Issuu on Google+

geral

nº 1 I maio 2010

es té t ic a

da

tru c ul ê n ci a

a

Du n g ae

É legítimo. Por outro lado, perderemos uma chance única, histórica, de colocarmos num mesmo time jogadores muito talentosos. Quem não gostaria de ver um meio campo com Ronaldinho Gaúcho, Kaká e Ganso? Três gerações de craques que, por um azar chamado Dunga, não atuarão juntas. Jamais saberemos o que eles poderiam fazer se unidos. Perdemos, assim, uma chance de entrarmos para a história mais uma vez. Não como campeões mundiais novamente, mas como a seleção de melhor futebol do mundo. A ladainha que sempre acompanha a discussão entre futebol bonito e futebol eficiente (leia-se vencedor), é que a ótima seleção brasileira de 82 não ganhou. Idem para a Holanda de 74. Só que, como falei acima, o futebol não se restringe ao mero resultado. Futebol é cultura. Temos que mostrar ao mundo o que temos de melhor em determinado momento histórico. Parreira em 94 fez isso. Não tínhamos uma grande geração de jogadores. Por sorte tínhamos um gênio chamado Romário que, num time bem ajustado pelo

Seria como punir alguém que obteve grandes méritos. O futebol é um reflexo da vida, da sociedade. Se nesta vivemos sob a lei da meritocracia (quem dá mais resultados, mais lucros, ganha mais), por que no futebol seria diferente? Os jogadores convocados por Dunga ganharam tudo o que disputaram. Não é prova suficiente de suas qualidades? Qualquer outra discussão que não seja a eficiência e o resultado conquistado não se justifica. Porque ela também não se justifica na vida. Se um empregado de uma fábrica faz o seu trabalho de forma diferente e não dá o mesmo lucro que anteriormente dava, ele será demitido. Não adianta ele argumentar e dizer: “eu estava tentando inovar, ser mais ousado, mais criativo”. Azar. Baixou a produtividade, diminuiu os lucros, um abraço. Criatividade e inovação só contam na nossa sociedade se junto vier o lucro, a conquista do objetivo. Dunga age com a mesma consciência eficiente do mundo empresarial. Testa as pessoas e, aquelas que dão o resultado espe-

rado, permanecem no grupo. Assim é a vida, assim é o futebol. Discussões românticas sobre a tradição do futebol brasileiro, que deve ser sempre bonito, ofensivo, mágico, não valem nada. Valem apenas para os saudosistas jornalistas que acham que a seleção de 82 é o paradigma do futebol brasileiro: mágica e perdedora. Dunga quer vencer. Para tanto, utiliza aqueles que com ele venceram. Aqueles que demonstraram disposição e comprometimento com o time. O talento individual, se nos dá ápices de genialidade, também nos dá abismos de ineficiência. Dunga prefere a eficiência, muito mais regular, muito mais segura. Certamente considerando o exemplo (mau) de 2006, em que tínhamos talento de sobra, e nenhuma eficiência, nenhum comprometimento. Dunga quer ganhar. Com jogadores que já ganharam. Todos testados em jogos importantes. Todos com boas atuações pela seleção. Dunga é um lógico. Dunga é um técnico. Assim é a vida. Alguém pode negá-lo?

Martim Silveira

m

Dunga tem um problema. “Só um?”, dirá algum sarcástico leitor. Por ora só um, replicarei. Dunga é um sujeito truculento. O futebol é um jogo. Como tal, há vencedores e perdedores. Os técnicos armam seus times de forma a ampliar as suas possibilidades de vitória frente a um adversário. Nada de mal nisso. Mas o futebol não é simplesmente vencer e perder. Futebol faz parte da cultura. É o esporte mais popular do mundo. E cada seleção que jogará a Copa do Mundo, representa não só seu país, como a sua cultura. A nossa, a brasileira, sempre foi conhecida pela criatividade, inventividade e, até, exotismo. Tudo que não ecoa na nossa atual seleção. Dunga, obviamente, não se importa com a esfera mais ampla do futebol. Ele quer ganhar, e pronto.

treinador, conseguiu ser campeão. Aquilo que se viu ali era o que tínhamos de melhor na época. Parreira estava certo. Hoje não. Hoje temos uma geração de jogadores incríveis. Kaká, Ronaldinho Gaúcho, Neymar, Ganso, Roberto Carlos, Robinho, Daniel Alves, Júlio César, etc... Só que apenas alguns desses fazem parte da seleção de Dunga. É aí que Dunga erra. Por ser truculento, Dunga só consegue enxergar o próximo adversário, a próxima briga. Não tem uma visão mais ampla do futebol, não tem senso de oportunidade histórica. Fiar-se na velha ladainha de que futebol bonito não ganha jogo é de uma mediocridade gritante. Os exemplos, sejam times ou seleções, que praticavam grande futebol e foram vencedores estão aí aos montes: Santos de Pelé, Flamengo de Zico, Seleção brasileira de 70, etc. As condições para repetirmos isso nos foram dadas. Dunga, infelizmente, negou-as Se o futebol bonito nem sempre ganha títulos, ele sempre ganha um lugar na história e na memória dos torcedores. E isso, meu caro Dunga, é muito mais raro e difícil.

