Issuu on Google+

Ă frica 2020

www.missaoamigosdaafrica.com.br E-mail: missaoamigosdaafrica.com.br


Os campos estão brancos!

O

texto de João 4.35, traz a frase celebre do contexto missionário, Jesus esboçou todo seu sentimento quanto ao maior projeto de Deus, o qual chamamos de obra missionária. Sentimento latente no coração de Deus desde a eternidade e transmitido por Jesus a sua igreja, de quem se espera que faça simplesmente o que seu Senhor fez, tornar a obra missionária como prioridade na vida. Para ver os campos brancos não é necessário muito esforço, pois em dois mil anos de história cristã, o mundo atinge a marca de sete bilhões de pessoas, entretanto um terço desses campos ainda não conhecem Jesus e pior, nunca ouviram falar da salvação nEle. África, Ásia e partes da Europa ainda vivem nos ostracismo, distante de qualquer esperança de salvação. Campos brancos nos leva a rever nossos objetivos, nossas metas, nossos sonhos, Jesus disse: levantai os vossos olhos e vede os campos, é como se a visão dos discípulos estivesse desfocada, e estavam, assim como nós hoje. Jesus continua dizendo os campos estão brancos, é hora de colher, levantem, façam alguma coisa, ao menos vejam os campos, não o ignorem. É nessa visão que nasceu a AMAA, apaixonada por

almas, famintos por fazer o que Jesus disse, colher alguns fachos do trigo africano. A África possui 53 países reconhecidos pela ONU, porém 12 destes fazem parte do grupo dos inalcançados, chamados de Janela 10/40, onde milhões de pessoas nunca ouviram de Jesus e também seus países não dão a liberdade para que ouçam, é realmente um cinturão de resistência. Chamados por Deus, a AMAA planeja investir nos países da Janela 10/40 começando pela África e assim em outros países, entretanto, projetamos um sonho que nas páginas seguintes você verá detalhado, o que chamamos de África 2020, em nove anos esperamos alcançar nove países com o evangelho, dar suporte a igrejas existentes, promover treinamento em líderes e gerar investimentos estruturais, promover a libertação de mentes apriosionadas pela miséria e a pobreza de alma. Pois muito mais que apenas manter missionário é perceber que os campos continuam brancos, então a perspectiva de missionária é de que com ações planejadas e consistentes, daqui a dez anos teremos ao menos algumas pessoas com o sonho de ver uma África livre da opressão do maligno e

Janeiro 2012 | Amigos da África | 3


A

Associação Missionária Amigos da África nasceu através de uma visão de Deus no coração de dois homens, em épocas e lugares diferentes, que após se conhecerem e partilharem a visão decidiram compartilhar a outros amigos e pastores, esses cheios de Deus entenderam a visão e se uniram em um só propósito, fazer missões na Janela 10/40 a começar pela África. A Amaa é portanto uma organização missionária de caráter privado que busca essencialmente obedecer o ide de Jesus aos lugares remotos da África. Essa organização é formada por empresários, pastores, leigos, profissionais liberais, igrejas e muitas outros voluntários. Inicialmente projetamos uma base missionária na cidade de Bamako, no Mali, oeste africano onde Pr Paulo Locatelli, ligado a missão Heróis de Deus (Campo Bom - RS) vem desenvolvendo um excelente trabalho junto a igreja nacional, esta parceria visa fomentar a ação missionária já empreendida pelos pastores africanos no sentido de sustentar tais obreiros, entretanto esse projeto ora apresentado tem a ideia de difundir o planejamento para os próximos 9 anos, em uma ação conjunta de ações e práticas. Como voluntários da Amaa cônscios da responsabilidade que nos é proposta, do desafio 4 | Amigos da África | Janeiro 2012

