Page 1


2

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013


Credibilidade e segurança nos céus da Amazônia.

Excelência em aviação na região Norte, a CTA conta com as mais modernas aeronaves, sempre atendendo com dedicação e responsabilidade.

Frete de Aeronaves, Transporte Aeromédico, UTI Aérea e Turísmo.


,

Av. Prof. Nilton Lins, 300 - Aeroclube de Flores, Hangar C Fone/Fax: (92) 3652-3550 / 3551|(92) 8182-0878 Manaus-Amazonas - www.voecta.com.br


EDITORIAL

Aviação civil geral: um sonho possível // General civil aviation: a possible dream Fazer revista de aviação no Norte do Brasil é um desafio, maior ainda quando nos dispomos a contar as histórias de dezenas de pessoas que vivem praticamente no anonimato na dura missão de conectar o País, através de suas aeronaves, de todos os tamanhos e com as mais diferentes emoções e funções. Nesta sétima edição da teimosa VOAR NA AMAZÔNIA BRASIL, publicação que luta para manter sua identidade de amazônida, em um mercado editorial praticamente dominado pela região Sudeste, mostramos que trabalhar com hélices é uma arte que exige dedicação e uma capacidade de valorização dos detalhes, que empresas como a Diamond e a Gyn Prop Shop dão uma aula de eficiência e profissionalismo nacionalmente. Ao mesmo tempo, apresentamos a Juta Táxi Aéreo de Marabá, que sob a coordenação do comandante Junqueira, mostra que salvar vidas com os serviços aeromédicos nesta região do Pará é com ela mesmo. Com suas aeronaves e tendo à frente um valente King Air B 200, a empresa tem rasgado os céus do Brasil com suas modernas UTIs aéreas e uma equipe médica extraordinária. De Goiânia vem a Brasil Táxi Aéreo, a mais completa empresa de serviços aeromédicos do Centro-Oeste brasileiro. Ela surpreende pela sua capacidade de transformar um negócio que começou com um Seneca e hoje tem dois jatos e quatro turboélices, bem como outras aeronaves menores. O comandante Arédio Junior e sua equipe são considerados um símbolo de organização e eficiência médica na área, ao fazerem, permanentemente, voos nacionais e internacionais para a Europa, Estados Unidos e América Latina com suas modernas aeronaves salvadoras de vidas. Há outros personagens, como Eli Cabeludo, um mago do torno que faz réplicas de peças originais com uma perfeição única. Há, igualmente, o comandante Cleiton Souza, da CTA Táxi Aéreo, do Amazonas, que com sua arrojada visão empresarial foi buscar nos Estados Unidos seu JetPROP, aeronave que tem todas as condições de oferecer ao mercado local comodidade e rapidez, com seus voos rápidos e tranquilos para dezenas de passageiros. Na área classista observamos o presidente da Associação Brasileira de Táxis Aéreos (ABTAer), Milton Arantes Costa, lutando para que a Anac continue com as fiscalizações das aeronaves que praticam voos clandestinos, os “tacas”. Milton também tem se destacado ao colocar a Infraero nas “cordas” ao processa-la (via ABTAer) por práticas nada abonadoras nos aeroportos brasileiros.

Antonio Ximenes DIRETOR DE REDAÇÃO

// ENGLISH Producing an aviation magazine in the North of Brazil is a challenge, much more so when we are willing to tell the stories of dozens of people who virtually live anonymously in the difficult mission to connect the country by way of their aircraft of all sizes and with a wide range of emotions and functions. In this seventh edition of the stubborn VOAR NA AMAZÔNIA BRASIL, a publication that fights to maintain its Amazonian identity in an editorial market practically dominated by the Southeast, we show that working with propellers is an art that demands dedication and the ability to value details, and in which companies such as Diamond and Gyn Prop Shop teach a lesson in efficiency and professionalism on a national level. At the same time, we present Juta Táxi Aéreo of Marabá, that, under the coordination of commander Junqueira, shows saving lives through air ambulance services in this region of Pará is really what they do. With the valiant King Air B 200 at the front of their fleet, the company has streaked across the Brazilian skies with their modern flying ICUs and extraordinary medical team. From Goiânia comes Brasil Táxi Aéreo, the most complete air ambulance company in the Brazilian Central-West. Their capacity to transform a business that started with just one Seneca and today has two jets and four turboprops, as well as other smaller aircraft, is surprising. Commander Arédio Junior and his team are considered a symbol of organization and medical efficiency in the area. They constantly fly nationally and internationally to Europe, the United States and Latin America in their modern, life-saving aircraft. There are other people, such as Eli Cabeludo, a whiz in making replicas of original pieces with rare perfection. Likewise, there is commander Cleiton Souza, from CTA Táxi Aéreo in Amazonas, who, with his bold business vision, went to the United States to get his JetPROP: an aircraft that has every means to offer the local market convenience and speed with its fast, smooth flights for dozens of passengers. Relating to this area, we see the president of the Brazilian Association of Air Taxis (ABTAer), Milton Arantes Costa, fighting for Anac to continue with the inspection of aircraft involved in illegal flights, the tacas. Milton has also excelled in making Infraero suffer by suing the corporation (via ABTAer) for unacceptable actions at Brazilian airports.


NEGÓCIOS INTELIGENTES PARA SUA EMPRESA

TRANSPORTADORA

AVIAÇÃO AGRÍCOLA

Segurança no transporte de combustíveis de aviação e outros líquidos

Combustíveis e Lubrificantes para Aviação Agrícola

COMBUSTÍVEIS

TRADE

Aviação Executiva e Comercial

Importando e exportando com segurança e credibilidade

www.aeroprest.com.br Grupo Aeroprest

Presente aonde você precisa para abastecê-lo com segurança, qualidade e rapidez

+55 (62) 4006-7878 Praça Capitão Frazão, 913 Setor Santa Genoveva - CEP 74672-410

Goiânia-Goiás


SUMÁRIO

14 EXPANSÃO // EXPANSION

20 SALVANDO VIDAS // SAVING LIVES

Diamond se instala no Campo de Marte e amplia sua atuação nacional // Diamond establishes itself at Campo de

Brasil Vida é a mais importante empresa de serviço aeromédico da região Centro-Oeste // Brasil Vida is the most

Marte and expands its national operations

important air ambulance service company in the Central-West

26 ADMINISTRAÇÃO FAMILIAR // FAMILY BUSINESS

38 PIONEIRO NA AMAZÔNIA // PIONEER IN THE AMAZON

Gyn Prop Shop - 83 anos de tradição em manutenção de hélices e governadores de aeronaves // Gyn Prop Shop - 83

Táxi Aéreo brings back its first JetPROP from the USA

CTA Táxi Aéreo traz dos EUA seu primeiro JetPROP // CTA

years of tradition in aircraft propeller and governor maintenance

48 SERVIÇO DE QUALIDADE // QUALITY SERVICE

54 PARCERIA // PARTNERSHIP

Juta Táxi Aéreo tem o melhor serviço aeromédico de Marabá e região // Juta Táxi Aéreo has the best air ambulance service in

Aeroprest inaugura espaço BR Aviation no Aeroporto Santa Genoveva // Aeroprest inaugurates BR Aviation center at Santa

Marabá and the surrounding region

Genoveva Airport

74 HELICÓPTERO // HELICOPTER

102 SUPERAÇÃO // OVERCOMING

Fênix Táxi Aéreo é líder em serviços de manutenção em aeronaves de asa rotativa em Goiânia // Fênix Táxi Aéreo is the

prosthesis flies helicopter

leader in rotary aircraft maintenance services in Goiânia

Piloto com prótese voa em helicóptero // Pilot with arm


FEIRA INTERNACIONAL // INTERNATIONAL FAIR Brasil marca presença em Sun´n Fun // Brazil makes its presence

34

92

known at Sun’n Fun

aeronautic dreams possible

46

98

LIÇÃO DE PILOTO // PILOTING LESSON

O voo da águia e o filhote aprendiz // Flight of the eagle and the fledgling learner

56 PAIXÃO // PASSION Empresário deixa tudo para ser piloto, seu sonho desde criança // Businessman leaves everything to become a pilot, his childhood dream

60

MODERNIZAÇÃO // MODERNIZATION Empresa realiza melhorias em aeronaves das forças militares // Quick modernizes the Minas Gerais Military Police aircraft

NOVOS PROFISSIONAIS // NEW PROFESSIONALS Amazon Air realiza sonhos aeronáuticos // Amazon Air makes FRANQUIA // FRANCHISE

Donos da Almanaque Bookstore saltam de paraquedas com o franqueado Alessandro Fortes // Owners of Almanaque Bookstore skydive with franchisee Alessandro Fortes

100 MUDANÇA NO ESTADO MAIOR // CHANGE IN GENERAL STAFF LEADERSHIP Brigadeiro-do-Ar Tarcisio Veloso assume Estado-Maior do 7° Comando Aéreo Regional // Brigadier Tarcisio Veloso takes on General Staff leadership of the 7th COMAR

108

Comandante Heiss, 35 anos de aviação nos céus da Amazônia

ANJOS DA FLORESTA // FOREST ANGELS Asas de Socorro leva assistência médica e social as populações isoladas na Amazônia // Asas de Socorro takes medical and social

// Commander Heiss, 35 years of aviation in the Amazonian skies

assistance to the isolated populations in the Amazon

66

TALENTO FEMININO // FEMININE TALENT Missionária dos céus // Missionary of the skies

Aéreo are examples of success in general civil aviation in the North

ARTIGO // ARTICLE Senadora Vanessa Grazziotin // Senator Vanessa Grazziotin

64 MESTRE DOS CÉUS // MASTER OF THE SKIES IRMANDADE // BROTHERHOOD Comandantes da Stilus Táxi Aéreo são exemplos de sucesso na aviação civil geral do Norte // Commanders from Stilus Táxi

68

FORÇA AÉREA BRASILEIRA // BRAZILIAN AIR FORCE Festa cívica nos 30 anos do 7º COMAR // Civic festival for the

7th COMAR’s 30 years

72 ARTIGO // ARTICLE Palavra do comandante Gilberto Scheffer // Word from

112

114

116 ÁGUIA AVIAÇÃO // ÁGUIA AVIAÇÃO Aviação agrícola fortalece o desempenho da Águia Manutenção em Goiânia // Agricultural aviation strengthens the performance of Águia Manutenção in Goiânia

commander Gilberto Scheffer

120

80

// Eli cabeludo, the creative lathe operator

the Feira do Cerrado

ARTIGO // ARTICLE Infraero - Georges Ferreira // Infraero - Georges Ferreira

ARTESANATO // CRAFT Artesão produz aviões em miniatura e vende na Feira do Cerrado // Artist produces miniature airplanes and sells them at

82 FISCALIZAÇÃO // INSPECTION Mais de 350 aeronaves são fiscalizadas durante operação da Anac // More than 350 aircraft are inspected during the Anac operation

86

REINVIDICAÇÂO // CLAIMS ABTAer quer mais ações da Anac contra transporte aéreo clandestino // ABTAer wants Anac to take greater action against clandestine air transportation

88

ESPECIALISTA // SPECIALIST Aliança Aviação é especialista em King Air, toda linha Beechcraft e Cessna // Aliança Aviação specializes in the King Air and the entire Beechcraft and Cessna lines

MAGO // MAGICIAN Eli cabeludo, o torneiro mecânico da criatividade

122


Diretor de redação e Jornalista Responsável

Antônio Ximenes Mtb: 23.984 DRT/ SP

Epifânio Leão

Alexsandro Machado

Érico Xavier

Lineize Leal

Bruce Andrade

Amanda Guimarães

Danielle Guimarães

Carla Lima

Arlene Passos

João Ricardo

Kimberly Kubitza

Letice Leal

Hugo Furtado

Mara Magilania

Maris Sanne

Francisco Rogido

Rafael Cabral

Priscila Siqueira

// Editor-in-Chief and Journalist in Charge

Diretor Executivo

Epifânio Leão

// Executive Director

Sub editor // Sub-editor

Diagramação // LAYOUT

Repórteres // Reporters

FOTO CAPA // COVER PHOTO

FOTOGRAFIA // Photography

Produção

Alexsandro Machado SRTE/AM: 726

Marcelo T. Menezes mirabiledesign@gmail.com

Antonio Ximenes Alexsandro Machado Danielle Guimarães Érico Xavier Francisco Rogido Letice Leal Lineize Leal Mara Magilania Sgt. Johnson / Agência Força Aérea Super Tucanos do 2º/3º Grupo de Aviação - Esquadrão Grifo - Base Aérea de Porto Velho-RO Antonio Ximenes Carla Lima Érico Xavier Francisco Rogido Letice Leal Maris Sanne Arleane Passos

// Production

Tradução // Translation

Design de Publicidade // Advertising Designer

Kimberly Kubitza Priscila Siqueira Rafael Cabral João Ricardo Hugo Furtado

// Editors

Antonio Ximenes Alexsandro Machado Epifânio Leão

Tiragem

5000

Revisão

// Circulation

Distribuição // Distribution Area

Periodicidade

AM, AC, PA, AP, RO, RR, GO, DF, SP, MT, TO, EUA Trimestral

// Frequency

Impressão

Gráfica Ampla

// Printing

ASSINATURAS

assinatura.wega@gmail.com

// SUBSCRIPTIONS

PUBLICIDADE

publicidade.wega@gmail.com

// ADVERTISING

Rua Pará, 810, sl 1 • Páteo Vieiralves Cj. Vieiralves • CEP 69053-575 Manaus • Amazonas Tel.: (92) 3087.5370 wegamanaus@gmail.com


RAPIDEZ E CONFIABILIDADE SÃO MARCAS DA FÊNIX.

A Fênix Helicópteros investe em novos equipamentos e infraestrutura, para proporcionar aos nossos clientes o que há de melhor em manutenção de aeronaves, levando você mais longe e com segurança.

Aeródromo Brigadeiro Eppinghaus, Rod. GO-070, Km 05 CEP: 74480-080 , Goiânia-GO - (62) 3597-5000 / 3597-5005 www.fenixaeronaves.com.br / fenix@fenixhelicopteros.com.br

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

11


12

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013


julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

13


CAPA

Reportagem e Fotos Antonio Ximenes Colaborador Alexsandro Machado

Diamond se instala no Campo de Marte e amplia sua atuação nacional // Diamond settles in Campo de Marte and expands its national operations Empresa comprou Aerotecnica Paulista e transfere sua tecnologia para a capital paulista, através de sua matriz em Goiânia // Company bought Aerotecnica Paulista and brings its technology to the state’s capital via their headquarters in Goiânia

14

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013


As hélices dos Super Tucanos da Força Aérea Brasileira (FAB), os A-29, recebem manutenção na oficina da Diamond em Goiânia. Serviço este disponibilizado também para centenas de empresas, que têm à disposição a qualidade internacional da oficina, que a fez uma referência do que melhor se faz em governadores de hélices, entre outros serviços de manutenção na área. Agora, depois de uma negociação de alto nível, a tradicional empresa Aerotécnica Paulista (mais de 40 anos no mercado), localizada no Campo de Marte, na capital paulista, passou a ser de propriedade da Diamond; que, pronta para atender a demanda do mercado nacional, em maior escala, criou a Diamond - São Paulo. A nova força do grupo dirigido pelo comandante Licurgo Filho, 38, empresário que tem no DNA a tradição do comandante Licurgo de Souza, seu pai, e um dos pioneiros da aviação de Goiás, conta com o apoio estratégico, tecnológico, logístico, de mão de obra, de equipamentos de ponta e financeiro da Diamond de Goiânia. “Nós tomamos a decisão de ampliar nossas atividades em São Paulo, porque entendemos que este é um mercado de grande potencialidade, e que tem todas as condições de ser beneficiado pelos nossos serviços”, disse Licurgo Filho. A Diamond é referência na América Latina nos serviços de manutenção das principais hélices do mundo, como a McCauley, Hertzell, MT Propeller, na qual tem a homologação de todas. Sua oficina central em Goiânia tem o que há de mais avançado no setor. “Nós somos auditados pelas fábricas periodicamente e temos atendido todas as exigências de qualidade exigidas por elas. A revisão de uma hélice realizada nos Estados Unidos tem o mesmo padrão da que é feita aqui”, disse Licurgo Filho.

Fachada principal da empresa em Goiânia // The company’s main facade in Goiânia

Hélices de avião Super Tucano, A-29, sendo transportado para o avião da FAB (Força Aérea Brasileira) // Super Tucano A-29 propellers being transported to a FAB (Brazilian Air Force) airplane

// ENGLISH The propellers of the Brazilian Air Force’s (FAB) A-29 Super Tucanos, are serviced in the workshop of Diamond in Goiânia. This service is also made available to hundreds of companies that want to take advantage of the international quality workshop, which has made it a reference of what is considered to be the best in propeller governors and other maintenance services in the area. Now, after high level negotiations, the traditional company, Aerotecnica Paulista (more than 40 years in the market), located in Campo de Marte, in São Paulo’s capital, has become the property of Diamond; the company, which is ready to meet the demands of the national market on a greater scale, created Diamond-São Paulo.  The new strength of the group, led by Commander Licurgo Filho, 38, a businessman who has, in his DNA, the tradition of Commander Licurgo de Souza, his father, and one of the pioneers of aviation in Goiás, has the strategic, tech-

nological, logistical, labor, equipment and financial support of Diamond in Goiânia. “We made the decision to expand our activities in São Paulo because we understand that this is a market with great potential and it has all the prerequisites to benefit from our services,” says Licurgo Filho. Diamond is a reference in Latin America in maintenance of the world’s main propellers, such as McCauley, Hertzell, MT Propeller, and has the approval of all. Their main workshop in Goiânia has the equipment considered to be the most advanced in the industry. “We are periodically audited by the manufacturers and we have met all the quality requirements that they have necessitated. Overhauling a propeller in the United States is done with the same standard as is done here,” says Licurgo Filho.

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

15


CAPA

Equipamentos

Missão

Na oficina da Diamond encontra-se um moderno shot-peening, que permite a recapacitação da superfície de uma hélice deixando-a mais resistente; uma área de NDT de testes não destrutivos para verificação de trincas e folgas impecável; uma área de pinturas de alto nível; e seção de banhos químicos. A empresa conta ainda com uma seção de balanceamento estático; rolagem a frio; seção de reparos para pás de materiais compostos; seção de suprimentos de peças em estoque; enfim, o que de mais avançado existe no tratamento de hélices e governadores, encontra-se na Diamond de Goiânia. Toda esta infraestrutura é disponibilizada diretamente para sua filial, a Diamond São Paulo, no Campo de Marte.

Garantir e melhorar, continuamente, a qualidade de seus serviços, investindo em tecnologia e capacitação de seu pessoal, como forma de preservar vidas, esta é a missão da Diamond, que é seguida à risca pelos seus funcionários; todos homologados pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Equipe Com quarenta funcionários na linha de operação e um setor administrativo experiente, a Diamond se apresenta nacionalmente como uma das mais qualificadas empresas para atender os seus clientes, a partir de sua equipe, onde os membros, com frequência, fazem cursos avançados em suas respectivas áreas nas fábricas dos Estados Unidos.

Dilers Ela também mantém uma relação estreita com os principais dillers do mercado como a TAM, que comercializa a linha Cessna (Grand Caravan e Caravans); e a Líder, da linha Beechcraft, dentre eles o King Air.

Diretor-geral Licurgo Filho com profissionais da Diamond, no Campo de Marte na capital paulista // General director Licurgo Filho, with Diamond experts, at Campo de Marte in the capital of São Paulo State

16

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Parceria Parceira da Embraer, para qual presta serviços em todas as hélices do projeto A-29 Super Tucano, a Diamond tem como cultura entregar os equipamentos que recebe para manutenção dentro dos prazos estabelecidos. “Para nós é uma honra trabalhar com a Embraer desde 1995, pois esta empresa é considerada uma das mais importantes da aviação mundial, em função do seu rigor técnico em todos os setores, nos espelhamos nela para, cada vez mais, sofisticar o nosso padrão de qualidade”, disse Licurgo Filho.


Diretor-geral Licurgo Filho (no centro) acompanhado de mecânicos e inspetores da oficina central da Diamond em Goiânia // General director Licurgo Filho (center) accompanied by mechanics and inspectors from Diamond’s central workshop in Goiânia

No sentido horário: administração, cubos pintados, diretor-geral Licurgo Filho e mecânico no shotpeening // Clockwise: administration, painted hubs, general director Licurgo Filho and a mechanic performing shot peening

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

17


CAPA

Serviços Especializados A Diamond tem certificação para atender sua demanda e a terceiros com a eficiência necessária aos seguintes ensaios.

• Líquido Penetrante (Zyglo) Ensaio utilizado em materiais não ferrosos como: hélice, cubo de alumínio, motor, bloco, estrutura, fuselagem, roda e trem de pouso.

