Page 1



www.molamagazine.com




www.molamagazine.com




Editorial Ficha técnica Mola brick magazine

Um novo projecto luis vedorias

Revista Quadrimestral Ano 1 – Edição #01 Maio – Agosto 2010

Caros Amigos, leitores e fãs de LEGO®,

Editor Luís Vedorias luisvedorias.blogspot.com

É com muito prazer que começo este projecto, destacando a enorme paixão que tenho por este brinquedo e pelo que ele representa a nível mundial. Por saber, que existe por este mundo fora tantos fãs como eu, fico ainda mais empenhado e motivado em divulgar o LEGO® ao público português. Após saber que na vizinha Espanha existe uma publicação sobre o hobby, constatei que nada havia de semelhante no nosso país.

Edição e Produção: CAZULODESIGNERS® Praça Mártires da Liberdade nº 3 7050-356 Montemor-o-Novo www.cazulodesigners.pt

Por isso, surgiu a ideia de criar a 1ª revista portuguesa sobre LEGO®. Através de alguns conhecimentos editoriais e com a ajuda de outros fãs e uma comunidade empenhada em divulgar o hobby, os conteúdos foram aparecendo naturalmente. Foi preciso definir alguns aspectos fundamentais para garantir uma publicação com qualidade e com material suficiente para garantir futuras edições da MOLA Brick Magazine.

Projecto Gráfico: Luís Vedorias luisvedorias@gmail.com Colaboradores: Tito Nobre, Ricardo Prates (Biczzz), Romão Santos, abgc Architects, Luís Reis, Claudia Pombinho, Ana Arbués Moreira, Jorge Reis, Gil Porto, Filipa Pais, Pedro Gomes, Luís Vaz e Maria José Batista. Agradecimentos: Comunidade 0937, Plug, abgc Architects, Ilha dos Piratas, U-Plasma, Eskilo Creative, Revisão: Filipa Pais - filipaporto@gmail.com Contactos: www.molamagazine.com molamag@gmail.com

FOTO CAPA

O projecto editorial requer uma pesquisa regular na procura do que de melhor se faz em LEGO® a nível nacional e internacional, procurando juntar na revista conteúdos de interesse geral na procura de novos fãs. Encontrar um cunho próprio, um grafismo actual e apelativo com uma forte identidade foi essencial para promover uma ligação com os nossos leitores e colaboradores. Iremos privilegiar a criação, a imaginação e a partilha de conhecimentos. Vamos estar atentos aos melhores e mais inovadores Afols (Adultos Fãs Of Lego®) nacionais e estrangeiros. Teremos notícias, entrevistas, críticas, novidades e muito mais, mas também iremos mostrar aos muitos curiosos e público em geral, um mundo feito de tijolos coloridos com os quais é possível fazer de tudo. Procuraremos fazer uma revista inovadora, fiável na documentação apresentada e fiel aos nossos leitores, com especial atenção à criatividade dos nossos colaboradores. O nosso objectivo é informar, divulgar e prestigiar os tijolos de plástico que há mais de 50 anos divertem e cativam famílias inteiras, gerações após gerações em todo o mundo. A Mola vai ser encarada como uma plataforma, onde os mais dedicados poderão dar opiniões, divulgar ideias, propor iniciativas e colaborar com críticas e sugestões, para melhorar a revista que é um projecto aberto a todos e em constante evolução, por isso, venham daí construir e dar vida a este projecto.

ESTATUTO EDITORIAL A Mola é uma publicação destinada ao grande público, activo, dinâmico e em especial aos adultos fãs de LEGO®. Assume-se como um revista dedicada ao LEGO®. A Mola tem como objectivo principal divulgar, promover e mostrar o potencial deste brinquedo. Este projecto editorial procura sempre de forma isenta o direito à informação, ao apresentar aos leitores o melhor das construções LEGO®. A Mola assume perante os seus leitores uma responsabilidade de total independência que presta especial atenção à intervenção e esforços na captação de ideias novas dos seus colaboradores, quer na revista, quer na internet através do website.

Ricardo Prates Biczzz

A Mola é uma revista periódica de informação temática orientada por critérios claros, sem qualquer dependência de ordem ideológica, política ou económica. A Mola alia uma forte componente temática e criativa abrangendo uma atitude pedagógica e didáctica, no sentido de fomentar e estabelecer uma comunicação de excepção com os leitores. A Mola é um espaço de encontro onde o LEGO® é o principal veículo de comunicação e motor deste movimento criativo e original em Portugal.

www.molamagazine.com




ÍNDICE | INDEX

Milhões de Peças 64 páginas 06

História \\ LEGO Memories

08

Comunidade \\ LUG

10

Perfil \\ AFOL Profile

12

Tijolos à lupa \\ Set Review

16

Exposição \\ Exhibition

Museu do Brinquedo - Sintra, Portugal

20

Entrevista \\ Interview

24

Vida às Peças \\ Bricks in Life

26

Espaço Criança \\ 4Kids

28

Exposição \\ Exhibition

32

Marcas de Culto \\ Brands

34

Portfólio \\ Arquitects

Tijolo de encaixe LEGO

Comunidade 0937 - LUG Português

Construtor: Ricardo Prates (Biczzz)

#10184 \ #10193 \ #10210

Os Primórdios do Brinquedo do Século XX

Romão Santos

Ilha dos Piratas - Luís Reis

LEGO Education

BRInCKa 2010 - Lourinhã, Portugal

www.molamagazine.com

abgc arquitects

www.molamagazine.com

38

Peça à Peça \\ MOCs Obras Primas 2009 - Comunidade 0937

52

Peças Soltas \\ Letters Cláudia Pombinho - artigo de opinião

54

Billund \\ Travel Momentos Mágicos

58

Glossário \\ Glossary Termos Técnicos - Wikipédia

62

Notícias \\ News Próxima Edição \\ Next Issue

A Ameaça Fantasma ...




www.molamagazine.com




HISTÓRIA | LEGO MEMORIES

História de sucesso

TIJOLO DE ENCAIXE LEGO

®

Dos primórdios do brinquedo até à actualidade do Grupo LEGO Billund, dinamarca Para começar esta secção da revista, vou contar muito sucintamente a história da LEGO e de Ole Kirk Christiansen nascido na cidade de Filskov na Dinamarca, como o décimo-terceiro filho de uma família de agricultores na Jutllândia que mais tarde tornou-se o criador do sistema LEGO®. O conceito deste sistema baseia-se em partes que se encaixam permitindo inúmeras combinações. Aos 6 anos Ole Kirk começa por esculpir pedaços de madeira com um canivete e assim desenvolve uma aptidão que será determinante no seu futuro. Tendo aprendido o ofício de carpinteiro com o seu irmão, em 1916 após alguns anos emigrado na Alemanha e Noruega, regressa à Dinamarca, casa e adquire uma pequena empresa em Billund, a “Billund Woodworking and Carpenter’s Shop”. Em 1924 as instalações da empresa foram destruídas por um incêndio com origem em algumas pranchas de madeira estocadas. Ole Kirk construiu instalações mais amplas, alugou a maior parte do espaço e utilizou o restante como oficina. Em 1932 começou a fabricar utensílios e brinquedos de madeira, para sobreviver à Grande Depressão, constituindo em 1934 com apenas 6 funcionários a LEGO (uma junção das palavras “Leg Godt” que em dinamarquês significam “brincar bem”). O seu lema empresarial, na década de 1930, era: “Only the best is good enough” (apenas o melhor é suficientemente bom) Entre 1934 e 1942 a empresa tem já 40 funcionários e produz vários modelos de brinquedos de madeira, entre os quais animais,

1934

Com o aparecimento do plástico no fabrico de objectos do quotidiano, pai e filho adquirem tijolos de plástico da Kiddicraft e posteriormente começam a produzi-los em acetato de celulose com botões redondos no topo e fundo rectangular vazado, o que permite a sua permanente junção. Desta forma a LEGO® torna-se a primeira empresa na Dinamarca a comprar uma máquina de modelos de injecção para a produção de brinquedos. É em 1949, que são lançados no mercado, após diversas experiências os primeiros tijolos de plástico da marca, os “Automatic Binding Bricks”. Para Ole Christiansen os anos 50 representam o início da expansão através de um crescimento sustentado, construindo uma nova fábrica onde começa a produzir as primeiras peças híbridas em que o plástico se mistura com a madeira. Surge também o primeiro filme sobre a LEGO®. Em 1954 a marca LEGO® é finalmente registada e é numa feira de brinquedos que Ole decide avançar com uma ideia revolucionária que permite criar um sistema de jogo para

várias faixas etárias. Assim começa a desenvolver e projectar um brinquedo universal com os seguintes requisitos: diversão ilimitada; estimulação da imaginação, criatividade, desenvolvimento das crianças com segurança e qualidade. No ano seguinte é lançado o primeiro conjunto “Town Plan” do novo produto “LEGO System of Play”. A partir desta altura os edifícios, veículos e peças são vendidos avulso e em pequenas caixas de cartão. No ano de 1958 Ole Kirk morre e na mesma altura o brinquedo torna-se o mais popular na Europa Ocidental. Os brinquedos começam a ser produzidos pela empresa Billofix, numa altura em que a empresa emprega 400 funcionários e a LEGO® lança pela primeira vez um livro intitulado “Idea Book”. As vendas disparam e ultrapassam continentes e a LEGO® começa a estabelecer-se na Austrália. Na década de 60, os tijolos passam a ser comercializados em embalagens com forma de tubo. O acetato de celulose dá lugar ao ABS (sigla para: Acrilonitrilo-butadieno-estireno) plástico no qual são ainda hoje produzidas as peças LEGO®. Em 1964 surgem os primeiros manuais de instruções para a montagem dos brinquedos. É também no mesmo ano que a marca passa a ter um logotipo quadrado com fundo vermelho e com inscrição LEGO System. Pouco tempo depois, é lançado um primeiro circuito ferroviário com motor de 4,5V e abre em 1968 em Billund, o primeiro parque temático LEGOLAND.

