, duas décadas antes de lançar um dos maiores fenômenos editoriais do Brasil, O menino Maluquinho, em 1980. Jornalista, também foi co-fundador do não-conformista e um dos mais celebrados jornais brasileiros, O Pasquim. Com 60 anos de carreira, completados em 2009, a vertente menos conhecida de sua obra, o design de cartazes, é ponto de partida para o Ziraldo em Cartaz, organizado pelo designer Ricardo Leite. O livro reúne cerca de 300 cartazes, entre trabalhos para cinema, teatro, shows, eventos, peças publicitárias e campanhas educacionais e políticas. É por meio deles e de sua visão artística, sempre marcada por um toque de humor, que o leitor tem acesso a um panorama da cultura e história brasileira. Onde: Por R$116,76 em www.travessa.com.br

Por Carla Matsu Fotos Divulgação

28


cultura

Para navegar em Arte Questionadora e polêmica, a 29ª Bienal de São Paulo propõe que a arte não se desvencilha da política e reafirma sua função transformadora Por Carla Matsu

30


O

título soa poesia declarada: ˝Há sempre um copo de mar para um homem navegar.˝É com este verso do poeta alagoano Jorge de Lima, retirado de sua obra maior, Invenção de Orfeu (1952), que a 29ª Bienal de São Paulo se intitula e inaugura no final de setembro. Sugerindo que a dimensão utópica da arte está contida nela mesma, e não no que está fora ou além dela, o verso abre espaço para uma discussão mais ampla. Em ano eleitoral, o momento não poderia ter sido melhor. E é assim que a Bienal deste ano vem para poetizar, instigar, teorizar e cutucar, de certa forma, a ferida metafórica de muita gente. Com a pretensão de ser simultaneamente uma celebração do fazer artístico e uma afirmação de sua responsabilidade perante a sociedade, a exposição parte do princípio de que não é possível separar a arte da política. Depois do marasmo que foi a edição do Vazio, dois anos atrás e que foi severamente criticada, a deste ano pretende colocar a própria Bienal em pauta, discussão e prestígio, fato que não vinha acontecendo nos últimos anos. Após passar por uma das maiores crises financeiras- a última gestão da Bienal tinha acumulado uma dívida de quase 4 milhões de reais, este ano a Bienal volta a se reforçar como o maior evento de arte do país. A proposta de debater o duo arte e política se justifica, de acordo com a curadoria da Bienal, em duas principais razões. A primeira é que por viver em um mundo de conflitos diversos, onde paradigmas de sociabilidade são o tempo todo questionados, a arte se afirma como meio privilegiado de apreensão e simultânea reinvenção da realidade. A outra razão se dá ao fato do extenso movimento de aproximação entre arte e política nas duas últimas décadas, que se faz necessária, novamente, destacar a singularidade da primeira em relação à segunda.

▲ Tornado, Francis Alÿs O artista belga, que vive na Cidade do México, enfrentou grandes tempestades para apresentar o seu vídeo-arte nesta Bienal. Apresentado em grande projeção e em sala escura, o vídeo combina tomadas curtas com cenas longas, realizadas pelo próprio artista. O resultado são cenas um tanto perturbadoras na obra intitulada “Tornado”. Nela, Alÿs, se insere como um desafio em tempestades de areia e tornados sazonais que ocorrem no deserto mexicano. Pode-se afirmar também que os tornados são para o artista um motivo de inquietude e fixação. Há dez anos ele persegue o fenômeno pelo México, fotografando, filmando e se jogando nesses redemoinhos. ◀ Matéria de poesia, Rosângela Rennó Aqui a artista aproxima lugares, pessoas e fatos, que não teriam relação entre elas se não fosse pela sobreposição das ampliações de slides antigos, recolhidos ao acaso. O título da obra faz referência à poesia de Manoel de Barros. É que de certa forma, assim como o poeta queria fazer da insignificância matéria de poesia, Rennó também faz dos slides, já descartados pelas pessoas, matéria de arte.

31


cultura

Os terreiros da Bienal O grande pavilhão do Ibirapuera é cenário para cerca de 850 obras de 159 artistas, estes vindos de todas as partes do mundo, mas em especial com forte representação de artistas da América Latina. A edição deste ano também tenta inovar a relação de espaço e tempo. Com o intuito de não ser meramente contemplativa, a mostra propõe ao público formas diversas de se experimentar a arte. Foi pensando nisso que se criaram no pavilhão sinuoso de Niemeyer seis espaços de convívio. Além de funcionais, pois servem como uma pausa antes de seguir-se adiante no percurso da mostra- pois sim, ela é exaustiva, são centenas de vídeos, fotografias, quadros e instalações para serem vistos – tais espaços, chamados de terreiros serão usados para atividades diversas, como falas, projeções, performances e leituras.

números

1 milhão

é o número de visitantes que a organização da Bienal espera alcançar até o seu fechamento

161 mil foi o número de visitantes na edição passada 850 obras de 159 artistas estão expostas pelos seis terreiros da 29ª Bienal

30 milhões

de reais foi o valor do investimento neste ano

Com curadoria de Moacir dos Anjos e Agnaldo Farias, a 29ª Bienal de São Paulo está também mais ambiciosa. Espera até o fechamento de sua edição, em dezembro, ter reunido um milhão de visitantes. E em pouco tempo de exposição já colecionou algumas polêmicas ao redor de suas obras, fato que lhe deu repercussão e colocou em pauta assuntos que ela mesma aborda. E como toda boa mostra de arte, a Bienal pretende não só aumentar o número de espectadores, mas também envolver o público na experiência sensível que as obras ali expostas promovem.

A BIENAL ATRAVÉS DOS TEMPOS Criada pelo empresário Ciccilo Matarazzo, em 1951, a primeira Bienal trouxe importantes artistas da História da Arte, como René Magritte, Pablo Picasso e Alberto Giacometti. A segunda edição, uma das mais históricas, em 1953, reuniu 100 mil pessoas para ver o painel Guernica, de Picasso, e outros artistas de peso, como Paul Klee, Piet Mondrian e Giorgio Morandi. Outra edição vista como fundamental foi a de 1998, conhecida como a Bienal da Antropofagia. Nela o público pôde ter acesso a obras inacessíveis, como as de Vincent van Gogh, Francis Bacon, Alberto Giacometti e René Magritte. Hoje, a Bienal está perto de completar 60 anos de história, completos em 2011.

MORTE NA BIENAL Ao lado do artista Nuno Ramos, que em Bandeira Branca deixou em cativeiro três urubus (e por isto foi alvo de pichações na própria Bienal), o pernambucano Gil Vicente também foi motivo de polêmica. Retrato de sua desilusão, em Inimigos Gil se auto retrata e se posiciona em momento de tensão: é ele quem aponta uma arma na cabeça do ex-presidente George W. Bush, assim como se prepara para atirar no Papa Bento XVI e até na rainha Elizabeth. Fernando Henrique Cardoso e Lula também são executados na obra do artista. É claro que o desabafo não ficou só na esfera da arte e atingiu também a esfera política. A OAB paulista, por exemplo, emitiu nota de repúdio a série de desenhos e solicitou que fossem retirados da Bienal, com o argumento de que fazem apologia ao crime. Tanta polêmica ao redor de suas obras só trouxe mais publicidade ao artista, que na verdade comemora o sucesso de sua obra.

SERVIÇO Pavilhão da Bienal - Parque do Ibirapuera. Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº, portão 3. Telefone: (11) 5576-7600. Horário: das 9h às 18h, de segunda a quarta e de sábado e domingo; das 9h às 21h, às quintas e sextas. Em exposição até 12/12 Entrada grátis. Fotos Divulgação

32


CAPA

Renato ratier Ele já foi associado ao underground, chamado de ousado e vanguardista. Mas na verdade, o DJ e empresário tem os pés bem no chão e os ouvidos e pensamento no lugar certo. Completando dez anos de um dos clubes mais importantes para a cena eletrônica no Brasil, é aqui que ele relembra sua trajetória Por Carla Matsu FOTOS ALEXIS PRAPPAS

36


Ainda criança, Renato Ratier Pereira já era o inquieto dos dias atuais. Entre as lembranças de infância, estão os dias quando dançava ao som de um vinil e chamava para ocupar-lhe o tempo a empregada. Pois uma companhia para dançar junto sempre caiu bem. Renato fazia do chão de sua casa, a primeira pista que encontrou na vida. E tempos depois era ele também quem reunia os amigos para os juvenis e saudosos campeonatos de break. É claro, em um primeiro momento foi incompreendido, principalmente, pelos pais. Com a família tendo suas raízes em negócios agropecuários, o que se esperava dele, no mínimo, era que ele seguisse o curso de sua tradição. Mas também não decepcionou tais expectativas. Trabalhou na fazenda e o faz ainda hoje, administrando, mesmo de longe. Mas ele queria mais, queria dar vazão e concretude ao que ouvia com tanta intensidade lá fora. E deu. Era a década de noventa quando a música eletrônica começava a ferver nos Estados Unidos e Europa, e foi nesse meio tempo, entre a adolescência inquieta e a inspirada fase adulta, que Renato se abasteceu do mundo e construiu o seu clube dos sonhos: fundou sozinho uma das casas noturnas mais celebradas no Brasil e a mais reconhecida lá fora, a D-Edge.


capa

De tudo, um início

o D-Edge

conseguiu mudar um comportamento.

Fez todo mundo descer do salto e ir pra pista.

As referências em design, arquitetura, moda sempre borbulharam as idéias. Paralelas a elas, a música sempre como ponto condutor e de identidade. Ela estava na rotina através dos bares de jazz, nos clubes noturnos, nos shows de rock e nos fones de ouvido pelas viagens afora. E era a música que acabaria indo para as mãos, quando Renato, ainda garoto, se apaixonou pela discotecagem. No entanto, até a carreira de DJ se consolidar e chegar ao conceito do que seria a D-Edge, muita coisa rolou. Em meados dos anos 90, em parceria com amigos em Campo Grande, Renato organizou raves históricas na cidade, como a Organic e Area 51, que reuniam milhares de pessoas. Veio a Sub Culture, loja onde ele vendia discos, CDs, roupas de várias grifes e, inclusive, das marcas próprias. Hiperativo, Renato também criou fanzines na época e até a produção de um programa de rádio. E não parou. Decidiu dar um passo mais a fundo e inovar. Pois trazer a Campo Grande, no início do ano 2000, uma casa noturna conceitual onde o gosto vigente se norteava pela música sertaneja, foi um bocado ousado para o contexto local. Inaugurado na Rua Arthur Jorge, o clube foi um marco e se destacou, inclusive, internacionalmente, pois foi responsável por trazer grandes nomes da música eletrônica em terras sul-mato-grossenses. “O D-Edge conseguiu mudar um comportamento. Fez todo mundo descer do salto e ir pra pista. E era algo que eu precisava fazer, eu achava importante que as pessoas vivessem aquele momento daquela maneira”, avalia Renato.

E era algo que eu precisava fazer, eu achava importante que as pessoas vivessem aquele momento daquela maneira 38


39


CAPA

40

O ESPÍRITO DA COISA

Novos rumos

O tradicional e industrial bairro da Barra Funda, em São Paulo, ainda contava com noites mais silenciosas até o ano de 2003, quando Renato decidiu expandir o conceito do D-Edge. E o investimento foi essencial. Ali no bairro paulista, o clube tomou outras proporções. Com projeto do designer carioca Muti Randolph, que já fez cenários para a MTV, Rede Globo, Multishow, entre outros, a D-Edge casou bem as vontades e pretensões sonoras de Renato com o projeto conceitual de Randolph. Com sistema de som e luz, inéditos para a época, a casa também inovava no quesito programação. Aberta todos os dias da semana, a D-Edge oferece além dos DJs consagrados, um som diversificado, indo do house ao rock oitentista. O próprio Renato é DJ residente da festa Freak Chic, às sextas-feiras, onde embala as pistas com house, eletrohouse e outras novas vertentes da música eletrônica, ao lado dos DJs Davis e Luiz Pareto. E a casa, que se tornou referência para as demais em São Paulo, pelo Brasil e até em terras estrangeiras, recebeu vários prêmios aqui e lá fora pela crítica especializada. Um dos mais recentes foi dado pela DJ Mag, da Inglaterra, em 2009, o título? ˝Clube número um das Américas˝. ˝O D-Edge tem um impacto visual muito forte e uma personalidade única. Mas também tem outros méritos. Pra muita gente, ele é incrível visualmente, mas para outras o line-up e o som também são incríveis. Então a D-Edge é isto, ela tem uma programação muito forte e um conceito muito fechado˝, defende o proprietário.

