Page 1

PROGRAMA URBANÍSTICO E DIRETRIZES

TABULEIRO VIVO

1) Criação e adequação de soluções de drenagem natural e saneamento

potencializando a dinâmica urbana local com a diversificação do espaço

aliado a soluções paisagísticas para preservação e abastecimento do

urbano e a vida pública por meio de interação social em uma escala local e

aquífero da Bacia Endorreica e para evitar sobrecarga da infraestrutura.

regional. As ações específicas de urbanização são: 1- Verticalização, aliada a

Dentre as soluções utilizáveis, destacam-se: 1- Implementação de sistema de

soluções de taxa de solo natural, permeabilidade visual e fruição pública verde

O presente trabalho é a continuidade do estudo urbanístico de intervenção

saneamento via coletor geral, 2- Adaptação das calçadas com jardins de

para o saciamento de áreas semi privadas, 2- Ocupação dos vazios com

na localidade que compreende a faixa longitudinal sentido sudeste-noroeste no

chuva, 3- Requalificação das lagoas de detenção, 4- Criação de áreas verdes

verticalização destinada a Habitação de Interesse Social, espaços públicos e

entorno do entroncamento entre BR 104 e BR 316 no município de Maceió. O estudo já

públicas para lazer e descanso, 5- Definição de percentual de alta

equipamentos urbanos de cultura, lazer e esporte, 3- Requalificação da

permeabilidade do solo dentro dos lotes;

Feirinha do Tabuleiro associado a estratégias de criação de espaços públicos

Estudo Preliminar Urbanístico

passou pelas etapas de caracterização do processo de urbanização da cidade,

verdes em seu entorno, 4- Incentivo à fachada ativa e uso diuturno de lotes de

definição de um recorte de intervenção urbanística, caracterização da área de intervenção, visando o reconhecimento da dinâmica urbana, elaboração de uma

2) Reestruturação da infraestrutura urbana existente para suprir

uso exclusivamente comercial, serviços e edifícios verticais, reduzindo uma

proposta de urbanização ideal do recorte e pela caracterização socioespacial da

adequadamente as necessidades de uso dos moradores. As ações

parcela na computação de área e oferecendo incentivos fiscais para tal uso em

área. O que configura a presente etapa é o Estudo Preliminar Urbanístico do recorte

específicas incluem: 1- Requalificação de praças com intervenções artísticas e

respectivo parâmetro urbanístico, 5- Incentivo à implantação de estratégias de

de acordo com as diretrizes e o programa de necessidades apresentados na etapa

mutirão, 2- Substituição e reforma de mobiliários urbanos com acessibilidade

eficiência energética nas edificações multifamiliares mediante abatimento de

anterior, com objetivo de apresentar propostas de médio a longo prazo para

universal, 3- Implantação de estações de bicicletas próximo à estações

impostos, 6- Readequação de tipologias arquitetônicas públicas com soluções

readequação dos usos, ocupação e atividades e reconfiguração da paisagem urbana

intermodais, 4- Implementação de iluminação paisagística nos principais

paisagísticas e intervenções artísticas.

a fim de vislumbrar uma nova conformação que relacione aspectos físicos, culturais,

corredores de atividades, 5- Arborização de vias para melhoramento do

5) Promover o desenvolvimento social, econômico e cultural da

microclima urbano, 6- Instalação de sistema de internet público nas principais

população residente a partir de uma inserção produtiva especializada,

praças existentes.

visando a redução das desigualdades e elevação de renda familiar da área

sociais e econômicos.

Conceito Urbanístico

3) Implantação de Sistema de Mobilidade Integrado no eixo da Av. Durval

Conforme estudado segundo as etapas citadas, percebe-se que a área apresenta ênfase na ocupação institucional, residencial e comercial, com trabalhadores assalariados, de baixa a média renda, características de posse por locação e demanda por moradias. Configura-se como uma área que precisa de

de Góes Monteiro com a malha urbana circundante, dando eficiência na utilização de modais de transporte sustentáveis (Transporte público coletivo, caminhadas, bicicletas). Esse sistema deve ser implantado mediante: 1- Implantação de estações intermodais no eixo do futuro VLT associadas à comércio, serviço e soluções paisagísticas, para um

investimento em infraestrutura a fim de oferecer o suporte para constituir uma

aproveitamento diuturno e diversificado das possibilidades proporcionadas

centralidade em crescimento sustentável na escala citadina, integrada a mesma.

por esse equipamento urbano, 2- Criação de vias exclusivas para o pedestre,

como um todo, a implantação de equipamentos urbanos de assistência à população, bem como estimular a participação comunitária nos processos de planejamento e gestão do território. Com isso, destacam-se as seguinte ações: 1- Criação de uma escola de ensino técnico, 2Implementação de postos de cultura pertencentes ao programa estadual de incentivo à cultura, 3- Construção de um complexo esportivo-cultural com arquitetura significativa ao espaço, constituindo uma identidade visual ao local, guiada pela percepção da população local , 4- Criação de um mercado cooperativo na Feirinha do Tabuleiro, para maior alcance de sua esfera