1946 1936

www.molamagazine.com

tractores, barcos, e ferros de engomar. Em 1937 Godtfred Kirk Christiansen, filho mais velho de Ole Christiansen inicia a sua actividade na oficina aos 17 anos. Os brinquedos representam metade da produção da empresa e nesta década a empresa começa a exportar para outros países como a Suécia. Na altura a empresa produz em simultâneo mobiliário para poder sustentar e conseguir garantir lucros.

1954 1953


HISTÓRIA | LEGO MEMORIES



“ Em 1978 nasce o “Minifig” mini figura com membros articulados e rosto sorridente.” A empresa emprega agora perto de 1000 empregados (1970), e é nesta altura aparecem os primeiros conjuntos para meninas que incluem casas de bonecas e o respectivo mobiliário. A marca estabelece-se em Portugal em 1973 e a partir desta altura a empresa passa a criar outros produtos para públicos mais velhos atavés de conjuntos como a gama Technic. Em 1978 nasce o “Minifig”, que mais não é que uma mini figura com membros articulados e rosto sorridente. São colocados à venda novos conjuntos como o Castle, Space, Scala, Duplo, Kjeld Kirk Christiansen substitui o pai na presidência do grupo no final da década. Os anos 80 foram marcados pelo investimento na educação, surgem novos departamentos ligados à criação ao marketing e ao design. A nova geração de comboios entra no mercado e são lançados novos produtos como o conjunto “Light and Sounds” (luz e som) e a gama Pirats chega às lojas em 1989. Com a década de 90, os computadores iniciam outra era revolucionária, à qual a LEGO® não foi indiferente o final do século XX, produz novos conjuntos licenciados como Star Wars, Spider Man, Harry Potter, Jurassic Park e acompanha assim a evolução dos tempos e entra no Guiness com a construção de um castelo com 400.000 peças e uma ferrovia com 545 metros de extensão. Em 1998 a marca LEGO® reformula o logotipo do grupo, aperfeiçoando assim a imagem do anterior símbolo da marca. No ano 2000, a Associação Britânica Toy Retailers distingue o tijolo LEGO® como

o “Brinquedo do Século” e no mesmo ano são lançados para o mercado novos produtos, tais como: LEGO Bionicle, Bob o construtor, Jack Stone, Alpha Team entre outros. O grupo LEGO, é no século XXI uma empresa que se encontra em mais de 140 países, com mais de 10.000 funcionários. A revolução róbotica chega na mesma altura através da LEGO Mindstorms, um passo importante para o sistema robotizado da LEGO® dar os primeiros passos junto do grande público. Em 2002 um novo parque temático LEGOLAND abre na Europa, mais precisamente em Gunzburg, na Alemanha. No ano seguinte, sai a primeira longa metragem CGI LEGO filme Bionicle. Em 2004 é lançada a primeira versão do programa chamado LDD – LEGO Digital Designer que pode ser descarregado gratuitamente do site da LEGO® e que possibilita aos seus utilizadores criar as suas próprias ideias com tijolos virtuais. Até ao ano de 2007, houve mais algumas novidades como a linha de comboios (RC) com controle remoto, mas também é interrompido o famoso sistema de propulsão de comboios LEGO 9V. A 28 de Janeiro de 2008, a LEGO® celebrou o cinquentenário da patente dos seus blocos interligados. O LEGO Mindstorms comemora então 10 anos e a Minifig festeja o 30º aniversário e é lançado um novo sistema de motorização: Power Functions.

1956 1955

Em 2010 a marca LEGO® continua a surpreender e a focar os seus recursos na melhoria do seu brinquedo, que ainda hoje faz as delícias de crianças e é motivo de interesse dos pais, educadores, terapeutas e fãs por este mundo fora. É uma marca que conseguiu com os seus produtos cativar as pessoas através das funções lúdicas e pedagógicas e conseguiu atingir um gau de qualidade que lhe permite hoje e nos próximos anos aperfeiçoar e inovar em áreas como a arte, a robótica e a exploração espacial.

1964 1959

1998 1973

www.molamagazine.com




COMUNIDADE | Lug

Texto | Comunidade 0937

Comunidade 0937

Lug português Desde 2006

A Comunidade 0937 nasceu a partir da iniciativa de um pequeno grupo de pessoas que partilhavam, entre outras coisas, uma enorme e entusiasta paixão por LEGO e que sentiam necessidade de ter o seu próprio espaço, ao seu jeito, sem falsas pretensões ou interesses secundários. O principal objectivo da comunidade é fomentar o interesse sobre o hobby, oferecendo para isso uma plataforma de comunicação - o seu fórum - através do qual se pretende promover a discussão de novidades, técnicas e ideias de construção e tudo o mais que esteja relacionado com aquilo que julgavam ser, muito mais do que um brinquedo. Esta comunidade de utilizadores de LEGO tem vindo a crescer na organização de eventos e encontros, estando sempre aberta a novas propostas e sugestões. Em 2008 e 2009, coorganizou os mega-eventos “TOMARLEGO”, tendo a segunda edição recebido mais de 22 mil visitantes. Em 2010, “Arte em Peças LEGO(r) Fan Event” é o verdadeiro sucessor ao maior evento LEGO em Portugal, estando a ser preparado em colaboração com a CM de Paredes de Coura para o próximo mês de Junho. Ao longo do ano, vão surgindo outros convites e oportunidades para pequenas mostras ou exposições, que são avaliados e se concretizam consoante a disponibilidade dos membros. Enquanto LUG, temos ainda alguns objectivos para cumprir a médio-longo prazo, como a consolidação de eventos relacionados com o hobby em Portugal, dando-lhes dimensão e apelo internacional. Pretendemos estimular e motivar cada vez mais os membros para que promovam também a título individual actividades que contribuam para a promoção deste hobby em Portugal. O reconhecimento da importância e valor de eventos internacionais leva-nos a procurar sempre incentivar a participação dos nossos membros nesses mesmo eventos, quer em delegação comunitária, quer com apoio do grupo. A promoção de

Website / comunidade0937.com Portfólio / portefolio0937.blogspot.com Lego Fan Event / arteempecas.com

www.molamagazine.com

actividades de elevado valor para fãs, em contexto de grupo, é também um dos nossos principais objectivos. A Comunidade promove ainda a manutenção online de algumas ferramentas auxiliares do Hobby, nomeadamente a wiki0937 e o mapa0937. Estas destinam-se a facilitar a integração dos novos membros, proporcionando-lhes assim no início uma forma eficaz de esclarecer em português dúvidas mais comuns assim como saber quais os membros mais próximos. Apesar da Comunidade ser baseada no ciberespaço, estimulamos a criação de núcleos de proximidade como uma das formas mais eficazes de promoção do hobby, já que permitem um contacto mais intenso e regular do que seria possível apenas com encontros nacionais. A vertente social deste hobby é por isso de grande importância para todos nós, que valorizamos cada vez mais os vários encontros que vão ocorrendo, nos quais é possível conviver, falar cara-a-cara, dar as boas-vindas mais calorosas a novos membros e preparar exposições, futuros eventos, novos desafios... Acima de tudo, pretende-se gerar um movimento criativo, dinâmico e agradável, onde há lugar garantido para todos aqueles que vêm por bem, assim como para as suas famílias.

