Issuu on Google+

R$ 7,90 | Nº 52 ABRIL DE 2012 ANO 6

Continuação da capa Vai mandar junto com a capa

3 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


4 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


1000 toneladas de silo por dia? A Forrageira Autopropelida 7350 da J&D Silagens faz isso.

O corte do milho para silagem sempre foi um grande vilão no processo de fabricação de comida para armazenamento. Tratores quebrando, facas sendo afiadas diariamente, ensiladeira estragando, e ainda toda fazenda parando suas atividades para se concentrar apenas na época de fazer silo. A J&D Silagens pode cortar sua planta de milho muito mais rápido, com mais uniformidade, mais barato. Tudo isso irá refletir pra você produtor com uma silagem de melhor qualidade para seu rebanho. Vantagens: • Rapidez no corte de milho para silagem • Uniformidade do corte da planta do começo ao final da lavoura • Oferecemos plataforma de costa de 6m • Confiança, agilidade e inovação na região geográfica. • Disponibilizamos 04 forrageiras • Transporte corte e compactação da silagem Rendimento • 100 toneladas hora • Excelente custo/ benefício

Antecipe sua reserva!

Juliano Resende Bernardes

Délcio Vieira Tannús Filho

julianobernardes@yahoo.com.br

d.tannus@hotmail.com

(34) 9664-7000 / (34) 9219-7000 / (34) 9935-6000

(34) 9971-1829

jdsilagens@hotmail.com (34) 3210-1500

5 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


6 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


7 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


expediente

www.interural.com

Diretor Comercial Mário Knichalla Neto mario@interural.com Conselho Editorial Gustavo Ribeiro Paula Arruda Mário Knichalla Neto Editor Chefe Gustavo Ribeiro redacao@interural.com Redação Gustavo Ribeiro e Colaboradores

Editorial

Na Páscoa, a semana é santa, mas o trabalho é duro.

Gustavo Ribeiro Editor

Revisão Aline Defensor alinedefensor@hotmail.com

Caros amigos, Paginação Wilson Vilela www.wilsonvilela.wordpress.com Coordenação editorial Paula Arruda 34 9174-1377 vendasinterural@gmail.com Consultoras de vendas Liliane Franklin comercialinterural@gmail.com

Chegamos à edição nº 52 da InteRural, a Revista do Agronegócio. E acredite, a cada edição buscamos mais inspiração para trazer para você conteúdo diversificado e de qualidade. Fomos buscar para nossa matéria de capa um dos maiores casos de sucesso na criação de Senepol no Brasil: a história de formação, evolução e consolidação do Ita Senepol, do pecuarista e empresário Itamar Netto. Nessa matéria vocês encontrarão uma enciclopédia do Senepol, uma grande oportunidade para conhecer e saber por que essa pode ser a raça do futuro da pecuária de corte nos trópicos.

Marcella RIbeiro marcellainterural@gmail.com Muriell Paes Leme contatointerural@gmail.com

“Nos dias cotidianos é que se passam os anos”. É com essa frase do grande Millôr Fernandes, que partiu e deixou o Brasil menos inteligente, que nós vamos falar do aniversário de 50 anos da Cooperativa Agropecuária de Uberlândia, a CALU. A empresa em 2012 comemora seu cinquentenário e está preparando uma edição especial do InterCalu. Você confere toda essa trajetória de sucesso aqui na InteRural.

Financeiro Ludmilla Pádua financeiro@interural.com

Jurídico

Breno Henrique Afonso de Arruda

Capa Agência ML Pré-Impressão CTP Xpress Digital Impressão Gráfica Brasil Tiragem 10.000 exemplares

Nesta edição de Páscoa, período no qual comemoramos o espírito de vida nova, renovação e de recomeçar, que destacamos a nova presidência da ABCB Senepol. Falando em Páscoa, não seria possível produzir os deliciosos ovos de chocolate sem produção de leite. Como exemplo de produção de leite e genética com profissionalismo, analisamos tudo que é feito em um criatório de excelência, as Fazendas Valinhos e Java Pecuária. Desejo a todos vocês uma ótima leitura, que possam adquirir novas informações e transformá-las em conhecimento, melhorando, assim, os trabalhos desenvolvidos em suas propriedades. É com muito carinho e dedicação que entregamos a

Anúncio e assinaturas 34 3210 4050 Rua Rafael Marino Neto, 600 Jardim Karaíba - Ubershoping Endereço - Loja 56 contato@interural.com 34 3210-4050

vocês mais esta edição. Convido a todos para uma leitura sem rédeas. Gustavo Ribeiro

Artigos assinados não refletem necessariamente a opinião desta revista, assim como declarações emitidas por entrevistados. É autorizada a reprodução total ou parcial das matérias, desde que citada a fonte.

“Pedi e vos será dado! Procurai e achareis! Batei e a porta vos será aberta! Pois todo aquele que pede recebe; quem procura encontra; e a quem bate a porta será aberta.” Mateus 7,7-8

Envie sua sugestão de pauta, dúvida ou reclamação para redacao@ interural.com Sua opinião constrói uma revista melhor!

8 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


9 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


10 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


11 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


12 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


13 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


14 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


15 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


índice

Ita Senepol Uma trajetória de sucesso embasada no pioneirismo e na aposta pelo Senepol pág.

Interural news

Calu 50 Anos Cooperativa completa meio século de existência

pág.

26

Revista InteRural.......................................... 14

Seleção, seriedade e segurança........... 66 Girolando prepara novas ações............ 68 Fertilização in vitro...................................... 70

Agricultura

brahman

Agricultura Verde......................................... 16 Mulheres nas cooperativas.................... 18 Crescimento Agronegócio....................... 20 Dia de campo................................................... 24

Jurados ExpoZebu 2012............................. 72 Ranking da Brahman Paulista.............. 72

pecuária

Teste de Performance a Pasto............... 74 Estância Goudard.......................................... 90 Assembleia Eleitoral 2012........................ 93

Alimentação diferenciada....................... 32 Suplementação Mineral............................ 34 Interpretação de análise química........ 36 Vaca de alta produção leiteira................ 40 Digestibilidade da Fibra............................. 42

mercado Mapa e Bndes.................................................. 46 Crescimento do PIB..................................... 48 Efeito usda...................................................... 50 Declaração do Imposto de Renda........ 52 Atuação dos especuladores................... 54

Java Pecuária e Fazenda Valinhos Dois grandes criatórios e uma oferta imperdível de animais superiores

pág.

118

76

senepol

gir leiteiro Gir Leiteiro na ExpoZebu 2012............... 96 Programa de Melhoramento Genético em Tapira...................................... 97 José Francisco Junqueira Reis............... 98 Silvio Queiroz Pinheiro.............................. 98 ExpoZebu 2012............................................... 98

Equinos

ovinocultura

4ª Etapa Campeonato Mineiro............... 100 Team Peaning................................................. 104

Exportações de carne................................ 58

eventos

pet

Top Genética.................................................... 108 Fazenda Grotadas......................................... 110 Novos Enfoques............................................. 114 Supremacia da Raça................................... 116

O Fila Brasileiro.............................................. 60

girolando

espaço gourmet

Exposições no Brasil................................... 64

Dos pampas para o mundo..................... 124


InteRural

InteRural News

Dia de Campo CAT O Clube Amigos da Terra promoveu no último dia 15 o “Dia de Campo – CAT”. O evento foi realizado nas Fazendas Bom Jardim, de Daniel Lopes, e na Fazenda Alvorada, de propriedade de Luciano Mendonça. O evento foi uma oportunidade para os produtores de Uberlândia e região conhecerem as novas tecnologias e técnicas de manejo atualizadas para a produção de soja e milho. Depois das apresentações do Dia de Campo, o CAT ofereceu um grande churrasco aos participantes. A equipe InteRural registrou tudo que aconteceu naquela manhã produtiva.

Ita Senepol A nossa matéria de capa desta edição traz para o nosso leitor uma verdadeira bíblia sobre a raça Senepol. Protagonizada por um entusiasta da raça, o Sr. Itamar Netto, proprietário da Fazenda Bom Jardim, em Porteirão-GO, uma verdadeira referência na criação de Senepol. Nas próximas páginas, você irá compreender por que o gado vermelho pode ser uma solução para o futuro da pecuária de corte nos trópicos.

Prova de Apartação Celar O Celar, em Uberlândia-MG, foi palco da 4ª Etapa do Campeonato Mineiro de Apartação. Com a casa cheia e sob os olhares atentos dos juízes, competidores e cavalos de diversas partes do Brasil mostraram suas habilidades na pista de provas do Celar. O evento ainda sorteou um carro 0 km para os participantes, tornando o evento ainda mais atraente. Confira as fotos e os resultados do evento.

18 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


Leilão Elite Grotadas “Para a nossa alegria”, Liliane Franklin, acompanhada pelo jornalista da InteRural, Gustavo Ribeiro, prestigiaram o Leilão Elite Grotadas, promovido pelo Sr. Tomáz de Aquino. Foram três dias de evento no Parque de Exposições de Lagoa da Prata, disponibilizando através de leilões, shopping de animais e feira, a melhor genética Gir Leiteiro da atualidade. Representantes do governo, criadores e entusiastas de diversas regiões marcaram presença. O evento foi um grande sucesso, difundindo genética Grotadas por todo o Brasil. Confira essa grande festa nas próximas páginas.

50 Anos CALU

A Cooperativa Agropecuária Ltda. de Uberlândia completa em 2012 50 anos de cooperativismo. Para comemorar esse meio século de vida, a diretoria da CALU está preparando um megaevento. O Parque de Exposições de Uberlândia, CAMARU, mais uma vez é palco do INTERCALU, um evento para os produtores mostrarem o seu trabalho e fazerem negócios. Os 50 anos serão comemorados de forma especial e você, amigo leitor, fica a par de tudo que vai rolar no INTERCALU em primeira mão.

Novos Enfoques Uberlândia, nos dias 16 e 17 de março, sediou o XVI Curso Novos Enfoques na Produção e Reprodução de Bovinos. Um evento que abordou a cadeia produtiva da carne e do leite. Palestrantes reconhecidos internacionalmente, grandes empresas do setor e diversos produtores puderam trocar experiências e tirar suas dúvidas. Uma grande oportunidade para aperfeiçoar técnicas de manejo, conhecer novas práticas do mercado e trocar informações. Uma verdadeira lição de casa para quem vive da bovinocultura.

Leilão Supremacia da Raça A Fazenda Nossa Senhora do Carmo, de Germano Novais Franco, realizou a 1ª Edição do Leilão Virtual Supremacia da Raça. O evento foi transmitido pelo AgroCanal e teve como leiloeira a Nova Sat. O evento ofertou vacas em lactação, bezerras, novilhas e prenhezes da raça Girolando e Gir Leiteiro de genética superior. Confira a cobertura do leilão no caderno de eventos.

19 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Agricultura

Embrapa apresenta ações para 2012 com foco na agricultura verde fotos divulgação

Fortalecer e reconhecer as ações em benefício de uma agricultura mais sustentável Fortalecendo a gestão

Essa é a proposta do “Ano Embrapa para uma Agricultura Mais Verde”, plano de ação da empresa para 2012, que foi lançado no dia 14 de março, em Brasília. O evento contou com a presença do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho. “A Embrapa terá mais importância para o país ser o maior produtor de alimentos do mundo”, disse o ministro. O foco do plano de ação está baseado em quatro pilares: “Fortalecendo a Gestão”, “Fortalecendo a Pesquisa, o Desenvolvimento e a Inovação”, “Fortalecendo e Consolidando a Transferência de Tecnologia” e “Fortalecendo a Transparência e a Eficiência na Gestão”. Segundo o diretor-presidente da Embrapa, Pedro Arra-

es, o momento é bastante propício para concentrar esforços em ações voltadas para uma agricultura mais verde. “Determinados acontecimentos e eventos previstos para este ano são bastante oportunos como a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, a Rio +20; a demanda internacional de conhecimentos e tecnologias agrícolas tropicais, fortalecida pela presença de um brasileiro na Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), José Graziano, que assumiu o posto de Diretor Geral da Organização, ano passado; e a demanda por conhecimentos e dados vinculados ao novo Código Florestal, que está em processo final de aprovação”, ressalta.

20 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

Nesse pilar estão contempladas ações mais estratégicas para empresa como a criação do Programa Agropensa. A proposta é constituir um núcleo de inteligência estratégica da agricultura brasileira, coordenado pela Embrapa Estudos e Capacitação, para produzir e difundir conhecimentos e estratégias para a agricultura do futuro. A criação da Secretaria de Negócios da Embrapa é uma outra ação prevista para este ano. O objetivo é aumentar a capacidade da empresa em negócios públicos e privados de interesse do governo brasileiro. Também estão previstos para este ano os lançamentos da Embrapa Internacional, o que segundo Arraes, tornará mais flexíveis os mecanismos disponíveis para fortalecer a pesquisa, e do Projeto Embrapa Verde, que prevê ajustes na infraestrutura e processos das unidades que já desenvolvem pesquisas de alta relevância ambiental. «Essas mudanças e ajustes vão possibilitar colocar a Embrapa na vanguarda da implementação de ações sustentáveis, incluindo o cumprimento ao novo Código Florestal», explica. A consolidação do Sistema de Avaliação das Unidades e a expansão do Sistema de Avaliação de Talentos são outros pontos fundamentais desse pilar. Os sistemas vão


possibilitar maior qualidade às avaliações. No primeiro, serão levados em consideração critérios universais de avaliação. O segundo sistema, já adotado em algumas Unidades da empresa, tem como objetivo o desempenho individual por resultados, o que qualifica e alinha melhor os resultados às metas da empresa.

Fortalecendo a Pesquisa, o Desenvolvimento e a Inovação O lançamento de novos portifólios de PD&I em temas de grande importância estratégica para a agropecuária brasileira é um dos focos desse pilar. A prioridade para 2012 são os temas “Inovações para o Setor Sucro-alcooleiro e Energético” e “Geotecnologias Aplicadas ao Monitoramento da Agricultura”. Outro grande lançamento é o do Programa Conserva Brasil, que terá como missão conservar a longo prazo a biodiversidade nacional. “Pretendemos fortalecer ainda mais a utilização da biodiversidade em prol da agricultura brasileira, focando nas coleções de espécies de interesse da agropecuária”, explicou Arraes. Segundo ele, até 2020, o programa terá sob sua tutela

a maior coleção brasileira de germoplasma para uso futuro pela agricultura.

Fortalecendo a Transferência de Tecnologia Nesse pilar, as ações que dizem respeito a Transferência de Tecnologia (TT) serão intensificadas. A nova Política de TT, em processo final de elaboração, está em vistas de ser internalizada e implantada. A proposta é balizar as ações da empresa na área, refletindo as mudanças significativas do setor nos últimos anos. Além disso, está previsto o lançamento do Programa de Intercâmbio de Conhecimentos e Transferência de Tecnologias, com foco especial na inclusão produtiva, em apoio ao Programa Brasil sem Miséria. A ideia, segundo o presidente, é organizar portfólios de tecnologias locais e regionais para consolidar as ações de intercâmbio de conhecimentos e TT desenvolvidas pelas unidades da empresa, visando beneficiar os públicos atendidos pelo programa. Outra ação a ser intensificada é o estímulo às Alianças Estratégicas Regionais, em que o foco principal é o fortalecimento das parcerias locais e regionais.

Fortalecendo a Transparência e a Eficiência na Gestão O portal da transparência é um dos principais pontos desse pilar. Ele será desenvolvido de acordo com o que o governo federal estabelece e contará com um sistema de resolução de conflitos entre a empresa e os públicos com que ela se relaciona. O lançamento da formação de lideranças também está previsto. “Vamos criar um modelo de gestão capaz de identificar, desenvolver e preparar talentos para que oportunamente possam preencher vagas em cargos gerenciais, criando uma cultura em que a empresa saiba a liderança que deseja e o empregado os caminhos que devem seguir para alcançar os objetivos gerenciais”, destaca Arraes. Aumentar a eficiência na operação das unidades descentralizadas no Parque Estação Biológica, em Brasília, também é uma das metas. Arraes explica que a proposta é criar um Parque Tecnológico com governança inovadora e participativa, visando a desburocratização dos processos para atender as demandas com maior rapidez e eficiência. As informações são da Secretaria de Comunicação da Embrapa, adaptadas pela Equipe AgriPoint.

“A Embrapa terá mais importância para o país ser o maior produtor de alimentos do mundo” Mendes Ribeiro Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

B������������ �� N������� V������

BR 262 - K� 514 – C���� P����� 81 – L��- MG (37) 3421-3777 (37) 9104-9398

F���� N���������� ����������� � �������������� �������

21 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

canoasfert@catedralnet.com.br


InteRural

Agricultura

Mulheres têm forte atuação nas cooperativas Ministério da Agricultura tem programa específico para evolução do cooperativismo de gênero no país

Fonte: MAPA

Os projetos fazem as mulheres deixarem de ser coadjuvantes para tornarem-se protagonistas” Vera Daller Diretora do Departamento de Cooperativismo e Associativismo (Denacoop) do Mapa

No dia 8 de março, o mundo inteiro celebrou o Dia Internacional da Mulher. Em 2012, a celebração tem significado especial para o cooperativismo de gênero já que a Organização das Nações Unidas (ONU) também celebra o Ano Internacional das Cooperativas. Organizadas em grupo e com muita dedicação, as mulheres entram na realidade cooperativista e colaboram para o desenvolvimento da família e das cidades

em que as cooperativas estão instaladas. Desde 2003, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) promove ações de capacitação, divulgação, geração de renda e organização cooperativista e associativista com base no desenvolvimento sustentável. As ações são realizadas por meio do Programa Coopergênero: Integrando a Família Cooperativista que treinou, até hoje, cerca de 40 mil mulheres. Nesse período, o Mapa sensibilizou

22 | Interural - a revista do agronegócio | MARÇO abril de de2012 2012

gestoras, lideranças e associadas sobre as perspectivas de gênero e realizou campanhas educativas. O Coopergênero foi um trabalho pioneiro no Ministério e é um programa que busca colocar as mulheres em igualdade de oportunidade nas cooperativas e associações rurais. “O foco são as pessoas e as ações buscam a quebra de paradigmas provocados pela herança cultural”, diz Vera Daller, diretora do Departamento de Cooperativismo e Associativismo (Denacoop) do Mapa. O programa teve uma ótima aceitação e obteve resultados concretos como, por exemplo, agregar valor aos produtos das cooperativas e contribuir para a diminuição da violência doméstica. “Quando há uma valorização do trabalho da mulher, a relação entre o casal passa a ter muito mais respeito”, completa Vera. Programas em cooperativas de todas as regiões brasileiras são apoiados pelo Ministério da Agricultura. Projetos em São Paulo, Alagoas, Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso, Rio Grande do Norte e Pernambuco, entre outros estados. Essas experiências mostram iniciativas que mudaram o papel das mulheres. “Os projetos fazem as mulheres deixarem de ser coadjuvantes para tornarem-se protagonistas”, diz Daller.


Interural - a revista do agronegócio | MARÇO de 2012 | 23


InteRural

Agricultura

Agronegócio cresce o dobro da economia geral em 2011 Perspectiva continua positiva para o ano de 2012

No acumulado dos dois anos, o crescimento se consolida em

13,51%

Em 2011, o Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/ USP, com o apoio financeiro da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), cresceu o dobro do PIB nacional calculado pelo IBGE. Enquanto o agronegócio avançou 5,73% (a preços reais), totalizando R$ 942 bilhões (em reais de 2011, ou seja, descontada a inflação),

a economia como um todo se expandiu 2,7%, indo para R$ 4,143 trilhões, segundo o IBGE. Com isso, a participação do agronegócio no PIB nacional aumentou de 21,78% em 2010 para 22,74% em 2011. Os resultados atuais do PIB do Agronegócio, no entanto, devem ser ligeiramente alterados no final deste mês, quando o IBGE divulgará volumes de produção pecuária referentes ao último trimestre de 2011 que

24 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

são considerados na estimativa do PIB feita pelo Cepea. Os responsáveis pelos cálculos, o professor da Esalq/ USP Geraldo Barros e os pesquisadores Dra. Adriana Ferreira Silva e Dr. Arlei Luiz Fachinello, destacam a importância de se ter esse crescimento superior a 5% após um ano em que o agronegócio já havia crescido 7,36%. No acumulado dos dois anos, o crescimento se consolida em 13,51%.


Variação mensal do PIB do agronegócio nacional (CEPEA/CNA (%) 2010/2011

Insumos

Básico(A)

Indústria

Distribuição

Janeiro 1,09 1,33 0,19 0,60 Fevereiro 1,07 1,37 0,31 0,69 Março 1,15 1,11 0,44 0,59 Abril 0,84 0,92 0,33 0,45 Maio 1,12 1,07 -0,11 0,41 Junho 1,17 1,10 0,15 0,48 Junho 1,01 1,05 0,01 0,43 Agosto 1,00 1,06 0,08 0,48 Setembro 1,04 0,86 -0,14 0,27 Outubro 0,55 0,17 0,14 0,17 Novembro 0,34 0,20 -0,45 -0,17 Dezembro 0,32 0,01 -0,30 -0,08 Acum. no ano (2011) 11,42 10,83 0,66 4,38 Obs.: (A) Somente a agropecuária; (B) Todo o Agronegócio da Agropecuária

2010/2011

Para os consumidores, no entanto, a alta nos preços dos produtos agropecuários pesaram no bolso, superando a inflação geral da economia. Conforme dados do IBGE, o grupo alimentação e bebidas, que representa 26% do IPCA, foi o que exerceu o maior impacto sobre a inflação no ano passado, ainda que tenha crescido menos que em 2010. Considerando-se de forma ponderada todas as cadeias e segmentos e dos dois setores, os pesquisadores do Cepea destacam que, de janeiro a agosto, o agronegócio manteve taxas mensais oscilantes, mas sempre positivas; em setembro e outubro, apesar de desacelerar, o setor ainda cresceu. Já nos dois últimos meses, houve inversão na tendência

Agronegócio Global(B) 0,72 0,80 0,75 0,59 0,51 0,63 0,54 0,58 0,40 0,21 -0,09 -0,07 5,73

pecuária Insumos

Básico(C)

Indústria

Distribuição

Janeiro 0,99 1,50 0,16 0,54 Fevereiro 0,97 1,57 0,29 0,64 Março 1,42 1,70 0,51 0,75 Abril 1,14 1,79 0,43 0,73 Maio 1,22 1,47 -0,12 0,46 Junho 1,28 1,41 0,18 0,55 Junho 1,11 1,31 0,06 0,54 Agosto 0,76 0,78 0,08 0,36 Setembro 0,95 0,76 -0,12 0,26 Outubro 0,25 -0,18 0,21 0,19 Novembro 0,21 0,04 -0,44 -0,20 Dezembro 0,09 -0,61 -0,26 -0,14 Acum. no ano (2011) 11,16 12,31 0,98 4,74 Obs.: (C) Somente a agropecuária; (D) Todo o Agronegócio da Agropecuária - Fonte: CEPEA-USP e CNA

2010/2011

pecuária Insumos

Básico(E)

Indústria

Distribuição

Janeiro 1,24 1,09 0,38 0,73 Fevereiro 1,23 1,10 0,44 0,79 Março 0,75 0,32 0,02 0,22 Abril 0,38 -0,25 -0,31 -0,22 Maio 0,96 0,51 -0,01 0,30 Junho 1,01 0,67 -0,08 0,30 Junho 0,84 0,68 -0,31 0,18 Agosto 1,38 1,45 0,07 0,76 Setembro 1,19 0,99 -0,27 0,32 Outubro 1,02 0,65 -0,28 0,14 Novembro 0,54 0,42 -0,53 -0,12 Dezembro 0,69 0,88 -0,57 0,08 Acum. no ano (2011) 11,82 8,85 -1,44 3,52 Obs.: (E) Somente a agropecuária; (F) Todo o Agronegócio da Agropecuária - Fonte: CEPEA-USP e CNA 25 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

As atividades leiteira e de produção de ovos também finalizaram 2011 em alta respectivamente.

