Page 1

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu - ES

Foto: Ricardo Soares

Foto: Ricardo Soares

Secretaria de Estado de Turismo do Espírito Santo SETUR - ES 23 e 24 de junho de 2010


JOÃO FELÍCIO SCARDUA Secretário de Estado de Turismo MARCIA ABRHAÃO GUIMARÃES Gerente de Gestão do Turismo DIOMEDES MARIA CALIMAN BERGER Secretária Executiva do CONTURES GELISA BOZZI Gerente Unidade de Atendimento ao Turismo e Cultura EDUARDO DONATELLI SIMÕES Gestor da Unidade de Turismo e Cultura

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAGUAÇU- ES - 2009 / 2012 ROMÁRIO CELSO BAZÍLIO DE SOUZA Prefeito Municipal de Itaguaçu – ES

ORLANDO ALVES NETTO Diretor de Turismo

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

2


1 - Apresentação

04

2 Análises Ambientais

06

2.1 – Descrições dos Cenários Inerciais por Grupos

06

2.2 – Descrições dos Cenários Desejados por Grupos

07

3 - Facilidades e Forças

08

4 - Dificuldades e Fraquezas

09

5 - Hierarquização de Prioridades

10

6 - Método GUT-A – Problemas Elencados

11

7 - Plano de Ação – Curto e Médios Prazos

13

8 - Considerações do Consultor

24

9- Relação dos Participantes

27

10- Avaliação dos Participantes

30

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

3


1 - Apresentação

O processo da Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu – ES, inicia-se por meio de sensibilização dos componentes da Secretaria Municipal de Turismo com o objetivo de produzir integração para o fortalecimento da vontade de transformar a realidade local, oportunizada pela Secretaria de Estado do Turismo – SETUR em convênio com o SEBRAE-ES. Na Oficina, em que cada participante convidado descobrirá o modo possível de colocar em prática o passo a passo sempre com foco nos conceitos do desenvolvimento sustentável e as temáticas escolhidas para a Oficina refletirão as experiências de vida de cada indivíduo, de cada distrito, da sociedade e do território na busca constante por um objetivo comum com fundamento nos seguintes programas:  Na instância federal Macro-programa 4 – Regionalização do Turismo – Plano Nacional de Turismo 2007/2010 – Uma Viagem de Inclusão, que “assimila a noção de território como espaço e lugar de interação do homem com o ambiente, dando origem às diversas maneiras de se organizar e se relacionar com a natureza, com a cultura e com os recursos de que dispõe. Essa noção supõe formas de coordenação entre organizações sociais, agentes econômicos e representantes políticos, superando a visão estritamente setorial do desenvolvimento”.  Na estância estadual, o Macro-programa I – Gestão e Relações Institucionais - Plano de Desenvolvimento Sustentável do Turismo do Espírito Santo - 2025. O fortalecimento dessa busca será o foco central na discussão do turismo local e regional, onde preconiza que “integram esse conceito projetos e ações direcionados a: ... organização e capacitação dos atores locais; planejamento turístico das regiões e municípios; atuação integrada do Governo e sociedade civil; integração das instâncias municipal, regional, estadual e nacional; ampliação do orçamento público; captação de recursos financeiros”;  E mais especificamente ao Projeto 3 – Apoio ao Desenvolvimento do Turismo Regional: “estimular a criação e funcionamento dos Conselhos e Fundos Municipais de Turismo; Intensificar, nos municípios (prefeituras), a fiscalização do uso e ocupação do solo; estimular os municípios a participarem das políticas regionais do turismo; incentivar a criação de consórcios intermunicipais, de amplitude regional; monitorar e avaliar a execução do plano pelos conselhos estadual e municipal de turismo; apoiar iniciativas que visem o aprimoramento da gestão pública do turismo, através de melhoria da competência técnica dos gestores; incentivar e apoiar a estruturação organizacional para a implantação de Conselhos e de Secretarias de Turismo na esfera municipal.”.

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

4


Uma agenda comum (Oficina) que marque a convocação das partes para reuniões de debates e de apresentação de propostas e que tudo dependerá da disposição dos participantes para o estabelecimento do consenso. Os momentos de tomada de decisão deverão se repetir continuamente aumentando o entendimento mútuo até a construção da melhoria contínua que satisfaça se não a todos, a maioria. Neste contexto, a Secretaria de Estado do Turismo - SETUR com sua política de desenvolvimento do turismo nos municípios e regiões capixabas, conforme estabelece seu Plano 2025, através da Gerência de Gestão do Turismo promoveu em parceria com a Prefeitura de Itaguaçu - ES uma Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo, que aconteceu nos dias 23 e 24 de junho de 2010. A solenidade de abertura contou com a presença do Prefeito Romário Celso Bazílio de Sousa recebendo a todos. A secretária de Educação, Cultura, Esporte e Recreação Sra. Mariane Luzia Folador D. Berger que desejou bons trabalhos e em seguida, a Sra. Diomedes Maria Caliman Berger, Secretária Executiva do CONTURES, agradeceu a presença dos convidados, dando-lhes boas vindas e sinalizando o objetivo da Oficina para os dois dias de trabalho, apresentando os conceitos da Regionalização do Turismo e as ações da Setur frente aos desafios nas 10 regiões turísticas do Estado. Desta feita, fui apresentado como facilitador da Oficina, e iniciou-se então com o estabelecimento dos termos de convivência para a realização da Oficina. Após encerrado o aquecimento da Oficina, foi apresentado algumas considerações, tais como: a falta de cultura de participação dos munícipes em mobilização para desenvolvimento do turismo, a ausência de informações sobre as pressões exercidas focadas no território, a necessidade de levantar dados que gerem informações para a construção de uma base de conhecimento, o hábito arraigado em nossa sociedade de planejar de forma setorizada, o egoísmo das secretarias municipais em não trabalhar conjuntamente para o turismo, uma explanação sobre a organização político-administrativa e a gestão pública compartilhada, e principalmente da população não se apropriar da coisa pública. Contextualizou-se também, sobre os diversos fatores externos às organizações que podem afetar o seu desempenho e seus reflexos, podendo representar oportunidades ou ameaças ao desenvolvimento do plano estratégico de qualquer natureza. Quando acontecem essas intervenções, remete à reflexão para que a organização perceba que o ambiente externo está mudando face à globalização e à competitividade, e que tenha a mesma agilidade para se adaptar a esta mudança, aproveitará com maior proveito às oportunidades e sofrerá menos as conseqüências das ameaças. Por isso, a análise do ambiente externo é tão importante. Uma coisa é perceber que o ambiente externo está mudando, outra, é ter competência para adaptar-se a estas mudanças (aproveitando as oportunidades e/ou enfrentando as ameaças). No segundo dia, a Subsecretária de Turismo do Estado, Sra. Flávia Cysne, se fez presente efetuando a entrega dos certificados aos participantes. Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

5


2 – Análises Ambientais O acesso à informação quanto ao assunto provocado é pertinente e pré-requisito para uma participação efetiva e justa; dessa maneira, as opiniões da comunidade ficarão menos sujeitas à influência de idéias individuais ou de representantes de grupos de interesses específicos. Isso incrementa tanto a legitimidade como a apropriação do processo por parte da população local. Tomamos como base a Análise Swot. A análise SWOT examina a organização segundo quatro variáveis: strengths (forças); weaknesses (fraquezas); opportunities (oportunidades); e threats (ameaças). Para melhor compreensão dos participantes, aplicamos: Facilidades e Forças, Dificuldades e Fraquezas.

