Issuu on Google+

Anรกlise

GOOGLE x FACEBOOK


Índice

Introdução......................................................................03 Analises dos gráficos: Mídias sociais.............................04 Amostragens...................................................................05 Analises dos gráficos: Mídias Online..............................06 Método de pesquisa........................................................08 Ficha Técnica do Estudo.................................................09

2


GOOGLE x FACEBOOK Quando falamos em Google e Facebook, não estamos falando só dos dois maiores destinos da web, como também de duas mega-corporações que parecem, por enquanto, estar longe do limite de suas ambições. No mês de agosto de 2010, ambos, com seus domínios e sub-domínios, corresponderam a cerca de 20% do tempo total destinado ao acesso à internet nos Estados Unidos. Ou seja, de cada 5 horas que os usuários americanos passaram navegando, pelo menos uma delas foi reservada ao Google ou Facebook. É importante lembrar que os sites nasceram com propostas bem diferentes. O primeiro, Google, nasceu como um projeto em 1996 com o principal objetivo de ser um site de ―Busca - Search‖, prezando por eliminar as distâncias de uma maneira objetiva — ou seja, optou por ser um mecanismo de busca capaz de entregar a informação que o usuário precisa no período mais curto de tempo e com a maior relevância possível. Porém, a partir de 1997, a empresa se aprimorou e agregou vários tipos de serviços à sua marca. Entre grandes negociações, como Gmail, YouTube e AdSense e pequenas aquisições, o Google incorporou mais de 70 serviços nos últimos 10 anos. Já o Facebook, nascido em 2004, se ateve à integração de alunos e ex-alunos universitários com o objetivo de promover encontros e acompanhar a vida social dos usuários. No início da rede, apenas alunos da Harvard entravam mediante a convites. Com o crescimento, em 2006, outras universidades e colégios ganharam permissão para ingressar na rede e no final do mesmo ano, a comunidade abriu as portas para qualquer tipo de usuário. Desde então, a rede cresceu exponencialmente com sua interface baseada em feed de notícias, integrando-se virtualmente com qualquer site na web através do botão ―Like‖ (Curtir). acessado dos EUA (pela primeira vez a rede social A ameaça Facebook à supremacia Google superou o portal Yahoo!). Apesar dos segmentos aparentemente distintos, ambos disputam hoje o topo de acessos na internet, a maior retenção de usuários e, claro, a capacidade de lucrar cada vez mais com as plataformas. Um dado interessante, trazido pelo próprio Google através do seu Analytics, é que o Facebook é o destino mais acessado antes e depois do acesso ao Google. De todos os usuários que deixam o Google.com, cerca de 3.9% vão para o Facebook. Da mesma forma, cerca de 4,3% dos usuários que estavam no Facebook.com saem da rede social com destino ao Google.com. A hegemonia do Google (e seus adjacentes) em acessos permaneceu inabalada por quase uma década. Entretanto, ao que parece, os ventos agora estão muito mais favoráveis para o Facebook do que para o Google. A começar pela recente marca de 500 milhões de usuários, alcançada pelo Facebook em julho desse ano. Amplamente comentada pela imprensa, a conquista coincidiu ainda com dois outros acontecimentos: o lançamento do trailer para o filme que conta a trajetória da marca (―A Rede Social‖, no Brasil) e o firmamento do Facebook como 2º site mais

Todas essas recentes conquistas do Facebook não foram suficientes, e, finalmente, para a preocupação global e real do Google, no mês de agosto de 2010, o Facebook superou pela primeira vez o buscador no número total de acessos do período. Essa batalha colossal é discutida dia a dia nas mídias sociais e alguns usuários mais entusiastas apresentam até um perfil de ―torcedores‖. Em um total de 10 dias de monitoramento (06/09/2010 até 15/09/2010) dentro das mídias sociais Twitter, YouTube, Blogs, Fóruns e Sites de Reclamação, foram registrados mais de 100 mil interações envolvendo as palavras ―Google‖ e ―Facebook‖.

3


O gráfico abaixo mostra dados de participação, referentes ao buzz causado nas mídias sociais por essas duas gigantes da web: Interações por palavra-chave – Plataforma postX

Mídias Sociais (Posts)

Reclamações (0,10%) Fórum (0,42%) Blog (9,48%)

Palavras-Chaves (Posts)

Twitter (20,52%)

Facebook (40,53%)

Youtube (69,74%)

Google (59,47%)

Outra manifestação apurada é a da recorrência da tag ―google‖ usada de forma indevida. Alguns usuários relacionam essa tag e outras aos seus vídeos na esperança de atrair mais visibilidade ao conteúdo.