• Partículas Magnéticas (Magnaflux) Ensaio utilizado em materiais ferrosos como: hélice: cubo de aço, pista, eixo, motor, eixo e engrenagem.

• Correntes parasitas (Eddy Current) Ensaio utilizado em materiais ferrosos e não ferrosos.

Hélices com ordens de serviços fixadas para orientação interna da oficina // Propellers with work orders attached for internal reference in the workshop

// ENGLISH

Equipment

Mission

In the workshop at Diamond one can find modern shotpeening which allows for resurfacing the propeller in a way that makes it more resistant; an NDT (non-destructive testing) area for flawless verification of cracks and gaps; a top-notch painting area and a sector for chemical baths. The company also boasts of a static balancing sector; cold rolling; sector for repairs on blades made of composite materials; parts shop; in the end, whatever is considered to be the most advanced in governor and propeller maintenance can be found at Goiânia’s Diamond. All of this infrastructure is directly available to its affiliate, Diamond São Paulo, in Campo de Marte.

To continuously guarantee and improve the quality of their services, investing in technology and training of their personnel as a form of saving lives, this is Diamond’s mission. It is strictly adhered to by its employees, all of which are approved by Anac (National Civil Aviation Agency).

Team With forty employees in the operational area and an experienced administrative sector, Diamond nationally presents itself as one of the most qualified companies to attend its clients, starting with its members who frequently take advanced courses in their respective fields at the manufacturers in the United States.

Dealers The company also maintains a strong relationship with the main dealers in the market such as TAM, which sells the Cessna line (Grand Caravan and Caravans), and Líder, from the Beechcraft line, among which includes the King Air.

18

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Partnership As a partner with Embraer in providing services for all the propellers of the A29 Super Tucano project, Diamond is known for returning the equipment that it receives for maintenance within the established time limit. “It is an honor for us to have worked with Embraer since 1995, because this company is considered to be one of the most important in world aviation due to its technical accuracy in all areas. We increasingly look up to them to enhance our standard of quality,” says Licurgo Filho.

Specialized Services Diamond is certified to attend your needs, as well as those of third parties, with the necessary efficiency in the following tests • Penetrant Liquid (Zyglo): Test used on non-ferrous materials such as: propeller (aluminum hub); engine (engine block); structure (fuselage, wheels and landing gear) • Magnetic Particle (Magnaflux): Test used on ferrous materials such as; Propeller: steel hub, pista, axle. Motor: axle, gears • Eddy Current: Test used on ferrous and non-ferrous materials


O MELHOR SERVIÇO DE TRANSPORTE AEROMÉDICO DE MARABÁ E REGIÃO COM SEU EXCLUSIVO

transporte de valores com total segurança

transporte executivo com sua moderna frota

Plantão: (94) 8804-1683 / 9973-1683 / 8123-5880 / 8157-5454 (94) 3324-1112/3012-1140 | taxiaereo@voejuta.com.br | Rodovia Transamazônica, km 2 - Cidade Nova, Marabá-PA CHE 0310-02/ANAC | CHETA 2003-11-1CJZ-01-01 | COD ANAC 08622


AEROMÉDICO

Reportagem e Fotos Antonio Ximenes

Brasil Vida Táxi Aéreo tem o mais sofisticado serviço aeromédico do Centro-Oeste brasileiro // Brasil Vida TÁXI AÉREO has the most sophisticated air ambulance service in Brazil’s Central-West region Com dez aviões, a empresa atende todo o território nacional com uma equipe médica altamente especializada // With ten airplanes, the company provides nationwide service with a highly specialized medical team

Com dois jatos (West Wind e Lear Jet), quatro Cheyenes e quatro Senecas a Brasil Vida Táxi Aéreo é a mais importante empresa de serviço aeromédico da região Centro-Oeste, e uma das mais requisitadas no interior do Brasil. Com sede em Goiânia, ela também tem uma base na Bahia, a empresa dirigida por Arédio Junior vem crescendo pela qualidade do seu corpo médico, pelo atendimento impecável de sua equipe de mercado e pela confiança nas aeronaves, que recebem manutenção periodicamente, o que possibilita aos clientes total confiabilidade operacional.

20

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013


Manutenção Ao todo são 16 funcionários na oficina, que fica em um amplo hangar na “Escolinha” de Goiânia, que está localizada na saída de Inhumas, no Aeródromo Brigadeiro Eppinghaus. É esta equipe que faz a manutenção das aeronaves da empresa (pistão e turbohélice), com exceção dos aviões a jato. O responsável técnico da oficina é o experiente profissional José Célio e a gerência das atividades administrativas e afins, é de Homero Ataide Gonçalves Neiva. Os mecânicos Hermenerane Miranda, Areovaldo de Carvalho, André Gonçalves Barbosa e Victor Hugo Pinheiro formam a vanguarda da oficina, que conta ainda com dois auxiliares técnicos. A decisão do comandante Arédio Júnior de criar a oficina obdeceu o pragmatismo de mercado, feito que com uma frota crescente, ele entendeu que os custos diminuiriam se empregasse o seu pessoal na manutenção .“Foi a decisão certa”, afirmou. O mecânico André Gonçalves Barbosa disse que em seus 17 anos de aviação, o melhor ambiente de trabalho que encontrou foi na Brasil Vida Manutenção. “Temos todas as ferramentas que precisamos, um excelente relacionamento profissional e uma alimentação que faz a diferença”, comentou.

Firmeza Na administração, a gerente de segurança operacional Dorisleny Queiroz de Oliveira Melo mantém o pulso firme, a partir do controle técnico das aeronaves, do treinamento dos tripulantes e da segurança operacional como um todo. “Sou metódica, perfeccionista e disciplinada, para mim tudo tem que estar no seu lugar certo”, salientou.

Equipe de atendimento, admistração e finanças da empresa // The company’s customer service, administration and finance team

Hangar Vip Ao lado da Brasil Vida Manutenção, a empresa construiu um hangar com capacidade de hangaragem de mais de 20 aeronaves de pequeno e médio porte. Com uma sala VIP impecável e tratamento sofisticado aos clientes, a Brasil Vida Táxi Aéreo é uma das empresas que mais cresce em Goiânia. Seu hangar especial já foi palco de exposições de aviões Cirrus e de outros equipamentos aeronáuticos. “Nosso hangar é uma referência no mercado local e ele está à disposição para todos os tipos de exposições e hangaragem”, disse Phelipe Augusto, um dos principais executivos do Grupo Brasil Vida, piloto de jatos e filho do comandante Arédio Júnior e de Helen Costa Souza. Ainda na área de hangares, a empresa pretende construir um espaço de aproximadamente 800 metros quadrados na própria “Escolinha”.

Aeronaves no hangar vip da Brasil Táxi Aéreo // Airplanes in Brasil Táxi Aéreo’s VIP hangar

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

21


AEROMÉDICO

Pilotos da Brasil Táxi Aéreo na cabine do jato West Wind, preparando-se para decolagem // Brasil Táxi Aéreo pilots in the cabin of the Westwind Jet, preparing for take-off

// ENGLISH With two jets (West Wind and Lear Jet), four Cheyennes and four Senecas, Brasil Vida Air Taxi is the most important aeromedical company in the Central-West region, as well as being one of the most sought after in the Brazilian interior. Headquartered in Goiânia, the business, which is run by Arédio Júnior, also has a base in Bahia. Brasil Vida Air Taxi has been growing thanks to the quality of its medical staff, the flawless service provided by its team, and confidence in its aircraft, which receive periodic maintenance, giving clients total operational reliability.

Maintenance There is a total of 16 employees in the workshop, which is located inside a spacious hangar at Goiânia’s “Escolinha” (little school), on the road to Inhumas, at the Brigadier Eppinghaus Airfield. It is this team that services the company’s airplanes (piston and turboprop), with the exception of jet aircraft. The shop’s technical manager is the experienced professional, José Célio, while the management of administrative and related activities is the responsibility of Homero Ataide Gonçalves Neiva. Mechanics Hermenerane Miranda, Areovaldo de Carvalho, André Gonçalves Barbosa and Victor Hugo Pinheiro are at the forefront of the workshop, which counts on the support of two technical assistants. Seeing as though Commander Arédio Júnior’s fleet was growing, good business practices dictated that he open his own workshop which would diminish his costs by employing his own maintenance staff. “It was the right decision,” he confirmed.

22

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Mechanic André Gonçalves Barbosa said that in his 17 years of aviation experience, the best work environment he has encountered is at Brasil Vida Maintenance. “We have all the tools that we need, an excellent working relationship and the support that makes the difference,” he commented.

Steadfastness Operational safety manager Dorisleny Queiroz de Oliveira Melo keeps a steady hand on her administration duties, from the technical control of the aircraft, to the crew’s training and overall operational safety. “I’m a perfectionist; very methodical and disciplined. For me, everything has to be in the right place,” she emphasized.”

VIP Hangar Next to Brasil Vida Maintenance, the company built a hangar with the capacity to house more than 20 small and medium-sized aircraft. With a perfect VIP room and sophisticated treatment for its clients, Brasil Vida Air Taxi is one of the fastest-growing businesses in Goiânia. The special hangar has already hosted exhibitions of Cirrus airplanes as well as other aeronautical equipment. “Our hangar is a reference in the local marketplace and it’s available for all types of exhibitions and hangaring,” says Phelipe Augusto, one of the Brasil Vida Group’s chief executives, jet pilot and son of Commander Arédio Júnior and Helen Costa Souza. In regards to the hangar, the company intends on building an area approximately 800 square meters large on the “Escolinha” property.


Equipe de comandantes da Brasil Vida Táxi Aéreo é referência técnica //

Salvar vidas Com cerca de 50 funcionários, o Grupo Brasil Vida é o reflexo do mais gabaritado profissionalismo nos serviços aeromédicos do Centro-Oeste brasileiro. Seus médicos, enfermeiros, técnicos e equipamentos de ponta na área de UTIs, o credenciam. A autonomia de suas aeronaves, como o Lear Jet, West Wind e Cheyenes o qualificam como o mais ágil para atender pacientes em todo o território nacional. “Nós estamos preparados para salvar vidas em todos os estados do Brasil, disse o médico Sérgio Scalia, coordenador do serviço aeromédico do Grupo Brasil Vida. Mas se de um lado a equipe médica responde com uma eficiência de nível internacional, salvando centenas de vidas em mais de dez anos de operação, de outro percebe-se o talento dos responsáveis pelo atendimento direto da empresa,administração executiva e outros setores da companhia.

Herdeiros Sob a batuta de Helen Costa Souza, que agora também conta com o apoio administrativo da filha Mariana Bernardes da Costa Souza, a Brasil Vida, que é uma empresa familiar, se apresenta como uma organização que já conta com os herdeiros da segunda geração bem posicionados internamente. O piloto Leandro Bernardes da Costa Souza (casado com Aline de Abreu Garcia Mota e pai de Gabriel – de um ano e meio) é outro profissional que mantém a tradição de comandante, assim como o pai e o irmão Phelipe (casado

Comandante Arédio Jr. com a esposa Helen Costa Souza e a filha Mariana Bernardes da Costa Souza //

com Karina Alves Gualberto). “Todos eles se espelham no exemplo do pai, que é um visionário na aviação. O Júnior, meu marido, tem uma capacidade extraordinária de gerar negócios e isso os meus filhos aprenderam com o ele. Da minha parte, os ensinei a administrar com segurança, porque esta é a minha principal característica: a de transformar em realidade e sucesso os sonhos e projetos do pai deles”, disse Helen Costa Souza.

Visionário O comandante Arédio Júnior foi o primeiro a homologar serviços aeromédicos no Centro-Oeste do Brasil com pequenas aeronaves, em um tempo em que somente as grandes empresas dispunham deste serviço. “Eu percebi que havia muita gente precisando de serviço aeromédico, e que elas não eram atendidas pelas grandes empresas. Lutei para homologar os Senecas, e quando consegui, outras empresas seguiram o meu exemplo. Nós continuamos investindo e, hoje, temos condições de servir o mercado com o que de mais eficiente existe, o que muito me orgulha”, destacou Arédio Júnior. Disposto a atuar em todas as regiões do Brasil, a Amazônia é uma das fronteiras que a Brasil Vida Táxi Aéreo está pronta para ampliar sua atuação. “Com a Copa do Mundo acontecendo em Manaus e Cuiabá; o crescente interesse dos executivos do Polo Industrial de Manaus com melhor qualidade de vida e serviços médicos diferenciados; bem como o transporte executivo com grande autonomia de voo; podemos dizer que a Amazônia é de nosso interesse direto, por tudo que temos a oferecer”, salientou.

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

23


AEROMÉDICO

Equipe médica de bordo preparando paciente para remoção // On-board medical team preparing a patient for transfer

Liderança Como o pai, o comandante Phelipe Augusto se caracteriza pela ousadia de suas iniciativas de executivo antenado com o que de mais avançado há no setor aeromédico e da aviação civil em geral. Piloto de jato e com ampla experiência internacional, ele tem se dedicado a ampliar os negócios da família com uma filosofia de gestão altamente profissional de valorização dos pilotos, sob quem exerce uma liderança natural. “Aqui, somos todos iguais e trabalhamos com os critérios de segurança, satisfação dos clientes e obediência à legislação aeronáutica”, pontuou.

Coordenadoras de voo

Médico chefe Sérgio Scalia // Head Physician Sérgio Scalia

24

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Quem também têm papel fundamental no sucesso do Grupo Brasil Vida são as coordenadoras de voo e responsáveis pelas relações comerciais da empresa, Lorene Neves Dantas, Marli Nascimento e Gicelda Maria. Unidas, elas são atenciosas com o público em geral e mantêm uma linha direta com todos os pilotos da empresa nas operações de voo. “Fazemos, em média, mais de 40 remoções mensais, é um trabalho que exige dedicação total”, afirmou Lorene. “Acompanhamos todo o processo, desde a entrada do paciente na aeronave até a chegada dele no hospital”, disse Marli Nascimento. “Somos uma equipe afinada em que todas se ajudam, para que não haja falhas e seja um atendimento eficiente e rápido, porque há vidas sob a nossa responsabilidade ”, esclareceu Gicelda Maria.


// ENGLISH

Saving lives With about 50 employees, the Brasil Vida Group is a reflection of the highest form of professionalism in aeromedical services in Brazil’s Central-West region. Its physicians, nurses, technicians and state-of-the-art ICU equipment contribute to the company’s reputation within the field. The agility of Brasil Vida’s aircraft, including the Lear Jet, West Wind and Cheyenne, make the fleet the quickest in reaching patients nationwide. “We are prepared to save lives in every Brazilian state,” says Dr. Sérgio Scalia, air ambulance service coordinator at the Brasil Vida Group. While on one hand there is a medical team that responds with world-class efficiency, saving hundreds of lives in over ten years of operation, on the other hand there is also a talented team of employees in charge of direct customer service, executive administration and other areas of the business.

Heirs Under the leadership of Helen Costa Souza, who also counts on administrative support coming from her daughter, Mariana Bernardes da Costa Souza, Brasil Vida, a family business, presents itself as an organization that already has second-generation heirs that are internally well-positioned. Pilot Leandro Bernardes da Costa Souza (married to Aline de Abreu Garcia Mota and father of Gabriel, 1 1/2 years old) is another professional who maintains the commander tradition, just as his father and his brother, Phelipe (married to Karina Alves Gualberto). “They all mirror their father, an aviation visionary. My husband, Júnior, has an extraordinary ability to generate business, which my children have learned from him. On my part, I’ve taught them to manage safely, because that is my biggest trait: making their father’s dreams and plans a successful reality,” says Helen Costa Souza.

Visionary Commander Arédio Júnior was the first person to obtain approval for air ambulance services in Brazil’s Central-West region with small aircraft at a time when only large companies offered such services. “I noticed that there were many people who needed air ambulance services and they weren’t getting any service from the larger companies. I fought to obtain approval for the

Senecas and when I did other companies followed my example. We continue to invest in the company and, currently, we are able to provide the marketplace with extremely efficient service, which makes me very proud,” highlights Arédio Júnior. With a desire to reach all regions of Brazil, Brasil Vida Air Taxi is ready to expand its operations to include the Amazon region. “With the World Cup games taking place in Manaus and Cuiabá, the growing interest of executives at the Manaus Industrial Complex with regards to better quality of life and top-notch medical services, as well as executive transportation with great flight flexibility, you could say that the Amazon is a direct interest of ours, given all that we have to offer,” he points out.

Leadership Just like his father, Commander Phelipe Augusto is characterized, by the his bold initiatives, as an executive who is always tuned into the latest developments in the air ambulance sector and civil aviation in general. The jet pilot, with extensive international experience, has dedicated himself to expanding the family business with a highly professional management philosophy that emphasizes the value placed on pilots, whom he leads in natural way. “Here, we are all equal and we work with the same basic criteria: safety, customer satisfaction and compliance with aviation legislation,” he explains.

Flight coordinators Flight coordinators Lorene Neves Dantas, Marli Nascimento and Gicelda Maria are in charge of the company’s business relations and also play a vital role in the Brasil Vida Group’s success. Together, they are attentive to the general public and maintain a direct line of communication with all of the company’s pilots in flight operations. “On average, we perform over 40 transfers per month. This type of work requires total dedication,” affirms Lorene. “We follow the entire process, from the moment the patient enters the aircraft to his or her arrival at the hospital,” says Marli Nascimento. “We are a fine-tuned team whose members help each other in order to provide fast and efficient service and ensure that there are no errors because we are responsible for these lives,” clarifies Gicelda Maria.


FAMÍLIA

Reportagem Letice Leal e Alexsandro Machado Fotos Antonio Ximenes

Gyn Prop Shop

83 anos de tradição em manutenção de hélices e governadores de aeronaves // Gyn Prop Shop 83 years of tradition in aircraft propellers and governors Empresa da família Schleifer é administrada pela terceira geração em Goiânia // The Schleifer family business is managed by the third generation in Goiânia

26

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013


Piloto Edson Cardoso Moraes, pai de Ediane Guimarães Schleifer //

A consolidação da família Schleifer no mercado aéreo brasileiro não se deu do dia para a noite, pois há 83 anos atua na prestação de serviços aeronáuticos, sob a coordenação da família Schleifer (Rodolfo pai, Rodolfo filho e irmãos e as filhas Cristiane, Fernanda e Tatiane). A herança empresarial fomentada até os dias atuais com o mesmo profissionalismo e qualidade à serviço de seus clientes, tem agora a Gyn Prop Shop empresa com tradição de manutenção de hélices e governadores. Tudo começou em 1930, com o visionário Rodolfo Schleifer (pai), piloto e mecânico da Força Aérea Brasileira especialista em hélice que esteve à frente da empresa Aerotécnica Araçatuba/SP nos primeiros anos de trabalho, na idealização de conquistar um mercado em plena expansão no país. Tendo como característica administrativa a gestão familiar, a firma foi passada de pai, para os filhos, que deram continuidade ao oficio do patriarca da família, que havia fundado essa empresa há mais de 40 anos. // ENGLISH

Rodolfo schleifer (filho) fala sobre manutenção com sua equipe de hélice // Rodolfo Schleifer (junior) talks about maintenance with his propeller team

The consolidation of the Schleifer family in the Brazilian aeronautical market didn’t happen overnight. In fact, the family has been providing aeronautic services for 83 years under the direction of Rodolfo, Sr., his brothers, his son, Rodolfo Jr., and Rodolfo Jr.’s daughters, Cristiane, Fernanda and Tatiane. The company’s legacy, cultivated until today, is guided by professionalism and the quality of service provided to their clients. Gyn Prop Shop is the image of tradition and state-of-the-art propeller and governor maintenance. It all started in 1930 with visionary Rodolfo Schleifer, Sr., pilot mechanic for the Brazilian Air Force, who, in his early career, ran Aerotécnica Araçatuba in São Paulo, with a vision to corner the market that was in a state of full expansion. Having a family business model as an administrative characteristic, the business was passed from father to sons, who continued the work of the family patriarch who founded the company.

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

27


FAMÍLIA

braço forte O empreendedor Rodolfo Schleifer destacou que sua esposa Ediane Schleifer sempre teve participação decisiva em seus investimentos, uma vez que a companheira teve forte ligação com a aviação, pois, seu pai Edson Cardoso Moraes mais conhecido como Bizuta, era piloto e adorava voar nos seus Cessna 152 e 172. Mesmo depois de um acidente aéreo fatal do pai e do irmão, a filha continuou firme no propósito de atuar no setor aeronáutico, o que se realizou com o esposo na condição de um dos mais importantes especialistas, na área de manutenção de hélices e governadores.