As ações urbanísticas propostas conceituam o desenvolvimento do recorte a

principalmente nas proximidades a equipamentos urbanos de grande fluxo de

partir da implantação de empreendimentos econômicos, equipamentos urbanos e

pedestres, como a Feirinha do Tabuleiro, visando a livre circulação segura do

estratégias paisagísticas que contribuam na ressignificação do espaço degradado

população adulta, 6- Criação de uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA)

mesmo, 3- Pavimentação de ruas, acessibilidade universal de calçadas,

existente, atingindo primordialmente a população moradora.

para atender a futura demanda de pacientes em casos de menor gravidade e

melhorias de sinalização e travessias de pedestre elevadas, 4- Requalificação

desafogar o atual mini pronto socorro, 7- Criação de centros comunitários

O projeto, então, se baseia na visão de adensamento, integração e enriquecimento

de vazios em centro de quadra para criação de corredores exclusivos de

para melhor organização e participação da população junto à gestão da

para esse recorte, a partir de soluções de conectividade entre os lados Leste e Oeste

pedestres e ciclistas (estilo calçadão), com fruição e integração à rua, coibindo

territorialidade, 8- Implementação de pólos de economia criativa (conjunto de

do recorte, identificação de setores que os integrem, requalificação de espaços

espaços segregados 5- Implantação de novas rotas de transporte conectado

negócios baseados no capital intelectual e cultural e na criatividade que gera

públicos, ampliação do índice de caminhabilidade e de permeabilidade do solo.

ao eixo viário estruturante reduzindo o tempo de percurso do transporte

valor econômico, como design, arquitetura, cinema, comunicação, etc.),

Baseia-se ainda na ocupação dos vazios por meio da criação de Complexos culturais,

coletivo, com implantação de ciclovias, 6- Implantação de binários em pontos

próximo a estações visando a especialização econômica no setor de serviços

esportivos, comunitários, de Habitação de Interesse Social e educacionais. As ações

com ruas paralelas para tornar a travessia de idosos e crianças mais seguras e

do local, bem como a evolução integrada do comércio local em fase startup,

propostas foram guiadas pelos eixos de Drenagem e saneamento, Infraestrutura

reduzir os congestionamentos;

c u j o i n c e n t i vo d a r- s e - á n a re d u ç ã o d e i m p o s to s s o b re e s te s

urbana, Mobilidade, Desenho Urbano e Desenvolvimento Humano.

4) Promover a consolidação das centralidades existentes com soluções de uso misto do solo, priorização e integração do pedestre, criação de áreas verdes e estratégias sustentáveis para as edificações,

Universidade Federal de Alagoas Arquitetura e Urbanismo Maceió | Abril, 2018

Professor: Geraldo Majela Gaudêncio Faria

econômica, 5- Implantação de Escolas do tipo EJA para a alfabetização da

empreendimentos, 9- Demarcação de ZEIS, sobretudo abarcando as proximidades das áreas vulneráveis - as comunidades do recorte - para produção de HIS, visando a integração dessas áreas mesmo a longo prazo com o processo de substituição.

Projeto de Urbanismo 2 Tabuleiro Vivo: Estudo Preliminar Urbanístico

Alunos:

Maria Luísa Machado Wemerson Soares

1/10


ESQUEMA GERAL Estudo de Massa

Integração de equipamentos urbanos geradores de fluxo de uso diurno com edifícios de uso misto (Residencial + Outros)

Tratamento paisagístico no entroncamento BR 104/316 com soluções de calçadão e desvio de fluxo em alças viárias Implementação do BRT no Eixo BR 316

Alta Taxa de Permeabilidade nos intra lotes e espaços públicos com jardins de chuva e pisos permeáveis a montante da bacia endorreica

Criação de Escola de Ensino Técnico e EJA Integrado, associado a soluções de jardins e espaços livres de lazer à vizinhança

Utilização de Instrumento Urbanístico de Fruição Pública para criação de espaços de convívio em áreas consolidadas

Implementação de HIS com edificações de uso misto e integração de lotes com moradores de diferentes classes econômicas

Criação de Caminhos Peatonais e Ciclovias com passagem a nível 0m nas estações Implementação do VLT no Eixo BR 104

Estações Intermodais associadas a comércio e serviços de pólos de economia criativa Cruzamentos Rodviários em Viadutos e retornos de quadra com curvatura adaptada

Implementação de um Complexo Esportivo-cultura próximo a uma estação intermodal

Implementação de Coletoras em Binário interligando o tecido urbano circundante e estações de BRT e VLT

Universidade Federal de Alagoas Arquitetura e Urbanismo Maceió | Abril, 2018

Criação de Núcleos de Vizinhança com centros comunitários e equipamentos básicos de lazer educação básica, saúde e cultura

Professor: Geraldo Majela Gaudêncio Faria

Criação do Mercado Cooperativo da Feirinha do Tabuleiro associado a calçadão de passeio exclusivo ao pedestre e áreas verdes