2.1 – Descrições dos Cenários Inerciais por Grupos Cenário Inercial do Grupo Quatro por Cinco: “Inexistência de uma secretaria de turismo por falta de incentivo político e conhecimento da população local” (Jakson Luis Felberg Pereira, Maria Auxiliadora Carnelli Frizzera, Alex André Binda Ventura, Renilda Lourdes Binda da Vitória Ludike e Orlando Alves dos Santos Netto).

Cenário Inercial do Grupo Ponta-pé Inicial: “O turismo se baseia no calendário municipal. Falta a organização dos empresários para o desenvolvimento do turismo e atrativos (apresentações culturais, teatro, cinema) que envolvam a população local e os visitantes que por aqui passam.” (Elida Maria Fernandes, Nilsa Bierow Pagung, Walter Luiz Sarnaglia, Cláudio Chiapani e Darcelene Casagrande Berger).

Cenário do Grupo Esperança: “Falta à comunicação entre a população e os gestores públicos para melhorar o turismo rural. Apesar de o município ter potenciais para o atrativo turístico.” (Luzia Padovani, Evan Aparecida Barban, Fernanda Beloti e Angela Maria Bacalli y Becalli).

Cenário do Grupo Opção à Inovação: “O município de Itaguaçu tem muita vontade política em desenvolver seu potencial turístico, com povo muito hospitaleiro, que, aliás, é a sua marca, porém não apresenta infra-estrutura propícia e falta de divulgação de suas potencialidades, até mesmo pelo seu povo.” (Mariane Luzia Folador Berger, Fernanda Plaster, Luzinete Carla Binda, Danúsia Santos Ribeiro Védova e Isaurinha Sandra Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

6


Moreira).

2.2 – Descrições dos Cenários Desejados por Grupos

Cenário Inercial do Grupo Quatro por Cinco: “Secretaria de Turismo estruturada, atuante com profissionais capacitados e com o apoio do legislativo e do executivo, para que Itaguaçú seja reconhecido turisticamente por seus circuitos turísticos formatados, com atrativos diferenciados e equipamentos turísticos qualificados; tais como: casa da cultura, Posto de Informações Turísticas, restaurantes, etc.”. (Jakson Luis Felberg Pereira, Maria Auxiliadora Carnelli Frizzera, Alex André Binda Ventura, Renilda Lourdes Binda da Vitória Ludike e Orlando Alves dos Santos Netto).

Cenário Inercial do Grupo Ponta-pé Inicial: “A comunidade e o poder público trabalham juntos. A hospitalidade do povo é excelente e serve o que tem de melhor da sua gastronomia. O turismo de aventura e o agroturismo são bem desenvolvidos e agradam a todos que por aqui passam.” (Elida Maria Fernandes, Nilsa Bierow Pagung, Walter Luiz Sarnaglia, Cláudio Chiapani e Darcelene Casagrande Berger).

Cenário do Grupo Esperança: “A população tem excelente comunicação com os gestores públicos e muitas atividades culturais e turísticas.” (Luzia Padovani, Evan Aparecida Barban, Fernanda Beloti e Angela Maria Bacalli y Becalli).

Cenário do Grupo Opção à Inovação: ´”O município com planejamento estratégico estabelecido, coordenado por pessoas capacitadas e com previsão de oferta de infra-estrutura adequada e envolvimento do potencial turístico, inserindo assim o município no cenário turístico brasileiro.” (Mariane Luzia Folador Berger, Fernanda Plaster, Luzinete Carla Binda, Danúsia Santos Ribeiro Védova e Isaurinha Sandra Moreira).

O objetivo desta etapa foi trazer aos participantes um novo patamar de entendimento do turismo e produzir subsídios para a construção do plano a ser desenvolvido. Os participantes então fizeram uma reflexão sobre a situação do turismo do município, no primeiro painel de Facilidades e Forças e no segundo painel de Dificuldades e Fraquezas. Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

7


3– Facilidades e Forças Quais são as Facilidades e Forças para o município / região que podem transformar o turismo local?                          

Boa malha viária (rodovias pavimentadas) – Caminhos do Campo; Fácil acessibilidade ao município; Pavimentação da Rod. Itaimbé a Colatina, via Pontal; Oportunidade de receber especialistas na área ambiental e turismo internacional; Sinalização turística Igreja Matriz Nossa Senhora de Todas as Graças, construída em 1853; Gruta de Nossa Senhora de Lourdes Pedra dos Cinco Pontões; Cachoeira do Christófari; Projeto Feira na Praça; Diversidade cultural (portugueses, negros, indígenas, alemães, italianos e pomeranos). Fazenda Pontal; Fazenda Portela Corredor Ecológico Alto Misterioso Igreja Luterana Palmeiras Casa do Artesão – APROAI Academia Cine teatro municipal Praça Municipal Clube Recreativo Itaguaçuense Pedra Paulista Pedra Barro Forte; Remanescência da Mata Atlântica preservada; Formações rochosas ainda não exploradas Espécie única não catalogada da Flor Luxemburgia Misteriosa (Alto Misterioso) A borboleta Leptagrion Capixabae

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

8


4 – Dificuldades e Fraquezas Quais são as prováveis Dificuldades e Fraquezas previsíveis para o município e região que poderão transformar a exploração do turismo? 1. 2. 3. 4.