“Eu sempre estive ao lado de Rodolfo e agora com as nossas filhas, muito mais ainda, porque elas são a continuidade da obra do avô e do pai.”, destacou a esposa.

Gyn Prop Shop Em 2009, nasce a Gyn Prop Shop em Goiânia – Goiás, cujo foco principal é a Manutenção de Hélices e Governadores com motores a pistão e turbo hélices. “Só voltei a montar outra empresa novamente por insistência das minhas filhas, porque, burocracia e papeis não são comigo. O que gosto é de mecânica. Fiquei surpreso, quando minha filha Cristiane Schleifer, veio me ajudar com a abertura da empresa resolvendo todos os trâmites de documentação exigidos, tanto na prefeitura, quanto pelo Estado. Atualmente, ela é responsável pelas finanças da firma”, disse Rodolfo.

mestre de 2013, ingressar no curso de técnico em mecânica, no Aeroclube de Goiás. “Eu me dou muito bem com meu pai, tanto no trabalho e, em qualquer outra área. Aprendi a lidar com os clientes e trabalhar com os manuais e procedimentos em geral. Para entender melhor tudo o que acontece na empresa resolvi fazer cursos da área, para sempre termos a excelência em serviços e a satisfação dos nossos clientes”, afirma Cristiane. Com a Gyn Prop Shop em expansão um novo membro da família entrou na administração. Era a hora de Fernanda Schleifer, que, assim como a irmã Cristiane, também uniu–se ao pai em 2010.

Tradição

Gestão de Pessoas

A tradição passada pelo patriarca Rodolfo Schleifer, em deixar a empresa nas mãos dos filhos. Hoje também, é seguida na Gyn Prop Shop. Cristiane Schleifer se formou em Direito, mas seu interesse pelo patrimônio da família fez com que a empresaria buscasse cursos ligados à aviação como: CTA, líquidos penetrantes nível I e II e partículas magnéticas I e II. Além das capacitações já realizadas por Cristiane, a administradora financeira ainda pretende, no segundo se-

Em virtude da grande quantidade de clientes e o crescimento de colaboradores na prestação de serviços da Gyn Prop Shop, a empresa passou a trabalhar com novas metodologias de relacionamentos interno e externo, agora com a terceira geração. Valores empresariais de prestação de serviços ao cliente e a gestão empresarial avançada foram adotadas pela empresa. Gyn Prop Shop tem como missão: paixão pelo que se faz; excelência em serviços; satisfação do cliente

28

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013


e ética profissional. Essas são as diretrizes que regem a prestação dos seus serviços. Hoje, Fernanda Schleifer atua na parte comercial da empresa, que engloba a prospecção de clientes, importações de novas peças para aeronaves, análise estratégica do negócio, além da parte de documentação das aeronaves. “A Gyn Prop Shop é uma empresa que transmite confiança e qualidade aos seus clientes, o que possibilita uma boa posição estratégica em relação aos nossos concorrentes. Trabalhar com meu pai, é uma relação sempre de troca de informações e de conhecimento, pois é sempre bom trabalhar e conviver com uma pessoa apaixonada pelo que faz”, comenta Fernanda Schleifer. Formada em Fonoaudiologia, com MBA em gestão de pessoas e coaching, além de Mestre em Educação pela PUC de Goiás, Tatiane Schleifer é a filha mais velha de Rodolfo Ribeiro Schleifer, e por ser uma profissional altamen-

te qualificada para gerenciamento de pessoas, resolveu integrar–se a empresa de seu pai no início do ano de 2013. Tatiane é responsável pelo desenvolvimento de pessoas, pois é ela que avalia o potencial de cada colaborador dentro da Gyn Prop Shop, ofertand –lhes melhores condições de trabalho. Ela cuida também da parte estratégica entre empresa, colaboradores e clientes. “ Para mim foi um desafio, pois, a cada dia, aprendo algo diferente e isso me motiva bastante. Eu quero que essa motivação possa vir a contribuir ativamente com o desenvolvimento da empresa. Gosto muito de trabalhar em família, pois há uma gestão compartilhada. Eu acredito estar agregando muito valor a nossa empresa. Existem colaboradores que chegam aqui e querem fazer cursos e, muitas vezes não conseguem; por esse motivo que aqui na nossa empresa incentivamos os funcionários a se qualificarem; uma vez que o nosso foco é na qualidade, e na entrega dos serviços com rapidez e segurança sempre”, afirma Tatiane Schleifer.

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

29


FAMÍLIA

Orgulho Geralmente o sonho de todo pai é ver os filhos escolherem uma profissão que possa colaborar com o crescimento da empresa da família. Para Rodolfo Ribeiro Schleifer ver as filhas atuando dentro da Gyn Prop Shop é motivo de muito orgulho. “Trabalhar com as minhas filhas é uma alegria muito grande, porque elas são as reais donas de tudo aqui. Eu só faço o auxílio técnico da mecânica e o restante elas fazem sozinhas. A meu ver, é extremamente prazeroso fazer o que gosto, ainda, mais vendo elas se interessarem pela mesma coisa que eu. Fico muito feliz e bastante orgulhoso com isso”, relata o pai.

Prestação de serviço A empresa trabalha hoje com revisão geral de hélices McCauley, Hartzell, Sensenich e Hamilton para aviões com motores a pistão e turbohélices, desde o recebimento até a instalação. A Gyn Prop Shop está capacitada para realizar: teste de rolagem; comparador óptico e rugosímetro; teste shot- peening; tratamento de superfície; balanceamento estático de hélices, além de revisão geral e testes de bancada em governadores McCauley, Hartzell, Woodward e PCU5000, de aviões com motores a pistão, também o recebimento e a instalação na aeronave e, em breve, em governadores de aviões turbohélices. Por estar na região Centro-Oeste, local bastante estratégico na aviação atende clientes de Norte a Sul do Brasil. Seus principais clientes são: táxis aéreos, aviação agrícola e aviação privada.

HomologaçÃO Dentre os serviços qualificados e homologados está a realização de ensaios não destrutivos de correntes parasitas, líquido penetrante e partículas magnéticas, bem como ultrasom. A Gyn Prop Shop conta com amplo estoque de peças e materiais para hélices e governadores, como também, está homologada para realizar pesagem e balanceamento de aeronaves, com o peso máximo de decolagem em até 6.804 (15.000 Lb).

Equipe na área de ensaios não destrutivos e líquidos penetrantes // A team in the non-destructive testing and liquid penetrant area

30

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Tatiane conversa com colega sobre a importância das certificações // Tatiane speaks with a colleague about the importance of certification

Qualificação Segundo o engenheiro mecânico da Gyn Prop Shop Virgílio Alexandre Marques da Costa, todos os funcionários da empresa são altamente qualificados. “No nosso setor de END (Ensaios Não Destrutivos), todos os envolvidos têm que ser qualificados pelo Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), mas como sou qualificado Nível III, todo pessoal é treinado por mim e, só depois fazem a prova de qualificação do DCTA. Todo esse processo dura um ano, entre treinamento, cursos e tempo de estágio”, explica. Na área técnica de manutenção mecânica dão suporte ao setor dois funcionários com o Certificado de Capacitação Técnica (CCT), que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) confere àqueles que se formam e estão no processo de treinamento, que dura três anos, sempre no intuito de se obter o Certificado de Habilitação Técnica (CHT) definitiva. A dinâmica da empresa funciona da seguinte forma: gente nova sendo treinada por pessoas experientes. “Na Gyn Prop Shop oriento sempre manter um serviço de qualidade, dar um bom atendimento e suporte aos clientes, pois isso é fundamental para que a empresa chegue a excelência em prestação de serviços”, ressalta o engenheiro Virgílio Alexandre Marques, que também disse que a empresa possui três elementos em alta, pois, é só olhar o seu corpo de gestores e funcionários. “Nenhuma oficina que tem END com padrão H tem: Nível I (Operador), Nível II (Inspetor), Nível III (Inspetor e Gestor)”, acrescenta Virgílio Alexandre Marques. Outra colaboradora da Gyn Prop Shop é a engenheira mecânica Elaiz Silva dos Anjos, que trabalha na empresa desde 2011. A engenheira é responsável pelos ensaios não – destrutíveis e líquidos penetrantes (peças e motores), correntes parasitas e ultrasom. “Entrei aqui na empresa e gosto muito do ambiente de trabalho, pois somos uma equipe bastante integrada. Aqui é possível aprender um pouco de cada área e se tornar um profissional qualificado de forma eclética, para atender as demandas do mercado”, destacou a engenheira.


Análise eletrônica de hélices evita erros técnicos // Electronic propeller analyses avoid technical errors

// ENGLISH

Wife and Partner The business owner said his wife, Ediane Schleifer, has always participated in their investment decisions since she had a strong connection to aviation thanks to her father, Edson Cardoso Morais, better known as Bizuta, who was a pilot and loved flying his Cessna 152 and 172. Even after a fatal airplane accident involving her father and brother, the daughter remained committed to working in the aviation sector, which she accomplished with her husband on the basis that he is one of the foremost specialists in the area of propeller and governor maintenance. “I have always been at Rodolfo’s side and even more so now with our daughters because they are the continuation of their grandfather and father’s work,” said the wife.

Gyn Prop Shop Born in 2009 in the city of Goiânia, Goiás, Gyn Prop Shop’s main focus is the maintenance of propellers and governors with piston and turboprop engines. “I only decided to begin another company at the insistence of my daughters because bureaucracy and paperwork are not my thing. What I like are mechanics. I was surprised when my daughter, Cristiane Schleifer, came and helped me to open the business. She took care of all the required documentation procedures both with City Hall and with the State. Currently, she is responsible for the company’s finances,” says Rodolfo.

Tradition The tradition of leaving the business in the hands of his children, passed down from the patriarch, Rodolfo Schleifer, Sr., is followed at Gyn Prop Shop. Cristiane Schleifer graduated with a degree in law, but the family legacy caused an interest that led the business woman to take courses related to aviation, such as: CTA, liquid penetrant level I and II and magnetic particles I and II. Beyond the training that Cristiane has already received, the financial administrator still intends to enroll in a technical mechanics course at the Aeroclube de Goiás during the second semester of 2013. “I get along really well with my dad at work and in any other area. I learned how to deal with the clients and with the manuals and general procedures. To better understand everything that

happens with the business I decided to take courses in the field so that we will always provide excellent service and customer satisfaction,” states Cristiane. With Gyn Prop Shop expanding, a new family member joined the administration. It became time for Fernanda Schleifer, who, just like her sister Cristiane, joined her father professionally in 2010.

Personnel Management As a result of the quantity of clients and the increase of employees providing services at Gyn Prop Shop, the company, now in the third generation, began working with new relationship methods, both internally and externally. The corporate values of customer service and advanced business management were adopted by the company. Gyn Prop Shop’s mission is defined by: passion in what they do, excellent service, customer satisfaction and professional ethics. These are the guidelines that govern the services they provide. Today, Fernanda Schleifer works on the commercial side of the business, which includes attracting prospective clients, importing new aircraft parts, strategic business analysis, as well as aircraft documentation. “Gyn Prop Shop is a company that transmits confidence and quality to its clients, which allows for a good strategic position in relation to our competitors. Working with my dad means we have a relationship in which we always trade information and knowledge; its always good to work and live with someone who is in love with what they do,” comments Fernanda Schleifer. With a degree in Speech therapy, an MBA in Personnel Management and Coaching, as well as a Master’s degree in Education from PUC Goiás, Tatiane Schleifer is the firstborn child of Rodolfo Ribeiro Schleifer, and, given that she is a highly qualified professional in personnel management, she decided to join her father’s company at the beginning of 2013. Tatiane is responsible for personnel development, seeing that she is the one who assesses the potential of each employee at Gyn Prop Shop, presenting them with better working conditions. She also takes care of the strategic aspect between the company, employees and clients. “For me it was a challenge, because every day I learn something new and it motivates me a great deal. I want this motivation to actively contribute to the company’s

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

31


FAMÍLIA

Integração na empresa é total: proprietários e corpo técnico mantêm um excelente relacionamento no ambiente de trabalho // Total integration at the company: owners and technical staff maintain an excellent relationship in the workplace

// ENGLISH growth. I really like working with family because management is shared. I believe that I bring a lot of value to our business. Sometimes employees come here wanting to take courses, and are often unable to do so. That’s why here at our company we encourage our employees to become qualified because, after all, our focus is on quality and always delivering our services quickly and safely,” affirms Tatiane Schleifer.

Pride Usually, every parent’s dream is to see their children choose a profession that can contribute to growing the family business. For Rodolfo Ribeiro Schleifer, seeing his daughters working as a part of Gyn Prop Shop is a source of much pride. “Working with my daughters is a great joy because they are the real owners of everything here. I just provide technical assistance for the mechanics and they do the rest themselves. In my opinion, it’s a huge pleasure to be able to do what I like, especially seeing them become interested in the same thing I am. This makes me very happy and extremely proud,” says the father.

Customer Service The company is now working to overhaul McCauley, Hartzell, Sensenich and Hamilton propellers for airplanes with piston engines and turboprops, from receipt to installation. Gyn Prop Shop is able to perform the following services: ground roll test; optical comparator and surface roughness test; Shot-peening test; surface treatment; static propeller balancing, in addition to overhauls and bench tests on McCauley, Hartzell, Woodward and PCU5000 governors, on piston engine aircraft, also from receipt to installation in the airplane, and soon on turboprop governors. Being in the Midwest, a very strategic location in general civil aviation, the company serves customers from North to South in Brazil. Its main customers are: air taxi pilots, agricultural aviators and private aviators.

Certification Among the services that the shop is certified to perform is the realization of non-destructive testing, including eddy current, liquid penetrant and magnetic particles, as well as ultrasound.

32

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Gyn Prop Shop not only has an ample stock of parts and materials for propellers and governors, but is also authorized to weigh and balance aircraft with a maximum takeoff weight of 6,804 kg (15,000 lb).

Qualification According to Gyn Prop Shop’s mechanical engineer, Virgílio Alexandre Marques da Costa, all company employees are highly qualified. “In our industry of NDT (Non-Destructive Testing), all those involved must be qualified by the Aerospace Science and Technology Department (DCTA). However, since I’m Level III qualified, all staff are trained by myself and only then do they take the DCTA qualification test. The whole process lasts one year, between training, courses and internship,” he explains. In the technical area of mechanical maintenance, there are two employees who provide support to this sector, both of whom possess the Technical Training Certificate (CCT). This certificate is awarded by the National Civil Aviation Agency (Anac) to those who graduate and begin an internship, which lasts three years, always with the goal of obtaining the permanent Technical Qualification Certificate (CHT). The company’s dynamic is: new people being trained by experienced people. “At Gyn Prop Shop my focus is maintaining quality service, providing satisfactory service and support to customers, as this is essential for the company to achieve excellence in this area,” emphasizes the engineer, Virgílio Costa. He also mentions that the company has three elements that set it apart, and you only need to look at their team of managers and employees. “No workshop that possesses H standard NDT also has: Level I (Operator), Level II (Inspector) and Level III (Inspector and Manager),” adds Virgílio Costa. Another contributor at Gyn Prop Shop is mechanical engineer Elaiz Silva dos Anjos, who’s been working at the company since 2011. She is responsible for non-destructive testing and liquid penetrants (parts and engines), eddy currents and ultrasound. “I arrived here at the company and I really like the work environment, because we’re a very well-integrated team. Here you can learn a little about each area and, in an eclectic way, become a qualified professional, ready to meet the market’s demands,” points out the engineer.


EVENTO

Reportagem Francisco Rogido Fotos Mariano Rosales / AVweb

Brasil marca presença NA Sun’n Fun // Brazil leaves its mark at Sun‘n Fun

Arriscadas acrobacias aéreas são atrações no céus de Lakeland para o público // Risky aeronautic stunts are attractions in the skies of Lakeland for the public which fills the fair

Lakeland, Flórida – Os entusiastas que almejam sempre estar por dentro do mercado da aviação mundial não ficaram de fora da 38ª Convenção Anual de Sun’n Fun. O encontro, que é o segundo maior no mercado de aviação no mundo, deu início ao ano aeronáutico nos Estados Unidos e reuniu aproximadamente seis mil brasileiros. Foram expostos mais de 4 mil aviões e aconteceram 450 fóruns educacionais. Segundo os coordenadores executivos da convenção, cerca de 20 mil pessoas estiveram na Feira (que acontece desde 1975) entre os dias 9 e 14 de abril, no Aeroporto de Lakeland na Flórida. Segundo a International Air Transport Association (Iata), o volume de passageiros na América Latina passará dos atuais 146 milhões, para 440 milhões em 2030, sendo que o Brasil responderá por 48% deste total, com 211,2 milhões conforme a estimativa. Os expositores da Feira sabem disso e já planejam melhorias para o recebimento dos

34

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

turistas brasileiros. O Brasil também é o melhor mercado para os produtos aeronáuticos dos EUA na América Latina. Os fãs da aviação puderam prestigiar durante os seis dias de feira, os stands de 600 expositores. Estudantes, pilotos, engenheiros, empresários e entusiastas, que apenas tem o sonho de voar, fizeram parte deste público. Quem participou da Sun’n Fun teve a oportunidade de ver e comprar as últimas novidades em termos de desenvolvimento de equipamentos como aviônicos, acessórios, além de milhares de outros produtos ligados a área da aviação. Em todo o lugar há pilotos de helicópteros, proprietários de aeronaves, comandantes de táxi aéreo, executivos de empresas de combustíveis, além dos apreciadores que atuam, regularmente, em linhas aéreas comerciais, e que pedem férias no período para curtir a Feira, que é uma grande festa para os fanáticos por aviação.


Razante de avião é comum no evento que reuni a nata dos pilotos de acrobacia aérea // Airplane flybys are common at the event that unites the cream of the crop in acrobatic flying

Brasileiros representaram 30% do público da feira americana // Brazilians represent 30% of attendees at American fair

// ENGLISH Lakeland, Florida - Enthusiasts who crave to be on the inside of the global aviation market were not left out of the 38th Annual Sun ‘n Fun Convention. The event, which is the second largest aviation fair in the world, began the aeronautical year in the United States and brought together about six thousand Brazilians who were exposed to over 4000 aircraft and 450 educational forums. According to the convention’s executive coordinators, about 20,000 people attended the fair, which began in 1975, between April 9-14 at Lakeland Airport in Florida. According to the International Air Transport Association (IATA), passenger volume in Latin America will increase from the current 146 million to 440 million in 2030, and Brazil will account for 48% of this total, with an estimated 211.2 million passengers. The fair exhibitors are aware of this and are already planning improvements to welcome Brazilian tourists. Brazil is also the best market for U.S. aeronautical products in Latin America. Aviation fans could visit 600 exhibitor stands during the six days of the fair. Students, pilots, engineers, entrepreneurs and enthusiasts, who just have the dream of flying, were part of this audience. Those who participated in Sun ‘n Fun had the opportunity to see and buy the latest developments in equipment such as avionics, accessories, and thousands of other products related to the field of aviation. As far as the eye could see there were helicopter pilots, aircraft owners, air taxi captains, fuel company corporate executives, and enthusiasts who work regularly on commercial airlines and requested vacation time to enjoy the fair, which is a grand affair for aviation fanatics.

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

35


EVENTO

Atrações As atrações não param na Feira. Permanentemente despencam dos céus os paraquedistas do E-Team, o grupo de elite dos Black Diamond Jet Team, sete pilotos civis de caças pilotando cinco L-39 e dois Mig-17, que fazem acrobacias precisas e realmente impressionantes no ar. Eles voam tão baixo e rápidos que, até mesmo os fotógrafos profissionais, com suas câmeras ultramodernas, não são capazes de clicar com precisão o movimento dos aviões. Outros que agradam o público são os pilotos da Aerostars Formation Aerobatic Flight Team. O time pilota os famosos Yak 52 TW, aviões de 400 cavalos de força, com nove cilindros projetados durante a Segunda Grande Guerra, na Romênia, antiga União Soviética. O estrondo dessas aeronaves é tão forte, que as pessoas sentem a potência do motor dentro dos tímpanos, a cada rasante da esquadrilha.

Brasileiros Enquanto os pilotos americanos dominam os céus, os brasileiros fazem-se notar em terra, pois na sexta-feira, 12 de abril, é o dia dos brasileiros na região. Centenas de pessoas vestem amarelo em homenagem ao Brasil. A equipe da Revista Voar na Amazônia Brasil encontrou no parque de exposição vários grupos de praticamente todos os estados brasileiros (São Paulo, Minas Gerais, Amazonas, Goiás, Distrito Federal - Brasília), Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraná, Pernambuco, Ceará, Bahia, entre outros). “As pessoas vêm à feira para fazer network, iniciar relacionamentos comerciais e sentir a temperatura do mercado, bem como para ver o que os outros pensam dos produtos”, disse o brasileiro e gerente da TAM Airlines, Gustavo Toledo. Outro brasileiro que encontramos no evento foi o Comandante Warner Oliveira, da Azul Linhas Aéreas. “Venho aqui para encontrar os amigos. Peço férias nessa época só para vir curtir tudo isso”, comentou. O presidente do Aeroclube de Manaus, Mario Peixoto, esteve na feira de Sun’n Fun. Enquanto não dá uma volta ao mundo (um dos seus sonhos) em seu Saratoga II Turbo, Peixoto foi a Lakeland para rever amigos e apreciar as novidades do setor aéreo. “Aqui é como se fosse a minha casa, fico totalmente à vontade”, disse.