Projeto de Urbanismo 2 Tabuleiro Vivo: Estudo Preliminar Urbanístico

Alunos:

Maria Luísa Machado Wemerson Soares

2/10


ZONEAMENTO PAISAGÍSTICO Parâmetros Urbanísticos, Densidades

A seguinte propostaproposta de zoneamento paisagístico abrange zonas. de projeto arquitetônico para duas uma galeria Visando a desenvolvida necessidade na de disciplina adensamento que oArquitetônico VLT e o BRT comercial, de Projeto 8, demandam, 1 se oestende margeando a BR 104 e a Este BR 316, locais possui comoa Zona partido conceito de conectividade. aspecto de respectiva implantação, apresentando densidade e alta imprime ao espaço a potencialidade de atrair ealta reunir os fluxos para o verticalização, incentivo uso dos elotes. Zona 2 do foi espaço privadocom do edifício que,ao por suamisto vez, atrai reúneAos fluxos definida como aAzona de transição entre aacategoria Zona 1 e do o entorno do passeio público. localização, bem como projeto são recorte, comoNesse de média média propícioscaracterizando-se à aplicação do conceito. sentido,densidade o elementoeprincipal verticalização 8 pavimentos), também com incentivo ao uso do projeto é o(até pátio central, que pode ser acessado pela fachada misto, nas principais proximidades das vias e de uso frontal principalmente e dá acesso aos espaços da coletoras galeria comercial, compartilhado. utilizando-se das árvores existentes in loco como ponto de A densidade proposta cada zona levou em consideração atratividade e hierarquia visualpara predominante. um comparativo entreascidades e bairros brasileiros de alta, No interiormédio do edifício, lojas-âncora (academia, restaurante média e baixa Além disso, foram as e livraria) foram densidade. centralizadas e conectadas peloconsideradas um pátio, que densidades locaiso(cidade e entorno) parâmetro comparativo também integra pavimento térreo ecomo o superior, atraindo clientes para tais decisões. rotineiros às lojas mais ao fundo da galeria. Além dessas, estão voltadasDensidade para o pátio interno as lojas de 55m², por no térreo, e todas as Demográfica (Habitantes hectare) lojas do pavimentoMaceió superior. 185 h/ha Jacintinho Feirinha do Tabuleiro

280 h/ha 136 h/ha

Recife Eixo BRT (Curitiba)

708 h/ha 850h/ha

Parâmetros Urbanísticos Parâmetros Gerais Parâmetro

Zona 1

Zona 2

Densidade Populacional

780h/hectare

250h/hectare

Taxa de Permeabilidade

35%

Parâmetros Morfológicos Verticalização Recuo Frontal

15m

Recuo Lateral e Fundos Coeficiente de Aproveitamento

8m 7,5m

4

Taxa de Ocupação

Mapa 1 - Zoneamento Paisagístico

2,5

Fonte: Base Cartográfica Digital Prefeitura Municipal de Maceió, 2017; Acervo da Disciplina de Projeto de Urbanismo 2017

60%

Comercial e Serviços Recuo Frontal

5m Térreo e 2m até 3 pavimentos

Recuo Lateral e Fundos

3m

N

0m

500m

Escala Gráfica

Universidade Federal de Alagoas Arquitetura e Urbanismo Maceió | Abril, 2018

Professor: Geraldo Majela Gaudêncio Faria

Projeto de Urbanismo 2 Tabuleiro Vivo: Estudo Preliminar Urbanístico

Alunos:

Maria Luísa Machado Wemerson Soares

3/10


ESTRATÉGIAS DE DESENHO URBANO

Fachada Ativa coberta com marquises e avanços edilícios para proteção solar do pedestre

Estudo de Massa

A seguinte O desenho proposta urbano de da projeto proposta arquitetônico é fundamentado para uma galeria na priorização comercial, desenvolvida do pedestre.na Baseia-se disciplinanadecriação ProjetodeArquitetônico caminhos que 8, cruzam possui como o recorte partido de umolado conceito a outro, depossibilitando conectividade. o deslocamento Este aspecto

Ciclovia

Faixas Exclusivas de Ônibus

seguro imprimedo ao espaço pedestre a potencialidade e dos ciclistas,dede atrair forma e reunir queos esses fluxospossam para o usufruir espaço privado de todadoárea edifício semque, que por as vias sua vez, do VLT atraieeas reúne vias os rodoviárias fluxos do funcionem passeio público. comoAbarreiras. localização, A concepção bem como dos a categoria caminhosdo visaprojeto a conexão são das propícios extremidades à aplicação do do recorte, conceito. enquanto Nesse atravessa sentido, o as elemento principais principal zonas de do projeto incentivo é oa pátio uso misto. central,Considera-se que pode seraacessado caminhabilidade pela fachada e a

Bolsões verdes e jardins de chuva intercalando estacionamentos

integração frontal e dá entre acesso o entorno aos principais e o novo desenho espaçosdoda tecido galeria urbano. comercial, utilizando-se Pretende-se das que árvores tais caminhos existentes sejam in loco áreas como de deslocamento ponto de