Falta de capacitação profissional do trade turístico; Falta de acessibilidade aos atrativos turísticos; Inexistência de uma secretaria de turismo; Falta de Circuito Turístico estruturado estruturas (Cachoeira do Cristófari, Igreja Matriz, Casa d Artesanato, Pousada Arnholz, Pesque e Pague Santo Geickel, Projeto Feira na Praça, Chopperia L&D, Restaurante Bistrô, Pousada do Majevsky). 5. Falta de sinalização turística. 6. Inexistência de estrutura para funcionar a secretaria de turismo; 7. Falta de acomodações (UH’s) para atender aos turistas; 8. Conselho municipal de turismo desestimulado; 9. Falta de sensibilização do legislativo municipal para a criação da pasta do turismo; 10. Ausência de infra-estrutura adequada da rede hoteleira, restaurantes etc. 11. Os munícipes não valorizam as potencialidades turísticas 12. Ônibus intermunicipais para Vitória (via Santa Maria de Jetibá) não atendem às necessidades dos usuários de Itaguaçu e Itarana; 13. Falta de recursos financeiros próprios de pequenos empreendedores; 14. Falta de pontos turísticos com estrutura; 15. Baixo poder aquisitivo da população.

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

9


5 – Hierarquização de prioridades As Dificuldades e Fraquezas identificados pelos grupos foram avaliados segundo hierarquização de prioridade conforme metodologia GUT-A (Gravidade x Urgência x Tendência x Abrangência). O método consiste na pontuação dada a cada item, democraticamente em plenária, identificados nas fraquezas com o objetivo de se estabelecer prioridades de tomada de decisão para o gestor local, conforme quadro abaixo:

Ambiência

Tendência

Inexistência de uma secretaria de turismo; Conselho municipal de turismo desestimulado; Os munícipes não valorizam as potencialidades turísticas Falta de acessibilidade aos atrativos turísticos; Falta de sinalização turística. Inexistência de estrutura para funcionar o Departamento de Turismo; Falta de Sensibilização do Legislativo Municipal para o desenvolvimento do turismo. Falta de capacitação profissional do trade turístico; Falta de conhecimento para captação de recursos financeiros para pequenos empreendimentos; 10. Falta de pontos turísticos com estrutura; 11. Falta de Circuito Turístico estruturado; 12. Falta de acomodações (UH’s) para atender aos turistas; 13. Ônibus intermunicipais para Vitória (via Santa Maria de Jetibá) não atendem às necessidades dos usuários de Itaguaçu e Itarana; 14. Ausência de infraestrutura adequada da rede hoteleira, restaurantes etc.

Urgência

1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9.

Gravidade

Problemas identificados como Dificuldades e Fraquezas do turismo local

Total

5 5 5 5 5 5 5 4

5 5 5 5 5 5 4 5

5 5 5 4 4 4 5 5

5 5 5 5 5 5 5 5

625 625 625 500 500 500 500 500

3

5

5

5

375

3 3 3

5 4 5

5 4 4

5 5 4

375 240 240

3

4

3

5

180

3

5

2

4

120


6– Método GUT-A - Problemas Elencados Desta feita, novamente em plenária foram democratizadas as referidas notas para cada variável da metodologia GUT. Num segundo momento, houve o discernimento da exclusão de alguns temas e a inclusão de outros que resultou na relação conforme apresentado abaixo:

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

11


TOTAL

AMBIÊNCIA

TENDÊNCIA

URGÊNCIA

GRAVIDADE

PROBLEMAS

Pontuação de 625a 257: Itens em que os participantes deverão se concentrar na união de esforços para as tomadas de decisões quanto à garantia de implementação de políticas contra os impactos. 1. Inexistência de uma secretaria de turismo; 5 5 5 5 2. Conselho municipal de turismo desestimulado; 5 5 5 5 3. Os munícipes não valorizam as potencialidades turísticas 5 5 5 5 4. Falta de acessibilidade aos atrativos turísticos; 5 5 4 5 5. Falta de sinalização turística. 5 5 4 5 6. Inexistência de estrutura para funcionar o Departamento de Turismo; 5 5 4 5 7. Falta de Sensibilização do Legislativo Municipal para o desenvolvimento do turismo. 5 4 5 5 8. Falta de capacitação profissional do trade turístico; 4 5 5 5 9. Falta de conhecimento para captação de recursos financeiros para pequenos empreendimentos; 3 5 5 5 10. Falta de pontos turísticos com estrutura; 3 5 5 5

625 625 625 500 500 500 500 500 375 375

Pontuação de 256 a 82: Itens que merecerão especial atenção, mas depois de atendidas as prioridades pontuadas anteriormente. 11. Falta de Circuito Turístico estruturado; 12. Falta de acomodações (UH’s) para atender aos turistas; 13. Ônibus intermunicipais para Vitória (via Santa Maria de Jetibá) não atendem às necessidades dos usuários de Itaguaçu e Itarana; 14. Ausência de infraestrutura adequada da rede hoteleira, restaurantes etc.

3 3

4 5

4 4

5 4

240 240

3

4

3

5

180

3

5

2

4

120

Nota: Para efeito de avaliação de totalização dos pontos igual a outro item, foi considerado a nota de maior da variável Abrangência, se persistir o empate, a nota maior da variável Tendência e assim por diante.

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

12


7 – Plano de Ação – Curto e Médio Prazos Neste quadro foram acrescentados mais dois problemas (de nº 15 e 16) totalizando 16 problemas e avaliados quanto à sua similaridade entre si e por consenso foram eliminados alguns e/ou agrupados a fim de oferecer maior transparência aos programas e projetos a serem enfrentados.

Plano de Ação de Curto e Médio Prazo de Itaguaçu – ES Problema 1

Como resolver o problema

Tempo

Responsável/Envolvidos

1. Verificar a Lei Organizacional da Prefeitura para conhecimento da condição atual na área de turismo. 2. Rever a estrutura organizacional da Secretaria de Turismo e Cultura atendendo ao art. 180 da Constituição e a inclusão de artigo na Lei Orgânica Municipal, se caso não exista. 3. Levantar dados estatísticos para subsidiar as informações;

Inexistência de uma secretaria de turismo;

4. Propor alterações na lei que atendam a nova proposta de funcionamento da Secretaria; 5. Identificar os recursos necessários para o bom funcionamento da secretaria. (instalações, veículos, comunicação, equipamentos, pessoal e materiais de expediente). 6. Apresentar ao Conselho, o orçamento de 2011 que será proposto ao Executivo até 01/08/2010; 7. Criar comissões temáticas no Conselho Municipal de Turismo, para debater os investimentos no turismo;

Início: Primeira quinzena de julho Término: 30/08/2010

Responsável: Secretária de Educação Cultura, Esporte e Recreação=Sônia. Participantes: Diretor e Turismo –Orlando Netto; De Esportes e Cultura- Sirré, Secretaria de Saúde Conselho Municipal de Turismo; CDL; Setor Hoteleiro=Walter; Secretaria de Administração; Assessoria Jurídica; Parceiros: SETUR – SEBRAE -