9,85% e 16,67%

Agricultura

expansionista, mesmo com a desvalorização do Real frente ao dólar ajudando a minimizar as perdas no faturamento com as exportações do agronegócio devido aos recuos dos preços internacionais. Com base nos dados disponíveis até então, constata-se relativo equilíbrio entre os desempenhos dos setores agrícola e pecuário. O primeiro cresceu 5,57% e o segundo, 6,14. Já quando são analisados os segmentos que compõem o agronegócio, nota-se nítida vantagem para os segmentos de insumos e primário ("dentro da porteira" ou básico). Já a indústria, tanto na agricultura quanto na pecuária, teve baixo desempenho, chegando mesmo a ser negativo na pecuária - o único segmento a acumular queda no ano. A distribuição teve crescimento intermediário, de 4,74% na agricultura e de 3,52% na pecuária. Os pesquisadores do Cepea chamam a atenção para o fato de que a alta dos insumos pressionou a margem de lucro

dos produtores rurais, em especial no segundo semestre, quando os preços agropecuários perderam ritmo. Na agricultura, o aumento na renda do produtor (+12,31%) se sobrepôs ao crescimento dos insumos (+11,16%), o que significou certo alívio ao segmento primário. Entre as culturas, o maior destaque foi o desempenho do algodão, que registrou alta de 106,64% em seu faturamento. O café e o milho também acumularam crescimento significativo em 2011, ambos em torno de 34%. Na soja, a expansão foi de 17% e, na cana-de-açúcar, de 8,66%. Conforme os pesquisadores, essas culturas representam, em média, 65% do valor bruto da produção agrícola. Já nas atividades primárias da pecuária, o crescimento não foi suficiente para superar a alta dos insumos (taxas de 8,85% e 11,82%, respectivamente), prejudicando a renda apropriada pelos produtores. Com preços em forte crescimento, a atividade avícola foi o destaque do ano: crescimento de 30%.

26 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

As atividades leiteira e de produção de ovos também finalizaram 2011 em alta de 9,85% e 16,67%, respectivamente. Já a bovinocultura e a suinocultura, ambas para corte, recuaram ligeiramente no ano: 0,45% e 2,82%, nessa ordem. No segmento Industrial, 10 das 13 indústrias analisadas fecharam o ano em baixa, com destaque para o recuo da indústria de calçados (taxa de -11,58%) e do açúcar (-10,76%). Em sentido contrário, destacaram-se as indústrias de café, óleos vegetais e outros alimentos que, no ano, cresceram 13,44%, 12,06% e 10,49%, respectivamente. Para o início de 2012, o professor Geraldo Barros ressalta que as preocupações seguem relacionadas ao cenário internacional, especificamente quanto ao desempenho da economia europeia e às importações da China. Para ele, no entanto, ainda que haja recuo no crescimento das exportações do agronegócio brasileiro, não deverá ser de grandes proporções. Além disso, sob a ótica do mercado interno, ele espera demanda firme, o que poderá compensar possíveis perdas advindas do mercado externo.

Expansão dos Produtos Algodão Café/Milho Soja Cana

106,64% 34%. 17% de 8,66%

Conforme os pesquisadores, essas culturas representam, em média, 65% do valor bruto da produção agrícola.


27 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


InteRural

Agricultura Fotos clécio duarte

Dia de Campo – CAT

Clube Amigos da Terra reúne as principais empresas do setor para discutir as novas tendências para a agricultura em 2012 Por Gustavo Ribeiro O Clube Amigos da Terra de Uberlândia realizou no dia 15 de março o “Dia de Campo – CAT”. O evento aconteceu na Fazenda Bom Jardim, capitaneada por Daniel Lopes, e na Fazenda Alvorada, de Luciano Mendonça, e reuniu dezenas de produtores para discutir as novidades do mercado de soja e milho em 2012. A ideia de fazer o Dia de Campo em duas fazendas foi pela possibilidade de abordar duas culturas diferentes em um mesmo evento. Como as fazendas citadas acima fazem

fronteira uma com a outra, foi possível transitar sem dificuldades entre as duas lavouras e conhecer as principais novidades do mercado destinadas para os produtores de soja e de milho. O Dia de Campo teve início às 8h. Os participantes foram recebidos com café da manhã e o material a respeito do evento. Logo em seguida, os monitores direcionaram os produtores de estande por estande para conhecer as novidades de cada um. Os representantes de cada empresa apresentavam seus produtores e os produtores tiravam suas dúvidas.

28 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

Depois de muita informação e esclarecimentos, às 12h30 foi oferecido um churrasco completo para os participantes, um momento de confraternização e entretenimento que contou com música e muita descontração. Estiveram presentes as principais corporações de biotecnologia vegetal, desenvolvimento de sementes e indústria química de defensivos, entre elas as empresas ouro: Pionner, Dekalb, Du Pont, Yoorin, HAF, Agroeste, Sementes Agroceres, Dow AgroSciences, Agromen Tecnologia, Arysta LifeScience, Tradecorp. E as empresas prata:


Sementes Van Ass, Coodetec, Capital, Protec, Futura, Cargil, Safra e Nidera. O Dia de Campo – CAT teve apoio da Associação de Plantio Direto no Cerrado (APDC) e do Sindicato Rural de Uberlândia. De acordo com André Machado, produtor de soja e presidente do CAT, promover eventos como o Dia de Campo é importante para agregar informações para o produtor. “Nós conseguimos reunir todas as empresas concorrentes em um único lugar, mostrando todas as tecnologias existentes hoje no mercado. Isso dá um parâmetro muito importante para o produtor, para que ele possa identificar quais os melhores produtos e a melhor estratégia a ser empregada em seu negócio”, afirma. Para Daniel Lopes, que produz milho, soja e algodão na Fazenda Bom Jardim e é Diretor de Pesquisa do CAT, são vários fatores que fazem do Dia de Campo um evento fundamental para os produtores. “Aqui nós temos as competições de defensivos, de híbridos e vários experimentos de diversas regiões. É uma chance de os produtores conhecerem as novas variedades e terem a oportunidade de escolher a que se adapta melhor ao seu plantio e à sua região. Além de possibilitar a confraternização entre os participantes, troca de informações e de experiências, isso tudo é muito importante”, destaca Daniel. Segundo André, “o evento atingiu todas as metas. Nosso objetivo é no ano que vem fazer um Dia de Campo ainda melhor do que esse. Trazendo inovação, oportunidade e conhecimento para o produtor”, conclui o presidente do CAT.

Clube Amigos da Terra O CAT de Uberlândia é uma associação com mais de 1500 membros formada em março de 2000. O clube surgiu da necessidade de vários produtores, empresas e instituições de criar um canal de comunicação para discutir objetivos em comum e proporcionar maior interação entre os produtores rurais. Além de desenvolvimento de campos experimentais para obtenção de resultados regionais, maior troca de informações entre produtores e as empresas do setor, fornecimento de informações mercadológicas e meteorológicas, difusão de novas tecnologias e fortalecimento da classe.

atual diretoria Presidente André de Almeida Santos Machado Vice-Presidente Fernando Leite Ferraz Diretor Técnico Edinaldo Antônio de Oliveira

Nós conseguimos reunir todas as empresas concorrentes em um único lugar, mostrando todas as tecnologias existentes hoje no mercado” André Machado

Diretor de Pesquisa Humberto Guimarães Cardoso Diretor Administrativo Daniel Rodrigo Lopes

29 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Capa

de Cooperativismo Na festa de aniversário da Calu quem ganha presente é o cooperado

30 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


Por Gustavo Ribeiro A Cooperativa Agropecuária Ltda. de Uberlândia (Calu) foi fundada em 24 de maio de 1962 por um grupo de aproximadamente 40 produtores de leite da região que viram no Cooperativismo a saída para enfrentar as dificuldades de comercializar a produção leiteira. Desde o início, a Calu investiu no mercado regional e, de lá para cá, a Cooperativa só registra crescimento. A Cooperativa tem hoje um nome forte no mercado. Comercializa mais de 50 produtos lácteos, entre leite

pasteurizado e longa vida, iogurtes, bebidas lácteas, queijos, manteiga e requeijão em cidades do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, São Paulo, Goiás, Rio de Janeiro, Distrito Federal, além de outros estados do Norte e Nordeste do Brasil. A Calu foi uma das primeiras indústrias responsáveis por gerar empregos na cidade. Hoje emprega cerca de 350 colaboradores. São aproximadamente 3 mil produtores cooperados, dos quais cerca de 1 mil fornecem leite à Cooperativa. Indiretamente a Cooperativa gera mais de 4 mil empregos na região, em toda sua área de atuação.

A Cooperativa conta com a matriz em Uberlândia e quatro filiais: em Monte Alegre de Minas, Tupaciguara, Gurinhatã e Ituiutaba. Além da industrialização de lácteos, a Calu atua ainda no setor de lojas agropecuárias (abertas aos cooperados, colaboradores e comunidade em geral), nas quais comercializa produtos agropecuários, lácteos e vestuário, além de oferecer assistência veterinária e agrônoma por meio da Área de Desenvolvimento e Assistência Técnica da Cooperativa (DAT). A Cooperativa conta ainda com a fabricação de rações e suplementos mi-

31 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Capa

nerais. O Presidente da Calu, Cenyldes Moura Vieira, credita todo o sucesso da empresa ao trabalho prestado por seus colaboradores e por todo empenho do conselho administrativo em fazer a cada dia uma cooperativa melhor. “Me sinto agraciado por Deus por fazer parte dos 50 anos da Calu. Em um país com tantas turbulências econômicas, uma empresa que perdura por 50 anos é porque realmente possui um histórico de trabalho sério e compromissado. Toda essa trajetória vitoriosa é devido à participação de cada um que por aqui passou”, conclui Cenyldes.

A credibilidade da Calu foi conquistada ao longo dos anos e está refletida nos prêmios acumulados:  12ª vez consecutiva Top Of Mind em Uberlândia;  Prêmio Top Of Quality da Ordem dos Parlamentares do Brasil;  Prêmio Ulysses Guimarães - oferecido pela Ordem dos Parlamentares do Brasil;  Prêmio Dr. Oswaldo Cruz de Educação e Responsabilidade Social – oferecido pelo Instituto Brasileiro de Educação e Responsabilidade Sanitária (Ibrasi), instituição não governamental voltada para as questões e

32 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

temas ligados à legislação sanitária e às ciências ambientais, e pela Sociedade Brasileira de Artes, Cultura e Ensino;  Top 100 Aitmap 2008 Mérito Empresarial Indústria de Laticínio – oferecido pela Associação de Imprensa e Cultura do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba (Aitmap);  Selo Amigos da Juventude – pela segunda vez consecutiva, o prêmio foi oferecido pela Prefeitura de Uberlândia, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, por dar oportunidade aos jovens de ter acesso ao mercado de trabalho.


12º InterCalu

O InterCalu é uma feira pioneira na região. Em suas primeiras edições, era feita de forma itinerante e funcionava como “Dia de Campo”, com concursos leiteiros. Hoje o evento abrange diversos setores e movimenta toda cadeia produtiva. Há quatro anos, o InterCalu passou a ser concentrado dentro do Camaru, ganhou corpo, agregou valor e hoje é uma das maiores do país. A Calu em 2012 completa 50 anos de dedicação total aos seus cooperados e às cidades em que a empresa atua. Ao longo dessa meia década de existência a cooperativa cresceu muito e vai continuar crescendo, pois o projeto de construção da nova fábrica já está pronto. Para comemorar o cinquentenário da empresa, os diretores da Calu estão a todo vapor preparando a 12ª edição da InterCalu. Dentro da feira será realizada uma grande festa em comemoração ao 33 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Capa

aniversário da instituição, com homenagens aos parceiros e colaboradores, presença de representantes de cooperativas, autoridades e os convidados

especiais da Calu, que são vocês, associados. O InterCalu acontece do dia 06 ao dia 09 de maio, no Camaru, e vai movimentar o agronegócio da região. São esperados para a feira mais de 3.000 visitantes, que terão a oportunidade de adquirir animais através do shopping de animais e da feira de tourinhos Gir, Girolando e Holandês, que acontece no dia 08. As crianças da rede pública também vão marcar presença no evento. A Calu está preparando uma ação social com apresentações teatrais, que serão oferecidas para os alunos das escolas de Uberlândia. A feira contará também com exposição de mais de 200 animais e julgamento da raça Girolando. Uma megaestrutura está sendo montada no Camaru para atender os visitantes da melhor forma. São esperadas 70 empresas, que montarão estandes oferecendo produtos com condições especiais e negociação direta com os produtores. De acordo com o Diretor

34 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

Geral da Calu, Cássio Vinícius Vieira, as expectativas para o evento são as melhores. “Nossa perspectiva é crescer 50% na comercialização de genética e 30% em negociação de


animais, consolidando a cooperativa como referência na região”, ressalta. Cássio deixa uma sugestão aos produtores. “Produtor, traga anotados os dados do seu negócio. Quanto você gastou com insumos, ração, produtos veterinários, sêmen entre outros no ano passado, para que você possa analisar sua oportunidade de negócio. Atualize seus gastos passados com o rebanho atual e faça de fato negócios saudáveis e precisos, é uma força simples e segura de maximizar seus lucros”, conclui o diretor. Oportunidade em dobro Além dos preços e condições especiais que os participantes da InterCalu encontrarão, a diretoria preparou algo especial que vai tornar o evento ainda mais atraente. Trata-se do sorteio de um carro Fiat Mille Way 0 km. Estará participando quem comprar acima de R$1.000,00 (acrescentar: na feira instalada no parque de exposições) e preencher o cupom. O sorteio será feito no último dia da feira do evento.

35 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Pecuária

Alimentação diferenciada faz produtor de São Paulo aumentar em 20% a produção de leite Com 27 vacas em lactação, pecuarista passou a obter 650 litros por dia três meses após implantar metodologia Fonte: Sebrae A metodologia de um projeto implantado pelo Sebrae proporcionou o aumento de 20% na produção leiteira do rebanho de um produtor rural em Fartura, São Paulo, em três meses. O pecuarista Welder Luciano Corrêa afirma que capta 650 litros de leite por dia com 27 vacas em lactação, ordenhadas duas vezes ao dia. A partir das orientações que recebeu por meio do Projeto Qualyleite, ele passou a fornecer aos animais

uma alimentação de acordo com a produção individual. O rendimento obtido antes da iniciativa, segundo o criador, era de 520 litros diários. Conforme o Sebrae-SP, o incremento também se deve a uma estratégia do National Research Council (NRC), que avalia os requerimentos nutricionais utilizados na formulação de dietas de vacas em lactação. Na aplicação das regras, a dieta é balanceada com ingredientes, como pasto de boa qualidade, milho, polpa cítrica, farelo de

36 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

soja e mineralização. Segundo o consultor em Agronegócios da entidade, Eduardo Noronha Viana, outros dois fatores também estão associados à boa nutrição do rebanho. O primeiro é a melhoria da qualidade do leite e o aumento na quantidade de sólidos presentes, que bonificam o produtor em até R$ 0,11 por litro. O segundo está ligado à melhoria dos índices reprodutivos que indiretamente reduzem o custo de produção e aumentam a produtividade – explica.


37 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


InteRural

Pecuária | Artigo

A importância da suplementação mineral na eficiência reprodutiva de vacas de corte José Nélio de Souza Sales Veterinário, doutor em reprodução animal A maioria das forrageiras tropicais não apresenta quantidades necessárias de nutrientes essenciais para o crescimento, desenvolvimento e reprodução de bovinos. Essa deficiência nutricional aumenta à medida que as forrageiras completam seu ciclo de crescimento. Dessa forma, nas fazendas de gado de corte é necessário realizar a suplementação mineral, que irá suprir os minerais deficientes nas forrageiras. Quando a suplementação não é realizada ou é conduzida de forma incorreta, os animais podem apresentar deficiência crônica de minerais, que resulta em subfertilidade do rebanho

(Kunkle, 2001). Os minerais podem exercer diferentes efeitos sobre a reprodução de bovinos. A deficiência de cálcio pode reduzir a motilidade progressiva dos espermatozóides. A baixa disponibilidade de fósforo pode reduzir a fertilidade (ciclos irregulares), aumentar a incidência de cistos foliculares e do grau de anestro. Outros minerais importantes que exercem efeito sobre a reprodução são o sódio e o potássio, que, em situações de carência, reduz a motilidade progressiva e o número de espermatozóides vivos. Além disso, a deficiência destes minerais aumenta as perdas gestacionais. O selênio apresenta papel importante na mobilização das defesas imunológicas. A deficiência desse mineral predispõe à ocorrência

38 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

de doenças reprodutivas após o parto (retenção de placenta, endometrite e metrite). Além disso, a baixa disponibilidade desse mineral reduz a concentração espermática, aumenta o número de espermatozóides mortos ou defeituosos. O cobre e o zinco são importantes para a reprodução. A deficiência de zinco altera a secreção de hormônios no sistema endócrino e a carência de cobre aumenta a perda gestacional, reduz a atividade ovariana e aumenta a incidência de retenção de placenta. Outros minerais também podem agir na reprodução como enxofre, manganês e cobre. A carência desses minerais reduz a fertilidade de fêmeas bovinas. No entanto, alguns cuidados devem ser observados para o fornecimento da suplementação


mineral, segundo proposto por Valee et al. (1998): a) estado fisiológico do animal: a condição fisiológica do animal (novilha em crescimento, vaca nos pós-parto recente com bezerro ao pé, vacas secas, primíparas) influencia sua demanda nutricional. A exigência nutricional em ordem crescente seria: vacas secas em estado de mantença, bois em terminação, novilhas em crescimento, vacas no final de gestação e, por fim, vacas no pós-parto recente em lactação. b) tipo de pastagem: a composição química e a digestibilidade da espécie forrageira é outro fator importante a ser levado em consideração durante a escolha da suplementação mineral. Geralmente, as gramíneas adaptadas a solos de baixa ferti-

lidade, como o gênero Brachiaria, apresentam composição mineral mais deficiente. Neste caso, a exigência mineral é maior, sendo necessário que o núcleo fornecido aos animais em pastejo seja mais completo (maior número de minerais) e em maior concentração. As gramíneas mais exigentes em qualidade de solo, como as do gênero Panicum, apresentam composição mineral mais adequada às necessidades dos animais, podendo a suplementação ser mais simples. c) época do ano: no período seco, além da queda de consumo e digestibilidade das gramíneas, as concentrações dos minerais presentes nas gramíneas diminuem. A ingestão de matéria seca também reduz em função da menor concentração de proteína e energia nas for-

rageiras. Essa condição pode influenciar a eficiência reprodutiva em vacas na estação de monta após esse período. Dessa forma, a suplementação mineral em rebanhos bovinos é extremamente necessária para aumentar a eficiência reprodutiva de vacas de corte, pois os níveis de fósforo, sódio, zinco e cobre presentes nas forrageiras são insuficientes na maioria das regiões do Brasil. O cálcio e magnésio em geral, estão presentes em níveis adequados nas forrageiras. O potássio, ferro e manganês apresentam concentração nas forrageiras acima das exigências nutricionais de bovinos. Fonte: Este texto é parte integrante da apostila do curso online “Manejo reprodutivo de bovinos de corte” do ReHAgro.

39 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Pecuária | Artigo

Interpretação de análise química do solo para a cultura do milho

Fernando Rati Engenheiro Agrônomo Equipe ReHAgro A interpretação das análises de solo e o cálculo da adubação para a cultura do milho podem variar de acordo com o método de análise e com os procedimentos de interpretação utilizados. Os níveis de nutrientes detectados e os coeficientes utilizados em cada análise dependem grandemente da região do país, do tipo de solo analisado, e da metologia de análise utilizada pelo laboratório. Assim, é muito importante sempre consultar um profissional da região e obter informações junto a entidades de pesquisa, universidades locais, cooperativas, empresas de consultoria técnica ou o engenheiro agrônomo de sua confiança. Passos para a correta in-

terpretação e decisões com base na análise de solo: 1. Verificando a CTC a pH 7,0 Quando é verificada a CTC (capacidade de troca catiônica), indiretamente, está se medindo a atividade e a quantidade de argila presente no solo, e principalmente, a quantidade e qualidade da matéria orgânicadeste solo. É recomendado que você saiba quais são os valores médios da CTC a pH 7,0 da sua região, para que possa ter um padrão de comparação. 2. Verificar a saturação de bases (V%) deste solo Existem controvérsias a respeito do valor considerado ideal para a saturação de bases na cultura do milho. Na prática, percebe-se que o valor que apresenta menor possibilidade de erros, é V% = 60. Para o cálculo da quantidade percentual de Cálcio e Magnésio, que deve

40 | Interural - a revista do agronegócio | MARÇO abril de de2012 2012

ser utilizada na correção do solo, é importante considerar as pesquisas regionais, a CTC a pH 7,0, a quantidade de argila e, principalmente, a matéria orgânica do solo. Nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e parte do Paraná, por exemplo, onde a CTC é elevada, os solos são menos intemperizados, ou seja bastante ativos. Nestes solos, grande parte do alumínio existente pode passar para a fase disponível facilmente. Desta forma, nestes solos, favorecidos pela pequena redução de pH/aumento de H+ no solo, é possível trabalhar com saturações de bases mais elevadas. Já no caso de solos do Cerrado, saturações de base mais elevadas (acima de 50%) podem contribuir para a indisponibilização de micronutrientes como o Mn, Zn, Fe e o Cu. 3. Valores de Alumínio É importante que, antes de se fazer o cálculo da calagem, se verifique os valores absolutos e relativos (%) de Alumínio presentes no solo. No Rio Grande do Sul e Santa Catarina existe grande quantidade de Alumínio no solo. Desta forma, mesmo com saturações de bases acima de 60%, o excesso de Alumínio ainda pode prejudicar o crescimento das raízes do milho. Em solos mais intemperizados, como é o caso do Cerrado, quando a saturação de Alumínio está próxima a 40%, geralmente este mineral já se encontra indisponível, não causando problemas para a cultura. Nos solos com histórico de


plantio direto, com alto teor de matéria orgânica, é comum encontrar altos teores de Alumínio trocável, porém, sem causar danos às raízes, uma vez que o mineral se encontra complexado pela matéria orgânica. 4. Calagem Nos locais em que se utiliza o método de saturação de bases para o cálculo da quantidade de calcário, se o V% (saturação de bases) for inadequado para a região, recomenda-se a calagem. A quantidade de calcário a ser aplicada é calculada utilizando-se a seguinte fórmula: NC = (V2-V1) x T ---------------PRNT Onde: NC = necessidade de calcário

toneladas/ha; V2 = saturação de bases para a região T =CTC a pH 7,0; PRNT = Poder Relativo de Neutralização. Total do Calcário, dado em percentual. NC = (V2 - V1) x T Para a definição de qual o tipo de calcário que se deve utilizar, observe a relação Cálcio/Magnésio:  Ca/Mg > 3, dê preferência para calcário dolomítico;  Ca/Mg < 3, dê preferência para calcário calcítico;  Ca/Mg = 3 em áreas acima de 3 anos de cultivo, com níveis médios de cálcio e magnésio, usar calcário em que a relação Ca/Mg seja próxima a 3/1;  Relação Ca/Mg de áreas

novas e/ou com valores muito baixos, usar, preferencialmente, calcário dolomítico. As relações entre os nutrientes passam a ser cada vez mais importantes quanto mais estes estiverem no limite. No caso da utilização do método SMP existe uma tabela específica para o cálculo da quantidade de calcário a ser aplicada. 5. Interpretação do valor do pH do solo O pH do solo serve como um indicativo da situação do solo. A faixa de pH ideal pode ser considerada entre 4,5 a 7,5, sendo que valores abaixo ou acima desta faixa, podem causar danos à cultura. Solos com pH abaixo de 4,5, provavelmen-

41 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Pecuária | Artigo

te, possuem baixos teores de Cálcio e Magnésio, altos teores de Alumínio, e grande capacidade de fixação de Fósforo. Solos com pH acima de 7,5 possuem altas restrições quanto à disponibilidade de micronutrientes. Há ainda o pensamento errôneo de que devem-se procurar híbridos que se adaptem a pH baixos, quando o correto é resolver este problema por meio da correção do solo através da seleção do corretivo. 6. Nitrogênio Considerando-se os teores de matéria orgânica e os teores de Nitrogênio do solo, a regra básica é que a quantidade necessária de nitrogênio a ser aplicada para a produção de um saco (60 kg) de milho, varia entre 0,75 kg até 1,2 kg. Nos casos de plantio de milho após feijão, soja precoce bem adubada ou coberturas de solo que forneçam Nitrogênio para o sistema, como por exemplo o nabo forrageiro, e em condições favoráveis de precipitação e temperatura, a quantidade de Nitrogênio aplicada poderá ser mais baixa. Nos plantios de milho após gramíneas, como aveia e trigo, este nutriente estará em baixa disponibilidade no solo, sendo necessária a aplicação de doses mais altas. Isso, principalmente, porque durante as fases iniciais de desenvolvimento da cultura do milho, os microorganismos se utilizarão do Nitrogênio contido no solo como fonte de energia para decompor essa aveia ou trigo concorrendo, assim, com a cultura do milho. Pode-se considerar como um valor médio a aplicação de 1 kg de N por saco de 60 kg que se deseja produzir. Na prática, o que ocorre é que a necessidade de Nitrogênio aumenta com o acréscimo da produtivida-

de. Assim, a cultura necessita cerca de 0,7 kg a 0,8 kg N por saco de grãos produzidos para produtividades até 6.000 kg por hectare. Ao redor de 0,8 a 1,0 kg N por saco de grãos para produtividades entre 6.000 e 7.500 kg por hectare, e assim por diante. Entretanto, estas taxas de absorção por nível de produtividade não fixas podem variar conforme o híbrido, manejo, condições ambientais, etc. Mas, servem como parâmetro básico. Já no caso da safrinha, devido às peculiaridades de clima e aos residuais deixados quando o milho safrinha é plantado após a cultura da soja, a quantidade de Nitrogênio necessária é geralmente menor, cerca de 0,3 kg de N por saco de milho que se deseja produzir. Porém, num patamar de produtividade menor quando comparado com a safra verão. 7. Fósforo Ao interpretar a análise de solo para o cálculo de quantidade de Fósforo, devem ser observados alguns fatores: a) Qual o extrator utilizado: Mehlich ou Resina? Os valores de interpretação da análise são diferentes para os diferentes extratores. Caso isso não seja observado, pode-se classificar o teor de Fósforo errôneamente; b) Quantidade de argila; c) O histórico da área quanto à aplicação de fosfatos naturais. Caso o produtor tenha aplicado fosfatos naturais recentemente, os teores de Fósforo podem ser superestimados quando o extrator utilizado for o Mehlich. Isto também ocorre quando a saturação de bases é elevada. Depois de observados esses fatores, podem-se utilizar tabelas estaduais para o cálculo da recomendação de Fósforo de acordo com a produtividade desejada.