Travessia de pedestres e ciclistas recuadas e sinalizadas

atratividade e passagem,eseguros hierarquia e ativos, visualmas predominante. também de permanência, aliados a usos que Noointerior dinamizem, do edifício, entreascomércio, lojas-âncora serviço (academia, e habitação, restaurante com e premissa livraria)básica foramdecentralizadas conterem infraestrutura e conectadas quepelo se adeque um pátio, ao clima que também urbano daintegra região o e permita pavimento o maior térreo conforto e o superior, ambiental, atraindo ou seja, clientes áreas rotineiros de fruição no às tecido lojas mais urbano aoarborizadas fundo da galeria. e sombreadas, Além dessas, com passeios estão voltadas extensos para destinados o pátio interno a uso as exclusivo lojas de do 55m², pedestre no térreo, e mobiliário e todas as adequado lojas do pavimento para suasuperior. utilização diuturna. Para definição da locação de atividades, foram considerados,

Recuos Ajardinados

além do zoneamento, setores de integração e vizinhança, os quais foram estabelecidos em função da extinção a divisão que o eixo BR 104 acarreta. Em cada setor busca-se contemplar a conexão entre os Acessibilidade Universal

lados, bem como oferecer áreas de retenção de águas pluviais para desafogar o ponto mais baixo da região (lagoa da Coca Cola), e em complementaridade áreas de lazer para população. Essas áreas visam ainda a integração com centros comunitários que podem estar locados entre cada setor, no sentido de unir as quadras do setor e os setores entre si.

Balizadores

Arborização em Calçadas

Universidade Federal de Alagoas Arquitetura e Urbanismo Maceió | Abril, 2018

Professor: Geraldo Majela Gaudêncio Faria

Projeto de Urbanismo 2 Tabuleiro Vivo: Estudo Preliminar Urbanístico

Calçadas largas

Estacionamentos Recuados

Alunos:

Maria Luísa Machado Wemerson Soares

4/10


LEGENDA:

PARCELAMENTO E USO DO SOLO

Comércio

Projeção das Intervenções (Fase Inicial)

Serviços e indústrias Institucional Vazios urbanos

O projeto toma como um prazo depara 5 a uma 30 anos (ou A seguinte proposta dereferência projeto arquitetônico galeria mais), com ações que variam de implantação consolidação. Em comercial, desenvolvida naa época disciplina de Projetoe Arquitetônico 8, complementaridade, indica-se que tais ações sejam realizadas com possui como partido o conceito de conectividade. Este aspecto auxílio de Instrumentos Urbanísticos sugeridos no Plano Diretor, a imprime ao a potencialidade e reunir os fluxos para o exemplo do espaço Parcelamento, edificaçãode ouatrair utilização compulsórios para espaço privado do edifício que, vez,subutilizado atrai e reúnenoosprazo fluxosdedo ocupação dos vazios urbanos, nopor qualsua o solo 5 anos deve receberAuso segundo obem planejamento indicadodo para região.são As passeio público. localização, como a categoria projeto intervenções devem acontecer mediante participação popular, por meio propícios à aplicação do conceito. Nesse sentido, o elemento principal de oficinas e audiências públicas, para que a sociedade esteja consciente do projeto o pátio Ecentral, que que pode ser capazes acessado fachada das possíveiséreformas. ainda, para sejam de pela opinar acerca frontal e dá acesso aos principais espaços da galeria comercial, dos locais e formas de intervenções, bem como, entender os possíveis efeitos decorrentes mesmasexistentes e como manter ações como duradouras. utilizando-se dasdas árvores in loco ponto de

Áreas verdes

Mapa 2 - Uso e Ocupação do Solo - Situação Atual

O parcelamento quadras visa, principalmente, a instalação de atratividade e hierarquiadas visual predominante. edifícios verticais que alcancem a densidade populacional proposta, e No interior do edifício, as lojas-âncora (academia, restaurante cumpram as atividades de uso misto incentivadas. e livraria) foram centralizadas e conectadas pelo um pátio, que Habitação de Interesse Social (HIS) também integra o pavimento térreo e o superior, atraindo clientes

N

Para HIS foram destinados lotes próximos às ocupações ilegais rotineiros às lojas mais ao fundo da galeria. Além dessas, estão existentes no recorte, para fins de realocação. Os lotes possuem voltadas para o pátio interno as lojas de 55m², no térreo, e todas as tamanhos variados e considera a ocupação dos vazios. Visto a lojas do pavimento superior.o número de lotes pode aumentar, ou pode necessidade da população, ser aplicado o instrumento de Cota de Solidariedade, no qual grandes empreendimentos devem reservar uma porcentagem de suas edificações para HIS. A implantação de HIS visa a diversificação de usos, aliando habitação à comércio, educação e áreas livres na conformação de complexos de uso misto, nos quais uma parcelas dos moradores possam garantir suas atividades econômicas e a partir dessa circulação financeira, possa compor a manutenção das edificações com eficiência.