8. Programar tempo para desenvolver projetos de captação de Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

13


recursos até 2012; 9. Rever os custos de eventos do calendário oficial e readequá-los ao foco turismo para reduzir despesas da Secretaria. 10. Garantir dotação orçamentária para os anos que se sucedem, sensibilizando a Câmara Municipal pela sua aprovação; 11. Articular junto ao prefeito sobre a importância do turismo como atividade econômica e o novo conceito de aplicabilidade da integração entre as secretarias. 12. Encaminhar a Prefeito, Gabinete, Secretaria de Planejamento, Secretário de Finanças o planejamento de 2011 até 20 de agosto de 2010, para apreciação e validação pela Câmara de Vereadores. 13. Monitorar a disponibilização de recursos e equipamentos necessários à funcionalidade da Secretaria junto à Secretaria de Finanças, mensalmente. 14. Apresentar relatório anual de atividades desenvolvidas pela secretaria ao Conselho Municipal de Turismo e ao Executivo. 15- Exercitar a transparência: Divulgar as informações (rádio, jornal local, etc.);

Problema 2

Como resolver o problema

Tempo

Responsável/Envolvidos

1- Nivelar informação referente ao potencial turismo local e regional.

Conselho municipal de turismo desestimulado

Responsável: Ozana – Presidente do Conselho

2- Sensibilizar e mobilizar novos conselheiros; 3- Criar comitês ou câmaras temáticas; 4- Realizar cursos de capacitação de conselheiros; 5- Rever Dec.6.099 de 2006 para efeito de adequação;

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

Início: Primeira quinzena de julho/2010

Participantes: Departamento de Turismo - Os conselheiros

14


6- Realizar seminários e palestras sobre a importância do conselho e o desenvolvimento do turismo;

Término: 30/09/2010

Parceiros: CONTURI – SETUR -SEBRAE

7- Democratizar as ações do Conselho e suas ramificações; 8- Propor a criação do Fundo Municipal de Turismo;

Problema 3

Como resolver o problema 1. Identificar as potencialidades turísticas e formatar informações detalhadas;

Tempo

Responsável/Envolvidos

2. Atualizar o Inventário da Oferta Turístico e inserí-lo no INVTUR (SETUR-MTur); 3. Converter informação em valores econômicos; 4. Ampliar o Programa “Itaguaçu Cenas do Cotidiano”; Os munícipes não valorizam as potencialidades turísticas como interesse econômico

5. Editar o livro para conhecimento e divulgação; 6. Criar material de informação (cartilhas, folders, etc.). 7. Campanha de promoção e divulgação dos potenciais turísticos e sua integração (educação, imprensa em geral, comunicação...);

8. Criar programa de Rádio específico para a divulgação e valorização do produto turístico Itaguaçuense. 9. Fazer um levantamento das entidades ligadas ao setor (comércio, produtores rurais, artesãos, hoteleiros, artistas, etc.). 10. Sensibilizar e mobilizar sobre a importância do turismo e o papel do trade no fortalecimento da rede.

Início: 15 de julho Término: Ação contínua

Responsável: Departamento de Turismo=Orlando Participantes: Conselho Municipal de Turismo; CDL; Empresários do Setor de Hotéis, Bares e Restaurantes. Parceiros:

11. Capacitar os integrantes para efetivação da integração. Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

15


Rádios, Igrejas, 12. Desenvolver ações para fortalecimento das entidades. 13. Integrar o Conselho Municipal de Turismo 14. Envolver as lideranças religiosas; 15. Envolver a Câmara Municipal 16. Promover pequenas oficinas de sensibilização e mobilização pontuais, setorizadas divulgando o desenvolvimento econômico e social; 17. Inserir na educação de forma transversal a noção de turismo; 18. Criar gincanas e concursos diversos com tema turístico; 19. Criar banco de dados econômicos das ações/eventos turísticos

Problema 4

Como resolver o problema 1- Realizar levantamento dos acessos prioritários para a atividade turística; 2- Buscar tecnologia para minimizar os efeitos da erosão e declividade;

Falta de acessibilidade aos atrativos turísticos;

Tempo

Início: Agosto/2010

3- Criar uma agenda para realizar o trabalho; 4- Realizar mutirões com os proprietários para manutenção das caixas secas e das estradas;

Término: Ação constante

Responsável/Envolvidos Responsável: Secretaria de Obras, Viação e Serviços Urbanos=José Jubilin Binda Participantes: Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente; Sindicatos Rurais; Associações de Produtores rurais; Conselho Municipal de Turismo; Departamento de Turismo. Parceiros: IDAF; INCAPER;DER;

Problema 5

Como resolver o problema

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

Tempo

Responsável/Envolvidos 16


1. Fazer o levantamento dos atrativos e os locais a serem sinalizados; 2. Consultar a Setur para desenvolvimento do projeto 3. Contratar elaboração do projeto executivo

Falta de sinalização turística.

4. Captar recursos junto ao Ministério do Turismo; 5. Executar e acompanhar a implantação do projeto

Início: 15 de julho Término: Dez 2011

Responsável: Departamento de Turismo=Orlando Participantes: Conselho Municipal de Turismo; Secr. de Agricultura, Secretaria de Obras; INCAPER Parceiros: SETUR; MTur

Problema 6

Inexistência de estrutura para funcionar o Departamento de Turismo;

Como resolver o problema 1- Listar a estrutura existente; 2- Listar a estrutura necessária; 3- Fazer o orçamento; 4- Buscar remanejamento de pessoal em outras pastas (ver junto à Secretaria de Administração);

Tempo

Início: 01/08/2010 Término: 31/12/2010

5- Buscar uma interlocução e parceria junto aos demais departamentos da Educação Problema 7 Falta de sensibilização do Legislativo Municipal para o desenvolvimento

Como resolver o problema

Responsável/Envolvidos Responsável: Departamento de Turismo=Orlando Participantes: Secretária de Educação Cultura, Esporte e Recreação=Sônia Parceiros: Conselho Municipal de Turismo

Tempo

Responsável/Envolvidos

1- Contemplado na ação 15 do Problema 3.

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

17


do turismo.