O Google ainda apresenta um peso maior de citações, tanto em posts quanto em comentários, devido à extensão da marca pela web. Como é de praxe dizer, ―tudo está no Google‖. Consequentemente, todos falam do Google. Palavras-Chaves (Comentários)

No que se refere aos comentários, os blogs possuem maior volume de interações, seguidos por fóruns e só então o YouTube. Mídias Sociais (Comentários)

Reclamações (0,01%) Youtube (12,49%)

Facebook (30,13%)

Fórum (34,30%) Blog (53,20%)

Google (69,87%)

Interações por mídia social – plataforma PostX Neste panorama por mídia social, as duas palavras tiveram maior representação no YouTube. Isso porque grande parte dos usuários que postam vídeos no YouTube aproveitam o espaço de descrição para divulgar seus contatos e em especial as páginas do Facebook.

Em uma avaliação qualitativa por amostragem, percebemos o Google mais benquisto pelos usuários do que o Facebook. A quantidade majoritária de interações neutras para ambas as marcas ocorre devido a citações triviais, notícias imparciais e comentários superficiais.

4


Tonalidade pela palavra-chave Google – plataforma PostX

Categorização por palavra-chave Google – plataforma PostX Relato de Uso (0,18%) Piada (16,49%) Notícia (21,38%) Elogio (0,72%)

Negativo (7,80%)

Crítica (1,81%)

Positivo (19,00%)

Comparação (3,26%)

Neutro (73,20%)

Citação (16,76%) Buscador (15,40%) Aplicativos / Serviços (19,57%) Android (4,53%) 0,00%

Tonalidade pela plataforma PostX

palavra-chave

Facebook

Negativo (11,00%) Positivo (11,80%) Neutro (77,20%)

Este índice menor de positividade do Facebook em relação ao Google, deve-se também a resistência dos usuários brasileiros perante o Facebook, que ainda é grande. Muitos relatos apontam a falta de intimidade com a ferramenta e a dificuldade para entender como a rede social funciona. Alguns twitteiros reclamam ―deveria ter um curso no Senai para aprender a mexer no Facebook, né não?‖, ―Dúvida cruel O que será mais difícil: emular PlayStation 2 no meu note ou aprender a usar o Facebook????” e demoram até se adaptar ―Aderindo a mais uma rede social: Facebook... to entendo nadica de nada!! Auhsuhaushuhauhsha”

5,00%

10,00%

15,00%

20,00%

25,00%

Depois do fracasso do incompreendido Google Wave, o Google ataca, entre realizações e suposições, por várias frentes. Entre as últimas tacadas estão a possibilidade de se fazer chamadas telefônicas através do Gmail (serviço disponível apenas nos EUA por enquanto) e o Google Instant. Este, em especial, tem despertado a atenção da imprensa e sido tratado como ―revolucionário‖. Trata-se de uma ferramenta que mostra os resultados de busca em tempo real, ou seja, enquanto o usuário vai completando sua palavra ou sentença, o Google já aponta e oferece possíveis resultados para o usuário. Durante o período monitorado a maioria das interações foi referente a estas novidades, disseminando as notícias e opiniões sobre elas. No recorte, também foi percebida a alta incidência de discussões sobre todos os aplicativos e serviços do Google. As interações se referindo diretamente ao buscador ficaram apenas como a 5ª categoria com mais resultados no total da avaliação. Outro exemplo de sucesso da empresa é o sistema operacional Android, citado devido ao seu crescimento no mercado de celulares e por sua boa aceitação junto ao público

Mas há também alguns que já vêm cedendo a ferramenta ―To jogando poker no #Facebook. Só pra isso ele serve” e encorajando outras pessoas ―Você já tem um #FaceBook? não!? então faça um, você realmente vai curti! ;P‖.

5


Categorização por plataforma PostX

palavra-chave

Facebook–

Relato de Uso (22,72%) Piada (4,27%)

Notícia (17,28%) Elogio (0,39%) Divulgação (17,86%) Crítica (1,94%) Comparação (6,21%) Citação (20,97%) Aplicativos / Serviços (7,18%)

Notícias por palavra-chave – plataforma Clipping Express

A Rede Social (1,17%) 0,00%

de 20 milhões de usuários). Percebendo a importância da Zynga, Mark Zukerberg, criador do Facebook, já tinha firmado um acordo entre a rede social e sua principal desenvolvedora. A aliança foi formalizada em maio desse ano e pressupõe-se uma parceria bilateral de 5 anos, com o propósito de gerar lucros para ambos os lados. No meio das negociações, quem sai ganhando é a própria Zynga.Abaixo identificamos alguns dos partidos que utilizam as redes sociais para fazer suas campanhas.