Em meados de novembro deste ano, o clube inaugura uma nova fase. A D-Edge será mais ampla e contará com novos espaços. Ao todo, serão mais quatro andares, compreendendo mais uma pista, um lounge, um terraço aberto e ainda uma loja onde serão vendidos produtos da marca D-Edge, incluindo equipamentos para discotecagem.˝É um D-Edge potencializado. Acredito que não tenha uma casa melhor para dançar do que lá. Mas de repente as pessoas querem um lugar mais tranqüilo para sentar, beber, bater um papo, e que tenha uma música legal, mas que não fosse tão intenso. E hoje você vai ter essas possibilidades de espaço que até então a casa não propiciava˝, revela. Renato não é de se autocelebrar e tampouco se lamentar, diz que o que foi passado fica pra trás e o importante é focar a cabeça no que vem pela frente. Era 2005 quando a D-Edge, em Campo Grande, fechou suas portas.˝Acredito que foi o fim de um ciclo. O que aconteceu foi muito legal e serviu de experiência. Foi super importante aquele momento, depois foi feito o Tozen e a partir do instante que eu achei que também não dava mais, fechei. Acho que as coisas têm esse início e final de ciclo˝. E há outros motivos para comemorar. Além da ampliação do clube, o D-Edge agora conta com o seu próprio selo, o D-Edge Records. O selo é outro projeto ambicioso, que já tem álbum lançado e aposta na diversidade e qualidade artística de talentos nacionais e internacionais.˝Quero levar DJs brasileiros para fora através do nosso selo, fazer este intercâmbio entre artistas e, através de parcerias, ter tendas do D-Edge em festivais do mundo afora com artistas nossos˝, explica. E no final das contas, Renato parece estar muito agradecido. Enquanto DJ também é incansável. Tocou ao lado de gente que admira, entre eles, Jeff Mills, Ricardo Villa Lobos, Derrick Carter, Loco Dice, Miss Kittin e Mark Farina. Quanto ao seu próprio estilo e influências, conta: ˝Sou uma mistura de todas essas influências. Tiveram vários artistas que me influenciaram, assim como bandas me influenciam. Eu adoro bandas como o Talking Heads, The Cure, os anos 70, 80, 90 em geral. Tenho muito material dessas épocas˝, conta ele que é dono de uma coleção invejável de vinis, que contabiliza cerca de seis mil discos, entre eles exemplares de Roberto Carlos, Rita Lee e da banda de punk rock, Social Distortion. De personalidade forte, Renato dá a impressão de que gosta de manter-se no controle das coisas, pelo menos quanto aos negócios e a imagem deles. Recebe constantemente convites para abrir outro clube e até outros empreendimentos, como ser sócio em um restaurante. Até então disse˝não˝a muitos, inclusive à proposta de vender a marca D-Edge, e outra, onde queriam tornar a marca uma franquia. Mas ele se diz cauteloso.˝O D-Edge não é só um clube. Ele tem um espírito, é diferente de ser um único espaço. Não adianta você ter este espaço se não for verdade. Claro que eu quero crescer, mas esse crescer é muito relativo. Pois não quero ficar abrindo em outros pontos e perder o conceito, a qualidade. Eu gosto muito da coisa na minha mão, não quero que elas saiam diferente do que eu estou imaginando, pretendo crescer a marca, mas muito com o pé no chão˝, defende.


capa

O EQUILIBRISTRA Afirmar que sua rotina é um tanto abastada de compromissos é realmente chover no molhado. Mas não tem como dissociar o Renato da agenda hiperativa e do cara requisitado. ˝Meu celular fica ligado 24 horas por dia,˝ comenta. Durante nossa conversa, por exemplo, o telefone tocou algumas vezes, e em uma delas o assessor ligava para avisar de um pedido de entrevista de uma jornalista. Como um cara essencialmente da noite, Renato transita entre as festas diárias da D-Edge, entre as turnês internacionais- pois volta e meia é convidado para tocar pelos festivais mundo afora, e outros eventos e extremos. Há dias que não dorme muito, outros que não dorme quase nada, mas se queixar ele não se queixa, só deixa escapar, com bom humor, que o cansaço ora ou outra bate: ˝Olha, quando eu era mais novo o cansaço não se via tanto, mas agora com 38... a recuperação é mais lenta. Mas vou te dizer, é uma energia que se recebe, quando você faz uma coisa que é bacana e a satisfação pessoal de ter feito algo que você gosta e ter pensado ΄putz, fiz legal΄, aquilo te dá uma energia de volta que faz com que você continue e continue˝.

42


Para diminuir o ritmo, Renato abafa os sons e volta às raízes. Mesmo tendo nascido na capital paulista, Renato mantém a forte ligação com o estado devido à família, que mora em Campo Grande. Pai de Pedro, 12, Guilherme, 7, e casado com Fernanda, os dias de repouso se encontram também aqui, seja na cidade, seja na fazenda. ˝Aqui eu venho para ficar leve˝. Seu apartamento se localiza em uma das avenidas mais movimentadas da cidade. Mas é só passar pelo elevador e chegar ao andar de Renato que se encontra tranqüilidade. No mini hall de entrada, espaço entre o elevador e a porta do apartamento, um pequeno cavalinho de balanço, talhado em madeira, recepciona quem chega e dá um sinal de um dos tons da decoração da casa. Pergunto à Fernanda se foram eles mesmos que decoraram o apartamento e ela responde em afirmativo: ˝assim fica com a nossa cara˝.

Em uma das salas Chet Baker faz o som ambiente, que sai da televisão ao lado e, em outra, Fernanda mostra com orgulho as fotos que tirou de uma das viagens recentes da família à África. Para Renato, o contato com a natureza é o contraponto da vida intensa que tem. Os filhos praticam hipismo e várias fotos em portaretratos mostram Pedro, o mais velho, em competições.˝Nós adoramos esse contato com a natureza. Eu dou super importância a isso. Tenho esses dois lados. Ao mesmo tempo em que eu sou super urbano, também sou super família, ligado às tradições, às minhas raízes˝, conta ele que depois de sair de Campo Grande retorna a São Paulo e à rotina intensa. É dali uns dias que ele toca no clube Watergate, em Berlim, palestra no ˝Amsterdam Dance Event˝, em Amsterdã, se prepara para tocar no Ultra Music Festival Brasil, inaugurar a nova D-Edge, em novembro, e cla-

ro, dar cabo a outros projetos, entre eles a gravação de um álbum com o amigo e DJ Mau Mau, o Kings of Swingers. E o cara não pára realmente e parece que não vai parar tão cedo. ˝Nunca vou querer perder o contato com São Paulo, por exemplo, de poder viajar e pesquisar. Isto é uma coisa que faz parte da minha natureza e eu quero continuar fazendo. Acho que sou novo o suficiente de espírito para continuar um bom tempo fazendo isso. Enquanto DJ, vou tocar até quando der prazer. E o meu desafio é o de sempre superar. Olhar para frente, ver o que se quer fazer e o que se pode fazer para melhorar˝. Agora é só esperar para ver o próximo passo que Renato vai dar. Medo de ousar ele até diz que tem, mas ressalta: ˝não deixo esse medo me controlar˝.

43


CAPA

On (the) Edge Conversamos com algumas pessoas que entendem realmente de música eletrônica e conhecem a D-Edge de perto. A seguir, elas contam o que pensam sobre o clube mais conceitual do Brasil. Um divisor de águas Jornalista, Claudia Assef, é uma eterna curiosa pela cena eletrônica e já publicou até livro sobre o tema. Em Todo DJ já sambou - A História do Disc-Jóquei no Brasil, lançado em 2003, Claudia detalha a história do DJ e da cena eletrônica nacional. Ela, que já freqüentou a cena eletrônica pelo mundo afora e, inclusive, discoteca, lembra suas primeiras impressões sobre a casa: ˝A primeira coisa que me chamou a atenção no foi o som. Uma potência absurda, com ajuste fino impressionante! Claro que o design da pista também é das coisas mais incríveis que eu já vi num clube. Fora isso, o line-up sempre mostrou que o Renato queria fazer um trabalho sério e não fogo-depalha˝. Para ela, o D-Edge é um divisor de águas: ˝Tem a cena antes e a cena depois do D-Edge. O clube chegou pra elevar o nível de qualidade da cena eletrônica brasileira em todos os sentidos. É um clube que se importa, sobretudo, com a música. E é assim que eu sou também˝, destaca.

Único Adriana Recchi é personalidade bem conhecida da noite paulistana. Começou como hostess no clube Twiggy e de lá foi parar na porta do histórico Hell’s Club e não parou mais. Da Folha de SP, ganhou o prêmio como ˝Melhor Hostess˝, assim como o ˝Cool Awards˝ pela Cool Magazine. No D-Edge desde sua inauguração, em São Paulo, Adriana está na entrada do clube todas as terças e quartas-feiras, e é residente mensal da noite On The Rocks. Para ela, ˝não existe outro clube como o D-Edge˝. E ela dá os créditos a Renato: ˝Ele é visionário e focado. Cuida de todos os detalhes técnicos do clube e também cuida pessoalmente de cada noite junto ao promoter, mantendo as características e sonoridades da cada projeto, mas inovando, sempre. Não é à toa que fez do D-Edge um clube reconhecido, respeitado e premiado internacionalmente˝, afirma Adriana.

Autêntico Desde que o D-Edge abriu, as noites de sexta-feira de Davis Genuíno foram mais intensas. DJ, produtor e músico, suas noites na pista tiveram o som de Mark Farina, Derrick Carter, Tiefschwarz, entre outros. Como DJ convidado, tocou na maioria das festas do clube e o convite para a residência veio em 2009, feito pelo próprio Renato. Hoje ele é residente da Freak Chic e a cada apresentação tem uma experiência especial. Para ele, uma casa noturna tem que ser autêntica. ˝O que diferencia a D-Edge das demais é a combinação perfeita entre a iluminação, a sonorização, o design, a direção artística, a equipe, o atendimento e, claro, o público. Ela oferece uma atmosfera muito envolvente e única, acredito que esta experiência não se encontra em nenhum outro clube do mundo˝.

Fotos Divulgação

44


para vestir e inovar a sua casa

Design autoral

Na Allê Design, marca do grupo Componenti, de Bento Gonçalves, encontramos um mix de produtos diferenciados, produzidos com um material flexível, durável e resistente. O resultado são luminárias, cadeiras, estantes, mesas, home Office e até móveis infantis irreverentes. A marca também faz parceria com designers da Itália, Reino Unido e Brasil, como é o caso da luminária Libri, criação do italiano Adriano Design. Com linhas arredondadas, ela é perfeita para ir ao lado da cama e iluminar os livros preferidos de cabeceira. Já a mesa de centro, pensada por José Marton, compõe sua recente coleção Híbridos, onde ele utiliza a técnica ˝Entrelinhas˝, já patenteada no ano 2000. Cheia de cor, bossa e criatividade, a mesa, com pés torneados, vem também com um vasinho para flores já integrado, poupando você de ter que escolher um vaso que combine bem com a mesa. Onde: www.alledesign.com.br

Hit the world Especializada na decoração de quartos infanto-juvenis, a Hits é aquela loja que agrada tanto aos pais quanto aos filhos. Na coleção inspirada nas características e culturas de diferentes países, encontram-se oito linhas de objetos e móveis distintos, como é o caso da funcional mesa revisteiro. Com base para estudos ou para um leve notebook, a mesinha também agrupa revistas ou livros. Já o espelho com moldura de carro antigo homenageia a cidade Maranello, justamente por ser a ˝Meca˝ dos carros italianos. Compondo o resto da coleção, há inspirações no rock britânico, temas de safári e referências femininas para não deixar de agradar as meninas. Na loja, é possível encontrar de móveis a acessórios, passando por roupas de cama e enxoval – a maioria está disponível para pronta-entrega. Onde: www.hits.com.br

POR CARLA MATSU TEXTO Fotos DEDivulgação LEGENDA

48


para vestir e inovar a sua casa

Verão carioca em casa

Cozinha retrô A coleção My Lovely Kitchen, da Tramontina, parece ter saído direto do armário da cozinha da vovó. Com padronagem e cores retrô, a coleção compreende panelas, assadeiras, espagueteiras, caçarolas, frigideiras, chaleiras e panelas Wok. A parte interna das peças é revestida com antiaderente starflon, que garante que os alimentos não grudem na superfície. As peças são vendidas em conjunto ou separadamente. Vale lembrar que ao comprar o conjunto completo, você ganha um fofo avental que leva as mesmas inspirações da coleção. Onde: www.tramontina.com.br

C

om o Rio de Janeiro como base de inspiração para sua nova coleção, o verão da Trousseau, marca especializada em enxoval, está cheio de bossa, leveza e cor. A cartela de cores vem das areias das praias cariocas vistas em vários horários do dia, assim vão do cru ao marrom e ganham luz com o coral, que surge nas camas, no linho e no homewear. A história do Rio também surge em estampas, como é o caso do Jardim Botânico e em ricos bordados como o Santa Tereza. A estampa sobre o linho e o linho em si são um resgate histórico de um tecido amplamente utilizado no passado e que ressurge cheio de inovações tecnológicas. Já o homewear traz roupas extremamente confortáveis para ficar em casa. Mini kaftans e minivestidos são peças que compõem a coleção ao lado de blusas, túnicas, shorts e leggings. O cetim de seda, que surge em camisolas e pijamas, também é novidade. Para o masculino, bermudas e calças de fácil ajuste, em tecidos planos, leves e claros, misturam-se a pólos e camisetas em tons que variam entre o branco, marrom, preto e marinho. Onde: www.trousseau.com.br

Sem atrasos Um dos piores inimigos do nosso sono atende pelo simples nome de despertador. Ele pode até ser amigo da sua pontualidade, mas ele certamente não compreende a sua insônia da noite anterior. O modelo Tocky, em particular, ganha vida e música todas as manhãs. Feito para evitar aqueles adicionais ˝só mais cinco minutinhos˝, o Tocky obriga você a sair da cama para procurá-lo. O mecanismo é perturbador: você programa o relógio para acordar tal hora e assim que ela chegar, o despertador, de aparência inofensiva, começa a pular e rolar pelo seu quarto. E com um adicional a mais. Ele vem com um microfone integrado para você gravar os seus próprios sons. Ou seja, pode ser válido para lhe deixar mais perto de sua mãe, quando você ouvir a gravação dela ao gritar um sonoro˝ACORDA˝ por meio de seu Tocky. Onde: www.nandahome.com

POR CARLA MATSU Fotos Divulgação

50


para vestir e inovar a sua casa

Hippie, andina e vintage Os Andes e o colorido movimento hippie da década de 70 foram o ponto de partida para a recente coleção da designer Karine Arruda, reconhecida como uma das mais talentosas restauradoras de móveis e objetos antigos. Exclusiva para a descolada loja Marché Art de Vie, a coleção é composta por peças únicas, datadas e restauradas, nas quais após recuperar a parte estrutural das peças, a designer usou a técnica de cutwork, que consiste em revestir cada parte do móvel com tecido e texturas diferentes. Permeadas pelo charme da atmosfera vintage, as peças desta coleção variam entre os sofás, mesa, penteadeira, cadeiras, poltronas, banquetas e almofadas, mesclando em uma única peça lã natural e sintética, seda, algodão e veludo. Onde: www.marcheartdevie.com.br

Versatilidade para a casa De painéis a poltronas estilizadas, a Gifts Decoração oferece uma grande variedade de objetos e itens de mobiliário para dar personalidade a casa. São peças com diferentes inspirações, que vão desde referências indianas a objetos com linhas mais clássicas e outras com design retrô, sendo a grande maioria delas importadas. Entre os objetos para compor o ambiente da sala se encontra o conjunto de caixinhas feito de madeira e com estampa em alto relevo. Já o castiçal cromado e com vela proporciona uma atmosfera agradável quando aceso e a lanterna de ferro combina bem com as áreas externas da casa. Onde: Gifts Decoração – Av. Mato Grosso, 2687. Tel. (67)3326-0004

POR CARLA MATSU Fotos Divulgação

52


nome da seção


casa e estilo

Casa Cor MT

Funcional e sofisticada, a franquia em Cuiabá revela parcerias bem-sucedidas e mostra que é possível construir a casa dos sonhos por meio da sustentabilidade POR CARLA GAVILAN


Casando tons O luxo dos tecidos das cortinas, sofás, almofadas e da decoração em estilo floral, na parede, reforçado pela iluminação aconchegante de um lustre. Detalhes do living do arquiteto Eduardo Garcia que abre a CASA COR com um aparente cuidado na distribuição dos objetos, com destaque aos de menor tamanho, e na posição das plantas. Na mesa de centro azul turquesa a sensação de alegria em um cômodo que privilegiou tons escuros, em uma possível alusão ao elemento terra.