“O principal objectivo da comunidade é fomentar o interesse sobre o hobby”


Cartaz | Comunidade 0937

COMUNIDADE | Lug



www.molamagazine.com


10

perfil | afol profile

Texto | Ricardo Prates

Biczzz Construtor Ricardo Prates Comunidade 0937

Olá, o meu nome é Ricardo Prates e tenho 26 anos. No mundo AFOL sou conhecido pelo nickname Biczzz. Sou um construtor de MOCs, o que significa que as minhas construções são modelos originais criados a partir da minha imaginação ou a partir de objectos que encontramos no nosso dia-a-dia. O LEGO é o meu passatempo preferido desde sempre. Já não me lembro do meu primeiro conjunto que me deve ter sido oferecido quando tinha cerca de 3 anos. Mas lembro-me de uma coisa, nunca me dediquei a seguir instruções. Desde cedo misturava as peças dos meus poucos conjuntos e criava os mais variados MOCs, principalmente carros, uma tendência que até hoje ainda se mantém. Em 1994 recebi o meu primeiro conjunto Technic, o conjunto universal 8042 que incluía rodas, direcção para os carros e uns fantásticos actuadores pneumáticos, uma das funções que mais aprecio nos conjuntos LEGO. Mais tarde nesse ano recebi, como prenda de aniversário uma carrinha de rally, o 5550. Esse foi o conjunto que viria a definir o meu estilo de construção. Pertencia ao tema Model Team, um tema diferente de todos os outros, constituído por veículos em grande escala com detalhadas carroçarias e elementos TECHNIC por baixo. Nesse tempo, os meus MOCs eram inspirados pelos catálogos da LEGO. Foram a minha grande fonte de inspiração até conseguir o meu primeiro computador com acesso à Internet. A partir daí, comecei a ter contacto com os trabalhos de outros construtores, a aprender novas técnicas e a ter como inspiração as milhares de fotos que se encontram espalhadas por vários sites. Mas a grande mudança aconteceu quando entrei para a Comunidade 0937. Na altura foi o primeiro fórum de acesso livre sobre LEGO em português. Entre outras discussões, dou particular importância ao espaço onde

se discutem os MOCs. Nesse espaço há um ambiente de crítica construtiva que, acredito que terá ajudado muitos de nós a melhorar os nossos trabalhos e a conseguir cada vez mais destaque a nível nacional e internacional. Actualmente sou conhecido como um construtor de carros, camiões e outro veículos “sobre rodas” e em grande escala, sempre inspirado pelo tema Model Team. Gosto particularmente dos conhecidos Hot Rods, um tipo de carro muito famoso nos Estados Unidos da América. Têm carroçarias baseadas em modelos antigos, como por exemplo o Ford T, mas com uma construção moderna e potentes motores V8. Este tipo de carro é tão variado e tão cheio de potencialidades que se torna numa fonte de inspiração ideal para MOCs. O meu MOC mais famoso é um Hot Rod amarelo com várias funções, tais como um motor V8 funcional, direcção e suspensão. Claro que também me aventuro noutro tipo de construções. No passado construí alguns edifícios para entrar em concursos, carros em mini-escala, aeronaves e veículos espaciais. Apesar de me sentir confortável a construir carros, é sempre um agradável exercício explorar outros temas de construção. Tento criar as formas mais suáveis possíveis, muitas vezes escondendo os pinos que definem as famosas peças de plástico. Utilizo ao máximo as peças curvas e técnicas SNOT, que consistem em colocar as peças nas mais variadas orientações de modo a criar o efeito desejado. O objectivo é criar algo que

se aproxime cada vez mais ao modelismo, mas sem deixar de ser LEGO. Gosto de dar atenção aos pequenos detalhes, de explorar as potencialidades de cada peça e de tentar ser o mais original possível. As minhas construções não são simples objectos de exposição. A resistência é para mim muito importante pois não gosto que os meus MOCs sejam estáticos. São carros e aviões e devem poder rodar sobre uma mesa e voar nas nossas mãos sem se desmancharem. Não há nada melhor que poder “brincar” com algo que acabámos de construir.

“O objectivo é criar algo que se aproxime cada vez mais ao modelismo, mas sem deixar de ser LEGO”

Contacto / biczzz@netscape.net Website / biczzz.blogspot.com Lego Fan Event / arteempecas.com

www.molamagazine.com


Fotografias | Ricardo Prates

perfil | afol profile

11

www.molamagazine.com


12

Tijolos a lupa | Set reviews

www.molamagazine.com


Tijolos a lupa | Set review

13

“Confesso que há muito que não tinha tanto prazer ao construir um set.”

Town Plan Review set #10184 Por Tania baixinho

Referência: 10184 Nome: Town Plan Tema: LEGOFactory - Edição comemorativa 50º aniversário do Brick Ano de Edição: 2008 Número de Peças: 1981 Preço LEGO®: 149,95€ Preço por peça: 0,075€ Instruções: 2 Livros A4 com 75 pág. cada Autocolantes: Sim Minifigs: 8 Modelos alternativos: Não. Mas que dá vontade de fazer uns belos MODs, dá! Lista de peças: Sim

As peças Pouco mais de sete cêntimos por peça faz com que este set se torne bem apetecível para os AFOLs. A variedade de peças é uma mais valia incontestável. A quantidade das ditas peças é também muito apreciável e ficamos assim bem abastecidos de algumas delas. Gostei de ver muitas Brackets, bricks 1X1 Headlight e vegetação, entre outros. Sem falar dos bricks 1X1 e 1X2 que vem em grandes quantidades e em cores que muito me agradam. Considero que o conjunto de peças oferecido neste set é bastante útil e facilmente utilizável em MOCs. De salientar que não encontrei qualquer variação de cor na grande maioria das peças, excepto algumas com um acabamento imperfeito, como as plates 1X2 DarkRed e as Plate 1X2 with Stud. No local de separação da peça do molde ficou uma pequena marca com uma cor um pouco mais clara. Usadas em mosaicos até podem fazer um efeito engraçado. Neste caso específico essas peças ficam escondidas por outras, não fosse isso, atribuía pontuação máxima, sem qualquer dúvida.

A construção 34 sacos de peças numerados divididos por quatro fases de construção. Isto permite, sem grandes confusões de desarrumação, construir por fases e fazer render o prazer. Óptimo para construções familiares! As instruções estão bem feitas, sem erros e bastante claras. Mesmo mantendo um estilo tradicional com a abertura nas traseiras, todo o resto da construção demonstra nitidamente uma grande evolução (muito ao estilo dos edifícios modulares que tem sido lançados). Os edifícios não são tão abertos e “ventosos”, são claramente mais completos e até mais complexos nas técnicas de construção utilizadas. Este set é um bom repositório de técnicas – são mais de 20 diferentes! As técnicas e soluções apresentadas são muito úteis e estão prontinhas para servirem de inspiração para os nossos MOCs. Soluções elegantes como a bilheteira do cinema, as bombas de combustível, o painel de anúncios do cinema, o camião de abastecimento, etc. Passo a passo vemos crescer os edifícios mas não é um mero levantar de paredes. Por exemplo cada prédio tem um tipo de entrada diferente, a montra da estação de serviço está perfeita e a arquitectura do cinema e do Town Hall está esteticamente perfeita. São tantos os detalhes preciosos deste set que se torna difícil comentar todos mas posso dizer que a sala de projecção de filmes está bem apanhada sendo que nada falta, está lá tudo num espaço muito reduzido mas ainda assim gracioso. O balcão das pipocas é um mimo também. Os autocolantes animam o set não tenho dúvidas mas como o set vai para peças resolvi não aplicar. A construção é tão boa que me esqueci muitas de vezes de pegar na máquina para tirar fotos ao detalhes.

O desenho Tudo me encanta. Talvez a última das minhas preferências vá para a estação de serviço e para a fonte. Se bem que no geral o conjunto é esteticamente bastante harmonioso. Nota-se o grande cuidado dedicado aos pormenores, como as grandes plantas dentro do Town Hall, são simples mas muito eficazes. O balcão da estação de serviço é outro exemplo. Jogabilidade Nota máxima! As construções são bastante sólidas permitindo às mãos mais pequeninas um vai e vem de brincadeiras engraçadas mantendo as estruturas intactas. Ainda mais porque neste set encontramos claramente referências para as meninas e para os meninos. São três edifícios com interiores, dois veículos, as bombas de combustível e a fonte, é preciso acrescentar mais algum argumento? Não me parece Outros Sobram à volta de 40 peças, sendo que 24 são as Plate 1X2 with Stud em DKStone. Veio um saquito com essas 24 mas que não são usadas, são bónus! As restantes vão de tiles 1X1 a plates 1X1 round, entre outras. Conclusão Um set definitivamente elegante, nostálgico e até romântico com o parzinho de noivos. Confesso que há muito que não tinha tanto prazer ao construir um set.Tudo nele revela atenção e cuidado. É notoriamente um set dedicado a AFOLs, o que também me deixa feliz. As peças são muitas e boas para grande maioria dos AFOLs e não excessivamente caras. Um bom set para adquirir experiência em técnicas e partir para outros voos. Ideias também não faltam para fazer uns MODs. Enfim, um set a ter.

www.molamagazine.com


14

Tijolos a lupa | Set review

“Um set definitivamente muito interessante.”