42 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

8. Potássio O Potássio não é retido pela matéria orgânica, não é fixado no solo como o Fósforo (com exceção de alguns solos do Rio Grande do Sul que possuem argila 2:1), não lixivia como o Nitrogênio e está disponível no solo na maioria dos casos. Assim, pode ser tratado como prontamente disponível. Na CTC a pH 7,0, o ideal é que a quantidade de Potássio apresente 5% de saturação. Alguns técnicos consideram que se a CTC a pH 7,0 for maior que 8,0 cmolc/dm , a quantidade ideal de Potássio deve ser de 3% a 4%. Caso a CTC a pH 7,0 for menor que 8,0 cmolc/dm , a quantidade ideal é de 5%. 9. Enxofre e Micronutrientes A dinâmica do Enxofre no solo é bastante similar à do Nitrogênio e os níveis críticos, geralmente, estão nas camadas inferiores entre 20 a 40 cm. Apesar de o milho não ter alta necessidade de Enxofre, é importante observar os teores deste nutriente, uma vez que teores muito baixos podem apresentar restrições a produtividades mais altas. Já os micronutrientes requerem uma amostragem bastante representativa no solo. Alguns técnicos recomendam que a melhor forma de visualizar realmente a quantidade de Micronutrientes em uma área é por meio da análise foliar. No caso dos micronutrientes, o extrator utilizado também é muito importante no resultado final da análise. Sugere-se, nestes casos, informar-se como devem ser retiradas as amostras e, também, sobre a qualificação do laboratório. Hoje, no Brasil, existem laboratórios de análise de solo credenciados por meio de um selo de qualidade. Informe-se antes.


43 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


InteRural

Pecuária | Artigo

Vaca de alta produção leiteira:

onde estarão os limites?

Roberto Frenzel Mühlbach

Projeções que há algumas décadas eram consideradas utópicas, hoje são realidades. Nos EUA discute-se, atualmente, o manejo geral de rebanhos de 40.000 libras (18.200 kg ou 17.600 litros) por lactação. A atual recordista mundial da raça Holandesa, Ever-Green-View My 1326-ET, produziu em 2010, 31.793 litros, ou seja, a média foi de 87 litros/ dia (em 365 dias), com uso de somatotropina. São números fantásticos, ainda mais quando comparados com a lactação da vaca original, o Bos primigenius, espécie extinta em 1627, cuja lactação, talvez, tenha alcançado uns 500 a 600 litros, suficientes para as necessidades da cria.

O que era primordialmente um animal selvagem – os

romanos usavam os touros do Bos primigenius nos combates dos espetáculos circenses – tornou-se a “ama da humanidade”. A vaca original, ancestral de todas as raças européias atuais (Bos taurus), apresentava um úbere pequeno, escondido e protegido na região inguinal, que, no pico, talvez produzisse uns 5 litros de leite/dia. Ao compararmos a ilustração da fêmea do Bos primigenius com a foto, abaixo, da atual recordista mundial (conformação classificada “excelente”, posando com as patas dianteiras sobre o tradicional montículo, e que, pelo fenótipo, bem poderia ser um animal de alguma feira ou exposição nacional), observamos uma grande transposição de massa corporal para o trem posterior, decorrente do melhoramento genético para aumento da produção de leite, desenvolvido ao longo dos séculos e intensificado nas últimas décadas. A garupa ampla e larga da moderna vaca leiteira tornou-se necessária para possibilitar a sustentação de um úbere de grande tamanho e com um peso que pode exceder os 50 kg, antecedendo a ordenha. Como consequência, e adicionando-se a massa devida ao incremento da capacidade gástrica, aumentou consideravelmente a carga sobre o trem posterior. Em decorrência, a vaca de alta produção pode ter a sua locomoção dificultada sobre pisos que não sejam totalmente adequados, predispondo-a à claudicação, o que é

44 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

agravado com o fornecimento de dieta que resulte em acidose de rúmen e posterior laminite. Medidas preventivas fundamentais são a seleção para aprumos e o controle das doenças podais, através do correto uso de pedilúvio e o casqueamento semestral do rebanho. Outro problema que surgiu com a vaca de alta produção é o deslocamento do abomaso, coisa muito rara de acontecer há, apenas, pouco mais de uma década atrás. Enfim, surgiram mais problemas da reprodução, distúrbios digestivos e metabólicos, agravamento de mastites, etc., a ponto de se questionar a continuidade no melhoramento do mérito genético para aumento da produção de leite. Esse questionamento poderia até ter fundamento, porém, apenas, quando não são oferecidas as condições essenciais para a expressão desse mérito genético: condições que propiciem o permanente bem-estar do animal. Lamentavelmente, nas nossas condições de produção, o pleno entendimento do conceito de bem-estar da vaca leiteira ainda é algo muito restrito, não amplamente difundido no meio produtivo. Por outro lado, vem surgindo, de modo crescente, a preocupação do consumidor em relação a esse aspecto. Principalmente na Europa ocorrem manifestações e movimentos de consumidores em prol de uma exploração leiteira etoló-


gicamente correta, e isso, provavelmente, não demorará a chegar até nós. A viabilidade econômica do sistema intensificado e o bem-estar da moderna vaca de alta produção necessitam estar muito bem amparados pelas mais eficazes práticas de manejo, o que deverá ser uma busca contínua por parte do produtor de leite profissionalizado, interessado na exploração desse tipo de animal. Assim, as dietas requerem um balanceamento de acordo com programas de formulação de rações, de modo a atender às exigências nutricionais de tais lactações, devendo os alimentos serem fornecidos na forma de dieta total misturada, otimizando o consumo e diminuindo as perdas. Os animais devem permanecer alojados em instalações com controles da temperatura, da umidade e da circulação do ar, com acesso permanente à água da melhor qualidade possível. O piso deve ser construído com o devido planejamento para a diária limpeza e escoamento dos dejetos, garantindo higiene, conforto e segurança na locomoção e na manifestação do cio. No caso de um “free-stall”, por exemplo, tudo deve ser planejado de acordo: pé direito, área de circulação, número e dimensionamento das baias, posicionamento da bar-

ra de treinamento, sistema de contenção, estrutura da cama, etc., de modo a estimular que a vaca fique deitada, com total segurança, quando lhe aprouver e pelo tempo que desejar (até 12 horas diárias). Segundo várias pesquisas, a vaca que expressa grande produção não se encontra estressada nem adoentada devido a essa sua capacidade, pelo contrário, ela alcança a alta produção, exatamente por estar saudável, com um mínimo de estrésse. Esses estudos vem demonstrando que tanto a seleção genética, quanto o manejo, nutrição e o ambiente são fatores que afetam a saúde e o bem-estar da vaca de alta produção, de modo que as doenças não seriam consequência, unicamente, de um alto nível de produção, porém tal nível poderia ser um dos fatores de risco no desenvolvimento das mesmas. Portanto, há um aspecto multi-fatorial decorrente da interação entre predisposição genética, manejo e fatores ambientais para determinar o desenvolvimento, ou não, da maioria das doenças que poderão afetar a moderna vaca de alta produção. Assim, é grande o desafio para um produtor de leite manejar um rebanho de alta produção, explorando todo o seu potencial e mantendo um desempenho reprodutivo satisfatório. Isso exige muita competência e conhecimento, além de assessoramento permanente por parte de um técnico especializado em nutrição de ruminantes e de um médico-veterinário clínico, cujas remunerações deverão ser decorrência da rentabilidade que tais assistências garantam ao empreendimento.

Os argumentos a favor da alta produtividade também incluem os benefícios advindos da otimização no uso dos recursos escassos não renováveis (terra, água, combustíveis fósseis e fertilizantes) e da diminuição, por unidade de produto, da emissão dos gases causadores do efeito estufa (os ruminantes eructam anualmente 80 milhões de toneladas do gás metano, produzidas principalmente pelos animais alimentados com volumosos de baixa qualidade). Assim, a filosofia que rege a pesquisa para o avanço da produtividade dos rebanhos, em países como os EUA, respalda-se na redução do impacto ambiental que é obtido pelo aumento da produção, com menos animais. Concluindo, e constatando as grandes mudanças nas últimas décadas, lembro-me que quando realizava o meu doutorado, em meados dos anos 70, perguntei ao meu orientador, Prof. Werner Kaufmann, qual seria, na sua opinião, o nível máximo de produção que um rebanho comercial poderia alcançar no futuro, ao que ele, enfaticamente, respondeu: “cerca de 13.000 litros por lactação, porque, acima disso, a produção será fisiológicamente insustentável”. Pois bem, atualmente, rebanhos com produção média de 45 litros/dia não são mais coisa de outro mundo... Autor: Roberto Frenzel Mühlbach, Engº Agrº, Mestre em Zootecnia pela UFRGS, Dr. sc. agr. pela Universidade Christian Albrecht de Kiel, Alemanha, Professor Associado, aposentado, Departamento de Zootecnia da Faculdade de Agronomia, UFRGS. Colaborador do MilkPoint

45 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


Faça seu leite valer mais. Os níveis de bactérias têm efeito sobre a qualidade do leite. O processo de coleta, corretamente higienizado, contribui enormemente para melhoria do sabor, vida útil e segurança alimentar do produto final disponibilizado para consumo.

DTA LAT. Garanta a valorização do seu leite.


Com melhores práticas de higienização da ordenha, armazenamento e transporte, seu leite vale mais. Com a linha DTA LAT da Politriz você pode atingir melhores níveis na performance de qualidade do seu leite. Seu uso correto e combinado alterna acidez e alcalinidade, reduzindo consideravelmente os níveis de bactérias totais (CBT).

Resultado da Contagem de Bactérias Totais após adoção de boas práticas de Higienização da ordenha: CBT Fazenda Floresta | 2011/2012

2.000 1.500

Faça como o produtor Leonardo de Borba. Faça seu leite valer mais.

1.000 500 0

OUT

NOV

Utilizei a linha DTA LAT na higienização da minha ordenha e obtive melhorias significativas na qualidade final do leite. Leonardo Ferreira de Borba Fazenda Floresta - Araguari - MG

Faça seu leite valer mais: 34. 3256.8800 | comercial@politriz.ind.br

DEZ

JAN


InteRural

Pecuária

Ação da Levedura Viva no Rúmen: Digestibilidade da Fibra e Valor Dietético* Nicola Walker, Lallemand Animal Nutrition. *Resumo Atualmente, devido aos crescentes custos da alimentação, um dos objetivos-chave dos produtores é otimizar o valor da dieta. A microflora ruminal é responsável pela degradação da fibra e pela eficiência dos processos que interferem em vários fatores e determinam toda a eficiência alimentar e rentabilidade para os produtores. Leveduras vivas tem sido empiricamente utilizadas para melhorar a produtividade, saúde e bem-estar, através da otimização dos processos fermentativos do rúmen. Atualmente, com a aquisição de maior conhecimento sobre os efeitos da levedura viva no rúmen e sabendo que cada cepa é única e exerce diferentes atividades, cepas específicas têm sido selecionadas. A cepa Saccharomyces cerevisiae I-1077 foi selecionada por sua habilidade de melhorar as condições, fermentação e funções ruminais. Os maiores benefícios desse suplemento natural são a estabilização do pH ruminal, reduzindo o risco de uma acidose ruminal subaguda e o aumento dos sólidos do leite e produção leiteira, através da melhora da eficiência alimentar. Este efeito está relacionado à digestão de fibras – especialmente pela melhora na utilização das frações menos degradáveis da fibra.

Fig. 1: Fungos colonizam a parede da fibra, abrindo sua estrutura.

A Importância da Fermentação Ruminal O rúmen é uma grande câmara fermentativa, contendo 50 bilhões de protozoários e 500.000 bilhões de bactérias. Um dos tipos mais importantes são as bactérias degradadoras de fibras, as quais possibilitam aos ruminantes o aproveitamento das forragens. Há também uma significante população de fungos, os quais desempenham papel fundamental na digestão de fibras (atividade das grandes celulases e hemicelulases), ajudando a abrir as partículas de fibra e facilitando o acesso das bactérias (Figura 1). Dessa forma, juntos, bactérias celulolíticas e fungos estão aptos a degradar a fibra da planta, tanto enzimática como mecanicamente. Esses microrganismos são essenciais para a produção de ácidos graxos voláteis (AGVs), o combustível para os bovinos. A dieta animal terá um efeito direto na população mi-

48 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

crobiana ruminal e no processo fermentativo, afetando o perfil dos AGVs e pH ruminal, com efeitos na saúde (acidose) e desempenho das vacas: uma dieta rica em forragem favorecerá os microrganismos degradadores de fibra e um pH ruminal mais elevado, enquanto dietas concentradas promoverão as bactérias ácido-lácticas, diminuindo o pH.Fibras constituem a parede celular da planta e são compostas por pectina, hemicelulose, celulose e lignina. O principal fator da digestibilidade do alimento (forragem ou ração completa) é seu teor de lignina, um componente indigerível que impede os microrganismos ruminais de acessar as frações de hemicelulose e celulose da fibra. Hemicelulose, celulose e lignina compõem a fração FDN (fibra em detergente neutro) do alimento. Cada fração possui digestibilidade variável, e através da melhora da digestibilidade, podemos aumentar o potencial leiteiro do alimento.


Como a levedura específica do rúmen fortalece a digestão da fibra

Abrindo o potencial da fibra Fig. 2: A levedura viva melhora a degradação da fibra estimulando vários mecanismos de ação de bactérias e fungos ruminais.

Tem sido demonstrado que a levedura específica do rúmen SC I-1077 atua em diferentes níveis no processo de digestão das fibras e como resultado melhora a degradação da fibra por vários macanismos:  SC I-1077 incrementa o número de microrganismos fibrolíticos no rúmen.  SC I-1077 estimula a atividade enzimática (hemicelulase, celulase) dessas bactérias fibrolíticas e dos fungos.  SC I-1077 utiliza o oxigênio residual do rúmen e estabiliza o pH, criando condições ideais para a microflora fibrolítica.  SC I-1077 ainda provê alguns dos nutrientes e cofatores (Vitamina B, aminoácidos...), os quais são essenciais para o desenvolvimento dessa microflora. Isto incrementará tanto mecânica quanto enzimaticamente a atividade digestiva dos fungos através dos tecidos lignificados da planta, “expondo” as frações digeríveis da planta (hemicelulose e celulose), que serão digeridas pelos microrganismos celulolíticos, os quais são ainda estimulados pelos efeitos da levedura viva (Fig. 2). Diversos estudos in vivo, realizados com diferentes dietas, confirmam os efeitos significantes da SC I-1077 na digestibilidade da fibra, com uma média no aumento da degradabilidade da FDN em torno de 11 %, na ração total. Além disso, a adição da levedura viva melhorou o valor dietético, por disponibilizar o potencial oculto da fibra.

Excelentes resultados em variadas silagens Fig. 4: Efeito da levedura viva SC I-1077 na degradação da FDN em 40 silagens de milho diferentes (Guedes et al., 2007)

Recente estudo desenvolvido na Universidade de Portugal (Guedes et al., 2007) demonstrou uma relação entre a qualidade inicial da forragem (digestibilidade da fibra) e o aumento da degradabilidade promovida pela atividade da cepa SC I-1077 no rúmen. Aqui estão apresentadas as principais conclusões do experimento: 1. O uso de SC I-1077 na dieta fortaleceu sistematicamente a degradabilidade da fração FDN da fibra (hemicelilose, celulose e lignina). 2. Esse aumento da degradação da fibra é tão mais significativo quanto menor for a degradabilidade inicial da fibra, variando de 4.3 % de aumento na digestibilidade para forragens de alta qualidade até 24 % para forragens constituídas por fibra de baixa qualidade, com maiores teores de lignina. 3. As concentrações de AGV no rúmen aumentaram em torno de + 17.5% mmol/l em 4 horas, demonstrando o aumento na utilização da ração. 4. Foram observadas estabilização do pH e decréscimo na concentração de lactato, mesmo em condições não acidóticas.

CONCLUSÕES As pesquisas concluíram que a levedura específica do rúmen SC I-1077 “pode incrementar a energia metabolizável disponível de forragens de má qualidade, bem como o potencial glucogênico da dieta, sendo que ambos vão aumentar a eficiência produtiva do gado”. Essas melhoras na digestibilidade podem aumentar o teor de proteína microbial para suportar o aumento de produção leiteira e percentual de gordura do leite. A levedura específica do rúmen representa uma solução natural e promissora para otimizar as rações e as forragens, resultando em uma maior energia disponível do alimento para maior produção leiteira ou de carne.

49 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Mercado

Mapa e Bndes anunciam R$ 500 milhões para médio produtor rural Taxa de juros é de 6,25% ao ano, menor do que as praticadas no crédito rural convencional, com prazo de amortização de até oito anos

O Bndes está totalmente engajado em contribuir para o desenvolvimento da agropecuária brasileira e considera estratégica essa parceria com o Mapa Luciano Coutinho

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho, e o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes), Luciano Coutinho, anunciaram o aporte de R$ 500 milhões ao Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp) para financiar o médio agricultor rural que utilizar o recurso para investimento. A formalização da parceria foi nesta segunda-feira, 12 de março, na sede do banco, no Rio de Janeiro. Com a medida, o governo beneficia os produtores rurais com renda bruta anual de até R$ 700 mil que hoje tem dificuldade de acesso ao crédito rural, com taxa de juros de 6,25% ao ano, menor do que as praticadas no crédito rural convencional, e prazo de amortização de até oito anos, incluídos três anos de carência. O financiamento será limitado a R$ 300 mil por beneficiário, por ano agrícola. O recurso é para o ano-safra 2011-2012. O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho, e o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes), Luciano Coutinho, participaram do encontro na sede do Banco (Foto: Gerência de Imprensa/BNDES) O ministro Mendes Ribeiro destacou que a adesão do Bndes ao Pronamp permitirá maior capilaridade ao programa, que

é operacionalizado por meio de agentes financeiros. “O médio de hoje é o grande de amanhã. O Bndes repassando esses recursos para os demais bancos vai permitir a capilaridade ao programa”, salientou o ministro. O programa será operacionalizado pelo Bndes sob a “modalidade indireta”, que consiste naquelas operações onde os agentes financeiros credenciados junto ao banco são os responsáveis pela análise e concessão do crédito. A medida cumpre um importante papel como programa intermediário entre os beneficiários do Pronaf, cujo limite de renda para enquadramento é de até R$ 110 mil/ano e àqueles atendidos pelas condições gerais do Crédito Rural. “O Bndes está totalmente engajado em contribuir para o desenvolvimento da agropecuária brasileira e considera estratégica essa parceria com o Mapa”, afirmou Coutinho. A estimativa é de que o público potencial de enquadramento no Pronamp seja entre 250 mil e 300 mil agricultores, incluindo aqueles que, pela evolução da renda, deixaram ou deixarão naturalmente de ser beneficiários do Pronaf. No ano passado, o governo deu um grande passo em direção a essa categoria de produtores ao assegurar que até 10% dos recursos obrigatórios do crédito rural sejam direcionados ao Pronamp.

50 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

Luciano Coutinho é presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes)

O Pronamp  Beneficiários Proprietários rurais, posseiros, arrendatários ou parceiros que tenham, no mínimo, 80% de sua renda bruta anual originária da atividade agropecuária ou extrativa vegetal e possuam renda bruta anual de até R$ 700 mil  Modalidade Investimentos  Limite de crédito

R$ 300 mil por beneficiário, por ano agrícola

 Encargos financeiros Taxa efetiva de juros de 6,25 % a.a.  Prazos de reembolso Até 08 (oito) anos, incluídos até 03 (três) anos de carência


InteRural

Mercado

Agropecuária registra o melhor índice de crescimento do PIB Desempenho reflete os resultados positivo de produtos como o algodão, café, cana-de-açúcar, milho e soja Fonte: MAPA O Produto Interno Bruto (PIB) da agropecuária, que é a soma das riquezas geradas pelo setor, cresceu 3,9% em 2011 sobre o mesmo período do ano anterior. Em valores correntes, chegou a R$ 192,7 bilhões. O percentual ficou acima do PIB da economia que, em igual período, cresceu 2,7%, segundo dados do IBGE divulgados nesta terça-feira, 6 de março. Os dados mostram ainda que no período, a indústria cresceu 1,6% e os serviços 2,7%. Na avaliação do coordenador de Planejamento Estratégico do Ministério da

Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), José Garcia Gasques, o bom desempenho do PIB da Agropecuária reflete os resultados positivo de produtos como o algodão, café, cana-de-açúcar, milho e soja. Também deve ser considerada a evolução dos preços agrícolas que foram favoráveis no ano passado. O quarto trimestre de 2011 foi o melhor do ano, com crescimento do PIB Agropecuário de 8,4%, ante 1,4% do PIB brasileiro. A variação da indústria foi negativa (0,4%) e do segmento de serviços o crescimento foi pequeno (1,4%). Para Gasques, o aumento da produtividade na agricultura e os

52 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

Variação do PIB da Agropecuária 6,3% 3,9%

2009

2010

2011

-3,1% bons desempenhos de produções específicas, como laranja, mandioca, fumo e feijão foram preponderantes para esse desempenho no trimestre.