57


casa e estilo | CASA COR MT

conceito sustentável ▲

O

desafio de executar espaços que ofereçam funcionalidade, requinte e inovação aliados à sustentabilidade não é de agora. Mas com certeza o equilíbrio entre esses fatores nunca foi levado tão a sério e com tanto profissionalismo como nos dias de hoje. Mais que decorar, exibir marcas nobres ou ostentar extravagâncias, pensar ambientes para dividir com a família, esposa, consigo mesmo, filhos, com os pais ou para receber os amigos está cada vez mais verde e confortável. Possivelmente, essa seja a principal mensagem da CASA COR realizada em Cuiabá este ano. Projetados no Condomínio Florais dos Lagos, os 45 ambientes, produzidos por quase 70 profissionais, mostram o que de melhor pode ser pensado a partir do tema “Sua casa, sua vida mais sustentável e feliz”, em uma edição que presta homenagem a ninguém menos que Lúcio Costa, ícone moderno da arquitetura e urbanismo, reconhecido internacionalmente.

58

No Jardim de Contemplação, projeto das paisagistas Walkiria e Valderez Scedrzik, o desafio foi aplicar ao máximo o conceito de sustentabilidade. O empenho foi reconhecido, tanto que o projeto recebeu o prêmio de Projeto Mais Sustentável da Casa Cor Mato Grosso. O destaque ficou para o piso drenante, que apresenta alta permeabilidade, garantindo a absorção da água e o seu escoamento direto para o solo. Gazebos e bancos de madeira, frutos de reflorestamento, ainda compõem o ambiente.


Livre e leve ▲ Um clima de liberdade repousa no living de Ivã Guimarães. Com tons de roxo e marrom, cercados pelo azul, o arquiteto brinca com os extremos alto e baixo e usa o meio termo no jogo de bicicletas como decoração na parede. O biombo enorme feito de caixotes de madeira, utilizados no transporte de frutas e verduras em supermercados, é outra irreverência do projeto.

Lounge Relax ▼ Mistura de couro, madeira e sisal conferem ao espaço da arquiteta Carolina Fagundes, um ambiente rústico e funcional que se divide entre escritório e sala de jogos


casa e estilo | CASA COR MT

60


"

Sustentável não é pensar somente no uso, mas também na produção, manutenção e descarte. Erika Queiroz

Parcerias sustentáveis No ambiente amplo e de cores brandas é como se o espaço interrogasse: você vê alguma coisa sustentável aqui? A primeira vista, confesso que não, mas com muita simpatia a arquiteta responsável, e dona da pergunta, desfila vários exemplos sustentáveis agregados na produção do espaço Living e Jantar. A começar pelo piso produzido por um tipo de cerâmica que, além de não usar o processo de queima em fornalhas, também dispensa a mão de obra infantil, passando pelas pastilhas que decoram as mesas de centro, feitas do reaproveitamento de osso de boi. A iluminação não fica por menos. Projetada de maneira pontual para todos os horários do dia, a produção comporta lâmpadas florescentes nos abajures que diminuem a temperatura do ambiente e persianas com tecido bando, que permitem a passagem de luz solar para o cômodo. “É um grande desafio colocar sustentabilidade dentro de um living e trabalhar com conforto. Mas como as empresas e indústrias cada vez mais priorizam essa postura deu muito certo, conseguimos ótimos parceiros”, explica Erika.

61


casa e estilo | CASA COR MT

◀Acessibilidade

▼Aos quarenta Para quem chegou aos quarenta e decidiu manter o próprio espaço deve se identificar com o trabalho de Adrianne Trevisan e Maria Clara Trevisan, no Quarto do quarentão. O ambiente conta com o uso de estampas exóticas, tons dourados e objetos clássicos. Em uma releitura sobre a arte da crueldade, o novo e o velho são postos em um quadro na parede da área de trabalho. Para o fim do dia, um modelo sofisticado de televisão à frente da cama.

62

Delicadeza é a melhor palavra para definir o espaço de Renata Ayoub e Lyessa Barcelos. Do desafio em produzir um quarto para uma pessoa com necessidades especiais, surge a Suíte da Lu, nome inspirado na personagem Luciana, jovem tetraplégica, da novela Viver a Vida, exibida pela Rede Globo. A imagem de um cômodo triste, de estrutura áspera que remete a dificuldade, que comumente costumamos ver, é absolutamente descartada pelas arquitetas que equilibram no espaço objetos com sensibilidade e afeto, como a luminária em formato de borboleta e a almofada de bordados em pérola deitada na cama. Um verdadeiro conjunto entre o simples e sofisticado a favor da acessibilidade. Na peça proporcionalmente maior, comparada aos demais ambientes da CASA COR, respeitando as necessidades de um cadeirante, a cama específica para essas condições chama atenção por ativar os serviços oferecidos pelo móvel a partir de sete comandos de voz, programados pelo usuário. O quarto todo, aliás, foi produzido com a proposta de oferecer independência para quem vive uma situação de necessidades especiais, tendo comandos de voz também para as funções de uso da televisão e iluminação.


63


casa e estilo | CASA COR MT

64


Maturidade A presença de um conforto sem limites para celebrar bons anos de união. É a característica do Quarto do casal mais velho, pensado por Tanise Tonin. O tecido de parede em seda clara propõe amplitude ao espaço, já o lustre de cristal deixa sua função tradicional para servir como um abajur de cabeceira. “Busquei cores mais suaves e neutras com aquela sensação de paz e ‘vontade de ficar’”, explica a arquiteta. No ambiente, a opção por matérias-primas nacionais como o granito e a madeira de reaproveitamento da espécie itaúba, utilizada na produção da cama

65


casa e estilo | CASA COR MT

▲ Recém casados Clima de novidade e aconchego para abrigar quem acaba de trocar alianças. A cama com a sensação de suspensa foi projetada a partir de um modelo arrojado que combina detalhes vermelhos, madeira reaproveitada e iluminação. Espelhos grandes e individuais proporcionam dimensão ao espaço de Marcus Leão, que tem como principal decoração uma bela fotografia do casal.

BANHEIROS Descobertas. Mais que banheiro, uma diversão. Com o piso preto e paredes coloridas essa é a sensação produzida pela peça Banho do Adolescente, de Susana Furlanetto e Neila Curvo. A otimização do espaço com objetos musicais e a escolha em ocupar uma das paredes com os integrantes da banda Green Day em tamanho natural conferiu à dupla de profissionais uma das premiações do Melhor Projeto de Banheiro, que este ano registrou um empate na categoria. Um espaço, dois indivíduos. O outro projeto de banheiro premiado é assinado por Márcia Miranda e Muriel Rios, que juntas projetaram o Closet e Banho do Jovem Casal. “É muito gratificante porque fazemos o projeto buscando reconhecimento, então quando ele vem é muito bom”, afirma Márcia. A versatilidade do ambiente é conferida pela estudada individualização de algumas peças. Projetados de forma móvel e grande os espelhos são separados por um aparador feito de laca na cor preta. As pias seguem no mesmo modelo, de maneira independente. Atendendo a proposta de sustentabilidade, o espaço exibe um inovador jardim de inverno. O luxo da produção também é observado no conjunto entre banheira e lustre.

TEXTO DE LEGENDA

66


67


casa e estilo | CASA COR MT

NOVIDADES CASA COR MT

A

edição Casa Cor Mato Grosso trouxe, entre outras novidades destacadas em nossa reportagem, a excelente recepção dos profissionais, que fizeram questão de estar presentes em praticamente todos os dias do evento, para receber os visitantes com muita simpatia e mostrar que viver de maneira sustentável, sem perder o conforto, pode dar certo e ainda ser um luxo.

Rústico e despojado, o espaço Bar foi um dos pontos de encontro da CASA COR MT A edição CASA COR deste ano inovou o projeto do evento ao reservar ambientes aos empresários do setor do comércio. Entre os destaques está o trabalho Bar desenvolvido por Rafael Gonçalves Dias e Rodrigo Girardi. Os arquitetos dosaram boa criatividade para produzir um espaço de descontração e que ficou conhecido, durante a programação CASA COR, como ponto de encontro de famílias, amigos e casais. Sem fugir da temática sustentável, o local apresenta combinações equilibradas de restos de madeira que provocou uma imagem rústica e jovial ao ambiente que é a extensão do Bar do Azeitona, um dos mais conhecidos de Cuiabá. “Foi uma grande aposta para nós participar de um evento como esse. Com certeza superou todas as nossas expectativas, a casa está cheia todos os dias e aqui é mais uma opção para encontrar nossos clientes”, conta o animado gerente Wilson Ormenezes. Histórias e maneiras de consumo dos vinhos mais famosos do mundo foram conferidas no Espaço Wine Outro motivo para visitar a mostra mais de uma vez é o curso de vinhos preparado pela rede de supermercados Big Lar, realizado no Espaço Wine, assinado por Emili Ayoub Giglio. Em cada aula, a história e os modos de produção da bebida em diferentes países, como Itália, França, Espanha e Brasil. Em todos os encontros foi possível aprender também sobre as melhores formas de consumo entre pratos e vinhos. “Sentimos a necessidade de oferecer essa oportunidade aos setores comerciais de participarem dessa mostra tão importante que se tornou a CASA COR. E deu muito certo, aprendemos coisas novas com eles, e eles com a gente”, comenta Emili, arquiteta e responsável pelo evento. Para ministrar o curso a administração da empresa trouxe um dos melhores especialista em vinho do Brasil. “Esse curso é algo que já oferecemos aos nossos clientes nos supermercados, a cada dois anos. Trazer isso para CASA COR foi uma experiência valiosa para nós que somos empresários e também para quem trabalha com a gente, como os funcionários e gerentes”, explica a empresária Lucielbe Rita Silva. Fotos Divulgação

68


69


casa e estilo | PERFIL

SOMENTE O QUE PODE DAR CERTO Pela primeira vez na CASA COR, Karolina Boaventura e João Pedro D’Ornellas revelam o perfil de trabalho da sociedade que conferiu destaque na edição da mostra deste ano por carla gavilan

A

carreira em design de interiores é algo novo. Depois de cinco anos de graduação em direito, com o diploma na mão, Karolina deixou o desejo de criar ambientes tomar conta de sua vida. Mais recente ainda é a sociedade com o amigo e arquiteto João Pedro D’ Ornellas. Juntos eles administram a Planto Arquitetura e Design em Cuiabá, fruto de uma relação amistosa nos empreendimentos e que, mesmo sendo novo, já é referência no mercado. A maturidade profissional da dupla ganhou destaque na edição da CASA COR Mato Grosso, ao receber a premiação de Melhor Projeto com o espaço Home Office. O cômodo que priorizou a funcionalidade e um melhor aproveitamento do tempo em família, muito tem a dizer sobre a maneira com que eles conduzem a parceria.˝Nossa preocupação desde o início era em sermos específicos e manter o foco, que era a integração da família, acima de tudo˝, afirma a designer. Para completar o depoimento da amiga, João Pedro explica que os bons resultados de agora são reflexos dos investimentos que os dois têm feito ao longo da carreira. Com mestrado em meio ambiente e especialista em gestão ambiental, o arquiteto tem como rotina de trabalho observar o consumo na sociedade contemporânea.˝As pessoas mudam o gosto pelas coisas de forma muito rápida. Precisamos estar sempre atentos a isso, porque se os gostos mudam é porque as necessidades mudam também˝, comenta ele.

E foi a partir dessa preocupação que os sócios acertaram em toda composição do espaço na edição que os dois participaram pela primeira vez.˝Acertamos desde o início ao escolher o ambiente Home Office. Como desejávamos trabalhar em algo que mostrasse a nossa maneira de produzir encontramos nesse tema a oportunidade de falar sobre necessidades muito próximas do nosso público˝, afirma João Pedro. Com precisão Karolina define em quais momentos sua personalidade foi determinante na execução da obra.˝Sou uma pessoa extremamente racional e sistemática e isso me ajudou muito a não tirar os pés do chão nesse trabalho e a fazer algo que as pessoas vêem, olham e saem com aquela sensação de ΄nossa, eu posso ter isso em casa˝, destaca ela.

