Issuu on Google+

Out of place


Out of place O lugar das coisas, o lugar das pessoas é apenas uma convenção. Da mesma maneira que é tão difícil definir o certo e o errado, o lugar das coisas é abstrato tanto quanto à idéia de não-lugar. Quem vai dizer que isso está fora do lugar ou exatamente onde deveria estar? A referência é o principal ponto relativo há que possamos considerar. O ponto de vista muda tudo. Muda o que devemos observar, muda o quanto podemos perceber e principalmente aonde devemos reparar. As coisas têm seu devido lugar, porque alguém algum dia disse que “isso” deveria estar lá.

A arte fotográfica explora os momentos pela perspectiva do fotógrafo. Mostrar o que “eu” percebo como fora do lugar, ou o que devo mostrar como fora do lugar, relacionando a arte e o social. O

presente

trabalho

visa

apresentar

as

diferentes

possibilidades de acontecimentos, relativos ao determinado

espaço escolhido (Rua Campo Alegre) e o determinado espaço-tempo, tentando aproximar a vertente do que se

considera certo e errado, dentro do encaixe dos objetos e eventos explorados e devidamente apresentados. Gabriela Amorim



Um “outro olhar” sobre o espaço público