Problema 8

Como resolver o problema

Tempo

Responsável/Envolvidos

1- Realizar cadastro de todo o trade turístico do município (atualizar inventário) dos equipamentos turísticos e serviços; 2- Fazer um levantamento das entidades ligadas ao setor (comércio, artesãos, hoteleiros, artistas, bares, restaurantes e similares, etc.;

Início: 01 de agosto

Participantes: Departamento de Turismo; Conselho Municipal de Turismo; Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente; CDL; Associações de Produtores Rurais; Departamento de Esporte; Setor de Tributação; NAC;

3- Sensibilizar e mobilizar sobre a importância do turismo e o papel do trade no processo da formação de rede de negócios; Falta de capacitação profissional do trade turístico;

4- Capacitação e gestão pela qualidade juntos aos proprietários dos equipamentos turísticos através de demandas por setor; 5- Buscar parceiros para capacitação e qualificação; 6- Elaborar cronograma de cursos;

Responsável: Secretaria de Saúde-Vigilância Sanitária=Jozilane

Término: Ação contínua

Parceiros: SETUR; SEBRAE; SENAR; SENAC; INCAPER;Rádio Comunitária

Tempo

Responsável/Envolvidos

7- Sensibilizar possíveis interessados na capacitação; 8- Capacitar o trade a fim de ampliar a hospitalidade;

9- Avaliar os resultados. Problema 9

Como resolver o problema 1- Realizar levantamento de potenciais empreendedores (urbanos

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

18


e rurais) que tenham interesse em buscar recursos junto às instituições bancárias;

Falta de conhecimento para captação de recursos financeiros para pequenos empreendimentos

Responsável: Secretaria de Finanças=Jackson

2- Buscar parceria com o SEBRAE para realizar treinamento;

Início: 01 de agosto

3- Planejar agenda de atividades;

Término:

4- Buscar parceria junto às instituições bancárias para realizar a disponibilidade de informação e conhecimento sobre captação de financiamento (tabelas em excell para simulação de valores a serem pagos.)

Ação contínua

Parceiros: SEBRAE; CAIXA; SICOOB; BB; BANESTES; Nosso Crédito.

5- Fomentar a criação de Associação Comercial e de Serviços de Itaguaçu;

Problema 10

Como resolver o problema

Participantes: Departamento de Turismo=Orlando; Secretaria de Agricultura=Virgílio CDL; INCAPER; Associação de Produtores Rurais de Alto Sobreiro=Marli

Tempo

Responsável/Envolvidos

1. Identificar os atrativos turísticos que ainda não se apresentam em condições de comercialização (receber o turista);

Falta de estrutura nos pontos turísticos

2. Hierarquizar a estruturação dos atrativos turísticos conforme sua importância como atrativo e comercialização

Responsável: Secretaria de Finanças=Jackson

3. Garantir investimentos na sua estruturação básica entre a Prefeitura e parceiros

Participantes: Departamento de Turismo=Orlando; Secretaria de Obras, Secretaria de Agricultura=Virgílio CDL; INCAPER; Associação de Produtores Rurais de Alto Sobreiro=Marli

4. Identificar qual segmento o turístico que o atrativo se apresenta para efeito de comercialização;

Início: 01 de agosto Término:

5. Envolvimento dos atores (proprietários) para liberação do atrativo e sua exploração. 6. Buscar parceria com a SETUR e o SEBRAE para a formatação do circuito (qualificar) e criação de folheteria;

Ação contínua

Parceiros: SETUR, SEBRAE;

7. Reunião com a comunidade, em especial os atores envolvidos no projeto, para apresentação prévia do circuito 8. Promover e comercializar; Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

19


9. Monitorar todo processo.

Problema 11

10.

Consolidar os atrativos nos roteiros turísticos já existentes;

11.

Estruturar novos atrativos turísticos do município.

Como resolver o problema

Tempo

Responsável/Envolvidos

1- Levantamento dos potenciais atrativos; 2- Envolvimento dos atores 3- Definição de competências e funções

Responsável: Departamento de Turismo=Orlando;

4- Avaliação e hierarquização dos atrativos turísticos 5- Avaliação e hierarquização dos atrativos turísticos

Falta de Circuitos Turísticos estruturados em Itaguaçu;

6- Identificação dos possíveis impactos socioculturais, ambientais e econômicos 7- Elaboração de roteiro específico 8- Levantamento das ações necessárias para implantação do roteiro turístico 9- Precificação e teste do roteiro turístico

Início: 01 de agosto Término: Lançamento do Circuito Turístico: Dez2010

10- Qualificação dos serviços turísticos

Participantes: Conselho Municipal de Turismo; Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente; Secretaria de Obras; Secretaria de Saúde; Associações de Produtores Rurais; Departamento de Cultura e Esporte; CDL; Parceiros: SETUR; SEBRAE; SENAR; INCAPER; IDAF

11- Promoção e comercialização 12- Monitoria e Avaliação

Problema 12 Falta de

Como resolver o problema 1. Realizar palestras para classificação dos meios de hospedagem

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

Tempo Início:

Responsável/Envolvidos Responsável:

20


acomodações (UH’s) para atender aos turistas;

(verificar a regulamentação da Lei nº 11.771 de 17/09/2008);

01 de agosto

2. Consultar o site da Associação Brasileira da Indústria Hoteleira: http://www.abih.com.br/principal/classificacao/matriz.php# e baixar os arquivos de Matriz e Manual de Avaliação

Término: Março/2011

Participantes: Empreendedores=Luzia, Marli, Carla Binda e Darcilene Conselho de Turismo e futura Associação Comercial e de Serviços de Itaguaçu

3. Identificar os gargalos que provocam a falta de UHs no município 4. Realizar pesquisas de mercado para melhoria das UHs 5. Fomentar a implantação do Projeto “Cama e Café” e seguir todas as normas da legislação.

Parceiros: SETUR; SEBRAE; SENAC; BANESTES, CEF, SICOOB

6. Buscar linhas de financiamento nas instituições financeiras local para ampliação das UHs

Problema 13

Como resolver o problema

Setor Hoteleiro=Walter Sarnaglia com apoio da Renilda da Academia

Tempo

Responsável/Envolvidos

1. Contatar empresas de transportes coletivos intermunicipais para discussão de alternativas; 2. Envolver o Conselho regional da Região dos Imigrantes;

Linhas de Ônibus intermunicipais para Vitória (via Santa Maria de Jetibá) não atendem às necessidades dos usuários de Itaguaçu e Itarana;

1- Consultar a DER sobre concessão de linhas de ônibus intermunicipais; 3. Envolver as associações comunitárias e sindicatos

Início: Agosto/2010

Responsável: Conselho Municipal de Turismo

4. Promover audiência pública sobre a questão; Término:

7. Envolver municípios de interesse.

Participantes: Secretaria de Obras e Viação;associações de moradores; Procuradoria, Gabinete, Consórcio dos Imigrantes.