Foto Divulgação

70


casa e estilo | formas

O DESIGN PEDE PASSAGEM

De madeira a capim-dourado, passando pelo sisal e fibra de bananeira, Fabíola Bérgamo é a conhecida mestra dos artesãos em diferentes comunidades do país. por carla gavilan

C

om uma assinatura sem frescuras ela é um dos nomes mais respeitados da produção contemporânea de design no Brasil. Em seu percurso, produções com Studio de Michael Arpe, na Alemanha, Alquimia, Arduini e Creature Design, na Itália; mostras no Museu da casa Brasileira, em São Paulo e Brasil Design, em Hannover, além de importantes premiações como a do Planeta Casa Ação Social e IF Material Award. Mas é longe dos ateliês, museus e escritórios que Fabíola Bérgamo tem mostrado ao mundo como a capacidade de criação não se limita à economia.

Sua formação é em Desenho Industrial com mestrado pela Domum Academy, em Milão. Como é levar tantas experiências profissionais e artísticas às comunidades onde você realiza oficinas de artesanato? Na verdade eu não levo as experiências eu “me levo”. Já fiz muitas coisas, atuei em várias áreas e vivi e trabalhei em vários países (Itália, Alemanha, México). Penso que isso me tornou uma pessoa mais flexível, capaz de entender e lidar com realidades diferentes, respeitando o que é específico de cada lugar e sabendo olhar o que é mais importante e precioso.

Sempre se interessou por artesanato? Nunca tinha pensado em projetar para o artesanato, mas tenho um amigo que me introduziu nessa área, em 1996. Desde então me apaixonei por esses projetos. Nesses 14 anos visitei inúmeras comunidades, em locais que eu dificilmente iria se não fosse chamada. Tive a oportunidade de vivenciar este Brasil tão plural, com suas várias matérias-primas, técnicas e referências culturais. A grande lição foi entender que a miséria financeira não tem nenhuma relação com a miséria de espírito. Quais são os desafios em trabalhar com artesanato nos dias atuais? O maior desafio é a responsabilidade pela intervenção, uma intervenção equivocada pode prejudicar uma técnica tradicional, pode trazer conflitos entre os artesãos ou pode causar problemas ambientais quanto ao uso indiscriminado das matérias-primas naturais. Esta é a Terceira Bienal Brasileira de Design, que acontece em Curitiba. Alguns especialistas falam que este é o melhor momento do design no país, você concorda? Fazer design no Brasil hoje é muito mais fácil sim. Não se tinha informação sobre design, não sabíamos quem atuava na área, salvo

algumas exceções, as indústrias brasileiras não tinham a menor idéia do significado e da importância desta ferramenta. Foi um longo período de divulgação e conscientização que começa a dar seus frutos. Independente do trabalho que realizar, existe algo que mantém como prioridade? Eu prezo muito a originalidade nas peças que faço, como pequenos manifestos, procuro dizer algo através das peças. Busco fazer peças que por meio do uso das matérias-primas e de técnicas mais “preciosas”, possam ser menos descartáveis. No mundo globalizado em que vivemos muitos conceitos mudaram, entre eles está o conforto. Como pensa o conforto em suas produções? O conforto para mim é fundamental e do ponto de vista prático, concreto, sempre respeito os fundamentos da ergonomia em meus produtos, mas existe também o lado sensorial do conforto que vai além de normas e padrões. Penso que o usuário precisa perceber o conforto, sentir o conforto de várias maneiras, não só pelo uso específico do produto.

Fotos Divulgação

72


LISTA DE DESEJOS Se quem casa, quer casa, como diz o ditado - a CASA TUA é uma perdição para as noivas. Lá, além de presentes para as listas de casamentos mais tradicionais como prata, copos, aparelho de jantar, encontra-se uma linda linha para enxoval. Os conjuntos românticos da Blue Gardenia combinando toalhas e lencóis são além de gostosos, super alegres. Necessaires, sachets e mimos da FforGift também são perfeitos para adicionar ao closet novo ou à mala da lua de mel. A luminária farol e as almofadas super coloridas Ana Morelli dão um ar fresco e moderno na sua sala de TV. E têm também as peças para montar mesas na varanda com souplats e copos Sia. FOTOs Marcos Vollkopf

Rua da Paz, 63 Tel. (67) 3321-8980 www.lojacasatua.com.br


SUA CASA, PARA RECEBER NO VERÃO Cada um tem seu canto preferido na casa: quarto, cozinha, sala. Tem gente que prefere lá dentro, outros lá fora. Mas se em cada espaço tiver detalhes que dão aquele toque de beleza e conforto, aí com certeza ninguém vai querer outro lugar pra ficar. No verão, as áreas de lazer são espaços ideais pra receber e compartilhar. Algumas soluções práticas podem dar aquele toque sem muito trabalho, reforma ou grande investimento. Para a piscina, bordas atérmicas podem renovar antigas construções. A instalação de decks de madeira arrematam com muita beleza. Churrasqueiras e áreas gourmets podem ganhar vida com detalhes em ladrilho hidráulico e cerâmica decorada, dando ares mineiros e aconchegantes ao espaço. Almofadas nos tons azuis da estação vão deixar bancos e lounges mais confortáveis e atraentes às rodas de conversa. Considere também os arranjos florais que dão cor e trazem vida à mesa do chá. E se o velho piso de algumas áreas ainda lhe incomodam só de pensar na bagunça da troca, saiba que os pisos laminados resolvem. Através de encaixe são rapidamente aplicados e sem sujeira. Aproveite o clima da estação pra deixar sua casa daquele jeitinho. Conheça essas e outras soluções pra sua casa no Armazém Fornari.

Mesa de apoio Um café, um chá, uma leitura, na internet. Quanto: R$ 479,90

Fotos Gilson Barbosa

bouquet de flores permanentes Tendência é bouquet de flores na casa. Aroma e muita delicadeza. Quanto: a partir de R$ 59,90

Placas de madeira - Oca Brasil Lindos mosaicos que misturam a beleza e o conforto da madeira com o artesanato do povo brasileiro. Quanto: a partir de R$ 366,12 o m²

Almofadas de algodão Conforto e estilo: elas podem ser listradas (43x43cm), na cor azul jeans (43x43cm) ou de algodão cru (30x40cm). Quanto: a partir de R$ 19,90

piso cerâmico 50x50cm Piso Cerâmico com textura inspirado nas pedras naturais. Ideal para áreas externas. Quanto: R$ 29,90 o m²


Ladrilho Hidráulico Resgatado pela tendência retrô que valoriza elementos do passado na decoração. Quanto: a partir de R$ 9,74 a peça

Bordas atérmicas para piscina - solarium Borda peito de pomba branca (50x35cm) Quanto: R$ 94,69 o ml Borda reta fendi (50x55cm) Quanto: R$ 118,06 o ml

Deck madeira Cumaru - Indusparquet Especialmente produzido para resistir ao tempo, o deck é perfeito para área externa, proporcionando beleza e sofisticação ao jardim, varanda, terraço ou nos espaços da piscina e ofurô, alé de ter fácil instalação. Quanto: R$ 201,87 o m²

cerâmica decorada Baepi 20x20cm São variadas opções de desenhos com cores e texturas que proporcionam o mesmo efeito arquitetônico dos ladrilhos, mas com uma simples aplicação devido sua fina espessura. Quanto: a partir de R$ 14,89 a peça

PISO LAMINADO LAQUEADO - HANLEY Importado da Alemanha com sistema click e manta anti-ruído. Montagem prática e rápida, permitindo uma obra limpa e com juntas perfeitas. Quanto: R$ 85,83 o m²

Rua Ceará, 1358 Tel. (67) 3323-9600 www.armazemfornari.com.br


Projeto: Arq.ª Alessandra Ribeiro

Projeto Luminotécnico: Nasri M. Ibrahim

Trabalhando há 12 anos em Mato Grosso do Sul, na elaboração e execução de projetos luminotécnicos, o escritório da Light Design, goza do privilégio de ser o pioneiro nessa atividade em nosso Estado. Tendo como respaldo o fato de ser uma franquia da Light Design do Brasil, que conta com fábrica no Recife e franqueados em todo o Brasil, tendo inaugurado recentemente seu mais novo endereço em Lisboa, o Escritório da Light Design Campo Grande já desenhou sua luz numa infinidade de obras, graças à sólida parceria que possui com os principais escritórios de Arquitetura, Engenharia e Decoração. Cuidados especiais são tomados na elaboração de cada projeto. Colocar-se no lugar das pessoas que habitarão o espaço objeto do estudo luminotécnico, identificar os hábitos de cada morador daquele ambiente e oferecer baixo consumo de energia além de provocar sensações com o uso da luz, são algumas das abordagens de sua equipe de Lighting Designers que decidiu, por profissão, oferecer aos seus clientes todo o conhecimento técnico necessário ao uso da luz como inspiração da vida e, com certeza, como uma grande aliada na melhoria da qualidade de vida de quem habita um espaço que teve sua iluminação projetada.

O uso de equipamentos exclusivos, nacionais e importados, devidamente aprovados após rigorosa análise de seu desempenho, aliado à indicação de lâmpadas e materiais elétricos que oferecem baixa manutenção, imprimem à forma de projetar do Escritório da Light Design Campo Grande, um jeito, um resultado, que já renderam publicações em revistas especializadas nacionais, divulgado o profissionalismo presente em Mato Grosso do Sul. Instalado num prédio planejado para receber a empresa, o Escritório da Light Design tem, ainda, o privilégio de oferecer um dos melhores espaços físicos, quando comparado a outras empresas brasileiras que atuam nesse mercado. Tudo isso garantido pela fidelidade de clientes que, há anos, sempre iluminam seus espaços com a Light Design Campo Grande.

Rua Euclides da Cunha,1333 67 3304-7000 ldesign@terra.com.br


Equipe de Atendimento Arq.ª Daniela Shimabukuro, Arq.ª Tamara Liz, Darina Aragão e Dir.ª Comercial Arqª Luciana Iser

Fotos: Studio Gilson Barbosa


GOURMET

DOM de gastronomia O premiado restaurante de Alex Atala passa por reformas e se reinventa com o melhor de seus sabores Por Carla MatSu fotos Cรกssio vasconceLlos

78


O

inventivo e audacioso Alex Atala proporcionou este ano mais uma novidade aos admiradores de sua culinária autoral. Depois de inaugurar o Dalva e Dito, que homenageia a comida brasileira através do comfort food e angariar prêmios de peso durante a trajetória de dez anos do D.O.M, o chef se reinventa mais uma vez ao reformar este último. Com menos de um mês fechado para intensa reforma, o D.O.M, que significa, em latim, ˝Deus é Ótimo e o Máximo,˝ reabriu suas portas com um novo visual e revela mudanças também no serviço e cardápio, no qual o chef revisita hits do passado.

Quanto à estrutura física, a casa, na Rua Barão de Capanema, continua a mesma. Pouco mudou após a reconfiguração, onde apenas os banheiros e o mezanino passaram por reformas propriamente ditas. A mudança mais radical se reservou na decoração, onde móveis, piso, louças e cores estão novas, assim como as obras de arte, entre elas os bugrinhos de Conceição dos Bugres. Um lustre Baccarat imponente de Phillipe Starck se encontra ao centro, enquanto na entrada, duas grandes onças de madeira recepcionam os clientes. Já as cores se harmonizam entre os tons de bege, marrom e preto e a

madeira e cerâmica marcam a ambientação do restaurante. Com o objetivo de substituir o tom rústico e trazer um Brasil genuíno, mas ainda elegante e contemporâneo, o projeto de decoração é assinado pelo pernambucano José Roberto Moreira do Valle. O resultado é um D.O.M mais privativo e com uma atmosfera mais sóbria, porém sem perder o ar descontraído e arrojado, características marcantes do chef. Sua personalidade também fica clara na grande estante feita toda em pau preto. É ali que toda a história da casa é contada por meio de objetos colecionados por Alex

79


gourmet

Um Brasil à mesa

Atala, que vão desde um pirarucu de madeira a livros de rock, fotografia e gastronomia. Por meio das mudanças os clientes também ganham mais conforto. Ao invés dos anteriores 64 lugares, agora a casa comporta 50, com isso há mais espaço para o trabalho de garçons e uma maior lacuna entre as mesas, proporcionando um clima mais agradável. A idéia é coerente com os grandes restaurantes pelo mundo, que primam buscar um patamar mais alto de excelência e serviço.

Quando abriu em 1999, o conceito do D.O.M já era a frente do seu tempo. De cozinha autoral e com o comprometimento de desvendar os sabores e mistérios da culinária brasileira e seus ingredientes, o restaurante teve tanto a aprovação do público, quanto da crítica. Isso se refletiu no reconhecimento por meio dos principais prêmios de cozinha contemporânea do Brasil e, em 2006, passou a figurar na célebre lista dos 50 melhores restaurantes do mundo, da publicação inglesa “Restaurant Magazine”, que em sua última edição recebeu a 18ª colocação. Na época da inauguração, Atala defendia o conceito da casa em uma frase que deu ao D.O.M a identidade a qual ele se propunha: “Falta alguém que tenha orgulho de nossa culinária assim como Villa-Lobos tinha orgulho de nossa música”. Com pratos de bases clássicas e técnicas atuais, mas cheios de brasilidades, o chef conquistou os paladares mais apurados. As reformas pelas quais o D.O.M passou neste ano também seguem em certo tom de comemoração. É preciso celebrar e com, orgulho, a década de sucesso de um restaurante que tem em si o dom de fazer uma gastronomia inovadora. O cardápio também se “autocelebra” e quem ganha com isso são os clientes. Para relembrar os pratos bem-sucedidos do passado, o cardápio de 2010 é um registro da história gastronômica de Atala e se apresenta com um novo formato. O menu-degustação passa a vislumbrar apenas o futuro, as ousadas criações do chef que estão em cartaz e que virão. Já o menu fixo volta seu olhar para o passado, para os clássicos que marcaram o paladar dos paulistanos e que serviram de inspiração para outros restaurantes do país. E é numa proporção maior que percebemos que o cardápio fixo traça uma linha do tempo: aquela que acompanha a evolução profissional do chef, que observa: “O D.O.M. continua atrevido em suas criações, praticando uma cozinha conceitual e requintada em sabores, cores, texturas e aromas”. E não há quem discorde.