InteRural

Mercado

Efeito usda no mercado da soja Por Rafael Ribeiro de Lima Filho

Zootecnista e analista de mercado da Scot Consultoria

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou no dia 9 de março o relatório de oferta e demanda mundial de grãos. Os números, mais uma vez apertados para a soja, mexeram com os preços no mercado mundial. Segundo o USDA, a produção mundial de soja deve ser de 245,1 milhões de toneladas. Isto significa 7,2% menos que o colhido na temporada anterior. Lembrando que os países do hemisfério Norte já colheram a safra 2011/2012 e, no hemisfério Sul, a colheita está em andamento. Os estoques finais mundiais em 2011/2012 estão estimados em 57,3 milhões de toneladas. O menor desde 2008/2009. A relação estoques finais versus consumo está estimada em 22,0%, ou cinco pontos percentuais abaixo do verificado na safra passada. Veja a figura 1. Esta relação pode ser expressa de outra maneira, ou seja, em número de dias que os estoques atenderiam. Neste caso, considerando os estoques finais e o consumo estimados para 2011/2012, teríamos disponibilidade de soja para o abastecimento de aproximadamente 81 dias, frente a 98 dias em 2010/2011 (figura 2) PREÇO DA SOJA NO MERCADO INTERNO A quebra de produção no

Tabela 1 Produção de soja no mundo e principais produtores Em milhões de toneladas. Soja

Mundo

EUA

Brasil

Argentina

China

2010/2011

264,2

90,6

72,0

49,0

13,5

2011/2012

245,1

83,2

68,5

46,5

13,5

Variação

-7,20%

-8,20%

-4,90%

-5,10%

0%

Fonte: USDA / Scot Consultoria - www.scotoconsultoria.com.br

Figura 1. Estoques finais de soja (mundiais), em milhões de toneladas, e relação estoques finais versus consumo, em %. Fonte: USDA / Scot Consultoria - www.scotconsultoria.com.br

Figura 2. Estoques finais de soja no mundo, em dias de abastecimento. Fonte: USDA / Scot Consultoria - www.scotoconsultoria.com.br

54 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


55 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


InteRural

Mercado

Brasil e na Argentina somada à boa demanda mundial colaboraram para a valorização da soja. No mercado mundial, a soja esteve cotada acima de US$13,0 por bushel nas primeiras semanas de março. Um bushel de soja corresponde a aproximadamente 27,2 quilos. No mercado brasileiro, nem mesmo a colheita em andamento foi capaz de derrubar os preços do grão. Até então, mais da metade da soja foi colhida no país e os preços subiram semana a semana desde janeiro. Em Paranaguá, no Paraná, a saca de 60 quilos está 13,5% mais cara na comparação com o início de 2012. Em relação ao mesmo período do ano passado, o agricultor está recebendo 11,2% a mais por saca de soja (figura 3). FINAL Além dos números do USDA, tivemos o sexto levantamento de safra brasileira de

Figura 3. Preço médio da soja em Paranaguá-PR, em R$/saca de 60kg. Fonte: Scot Consultoria - www.scotconsultoria.com.br

grãos, da Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), revisando para baixo os números de produção de soja no Brasil. A expectativa é de que sejam colhidas 68,7 milhões de toneladas em 2011/2012. Serão 6,5 milhões de toneladas a menos que o colhido em 2010/2011. O cenário apertado para a soja deve garantir preços em patamares elevados para o grão este ano. Bom para o agricultor, que além do aumento dos custos de

56 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

produção, está colhendo menos por área nesta temporada em função do clima seco em boa parte das regiões produtoras. Para o pecuarista e/ou granjeiros, a valorização da soja representa aumento dos preços do farelo de soja e, consequentemente, dos demais concentrados proteicos. De olho na soja! Na temporada 2012/2013, em início de plantio nos Estados Unidos, a cultura deve perder área para o milho outra vez.


57 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


InteRural

Mercado

Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física 2012 e o Produtor Rural Com a aproximação do prazo para a entrega da Declaração de Ajuste Anual da Pessoa Física (“DIRPF”), os produtores rurais enfrentam algumas questões relativas às informações que devem ser prestadas ao fisco, em vista do

Imposto de Renda (“IR”) incidente sobre o resultado de suas atividades . No âmbito da atividade rural, o imposto incidirá apenas sobre o resultado positivo da atividade exercida pela pessoa física, apurado sob o regime de

caixa, que deve ser escriturado em Livro Caixa ou em livros contábeis, a critério do produtor. Cada produtor deve apurar individualmente seus resultados de atividade rural, ainda que a exploração da terra seja

ÁREAS DE ATUAÇÃO AMBIENTAL Contratos - Societário - Investimento Internacional Administrativo - Bancário - Proprietário Intelectual Tributário - Civil - Trabalhista - Imobiliário Consumidor - Securitário - Solução de Controvérsias Regulatório - Medicamentos Av. Brig. Faria Lima 1478, 19º andar, cj.1909 a 1916 CEP 01451-001 São Paulo/SP - Brasil Tel.: 55 (11) 3097-9991 | Fax: 55 (11) 3097-9903 58 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012 fialdiniadv.com.br São fialdiniadv@fialdiniadv.com.br

Brasília  Rio de Janeiro  Uberlândia Paulo 


em conjunto com outros produtores em razão de co-propriedade ou contrato. Assim, cada produtor de uma mesma unidade rural deve manter contabilidade/livro caixa individual em relação à sua parcela de despesas, de receitas, de investimentos e demais valores integrantes da atividade rural mantida em conjunto. O mesmo se aplica às parcerias rurais. Como já discutido em outro artigo publicado nesta revista, nos contratos de parcerias rurais os parceiros dividem os riscos do negócio, na proporção estipulada no contrato, não sendo estabelecida remuneração fixa a título de aluguel. Deste modo, os resultados de cada parceiro devem ser apurados na proporção dos riscos assumidos no respectivo contrato de parceria . Em havendo mais de um contrato de parceria para um mesmo imóvel, deve-se apurar, separadamente, cada um dos resultados aplicável a cada um dos contratos celebrados no decorrer do ano calendário. A venda de imóvel rural também é englobada no resultado da atividade do produtor. Se a venda incluir as benfeitorias, além da terra nua, e se os custos destas benfeitorias já tiverem sido deduzidos como custos/despesas da atividade rural, o valor de sua alienação deverá ser oferecido à tributação como resultado da atividade rural. Por outro lado, se os custos destas benfeitorias não tiverem sido utilizados anteriormente para a dedução do resultado da atividade, o seu valor integrará o custo de aquisição para fins de apuração de ganho de capital e o resultado da venda será tributado separadamente do resultado da atividade rural. Produtos recebidos em

pagamento de arrendamento devem ser considerados rendimentos para todos os efeitos. O valor a ser atribuído deve corresponder ao preço de mercado aplicável para os produtos ou o respectivo preço oficial (o que for maior), relativo ao mês de recebimento. Como rendimento, os pagamentos se sujeitam ao carnê leão, se a fonte pagadora for pessoa física, ou se sujeitam ao IR retido na fonte, se decorrentes de pagamentos realizados por pessoa jurídica. Os empréstimos efetuados pela pessoa física especificamente para a atividade rural, desde que comprovadamente sejam utilizados com esta destinação, não são justificam acréscimo patrimonial, e não integram o valor a ser computado para a incidência do imposto. Os adiantamentos de valores ao produtor rural, para entrega futura, não devem ser incluídos no resultado tributável do mês de seu recebimento, se os produtos ainda não foram entregues ao comprador. Deste modo, os valores devem ser apenas declarados em resultado de atividade rural não tributável. Assim que realizada a entrega dos produtos, a importância relativa à antecipação deve ser computada como rendimento no respectivo mês de entrega. Em havendo devolução de valores antes da entrega do produto, o resultado da venda deve ser reduzido do importe devolvido. Se a devolução ocorrer posteriormente, será considerada despesa. Por fim, consideram-se despesas de custeio da atividade rural os serviços que lhe forem necessários, assim considerados os que contribuem para a sua realização, tais como: as operações de arma-

zenagem de produtos agrícolas; a guarda, a criação e a engorda de animais; e a assistência técnica, dentre outras atividades. Referidas atividades deverão ser realizadas no próprio imóvel rural, ressalvada a hipótese em que seja estritamente necessária a realização fora da circunscrição do imóvel e desde que exista contrato formalizando a operação e atestando que a mesma se destina a referida atividade rural. (Para maiores informações, contate Fialdini Advogados – www.fialdiniadv.com.br)

59 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Mercado

Atuação dos especuladores

Gabriel Silveira Pena

Nas últimas três edições da revista, tratamos sobre a importância de utilizar a Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) para executar o hedge (proteção) agrícola. Diferentemente dos últimos meses abordaremos outro tipo de player (agente) do mercado financeiro; o especulador, também conhecido como trader. Segundo o dicionário Michaelis, especulação é uma “operação comercial que visa não apenas ao lucro ordinário do ramo, mas, sobretudo aos das flutuações con¬junturais do preço das mercadorias, ou se faz por uma transação que envolve riscos incomuns contra uma chance de lucro muito grande.” Desta forma, o especulador pode ser desde um produtor rural, que por conhecer bem o mercado que está inserido, deseja fazer uma “aposta” no preço futuro do milho, soja ou café. Também pode ser alguém que nunca pisou numa lavoura

e deseja embolsar um lucro por meio do spread (a diferença, em um determinado período, entre o preço mais alto e o mais baixo de um produto). O especulador leva em consideração a dinâmica do preço da commoditie, num horizonte temporal mais breve que o hedger. O objetivo do especulador é gerar uma diferença positiva entre o preço que comprou e o preço que vendeu, muitas vezes utilizando apenas gráficos e ferramentas estatísticas, sem se preocupar com fatores fundamentais como: oferta, demanda, custos, modificações climáticos, etc. A crítica mais comum feita aos especuladores é o fato de causarem impactos nos preços das commodities na BM&F sem o “lastro da produção”, não produzindo assim riqueza para economia. Ou seja, muitas vezes ocorrem oscilações nos preços “descolados” do mercado físico, espantando os produtores que desejam fa-

60 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

zer o hedge do mercado financeiro. O ato de produzir ou especular não garante o sucesso do negócio, haja vista que ambos os agentes incorrem de certos riscos. Os produtores precisam dos especuladores para gerar liquidez nas commodities e os especuladores necessitam dos produtores para que os preços estejam alinhados a produção real. Concluo minha participação nesta edição ressaltando a importância real não só dos produtores, mas também dos especuladores. Ambos os agentes assumem riscos, a diferença entre um e outro está na temporalidade do negócio e expectativa. O produtor rural possui um horizonte temporal maior e utiliza o mercado para evitar prejuízos com a expectativa de queda do preço da commoditie. Já o especulador, realiza suas operações num espaço menor de tempo, com o intuito de utilizar a expectativa para saber se comprará ou venderá.


61 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


InteRural

Ovinocultura

Balanço de exportações de carne ovina do Uruguai em 2011:

Pouco volume muitos dólares O balanço de exportações de carne ovina do Uruguai em 2011 mostra duas caras bem contrapostas. Por um lado, conseguiu-se um novo recorde em matéria de dólares gerados: US$ 84,3 milhões. Esse valor representa 7% a mais que em 2010 e supera 4% o recorde anterior, obtido em 2009. No entanto, quanto ao volume exportado, experimenta uma nova redução com relação ao ano anterior, representando o menor volume dos últimos seis anos. As exportações de carne ovina somaram 17,3 mil toneladas peso carcaça em 2011, 12% a menos que em 2010 e 46% a menos que em 2009. A obtenção de um preço médio excepcional de exportação explicou como, diante de uma baixa nos volumes exportados, igualmente se alcançou um recorde em matéria de dólares gerados. O preço médio de exportação chegou a US$ 4.870 por tonelada peso carcaça, o que representa 21% a mais que em 2010 e 90% a mais que a média obtida em 2009. Também supera amplamente a média de 2008 (US$ 2.861 por tonelada) e, assim, consegue-se o valor máximo da história de exportação desse produto no Uruguai. A União Europeia (UE) e

o Brasil voltaram a ser os destinos mais importantes para a carne ovina uruguaia. Nessa ocasião e diferentemente do ocorrido em 2010, a UE liderou o mercado, com 39% do valor e 36% do volume total exportado. O Brasil foi o segundo destino em importância, representando 36% em valor e 29% em volume. A primeira diferença destacada que se observa nos resultados de 2011 é a crescente participação da China na importação de carne ovina. Esse país ocupou o terceiro lugar, com 10% dos dólares gerados e 18% em volume, passando à frente dos países árabes que, de forma conjunta, ocuparam o terceiro lugar em 2010. A China foi o único destino que aumentou os volumes importados em 160% com relação ao ano anterior: passou de 1,2 para 3,1 mil toneladas peso carcaça. Em matéria de preços, a imp o r ta nte me l ho ra da média reflete os

62 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

aumentos em todos os mercados, sem exceção, destacando-se novamente o Brasil como o destino de maior valor para a carne ovina uruguaia, com um preço médio de US$ 6.186 por tonelada peso carcaça. A UE está em segundo lugar no ranking dos preços pagos pelos mercados, com uma média de US$ 5.269 por tonelada peso carcaça. A reportagem é do El País, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.


63 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


InteRural

PET

Made in Brazil O Fila Brasileiro faz parte da hist贸ria deste pa铆s e traz em seu comportamento tra莽os do povo brasileiro

64 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


Da Redação O Fila Brasileiro é uma conquista nossa, um cão da terra, da nossa terra. O próprio nome do animal define sua origem. Fila Brasileiro é uma raça de cão de grande porte desenvolvida aqui no Brasil e a primeira raça brasileira a ser reconhecida internacionalmente. A origem deste canino está ligada à colonização do país, quando os europeus levaram seus animais de trabalho para desbravar a nova nação. Os animais trazidos pelos colonizadores cruzaram-se e surgiu um cão que herdou características importantes de três conhecidas raças. A grande e forte estrutura óssea dos Mastiffs ingleses, a pele solta, as orelhas baixas, os olhos tristes e o faro aguçado dos Bloodhounds e a resistência e o temperamento violento dos Buldogues, de acordo com a definição do Dr. Paulo Santos Cruz na publicação “Grande Livro do Fila Brasileiro”. Esta não é a única definição para a origem da raça, são várias as hipóteses que sugerem cruzamentos entre algumas raças europeias que originaram o FB. Só podemos dizer que a descendência do Fila Brasileiro é um tanto quanto obscura e indefinida. O que sabemos fielmente é que ele está aqui, entre nós, trabalhando em fazendas, fazendo a guarda, tocaiando onças, cercando bois, sendo fiel aos donos tanto na guarda das residências metropolitanas, como na companhia. A raça Fila Brasileiro tem suas origens nas fazendas. Um cão rústico, de trabalho, ágil e forte. Este mesmo cão foi adaptado à cidade, tornando-se um excelente cão de guarda, preservando suas características. Um cão Fila, dentro das

características do padrão original, é dotado de lealdade e coragem. Apresenta temperamento equilibrado e não recuará diante de um tiro ou qualquer ameaça ao seu território. O Fila Brasileiro teve seu apogeu nas décadas de 1970 e 1980, quando era a raça nacional com maior número de registros. Nessa mesma época, começaram a ocorrer as primeiras mudanças em seu padrão oficial (1984). A mais marcante foi a decisão dos criadores da época de abrandar o temperamento agressivo, que, de certa forma, era exaltado no padrão anterior. Padrão da Raça O Fila Brasileiro é um típico molosso. Possuidor de uma poderosa ossatura, sua figura retangular e compacta é harmoniosa e proporcional. Apresenta, aliada a uma bem desenvolvida massa muscular, grande agilidade concentrada e facilmente perceptível. Seu porte e andar

quase felino são suas características físicas mais marcantes. Possui grande vigor, é hábil nadador e muito resistente a mudanças climáticas. Dotado de coragem, determinação e valentia notáveis, o Fila Brasileiro é um cão sereno, que se destaca pela obediência, docilidade, fidelidade e devoção extremas aos donos, cuja companhia procura insistentemente. Além disso, é extremamente tolerante com as crianças. No entanto, é arredio com estranhos, não admitindo maiores intimidades. A pelagem é formada por pelo baixo, macio, espesso e bem assentada. São permitidas todas as cores sólidas, tigradas de fundo nas cores sólidas, com rajas de pouca intensidade até os fortemente rajados, podendo ou não apresentar máscara preta. Em todas as cores permitidas, admitem-se marcações brancas nos pés, peito e ponta da cauda.

65 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

PET

Cuidados que devem ser tomados HIGIENE O cão, bem como o local onde vive e dorme, deve estar sempre limpo – um conjunto de medidas profiláticas, higiênicas e sanitárias deve ser tomado pelo proprietário para impedir que haja alguma disseminação de moléstias entre os animais. E canis mal desinfetados ajudam as larvas dos parasitas a encontrarem condições propícias à sobrevivência até se instalarem no hospedeiro, o cão. Pisos e paredes devem ser lavados com água sanitária, derivados de amoníaco, e enxaguados com cloro todos os dias; jogar óleo de eucalipto diluído para evitar moscas. Verificar as instalações semanalmente para combater parasitas (pulgas, carrapatos,

aranhas) e outros hospedeiros. No caso de o cão viver em grama e/ou terra, mantenha a grama sempre bem aparada. Molhe a terra com uma solução de água e cal a 1% uma vez por mês. Os utensílios de comer e beber devem ser lavados com água e sabão, enxaguados bem e secos.

BANHOS Os banhos em excesso são desaconselháveis. Além de não eliminarem o problema do mau cheiro, de que se queixam alguns proprietários, eles podem causar séria irritação na pele, principalmente quando se empregam sabão e xampus inadequados. Devem ser dados com sabonete neutro após as vacinas. No verão uma vez por mês e no inverno a cada dois

66 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

meses, ou quando realmente se fizer necessário. Enxague bem o animal, evitando a permanência de qualquer resquício de sabão. Posteriormente, enxague-o com uma toalha. Deve ainda ser escovado para a retirada do pelo solto. Outro banho que deve ser dado no cão é o banho de sol, que estimula o organismo a produzir a vitamina D, indispensável para a fixação e absorção do cálcio e, consequentemente, para a formação de ossos e dentes fortes. Procure expô-lo ao sol durante alguns minutos diariamente, evitando o período mais quente do dia (das 10 horas até as 15 horas). Referências Bibliográficas: http://www.filabrasileiromg. com.br/ http://www.spfilabrasileiro.com.br/


67 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


InteRural

Girolando Patrocínio do caderno Girolando:

Associação Brasileira dos criadores de girolando Rua Orlando Vieira do Nascimento, 74 Vila São Cristovão - Uberaba-MG Fone: (34) 3331-6000 E-mail: girolando@girolando.com.br www.girolando.com.br

Cresce número de exposições de

Girolando no Brasil

No ano passado, a raça teve

7.266

animais julgados em 47 exposições realizadas em todo o país.

O mês de março marca o início das competições da raça Girolando em todo o país. A 49ª EXPASS (Exposição Agropecuária e Industrial de Passos/MG) abriu o calendário de exposições de 2012. O evento aconteceu do dia 20 de março a 1º de abril no Parque de Exposição Adolpho Coelho Lemos. O julgamento da raça Girolando foi feita nos dias 30 e 31 de março. A escolha dos grandes campe-

ões e campeãs da feira ficou a cargo da jurada da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando Tatiane Tetzner. No ano passado, a raça teve 7.266 animais julgados em 47 exposições realizadas em todo o país. A expectativa é de que esse número seja maior em 2012 devido à grande procura pela oficialização dos eventos. A principal feira da raça, a MEGALEITE, já tem data definida

68 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

para 2012 e vai reunir as maiores raças leiteiras do país. A exposição ocorrerá de 1º a 8 de julho, no Parque Fernando Costa, em Uberaba (MG). São esperados mais de 2 mil animais para as competições de julgamento e concurso leiteiro. A feira ainda conta em sua programação com leilões, fórum de debates, palestras e lançamentos. Outras 12 exposições também já confirmaram que terão julgamento da raça Girolando nas seguintes datas: 38ª Exposição Agropecuária de Araxá/MG (11 a 13 de abril); 43ª Expo Agro de Itapetininga/ SP (26 a 27 de abril); EXPOBM – Barra Mansa/RJ (11 a 12 de maio); Cooprata (18 e 19 de maio); 42ª Divinaexpo – Divinópolis/MG (25 a 26 de maio); 32ª Exposição Agropecuária de Atibaia/SP (25 a 26 de maio); 1ª FENALEITE – Patos de Minas/MG (25 a 26 de maio); 42ª EXPOAGRO/ 6ª Exposição Interestadual do Gado Girolando de Franca – SP (25 a 26 de maio); SuperAgro 2012 – Belo Horizonte/MG (08 a 09 de junho); 10ª EXPO GIROLANDO DO VALE DO PARAÍBA - 30ª FAPIJA – Jacareí/SP (12 a 13 de julho); 39ª EXPAJA E 2ª EXPOSIÇÃO RANQUEADA DO GIROLANDO – Jataí/GO (13 a 14 de julho); 39ª Exposição Agropecuária de São João da Boa Vista/SP (13 a 14 de julho).


bhzbeto

10 LEILÃO ANUAL

e convidados

12 0 2 S O I A A R O M H E D 0 -1 06 O S E G Õ N I IÇ M S O O P D EX G E M D . PQ ÁSSIA C

ALTO VALOR GENÉTICO Vacas jovens em início de lactação. Bezerras e novilhas. Girolando 5/8, 3/4 e 1/2 sangue.

Patrocínio master

Apoio

Assessoria Informações: (35) 9137-609669 / 9191-4920 | Interural girolandorbc@terra.com.br

- a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Girolando

Seleção, seriedade e segurança COMO COMEÇOU A origem da Girolando w remonta a 1984, quando o tradicional pecuarista Antonio Melo Carvalho (o “Antoinzinho Bento”) dividiu sua fazenda Santa Maria, em Cássia – sudoeste de MG, entre os 7 filhos. Um dos retiros dessa fazenda, o Retiro da Barra, ficou com o filho Roberto, que recebeu a recomendação: “o melhor é comprar uns bezerros, deixar engordar no pasto e vender boi gordo. Leite dá muito trabalho”. O conselho foi seguido, mas, passado algum tempo, o

encarregado, Geraldo Oliveira, pediu: “sô Roberto, o sr. podia comprar uma ou duas vacas velhas do seu irmão, pra gente ter um leitinho”. Resumindo: foram adquiridas quatro vacas holandesas velhas do irmão Luiz Antonio, que, felizmente, tinha um dos melhores plantéis HPB da região. “Sô Roberto, vamos precisar dum tourinho, senão as vacas não vão parir de novo”. Chegou Apolo, tourinho Gir que iniciou a produção de ½ sangue. Desta forma, há cerca de 27 anos, começou a história do Girolando no Retiro da Bar-

70 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

ra, que já tinha sido o núcleo de produção de leite de Caracu (na década de 50, para vender o creme para a “Aviação” de São Sebastião do Paraíso) e de Holandês (por volta de 1970). A partir de 1997, a criação de Girolando com a visão de consolidar o 5/8, passou a ser o foco, com o registro de todos os animais com tipo e caracterização compatíveis com a raça. SELEÇÃO E MANEJO O trabalho da RBC é direcionado para a obtenção de animais que expressem a síntese


do que se busca no Girolando: flexibilidade. Ou seja, combinar produção de leite e rusticidade para o clima tropical. Animais com genética para responder com alta produção com manejo intensivo; mas que também sejam adaptados a manejo extensivo, sem as conseqüências danosas que afetam raças leiteiras européias. O manejo considera ainda que o exagero de precocidade é prejudicial para o desenvolvimento e a vida produtiva. Assim, busca-se o primeiro parto entre dois anos e meio e três anos, preservando a saúde e a longevidade. A realidade da expressiva maioria de criadores e produtores de leite no Brasil agradece muito mais e responde melhor a essa flexibilidade e longevidade, do que aos extremos de produção e precocidade. CRUZAMENTOS “CRIATIVOS” PARA OBTER O 5/8: touros 3/8 em vacas 7/8 ou hpb”. Uma das maneiras utilizadas pela RBC para obter o 5/8, além do cruzamento tradicional de touro HPB em vacas ¼ HPB, é o uso de touros 3/8 HPB em vacas 7/8 ou HPB. E o resultado superou as expectativas. Hoje, a RBC conta com touros 3/8 que já demonstraram sua capacidade de transmitir alta produção e sistema mamário de muita qualidade para as filhas, que competem em nível de igualdade com as filhas de touros HPB provadíssimos. Destaque para o RBC Ritmo, o primeiro 3/8 contratado por uma central (Alta Genetics) e também o RBC Corisco, do qual a fazenda estocou mais de 500 doses de sêmen para uso próprio.