Fonte: Base Cartográfica Digital Prefeitura Municipal de Maceió, 2017; Acervo da Disciplina de Projeto de Urbanismo 2017

0m

Universidade Federal de Alagoas Arquitetura e Urbanismo Maceió | Abril, 2018

Professor: Geraldo Majela Gaudêncio Faria

1.000m

Escala Gráfica

Cronograma de Intervenções Prazo

Intervenções

5 anos

Lotes com ocupação e Registro Irregular

10 anos

Ocupação de vazios

15 anos

Áreas verdes

20 anos

Adequação viária

25 anos

Abertura de vias

30 anos +

Adensamento e Substituição

Processo

Instrumentos Urbanísticos

Realocação em vazios e Requalificação das moradias

De regularização Fundiária

Implantação de grandes Empreendimentos e HIS

De indução ao Desenvolvimento Urbano

Escola Técnica Visto que o recorte apresenta uma população majoritariamente jovem, propõe-se a implantação de um Escola de Ensino Técnico profissionalizante para o crescimento da modalidade de trabalho especializada, cujo valor de trabalho é melhor recompensado financeiramente, possibilitando o crescimento de renda familiar local. Aliado a escola técnica, a implantação de Escolas do tipo EJA para a alfabetização da população adulta. A escola foi locada próxima a uma estação intermodal e de Habitações de Interesse Social, para facilidade de acesso físico e social.

500m

Requalificação de áreas exisTentes e ocupação de vazios

Por desapropriação e Substituição dos lotes Com delimitação de Área não edificável

A partir do remebramento de Lotes para que fiquem maiores, No processo de substituição

Projeto de Urbanismo 2 Tabuleiro Vivo: Estudo Preliminar Urbanístico

Participação Popular

Oficinas Informativas E para formação de Programa de Necessidades Do complexo his Audiências públicas EIV para implantação De grandes Empreendimentos Auxílio da população Na manutenção de Áreas verdes com Oficinas de Mobiliário e Jardinagem

Alunos:

Maria Luísa Machado Wemerson Soares

5/10


LEGENDA:

PARCELAMENTO E USO DO SOLO

Substituição para uso misto com foco em Habitação, Comércio e Serviços

Projeção das Intervenções (Fase Final)

Substituição para uso misto com foco em Habitação e Serviços

A

Institucional

A seguinte proposta de projeto arquitetônico para uma galeria Complexo Esportivo-Cultural comercial, desenvolvida na disciplina de Projeto Arquitetônico 8, Propõe-se a implantação próxima a uma estação intermodal e possui como partido o conceito de conectividade. Este aspecto em um vazio urbano de grande porte um Complexo Esportivo imprime ao espaço potencialidade de atrair e reunir os fluxos o Cultural. Esse pontoaconforma um centro de cultura e lazer quepara pode espaço privadoquadras do edifício que, por piscina, sua vez, atrai e reúne restaurante, os fluxos do reunir teatro, esportivas, lanchonete, espaçospúblico. de exposições, oficinas, área de leitura e internet livre, entre passeio A localização, bem como a categoria do projeto são outros serviços. propícios à aplicação do conceito. Nesse sentido, o elemento principal

Complexo de uso misto com foco em Habitação de interesse Social, Comércio Popular e Serviços

02

Grandes empreendimentos instalados

B

Complexo Esportivo Cultural

Aliado oficinas com aque população, possibilidade do projeto é oa pátio central, pode serindica-se acessadoa pela fachada de que essa construção conforme uma arquitetura significativa neste frontal e dá acesso aos principais espaços da galeria comercial, espaço, constituindo uma identidade visual ao local. utilizando-se das árvores existentes in loco como ponto de Feirinha do Tabuleiro atratividade e hierarquia visual predominante.

Escola Técnica Áreas verdes

Propõe-se requalificação da Feirinha (academia, do Tabuleirorestaurante associado No interior ado edifício, as lojas-âncora a estratégias de criação de espaços públicos verdes em seu entorno e e livraria) foram centralizadas e conectadas pelo um pátio, que da criação de um mercado cooperativo na Feirinha do Tabuleiro, para também integra o pavimento térreo e o superior, atraindo clientes maior alcance de sua esfera econômica. rotineiros às lojas mais ao fundo da galeria. Além dessas, estão No sentido da conciliação de atividade e priorização do voltadas o pátio ainterno as lojas da de 55m², nodo térreo, e todas as pedestre,para propõe-se transferência Feirinha Tabuleiro para lojas pavimento uma do quadra com superior. maior dimensão próximo à atual instalação e construção de um mercado público, aproveitando a intensa dinâmica já existente como ativador do espaço urbano da proposta realizada. Na proposta essa quadra não é interrompida por vias rodoviárias, que passam por trincheiras. Logo a quadra conforma um calçadão sendo reservada ao uso de pedestres, com acesso fácil a estação intermodal.