ONDE D.O.M. Rua Barão de Capanema, 549, Jardim Paulista Tel. (55 11) 3088-0761 / 3062-3634 Para dar mais brasilidade à cozinha do D.O.M, Alex Atala adquiriu novas obras arte, entre elas os históricos bugrinhos de Conceição dos Bugres

TEXTO DE LEGENDA

80


gourmet

Oásis gastronômico premiado

Um jardim de delícias REstaurante Kaá surpreende o olhar e o paladar de um jeito único em São Paulo Por Carla Matu

Avencas, begônias, orquídeas e samambaias cobrem totalmente uma das paredes do Kaá Restaurante, localizado em meio à movimentada Avenida Juscelino Kubitscheck, em São Paulo. O nome não poderia ser mais coerente com a identidade visual do lugar. Do tupi para folha, erva e mato, o Kaá é um oásis de gastronomia em meio ao agito de uma cidade que não descansa nunca. E o jardim das delícias é levado ao pé da letra, tanto em termos visuais, quanto gustativos. Para o primeiro, a paisagista Gica Mesiara reúne mais de sete mil plantas de espécies típicas da Mata Atlântica. O resultado é um muro verde que isola ainda mais o espaço do movimento intenso que vem da avenida. Para o paladar, o melhor da gastronomia franco-italiana, comandado por chef célebre, o francês Pascal Valero, que passou por restaurantes estrelados do Guia Michelin. Idealizado por Paulo Barroso de Barros, Daniel Sahagoff, Paulo Roberto e Paulo Ricardo Kress Moreira, Edson Cerreti e Luis Antonio Almeida, empresários experientes no ramo, o projeto do Kaá, assinado pelo arquiteto Arthur Casas, é um exemplo de como funcionalidade pode se agregar com beleza e sofisticação. Com inspiração nas residências abertas e arejadas de localidades como Ibiza, Miami e Algarve, o projeto se concentra em 700 metros quadrados e se divide em lounge, bar e restaurante. No salão de pé-direito alto, o arquiteto incluiu um bonito espelho d’água e um teto retrátil especialmente criado para a casa, e é este que faz toda a diferença. Durante a refeição, o teto ilumina as mesas com luz natural, proporcionando uma calmaria aconchegante, dessas que é difícil encontrar em São Paulo. Já no centro do salão, emoldurado por uma grande estante decorada com objetos indígenas e livros antigos, se localiza o bar. Há ainda um lounge, que se reserva ao andar de cima. O arquiteto também foi responsável pela criação dos móveis e decoração, onde tapetes, luminárias e materiais naturais se harmonizam, criando uma atmosfera de conforto.

Tanta acuidade e inovação no visual do Kaá resultaram em prestigiosos prêmios de design. O mais recente deles é o Design Awards 2010. Composto por um júri célebre, como o estilista Jonh Galliano, o cineasta Pedro Almodóvar e o arquiteto Steve Holl, entre outros, a premiação, promovida pela revista britânica Wallpaper, destacou o trabalho de profissionais na área de arquitetura, decoração e design no início deste ano e deu ao Kaá o título de Melhor Novo Restaurante de 2010. Aberto desde dezembro de 2008, o Kaá também agrega outros prêmios, como o Restaurant Design Award 2009, promovido pela American Institue of Architects. O paladar também se premia no Kaá. Entre os pratos atuais, de inspiração francoitaliana, figuram entradas suculentas como a Tartar de atum com guacamole e redução de beterraba. As massas–frescas, e preparadas ali mesmo, aparecem em diversas formas e acompanhamentos, como o Ravioli de camarões na manteiga de espinafre e espuma de capim santo e Papardelle ao ragù de pato e cogumelos. Entre as carnes, destacam-se Paleta de cordeiro ao molho do assado com purê de mandioquinha. Os peixes encontram delicadeza e inovação em pratos como o Peixe do momento com emulsão de alcachofras e vôngole ou o Atum grelhado levemente defumado, chutney de manga e ervas frescas. Durante a semana, o Kaá também oferece um menu executivo, com couvert, entrada e prato principal a R$ 52,00 além de sugestões de pratos do dia a R$ 38,00.

ONDE Kaá Av. Juscelino Kubitscheck, 279 – Vila Olímpia Tel: (11) 3045-0043 Fotos Divulgação


Mobilidade de bolso Possuindo o tamanho de um livro de bolso, com duas telas touchscreen de 7 polegadas e com peso menor que 1kg, o novo Toshiba Libretto W100 é ultra portátil e prático. Eleito, por pessoas especializadas na área, como superior aos tablets concorrentes, tal modelo não deixa mesmo a desejar. Com ele, pode-se assistir vídeos em alta definição, ler livros eletrônicos, acessar redes sociais, jogar games e, claro, fazer o seu trabalho do escritório funcionar em qualquer lugar. Dependendo da posição que você desejar, é possível fazer de uma das telas o seu teclado virtual, enquanto na outra você navega. Ele ainda tem entrada USB, entrada para cartão microSD e 2GB de RAM. Lançado no mercado internacional por $1099, o produto ainda não tem previsão de lançamento no Brasil. Onde: www.amazon.com

Pequeno notável Ele diminuiu de tamanho, mas ganhou importância em algumas características e funcionalidades. O iPod Nano está 46% menor e vem com função multitouch, a mesma tecnologia do iPhone, iPad e iPod touch. ensado para ser fácil e, como sempre, divertido, com um toque de seu dedo você desliza suas bibliotecas e seleciona suas músicas. Já a bateria proporciona até 24 horas de funcionamento. Com sete opções de cores vibrantes em uma estrutura de alumínio, o Nano está ainda mais prático para levá-lo aonde quiser: um clipe integrado permite prendê-lo na bermuda, jaqueta, mochila e até na roupa de ginástica, proporcionando mobilidade na hora de praticar uma atividade física. Onde: www.aple.com/br

Relógio-phone O item até parece artigo de espião, digno de ser usado pelo famoso detetive dos quadrinhos, Dick Tracy. Mas se naquela época a tecnologia ainda não permitia um relógio tão funcional quanto o de Tracy, hoje o modelo Watch Phone da LG, um híbrido tecnológico de celular e relógio, cumpre sua função. Com ele é possível fazer videochamadas, enviar mensagens, ouvir músicas, tirar fotos, tudo isso direto do seu pulso. Por meio do comando de voz, você pode acessar rapidamente as principais funções do seu celularrelógio e com a tecnologia Bluetooth, você se liberta dos fios e envia e recebe arquivos com praticidade. Feito de aço inoxidável e vidro temperado, ele é resistente à água, tem display touchscreen e tecnologia 3G. Onde: em lojas de telefonia celular POR CARLA MATSU Fotos Divulgação

86


Luxo online De Alexander McQueen a Dolce & Gabbana, passando por Marc Jacobs, Stella McCartney e marcas brasileiras como Emannuelle Junqueira, Erika Ikezili, Lino Villaventura. Essas e tantas outras marcas se encontram na Farfetch, e-loja londrina, que recém inaugurou suas operações no Brasil. A loja reúne o mix de produtos que amamos: as bolsas, jóias, sapatos, modelagens mais bacanas e os estilistas contemporâneos mais renomados. A variedade é enorme, são 600 designers e 12 mil produtos cadastrados, todos de coleções atuais, e estes se dividem em três segmentos. O Luxe, onde se concentra as marcas que definem as tendências mundiais da moda; o Lab, recheada de estilistas conhecidos pelo estilo irreverente e a capacidade de se manterem um passo à frente das tendências; e por fim o Cult, que reúne marcas descoladas que sabem como conseguir uma estética sem esforço. Com a premissa de ˝viajar no mundo da moda sem sair de casa˝, a Farfetch cumpre bem a sua função. Onde: www.farfetch.com POR CARLA MATSU Fotos Divulgação


Jóias célebres e autorais Suas peças já estiveram em editorias de moda de revistas internacionais, como a recente edição da Harper’s Bazar, que traz Drew Barrymore na capa, assim como ilustram os pulsos, dedos, colo e orelhas de muitas outras celebridades. A designer de jóias Carla Amorim, uma das mais bem-sucedidas em sua área no Brasil, lançou recentemente sua coleção Assinatura, onde revela sua marca pessoal. As peças reunidas são resultado de desenhos anteriores criados livremente entre as coleções, mas sem necessariamente seguir os temas das linhas já lançadas. As novas criações exploram as quatro cores do ouro – amarelo, branco, rosa e negro, diamantes brancos e negros e gemas em tons de branco e nude. Onde: www.carlaamorim.com

Versatilidade elegante Desenvolvida pela grife italiana Gucci, os relógios da linha U-Play vêm com uma pulseira e um aro extra, que podem ser removidos e trocados. Pensado para acompanhar o estilo da mulher contemporânea, cada relógio oferece possibilidades diversas de uso. São vendidos com exclusividade na joalheria H. Stern, e vêm em quatro versões diferentes. Onde: www.hstern.com.br

POR CARLA MATSU Fotos Divulgação

90


estilo

CLÁSSICOS QUE SOBREVIVEM AOS MODISMOS Homens de estilo não dispensam bons clássicos. Peças clássicas são atemporais, verdadeiros curingas no guarda-roupa e levantam qualquer produção. Já que as peças masculinas não possuem uma variação muito grande, os acessórios ocupam um lugar de destaque, proporcionando um diferencial ao look. Invista em poucas e boas peças clássicas, a forma como serão usadas ficará por conta do seu toque pessoal. POR ADRIANA ESTIVALET FOTO ALEXIS PRAPPAS Pasta de couro na Brooksfield. Relógio Rolex Submariner na Lívari Joalheiros. Óculos Polo Ralph Lauren na óptica Dellie. Cinto Double face Mont Blanc na Lívari Joalheiros. Camisa Pólo da Lacoste.

92


ESTILO nome da seção

Coerente e de Estilo peças que farão o seu guarda-roupa ser coeso e essencial em todas as estações por adriana estivalet fotos alexis prappas

Estação nova, guarda-roupa novo, certo? Não! É desnecessário comprar tudo novo, a não ser que sua conta corrente aguente toda essa pressão, e mesmo se for esse o caso, quem muda suas roupas a cada temporada para seguir as tendências, acaba ficando sem estilo – sem identidade- fica com cara de “nova estação”. O importante é ter um guarda-roupa coeso, com peças que “conversem” entre si e que realmente sejam usadas – e não encostadas – além disso, ter roupas que lhe dão prazer ao vestilas e que fazem parte do seu dia a dia. Mas, como conquistar esse guarda roupa dos sonhos? Aqui vão algumas dicas: As peças básicas são o alicerce de qualquer guarda-roupa, seja qual for o seu estilo. Como essas peças são atemporais e o suporte da maioria das produções, vale à pena procurar por itens de boa qualidade em tecido, bom corte e caimento, o investimento será mais alto, mas em contrapartida elas vão durar muito e serão bastante usadas.

O LOOK ▶ BÁSICO Bermuda de alfaiataria e camisa branca ATUALIZADORES Camiseta em estampa Tye Dye Foulard de renda e sandália Anabela

96

Camiseta Inês Maldonado, Camisa e bermuda Brunna Boutique, foulard Mara Lima, Sandália Ivaniza Boutique.


Algumas peças básicas indispensáveis para mulheres:

Com esses itens é possível agregar novas peças e acessórios que estão em alta na estação e ficar com um guarda roupa sempre atualizado e, o melhor, sem gastar muito. Para esse verão é interessante investir em peças de tom coral, estampas coloridas, étnicas, animal print, florais miúdas estilo Liberty, T-Shirt com estampas charmosas ou com alguma mensagem bacana, a renda, o brilho, mini e maxi comprimentos para saias e vestidos. Os acessórios são atualizadores instantâneos para os looks básicos, abuse das cores em tons vivos ou pastéis, texturas em couro ou palha natural. Os maxi colares dão um “up” a qualquer camiseta branca, os cintos estão mais finos e os calçados modelo Anabela, Espadrille e Clog são a sensação. As lojas estão com coisas lindas e é uma tentação, mas antes de ir às compras dê uma olhada no seu guarda roupa e mantenha o foco. Agindo assim você terá certeza de que estará fazendo compras inteligentes.

Camiseta de algodão Regata Blusa de tecido fluído Camisa branca Blazer Calça de alfaiataria Jeans Bermuda Saia lápis Lenço

Camisa branca e calça jeans Brunna Boutique, calça de alfaiataria Inês Maldonado, regata e saia lápis Ivaniza Boutique, blusa Mara Lima

97


estilo

PEÇAS ATUALIZADORAS PARA O VERÃO 2011 PEÇAS EM TOM CORAL ESTAMPAS COLORIDAS T-SHIRT COM ESTAMPAS RENDA BRILHO TONS VIVOS OU PASTÉIS CINTOS FINOS CALCAÇOS MODELO ANABELA, ESPARDRILLE E CLOG

O LOOK ▶ BÁSICO Regata, conjunto de Casaqueto e saia lápis ATUALIZADORES Cores vivas, broches e sandália Pink Look total Ivaniza Boutique

Animal Print, blusa coral e cintos Brunna Boutique, t-shirts e regata em renda Mara Lima, vestido estampado longo Inês Maldonado, bolsas e calçados Ivaniza Boutique 98


etiqueta contemporânea

POR ADRIANA ESTIVALET*

crianças e etiqueta "Quanto mais cedo os pais ensinarem boas maneiras a seus filhos melhor, lógico que de acordo com o seu desenvolvimento e compreensão das coisas."