“A grande vantagem que percebo é que, além de ser um meio alternativo de obter o Girolando, acelerando o crescimennto da raça, é uma forma de minimizar os riscos da consanguinidade”, afirma Betinho Melo Carvalho, gerente da RBC. SELEÇÃO DE REPRODUTORES Sabendo que a carência de touros é o principal problema para consolidação do Girolando como raça pura, a RBC tem dado cuidadosa atenção para selecionar e ofertar bons reprodutores. A seleção começa ao planejar os acasalamentos, com base no conceito amplo de genética, consideradas na ascendência a vocação leiteira, a morfologia e o binômio sanidade - longevidade. Fala o Betinho: “são avaliados os quesitos GENÉTICA, GENÉTICA E GENÉTICA – Família é tudo!” Após o nascimento, os bezerros são avaliados pela morfologia (geral e particularmente do sistema reprodutor) e sanidade. A avaliação andrológica é feita por volta dos 18 meses e os que são aprovados em todas as fases são ofertados como reprodutores. Hoje a RBC possui 6 touros em central: os ¾ RBC Barão (ABS Pecplan) e RBC Redator (ABS Pecplan); os 5/8 RBC Singelo – Puro Sintético (CRV Lagoa), RBC Arquiteto (CRV Lagoa) e RBC Caratê (ABS Pecplan); e o 3/8 RBC Ritmo (Alta Genetics). LEILÃO RBC 2012 O Leilão RBC 2012 contará com 60 lotes, dentre eles 20 lotes de convidados especiais, com animais criteriosamente selecionados de seu plantel. A oferta de altíssima qualidade genética estará junto com va-

cas e novilhas recém-paridas, no auge de sua produção. Entre os destaques, estará a oferta inédita de prenhez sexada de fêmea da melhor Girolando 5/8 do Brasil (RBC Bigorna, Grande Campeã Nacional da MEGALEITE 2011) com Lion Império Itaúna, o líder absoluto do sumário EMBRAPA / Girolando 2011: PTA de 313 kg e confiabilidade de 80%. CONVIDADOS: Antonio de Pádua Martins (Faz. Luanda – São João Batista do Glória), João Miareli (Faz. Bethânia - Ibiraci), José Eduardo Melo Carvalho (Faz. São Sebastião – Cássia), Luiz Antônio Melo Carvalho (Faz. Sta. Maria – Cássia), Paulo Ricardo Massimiani (Faz. Córrego Branco - Capetinga) e Serra Branca Agropecuária Ltda (Oliveira). PREMIAÇÕES Embora não esteja entre as metas produzir campeões de pista, a Girolando RBC, para mostrar o resultado do seu trabalho, participa das principais exposições do Sudeste brasileiro. Assim, conseguiu alguns prêmios muito expressivos, como o Grande Campeão Nacional ¾ em 2005 (RBC Redator), vários campeões e campeãs de categorias, na MEGALEITE e em outras mostras de destaque e, no ano passado, a Grande Campeã Nacional 5/8, RBC Bigorna. Essas premiações nos trazem muita satisfação, por ver a genética RBC reconhecida por jurados de grande conhecimento e experiência, e aplaudida por tradicionais e novos criadores. “Mas, sinceramente, para nós a premiação máxima é a satisfação e o reconhecimento dos adquirentes de animais RBC”, completa Roberto Melo Carvalho.

Mas, sinceramente, para nós a premiação máxima é a satisfação e o reconhecimento dos adquirentes de animais RBC Roberto Melo Carvalho

71 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Girolando

Girolando prepara novas ações para atender criadores de São Paulo

O número de novos associados cresceu mais de

20%

O diretor da Girolando Eugênio Deliberato Filho participou no dia 10 de março de reunião no Escritório Técnico Regional da associação em Jacareí (SP) para definir novos projetos e ações que devem ser executados este ano na região. O encontro contou com a presença dos criadores e representantes da Girolando no Estado, Adriano Ribeiro de Oliveira e Pedro Luiz Dias, do técnico da entidade Samuel Silva Bastos e da secretária do escritório Márcia Geraldo. De acordo com Pedro Luiz Dias, a reunião com os

representantes segue orientação da Diretoria no sentido de agilizar o atendimento aos associados e solucionar dúvidas que possam surgir no registro dos animais, bem como oferecer oportunidades de contatos entre os criadores da região, para troca de experiências e boas práticas de manejo e criação. "O crescimento do número de associados foi outro item debatido que, além de mostrar o acerto da decisão da Diretoria em constituir esse Escritório Regional, mostra que é preciso continuar investindo no Girolando, pois

72 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

as oportunidades de negócio são igualmente crescentes", diz Dias. Desde a inauguração do ETR de Jacareí, em 2011, o número de novos associados cresceu mais de 20%. Os associados da região, em breve, passarão a receber informações sobre mostras, feiras e atividades que o ETR está preparando em conjunto com a Diretoria em Uberaba e parcerias institucionais. Além de Jacareí, a Girolando conta com escritórios em Goiânia (GO), Itaperuna (RJ), Recife (PE) e a sede em Uberaba (MG).


Julgamento e Atualização

Técnica do Girolando

Para acompanhar a forte demanda pela genética da raça leiteira Girolando, quase cem técnicos e jurados de todo o Brasil estiveram presentes na cidade mineira de Uberaba debatendo as inovações nas áreas de certificação de qualidade e de julgamentos dos animais. O primeiro evento da debatido foi o “3º Seminário de Revisão, Atualização e Harmonização dos Critérios de Julgamento da Raça Girolando”. O presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando, José Donato Dias Filho, fez a abertura oficial do evento no dia 13 de março às 8h, no Anfiteatro das Faculdades Associadas de Uberaba (FAZU). Além dos técnicos e jurados, a solenidade contou com a presença do diretor administrativo Fundagri/FAZU, Fábio Melo Borges, da diretora geral da FAZU, de Dionir Dias de Oliveira Andrade, de diretores da Girolando e de representantes das empresas Parceiras Master da associação. O Seminário teve palestras técnicas e aulas práticas sobre julgamento. Entre os palestrantes, esteve presente o coordenador do Colégio de Jurados das Raças Zebuínas da ABCZ, Mário Márcio Souza da Costa Moura, que ministrou uma palavra sobre ética. Outros temas a serem abordados são: o Novo Regulamento do Serviço de Registro Genealógico da Raça Girolando e Relatório de Exposições; Regimento Interno do Colégio de Jurados da Raça Girolando; Regulamento de Exposições, Eventos e Ranking

2011/2012; Código de Ética do Expositor de Girolando; Revisão dos Critérios de Julgamento da Raça Girolando. Na quarta-feira, ocorrerão as aulas práticas sobre julgamento de animais nos currais da fazenda-escola da FAZU. Outro evento da semana é a “Atualização Técnica Nacional 2012”, cujo tema será “Certificação de Qualidade”. As palestras e aulas práticas vão de 15 a 17 de março, também nas dependências da FAZU. Durante o evento, haverá a apresentação do novo sistema de identificação da raça que a Associação Brasileira dos Criadores de Girolando está implantando. No novo sistema, cada animal será identificado por meio de fotografia no banco de dados da entidade. A imagem fotográfica dos bovinos registrados substituirá a marcação a fogo, que

era realizada pelos técnicos no momento do Registro Genealógico de Nascimento do animal. Durante a Atualização Técnica Nacional 2012, os técnicos terão aulas práticas de fotografia com o instrutor do SENAC, Maurício Farias. A programação da Atualização Técnica Nacional 2012 incluirá, entre outros assuntos: Identificação animal com a utilização de brincos e bottons; estratégias de cruzamentos e acasalmentos com touros Girolando; padrão racial; como funciona o novo Sistema Integrado de Gestão de Dados da Girolando – PureGH, permitindo que os criadores realizem uma série de serviços pela internet. A atualização Técnica é realizada a cada dois anos. Os dois eventos que serão realizados pela Girolando contam com a parceria da FAZU.

73 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Senepol

Fertilização in vitro e transferência de embriões: Ferramenta de peso no progresso genético Alta Genetics do Brasil Ltda - Equipe AltaEmbryo Ao longo de anos, diversas técnicas foram desenvolvidas com intuito de ampliar o nascimento de animais geneticamente superiores, tendo em vista aumentar o ganho genético dos rebanhos. Dentre as biotecnologias, algumas merecem destaque, como a Inseminação Artificial (IA), Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF), a Transferência de Embrião (TE) e a Fertilização in vitro (FIV). Dentre as técnicas supracitadas a FIV, mais recentemente tem recebido grande atenção por parte dos veterinários, investidores e envolvidos no meio rural, passando por

eminente crescimento em sua utilização (Viana et al., 2010), onde uma das etapas da FIV é o uso da técnica de aspiração folicular intravaginal orientada por ultrassonografia (OPU) visando à recuperação de oócitos para serem fertilizados in vitro (Hafez & Hafez, 2004). Entretanto, para o sucesso dessas e de outras técnicas a elas associadas, é necessário considerar a viabilidade econômica aliada à boa qualidade dos resultados obtidos. Assim, matrizes de genética superior devem ser criteriosamente selecionadas para serem doadoras de oócitos; o acasalamento deve ser realizado com o touro ideal pensando no objetivo de negócio aplicado; e os produtos nascidos devem ser criados e

74 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

recriados com muito critério para terem a chance de expressarem todo seu potencial genético. O programa Alta Embryo da Alta Genetics do Brasil Ltda tem como objetivo disponibilizar aos clientes prenhezes originadas dos mais conceituados rebanhos comerciais do Brasil aliado a ótimo custo/benefício. São matrizes rigorosamente selecionadas e acasaladas com os melhores touros provados das raças de leite e corte, promovendo rápida evolução genética para o criador. Fazenda conceituada no quesito melhoramento genético de Senepol, a Fazenda Tufubarina, de propriedade do Sr. Gustavo Rezende, localizada em Monte Alegre de Minas-


-MG, é um exemplo de fazenda parceira da Alta Genetics do Brasil Ltda no programa Alta Embryo. Em entrevista, Sr. Sebastião Pires, proprietário de uma pequena, porém focada, fazenda em Santa Salete, São Paulo, demonstrou satisfação em adquirir prenhezes de Senepol da fazenda Tufubarina através do programa Alta Embryo. “Precisava adquirir animais de ótimo desempenho e de excelência genética para proliferação segura do rebanho. Minha fazenda é pequena, preciso de rentabilidade”. Acrescenta ainda – “não comprei um produto, mas sim um programa seguro, responsável e de qualidade”. Confira parte da entrevista no site da Alta Genetics e acesse vídeos. Serviço confiável e de alto benefício, o programa AltaEmbryo alia fazendas com altíssimo rigor de seleção genética, como a Senepol Tufubarina, parcerias com laboratórios que prezam pela excelência do serviço prestado e inúmeros procedimentos focados na redução de custos do produto final, dentre elas, a não necessidade de compra de receptoras, já que estas são selecionadas dentro do rebanho do próprio do cliente. Concluindo, ao utilizar a FIV como ferramenta de aceleração do progresso genético, o criador tem a oportunidade de andar a passos largos rumo a excelência genética. Basta certificar-se que a doadora e o touro do acasalamento são indivíduos geneticamente diferenciados e que haja viabilidade econômica nos custos desse procedimento, características plenamente atendidas no programa AltaEmbryo. Para maiores informações acesse o endereço eletrônico http://www.altagenetics.com.

br/novo/Servicos/AltaEmbrio/Default.aspx ou ligue para Rodrigo Peixoto, gerente de produto AltaEmbryo no telefone (34)3318-7771. Referências bibliográficas  HAFEZ, B.; HAFEZ, E. S. E. Reprodução animal. 7ed. Barueri:

Manole, 2004. 513p.  VIANA, J. H. M.; SIQUEIRA, L. G. B.; PALHÃO, M. P.; CAMARGO, L. S. A. Use of in vitro fertilization technique in the last decade and its effect on brazilian embryo industry and animal production. Acta Scientiae Veterinariae, v. 38, p. 661-674, 2010.

75 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Brahman Patrocínio do caderno Brahman:

Associação dos Criadores de Brahman do Brasil Praça Vicentino Rodrigues da Cunha, 110 São Benedito CEP: 38.022-330 - Uberaba (MG) | (34) 3336-7326 www.brahman.com.br brahman@brahman.com.br

Definidos jurados do Brahman para ExpoZebu 2012 Ademir Jovanini Augusto Filho, Luís Renato Tiveron e Rodrigo Ruschel Lopes Cançado são os jurados selecionados para compor a Comissão Tríplice responsável pelos julgamentos da raça Brahman durante a ExpoZebu 2012.

A feira de gado zebuíno é a maior do mundo, e acontece de 28 de abril a 10 de maio, no Parque Fernando Costa, em Uberaba/MG. A comissão foi definida no dia (13) de março pela Associação Brasileira dos Criadores

de Zebu (ABCZ) da seguinte forma: dois jurados foram selecionados de uma lista de sete nomes encaminhada para a entidade pela Associação dos Criadores de Brahman do Brasil (ACBB) e um jurado foi indicação da ABCZ.

Ranking da Brahman Paulista foi entregue durante São Carlos Brahman Special A 5ª edição São Carlos Brahman Special foi realizada no dia 19 de março no Broa Golf Resort, na cidade paulista de Itirapina. A Quinta exposição do Ranking Nacional da Raça Brahman 2011/2012, a 5ª São Carlos Brahman Special é um evento integrado Brahman e Quarto de Milha. Durante a exposição, foi realizada a festa de entrega dos melhores do Ranking da Associação Paulista dos Criadores

de Brahman. Agropecuária Leopoldino e César Tomé Garetti são os primeiros e segundos colocados, respectivamente, nas categorias Melhor Criador e Melhor Expositor. Wilson Lemos de Moraes Júnior é o terceiro Melhor Criador do Ranking e Luis Carlos Monteiro, o terceiro Melhor Expositor. Miss Lince Vida 666 é Melhor Fêmea Adulta, seguida por Akita da Canaã e Miss Lince 613. Na categoria Melhor Fêmea

76 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

Jovem, Miss W2R POI 404 é a vencedora, seguida por Bebel da Canaã e Dandy da Canaã. O Melhor Macho Adulto é Mister Lince Faraó, seguido por Mister Ivam da Canaã e Noel da Canaã. Amozon da Canaã é o Melhor Macho Jovem, Heinz da Canaã, o segundo e Mister W2R POI 505, o terceiro. FONTE: Associação dos Criadores de Brahman do Brasil.


77 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


InteRural

Senepol Patrocínio do caderno Senepol:

Associação Brasileira dos Criadores de Bovinos Senepol Rua Martinesia 303, sala 602 Aparecida Cep: 38400-606 - Uberlândia - MG | (34) 3210-2324 ou (34) 9962-4357 senepol@senepol.org.br e marketing@senepol.org.br

Teste de Performance a Pasto Fonte: Senepol CMI Será realizado na Fazenda CMI o primeiro teste de performance a pasto da raça Senepol, com supervisão da Embrapa e Geneplus. Poderão participar desta prova os

animais machos PO, POI e PC (PC serão avaliados separadamente) nascidos entre 01/07/2011 a 31/12/2011, com peso de entrada de 180Kg a 330Kg. Convidamos todos amigos criadores que participem deste teste iné-

dito na raça. As inscrições ficarão a cargo de Lucas Nascimento Silva, zootecnista do GENEPLUS, que as receberão via e-mail: lnszoo@hotmail.com. Em caso de dúvida, entrar em contato: (67) 3368-2181 e (67) 8121-9034.

A avaliação será dividida em duas etapas: Prova 1 (animais nascidos de 01/07/2011 a 30/09/2011)  De 23 a 25/04/2012 – Recepção dos animais;  25/04/2012 – Pesagem de entrada - início da adaptação;  20/06/2012 – Pesagem inicial - início efetivo da prova;  15/08/2012 – Pesagem intermediária 1;  10/10/2012 – Pesagem intermediária 2;  05/12/2012 – Pesagem intermediária 3 e exame andrológico;  30/01/2013 – Pesagem, avaliação final e exame andrológico - final da prova.

Prova 2 (animais nascidos de 01/10/2011 a 31/12/2011)  De 02 a 04/07/2012 – Recepção dos animais;  04/07/2012 – Pesagem de entrada - início da adaptação;  29/08/2012 – Pesagem inicial - início efetivo da prova;  24/10/2012 – Pesagem intermediária 1;  19/12/2012 – Pesagem intermediária 2;  13/02/2013 – Pesagem intermediária 3 e exame andrológico;  10/04/2013 – Pesagem, avaliação final e exame andrológico - final da prova.

78 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


79 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


InteRural

Capa

Ita Senepol

Uma trajet贸ria de sucesso embasada no pioneirismo e na aposta pelo Senepol

80 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


por gustavo ribeiro A paixão pela terra já atravessa meio século. Tudo começou em 1953, quando o senhor Simonides Netto em sociedade com dois cunhados adquiriu uma pequena propriedade no estado do Goiás e iniciou a atividade de agricultura. Trabalhou por muitos anos na lavoura cultivando arroz, banana entre outras culturas. Simonides dedicava-se integralmente ao trabalho, e colheu os frutos de ta-

manho empenho. Pouco tempo depois adquiriu uma propriedade maior e passou a associar a agricultura à pecuária. Itamar Netto, filho de Simonides Netto, quando ainda era apenas uma criança já se interessava pelas atividades no campo. Aos oito anos de idade já trabalhava na fazenda com o pai, dirigia a caminhonete dentro da propriedade, andava a cavalo, conhecia o manejo no curral sempre vistoriado por Simonides e o peão da fazen-

da. Esse contato precoce com as atividades rurais despertou em Itamar amor pelo negócio, sentimento que ele carrega até hoje, e que vai perdurar por toda vida. Em 1973, a família abriu uma empresa de material de construção em Uberlândia, chamada TERRAÇO, uma empresa familiar que era tocada por Itamar e seu irmão, trabalharam durante anos nessa nova atividade, sempre conciliando com o agronegócio. ‘

81 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Capa

Um Horizonte de oportunidades

Foi na Fazenda Bom Jardim em Porteirão, pequeno município no interior de Goiás que Itamar encontrou o nicho ideal para criar e plantar. Na Fazenda Bom Jardim a agricultura sempre foi o carro chefe, mas a pecuária sempre esteve inserida no contexto da fazenda. Depois de alguns anos tocando a Fazenda Bom Jardim, Itamar incentivado pelo filho Leonardo adquiriu uma propriedade em São José do Xingu, no Mato Grosso. Nesse mesmo período seu filho estava terminando o curso de zootecnia em Uberaba. “Em 1994 quando meu filho estava terminando a faculdade, ele me questionou: ‘pai se a gente ficar com apenas essa propriedade no estado do Goiás vamos ficar para trás, pequenos no negócio. Precisamos expandir as fronteiras’. Isso me despertou o interesse de ir para o Mato Grosso e adquirir uma propriedade maior”, afirma Itamar. Na Fazenda em São José do Xingu Itamar e Leonardo focaram os trabalhos no cruzamento industrial, utilizando animais

nelore, cruzados com raças europeias disponíveis na época, que era o Simental e o Red Angus. “Com a formação acadêmica do Leonardo, começamos a fazer vários experimentos com cruzamento industrial para produzir o sonho de qualquer pecuarista, que é ter bezerros precoces, para mandar mais cedo para o frigorífico”, destaca Itamar. De acordo com Itamar, eles conseguiram obter sucesso nesses cruzamentos industriais, no entanto, apenas utilizando Inseminação Artificial, pois, como os touros eram de origem europeia eles não iam bem a pasto em clima tropical. Com isso, Itamar e Leonardo passaram a procurar no mercado algum animal que conseguisse fazer o cruzamento industrial a pasto. “Foi quando tomei conhecimento da raça Senepol, que trazia uma proposta diferente, pois ela é oriunda de uma região de clima tropical como o Brasil. Então ao ir à busca de informações, eu realmente

82 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

tive a certeza que havia encontrado o animal que iria satisfazer a minha demanda de ter animais precoces capazes de reproduzir a campo”, pondera. O primeiro conhecimento com a raça Senepol foi em 2005 numa fazenda em Uberlândia, e logo em seguida na Feicorte em São Paulo. Pouco tempo depois foi constatar em um grande criatório do Brasil toda essa proposta que o Senepol prometia. A Agropecuária Nova Vida foi o berço do Senepol no Brasil, capitaneada pelo pioneiro Sr. João Arantes, que foi o primeiro a trazer a raça pra o Brasil. “Na Fazenda Nova Vida eu pude constatar pelo volume de animais que lá existia livres e criados a pasto, em um clima quente, pude verificar e ter a certeza que essa raça realmente funciona”, conclui Itamar. Depois dessa visita, Itamar estava decidido a dar inicio ao trabalho com o Senepol. Adquiriu então duas novilhas e duas vacas POI, para produzir animais em alta escala utilizando as tecnologias de TE e FIV. “Iniciamos com quatro doadoras, hoje o plantel conta com 30 doadoras e uma produção média de 250 animais POI por ano”. “Eu me recordo até hoje do primeiro animal POI nascido na fazenda, a nossa 001, chamada Preciosa, ela até hoje está no nosso plantel. Nascida na véspera do natal de 2006. Ela é o talismã da Bom Jardim”, declara Itamar demonstrando um carinho especial por esse animal.


83 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


InteRural

Capa

O gado Vermelho

origem da raça senepol

RedPoll

N Dama

84 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

O SENEPOL tem sua origem desde 1918 na ILHA DE SAINT CROIX situada no mar do CARIBE de clima tropical, como resultado de um cruzamento natural entre as raças N’ DAMA AFRICANO , e o RED POL INGLÊS. Essas duas raças foram levadas para a ILHA no início de sua colonização com a exploração da cana de açúcar, onde os trabalhadores africanos levaram seus animais N’ DAMA para produção de leite, e os Senhores de Engenho levaram seus animais RED POL para produção de carne. Estes animais cruzaram espontaneamente entre si durante 100 anos, e por um processo de seleção natural da sobrevivência dos indivíduos mais fortes, surgiu o SENEPOL, um TAURINO adaptado ao clima quente e seco da ILHA, vivendo numa região de escassa disponibilidade de água e alimentos. Criando características para sobrevivência, o SENEPOL adquiriu de forma natural a rusticidade do N’ DAMA AFRICANO que aquele ambiente exigia, bem como a precocidade geneticamente impressa pelo RED POL INGLÊS. O SENEPOL foi trazido para o BRASIL no ano 2000 pelo criador pioneiro Sr. JOÃO ARANTES no estado de Rondônia, onde os animais tiveram total adaptabilidade ao nosso clima, reforçada pela abundância das pastagens de Braquiarão proporcionando-lhes melhor desenvolvimento do que em sua terra natal.


Porque Senepol? RUSTICIDADE A Rusticidade do SENEPOL é uma característica dominante de sua completa adaptação ao clima tropical brasileiro, tanto para as regiões quentes do Centro Oeste, Norte e Nordeste, quanto para com o clima temperado e frio da região Sul do Brasil. Sua capacidade de adaptação à nossa adversidade climática favorece obter um resultado pleno dos Touros em monta natural a campo nas horas mais quentes do dia sem nenhum sinal de fadiga ou cansaço. Já no campo, sua capacidade de conversão alimentar atua de forma excelente, principalmente no período de seca, ocasião em que os animais pastam em palhadas e soqueiras de lavoura, conservando sempre estável o seu estado corporal. A pelagem zero do SENEPOL herdou da genética do N’ DAMA AFRICANO uma alta densidade de pelos curtos por cm ²

em sua pele, como um dispositivo de defesa natural dificultado às picadas da conhecida mosca africana “ tse tse” que transmite a doença do sono, permitindo aos animais uma proteção e uma tolerância maior ao ataque de nossos conhecidos ectoparasitas tais como, o carrapato e a mosca do chifre.

Padronizada na cor vermelha, caráter mocho por natureza, pelagem zero como o nelore, casco preto, são características marcantes de um animal totalmente adaptado às nossas condições climáticas, permitido que seu desempenho seja de grande produtividade em todos os sentidos.