A C

01

Calçadão Mercado/Feirinha

02

Parque Urbano Setores

D

Pólo de Economia Criativa E

Propõe-se a implementação de Pólos de Economia Criativa próximo as estações intermodais na parcela edilícia associado aos demais usos com incentivo de implementação a partir de redução de encargos tributários para sua implementação. A proximidade com as estações visa a possibilidade da utilização da praça circundante como laboratório de experiências para aplicação de ideias, intervenções no espaço público e a conectividade com as diversas partes da cidade mediante o transporte público integrado. A criação do pólo visa a especialização de empreendimentos autônomos locais em fase star tup, gerando assim, um desenvolvimento socioeconômico da população.

Mapa 3 - Uso e Ocupação do Solo - Fase Final

01

N

Fonte: Base Cartográfica Digital Prefeitura Municipal de Maceió, 2017; Acervo da Disciplina de Projeto de Urbanismo 2017 0m

500m

Escala Gráfica

Universidade Federal de Alagoas Arquitetura e Urbanismo Maceió | Abril, 2018

Professor: Geraldo Majela Gaudêncio Faria

Projeto de Urbanismo 2 Tabuleiro Vivo: Estudo Preliminar Urbanístico

Alunos:

Maria Luísa Machado Wemerson Soares

6/10


SISTEMA VIÁRIO

BR 104 - VLT

Principais Fluxos e Estratégias

BR 316 - BRT

REQUALIFICAR

LEGENDA:

Retornos Paralela Alternativa

Pretende-se requalificar o sistema viário visando priorização A seguinte proposta de projeto arquitetônico paraauma galeria

Coletoras Binário

do pedestre,desenvolvida do ciclista e do SeráArquitetônico instalado na BR comercial, na transporte disciplina coletivo. de Projeto 8,

Coletoras Duplo Sentido

104 o Veículo sobre Trilhos - VLT. modal foi escolhido pela possui como Leves partido o conceito de Esse conectividade. Este aspecto menor de apoluentes, pela de capacidade de passageiros que imprimeemissão ao espaço potencialidade atrair e reunir os fluxos para o

Compartilhadas - CONSTRUIR

pode transportar menor fluxo pela facilidade de espaço privado docom edifício que, por de suapassagem vez, atrai ee reúne os fluxos do integração. passeio público. A localização, bem como a categoria do projeto são

Compartilhadas - REQUALIFICAR

O sistemaàviário contado ainda com aNesse requalificação vias para que as propícios aplicação conceito. sentido, odas elemento principal mesmas possam se central, adequarque aospode perfis propostos. Essa do projeto é o pátio serviários acessado pela fachada requalificação visa a implantação de coletoras possam frontal e dá acesso aos principais espaçosem dabinários galeriaque comercial, facilitar a integração as estações intermodais. integrarde as utilizando-se das com árvores existentes in locoE possam como ponto extremidadese do recorte, visual ao passarem em forma de trincheira pelo eixo atratividade hierarquia predominante. do VLT No e interligarem os dois as lados, cujos retorno são realizados via interior do edifício, lojas-âncora (academia, restaurante retorno de quadras adjacentes. Ose passeios largospelo e arborizados e livraria) foram centralizadas conectadas um pátio,visam que aumentar o índice de caminhabilidade para pedestres e auxiliar no uso também integra o pavimento térreo e o superior, atraindo clientes misto com fachada ativa, bem como soluções de fruição. São criados rotineiros às lojas mais ao fundo da galeria. Além dessas, estão ainda coletoras de sentido duplo em ruas que já possuem uma seção voltadas para o pátio interno as lojas de 55m², no térreo, e todas as transversal de medida suficiente. As vias apresentam bolsões que ao lojas do pavimento superior. intercalar com estacionamentos criam abrigos para os pedestres e locais de permanência ou passagem confortável. É proposto ainda a readequação de vias consideradas paralelas para que possam a longo prazo distribuir o fluxo dos Eixos Principais. São criadas ainda vias compartilhadas com uso peatonal prioritário, próximas às estações e aos complexos de HIS, educacionais e culturais. As vias locais qualificadas segundo o perfil complementam o sistema viário. A caixa proposta da via segue as dimensões já existentes, naquela onde a caixa não for suficiente (principalmente lado oeste), essas intervenções são propostas com uso de delimitação de uma faixa não edificável que possa ser liberada para ampliação das ruas no decorrer da substituição dos lotes para atendimento do adensamento e

Mapa 4 - Sistema Viário Fonte: Base Cartográfica Digital Prefeitura Municipal de Maceió, 2017; Acervo da Disciplina de Projeto de Urbanismo 2017

verticalização propostos. Em casos em que isso não possa ocorrer, propõe-se a desapropriação mediante comunicação prévia com a população.