8. Contatar empresas de transportes coletivos intermunicipais para discussão de alternativas;

Parceiros: Empresas de transporte coletivos

5. Envolver a Câmara municipal; 6. Envolver o executivo municipal.

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

Ação constante

21


intermunicipais 9. Envolver o Conselho regional da Região dos Imigrantes; 10. Consultar a DER sobre concessão de linhas de ônibus intermunicipais; 11. Envolver as associações comunitárias e sindicatos 12. Promover audiência pública sobre a questão;

Problema 14

Ausência de infra-estrutura dos equipamentos turísticos (da rede hoteleira, bares e restaurantes etc.)

Como resolver o problema

Tempo

Responsável/Envolvidos

1- Levantamento dos equipamentos turísticos (atualização do Inventário...)

Responsável: Coordenador de Turismo

2- Conhecer programas de boas maneiras de gestão e aplica-los aos equipamentos turísticos através de treinamentos e capacitações;

Início: Ago/2010

Participantes: Associação comercial –Walter assoc.produtores, Marli, Renilda, Darcilene. Luzia

3- Buscar a Norma ABNT /NBR 15.401/2006 – Sistema de Meios de Hospedagem

Término: Dez/2011

Parceiros: CDL, Turismo, Finanças

4- Buscar informações sobre financiamento junto aos bancos locais 5- Buscar a Lei 11.771 – Lei Geral do Turismo (regulamentação da lei nos artigos 21 e parágrafo único).

Problema 15

Como resolver o problema 1- Convidar empresários para discussão sobre implantação de uma associação empresarial

Falta de participação empresarial na discussão do

Tempo Início: Ago/2010

Responsável/Envolvidos Responsável: Departamento de Turismo=Orlando;

2- Apresentar as vantagens da associação; 3- Busca de modelos de estatutos para fomento; 4- Objetivos de integração e interação para o turismo

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

Término: Ação constante

Participantes: Gabinete, Conselho Municipal de Turismo; Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente; Associações de

22


Produtores Rurais; Departamento de Cultura e Esporte; Igrejas, CDL;

turismo 5- Marcar a assembléia geral. 6- Posse da diretoria.

Parceiros: SETUR; SEBRAE; INCAPER.

Problema 16

Como resolver o problema

Tempo

SENAR;

Responsável/Envolvidos

1- Levantar as áreas prioritárias; 2- Identificar as plantas (mudas) adequadas para o município Responsável: Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente

3- Criar um viveiro municipal e/ou envolver outros já existentes. 4- Pesquisar legislação sobre a implementação de viveiros; 5- Parcerias com produtores rurais no fornecimento de esterco para produção de compostagem.

Falta de paisagismo

6- Produzir mudas em larga escala 7- Realizar distribuição de mudas para o Programa de “Adoção de Jardins e Logradouros”. 8- Envolver as escolas de campo para ampliação do paisagismo nas propriedades rurais 9- Capacitação dos atores.

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

Início: Ago/2010 Término: Ação constante

Participantes: Gabinete, Câmara Municipal, Conselho Municipal de Turismo; Associações de Produtores Rurais; Departamento de Cultura e Esporte; Igrejas, CDL; Parceiros: SENAR; INCAPER, Escolas de Campo

23


8 - Considerações do Consultor O município de Itaguaçu tem uma forte predominância de imigrantes portugueses, negros, italianos, alemães e pomeranos na sua formação. No entanto, concentra-se hoje, aos italianos e alemães toda a dinâmica municipal, demonstrada inclusive, através da arquitetura da Igreja da Matriz Nossa Senhora de Todas as Graças, construída em 1853 onde reflete toda grandiosidade do que foi o município no passado. O exploração do turismo, como atividade econômica no município, é um tema novo para a sociedade urbana e rural, à exceção de alguns empreendedores, que vêm o negócio como uma iniciativa em razão de uma fraqueza produzida no oferecimento de equipamentos turísticos do que uma oportunidade de ampliar os negócios com a atração de turistas. E esse sentimento, os gestores públicos também deixam transparecer. Existe uma Diretoria de Turismo com uma capacidade reduzida de operacionalidade seja de estrutura física quanto de pessoal e justificada pela baixa arrecadação municipal, portanto orçamentária. Interessante que os participantes da Oficina consideram de extrema importância à estruturação do setor do turismo no município, tanto que elencaram como problema:  Problema 1: Inexistência de uma secretaria de turismo, com 625 pontos;  Problema 2: Conselho municipal de turismo desestimulado, com 625 pontos;  Problema 3: Os munícipes não valorizam as potencialidades turísticas, com 625 pontos;  Problema 6: Inexistência de estrutura para funcionar o Departamento de Turismo, com 500 pontos ;

É compreensível a justificativa em razão da receita apresentada em 2009 com R$ 23.022,50 em relação a 2008 com R$ 26.611,20 apresentando uma redução de 13,5%. Essa queda de arrecadação afeta a gestão pública como um todo. Mas se a queda de arrecadação é um fator considerável, resta à municipalidade compreender e efetivar alternativas econômicas para equilibrar as finanças e os negócios do município. O turismo de Itaguaçu participando da Região dos Imigrantes se apresenta como alternativa econômica viável. Talvez com relação a isso, sentimos a ausência de alguns convidados que exercem cargos de Secretários na Prefeitura e outros da sociedade local, e acreditamos que essa ausência seja fruto da falta de conscientização da importância do turismo para a economia local, conforme levantado pela própria comunidade na Oficina como problemas identificados na Tabela GUT-A. Destaca-se nos participantes o consenso sobre os problemas que afligem ao coletivo conforme descritos acima. Na oficina, foram identificados 16 problemas, resultando em 131 ações para serem resolvidos e ou amenizados. Quanto aos conceitos adotados foi sugerido que fizessem uma releitura sobre todos os assuntos concernentes ao turismo para que reconheçam o seu