S

erá que criança precisa aprender regras de etiqueta? É claro que sim. Basta fazer uma rápida incursão no universo infantil para perceber que um número significativo de crianças não conhece regras básicas de boas maneiras. Isso se dá, principalmente, pela falta de tempo dos pais que muitas vezes trabalham muito, portanto, o tempo com os filhos fica escasso e falta disposição para trabalhar esse aspecto da educação. Muitas vezes os pais não observam atitudes extremamente desagradáveis que os filhos estão cometendo e, se não for corrigido na infância isso poderá criar obstáculos na vida deles. É de pequeno que se aprende o que levamos para o resto da vida. É importante que a criança saiba cumprimentar as pessoas, pedir licença, agradecer, respeitar os mais velhos, receber os amiguinhos e se comportar em festas. Geralmente lugares públicos e eventos sociais são os cenários em que mais ocorrem situações constrangedoras com os pequeninos. Vemos muitas vezes crianças dando um escândalo no shopping ou no supermercado porque querem algo. Neste caso, os pais não devem ceder: tente conversar e se ela não parar com o “show” leve-a embora e dê a bronca longe das pessoas. Observe a criança em festinhas de aniversário. Se ela corre entre as cadeiras onde estão acomodados os adultos, come os docinhos antes da hora – e ainda enche a mão com as guloseimas – faz escândalo porque quer abrir os presentes do aniversariante, essa criança não tem noção básica de etiqueta.

Os pais também devem ficar atentos a algumas atitudes que são constrangedoras tanto para eles como para os filhos. Em comemorações, por exemplo, verifique se o convite foi extensivo às crianças, caso o contrário não as leve. Deixe-as com uma baby-sitter e, na falta de com quem deixar, é melhor que você não vá. Ao visitar alguém na companhia de seus filhos, converse com eles antes e explique para não mexer nos objetos, abrir gavetas, ir adentrando a casa... E se a criança se comportar mal não brigue na frente dos outros, a situação já é desagradável, portanto, não a torne pior. Há formas de repreendê-la e se fazer respeitar sem grosseria. Quanto mais cedo os pais ensinarem boas maneiras a seus filhos melhor, lógico que de acordo com o seu desenvolvimento e compreensão das coisas. Não estamos falando que a criança deva ser tolhida, mas que aprenda como agir em diferentes situações da vida. Devemos lembrar também que boas maneiras e comportamento se aprendem em casa. Mesmo que seu filho faça curso de etiqueta, o exemplo dos pais é fundamental.

*Adriana Estivalet é Consultora de Estilo e Imagem Seu e-mail é estiloeimagem@terra.com.br

Foto Alexis Prappas

100


COMPORTAMENTO

Concentre-se, se puder Em tempos de atualização constante via Internet, nossa capacidade de manter o foco está minada. O que fazer para não ter tantos ΄acessos΄? Por Carla Matsu ILUSTRAÇÃO FABIO Q FOTOS ALEXIS PRAPPAS

No

dia a dia, você se programa para fazer muitas coisas. No trabalho, você coloca em mente prazos, o que produzir e o que finalizar. Mas se sua vida depende de um computador, esses prazos podem estar suscetíveis a interrupções da maravilha do entretenimento básico: a Internet. Aliás, a concentração pode até estar no lugar certo mas de repente, as janelas do MSN começam a piscar, o Twitter tem 58 atualizações para você ler, o Facebook te chama, o seu blog favorito foi atualizado e as notícias estão rolando instantaneamente. Pois bem, depois de alguns minutos de distração fica difícil amarrar o pensamento anterior, e é bem possível que você tenha esquecido algum detalhe importante no meio do caminho. Os temas tecnologia, computadores e distração vêm sendo debatidos desde a época do Atari, videogame lançado entre as polainas dos anos 80. Mas com a popularização da Internet e das redes sociais nos últimos tempos, nossa fragilizada concentração tem chamando a atenção de psicólogos, pesquisadores - em especial do escritor norte-americano Nicholas Carr, que lançou neste ano o livro The Shallows: what the Internet is doing to our brains [Em tradução livre- Os Superficiais: o que a Internet está fazendo aos nossos cérebros]. Nele, o autor conta que restringiu seu acesso à Internet, desligou suas contas no Twitter e no Facebook e parou de acessar tanto o seu e-mail. Segundo Carr, a Internet estaria privando nossa capacidade aprofundada de raciocínio. É ele mesmo quem afirma que, depois de algumas semanas ΄desconectado΄, já estava apto para concentrar-se melhor.

Clube dos dispersos Um estudo realizado pela University College of London, na Grã Bretanha, tirou a conclusão de que os estudantes de hoje já não estão mais tão aptos a escrever textos longos porque a Internet

estaria fazendo com que a mente deles funcionasse de maneira diferente do cérebro das gerações anteriores. Para os pesquisadores, a Internet estimularia uma leitura “picada” das informações, o que mais tarde dificulta a concentração em uma só fonte, como o livro. Para Nicholas Carr, a maneira como a informação hoje nos é ofertada- com textos, fotos, vídeos, músicas, links para outras páginas, somada às constantes interrupções na forma de e-mails, atualizações do Facebook, Twitter e afins, fez com que nossas mentes se acostumassem a catalogar, arquivar e pesquisar informações. E neste processo, estaríamos nos tornando mais bibliotecários: aptos a encontrar informações de forma rápida e escolher as melhores partes, diferente dos acadêmicos, que analisam e interpretam dados. A psicóloga Ediane F. Palhano concorda que a Internet estaria nos deixando mais distraídos, mas não faz dela a vilã da história. Para ela, a humanidade está em um momento semelhante ao que aconteceu com o surgimento da televisão e do videogame e analisa: ˝Havia muitas dúvidas e medos do poder destes aparelhos em nossas vidas e de nossos filhos. Sofremos com as modificações, nos adaptamos e conseguimos sobreviver. O problema maior não é a tevê, o videogame, o computador ou a Internet, mas sim como iremos nos relacionar com cada uma dessas tecnologias. O desafio é pessoal˝.

Tudo ao mesmo tempo agora Heloise Hamada, publicitária e estudante de Jornalismo, se autodefine como uma ˝distraída virtual˝. E, virtualmente, ela está em todos os lugares. Orkut, Facebook, Twitter, MSN, Gtalk, quatro emails pessoais e três do trabalho, os quais acessa diariamente, há ainda as contas no Flickr, Youtube. Os e-mails, quase todos, ficam abertos o dia inteiro e não são ociosos não. As manhãs são ocupaTEXTO DE LEGENDA

102


das com o trabalho em uma agência de comunicação, à tarde ela tem compromissos com a assessoria de imprensa da faculdade e à noite ainda estuda. E tantos acessos não distraem? ˝Perder o foco mesmo, de não conseguir dar continuidade ao trabalho eu não perco, porque apesar da vida social virtual ser importante, eu ainda priorizo minha vida profissional. Mas é claro que conversas descontraídas no MSN ou o acompanhamento constante do Twitter distrai. Eu geralmente me distraio com links de notícias que vejo no Twitter, porque uma reportagem leva a outra, os cliques parecem não ter fim˝, conta Heloise. Para ela é preciso seleção na hora de manter o foco. ˝Acho que meu foco melhorou, porque melhorei meu discernimento. Uso tudo ao mesmo tempo porque acho importante, o dia que achar desnecessário vou abandonar˝, defende. Há dez anos, o publicitário, advogado e também professor, Fernando Mirault, ministra aulas em cursos presenciais na universidade e há quatro se dedica exclusivamente a docência no ensino à distância, onde gerencia conhecimento por intermédio da TV e Internet. Para ele, é possível ver que a concentração dos alunos anda um tanto fragilizada. ˝Vejo pelas perguntas que chegam. Há uma pressa em concluir o raciocínio de forma absurda. Como a tele-aula tem 1 hora e meia ao vivo, a concentração é fundamental para assimilar o conhecimento. E prestar atenção concentradamente por uma hora e meia tem sido o maior desafio que tenho encontrado. Você precisa ser professor e meio mágico para não deixar a peteca cair˝.

˝No universo profissional, manter o foco é a forma mais barata e consistente de ganhar dinheiro, ser competitivo e ao mesmo tempo ser extremamente profissional˝, Fernando Mirault, professor universitário e advogado.

103


COMPORTAMENTO

Mantenha o foco

˝O problema maior não é a tevê, o videogame, o computador ou a Internet, mas como iremos nos relacionar com cada uma dessas tecnologias. O desafio é pessoal˝, Ediane F. Palhano, psicóloga.

A Universidade da Califórnia, preocupada com a constante falta de foco dos dias atuais, realizou nova pesquisa que mediu o nível de distrações. Segundo ela, os usuários de computadores no trabalho mudam de janela ou verificam e-mails e outros programas cerca de 37 vezes por hora. Quem já perdeu o foco muitas vezes, ensina que é preciso, antes de tudo, se organizar. Fernando Mirault indica que gerenciar o tempo deve ser um exercício diário, caso contrário a distração pode levar à exaustão causada pelo retrabalho. ˝Aquele que não gerencia o tempo, acaba fazendo múltiplas atividades sem a concentração necessária e isto gera retrabalho, tendo em vista que obviamente algumas das atividades realizadas sem foco deverão ser refeitas. Se tudo o que você faz no dia precisa ser refeito no outro, seu trabalho será extenuante e improdutivo. No universo profissional, não há espaço para vacilo, então manter o foco é a forma mais barata e consistente de ganhar dinheiro, ser competitivo e ao mesmo tempo ser extremamente profissional, fato este que possibilitará o reconhecimento e o sucesso˝. A psicóloga Ediane Palhano também dá um puxão de orelha aos pais que se queixam que a Internet estaria consumindo o maior tempo de seus filhos e trazendo consequências negativas ao desempenho escolar. ˝Esperar que os filhos tenham bom senso para decidir sobre o uso das tecnologias é um enorme erro dos pais, pois cabem a eles estabelecer e acompanhar o cumprimento de regras que norteiem o melhor uso de toda essa tecnologia disponível. Mas isso fica muito mais difícil quando nem o próprio pai consegue se afastar de sua caixa de mensagens quando está fora do ambiente de trabalho˝. Para ela, incentivar o envolvimento do filho com outras atividades que promovam o desenvolvimento de outras áreas é obrigação dos pais. No final das contas, não dá para bancar o eremita virtual e descartar as possibilidades desse vasto mundo divertido e essencial da web. O escritor Nicholas Carr aponta que a solução é diminuir o ritmo, desligar um pouco a rede e praticar habilidades de contemplação, introspecção e reflexão, algo do tipo: desligue o computador e vá ler um livro. E é como a própria equilibrada ˝distraída virtual˝ Heloise ensina: ˝acho que cada um precisa achar um equilíbrio, porque essas escapulidas nas redes sociais também desafogam a mente. Tem que se calibrar pra que se torne algo saudável, nem que pra isso seja preciso passar um pouco dos limites˝.

TEXTO DE LEGENDA

104


105


portrait

O

prazer pelas cores e pincéis ocupa um espaço significativo na vida de Daniela Mangieri Pithan. O interesse por eta arte começou na infância, acompanhou a adolescência e permanece na fase adulta. ˝Sempre fui autodidata com a pintura. Como eu gostava muito quando criança e percebia que tinha certa aptidão, fazia meus próprios experimentos e pesquisava o que me interessava. Foi minha maneira de aprender cada dia mais˝, comenta ela. As cores vivas, suas preferidas, refletem nos quadros emoções e experiências cotidianas, carinhosamente ela presenteia amigos e parentes. A advogada da área da família define, de uma maneira simples e espontânea, quais seriam as cores que representariam sua vida no momento atual: ˝Posso dizer que estou em um momento de muita realização em todos os aspectos de minha vida. E por isso ser especial e com tantas alegrias, com certeza eu faria uma tela muito colorida, um verdadeiro arco-íris˝, explica Daniela.

A VIDA EM UMA AQUARELA A arte da pintura que colore as experiências de Daniela Mangieri Pithan POR CARLA GAVILAN FOTO ALEXIS PRAPPAS

108


meu canto

Rock it!

Só os grandes clássicos da música para relaxar os ouvidos e inspirar os dias

Por Carla Matsu fotos alexis prappas

O

dia a dia de Cesar Aníbal Aguiar Benavides é intenso e requer atenção dedicada. Perfeccionista com os detalhes que sua profissão exige, o cirurgião plástico, encontra tempo para relaxar em uma atividade simples, mas que requer talento vocal. Em um primeiro momento, quem o conhece em um contexto profissional, talvez nem desconfie de sua vocação pelo canto e da paixão pelo old rock. Dono de uma vasta coleção de CDs e DVDs do Elvis Presley, Cesar releva o bom gosto pelos grandes clássicos da música. “O Elvis foi um dos principais músicos da história. Gosto do timbre de sua voz, do ritmo das músicas”, avalia ele. Entre os preferidos também se situam Eric Clapton, BB King, Jerry Lee Lewis e Alvin Lee. É em um cantinho especial de sua casa que ele reserva o tempo para cantar e ouvir música. Outro espaço predileto e bem acessado também está no plano virtual. No site www.pattalk.com, que tem aproximadamente cinco mil salas, Cesar tem a oportunidade de conhecer e compartilhar sua música com pessoas do mundo todo, e ainda soltar sua voz.

110


111


lounge

Em ritmo de desafio Por Carla Gavilan foto alexis prappas

O

mercado que cada vez mais renova conceitos e padrões de consumo também provoca empresários e administradores em todos os setores. Com a proposta de acompanhar esse ritmo de produção globalizado, que Mariana Nogueira decidiu inaugurar em Mato Grosso do Sul a primeira filial da marca Havaianas®. Antes de instalar o empreendimento em Campo Grande, que conta com mais de cem modelos de sandálias, Mariana estudou a história da grife e visitou diversas lojas no Brasil. Desempenho executivo para adquirir mais intimidade com os produtos de um logotipo reconhecido em todo mundo. ˝É um grande desafio trabalhar com uma marca consagrada porque é preciso pensar em todos os detalhes: projeto da loja, localização, modelos das peças. Tem sido muito prazeroso˝, explica a empresária. Mas o interesse em administrar o próprio negócio não é de agora. Aos vinte e um anos, recém formada no curso de Publicidade e Propaganda, Mariana decidiu enfrentar o mercado de trabalho na posição de empresária. Ousadia e dedicação sempre apoiados pela família. Para equilibrar as energias muita corrida e malhação. ˝Adoro malhar, preciso me exercitar todos os dias para realizar bem minhas outras atividades˝, completa Mariana.

