Page 1

re v is ta MarIa esTher bueno A rainha de Wimbledon


editorial

Maria eStHer BUeNo, UMa teNiSta 4x4

N

ão é exagero dizer que você tem nas mãos uma edição histórica. Sim, porque Maria Esther Bueno, glória máxima do tênis brasileiro, é uma mulher low profile. Raramente dá entrevista, embora possa ser vista nas telas do canal Sportv como narradora e comentarista. Não

se trata de pessoa reclusa – apenas escolhe a dedo com quem quer falar. Depois de muitos anos, resolveu conversar com a MIT Revista. Para nós, é uma honra mostrar a trajetória dessa atleta que tem no currículo 589 títulos, 170 fora do Brasil, entre eles 19 Grand Slams, três em Wimbledon – o torneio mais importante do tênis mundial. Nenhum tenista nacional, ao que tudo indica, chegará perto dessa marca. Numa época em que patrocínio não existia, em que atletas jogavam até 20 horas num único dia, sem escolher piso, Maria Esther inscreveu seu nome na história do esporte. Aprendeu como poucos o significado da expressão “superação de obstáculos”. Superação que também é o tema da reportagem sobre o Ironman – modalidade turbinada de triatlo que reúne 3,8 quilômetros de natação, 180 de ciclismo e 42,2 de corrida. Numa só etapa, diga-se. Um tema que você irá encontrar no lançamento do novo Mitsubishi Pajero Dakar 2015 – carro que oferece tecnologia e luxo no uso urbano e resistência 4x4 no fora-de-estrada. Confira a partir da página 78. Confira também a espetacular viagem ao norte da Tailândia, a um campo de elefantes domesticados, narrada pelo estilo inconfundível de Joyce Pascowitch. E saiba como, depois de produzir 500 carros de corrida nos últimos 15 anos, o departamento de competições da Mitsubishi Motors do Brasil acaba de entrar para o seleto time mundial da Ralliart. Não deixe de acompanhar ainda a cobertura completa das etapas dos ralis Mitsubishi MotorSports, Mitsubishi Outdoor e Mitsubishi Cup. E fique de olho nas novidades que movimentaram e irão movimentar até o fim do ano o Mitsubishi Drive Club e seu exclusivo autódromo Velo Città, em Mogi Guaçu – o lugar onde os sonhos de todosse realizam. f e r n a n d o d i r e t o r

4

[Mitrevista] junho 2014

p a i v a

e d i t o r i a l


Eiffel Tower, Paris, France

A mark of true design

Commander Elaborado movimento automático, caixa em aço inoxidável com 42,5 mm e revestimento em

PVD

rosé, cristal

de

safira,

resistente

até 05 BAR (50 m) de pressão de água.

www.mido.ch SAC: 11 3746 2899


sumário

guilber hidaka

78

8

56

70

84

a número 1

na trilha dos elefantes

só puros–sangues

O maior tenista brasileiro de todos os

No norte da Tailândia, em um hotel

Com 500 carros de corrida produzidos

tempos, quem diria, é uma tenista. Maria

escondido na floresta, uma jornada

nos últimos 15 anos, o departamento de

Esther Bueno é a rainha de Wimbledon,

inesquecível no lombo de carinhosos

competições da Mitsubishi Motors do Brasil

torneio que ganhou três vezes sozinha

paquidermes de 4 toneladas

entra para o seleto time mundial da Ralliart

64

78

92

a ferro & fogo

novo pajero dakar

temporada eletrizante

Uma das mais duras modalidades do triatlo, o

Novas cores, motor de 205 cv, paddle shifters

Disputas acirradas e novidades no

Ironman transforma pessoas comuns com

para troca de marchas, oito airbags... Bem-

pódio marcam as duas primeiras etapas

uma experiência de superação arrebatadora

vindo à linha 2015 do SUV da Mitsubishi

da Lancer Cup 2014

[Mitrevista] junho 2014

rev MIT54_SUMARIO.indd 8

foto de capa: ullstein bild - schirner / other images

30/05/14 15:43


OMNI-HEAT. MARAVILHOSAMENTE QUENTE. SURPREENDENTEMENTE RESPIRÁVEL. INCRIVELMENTE FOTOGÊNICO. ®

Hellfire™ Down

© 2012 Columbia Sportswear Company. All rights reserved.

TECIDO RESPIRÁVEL COM PONTOS PRATEADOS QUE REFLETEM O CALOR DO CORPO. MANTÉM O SEU CALOR, NÃO O SEU SUOR.

WWW.COLUMBIASPORTSWEAR.COM.BR


R E V I S T A Publicação trimestral da Custom Editora Ltda. Sob licença da MMC Automotores do Brasil S.A. CONSELHO EDITORIAL André Cheron, Carolina Barretto, Fernando Julianelli, Fernando Paiva, Humberto Fernandez e Patrícia de Azevedo Poli REDAÇÃO Diretor Editorial Fernando Paiva fernandopaiva@customeditora.com.br Redator-chefe Henrique Skujis henriqueskujis@customeditora.com.br Repórter Juliana Amato julianaamato@customeditora.com.br Estagiário Raphael Alves raphaelalves@customeditora.com.br ARTE Diretor Ken Tanaka kentanaka@customeditora.com.br Editora Karen Yuen karenyuen@customeditora.com.br Assistente Guilherme Freitas guilhermefreitas@customeditora.com.br Prepress Roberto Quevedo robertoquevedo@customeditora.com.br Projeto Gráfico Alessandro Meiguins e Mariana Henriques PRODUÇÃO EXECUTIVA E PESQUISA DE IMAGENS Rita Selke ritaselke@customeditora.com.br COLABORARAM NESTE NÚMERO Texto Alessandra Lariu, Gerson Campos, Joyce Pascowitch, Luís Patriani, Marcello Borges, Maria Clara Vergueiro, Nirlando Beirão, Patricia Broggi, Renato Góes, Walterson Sardenberg So Fotografia Adriano Carrapato, Agência Estado, Alvis Upitis (Getty Images), Anup Shah, Bettmann, Cadu Rolim, Carlos Rocha, Chris Stewart (Glow Images), Dirk Kruell / Laif (Glow Images), Douglas Fagundes, Folhapress, Four Seasons, Gazeta Press, Guilber Hidaka, Gustavo Arrais, Gustavo Epifanio, Hulton-Deutsch Collection, Johansen Krause, John Pratt (Getty Images), Keystone, Marcelo Fernandes, Marcelo Maragni, Marcio Scavone, Marvin E. Newman, Michael Rauschendorfer (Other Images), Murilo Mattos, Naturfoto-Online, O Globo, Quinn Rooney (Getty Images), Rex Features, Ricardo Leizer, Rita Selke, Sergio Chvaicer, Shirlaine Forrest (Getty Images), Tampa Bay Times, Thito Strambi, Tom Papp, Ullstein Bild - Schirner (Other Images), Victor Affaro e Wagner Araujo Ilustração Osvaldo Pavanelli e Pedro Hamdan Infografia Paulo Nilson Produção Adriana Tanaka Revisão Goretti Tenorio

12

[Mitrevista] junho 2014

PUBLICIDADE E COMERCIAL Diretor André Cheron andrecheron@customeditora.com.br Gerentes de Publicidade e Novos Negócios Marco Taconi marcotaconi@customeditora.com.br Oswaldo Otero Lara Filho (Buga) oswaldolara@customeditora.com.br Gerente de Negócios Fernando Bonfá fernandobonfa@customeditora.com.br REPRESENTANTES BBI Publicidade Interior de São Paulo Tel. (11) 95302-5833 Tel. (16) 98110-1320 GRP - Grupo de Representação Publicitária PR – Tel. (41) 3023-8238 SC/RS – Tel. (41) 3026-7451 Media Opportunities Comunicação Ltda. DF – Tel. (61) 3447-4400 MG – Tel. (31) 2551-1308 RJ – Tel. (21) 3072-1034 NSA Mídia S/S Ltda. CE – Tel. (85) 3264-0406 CE – Tel. (85) 3264-0576 DEPARTAMENTO FINANCEIRO-ADMINISTRATIVO Gerente Andrea Barbulescu andreabarbulescu@customeditora.com.br Assistente Alessandro Ceron alessandroceron@customeditora.com.br Analista Financeira Carina Rodarte carina@customeditora.com.br Impressão e acabamento Log&Print Gráfica e Logística S.A. Tiragem 108.500 exemplares Auditado por

Custom Editora Ltda.

Av. Nove de Julho, 5.593 - 90 andar - Jd. Paulista São Paulo (SP) - CEP 01407-200 Tel. (11) 3708-9702 E-mail: mit.revista@customeditora.com.br ATENDIMENTO AO LEITOR atendimentoaoleitor@customeditora.com.br ou tel. (11) 3708-9702 MUDANÇA DE ENDEREÇO DO LEITOR Em caso de mudança de endereço, para receber sua MIT Revista regularmente, mande um e-mail com nome, novo endereço, CPF e número do chassi do veículo


colaboradores

Uma visita ao estúdio de Marcio Scavone

Joyce Pascowitch começou na imprensa

em São Paulo, Nirlando Beirão é considerado

em São Paulo é suficiente para perceber sua

nos anos 1980. Foi para a Folha de S.Paulo,

um dos textos mais refinados do Brasil. Co-

importância como fotógrafo. Nas paredes,

assumiu a página 2 da Ilustrada e fez história

autor com o publicitário Washington Olivetto

retratos dos mais importantes brasileiros

com sua coluna – social e política. Passou depois

do clássico Corinthians – É Preto no Branco e

de todos os tempos: Fernanda Montenegro,

pela editora Globo, criou o site Glamurama e

de Original – Histórias de um Bar Comum, ele

Pelé, Niemeyer, Pelé, Gisele Bündchen... Nesta

foi colunista da Globo News. Hoje comanda

assina a coluna Estilo na revista CartaCapital e

edição, Scavone ficou frente a frente com

o grupo Glamurama, que, além do site, conta

é comentarista da Rede Record. Numa manhã

Maria Esther Bueno, a maior tenista brasileira

com as revistas Joyce Pascowitch e Poder. No

de abril em São Paulo, coube a ele realizar

da história. No final da sessão, ele não resistiu

início do ano, Joyce visitou o norte da Tailândia

nossa reportagem de capa – um revelador

e bateu uma bola com a jogadora. “Posso riscar

e conheceu de perto os célebres elefantes da

bate-papo com a tenista Maria Esther Bueno.

esse evendo no meu caderninho.”

região. O relato da viagem está na página 70.

Quando trabalhava como repórter do canal

Há uma década, Gerson Campos escreve

Soteropolitano e arretado de nascença,

Sportv, Maria Clara Vergueiro, já formada

sobre o mundo das quatro rodas. Depois de

paulistano de vivência, o fotógrafo Murilo

em ciências sociais, resolveu fazer faculdade de

passar pela rede Record, pela revista Carro, por

Mattos foi diretor de arte de diversas agências

jornalismo. Foi parar na revista Go Outside, na

assessorias de imprensa e pela Folha de S.Paulo,

de publicidade e design. Na fotografia,

qual ficou por quatro anos. Hoje, colabora com

continua colaborando com diversos veículos do

especializou-se nos esportes outdoor.

diversas publicações e dirige o segmento de

setor automotivo e abriu a Bufalos Produtora,

Atualmente, suas lentes só têm tempo para

livros da editora Rocky Mountain. Nesta edição,

que também versa sobre o universo do

clicar o que acontece nas pistas. Coube a ele

mergulhou no mundo do Ironman, prova que

automóvel. É dele o texto sobre a mais recente

registrar as duas primeiras etapas do Lancer

cobriu in loco duas vezes. “Sempre me arrepio

novidade da gama Mitsubishi: a linha 2015 do

Evo Day e do Fun Day. “Estar no Velo Città é a

com os relatos apaixonados dos atletas”.

Pajero Dakar.

certeza de diversão e de grandes fotos”, diz.

16

thito strambi

Victor affaro

Mineiro de Belo Horizonte radicado há décadas

[Mitrevista] junho 2014


20

o chão sob nossos pés {por Walterson Sardenberg So}

terra

Nas selvas de Bornéu

É aLI qUe fICa O ParqUe NaCIONaL taNJUNG PUtING, SaNtUárIO qUe aBrIGa CerCa De 6 MIL OraNGOtaNGOS

O

orangotango-de-bornéu tem 97% do DNa humano.

o parque resiste. assim como o seu centro de recuperação de

É um animal tão inteligente que dois deles, alojados no

orangotangos, fundado em 1971 pela antropóloga alemã Mary

zoológico de atlanta, nos estados Unidos, brincam de

Galdikas. até porque não é fácil chegar. O único acesso é por

jogos eletrônicos em um computador com touch screen.

embarcações turísticas, semelhantes às nossas traineiras, em

Infelizmente, a população dessa espécie tem diminuído de maneira

que o viajante se hospeda em programas de quatro dias e três

drástica. São hoje 45 mil – metade de 50 anos atrás. O maior proble-

noites, pelas águas do rio Sekonyer.

ma é a transformação das florestas da ilha de Bornéu, no oceano

alguns dos orangotangos interagem com os visitantes. É ado-

Índico, em plantações de dendezeiro. Sem contar a venda ilegal das

rável vê-los em ação, passeando com destreza entre as árvores.

crias. Bornéu tem uma divisão curiosa. Um trecho mínimo é o riquís-

Chegam a pesar mais de 100 quilos, embora não ultrapassem

simo sultanato de Brunei, onde reinam os petrodólares. Uma fração

1,40 metro de altura. Seus braços compridos, de até 2 metros na

bem mais graúda da ilha pertence à Malásia. Já a maior parte do

idade adulta, facilitam a ágil locomoção. O parque também reúne

território está nas mãos da Indonésia. É onde foi instalado o parque

outros símios, cervos, javalis e até leopardos. Mas o principal

nacional tanjung Puting, com 4.150 quilômetros quadrados.

chamariz são mesmo os orangotangos, animal que vence todos

Nessa reserva, do tamanho da ilha de Bali, pelo menos 6 mil

os demais primatas — incluindo o homem — no teste do labirinto.

orangotangos-de-bornéu (nome científico: Pongo pygmaeus)

Ninguém tem um senso de localização tão apurado. talvez um GPS.

estão a salvo. Desde 1982, tanjung Puting é oficialmente área de preservação da espécie, com o aval da Unesco. embora alguns ambientalistas acusem o governo da Indonésia

LatINStOCk / © aNUP Shah / COrBIS / COrBIS (DC)

de ter cedido um trecho do parque aos fazendeiros de dendê,

20

[Mitrevista] junho 2014

Serviço De Jacarta, capital da Indonésia, partem voos para Pangkalan Bun. ali se compra o pacote para viajar de barco até o parque nacional. Os programas costumam ser de três noites, com hospedagem na própria embarcação.


Quer Fazer uma viaGem iNesQuecÍvel?

o cristaliNo lodGe é um destiNo deslumbraNte para coNhecer a amazôNia.

-9.597407 -55.931355

Construído em harmonia com o meio-ambiente, o cristaliNo lodGe oferece um sofisticado design arquitetônico e garante uma estada relaxante e muito confortável. Localizado na porta de entrada da Floresta Amazônica, em uma área de rara beleza cênica, o hotel oferece uma combinação singular de atividades, que incluem a observação da fauna e da flora, caminhadas e canoagem. Venha conhecer um dos lodges de selva mais premiados da América Latina!

Em 2013, O CrISTAlINO lODGE fOI SElECIONADO COmO um DOS 25 mElHOrES ECO lODGES DO muNDO pElA NatioNal GeoGraphic traveler.

ACESSE O SITE E CONHEÇA O HOTEl quE ESTá ENTrE OS mElHOrES ECO lODGES DO muNDO!

www.cristalinolodge.com.br premiações: Condé Nast Traveler – World Savers Award; Travel + Leisure – Global Vision Award; National Geographic Traveler – Best 25 Ecolodges in the World; National Geographic Traveler – Best 19 Hotels in Brazil; Ancient Forest Foundation – Best 18 Ecolodges in the World.


22

a essência da vida no planeta {por Walterson Sardenberg So}

agua ´

Bora Bora de bolso

apRoveite antes QUe acaBe: Raivavae É Uma linda ilHa da polinÉsia FRancesa onde o tURismo ainda mal começoU

a

polinésia Francesa é uma coleção de 118 ilhas, espalhadas no pacífico como um lance de dados. Uma delas, a do taiti, ficou tão famosa que os folhetos turísticos lhe atribuem o nome de toda a

região, numa espécie de metonímia geográfica. outra, Bora

Bora, tornou-se o idílio dos casais em lua de mel — caríssimo, por sinal. ambas fazem parte das ilhas da sociedade, um dos cinco arquipélagos que constituem a polinésia Francesa. as ilhas austrais formam o mais esquecido desses conjuntos insulares. pudera. É um conglomerado diminuto. Reúne apenas dez ilhas, quatro delas desabitadas. não bastasse, está isolado, 650 quilômetros ao sul do taiti. por fim, tem temperaturas menores, em virtude da latitude mais baixa (daí, aliás, o nome austrais). essas circunstâncias salvaram o arquipélago não apenas da exploração turística deslavada, como também dos preços extorsivos. Ótimo para quem desembarca na ilha Raivavae, uma Bora Bora em miniatura, com os mesmos atributos essenciais. sim, também se trata uma linda ilha montanhosa, cercada de barreiras de corais que criam piscinas de águas inacreditáveis, de tão serenas e transparentes. a diferença é de escala. Raivavae tem só 16 quilômetros quadrados e uma população de menos de mil viventes, morando em cinco vilarejos. dá para percorrer toda a sua costa em duas horas. de bicicleta. essa Bora Bora de bolso não tem restaurantes nem hotéis dignos desse nome. só pousadas simples. parte da graça está nisso. Raivavae permanece em lua de mel com o seu passado, embora conte com um aeroporto há 12 anos. os visitantes ainda são poucos — a maioria franceses —, de maneira que as crianças locais ainda nem sabem o que é um videogame. Quem aparece em Raivavae vem mergulhar para admirar felizardos aproveitam para navegar em pirogas, subir no monte Hiro (438 metros), provar a carne de porco feita nas pedras, curtir a doce acolhida dos ilhéus e visitar sítios arqueológicos

glow Images

uma fauna marinha mais colorida que pôster psicodélico. esses

milenares. as esculturas de cabeças humanas lembram os célebres moais da ilha de páscoa. vários antropólogos, por sinal, sustentam que seriam a mesma etnia. dá para comparar numa mesma viagem. alguns voos para a polinésia fazem escala justamente na ilha de páscoa. 22

[Mitrevista] junho 2014

Serviço as passagens aéreas de ida e volta para Papeete, no Taiti, custam cerca de us$ 1.700, mais taxas. De lá, voa-se para Raivavae, por us$ 100 (também ida e volta). a diária de casal sai por us$ 170 em um bangalô da Pension Chez linda, raivavae2013@gmail.com, tel. (689) 954425.