papel e atuem em parceria com as diferentes instituições de forma a intensificar a troca de experiências para melhorar indicadores de qualidade de vida e contribuir para o êxito de programas, projetos e ações específicos oriundos dessa oficina. Cabe aqui acrescentar, que os conceitos adotados como estratégico, ao desenvolvimento sustentável, praticados na Oficina, em: “que foca o ser humano, a participação efetiva das pessoas como sujeito das ações e dos processos implementados no âmbito do território, sejam elas econômicas, socioculturais, políticas institucionais e ambientais”, como preconiza as Diretrizes Operacionais do Programa de Regionalização do Turismo – Roteiros do Brasil foram praticados. Durante a Oficina, os participantes, nos fizeram perceber de que a comunidade manifesta interesse quanto ao seu processo de desenvolvimento, salientando sempre que os problemas são oriundos da falta de uma orientação estratégica de política municipal. Nos fez perceber, também, que os gestores nutrem um grau de impotência sobre alguns problemas locais e justificam esses resultados de questões administrativas e políticas. Nota-se, portanto, a exemplo da espécie única não catalogada da Flor Luxemburgia Misteriosa em Alto Misterioso e a Borboleta Leptagrion Capixabae, que a população ainda não tem um direcionamento de cenário mais definido quanto às suas potencialidades e exprimem generalidades não muito comuns para seu futuro, e acreditam que este Plano de Ação de Curto e Médio Prazo, possa alavancar esse direcionamento para o turismo. Será justamente através do fortalecimento da gestão com pequenas ações voltadas para a resolutividade de problemas que o Conselho Municipal de Turismo juntamente com o órgão Municipal de Turismo poderão proporcionar a gestão compartilhada contribuindo com o processo democrático de direito, onde seus resultados serão a sustentabilidade futura. Na oficina foi demonstrada que competências estratégicas estão carecendo, principalmente de iniciativas endógenas, do próprio órgão público e da comunidade para a exploração do turismo. Esse olhar para dentro talvez seja a grande possibilidade da comunidade juntamente com a administração pública e o empresariado, implementar rede de cooperação. As oportunidades podem ser classificadas, oportunamente, com a atratividade e a probabilidade de sucesso. A probabilidade de sucesso do plano não depende apenas da força do “negócio turismo”, das exigências básicas para ser bem-sucedida em mercado competidor, mas também de suas competências para superar seus concorrentes. A mera competência não constitui uma vantagem competitiva. O município de melhor desempenho será aquele que possa gerar o maior valor para o turista e sustentá-lo ao longo do tempo. Outra percepção fundamental foi a de que para o desenvolvimento do município é a de que: não há produto turístico sem serviços de qualidade e para tanto, o município precisa urgentemente de apoio do SEBRAE, SENAR, SINDBARES, INCAPER, instituições financeiras e outros, para sua qualificação. Se os pontos fortes do município são: o turismo cultural, o agroturismo e o ecoturismo estabelecem-se então um diferencial composto de serviços de alimentação e hospedagem, que estão carentes. Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

25


Vale ressaltar que em nossa percepção, necessário se faz um contínuo trabalho de sensibilização e mobilização das lideranças representativas de entidades de classe e da sociedade civil e mais importante ainda à participação dos agentes políticos, aqui denominados de secretários, assessores diretos do Executivo. É possível que se faça uma boa gestão de saúde no município, uma excelente gestão na educação, que apresente uma boa infra-estrutura e obras, uma boa política ambiental, um relevante patrimônio histórico etc., no entanto, não se implementa turismo sem a participação efetiva de todos eles. O turismo é uma conjunção de forças e que estas necessariamente precisam estar integradas. Talvez a grande questão seja o Executivo definir com mais precisão quais são as Secretarias de Atividade-Meio e conferir-lhes suporte a fim de garantir as Secretarias de Atividades-Fim, o apoio irrestrito para assim atingir seus objetivos estabelecidos no Plano de Ação. É aconselhável, que se recorra aos orçamentos anuais para descrever os objetivos específicos referentes à magnitude e tempo, transformar objetivos em metas mensuráveis onde facilita o planejamento, à implementação e controle. O município tem vários desafios considerando sua localização e pertencente à Região dos Imigrantes com forte apelo cultural das suas etnias. A região oferece várias oportunidades para a exploração do turismo, portanto a hierarquização dos problemas elencados, partindo do mais importante para o menos importante, é o mais viável. Desse passo em diante, a formulação de estratégias, indicará de como chegar lá para fortalecer o município e região.

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

26


9 - Relação dos Participantes

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE TURISMO Programa de Regionalização do Turismo - Roteiros do Brasil Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal do Turismo do Município de Itaguaçu – 23 e 24 de junho de 2010 - 8h às 18h LISTA DE PRESENÇA

Nome

Instituição

e-mail

Telefone

CPF

1. Izaura Merçon Vieira de Paula

APROA’ (Artesanato)

8807-0520

2. Luzinete Carla Binda

Sec. Municipal de Saúde

9948-1295

3. Luzia Arnholz Padoani

Empreendimentos

9987-7648

085 292 627 86

4. Nilsa Bienow Pagung

Sec. Municipal de Saúde

9852-5966

080 762 857 39

5. Alex André Binda Ventura

Sec. Municipal de Saúde

9864-1420

114 007 407 54

6. Ângela Maria Becalli y Becalli

Sec. Municipal de Saúde

9901-1219

068 827 287 80

7. Isaurinha Sandra Moreira

Sec. Municipal de Saúde

9859-0524

002 953 207 88

8. Darcilene Casagrande Berger

L&D Chopperia

9. Evani Aparecida Manhani

Autonoma/trailler

10. Vanúbia Santos Ribeiro Vedova

Prefectura- Sec.de Saúde

darcidhara@hotmail.com;

vanubiavedova@hotmail.com;

425 665 507 78

9967-8742 9857-3781

096 575 807 90

9974-6321

007 859 587 89


Prefectura- Sec.de 11. Jackson Luis Fehlberg Pereira

9882-4175

005 445 067 58

9904-6766

489 337 247 53

Finanças 12. Walter Luiz Sarnaglia

Hotel Amigão

hramigao@hotmail.com;

13. José Jubilin Binda

Sec. de obras

9901-8400

14. Fernanda Plaster

Ass.de produtores

9821-0662

059 365 907 47

15. Renilda L.Binda da Vitória Ludtke

Sec.de Administração

renildasaude@yahoo.com.br;

9976-3210

CI 513 422

16. Maria A. Carnelli Frizzera

Servidor público estadual

auxiliadoracarnelli@gmail.com;

9975-6194

17. Élida Maria Fernandes

Sec. M. de Assist. Social

e_lidin@hotmail.com;

9962-8998

18. Marlete Furlani Loss

Sec. M. de Assist.Social

marletefl@bol.com.br;

9976-6126

19. Antônio Mauro Gomes Rossoni

IDAF

20. Miguel Angelo Frizzera

M&M Lanches

21. Roselene Monteiro Zanetti

Sec. Municipal de Finanças

elitarana@idaf.es.gov.br;

098 375 067 09

9909-5844 9837-8000

financas@itaguacu.es.gov.br;

27 9971-2817

674 426 687 04

soniasemec@yahoo.com.br;

9937-4470

848 248 757 49

Sec. Municipal 22. Sônia Zanetti Bazilio de Souza Ed.Cult.Esp.Turis 23. Mariane L.F.Dominicini Berger

Sec. M.Educação .Cult.Esp.