Goiás Goiânia, capital da aviação civil geral do interior do Brasil, contou com a presença dos diretores da Pec Aviação, Global Parts, Gyn Prop Shop, Goiás Manutenção, Quick Aviação, Stoco Aviação e dezenas de outros executivos, que trabalham com aviões em Goiás.

36

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

// ENGLISH

Attractions There is no end to the attractions. Paratroopers from the ETeam constantly tumble out of the sky. An elite group of seven civilian pilots flying five L-39 and two MiG-17 fighters, known as the Black Diamond Jet Team, performed very precise and impressive stunts in the air. They fly so low and fast that even professional photographers, with their ultramodern cameras, are not able to shoot the movement of the aircraft accurately. Other audience pleasers are the pilots from Aerostars Formation Aerobatic Flight Team. The team flies the famous Yak 52 TW: 400 horsepower planes, with nine cylinders, designed during the Second World War in Romania, the former Soviet Union. The roar of the aircraft is so strong that people feel the power of the engine within their eardrums with each low flyby the squadron makes.

Brazilians While American pilots dominate the skies, Brazilians are noticed on the ground, as Friday, April 12th, is the day for Brazilians in the region. Hundreds of people wear yellow in honor of Brazil. The team from the magazine VOAR of the Brazilian Amazon found groups in the exhibition from virtually every state: São Paulo, Minas Gerais, Amazonas, Goiás, Distrito Federal - Brasília, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraná, Pernambuco, Ceará, Bahia, among others. “People come to the fair to network, initiate business relationship and measure the ‘temperature’ of the market, as well as to see what others think of the products,” said Gustavo Toledo, Brazilian and manager at TAM Airlines. Another Brazilian we encountered at the event was Commander Warner Oliveira from Azul Airlines. “I come to meet up with friends. I ask for vacation time during this period just to come enjoy all of this,” he commented. Aeroclube de Manaus President, Mario Peixoto, was also at Sun ‘n Fun. While not traveling around the world in his Saratoga II Turbo (one of his dreams), Peixoto was in Lakeland to meet friends and enjoy the news from the airline industry. “This is like my home, I am totally at ease,” he said.

Goiás Goiânia, civil aviation capital of the Brazilian interior, was represented by administrators of Pec Aviação, Global Parts, Gyn Prop Shop, Goiás Manutenção, Quick Aviação, Stoco Aviação and tens of other executives that work in the field of aviation in Goiás.


julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

37


PIONEIRO NA AMAZÔNIA

Reportagem Francisco Rogido Fotos Carla Lima / Francisco Rogido / Maris Sanne

Diário de Bordo de um Jet Prop // JetPROP Logbook A equipe de bordo saiu de Spokane, estado de Washington, percorreu 11 estados americanos, com paradas no Caribe e em Boa Vista, até chegar a Manaus. A viagem, que durou 3 dias, percorreu 8212 quilômetros, foi realizada em 14 horas de voo. A jornada também serviu para conhecer lugares novos, admirar a geografia americana e rever velhos amigos que estão por terras americanas desfrutando do conforto interno do JetProp.

A PARTIDA DE SPOKANE A CTA - Cleiton Taxi Aéreo, empresa que presta serviços aeromédicos, serviços de taxi aéreo e transporte de executivos na região Norte do Brasil, foi buscar sua nova aeronave no Norte dos Estados Unidos. O novo avião tem características únicas, em termos de consumo e eficiência. Além de um componente exclusivo: o sistema de estabilização automática, que só essa aeronave adquirida pela CTA tem. A gélida segunda-feira de 18 de março marcou a história da CTA e de seu proprietário, o empresário Cleiton Souza. O Comandante Cleiton chegou a Spokane, cidade no interior do

38

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

estado de Washington, acompanhado de seu piloto, Gabriel Fernandes, para levar de casa seu novo avião, um Beechcraft B36TC. Mas não se tratava de um avião qualquer e o experiente empresário do ramo da aviação sabia disso. Tratava-se de um JetProp. A aeronave montada com um motor Pratt & Whitney PT6A-21 é o segredo mais bem guardado do setor de aviação americana, segundo o proprietário da Rocket, Darwin Conrad. Com um desempenho superior a qualquer outro bimotor a pistão incluindo o Baron 58, o avião pode chegar a 260 KTA com um consumo de apenas 32 GPH. O Comandante Cleiton chegou em Seattle no domingo, 17, dirigiu por cerca de seis horas até chegar a Spokane, cidade onde pernoitaria para pegar as chaves de seu novo avião. A cidade é relativamente pequena se comparada a outras cidades americanas. Em sua geografia peculiar, percebe-se que ela fica mais próxima da fronteira do Canadá que da capital do estado de Washington, Seattle. Fica a apenas 30 quilômetros da fronteira do estado de Idaho. Mas só chegando na cidade é que se tem a noção exata do que isso significa no inverno.


Aeronave saindo do hangar do Rocket Engineering em Spokane // Airplane leaving the Rocket Engineering hangar in Spokane

// ENGLISH The flight crew left Spokane, Washington, covered 11 American states with stops in the Caribbean and in Boa Vista before they arrived in Manaus. The 8,212 kilometer trip that lasted 3 days was completed in 14 hours of flight time. The journey also served to visit new places, admire the American landscape and see old friends on American soil who are enjoying the internal comfort of the JetPROP.

LEAVING SPOKANE

Cidade de Spokane em Washington // City of Spokane in Washington

Cleiton Taxi Aéreo (CTA), a company that offers medevac, air taxi and executive transportation services in the North of Brazil, went to the northern United States to bring back its new aircraft. The new airplane has characteristics that are one of a kind in terms of fuel consumption and efficiency. But beyond this, it has an exclusive component that only the new acquired CTA plane has: an automatic stabilization system. The cold Monday of March 18th was a historical day for CTA and its owner, businessman Cleiton Souza. Commander Cleiton arrived in Spokane, a city in the interior of Washington State, accompanied by his pilot, Gabriel Fernandes, to bring home his new plane, a Beechcraft B36TC. However, it was not just any other plane and the experienced aviation businessman knew it. It was a JetPROP. The airplane, fitted with a Pratt & Whitney PT6A-21 engine is the best-kept secret of American aviation, according to the owner of Rocket, Darwin Conrad. With performance superior to any other twin-engine piston aircraft including the Baron 58, the plane can reach 260 kts with a fuel consumption of only 32 GPH. Commander Cleiton arrived in Seattle on Sunday, the 17th, and drove about six hours before arriving in Spokane, where he would stay overnight to get the keys to his new plane. The city is relatively small when compared with other American cities. With its peculiar geography, one can easily see that it is closer to the border of Canada than to Seattle, Washington’s capital. The city sits just 30 kilometers from the Idaho State border. But only getting into the city will give you a true idea of what it means to be in winter.

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

39


PIONEIRO NA AMAZÔNIA

IMPRESSÕES DO COMANDANTE

Revista Voar • Comandante, gostaríamos de saber sobre suas primeiras impressões sobre a performance do avião nesse primeiro trecho da viagem entre Spokane-Kansa City-Fort Laurderdale? Comandante Cleiton • “As impressões todas foram muito boas, pois este é um avião, que, na categoria dele, demonstra que realmente é o melhor. Em termos de performance e de velocidade, ele teve um desenvolvimento excelente, e demonstrou isso já no primeiro trecho entre Spokane e Kansas, quando pegamos um vento forte de cauda e fizemos uma viagem que estava prevista para quatro horas, nós a fizemos em três horas e vinte minutos. Com uma velocidade surpreendente de 365 knot nivelado, na média de, penso eu, de 310-305 knot. O único ponto negativo é o frio que passamos (risos). A temperatura externa estava a -38ºC, enquanto aqui dentro, mesmo com os aquecedores, deveríamos estar a 1 ou 2ºC. Mas isso tendo em vista que estávamos sobrevoando as montanhas rochosas durante o inverno. Mas encarando isso com otimismo poderíamos dizer que se enfrentamos isso, enfrentamos qualquer coisa (risos). Mas o que nos conforta é que no Brasil não teremos temperaturas nesses níveis. Eu acredito que voando nessa mesma altura na região Norte, na Amazônia, vamos chegar no máximo a uma temperatura externa de -8ºC. RV • Comandante Cleiton, qual é a sua opinião sobre as principais vantagens para o passageiro que voará numa aeronave destas? CC • Olha, uma vantagem é que essa é uma aeronave pequena, menor que um Caravan, e é pressurizada. Voando numa aeronave sem pressurização na quantidade de horas que a gente está voando, no final do dia você está com o corpo completamente moído por causa da altura e da gravidade, então o corpo sente muito o esforço, além do desconforto de uma certa falta de ar, sonolência. RV • Em termos da relação custo-benefício, quais são as perspectivas de uso dela na região Norte? CC • Eu acho que a região Norte, ou a região amazônica, é um território imenso, continental mesmo, acho que ela atenderá perfeitamente esta área, mas sinceramente, em termos

40

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

de economia ela pode atender o Brasil todo. Em termos de economia, ela daria para atender perfeitamente à necessidade do cliente que quer pagar por um voo mais barato que num bimotor, e um voo mais rápido que em um monomotor a pistão como um Seneca. O cliente vai pagar por volta de 10% a menos para voar numa aeronave igual a essa, confortável, com espaço interno, segurança e, principalmente, rapidez, pois você sabe que hoje em dia o tempo vale ouro. Ela pode cobrir uma missão e estar de volta na sua base para cobrir uma outra missão, isso conta muito. Então eu concluo dizendo que é bom para o cliente, é bom pra nós da CTA que vamos poder prestar um serviço melhor. RV • Comandante, do ponto de vista especificamente do investidor, do homem de negócios que o senhor é, como o senhor avalia o investimento nessa aeronave? CC • Veja bem, essa aeronave não é para uso pessoal. Ela é um investimento importante para a CTA, uma ferramenta de trabalho, e eu penso não só em mim, mas em todos os colaboradores da empresa. RV • E as perspectivas para 2013 e 2014? CC • Eu acho que, teoricamente, seria bom para Manaus, mas eu não vejo um aumento de demanada para esse segmento de asa fixa, mais para a parte de helicópteros, no sentido de voos panorâmicos, sobrevoos para filmagem da cidade de Manaus. Mas, sinceramente não estou tão otimista quanto ao ano que vem, pois o país vinha com uma promessa de crescimento de 5%, chegou a 3% e, agora, não conseguiremos chegar aos 0,9%, e isso nos preocupa muito, pois as próprias obras do PAC estão atrasadas. Se o país não consegue crescer com essa quantidade de obras, eu não quero imaginar o que acontecerá quando essas obras não existirem mais. Gostaria muito de adquirir mais uma aeronave como esta, mas tenho medo de alguma recessão. Mas acho que essa aeronave por agora é o suficiente, não é necessário contrair mais um empréstimo, pois você não fica com dívidas com funcionários e impostos. RV • Qual é hoje o perfil da clientela da CTA e onde o JetProp vem somar na sua frota? CC • Hoje, a CTA atende aos Correios, fazendo entregas no interior, temos o transporte da Petrobrás, a parte aeromédica tem uma boa fatia da demanda e temos o atendimento a várias prefeituras, pois a extensão territorial da Amazônia é imensa, e o que faz ligar a Capital ao interior muitas vezes é só o rio. Assim, acho que a aquisição dessa aeronave pode atender perfeitamente a prestação de serviços às prefeituras do interior, bem como o transporte de pessoal técnico para o interior em usinas termelétricas e hidroelétricas, que precisam de uma resposta de manutenção rápida.


Pilotos habilitados a voar no JetPROP, da CTA Táxi Aéreo no hangar da empresa // Pilots from CTA Táxi Aéreo capable of flying the JetPROP, at the company hangar

// ENGLISH

COMMANDER’S IMPRESSIONS Commander, we would like to know about your first impressions of the plane’s performance during the first leg of the trip between Spokane-Kansas City-Fort Lauderdale? “All the impressions were really good, because this is a plane that shows that it’s the best in its category. In terms of performance and velocity, it had excellent development and demonstrated this from the first leg between Spokane and Kansas when we encountered a strong tail wind. Also, we made a trip that normally takes four hours in three hours and twenty minutes with a surprising speed of 365 kts level, but on average I think it was 310-305 kts. The only downside is the cold we felt (laughter). The outside temperature was -38˚C, while here, inside, even with the heaters on it was 1 to 2 degrees Celsius. But keep in mind that we were flying over the Rocky Mountains during winter. We faced it optimistically because we can say that if we did this, we can do anything (laughter). The thing that comforts us is that in Brazil we don’t have these temperatures. I believe that flying at this same altitude in the North, in the Amazon, we get a maximum outside temperature of -8˚C. Commander Cleiton, in your opinion, what are the main advantages for a passenger that will fly in one of these airplanes? Look, one advantage is that this is a small plane, smaller than a Caravan, and it’s pressurized. Flying in a non-pressurized plane for the amount of time that we are flying, at the end of the day your body is totally beat because of the altitude and gravity, so the body feels a lot of stress, not to mention the discomfort of lack of air and sleepiness. In regards to the cost-benefit ratio, what are its perspective uses in the North? I think that the North, or the Amazon region, is an immense territory, continental really, and I think that the plane will serve the area perfectly, but honestly, in economic terms, it can serve all of Brazil. Economically speaking, it would flawlessly serve the needs of a client who wants to pay for a flight that is cheaper than a twin-engine and faster than a single-engine piston such as a Seneca. The client will pay around 10% less to fly in an airplane like this; it’s comfortable, with a spacious interior, safe and, mainly,

fast, because you know these days time is money. It can complete one mission and be back at base to do another, this means a lot. So in conclusion, I say it’s good for the client, and good for us here at CTA because we can provide better service. Commander, from the point of view specifically of an investor, of a businessman like yourself, what is your assessment of this aircraft? You see, this aircraft is not for personal use. It is an important investment for CTA, a tool of the trade and I think not only of myself, but of all of the company’s collaborators. What are the outlooks for 2013 and 2014? I think that theoretically it would be good, for Manaus, but I don’t see an increase in demand for fixed wing flying. More on the part of helicopters, for panoramic flights, flyovers for filming the city of Manaus. But honestly, I am not too optimistic for the coming year as the country had a growth forecast of 5% to 3%, however, now we won’t be able to reach 0.9% and this is very worrying since PAC’s (Brazil’s Growth Acceleration Program) projects are delayed. If the country is not able to grow with this many projects, I don’t want to imagine what will happen when these projects don’t exist anymore. I would very much like to acquire another aircraft like this one, but I am afraid of a recession. Nevertheless, I think this plane is sufficient for now, it’s not necessary to take out another loan, so that you are not in debt with employees and taxes. What is the profile of CTA’s clientele today and in what area does JetPROP add to your fleet? Nowadays, CTA serves Correios (Brazilian post office) delivering mail in the interior, we provide transportation for Petrobras, medevac accounts for a good chunk of the demand and we also serve several municipalities, since the Amazon covers an enormous geographical area, and it is often only the river that which connects the capital to the interior. So, I think that the acquisition of this aircraft can perfectly meet the service needs of municipalities in the interior, as well as the transportation of technical personnel to power plants, hydroelectric plants in the interior that need a quick maintenance response.

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

41


PIONEIRO NA AMAZÔNIA

O MOTOR Motor de reação mista, o turboélice é um motor a jato acionado por uma hélice. O avião, além de mais barato que um jato puro, tem maior tração em baixas velocidades, consumindo menos combustível. A Rocket começou a converter os motores do Beechcraft B36TC de seis lugares em 1999.

O JetPROP

Comandante Cleiton Souza recebe seu JetPROP nos Estados Unidos // Commander Cleiton Souza receives his JetPROP in the United States

O INVERNO AMERICANO Nessa época do ano o Norte dos Estados Unidos sofre com o frio. A região de Spokane igualmente sofre com a severidade do inverno americano, pois rodeada por uma cadeia de montanhas de impressionante beleza, cobertas de neve, do alto, ainda no voo de teste, dá-nos a impressão de ser mais isolada e mais fria do que realmente é. O frio vem em rajadas de vento com neve e gelo a uma velocidade de 30 km/h gera uma sensação térmica de muito mais frio que os apenas -1ºC. O fator de windshild, ou o frio com vento, chega a “entrar nos ossos”. O Comandante Cleiton é um piloto com uma experiência sem igual em voos na região Norte do país. Magro e de olhos muito atentos. Aparenta uma jovialidade e simpatia que se dissipam assim que chegamos para a inspeção final dos detalhes da sua aeronave, ainda dentro do hangar da Rocket. Atento aos mínimos detalhes técnicos da nova aquisição da sua CTA, Ele regula instrumentos, acaricia o estofado de couro com carinho, abre compartimentos, checa a lubrificação dos trens de pouso, as asas, os flaps, antes de partirmos para o voo de aprovação. Tudo de maneira minuciosa, como se estivesse lidando com algo que está muito além do seu valor material. Durante o voo de aceitação da aeronave, estavam o piloto Chad Menn, da companhia Malibu Aerospace, que presta consultoria; além do dono da Rocket e o próprio Darwin Conrad, um velho conhecido do Brasil e entusiasta do mercado brasileiro, o comandante Cleiton e seu piloto Gabriel Fernandes. Sobrevoaram Spokane por aproximadamente uma hora e o avião se comportou de maneira bastante satisfatória.

42

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

A aeronave tem características que possibilitam uma alta performance, de uma relação custo/benefício altamente vantajosa se comparados com outras aeronaves de características similares às suas, tais como o Meridian, King Air, TBM700, Pilatus, Citation 700, dentre outros. Com um tanque cheio, por exemplo, a autonomia média é de 5 horas com a máxima velocidade de 260 knots, aproximadamente 481 km/h. A própria fuselagem do Malibu, base do JetPROP, é resistente a ponto de a aeronave suportar manobras arriscadas de teste e parafusos radicais. Em termos de confiabilidade e desempenho a aeronave chega a 260 ktas a 32 GHP, com um arranque de subida da razão de 2500 pés por minuto, chegando a 18.000 pés em apenas 18 minutos. A distância para decolagem e pouso também é impressionante, chegando a apenas 244 a extensão de pista necessária. Tudo isso, aliado ao consumo de 9 milhas náuticas por galão, prova que a aeronave supera as suas similares.

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Esta aquisição feita pela CTA tem uma característica única no mundo. Ela passou a ter um dispositivo de recuperação de atitude anormal de voo. Se o avião desestabilizar ou apresentar alguma severa inclinação, o dispositivo recoloca o avião em situação original de voo mantendo-a reta e nivelada. O dispositivo foi testado durante uma manobra de teste de atitude de sustentação com stoll, e foi um sucesso.

