Issuu on Google+

Escola Básica 2,3 D. Dinis

Pequenos Trovadores Poemas

Alunos dos 6º C,D e E Profª Maria João


ÍNDICE

Introdução-------------------O planeta da esperança-----Ronrom, ronrom-------------Poema da liberdade---------Poema da amizade----------Liberdade!--------------------Miau…miau…-----------------Poema------------------------Poema da Liberdade--------Onomatopeia-----------------A Primavera------------------Não sei o que sentir---------Poemas com onomatopeiasTrava-línguas----------------Um mundo sem sentido-----O menino brincalhão---------

3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 15 17 18 19 20

2


Introdução

D. Dinis foi um rei poeta português do século XIII. Foi um importante impulsionador da cultura e da língua portuguesa que passou a ser língua oficial do reino de Portugal. Alguns séculos mais tarde, numa escola homónima de Leiria, no âmbito de um trabalho sobre texto poético lançado na disciplina de português, surgiram belos poemas de pequenos trovadores do 6º ano de escolaridade. Nesta pequena publicação, são dadas a conhecer algumas trovas dos alunos que disponibilizaram os trabalhos, resultantes da sua imaginação e criatividade. Há a agradecer a estes alunos por terem permitido concretizar este pequeno projeto.

3


O Planeta da Esperança Para o planeta Terra ajudar Mil tarefas nos esperam. Há 3´Rs que nos falam Para o mundo melhorar. Reciclar dá nova esperança, Reduzir desperdícios há que tentar, Reutilizar sem hesitar, Cultivando um jardim de confiança. Pequenos gestos são grandes ajudas, Fica a tristeza dos que não chegam. A mãe natureza por todos chama. Com as suas faces coradas, Seus olhos de mar nos abraçam!

Maria Beatriz, n.º 15, 6º E

4


Ronrom, ronrom Ronrom, ronrom, Faz o gato mimado Brincando com o pompom. Ronrom, ronrom, Salta o gato de alegria Encantando no seu tom. Ronrom, ronrom, Corre o gato pela casa Procurando o seu bombom!

Maria Beatriz, n.ยบ 15, 6ยบ E 5


Poema da Liberdade

No dia 25 de abril Comemora-se uma revolução. Em Portugal com cravos mil A liberdade chegou ao coração! Quarenta anos passaram A cultivar a confiança. Cidadãos sempre lutaram Para renovar a esperança! Maria Beatriz, n.º 15, 6º E

6


Poema da amizade A amizade é magia, A amizade é maravilha, A amizade é harmonia, A amizade é poesia.

Os que têm amigos São moços ricos? É deveras uma beleza Esta vida com certeza?

Com a amizade dos amigos Ninguém corre perigos. É como o sol da natureza. Sem inimigos é uma beleza.

Amigo é ajudar, Amar, e encantar. É saber partilhar Beijos e abraços saber dar. Miriam n.º 18, 6º C

7


Liberdade! A liberdade é uma emoção. Acabámos com a ditadura, de cravo na mão, sem mortos e sem censura. Deu-se o 25 de abril por acaso nesse dia. Foi um dia especial e foi só alegria!

Luísa, n.º 13, 6º E 8


Miau…miau… Miau… miau… mia o gato. Miau… miau … olha os bigodes dele. Miau… miau… olha como a língua é tão áspera! Miau… miau… olha o gato atrás de ti! Miau… miau… olha como ele é fofinho! Miau… miau… nunca tal visto.

Maria Carolina n.º 17, 6º E

9


Poema Toda a gente gosta de dançar, mas eu tenho uma resposta: eu prefiro cantar! Há quem goste de bailar, Mas, sinceramente, é melhor viajar! Há quem goste de se libertar, mas eu prefiro saltar! Eu odeio desfilar. É irritante! Gostaria mais de voar do que de ser andante. Maria Carolina n.º 17, 6º E

10


Poema da Liberdade No dia 25 de abril dá se a revolução. Nesta estação primaveril renasce uma nação. Comemora-se a liberdade Com esta revolução do povo e também a igualdade num país novo.

Maria Carolina n.º 17, 6º E 11


Onomatopeia

Voa, voa passarinho, Piu… piu… Pelo ar. Vai procurar até encontrares o teu novo lar.

12


Inês Duarte n.º 9, 6º E

Quando fui ao jardim tive de ir a Pequim porque o cheiro a jasmim era intenso para mim. Quando lá cheguei A primavera avistei, fui brincar com ela depois de comer canela. Quando cheguei a Pequim veio até aqui uma bola de Berlim que vendiam ali. 13


A vendedora era cantora, ali aos gritos que pareciam passaritos, mas não vencedora. Era de pasmar o seu cantar que eu não conseguia aguentar. Ajudem-me! Já não posso! Ela está a pôr-me doida! As pessoas pasmadas pareciam alheadas..

Rita n.º18, 6ºD

14


Quando estou triste contente estarei, porque infelizmente carente fiquei. Triste ĂŠ a chuva ao entardecer, a tua cara alegre deixa de ser. Com o nosso sol felizes ficaremos, a passo de caracol lĂĄ chegaremos. 15


Lá chegámos…Enfim um jardim de flores encontrámos. Pelo seu cheiro a jasmim ali para sempre ficávamos.

Rita n.º18, 6ºD 16


POEMAS COM ONOMATOPEIAS

Tlim, tlim, tlim… Toca o Zézinho No sininho Do mercadinho. Zás, zás, zás… É o vento Na parte De trás.

Rita n.º18, 6ºD

17


TRAVA-LÍNGUAS O menino tocou à campainha Trim, trim… Caiu pela escada abaixo Catrapim, pim, pim… Magoaste-te, Trlim? Sim, sim, sim.

Rita n.º18, 6ºD

18


UM MUNDO SEM SENTIDO Um mundo sem sentido Era mau e desastroso, Ficaria perdido E não haveria nenhum gozo. O mundo não acaba Sem nada para dar. Se eu não tenho nada É melhor ir comprar. A quem é que vou dar Este lindo presente. Se ninguém falar Dou a toda a gente. Toda a gente está feliz Com os presentes que comprei. Não sei porque o fiz Só sei que me empolguei. Cláudio Pinto n.º 6, 6ºD 19


O menino brincalhão O menino brincalhão gosta muito de saltar, saltar até mais não, sempre, sempre sem parar. O menino brincalhão gosta muito de cantar esquece-se de ir comprar pão e começa a corar. O menino brincalhão gosta muito de cantar até que cai no chão e começa a chorar. O menino João gosta muito de brincar. Ele adora diversão, mas agora vai estudar. Francisco n.º 8, 6ºD

20


Leiria, maio de 2014

21


Pequenos trovadores