gigantesco, mas nos propomos de, aos poucos, a medida de Deus avançarmos de país a país. Hoje a Amaa possui 18 igrejas parceiras, dezenas de pessoas que adotaram missionários de forma voluntaria, porém sonhamos com um trabalho de maior abrangência missionária, não somente no sustento de missionários, o que já é muito bom, mas a necessidade de ações de desenvolvimento cultural é gritante e a Amaa entende que o Brasil pode contribuir um pouco mais para o avanço do crescimento do evangelho bem como o progresso social dos países africanos. Uma vez que, sem dúvida, somos devedores a esse continente não somente por sermos um dos países que mais abrigou escravos oriundo da África, mas também pelo de nossa nação ter sido alcançada por missionários europeus e americanos. A herança que carregamos em nossa memória deve nos remeter a assumirmos nossa parcela de responsabilidade na evangelização mundial, uma vez que fomos feitos uma plantação que hoje frutificou e se tornou potência evangélica, que por conta disso, o Senhor Deus nos faz crescer a cada dia levando-nos a se tornar uma potência também na economia, de forma que espera

que seu investimento em nós nos promova a fazer o mesmo por outras nações, isto nada mais é do que a lei da semeadura em constante prática. A Amaa, enquanto organização missionária quer engajar-se na militância cristão de uma conscientização missionária, ajudando a igreja brasileira entender sua chamada, mas, fazendo também sua parte como agente transformador do mundo. O projeto África 2020, apresentado aqui é a súmula de um sonho, que se transforma em projeto que a cada ano possamos seguir o planejamento pois de forma alguma podemos correr o risco de sermos achados em falta, na ineficácia de nossas ações diante das grandes portas abertas pelo Senhor da Seara. Portas essas que começaram no Mali, mas por certo se abrirá a dezenas de outras nações que compõe o desafio Janela 10/40. Longe de nós sermos pretensiosos em acharmos que podemos fazer mais que os outros, ou que faremos melhor, entretanto nos propomos em fazer apenas a nossa parte, mas com excelência e sempre prontos e recebermos toda ajuda possível, seja ela de financeira, social, pessoal ou mesmo orientações pois entendemos que juntos faremos muito mais. Amigos da África Barracão - PR - Brasil


Um País sem sonhos "Eu Tenho Um Sonho" é o nome popular dado ao histórico discurso público feito pelo ativista político estadunidense Dr. Martin Luther King, Jr., no qual falava da necessidade de união e coexistência harmoniosa entre negros e brancos no futuro. O discurso, realizado no dia 28 de agosto de 1963 nos degraus do Lincoln Memorial em Washington, D.C. como parte da Marcha de Washington por Empregos e Liberdade, foi um momento decisivo na história do Movimento Americano pelos Direitos Civis. Feito em frente a uma platéia de mais de duzentas mil pessoas que apoiavam a causa, o discurso é considerado um dos maiores na história e foi eleito o melhor discurso estadunidense do século XX numa pesquisa feita no ano de 1999. De acordo com o congressista John Lewis, que também fez um discurso naquele mesmo dia como o presidente do Comitê Estudantil da Não-Violência, "o Dr. King tinha o poder, a habilidade e a capacidade de transformar aqueles degraus no Lincoln Memorial em um púlpito moderno. Falando do jeito que fez, ele conseguiu educar, inspirar e informar não apenas as pessoas que ali estavam, mas também pessoas em todo os EUA e outras gerações que nem sequer haviam nascido." “Eu tenho um sonho”, essas palavras acaloradas de amor ao próximo e uma paixão missionária incendiaram 200.000 pessoas a desejarem a paz entre negros e brancos. No Mali, oeste africano, uma nação com treze milhões