JetProp no hangar da CTA Táxi Aéreo em Manaus // The JetPROP in the CTA Táxi Aéreo hangar in Manaus


Pilotos habilitados a voar no JetPROP, da CTA Táxi Aéreo no hangar da empresa // Pilots from CTA Táxi Aéreo capable of flying the JetPROP, at the company hangar

MIAMI-MANAUS O almoço foi um sandwiche rápido no Subway mais próximo, afinal de contas estavam todos ansiosos para voar. Deixamos Spokane por volta das duas horas da tarde, com uma previsão de voo para 4 horas. Logo, aos 30 minutos de voo, fomos surpreendidos por um providencial vento de cauda de 100 knot. A velocidade do avião, que já é muito mais veloz se comparado a seus similares, alcançou aproximadamente 657 Km/h. Um país de contrastes sociais e geográficos impressionantes. Cruzar as Montanhas Rochosas, com seus picos que ultrapassam os quatro mil metros de altura, a uma altura de 8.100 m na calma de JetProp é uma experiência transcendente. Com pouco menos de duas horas estávamos a uma altura de 27.000 pés com velocidade de cruzeiro de 365 Kt e temperatura externa de -36ºC. Cruzaríamos 7 estados com um total de 1180 NM (milhas náuticas). Ao transpassar a cadeia de montanhas chega-se à amplitude plana e infinita do estado de Nebraska, uma região de grandes planícies cobertas por fazendas imensas onde se pode ver, mesmo no inverno, traços de produção e milho, bacias fluviais com seus rios em geral curtos, rápidos e mais irregulares que os do resto do país. Mesmo do alto avistam-se as grande hélices que produzem a energia eólica desse pedaço isolado do país. Ao sobrevoar os estados de Wyoming e Nebraska já se avistava da janela do avião os latifúndios e as planícies ressecadas pelo frio do meio Oeste Americano. Não tínhamos a noção certa de quantos graus fazia dentro da cabine, apenas de que o frio era inclemente. O piloto Chad Menne, um jovem de 38 anos, nos dava todas as informações necessárias, com a calma dos ho-

mens do meio Oeste americano. Natural de Minessota, Chad, com mais de 19 anos de experiência, começou a voar cedo, ainda criança em hidroaviões de vizinhos. Hoje presta serviços como piloto de teste para o JetPROP. A aeronave teve uma performance excelente em toda a viagem, mas com o vento de cauda que pegaram no primeiros dia, até mesmo Chad se surpreendeu. Voando a uma altura de 27.000 pés e a uma velocidade de 310 ou 320 knots, a primeira etapa da viagem entre Spokane e Kansas, que estava prevista para 4 horas, a fizemos em 3h20, chegando ao Kansas, ainda com luz do dia. Na chegada a Fort Lauderdale a temperatura é mais quente e úmida. Os ventos são menos fortes e a paisagem muda radicalmente. Ao avistar a vegetação verde que rodeia as bordas do Golfo do México parece estarmos num outros país. A Aeronave se comportou de maneira bastante satisfatória, a velocidade com vento lateral era de aproximadamente 300 ktas e 27.000 pés, com o adendo que a temperatura era 30ºC mais alta que a que enfrentamos no Norte dos Estados Unidos. Esse é um fator importante para o teste de comportamento da aeronave, pois este JetProp sempre voara em condições térmicas muito distintas das de nosso país. Depois de pernoitar e encontrar com os amigos, deixamos Fort Lauderdale as 6h da manhã e chegaram as 17h em Boa Vista. Mas nesse caso já estávamos no Brasil e essa é uma outra história, pois certos de que o olho do dono engorda o gado, o comandante Cleiton fecha com uma frase bem humorada: “A única objeção quanto a este avião é o sistema de aquecimento, aqui faz muito frio, mas ainda bem que no Norte do Brasil nunca teremos uma temperatura dessas”. Ainda bem.

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

43


PIONEIRO NA AMAZÔNIA

// ENGLISH

AMERICAN WINTER

MIAMI-MANAUS

At this time of the year, the Northern United States suffers from the cold. The Spokane region also suffers from the severe American winter weather as the area is surrounded by a mountain range of impressive beauty, covered in snow. From up above, during the test flight, one gets the impression that it is colder and more isolated than it really is. The cold comes in gusts of wind with snow and ice at a speed of 30 km/h, which generates a wind chill temperature much lower than just -1°C. The wind chill factor chills you to the bone. Commander Cleiton is a pilot with a unique experience in flights within the Northern region of the country. With a slim build and attentive eyes, he has a jovial and friendly air about him that vanishes once we arrive for the final detailed inspection of his aircraft, still inside the Rocket hangar. Observant of the smallest technical details of CTA’s new acquisition, he calibrates instruments, caresses the padded leather upholstery, opens compartments, checks the landing gear lubrication, the wings, the flaps, all this before we leave for the approval flight. The process is carried out meticulously, as if he were dealing with something that is worth far more than its material value. Present during the aircraft’s approval flight were: pilot Chad Menn, from Malibu Aerospace, a company that offers consulting services, the owner of Rocket himself, Darwin Conrad, an old acquaintance of Brazil who is passionate about the Brazilian market, Commander Cleiton and his pilot, Gabriel Fernandes. They flew over Spokane for approximately one hour and the airplane behaved very well.

Lunch consisted of a quick sandwich at the nearest Subway, after all, they were all eager to fly. We left Spokane at around two in the afternoon, with an estimated flight duration of 4 hours. Soon after, 30 minutes into the flight, we were surprised by a providential tailwind at 100 kts. The airplane reached a speed of about 657 km/h, which is already much faster, in comparison with others in its class. A country of impressive social and geographical contrasts. Crossing the Rocky Mountains, with their peaks that exceed 4,000 ft, at an altitude of 8,100 m in the calm JetPROP is a transcendent experience. With just under two hours of flight time, we had reached an altitude of 27,000 ft at a cruising speed of 365 kts, with an external temperature of -36°C. We would end up crossing 7 states, a total of 1,180 nautical miles. After piercing through the mountain range, we arrive at the seemingly infinite State of Nebraska, a region of great plains covered by vast farms where, even in the winter, one can see traces of corn fields, river basins with rivers that are generally short, fast and more irregular than those in the rest of the country. Even from high up above, we can spot the large propellers that produce wind energy from this isolated part of the country. When flying over the States of Wyoming and Nebraska, large estates and the frostbitten plains of the Western United States can be viewed from the airplane window. We had no real notion of how low the temperature would get inside the cabin; we only knew that the cold was unmerciful. Pilot Chad Menne, a young man of 38, provided us with all of the necessary information, with the calm of an American Midwesterner. Born in Minnesota, Chad, with over 19 years experience, started flying at a young age, as a child in his neighbors’ seaplanes. Today, he works as a test pilot for JetPROP. The aircraft had excellent performance throughout the trip, but with the tailwind that they came across on the first day, even Chad was surprised. Flying at an altitude of 27,000 ft and a speed of 310-320 kts, the first leg of the trip from Spokane to Kansas, which was scheduled for 4 hours, was completed in 3 hours and 20 minutes, arriving in Kansas during the day. Upon arrival at Fort Lauderdale, the temperature was hot and humid. The winds weren’t as strong and the landscape was dramatically different. At the sight of the vegetation that surrounds the edges of the Gulf of Mexico, it seems as though we are in another country. The aircraft behaved wonderfully. The lateral wind speed was about 300 ktas, at 27,000 ft, adding to that that the temperature was 30°C higher than that which we experienced in the North of the United States. This is an important factor for the aircraft’s performance test, as this JetPROP will always be flown in temperature conditions that differ greatly from those encountered in our country. After spending the night and meeting up with our friends, we left Fort Lauderdale at 6 o’clock in the morning and we arrived in Boa Vista at 5 o’clock in the afternoon. But in this case, we were already in Brazil and this is a different story. Speaking from experience, Commander Cleiton left on a humorous note: “The only objection to this plane is the heating system. It gets very cold here, but, thankfully, in the North of Brazil, we will never see such temperatures.” Thank goodness.

THE ENGINE The turboprop is a type of combination engine consisting of a jet engine and a propeller. The airplane is not only cheaper than a pure jet, but it also has greater traction at low speeds, using less fuel. Rocket began converting engines on the six-seater Beechcraft B36TCs in 1999.

JetPROP The aircraft has features that enable high performance, with a highly advantageous cost-benefit ratio when compared with other aircraft with similar characteristics to its own, such as Meridian, King Air, TBM700, Pilatus, Citation 700, among others. With a full tank, for example, the average range is five hours at a top speed of 260 kts, about 481 km/h. The Malibu’s fuselage itself, the basis of the JetPROP, is sturdy enough to withstand risky test maneuvers and radical spins. In terms of reliability and performance, the aircraft reaches 260 ktas at 32 GHP, with a steady rate-of-climb of 2500 ft per minute, attaining an altitude of 18,000 ft in just 18 minutes. The distance for takeoff and landing is also impressive, as only a mere 244 m of runway distance is necessary. All this, coupled with a mileage of nine nautical miles per gallon, proves that the aircraft exceeds others in its class.

TECHNOLOGICAL INNOVATION This acquisition made by CTA is one of a kind. It went on to have an uncommon flight attitude recovery device. If the plane loses stability or goes into some sort of severe climb, the device would return the aircraft to its original flight settings, keeping it straight and level. The device was tested during an attitude test maneuver with stall, which was a success.

44

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013


ALMANAQUE REVISTARIA, AQUI TEM CONTEÚDO. Conheça também nossas lojas com conceito Bookstore & Café.

~ Aceitamos cartoes de crédito.

Na Almanaque Revistaria, voce encontra revistas nacionais e importadas, notícias semanais, de sua novela, informática, quadrinhos, jornais do Rio, Sao Paulo, Brasília e Goiás, DVD’s e CD-ROMs, além de contar com serviço de internet e poder recarregar seu celular. Venha para a Almanaque, onde voce encontra conteúdo. ^

~

^

Seja um Franqueado. www.almanaquerevistaria.com.br - sac@almanaquerevistaria.com.br Av. Jamel Cecílio, n. 3300 - Jardim Goiás - CEP 7416-900 Goiânia-GO - (62) 3945-4106 / 3241-2918

almanaque REVISTARIA


DIÁRIO DE BORDO

Reportagem Lineize Leal Fotos Antonio Ximenes

O voo da águia e o filhote aprendiz // Flight of the eagle and the fledgling learner

Comandante Cleiton da CTA Táxi Aéreo ensina o filho Igor, que paciência é fundamental para um piloto em início de carreira // Commander Cleiton of CTA Táxi Aéreo teaches his son, Igor, that patience is fundamental for a pilot at the beginning of his career

A reportagem da Revista Voar na Amazônia Brasil acompanhou o percurso de um Caravan C-208 da CTA Táxi Aéreo, que decolou do Aeroporto Santa Genoveva, em Goiânia, no dia 10 de fevereiro de 2013, às 11h, com destino ao Aeroclube de Manaus. A bordo da aeronave dois tripulantes e oito passageiros. O piloto e co-piloto, Cleiton Sérgio Souza e Daniel Dias Moreno, respectivamente. Como acompanhantes: a empresária Fernanda Fontenele; o jornalista Antonio Ximenes; a estudante Lívia Fontenele; a fonoaudióloga Rita de Cássia Vasconcelos de Castro; a babá Raimunda Ramos; o estudante Daniel Moreno Filho; a jornalista Lineize Leal; e o estudante Igor Fontenele. Foi Igor, que é filho do comandante Cleiton, quem se destacou na viagem de sete horas. Inquieto, ele pediu para sentar ao lado do pai em pleno voo, com o objetivo de aprender a pilotar. “Este menino tem tudo para ser piloto, mas ainda tem muito a aprender. Pilotar é 5% talento e 95% disciplina, trabalho, leitura dos manuais, conhecimento das normas aeronáuticas, da meteorologia e respeito aos limites da máquina”, comentou o comandante Cleiton. Igor, observando atentamente o pai, pediu para que quando fizesse 18 anos pudesse tirar o brevê de piloto, no que o comandane Cleiton respondeu: “desde agora, meu filho, você está aprendendo a pilotar, mas paciência e humildade também fazem parte do teu aprendizado”.

46

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

// ENGLISH Reporters from Voar magazine, of the Brazilian Amazon, accompanied CTA Táxi Aéreo’s Caravan C-208 on its course from Santa Genoveva Airport, in Goiânia, on February 10, 2013 at 1100hrs, to the Aeroclube de Manaus. On board were two crew members and eight passengers. The pilot and co-pilot: Cleiton Sérgio Souza and Daniel Dias Moreno, respectively. Accompanied by: business woman Fernanda Fontenele; journalist Antonio Ximenes; student Lívia Fontenele; speech therapist Rita de Cássia Vasconcelos de Castro; nanny Raimunda Ramos; student Daniel Moreno Filho; journalist Lineize Leal; and student Igor Fontenele. Igor, son of Commander Cleiton, is the one who stood out during the seven hour trip. Restless, he asked to sit by his dad for the flight to learn how to fly. “This boy has everything it takes to be a pilot, but he still has a lot to learn. Piloting is 5% talent, 95% discipline, work, reading manuals, knowing about aeronautic norms, meteorology and respecting the limits of the machine,” commented Commander Cleiton. Igor, carefully watching his father, asked if he could get his pilot’s license when he turns 18, to which Commander Cleiton answered, “from now on, my son, you are learning to fly, but patience and humility are also part of your learning.”


LIDERANÇA

Reportagem e Fotos Antonio Ximenes

Juta Táxi Aéreo tem o melhor serviço aeromédico de Marabá e região // Juta Táxi Aéreo has the best air ambulance service in Marabá and the surrounding region

Com dois Senecas e um King Air B 200, a empresa tem salvado centenas de vidas no Pará // With two

Marabá, Pará - Com um King Air B 200 e dois Senecas, a Juta Táxi Aéreo, com sede em Marabá, é a mais preparada empresa de aviação com serviço aeromédico desta parte do país. Com mais de 15 médicos especialistas, equipamentos de UTI de ponta e uma capacidade de remoção nacional, ela têm salvado centenas de vidas nos últimos sete anos. “Nós acreditamos no serviço aeromédico e investimos em qualidade humana, técnica e aeronáutica para atender a demanda da nossa região”, disse o comandante Antonio Junqueira, diretor presidente da empresa. Atento ao fator humano, ele foi buscar na experiência do profissional Marcelo Medeiros de Lima, médico intensivista de UTI, a segurança para os seus clientes. Lima é formado pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e tem pós-graduação pela Universidade Gama Filho, ele é o médico-chefe da Juta desde o início das operações aeromédicas da empresa. “Tenho um grupo de colegas médicos que trabalham comigo no Hospital Regional do Sudeste do Pará, em Marabá, e sou coordenador do SAMU municipal de Marabá. Destaco os meus colegas para as atividades aeromédicas, de acordo com a especialidade de cada um, o que nos dá

muita segurança operacional e clínica. Somos uma equipe multidiciplinar com cardiologistas, neointensivistas, cirurgiões gerais, nefrologistas, ortopedistas, enfim, médicos de mais de quinze áreas de atuação”, comentou. Sobre o seu relacionamento operacional com o comandante Junqueira, o médico Marcelo Lima é direto e objetivo. “Ele me oferece as melhores condições de trabalho, e eu, com a minha equipe, conseguimos salvar vidas, porque temos o melhor na área aeromédica regionalmente”, destacou. Marcelo Lima salienta que foi a Juta, com toda sua estrutura, que o fixou profissionalmente em Marabá. “Aqui temos três aviões equipados para o serviço aeromédico (dois Senecas e um King Air B 200), essas aeronaves têm salvado vidas na região, porque há carência de leitos em UTI em Marabá e arredores (são apenas 20 leitos para adultos e dez neonatais, todos em hospital público), isso compromete o atendimento que exige maior complexidade médica. Quando acontece algo mais grave em um paciente e ele tem que ser removido imediatamente, quem entra em cena salvando vidas é a equipe da Juta, pelo seu gabarito técnico operacional e os profissionais de saúde que ela dispõe; que, na minha avaliação, são os mais preparados da região”.

48

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Senecas and one King Air B200, the company has saved hundreds of lives in Pará


Equipamentos das UTIS da Juta Táxi Aéreo são vistoriados pelos profissionais de saúde da empresa // Juta Táxi Aéreo’s ICU equipment is inspected by the company’s health professionals

Enfermeiro-chefe

Escudeira

Além do médico chefe e sua equipe de especialistas, Como sua fiel escudeira está a técnica de enfermagem tem ainda o trabalho do enfermeiro-chefe Werbert RibeiLucirene Silva Moitinho. “Fazemos uma média de 12 remoro Carvalho. Este ex-oficial de saúde do Exército trabalhou ções mensais. Para mim é um aprendizado constante, cada no Hospital de Guarnição de Marabá da 8ª Região Militar, paciente é um caso diferente. Antes do aeromédico trabalhei que é subordinada a 23ª Brigada de Infantaria de Selva. em hospitais na parte ambulatorial e de remoção terrestre. Ele está na Juta desde 2008. “É um trabalho gratificante, Aprendi muito no Hospital Municipal de Parauapebas e no mas que exige o melhor de nós, porque sob a nossa resHospital Municipal Daniel Gonçalves, em Canaã dos Carajás. ponsabilidade estão vidas”. Também trabalhei na UTI terrestre da Unimed de Marabá”. Werbert Carvalho atua na organização do aeromédiSegundo Lucirene Moitinho, seus mais de 12 anos de co, na configuração de emergência da UTI. Segundo ele, experiência na região apontam para uma forte carência atualmente, há quinze médicos à disposição da Juta, para no serviço de atendimento das UTIs locais, “por esse moticada quadro clínico tem um profissional específico. Na vo o serviço aeromédico é fundamental, porque nos casos equipe básica há quatro técnicos de enfermagem e uma mais graves podemos deslocar os pacientes para Goiânia, enfermeira de apoio. São Paulo, Brasília, Terezina, AraNa sua avaliação mercadológica guaina, Belém, Imperatriz, enfim, na área de saúde, um dos gargalos para centros maiores, em função da existentes não é no serviço aeromédiautonomia dos nossos aviões, especo, mas no atendimento do paciente cialmente o King Air B-200”. no solo, em especial das ambulancias Ela disse que sua maior preocuque saem dos hospitais. “Falta equipação, quando está com um papamentos nessas ambulancias, o que ciente a bordo, é o de verificar o nos preocupa, porque cada minuto quadro clínico em relação à fisioé precioso para salvar uma vida que logia no voo, “porque a diminuição está em risco”, destacou. de oxigênio no organismo requer Carvalho tem ainda a qualidade cuidados dobrados.Tenho que esde ser piloto privado, ele solou em tar, permanentemente, monitoran2011 em um Cesna 152. “Aprendi do o paciente e ficar muita atenta muito na minha profissão como piloa medicação, que está sendo presto, porque a altitude altera a fisiolocrita pelo médico.Não há rotina, Médico-chefe Marcelo Lima da Juta Táxi Aéreo gia humana em função do déficit de cada paciente tem um quadro clí// Head Physician Marcelo Lima from Juta Táxi Aéreo oxigênio no organismo”, disse. nico diferente”.

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

49


LIDERANÇA

// ENGLISH Marabá, Pará - With one King Air B200 and two Senecas, Juta Táxi Aéreo, based in Marabá, is the most well-prepared air ambulance service company in this part of the country. With over 15 medical specialists, state-of-the-art ICU equipment and the capacity to serve all over the nation, the team has saved hundreds of lives in the past seven years. “We believe in air ambulance services and we invest in human, technical and aeronautical quality to meet the demand of our region,” said the company’s CEO, Commander Antônio Junqueira. Attentive to the human factor, he sought safety for his clients, through the professional experience of Marcel Medeiros de Lima, intensive care physician. Lima is a graduate of the Federal University of Pará (UFPA) and earned his graduate degree from Gama Filho University. He has been Juta’s Chief Physician since the company first began its aeromedical operations. “I have a group of medical colleagues who work with me at the Regional Hospital of Southeastern Pará, in Marabá, and I am the municipal Emergency Ambulance Service Coordinator in Marabá. I select and appoint my colleagues to air ambulance activities according to each individual’s specialty, which gives us ample operational and clinical security. We are a multidisciplinary team made up of cardiologists, neonatologists, general surgeons, nephrologists, orthopedists and more. Altogether, we have doctors from over fifteen areas of expertise,” he commented. Regarding his operational relationship with Commander Junqueira, Dr. Marcelo Lima is straightforward. “He offers me the best working conditions and I and my team are able to save lives because we have the best in the region when it comes to air ambulance services,” he highlighted. Marcelo Lima emphasizes that it was thanks to Juta, with all its structure, that he was able to establish himself professionally in Marabá. “Here we have three airplanes equipped for air medical services (two Senecas and one King Air B200). These aircraft have saved many lives in the area because there is a lack of ICU beds in the Marabá region (there are only 20 beds for adults and 10 neonatal beds, all in public hospitals), which compromises the realization of more complex medical assistance,” he said. He also points out that when something more serious happens to a patient, and he or she needs to be transferred immediately, it is Juta’s team that enters the scene saving lives with their technical operational standards and the health professionals they rely on.

50

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Head Nurse In addition to the Chief Physician and his team of specialists, the company also counts on the work of Head Nurse Werbert Ribeiro Carvalho. The former Army health official worked at the Garrison Hospital of Marabá, in the 8th Military Region, which is subordinate to the 23rd Jungle Infantry Brigade. He has been with Juta since 2008. “It’s a rewarding job, but it requires the best of us, because we are responsible for lives.” Werbert Carvalho works with the the air ambulance service organization, particularly in the emergency ICU settings. According to him, there are currently fifteen physicians available to Juta; there is a specific professional for each clinical profile. The basic team is comprised of four licensed practical nurses and one registered nurse. In his evaluation of the healthcare market, Webert points out that one of the current bottlenecks isn’t in the air ambulance service, but rather in the medical care provided to patients on the ground, especially by ambulances departing from hospitals. “There is a lack of equipment in these ambulances, which worries us because each minute is precious when you’re saving a life that’s at risk,” he emphasizes. Carvalho also has the quality of being a private pilot, having flown solo in 2011, in a Cessna 152. “I learned a lot in my profession as a pilot, since altitude changes human physiology due to the shortage of oxygen in the body,” he said.