24

o mundo visto do alto {por Walterson Sardenberg So}

© naturfoto-online / alamy / Glow imaGes

ar

Asas que dançam

NO CÉU DA DiNAMArCA, CENTENAS DE MilHArES DE AvES prOMOvEM UM iMpECávEl BAlÉ

A

Dinamarca é um país de conto de fadas. E não apenas

revoadas semelhantes a um balé. Em uma estupenda coreografia,

porque o maior autor do gênero, Hans Christian Andersen,

o passaredo rabisca, segundo a segundo, gigantescos desenhos geo-

nasceu lá. Descontando os invernos de um rigor absoluto,

métricos. É admirável como os estorninhos mudam, simultaneamente,

tudo contribui para um nível de vida invejável. A começar

de direção, com graça e leveza. Um Ballet Bolshoi com centenas de

pelo salário mínimo de 1.800 euros. De quebra, os fenômenos naturais podem ser tão belos quanto a primeira-ministra Helle Thorning-

milhares de dançarinos. Os estorninhos migram do sul e passam o dia nos prados, juntando

-Schmidt, a loura que, dizem, tirou Barack Obama do sério nas exéquias

comida. Como se houvessem marcado um encontro, minutos antes do

de Nelson Mandela. O fenômeno natural dinamarquês mais conhecido

pôr do sol, com pontualidade nórdica, reúnem-se no céu da planície,

é o Sol da Meia-Noite. Ocorre no verão e se caracteriza pela total

antes de debandarem para dormir nos banhados. Dá para ver no

ausência da noite. Muito menos citado, mas também encantador, o Sol

YouTube, bastando procurar por Sol Negro em dinamarquês:

Negro acontece na primavera, entre os meses de março e abril – e leva

Sort Sol — vasculhe bem, pois a maior parte dos vídeos é de uma

milhares de turistas a Tondermarsken, no parque nacional Wadden Sea,

banda de rock local, com o mesmo nome. Eis um fenômeno natural

na Jutlândia do Sul, um dos trechos mais meridionais do país, já próximo

tão surpreendente quanto descobrir que a palavra Sol é a mesma

da Alemanha. O lugar, com mais de 30 ilhas, valeria a visita por si só.

em português e no intrincado idioma escandinavo.

Melhor ainda com o Sol Negro. Tal fenômeno se caracteriza pela junção no céu de até 1 milhão de estorninhos (Sturnus vulgaris), um pássaro negro que não existe na América do Sul. Com incrível sincronismo, essa ave gregária promove 24

[Mitrevista] junho 2014

Serviço a melhor maneira de chegar a aarhus, principal cidade da Jutlândia do sul, é de trem, a partir de Copenhague. são cerca de quatro horas de viagem.


Vidros blindados com composto especial anti-estilhaçamento, garantia de 10 anos contra delaminação e SteelGlass, que dispensa o uso de overlap.

Colunas, fechaduras e barras de proteção em aço

Blindagem opaca em manta de aramida

Cinta nas rodas

Segurança absoluta com menor peso. abrablin


PorTA-MALAS

28

a bagagem do aventureiro {por Adriana Tanaka | fotos Gustavo Arrais}

rodando macio

relógios sociais fazem um contraponto com botas, garrafas e gadgets que topam qualquer parada

1

3

4

4

2 5

4

1. Smartphone LG G Flex, com tela de 6”, HD, câmera de 13MP, 32GB e sistema Android – 11 4004-5400 (capitais) e 0800-7075454; 2. Câmera Nikon 1 AW1, com lentes intercambiáveis à prova d’água, choques e congelamento, 14,2MP, com GPS e altímetro – nikon.com.br; 3. Philips Shoqbox, com Bluetooth, resistente a água e quedas – 11 2121-0203 (Grande SP) e 0800-7010203; 4. Tablet e GPS Garmin Monterra, com tela de 4”, sistema Android, conexão com GPS, câmera 8MP, vídeo e altímetro – garmin.com.br; 5. Filmadora Sony Action Cam Full HD, com wi-fi, lentes Carl Zeiss, case à prova d’água e gravação de áudio debaixo d’água – store.sony.com.br 28

[Mitrevista] junho 2014


2

1 3

6

4

5

1. Piaget Altiplano, de ouro com pulseira de croco, reserva de marcha de 61 horas – 11 3552-2828; 2. Mido Commander, de aço com pulseira de couro, cronógrafo e calendário duplo – 11 3285-6668; 3. Panerai Radiomir Blackseal 3 Days Automatic de aço com reserva de três dias – 11 3152-6620; 4. IWC Pilot Spitfire Chronograph, de aço com pulseira de croco – 11 3152-6610. 5. Audemars Piguet Royal Oak Off Shore, de aço com pulseira de croco e calendário – 11 3062-3244; 6. Jaeger-LeCoultre Duometré Chronograph, de ouro com pulseira de croco, reserva de 50 horas – 11 3152-6640. [Mitrevista] junho 2014

29


30

PorTA-MALAS

2 1

3

4

1. Salomon X Ultra Mid GTX, com membrana à prova d’água, palmilha ortholite, calcanhar de EVA e solado Contagrip – 11 2638-9284; 2. Dakota WP, de camurça e malha à prova d’água, palmilha ortholite, entressola de EVA e solado de borracha de carbono – www.hi-tecbrasil. com.br ; 3. Columbia Peakfreak Enduro Mid outdry, de couro, impermeável, entressola e solado de borracha – 11 2176-5360; 4. Timberland Chochorua 6 200G WP, de couro com membrana à prova d’água, isolamento térmico, palmilha removível, entressola de EVA e solado de pneu reciclado, da Timberland – www.timberland.com.br 30

[Mitrevista] junho 2014


32

PorTA-MALAS

1

AGrADECIMENTo: CoNCESSIoNÁrIA MITSUBISHI BrABUS – 11 5696-9400 NoSSoS AGrADECIMENToS à DALL’ANESE FErrAMENTAS E FErrAGENS (WWW.DALLANESE.CoM.Br) PELA CoLABorAção NA EDIção ANTErIor

2

3

4

1. Camelbak Groove: 600ml, com bico de silicone, tampa com alça e filtro no canudo, da Camelbak, na Mundo Terra – 11 3037-7195; 2. Sigg NAT: 750ml, de alumínio, com verniz interno à base de água e elástico para não absorção de cheiros e gosto e válvula de segurança para bebidas gaseificadas – 11 3813-1593; 3. Garrafa S’well: 750ml, de aço inox atóxico, mantém a bebida fria por 24 horas ou quente por 12 – 11 3085-0479; 4. Bübi: 650ml, de silicone extrarresistente, que pode ser dobrado ou enrolado, anel de metal para transporte – 11 3085-0479. 32

[Mitrevista] junho 2014


34

painel fotos divulgação

objetos do desejo com AltA tecnologiA {por Alessandra Lariu, de nova York}

Quem disse que nada se cria? AlgumAs peQuenAs grAndes invenções do nosso tempo

escovA soLidáriA Feita de bambu, a bogobrush tem design de ponta, é 100% biodegradável e ainda respeita as regras do politicamente correto – para cada escova vendida, outra é doada para pessoas carentes. www.bogobrush.com escAner cALórico para quem está de dieta ou tem alergia a determinado tipo de alimento, o tellspec “escaneia” a comida, identifica os ingredientes, calcula as calorias e ainda faz também uma lista dos nutrientes de cada prato. http://tellspec.com/

LAnternA sALvA-vidAs eis a odin: ela vem com um canivete para cortar o cinto de segurança e um martelo para quebrar o vidro do carro em caso de acidente. seu design ganhou o prestigioso prêmio reddot. www.amrod.co.za/catalogue/corporategifts,tools-torches-knives,tools/xddesign-odin-safety-torch

iPhone 1001 utiLidAdes Agora é a vez da capa do iphone abrigar uma espécie de... canivete suíço. A ideia é da in1. não vem com faquinha, mas traz duas chaves de fenda, canetas, lixa, tesoura, pinça e palito. www.in1case.com

34

[MitrevistA] junho 2014

Monte seu coMPutAdor com o kit Kano, todo mundo pode dar uma de steve jobs, já que o produto permite montar seu próprio computador. vem com cpu e teclado. www.kano.me


35

mit hi-tech

novidades de alta tecnologia do universo mitsubishi {por Juliana Amato | ilustração Pedro Hamdan}

tecnologia em nome do meio ambiente um elevador que viaja a 30 km/h, um ônibus elétrico em são Paulo, um vidro que reflete o calor, uma nova fibra de carbono. tudo com a marca dos três diamantes

MITSUBISHI ELECTRIC

no toPo de bangkok o futuro prédio mais alto da tailândia, o mahanakhon, com 77 andares e 314 metros de altura, contará com 38 elevadores mitsubishi. sete deles viajarão a uma velocidade de 480 metros por minuto e levarão menos de 60 segundos para atingir o 69º andar, onde será instalado um deque para vislumbrar as mais belas vistas de bangkok, a capital do país. serão os elevadores mais rápidos da tailândia. quinze deles serão capazes de converter a energia cinética gerada durante a frenagem em eletricidade, ajudando assim a reduzir o consumo de energia e o impacto ambiental. www.MitsubishiElectric.com/news/2013/0919.html


hi-tech MITSUBISHI HEAVY INDUSTRIES E MITSUBISHI CORPORATION

Ônibus elétrico Mitsubishi eM são Paulo o primeiro ônibus articulado movido totalmente a bateria, o e-bus, já circula na cidade de são Paulo. ele foi desenvolvido pela Mitsubishi heavy industries e pela Mitsubishi corporation em parceira com a empresa Metropolitana de transportes urbanos. o programa pretende verificar a viabilidade da tração elétrica (sem linha de alimentação como ocorre com os trólebus) sob os pontos de vista técnico e econômico. o e-bus já circulava desde novembro de 2013 com lastros – pesos de areia. em fevereiro começaram os testes em operação regular, com passageiros. o coletivo deve rodar em um trecho de 11 quilômetros entre o terminal Diadema e o bairro do Morumbi. a Mitsubishi heavy industries desenvolveu o sistema de baterias de tração, que foi integrado a um ônibus articulado de 18 metros com capacidade para 124 passageiros. o conjunto de acumuladores utiliza íons de lítio, como ocorre em equipamentos eletrônicos portáteis. são capazes de armazenar bem mais energia do que as baterias de tração normalmente utilizadas. a operação foi planejada para permitir, ao longo do dia, quatro recargas rápidas, cada uma com duração de quatro minutos, no terminal Diadema. além disso, as baterias receberão cargas lentas (com duração de duas a três horas), na garagem, durante a noite e em horários de baixa demanda. a cada dia o ônibus rodará 160 quilômetros.


ASAHI GLASS

Um vidro refletor de calor a asahi Glass, subsidiária da aGc vidros do Brasil, começou a produzir vidro arquitetônico em seu complexo industrial em Guaratinguetá (SP). a usina agora está produzindo espelhos e vidros automotivos. o grande destaque é o vidro refletor de calor, reduzindo a elevação da temperatura dentro do carro em dias quentes. outra novidade são os espelhos sem chumbo e sem cobre na composição. o complexo paulista começou a ser construído em novembro de 2011 e recebeu um investimento de r$ 860 milhões. www.agc.com/english/news/2013/1018e.pdf

MITSUBISHI RAYON

a volta da fiBra de carBono a mitsubishi rayon passou a produzir em massa peças para automóveis usando fibra de carbono. o material havia se tornado obsoleto por causa do custo elevado e do tempo gasto na manipulação. no entanto, essa subsidiária da mitsubishi acaba de desenvolver uma fibra de carbono com novos compostos. o avanço permitiu o retorno da produção em larga escala de itens com esse material. a empresa visa atender veículos com uma produção entre 10 e 30 mil unidades por ano e, inicialmente, abastecerá os mercados americanos e europeus.


hi-tech

MITSUBISHI MOTORS CORPORATION

15 i-MieV para Lyon como qualquer grande cidade, Lyon, a terceira maior da França, sofre com o acelerado desenvolvimento urbano. participando ativamente do Lyon confluence, projeto que promove a reurbanização da zona de confluência da cidade, a Mitsubishi Motors corporation (MMc) entregou à cidade 15 unidades do i-MieV. os carros elétricos da marca dos três diamantes irão operar dentro de uma frota compartilhada de 30 veículos movidos a eletricidade e alimentados por sistemas fotovoltaicos. eles estarão à disposição de moradores e empresas localizadas no coração da área Lyon confluence. www.mitsubishi-motors.com/publish/pressrelease_en/corporate/2013/news/detail0902.html


TODA A AVENTURA E A ADRENALINA DA MIT REVISTA AGORA NO TAblET

Acesse a loja de seu tablet ou smartphone e busque por MIT Revista no campo de pesquisa. Toque para instalar o aplicativo. Depois, entre em nossa banca digital e baixe a MIT Revista.

Baixe gratuitamente o aplicativo da MIT Revista para iOs e Android. mitsubishimotors.com.br/mitrevista


40

porta-luvas

beleza sempre ao alcance das mãos {por Patrícia Broggi}

fotos divulgação

Garota de estilo

o qUe não FalTa a alê afoNso ferreira é personalIdade, TanTo nas esTampas qUe crIa para sUa marca, a Isolda, qUanTo em sUas escolHas de beleza

1. Pele hidratada depois do sol, o corpo pede hidratação. alessandra adora usar Nivea Milk, Hidratação Intensiva (sac 0800 64832). r$ 7,20, 200 ml

1

2

3

4

2. de BeM coM o sol seus cremes, prescritos pela dermatologista carla Vidal, já contêm protetor solar. mas, quando vai à praia, alessandra passa o Gel creme Toque seco anthelios ac Hélioblock Fps 60, da la roche-Posay (sac 0800 701 1551). ela faz também uma aplicação de Jet bronze, que é inofensivo e dá uma corzinha. 3. dois cheiros durante o dia, alê usa uma água-de-colônia bem leve. À noite, prefere um perfume. seu preferido é o 9 blackberry & Vanilla musk, da trish Mcevoy (www.trishmcevoy.com). Us$ 85 4. de criaNça os cabelos da estilista são castanhos, com mechas mais claras. o truque para alcançar esse tom é simples: Johnson’s Baby shampoo e Baby condicionador (sac 0800 7036363) à base de camomila, que clareia os cabelos. r$ 7,90 shampoo r$ 8,90 condicionador 5. Mais verMelho na boca, alessandra anda viciada no vermelho do Velvet matte lip pencil, dragon Girl, da Nars (sac 0800 148023). r$ 96

5

40

[Mitrevista] junho 2014


Assista ao teste de dirigibilidade Blindado x Não blindado, com a piloto Bia Figueiredo.

Blindagem a partir de

R$ 21.950 CERCA DE

90 3

em 12x sem juros no cartão.

KG DE PESO ADICIONAL

Baixa interferência nas características e desempenho do carro.

ANOS DE GARANTIA

ou conforme garantia do veículo. Qualidade e confiança da marca DuPont.

SEUS CAMINHOS COM MUITO MAIS SEGURANÇA. Saiba como blindar o seu Mitsubishi no Espaço Armura®. No Espaço Armura® você terá acesso à todas as informações técnicas do produto, poderá esclarecer suas dúvidas e conhecer a ciência e tecnologia da DuPont, aplicadas ao segmento de blindagem. Veja os testes e demonstrações. Conheça a melhor tecnologia de proteção, DuPont™ Kevlar®. Confira os veículos para pronta entrega.

Entre e fique tranquilo. Av. Ibirapuera, 2.678 - São Paulo/SP www.armura.com.br | 11 2579-1704 Copyright© 2013 - DuPont. Todos os direitos reservados. DuPont, o logotipo oval DuPont™ e The Miracle of the Science™ são marcas ou marcas registradas da E.I. du Pont de Nemours and Company e/ou suas aliadas. Armura® é marca registrada da DuPont do Brasil. Imagem utilizada pela E.I. du Pont de Nemours and Company sob autorização da National Geographic Society. Armura® é uma marca da DuPont ou de suas aliadas está sendo utilizada sob licença pela RT Blindados. OUT |13


clássicos 4x4

42

A históriA de objetos que nAscerAm pArA superAr obstáculos {por Fernando Paiva}

rebeldia cool

conheçA As desert boots, As preferidAs por miles dAvis, bob dylAn, jAck kerouAc, steve mcqueen e... sArAh jessicA pArker

e

m 1941, em plena segunda Guerra mundial, quando deixou

bota de amarrar, de cano curto, com apenas dois ou três pares de ilhoses e

o reino unido rumo à então birmânia – hoje mianmar –, o

sola de crepe de borracha. tratava-se da predileta dos oficiais sul-africanos

inglês nathan clark tinha duas missões: a primeira, defender

do 8º exército, que haviam acabado de vencer os soldados de rommel no

a pátria; a segunda, “prestar muita atenção nos pés alheios”,

norte da áfrica. conhecidas como desert boots (botas para o deserto), eram

conforme lhe ordenara seu irmão bancroft. Afinal, ambos eram bisne-

fabricadas por encomenda aos sapateiros egípcios do grande mercado khan

tos de james clark. em 1828, james se associara ao irmão, cyrus, na

el-khalili, no cairo. calçados leves e confortáveis, e ainda assim incrivelmente

fábrica de chinelos que este fundara três anos antes na cidadezinha

resistentes e confiáveis. o oposto dos pesados e incômodos coturnos, com

de street, condado de somerset. A ideia era que nathan descobrisse

dezenas de ilhoses, que nathan carregava nos pés.

algo capaz de turbinar o faturamento da clarks, à época já uma das maiores produtoras de calçados da Grã-bretanha. nathan seguiu à risca o pedido do irmão. mandava regularmente para

MAIO DE 68 nathan deu baixa e voltou para somerset animadíssimo. Apenas

casa anotações e desenhos sobre os diversos tipos de sapato usados pelos

para descobrir que o irmão nem sequer prestara atenção à sua desco-

soldados e pelos súditos do império britânico na ásia. quando a birmânia foi

berta. mas não desistiu: aliou-se ao chefe dos cortadores da fábrica

invadida pelos japoneses e os britânicos tiveram de recuar, nathan desco-

e passou ele mesmo a modelar e produzir protótipos. Acreditava no

briu finalmente o que procurava. Aconteceu durante uma licença na caxemira, em 1944: uma

produto, à diferença do responsável pelo estoque, que vaticinou: “essas botinhas não vão vender nada”. foi então que em 1949 nathan resolveu mostrá-las a oscar schoeffler, editor de moda da esquire que ele havia conhecido nos estados unidos durante a feira de calçados de chicago dois anos antes. A revista masculina publicou uma reportagem – recheada de fotos – e, da noite para o dia, nathan tinha um best-seller nas mãos (e nos pés). os pedidos começaram

divulgação

Clarks: a original

42

[Mitrevista] junho 2014


desesperada pelo voto jovem da Cool

nos quatro quadrantes do planeta lançaram as suas.

Britannia, foi flagrado vestindo um par.