Medieval Market Village Referência: 10193 Nome: Medieval Market Village Tema: Castelo Ano de Edição: 2009 (oficialmente) Número de Peças: 1601 Preço LEGO®: 99.95€ Preço por peça: 0.06€ Dados de compra: S@H, Dezembro de 2008 Instruções: 2 livros A4 Autocolantes: Uma folha Minifigs: 8 Modelos alternativos: Não Lista de peças: Sim

As peças Optei por uma classificação alta pela introdução de várias peças, das quais destaco as vacas castanhas e as “lunetas” em castanho-escuro. Abundam plates 1x1, mas também as há grandes. Há minifigs femininos e uma criança. Há frutas, plantas, animais – e relativamente baratos. Em suma, há de tudo um pouco. O único senão é alguma inadequação cromática ao set em alguns casos, por exemplo a profusão de Pearl-Light-Gold; mas se analisarmos as peças isoladamente, a classificação é, sem dúvida, muito alta. A construção A construção pareceu-me bastante simples. Há alguns elementos um bocado instáveis (a árvore, por exemplo, que beneficiaria duma base), mas de forma geral fica tudo “firme” no final da construção. O desenho Outro ponto muito forte deste set é o seu desenho. Por uma vez, deu-se ênfase ao aswww.molamagazine.com

pecto não-militar do ambiente medieval, e conseguiu captar-se eficazmente o colorido de uma pequena feira. Friso, pequena: há apenas uma banca de venda! Destaco ainda os três ambientes interiores que se criaram: a oficina do ferreiro (com o mecanismo do martelo), o quarto (com uma cama muito bonita) e o fogão. Nota-se que estes pormenores foram criados em separado face ao modelo principal, embora estivesse previsto desde o início que algo iria para aquelas posições. A mobília tem alguns aspectos fabulosos - o banquinho acolchoado do toucador é talvez o meu favorito na sua simplicidade SNOT. Jogabilidade A inclusão dos 8 minifigs bem diferentes cria uma dinâmica enorme! Podemos imaginar negócios, algo que corre mal, alguma confusão, os soldados a intervir... muito espaço para a imaginação. A roda d’água introduz partes móveis no set, tal como a carroça – o primeiro veículo medieval não-militar desde 1991. Os mecanismos de abertura das casas são simples, e permitem tanto uma brincadeira voltada para o exterior como outra voltada para o interior. Há espaço público e privado – isto pode parecer uma baboseira, mas pensem bem: é ou não importante para as crianças saber diferenciar os ambientes? Outros A box-art é, numa palavra, genial! Os sets de Castelo presentes em catálogo já tinham imagens muito apelativas, mas esta leva a palma e quiçá, mereça mesmo um prémio. A sério – muita cor, muita animação, nada de modelos solitários em cenário tristonho. O nome de registo no Brickset está errado, bem como a imagem: apenas são visíveis 7 das 8 minifigs. Um aparte: o Duarte estava fascinado a ver-me

Review set #10193 Por El Gordo

montar o set, portanto tive de o pôr ao colo para ele ver melhor. E não é que o garoto começa a empilhar os plates 1x1 onde eu lhe disse? Conclusão Um set definitivamente muito interessante. O seu PPP leva-me a recomendá-lo como fonte de peças (e não apenas para MOCs medievais). A riqueza do próprio set leva-me a sugerir que se use para valorizar os demais sets de Castelo, criando uma pequena vila no interior e usando-o como inspiração para mais MOCs.


Tijolos a lupa | Set review

15

“...o navio contém vários níveis com muita potencialidade de jogo.”

Imperial Flagship Review set #10210 Por Luis Baixinho

Referência: 10210 Nome: Imperial Flagship Tema: Pirates(?) Ano de Edição: 2010 Número de Peças: 1664 Preço LEGO®: 144,95€ Preço por peça: 8,7 cêntimos Dados de compra: MiniÂncora, Abril de 2010 Instruções: 2 livros A4 com 72 e 84 páginas Autocolantes: Não Minifigs: 9 Modelos alternativos: Não Lista de peças: Sim

As peças Pode-se considerar bom os 8,7 cêntimos de PPP para um produto que não é um set básico e que, ainda por cima tem algumas peças raras e incomuns. Claro que algumas peças de utilidade duvidosa têm uma presença grande. Por exemplo, as plates round 1x1 douradas (4073) têm 76 unidades e a 6538c tem 91 unidades. Mas a segunda é completamente essencial para o navio e até apresenta uma nova solução para fazer os mastros. Por isso nem considero essas grandes quantidades um pormenor demasiado negativo. Mas a maior parte das peças são bem fáceis de utilizar neste tema ou até mesmo em outras situações. Há que destacar também a variedade de cores e acessórios para os minifigs. A construção Não cronometrei, mas devo ter levado entre 3 e 4 horas para construir o navio. As saquetas não são numeradas, logo o processo de procura leva algum tempo. As instruções tem algumas peculariedades. Por exemplo, os

technic pins pretos são mesmo pretos nas instruções, enquanto as outras peças são de um cinzento muito escuro. Isso traz alguma confusão no início, visto haverem muitas peças onde procurar. Outro pormenor é que as velas nunca são enunciadas na caixa com as peças necessárias para um determinado passo. No entanto, a construção é agradável exceptuando alguns passos monótonos por se colocarem várias peças iguais. Apesar de utilizar algumas técnicas invulgares de construção, o processo é relativamente simples e a idade aconselhada terá mais que ver com o tamanho do navio que com a sua complexidade. O desenho A primeira impressão é de uma embarcação soberba não só pelo tamanho mas também pelo aspecto geral. Existem vários pormenores em que fiquei bastante agradado. A porta da cela ser construída com recurso a peças bem vulgares e no entanto ter ficado muito bem; o recurso a uma técnica bem incomum para fazer as zonas laterais da proa; os mastros tem, pessoalmente, a melhor solução utilizada em todos os barcos que a LEGO fez; a forma de acesso aos vários níveis, os pormenores dos interiores e por fim o espaço que existe nos vários níveis que possibilitam várias brincadeiras. No entanto também questiono alguns pormenores: a escolha de determinadas cores para certos locais; a inexistência de pelo menos um bote; arcos 1x3 a fazer de amurada, (teria perferido outra solução); ausência de marinheiros (que pode ser compreendida pela quantidade de minifigs e também porque poderia confundir por se parecerem com os piratas). Mas mesmo assim, a construção é esteticamente muito bonita e quase que arrisco dizer, a mais bem conseguida pela LEGO dentro do género.

Jogabilidade Apesar da fraca representação de uma das facções (limita-se a um pirata aprisionado) o navio contém vários níveis com muita potencialidade de jogo. Além disso serve perfeitamente como “inimigo” dos vários navios pirata que a LEGO vem lançando nas últimas décadas e que nunca tiveram oposição digna de nota Conclusão A imponência deste set, a sua estética, as peças, a jogabilidade. São tudo pontos a favor. Os contra limitam-se basicamente a pormenores compreensíveis pelo facto de ser um set e como todos sabem, existirem várias limitações aos LEGO Designers na altura de os desenhar. O ter sido editado num ano sem outras novidades no tema quase que o transforma num set-tema. Essencial para quem gosta do tema piratas, essencial para quem gosta de barcos, essencial para quem gosta de LEGO Só não dou 10 em 10 mesmo por causa dos pequenos pormenores.

www.molamagazine.com


16

Exposição | exHibition

Texto | Luís Vedorias

Os Primórdios do Brinquedo do século XX

Museu do brinquedo | Toy Museum Sintra - Portugal No Museu do Brinquedo em Sintra, esteve patente uma exposição para muídos e graúdos, onde todos os visitantes poderam revisitar os tijolos coloridos da sua infância e os primórdios do brinquedo da LEGO®. Foi de facto uma viagem no tempo, na qual tivemos oportunidade de descobrir os primeiros brinquedos que a LEGO® criou nos anos 30, que eram feitos de madeira pintada e metal, que aos poucos evoluiram para atingirem no final dos anos 50 os tijolos coloridos de plástico que conhecemos hoje. A evolução deste objecto-brinquedo permaneceu forte ao longo dos anos, porque a LEGO® soube inovar e aplicar às peças um conceito de junção, que permitiu assim desenvolver um brinquedo capaz de se transformar num sistema de jogo, com o qual ainda hoje podemos juntar peças produzidas há várias décadas. O poder de junção é tal, que se experimentar, basta juntar um tijolo Duplo (por exemplo do seu filho) e encaixar nele uma peça comum irá constatar que eles encaixam perfeitamente um no outro. Esta experiência é de facto um estímulo muito grande para quem mexe com estes tijolos e para quem os desenvolveu.

www.molamagazine.com

Esta exposição esteve a cargo de vários coleccionadores em parceria com a Câmara Municipal de Tomar. Nesta apresentação ao público foram exibidos brinquedos produzidos entre 1934 e 1978 e ainda foi possivel ver uma uma catedral Gótica ,obra notável criada por Romão Santos com 82.000 peças. Esta iniciativa antecede um grande evento em Tomar dedicado ao hobby LEGO®, inserido na programação cultural 2009/2011. A exposição foi realizada entre o dia 31 de Janeiro de 2010 e permaneceu aberta ao público até ao dia 2 de Maio do mesmo ano. Representou um espaço de partilha inédito e inesquecível entre coleccionadores e o público em geral.