de habitantes divididos em duas classes sociais: pobres na (linha da miséria) que vivem as margens de uma vida digna, sem casas, sem comida, roupas, emprego, saúde, escola, sem sonhos... Ao contrário da pequeníssima minoria considerada rica. Afinal sonhar com o que? Que futuro pode imaginar ter um jovem africano no Mali? A terra das oportunidades não chegou ao campo de sua visão. O futuro de sucesso esta tão distante quanto o sol da lua, sonhar com o que, se eles vivem um dia de cada vez, comem uma refeição de cada vez. Isto é, a esmagadora maioria não possui perspectiva de vida nem ao menos para o dia seguinte. Não há diferença entre os dias, exceto a sexta feira, dia de oração nas mesquitas. Nos outros dias a vida é igual, tentando vencer mais algumas horas e não mais alguns dias. A maioria consegue comprar o alimento que comerá em sua próxima refeição sem saber se o poderá fazê-lo no final do dia. Milhões não possuem uma perspectiva alimentar nem mesmo de seus próprios filhos. Sendo assim sonhar com o que? Sonhar com uma terra próspera e abençoada, quando a chuva é escassa? Sonhar com um país cheio de indústrias quando sua liderança não permite nem que suas riquezas naturais sejam exploradas, sonhar com o que? Faculdade, profissão, reconhecimento, casa própria, dignidade? Talvez isso seja fácil para nós brasileiros que, mesmo

vivendo em um país abençoadíssimo por Deus não conseguimos ver o futuro que nos aguarda. Mas paz os africanos do Mali sonhos não fazem parte de seus vocabulários. Afinal de contas suas vidas são marcadas pelo desprezo, sofrimento e a exploração em todos os níveis.

Uma terra sem sonhos é uma terra sem futuro Sonhos fazem parte da construção de um projeto de vida. Um projeto de vida é a antevisão do futuro. Como poderão essas nações africanas que preenchem a janela retangular do oeste ao nordeste ter uma atitude de mudança rumo ao futuro, se não conseguem sonhar com ele, nem mesmo vislumbrálo ao longe. Você quer discordar disso, pergunte o que sente um pai, entre milhares, que perdeu filhos e filhas ainda crianças morrendo de fome. Pergunte o que sente uma mãe que vê seu filho nascer, o amamenta e percebe aos poucos que a vida o vai deixando porque não há mais leite em seu seio e nem comida em sua mesa. Que futuro


essa família consegue ver, que sonhos eles conseguem gerar? Quem consegue sonhar com um futuro brilhante se o máximo que consegue ver é a esperança de plantar um pouco de grãos em uma terra sequíssima que sente o cheiro das águas uma vez ao ano, quando vem, e somente assim consegue colher um pouco de grãos que os alimentara durante pouco tempo. Como pensar e sonhar com o futuro se não há escolas para seus filhos e nem saúde para seus corpos. Suas casas feitas de barro os acolhem durante as noites e tempos de chuva, sem luxo, sem conforto, sem as mínimas condições de saneamento os faz lembrar diariamente do desafio de viver em uma terra sem sonhos. Água, o bem mais precioso da vida, no Mali é preciosíssimo, vale mais que reinos inteiros. Embora cortado pelo Rio Níger sua gente pouco usufrui dessa riqueza, pois não há como trazer essa água aos lugares áridos e secos. Resta a esses africanos sofridos, cavarem seus pequenos poços e encontrar uma água lamacenta, com as quais saciam sua sede e os anima a viver mais um pouco. Banhado de sol e areia, Bamako, a capital no sul do Mali abriga quase dois milhões de africanos que disputam um grão de arroz e uma fatia de pão em meio as vielas poeirentas e de esgoto a céu aberto. Nesse lugar é um misto de necessidade com desengano, milhares de pessoas vivem, trabalham, lutam e se esforçam porém, não se vê uma iniciativa empreendedora nem ao menos em suas casas, vivem como que aprisionados ao sistema de vida ditado pelo tempo de sofrimento. É como se as pessoas vivessem sem expectativas, incapaz de acreditar em algo maior do que sua realidade nua e crua. Movidos pelo sentimento de revolta, o africano ao mesmo tempo em que é altamente agradecido e amável, carismático e amoroso são desconfiados, explosivos e indiferentes com eles mesmos. De tanto sofrer o