No fervilhar cultural dos anos 1950, as desert boots, com sua

Em vão. A molecada não acreditou no

simplicidade e seu visual cool, logo caíram no gosto dos músicos de jazz

escocês, ainda que ele permaneces-

como Miles Davis e Thelonius Monk, e de beatniks como os escritores Jack

se no poder até 2007. Liam Galla-

Kerouac, Allen Ginsberg e William S. Burroughs. Foi também adotada pelos

gher, vocalista da banda Oasis,

mods ingleses – integrantes do movimento cultural surgido no início da

por sua vez, é tão fanático pelo

década de1960 – como o calçado perfeito para se andar de scooter com

produto que desenhou seus

muito estilo. Bob Dylan ajudou a popularizá-las nos EUA. Em 1963, o ator

próprios modelos para sua grife

Steve McQueen transformou-as de vez em elemento de estilo inegavel-

ecológica Pretty Green, desenvolvida em

mente cool: usou-as no filme Fugindo do Inferno. McQueen não apenas

conjunto com a Clarks.

adotou-as no dia a dia como fez questão de aparecer com elas em outro

rod uçã o

primeiro-ministro Tony Blair, numa busca

produto mais famoso. Em pouco tempo, todas as marcas de calçado

Mas não é apenas a clientela masculina a responsável pelo

r ep

a chegar em massa dos EUA. Em 1950 a Clarks lançou oficialmente seu

blockbuster: Bullitt, de 1968, onde interpreta um incorruptível tenente

sucesso absoluto das botinhas que “não iriam vender nada” – 12 milhões

da polícia de Los Angeles lutando contra a maracutaia política. Em outras

de pares comercializados até hoje, faturamento de 1,45 bilhão de libras e

palavras: as desert boots se firmaram como o sapato da rebeldia.

lucro líquido de 150 milhões em 2012, o que garante à Clarks o invejável

Rebelde ele próprio, Nathan Clark, que em 1937 se alistara como

posto de 31ª empresa privada do Reino Unido. Muitas mulheres se

voluntário para dirigir ambulâncias na Guerra Civil Espanhola, ao lado

apaixonam pela elegância simples e pelo conforto. Caso de Sarah Jessica

dos republicanos (e ali já percebera que as alpargatas de lona e sola

Parker, a Carrie de Sex And The City, flagrada numa loja de sapatos em

de corda dos catalães se saíam melhor em combate que os tradicio-

Nova York. Nas mãos, duas desert boots originais, uma marrom, a outra

nais coturnos militares), declarou ter vibrado quando viu sua criação

preta. Por via das dúvidas, reza a crônica, a estrela levou ambas.

protegendo os pés dos jovens estudantes nas barricadas de maio de 68 em Paris. E, por falar em Espanha e rebeldia, outro fã declara-

Safra 1916, Nathan Clark morreu aos 94 anos em 2011 em sua mansão no Gramercy Park, uma das áreas mais nobres de Nova

do das botinhas é o designer espanhol Manolo Blahnik: “Adoro”.

York. Além de uma coleção de desert boots vintage,

PÉS TROCADOS

Pouco antes, numa entrevista à Vanity

deixou uma valiosa frota de automóveis antigos. Fair, o repórter da revista notou

Hoje associadas ao street chic, as desert boots

algo estranho: seus sapatos não

parecem manter em sua essência um quê de

combinavam. Calçava num pé uma

verdade, de integridade. Têm o condão de

sandália. No outro... imagine o quê.

refletir a alma de quem as usa, sem deixar espaço para contrafações. Bom exemplo aconteceu em 1999, quando o então

www.clarks.com

eamonn mccormack / getty images

Liam Gallagher

es glow imag

Steve McQueen

[Mitrevista] junho 2014

43


46

combustível

bebidas para abastecer a alma {por Marcello Borges} 2

O sabor do deep south

prOduzidO nO sul dOs estadOs unidOs e sinônimO de destiladO americanO, O bOurbOn é satisfaçãO da primeira à última gOta “Slim Gaillard é um negro alto e magro com olhos grandes e tristes que tá sempre dizendo ‘Legal-oruni’ e ‘Que tal um bourbon-oruni?’” (Jack Kerouac, On the road) 1

fotos: divulgação

3

4

46

[Mitrevista] junho 2014

b

ourbon. Whiskey de origens incertas e efeitos claros: satisfação da primeira à última gota. O escritor Jack Kerouac não passava sem ele e o dramaturgo William faulkner o ingeria na forma de mint juleps – com água, açúcar e folhas de hortelã, o drinque mais clássico do Deep South americano. O escrevinhador maluquete charles bukowski? Ça va sans dire. a convite do discus (sigla em inglês de conselho de bebidas destiladas dos estados unidos), fomos conhecer algumas marcas de bourbon e de tennessee whiskey. a diferença entre as duas bebidas é que o tennessee whiskey passa por uma filtragem em carvão de bordo chamada lincoln county process, tornando-o mais suave do que o bourbon. 1. O melhor de todos os whiskeys degustados, na humilde opinião deste escriba, foi o Bulleit BourBon. produzido com uma mescla de 68% de milho (a lei estabelece 51% de milho, no mínimo), 28% de centeio e 4% de cevada maltada, foi criado por augustus bulleit por volta de 1850. ao nariz, especiarias (cortesia do centeio), caramelo, baunilha. seu meio de boca – aquela sensação de que você pode “mastigar” a bebida – e corpo muito agradáveis fazem dele uma excelente opção em termos de preço/qualidade. 27 libras na inglesa the Whisky exchange. www. thewhiskyexchange.com 2. e não é que muita gente pensa que Jack daniel’s é bourbon? não é, está no rótulo, literalmente branco no preto: “tennessee sour mash Whiskey”. foram degustadas três versões do Jack daniel’s. O GentleMan Jack rare tennessee Whiskey passa por duas suavizações a carvão, uma antes e uma depois do envelhecimento, e alguns dizem que é a versão americana do conhaque.

de cor âmbar, tem ao nariz toques de laranja e frutas secas, baunilha e defumado, com especiarias à boca e final longo. um dos meus favoritos. r$ 157,90 o litro na bebida On line. www.bebidaonline.com.br 3. Outro de que gostei muito foi o Maker’s Mark. trata-se de um bourbon do Kentucky cuja destilaria foi adquirida em 2005 pela fortune brands, que também é dona do Jim beam. é produzido em pequenas quantidades com milho, cevada e trigo. elegante e delicado, com tons florais, mel, madeira e caramelo ao nariz e teor alcoólico de 45%, que não perturba seu equilíbrio. recomendado. r$ 139,00 na single malt brasil. www.lojadewhisky.com.br 4. O Woodford reserve é produzido na menor e mais antiga destilaria da américa, bem no miolo do Kentucky. aliás, é a única que usa alambiques de cobre. O resultado é uma bebida com bom corpo e meio de boca e uma bela complexidade aromática, com toques de banana, carvalho, canela, laranja e chocolate. seu final é longo, evocando tabaco e menta. não é à toa que esse é considerado um dos melhores bourbons do mundo. r$ 198,90 na Varanda delivery. www.varanda.com.br

todos os preços sujeitos a alteração sem aviso prévio.


on the road

50

aventuras a bordo de um mitsubishi {depoimento de Wagner Cipolla a Luis Patriani}

tríplice coroa

a bordo de uma L200 triton savana, uma famíLia 4x4 cruza a chapada dos veadeiros, o JaLapão e a serra da canastra -comprada L200 triton savana 2013, que

quartzo e é atravessado pelo paralelo 14, o

uma equipe. Literalmente. nossa

chegou com a missão de substituir em grande

mesmo que cruza machu picchu, no peru. não

ficha técnica e o histórico de

estilo as quatro L200 e os três pajero tr4

é difícil entender a fixação dos esotéricos e

aventuras da tripulação falam por

que já tivemos. antes, no entanto, fizemos

místicos pela região, considerada por eles como

um “ensaio” pela rJ-165, estradinha que liga

centro irradiador de energia do planeta, ideal

pai e piloto. ela, elisabete norcia serrão, 47

a cidade de cunha (sp), no alto da serra do

para ter visões cósmicas e espirituais, sem

anos, médica, mãe e primeira navegadora.

mar, a paraty, no litoral sul do rio de Janeiro. É

falar nos cobiçados encontros com seres ex-

no banco de trás, Guilherme, nosso filho, 17

uma descida íngreme em meio à exuberante

traterrestres. experiências transcendentais à

voltas em torno do sol, universitário e segundo

reserva de mata atlântica. o desfecho se deu

parte, impressiona a quantidade de cachoeiras.

navegador. Já participamos de diversas viagens

no centro histórico da cidade. vale dizer que a

são mais de 120 catalogadas. na vila de são

e competições como as que fizemos no chile

empreitada serviu também como despedida,

Jorge, criada a partir de antigos garimpos de

e na argentina para acompanhar algumas

já que a querida rJ-165, por onde me diverti

cristal, a atmosfera enigmática ganha ares de

etapas do dakar. fizemos inúmeras etapas do

tantas vezes, está sendo pavimentada para se

aconchego. os restaurantes alternativos, com

mitsubishi motorsports, no qual competimos

transformar em uma estrada-parque.

suas mesas baixas e almofadas no chão, ficam

si. eu, Wagner cipolla, 52 anos, economista,

desde a terceira temporada, em 1997. dessa vez a expedição tinha como destino

direto para ribeirão preto, onde pernoitamos.

em vielas iluminadas pela luz de velas. dizem que é para marcar o caminho dos óvnis. sem ter visto nenhum disco voador, mas

o parque nacional da chapada dos veadei-

no dia seguinte, o sol mal botou a cara para

ros (Go), o Jalapão (to) e o parque nacional

fora e já estávamos acelerando em direção à

devidamente energizados pela chapada, pros-

da serra da canastra (mG). foram 27 dias e

cidade de alto paraíso de Goiás, no entorno

seguimos rumo ao Jalapão. a partir da cidade

5.200 quilômetros de estrada, sendo 1.800 de

da chapada dos veadeiros, a 920 quilômetros.

de ponte alta, os caminhos são todos de terra.

terra. foi a estreia off-road da nossa recém-

o lugar fica sobre uma gigantesca placa de

seguíamos os caminhões da Korubo (opera-

Parada para foto na trilha da serra do Espírito Santo, no Jalapão

50

de lá, passamos por são paulo e seguimos

[Mitrevista] junho 2014

fotos: arquivo pessoal

m

ais do que uma família, somos


O CONFORTO QUE VOCÊ PRECISA COM O ESTILO QUE VOCÊ QUER

WALU ACCENT

WALU

HARBORLINE

/CrocsBrasil www.crocs.com.br


Entrada do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, abastecimento no Jalapão e descanso na vila de São Jorge (GO)

O grand finale da viagem ficou por

dora de viagem que monta acampamentos na

Minas Gerais. Paramos

região). Os veículos cavavam fundo a trilha de

em Paracatu para entrar no clima

areia com suas imensas rodas. Foi um desafio.

mineiro e conhecer a arquitetura barroca

Roque de Minas e Delfinópolis. Foram seis

Para ganhar tração e seguir em frente sem cair

de seus casarões, igrejas, becos e vielas.

horas de muita emoção para vencer os morros

no buraco ou raspar o carro nos arbustos, tive

Montamos nossa base em São Roque de

da região e percorrer cerca de 100 quilômetros.

de usar os flancos dos pneus no limite a fim de

Minas, uma das principais portas de entrada

As descidas eram as mais difíceis. Em algumas

conseguir apoiá-los sobre a borda das canale-

do Parque Nacional da Serra da Canastra. A

delas não dava para ver a frente do carro, de

tas. De vez em quando, só para incrementar,

partir dessa simpática cidadezinha, com muito

tão íngreme. Mas a valente L200 Triton Sava-

saíamos da cola dos caminhões e seguíamos

queijo canastra na bagagem, partíamos para

na fez bonito. Tirou de letra. De lá, seguimos

por rotas usadas no Rally dos Sertões. A L200

conhecer as atrações do parque. A cachoeira

felizes pela Dutra de volta para casa.

deu um show: cruzamos estradas que pare-

Casca d’Anta, que visitamos por cima e por

ciam impossíveis de serem vencidas.

baixo, é uma delas. São 186 metros verticais

No Jalapão, a pé, subimos por quase duas

conta da travessia off-road entre São

Se você costuma viajar com seu Mitsubishi, mande sua aventura para nós. Escreva e envie fotos para atendimento@customeditora.com.br

de queda-d’água.

horas os 700 metros até o topo reto da serra do Espírito Santo, de onde pudemos perceber

Jalapão Mateiros

– as rochas se desfazem pela erosão e formam dunas sobre o solo arenoso. Lá embaixo, na piscina natural da cachoeira da Formiga, nadamos ao lado de cardumes em plena piracema, quando os peixes tentam subir o rio para desovar no período da reprodução. Não

Natividade 135

Ponte Alta Chapada dos Veadeiros

TO

010

BA

Alto Paraíso

muito distante, um poço de águas cristalinas cercado por bananeiras, chamado fervedouro, intriga a lógica por ser impossível afundar ali.

251

GO

050

Paracatu

MG

Sobre um lençol freático que, por sua vez, está

Serra da Canastra

acima de uma rocha impermeável, a água nasce

São Roque de Minas

no fundo de areia branca e jorra para cima com forte pressão. À noite, no acampamento, com um céu absurdamente abarrotado de estrelas, digeríamos o dia de aventuras junto com peixes assados na brasa da fogueira.

Ribeirão Preto

SP

Delfinópolis 340 050

São Paulo

Após oito dias de Jalapão, botamos as rodas na estrada rumo à serra da Canastra, em 52

[Mitrevista] junho 2014

A partir de São Paulo, foram 27 dias e 5.200 quilômetros de estrada, sendo 1.800 de terra

paulo nilSon

o lento processo de desmanche da montanha


Magneti Marelli, tecnologia para as pistas,

para as ruas e para

o Off Road.

A emoção da competição faz parte do nosso DNA.

Faz parte da sua vida.


Ser Private é ir mais longe do que você pode enxergar.

Uma história cheia de desafios e vitórias trouxe você até aqui. No Banco do Brasil, quem é Private tem todo suporte para gerir seu patrimônio e ir além.

Porque a sua experiência é única.

A presente Instituição aderiu ao Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Private Banking no Mercado Doméstico.


bb.com.br/private Central de Atendimento BB 4004 0001 ou 0800 729 0001 • SAC 0800 729 0722 Ouvidoria BB 0800 729 5678 • Deficiente Auditivo ou de Fala 0800 729 0088


56

[Mitrevista] junho 2014

Marvin E. nEwMan / gEtty iMagEs

Maria Esther saca na grama do west side tennis Club, em nova york, em 1959


do to de

iro

ile br as ta nis

r te

aio

Om

s

os

te

m

po

s,

qu

em

dir

ia,

éu

ma

ten

i st a

. Ma

ria E

st h e

r Buen

o é a Rain

ha de Wimbledon, que ganh o u t r ê s vezes s ozinh a

1 A número

57

[Mitrevista] junho 2014


CaPa

“A

Por nirlando beirão retrato marcio scavone

primeira vez que fui a Wimbledon, fui de metrô. Eram assim as coisas, naquela época. Eu pegava a minha malinha e a raquete, entrava sozinha no avião em Viracopos e desembarcava em Londres, ou em Roma, em Paris, na Austrália. Na minha primeira vez em Londres, tinha 18 anos e mal falava inglês. Entrei no metrô e quando cheguei à estação com aquela placa ‘Wimbledon’, eu me arrepiei. Olha só, me arrepio até hoje. Era como entrar num templo, numa catedral. Wimbledon é um torneio diferente de todos, tem a sua própria aura, aquela pompa, a família real sempre por lá. É tradição, é charme. O único torneio de Grand Slam disputado num clube particular. Eu tinha 18 anos, mas sabia que tudo o que tinha de fazer era jogar o meu jogo. Sempre foi assim, para mim: meu desafio era comigo mesma, não tinha a ver com a adversária ou com o público. Mas digo sem nenhuma pretensão: assim como Wimbledon era especial, eu sabia que meu estilo também era.” O maior tenista brasileiro de todos os tempos foi uma tenista. Maria Esther Bueno ganhou 19 torneios de Grand Slam, sendo que três vitórias solo no campeonato mais elegante do circuito: Wimbledon. Em sua estreia, naquele ano de 1958, já faturou um troféu: venceu em duplas com a americana Althea Gibson. Austrália, Roland Garros, US Open, Roma – ganhou em todos. Por três anos, foi a número 1 entre as meninas. Ficou na lista das top ten, entre 1958 e 1968. Alguém chegou a fazer a conta: 589 títulos, 170 fora do Brasil – e não importava o piso. Gustavo Kuerten, o Guga, venceu três vezes em Roland Garros. Chegou ao final de 2000 como líder do ranking. Tem 16 títulos de ATP – Associação de Tenistas Profissionais. O Brasil tem muito orgulho do Guga, nosso príncipe do saibro, mas grande mesmo foi Maria Bueno, a Estherzinha, soberana em todos os pisos.

“N

o meu tempo, não tinha escolha: a gente jogava simples, duplas, duplas mistas, o que fosse. Cheguei a jogar 20 horas num mesmo dia. Não havia patrocínio. Não se jogava pelo dinheiro, mas pelo privilégio de poder dizer: sou a melhor do mundo. E todo mundo queria ser a melhor do mundo. Ninguém chegava de jatinho particular para competir, com 80 raquetes e 20 uniformes. O melhor do mundo tinha de jogar saibro, quadra dura, grama. Hoje em dia, o sujeito só se especializa num piso. Os que não são bons em simples vão jogar dupla. Em compensação, tive o privilégio de jogar ao lado do Laver, do Emerson [os australianos Rod Laver e Roy Emerson foram dois gênios das quadras nos anos 1950 58

[Mitrevista] junho 2014

e 1960]. Metade da minha vida era dentro de um avião. A primeira vez que fui disputar na Austrália, a viagem levou 60 horas. Jato, só da Califórnia para frente. Fui pingando aqui e ali. De São Francisco para o Havaí, depois para o Taiti. Sessenta horas! As passagens eram caríssimas. Acabava ficando por lá até três meses, fazendo todo o circuito de tênis. Cheguei a pegar temperatura de 55 graus centígrados, 134 Fahrenheit. Não tinha banco para descansar. A gente ficava em pé entre uma e outra mudança de quadra. Um chapéu, um gelinho – era tudo o que tinha. Os homens jogando cinco sets. As mulheres, três. Sem tie-break. Quase sempre, eu ficava em casas de família. Era ótimo: a gente criava vínculos, voltava sempre, tinha a chave da porta. E pude aprender as línguas. Como eu sempre adorei bicho, me levavam para as reservas naturais, aquelas com cangurus. Tenho uma foto abraçada com um coala enorme. Ele tem aquelas garras longas e afiadas, mas é como uma criança, com jeito você o bota no colo, ele te abraça. Na África do Sul, também: ficava meses por lá, disputando torneios, hospedada em casas de família. E visitando bichos. Sempre tive paixão. Em minha casa em São Paulo cheguei a ter ao mesmo tempo dois cachorros, uma tartaruga, cinco Guinea pigs [porquinhos-da-índia] e um macaquinho. O macaquinho tinha roupa de tênis, uma saiinha de pregas com uma raquetinha bordada.”