marianefdberger@yahoo.com.br;

27 9947-6944

005 444 317 23

24. Orlando Alves dos Santos Netto

Departamento de Turismo

orlandoalvesnetto@hotmail.com;

27 9971-0867

103 140 467 80

25. Romário Celso Basílio de Souza

Prefeito Municipal

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

28


Associação dos Produtores 26. Marli Machado Rurais 9881-1023 27. Fernanda Cardoso Beloti

CDL

cdlitaguacu@bol.com.br; 3725 0003

28. José Cláudio Chiapani

Vigilância Sanitária

9977-5263

953 559 797 34

29. Altamiro José Fernandes

Diretor de esporte e cultura

serrefernandes@yahoo.com.br;

9946-7466

621 741 857 68

30. Ozana Maria Bicalho Becalli

Pres.conselho M.Turismo

ozanabicalho@ig.com.br;

9844-9070

978 106 067 00

31. Lisabethe Jacob Cardoso

Câmara M. de Itaguaçu

cmitaguacu@hotmail.com;

9813-2594

32. Josilane M .Caetano P. Lopes

Secretaria de Saúde

lane32lane@hotmail.com

9977-5263

900 709 177 87

33. Izaura Merçon Vieira de Paula

APROA’(Artesanato)

8807-0520

425 665 507 78

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

29


10 – Avaliação dos Participantes

“Gostaria que houvesse mais vezes essa parceria entre a SETUR, Prefeitura Municipal e a população local para que sempre pudéssemos realizar capacitações e assim desenvolvermos um turismo com mais qualidade.” Anônimo “Hoje, foi iniciado uma oficina fortalecendo mais ações para enriquecer nosso turismo, trabalhando unidos com certeza teremos produtos do trabalho e renda para a população do município.”Josê Cláudio Chiapani – Vigilância Sanitária da Prefeitura de Itaguaçu “Curso dirigido pelo Moacir, que tem uma enorme facilidade e experiência no tema, pois, eu pensei que seria um curso chato, mas fiquei maravllhado com a forma em que o consultor explanava o assunto. Sugiro que seja feito o acompanhamento do que foi começado e que seja com o mesmo consultor.” Jakson Luis F. Pereira – Secretaria de Finanças de Prefeitura de Itaguaçu “Na minha opinião, faltou material didático para ler, levar para casa para se informar. Ex. apostilas, livros.” Alex André Binda Ventura – Secretaria Municipal de Saúde. “Não estive presente no dia 23 por motivos particulares, portanto, não posso avaliar. Hoje dia 24, achei muito produtivo e espero que tenha mais êxito com as propostas aqui construídas.” Jozilane Caetano – Secretaria de Saúde – Vigilância Sanitária. “Muito satisfeita em outros com excelência. Foi com prazer que absorvi conhecimento e enxergar o todo como novo olhar, valores e beleza. Obrigada pela caminhada!!!” Izaurinha – Secretaria de Saúde. “Outras oficinas direcionada para o turismo. Maior tempo para divulgação da oficina.” Ozana Maria Bicalho Becalli – Conselho Municipal de Turismo “Carga horária muito intensa. Sugestões: carga horária de 8h as 16 h.” Ângela Maria Becalli Y Becalli – Secretaria Municipal de Saúde. Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

30


“Sugiro a realização de outros encontros desta natureza.” – Walter Luiz Sarnáglia – Hotel Amigão. “A Oficina me fez entender como é amplo o turismo, gostaria de mais oficinas no município.” – Luzinete Carla Binda – Secretaria Municipal de Saúde. “A oficina me fez ver quantos pontos turísticos nós temos no município a partir de hoje vou valorizar as belezas naturais que aqui temos. Vou divulgar o que assimilei para a localidade onde eu trabalho.” Nilsa Biernow Pagung – A.C.S. Secretaria municipal de Saúde. “Pelo pouco que participei gostei e entendi da necessidade de organização e interesse da população para o sucesso do nosso município.” – Marli Machado Sala – Associação de Produtores Rurais “Introduzir informações turísticas em talões de taxa de água, luz, telefones para acontecer indagações por parte da população geral.” – Renilda – Academia Vida Ativa. 9964.1249 “Trazer mais oficinas na área de turismo para o incentivo, envolvendo os proprietários das fazendas.” Auxiliadora – APROAI “Gostei muito o de participar desse curso, porém achei que o grupo poderia ter se esforçado mais...” Fernanda Plaste – Associação de Produtores Rurais de Paraju. “O processo de divulgação do curso foi falho. O convite de participação precisa ser feito pessoalmente para que os convidados sintam-se valorizados e motivados a participar. Pessoas importantes foram esquecidos e muitos que vieram possivelmente não assumirão os compromissos.” “Realização de uma formação dobre as potencialidades turísticas do Espírito Santo para os gestores das escolas.” Mariane Luzia Folador D. Berger– Secretaria Municipal de Educação de Itaguaçu.

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

31


Avaliação da Oficina de Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo Sobre o Curso: 1. Grau de satisfação em relação à informação recebida antes da Oficina. 2. Grau de atingimento dos objetivos da Oficina 3. Adequação do tempo dedicado a cada tema ou etapa 4. Grau de participação do grupo 5. Grau de satisfação em relação aos materiais/meios utilizados 6.Qualidade global do Curso Sobre o Facilitador: 7 – Conhecimento técnico do facilitador 8 – Condução do curso pelo facilitador

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

Muito satisfeito 36,84 52,63 52,63 26,31 73,68 57,89

Satisfeito

Insatisfeito

Total

63,16 47,36 47,36 73,68 26,31 42,10

100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00

94,73 78,94

5,26 21,05

100,00 100,00

32


“Não é o desafio com que nos deparamos que determina quem somos e o que estamos nos tornando, mas a maneira com que respondemos ao desafio. Somos combatentes, idealistas, mas plenamente conscientes, porque o ter consciência não nos obriga a ter teoria sobre as coisas: só nos obriga a sermos conscientes. Problemas para vencer, liberdade para provar. E enquanto acreditamos no nosso sonho, nada é por acaso”. “HENFILL” Em 11/07/2010

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

33


Moacir Durães CRC-ES 010791/0-7

Oficina de Planejamento e Fortalecimento da Gestão Municipal de Turismo de Itaguaçu –ES Consultor: Moacir Durães

34

RELATÓRIO DE TURISMO DE ITAGUAÇU - ES  

OOOfffiiiccciiinnnaaa dddeee PPPlllaaannneeejjjaaammmeeennntttooo eee FFFooorrrtttaaallleeeccciiimmmeeennntttooo dddaaa GGGeeessstttãããooo M...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you