abuso mercantilista e escravizador do mundo dos brancos, pois desde que a África foi povoada seu povo sofre com a exploração de suas riquezas e mão de obra escrava. Raras são as famílias que não possuem uma história triste para contar, seja em função da guerra civil ou na luta para não serem massacrados por suas terras. Isso fez de um continente um submundo aos olhos do resto do globo, pois lá está, a região mais pobre do mundo, o maior índice de mortalidade infantil, o maior número de pessoas sem as mínimas condições de sobrevivência, o maior abandono da sociedade internacional. Quando falamos de evangelho, falamos de uma terra virgem, inexplorada, inalcançada. Milhões debaixo do engano, da escravidão de Satanás, dominados pelo medo, pelo ódio, pela decepção e pela religião que lá (refiro-me aos países da janela 10/40) é opressora ao invés de libertadora. Sem contar os muitos nichos animistas, satânicos que são massivos e poderosos. Portanto a África, como um todo, vive as margens de uma vida digna de filhos do Reino de Deus, porém, especificamente nos dezessete países africanos que compõe a janela 10/40 Benin, Argélia, Burkina, Cabo Verde, Chade, Djibuti, Etiópia, Gâmbia, Guiné, Guiné-Bissau, Mali, Níger, Senegal. Líbia, Marrocos, Mauritânia, Sudão, Tunísia, o evangelho não alcançou liberdade, sua propagação é tímida e ameaçada, constantes ataques muçulmanos radicais geram milhares de vítimas. Estamos falando de 373 milhões de almas sem Jesus, somente na faixa da janela não contando os outros 600 milhões dos países abaixo da linha do Equador. É por essa razão que todo trabalho focado na África é ainda pouco, há muito que fazer para contarmos com tão pouca iniciativa.

Os vossos jovens terão visões e vossos velhos sonharão sonhos Para jovens ter visões não é muito

difícil, mas para velhos sonhar é preciso muita coisa acontecer. Como podemos dizer aos anciãos africanos que eles devem sonhar e acreditar em uma África livre, não apenas politicamente, mas de alma. Como sugerir a eles que tenham plena paz pois grande é o futuro de suas gerações se tudo que viram até agora foi constante estado de dependência e miserabilidade. Alguém pode ate arriscar e dizer, mas a ONU envia comida, a America e outros ajudam! Até parece piada, os milhares de contêineres de comida e roupas enviados pelos cidadãos do mundo, cheios de compaixão, raramente chega a quem de fato precisa. Mas milhares de armas cruzam as fronteiras e armam crianças, mulheres e homem que morre por não por um ideal, pois a única coisa que lhes resta é matar e morrer por algo que ao menos lhe de comida. A indústria bélica do mundo poderia reduzir a zero a situação da pobreza na África. A indústria da corrupção poderia construir um continente de oportunidades a milhões de africanos que pensam que são livres.

Liberdade Até onde a arqueologia ensina o continente africano vive 10.000 anos de escravidão e nos últimos 60 alcançou a liberdade tão sonhada, anelada por mais de 9.000 anos. As maiorias dos países africanos possuem um pouco mais de 50 anos de independência, entretanto suas vidas ainda estão como escravizadas. Escravizadas pelo sistema, pela corrupção, pela fome, pela insuficiência de recursos, porém, a pior clausura é a de alma. Estão livres politicamente, porém suas almas ainda estão presas à dependência de seus senhores do passado. É perceptível na vida do africano a falta de idéias, perspectivas, espírito empreendedor. Nas pequenas coisas se vê essa dificuldade, gerada pelo sofrimento. Não se vê a iniciativa para colocar uma telha que caiu no lugar certo, nem tão


pouco remover o lixo da frente de sua casa. Não há iniciativa para plantar uma horta, cavar um buraco, buscar alternativas de sobrevivência. Não é que há um imenso peso de preguiça nas pessoas, é que estas viverem milênios sem perspectiva alguma, a menor delas, não há sonhos de vida melhor nem esperança de um futuro brilhante. O mundo subjugou a África, agora o mundo precisa ajudar a tirar esse jugo que não é somente econômico. Existem milhares de jovens que querem estudar, ser alguém, mas não há possibilidades. Primeiro pela negligencia governamental (pois em certos países é bom que a população seja alienada, facilita o ditatorialismo), segundo a insuficiência de recursos somada com incerteza e terceiro a indisposição de tentar fazer diferente. Existem inúmeras oportunidades de negócios, de plantações, de empreendedorismo que se levada aos países africanos revolucionam suas vidas. O africano é o ser humano mais corajoso que conheço, pois desafia a própria vida todos os dias, afinal a maior aventura é tentar viver