Faithful friend His faithful friend is licensed practical nurse Lucineide Silva Moitinho. “We performa an average of 12 transfers per month. For me, it’s a constant learning process; each patient is a different case. Before joining the air ambulance crew, I worked in hospitals assisting with outpatient care and land transfers. I learned a lot at Parauapebas Municipal Hospital and at Daniel Gonçalves Municipal Hospital, in Canaã dos Carajás. I also worked Unimed’s land ICU in Marabá.” As reported by Lucineide Moitinho, her more than 12 years of experience in the region point to a severe deficiency in the medical care provided by local ICUs. “For this reason, air ambulance service is critical because, in more severe cases, we can transfer patients to Goiânia, São Paulo, Brasília, Terezina, Araguaína, Belém, Imperatriz... In short, we transport them to larger cities, due to the autonomy of our airplanes, in particular the King Air B200.” She said that her biggest concern, when she is with a patient on board, is to verify the individual’s clinical profile in relation to his or her physiology while in flight “because the decreased oxygen in the body requires extra care and attention. I need to constantly monitor the patient and pay close attention to the medication being prescribed by the doctor. There is no routine; each patient has a unique clinical profile.”


Remoção de paciente de Parauapebas para Goiânia no King Air B200 da empresa, mais uma vida salva pela Juta Táxi Aéreo // Transfer of a patient from Parauapebas to Goiânia in the company’s King Air B200, another life saved by Juta Táxi Aéreo

Visionário

Administração Na administração da Juta Táxi Aéreo, o comandante Junqueira conta com os filhosAntonio Carlos de Carvalho Junqueira, formado em Ciência da Computação em Goiânia e trabalhando na empresa desde 2005. Atualmente, ele é o coordenador geral de voo e gestor de segurança operacional. “Somos uma empresa familiar, mas cada um desenvolve as suas funções com autonomia, sabemos que o pai é quem tem a palavra final, mas ele respeita o nosso trabalho, porque acredita em nossa competência técnica. Gosto de mecânica e penso fazer a faculdade de Engenharia Mecânica, isso deve acontecer, se Deus quise, no primeiro semestre de 2014”. O outro ponto de apoio do comandante Junqueira é Anizio José de Carvalho Junqueira. “Sou gerente administrativo da empresa”. Anizio Junqueira é formado em administração de empresas, pelo Centro Universitário UNA de Belo Horizonte. Ele entrou na empresa para auxiliar na gestão dos negócios. “Como tenho conhecimento de planejamento estratégico e conheço métodos modernos de administração, meu pai, que é um piloto extraordinário, me deu esta oportunidade, que estou desfrutando com muito prazer e comprometimento com o nosso desenvolvimento empresarial”, destacou.

Ele observou ainda sobre o talento do comandante Junqueira. “O pai tem uma sensibilidade empresarial nata, porque ele enxerga mais à frente, quando se trata de aviação. Ele tem muita experiência e sensibilidade de mercado. Ele também escuta o que temos a dizer, o que facilita o nosso relacionamento dentro da empresa”.

Piloto Nos ares, o comandante Junqueira conta com a juventude e ímpeto do piloto Matheus Alves Junqueira, 25, seu filho caçula. “Sou piloto desde criança e meu pai é o meu exemplo”, disse Matheus, que segue os passos do mestre e se prepara para voos mais altos com os aviões da empresa.

Manutenção Na manutenção das aeronaves, a Juta Táxi Aéreo conta com a experiência de Liomar de Lima Junqueira, irmão do comandante Junqueira. Engenheiro mecânico formado pela Universidade Federal do Pará em 1991. Ele é homologado pela Anac nos serviços essenciais de manutenção de aeronaves, como células, hélices e Grupo Moto Propulsor, Liomar domina a tecnologia dos motores a pistão e turbohélices. Ele também é o responsável técnico e diretor de manutenção da empresa, bem como o responsável pela qualidade dos serviços das aeronaves. Requisitado pelo mercado local, Liomar também trabalha na TAM de Marabá, onde é especialista nas aeronaves Air Bus 319, 320 e 321. Está com o comandante Junqueira há mais de 35 anos.

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

51


Equipe da Juta Táxi Aéreo em Marabá- é referência regional em serviços aeromédico // The Juta Táxi Aéreo team in Marabá is a reference in air ambulance services within the region

Comandante Antonio Junqueira

Superação

“Aqui na Juta trabalham três filhos e o meu irmão. Eu sempre me pautei pelo profissionalismo e eles têm mostrado as qualidades deles no dia a dia, o que muito tem me alegrado. A mão de obra na aviação civil é muito dificil, mas com eles eu enconcontrei o equilíbrio operacional necessário; além da confiança depositada neles, eu sei que o retorno técnico deles é imediato em cada uma das funções que exercem. Liomar, por exemplo, está comigo desde o princípio da empresa”. Com essas palavras, o fundador da Juta Táxi Aéreo sintetiza o que pensa dos seus colaboradores mais próximos. Comandante Junqueira é um piloto experiente com mais de 40 anos de atuação. Ele já voou pelas áreas mais inóspitas da região, especialmente nas pistas de garimpo, tanto em Redenção, na época da Casseterita, como em Itaituba e Serra Pelada, com o ouro. Sua habilidade no garimpo e a capacidade de transportar todo tipo de mercadoria com segurança em suas aeronaves, fez com que ele chegasse a ter 16 pistas de garimpo sob sua responsabilidade, notadamente, no Laranjal do Jari, no Amapá. Mas nem sempre foi assim, no princípio de suas atividades, lá pelos anos oitenta, ele também voou para as cooperativas que comercializavam castanha, para fazendeiros que participavam de grandes projetos agropecuários e para a Companhia Vale do Rio Doce, em missões de pesquisa geológica, em seus pequenos aviões 206, 210 Cesna e 182 Skylane.

Em 1982, ele experimentou as maiores perdas de sua vida, quando em um trágico acidente de avião em Marabá morreram sua esposa Mara Morena de Carvalho Junqueira, mãe de seus filhos gêmeos (Anizio e Antonio), e seu pai Anizio dos Reis Junqueira, entre outras pessoas que estavam a bordo de um Baron 55. “O mundo caiu sobre a minha cabeça, fiquei totalmente desestabilizado, os meus filhos tinham dois anos. Foi um baque, mas depois de muita dor me recuperei e continuei a luta, porque tinha que criar os filhos e ir em frente”, disse.

52

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Aeromédico Depois de muitos anos e disposto a diversificar suas atividades na aviação, comandante Junqueira montou o serviço aeromédico na Juta em 2007. Começou com um Seneca e, hoje, tem como líder nos céus um King Air B 200, com autonomia de seis horas, com capacidade para oito passageiros e dois tripulantes, bem como uma UTI aérea internacional, pela qualidade dos equipamentos e a mão de obra médica.

Planos Em função do aquecimento do mercado, ele já planeja adquirir outro King Air ou um Lear Jet. “As pessoas precisam muito da gente aqui em Marabá e na região, porque os serviços médicos não atendem a demanda; por isso nós fizemos várias parcerias com a Unimed e outras instituições da área de saúde, para servir os pacientes com o que de melhor existe em transporte com UTI a bordo”, comentou.


// ENGLISH

Administration

Commander Antônio Junqueira

When it comes to the administration of Juta Táxi Aéreo, Commander Junqueira counts on his son, Antonio Carlos de Carvalho Junqueira, who studied Computer Science in Goiânia and has worked for the company since 2005. Currently, he is the general flight coordinator and operational safety manager. “We are a family company, but each one of us carries out his or her own functions independently. We know that our father is the one who has the final say, but he respects our work because he believes in our expertise. I like mechanics and I think about studying Mechanical Engineering at university. God willing, this should happen in the first half of 2014.” Commander Junqueira’s other point of support is Anizio José de Carvalho Junqueira. “I’m the administrative manager of the company.” Anizio Junqueira has a degree in Business Administration from UMA in Belo Horizonte. He joined the company to assist in the management of the business. “As I have knowledge of strategic planning as well as modern administrative methods, my father, who is an extraordinary pilot, gave me this opportunity which I enjoy with great pleasure and commitment to our business development,” he emphasizes.

“My three sons and my brother work here at Juta. I have always been guided by professionalism and they have shown me their qualities on a daily basis, which has brought me much joy. Manpower in civil aviation is very difficult to come by, but with their help I’ve managed to attain the necessary operational stability. In addition to the trust I have in them, I know that I get an immediate return from them in the roles each one of them plays. Liomar, for example, has been with me from the beginning of the company.” With these words, Juta Táxi Aéreo’s founder summarizes what he thinks of his closest collaborators. Commander Junqueira is an experienced pilot with over 40 years of experience. He has already flown in the region’s most inhospitable areas, especially in mining runways, both in Redenção, during the cassiterite days, as in Itaituba and Serra Pelada, for gold mining. His skill in the mining field and the ability to transport all kinds of goods safely in his aircraft lead to him being in charge of 16 mining runways, notably in Laranjal do Jari, in the State of Amapá. But it wasn’t always this way. In the beginning of his career, back in the 80s, he also flew to nut cooperatives, for farmers who took part in large agricultural projects and for Vale do Rio Doce, on geological research missions, in their small airplanes, namely the Cessna 202, 210 and 182 Skylane.

Visionary He also highlighted Commander Junqueira’s talent. “My father has an innate business awareness and he sees ahead when it comes to aviation. He has extensive experience and market awareness. He also listens to what we have to say, which makes our relationship within the company easier.”

Pilot In the air, Commander Junqueira relies on the youthfulness and drive of pilot Matheus Alves Junqueira, 25, his youngest son. “I’ve been a pilot since childhood and my father is my example,” says Matheus, who follows in the master’s footsteps and prepares himself for flying even higher with the company’s aircraft.

Maintenance In aircraft maintenance, Juta Táxi Aéreo counts on the experience of Liomar de Lima Junqueira, Commander Junqueira’s brother, who earned his degree in Mechanical Engineering from the Federal University of Pará (UFPA) in 1991. He obtained his certification through Anac, allowing him to perform essential maintenance on aircraft, such as structure, propellers and propulsion engines. Liomar has mastered piston engine and turboprop technology. He is also the company’s technical manager and maintenance director, as well as being responsible for aircraft service quality. In demand in the local market, Liomar also works for TAM Marabá, where he specializes in the Airbus 319, 320 and 321. He has been with Commander Junqueira for over 35 years.

Overcoming In 1982, he went through the greatest loss in his life, when Mara Morena de Carvalho Junqueira, his wife and mother of his twin sons (Anizio and Antonio) and Anizio dos Reis Junqueira, his father, died along with others in a tragic plane accident in Marabá aboard a Baron 55. “The world fell in on me, I became totally destabilized, my sons were two years old. It was a real blow, but after a lot of pain I recovered and continued to fight because I had to raise my boys and move on,” he says.

Air Ambulance After many years and with a willingness to diversify their aviation activities, Commander Junqueira added air ambulance service to Juta in 2007. He started with a Seneca and, today, has a King Air B200, a leader in the skies with a flight range of six hours, capacity to carry eight passengers and two crew members, as well as an aerial ICU of international standards based on the quality of equipment and medical staff.

Plans In keeping up with the market acceleration, he is already planning to acquire another King Air or Lear Jet. “The people here in Marabá and the surrounding area really need us because medical services can’t meet the demand. For this reason, we partner with Unimed and various other health care institutions to serve patients with the best in air ambulance ICU,” he commented.


COMBUSTÍVEL

Reportagem Letice Leal / Alexsandro Machado Fotos Antonio Ximenes / Letice Leal

AEROPREST INAUGURA ESPAÇO BR AVIATION NO AEROPORTO SANTA GENOVEVA // AEROPREST INAUGURATES BR AVIATION CENTER AT SANTA GENOVEVA AIRPORT Empresa da família Schleifer é administrada pela terceira geração em Goiânia // The Schleifer family business is managed by the third generation in Goiânia

Sócios proprietários da Aeroprest com os filhos diretores // Aeroprest co-owners with their children, the company directors

O 14º BR Aviation Center foi inaugurado no dia 23 de fevereiro no Aeroporto Santa Genoveva, em Goiânia, Goiás. O BR Aviation Center é um programa de relacionamento da Petrobras em parceria com empresas do mercado. Os beneficiados de seus serviços são os proprietários de aviões, empresas de aviação em geral, pilotos, co-pilotos, mecânicos, atendentes de pistas e todas as pessoas apaixonadas pela aviação.

54

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

A BR Aviation é líder no mercado brasileiro de combustíveis de aviação e referência de qualidade internacional. Presente em mais de 100 aeroportos no território nacional, trata-se da maior rede de distribuição de combustíveis e produtos de aviação do País. O BR Aviation Center em Goiânia está sob a coordenação direta da Aeroprest. “Com essa inauguração faremos muito mais pelos nossos clientes, pois teremos mais comodidade e conforto, além


de uma comunicação direta entre a BR Aviation e a Aeroprest. Será, com certeza, uma forma de nunca deixar faltar nada aos nossos clientes”, disse um dos sócios proprietários, Durval Peixoto de Deus. Durval e Maria Carmem Marcelo de Deus sócios e proprietários têm na empresa como diretores os filhos Karen Marcelo de Deus e Nelson Marcelo de Deus. Uma equipe familiar que atua no mercado há 32 anos. Na opinião da sócia proprietária Carmem de Deus, o investimento realizado no BR Aviation Center vai ao encontro dos interesses do mercado, que, em Goiânia, “precisava deste tipo de infraestrutura de alto nível na aviação”. Segundo Karen de Deus, a Aeroprest em parceria com a BR Aviation, “conseguiu passar a ideia de um espaço de qualidade para os nossos clientes”. Para Nelson de Deus, “o novo espaço vai atender com muita propriedade os nossos clientes atingindo a excelência em prestação de serviço”.

Parceria A Petrobras esteve no evento através de seu representante Francelino da Silva Paes, gerente executivo da BR Aviation: “É um grande prazer poder participar de mais essa inauguração, para a Petrobras será mais um BR Aviation Center, que sempre prima pela excelência no atendimento a todos os clientes que, dele, irão se beneficiar. Faremos o abastecimento das aeronaves e também a prestação de serviços diferenciados a todos os nossos clientes,” comentou.

Francelino da Silva Paes, gerente executivo da BR Aviation // Francelino da Silva Paes, executive manager at BR Aviation

Qualidade Renata de Souza, diretora comercial e uma das proprietárias da Aliança Aviação, disse que “não haveria empresa melhor como vizinha ao seu hangar. O nível de clientes vai favorecer e, muito, para todos nós”, destacou. “O BR Aviation Center vai permitir a facilidade de acesso e a comodidade de nossos clientes, que estão sempre em busca de atendimento qualificado”, salientou Arédio Bernardes Júnior, proprietário da Brasil Vida Táxi Aéreo.

Corte da fita inaugural do 14o BR Aviation Center // Ribbon cutting ceremony at the 14th BR Aviation Center

// ENGLISH The 14th BR Aviation Center was opened on February 23 at Santa Genoveva Airport, in Goiânia, Goiás. The BR Aviation Center is Petrobras’ relationship program in partnership with other businesses in the market. The beneficiaries of its services are aircraft owners, aviation companies in general, pilots, co-pilots, mechanics, airport runway workers and aviation lovers. BR Aviation is a leader in the Brazilian aviation fuel market and a reference in international quality. Present in more than 100 airports nationwide, it is the largest fuel and aviation products distribution network in the country. The BR Aviation Center in Goiânia is under the direct coordination of Aeroprest. “With this inauguration we’ll be able to do much more for our clients because we will offer more convenience and comfort, in addition to a direct line of communication between BR Aviation and Aeroprest. It will be a sure way of always meeting our customers’ needs,” says one of the co-owners, Durval Peixoto de Deus. Durval and Maria Carmem Marcelo de Deus, partners and owners, work with their children, Karen Marcelo de Deus and Nelson Marcelo de Deus, the company’s directors. The family team has been operating in the market for 32 years. In the opinion of co-owner Carmem de Deus, the investment made at the BR Aviation Center meets the needs of the market, which, in Goiânia, “needed this type of high-level infrastructure in aviation.” According to Karen de Deus, Aeroprest, in partnership with BR Aviation, “managed to transmit the idea of a quality space for our clients.” For Nelson de Deus, “the new space will service our clients in a way that allows us to achieve excellence in customer service.”

Partnership Francelino da Silva Paes, executive manager at BR Aviation, was at the event representing Petrobras: “It’s a great pleasure to be able to participate in yet another inauguration. For Petrobras, this will be one more BR Aviation Center, which always strives for excellence in attending all of its clients who will be benefitted by the Center. We will be supplying the fuel for the aircraft and providing top-notch service to all of our clients,” he commented.

Quality Renata de Souza, commercial director and one of the owners of Aliança Aviação, said that, “there couldn’t be a better company to have as a neighbor to her hanger. The level of the clientele will be very favorable to all of us,” she emphasizes. “The BR Aviation Center will allow for ease of access and convenience for our customers, who are always in search of qualified service,” points out Arédio Bernardes Júnior, owner of Brasil Vida Air Taxi.


PILOTOS

Reportagem Letice Leal Colaborador Alexsandro Machado Fotos Antonio Ximenes

Empresário deixa tudo para ser piloto, seu sonho desde criança // Businessman leaves everything to be a pilot, his childhood dream Depois de sofrer uma estafa nervosa, Cláudio Brotherhood escolheu a aviação como o melhor remédio de sua vida // After suffering from burnout, Cláudio Brotherhood chose aviation as the best remedy for his life

56

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013


Executivo de sucesso da família Brotherhood atuante na área de educação, Cláudio Brotherhood sofreu uma estafa nervosa, em função da intensa carga de trabalho. Depois do susto, ele compreendeu que sua antiga paixão de voar era a sua principal vocação profissional. Isso foi o suficiente para o executivo comprar três aviões e começar tudo de novo. “Agora, o que mais quero, é ser feliz voando e ajudando os que querem aprender a pilotar uma aeronave”, disse antes de decolar no seu Cessna 152 da pista da “Escolinha”, na saída de Inhumas, na rodovia GO-070. Cláudio Brotherhood Júnior, 49 anos, nasceu em Goiânia. Seu pai também Cláudio Brotherhood era piloto de avião; sua mãe Tânia Brather é advogada. Da união de seus pais nasceram três filhos: Claudio Brotherhood, Sandro Brotherhood e Manuela Brotherhood. Sensível aos laços familiares, Cláudio (Harpia, pela sua habilidade em pilotar) costuma dizer que sua esposa Sayonara Brotherhood e os filhos Diego Brotherhood, 21, (formado em Administração) e Manuela Brotherhood,18, (Psicologia), são as pessoas que mais lhe dão alegria; algo somente comparável a sensação de um voo solo. “Minha mulher, meus filhos e voar são as minhas paixões”, disse.

Tatuagem no braço do comandante representa o sonho de voar // Tattoo on commander’s arm symbolizes the dream of flying

// ENGLISH

Comandante Cláudio Brotherhood Júnior da Harpia // Commander Cláudio Brotherhood Júnior of Harpia

Successful executive from the Brotherhood family, Cláudio Brotherhood, who works in education, suffered from burnout as a result of the intense demands of his job. After the scare, he understood that his old passion for flying was his principle professional calling. That was all it took for the executive to buy three planes and begin everything all over again. “Now, what I want the most is to be happy flying and helping others who want to learn how to fly an aircraft,” he says before he takes off in his Cessna 152 from the “Escolinha” (little school) runway on freeway GO-070 , on the outskirts of Inhumas. Cláudio Brotherhood Júnior, 49, was born in Goiânia. His father, also named Cláudio Brotherhood, was an airplane pilot and his mother, Tânia Brather is an attorney. The union between his parents gave birth to three children: Cláudio Brotherhood, Sandro Brotherhood and Manuela Brotherhood. Sensitive to the family ties, Cláudio (also known as Harpia, Portuguese for harpy eagle, due to his piloting abilities) says that his wife Sayonara Brotherhood and his children Diego Brotherhood (degree in Administration), 21, and Manuela Brotherhood (Psychology), 18, are the people who make him the happiest, something only comparable to the sensation of flying solo. “My wife, my children and flying are my passions,” he says.

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

57


PILOTOS

Renascimento e liberdade Nem mesmo as responsabilidades empresariais – e foram muitas no grupo da família – conseguiram que o garoto, que sonhava em ser piloto desistisse do seu sonho de cruzar os céus do país. “Há males que vem para bem”. Esse é o ditado que melhor exemplifica a guinada existencial que deu Cláudio Brotherhood. “Depois das crises de saúde comecei a despertar novamente para as minhas origens de piloto, que nasceram com o meu pai, e que vinha negando, em função dos negócios. Simbolicamente me libertei dos preconceitos sociais por meio de duas tatuagens. Uma Fênix no braço direito, que significa o renascimento, e uma Harpia no esquerdo, que representa a liberdade de voar”, disse Cláudio Brotherhood.

