Issuu on Google+

Salvador, SÁBADO, 19 de abril de 2008 FERNANDO AMORIM | AG. A TARDE

3

ECOLOGIA

Bichos de mudança Zoológico de Salvador ganha novas instalações para melhorar a vida dos animais MIRELA PORTUGAL mportugal@grupoatarde.com.br

[ vá lá ] O quê: Jardim Zoológico de Salvador Quando: De 8h30 às 17h, de terça à domingo Onde: Rua Alto de Ondina, s/nº. Ondina. Tel.: 3116-7951 Quanto: De graça

Juma, onça que teve filhote há quase dois meses

DARLA LEE | DIVULGAÇÃO

Pulo atrás da caça O Jardim Zoológico de Salvador ou Parque Zoobotânico Getúlio Vargas foi fundado em 1950. Fica em uma reserva de Mata Atlântica, em Ondina, e abriga 1048 animais de 172 espécies. O zoo é de responsabilidade da prefeitura e recebe R$ 155 mil reais por mês para sua manutenção. Há três anos, o tratador Erivaldo Silva cuida dos felinos. Ele coloca comida e faz a faxina nas jaulas. “Elas comem carne processada (como a que compramos no mercado) ou viva (ratos e outros roedores)“. Com a mudança, a comida vai passar a ser pendurada em troncos e espalhada pela nova jaula, para ficar mais parecida com uma caça. Até agora, era servida em recipientes no chão.

Zoológico quase perfeito Os zoológicos modernos surgiram no século 16, na Europa. Reis gostavam de impressionar convidados com animais exóticos da Ásia e da África, contou o biológo Robert Young, da Universidade Católica de Minas Gerais. Para ele, não há zoológico perfeito. “Animais não falam, então nunca saberemos o que eles gostariam. Nos resta pesquisar e tentar ser fiel ao ambiente selvagem”. O zôo hoje é mais do que um lugar para conhecer diferentes espécies. É onde biólogos e veterinários estudam os animais. O de San Diego (foto), nos Estados Unidos, é um dos maiores do mundo. O visitante pode ver macacos junto de zebras e de elefantes, em ambientes com plantas nativas da África à Antártida.

A vida das onças (Panthera onca) do zoológico de Salvador anda agitada. Em maio, a família de cinco felinos pintados vai ganhar casa nova: uma jaula com 520 metros quadrados (tamanho de duas piscinas de 25 metros), dois andares, tanque com água corrente, troncos de árvore e rampas. No felinário, as onças serão vizinhas das jaulas dos leões (Panthera leo) e tigres (Panthera tigris), que também terão mais espaço. Não haverá mais grades e, sim, paredes de vidro reforçado. As aves vão ganhar um viveiro, onde 42 espécies ficarão misturadas e soltas. Os visitantes vão poder passar bem no meio delas. Todas essas mudanças fazem parte do princípio de enriquecimento ambiental, segundo o qual, zoológicos do mundo tentam melhorar o dia-a-dia de animais que vivem em cativeiro (em jaulas ou cercados), explicou Vinícius Dantas, coordenador-técnico do zôo de Salvador. Todos os lugares onde bichos moram têm que obedecer a algumas regras. No Brasil, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) cuida das leis que protegem animais em cativeiro. O Ibama diz, por exemplo, qual o espaço mínimo que cada espécie precisa.


A Tardinha - Zóologico da cidade