PRECOCIDADE A precocidade do SENEPOL tem origem em sua puberdade aos 13 meses de idade com seu aparelho reprodutivo totalmente pronto à reprodução, a partir daí, seu desenvolvimento até a idade adulta tem um ritmo acelerado permitindo iniciar os trabalhos de machos e fêmeas a partir dos 18 meses de idade. Os tourinhos reprodutores tornam-se aptos à monta natural com 18 meses de idade, já as novilhas podem ser estimuladas à produção de embriões para transferência ( T.E e F.I.V) aos 14 meses de idade, e aos 18 meses em gestação própria. 85 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Capa

LIBIDO SEXUAL Em razão da característica de precocidade, esta se estende a grande libido sexual dos Touros, cuja CE (circunferência escrotal) atinge acima de 30 cm, permitindo o inicio dos trabalhos de monta natural aos 18 meses para até 25 vacas, entretanto, ao atingir a idade adulta, possui capacidade de cobertura a campo até 50 vacas.

PADRONIZAÇÃO A padronização da raça SENEPOL é marcante desde os animais POI até os cruzamentos, onde até as pessoas mais experientes em apartação não conseguem com facilidade selecionar os animais, pois na grande maioria o padrão é o

mesmo seja nas matrizes, novilhas ou touros, Em virtude do grande poder de transmissão das características genéticas da raça SENEPOL, os bezerros produto de seu cruzamento apresentam uma padronização predo-

86 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

minante na cor amarelo claro ao vermelho, e homogeneidade no tamanho, proporcionando assim uma padronização parelha dos animais, eliminando por completo o animal recessivo, ou seja, o conhecido “refugo”.


DOCILIDADE DE MANEJO Seu temperamento dócil favorece para uma excelente conversão alimentar cientificamente comprovada em testes de prova de desenvolvimento bovino, que em regime de confinamento obtém o maior ganho de peso médio diário comparado com demais raças. A docilidade natural da raça é transmitida integralmente a todos seus descendentes, independente se POI ou por cruzamento, favorecendo a lida, tanto no pasto como no curral, de um animal pacífico na convivência com os peões que já afirmam sobre aposentadoria da conhecida vara de ferrão.

CRUZAMENTO INDUSTRIAL O SENEPOL em cruzamento com o Nelore atesta sua precocidade no peso ao desmame dos bezerros macho em média de 230kg, e quando tratados para engorda em regime de confinamento terminam aos 16 meses com peso de 18@. Em regime natural de pastagem para engorda, os machos cruzados tem grande poder de conversão alimentar alcançando o peso de 18@ aos 22 meses de idade apenas com suplemento de sal mineral. As fêmeas produto de cruzamento com o Nelore acentua sua precocidade sexual permitindo sua utilização como receptoras de embriões aos 14 meses de idade com peso de 350kg. Recentes experimentos de cruzamento do SENEPOL com raças leiteiras, sobretudo com o Holandês, tem demonstrado bons resultados na produção de leite das fêmeas cruzadas, e excepcional resultado nos machos cruzados, atribuindo-lhes o valor normal de mercado, eliminando assim a tradicional figura do “gabiru leiteiro” de valor irrisório. 87 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Capa

FACILIDADE DE PARTO O bezerro SENEPOL puro ou de cruzamento com qualquer raça tem como característica dominante de nascer com peso médio de 37kg, favorecendo assim o trabalho de parto de vacas jovens ou de porte pequeno

RESULTADOS ECONÔMICOS FAVORÁVEIS. Toda atividade produtiva requer de seus investidores em qualquer que seja o segmento, uma necessidade constante em produzir o máximo com o menor custo, pois, a conquista dos mercados se tornam cada vez mais competitivos, exigindo a eficácia total na produção. Hoje, no mundo globalizado em busca de aprimoramento constante para o incremento da produção de alimentos para satisfazer a demanda crescente de consumo, o segmento da pecuária de corte encontra na raça SENEPOL, condições favoráveis para produzir em menor tempo, volumes maiores de carne que os meios ate então explorados.

QUALIDADE E SABOR DA CARNE Todo esforço produtivo para a produção de um animal que satisfaça o sonho de consumo do criador em poder produzir um animal rústico e precoce, totalmente a pasto, conduz também para a satisfação da expectativa geral do consumidor:“ COMER O SUCULENTO BIFE NO PRATO NOSSO DE CADA DIA” é encontrado na raça SENEPOL. Este suculento bife é o resultado de uma carne macia obtida pela capacidade de retenção de água em sua musculatura, decorrente de um processo natural de reserva do organismo do SENEPOL, adquirido em função da pequena disponibilidade de água existente no país de origem de sua formação. A ausência de gordura entremeada na carne do SENEPOL proporciona o sabor aliado à saúde, decorrente do baixo índice de colesterol existente em seu tecido musculoso, produzindo assim o saboroso churrasco, marca registrada e predileta do paladar do consumidor brasileiro. 88 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


LONGEVIDADE Outra característica marcante da raça SENEPOL diz respeito à longevidade de seus animais com histórico de produtividade plena, tanto de machos quanto de fêmeas aos 18 anos de idade, desta forma, a continuidade produtiva de cada indivíduo chega ao dobro do tempo que os demais bovinos alcançam.

LONGEVIDADE - VACA DE 12 ANOS COM CRIA AO PÉ

EXPANSÃO DA RAÇA A marca ITA SENEPOL contou com a credibilidade de vários criadores de vários estados da federação como: Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Bahia, Distrito Federal e Pará, que deram continuidade em nosso trabalho de expansão de novas fronteiras da raça SENEPOL. Nesta oportunidade Ita-

mar destaca algumas parcerias de grande responsabilidade que estão de acordo com os princípios da Ita Senepol para com os criadores: JOSE RODRIGUES E ALEXANDRE RODRIGUES – SENEPOL DA ARIS em UBERLÂNDIA MG, ROBSON NETTO RODRIGUES – SENEPOL R3 em BOM JESUS

DE GOIÁS , CARLOS ROBERTO CARNEIRO E LEONARDO GALVÃO NETTO - SENEPOL DA TERRA em SÃO JOSE DO XINGU MT, que vem lutando com todo esforço e dedicação auxiliando na divulgação e extensão dos grandes benefícios que a raça SENEPOL pode proporcionar aos novos criadores.

Robson, Carlos Roberto, Leonardo e Alexandre

89 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Capa

Compromisso Ita Senepol “Como produtor rural há 40 anos juntamente com minha esposa Sandra companheira de todas as horas, vivemos um ciclo de grandes mudanças nas condições econômicas e produtivas em nosso país e no mundo. Quando optamos por acreditar e investir todo nosso esforço na produção da raça SENEPOL, foi inicialmente por amor ao trabalho, à terra e ao campo, dedicando incansavelmente na divulgação da descoberta de uma nova opção de melhoramento da atividade pecuária. Hoje, nossa missão princi-

pal é divulgar os resultados obtidos com nosso trabalho fiel e comprometido com a VERDADE E REALIDADE DOS FATOS, lição nº 01 dos ensinamentos de meu querido e saudoso pai, SIMONIDES NETTO, onde deixou este legado de conquista para meus filhos e meus netos. A marca ITA SENEPOL prima, sobretudo pela qualidade genética e fenótipa de nossos animais, produzidos através da indicação de um acasalamento técnico processados pela empresa PROGENIE, que dispõe de um vasto banco internacional de dados genéticos de todos os

90 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

animais da raça SENEPOL que deram origem ao rebanho de maneira geral; permitindo-nos dar continuidade crescente ao melhoramento constante deste grandioso animal. Finalizando nossas palavras, colocamos à disposição de todos os nossos amigos lutadores da pecuária, o nosso convite, aliado ao desprendimento, para informar e disponibilizar toda nossa experiência e nossos melhores animais, pois nossa missão nunca será a de colecionador, e sim de criador”. Itamar Netto


TECNOSHOW COMIGO 2012 De 09 a 13 de abril Voltada para a geração e a difusão de novas tecnologias agropecuárias, feira deverá atrair mais de 70 mil visitantes A TECNOSHOW COMIGO será realizada em uma área de 60 hectares, onde estarão abrigados expositores de diversos segmentos como máquinas e equipamentos agropecuários, insumos (sementes, defensivos etc), plots agrícolas com vários experimentos, instituições financeiras, de pesquisa e ensino (Embrapa, Faculdade de Rio Verde, Secretaria de Agricultura do Estado de Goiás), animais de diferentes raças e espécies, veículos, entre outros. A Cooperativa Agroindustrial dos Produtores Rurais do Sudoeste Goiano (COMIGO) está em ritmo acelerado nos preparativos para a 12ª edição da TECNOSHOW COMIGO, que será realizada no período de 9 a 13 de abril, no Centro Tecnológico COMIGO (CTC). Promovida desde 2002, a feira é o principal evento de tecnologia rural do Centro-Oeste brasileiro e atrai mais de 70 mil visitantes durante os cinco dias de realização. A expectativa este ano é superar o total de R$ 500 milhões de negócios realizados em 2011, valor 138% superior ao volume registrado em 2010, além de ultrapassar o número de expositores da edição anterior, que chegou a 400 empresas participantes. O sucesso do evento se deve à preocupação da feira em proporcionar o que há de mais moderno em geração e difusão de tecnologias, demonstração de máquinas, de implementos, de insumos, de animais e novidades ao produtor rural de todo o Brasil. O visitante poderá participar também de palestras com reno-

mados especialistas e profissionais do segmento do agronegócio nos vários auditórios localizados no CTC. Além disso, estão previstas dinâmicas de máquinas, Circuito Ambiental, entrega do 5º Prêmio de Gestão Ambiental Rural COMIGO e outras atividades. Em entrevista, o presidente da COMIGO o Sr. Antonio Chavaglia afirma:

“Estamos na 12ª edição da Tecnoshow e a sustentabilidade desta feira é cada dia maior. As pessoas que nos visitarem, seja ele pequeno, médio ou grande criador/produtor, vai com toda certeza obter informações válidas e terá contato com as mais modernas tecnologias disponíveis para atividade do agronegócio. Temos a honra de convidar todas as pessoas ligadas a atividade

agrícola ou pecuária que desejam evoluir significativamente em seu negócio, que venha até a feira, pois temos a certeza que este visitante vai ter como aperfeiçoar muito os seus conhecimentos , e cada dia acrescentar um ganho maior no seu negócio. “A raça Senepol tem participado assiduamente da Tecnoshow e veio para contribuir muito com o desenvolvimento da pecuária, porque ela está trazendo algo novo, com resultados muito positivos. Por esse motivo temos disponibilizado grande apoio ao Senepol, verificando que, a evolução genética da raça contribui com ganhos muito significativos para a atividade pecuária valendo a pena o pecuarista visitar à feira, para constatar de perto o que estamos afirmando”, conclui Chavaglia.

91 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Capa

Senepol A Força do

Veterinária responsável pela consultoria técnica da Ita Senepol atesta na prática a eficiência da raça

Duas palavras definem a raça Senepol:

produtividade e precocidade. 92 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


Thaisa Campos Marques Médica veterinária/ ufla; mestranda em produção animal/if goiano O mercado, em busca de uma maior eficiência na produção de carne bovina, chegou ao cruzamento industrial. A raça Senepol é uma das opções para a produção desse sistema, pois sua heterose é traduzida em velocidade no ganho de peso e menor idade ao abate. Isso sem falar na qualidade da carne: “macia, magra e suculenta... realmente deliciosa”! Duas palavras definem a raça Senepol: produtividade e precocidade. O manejo dos animais puros e dos seus cruzamentos é facilitado pela docilidade e pelo padrão mocho da raça. O pêlo curto e muito aderido à pele leva a uma menor infestação

pelo carrapato e pela mosca-do-chifre, o que é refletido em melhor ganho de peso, já que o animal geralmente não se estressa quanto à presença desses ectoparasitas. Portanto, há redução no ciclo de produção tanto a pasto quanto confinado. Além disso, a precocidade sexual da raça Senepol é uma característica repassada para a geração meio-sangue, tendo fêmeas aos 14 meses aptas à reprodução. Essa alta fertilidade induz a uma menor idade ao primeiro parto, redução do intervalo entre partos e, consequentemente, do período entre as gerações. As fêmeas meio-sangue Nelore x Senepol utilizadas como receptoras são mais aleitadas e desmamam bezerros mais pesados em relação às receptoras Nelore. Os machos Senepol também são precoces, iniciando os trabalhos por volta dos 16 meses. A adaptabilidade da raça ao clima tropical possibilita que os touros cubram as vac a s

Ao iniciar os trabalhos no ITA SENEPOL, nossa equipe duvidava de tudo isso que relatei, mas hoje temos convicção que a raça é um investimento certeiro e que ainda vai mostrar muito para o Brasil e para o mundo” mesmo durante o dia, gerando uma maior taxa de prenhez ao final da estação de monta. Após o parto, as mães apresentam excelente habilidade materna, tendo o bezerro com baixo peso ao nascimento. Este é saudável e esperto, salientando sua rusticidade e seus grupamentos musculares definidos logo nos primeiros meses de vida. A bezerrada meio-sangue Nelore x Senepol produzida é muito padronizada; uniforme na conformação de carcaça e na pelagem, que pode variar de vermelha a amarela. Todas as características da raça Senepol podem ser desfrutadas por muitos anos, pois são animais longevos. Para tanto, a seleção de matrizes para produção de touros POI é um novo nicho de mercado, já que atende todo o território brasileiro, podendo ser utilizado a campo para coberturas para produção de bezerros de cruzamento industrial, mesmo diante das nossas diversas condições climáticas. Na propriedade ITA SENEPOL pode-se visualizar todas essas características, aliado a cuidados no manejo sanitário, nutricional e reprodutivo que todas as raças bovinas requerem para um desempenho produtivo satisfatório e rentável. “Ao iniciar os trabalhos no ITA SENEPOL, nossa equipe duvidava de tudo isso que relatei, mas hoje temos convicção que a raça é um investimento certeiro e que ainda vai mostrar muito para o Brasil e para o mundo”.

93 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Senepol

A Estância

Goudard

Por Gustavo Ribeiro Com excelência na pecuária, a Goud Senepol objetiva trazer ao mercado o avanço da genética do Senepol. Buscando sempre a melhoria contínua de qualidade, percorrendo o caminho da excelência, a Goud Senepol se propõe, sem medir esforços, a atuar para a melhoria da genética, do aprimoramento, da seleção e reprodução do gado Senepol. Iniciando o projeto pela qualidade das doadoras adquiridas de alta perfor-

Crescendo com o Senepol

mance reprodutiva e fenótipos característicos da raça. O despertar de um gigante Apesar de recente, a história da Estância Goudard é repleta de acontecimentos. A propriedade, antes de intensificar seus trabalhos com a raça Senepol, criava bovinos da raça Brahman. E consorciado com a pecuária bovina, Gilmar, proprietário da Estância, cria por hobby e por paixão cavalos da

94 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

raça Manga Larga. Na Estância Goud, que está localizada dentro do perímetro urbano de Uberlândia, são criados cavalos Manga Larga e Senepol. Gilmar conheceu o Senepol através do amigo Ricardo Carneiro. Desde o primeiro contato, ficou encantado com a raça e passou a se dedicar quase que exclusivamente a ela. Inicialmente, adquiriu cinco doadoras com o objetivo de fazer Fecundação In Vitro (FIV) e Transferência de Embriões (TE). Pouco tempo depois, em


2007, comprou mais duas doadoras na Feicorte 2007, sendo que uma delas é a CH25K REDEEMER, vaca que pertenceu ao Texano Rob Brown, considerado o geneticista do século na área de bovinocultura. Depois comprou animais de outros criadores, tendo assim uma genética variada e aberta para melhoria de seleção. Hoje a Estância conta com um encarregado, um vaqueiro e um caseiro com sua esposa, além de dois seguranças noturnos. Mas, dependendo da demanda, a fazenda contrata terceiros para executar as outras atividades. O controle financeiro, as planilhas e programas ficam sob a responsabilidade do filho de Gilmar, Rafael, o outro filho, Gustavo, termina sua formação em economia na UFU neste semestre. Aposta no Senepol O foco da Goud Senepol é definitivamente o gado ver-

“Continuar forte com Senepol. Em 2011 fizemos 150 animais via sistema FIV e TE, para 2012 queremos fazer em torno de 200 animais Senepol”. GILMAR

melho. “Atualmente na Goud temos os trabalhos voltados para o melhoramento genético da raça Senepol. Buscamos cada vez mais a melhoria contínua dessa genética. Na Estância mantemos apenas doadoras para aspiração, novilhas e garrotes para comercialização. Fazemos a transferência de embriões nas receptoras que ficam na Fazenda Palma da Babilônia, também de nossa propriedade, na rodovia Uberlân-

Conheça os produtos Goudard www.estanciagoudard.com Telefone (34) 9173- 4200 Email ggoudard@terra.com.br Uberlândia – MG

95 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Senepol

dia - Prata, km 32. Lá, além de fazer nossas próprias barrigas, também trabalhamos com parcerias, fornecendo receptoras para outros criadores de Senepol”, destaca Gilmar. De acordo com Gilmar, o Senepol veio para modernizar a pecuária do futuro. “O Senepol é perfeito para o cruzamento industrial. O touro é um taurino que cobre a vacada a campo. Mesmo em pleno sol, com muito calor, ele corre atrás e é implacável, confirmando 95% de prenhez. A demanda de touros Senepol está acima da disponibilidade que os criadores possuem atualmente. Busco a cada ano aumentar minha criação

para atender esse mercado”, ressalta. Trabalho de Seleção A raça Senepol ainda não conta com as tradicionais pistas de julgamento, no entanto participa ativamente de exposições, mostrando suas qualidades. A Goud Senepol participa com frequência dessas feiras, tanto das regionais como da Feicorte em São Paulo, considerada a maior feira de gado de corte da América Latina. A Estância Goudard constantemente vem adquirindo novas genéticas para atualizar e melhorar seu plantel.

96 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

A seleção dos touros usados nos cruzamentos é criteriosa, usando sempre raçadores comprovados dentro da raça e tendo como base o ranking da Embrapa e o sumário Senepol. As metas da Estância Goudard para 2012 já foram traçadas. “Continuar forte com Senepol. Em 2011 fizemos 150 animais via sistema FIV e TE, para 2012 queremos fazer em torno de 200 animais Senepol. Também temos como objetivos sermos reconhecidos como criadores, com fundamental importância para o crescimento da raça, e sermos referência na melhoria da genética Senepol no Brasil”, conclui Gilmar.


Assembleia Eleitoral 2012 Nova diretoria promete não medir esforços para contribuir com o crescimento do Senepol Fonte: ABCB SENEPOL No dia 17 de março de 2012, foi realizada a Assembleia Eleitoral da ABCB Senepol, o então Presidente Sr. Ricardo Pereira Carneiro, abriu oficialmente a Assembleia e passou a palavra ao membro do comitê eleitoral Pedro Crosara, que solicitou aos associados presentes que não despacharam seus votos via Correios, que fossem até a mesa para validarem seus votos. O Comitê Eleitoral, composto pelos Associados: Gustavo Vieira, Pedro Crosara Gustim e José Wilson Resende, iniciaram então os procedimentos eleitorais, conforme rege o estatuto social da ABCB SENEPOL. Dos 97 associados, 94 estavam em condições de voto. Foram contabilizados 42 votos, sendo, 28 via Correios e 14 votos presenciais, sendo desconsiderados 08 votos por estarem em desacordo com o estatuto da ABCB SENEPOL. Assim sendo, a chapa única inscrita, denominada COLIGAÇÃO passou a ser a nova gestora da Associação, obtendo 100% de aprovação dos 42 votos apurados. O então ex-Presidente Ricardo Pereira Carneiro, anunciou o nome do presidente, o Sr. Gilmar Goudard e, oficializaram este momento com uma fotografia. O Presidente recém apresentado agradeceu o apoio, tomou posse da palavra e fez seu primeiro discurso aos presentes, posteriormente apresentou seus diretores e os membros do CDT (Conselho Deliberativo Técnico) e Conselho Fiscal. Lembrando-

-se da responsabilidade para com os criadores/sócios da Associação pela expressiva representatividade apurado na urna. Seu vice Presidente Sr. Jairo Lima também usou a palavra para agradecer o apoio dos sócios e enalteceu o trabalho desenvolvido em conjunto. Presidente e Vice, desde a Feicorte 2.011 formaram uma chapa de coligação atuando forte para o continuo crescimento da raça Senepol. Ao final foi realizado um almoço comemorativo. 97 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


98 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


99 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


InteRural

Gir Leiteiro

Associação Brasileira dos Criadores de Gir Leiteiro Av. Edilson Lamartine Mendes, 215 Parque das Américas - Uberaba/MG (34)3331-8400 girleiteiro@girleiteiro.org.br www.girleiteiro.org.br

Patrocínio do caderno Girolando:

Gir Leiteiro terá 15 leilões durante a ExpoZebu 2012 No ano em que a ExpoZebu completa sua 78ª edição, a feira contará com a realização de 38 leilões, que ofertarão o que há de melhor da genética zebuína das raças nelore, gir, tabapuã, brahman, guzerá, sindi e gir leiteiro, além de jumentos pêga e marchador

agenda de leilões de gir leiteiro da Expozebu 2012 29/4 - Herdeiros do Gir Leiteiro (virtual) 20h30 - Grelhados Zebu Leiloeira: Programa/Remate 1/5 - 11º Kubera, Sta. Bárbara e Mutum Gir Leiteiro 13h - Tatersal Leilopec Leiloeira: Programa/Leilopec Berço da Índia 20h - Centro Eventos RKC Leiloeira: Programa /Remate 2/5 - 2º Elite do leite Gir Leiteiro 13h - Tattersal ABCZ Leiloeira: Programa /Remate

Fazenda Figueira Raridades do Gir Leiteiro 20h - Centro Eventos RKC Leiloeira: Programa /Remate 5/5 - Leilão de Liquidação do Plantel MAAB Gir Leiteiro 10h - Tatersal ABCZ Leiloeira: Leilopec ProgreGIR 20h - Tattersal Leilopec Leiloeira: Leilopec/ Programa 6/5 - 21º Tradição Gir Leiteiro 20h - Centro - Eventos RKC Leiloeira: Programa/Leilopec

4º Excelência da Raça - Gir Leiteiro 20h - Centro Eventos RKC Leiloeira: Programa /Remate

7/5 - 55º Leilão de Gir leiteiro da EPAMIG 09h - EPAMIG Leiloeira: Djalma Tiveron

3/5 - Gir Leiteiro Puro de Origem 13h - Centro Eventos RKC Leiloeira: Programa /Remate

4º Confiança 20:00 - Faz. Nova Trindade Leiloeira: Programa/ Remate

2º Seleção de Ouro do Gir Leiteiro 20h - Tatersal Leilopec Leiloeira: Leilopec/Programa

8/5 - Caminho das Índias 20h - Tatersal ABCZ Leiloeira: Programa/ Remate

4/5 - 3º Genética Provada Fazenda Mutum 13h - Tattersal Leilopec Leiloeira: Leilopec/Programa

Contato leiloeiras: Leilopec: (34) 3326-5000 Programa/Remate: Central reservas (43) 4009-7070

Calaborou: Publique e ABCZ

100 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

Os criadores de Gir leiteiro vão realizar 15 leilões da raça gir durante a Expozebu em 2012. Dois leilões são tradicionais, como o Tradição do gir leiteiro, que irá para sua 21ª Edição e o leilão da Epamig, que realizará a 55ª edição. Durante a ExpoZebu 2011, foram realizados 44 leilões, com faturamento total de R$ 53,131 milhões e 1.491 lotes comercializados. Apesar da diminuição no número de leilões em 2012, a expectativa da ABCZ (promotora do evento) é bastante positiva, uma vez que o mercado vem se mostrando bastante aquecido para as raças zebuínas nos últimos anos. Em 2011, os leilões de zebuínos promovidos no Brasil representaram 78% dos negócios de genética para a carne, com 739 eventos e receita de R$ 575,4 milhões, de acordo com o Anuário DBO. A 78ª ExpoZebu será realizada entre os dias 28 de abril e 10 de maio, no Parque Fernando Costa, em Uberaba/MG, com o patrocínio máster da Coca-Cola, Banco do Brasil, Tortuga, Nestlé e Vale Fertilizantes, e com o apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Governo de Minas, Cemig e CNA.