Carregue os canhões, e... fogo!

“A evolução deste objecto-brinquedo permaneceu forte ao longo dos anos”


Fotografias | Luís Vedorias

exposição | exhibition

17

www.molamagazine.com


18

Exposição | exHibition

www.molamagazine.com


exposição | exhibition

19

www.molamagazine.com


20

entrevista | interview

Texto | Américo Verde

Romão Santos Adult fan of LEGO

®

autor: Américo verde Blog: www.maodeabs.com Romão Santos é o construtor desta “coisa” fantástica. Construída com mais de 82 mil peças , esta obra de arte esteve presente no 2º TOMARLEGO, como um dos trunfos deste evento promovido pela Câmara Municipal de Tomar e co-organizado com a Comunidade 0937. Romão Santos é um dos meus construtores preferidos. Porquê? Bem, não é difícil chegar lá. Este MOC de grande qualidade mostra que nem sempre construir em grande número é o mais importante, podemos construir um MOC até chegar ao desejado. - Romão, és AFOL há quanto tempo? Desde que fiz 18 anos Nunca abandonei as construções LEGO®, nem tive uma Dark Age - Quais são os teus temas preferidos? Castelo e Piratas. Não tanto pelos sets em si (embora alguns sejam clássicos absolutos), mas mais pelas potencialidades dos universos. - A catedral de S. Macário é a tua grande obra. Queres falar sobre ela? Tempo de construção, tipo de peças, técnicas , duração,etc? A Catedral é o culminar de uma paixão já com décadas por arquitectura gótica. Passei tanto tempo a ler sobre o assunto, que não consegui evitar construir algo nessa linha. Começou de forma bem menos ambiciosa, sendo que seria apenas uma pequena capela numa cidade pirata. Mas a capela foi crescendo, crescendo e crescendo e a cidade teve que dar lugar à Catedral. É curioso que quase que evoluiu como uma catedral real: uma igreja primitiva é demolida, sendo construída em seu lugar uma igreja ainda maior, que por sua vez é também demolida sendo sucedida por uma catedral ainda maior. Por isso não foi um projecto planeado de raiz. A catedral foi crescendo ao longo dos 3 anos que levou a construir. Em relação ao tipo de peças, são praticamente todas peças comuns, e na sua grande maioria em old light gray (que encareceu bastante todo o projecto), havendo todavia um número incomparavelmente maior de plates do que de bricks. Não creio que a catedral possua técnicas de construção particularmente complexas ou originais, mas o óctogono e coruchéu das duas torres da fachada foram aspectos muito trabalhosos de obter satisfatoriamente a esta escala. São secções relativamente frágeis (o Marcos e o Ivan que o digam), com muita peça technic e também com muita peça system mal encaixada. Mas lá ficou mais ou menos com a forma pretendida.

www.molamagazine.com

- Eu sei que tens outros MOC´s que as pessoas às vezes não dão tanta importância. Tu tens moc´s baseados no Monkey Island. Queres falar sobre esse projecto ? Foi o primeiro projecto que iniciei em escala maior e é um projecto que espero retomar muito em breve. Adoro Monkey Island, considero ser a melhor série de jogos de todos os tempos e estou decidido a fazer uma réplica total de Melée Island como vista no 1º jogo. A capela que acabou por dar lugar à Catedral fazia precisamente parte do meu primeiro “rascunho” de Melée Island. - Dentro do teu estilo de construção, quem são os teus AFOL´s favoritos? Há um construtor que admiro particularmente e com quem, fruto de termos adoptado temáticas de construção semelhantes, tenho trocado inúmera correspondência e creio poder agora considerá-lo um amigo. Chama-se Bikics Milán, é hungaro, e criou uma cidade medieval fictícia chamada Szt Mirton. Todo o trabalho está fantástico, mas a catedral em particular é impressionante. O Bikics Milán é uma pessoa extremamente culta e é impressionante o pensamento e reflexão que ele coloca em cada decisão estética ou de design. São construções vivas, com toda uma miríade de acontecimentos históricos hipotéticos na sua génese. É mesmo muito interessante. - No meio disto tudo aventuraste-te 6 meses a trabalhar no Call Center da LEGO no Reino Unido. Conta-me como correu esta aventura? Foi uma loucura:) Além de trabalhar todo o dia rodeado de peças LEGO®, de estar numa empresa que trata os seus funcionários de uma forma extraordinária, estive rodeado de pessoas maravilhosas. Eles, mais do que qualquer outra coisa (mesmo os descontos de 50% em produtos LEGO®) são o que de mais precioso guardo dessa experiência. - Após participares nos eventos da 0937, podes ajudar a mostrar qual a importância do hobby no meio social em que estamos inseridos. A experiência LEGO® é uma mistura muito peculiar entre aspectos lúdicos e artísticos. E é um tipo de actividade que o público simplesmente não resiste, seja pela nostalgia de ter brincado com LEGO® enquanto criança, seja pelo humor e sorrisos que as construções LEGO®, mesmo as de tom mais sério, são capazes invariavelmente de gerar. O LEGO® pode ser um meio de promoção único de uma série de causas culturais e sociais.

- Aproveito o momento para fazer também alguma publicidade a um projecto que o Romão tomou conta. Neste momento, estás a liderar um projecto chamado Projecto Construir. Eu voluntariei-me de bom grado a este Projecto. Para quem não sabe o que é , podes falar sobre ele resumidamente? A ideia essencial do Projecto Construir é a de proporcionar momentos únicos de lazer e actividade a pessoas institucionalizadas, sobretudo crianças, ao envolvê-las activamente na construção de modelos em grande escala com peças LEGO®. Pretendemos com isto aumentar a auto estima, a auto disciplina, a motivação para o trabalho colaborativo e a concentração, tornando-se uma forma de dinamização dos resultados dos tratamentos, no caso de crianças internadas em estabelecimentos de saúdes, ou na actividade de reinserção social no caso de outras instituições. Estamos prestes a lançar dois grandes projectos de construção de estádios de futebol nos serviços de pediatria do IPO de Lisboa e do IPO do Porto. - Romão , obrigado pelo teu testemunho , a tua mãozada foi muito importante para este blog. Obrigado!

“A experiência LEGO é uma mistura muito peculiar entre aspectos lúdicos e artísticos.”


Fotografias | rom達o santos

entrevista | interview

21

www.molamagazine.com


22

www.molamagazine.com


23

www.molamagazine.com


24

VIDA àS peçaS | bRICKS IN lIFE

Texto e Fotografias | luís vedorias

Ilha dos Piratas Luís Reis

Comércio de brinquedos évora - portugal Durante a sua infância, o que sonhava ser quando fosse grande? Sonhava ser jogador de futebol.

Qual a sua relação com a marca LEGO® e a sua opinião sobre a imagem que esta empresa passa para o exterior? É muito fácil trabalhar com a marca Lego e tenho uma relação muito boa com a mesma. É uma empresa com 50 anos, que continua a ter grande prestígio e é muito conceituada em todo o mundo.

Qual foi a sua formação e/ou profissão e se essa experiência foi-lhe útil para empreender o seu negócio? Após ter concluído o secundário, fui trabalhar para uma fábrica de móveis, na qual o meu pai era sócio. De onde surgiu a ideia deste negócio e porquê? A ideia surgiu de conversas que tive com algumas pessoas próximas, e porque sempre quis ter o meu próprio negócio. Da ideia à implementação da loja, passando pela marca LEGO®, foi um processo difícil? Foi um processo muito burocrático e moroso, principalmente para obter licenciamentos, junto do poder local. Com a marca LEGO®,foi relativamente fácil. Sente-se realizado com o projecto final? Sinto-me bastante confiante e realizado com o projecto.

Considera-se para além de empresário, um fã da marca LEGO? Se sim, desde quando? Sou fascinado pelo LEGO®, principalmente desde que abri a loja. Quais os seus temas favoritos e porquê? Os meus temas favoritos são Creator e Technic. São os mais criativos e multifacetados. Qual a sua opinião sobre os AFOL’S (Adult Fan of LEGO®), e se acha este público alvo importante para si enquanto empresário e revendedor da marca LEGO®? São sem duvida muito importantes, pois tenho bastantes clientes adultos, que mostram muito interesse pelos LEGO®, e que visitam a loja com alguma regularidade.

Pretende aplicar novas ideias e realizar a curto/médio prazo novas alterações na loja? Sem duvida,é esse o meu objectivo,tentar sempre que possivel fazer alterações e inovar o espaço.

Piratas à vista!!!

www.molamagazine.com

“Sinto-me bastante confiante e realizado com o projecto.”