N

0m

500m

Escala Gráfica

Universidade Federal de Alagoas Arquitetura e Urbanismo Maceió | Abril, 2018

Professor: Geraldo Majela Gaudêncio Faria

Projeto de Urbanismo 2 Tabuleiro Vivo: Estudo Preliminar Urbanístico

Alunos:

Maria Luísa Machado Wemerson Soares

7/10


SISTEMA VIÁRIO Estações Intermodais

Via paralela alternativa à BR 104

A seguinte As estações proposta foram de locadas projetoem arquitetônico pontos que parapermitem uma galeria a

Estacionamentos em fundo de lote

continuidade comercial, desenvolvida urbana, ouna seja, disciplina as vias de coletoras Projeto que Arquitetônico chegam nas 8, Vias Coletoras em Binário com alto fluxo peatonal

mesmas possui como podem partido se expandir o conceito no entorno, de conectividade. e os grandes corredores Este aspecto de passagem imprime aode espaço pedestres a potencialidade e ciclistas tem defacilidade atrair e reunir de acesso os fluxos porpara meio o de espaço passeios privado largos do edifício e exclusivos que, porque sua vez, são atrai postos e reúne paraosatender fluxos do o caminho passeio público. até as estações. A localização, Os outros bem como modais a categoria (carros, motos, do projeto ônibus) são também propícios àa aplicação alcançamdosem conceito. dificuldade, Nesse sentido, pois aso elemento vias coletoras principal os Edifícios de Uso Misto

do recolhem projetonaé via o pátio rodoviária, central, deque forma pode queser taisacessado modais não pelaafetam fachada o Passagem Elevada sobre Estação Intermodal

trânsito frontal ededá passagem acesso nem aos os principais caminhos espaços exclusivos da de galeria pedestre. comercial, utilizando-se A estação dasproposta árvoresconforma existentes uma inespécie loco como de praça ponto no eixo de

Desvios e travessias em retorno de quadra

atratividade BR 104 paraeos hierarquia pedestres, visual para predominante. que possam atravessá-lo de forma segura.No O eixo interior rodoviário do edifício, da BR as104 lojas-âncora formam passarelas (academia, derestaurante passagem

Cota edificada com incentivo para Pólo de Economia Criativa

e para livraria) os carros, foram quecentralizadas sobem enquanto e conectadas o VLT e pedestres pelo um continuam pátio, que em também nível. A estrutura integra oformada pavimento portérreo essa espécie e o superior, de viaduto atraindo formam clientes o rotineiros abrigo da àsestação lojas mais de modo ao fundo que da a construção galeria. Além pode dessas, se tornar estão voltadas economicamente para o pátio viável interno por se asresolverem lojas de 55m², em no complementaridade. térreo, e todas as

Fachada Ativa

lojas Esse do abrigo pavimento formasuperior. a área de integração dos modais e pontos comerciais que dinamizem a estação. As mesmas foram locadas em pontos onde poderiam ser abastecidas por coletoras que integrassem os dois lados do recortes, e próximas a vazios urbanos nos quais

Fruição Pública

seriam instalados complexos de uso misto com ênfase em habitação e pólos de economia criativa com intenso fluxo de pessoas. Trincheira em binário sob Estação Intermodal Calçadas Largas

Ciclovia

Vias de acesso direto à estação compartilhadas com restrição ao acesso veicular 72m

Faixa de Ônibus Exclusiva

Corte Esquemático da Estação Intermodal

Universidade Federal de Alagoas Arquitetura e Urbanismo Maceió | Abril, 2018

Professor: Geraldo Majela Gaudêncio Faria

Trincheira em binário sob Estação Intermodal

Projeto de Urbanismo 2 Tabuleiro Vivo: Estudo Preliminar Urbanístico

Alunos:

Maria Luísa Machado Wemerson Soares

8/10


Eixo BR 104 - VLT

SISTEMA VIÁRIO s e Corte de Vias Estudo de Massa Entroncamento BR’ Esquema Estação Intermodal - Entroncamento BR 104/316

10m R

5m P

3m LC

3m 1,5 C J

6m LC

3,5m VLT

8m C

3,5m VLT

6m LC

1,5 3m J C

3m LC

5m P

10m R

72m

Eixo BR 316 - BRT

5m R

8m P

2m 3m C LC

3m 1,5 C J

6m LC

3,5m 5m 3,5m BRT E / C BRT 69m

Via Coletora - Binário

6m LC

1,5 3m J C

3m 2m LC C

8m P

5m R

Via Coletora - Sentido Duplo

O cruzamento rodoviário entre a atual BR 104 e BR 316 é proposto a partir da readequação da atual proposta do Governo do Estado de Alagoas com a construção de um viaduto elevado no sentido BR 104 e uma passagem subterrânea no sentido BR 316. A proposta deste trabalho readequa os fluxo de retornos a partir da criação de alças em quadras adjacentes, funcionando como um trevo viário. Além disso, o

5m R

2,5m 3m P C

5,5m 6,5m B LC 30 metros

2,5m P

5m R

Via Local

5m R

3m P

3m 2,5m 6m B LC C 30 metros

2,5m 3m B P

5m R

Via Compartilhada

entroncamento demonstra-se um espaço essencial de interligação da região metropolitana do município, aproveitando-se de tal característica para a implementação de uma estação intermodal em escala intermunicipal. A praça criada a partir da segregação de fluxos é cercada de áreas verdes, focando no devido tratamento paisagístico com a finalidade de enaltecer a característica de porta de entrada da cidade, recebendo a população em 5m R

uma área esteticamente trabalhada urbanisticamente.