112


113


vox

os desafios de quem toca a boiada A rotina e dedicação de Alexandre Scaffi Raffi à frente da presidência da Associação Novilho Precoce/MS Por Carla Gavilan

foto alexis prappas

Seu currículo conta com uma formação de engenheiro agrônomo e um mestrado, em Produção Agroindustrial, quinze anos depois da graduação. Por que decidiu voltar a estudar? A escolha de retornar à sala de aula foi mais por uma questão de aperfeiçoamento pessoal, porque na prática eu já contava com uma boa experiência. Geralmente entramos na faculdade muito novos e acredito que, por isso, eu tenha sentido essa nova necessidade de estudar. Foi bem interessante porque no mestrado tive a oportunidade de interagir com o que estudávamos e trocar conhecimentos com os professores sobre o mercado e a teoria. Uma ótima experiência. Atualmente você está na presidência da Associação Sul Matogrossense de Produtores de Novilho Precoce. Qual é o maior desafio de um cargo como esse? Com certeza é saber me expressar, dosar as palavras e as opiniões. Porque como sempre fui de falar muito agora estou em uma posição em que preciso pensar mais antes de emitir uma posição. E isso tem sido muito bom para mim. A Associação conta no momento com mais de duzentos produtores. Como é a relação de falar de negócios, mercado e valores com tantas pessoas? Existe uma relação muito harmoniosa

114

na Associação em que os membros se conhecem bem, a diretoria conhece os associados pelo nome, sabe como é a propriedade de cada um e as particularidades. Isso é bom porque quando alguém passa por alguma dificuldade tem sempre um outro sócio para auxiliar e é a partir disso que conseguimos manter nossas prioridades com o mercado, indústria e varejo. Entregamos rigorosamente o animal com a mesma qualidade durante a semana e o ano todo. E como vocês costumam trabalhar tendo essas outras atividades diárias para manter esse ritmo de mercado da Associação? Por nossa prioridade ser a produção de uma carne de qualidade, com regularidade no mercado e boa quantidade para abastecer o varejo, procuramos ter na diretoria uma comunicação tranqüila e clara. Para isso estabelecemos uma programação de reuniões e contatos. Fazemos um encontro toda semana e, mesmo estando na fazenda durante a semana, já que todos trabalham em suas fazendas, conversamos diariamente pela internet. Possui alguma distração no dia a dia? Montar quebra-cabeças. É meu grande hobby desde a adolescência. No momento monto um de seis mil peças. Eu começo um dia e monto um pouco, deixo lá, depois volto continuo e assim vai indo.

É ótimo para trabalhar a concentração e raciocínio lógico. Como concilia tantos compromissos como produtor rural, presidente da Novilho Precoce e a família? Tenho um casal de filhos e adoro passar meu tempo com minha família. Sempre que posso, o que eu puder tirar da minha agenda eu tiro para ficar com eles. Adoro ficar em casa, buscar músicas, filmes e clipes antigos na internet. Fico horas tentando encontrar esses materiais, minha esposa é quem sofre porque depois que eu acho, ela tem que assistir comigo. São Paulo, Porto Alegre, Rio de Janeiro. Você tem viajado bastante a trabalho, qual a melhor viagem que já fez a passeio? Tem duas inesquecíveis. Uma em 2001 que fiz de moto na Ilha de Córsega, na Europa, com minha prima que é cineasta. Ela amarrou uma câmera na moto e saímos filmando aquela paisagem maravilhosa por duas semanas. Foi uma grande aventura. A outra viagem foi com minha esposa à Las Vegas. Nos divertimos bastante e pretendemos voltar.


115


eventos

Tropical Brasil Brokers inauguração agência campo grande No dia 14 de Setembro, a Tropical Brasil Brokers presenteou Campo Grande com uma nova e linda agência, num grandioso evento que contou com a presença de empresários, arquitetos, corretores, jornalistas e profissionais que atuam no mercado imobiliário. Uma loja com infraestrutura de atendimento moderna, dotada de tecnologia de ponta para atender uma região altamente promissora. Desta forma, Campo Grande agora ganha mais força no mercado imobiliário para alavancar as vendas em um cenário totalmente favorável. 1- Dir. Pres. Tropical Brasil Brokers Valoni Adriano, Vice Pres. TBB Júlio Piña, Dir.ª Operações TBB Lucinéia Davanço, Dir. TBB Regional Campo Grande Carlos Gomes e Dir. Lançamentos TBB Flávio Ramos 2- Vice Pres. Creci MS João Ambrósio, Pres. Sindimóveis James Antonio Gomes, Carlos Gomes e Pres. Secovi MS Marcos Augusto Neto 3- Dir. TBB Reg. Brasília Emerson Vieira, Lucinéia Davanço, Dir. TBB Reg. Cuiabá Pedro Luiz, Dir. TBB Goiânia Hugo Citti e Ger. TBB Rio Verde Daniel Sales 4- Júlio Piña e Ger. Marketing TBB Keila Cristina 5- Pedro Luiz, Daniel Sales, Carlos Gomes e Ger. TBB Goiânia Regeane Lopes 6- Marisa Mujica e Janaina Ivo 7- Marcos Augusto Neto e Marise Boranga 8- Corretora TBB Campo Grande Emília, Márcia Ribeiro, Everaldo e Neide Bissoli

116


9- Claudia Gonçalves, Vanja Orrico, Edna Duarte e Lucinéia Davanço 10- Carlos Eduardo Bortolot, Marisa Mujica, Ricardo Koim e Henrique Medeiros 11- Maristela Yule e Eduardo Bortolot 12- Daniel Sales, Flávio Ramos, Júlio Piña, Pedro Luiz e Hugo Citti Fotos Marcos Vollkopf

117


eventos

VECTOR PERSIANAS VIDEOCONFERÊNCIA hunter douglas No dia 23 de setembro, a Vector Persianas recebeu arquitetos, decoradores e designers para uma videoconferência online. Os profissionais presentes conferiram as tendências de decoração para 2011 e novidades da Casa Cor RJ e SP, ao vivo direto da sede da Hunter Douglas. A Vector, única revenda Luxaflex Talent Centurion do MS, ofereceu um delicioso Happy Hour, no qual os profissionais puderam debater sobre o tema apresentado, além de proporcionar uma oportunidade de confraternização entre eles. 1- Giovana Andrade, Paulo e Regina Brito 2- Isabela Kassar, Lenise, Mary e Eloisa Vicari 3- Lenise, Isabela, Paulo Delmondes, Paulo, Luis Pedro Scalise, Kyara, Maria Inês, Eloisa Vicari, Carla Mata, Andreya Lago e Giovana Andrade 4- Alessandra Mafuci e filha 5- Eloisa Vicari e Maria Inês 6- Equipe Vector Persianas Fotos Miguel palacios

118


eventos

Badulaque nova loja pátio central shopping A nova Badulaque do Pátio Central Shopping inaugurou como manda o figurino: com muita gente bonita, um ambiente bem decorado e aconchegante, desfile e o mais importante, uma coleção lindíssima de acessórios, bolsas, carteiras, semijóias e bijuterias. As linhas que desfilam pelos lugares mais badalados de Campo Grande, agora também estão no Pátio Central Shopping. Venha conhecer. 1 Loreta, Leni, Márcia e Edimara 2 Cézar, Leni e Marli 3 Modelo Ana Paula 4 Luis Pedro Scalise, Leni e Iara Diniz 5 Modelo Ana Paula 6 Gisele Barbosa, Leni e Ana Paula Zahran Fotos Jefferson Ravedutti

120


eventos

Baviera Motors inauguração em grande estilo da CONCESSIONÁRIA BMW E MINI EM CAMPO GRANDE A inauguração da primeira concessionária BMW e Mini na região Centro-Oeste esteve à altura do prestígio que a marca detém. A BMW é um ícone da tecnologia automobilística mundial e chega disposta a ocupar seu espaço no concorrido mercado de marcas. Representada pela Baviera Motors e sob o comando do seu Diretor Presidente, William Atallah, em Mato Grosso do Sul, a inauguração, no dia 22/09, contou com a presença de autoridades e personalidades do universo empresarial, político e social, do nosso estado e também do Acre e São Paulo, com destaque para o presidente do Grupo BMW, Henning Dornbusch, que veio especialmente prestigiar esse importante evento para sua marca. As linhas BMW que serão comercializados inicialmente pela Baviera Motors são BMW, BMW Motorrad e Mini. 1- Moto BMW 2- William Atallah, Artur Duarte e Ivanilde Atallah 3- Eduardo Crivellente e Celeste Curado - Agência Nova Fronteira 4- Ivanilde Atallah, Edil Albuquerque, Ana Carolina Atallah, Artur Duarte e filho João Pedro 5- Carro BMW X5 M Fotos Estúdio Fernanda Vianna

122


Londrina (43) 3373-7879 • Campo Grande (67) 3326-0147 • www.idealizagraf.com.br


eventos

Clínica Volpe inauguração Os irmãos Kátia e Jardis Volpe inauguraram em grande estilo o mais novo espaço de beleza da cidade, a Clínica Volpe. Toda estrutura e tecnologia dos grandes centros a disposição dos sulmato-grossenses, que prestigiaram a abertura do espaço e puderam conhecer todas as novidades de perto. Marcaram presença na noite a atriz Cláudia Raia, e as maravilhosas Sheila Carvalho e Luciana Vendramini. O novo endereço é na rua Goiás, 1189, no Jardim dos Estados. 1- Délia, Sidney Volpe, Hilda Volpe e Hélio Fogolin 2- Nelson Fogolin, Iracy e Victor 3- Francisco e família, Sidney Volpe e Hélio Fogolin 4- Kátia, Luciana Vendramini e Jardis 5- Luciana Leite e Marcos Elias 6- Gisele, Telma Marcon, Scheila Carvalho, Rosa Freitas, Kátia e Jardis 7- Jardis, Elmo Volpe, Cléia Volpe, Kátia e Marco 8- Jardis Albertin e Marta 9- Gisele e Marcelo Fogolin 10Luis Henrique, Cláudia Raia, Deborah Coelho e Kátia 11- Jardis e Iara Diniz, 12- André Furquim e Adriana Estivalet 13- Douglas Santos, Kátia e Paula Volpe Fotos Marcos Vollkopf

124


125


eventos

califórnia mudas inauguração nova loja A paisagista Eliane de Oliveira presenteou a cidade com um espaço diferenciado, especialmente projetado para atender os clientes e arquitetos, localizado na avenida Afonso Pena.A Califórnia Mudas apresenta soluções de paisagismo que integram perfeitamente a casa ao jardim para composição de um espaço harmônico, bonito e que reflita na qualidade de vida dos moradores.Confira alguns flagrantes de quem esteve na noite de inauguração. 1- Milton e Ligia 2- Ligia, Jade e Isadora 3- Eliane de Oliveira e Licio Davalos 4- Pedro Luiz e Bia 5- Alessandra Gibran, Eva Lucia e Julia Sá Fotos Marcos Vollkopf

126


VIAGEM

Um conceito único de viajar Conheça um modo diferente de conhecer a América do Sul

Explora não é apenas um grupo hoteleiro, é uma revolucionária experiência de viagem. A empresa foi fundada em 1989 com o objetivo de encorajar uma nova atitude naqueles com paixão pelo descobrimento de novos destinos e culturas, em regiões remotas e pouco exploradas na área mais austral da América do Sul. A empresa não é apenas um hotel onde o viajante passa a noite, mas sim uma experiência de viagem, um produto único e bem completo. A companhia é atualmente proprietária e opera três hotéis – Hotel de Larache, no Atacama, Hotel Salto Chico, Patagônica e Posada de Mike Rapu, Rapa Nui - além de promover quatro diferentes programas, chamados ˝Travessías explora˝, que levam os viajantes a desbravar essas regiões, ultrapassando a fronteira com Argentina e Bolívia. Diferente do que se imagina, a jornada pela América do Sul é muito hospitaleira durante todo o ano, em todas as estações. Idealizado para atender pessoas que têm paixão por descobrir novos lugares e conhecer novas pessoas, em regiões remotas e pouco exploradas, mas tudo sem abrir mão do conforto, sofisticação, segurança, o Explora oferece realmente uma experiência inovadora. Alia um hotel que oferece todo o conforto, situado em paisagens deslumbrantes, serviço im-

Por Ludmila Dalanora

pecável, alta gastronomia e a liberdade de escolher, todos os dias, o que fazer entre uma lista de programas tentadores. Detalhes são centrais na filosofia Explora. A arquitetura das construções que abrigam os hotéis vale por si só a viagem. Projetados de forma a ser uma extensão da paisagem, são construídos sem jamais agredir o cenário natural onde se inserem. A decoração incorpora materiais da região e elementos da cultura local traduzindo o espírito do Explora de integrar-se ao ambiente onde está localizado. Fotos Divulgação

128


Excelente apoio

As equipes dos três hotéis são compostas por profissionais que se desdobram para fazer os hóspedes se sentirem em ˝casa˝, muito bem dentro e fora do hotel. Guias bilíngües com profundos conhecimentos da cultura, história, flora e fauna da região fazem com que as explorações sejam uma jornada onde o objetivo não é chegar, mas sim ter o prazer de fazê-la. Tudo é escolhido conforme o perfil e gosto de cada hóspede. As explorações podem ser realizadas com o mínimo de uma e máximo de seis pessoas, onde terão sempre um guia e driver apenas para o grupo. A culinária presenteia os hóspedes com o melhor da gastronomia local elaborada por um chef que pesquisa ingredientes e formas de torná-los pratos irresistíveis. Para acompanhar, vinhos chilenos que se harmonizam delicadamente a cada refeição. Unidos por uma filosofia comum de experimentar destinos remotos, culturas antigas, envolvimento com o meio ambiente e a beleza natural da América do Sul, cada destino do Explora promete um descobrimento inesquecível para espíritos desbravadores.