Facebook | ilha dos piratas

vida às peças | BRICKS IN LIFE

25

www.molamagazine.com


26

Espaço criança | 4-Kids

Texto e Fotografia | Luís Vedorias

LEGO Education ®

LEGO® Community Workers set #9247 235 Peças, Idade 4+ Fundada em 1980, a LEGO® Education tem como objectivo incentivar as crianças a usar a sua criatividade e com isso, melhorar o ensino e a aprendizagem. Ajudar as crianças e os alunos ao longo da vida, a encarar o trabalho de equipa como uma vantagem na aquisição de conhecimentos e na procura de soluções para os problemas que surgem nos vários desafios proporcionados pelas actividades escolares é um dos objectivos da LEGO® Education. O uso de tijolos numa primeira fase da vida como a infância e depois ao longo da nossa adolescência, permite não só, uma aventura lúdica, como permite um crescimento mais saudável, divertido e adaptado às necessidades do ser criativo como é o ser humano. Por isso, a LEGO® Education é um óptimo exemplo de cidadania, porque faz deste programa uma proposta pedagógica

www.molamagazine.com

para o desenvolvimento de competências e habilidades das crianças, preparando-as para o futuro e para os desafios e problemas da escola e mais tarde na formação académica de cada aluno. É um projecto à escala mundial que tenta junto das escolas, ajudar nas actividades curriculares e coloca à disposição dos educadores, um conjunto de ferramentas que captam a atenção dos alunos para os incentivar a construir ideias de forma a conseguirem atingir as suas metas. Brincar é um princípio básico ao qual cada criança tem direito e pelo qual todos nós temos que lutar. O caminho para lá chegar passa pela demonstração de resultados deste tipo de iniciativa e promover cada vez mais o uso de metodologias como esta, que conseguem juntar o útil ao agradável.

Aprender a construir com LEGO


27

www.molamagazine.com


28

Exposição | exHibition

Texto | Jorge Reis Fotografias | Luís Vedorias

BRInCKa 2010

Uma Aventura no Mundo LEGO

®

Plug - Associação Portuguesa de Utilizadores de LEGO Lourinhã - Portugal No Pavilhão do Hóquei Club da Lourinhã, entre os dias 3 e 9 de Maio, decorreu a exposição “BRInCKa 2010”, que, tal como a antecessora, em 2009, apresentou ao público muitos exemplos do que se faz e pode fazer com LEGO®. Se é certo que, desde a criação da PLUG, os associados participam em eventos e organizam mesas para expôr, o que diferiu, desta vez, foi a dimensão do evento, o facto da organização operacional ser da PLUG e as iniciativas levadas a cabo na Exposição. Ocupando o espaço do pavilhão, estava a exposição - anexa, ficava a sala com playzones e algumas actividades no exterior animaram a semana e o fim de semana. Recorde-se que esta iniciativa decorreu de uma parceria e protocolo entre a PLUG e a Câmara Municpal da Lourinhã. Centremo-nos num percurso pelas mesas. À entrada, a que se designou «Velhas glórias» com conjuntos LEGO® dos anos 80. A seguir, a mesa de Set’s, em que os conjuntos LEGO® estão construídos de acordo com as instrucções. Mesa de MOC’s que mostram o que se inventa e cria a partir de juntar peças LEGO®. No centro, a cidade, construções de diferentes associados, unidos pela ideia do traço urbano, que incluiu praia e porto, espaços de jardins e quarteirões de casas, uma vida animada entre quartéis e hospitais, uma invasão alienígena e pequenos recontros habituais do quotidiano, com pedestres e ciclistas, tanto quanto automóveis e camiões. Em torno da cidade, movimentando-se, os comboios, alguns dos quais réplica das máquinas da CP. Mesas de Star Wars com set’s, em que se relevava a Milenium Falcon. O cenário Espaço, mostra uma base espacial, de moc’s construídos com as cores do Classic Space da LEGO®. Mesa de área Medieval, em que castelos e cenários egípcios conviveram em construções de MOC’s.

www.molamagazine.com

Mesas de engenho e mecânica, com Technic e MindStorms em que a perícia e as engrenagens se entrelaçam na construção. Uma das grandes atracções da exposição foi a progressiva construção do Mosaico, sendo que o público foi construindo cada «baseplate» que era, depois, colocada no respectivo local. Um total de 384 baseplates de 32x32 studs, cuja conclusão ocorreu no domingo, dia de encerramento da exposição. O maior mosaico construído na Península Ibérica, com aproximadamente 100.000 peças. Outra das novidades foi a réplica, em dimensão diferente, de edifícios conhecidos da baixa pombalina, incluindo o monumento ao Marquês de Pombal. Paulo Castanho, organizador do evento por parte da PLUG, manifestou a sua satisfação pelos resultados, pela divulgação do brinquedo LEGO® e pela forma como cidadãos e associados puderam partilhar a alegria de brincar e construir com LEGO®.

“Destaca-se ainda, a apresentação mundial de um novo set, lançado no BRInCKa 2010 e no Brick Magic, Estados Unidos, no dia 8 de Maio.”


exposição | exhibition

29

www.molamagazine.com


30

Exposição | exHibition

www.molamagazine.com


exposição | exhibition

31

www.molamagazine.com


32

www.molamagazine.com


33

www.molamagazine.com


34

Portfolio | architects

Texto | abgc arquitects

abgc architects LEGO MOJO ®

cliente: Boys and Girls - Agência de publicidade Dublin - Irlanda The Protected nature of Dublin’s Georgian heritage is a double edged sword for a start-up company; you get the gravitas and the postal address but you’re effectively not allowed to do more than polish the brasses without planning permission. The recently formed Advertising agency Boys and Girls approached us with this problem, a gorgeous Georgian house with high ceilings, great spaces and original joinery, but décor that was decidedly solicitory. The brief was succinct; playful but not juvenile, they gave us the Mingus quote (above) too. We recommended that all traces of solicitors be removed from the building - carpets removed, floors stripped and all 90’s paint colours whited out (if only the rest of life was this simple). If we could make the space like a small contemporary art gallery, it would be more flexible for giving presentations the ‘wow’ factor. Our proposal also included for a 1.2 x 2.7metre boardroom table (4ft x 9ft) made out of Lego. A monolithic slab made up of a random pattern of the instantly recognizable lego pixels, with the company’s logo is built in

www.molamagazine.com

relief into the table top, falling away under a glass surface. Architects don’t normally work as contractors so it was hugely rewarding for us and financially efficient for our client when we decided to build the table ourselves. The table consists of 22,742 pieces clicked together with traditional lego construction techniques (no glue), a 136mm grommet is located in its centre. It sits on a polished Stainless Steel square hollow section structure built by B.A. Engineering of Prussia St and is topped with a 10mm sheet of toughened glass manufactured by Action Glass. We made a viral of the project too with the help of Artist Cormac Browne, using tripods, clamps and magic arms from the wizards sleeve of camera equipment to take over 8,000 photos for a 2 minute stop frame animation of the construction and installation.

“making the simple complicated is commonplace; making the complicated simple, awesomely simple, that’s creativity.” Charles Mingus


Fotos | sean and yvette photography / www.seanandyvette.com

portfolio | Architects

35

www.molamagazine.com


36

Portfolio | architects

www.molamagazine.com


portfolio | Architects

37

www.molamagazine.com


38

www.molamagazine.com


39

www.molamagazine.com


40

Peça à peça | MOCs

Porsche 911 Carrera Autor: ARVO apresentado em 30/03/2009 O clássico Porcshe 911 foi recriado em peças LEGO® pelos irmãos Arvo. Usando invulgares técnicas de construçao, tais como as presentes nos pormenores das riscas vermelhas nas jantes ou os faróis, o resultado é mais um carro extremamente bonito e fiel ao original. É também um tributo à marca de brinquedos Majorette, cuja miniatura do Porsche 911 serviu de inspiraçao para este modelo.

www.molamagazine.com


Peça à peça | MOCs

41

CP2600 Autor: Sujiro apresentado em 24/02/2009 Quem viaja frequentemente de comboio certamente reconhecerá este modelo. É a locomotivaCP 2600, aqui fielmente reproduzida recorrendo às mais elaboradas técnicas de construção. Destaca-se o uso de peças cor-de-laranja, de difícil utilização devido ao facto de existir pouca variedade de peças nesta cor. De notar ainda o detalhado pantógrafo e o motor que permite que esta locomotiva se mova autonomamente sobre os clássicos carris do sistema 9V.

www.molamagazine.com


42

Peça à peça | MOCs

Cute Overload Autor: NaNeto apresentado em 22/10/2009 NaNeto volta a surpreender os LusOlympics com estes dois pequenos roedores. Esta construção prima por conseguir transportar a delicadeza, suavidade, fragilidade e graça destes pequenos animais domésticos para as linhas normalmente duras de um modelo LEGO®. De salientar que nesta pequena construção podem-se encontrar peças orientadas nas mais variadas direcções, feito normalmente difícil de alcançar em tão pouco espaço.