mais um dia. São trabalhadores, são esforçados, animados e alegres, porém suas mentes não geram idéias. Não criam oportunidades, não plantam sonhos. Conheci alguns africanos que me surpreenderam. Ao poder comprar 3 quilos de arroz ele fatia esse produto e venda em pequenas porções em uma banca na frente de sua casa, isso porque ele sabe que do lucro daquelas pequenas porções ele terá a porção de sua família, a cada dia. Isso me prova que dentre eles existem aqueles que possuem uma mente disposta a buscar o novo, empreender, recomeçar, inventar, tentar. Nós cristãos brasileiros achamos que tudo que o africano precisa é de nossa ajuda financeira mensal. Esta implícito em nossa cultura. Nossas igrejas dizem, movidas pelo que seus pastores dizem, “precisamos ajudar a áfrica, envie sua oferta para que o missionário tenha comida na mesa”. Mas não é só isso, a África precisa mais do o peixe, eles precisam das varas, das iscas e até do rio. Mas é preciso ir mais além! De que adianta chegar em países

africanos e lhes oferecer ferramentas, máquinas, negócios e varas de pescar, pois eles dirão: “o que podemos fazer com isso?” É necessário um investimento consistente e permanente em três áreas, na infra-estrutura, na espiritual e na educacional. Se quisermos mudar a áfrica teremos que trabalhar em todas as áreas, ainda que isso nos pareça ser um pontinho em meio ao vasto oceano, porem outros fazem e farão como nós, assim em vinte anos poderemos ver ao menos uma região transformada.

Os Investimentos em suas frentes educacionais mudarão a África A criatividade em meio ao caos de alguns homens de Deus é surpreendente. No Mali, encontramos um obreiro que é ajudado pela AMAA, em um lugar chamado Senou, que faz um trabalho maravilhoso usando apenas sua criatividade e empreendedorismo, embora se iguale aos demais africanos no quesito capricho, mas é


África 2020 inquestionável suas idéias. Na paixão por almas em um village completamente muçulmano e impenetrável conseguiu chamar a atenção das pessoas convidando seus filhos a assistirem uma seção de cinema na igreja todas as quartas feiras a tarde. Ele consegue reunir cerca de 150 crianças muçulmanas que ficam como hipnotizadas diante de uma tela de TV de 10 polegadas, monocromática, que a cinco metros mal dá pra ver as imagens, debaixo de um telhado de zinco onde a temperatura atinge seguramente os 47º, ouvem o evangelho através de uma animação. Com energia a base de bateria solar, uma engenhosidade africana, ele consegue transmitir o evangelho. Após o filme vem o louvor e a pregação, na linguagem da criança, com isso, em ganhar filhos ele tem conseguido evangelizar famílias muçulmanas inteiras. Imagine se este homem tem uma TV de 29 polegadas ou um projetor? Este missionário me disse que ele acredita que, ganhar as crianças para Jesus e ensiná-las a viver, quando crescerem não optarão pelo Islã, mas por Jesus. É por encontrarmos pessoas com este perfil que podemos acreditar em um futuro abençoado para o africano, afinal, mudar o mundo só é possível através de pequenas atitudes. Acreditamos que podemos realmente

fazer algo durável na África. Com essa visão a AMAA desenvolveu este projeto, com uma visão de reino gerir propostas de iniciativas missionárias, acompanhadas de uma formação educacional e social que promova a independência financeira daqueles que entenderem o projeto, esses como fazedores de tendas ajudarão a mudar a mente africana, de escrava para líder.

visão, projetos e esperança, esse é nosso papel o nosso sonho que aqui é compartilhado com você.