viagem

Paisagens deslumbrantes e destinos inesquecíveis, como o Deserto do Atacama e a Ilha de Páscoa, estão entre os destinos oferecidos pelo Explora

Os destinos Com paisagens estonteantes, desenhadas por cores brilhantes e intensos picos cobertos por neve, a Patagônia oferece uma profunda beleza em meio à serenidade. O explora Patagônia Hotel Salto Chico, é o único hotel localizado dentro do Parque Nacional Torres del Paine. Com mais de 240.000 hectares esse Parque Nacional é considerado um patrimônio da humanidade pela UNESCO. No Explora Patagônia pode ser encontrada abundância tanto em conforto quanto em oportunidades de explorações, incluindo caminhadas guiadas, mountain biking e até mesmo cavalgadas. Explora Patagonia tem além de tudo uma localização privilegiada, instalado nas margens do Lago Pohoé, o Hotel Salto Chico conta com 50 apartamentos divididos em categorias diferentes, possui os melhores guias bilíngües, mais de 50 opções de explorações que são oferecidas aos hóspedes, tem sua própria Casa Del Banos Del Ona, com piscina coberta e aquecida, academia, sauna, salas de massagem e jaccuzzis a céu aberto. 130


VIAGEM

Caminhar até o mirante de Nordenskjold em dias de sol; cavalgar pelas savanas, rios e montanhas de Donoso; ou um safári fotográfico que revela a abundante fauna patagônica, com guanacos, emas, condores, raposas, patos, gansos, gambás e outras espécies de aves. Patagônia é um destino belíssimo, em qualquer época do ano. Já no Atacama, o Hotel de Larache, recentemente reformado em comemoração aos seus 10 anos, utiliza todas as muitas possibilidades que o deserto permite de conforto e aventura. Pedir um drink e se acomodar na Sala dos Exploradores, conhecendo as sugestões de passeios e rotas do dia seguinte; relaxar na área das quatro piscinasduas jacuzzis, saunas secas e a vapor - rodeadas por árvores e por pássaros exóticos e naturais da região; e ainda participar da aula de astronomia, aproveitando o Observatório que apenas o Explora oferece aos hóspedes, com um potente telescópio, que assegura uma perspectiva incrível de um dos céus mais claros do mundo. Enquanto isso, localizado no meio do Oceano Pacífico, uma vista solitária e deslumbrante ao sul da Ilha de Páscoa envolve a novíssima Posada de Mike Rapu, que com apenas um ano de funcionamento foi o primeiro prédio na América Latina a receber o conceituado certificado LEED por suas práticas eco-friendly. Arquitetura premiada e plenamente conectada com seu entorno, serviço impecável, restaurante excepcional com visão para a sofisticada cozinha, e uma convidativa área de lazer são os highlights desse Explora. Além, é claro, dos experientes guias para descobrir essa mística ilha, incluindo os antigos Moais figuras de pedra que continuam soberanas e surpreendentes mesmo depois de séculos de existência. Saiba mais em: www.explora.com/pt

132

PACOTES O Explora oferece pacotes para as temporadas de final de ano, que compreendem as noites de Natal ou Ano Novo. Explora Atacama – Programa de 6 noites* Natal: 23/12/10 à 29/12/10 Ano Novo: 29/12/10 à 04/01/11 Tulur SGL. USD 5.370 Yali SGL. USD 5.790 Suíte Catur SGL. USD 8.100 Tulur DBL. USD 3.708** Yali DBL. USD 3.996** Suíte Catur DBL. USD 5.586** ** Por pessoa em apartamento duplo

Explora Patagonia – Programa de 6 noites* Natal: 22/12/10 à 28/12/10 Ano Novo: 28/12/10 à 03/01/11 Salto Chico SGL. USD 5.310 Cordilheira Paine SGL. USD 6.084 Suíte Exploradores SGL. USD 8.904 Salto Chico DBL. USD 3.744** Cordilheira Paine DBL. USD 4.128** Suíte Exploradores DBL. USD 5.580** ** Por pessoa em apartamento duplo Explora Rapa Nui – Programas de no mínimo 4 noites* Varúa SGL. USD 4.472 Suite Raa SGL. USD 6.412 Varúa DBL. USD 3.040 Suíte Raa DBL. USD 4.040** ** Por pessoa em apartamento duplo *Todos os programas incluem transfer aeroporto, explora ida e volta, alimentações, bar aberto, todas as explorações, guias bilíngües, Ceia de Natal ou Ano Novo e festa.


ASTROLOGIA

| POR Thereza Christina Silva*

Astrologia e Decoração O que os signos dizem sobre as características de nossa casa

Os

astros dizem muito sobre a personalidade das pessoas e apontam características específicas da trajetória de cada um. O signo solar é um dos fatores mais importantes na interpretação de um mapa natal, pois de acordo com sua posição, irá marcar nossa expressão maior, nossas vontades, nossa trajetória. Baseado na posição do sol, o signo também pode nos ajudar a apontar peculiaridades interessantes. A decoração é uma delas, já que ele indica as potencialidades da nossa expressão. Vale ressaltar que não somos somente nosso signo solar, temos um conjunto de planetas fazendo aspectos entre si, entre outras configurações. Pode ser, neste caso, que outros planetas sejam mais fortes na sua configuração astral e você se enquadre mais com a predileção de outros signos.

taurino não economiza neste ponto. A casa de um taurino pode tender muito para o rústico, com móveis escuros e objetos antigos. Também gosta de coisas funcionais, Touro é muito organizado no seu ambiente. Uma casa taurina sempre tem um tom de elegância e arte. Objeto de consumo: Poltrona Luís XV Gêmeos: 21//5 a 21/6 Elemento: Ar. Regente: Mercúrio O geminiano prima pela novidade, estilos modernos, clean, nada de muito enfeite. Gosta de cores claras, ambientes funcionais, tecnologias. A casa de um geminiano tem que ter espaços para receber: gêmeos tem muitos amigos e adora gente ao seu redor. O que não pode faltar na casa de um geminiano são objetos de comunicação, telefones e computadores. Objeto de consumo: Notebook

Áries: 21/3 a 20/4 Elemento: Fogo. Regente: Marte Arianos gostam de cores quentes, tons vermelhos, cores fortes, como vinho. Também, por serem bastante agitados e não terem muita paciência, preferem ambientes práticos: nada de coisas entulhadas, muitos detalhes, bibelôs. Originalidade é uma característica preponderante. A casa de um Ariano tem que ter a sua marca, sua cara. Adoram novidades. Objeto de consumo: Home Theater de última geração

Câncer: 22/6 a 22/7 Elemento: Água. Regente: Lua Cancerianos adoram tons românticos e objetos que enfeitem a casa, com muitas fotos de família, lembranças de filhos e amigos. A casa do canceriano tem que ter uma história, pois são muitos apegados ao passado. Para o canceriano a palavra é o aconchego. Gostam de objetos que lhe inspirem a memória da segurança. Objeto de consumo: Cristaleira

Touro: 21/4 a 21/5 Elemento: Terra. Regente: Vênus O taurino gosta de coisas sólidas, duradouras e de excelente qualidade! Claro que coisas de qualidade custam caro, então o

Leão: 23/7 a 23/8 Elemento: Fogo. Regente:Sol Leão gosta de brilhar, então todo exagero aqui é bem vindo, desde que o remeta ao glamour. Leoninos adoram cores vibrantes,

alegres, tons coloridos, ambientes que encham os olhos, exuberantes. Também gostam de coisas caras, peças de designers de sucesso e muito espaço para receber e ser elogiado. Objeto de consumo: Jacuzzi Virgem: 23/08 a 22/09 Elemento: Terra. Regente: Mercúrio Essa é casa da praticidade, tudo que o virginiano preza é organização e aplicabilidade. Nesta casa sempre terá espaço para os recicláveis, orgânicos e sustentáveis, desde que não comprometam o orçamento. Gosta de tons claros. É simplista e também prima por detalhes, aliás nos detalhes estará toda a grandeza do virgem, porque sabem como ninguém o que convém ou não. Objeto de consumo: Armários com divisórias Libra: 23/09 a 22/10 Elemento: Ar. Regente: Vênus Libra gosta de beleza, mau gosto é algo que libriano não perdoa, por isso sua casa sempre terá combinações harmônicas. Gostam de tons pastéis, cores suaves, ambientes arejados e sabem decorar como ninguém: não economizam em nada neste quesito. Numa casa libriana não poderá faltar objetos de arte, flores e ambientes para receber os amigos. Libra adora receber e o faz como ninguém. Objeto de consumo: Chaise Longe Escorpião: 23/10 a 22/11 Elemento: Água. Regente: Plutão O escorpião prima pelo mistério e o que está por trás dos significados. Adoram objetos que foram descobertos em feiras de antigüidades, velas, mandalas e pingentes colocados estratégicamente como proteção de seu Fotos Alexis Prappas

134


PREVISÃO

Tempo de renovação Para novos rumos e saídas inovadoras, pla-

lar. Por estarem em constante transformação, mudam a decoração freqüentemente. Objeto de consumo: Cama King Size Sagitário: 22/11 a 21/12 Elemento: Fogo. Regente: Júpiter Sagitarianos adoram espaços amplos, varandas, estantes para suas várias lembranças de viagens, janelas grandes. Também costumam ser ousados para cores e gostam de misturar temas culturais em sua decoração: seu estilo é um mix de tendências. Adoram conforto e não costumam ser ligados na rotina do dia a dia, por isso gostam também de praticidade em suas casas. Objeto de consumo: coisas que trouxe da sua última viagem Capricórnio: 22/12 a 20/01 Elemento: Terra. Regente: Saturno Capricornianos são comedidos, gostam de segurança, praticidade e são econômicos. Gostam de estilos clássicos, tradicionais, cores neutras, pisos de madeira e couro. Não suportam desperdícios e exageros, mas gostam de qualidade. Quando algo lhe inspi-

neje os bons momentos com foco e ética. Iniciamos novembro com capacidade de renovação financeira e emocional. Este é o mês para prestar atenção nos valores que queremos manter e naqueles que necessitam de reajustes. Saber se desapegar de mágoas, atitudes e bens obsoletos abrirá caminhos de onde menos se espera. A atenção deverá ser eficiente para poder entender, e ver, o que está além da aparência. Ansiedade e afobação estarão presentes, portanto, avalie corretamente os riscos e as conseqüências de cada ato. Tudo aquilo que for planejado com foco, comprometimento e ética trará mudanças de rumo e saídas inovadoras. LúciaMazzini é astróloga Seu blog é http://devaneioscosmicos.blogspot.com

ra confiança, compra e paga bem por isso. Tem um gosto refinado e não costumam ter muitos enfeites em casa. Seu estilo é discreto. Objeto de consumo: Poltrona de couro Aquário: 21/01 a 19/02 Elemento: Ar. Regente: Urano Aquarianos são irreverentes, adoram decorações modernas e ousadas. Costumam ser futuristas, então nesta casa não entra nada de antigo. Gostam de cômodos amplos e espaços para reunir amigos. Adoram tecnologia, estão sempre plugados, aparelhos eletrônicos de última geração ocupam a maior parte de sua casa. Como o aquariano costuma ser inovador, não existe uma só predileção de cores. Seu estilo é não ter estilo. Objeto de consumo: Adega climatizada

Peixes: 02/02 a 20/3 Elemento: Água. Regente: Netuno Piscianos adoram espaços lúdicos, onde possa exercitar toda sua imaginação. As cores vão de tons pastéis ao branco. Cortinas leves e sem forros, que pareçam véus quando se movimentam. Bar e home theather. Altar para anjos, duendes e espaço para meditação. O pisciano tem um estilo suave, romântico e adora arte também. Um belo gazebo traduz bem a atmosfera pisciana. Objeto de consumo: Cristais e fontes de água

* Thereza Christina Silva é astróloga, taróloga e professora tutora EAD. Twitter: TecaAstrologia.

135


equilíbrio

Com os pés pelas mãos Gestos simples podem aliviar as tensões por meio dos pontos da sábia e antiga Reflexologia Por Carla Matsu ILUSTRAÇÃO FÁBIO Q

O

cotidiano, na maioria das vezes, cansa, estressa e consome sua disposição e o bom humor, seja você o universitário, o empresário ou o professor do ensino médio. Depois de um dia longo e intenso, num sopro de descanso, tudo que se espera é pelo banho morninho e por um agrado àqueles que sofreram um tanto nesse processo diário: os pés. E se o massoterapeuta não pode vir até nós, bem, e vice-versa, o jeito é apelar para aquele que sempre contamos- nós mesmos. E se a necessidade é mãe de todas as invenções, há algumas tentativas que podem aliviar as tensões e relaxar não somente aos pés, mas a cabeça e corpo todo. Há um bom tempo, somam-se aí uns milhares de anos, já era conhecida no Egito e China uma técnica simples capaz de proporcionar bem-estar através da massagem nos pés. Deram a ela o nome de Reflexologia, sendo que a mais conhecida no Ocidente é a Podal, que estuda a relação de pontos específicos existentes nos pés com os órgãos vitais. O princípio é simples: nossos pés têm milhares de terminações nervosas e se ligam, por meio de ramificações, aos diversos órgãos internos, à coluna vertebral, à cabeça e aos membros superiores e inferiores do corpo. Nessa matemática dos pontos, a massagem proporciona o bom funcionamento dessas partes e recupera o equilíbrio todo. Para sentir-se relaxado, basta massageá-los por alguns minutos por dia. Usar uma bolinha de tênis também funciona. É só colocá-la no chão e apoiar-se sobre ela com a planta do pé e deixá-la rolar massageando o pé em toda sua extensão. Outras atitudes simples, como andar descalço sobre a areia, também estimulam tais terminações nervosas e despertam boas sensações.

136


Mood Life Edição 11  

Mood Life edição 11 - outubro de 2010, capa com Renato Ratie...