M

uita gente não tem a menor ideia do fenômeno chamado Maria Bueno. Pior ainda é desconhecer, por trás daquela fachada reservada de moça fina e chique, avessa aos holofotes e à badalação, essa dimensão humana que ela aqui revela. Eu mesmo cheguei a escrever, na orelha de um livro de tênis, que “Maria Esther dá a impressão de estar em permanente litígio com as glórias do passado”. Escrevi também que, no lube Harmonia, onde, com diária assiduidade, ela exercita seu maior amor, ela “se comporta como uma sombra que se esgueira pelas paredes tão logo sinta a aproximação de algum admirador com ranço saudosista – heroína relutante que é, de uma nação de memória curta e duvidoso fair play”. Conversei agora com ela no Harmonia, numa manhã de sol primaveril. Aos 74 anos, Maria Esther já tinha jogado seu tênis de todos os dias. As pessoas passavam por ela e a saudavam efusivamente. Ela respondia em acenos carinhosos. Não há naquela figura esguia e elegante um pingo do ressentimento ou da mágoa que se poderia esperar de alguém a quem o tênis não recompensou no padrão que recompensa hoje seus grandes campeões. “Tive uma vida muito boa, pelo tênis. Foi o tênis que me deu as oportunidades e as alegrias. Dinheiro, não. Mas prestígio, carinho, amor, sim. O que é melhor: ter muito dinheiro ou ser verbete da Encyclopaedia Britannica? Dinheiro ou almoçar com a rainha? Nunca me casei. Casei com o tênis. Tive audiências com monarcas e com papas. Aliás, as pessoas brincam comigo: poxa, você já sobreviveu a


na quadra do clube Harmonia em s達o Paulo, onde, aos 74 anos, ainda joga diariamente [Mitrevista] junho 2014

59


CaPa Durante embarque em são Paulo, em 1959. abaixo, em 1967, com suas rivais e com o estilista teddy tinling, em wimbledon

agênCia EstaDo

quantos papas? Sou sócia honorária de Wimbledon. É um clube fechado, as pessoas ficam décadas na fila para serem aceitas, podem ser black balled [passível de se receber bola preta] e, eles me deram essa distinção. Eu brinco: virei sócia do jeito mais fácil, né? Ganhando os torneios. Estou sempre lá: é meu clube, treino, almoço, ajudo a recepcionar no Royal Box [o camarote real]. Sou fascinada pela realeza. Conheço muita gente da família real. Cheguei a dar aulas para a Diana [princesa] e para os meninos [William e Harry]. Ela gostava muito de esporte, de ginástica, jogava direitinho. Digo ‘os meninos’ e, de repente, percebo que um dia um deles vai ser rei. O importante é criar um elo de confiança. Eles sabem que não vou tirar uma foto deles e postar no Facebook. O Royal Box é a oportunidade de conhecer gente importante. Recepcionei Margaret Thatcher e o marido. Tomei chá com a Rowling, autora do Harry Porter. Fiquei impressionada com o carisma do Bill Clinton. Fui me apresentar e ele disse: ‘Maria Bueno, of course I know you, I know what you did’. Tive vontade de responder: ‘Também conheço você, sei o que você fez’. Como foi naquela época da Monica Lewinsky, preferi ficar calada. Ele me disse que estava vindo para o Brasil e me perguntou o que eu achava que ele, presidente dos Estados Unidos, devia fazer aqui” [ri]. Gustavo Kuerten já estava nas quadras disputando torneios juvenis, mas nunca tinha ouvido falar nela. Até que um amigo dele,

também tenista, o levou a um jantar de gala em Wimbledon, em 1993. Maria Bueno ganhou homenagem de supercampeã. A ficha caiu para Guga. “Para se motivar, um tenista precisa de ilusão, de fantasia”, diz ele. “Quando soube de Maria Esther, percebi que eu não estava sozinho, que existia uma história atrás de mim e que eu poderia tentar resgatá-la. Então, eu era possível.” Guga jamais teve a pretensão de se igualar a ela (“Nenhum tenista chegará à metade do que ela fez”), mas atribui a Maria Esther a lição número 1 para quem, como ele, também foi vitorioso. “Campeão é aquele que busca um jeito diferente de jogar. Foi o que ela fez, foi o que tentei fazer.” “Minhas maiores vitórias foram na grama, eu que aprendi a jogar em quadra de terra, no clube Tietê, em São Paulo. Não fazia o menor sentido. Fui autodidata. Aprendi comigo mesma, fiz o que achava melhor. Talento ninguém ensina. Desde cedo senti que eu era uma tenista especial. Não admitia que houvesse alguém melhor do que eu. Ninguém! Perdi torneios importantes, mas só pensava assim: ela não pode ser

LatinstoCk/© HuLton-DEutsCH CoLLECtion/CorBis/CorBis (DC)


LatinstoCk/© BEttMann/CorBis/CorBis (DC)

Em 1960, aos 20 anos, Maria Esther posa com o troféu de seu segundo título em wimbledon

[Mitrevista] junho 2014

61


o EstaD

kEystonE

/ gEtty iM

agEs

ia agênC

CaPa

P Eta

rEs

s

Destaque na primeira página da Gazeta Esportiva e do Estado de S.Paulo de 5 de julho de 1959

gaz

melhor do que eu, eu é que joguei pior hoje. Eu era do tipo que quebrava raquetes. Uma vez, fiquei furiosa e arremessei a raquete longe. Não sabia que meu pai estava ali. Ele chegou e, com aquela delicadeza dele, me disse: ‘Poxa, filha, não sabia que você era capaz de uma coisa dessas’. Me envergonhei. Foi pior do que um pito. Minha primeira vitória em torneio fora do Brasil foi em Roma – 17 aninhos. Naquele cenário todo de mármore do Foro Italico, construído pelo Mussolini. Eu já tinha um jogo diferente. Sacava, voleava, ia à rede. Na final, perdi o primeiro set, estava perdendo o segundo. Ganhei porque o público estava do meu lado. Terminada a partida, o Walter Chiari [galã e apresentador de TV] veio até mim e me deu uma rosa vermelha. Aquele meu primeiro ano de Europa, 1958, foi quando o Ted Tiling ficou sabendo de mim. Era todo temperamental, um artista. Me viu jogar, se encantou pelo meu tipo latino, pelo meu estilo. A maioria dos tenistas usava roupas feitas pelo Fred Perry, ex-campeão inglês. O Ted virou meu costureiro. Roupas de baile, para sair, nunca me deixava repetir. E para a quadra. A gente jogava de branco, em Wimbledon, mas ele sempre conseguia botar um detalhezinho aqui ou ali. Ficou famoso um saiote meu que ele chamou de shocking pink. Por fora, todo branco. Mas o forro era rosa-choque. Quando comecei a sacar, o pessoal que estava na arquibancada de trás gritava uaaaaaau! No outro lado, nin62

[Mitrevista] junho 2014

guém entendia nada. Meu pai sempre quis que eu fosse bailarina. Olho as minhas fotos em quadra: todos os movimentos, todos os gestos estão em harmonia. Desconfio que fui, sim, bailarina em outro lugar.” “Golpes arredondados e geniais... um tênis neobarroco”, extasiou-se o crítico italiano Gianni Clerici. “Ela planava sobre a quadra”, define o treinador brasileiro Roberto Marcher. “Juntava a delicadeza de virtuose a uma feroz determinação”, diz Luís Felipe Tavares, ex-Copa Davis pelo Brasil. Se Maria Esther tivesse de escolher o jogo de sua vida, escolheria a vitória da superação: final de Wimbledon, 1964. A bicampeã de 1959 e 1960 ia encarar a fera chamada Margaret Court, campeã do ano anterior. A australiana tinha 1,80 metro (Estherzinha, 1,69). Margaret fazia dieta balanceada, puxava ferro em academia. Por culpa de uma apendicite complicada, Maria Esther tinha ficado parada um ano. De cama. Foram para o jogo e, em três sets, Maria Esther venceu. A carreira dela foi interrompida muitas vezes. Chegou a ficar sete anos sem jogar (um médico disse que ela jamais conseguiria movimentar a mão direita). O repertório clínico e ortopédico dela não tem fim. Foram 15 cirurgias. “Sou um cyborg”, brinca. Mas Maria Esther não desistiu. Não é de desistir. Não quis viver de nostalgia. Quando voltou da primeira vitória de simples, em Wimbledon, em 1959, no rescaldo da vitória da Copa de 1958, em


Boris15 / sHuttErstoCk.CoM

JoHn Pratt / gEtty iMagEs

arquivo o gLoBo

FoLHaPrEss

Depois da primeira conquista em wimbledon, o abraço do presidente Juscelino kubitschek, autógrafos, desfile em carro aberto em são Paulo e um selo comemorativo

Da leveza de Maria Esther para a força de Craig alexander, tricampeão do ironman, nossa próxima parada

02

esporte [Mitrevista] junho 2014

CHris stEwart / gLow iMagEs

arqu

ivo o g

LoBo

meio àquela euforia da era Juscelino, deu um chá de cadeira no presidente. Era tão famosa que uma daquelas antigas gincanas de TV pediu que os participantes levassem até o auditório um corvo branco... e Maria Esther Bueno. Quando o general De Gaulle veio ao Brasil, em 1964, ligaram do Palácio do Bandeirantes: o cerimonial francês exigia a presença dela na recepção do Jockey Club. E lá foi Estherzinha, pilotada pelo irmão Pedro e protegida do assédio no banco de trás, agachada, com um cobertor por cima. A SporTV recrutou-a recentemente para seu time de comentaristas. Ela está adorando. “As novas gerações pelo menos vão conhecer minha voz”, ironiza. O Bueno de Maria Esther vem de uma família de Amparo, interior de São Paulo. Remete, ao que tudo indica, a Amador Bueno, aquele a quem, quando se restaurou o reino de Portugal, em 1640, seus concidadãos paulistanos ofereceram a coroa de rei do Brasil. Não aceitou. O Brasil não teve em Amador Bueno um rei, mas teve em Maria Esther Bueno sua autêntica rainha.

63


64

[Mitrevista] junho 2014

Dirk kruell / laif / Glow imaGes

Carlos roCha / linkphoto.Com.br


a ferro & fogo Uma das mais dUras modalidades do triatlo, o ironman transforma o estilo de vida de pessoas comUns com treinamentos rigorosos e Uma experiência de sUperação arrebatadora maria clara vergUeiro

Neale HayNes / Rex FeatuRes / Glow ImaGes

tampa bay times / Glow imaGes

por

[Mitrevista] junho 2014

65


esporte 4X4

reX features / keystone

os homens, roga-se depilar as pernas. Às mulheres, cai bem um macaquinho de lycra colorido. Deixe a vida social em quarto plano e cuidado para o lado profissional não ser arranhado. Seis vezes por semana, antes de o sol raiar, esteja nadando, correndo ou pedalando. Muita força de vontade. A alimentação deve ser regradíssima. E um pouco de masoquismo cai bem. Eis o estereótipo do praticante de triatlo, modalidade esportiva que une natação, ciclismo e corrida. Poucas características, no entanto, definem melhor esses esportistas do que o desejo fervoroso de participar e, sabe-se lá como, cruzar a linha de chegada de um Ironman, uma das mais duras provas esportivas existentes no planeta. A versão moderna do esporte surgiu em San Diego, na Califórnia, na década de 1970: para sair da rotina das pistas, a equipe do clube de atletismo da cidade criou um novo modelo de treinamento. Ele envolvia, além de 8,5 quilômetros de corrida, 8 quilômetros de pedalada e mais 550 metros de natação. Em pouco tempo a brincadeira virou competição. Em 1978, a cidade Kona, no Havaí, sediou a primeira prova oficial do esporte. As metas é que se tornaram bem mais puxadas: desde então, para ser um Ironman (ou woman) é preciso nadar 3,8 quilômetros, pedalar 180 quilômetros e correr 42,2 quilômetros. Tudo no mesmo dia. E sem descanso. É difícil imaginar que uma pessoa comum seja capaz de fazer um esforço dessa grandeza. Mas está aí justamente o encanto – e o marketing – de uma competição na qual é preciso superar limites 66

[Mitrevista] junho 2014

impensáveis do corpo e da alma. Atletas de ponta – como o atual campeão mundial, o belga Frederik Van Lierde, 35 anos – registram tempos próximos das 8 horas, conforme os desafios climáticos e geográficos. Na etapa havaiana do ano passado, ele cravou 8h12’29’’. A Austrália, celeiro de campeões mundiais, conta com a constância de Craig Alexander, 38 anos, vencedor das temporadas de 2008, 2009 e 2011 – nesta última, tornou-se o mais “velho” campeão desde o surgimento do Ironman. Com a mesma determinação e muita ousadia, competidores mais “normais” chegam a levar mais do que o dobro do tempo. A americana Harriet Anderson, por exemplo, única da categoria feminina entre 75 a 79 anos, precisou de quase 17 horas e deixou claro que, para a grande maioria dos triatletas, o que importa é conseguir terminar a prova. “Uma conquista como essa, independentemente do tempo, aumenta a autoestima”, diz Carlos Galvão, que já completou a prova oito vezes e é o representante da marca Ironman no Brasil (veja box). “A pessoa passa a acreditar que tudo é possível e se sente mais confiante para encarar os desafios cotidianos.” Para o corpo, está para nascer uma modalidade mais completa. “Mas o principal é a mudança interna que o Ironman proporciona na gente”, conta o consultor financeiro Giovane Caldas, 45 anos, 23 deles no mundo do triatlo. “Sou um cara muito melhor, com astral melhor”, diz. “Acredito que isso está relacionado às descargas de endorfina. Quando não treino, me sinto um cara triste”, confessa. Mas quem tem o Ironman como objetivo compromete boa parte da rotina com uma preparação que pode levar de meses a anos, conforme o nível de condicionamento físico e da técnica do


waGner araujo

miChael rausChenDorfer / other imaGes

largada da prova de natação e a pedalada em kona, no havai. na foto menor, o ironman brasileiro ricardo hirsch

aspirante. “Não existe regra”, pontua Cristina Carvalho, treinadora e ex-triatleta profissional. Ela já completou 12 vezes o Ironman e em 1996 foi campeã mundial da categoria de 20 a 25 anos. Naquele ano, ficou entre as 15 melhores atletas do mundo. No caso da diretora de marketing do Grupo Pão de Açúcar, Renata Gomide, 33 anos, o périplo entre o início dos treinos e a largada do Ironman

levou um ano. Foram 12 meses dividida entre o trabalho na empresa, a pós-graduação, o casamento e dois treinos diários. “O mais difícil foi conciliar tudo”, lembra. “A rotina era exaustiva e eu não podia perder o foco em nenhuma dessas áreas.” Renata conseguiu. Completou seu primeiro Ironman na Áustria em 2012, ao lado do marido, um ano antes do nascimento da filha. No auge do treinamento, alguns atletas chegam a enfrentar uma carga semanal de 350 quilômetros de ciclismo, 10 de natação e 60 de corrida. Parece insano. Na maior parte das vezes, a mudança no dia a dia é tão drástica que as relações pessoais acabam acompanhando a toada dos treinos. “As pessoas mergulham nessa atmosfera”, explica Giovane Caldas, aquele que faz triatlo há mais de duas décadas. “O único momento em que é possível respirar algo diferente é no trabalho. Mas mesmo lá meu círculo de amizades sempre esteve ligado ao esporte.” Caldas tem nove Ironman nas costas. Para poupar o corpo e a relação familiar do desgaste dos treinos, Caldas intercala uma prova a cada dois anos. “É a minha meditação ativa, me leva para outros patamares de introspecção

Brasil no limite O circuito mundial do Ironman abrange mais de 30 etapas nos cinco continentes – e mantém em Kona, onde tudo começou, a grande final, no mês de outubro. O Brasil sedia desde 2001 a etapa de Florianópolis (SC) e estreia outra neste ano, na praia de Iracema, em Fortaleza (CE). À frente da empresa de eventos Latin Sports, o paulista Carlos Galvão é o representante da marca Ironman no Brasil. Ele estima o número de atletas no mundo em 200 mil e uma movimentação na casa de US$ 1 bilhão por ano. Por aqui, na última década, os inscritos para a etapa de Florianópolis – que tem a Mitsubishi Motors do Brasil como carro oficial – passaram de 480 para 2,2 mil, chegando ao limite de participantes. Além da clássica prova na praia de Jurerê e da estreante em Fortaleza, a Latin Sports segue com dois eventos de meio-Ironman (chamado de 70.3, por ter metade das distâncias do original), em Brasília (DF) e Foz do Iguaçu (PR). [Mitrevista] junho 2014

67


esporte 4X4 por dentro do homem de ferro

5) Último chamado

a partir daqui, o cérebro comanda. a capacidade individual de superar todos os desconfortos físicos sentidos nas longas distâncias é o que, no fim, sustenta o corpo até a linha de chegada.

O qUE ACONtECE COM O CORPO DURANtE O IRONMAN ilustração: osvalDo pavanelli

2) Na largada

as primeiras reservas de energia começam a ser solicitadas e há uma baixa nos glicogênios musculares e hepáticos. o fígado começa a trabalhar para produzir mais glicose. Na corrente sanguínea, hormônios como testosterona, cortisol e adrenalina começam a regular funções importantes do organismo em situações de estresse prolongado. trava-se uma luta para aumentar o fluxo sanguíneo, a oxigenação e a liberação de mais glicose. as gorduras entram na ação para produzir energia extra.

1) Na véspera

muita massa, batata, pão e carboidratos são ingeridos. esses alimentos serão convertidos em dois tipos de glicogênio (combinação de moléculas de glicose) que fornecerão energia para os músculos e defenderão o corpo de uma hipoglicemia (queda de açúcar no sangue).

3) Mais adiante

4) Perto do fim

Costuma ser o momento mais crítico. o estresse mecânico se agrava. o corpo torna-se incapaz de repor energia e água, elemento que mais rapidamente passa para a corrente sanguínea. o resultado desses déficits são as câimbras e outros distúrbios musculares.

física e mental, de contato com a natureza. É o meu encontro com Deus”, filosofa. Na contramão dos estereótipos, corre o treinador e comunicador Ricardo Hirsch, 37 anos. “O triatleta tem fama de ser intenso, um heavy user, que consome tudo o que é relacionado ao assunto, dos produtos ao estilo de vida”, conta. “Eu sou o contrário: quando acaba o treino, vou para casa e me desligo totalmente desse universo.” Hirsch se prepara para enfrentar seu sexto Ironman. Apesar de treinar seis vezes por semana (duas modalidades por dia) e cuidar das planilhas de exercício de diversos alunos triatletas, garante não ligar muito para o próprio desempenho. E diz não abrir mão de prazeres normalmente abominados pelos mais metódicos – como cerveja, alimentos gordurosos, viagens e tempo com a família. Mesmo com propósitos diferentes, o fato é que Galvão, Cristina, Renata, 68

[Mitrevista] junho 2014

o atleta usa géis e outros suplementos para suprir a carência dos carboidratos usados nos processos metabólicos. tem início o processo de “estresse mecânico”: dores musculares e articulares provocadas pela repetição dos movimentos e pela carência de glicogênio muscular. Joelhos, tornozelos, quadris e coluna sofrem mais.

Caldas e Hirsch almejam manter o corpo em dia e a cabeça ocupada. No repertório de todos, consta um desejo de superação que independe das motivações pessoais e é ainda maior do que os impressionantes números que envolvem o Ironman. “A conquista não é do tamanho do percurso. Ela é proporcional ao valor que cada um lhe atribui”, resume Hirsch, aquele ironman que não deixa de tomar sua cervejinha. Afinal, ninguém, nem mesmo aqui, é de ferro. serViÇo n informe-se: ironman.com e ironmanbrasil.com.br n antes de começar: faça um check-up para verificar sua condição física. n onde treinar: núcleo aventura (nucleoaventura.com.br): sp e rj; trilopez (trilopez.com.br): sp; oCe (treine.net): bh; e bpm (bpmonline.com. br): pr n equipamentos: para o ciclismo é preciso bicicleta de velocidade, sapatilhas especiais para o pedal e capacete. um modelo de bike para iniciantes custa em média r$ 6 mil. a merida scultura 904 (r$ 6.550) e a trek 1.5 (r$ 5.250) são ótimas opções.