Este é o grande momento África 2020 Quando Deus usou Moisés para tirar o povo do Egito, os conduziu pelo deserto até Parã, a saber Cades, (Nm. 13.1) de lá enviou os príncipes de suas tribos a espiar a terra prometida. Ao retornar estes disseram que a terra era boa, mas que tinham que enfrentar muitos gigantes, derrubar muitos muros e trabalhar muito. Assim era melhor voltar a ser escravo do que tentar algo novo! Deus tirou o povo do Egito, mas suas mentes ainda estavam cativas, logo, a idéia de Deus é deixá-los vagueando pelo deserto durante 40 anos para que a geração de mente aprisionada morresse e não contaminasse os mais jovens. Liberdade social não significa liberdade de mente. É por essa razão que alguns africanos se destacam entre milhões, suas mentes já são livres, conseguem sonhar, gerar, criar. Precisamos ir à África sim, não apenas levar alimentos e roupas, mas sonhos,

A visão projeto África 2020 se desdobra em três fases expostas de maneira simples, mas estratégica ao longo de oito anos.

1º Fase

Implantação da No momento em análise no Mali, na cidade de Bamako, por sua estabilidade política e acesso prático a outros países, entretanto em análise em função da estrutura física ser cara, por isso projetamos a plantação da base da AMAA para 2012. Esta base abrigará um Missionário brasileiro treinado e movido pela visão da AMAA, que gerenciará toda a estrutura a partir do Mali o qual elegerá ações práticas que são:


Nossas atitudes do presente definem nosso futuro! 1. Identificação e Cadastramento de famílias missionárias sustentadas pelo projeto AMAA. 2. Levantamento de necessidades espirituais e físicas como, máquinas fotográficas, câmeras e computadores. Educação cristã e materiais diversos. Moradia e qualidade de vida. 3. Mapeamento de área geográfica do campo geográfico observando demografia e economia. 4. Desenvolvimento de ações conjuntas no envio de relatórios e informações do campo missionário. 5. Organização do plano de adoção missionária e amparo ministerial. 6. Elaboração de um plano de ação missionária junto a igreja local no desenvolvimento de atividades econômicas na construção de templos e moradias.

2º Fase

Desenvolvimento da Escola de Líderes A partir dessa etapa que começa em 2013, as ações dentro do continente africano começa além da visão primária, o Reino de Deus, a semeadura de ideias em series de conferencias educacionais de reciclagem e aperfeiçoamento, na área bíblica, mas também na formação social. Esse projeto será desenvolvido a partir de um estudo consistente e contínuo da situação econômica da África, na visão de que precisamos gerar espíritos empreendedores nas pessoas e não apenas religioso. Gerar no africano cristão, que possui uma mente transformada por Cristo, um sentimento de fé e coragem de começar algo novo. Ensiná-los a terem atitudes simples mas transformadoras no contexto social, a partir dessas ações:

1. Criar um sistema de estudos de oportunidades em sua própria terra, que tipo de atividade pode ser lucrativa em cada região. Isso é desenvolvido nas escolas de líderes e empreendedores, onde duas vezes ao ano, deixa-se todas as atividades e passa pela reciclagem, retreinamento, tanto com práticas cristãs, como práticas de trabalho. Ensiná-los a gerar renda a partir de uma nova iniciativa; cavar um poço, cultivar uma horta; limpar um quintal; construção civil; Informática e muitas outras coisas. 2. Investir na formação cultural de nossos missionários, para que esses o façam também com suas comunidades. 3. Promover intercambio e viagens de profissionais e empresários à África na ideia de gerar oportunidades de negócios que beneficiem aos africanos a longo prazo. 4. Criar e fomentar uma estrutura de logística que possibilite o treinamento coletivo de nossos missionários, tal como alimentação, ajuda extra, material de crescimento tanto educacional quanto espiritual. 5. Somar parceria com outras missões e organizações sociais na construção de uma base de apoio, como orfanatos, creches e escolas, que já estejam em funcionamento ou criados a partir desse projeto. 6. Promover encontros e eventos de conscientização missionária no Brasil e exterior, como congressos, feiras e eventos em geral.