Gabriel Zapata

e a estética da tronculência tronculência

qualificar a convocação final de Dunga para a Copa do Mundo. Cadê o Ganso? E o Neymar? E Ronaldinho? Estão todos fora. Até Adriano, cuja presença na copa era quase certa, ficou de fora da lista, graças à sua própria, essa de polêmicas fora de campo. A crônica esportiva estrebucha, mas reconheçamos: Dunga é um técnico. Para justificar sua lista final, mostra seu retrospecto na seleção. Ganhou quase tudo que disputou. Só perdeu as Olimpíadas. O que, convenhamos, é um belo retrospecto. E ganhou com esses mesmo jogadores. O contestado Júlio Batista, por exemplo, foi fundamental na conquista da Copa América. Como desprestigiar um jogador que aproveitou tão bem sua oportunidade na seleção?

,u a ng u D

Conservadora co i n foi o termo mais c té brando usado para

geral

nº 1 I maio 2010


“Fo “T áá i o qu f áá go ixa o c i e r l na f l ! a g g o -se ”M qu i f ol g gol ola re á e o rio as g ç i ee o d o o l go l g He a c foi !” J co de nr o e iqu rti a ee l osé l l , m g e e( !” o . na Sil i . l s . R vé Os ád g a se o . r io w io I . . l al ” t (Rá . do co ati . Síl . ” vio d io M aia me A ac l be Ba Lui -M ie ça r n l( z G) to de Rá ( T i Ro r V oe di a B o dr n an tes Go ig u sp d lb e e i o etá ra s( SP -S nte R ) P) á cu d io s) lo” Ita tia Fi ia

) SP sir a nte de an io B ott i (R ád

iG igli

or

“E

l go

“Go

“Ca

br em “A

cheia de carimbos ilustres: “Copa Rio-Oficial”, “FIFA - Especial.” Uma bola assim, toda de branco, coberta de condecorações por todos os gomos (gomos hexagonais!) jamais seria barrada em recepção do Itamarati. No entanto, aí está ela, correndo para cima e para baixo, na maior farra do mundo, disputada, maltratada até, pois, de quando em quando, acertam-lhe um bico, ela sai zarolha, vendo estrelas, coitadinha. Racha é assim mesmo: tem bico, mas tem também sem-pulo de craque como aquele do Tona, que empatou a pelada e que lava a alma de qualquer bola. Uma pintura. Nova saída. Entra na praça batendo palmas como quem enxota galinha no quintal. É um velho com cara de guarda-livros que, sem pedir licença, invade o universo infantil de uma pelada e vai expulsando todo mundo. Num instante, o campo está vazio, o mundo está vazio. Não deu tempo nem de desfazer as traves feitas de camisas. O espantalho-gente pega a bola, viva, ainda, tira do bolso um canivete e dá-lhe a primeira espetada. No segundo golpe, a bola começa a sangrar. Em cada gomo o coração de uma criança.

O ANJO DAS PERNAS TORTAS A Flávio Porto A um passe de Didi, Garrincha avança Colado o couro aos pés, o olhar atento Dribla um, dribla dois, depois descansa Como a medir o lance do momento.

Armando Nogueira, 1977 77

Esta pracinha sem aquela pelada virou uma chatice completa: agora, é uma babá que passa, empurrando, sem afeto, um bebê de carrinho, é um par de velhos que troca silêncios num banco sem encosto. E, no entanto, ainda ontem, isso aqui fervia de menino, de sol, de bola, de sonho: “eu jogo na linha! eu sou o Lula!; no gol, eu não jogo, tô com o joelho ralado de ontem; vou ficar aqui atrás: entrou aqui, já sabe.” Uma gritaria, todo mundo se escalando, todo mundo querendo tirar o selo da bola, bendito fruto de uma suada vaquinha. Oito de cada lado e, para não confundir, um time fica como está; o outro joga sem camisa. Já reparei uma coisa: bola de futebol, seja nova, seja velha, é um ser muito compreensivo que dança conforme a música: se está no Maracanã, numa decisão de título, ela rola e quiçá com um ar dramático, mantendo sempre a mesma pose adulta, esteja nos pés de Gérson ou nas mãos de um gandula. Em compensação, num racha de menino ninguém é mais sapeca: ela corre para cá, corre para lá, quiçá no meio-fio, para de estalo no canteiro, lambe a canela de um, deixa-se espremer entre mil canelas, depois escapa, rolando, doida, pela calçada. Parece um bichinho. Aqui, nessa pelada inocente é que se pode sentir a pureza de uma bola. Afinal, trata-se de uma bola profissional, uma número cinco,

-M G)

Peladas

Vem-lhe o pressentimento; ele se lança Mais rápido que o próprio pensamento Dribla mais um, mais dois; a bola trança Feliz, entre seus pés – um pé-de-vento! Num só transporte a multidão contrita Em ato de morte se levanta e grita Seu uníssono canto de esperança.

Viníc í ius de Moraes , 1962 íc

ao

n

rm i

“Ol “Fe “E. “Ol “T “É h .. c h . o á . h a . . n am ....q lá! fo o pa lá, o i ” l u a o e se Jo e l n le i da ha sé .. c a . e q . C . sc l ! u un . á, ”S ...g e cria ha o o i b l o ( v r l TV o io L o h tin to nça. oo a Tu u i u l p a z l á i) ! se lá .. Os no m d t a e p rS e nt a n r tos o .” (R

Garrincha, o anjo, escuta e atende: - Goooool! É pura imagem: um G que chuta um o Dentro da meta, um l. É pura dança!

lac

a a r!”

Ge es ra p e tác ldo Jos é u d lo” eA lm iF o ie da r iG (TV igli o G t l o i bo (R á ) dio Ba n de ira

nte s)

SP

Éds on Ma ur o (CB ád

Ne r )

bo

io G lo

ád io

Décio Pignatari, 1964

Glo bo )

SP


GERAL