www.molamagazine.com


Peça à peça | MOCs

43

Forte Branco Autor: Luís Baixinho apresentado em 21/03/2009 Construído para fazer parte da exibição dedicada ao tema Piratas no 2º TOMARLEGO, destaca-se pelo efeito conseguido com a utilização de paredes inclinadas, algo pouco comum à data. Foi inspirado por fortes existentes na região onde habita o autor. Desses fortes, difere apenas a cor, o branco, que aqui foi usado de modo a permitir uma melhor integração na exposição onde foi inserido. É um forte para guardar a costa de ataques de piratas, similar aos construídos em Portugal durante o séc. XVII.

www.molamagazine.com


44

Peça à peça | MOCs

Hot Dogs Autor: Rupi apresentado em 22/04/2009 Esta vignette é um bom exemplo da capacidade criativa de Rupi. Aliada às técnicas apuradas temos um bom sentido estético aplicado a uma cena de humor eficaz. De destacar o carrinho de venda criado com recurso a várias peças em SNOT.

www.molamagazine.com


Peça à peça | MOCs

45

Little Café Corner Autor: Marcos Bessa apresentado em 19/01/2009 Este é um dos MOC’s saído da prova de miniaturização de sets da 4ª Edição do Grande Jogo. Marcos Bessa pegou no mítico 10182 Café Corner e conseguiu criar uma lindíssima réplica com cerca de metade do tamanho e mesmo assim incluir praticamente todos os pormenores importantes.

www.molamagazine.com


46

Peça à peça | MOCs

Michael Jackson Autor: CATARINO apresentado em 09/07/2009 Goste-se ou não, Michael Jackson é uma das figuras mais memoráveis do mundo musical. Como parte do 5º Grande Jogo, Catarino criou esta vignette que representa o cantor numa das suas poses mais famosas. Os pormenores mais marcantes estão lá. A roupa, o cabelo e o característico Moonwalk tornam esta peça facilmente reconhecível.

www.molamagazine.com


Peça à peça | MOCs

47

Symb1on Autor: Catarino apresentado em 20/07/2009 Este é o symb1on, um robô humanóide de aspecto simpático. Parece saído de um filme de ficção científica, sendo que o seu corpo completamente articulado permite-lhe assumir várias posições, tal como um ser humano. O seu esquema de cores, dominado pelo branco com detalhes em cinzento e cor-delaranja, dá ao robô um aspecto moderno. Segundo o autor, esta é a sua interpretação de robô futurista que poderia substituir e ajudar os humanos em várias tarefas, principalmente tarefas domésticas.

www.molamagazine.com


48

Peça à peça | MOCs

White Stripe Roadster Autor: Rupi apresentado em 09/02/2009 Um carro à escala minifig onde se destaca o desenho muito elegante e retro. A escolha do preto como cor principal e a risca branca que percorre todo o caro dão o toque final. As portas abrem e no seu interior, bastante detalhado, cabem dois minifigs.

www.molamagazine.com


Peça à peça | MOCs

49

Royal Trading Post Autor: evildead apresentado em 26/11/2009 Este é um porto de trocas comerciais situado na pequena ilha imaginária de St. Ann’s Cliff perto do Reino Unido. Reza a lenda que Ann, uma senhora da alta nobreza traída pelo seu amor tentara um suicídio neste penhasco mas quis o seu destino um final diferente: um anjo, amparou-lhe a queda! A partir desse momento, Ann dedicou o resto da sua vida à religião tornando-se muitos anos mais tarde, na Santa Ann. Nesta ilha podemos encontrar o Royal Trading Post, onde os soldados imperiais faziam o seu trabalho do dia-a-dia. Pode-se ainda encontar a casa do governador, um moinho que (realmente funciona com um motor Power Functions) e ainda um pequeno campo de milho.

www.molamagazine.com


50

Peça à peça | MOCs

Mario Corner Street Autor: Noro apresentado em 15/09/2009 Temos aqui uma forma original de contornar a suposta vulgaridade de um mosaico ao aplicá-lo numedifício citadino. As suas cores, a sua simplicidade e a sua eficácia tornam esta criação de Noro digna de nota e muito provavelmente uma nova forma de integrar mosaicos em outros contextos.

www.molamagazine.com


Peça à peça | MOCs

51

Christmas Cottage Autor: biczzz apresentado em 14/12/2009 Este MOC construído por Biczzz foi o grande vencedor do IV Concurso de Natal da Comunidade 0937. Biczzz é perito na criação/ construção de automóveis, mas não deixa de se lançar a outros temas e conseguir efeitos bem interessantes. Esta casa de uma aparente simplicidade está com um efeito estético perfeito e um ambiente bem conseguido.

www.molamagazine.com


52

Peças Soltas | letters

Cláudia Pombinho auxiliar contabilista Montemor-o-Novo, portugal Pediram-me para dar a minha opinião sobre, o LEGO® e como eu sou uma pessoa que tem opinião para tudo e para nada, concordei logo. Claro, que transferir essa opinião para o papel é que se tornou mais dificil que o esperado, não só porque não sou nenhum José Rodrigues dos Santos , mas tambem porque cheguei à feliz constatação que a minha opinião assentava mais numa teoria. Deixem-me explicar melhor. Há uns meses atrás fui jantar a casa de uma amiga minha que tem um filho de 2 anos. Entre a conversa e a brincadeira, acabamos por nos sentar todos no chão a brincar com LEGO®. No meio de tantas construções encontrei um conjunto de peças azuis ao qual um amigo meu chamou de árvore. Ora pois está claro, tive que constatar que aquela “árvore” nada tinha de verídico, pelo que contestei logo a sua veracidade, não só pela cor mas também pelo formato. O construtor da dita “árvore” argumentou que: “o que o LEGO® tem de bom, é que através de várias peças podemos construir o que quisermos, só temos de ter imaginação...” ok, pronto, foi nesta altura que se fez luz na minha cabeça e até tenho quase a certeza que fiquei de boca aberta. Pois, porque em toda a minha vida, ouvi a mesma conversa dita pela minha mãe, que para tudo se quer imaginação.... só ainda não entendi, se essa frase só é dita pelos artistas ou se é dito por todos aqueles que foram estimulados em criança a ter imaginação, e por isso têm-na a mais que os outros. Depois desse dia é que se formou a dita teoria que consiste na seguinte questão: “Serão as crianças e os adultos, pessoas mais afectuosas por estarem expostas a este tipo de criatividade desde muito novos?”.

www.molamagazine.com

E agora perguntam-me vocês, mas o que é que LEGO®, a imaginação e a criatividade tem a ver com afectos, amor e carinho?... Pois é, na minha opinião, torna-se mais fácil um homem ou uma mulher com muita imaginação agradar um ao outro, do que o contrário. Claro, que esta teoria ainda não foi provada porque para isso necessitava de estatísticas, inquéritos aos cônjugues (com perguntas menos próprias) e o “diabo a sete” para a poder provar. Mas agora raciocinem lá comigo: uma criança estimulada não é mais feliz? não lhe é mais fácil resolver os problemas do dia-a-dia que lhe aparecem ao longo da vida? Então e será que quando essas crianças forem mais crescidas, não poderão usar a sua imaginação para agradar ao sexo oposto, criar laços mais fortes com os outros, para além destas brincadeiras poderem ser mais valia na sua própria vida profissional? Pois é, no meu entender LEGO®, permite às crianças ou mesmo aos adultos desenvolver a imaginação, a criatividade, os afectos, e é um meio de comunicação que para alguns pode ser entendido como abstracto mas que para a maioria tem uma razão de ser.... Há quem diga: “não roubem às crianças a sua inocência”, eu digo: “não roubem às crianças a sua capacidade de imaginar”.