5,00%

10,00%

15,00%

20,00%

25,00%

De maneira semelhante ao Google, o Facebook também teve grande número de postagens comentando sobre notícias da ferramenta, principalmente sobre sua conquista da primazia de acessos. Ainda assim, o que mais se fala é sobre relatos de uso e descoberta da rede social, até porque o Facebook está em forte expansão no Brasil. O volume de interações envolvendo a divulgação da rede também teve grande reflexo nesta análise. Muitas empresas e usuários que estão iniciando seus perfis no Facebook aproveitam as outras mídias sociais para divulgar seus perfis e páginas. As comparações com o Orkut são inevitáveis e dividem muitas opiniões e às vezes esbarram no conservadorismo do usuário brasileiro: ―O #Facebook é a prova de que redes sociais emergem pelo marketing, e não por sua qualidade e usabilidade.” relata um usuário mais crítico enquanto outro defende a mais tradicional das redes sociais em nosso país, o Orkut: “Engraçado, o facebook é a rede social mais popular do mundo, mas no Brasil parece que só existe o Orkut”.

Esse embate entre as duas corporações veio ganhando destaque na imprensa na medida em que o Facebook foi ampliando seus domínios e se tornando a referência consolidada no mundo quando se fala em redes sociais. Hoje, temos um volume enorme e diário de notícias envolvendo o tema, com uma vantagem numérica mediana do Google perante o Facebook: Notícias de Google vs Facebook 3500 3000 2500 2000 1500 1000 500 0

Facebook (2.640)

Google (3.312)

Dentre o que se comentou pela grande imprensa durante o período de 06/09 até 15/09, salientou-se a multa que o Google sofreu (mais precisamente o YouTube) devido ao vídeo do candidato Netinho. Outro fato de grande repercussão foi a criação do Google Instant, funcionalidade que foi encarada como um serviço de vanguarda.

Os usuários também falaram bastante sobre os aplicativos presentes no Facebook, responsáveis por um importante contingente de tráfego na comunidade. Recentemente, o Google investiu 100 milhões de dólares na Zynga, companhia responsável pelos títulos mais populares das redes sociais, como Farmville (mais de 60 milhões de usuários) e Mafia Wars (mais 6


Notícias por classificação de veículo – plataforma Clipping Express 2000 1800

O Sudeste, sede da maior quantidade de veículos de imprensa, foi responsável pelo maior volume de notícias. O Centro-Oeste, em especial o Distrito Federal, teve uma grande quantidade de conteúdo relacionado ao Google Analytics.

1600 1400 1200 1000

Tonalidade por total de notícias avaliadas – plataforma Clipping Express

800 600 400 200

Agência de Notícias

Blog

Especializado

Grande Imprensa

Online

Google

Facebook

Google

Facebook

Google

Facebook

Google

Facebook

Google

Facebook

Google

Facebook

0

Regional

Assim como nas mídias sociais, a marca Facebook circula amplamente nas mídias tradicionais. As assessorias de imprensa aproveitam a entrada de produtos e marcas na rede social para divulgar perfis e fan pages nos veículos. Nas mídias on line e blogs, a bola da vez certamente são as redes sociais, tendo em alta o Facebook, com seus desdobramentos e avanços. O Google tem um número total de notícias bem maior que o Facebook nas publicações regionais, devido a informação de que o Google Earth irá permitir o acompanhamento do apuramento das eleições em tempo real foi amplamente difundida, nesta época de pleito eleitoral Notícias por palavras-chave por região – plataforma Clipping Express

Negativo (18)

Neutra (337)

Positiva (45)

0

100

200

300

400

A imparcialidade da imprensa imperou no recorte de notícias avaliadas, por isso a grande quantidade de notícias com tonalidade neutra. Entre as negativas, está a notícia de que o Google demitiu um funcionário acusado de acessar contas de menores. A imprensa alertou para a falta de segurança dos dados que disponibilizamos na rede. De repercussão positiva, houve a informação sobre Mark Zuckerberg, responsável pelo Facebook, ter sido considerado a pessoa mais influente do mundo pela Vanity Fair.