Universidade Federal de Alagoas Arquitetura e Urbanismo Maceió | Abril, 2018

Professor: Geraldo Majela Gaudêncio Faria

3,5m P

6m 2,5m 3m P LC B 25 metros

5m R

Projeto de Urbanismo 2 Tabuleiro Vivo: Estudo Preliminar Urbanístico

5m R

3m P

9m VP 25 metros

3m P

5m R

Alunos:

Maria Luísa Machado Wemerson Soares

9/10


LEGENDA:

INFRAESTRUTURA

Canais Tronco

Mobiliário Urbano, Redes e Saneamento Ambiental

Canais Secundários Áreas verdes - Auxílio na drenagem de águas pluviais

As faixas de serviçode estão destinadas à locação de árvores, A seguinte proposta projeto arquitetônico para uma galeria rampas de desenvolvida acesso para portadores de de deficiências físicas, poste de comercial, na disciplina Projeto Arquitetônico 8, iluminação, sinalização deconceito trânsito e de mobiliário urbano como bancos, possui como partido o conectividade. Este aspecto caixa de ao correio e alixeiras. A partir de daatrair necessidade defluxos locação imprime espaço potencialidade e reunir os parade o paradasprivado de ônibus, faixasque, de por serviço e canteiros reduzem-se ou espaço do edifício sua vez, atrai e reúne os fluxos do extinguem-se para a instalaçãobem dos como abrigos, bem como criaçãosão de passeio público. A localização, a categoria doaprojeto faixas dupla para ultrapassagem transportes coletivos. principal As redes propícios à aplicação do conceito.entre Nesse sentido, o elemento de projeto instalação e telefônica (internet) são projetadas sob o do é oelétrica pátio central, que pode ser acessado pela fachada passeio epúblico, juntamente com a rede de abastecimento de água e frontal dá acesso aos principais espaços da galeria comercial, esgotamento sanitário utilizando-se das árvores existentes in loco como ponto de O manejo das águas pluviais foi uma das premissas no atratividade e hierarquia visual predominante. desenho urbano, que o posicionamento maiores restaurante áreas com No interiorvisto do edifício, as lojas-âncoradas (academia, taxa permeável solo foi estrategicamente naspátio, áreasque de e livraria) foramdecentralizadas e conectadas locado pelo um maior à montante bacia endorreica. áreas verdes em conjunto também integra oda pavimento térreo eTais o superior, atraindo clientes aos caminhos de fruição funcionam como acúmulo absorção das rotineiros às lojas mais ao fundo da galeria. Aléme dessas, estão águas pluviais, forma que em toda de a região áreas de solo voltadas para ode pátio interno as lojas 55m², existam no térreo, e todas as permeável para que o montante (fundo da bacia endorreica) e o lojas do pavimento superior. entorno não sofram com alagamentos, além da taxa de permeabilidade obrigatória intralote e soluções de sistema de microdrenagem, com vias, valas de coleta nas sarjetas, meio-fio, bocas de lobo, poços de visita, condutores e jardins de chuva. . A área não apresenta cobertura de esgotamento sanitário. Existe, porém, um projeto em andamento, da empresa SANAMA (Saneamento da Alta Maceió) em parceria com a CASAL (Companhia de Saneamento de Alagoas). O projeto visa atender 30.0000 domicílios nos bairros Eustáquio Gomes, Cidade Universitária, Benedito Bentes, Colina dos Eucaliptos, Clima Bom, Antares, Tabuleiro, Santos Dumont e Santa Lúcia. Assim, indica-se então a

Mapa 5 - Sistema de Infraestrutura Fonte: Base Cartográfica Digital Prefeitura Municipal de Maceió, 2017; Acervo da Disciplina de Projeto de Urbanismo 2017

melhor localização para o coletor tronco no recorte, bem como os principais canais alimentadores, e o sentido que devem tomar em rumo a ETE, prevista pela SANAMA, com saída para o Riacho Doce,

N

seguindo o traçado geral de infra-estrutura.

0m

500m

Escala Gráfica

Universidade Federal de Alagoas Arquitetura e Urbanismo Maceió | Abril, 2018

Professor: Geraldo Majela Gaudêncio Faria

Projeto de Urbanismo 2 Tabuleiro Vivo: Estudo Preliminar Urbanístico

Alunos:

Maria Luísa Machado Wemerson Soares

10/10

Profile for Maria Luísa Machado

Tabuleiro Vivo  

O presente trabalho é a continuidade do estudo urbanístico de intervenção na localidade que compreende a faixa longitudinal sentido sudeste-...

Tabuleiro Vivo  

O presente trabalho é a continuidade do estudo urbanístico de intervenção na localidade que compreende a faixa longitudinal sentido sudeste-...

Advertisement