O Programa de Melhoramento Genético do Gir Leiteiro chega a Tapira O Programa Nacional de Melhoramento Genético do Gir Leiteiro, executado pela ABCGIL - Associação Brasileira dos Criadores de Gir Leiteiro e EMBRAPA Gado de Leite está sendo implementado no município mineiro de Tapira. O coordenador operacional do programa, André Rabelo Fernandes, esteve no município para uma visita à Fazenda de propriedade do Sr. José Adriano, na região do Tamboril, para acompanhar a execução do programa no município, uma vez que o re-

ferido produtor foi o primeiro a participar e já possui animais nascidos na propriedade. Segundo André, Tapira já conta com 4 propriedades participando do PNMGL com potencial de dobrar este número até o final deste semestre. “O programa tem por finalidade avaliar o desempenho de touros Gir Leiteiro, com o intuito de comprovar a sua superioridade genética. O PNMGL implanta nas propriedades parceiras um programa de melhoramento genético onde o produtor recebe gratui-

tamente o sêmen de Gir Leiteiro, bem como todo o acompanhamento e controle leiteiro de suas matrizes. Em troca o produtor fornece os dados de produção dos animais” - explica. No estado de Minas a EMATER é a parceira da ABCGIL para auxiliar na captação de rebanhos com o perfil para produção de leite. Para participar do programa ou obter mais informações, estre em contato com a ABCGIL: (34) 3331-8400 ou girleiteiro@girleiteiro.org.br

101 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


José Francisco Junqueira Reis receberá o Mérito ABCZ O mérito ABCZ existe desde 1977, é um reconhecimento oficial outorgado pela Associação a pessoas que tenham trabalhos e ações reconhecidamente dedicadas ao desenvolvimento da atividade pecuária baseada nas raças zebuínas. O Senhor José Francisco Junqueira Reis, Fundador e Sonhador da ABCGIL – Associação Brasileira dos Criadores de Gir Leiteiro, recebe este

ano, durante a ExpoZebu, a Comenda ABCZ, na categoria nacional. A cerimônia de entrega da comenda será realizada durante a abertura da exposição, no dia 3 de maio, às 10h, na área central do Parque Fernando Costa, em Uberaba (MG). A ABCGIL parabeniza o criador José Francisco Junqueira Reis e comemora a merecida homenagem.

Presidente da ABCGIL, Silvio Queiroz Pinheiro participará do Conselho Editorial do Pró Láctea Silvio Queiroz Pinheiro – Presidente da ABCGIL, aceitou o convite para fazer parte do Conselho do Pró Láctea (Programa apresentado pelo Canal do Boi). O Programa tem como objetivo levar ao produtor rural, informações sobre os elos da cadeia produtiva do leite. A colaboração dos conselheiros se dará no sentido de orientar a Produção do programa a buscar temas que alavanquem a atividade, apontem problemas e soluções e que sejam um bom canal de comunicação com os elos da cadeia produtiva do leite, principalmente o produtor rural.

ExpoZebu 2012

Vagas para o Concurso Leiteiro já foram preenchidas Poucas horas após a abertura das inscrições para o Concurso Leiteiro da ExpoZebu 2012 todas as 108 vagas foram preenchidas. A raça gir teve 73 fêmeas inscritas. A guzerá terá 27 matrizes na disputa. Já a raça indubrasil conta com 5 inscritas e a sindi com 3. A ABCZ receberá até as 17h30 desta quinta-feira (01/03) inscrições para a lista de espera. O Concurso Leiteiro será realizado de 3 a 6 de maio, no Parque Fernando Costa, em Uberaba (MG). 102 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


103 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


InteRural

Equinos

Associação dos criadores de cavalos do camaru Av. Edilson Lamartine Mendes, 215 Parque das Américas - Uberaba/MG (34)3331-8400 girleiteiro@girleiteiro.org.br www.girleiteiro.org.br

Patrocínio do caderno Equinos:

Cavalo vencedor da 3ª etapa do Mineiro de Apartação em Uberlândia. Blue Boonsmal. Registro: P099979 - Proprietario Haras Dan Dan

4ª Etapa Campeonato Mineiro Evento foi marcado pela disputa acirrada entre os participantes e sorteio de um carro 0 Km

Fonte: ANCA adaptado pela equipe InteRural Foi realizado no dia 17 de março de 2012 no Centro de Eventos CELAR em Uberlândia a 4ª Etapa Campeonato Mineiro de apartação, com transmissão ao vivo via internet. Foram conhecidos também os campeões e Reservado Campeões do estado das Minas

Gerais que já garantiram sua participação no Campeonato Nacional deste ano. Em um ambiente muito familiar, alegre e descontraído e com a presença de 156 competidores, o campeonato foi uma verdadeira festa, com musica sertaneja e muita interatividade. No sábado houve o sorteio de um carro zero km. De todos os participantes foram sortea-

104 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

dos na 1ª fase 10 pessoas. Desses 10, um seria o ganhador. Roberto Carlos Botelho Junior foi o felizardo, e levou para casa um Ford Ka 0 km com o patrocínio do Haras Dan Dan, Jarana Agropecuária S/A (Haras Soledade), FH Cutting Horse e WV Leilões. Essa iniciativa dos patrocinadores veio a incentivar os participantes e na oportuni-


Fotos Luciana Santos

dade foi informado que para o próximo Campeonato Mineiro terá mais um carro zero km. Fazendo uso da palavra Flávio Humberto Agradeceu a todos os participantes, em especial a Neto Pozzi e demais companheiros que fizeram dessa edição do Campeonato Mineiro um grande espetáculo. Agradecimento especial ao Senhor Fábio Pozzi, proprietário do Haras Soledade por suas infinitas colaborações com o esporte e com o fomento do Quarto de Milha e Paint Horse para todo Brasil. Lembrando também ao grande parceiro da ANCA, o senhor Décio Gonzaga Júnior, do Centro de Reprodução Gonzaga pela parceria e trabalhos prestados para essa associação. Anca e Campeonato Mineiro, apartando emoções!

Gustavo Santos Souza - 2º colocado categoria Jovem - Haras FH CUTING HORSE - Ituiutaba - MG

Ataides De Deus Vieira Pozzi e sua filha - 3º colocado Carro sorteado entre competidores categoria No-Pro - Haras Soledade - Uberlandia - MG Ganhador - Junio Botelho - São Paulo

Familia unida até no Team Penning. Mario Augusto, Dr. Adelmo e Maria Marcia

105 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


Equinos InteRural

Resultados 4ª Etapa Campeonato Mineiro de Apartação

Col.

Spoonfulasweet

GF Crackin Cat

Spooky Rey

All Blue Boon

Another Myrene

Animal

Gildo Antonio Vendrame

Rodrigo Taboga

Aroldo José Marcelino

Rodrigo Taboga

Mario Elisio Bittencourt

Cavaleiro/Amazona

Ovidio Vieira Ferreira

Francisco Heitor Calle Filho e Fernando Paulo Mussolini

Armando Costa Filho

Elizabeth Munhoz Ferreira

Jarana Agropecuária S.A

Proprietário

São Paulo/ SP

Palmeira/ PR e São Paulo/ SP

Espírito Santo do Pinhal/ SP

São Paulo/ SP

Uberlandia-MG

Cidade/ UF

71

71

71

71,5

72

Nota

R$ 166,67

R$166,67

R$ 166,66

R$ 700,00

R$ 1.100,00

Premiação

Aberta Júnior

Dualena Top CD

SDP Ace of Diamonds

Royalty River

Smokin Blonde

Adilson Cristiano Marcelino

Luis Fernando Taboga

Gildo Antonio Vendrame

José Carlos Rodrigues

Norberto Soares Leite

Jorge Sidney Atalla Junior

Angela Muniz Barreto Otsuka

Elio Falbot

Campo Grande/ MS

Jaú/ SP

Descalvado/ SP

Campo Grande/ MS

72

72

72,5

73

R$250,00

R$ 250,00

R$ 600,00

R$ 900,00

Aberta Classic

1º Smooth Peppy Suneta

Jazzy Touche

Sportin Aristocrat Antonio Sergio de Araújo Júnior

Rodrigo Taboga

Antonio Sergio de Araújo

Alysson Stefani de Matos Teixeira

Roberto Carlos Botelho Júnior

Renato Eugênio Rezende Barbosa

Contagem/ MG

São Carlos/ SP

Assis/ SP

73

74

75

R$ 300,00

R$ 400,00

R$ 600,00

Aberta Livre

1º Deep Clover Blue

Miss Doc Dual

Pep Pepto Uba Advanilson José do Nascimento

Mario Henrique Bittencourt

Fernando Vieira Martins

Sergio Street de Aguiar

Paulo Rocha Carisio

Lucio França Filho

Rio de Janeiro/ RJ

Araguari/ MG

Ibiá/ MG

71,5

72

73

R$ 500,00

R$ 600,00

R$ 900,00

Aberta Ltda.

1º Miss Hollywoods Bar

Play Gay Hickory

Peppy Warrior Lena

Ataides de Deus Vieira Pozzi

José Amaury Camillo

Roberto Carlos Botelho Júnior

Jarana Agropecuária S. A.

José Amaury Camillo

Roberto Carlos Botelho Júnior

Uberlandia/ MG

Brotas/ SP

São Carlos/ SP

71,5

72

74

R$ 500,00

R$ 700,00

R$ 1.000,00

Non Pro

R$ 600,00

R$ 800,00

Amador

72

R$ 500,00

71

R$ 150,00

Contagem/ MG

70

R$ 100,00

Belo Horizonte/ MG

74

R$ 70,00

Alex Monteiro Silva

Areado/ MG

72

Alysson Stefani de Matos Teixeira

Assis/ SP

69

Alysson Stefani de Matos Teixeira

João Lucas dos Santos Mendes

Ituiutaba/ MG

Alex Monteiro Silva

Renato Eugênio Rezende Barbosa

Coronel Vivida/ PR

Smooth Peppy Suneta

Flavio Humberto Ribeiro e Souza

Noble Gun Powder

Lucas Gabriel de Araújo

Fernando Gustavo Jacob e Rafael Ricardo Coferai

Gustavo Santos Souza

Sportin Aristocrat

Flávio Henrique dos Santos Tosta

João Lucas dos Santos Mendes

Over Dual Ubalena SZ

Rap Dee Jay LN

Dual Patty Lena TMR

Jovem

Rap Dee Jay LN

Ray Jay

Over Dual Ubalena SZ

João Lucas dos Santos Mendes

Heloisa Medeiros Ferreira de Sá

Gustavo Santos Souza

João Lucas dos Santos Mendes

Rezende Barbosa e Mario de Rezende Barbosa

Flavio Humberto Ribeiro e Souza

Areado/ MG

Maracaí, SP

Ituiutaba/ MG

71

71,5

72

R$ 200,00

R$ 300,00

R$ 600,00

Principiante


InteRural

Equinos

ACC realiza no Camaru Prova de

Team Penning Cavaleiros na primeira etapa do Team Penning 2012 - ACC - 292 Inscrições

Marcio Ivan-Tailandia Colors HE - Romualdo Martins Gabriela Marques - Hail Stone Playboy Hard

A primeira etapa do 5 Circuito de Team Penning, promovido pela Associação dos Criadores de Cavalo do Camaru (ACC), aconteceu no dia 10 de março, em Uberlândia, no Parque do CAMARU. A etapa foi vencida pelo trio de Araguari: Zezim, Preto e Juliano. O 2º lugar ficou para Uberlândia e o 3º para Uberaba. Mais de 700 pessoas compareceram ao CAMARU para acompanhar de perto a competição marcada por muita animação e por uma acirrada disputa. Confiram abaixo a classificação completa do evento. Próxima prova de Team Penning da ACC será realizada no dia 14 de Abril, no CAMARU. Para mais informações procure a Associação dos Criadores de Cavalo do Camaru: (34) 3331 – 8400.

Team Penning - ACC - Associação dos Cavaleiro do Camaru

Pos. 1 2 3 4 5

1ª Etapa 5º Circuito - Classifição Final Livre Competitor A Competidor B Competidor C Juliano Zezin Preto Lucas Abdala Jau Natalia Elaine Cristina Pedro Antonio Eduardo Faria Leo Vitor Marcílio Rodrigo Belizario Rafael Belizario Pitiula

Categoria Livre Livre Livre Livre Livre

Team Penning - ACC - Associação dos Cavaleiro do Camaru

1 2 3 4 5

1ª Etapa 5º Circuito - Classifição Final - Iniciante Tigrin Gustavo Henrique Pedro Paulo Fernando Martins Amanda Luís Martins Gustavo Henrique Sidiney Pedro Paulo Mario Junior Igor Gama Paula Oliveira Guilherme Helen Gleissom

Iniciante Inciante Iniciante Iniciante Iniciante

108 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

Rafhael Rodrigues - Filrst Sunn Pep RE


CENTRO DE TREINAMENTO JCR RANCH

Coberturas a venda em 10 parcelas

treinamento de cavalos de tambor

preparo de animais para leil천es

Rod. Luiz Augusto de Oliveira Km 179,8 | Ribeir찾o Bonito

(16) 9764-2536 | 9764-6569

www.jcrranch.com.br e-mail contato@jcrranch.com.br jcr_ranch@yahoo.com.br

(16) 3344-9138

109 | Interural - a revista do agroneg처cio | abril de 2012


110 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


111 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


InteRural

Eventos

Top Genética fatura mais de meio milhão em Brasília

Leilão dos criadores Evandro Guimarães, José Mário Abdo, João Cruz Reis Filho e Aníbal Vercesi Filho, abre a temporada de leilões elite do Gir Leiteiro com média de R$ 23 mil

Fonte: Rosimar Silva - GirBrasil O 4º Leilão Top Genética, realizado segunda-feira, dia 5 de março, na churrascaria do Porcão, na capital federal, abriu bem a temporada de leilões elite do gir leiteiro nacional. Segundo Evandro do Carmo Guimarães, um dos promotores do evento, “considero que para o primeiro leilão elite do ano, foi bom”. Para ele, “o mercado reagiu bem e fizemos boas mé-

dias”. Médias Por falar em médias, o leilão faturou R$ 571.800,00, com média de R$ 23.825,00. O late mais valorizado do leilão foi o da Zara Fiv Alta Estiva, ofertado por José Mário Abdo, em que Eduardo da Costa comprou 50% da doadora por R$ 60 mil. A vaca Zara é cria de Sílvio Queiroz, presidente da Abcgil, e é filha de CA Sansão na Rara Alto Estiva.

112 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

O maior comprador foi André Oliveira Martins, que desembolsou no leilão R$ 82.800,00 e o maior vendedor foi Evandro Guimarães, das Fazendas do Basa, que faturou na noite de segunda-feira R$ 225.600,00. A Basa O estreante em Leilões de gir leiteiro Evandro Guimarães vendeu seis lotes e atingiu média de R$ 28.200,00. Lola Fiv de Brasília, novilha ofertada pelo


Basa, atingiu a segunda maior valorização, sendo adquirida pelo criador mineiro de Paraopeba, Eurípedes José da Silva, por R$ 55.200,00. Segundo Evandro do Carmo Guimarães, o Basa, “apresentei ao mercado Brasileiro cinco vacas do meu plantel de doadoras filhas de grandes Matriarcas e acho que foram bem recebidas, agradeço a confiança dos compradores e espero que eles possam desfrutar dessa genética preciosa do gir leiteiro brasileiro”. Doadoras Evandro se refere à FB Doméstica (FB Radiano X FB Safadeza – 6.572 quilos de leite). Doméstica produziu nas Fazendas do Basa, em controle oficial, 9.610 quilos de leite. O deputado cearense Francisco Feitosa de Albuquerque Lima compra a filha de FB Doméstica, Gruta Fiv do Basa. A segunda doadora do Basa é Alazã Cal, cujo controle oficial é de 11.2014 quilos ajustados e na primeira lactação. Ela é filha de CA Sansão na Prateada da Cal – 10.80 quilos de leite. Carlos Jaco Qallauer, do Rio Grande do Sul, comprou a filha de Alazã Cal, Galhofa Fiv do Basa. Wallauer é um dos proprietários da vaca Prateada da Cal. Garoa Fiv Mutum, 9.755

quilos de leite, é a terceira vaca com filhas no leilão Top Genética, filha de Edra Fiv Mutum – 7.667 quilos de leite - com CA Sansão. André Oliveira Martins, de Minas Gerais, comprou a filha de Garoa Fiv Mutum com Vaidoso da Silânia, a novilha Goiabada Fiv do Basa. André comprou também a novilha Granna do Basa, filha de Major dos Poões na Helen Fiv de Brasília, que produziu 13.813 quilos de leite/ajustada na primeira lactação. Helen é filha de Rotina de Brasília, 15.264 quilos de leite, com o CA Sansão. Fontana de OG, 11.299 quilos de leite/ajustada, filha de Bem Feitor Cal na Ronda da Cal, 7.446 quilos de leite, produziu com Fardo Fiv Mutum a novilha Gliter Fiv do Basa, que foi adquirida pelo criador Paulista Antônio Carlos Canto Porto Filho. Antônio Carlos comprou também a Gafe Fiv de Brasília, filha de CA Sansão com Fábrica de Brasília, que produziu nas fazendas do Basa em controle leiteiro oficial a marca de 10.988 quilos de leite. Fábrica é filha de Modelo de Brasília na Tática de Brasília, que tem lactação de 13.123 quilos de leite na primeira lactação/ajustada Luzíada Por fim, Evandro destaca a vaca União TE de Brasília, 15.011

quilos de leite, que produziu com o touro CA Sansão a novilha Lola Fiv de Brasília, vendida para Euripedes José da Silva. Lola é neta de Luzíada de Brasília, mãe de Unão de Brasilia. Gado Bom Evandro diz que outras tantas filhas de “grandes matrizes do gir leiteiro nacional também produziram filhas excepcionais, as quais, com o tempo, vamos mostrar para o Brasil e algumas nos vamos disponibilizar para o mercado com muito prazer”. Ele informa que promverá a 1ª Temporada de Vendas das Fazendas do Basa, de 31 de março a 7 de abril, em que serão ofertadas aproximadamente 100 netas das grandes matriarcas, “filhas das nossas doadoras com touros provados”.

113 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Eventos

Fazenda Grotadas promove grande evento em Lagoa da Prata A qualidade dos animais e o prestígio de Tomáz de Aquino fizeram do evento um grande sucesso Da redação com colaboração do Portal GirBrasil O Parque de Exposições de Lagoa da Prata, no Centro-Oeste mineiro, nos dias 9,10 e 11 de março recebeu criadores e investidores que vieram dos quatro cantos do Brasil para comprar o melhor Gir Leiteiro da atualidade. A Fazenda Rancho Fundo das Grotadas, capitaneada por Tomáz de Aquino, foi a idealizadora do evento. De acordo dom Tomáz, “o leilão ofereceu grandes animais de consagrados criatórios brasileiros, animais de elite, controlados oficial-

mente e de pedigree garantido”. Além da qualidade indiscutível dos animais, Tomáz viabilizou rotas de frete, tornando o evento ainda mais atraente. Sexta-feira, dia 09, durante todo o dia, os criadores tiveram a oportunidade de adquirir touros e tourinhos em negociação direta na feira de tourinhos. A oferta de 50% de 10 animais teve faturamento de R$ 16.250,00, média de R$ 3.250,00. Elite Grotadas Dia 10, a partir das 14h, aconteceu o Leilão Elite Grota-

114 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

das e Convidados, com transmissão ao vivo pelo Canal Terra Viva e assessoria de Rafael Veloso da G Leite. A leiloeira responsável pelas negociações foi a Terra Leilões. Foram ofertados 37 lotes de fêmeas, prenhezes e bezerras. Sendo 10 oriundos da Fazenda Grotadas e os demais de convidados especiais. “Tivemos 90% de liquidez no leilão, a média de preços foi muito boa, surpreendeu, superando as nossas expectativas”, ressalta Tomáz. O faturamento total do Leilão Elite Grotadas foi de R$ 847.800,00, com uma excelente média de R$ 22.913,51.


O destaque do evento foi a venda da Clipéia Villefort, descendente direta de C.A Sansão, que traz na sua linha baixa a consagrada Restinga. Um exemplar único do Gir Leiteiro, com toda caracterização e padrões da raça, um show de animal que foi vendido por R$ 48.000,00. Dentre tantos investidores, destacamos o criador Marcos Valadares Mascarenhas Diniz, da Fazenda Varginha, em Curvelo-MG. Marcos foi o principal investidor no leilão Elite Grotadas, levando para o seu plantel quatro animais de muita qualidade pelo valor total de R$ 121.400,00. Marcos também participou do leilão ofertando uma dose de sêmen do touro Radar dos Poções. O criador paulista José Antonio Bordin, da Fazenda Araquá, foi um dos convidados especiais do leilão. Bordin ofertou 50% de uma das doadoras de maior valor genético da Araquá. Cartagena de Brasília, com produção oficial pela ABCZ acima de 10 toneladas de leite, acumula ainda o título de Campeã do torneio leiteiro da Feileite 2011, com média diária de 45,183 kg e pico acima de 46kg/dia. Lactação de 10.374 kg em 344 dias. “Um leilão muito agradável, bastante movimentado, com uma liquidez boa, ótimo valor médio dos animais, presenças de lideranças políticas, enfim, um grande evento. O Tomáz está de parabéns”, declara Bordin.

Adriano Okano, de São Paulo, também prestigiou o leilão Grotadas

Encontro de Assessores Roberto Horta Leite Gir, Rafael Veloso G Leite e Marcelo Solé - Solé Assesoria se encontraram no leilão Grotadas

Governador Um dos sinais do sucesso do evento foi a presença de Alberto Pinto Coelho, vice-governador e governador em exercício do estado de Minas Gerais, na companhia do procurador Geral de Minas. Tomáz,

Grandes e importantes criadores prestigiaram o leilão grotadas, Alberico de Souza Cruz, José Ricardo Fiúza Horta e José Afonso Bicalho

115 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Eventos

emotivo como sempre, disse que além dos bons negócios, pode comprovar como os criadores de Gir estão unidos em Minas Gerais, prestigiando eventos da raça e valorizando essa união. Leilão de Produção

José Coelho Vitor e Mariângela Mundin foram convidados especiais do leilão. José Coelho comprou o lote de Mariangela

Segundo o promotor do evento, mais de 300 pessoas presenciaram o leilão elite

Marcos Valadares Mascarenhas, de Curvelo (MG), ao lado Tomáz, foi o maior comprador do leilão elite

Pinto Coelho, governador em exercício de Minas, Tomáz de Aquino e o procurador geral de Justiça do Ministério Público mineiro, Alceu José Torres Marques

Salim, criador e professor da Puc Minas, onde gerencia a prova de produção de leite de novilhas Gir, também prestigiou o evento

Virgilio Villefort, vendedor no leilão Grotadas, também concedeu entrevista direto do recinto em nome dos convidados

116 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

O leilão de produção de domingo teve início às 11h, com o apoio da Estância Bahia e transmissão ao vivo pelo Terra Viva. Tomáz de Aquino; Paulo Roberto Andrade Cunha, Fazenda Genipapo, Uberlândia-MG; José Antonio Bordin, Fazenda Araquá, Charqueada-SP; e João Machado Prata Junior, Fazenda Aprazível, em Uberaba-MG, assessorados pela G Leite ofertaram 80 animais registrados e controlados em 46 lotes. O leilão foi mais uma vez um sucesso e mesmo sendo realizado no mesmo horário de mais dois leilões virtuais de Gir, foi o que obteve maior liquidez e faturamento. O faturamento total foi de R$ 279.120,00, com média de R$ 4.896,00. O maior comprador desse leilão foi Miguel Bernardes, de Lagoa da Prata, comprando R$ 43.200,00. João Machado, da Fazenda Aprazível, ficou muito satisfeito com o evento. “Vim para Lagoa da Prata e prestigiar o amigo Tomáz é um prazer. O leilão de Elite foi muito bom, sucesso absoluto, média acima das expectativas de qualquer pessoa que estava presente. Esse sucesso é devido primeiro pela qualidade dos animais que ele conseguiu aglutinar e, segundo, pela amizade e prestígio que o Tomáz tem no meio. Estou muito satisfeito de ter participado junto a ele deste grande evento e sempre estarei presente nos eventos Grotadas”, conclui.