Quinn rooney / Getty imaGes

Quinn rooney / Getty imaGes

Depois de 3,8 quilômetros de natação, 180 de bicicleta e 42,2 de corrida, nossa próxima parada é no norte da tailândia

ao volante de uma l200 triton, Carlos burle sai em busca da onda perfeita pelo mundo. abaixo, a serra do roncador, nosso próximo pouso

03

viagem

four seasons tenteD Camp, GolDen trianGle

alvis upitis / Getty imaGes

[Mitrevista] junho 2014

69


VIAGEM

na trilha dos

elefantes

no norte da tailândia, em um hotel escondido na floresta, uma jornada inesquecível no lombo de carinhosos paquidermes de 4 toneladas

Four SEASonS TEnTEd CAMP, GoldEn TrIAnGlE

Po r J oyc e P a s co w i tc h

70

[Mitrevista] junho 2014


[Mitrevista] junho 2014

71


VIAGEM

T

As tendas ficam escondidas no meio da floresta. Parece um sonho

72

[Mitrevista] junho 2014

Four SEASonS TEnTEd CAMP, GoldEn TrIAnGlE

JohAnSEn KrAuSE © Four SEASonS

em cara de sonho, jeito de sonho. Mas é realidade. Uma viagem para o norte da Tailândia, no trecho batizado de Golden Triangle desde os tempos do cultivo de ópio, na fronteira com Laos e Mianmar, parece tão distante que, quando acontece, a gente custa a acreditar no que vê. Principalmente quando o destino é um refúgio de elefantes. Sim, um elephant camp da rede Four Seasons, escondido nas matas com jeito tropical, perto de Chiang Rai. No caminho do aeroporto para o barquinho que iria nos levar ao hotel, a primeira surpresa: uma rede de wi-fi exclusiva do carro. Alegria geral. Sim, porque estávamos do outro lado do mundo, e uma oportunidade de conexão era sempre festejada. Na chegada, uma canoa a motor, descoberta, fazia a viagem se tornar cada vez mais uma aventura. Era só o começo. O lugar é mágico: muito verde, bananeiras e uma vegetação semelhante à nossa Mata Atlântica. Os hóspedes ficam em tendas para dois – ou três. Parece um sonho: banheira no meio do quarto, portas de lona, chuveiro ao ar livre e um lindo terraço, convite para uma bela sessão de massagem tailandesa, com profissionais preparadas e muitos óleos aromáticos. As torneiras e maçanetas fazem alusão a ossos e cornos, mesmo porque isso é terminantemente proibido por lá – nada de presas, nem elefantes, nem qualquer outro animal. Apenas “homenagens”. Para ir da sede principal ao bar, à loja do hotel – excelente – e também à maioria das tendas, um caminho cheio de plantas, sobe e desce, além de muitas pontes, daquelas suspensas, que balançam e fazem a gente se sentir como em um filme de aventuras... Caminhadas e passeios a pé são muito bem-vindos, assim como drinques ao cair da tarde e um descanso na charmosa piscina


FoToS: ArquIVo PESSoAl

depois de longas jornadas no lombo dos animais, o hóspede recebe a habilitação de “pilotagem” de elefantes(destaque). À esquerda, tratadora alimenta os animais

[Mitrevista] junho 2014

73


Four SEASonS TEnTEd CAMP, GoldEn TrIAnGlE

74

[Mitrevista] junho 2014

No caminho entre a recepção e as tendas, travessias de pontes suspensas


[Mitrevista] junho 2014

75

Four SEASonS TEnTEd CAMP, GoldEn TrIAnGlE


rITA SElKE

do hotel. Apesar de todos os encantos, das comprinhas únicas na loja do hotel e tudo o mais, as grandes estrelas são mesmo os elefantes. E, mais que tudo, a relação que os hóspedes acabam desenvolvendo com eles. Sim, ficamos “amigos” de verdade. A começar pelo primeiro contato. No café da manhã do dia da chegada, eles vêm dar bom dia. Trazidos pelos cuidadores que os treinam há tempos, eles se aproximam. Chegam de mansinho e roubam a cena. São apenas dois – que parecem namorados – mas, como tudo lá é pertinho sem grandes áreas livres, a gente praticamente toma café da manhã juntos. Eles comem bananas. Nós, aqueles cafés da manhã que só os grandes hotéis têm. A verdadeira relação a ser desenvolvida com os elefantes começa ao vestir as roupas penduradas no cabideiro dos quartos-tendas. Uma vez paramentados, seguimos para o local onde os elefantes ficam, comem e dormem. Lá, aprendemos as noções básicas de manejo e também sobre o comportamento desses paquidermes que podem pesar 4 toneladas. Depois, basta seguir fielmente as instruções: com o elefante meio que deitado no chão, é preciso agarrar na sua orelha e subir como se fosse um cavalo. Nada de sela. A dica é sentar bem perto do pescoço. E deixar fluir. O passeio é lento e inusitado, com direito até a um lago onde damos banho de esguicho neles. Uma alegria única, uma experiência que a gente jamais pensou em um dia viver. Depois, a hora do lanche: mesmo sentados na garupa, damos bananas, cada um a seu próprio elefante. Eles viram a tromba para cima e pegam de nossas mãos. Eles merecem. Depois dessa epopeia incrível, na qual se aprende a andar e lidar com elefantes,  a gente recebe uma carteira, um certificado e fotos provando que, sim, sabemos conduzir um elefante. E, convenhamos, isso pega superbem.

ArquIVo PESSoAl

VIAGEM

depois do “desembarque”, um drinque no bar do Four Seasons

se tiver um par de dias na capital tailandesa, bangkok... ...grite junto com a multidão em uma luta de boxe tailandês em um dos grandes estádios da cidade ...impressione-se diante da estátua de 43 metros revestida de ouro do Buda reclinado no templo de wat Pho ...relaxe com uma massagem tradicional, na qual a dor faz parte da brincadeira ...perca-se no palácio real para ver o templo wat Phra Kaew (foto) e ficar cara a cara com o famoso Buda de Esmeralda

wIKIMEdIA CoMMonS

www.fourseasons.com/br/goldentriangle/

76

[Mitrevista] junho 2014


Four SEASonS TEnTEd CAMP, GoldEn TrIAnGlE

04

lançamento

GuIlBEr hIdAKA

Luxo e aventura no elephant camp na Tailândia e a bordo da linha 2015 do Pajero Dakar, nas próximas páginas

[Mitrevista] junho 2014

77


Novas cores, motor de 205 cavalos, paddle shifters para troca de marchas, oito airbags e muita tecNologia. Bem-viNdo Ă  liNha 2015 do...

pajero

da kar Por

78

[Mitrevista] junho 2014

gerson campos

Fotos

guilber hidaka


[Mitrevista] junho 2014

79


lançamento

C

inco anos foram suficientes para o Pajero Dakar fazer história. Lançado em 2009, ele estreou no Brasil dando aquele passo adiante que se espera de um carro verdadeiramente novo. Apesar de ocupar o espaço deixado pelo célebre Pajero Sport (o primeiro V6 flex do mundo), o Dakar trazia outro conceito. Não se tratava da evolução de um modelo já existente na gama Mitsubishi. Muito mais que um off-road, ele assumia de vez a busca por um estilo de vida: luxo no uso urbano e resistência no fora-da-estrada. Ou seja, alta sofisticação e robustez 4x4 na mesma moeda. A linha 2015, made in Brazil e já à venda nas concessionárias da marca em todo o país, é uma mostra da expansão desse conceito. O Pajero Dakar foi lapidado, está mais luxuoso do que nunca. Virou uma limusine pronta para encarar desafios que fazem jus ao seu sobrenome, herdado do mais duro rali do planeta e no qual a Mitsubishi, diga-se, é a recordista histórica com 12 títulos. Entre as mais recentes aquisições do carro estão os paddle shifters – “borboletas” instaladas atrás do volante para as trocas de marcha. Os bancos dianteiros cresceram, estão mais confortáveis e receberam dupla costura, couro Premium e ajuste elétrico para altura, distância, inclinação e profundidade. No quesito segurança, os airbags se multiplicaram – são oito: dois frontais, dois laterais e quatro de cortina. Os faróis, que já contavam com acendimento automático, ganharam luz de xênon. E os freios, que já possuíam ABS de quatro canais e EBD, receberam o BAS (Brake Assist System). O novo sistema funciona da seguinte forma: em uma frenagem de pânico, na qual o motorista aciona o pedal de forma muito rápida, o sistema “entende” que é preciso parar o carro imediatamente e acrescenta força adicional à frenagem. Assim que o motorista tira o pé, tudo volta ao normal automaticamente. O sistema permite o ganho de preciosos metros na frenagem, diferença que pode evitar uma colisão.

D

ebaixo do capô, o motor 3.2 a diesel oferece 180 cavalos. E o motor 3.5, com tecnologia nacional, segue sendo o único V6 flex do mercado e o mais potente da categoria, com 205 cavalos. Um novo escalonamento no câmbio, com a primeira e a segunda marchas mais curtas, tornou o Pajero Dakar mais ágil na cidade, macio na estrada e valente na terra. Na versão a diesel, o câmbio automático tem cinco velocidades e conta com a tecnologia INVECS-II (Intelligent & Innovative Vehicles Electronic Control System), capaz de processar informações do estilo de condução do motorista (a forma de acelerar e frear, por exemplo), adaptando a troca de marchas à maneira de cada um pilotar. Aos motoristas mais esportivos, por falar neles, o Pajero Dakar oferece o Sports Mode, no qual as trocas são feitas manualmente na alavanca ou nos já citados paddle shifters. No total, graças à reduzida, são até 20 combinações de marcha disponíveis. 80

[Mitrevista] junho 2014


[Mitrevista] junho 2014

81


lançamento

Trata-se da mais completa tração da categoria. Com a relação do diferencial alongada, o carro abusa do silêncio e da economia. O tanque de combustível tem 90 litros, aumentando a autonomia. Sob o comando do piloto Duda Pamplona, o Pajero Dakar rodou os 1.179 quilômetros que separam São Paulo de Brasília sem precisar reabastecer. O sossego a bordo, tanto na cidade como na estrada, é garantido com o ar-condicionado independente para o banco traseiro, com os 24 porta-objetos e com o sistema multimídia Power Touch, que traz rádio, CD, DVD, MP3 player, Bluetooth com viva voz, câmera de ré, sensor de estacionamento e um GPS com mais de 1.250 cidades mapeadas e instruções em português. A linha 2015 oferece a terceira fileira de bancos, possibilitando que até sete pessoas viajem confortavelmente – todos com cinto de segurança de três pontos. Se a ideia é espaço para bagagem, a terceira fileira pode ser embutida no assoalho, aumentando o volume do porta-malas. O diamante foi lapidado. Como diz a publicidade do Pajero Dakar 2015, luxo não é nada sem resistência. Afinal, mesmo nas mais duras provas de off-road, conforto sempre cai bem. Por isso, ao lado da L200 Triton, o Pajero Dakar é o carro oficial da organização do Rally dos Sertões e do Rally Dakar. Parafraseando a propaganda, resistência é bom, mas luxo sempre cai bem. E isso o Pajero Dakar tem de sobra. 82

[Mitrevista] junho 2014


2

SeRGio ChVaiCeR SeRGio ChVaiCeR

SeRGio ChVaiCeR

1

3

4 01. São oito airbags: dois frontais, dois laterais e dois de cortina; 02. os bancos dianteiros têm ajuste elétrico de altura, distância, inclinação e profundidade; 03. Rodas de liga leve aro 17”; 04. o painel, completo, traz sistema multimídia, com CD, DVD, mP3 player, Bluetooth, câmera de ré, sensor de estacionamento e GPS com mais de 1.250 cidades mapeadas

[Mitrevista] junho 2014

83


ralliart

84

[Mitrevista] junho 2014


Divulgação

só puros-sangues Com 500 Carros de Corrida produzidos nos últimos 15 anos, o departamento de Competições da mitsubishi motors do brasil entra para o seleto time mundial da ralliart Por

henrique skujis

[Mitrevista] junho 2014

85


ralliart

dez remadores, três l200 e o sonho de bater um recorde mundial cbnvnvcx ksdhckasdlkajc aoisupoidpoasi[ia[si[pas

N

o mundo da velocidade, o nome Ralliart impõe respeito. Desde sua criação, em 1984, o departamento de competição e alta performance da Mitsubishi japonesa acumula títulos nas mais difíceis provas do mundo. No Rally Dakar, a bordo do Pajero, são 12 conquistas. No World Rally Championship (WRC), com o Lancer Evo, quatro. Números invejáveis que agora se somam ao know-how da Mitsubishi Motors do Brasil e ao seu também vitorioso departamento de competição. Desde 1999, quando duas L200 foram preparadas para provas off-road, a marca dos três diamantes produziu aqui mais de 500 carros de

86

[Mitrevista] junho 2014

corrida, fato inédito no mundo. Entre as principais conquistas, estão quatro títulos no Rally dos Sertões, cinco campeonatos brasileiros e duas colocações entre os dez primeiros no Dakar. A sede da Ralliart brasileira está em uma área de 10 mil metros quadrados, a 15 minutos do Velo Città, o autódromo com padrões da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) construído pela Mitsubishi em Mogi Guaçu, no interior de São Paulo. Entre engenheiros, mecânicos e a parte administrativa, são cerca de 70 profissionais focados em projetar, desenvolver, testar e produzir veículos de competição. “Ter o selo Ralliart é sinônimo de um altíssimo padrão de qualidade, alcançado pelo nosso departamento de competições”, explica Guilherme


FotoS: Divulgação

São 70 profissionais especializados em alto desempenho focados em produzir os mais modernos carros de competição do Brasil

Spinelli, diretor da Ralliart Brasil. “As competições são nosso grande laboratório. Podemos testar todos os componentes no limite máximo e desenvolver produtos mais resistentes para o dia a dia e de alta tecnologia.” Hoje, o local abriga 84 veículos. Entre eles, as L200 Triton SR vencedoras do Rally dos Sertões no ano passado em suas categorias, a frota de L200 Triton que levanta poeira na Mitsubishi Cup e os 30 Lancer R e RS que aceleram na Mitsubishi Lancer Cup. Os dois ASX Racing da equipe Petrobras Mitsubishi estão em um escritório de engenharia avançada na França. Aos cuidados de Thierry Viardot, ícone no desenvolvimento de carros de competição – foi diretor técnico da Mitsubishi Ralliart Japão

por 26 anos –, os ASX Racing se encontram em preparação para o Rally dos Sertões (agosto) e o para o Rally Dakar (janeiro de 2015). O Brasil é o 23º país a receber a Ralliart. “E já somos a que tem mais eventos de competição”, diz Spinelli. “É um orgulho para o nosso departamento de competição ter o reconhecimento da Mitsubishi Motor Japão”, diz Fernando Julianelli, diretor de marketing da Mitsubishi. “Nosso troféu é a partir de agora poder carregar o nome Ralliart.” O que deixa toda essa estrutura muito próxima do cliente é a possibilidade de qualquer pessoa poder alugar os carros e participar de competições na terra ou no asfalto. Na Mitsubishi Cup (rali cross-country de velocidade) e na Lancer Cup (competição [Mitrevista] junho 2014

87


Entre os carros com o selo ralliart, est찾o as l200 triton que competem na Mitsubishi Cup, o lancer Evo rS, a l200 Sr, vencedora do rally dos Sert천es em sua categoria, e o aSX racing, que em janeiro de 2015 vai enfrentar o rally Dakar

88

[Mitrevista] junho 2014

MarCElo Maragni

riCarDo lEizEr

ralliart


riCarDo lEizEr MarCElo Maragni

de pista), o sistema sit&drive permite que o piloto não precise se preocupar com a parte logística da competição. Transporte do carro, manutenção mecânica e as peças de reposição ficam sob total responsabilidade da Mitsubishi. Ao competidor, basta chegar, vestir o macacão, colocar o capacete e se divertir. “É o mundo perfeito. Você chega e está tudo pronto”, diz o empresário Bruno Mesquita, piloto que se sagrou campeão da primeira etapa da Lancer Cup. “Para quem não tem tempo de se dedicar a isso durante a semana, o sistema sit&drive cai sob medida”, afirma o também empresário Sergio Maggi Júnior, piloto da categoria Lancer RS. A mesma lógica vale para a Mitsubishi Cup. “Sei que, na hora da largada, minha L200 Triton vai estar pronta”, conta Seigo Nakamura, executivo do mercado financeiro e piloto da categoria L200 Triton ER. “É sentar e acelerar.” mais informações: Ralliart: www.ralliartbrasil.com.br www.facebook.com/RalliartBrasil [Mitrevista] junho 2014

89


universo

mitsubishi diversão e adrenalina

on&off

murilo mattos

murilo mattos

cadu rolim

“Espetacular, sensacional, emocionante. Uma oportunidade perfeita para o cliente da marca usufruir do seu Mitsubishi em um autódromo de alto nível” Edmundo Cruz (FUN DAY)

cadu rolim

“É a melhor maneira de combater o estresse. Você participa de um campeonato profissional sem ser piloto profissional.” Seigo Nakamura, piloto da categoria L200 Triton ER (MITSUBISHI CUP)

“O Mitsubishi Outdoor é o pretexto perfeito para um fim de semana na companhia dos amigos.” Mauricio Gasperini, piloto da categoria Fun (MITSUBISHI OUTDOOR)

ricardo leizer

ricardo leizer

“Tenho outros hobbies, mas nenhum me conquistou tanto quanto o Mitsubishi MotorSports.” Kelly Camargo, navegadora da categoria Turismo (MITSUBISHI MOTORSPORTS)

“É uma oportunidade excelente para quem gosta do Evo, mas não tem a oportunidade de acelerar. Uma chance única que a Mitsubishi nos dá.” Rodolfo Lenzi (LANCER EVO DAY)

ricardo leizer

murilo mattos

tom papp

“Na Mitsubishi Lancer Cup, a vida de empresário e a vida de piloto não são incompatíveis.” Luiz Barcellos, piloto da categoria Lancer R (LANCER CUP)

adriano carrapato

road

[Mitrevista] junho 2014

91


ricardo leizer

drive club

temporada quente 92

[Mitrevista] junho 2014

ricardo leizer

tom papp

disputas acirradas e novidades no p贸dio marcam as duas primeiras etapas da lancer cup 2014


O

por Renato Góes

s motores voltaram a roncar na Mitsubishi Lancer Cup. Seis meses haviam se passado desde a última etapa da temporada 2013. Uma eternidade para quem, como esses gentleman drivers, tem coceira no pé direito. A grande expectativa recaía sobre o campeão, o empresário Bruno Mesquita. Mas, além de o grid do ano passado haver praticamente se mantido, muita gente nova deu o ar da graça em busca de um lugar ao sol. Isso sem falar que a estreia da nova categoria, a Lancer RS, impossibilitava qualquer aposta. Na primeira etapa, disputada no dia 12 de abril, não foi Mesquita quem brilhou. Quem começou com o pé direito bem lá no fundo na categoria RS foi o executivo Sérgio Alves. Na primeira prova do dia, o terceiro colocado no campeonato de 2013 conquistou a pole nos treinos classificatórios e aguentou a pressão ao ser perseguido por Elias Jr., vice-campeão no ano passado. “Não é nada confortável ser perseguido”, brincou. “Ainda mais pelo Elias.” O piloto aprovou sem ressalvas o novo Lancer RS. “O câmbio sequencial é fantástico, o carro está mais forte e o freio ABS é sensacional nas curvas.” Na segunda prova, com o grid invertido, Sérgio Alves conseguiu conquistar algumas posições. Terminou em terceiro. Bruno Mesquita novamente não teve vez no pódio. Quem saiu vencedor foi Fabio Viscardi, que liderou de ponta a ponta e fez a vitória parecer fácil. Na categoria R, os irmãos Fernando e Felipe Ewerton, novatos no asfalto, mas com experiên-

cia de sobra na terra (leia-se Mitsubishi Cup), fizeram sua estreia. E já chegaram chegando. Na primeira etapa, Fernando venceu as duas provas do dia, seguido de perto por Felipe. Na segunda prova, com o grid invertido, ele venceu e ainda chegou à frente de dois carros da RS. “Foi divertido disputar com eles [da RS], pois na reta eles tinham mais potência, então tive que compensar nas curvas”, relembra Fernando. SEgUNda ETapa

No dia 10 de maio, a história na categoria R parecia se repetir. Fernando Ewerton faturou a primeira prova, seguido de Luiz Santiago e do irmão Felipe, que, por sua vez, deu o troco e venceu a segunda prova. “É complicado, pois ele é irmão e oponente ao mesmo tempo”, disse Felipe. “A gente não pode se tocar na pista, um tem que passar o outro sem bater, sem arranhar e sem prejudicar. Sempre pensamos nisso antes de tentar ultrapassar.” Já na Lancer RS, a segunda etapa marcou a “volta” de Bruno Mesquita. Fez o melhor tempo da história da Lancer Cup:1’44’’. Além disso, faturou as duas provas do dia. Na primeira liderou de ponta a ponta. Já na segunda, mesmo com o grid invertido, largou em oitavo, permaneceu na segunda colocação na maior parte do tempo e quase no final assumiu a liderança. “Fui do inferno para o céu”, afirmou. Na categoria vintage da Lancer Cup, os destaques ficaram para Paulo Pomelli e Renato Favatti. Ambos venceram as duas etapas em suas categorias. Paulo na RS Master e Renato na R Master.