Nunca tive outra idade senão a do coração

“Não roubem às crianças a sua capacidade de imaginar”


53

www.molamagazine.com


54

www.molamagazine.com


55

Miniland

www.molamagazine.com


56

billund | travel

www.molamagazine.com


billund | travel

57

www.molamagazine.com


58

GLOSSÁRIO | GLOSSARY

Online | www.WIKIPEDIA.COM

Glossário LEGO ®

Termos técnicos - wikipedia wiki 0937 - primeira enciclopédia Wiki, em português, sobre o hobby LEGO 4.5V A LEGO® utilizou esta voltagem nos anos 70 e 80, em Comboios mas não só. As primeiras caixas de pilhas e motores do sistema de 4.5V, foram lançadas com o intuito de serem usadas em comboios. As caixas são de um tamanho adequado para serem embutidas num vagão, e os motores tem entrada para quatro rodas de comboio, revestidas com anéis de borracha (para uso em carris), e daí ser conhecido em alguns meios como “Train Motor”. O motor conta com terminais superiores assim como terminais nos topos frontais, ideais para a ligação das fichas junto dos engates locomotiva-vagão. 9V Sigla usada para designar um conhecido sistema de propulsão de comboios LEGO®, cujos elementos principais são o motor eléctricos, carris metálicos e a transmissão de corrente, que se faz pelos carris e chega ao motor através das rodas metálicas. ABS É a sigla inglesa para designar o polímero Acrilonitrilo-butadieno-estireno, matériaprima da esmagadora maioria dos elementos LEGO®. O ABS foi introduzido nos anos 60, porque o material anterior (CA) sofria deformações bastante evidentes, e não mantinha o aspecto ao longo do tempo. AFOL É uma sigla de origem anglófona, que significa “Adult Fan Of LEGO®”. A tradução portuguesa é “Adulto fã de LEGO®”, mas mantém-se o recurso à sigla inglesa por comodidade. Um AFOL é um indivíduo que se dedica ao hobby LEGO®, encarando-o não tanto como um brinquedo (na visão tradicional, algo destinado a crianças) mas antes como um objecto coleccionável, por um lado, e um meio de expressão plástica, por outro. O AFOL pode ser ou não um membro activo duma comunidade de AFOLs, designada genericamente por “LUG” BRICK Palavra inglesa que significa tijolo. É também o nome dado às clássicas peças LEGO®. DARK AGE É a expressão inglesa que se refere ao tempo de afastamento do LEGO, entre a infância e o período adulto que por regra acontece a todos os AFOLs. Em tradução literal, significa “Idade Escura” ou mais conhecida por “Idade das Trevas”. www.molamagazine.com

DIORAMA É um modo de apresentação artística de cenas da vida real com peças LEGO® para exposição com finalidades de instrução ou entretenimento. KFOL É uma sigla de origem anglófona, que significa “Kid Fan Of LEGO®”. A tradução portuguesa “Criança fã de LEGO®”, mas mantém-se o recurso à sigla inglesa por comodidade. Um KFOL é um indivíduo que se dedica ao hobby LEGO®, encarando-o não na óptica do AFOL, mas também não na mesma perspectiva que uma outra qualquer criança. Para um KFOL, o LEGO® é um brinquedo, mas também é todo um mundo para lá disso - com comunidades para troca de ideias e exibição de MOCs. Encara ainda o LEGO® como um objecto coleccionável, por um lado, e um meio de expressão plástica, por outro. O KFOL pode ser ou não um membro activo duma comunidade, designada genericamente por “LUG”. LUG É a sigla em inglês que designa um “LEGO® Users’ Group”, ou seja, um “Grupo de Utilizadores de LEGO®”. A adopção desta designação surgiu inicialmente como sátira aos Linux Users’ Groups, comunidades on-line dedicadas ao desenvolvimento do sistema operativo Linux, às quais os primeiros membros de L(EGO)UGs também pertenciam na sua maioria. O primeiro meio conhecido em que esta designação foi utilizada foi o newsgroup “rec.toys.LEGO”, ainda antes de 1997. Os LUGs podem adoptar várias designações, normalmente baseadas no âmbito geográfico ou no leque de interesses dominante entre os seus membros. A sigla LUG é assim frequentemente usada como parte da designação completa dum LUG. Os LUGs podem assumir diversas formas e orgânicas internas, desde LUGs formais a informais, passando pela divisão “aberto/fechado ao público”, ou pela exclusividade AFOL, por exemplo. A designação é portanto muito abrangente. MINIFIG É a designação universalmente dada à figura LEGO® mais comum. Esta surgiu em 1978, como forma de suprir a necessidade de um pequeno boneco articulado e com características humanas reconhecíveis, que ao mesmo tempo fosse suficientemente pequeno para se enquadrar nos pequenos modelos LEGO®. Destinava-se à faixa etária entre os 5 e os 12 anos. A minifig teve desde o início a sua configuração condicionada por uma


Online | Comunidade 0937

experiência prévia da LEGO®, o stubbie: este era uma figura muito mais simples, surgida em meados dos anos 70, mas cuja ausência de mãos ou pernas articuladas impedia uma utilização verdadeiramente alargada. É assim que a minifig surge com uma altura de 4 bricks, tronco trapezoidal (reminiscência do stubbie, assim criado para não ter um aspecto excessivamente anguloso), pernas articuláveis, e um “pescoço” suficientemente longo para segurar a cabeça e simultaneamente comportar um ou dois utensílios. Os braços da minifig também sao articulados, mas por causa da configuração do tronco são incapazes de manter a mesma distância entre si em todas as posições; isto tem consequências para o design de acessórios. Finalmente, as mãos das minifigs têm um diâmetro interior compatível com o das antenas LEGO® (3mm) e um diâmetro exterior compatível com o dos studs LEGO® (5mm) - isto permite à minifig agarrar outros elementos LEGO® de pelo menos duas formas distintas. MOC É a sigla em inglês que significa “My Own Creation”, isto é: “A Minha Criação”. Refere se em casos de criações originais feitas por AFOLs ou KFOLs usando peças LEGO®. MOD “MOD” é uma abreviatura comunmente utilizada para referir um set LEGO® modificado. A distinção entre um MOD e um MOC passa pela inclusão no MOD de características dum set mais ou menos reconhecível, ao passo que num MOC se pretende ser original. As modificações mais correntes passam por variações de cor, ampliações de edifícios, ou inclusão de detalhes extra. PLATE Palavra inglesa que significa placa. Neste contexto refere-se a uma placa com 1/3 de altura de um brick e com studs no topo. POWER FUNCTIONS É um sistema constituído por várias peças que se destina a dar movimento aos MOCs. Como exemplo, temos os motores eléctricos, comandos, receptores IR, actuadores lineares e motores de fricção. Nem todos estes elementos poderão ser Power Functions, apenas os lançados a partir de 2008. Distinguem-se por terem três cores características, o cinzento-claro, cinzento-escuro e laranja.

GLOSSÁRIO | GLOSSARY

59

RC É um sigla inglesa que significa “Remote Control” (controlo remoto, em tradução literal). É um conjunto de sistemas utilizados pela LEGO® nos seus produtos, sistemas esses que permitem actuar remotamente sobre um ou mais motores e/ou servomotores. A LEGO® recorre a dois sistemas de controlo remoto: IR que pretende designar “Infra Red” (Infra-vermelhos) e Radiocontrolo. Não são considerados controle remoto, todas as aplicações que recorram a fios eléctricos para estabelecer a ligação entre actuante e actuado. SET É a designação inglesa de um conjunto LEGO®, tal como ele é completo. Cada set tem uma referência (com 3 dígitos, para as mais antigas, ou até um máximo de 7 para produtos muito específicos). Há sets distintos que partilham a mesma referência, embora seja uma ocorrência relativamente rara. Um set pode ser modificado para se tornar um Mod, ou dividido nas suas várias peças. SNOT Sigla inglesa que significa “Studs Not On Top”. Traduzindo para português significa “Pinos Não No Topo”. É uma técnica de construção que consiste em colocar as peças com os pinos em várias direcções, em vez de os colocar para cima, que é a posição normal. Isto permite criar configurações que seriam difíceis de conseguir com esses pinos colocados na posição normal. STUD Palavra inglesa que significa pino em português. São os cilindros no topo de várias peças que têm o logótipo LEGO® impresso. No entanto, também existem pinos ocos em que o logótipo não é impresso. TILE Placa (plate) sem studs (pinos) na maior parte da sua área. VIGNETTE Uma Vignette é a representação de uma cena (que pode ser de um filme, livro, série, etc), construída com peças LEGO® numa pequena base. As medidas normalmente usadas são 6x6 ou 8x8 studs.

www.molamagazine.com


60

www.molamagazine.com


61

www.molamagazine.com


62

notíciaS | news

Online | www.u-plasma.com

LEGO o melhor Próxima Edição brinquedo Vários... do mundo! O Lego foi eleito o brinquedo mais popular do mundo. Uma eleição feita através de uma votação online e que dá conta da popularidade que este produto ainda mantém actualmente, de tal modo que já é imprescindível em áreas como a educação. TVnet.com / Rui Maia Pinto

Próxima Edição #02 Next Issue Comunidade \\ LUG

Marcas de Culto \\ Brands

PLUG - Associação Portuguesa de utilizadores de LEGO

www.molamagazine.com

Perfil \\ AFOL Profile

Portfólio \\ Photographer

Coleccionador: El Gordo - Comunidade 0937

Chris New

Exposição \\ Exhibition

Peça à Peça \\ MOCs

Arte em Peças - Paredes de Coura

Obras Primas 2009 - Comunidade 0937

Entrevista \\ Interview

Peças Soltas \\ Letters

Han Crielaard

Mais artigos de opinião

Vida às Peças \\ Bricks in Life

Billund \\ Travel

Projecto Construir

Momentos Mágicos (continuação)

www.molamagazine.com


63

www.molamagazine.com


64

www.molamagazine.com

MOLA Brick Magazine  

LEGO Bricks magazine

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you