117 | Interural - a revista do agroneg贸cio | abril de 2012


InteRural

Eventos

XVI Curso Novos Enfoques na Produção e Reprodução de Bovinos Seminário discutiu assuntos atuais no manejo de bovinos de corte e leite

Da redação Nos dias 15 e 16 de março de 2012, aconteceu em Uberlândia-MG o XVI Curso Novos Enfoques na Produção e Reprodução de Bovinos. O evento foi um grande sucesso e contou com a participação de pecuaristas de toda a América Latina. Diversos palestrantes de renome internacional aborda-

ram temas atuais na produção e reprodução de bovinos de leite e corte, dentre eles a fertilidade de vacas leiteiras de alta produção, um assunto recentemente muito discutido e cada vez mais polêmico. Pesquisas têm sido conduzidas tentando responder às perguntas: Alta produção de leite é compatível com reprodução? As taxas de gestação destas vacas ao lon-

118 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

go do ano estão de fato diminuindo ou a baixa fertilidade de vacas de alta produção de leite pode ser associada a falhas no manejo e a ineficiência dos técnicos e produtores em suprir as necessidades nutricionais para a alta produção? Discussões acerca do manejo dos animais desde o seu nascimento. Como fazer uma vaca ter uma média anual sa-


tisfatória de produção? O que fazer para ter animais longevos? As vantagens e desvantagens do confinamento. Avaliações sobre custo x benefício. Como tratar as principais doenças dos rebanhos? Enfim, foi um evento repleto de informações, e quem esteve presente com certeza voltou para casa munido de novos mecanismos para melhorar seu sistema de produção. As modernas instalações do Center Convention, equipadas com fones indi-

viduais, datashow e muita tecnologia, possibilitaram aos participantes aprender com conforto e assistir a diversas palestras sem exaustão. Diversas empresas do agronegócio marcaram presença com estandes, aproveitando a oportunidade para divulgar seus produtos e tirar dúvidas dos participantes. Vale a pena conferir as palestras na íntegra no site da Conapec e obter informações úteis para a vida toda.

119 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Eventos

Supremacia da Raça Fazenda Nossa Senhora do Carmo aumenta sua cartela de clientes, comercializando genética superior para todo o Brasil

AMIRÉIA

No dia 11 de março, os criadores de todas as regiões do país tiveram a oportunidade de adquirir genética superior da raça Girolando. A Fazenda Nossa Senhora do Carmo, em Prata-MG, capitaneada por Germano Novais Franco, realizou o 1º Leilão Virtual Supremacia da Raça. O evento contou com a participação especial de Luis Fernando Dela Corte, da Fazenda Araras, em Morrinhos-GO. O Supremacia da Raça ofertou 25 vacas Girolando em lactação, 20 novilhas prenhas, 40 bezerras de FIV, 20 animais

DIARIA FIV VAZZ - VENDA DE PRENHÊS

especiais para pista, além de prenhezes. A leiloeira responsável foi a Nova Sat Leilões e a transmissão feita pelo AgroCanal. O evento foi um grande sucesso e a genética Nossa Senhora do Carmo foi difundida para os quatro cantos do Brasil. Para Germano o resultado foi muito satisfatório. “Quero agradecer muito a todos pelo prestígio e dizer que para nós, da Fazenda Nossa Senhora do Carmo, é um grande orgulho ter nossa genética espalhada pelo país. Agradecer imensamente a todos os compradores e desejar a eles sucesso com os animais, que eles tragam muitos frutos. Agradecer a todos que estiveram presente no Casa Bela Eventos, que foi o ponto de encontro, e agradecer também aos que estiveram prestigiando pelo AgroCanal durante a transmissão do leilão. O nosso muito obrigado a todos”. O leilão teve 58 animais vendidos, um faturamento to-

120 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

tal de R$ 291.840,00 e média de R$ 5.032,00. O grande destaque foi a venda da doadora Amiréia FIV Bradley, que foi arrematada por R$ 22.080,00 por Eire Ênio de Freitas e Filhos de Prata-MG. Outro destaque foi a venda de uma aspiração de uma das principais doadoras da Fazenda Nossa Senhora do Carmo, Diaria FIV Vazz por R$ 8.640,00 para Luiz Pereira do Nascimento de São Gabriel da Palha-ES. Os diversos compradores do Leilão Supremacia da Raça, além de todos os pecuaristas do Brasil, em junho terão mais uma oportunidade de adquirir genética N. S. do Carmo. Germano Franco, juntamente com Salvador Marck Markowicz Neto, da Fazenda São Paulo e convidados especiais vão realizar durante a MegaLeite um grande leilão, em que serão disponibilizados o que há de melhor em seus plantéis, entre doadoras de embriões, animais de pista e para torneio leiteiro. A leiloeira será a Programa Leilões e a transmissão ficará a cargo do Terra Viva, tudo assessorado pela dupla Celso Menezes e Boi. “Quero aproveitar para convidar todos para o 1º Leilão Celeiro da Raça e convidados, dia 05 de julho de 2012, às 14h, durante a MegaLeite. Aguardo todos lá, será um grande evento e queremos contar com a participação de todos”. “Fazenda Nossa Senhora do Carmo, produzindo o que há de melhor do Girolando e Gir Leiteiro”. Telefones para contato: 34-9974-9002 / 34-9941-9003


Para que tanto esforço em ter solução em Gráfica??? Basta ler abaixo…

Orce, negocie e imprima com a gente. Uberlândia 34 3239.5800 Franca 16 3722.0418 Brasília 61 3343.0521 São Paulo 11 3641.8995 comercial@graficabrasil.com.br

www.graficabrasil.com.br novo site, acesse 121 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Eventos

Dois grandes criatórios e uma oferta

imperdível de animais superiores Por Gustavo Ribeiro O Girolando é caracterizado como produtor de leite pela sua funcionalidade e sua fácil adaptação ao clima tropical. As fêmeas girolando, produtoras de leite por excelência, possuem características fisiológicas e morfológicas perfeitas para a produção nos trópicos (capacidade e suporte de úbere, tamanho de tetas, fatores intrínsecos à lactação, pigmentação, capacidade termo-reguladora, aprumos e pés fortes, conversão alimentar, eficiência reprodutiva, etc.) atribuindo um desempenho muito satisfatório economicamente. Fazenda Valinhos Daniel e Magnólia da Silva são os proprietários da Fazenda Valinhos que há muitos

anos aposta na produtividade do Girolando. Em 1994, a Fazenda Valinhos deu um grande salto em seus negócios, quando adquiriu o primeiro botijão de sêmen e deram inicio aos trabalhos de acasalamento direcionado, utilizando os melhores touros do mercado. Tantos anos de aprimoramento dos animais da Fazenda Valinhos, fez com que Daniel e Magnólia, sejam proprietários de um plantel referência na produção de Girolando. A Fazenda Valinhos tem produção hoje de 2600 litros de leite/dia, em um sistema semi-intensivo de produção. Além do trabalho de melhoramento genético com suas matrizes, através do processo de FIV das principais doadoras,oferecendo ao mercado o melhor da genética Valinhos.

122 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

A procura por animais com genética superior não é mais uma tendência de mercado, mas sim uma realidade que pode ser facilmente comprovada através dos números que apontam uma valorização considerável dos indivíduos avaliados como geneticamente superiores. É um mercado consistente, em forte expansão e que tem na raça Girolando, aquela que reúne as melhores condições de aproveitar as grandes oportunidades desse pujante mercado. Para produzir genética de ponta antes de tudo é necessário gostar do que faz. “Acima de tudo, ser um apaixonado pela arte de seleção e pelo trabalho de melhoramento genético do rebanho. É fundamental estar bem informado, atento as inovações e principalmente ter um


objetivo de seleção bem estabelecido. É necessário também ter uma equipe competente, composta por profissionais preparados e que estejam verdadeiramente envolvidos nas atividades de manejo e sintonizados com o processo de melhoramento do rebanho”, avalia Magnólia. Java Pecuária A veterinária Daniella Martins da Silva, juntamente com o Engenheiro Agrônomo Paulo Melo, são os responsáveis pelos trabalhos na Java Pecuária. A Java Pecuária é oriunda da união dasFazendas Jataí de (Paulo Melo), que já criava Girolando e produzia leite através de animais Girolando e da Fazenda Valinhos, de propriedade da família de Daniella, formando a Java Pecuária, cujo slogan é “Unidos por uma Raça”. A Java Pecuária se dedica incansavelmente a seleção e ao aprimoramento genético da raça Girolando. “Temos uma filosofia de seleção marcante que consiste na identificação de indivíduos superiores sempre nos pautando em informações de pedigree, tipo e acima de tudo, produção. Dentro desse contexto, procuramos selecionar doadoras ½ sangue, provenientes das mais consagradas linhagens da raça Holandesa, com o objetivo de produzir indivíduos da raça Girolando realmente superiores e de alto valor genético”, declara Paulo Melo. Na fazenda não há relevante produção de leite, são produzidos em torno de 600 litros/dia, sendo que a multiplicação da genética é o foco principal da fazenda. É com essa genética que tanto a Java Agropecuária, quanto a Fazenda Valinhos, dis-

putam e conquistam títulos em diversas pistas de julgamentos espalhadas pelo país. Toda equipe é apaixonada pelos julgamentos e acreditam que é uma grande ferramenta para melhorar a forma de trabalho. “Gostamos bastante de participar de pistas, participamos das principais exposições no Brasil, achamos isso importante, pois é uma forma de divulgarmos nosso trabalho, nosso processo de seleção, e de avaliarmos como está sendo a evolução do tipo funcional de nosso rebanho”, afirma Daniella. “Temos uma convicção muito forte de que a conformação é o argumento da produção, dessa forma animais morfologicamente superiores serão certamente aqueles mais produtivos e mais longevos dentro do rebanho”, ressalta Paulo. Parcerias de Resultado Ter bons parceiros é uma garantia de bons resultados. Não adianta concentrar todas as decisões e tarefas nas mãos de apenas um, pois já dizia o ditado, “duas cabeças juntas, pensam melhor que uma”. E quando esse parceiro é alguém de sua total confiança? Alguém

123 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Eventos

próximo a você que te entende melhor que ninguém? Pode-se dizer que é a fórmula para o sucesso, quando avaliamos o desempenho do trabalho familiar desenvolvido na Java e na Valinhos. De acordo com Daniella por as fazendas estarem situadas no mesmo local, facilita nas tomadas de decisões e no julgamento das tomadas de decisões. “Trocamos bastante ideias entre nós, lógico cada um com o seu jeito de criar e projetos... nós da Java Pecuária também trabalhamos na Semex, portanto fazemos todo a parte de acasalamento da Fazenda Valinhos. Acompanhamos todo o trabalho na fazenda, desde a produção de leite até a parte sanitária do rebanho, fazemos isso primeiro porque temos um AMOR MUITO GRANDE PELO QUE FAZEMOS e também, toda atividade para ser bem sucedi-

da tem que estar aos olhos do dono”, conclui. A SEMEX é a principal parceira das duas fazendas. Todos os trabalhos de biotecnologia são desenvolvidos em parceria com a empresa. “Trabalhamos na raça Holandesa apenas com touros provados e temos como principal parceira a SEMEX, onde encontramos touros de alta confiabilidade e valor genético e uma prova altamente condizente com o que vamos ver no animal nascido. Já na raça Gir e Girolando usamos touros provados e também em teste de progênie, touros estes vindos de excelentes matrizes acasaladas com os melhores reprodutores. A importância deste criterioso processo de seleção é que usando animais geneticamente superiores, com certeza faremos animais geneticamente superiores também, onde uma

124 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

geração tem que ser obrigatoriamente melhor que a outra”, pondera Paulo. Mercado O agronegócio como um todo vive um ótimo momento. Em 2012 a produção brasileira de grãos deve chegar a 157,8 milhões de toneladas. Estimulada pelo fortalecimento da demanda doméstica e crescimento das exportações, o mercado de leite deve continuar crescendo em 2012. Essa é a previsão da Leite Brasil, associação que representa os produtores brasileiros. O setor fechou 2011 com uma produção total próxima de 31 bilhões de litros, um modesto crescimento de 1% em relação ao ano de 2010. Para 2012, o volume deve subir para 32,3 bilhões de litros, um avanço de 4%. “A pecuária leiteira inquestionavelmente vive um de seus momentos mais consistentes. Temos uma forte valorização do preço do leite, que já extrapola a casa do real na maioria das bacias leiteiras e com uma forte tendência de estabilização dos preços, o que obviamente, confere ao produtor um cenário mais confiável para a definição de suas estratégias de atuação, sejam elas relacionadas à expansão da produção, ou a investimentos na propriedade ou ate mesmo a adoção de novas tecnologias”, avalia Magnólia, otimista com as perspectivas de mercado.


4º Leilão Virtual Fazenda Valinhos, Java Pecuária e Convidados A primeira edição do Leilão Virtual das Fazendas Valinhos e Java Pecuária surgiu da própria cobrança natural dos assessores, criadores e admiradores do trabalho das propriedades que afirmavam que estava na hora de compartilhar com o mercado os frutos desse criterioso processo de seleção. A primeira edição nasceu desse compromisso de ofertar o que se tem de melhor e foi um sucesso total. Animais vendidos para diferentes estados da federação, para os mais diferentes sistemas de produção e que atenderam plenamente as expectativas dos mais exigentes criadores. Daí em diante Daniella, Magnólia, Paulo e Daniel fizeram um acordo para organizar um leilão anual, que acontece todo mês de abril e que tem a marca da seriedade e do compromisso de criadores que acreditam na raça girolando como a opção mais viável para produção de leite nos trópicos. Em 2012, o leilão chega a sua quarta edição, mais uma vez será uma oferta imperdível de animais superiores. O 4º Leilão Virtual Fazenda Valinhos, Java Pecuária & Convidados, acontece dia 22 de abril, domingo, a partir das 14:00 horas, com transmissão ao vivo do AgroCanal. A leiloeira é a Nova Sat Leilões e a assessoria é feita por Boi e Celso Menezes. As empresas SEMEX, Agroceres, DeLeval, Cooprata, Boostin e CCM são as patrocinadoras desse grande leilão que vai ofertar genética de resultados comprovados. “O leilão está recheado de

qualidade do começo ao fim. Ele está dimensionado para atender as diferentes demandas do mercado. Serão ofertados animais jovens de FIV, novilhas inseminadas, bezerras de pista, prenhezes das principais doadoras e vacas em produção”, destaca Daniella. Serão ofertados 50 lotes, incluindo os lotes dos convidados especiais. Uma oportunidade única para adquirir 120 fêmeas girolando registrado. Animais de muita produção e genética. A equipe da Java e Valinhos esperam mais uma vez realizarem um grande evento.

“As expectativas são as melhores possíveis e por essa razão é que estamos disponibilizando aquilo que tem de melhor dentro de nosso criatório. Dessa forma contamos com a participação de todos os produtores, criadores, amigos e entusiastas da raça Girolando para nos prestigiarem nesta 4ª edição do leilão. O IV Leilão Valinhos e JAVA Pecuária foi muito bem preparado para atender o nosso exigente mercado Girolando, certamente será uma edição muito especial!!! Contamos com a sua participação!

Convidados Especiais        

Pedro Ananias – Fazenda Congonhas Ildo Ferreira Jerônimo Gomes Ferreira - Fazenda Morada Corintiana José Antônio da Silveira - Agropecuária Xapetuba Luciano Gouvêia Filgueiras – Fazenda Baixada Rodolfo Engel Cauhy - Fazenda Guanabara ESTÂNCIA BERRANTE – Girolando 2R Ronaldo Parreira Sábia – Fazenda Alvorada

125 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


InteRural

Eventos

Confira alguns destaques do leilão da Fazenda Valinhos

PAISAGEM ARISTEU VALINHOS 3/4 - Animal do time de pista da Valinhos, muito bem caracterizada dentro do Girolando ¾ . Sua parte produtividade é o seu destaque, um arqueamento de costelas invejável!

BONDADE FIV WILDMAN VALINHOS 3/4 Animal de destaque no Girolando ¾, filha de uma das grandes doadoras ½ - Bandeira Paladino, novilha com futuro promissor em produção! Já está com prenhez positiva de três meses com Aristeu.

LINDA BEZERRA 5/8 PS Filha da Imagem Curimatã Valinhos x Thor ou Vilão – livre escolha, bezerra está com 30 dias, com um futuro de pista promissor!

GLORIA BATILA VALINHOS PS Animal de destaque no Girolando PS, aos 24 meses já está com prenhez positiva de quatro meses do Falcon, um dos grandes touros 5/8 da raça, filho da Laranja x Morty.

ARIANA FIV TEATRO VALINHOS 1/4 – Bezerra Girolando ¼, filha da doadora destaque ½ - Esportiva Chairman Kathiavar – com um dos maiores raçadores GIR do mercado – Teatro da Silvania. Futura doadora para produzir excelentes animais Girolando 5/8.

GRINALDA FIV SAMUELO VALINHOS 5/8 Bezerra tirada do time de pista da Valinhos de 2012, filha de Carícia Paladino Morada Corintiana, com um dos principais touros holandeses da Semex – SAMUELO. Ótima conformação, bons aprumos, angulosidade e uma caracterização leiteira formidável, são suas principais características!

Prenhez da Alemanha Barbante morada corintiana x windbrook – O principal touro holandes para conformação, produção, úbere e aprumos, grande raçador da bateria semex, touro que está sendo usado nas principais doadoras do brasil!!! Previsão de parto: 24/Julho/2012

126 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


Confira alguns destaques do leilão da Java Pecuária A Java Pecuária preparou uma oferta imperdível de novilhas ½ provenientes de famílias consagradas tanto da raça holendesa quanto da raça Gir Leiteiro. São animais que estavam sendo selecionados para serem as mães da nossa próxima geração. São indivíduos que servem tanto para incrementar o time de doadoras de criadores tradicionais quanto para encabeçar o elenco de doadoras daqueles que estão iniciando suas atividades na raça.

JOVIANA CURIMATÃ JAVA 5/8 PS – filha de umas das vacas mais bem conceituadas no mercado Girolando 5/8 – LAMA PRETA KAMUELA LHEROS, doadora consagrada que tem lactação superior a 14.000Kg de leite.

ROYAL BELINDA TE 1/2 - novilha ½ vinda de criatório conceituado de Carambeí, onde se encontra o berço das doadoras Holandesas para fazer o ½, filha do conceituado Jaguar TE Gavião. Família materna com três gerações de lactação acima de 10.000Kg de leite.Bezerra premiada nas pistas e do time de futuras doadoras!!!

ATREVIDA JAGUAR JAVA 1/2 - animal de família inquestionável, filha de vaca holandesa muito bem conceituada (ACB INTEGRITY SUKITA), do criatório de Arthur Patrus com um dos touros Gir mais respeitados no mercado – Jaguar. Novilha que tem um brilhante futuro, com certeza doadora diferenciada no rebanho!!!

PROGENIE ESCANDINAVIA MERGULHÃO 3/4 – duas bezerras filhas de Escandinávia Mergulhão, doadora destaque de nosso rebanho, com lactação ultrapassando 12.000Kg na 1ª cria. Uma filha de Buckeye e outra filha de Final Cut, dois dos touros mais bem conceituados da SEMEX.

1/4 CASCATA X TEATRO – filha de nossa principal doadora ½ com o Teatro, touro Gir que fez a diferença dentro do Girolando, excelente oportunidade de adquirir a melhor base para fazer o Girolando 5/8!!!

BELA FIV Pombo da Tropical 1/2 - novilha com prenhez positiva, filha de uma das grandes doadoras Gir da Tropical Genética – FEITICEIRA e irmã de uma das grandes doadoras ½ do mercado – CASCATA SUN UP MAMJ - de propriedade da JAVA PECUÁRIA.

ADRIA PARAMOUNT XAPETUBA 1/2 – novilha prenhe, filha do conceituado Paramount com a doadora Oratória, vaca Gir proveniente do criatório Calciolândia.

127 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


Espaço Gourmet

Fotos clécio duarte

Dos Pampas

para o mundo A tradição secular de fazer churrasco mesmo com tantas mudanças na culinária mundial permanece simples e saborosa Por Gustavo Ribeiro A carne sempre esteve na alimentação do homem desde o tempo das cavernas. Nessa época qualquer caça previamente assada na brasa era a garantia de sua sobrevivência. Originário do Rio Grande do Sul, o churrasco surgiu no

século XVII, nas imensidões dos Pampas, quando essa parte do Brasil, disputada por castelhanos e paulistas, era ocupada por milhares de cabeças de gado selvagem, oriundas de Buenos Aires e de outras áreas da Argentina e do Uruguai. A princípio, o churrasco, como o conhecemos, era ra-

128 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012

ríssimo, pois naquela época não havia a preocupação com o comércio da carne bovina, mas sim com a obtenção de couro e de sebo. Para isso, realizavam-se as vacarias, as matanças de gado. Os vaqueiros, depois de correrem, cercarem e matarem os bois, cortavam o pedaço mais fácil de partir e o assavam


inteiro num buraco aberto no chão, temperando-o com a própria cinza do braseiro. A fórmula não poderia ser mais simples. O homem do campo, que vivia na região dos Pampas criando gado bovino, não tinha muito tempo para preparar as suas refeições. Um belo dia resolveu assar alguns pedaços de carne, em fogo feito no chão e espeto de pau, temperada única e exclusivamente pelo sal grosso que oferecia aos animais como complemento alimentar. Estava descoberto o churrasco, iguaria que se espalharia por todo o país. A humanidade evoluiu e o preparo da carne também, recebendo inúmeros molhos e temperos das mais variadas ervas. Mas foi no Rio Grande do Sul, há algumas centenas de anos atrás, que o gaúcho criou o seu prato predileto, o churrasco, ganhando a preferência nacional e a admiração internacional.

Churrasco para os Amigos da Terra Durante o Dia de Campo do CAT, os organizadores proporcionaram aos participantes um delicioso churrasco, preparado especialmente pelo Chefe Rodrigo de Paula Pinto e sua equipe. A preparação do churrasco do CAT começou às 9h30 e a equipe preparou 150 kg de carne para os 300 convidados que degustaram o tradicional churrasco ouvindo uma boa música sertaneja.

Prato Principal Churrasco Contrafilé, Alcatra, Lombo Suíno, Linguiça de Pernil, Coxinha e Tulipinha de Frango. Acompanhamento Vinagrete Tomate, cebola, cheiro verde, vinagre, azeite extravirgem, sal fino, Ajinomoto, pimenta e pão francês.

O Segredo do Chefe Rodrigo de Paula há 25 anos faz churrasco para diversos tipos de público e número de pessoas. Para lidar com um mercado cada vez mais exigente, Rodrigo aconselha que seja utilizado apenas sal grosso como tempero, carvão de eucalipto e que a carne seja assada no mínimo a 60 cm da brasa. De acordo com o Chefe, o fundamental é privar pela qualidade da carne. “Se a carne for ruim, ninguém faz milagres. O tempero para a carne bovina e suína não tem segredo, utilizamos somente o sal grosso. Usar temperos e condimentos prontos pode causar alergia nas pessoas, além de provocar flatulências”, ressalta Rodrigo. Depois de um conversa descontraída com o chefe a respeito do churrasco, tivemos a oportunidade de testar na prática o que ele propôs na teoria. E amigo leitor, realmente Rodrigo tem razão. O tempero estava ideal, possibilitando sentir o real gosto da carne. O tempo que ela foi assada estava ideal e a maciez impecável, honrando os tradicionais churrascos gaúchos. 129 | Interural - a revista do agronegócio | abril de 2012


Animais avaliados pelo programa Melhor do Geneplus Embrapa (67) 3232-1212

130 | Interural - a revista do agronegĂłcio | abril de 2012

BR 262, km 627 lado esquerdo - Miranda â&#x20AC;&#x201C; MS e-mail jcmarson@yahoo.com.br


A Forrageira Autopropelida 7350 da J&D Silagens faz isso.

(34) 3210-1500 | jdsilagens@hotmail.com Juliano Resende Bernardes (34) 9664-7000 / (34) 9219-7000 / (34) 9935-6000 julianobernardes@yahoo.com.br DĂŠlcio Vieira TannĂşs Filho (34) 9971-1829 d.tannus@hotmail.com 131 | Interural - a revista do agronegĂłcio | abril de 2012


Revista InteRural