VEJa COMO parTiCipar: É Só ChEgar E aCELErar. A locação do Lancer r e do Lancer rs para participar da Mitsubishi Lancer Cup utiliza o conceito sit&drive: as questões logísticas, como mecânicos, manutenção do carro e peças de reposição, ficam sob a responsabilidade da Mitsubishi, por meio da ralliart, seu departamento de competições, que cuida de tudo. na Lancer Cup, basta o piloto colocar o capacete, ajustar o cinto de segurança, acelerar e se divertir.  Para

“a adaptação [ao lancer rs] foi ótima. O câmbio sequencial é fantástico, o carro está mais forte e o freio aBS é sensacional nas curvas.” Sérgio Alves, executivo “O sistema sit&drive é o melhor dos mundos. a gente chega e está tudo pronto. É só sentar e acelerar.” Sergio Maggi, empresário

CLaSSifiCaçÃO gEraL LaNCEr rS 1) sérgio alves (85 ptos) 2) Fabio viscardi (85 ptos) 3) bruno mesquita (62 ptos) LaNCEr r 1) Fernando ewerton (97 ptos) 2) luiz santiago (82 ptos) 3) eduardo viscardi (74 ptos) LaNCEr rS MaSTEr 1) paulo pomelli (100 ptos) 2) eduardo souza ramos (88 ptos) LaNCEr r MaSTEr 1) renato Favatti (100 ptos) 2) luiz barcellos (86 ptos) 3) eduardo mario ramos (42 ptos)

mais informações, entre em contato pelo e-mail lancercup@mmcb.com.br ou pelo telefone (19) 3818-4319. autódromo velo città @nacaomitsubishi

CaLENdÁriO 2014 18/19 JUL

15/16 agO

@mundomit

26/27 SET

24/25 OUT

Datas sujeitas a alteração. Todas as etapas acontecem no autódromo Velo Città

paTrOCiNadOrES: lubrax, btG pactual, pirelli, armura, columbia

[Mitrevista] junho 2014

93


drive club

94

[Mitrevista] junho 2014


Fotos: murilo mattos

evo day um dia para acelerar e se divertir

Q

uem é fanático pelo Lancer Evo (e tem um) já sabe. O autódromo Velo Città é o lugar certo para colocar suas habilidades à prova. Em sua segunda temporada, o Lancer Evo Day vem atraindo ainda mais donos do superesportivo da Mitsubishi. É uma festa que proporciona o encontro de apaixonados pelo carro com a possibilidade de acelerar o mito em um autódromo homologado pela FIA. Na primeira etapa do ano, no dia 12 de abril, o destaque foi o Lancer Evo V, que rodava com o adesivo Stevie Wonder Drive School. Mas seu piloto, o carioca Kide Aranha, não acelerou às cegas. Fez o melhor tempo do dia. “Acelerar meu Evo no Velo Città é a realização de um sonho”, resumiu. Quem também realizava seu sonho era a administradora Patricia Del Rey, de Volta Redonda (RJ). No intervalo entre as voltas, ela aproveitou para tirar um cochilo enquanto o marido, Rafael, brincava ao volante do Lancer Evo X. “Sou boazinha.

CaLENdÁriO 2014 18/19 JUL

15/16 agO

26/27 SET

24/25 OUT

Datas sujeitas a alteração. Todas as etapas são realizadas no Velo Città

por Renato Góes

Deixei ele dirigir uma volta de cada bateria. Mas, nas demais, desculpe. Eu assumo o volante.” O piloto mais regular nas três baterias do dia foi Ji Ho Kim, que levou o troféu de campeão para casa. Na segunda etapa, o Lancer Evo X de Sérgio Júnior conseguiu um fato inédito. Nas mãos de Eric Darwich, piloto da Mitsubishi, fez a volta em 1’46’’, tempo próximo aos dos pilotos da Lancer Cup. Já o Lancer Evo IX do comerciante Mauro Babour viajou mais de 1.500 quilômetros de Ciudad del Este, no Paraguai, para Mogi Guaçu (SP). “Não há nada melhor do que correr de Lancer Evo numa pista com essa qualidade”, resumiu. O vencedor da etapa foi o empresário Juarez Soares, de Itapira (SP). “O Evo Day é a melhor maneira de relaxar e esquecer o estresse do dia a dia”, disse o campeão do dia. www.lancerevoday.com.br lancerevoday@mmcb.com.br autódromo velo città

@nacaomitsubishi

“O Velo Città é o lugar certo para acelerar o Evo. Tem estrutura e segurança.” Kide Aranha

@mundomit

“Não há nada melhor do que correr de Lancer Evo em uma pista como esta.” Mauro Babour [Mitrevista] junho 2014

95


drive club

96

[Mitrevista] junho 2014


Fotos: murilo mattos

fun day

o mais novo evento da mitsubishi para donos de asX, outlander e lancer

N

por Renato Góes

ada melhor do que pegar seu Mitsubishi e colocá-lo para rodar no autódromo mais moderno do país. Essa é a proposta do Fun Day, prova de regularidade que acontece no Velo Città, em Mogi Guaçu (SP). Não é preciso pisar fundo. A ideia é manter a regularidade e, claro, se divertir em um dia especial para donos de ASX, Outlander e Lancer. O jornalista Cleber Bernucci, de Americana (SP), participou da primeira etapa da temporada no comando do seu Lancer 2.0 CVT. Mesmo sem navegador, ficou em segundo lugar na primeira bateria. “Nunca tinha colocado meu Lancer em um autódromo”, explicou. “Passei a conhecer mais o meu carro. É uma oportunidade de ouro que a Mitsubishi oferece.” Enquanto isso, o economista Valdemar Júnior se revezava ao volante de seu ASX com o amigo Wagner Tabuso. “Precisei aprender logo como manter a regularidade

e entender o traçado de uma pista de corrida.” Outro que entrou no autódromo orgulhoso de seu ASX AWD foi Felipe dos Santos. “Ter um Mitsubishi é um estilo de vida”, sintetizou. “Quem compra tem a oportunidade de pilotar seu carro numa pista sensacional. Não tem comparação com qualquer outra marca.” A vitória na primeira etapa ficou com Pedro Marques e Marcelo Trombetone, de Paulínia (SP). “O Fun Day mistura de maneira perfeita diversão com competição”, disse Marques. Na segunda etapa, quem subiu no lugar mais alto do pódio foram Heitor Bezerra e Gustavo Pereira, de Divinolândia (SP).

CaLENdÁriO 2014

“passei a conhecer mais o meu próprio carro. É uma oportunidade de ouro que a Mitsubishi oferece.” Cleber Bernucci

18/19 JUL

15/16 agO

26/27 SET

24/25 OUT

Datas sujeitas a alteração. Todas as etapas são realizadas no Velo Città

www.mitsubishimotors.com.br autódromo velo città

@nacaomitsubishi

@mundomit

“foi a primeira vez que pilotei em um autódromo. Um desafio emocionante com meu aSX no Velo Città.” Valdemar Júnior

[Mitrevista] junho 2014

97


perFil

416 páginas de ingo hoffmann biografia passa a limpo a carreira de um dos maiores pilotos brasileiros por Renato Góes

O

De 2005 a 2008, Ingo correu a Stock Car com um Mitsubishi Lancer

ingo (editora auto motor) autor: tiago mendonça preço médio: r$ 39 www.livrariacultura.com.br

www.livrariasaraiva.com.br Fotos: divulGação

piloto Ingo Hoffmann é daqueles que gostam de contar casos e causos de suas andanças pela pista. Nada de ostentação ou saudosismo. Apenas orgulho de uma carreira vitoriosa. Em um desses bate-papos, um amigo deu a deixa: “Por que você não escreve um livro?” Apesar de não se apegar ao passado, Ingo topou. O trabalho de colocar no papel a vida do maior vencedor da história do automobilismo brasileiro coube ao jornalista Tiago Mendonça. Foram 25 horas de entrevistas, complementadas por uma detalhada pesquisa. “Fiz uma viagem no tempo”, conta Mendonça. Entre os entrevistados, estão os pilotos Wilsinho Fittipaldi, Alex Dias Ribeiro, Paulo Gomes e Chico Serra. Logo no início a obra apresenta o pior momento da carreira de Ingo: os meses que se sucederam ao abandono da Fórmula 1 com a Copersucar. “Foi uma época difícil. Quando um piloto ia para o exterior e não dava certo, ele praticamente encerrava a carreira”, relembra Ingo. O jeito foi voltar a atenção para a Stock Car brasileira, na qual viria a conquistar 12 títulos. “Só agora vejo o quanto esse feito foi importante”, comenta. São inúmeras as histórias desfiadas ao longo das 416 páginas do livro, inclusive a relação de Ingo com a Mitsubishi. Com uma L200, ele foi vice-campeão do Rally dos Sertões e bicampeão brasileiro de rali na categoria protótipos. Desde o ano passado, é coordenador do Mitsubishi Drive Club. “Espero que as pessoas possam se divertir e se emocionar com as histórias”, diz. “Minha carreira nunca foi fácil, tenho muito orgulho de tudo o que conquistei.” Parte da renda com a venda do livro será revertida para o Instituto Ingo Hoffmann. Em parceria com o Centro Infantil Boldrini, hospital referência mundial no atendimento a crianças com câncer, o instituto tem o objetivo de abrigar os pacientes e suas famílias durante o período de tratamento.


motorSportS

a volta da nação 4x4

Saiba como foram aS duaS primeiraS etapaS da 20ª temporada do rali de regularidade da mitSubiShi

pajero full cruza os campos goianos na segunda etapa do motorSports 2014

102

[Mitrevista] junho 2014


guStavo epifanio [Mitrevista] junho 2014

103


adriano carrapato fotoS: tom papp

motorSportS

104

[Mitrevista] junho 2014


tom papp

das araucárias da trilha de campos do Jordão (Sp) direto para a festa no pódio

“D

ez segundos pra 2.5 quilômetros. Cinco, quatro, três,

Hamilton Medeiros e Rafain Walendowsky. “Como choveu muito nesta

dois, um. Isso. Boa! Em 2.7, árvore à direita, velocidade

semana, pegamos muitos trechos lisos”, disse Rafain. “Mas o Pajero Full é

vai pra 34. Em 2.8, curva longa à esquerda. Cinco, quatro,

um espetáculo nessas condições.”

três, dois, um. Em 3.1, velocidade sobe pra 37. Perfeito.

Curva sem visão à esquerda e trecho sinuoso em 3.1.” Frenética e clara,

Goiânia

Amanda vai cantando a planilha de navegação da primeira etapa da 20ª

Já na segunda etapa, em Goiânia, os curitibanos não tiveram o mes-

temporada do Mitsubishi MotorSports. É um idioma à parte. Só entende

mo desempenho. Foram bem. Mas ficaram em sétimo. No lugar mais alto

quem tem alguma intimidade com a brincadeira.

do pódio, subiram os catarinenses Acyr Hideki e Renan Medeiros, de Co-

Estamos nos arredores de Campos do Jordão (SP). O visual pelo para-

rupá. Na segunda colocação, ficaram Otavio Enz Marreco e Allan Enz, pai

-brisa e pelas janelas laterais do Pajero TR4 pilotado por Valdir Chibirica

e filho. “Foi a melhor prova que já corremos, foi sensacional”, comentou o

impressiona. Montanhas, araucárias, riozinhos, cavalos, vales, pontes de

piloto de Apucarana (PR). Com a vitória, eles alcançaram os 46 pontos e

madeira. Sol e frio. A prova vai e vem entre São Paulo e Minas Gerais. Um

deixaram Goiânia líderes do campeonato. “São seis anos de parceria nos

pouco de lama, mas o que faz a suspensão do TR4 trabalhar mesmo são

ralis, estamos bastante afinados”, afirmou Allan. “Quem sabe se neste

as pedras no caminho. O carro é valente. Deixa tudo para trás. Amanda

ano o título vem?”, disse Otavio.

não perde a concentração. É a primeira vez que ela e Valdir correm juntos.

Na categoria Turismo, a família Eymael, de Santana de Parnaíba (SP),

Mas o entrosamento vem numa boa, sem estresse nem briga. “É para

comemorou o primeiro lugar, conquistado com uma L200 Triton. “Subir

isso que a gente está aqui”, comenta Valdir. “Para se divertir e relaxar.”

ao pódio é sempre muito gostoso”, celebrou José Carlos. “Mas estar com a

A dupla se saiu bem. Perdeu 1.901 pontos e ficou na 11ª colocação entre os 180 carros que largaram na categoria Turismo Light, a porta de entrada do Mitsubishi MotorSports. A vitória coube aos paulistanos

família é o que mais vale”, emendou Claudia, a esposa, abraçada ao caçula da família, Pedro. Aos 15 anos, ele já é fundamental na navegação. A vitória na Turismo Light ficou com os amigos Gustavo de Moura

Patrick Chen e Carolina Diniz. “Ficamos dois anos longe dos ralis para ter

Borges e Guilherme de Castro, de Goiânia. “Conhecemos a região e isso

nosso primeiro filho”, explicou Carolina. “Não víamos a hora de voltar – e

ajudou”, disse Guilherme. “É emocionante ganhar em casa.” Embora

voltamos com o pé direito”, completou Patrick. Na categoria Turismo,

bastante longe da vitória, Debora e Nathalia Gregório, mãe e filha, se

quem levou a melhor foram os catarinenses Carlos Bauer e Alexandro

divertiram à beça. “Viemos só nós duas para comemorar o Dia das Mães

Silva, de São Bento do Sul. “Ano passado conquistamos três segundos

[que aconteceria no domingo]”, disse Debora. As duas, estreantes no

lugares. Hoje, finalmente vencemos”, comemorou Alexandro. “Vencer é

mundo do rali, no íntimo desejavam o pódio. Mas aproveitaram mesmo

uma sensação indescritível”, contou Carlos. “Mas o que nos traz aqui são

para curtir o passeio, com o som da L200 Triton tocando alto. Seguiram

os amigos, a adrenalina da prova e a expectativa do resultado.”

a planilha direitinho (perderam-se apenas uma vez), mas sem maiores

Entre os mais experientes, da categoria Graduados, quem largou na frente na busca pelo título da 20ª temporada foram os curitibanos

preocupações com a precisão. Resultado: um honroso 65º lugar. E, para delírio de Nathalia, a segunda colocação entre as duplas femininas. Valeu. [Mitrevista] junho 2014

105


ADRiAnO CARRAPATO

106

RiCARDO LEizER

RiCARDO LEizER CADu ROLiM

classificação campos do jordão (sp) Graduados 1) Hamilton Medeiros /Rafain Walendowsky (Curitiba/PR) 2) Marcos Bortoluz/Marcelo Bortoluz (Caxias do Sul/RS) 3) Otavio Enz Marreco/ Allan Enz (Apucarana/PR) 4) Ricardo Molica Santos/Alexandre Martinez (Taubaté/SP) 5) Ernesto Kabashima/Luiz Brenelli Paiva (São Paulo/SP) Turismo 1) Carlos Frederico Bauer/Alexandro Silva (S. Bento do Sul/SC) 2) Luiz Renato Lopes/Debora A. de Carvalho (Pouso Alegre/MG) 3) Jorge Thirige/Farley Miranda (Rio de Janeiro/RJ) 4) Valdir de Lacerda/Elisa Borges Lacerda (Pouso Alegre/MG) 5) Adhemar Silva Jr/Michel Conessa (São Paulo/SP) Turismo liGhT 1) Patrick Chen/Carolina Diniz (São Paulo/SP) 2) Fernando Reis/Luis Lapo (São Paulo/SP) 3) Daniel Manse/Mirella Kurata (São Paulo/SP) 4) Vitor Perito/Sheila Milberg (São Paulo/SP) 5) Leandro Thurler/ Rodrigo J. Vieira (Rio das Ostras/RJ)

[Mitrevista] junho 2014


adriano carrapato

guStavo epifanio

ricardo leizer guStavo epifanio

classificação Goiânia (Go) Graduados 1) acyr hideki/renan pamplona medeiros (Corupá/SC) 2) otavio enz marreco/allan enz (Apucarana/PR) 3) paulo roberto goes/gustavo Schmidt (Joinville/SC) 4) marcos bortoluz/marcelo bortoluz (Caxias do Sul/RS) 5) celso Turismo 1) José carlos eymael/ macedo/frederico macedo (Piracaia/SP) claudia eymael (S. de Parnaíba/SP) 2) valdir de lacerda/elisa borges lacerda (Pouso Alegre/MG) 3) paulo r. lima/daniel c. lima (Brasília/DF) 4) marcelo a. fernandes/ Julia l. a. fernandes (São Paulo/SP) 5) pamela bueno da fonseca/ariel bueno da Turismo liGhT 1) gustavo de moura borges/guilherme fonseca (Goiânia/GO) de castro (Goiânia/GO) 2) iran a. de assis/marcio f. agostinho (São Paulo/SP) 3) leandro mariano/marcia barbosa (Caldas Novas/GO) 4) daniela elias alves/anderson alves (Silvânia/GO) 5) alezio m. guimarães/adauto m. guimarães (Uberlândia/MG)

próximas eTapas sudesTe 23 aGo Uberlândia (MG) 27 seT Penedo (RJ) próximas eTapas nordesTe 26/jul Aracaju (SE) 13/seT Natal (RN) Datas e locais sujeitos a alteração

108

[Mitrevista] junho 2014

18 ouT Joinville (SC)

1º/noV Fortaleza (CE)

paTrocinadores: [Sudeste] lubrax, itaú, clarion, W. truffi blindados, mitfinanciamentos, Sideral, mvc, Stp, transzero, unirios, flamma, rede, pirelli, axalta, consórcio embracon, columbia, crocs. apoio artfix [nordeste] itaú, axalta, mitfinanciamentos, gW logistics, mangels, pirelli, W. truffi blindados, flamma, transzero, mapfre, tecfil, lubrax, clarion, unirios, pilkington, columbia, crocs. apoio artfix

15 noV Ribeirão Preto (SP) 29/noV João Pessoa (PB)

www.mitsubishimotors.com.br


A TNT oferece transporte aéreo e rodoviário para mais de 7.000 destinos no Brasil, a maior cobertura do mercado. Com 109 unidades em todo o Brasil, frota de 3.000 veículos, mais de 8.000 colaboradores treinados e capacitados, suas cargas são transportadas com total rastreabilidade e serviço porta a porta, permitindo melhor planejamento para os negócios.

www.tnt.com/br

Única a atender mais de 5 mil cidades brasileiras e 6 países da América do Sul, com o menor tempo de trânsito do mercado e excelente custo-benefício. A frota é constantemente revisada e renovada trafegando sempre dentro das normas ambientais.