1800 1600 1400 1200 1000 800 600 400 200

Origem Centro-Oeste Desconhecida

Nordeste

Norte

Sudeste

Google

Facebook

Google

Facebook

Google

Facebook

Google

Facebook

Google

Facebook

Google

Facebook

0

Sul

7


Conclusão A disputa promete ficar ainda mais dinâmica com o que está por vir. De um lado, o Facebook ganhará muito em marketing com a chegada do filme ―A Rede Social‖ aos cinemas. Do outro, o Google prepara-se para uma luta corpo-a-corpo com o lançamento do Google Me, plataforma até então misteriosa, pois, segundo o CEO Eric Schmidt, não será exatamente uma rede social. Percebe-se que há uma espécie de convergência em torno das marcas: usuários afirmam que cada vez mais praticam buscas dentro do Facebook para conseguir informações sobre os mais variados assuntos. Ou seja, a rede social tem virado, também, um buscador. Em contrapartida, o Google continua usando a mesma tática responsável pelo seu sucesso — pesquisar e comprar empresas de grande potencial. Já que o Orkut ―vingou‖ apenas aqui no Brasil, a empresa comprou um arsenal de pequenas empresas responsáveis por redes sociais variadas. Ao que tudo indica, elas devem colaborar para a formação e integração do novo Google Me. No entanto, o Facebook tem muito ainda a aprender com o Google, principalmente no quesito diversidade. O Facebook ainda atua em um microcosmo, procurando atrair e concentrar tudo dentro dele, a partir de aplicativos e funcionalidades. Já o Google se expande pelo macrocosmo da internet, com serviços que vão desde mapas e tradutores, até softwares e sistema operacional para celulares. Isso rende um domínio único até o momento para a empresa. Como exemplo, 10% dos acessos totais do Google são frutos do Gmail, enquanto o YouTube já é o 3º site mais acessado do mundo — com projeções de crescer ainda mais agora, devido a aquisição da QuickSee, uma empresa especializada em transmissão de vídeos ao vivo.

Facebook deve ultrapassar (se é que isso acontecerá) o Orkut por aqui? Metodologia de Pesquisa As mídias sociais representam uma área movimentada para qualquer debate, principalmente no mundo tecnológico. Para analisar o buzz gerado pelo consumidor, realizamos um monitoramento de dez dias nas mídias sociais envolvendo as palavras-chave de referência. Utilizando a plataforma postX como ferramenta de rastreamento, conseguimos uma cobertura do Twitter, Orkut, YouTube, Blogs, Fóruns e Sites de Reclamação – Reclame Aqui, Reclamão e Reclamando. As mídias online foram utilizadas para mensurar a representatividade do tema analisando perante quase 4000 veículos de comunicação monitorados, através das plataformas Clipping Retroativo e Clipping Express. As plataformas permitiram embasar o conteúdo apresentado como cenário atual sobre o tema e mensurar seu reflexo quantitativo nas mídias online por palavras-chave e por região. Os dados colhidos para esta análise de apresentação são principalmente quantitativos, revelando em números o quanto as palavras-chave tiveram repercussão nas mídias sociais e mídias online. Os dados qualitativos, permitiram a avaliação de uma amostragem de 500 interações, apresentando a tonalidade das citações como positivas, neutras ou negativas e sua categorização conforme os assuntos relacionados a cada interação, visto que as plataformas possibilitam sob vários aspectos e diversos gráficos avaliações quantitativas, qualitativas e categorizadas sobre toda a captura abrangida.

O crescimento do Facebook no Brasil apresenta-se de maneira exponencial, com percentagem superior a 500% nos últimos 12 meses, fato que levou os executivos da marca avaliarem a abertura de uma sede aqui no Brasil. Considerando que o Facebook tem, aproximadamente, apenas 15% dos usuários do Orkut no Brasil, a pergunta que fica é: em quanto tempo o 8


Ficha Técnica de Pesquisa PostX Período monitorado: 06/09 a 15/09 de 2010. Total de interações: 14458 posts e 127252 comentários. Interações por palavra-chave Google: 8613 posts e 88304 comentários. Facebook: 5845 posts e 38948 comentários. Interações por mídia social Twitter: 2967 posts. YouTube: 10044 posts + 15854 comentários. Blogs: 1372 posts + 67668 comentários. Fórum: 61 posts + 43617 comentários. Reclamações: 14 posts + 113 comentários. Amostra avaliada e categorizada: 1000. (500 por palavra-chave). Clipping Express Período monitorado: 06/09 a 15/09 de 2010. Total de notícias: 5952. Notícias por palavra-chave: Google: 3312. Facebook: 2640. Notícias por região: Origem Desconhecida:633 Sul: 475 Sudeste: 2688 Norte:31 Nordeste: 561 Centro-Oeste: 1564 4.499

9


Essa anĂĄlise foi desenvolvida pela MITI InteligĂŞncia, Acesse nosso site: miti.com.br Siga-nos no Twitter: twitter.com/fontemiti 10


ANÁLISE: GOOGLE X FACEBOOK