Compreensão

Comandante Cláudio momentos antes de decolar em seu Cessna 152 // Commander Cláudio moments before taking off in his Cessna 152

Cláudio, piloto nato, agradece aos seus familiares por eles terem compreendido a razão de sua vida. “Eles me apoiaram integralmente”. O seu instrutor, Weslen de Melo Bandeira, é outro profissional que merece os agradecimentos de Cláudio: “Ele teve muita paciência comigo, quando eu tirei o meu brevê em 2010”, destacou.

Centro de formação DNA de piloto Ele conta que seu pai cruzava os céus do Brasil. “Eu adorava voar com ele”. Emocionado, Cláudio lembra de vários voos que fez com seu pai, mas a imagem mais forte, a que decididamente ficou, foi a sensação libertadora dos voos feitos no Cessna 210 e no Cherokee 200”, revelou. Cláudio nunca escondeu que seu maior sonho era estar sozinho no comando de seu próprio avião; mas a rotina de executivo à frente dos negócios da família, fez com que a paixão de menino se tornasse apenas um desejo para ser realizado, um dia, talvez. “Voar sozinho sempre foi meu grande sonho, mas devido à rotina de diretor geral não tinha tempo”.

Decisão Executivos que administram grandes negócios, geralmente, não têm tempo para as paixões fora do trabalho. Cláudio viveu este dilema, mas a sua coragem em mudar de vida e criar um centro de formação de pilotos, com o espírito de uma Harpia, foi, segundo ele mesmo diz: “a mais inteligente e acertada decisão de minha vida. Nós devemos fazer as escolhas para ser feliz, como a que eu fiz”.

58

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Depois do brevê, Cláudio empregou todo seu tino de executivo para começar um novo empreendimento: o do centro de formação de pilotos com a espiritualidade libertadora da Harpia. “Quando o centro de formação iniciou suas atividades, apenas três alunos estavam matriculados no curso, era o mês de abril de 2012, em um espaço pequeno. No mês seguinte, eram 12 alunos, foi o suficiente para eu alugar um hangar”, disse Cláudio. Com a demanda de mais alunos no centro de formação, Cláudio investiu comprando dois Cessnas 152, para instruções práticas.No primeiro ano de existência do centro foram registradas 1.600 horas de voo; em 2013, a meta é chegar ou superar 2.600 horas de voo. Com a nova iniciativa empresarial Claúdio conseguiu equilibrar sua vida, e o melhor de tudo, fazendo o que mais gosta. “A aviação me curou e hoje sou uma pessoa realizada em todos os sentidos”, frisou.

Mãe Cláudio conseguiu seu brevê de piloto, mas algo faltava na sua carreira: a autorização de sua mãe Tânia Brather. “Vou voar com você para ter certeza que posso soltar meu filhote ao vento”, relembrou Claudio – repetindo as palavras de sua mãe, uma de suas principais inspirações.


Comandante Cláudio (segundo à esquerda) com pilotos do seu centro de formação Harpia, em hangar na “Escolinha de Goiânia” // Commander Cláudio (second on the left) with pilots from his Harpia training center, at the “Escolinha de Goiânia” hangar

// ENGLISH

Pilot DNA

Understanding

He tells of his father who flew through the Brazilian skies. “I loved to fly with him.” With great emotion, Cláudio remembers various flights that he made with his father, but the strongest image, the one that stuck with him, was the sensation of freedom on flights made in the Cessna 210 and the Cherokee 200,” he revealed. Cláudio never hid the fact that his greatest dream was to be alone and in command of his own airplane; but the routine of an executive leading the family business turned his childhood passion into a wish to be fulfilled, someday, maybe. “Flying alone was always my great dream, but due to a general director’s routine I never had time.”

Cláudio, a born pilot, thanks his family members because they have understood what his life purpose is. “The totally support me.” His instructor, Weslen de Melo Bandeira, is another professional that deserves Cláudio’s appreciation: “He had a lot of patience with me when I got my pilot’s license in 2010,” he said.

Decision Executives that manage large businesses generally do not have time for passions outside of work. Cláudio lived out this dilemma, but his courage to make life changes and create a training center for pilots, with the spirit of a harpy eagle, was, according to him, “the most intelligent and correct decision in my life. We should all make decisions that will make us happy, like I did.”

Rebirth and liberty Not even the business responsibilities – and there were many within the family’s group – were able to make the boy, who had dreamed of being a pilot, give up on his dream to cross his country’s skies. “Sometimes bad things are really a blessing in disguise.” This is the saying that best exemplifies the existential thrust in Cláudio Brotherhood’s life. “After the health crises I began to reawaken my pilot beginnings that were born with my father and that I had been denying due to the businesses. I symbolically freed myself from social prejudices through two tattoos: a Phoenix on my right arm that represents rebirth, and a harpie eagle on my left that represents the freedom to fly,” says Cláudio Brotherhood.

Training Center After getting his pilot’s license, Cláudio employed all of his executive savvy to start a new business: a training center for pilots with the freeing spirituality of the harpy eagle. “When the training center began its activities only three students were enrolled in the course, it was the month of April in 2012, in a small space. The following month there were 12 students, and that was enough to rent a hangar”, says Cláudio. With the demand of more students at the training center, Cláudio invested in the purchase of two Cessna 152s for the practical lessons. During the first year of its existence, the training center logged 1,600 flight hours; in 2013, the goal is to reach or pass 2,600 flight hours. With the initiative of a new business, Cláudio was able to balance his life and the best of everything doing what he most likes. “Aviation cured me and today I am a fulfilled person in every sense,” he stressed.

Mother Cláudio was able to get his pilot’s license but something in his career was missing: the blessing of his mother, Tânia Brather. “I’m going to fly with you to be sure that I can release my eaglet to the wind,” Cláudio recounts, repeating the words of his mother, one of his greatest inspirations.


TECNOLOGIA

60

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Reportagem e Fotos Antonio Ximenes


Quick Aviação moderniza King Air da Polícia Militar de Minas Gerais // Quick Aviação modernizes the Minas Gerais State Military Police’s King Air Tecnologia de ponta foi introduzida na aeronave do governo mineiro // Cutting-edge technology was introduced in the Minas Gerais government aircraft

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

61


TECNOLOGIA

Experiência

Cabos internos do avião são complexos // Internal cables of the plane are complex

Um King Air C-90 da Polícia Militar do Estado de Minas Gerais passou por uma completa modernização nas oficinas da Quick Aviação. Piloto automático, radar meteorológico, G.P.S, completo redesenho dos aviônicos, que sairam do gabarito analógico para digital, pintura, inspeção e manutenção da aeronave, entre outras modificações foram realizadas nesta máquina, que está literalmente nova. “Nós nos sentimos muito bem, porque este é um trabalho de grande porte em que dominamos toda a tecnologia e nos dá a oportunidade de mostrar para o mercado, que a Quick está na vanguarda neste tipo de operação de modernização da linha King Air”, disse o engenheiro chefe em aviônicos da empresa, Jonatas Berberian. A substituição de componentes do trem de pouso também fez parte da modernização do avião. O piloto automático analógico foi substituido por um digital. Quanto ao novo G.P.S, ele se encontra na condição de Rnave, o que significa que o avião está habilitado para navegação por via satélite, sem precisar da navegação via rádio, esta de natureza terrestre. Os aviônicos substituidos, agora, estão com um sistema completo da Garmin, mais especificamente um G-600 duplo (piloto e co-piloto, com total informação de voo eletrônico). Todo o sistema de cabos (cablagem) foi modificado, passando da energia alternada para a contínua, o que simplificou positivamente este item de fundamental importância para o funcionamento interno do avião.

62

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

A Quick Aviação tem experiência neste tipo de modernização, no ano passado ela fez uma completa modernização em um King Air F-90. Foram seis meses de trabalho, o que permitiu que a aeronave do empresário ficasse como se estivesse saindo da linha de produção do fabricante original, nos Estados Unidos da América.

Mão de obra Este rigor tecnológico se deve, em muito, ao exercício permanente de formação de mão de obra altamente qualificada, desenvolvido pelos sócios, diretores técnicos e irmãos Abrão Berberian e Haig Arthur Berberian, também os fundadores da empresa. “Passei toda a minha experiência de piloto e mecânico para os meus filhos Jonatas e Abrão Júnior, eles souberam aproveitar o melhor dos meus ensinamentos; mas, com certeza, os conhecimentos deles vão superar os meus, porque vivemos em uma escala evolutiva em termos tecnológicos”, comentou Abrão Berberian.

Projeto Coube a Jonatas, a responsabilidade técnica de todo o projeto de modernização do King Air da Polícia Militar de Minas Gerais; logo ele que é, reconhecidamente, um dos mais respeitados engenheiros da área de aviônicos na América Latina. A consolidação de sua carreira se deu, depois das temporadas em que atuou na linha de produção de jatos fabricados pela Embraer, onde ele teve um papel importante no treinamento dos engenheiros e técnicos em eletrônica, no que se refere a aviônicos de última geração nos jatos Legacy e Phenom, por exemplo, de uma das mais importantes empresas de aviação executiva do planeta.


Aeronave foi toda preparada para receber a nova pintura com as cores da PM de Minas Gerias // Plane was completely prepared to receive a new paint job with the Minas Gerias MP colors

// ENGLISH A King Air C-90 belonging to the Minas Gerais Military Police has undergone a complete modernization at the Quick Aviação workshop. Autopilot, weather radar, GPS, completely redesigned avionics, which are now digital and no longer analog, paint job, aircraft maintenance and inspection, among other modifications were made on the machine, which is literally new again. “We feel really good because this is a large job in which we master all the technology and that gives us the opportunity to show the market that Quick is at the forefront of this type of modernization operation of the King Air line,” said the company’s chief avionics engineer, Jonatas Berberian. The replacement of landing gear components was also part of the modernization of the aircraft. The analog autopilot was replaced by a digital model. As for the new GPS, it’s considered to be RNAV, which means that the airplane is equipped to navigate via satellite, without the need for land-based radio navigation. The new avionics now have a complete Garmin system, more specifically, a dual G600 (pilot and copilot, with full electronic flight information). The whole wiring system was modified, from AC to DC, which simplified, in a positive sense, this component which is of fundamental importance to the inner workings of the airplane.

Experience The Quick Aviação team is experienced in this kind of modernization. Last year, they completely updated a King Air F-90. It

took six months of work, which resulted in the owner’s aircraft looking like it had just come off of the original manufacturer’s production line in the United States.

Workforce This technological accuracy is due, in large part, to the ongoing training of highly qualified workforce, developed by partners, technical directors and brothers Abrão Berberian and Haig Arthur Berberian, who are also the company’s founders. “All of my experience as a pilot and mechanic has been passed on to my sons Jonatas and Abrão Júnior, and they were able to make the most of my teachings. However, surely, their knowledge will surpass mine because we live on an evolutionary scale when it comes to technology,” commented Abrão Berberian.

Project The technical responsibility for the whole Minas Gerais Military Police King Air modernization project fell on Jonatas, who is recognized as one of the most respected avionics engineers in Latin America. The consolidation of his career occurred after the periods in which he worked on the Embraer jet production line. There, he played an important role in the training of engineers and electronics technicians with regards to state-of-the-art avionics in Legacy and Phenom jets, for example, at one of the most important executive aviation companies in the world.


SABEDORIA

Reportagem e Fotos Antonio Ximenes

Comandante Heiss, 35 anos de aviação nos céus da Amazônia // Commander Heiss, 35 years of aviation experience in the Amazon skies Piloto é um dos mais experientes da região na ativa // Pilot is one of the region’s most experienced still in activity O comandante Heiss é uma das principais lideranças da aviação civil geral do Norte do Brasil. Sua experiência de 35 anos voando na região, em todo tipo de aeronaves, fez dele uma referência de liderança na Associação Brasileira de Táxis Aéreos (ABTAer), onde é um dos fundadores pioneiros. José Renato Heiss, que tem ao lado nas operações da Heiss Táxi Aéreo, a esposa Sônia Heiss e o filho Anderson Heiss, representa, na categoria, o que de mais sólido e responsável se conhece da cultura de transporte executivo do Pará. Fiel ao princípio de que avião bom é aquele com manutenção em dia, e que piloto bom, é o que respeita os limites da aeronave, ele tem conseguido formar pilotos com sua cultura. “Sempre digo aos meus comandantes para que não intervenham, que sigam os padrões tradicionais da aviação. Primero a segurança, porque é isso que salva vidas e mantém a nossa credibilidade no mercado”, comentou. Gaúcho, mas de alma nortista, Heiss é uma lenda da aviação local. Conservador, disciplinado, firme nas decisões, e, principalmente, orientador das boas práticas aeronáuticas, ele tem conseguido ser um dos faróis da aviação civil geral do Pará. Com habilidade de liderar equipe, a exemplo dos seus amigos generais e brigadeiros, Heiss, que foi militar, relaciona-se com governadores e ex-governadores, senadores, parlamentares diversos e os mais destacados empresários da região, a quem já transportou.

64

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

“Outra lição que aprendi nos meus 35 anos de comandante é que ser discreto ajuda muito na profissão. Já ouvi muitas coisas de autoridades e homens poderosos, mas nunca passei para frente o que escutei a bordo dos aviões ”, comentou. Com este perfil profissional, o comandante Heiss observa que uma boa formação é fundamental na aviação. “Pilotar é uma arte que exige atenção total, um mínimo descuido pode significar um acidente fatal, por isso que seguir as normas de segurança é uma missão sagrada, que deve ser seguida à risca. Isso vale para comandantes experientes como eu, mas também para quem está em início de carreira, serve para a vida toda”, ensina. Depois de ter voado na aviação de garimpo, onde chegou a fazer 150 horas/voo por mês, o comandante Heiss lembra que a experiência de ter pilotado para a Votec Linhas Aéreas, TABA, Norte Jet, Penta Linhas Aéreas, Tail Táxi Aéreo e, hoje, na sua Heiss Táxi Aéreo, fizeram dele um profissional que já passou por praticamente todo tipo de situação em voo, desde panes nos motores até pousos forçados. Mas, ao longo de seus 35 anos, ele nunca teve um acidente que comprometesse a segurança dos passageiros e da tripulação. É esta bagagem de “águia”, que faz dele um símbolo de eficiência técnica e um piloto impecável no Brasil.


Comandante Heiss e sua esposa Sônia são referências na comunidade aeronáutica do Estado do Pará // Commander Heiss and his wife, Sônia, are references in the aeronautic community of Pará State

// ENGLISH Commander Heiss is one of the main leaders in general civil aviation in Northern Brazil. His 35 years of experience flying in the region, in all types of aircraft, have made him a reference in leadership at the Brazilian Air Taxi Association (ABTAer), where he is one of the founding members. José Renato Heiss has his wife, Sônia Heiss, by his side in managing the operations at Heiss Táxi Aéreo. His son, Anderson Heiss, represents, within the category, the most solid and reliable service known in executive transportation in Pará. Faithful to the principle that a good airplane is one that has up-to-date maintenance, and that a good pilot is one who respects the limits of the aircraft, commander Heiss has succeeded at training pilots who share his values. “I always tell my commanders not to make things up, but rather to follow traditional aviation standards. Safety comes first, because that’s what saves lives and maintains our credibility in the market,” he commented. A gaucho (from southern Brazil) by birth, but with the heart of a northerner, Heiss is a local aviation legend. Conservative, disciplined, firm in his decisions and, especially, an advisor in good practices in aviation, he has managed to stand as a guiding light in general civil aviation in Pará. Skilled in leading teams, like his general and brigadier friends, Heiss, a former serviceman himself, maintains connections with

governors, former governors, senators, various members of Congress and the region’s most prominent executives, whom he has already transported. “Another lesson I’ve learned in my 35 years as a commander is that it helps a lot to be discrete in this profession. I’ve heard many things coming from authorities and powerful men, but I’ve never passed on anything I’ve heard on board airplanes,” he comments. With this professional profile, commander Heiss remarks that good training is critical in aviation. “Piloting is an art that requires your full attention; the smallest oversight can result in a fatal accident, which is why obeying safety rules is a sacred mission that must be followed to the letter. That goes for experienced commanders such as myself, but also for those who are beginning their careers. It’s for life,” he advises. After having flown in mining aviation, where he would reach up to 150 flight hours a month, commander Heiss recalls that his experience in piloting for Votec Airlines, TABA, Norte Jet, Penta Airlines, Tail Táxi Aéreo and, currently, at his own company, Heiss Táxi Aéreo, made him into a professional who has already been through just about every type of situation in flight, from engine failures to forced landings. However, over his 35 years of experience, he has never had an accident that compromised the safety of passengers and crew. It’s his accomplishments as an ‘eagle’ that make him a symbol of technical efficiency and a flawless pilot in Brazil.


IRMÃOS

Reportagem e Fotos Antonio Ximenes

Comandantes da Stilus Táxi Aéreo são exemplos de sucesso na aviação civil geral do Norte // Commanders of Stilus Táxi Aéreo are examples of success in general civil aviation in the North Stilus e Joaquim são referências empresariais do mercado, pela credibilidade da empresa que dirigem // Stilus and Joaquim are business references in the market through the credibility of the company they run

Joaquim e Stilus começaram com muito pouco, recuperando um avião encontrado em estado quase terminal, mas que depois de um ano de muito esforço em Goiânia e de praticamente todas as finanças investidas, conseguiram colocar no ar. Pilotos de garimpo e com experiências nas pistas mais difíceis do Norte do Brasil, eles conseguiram mostrar ao mercado a pujança dos empreendedores, que, dispostos a oferecer serviços aeronáuticos de primeiro mundo, se transformaram em referência da aviação civil geral e dos táxis aéreos do Pará, onde são donos da Stilus Táxi Aéreo. Com nove aeronaves a pistão e um jato Lear Jet 35 A, recentemente adquirido, a Stilus Táxi Aéreo tem se caracterizado pela sua solidez administrativa, elevado nível técnico operacional e qualidade de manutenção de seus aviões. Seus serviços de malotes, transporte de valores e transporte executivo no Pará, são de vital importância para o desenvolvimento regional; em uma parte do território nacional em que a aviação civil tem ativa participação social, diminuindo distâncias e levando a centenas de municípios, com rapidez e segurança, passageiros, documentos e mer-

66

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

cadorias, que demorariam dias pelos rios e pela malha rodoviária tradicional. Para entender a qualidade de gestão empresarial e de articulação junto a categoria dos táxis áereos, é bom destacar que Stilus (Elton Luiz Palaoro) participou de todos os encontros nacionais da Associação Brasileira de Táxis Aéreos (ABTAer), sendo que no último, em São Paulo, se destacou pelas ponderações sobre as dificuldades enfrentadas na região, em função das atividades dos aviões que praticam transporte aéreo clandestino, o que acaba prejudicando o mercado local. Stilus, que também exerce a função de examinador credenciado da Anac, para fazer os cheques e recheques dos pilotos da Stilus Táxi Aéreo, é um dos mais respeitados empresários e pilotos do setor, junto a diretoria da ABTAer. Sua postura profissional tem lhe proporcionado um excelente trânsito na Anac, Infraero, Secretaria de Aviação Civil, Decea e outras instituições aeronáuticas. Joaquim Costa Freitas, responsável pelas operações da empresa, é um dos comandantes mais respeitados de Belém, pelos seus conhecimentos.


Passageiros embarcam na aeronave da Stilus em direção ao interior do Pará // Passengers board the Stilus airplane headed for the interior of Pará

// ENGLISH Joaquim and Stilus started with very little, refurbishing a plane they found in an almost terminal state, but after a year of hard work in Goiânia, and virtually all their finances invested, they managed to get it in the air. As mining pilots with experience on the toughest runways in northern Brazil, they were able to show the market the superiority of the entrepreneurs, who, willing to provide first world aeronautical services, became a reference in general civil aviation and air taxis in Pará, where they own Stilus Táxi Aéreo. With nine piston aircraft and a recently acquired Lear Jet 35A, Stilus Táxi Aéreo has been characterized by its administrative solidity, high level of technical operation and quality maintenance of their aircraft. Their courier services, cash-in-transit services and executive transportation in Pará, are of vital importance for regional development in a part of the country in which civil aviation plays an active social role: reducing distances and taking passengers, documents and merchandise to hundreds of municipalities, that would take days on the rivers and the traditional road network, with speed and safety. To understand the quality of business management and liaison in the air taxi field, it is worth mentioning that Stilus (El-

ton Luiz Palaoro) participated in all of the Brazilian Air Taxi Association (ABTAer) national meetings. At the last meeting, in São Paulo, he shared his thoughts about the difficulties encountered in the region as a result of the planes that provide clandestine air transport, which ends up hurting the local market. Stilus, who also serves as an Anac examiner to check and recheck the pilots at Stilus Táxi Aéreo, is one of the most respected businessmen and pilots in the field according to the directorship of ABTAer. His professional approach has given him excellent access to Anac, Infraero, Secretary of Civil Aviation, DECEA (Department of Airspace Control) and other aeronautic institutions. Joaquim Costa Freitas, responsible for the company operations, is one of the most respected commanders in Belém due to his technical aviation knowledge and his diligent approach to aircraft safety and maintenance. Skilled in the art of making friends, Joaquim has a captivating and charismatic way about him that attracts clients through his kindness and confidence of an experienced pilot. “I treat everyone the same way and I make aviation my life’s joy, as commander and businessman,” he says.