TRANSPORTE AÉREO DOMÉSTICO E INTERNACIONAL Transporte de documentos, amostras e cargas em todo o Brasil e mais de 200 países com total rastreabilidade e ferramentas online. A TNT oferece ainda liberação alfandegária, além de opções diferenciadas e personalizadas para cargas especiais.

O nome TNT e seu logo são marcas registradas da TNT Express N.V. 02/2014.

Segurança, agilidade e qualidade.

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DOMÉSTICO E INTERNACIONAL


Divulgação

premiação

Conforto total no belo litoral do Ceará

CiNCO PERNOitES NO CARMEl RESORt ESPERAM O PilOtO CAMPEãO dA GRAduAdOS dO MitSuBiSHi MOtORSPORtS NORdEStE

E

m vários resorts do Nordeste, você abre a janela do

quadrados. Sim, do tamanho de uma confortável casa à beira-mar.

quarto pela manhã e tudo o que vê é um gramado com

Mesmo os menores são do tipo pé na areia. E todos oferecem regalias

coqueiros. Muito bonito e sereno, mas, cá entre nós: cadê

como serviço de quarto 24 horas, internet sem fio, camas king size,

o mar? Frustrante. A paisagem litorânea, afinal, desponta

roupões, lençóis de algodão egípcio, máquinas de café Nespresso,

como o maior motivador desse tipo de viagem. Por isso mesmo, o Carmel Charme Resort, no Ceará, hotel com a chancela do Circuito

110

pantufas, tratamento acústico e cortinas blackout. Esse preocupação com os detalhes se estende às áreas comuns

Elegante, tomou um supremo cuidado na arquitetura: todas as suas

do Carmel — se é que cabe a palavra “comum” em um lugar assim. No

35 acomodações contam com uma espaçosa varanda bem diante da

amplo espaço reservado às piscinas, ouve-se música relaxante em

tranquila praia do Barro Preto — nome que não combina com suas

volume adequado, de modo a não atrapalhar o bate-papo — esqueça

areias, de um branco imaculado. Há bangalôs com até 134 metros

o axé e seus subprodutos. O Carmel também tem spa, centro de

[Mitrevista] junho 2014


O LegítimO cHuRRaScO e POntO. aO Seu POntO. O que você está esperando para ter a experiência máxima do churrasco? Faça já sua reserva no Fogo de Chão. fogodechao.com.br /fogodechaobr

de

a Qualid

Veja aqui o Fogo de Chão mais perto de você. São Paulo: Center Norte (11) 2089-1736 | Jardins (11) 3062-2223 | Moema (11) 5056-1795 Santo Amaro (11) 5524-0500 | Vila Olímpia (11) 5505-0791 | Belo Horizonte: (31) 3227-2730 Brasília: (61) 3322-4666 | Rio de Janeiro: (21) 2279-7117 | Salvador: (71) 3555-9292


Fotos: Divulgação

premiação

fitness, quadra de tênis coberta e um restaurante encantador. Toda

ocupa o antigo prédio da Câmara Municipal e do presídio. Lá estão

essa estrutura dedicada ao prazer do hóspede avança para as areias,

mais de 600 peças, um legado dos jesuítas.

onde um bar de praia foi montado e os funcionários se esmeram em

Vale lembrar que a estrutura hoteleira de Aquiraz se deve, em

instalar guarda-sóis e espreguiçadeiras. Por tudo isso, o novíssimo

especial, à proximidade com o maior parque aquático do continente,

Carmel foi agraciado, em 2012, com a classificação “novidade do ano”

o Beach Park. Dessa forma, as crianças estarão igualmente bem

pelo insuspeito Guia Quatro Rodas.

atendidas. Os adultos também se divertem no Beach Park. Fica ali,

O resort está fincado a 45 quilômetros de Fortaleza, no município

por exemplo, o Insano, um toboágua equivalente a um edifício de

de Aquiraz. Permite um bate-volta rápido para aproveitar a capital.

14 andares, percorrido em cinco segundos a uma velocidade de

Mas quem descartar essa possibilidade, porém, não terá do que

104 quilômetros por hora. Diversão em alta velocidade para o piloto

reclamar. Aquiraz se basta. Embora desconhecida no resto do país,

campeão do mais disputado rali de regularidade do país. E ele ainda

trata-se, guardadas as devidas proporções, de uma Paraty (RJ) ou

pode levar três acompanhantes.

de uma Tiradentes (MG) da região. A cidade foi capital do Ceará ao longo de 30 anos, ainda no século 18. Dessa condição lhe sobraram casarões de talhe português e relíquias como a Igreja Matriz, de inspiração barroca, e o Museu Sacro de São José de Ribamar, que 112

[Mitrevista] junho 2014

www.carmelcharme.com.br www.circuitoelegante.com.br


marcelo Fernandes / Brasilimagens.com

premiação

O ponto alto de Porto Belo

O PIlOTO CAMPEãO DA CATEgORIA TuRISMO DA TEMPORADA 2014 DO MITSuBIShI MOTORSPORTS NORDESTE vIAjA PARA SC

S

em sair da cama de qualquer uma das 18 acomodações do

do Estaleiro, inserido 60 quilômetros ao norte de Florianópolis e

Refúgio do Estaleiro, em Porto Belo, Santa Catarina, dá para

pertencente aos hotéis do Circuito Elegante, é um enclave onde a gasta

ver o mar. Basta abrir os olhos. A dádiva de divisar as águas

expressão “comunhão com a natureza” não soa como slogan publicitário.

calmas da baía se oferece pela privilegiadíssima localização

Essa pousada de ambiente rústico/elegante está encravada em uma

da pousada, em cima de um promontório. Assim, o oceano é observado

área intocada de 10 hectares de área. De um lado, a Mata Atlântica, com

do alto, tal como nas cidades da Costa Amalfitana, no sul da Itália. Essa

inúmeras trilhas para caminhadas. Do outro, o Atlântico, em um ponto em

posição estratégica exige do hóspede deixar o automóvel antes de

que esse oceano revela-se, antes de tudo, pacífico.

chegar ao refúgio, para uma caminhada. O esplêndido visual compensa a pequena concessão — e retribui, com privacidade plena. Não há um escaninho similar na rede hoteleira do país. O Refúgio 114

[Mitrevista] junho 2014

Quem se hospeda pode escolher quatro tipos de acomodações. A maior tem 160 metros quadrados e deque de madeira com espreguiçadeiras. A menor, 55 metros quadrados. Todas comungam


fw transportes a parceria mais que perfeita

trânsito aduaneiro operações nos principais portos e aeroportos.

importação

exportação

transporte

profissionais capacitados para conferência documental e operacionalização das coletas e entregas.

Habilitados aos trâmites para o transporte de cargas destinadas à exportação.

equipamentos adequados para a movimentação de containers, cargas secas, refrigeradas e sensíveis a impactos.

tradição de 22 anos de excelência no transporte rodoviário de cargas de importação e exportação.

www.fwtransportes.com.br

fw@fwtransportes.com.br

+55-11-4083-2777


Fotos: Divulgação

premiação

não apenas da natureza, mas de um serviço irretocável, além de quadra

açorianos encontraram no século 18, à exceção de alguma estrutura

de tênis, sauna e da piscina de borda infinita, capaz de proporcionar

de bares nas três praias e do Ecomuseu Univali. O maior destaque da

a adorável ilusão de ótica de que se está no mesmo nível do mar.

coleção é o esqueleto de uma baleia com 17 metros. Porto Belo segue

Completam esse onírico recanto um restaurante afeito aos frutos do mar

sendo o lugar perfeito para se passar parte do dia antes de voltar ao

e uma pizzaria várias vezes destacada como uma das melhores de Santa

refúgio — o ponto alto de uma das mais adoráveis regiões litorâneas do

Catarina. Vinhos de boa cepa auxiliam no sentimento de enlevação.

país. Tudo isso à disposição do piloto campeão da temporada e de seus

Os passeios ao nível do mar incluem praias de raras ondas e o

três acompanhantes.

melhor porto natural do país. Dali embarca-se em lanchas para a ilha de Porto Belo — também conhecida por ilha João da Cunha. São apenas 10 minutos de navegação. A ilha está próxima do continente, mas muito distante da ideia de urbanização. Tudo permanece como os imigrantes 116

[Mitrevista] junho 2014

www.refugiodoestaleiro.com.br www.circuitoelegante.com.br


tom papp

outdoor

118

[Mitrevista] junho 2014


amizade a toda prova Na abertura da temporada 2014, em Campos do Jordão (sp), uma equipe mostra que o mais importaNte No mitsubishi outdoor é a diversão

dentro da toca da pedra bicuda (mG), a busca por mais um carimbo [Mitrevista] junho 2014

119


Cadu rolim

outdoor

A

Nação 4x4 compareceu em peso a Campos do Jordão (SP), região do vale do Paraíba, para a primeira etapa da 11ª temporada do Mitsubishi Outdoor. A competição foi marcada por boas surpresas, entre elas a presença do surfista Carlos

Burle, recordista mundial em ondas gigantes. A largada aconteceu no bairro de Abernéssia. De lá, os competidores desbravaram boa parte do Piranguinho e Piranguçu. Foi preciso usar a cabeça para traçar a melhor estratégia a partir de um mapa que englobava mais de 800 quilômetros quadrados – e uma paisagem repleta de belas montanhas e vales. Uma das equipes mais animadas foi a Barracuda, formada pela família Sorrentino, por Fabio Kanazawa e amigos. Eles se conheceram há cinco

douGlas faGuNdes

sul de Minas, passando por São Bento do Sapucaí, Paraisópolis, Brasópolis,

anos no Mitsubishi Outdoor. Juntaram forças e não pararam mais. “É um jeito de descontrair ao lado da família e rir com os amigos”, sintetizou Luis

acessório emprestado por outra equipe, Caio completou a tarefa, para

Fernando Sorrentino, radiologista e piloto nas horas vagas. Durante todo

delírio da família. No final, todos estavam cansados. O sorriso, no entanto,

o percurso, a mulher e navegadora, Paula, e os filhos Juliana e Caio mostra-

permanecia no rosto de todos. “Somos veteranos, mas não temos nem

ram tranquilidade e entrosamento com os demais membros do time.

nunca tivemos a pretensão de ganhar”, explicou Fabio. “Se um dia vier um

Ficou claro desde o início que, para a Barracuda, o grande objetivo é se divertir. Pelo rádio, Fabio disparava piadas que faziam a alegria da

120

pódio será ótimo”, brincou Eduardo. Mas ainda não foi dessa vez. Quem subiu ao pódio foi o pessoal da Crazy Bird, brilhantes campeões

garotada da família Sorrentino. O navegador Eduardo e os amigos Melca,

da categoria Fun, para equipes novatas. “Viemos com uma equipe reduzi-

Carol e Roger se revezavam na torcida. No roteiro não faltaram atividades

da”, afirmou o piloto Mozart Suzart. “E foi preciso fazer um esforço extra

radicais. Teve até abseilen, palavra alemã para rapel, mas feito à moda

para superar essa desvantagem.” Na categoria Extreme, a vitória ficou

antiga, com corda de sisal, além de uma caminhada espetacular até uma

com a experiente equipe Tamboré. “Tivemos alguns contratempos, mas

pista de asa-delta. Os competidores aproveitaram para conhecer Piran-

a vitória compensa tudo”, comemorou Julio Gabrioli. “Nossa turma é muito

guinho, a “capital do pé de moleque”. Na hora da tarefa da mountain bike,

unida e tudo flui bem quando cada um tem seu papel definido – agora é

Caio foi o escolhido para enfrentar a trilha. Acontece que, empolgado, o

contar os dias até a próxima etapa, em Curitiba”, disse Marcos Fukumura,

grupo se esquecera de levar capacete, equipamento obrigatório. Com o

enquanto era abraçado pelo restante da equipe.

[Mitrevista] junho 2014


tOM PAPP tOM PAPP

CAdu rOliM

CAdu rOliM

Na página ao lado, o surfista big rider Carlos Burle, um dos participantes do Mitsubishi Outdoor em Campos do Jordão (SP). A etapa teve provas de bike, trekkings em cavernas, preparação de pé de moleque em Piranguinho, rapel e muita festa no pódio

classificação campos do Jordão (sp) ExtrEmE 1) tamboré 2) Flex Soft 3) Adamantium 4x4 fun 1) Crazy Birds 2) 40x40 3) Boomerang Carioca

CAdu rOliM

patrocinadorEs: Atlantica/Midori, Clarion, Columbia, unirios, transzero, lubrax, Mapfre, Cisa trading, Brascabos, Pirelli, Pilkington, Axalta. apoio Artfix

www.mitsubishimotors.com.br

[Mitrevista] junho 2014

121


É MAIS QUE MOVIMENTAR CONTÊINERES. É FAZER VOCÊ CHEGAR ONDE QUISER. Investimentos, inovação, respeito pelas pessoas e pelo meio ambiente. Foi assim que a Santos Brasil tornou-se referência na movimentação de contêineres e soluções logísticas no Brasil. Mas nosso trabalho vai além disso. Oferecemos soluções inteligentes para ajudar empresas a chegarem onde quiserem. Do porto à porta, da fábrica à distribuição, direto na mão do consumidor. Por isso, queremos saber os seus planos, seus objetivos. Será um prazer ajudar a sua empresa a chegar até lá.

ONDE VOCÊ QUER CHEGAR?

@santosbrasil_

facebook.com/santosbrasil

www.santosbrasil.com.br


cup

nova geração

em sua 15a temporada, a mitsubishi cup vê jovens pilotos desafiarem os gentleman drivers mais experientes

mitsubishi pajero tr4 acelera na etapa de abertura, em jaguariúna

124

[Mitrevista] junho 2014


ricardo leizer [Mitrevista] Junho 2014

125


ricardo leizer

cup

126

[Mitrevista] junho 2014


Tom PaPP

L200 Triton ER levanta poeira na pista de Jaguariúna e os melhores da categoria Pajero TR4 ER tomam banho de champanhe no pódio

A

15a temporada da Mitsubishi Cup começou com tudo. Uma

É uma parceria que nem casamento: se não há confiança, está roubado”,

geração de jovens competidores disputou espaço com os

comentou o piloto.

mais experientes e se mostrou pronta para encarar disputas

Na segunda etapa da temporada, em Mafra (SC), entrou em ação o

acirradas em circuitos que exigem o máximo de pilotos e na-

redutor de velocidades para os vencedores da etapa anterior – trata-se

vegadores. Nas duas primeiras etapas do ano, em Jaguariúna (SP) e Mafra

de uma nova regra da Mitsubishi Cup. A novidade deu o que falar e me-

(SC), houve histórias de sobra para contar. Jaguariúna já faz parte há anos

xeu bastante no pódio. Em quatro das cinco categorias houve mudanças

do calendário do rali cross-country de velocidade da Mitsubishi. Criar um

significativas. Na Pajero TR4 R, quem comemorou foi a dupla Marco Tulio

circuito inédito foi tarefa árdua, mas não impossível, para a organização.

Lana e Leonardo Magalhães. “Foi a etapa em que mais me diverti: curvas

Resultado: uma pista rápida, com grandes retas, mas com curvas fecha-

de alta velocidade, retas longas, trechos travados. Não me desconcentrei

das e excelente visibilidade, por causa da cana baixa.

um minuto”, explicou o piloto. Na TR4 ER, Celso e Belem Macedo foram os

Quem se adaptou a essas condições e venceu as três provas na

campeões. “Estávamos muito ansiosos por causa da reputação que a re-

categoria Pajero TR4 R foram Rodrigo Khezam e Pipo Mirone. “O Rodrigo

gião tem, com provas que exigem muita técnica. E hoje não foi diferente.

já veio pilhado, querendo ganhar”, brincou Mirone. “Eu, mais conservador,

Piloto, navegador e equipamento foram bastante exigidos.”

ainda tentei segurá-lo um pouco na primeira volta – ainda bem que não

Na TR4 ER Master também houve mudanças. Os vencedores foram

consegui.” Na Triton RS, as três provas também foram vencidas por uma

Rodrigo Meinberg e João Luis Stal. “Correr aqui é praticamente correr em

única dupla: Lucas Moraes e Kaique Bentivoglio, que, diga-se, são nova-

casa. Falta pouco para esta pista se tornar um autódromo”, brincou o

tos na categoria. “Foi um dia especial, pois não tínhamos muita expecta-

navegador. Na L200 Triton ER, quem se deu bem foi a dupla formada por

tiva”, disse o piloto. Na L200 Triton ER, mais uma trinca. A dupla formada

Marlon Koerich e Sidinei Broering. “O circuito foi muito rápido, técnico. Um

três dias antes da largada pelo piloto Ricardo Feltre e o navegador André

erro e você poderia comprometer toda a prova”, resumiu o piloto.