3º Fase

Treinamento e

Treinamento e envio de missionários livres ou autóctones as outros países da

janela 10/40. O projeto África 2020 busca alcançar um país a cada ano, sendo que no segundo ano sub-sequente a proposta é enviar ou entrar com dois missionários em países fechados como Níger, Chade, Argélia e outros. 1. Implantar a base de treinamento sendo inicial na nação brasileira, oferecendo curso de capacitação missionária a profissionais com chamada divina, conduzindo-os ao serem missionários autóctones. 2. Cadastrar e treinar obreiros com chamada específica na parte de lingüística e teologia prática, mas também treiná-lo como fazedores de tendas após isso envia-lo ao campo iniciando em cada país uma base missionária.

Uma visão do futuro A Missão Amaa entende que se continuarmos apenas dando pão aos famintos africanos, correremos o risco de nosso pão faltar e tudo aquilo que fora feito não tenha mudado ao menso um pouco o seu mundo . Porém cremos que se hoje conseguirmos libertar alguns escravos de mente, conseguiremos também a longo prazo uma África rica e abençoada. O projeto a longo prazo, visualizando suas ações promoverá a transformação social e espiritual em muitas lugares da África assim a missão AMAA terá contribuído não somente com a plantação de igrejas na África, mas também na geração de oportunidades. Acesse nosso site ou nos peça uma visita e ajude-nos a mudar o mundo de alguém, que no futuro com certeza influenciará outros a fezer o mesmo.


O que é a Janela 10/40 Janela10/40 é uma faixa da terra que se estende do Oeste da África, passa pelo

Sudão, Tunísia e Turquia.

Porque ali vive o maior número de povos não alcançados pelo evangelho. Cobre 1/3

África – 12 Países:

Oriente Médio e vai até a Ásia. A partir da

Benin, Burkina, Cabo Verde, Chade, Djibuti,

total do planeta e representa 2/3 da

linha do equador, subindo forma um

Etiópia, Gâmbia, Guiné, Guiné-Bissau,

população do mundo. São cerca de 3,2

retângulo entre os graus 10 e 40. A esse

Mali, Níger e Senegal.

bilhões de - pessoas em 61 países.

retângulo denomina-se JANELA 10/40. Calcula-se que até hoje menos da metade

Porque ali está a maioria dos seguidores

Ásia – 21 Países: Afeganistão, Bangladesh, Barein, Butão,

das 3 maiores religiões do mundo:

da população mundial com as suas etnias e

Camboja, China, Coréia do Sul, Coréia do

Islamismo, Budismo e Hinduísmo.

línguas tenham sido confrontadas com o

Norte, Filipinas, Índia, Japão, Laos, Malásia,

evangelho. A outra parte, com sua maioria

Maldivas, Mongólia, Nepal, Paquistão, Sri

absoluta na Janela 10/40, representa uma

Lanka, Tailândia, Taiwan (Formosa) e

Porque de cada 10 pobres na terra, 8 estão nessa região. Porque dos 50 países menos

grande multidão de cerca de 3,2 bilhões de

Vietnã.

evangelizados do mundo 37 estão nessa

pessoas que ainda são objetos dos

Eurásia – 3 Países:

área.

empreendimentos missionários do povo de

Cazaquistão, Turcomênia e Tadjiquistão.

Deus. Os países com as maiores populações

Europa – 4 Países:

não cristãs são: China, Índia, Indonésia,

Albânia, Chipre, Gibraltar e Grécia.

Porque as maiores Capitais do mundo estão nessa região. De acordo com os missiólogos, há

Japão, Bangladesh, Paquistão, Nígeria,

Nem todos os crentes sabem que no

diversidades no número de povos não

Turquia e Irã, todos na Janela 10/40.

mundo ainda há povos completamente

alcançados pelo evangelho hoje. Para Ralph

Devido a estes fatos, torna-se primordial

ignorantes da existência de Jesus Cristo e seu

Winter, há 17 mil povos não alcançados e 12

para nós, cristãos, neste novo milênio,

plano redentor. Poucos se importam em

mil línguas. David Barrete declara que são

focalizar nossos recursos, sejam espirituais,

saber que hoje no oriente há cristãos presos e

11 mil o número total de povos não

financeiros ou sociais, sobre o necessitado

sendo torturados por causa de sua fé.

alcançados. Bob Waymire também arrola 11

povo que vive na Janela 10/40. Se desejamos

Quantos têm um programa intensivo de

mil povos diferentes no mundo. Patrick

mudar este quadro, devemos considerar

oração pelos povos não alcançados pelo

Johnstone avalia em 12.017 o total de povos

alguns fatos de muita importância:

evangelho? Saber que há povos cometendo

não alcançados em todo o mundo.