Munhoz venceu as três provas do dia. Outro jovem que se destacou foi

Única exceção entre todas as categorias, os campeões da primeira

Fred Macedo, na categoria Pajero TR4 ER. Ele venceu duas das três pro-

etapa na Triton RS, Lucas Moraes e Kaique Bentivoglio, repetiram o

vas e conquistou o lugar mais alto do pódio. “Foi uma etapa muito rápida,

feito em Mafra. “O redutor de velocidade era uma incógnita. Teríamos

deu para ir até o fim da quarta marcha”, comemorou. Para compensar, os

que compensar com o pé. Ou seja, estarmos bem entrosados e andar no

veteranos Sergio Gugelmin e Marcos Maia ganharam a TR4 ER Master

máximo para compensar essa perda. E deu certo. Soubemos trabalhar

após uma vitória e duas segundas colocações. “O Sergio acreditou na

sob pressão”, disse o navegador. O piloto relembrou ainda o trabalho da

minha navegação e pilotou muito, o que me deu segurança na hora de

equipe de mecânicos, que trocou o câmbio do carro no meio da compe-

cantar as referências”, disse Maia. “A navegação dele me gerou confiança.

tição. “Foi o tempo certo para entrarmos na pista. A Mitsubishi está de [Mitrevista] Junho 2014

127


tOM pApp

RicARDO LEiZER

ADRiANO cARRApAtO

RicARDO LEiZER

cup

128

[Mitrevista] junho 2014

classificação Jaguariúna (sP) Tr4 r 1) Rodrigo Khezam / pipo Mirone 45 pts 2) carlos Martins / André Machado 36 pts 3) Flavio Oliveira / José Marcon 36 pts Tr4 Er 1) Fred Macedo / Marcelo Haseyama 44 pts 2) paulo Godim / Antonio chagas 43 pts 3) celso Macedo / Belem Macedo – 36 pts Tr4 Er MasTEr 1) Sergio Gugelmin / Marcos Maia 43 pts 2) Wagner Roncon / Joselito Vieira 36 pts 3) Miguel Zarpellon / João paiva 35 pts TriTon Er 1) Ricardo Feltre / André Munhoz 45 pts 2) Glauber Fontoura / Minae Miyauti 38 pts 3) Seigo Nakamura / Luiz dos Reis 37 pts TriTon rs 1) Lucas Moraes / Kaique Bentivoglio 45 pts 2) Felipe Ewerton / Rodrigo Mello 42 pts 3) Juliano Diener / Vitor Muench 35 pts


RiCARDo LEizER RiCARDo LEizER

ToM PAPP

RiCARDo LEizER

classificação Mafra (sc) Tr4 r 1) Marco Tulio Lana / Leonardo Magalhães 88 pts 2) Bartolomeu Nunes / Fabio Rocha 88 pts 3) Roberto Prado / João Rossi 72 pts Tr4 Er 1) Celso Macedo / Belem Macedo 82 pts 2) Marcelo Fiuza / Dalmo Bergatin 78 pts 3) Fred Macedo / Marcelo Haseyama 74 pts Tr4 Er MasTEr 1) Rodrigo Meinberg / João Luis Stal 90 pts 2) Henry Grosskopf / Gunnar Dums 78 pts 3) Eder Benito / Fernando Abe 68 pts TriTon Er 1) Marlon Koerich / Sidinei Broering 88 pts 2) Carlos Scheffer / Rafael Malucelli 86 pts 3) Ricardo Feltre / André Munhoz 78 pts TriTon rs 1) Lucas Moraes / Kaique Bentivoglio 88 pts 2) Marcelo Mendes / Breno Resende 80 pts 3) Fernando Ewerton / Pedro Eurico 72 pts próxiMas ETapas 26 JUl Analândia (SP) 13 sET Indaiatuba (SP) 08 noV Mogi Guaçu (SP)

VEnha acElErar na MiTsUbishi cUp os veículos de competição da Mitsubishi Cup saem prontos da linha de montagem da fábrica de Catalão (Go) para o rali. Para comprar ou alugar pelo sistema sit&drive, entre em contato pelo telefone (11) 5694-2861 ou pelo e-mail mitsubishicup@mmcb.com.br

paTrocinadorEs: MitFinanciamentos, Pirelli, Lubrax, Magneti Marelli, Axalta, Clarion, Mapfre, Transzero, Unirios, Columbia, STP. apoio Artfix 11 oUT Jaguariúna (SP)

www.mitsubishimotors.com.br

[Mitrevista] Junho 2014

129


130

Pedro haMdan

MIT ParcerIas

Tecnologia e segurança, sempre juntas

BIOMETrIA OfErEcE AINdA MAIs AgIlIdAdE E sEgUrANçA AOs clIENTEs ITAú Por Luis Fernando staub*

A

ssim como a Mitsubishi tem a preocupação de produzir veículos cada vez mais completos e eficientes, o Itaú também está sempre investindo em inovação e tecnologia para oferecer mais comodidade, segurança e agilidade para seus clientes. Um dos mais recentes avanços foi a implantação da identificação biométrica. O sistema reforça a proteção em todas as operações bancárias do cliente e proporciona praticidade e conforto no dia a dia. 130

[Mitrevista] junho 2014

A biometria tem sido adotada nos controles de identificação mais modernos do mundo. Ela funciona reconhecendo a impressão digital de cada pessoa, que, por ser única, oferece um altíssimo grau de confiabilidade. Por essa razão, vem sendo utilizada, por exemplo, para garantir a idoneidade das eleições brasileiras desde 2012 e foi incluída como método de desbloqueio da última versão do iPhone. No Itaú, o leitor biométrico já está presente nos terminais de autoa-


132

foTos: dIvulgação

MIT ParcerIas

tendimento (ATMs), no guichê dos caixas e na mesa dos gerentes. Além de reconhecer a digital do cliente, ele verifica o padrão da circulação sanguínea, para então autenticar as operações. com isso, os clientes que já têm a biometria cadastrada podem realizar diversas operações com apenas o toque de um dedo, como consultas a saldos, extratos e transferências, além de poderem sacar dinheiro sem o cartão do banco. Atualmente, o Itaú registra a média de um saque por segundo sem o uso de cartões, com os clientes utilizando a identificação biométrica para efetuar as operações de forma mais rápida e segura. 132

[Mitrevista] junho 2014

A nossa meta é que, até o final de 2014, 20 milhões de clientes do banco estejam cadastrados e prontos para utilizar a tecnologia nas mais de 4 mil agências e 27 mil caixas eletrônicos do Itaú. O uso da tecnologia tem crescido 30% ao mês. A proposta é oferecer um ambiente cada vez mais seguro e eficiente para nossos clientes, deixando que as aventuras e emoções fiquem reservadas apenas para os ambientes 4x4. (*): Luis Fernando Staub é diretor-executivo Itaú Unibanco.


Importar uma aeronave com a Cisa Trading é ter a certeza de que a sua conquista está em boas mãos.

Faça a importação de sua aeronave com quem possui expertise reconhecida em comércio exterior. A Cisa Trading oferece um serviço completo, eficiente, seguro e econômico para a importação de aeronaves. Para isso, conta com equipes especializadas que dominam todo o processo e a complexidade das questões legais, contratuais e tributárias das operações. Além disso, possui linhas bancárias para o leasing importação por meio de parcerias com os maiores bancos do país. Tudo para você receber a sua aeronave em mãos, com tranquilidade, agilidade e confiança.

www.cisatrading.com.br - Tel.: 55 (11) 3707-2749

Antecipando Soluções


134

MIT ParcerIas

unirios é líder no transporte rodofluvial

eMPresa TransPorTa Peças Para a fáBrIca da MITsuBIshI eM caTalão (go)

I

monitoramento de todas as cargas 24 horas por dia, aliando agilidade e competência à garantia de integridade dos produtos transportados. a unirios mantém contrato de parceria na modalidade Milk run com a Mitsubishi Motors do Brasil, com origem em são Paulo, para transportar peças importadas e nacionais ao abastecimento da fábrica localizada em catalão, no interior de goiás, inclusive com entrega de embalagens aos fornecedores. dentre os serviços prestados estão o transporte de peças por meio de equipamentos com cavalos mecânicos, carretas baús, siders e double decks com sistema de rastreamento via satélite. Por esses e todos os outros trabalhos, sempre cumprindo o que é firmado na negociação, é que a unirios se consolida, cada dia mais, como a melhor empresa de transporte rodofluvial do Brasil. www.unirios.com.br

dIvulgação

nterligar a região norte ao sul do Brasil por meio de vias carentes de acesso é o objetivo do grupo unirios desde 1993. desenvolvendo projetos logísticos como distribuição de cargas em geral e operações especiais de transbordo de navios (planejando a sua necessidade), a unirios destaca-se no mercado nacional e internacional como operador portuário e pela excelência no cumprimento dos prazos, segurança e investimento contínuo em capacitação para os colaboradores. com frota de transporte moderna, o grupo unirios trabalha nas rodovias com cavalos mecânicos, basculantes e carretas baú, prancha, sider, cegonha, gazeira, extensivas, rebaixada, frigorífica, linha de eixo e transporte de contêineres e big bags. sobre as águas, a empresa conta com grandes balsas e empurradores, capazes de transportar até 5 mil toneladas. o grupo unirios possui certificação Iso 9001:2008, o que transmite ainda mais credibilidade e confiança aos clientes. a empresa tem moderno sistema de comunicação via satélite e

134

[Mitrevista] junho 2014


136

MIT ParcerIas

Pirelli lança scorpion ATr street PNEU AlIA MANOBrAs MAIs PrEcIsAs à TrAçãO E rEsIsTêNcIA PArA TOdOs Os 4x4

A

Pirelli apresentou em abril o novo pneu scorpion ATr street, cujo foco principal é o uso urbano, cotidiano, com atenção especial ao meio ambiente. O Pirelli ATr street junta-se à linha scorpion, uma família de pneus projetada para os sUVs mais potentes e modernos e para os 4x4 tradicionais. com alta performance de frenagem em pisos secos e molhados, o Pirelli scorpion ATr street é amigo do meio ambiente, pois emite menos cO2 e roda mais quilômetros por litro. O produto ainda melhora as manobras em terrenos pavimentados, fazendo com que a dirigibilidade seja mais precisa e esteja sob controle nas áreas urbanas e na estrada. O novo pneu conserva a capacidade de tração e resistência em pisos irregulares. “Ele foi especialmente pensado para quem utiliza o seu 4x4 no dia a dia e, nos fins de semana, vai a sítios ou praias sem utilizar cargas excessivas”, explica gianfranco sgro, diretor-geral de operações da Pirelli na América do sul. conheça a seguir os demais membros da família scorpion. www.pirelli.com.br

Scorpion Verde All SeASon Produto “green Performance” da linha. foi desenvolvido especificamente para crossovers e sUVs. Trata-se do primeiro pneu para sUV de alto desempenho, com uma completa filosofia verde, garantindo segurança, bemestar, menos ruído e economia de combustível. Scorpion Zero ASimmetrico Produzido com técnicas avançadas, esse pneu garante estabilidade superior em curvas, manobras em pisos secos e molhados, alta aderência nas frenagens, além de aumentar as margens de segurança e de conforto ao dirigir. O pneu foi premiado pelas melhores publicações do segmento e combina boa aderência e desgaste uniforme da banda de rodagem. 136

[Mitrevista] junho 2014

Ideal para os sUVs mais prestigiosos da categoria. Scorpion Atr O desenho da banda de rodagem oferece uma grande capacidade de autolimpeza, o que facilita a condução em terrenos exigentes e ajuda a resistir aos choques em terrenos acidentados. Oferece frenagem e segurança nas curvas e caracteriza-se pelo uso misto (on e off-road). garante grande resistência à aquaplanagem e conforto ao dirigir em razão do baixo nível de ruído. Scorpion mtr Pneu projetado para veículos off-road, com alta resistência a impactos laterais. É perfeito para quem aprecia o estilo e não deixa de percorrer longos trechos de asfalto. Possui banda de rodagem e flanco com padrão estético

diferenciado, que propiciam excelentes níveis de tração em terrenos acidentados e capacidade de autolimpeza. Scorpion mud Pensado para praticantes do esporte off-road, tem excelente tração e controle nos terrenos mais difíceis, além de ótima resistência a impactos. O desenho da banda de rodagem proporciona capacidade de autolimpeza para manter a tração. O pneu possui ainda uma camada sobressalente de borracha em seu talão que evita a penetração de impurezas e diminui o risco de o pneu sair da roda durante manobras mais complexas.


foTos: dIvulgação


138

MIT ParcerIas

W.Truffi está de casa nova

EMPrEsA AMPlIOU sEU EsPAçO EM 50% E É UMA BlINdAdOrA rEcOMENdAdA PElA MArcA dOs Três dIAMANTEs

A

W.Truffi é parceira da Mitsubishi desde sua fundação, há 13 anos. sempre atenta ao consumidor exigente da marca, a blindadora preza pelos melhores produtos e pelo exímio atendimento ao cliente. O resultado dessa união, cada vez mais crescente, é a confiança depositada na empresa para cuidar da segurança dos clientes MIT. Para atender a demanda de carros da Mitsubishi, a W.Truffi investiu em novas instalações, mais amplas e modernas. A nova planta fica em um terreno de 15 mil metros, com uma fábrica bem estruturada e com funcionários altamente capacitados. A ampliação garantirá ainda mais qualidade ao processo de blinda138

[Mitrevista] junho 2014

gem. “Temos oito linhas de produção ativas e aumentamos em 50% nossa produção. Todo o ambiente atende aos mais rígidos padrões de qualidade, como o IsO 9001:2008 que a empresa possui desde 2007”, diz Walter Truffi Neto, diretor da empresa. A blindadora tem ainda o certificado internacional Verseidag Indutex, que a capacita na execução de blindagens Nível III, ca[az de oferecer proteção até contra fuzis. Além disso, a W.Truffi é associada à Abrablin (Associação Brasileira de Blindagem) e trabalha somente com materiais autorizados pelo Exército brasileiro. O investimento em novas tecnologias de blindagem é uma constante na W.Truffi. Todas as peças da parte opaca dos carros


dIvulgação

são desenhadas em computador e seu processo de corte é totalmente automatizado, garantindo uma blindagem segura e precisa. “O trabalho é complexo e minucioso. É feita a montagem e desmontagem completa e perfeita do carro, até que as partes estejam 100% protegidas. Estamos sempre de olho em todas as tendências do setor para garantir qualidade”, ressalta Truffi Neto.

confiança, tecnologia e segurança. Truffi Neto garante que esses são os quesitos principais para manter a parceria com a Mitsubishi. “O cliente da marca dos três diamantes pode confiar sempre que terá o melhor da blindagem em seus carros e garantia em segurança automotiva”, conclui o diretor. www.truffi.com.br

mitSubiShi motorSportS e W.truffi desde 2002, a W.truffi patrocina o mitsubishi motorsports porque o esporte também faz parte da sua essência. A empresa acredita que é uma oportunidade de estar mais próxima do seu público, afinal, os clientes mit confiam seus carros e sua segurança em nossas mãos.

[Mitrevista] junho 2014

139


Para a Custom Editora, os conceitos de Custom Publishing e Branded Content vão muito além do papel impresso. Sim, é verdade que nosso portfólio tem títulos reconhecidos e premiados, como a MIT Revista (a revista de luxo de maior tiragem auditada pelo IVC), a The President (publicação que chega aos principais presidentes e CEOs do Brasil), a Revista Telhanorte (que une conteúdo diferenciado e ofertas), a Prestígio Metrópole (novíssima revista de estilo de vida) e a revista mmartan Home (que traz o melhor em cama, mesa & banho). Mas também

mantemos a missão de expandir horizontes e quebrar paradigmas no mercado editorial. Por isso, também produzimos o Designbook, a revista digital da Tok&Stok, disponível para tablets com riquíssimo conteúdo interativo. No ramo de Branded Content, atuamos em projetos especiais da Avon. Se você quer uma editora que vai muito além do papel, procure-nos.

CUSTOM EDITORA MUITO AlÉM DO PAPEl


Revistas e Catálogos MIT (Mitsubishi Motors) Living Alone Samsung View mmartan Home Prestígio Metrópole Telhanorte The President Digital Designbook (Tok&Stok) Living Alone MIT Revista Telhanorte Branded Content Avon RNN Sports r e v i s tA v o c ê

f e l i z

é

o

N o s s o

f o r t e

edição

05 - outu

mAriAN A weicke rt

das pass o conf arel as para orto do lar

especiAl

bANheir os

tudo o que vo saber pa cê ra refo precisa rmar

seco s em cheire o

como re o prob solver le umidade ma da

piA certA

escolh a o form a cor, ato, o mate rial...

V_3TELHA_

ED05.indd

1

outubr

o 2013

telhano

rte

9/25/13

www.customeditora.com.br Av Nove de Julho 5593 9º andar São Paulo SP tel +55 11 3708 9702 atendimentoaoleitor@customeditora.com.br

1

6:57 PM

bro 2013


142

Black Ballon

MIT ParcerIas

A era da personalização TENdêNcIA crEscENTE EM dIVErsOs sEgMENTOs, PErsONAlIzAr POssIBIlITA AO cONsUMIdOr sE sENTIr úNIcO E EsPEcIAl

A

tão propalada globalização, que antes parecia tão distante, hoje está presente intensamente no nosso dia a dia. E já deu mostras de que veio para ficar. Junto com ela, outra tendência crescente no nosso cotidiano é a personalização – reflexo do desejo interior das pessoas que buscam ser diferentes da maioria e, por meio de suas escolhas, manifestam essa diversidade. Nessa imensidão, não querem ser apenas mais um. Aspiram por algo que as diferencie, as identifique e as torne únicas e especiais. No vestuário e na moda, por exemplo, não querem apenas se vestir bem, elas querem ser diferentes, querem individualidade, querem ser autênticas. duas pessoas podem vestir a mesma roupa, mas ficarão diferentes de acordo com os acessórios selecionados, revelando o seu estilo. No mercado automotivo, sempre na vanguarda das tendências, a personalização está cada vez mais presente. Afinal, o carro é a extensão da personalidade de seu proprietário. Nele ele se diferencia e coloca o seu estilo de vida, a sua marca pessoal. Ou seja, cada carro tem seu dono e cada dono tem seu carro. 142

[Mitrevista] junho 2014

Atenta a isso, a Keko oferece uma linha completa de acessórios originais que permitem ao consumidor mostrar a sua “cara”. Os itens de personalização são uma possibilidade real de diversificação e multiplicidade de opções. E mais: com bom gosto, sutileza e inovação, agregam valor ao veículo, de acordo com o estilo de cada consumidor. Os produtos Keko trazem diferenciais e são segmentados em linhas que se identificam com a personalidade de cada perfil de consumidor. Por exemplo, acessórios esportivos, sofisticados ou soluções premium. A empresa disponibiliza protetores frontais, que oferecem robustez e imponência à dianteira do veículo; estribos, que trazem proteção e funcionalidade para a lateral; santantônios com design exclusivo; capotas marítimas – entre outros itens de personalização para tornar cada veículo único. Os acessórios originais Mitsubishi estão disponíveis em todas as concessionárias do Brasil. www.keko.com.br


DM9

Já escolheu o seu Mitsubishi? O Itaú tem o crédito certo para você realizar essa conquista.

Itaú Financiamento de Veículos. O crédito mais rápido e consciente do mercado. Com o Itaú, você tem a resposta da análise de crédito em segundos para sair da concessionária com o seu Mitsubishi novo, inclusive nos fins de semana. E você ainda pode contar com a comodidade dos serviços pela internet para facilitar sua vida. Saiba mais em: itau.com.br/veiculos

Itaú. Feito para você.


MIT Revista 54  

Toda aventura e adrenalina da MIT Revista onde você quiser. Eleita a melhor revista de luxo do Brasil, ela tem a maior tiragem do setor: 100...

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you