Ÿ O significado Bíblico e histórico.

suicídios e guerras, por falta de esperança ou

Subtraindo desse número os povos entre os

Ÿ O

fanatismo, não é um assunto que interessa a

quais há cristãos, missionários de fora e

domínio do islamismo, do hinduísmo e do budismo.

Ÿ A pobreza acentuada.

Os cristãos no mundo

autóctones, restam apenas 1.200 povos a

estão direcionando apenas 1,2% do seu

todos os cristãos.

serem alcançados. Em sua perspectiva, 99%

Ÿ A diversidade de línguas e culturas.

fundo missionário e de seus missionários

da população do mundo serão cobertos,

Ÿ A concentração de seitas diabólicas

estrangeiros para bilhões de pessoas que

inteiramente, com a mensagem do

Países que formam a Janela 10/40

países muçulmanos (sem incluir seis da antiga união soviética), 7 nações budistas, 3

Então concluímos que missões, ainda não

Oriente Médio com 21 Países:

Marxistas e 2 países hindus, formando o

é um assunto sério para muitas igrejas.

Arábia Saudita, Argélia, Catar, Egito,

maior aglomerado de povos não alcançados.

Enquanto templos são enfeitados e grande

Porque evangelizar os povos da Janela 10/40

programas, missões é ocasional, ainda não é

vivem no mundo evangelizado.

Há 28

Emirados Árabes Unidos, Iêmen, Irã, Iraque, Israel, Palestina, Jordânia, Kuweit, Líbano, Líbia, Marrocos, Mauritânia, Omã, Síria,

evangelho se ela for transmitida, no máximo, entre 400 e 500 línguas diferentes.

parte do tempo é utilizada para inúmeros assunto íntimo.


Igreja Assembleia de Deus Barracão - PR Pr Josias Cecílio

Igreja Assembleia de Deus Guarujá do Sul - SC Pr Sebastião Alves da Costa

Igreja Assembleia de Deus Bom Jesus do Sul - PR Pr Julio de Moura

Igreja Assembleia de Deus Içara - SC Pr Pedro Monteiro

Igreja Assembleia de Deus Sto. Antonio do Sudoeste - PR Pr Jonas Alves de Campos

Igreja Assembleia de Deus Campo Bom - RS Pr Pedro Dutra

Igreja Assembleia de Deus Pranchita - PR Pr João Saldanha

Igreja Assembleia de Deus Franca - SP Pr Edson de Oliveira

Igreja Assembleia de Deus Capanema - PR Pr Valdemar dos Santos

Igreja Evangélica Deus é Fiel Tupã - SP Pr Alcides Pereira

Igreja Assembleia de Deus Salto do Lontra - PR Pr Luiz Cecílio

Igreja Batista Boas Novas Dourados - MS Pr Valdenir Duarte

Igreja Assembleia de Deus Palma Sola - SC Pr Ronan Dias de Castro

Igreja Assembleia de Deus Loanda - PR Pr Emerson Feitosa

Igreja Assembleia de Deus Salgado Filho - PR Pr Daniel de Oliveira

Igreja Assembleia de Deus Santa Isabel do Oeste - PR Pr Reinaldo da Silva

Igreja Assembleia de Deus São José do Cedro - SC Pr Valmor Fernandes

Igreja Assembleia de Deus Chapecó - SC Pr José Zezuíno

Ligue e se torne um Parceiro Missionário!

(49) 3644-0531 ou (49) 9132-3274



Editorial_03