FAB

Reportagem e Fotos Érico Xavier

Música, medalhas, selo e livro nos 30 anos do Sétimo Comando Aéreo Regional // Music, medals, a stamp and book in the 30 year commemoration of the Seventh Regional Air Command Instituição atua na defesa do território e no apoio social às populações da Amazônia Ocidental // Institution works in defense of the territory and in social support of the people in the Western Amazon

68

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013


Em comemoração aos 30 anos do Sétimo Comando Aéreo Regional (VII COMAR), no último dia 28 de fevereiro, no Teatro Amazonas, houve uma apresentação de gala da banda de música da Base Aérea de Manaus, com músicos convidados das bases de Boa Vista, Fortaleza e Porto Velho. Das homenagens constou, ainda, o lançamento de um livro, a criação de um selo alusivo à data e entregas de medalhas à diversas autoridades civis e militares. No dia 1º de março, no pátio operacional da Base Aérea de Manaus (BAMN), foi realizada a continuidade dos festejos em comemoração as três décadas de serviços do VII COMAR. A cerimônia teve início com um culto ecumênico em ação de graças, logo após houve o desfile aéreo e militar, com 800 membros da guarnição da aeronáutica de Manaus. Durante a solenidade foram entregues medalhas em homenagem aos ex-comandantes do VII COMAR. O Major-Brigadeiro-do-Ar José Alfredo Sobreira de Sampaio relembrou a época em que esteve à frente do comando, no período de 1995 a 1997. “Tive o prazer de entregar o prédio do VII COMAR praticamente pronto, depois de me dedicar 43 anos a Força Aérea. Tudo nessa instituição emociona e fico lisonjeado com a bonita honraria dedicada à minha pessoa”, comentou. Agente de controle interno do VII COMAR, o coronel intendente Lauro Carlos Konrath também foi homenageado pelos 30 anos de serviços prestados à Aeronáutica. “Ha sete anos tive vontade de conhecer essa região, e de ver o Brasil de outra forma, passei por muitos desafios em minha carreira e é uma grande alegria poder olhar para trás e ver as dificuldades que foram superadas”, destacou o coronel Konrath.

// ENGLISH In commemoration of the Seventh Regional Air Command’s (7th COMAR) thirtieth year this past February 28, the Manaus Air Force Base hosted a musical gala at the Teatro Amazonas with performances by musicians invited from Boa Vista, Fortaleza and Porto Velho. It was a night of tributes, as well as a book launching, the creation of a commemorative date stamp and medal service in recognition of various civil and military authorities. The festivities in honor of 7th COMAR’s three decades of service continued March 1st on the operational patio of the Manaus Air Force Base (BAMN). The ceremony began with an ecumenical service of thanksgiving, followed by a military flyover and parade with 800 members of the aeronautic garrison in Manaus. During the ceremony, medals of honor were presented in honor of former 7th COMAR commanders. Major-Brigadier José Alfredo Sobreira de Sampaio recalled his time in command from 1995 to 1997. “After dedicating myself to 43 years of service to the Air Force, I had the pleasure of delivering the almost complete 7th COMAR building. This institution fills me with emotion and I am flattered by the beautiful way I have been honored,” he commented. Internal control agent for the 7th COMAR, quartermaster Colonel Lauro Carlos Konrath, was also honored for 30 years of service in the Air Force. “Seven years ago I wanted to see this region, and to see Brazil in other ways. I have been through many challenges during my career and it brings me great joy to look back and see the difficulties that were overcome,” said Colonel Konrath.

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

69


FAB

1

3

ADS Entre os agraciados civis com a medalha de membro honorário da Força Aérea Brasileira (FAB) estava o gerente de feiras e eventos da Agência de Desenvolvimento Sustentável (ADS), Orisvaldo Neves, que agradeceu por ter sido lembrado pela FAB. “É uma grande honra receber esta homenagem que se estende a toda a equipe da ADS, uma vez que, como agentes públicos temos a função de ajudar os produtores que vendem diretamente aos consumidores, sendo que isso gera oportunidades e postos de trabalho aos agricultores”, destacou Neves.

Defesa e sociedade A Força Aérea Brasileira (FAB) contribui permanentemente pelo bem estar social das comunidades ribeirinhas, indígenas e extrativistas isoladas da Amazônia brasileira. Para o Comandante do Sétimo Comando Aéreo Regional, Major-Brigadeiro-do-Ar Marco Antonio Carballo Perez, a FAB trabalha em duas vertentes - na sua missão institucional em manter a soberania do espaço

70

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

4

aéreo brasileiro e no apoio e socorro às populações desassistidas e distantes, que têm dificuldades de acesso durante as enchentes, nas secas e em outras situações de risco social e humanitário.

Resgate Para o Tenente Aviador Dessantes, piloto de helicóptero há dez anos, pilotar na Amazônia é diferente de tudo que já fez. Ele disse que participou de um resgate de três pessoas que tinham se acidentado de avião no arquipélago de Anavilhanas, no Rio Negro. “Resgatamos três pessoas com queimaduras graves, que estavam em um avião que explodiu. É um orgulho para todo piloto servir na Amazônia”, disse o oficial.

Orgulho Segundo o comandante do VII COMAR, Major-Brigadeiro-do-Ar Marco Antonio Carballo Perez, “poder liderar essa equipe de homens e mulheres, que continuam cumprindo a missão da instituição militar aqui na Amazônia Ocidental, é motivo de orgulho e felicidade”, enfatizou.

5


2

6

1 - Autoridades militares e civis; 2 - Tenente Aviador Dessantes; 3 - Primeiro Tenente Aviador Olívio Martini Maragon ajudante de ordens do Estado; 4 Orisvaldo Neves gerente de feiras e eventos da ADS, sendo condecorado pelo Major-Brigadeiro-do-Ar Marco Antonio Andrade Carbalho Perez; 5 - Major-Brigadeiro-do-Ar José Alfredo Sobreira de Sampaio sendo condecorado pelo Major-Brigadeiro-do-Ar Marco Antonio Andrade Carbalho Perez; 6 - Major-Brigadeiro-do-Ar Marco Antonio Andrade Carbalho Perez condecora oficial do Exército; // 1 - Military and civil authorities; 2 - Flight Lieutenant Dessantes; 3 - 1st Flight Lieutenant Olivio Martini Maragon, Adjutant to the Chief; 4 Orisvaldo Neves manager of fairs and events for ADS (Sustainable Development Agency) being awarded by Major Brigadier Marco Antonio Andrade Carbalho Perez; 5 - Major Brigadier José Alfredo Sobreira de Sampaio being awarded by Major Brigadier Marco Antonio Andrade Carbalho Perez; 6 - Major Brigadier Marco Antonio Andrade Carbalho Perez official military award presenter

// ENGLISH

ADS Among the civilians awarded the medal of honorary Brazilian Air Force (FAB) membership was the Sustainable Development Agency (ADS) manager of fairs and events, Orisvaldo Neves, who was thankful for being remembered by the FAB. “It’s a great honor to receive this recognition that extends to the entire ADS team since the role of the public servant is to help the producers who sell directly to consumers, which then creates new opportunities and jobs for farmers,” said Neves.

Defense and Society The Brazilian Air Force (FAB) is constantly contributing to the social well being of riverside, indigenous and isolated, extractive communities of the Brazilian Amazon. According to the Commander of the Seventh Regional Air Command, Major-Brigadier Marco Antonio Carballo Perez, FAB works on two fronts: its institutional mission to maintain the sovereignty of Brazilian airspace and provide support and relief to distant, underserved popula-

tions that have difficult access during floods and droughts, as well as in other social risk and humanitarian situations.

Rescue For Lieutenant Aviator Dessantes, helicopter pilot of ten years, piloting in the Amazon is different from anything he has ever done. He said he participated in the rescue of three people that were involved in a plane crash on the Anavilhanas archipelago on the Rio Negro. “We rescued three people who suffered severe burns when the plane exploded. Every pilot is proud to serve in the Amazon,” said the official.

Pride According to 7th COMAR Commander, Major-Brigadier Marco Antonio Carballo Perez, “to be able to lead this team of men and women, who continue to complete the mission of the military institution here in the Western Amazon is a source of pride and happiness,” he emphasized.


PALAVRA DO COMANDANTE Gilberto Scheffer

Aviação Civil Geral na Amazônia // General Civil Aviation in the Amazon

Ao analisarmos a história da aviação civil geral na Amazônia, desde a década de 40 verificamos que ela está intrinsecamente associada ao cotidiano do povo amazônico, daí nossa preocupação em termos uma política própria para o setor de táxi aéreo na região. Precisamos, urgentemente, dentro do contexto de desenvolvimento da aviação civil regional apresentado pela presidente Dilma Rousseff, que seja criada uma política própria para os táxis aéreos, que atendem a Amazônia Legal (Rondônia, Acre, Roraima, Amazonas, Amapá, Pará, parte do Maranhão, Mato Grosso e Tocantins). Uma política de incentivos, como linhas de crédito para a renovação da frota, que, hoje, tem, em média, vinte e cinco anos; isenção total de tarifa de comunicação e aeroportuárias na FIR amazônica; e redução na alíquota do ICMS do combustível, nos estados da Amazônia Legal; sendo os três últimos os grandes vilões do desenvolvimento no segmento. As empresas de táxi aéreo convencional têm condições de atender as pequenas cidades com ligações sistemáticas, onde não chegam as empresas aéreas comerciais tradicionais e as pistas não estão preparadas para aviação regional de aeronaves de médio porte. Esses táxis aéreos pequenos funcionariam como alimentadores das regionais em cidades maiores, onde a demanda e infraestruturas são adequadas às aeronaves de médio porte. Mas para que isso aconteça precisamos do envolvimento dos entes federativos em geral, como SAC (Secretaria de Aviação Civil) e Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), para dar agilidade ao registro das pistas existentes e construídas pelo governo federal a mais de quarenta anos, mas, que, até hoje, não têm registro; o que tem impedido os táxis aéreos convencionais de atender de maneira legal essas comunidades, que são relegadas ao serviço marginal dos TACAS (Táxis Aéreos Clandestinos), causando todo tipo de risco às vidas dos passageiros. As autoridades precisam olhar para o setor de táxi aéreo na Amazônia conforme a sua realidade, onde essas aeronaves prestam um serviço de utilidade pública de grande relevância social no atendimento aos indígenas, ribeirinhos e as comunidades mais isoladas da nação. Tendo como maior cliente a União, através do ministério da Saúde (FUNAI, FUNASA) e Correios, pode-se dizer que o braço amigo do Estado chega às regiões mais distantes do Brasil por meio dos táxis aéreos. O transporte de cargas de medicamentos, o transporte de enfermos, o atendimento as prefeituras no meio da floresta, são de vital importância para a população local. Ignorar essa realidade, seria como quebrar o elo primário da cadeia de desenvolvimento regional sustentável da Amazônia.

72

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

// ENGLISH When we analyze the history of general civil aviation in the Amazon, since the 40’s we can observe that it is intrinsically associated with the daily life of the people of the Amazon. It is for this reason that we believe that there is an absence of specific policies regarding the air taxi sector. Within the context of regional civil aviation development presented by President Dilma Rousseff, there is an urgent need for the creation of appropriate policies for air taxis that cover the Legal Amazon region (Rondônia, Acre, Roraima, Amazonas, Amapá, Pará, part of Maranhão, Mato Grosso and Tocantins). An incentive policy, such as lines of credit, should be implemented. This would allow for renovating the fleet that, today, is an average of 25 years old. Also, a total exemption of communication and airport fees in the Amazonian FIR and a reduction in the rate of fuel taxation in the Legal Amazon states are all necessary measures, seeing as though these are the great villains of development in the air taxi sector. Conventional air taxi companies have the ability to meet the needs of the small cities, where the traditional commercial airline companies don’t service and the runways are not prepared for medium-sized aircraft of regional aviation, with systematic connections. These small air taxis would feed the large regional cities where the demand and infrastructure is adequate for medium-sized aircraft. However, in order for that to happen we need the involvement of federal entities in general, such as SAC (Department of Civil Aviation) and Anac (National Civil Aviation Agency), to facilitate the registration of existing runways and runways built by the federal government over forty years ago that, until now, have not been registered. This has prevented conventional air taxis from legally meeting the needs of these communities, which are relegated to marginal service by TACAS (clandestine air taxis), causing all sorts of risks to passengers’ lives. The authorities need to look realistically at the air taxi sector in the Amazon, where these aircraft provide a public service of great social relevance in meeting the indigenous, riverine and most isolated communities in the nation. The Union, through it’s health (FUNAI, FUNASA) and postal service, is our greatest client; so we can say that the ‘friendly arm’ of the State reaches the furthest regions of Brazil through air taxis. The transport of medicinal cargo, the sick and services to municipalities in the middle of the jungle are of vital importance in the Legal Amazon. To ignore this reality would be to break the first link in the chain of regional, sustainable development in the Amazon.


AVIAÇÃO NO BRASIL É COM A ALIANÇA. Segurança, confiabilidade e atendimento preferencial fazem da Aliança uma das melhores empresas de aviação da região Centro-Oeste.

Avenida Santos Dumont - s/n - Hangar Aliança - Santa Genoveva CEP : 74672-410 - Goiania/Go - (62) 3207-6211 www.allianca.com.br

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

73


HELICÓPTEROS

Reportagem e Fotos Antonio Ximenes Colaboração Mara Magilania

Fênix Táxi Aéreo é líder em serviços e manutenção de helicópteros em Goiânia // Fênix Táxi Aéreo is a leader in helicopter service and maintenance in Goiânia A empresa é especialista no atendimento das aeronaves das polícia militar, civil e bombeiros // The company specializes in servicing military and civil police and firefighter aircraft

74

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013


julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

75


HELICÓPTEROS

Reestruturação

Equipe da Fênix em frente de helicóptero em manutenção // The Fênix team in front of a helicopter undergoing maintenance

A Fênix Táxi Aéreo é a principal empresa de manutenção de helicópteros da região Centro-Oeste. Localizada em Goiânia, conta com profissionais homologados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), em todas as áreas relacionadas a aeronaves rotativas. Sua especialidade é o atendimento aos helicópteros da polícia militar, polícia civil e bombeiros, onde é líder de serviços mecânicos oferecendo uma manutenção de alta qualidade e precisão, garantindo o bem-estar e a segurança dos seus clientes. Hoje, a Fênix tem um quadro de 25 funcionários e um corpo de diretores que trabalha focado na qualidade e no atendimento diferenciado da força policial brasileira e dos empresários da iniciativa privada. Seus clientes estão distribuidos por todo o País, mas, especialmente, em Goiás, Santa Catarina e Brasília. Na carteira de clientes há aeronaves dos modelos Esquilos, Robinson e Koalas. A oficina da Fênix com mecânicos de ponta presta os seguintes serviços: inspeção de hélices, balanceamento, pintura geral, estofamento interno, calda com manutenção completa, CBO e manutenção de aeronaves em geral. Além de ser um centro de serviço autorizado Robinson e homologado como Centro de Excelência pela Anac, sendo autorizado na manutenção das aeronaves Robinson 22, com dois lugares, e o Robinson 44, com quatro lugares. Disposta a ampliar sua atuação na linha Robinson, a Fénix vai começar a trabalhar com o Robinson 66, dois mecânicos da empresa já estão aptos para trabalhar com este modelo de helicóptero. Os clientes da Fênix são as forças estaduais de segurança pública dos Estados, tais como: Polícia Militar de Goiás (Koala e Esquilo), Polícia Civil de Goiás, Bombeiros Militar de Goiás (Koalas) e Polícia Militar de Santa Catarina (Koala). O restante do seu público são de civis, como Shopping Flamboyant ( Koala), Planalto Tratores (Esquilo), fazendeiros e industriais de Goiás e Brasília (Koalas, Esquilos e Robinsons 22 e 44).

76

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Em 2013, a Fênix vem passando por uma grande reestruturação, desde a parte técnica operacional até a administração executiva, pois foram contratados novos mecânicos, auxiliares técnicos e comprados novos equipamentos e ferramentas. A Fênix ampliou a parte comercial com a contratação de profissionais dotados de capacidade operacional nacional, com o objetivo de aumentar a carteira para todo o território brasileiro, com foco nas policias militares, civil, bombeiros, enfim, com tudo que se relacione com segurança em asas rotativas. Nesta direção, o escritório de Brasília tem um papel fundamental por estar diretamente em contato com representantes de todos os Estado brasileiros, no âmbito da força pública. O serviço prestado pela Fênix vai de uma simples manutenção de hélices até a reconstrução total de uma aeronave, ou seja, interior, célula, motorização, pintura e reestruturação completa do equipamento. Ela também está habilitada a trabalhar com as linhas Agusta Westland e Eurocopter. “Qualidade de atendimento com os clientes já existentes é a nossa preocupação, queremos esses antigos parceiros como referência, para que os novos clientes saibam da nosa credibilidade no mercado”, afirmou o diretor comercial Ricardo Silveira. Ronald Freire, que trabalha junto com Silveira, destaca que a entrega dos serviços dentro dos prazos acordados com os clientes ajuda muito a fortalecer os negócios e ampliar a carteira. “Helicóptero existe para voar”, costuma dizer.

Diretor executivo À frente de todo o processo de reestruturação da empresa está o diretor executivo Joacy Araújo, profissional com sensibilidade mercadológica e que com o seu relacionamento, a partir de Brasília, tem conseguido manter um padrão nacional de atendimento com os clientes da força militar, civil e dos bombeiros, o principal nicho de atuação da Fênix. Com apurada visão estratégica, Joacy Araújo está ampliando o raio de ação da empresa, que passa a desenvolver atividades aeronáuticas junto à iniciativa privada, outra das pontas do negócio da Fênix. “Nós estamos trabalhando para ampliar nossas atividades nacionalmente, tendo Goiânia e Brasília como bases operacionais e de negócios, respectivamente”, comentou o diretor executivo.


// ENGLISH Fênix Táxi Aéreo is the leading helicopter maintenance company in the Central-West. Located in Goiânia, they have professionals that are approved by the National Civil Aviation Agency (Anac) in all areas related to rotary aircraft. Their specialty is servicing military and civil police and firefighter helicopters, where they are the leaders in mechanic services, offering high quality and precision maintenance, guaranteeing the well-being and safety of their customers. Today, Fênix has a staff of 25 employees and a board of directors that focus on quality and distinguished service for the Brazilian police force and private sector businesspersons. Their clients come from all over the country, but especially from Goiás, Santa Catarina and Brasília. The client portfolio includes aircraft models Esquilo, Robinson and Koala. The workshop at Fênix, with high quality mechanics, provides the following services: propeller inspection, balancing, general painting, interior upholstery, complete tail wing maintenance, CBO classified (Brazilian Classification of Occupations) and general aircraft maintenance. Besides being an authorized Robinson service center, it is also approved as a Center of Excellence by Anac, being authorized in the maintenance of the Robinson 22, two seater, and the Robinson 44, four seater. Willing to expand their work on the Robinson line, Fênix will begin working with the Robinson 66, and two company mechanics are already able to work on this helicopter model. Fênix’s clients are the State’s public security forces, such as: the Military Police of Goiás (Koala and Esquilo), Civil Police of Goiás, Military Firefighters of Goiás (Koalas) and the Military Police of Santa Catarina (Koala). The rest of their clients are civil, such as Shopping Flamboyant (Koala), Planalto Tratores (Esquilo), farms and industries in Goiás and Brasília (Koalas, Esquilos and Robinsons 22 and 44).

Restructuring In 2013, Fênix went through a major restructuring, from the technical operation sector to the executive administration, as they hired new mechanics and technical assistants and bought new equipment and tools.

Fênix expanded their commercial department by hiring professionals who possess national, operational capability, with the objective of increasing their portfolio for all of Brazil with a focus on military and civil police, firefighters and, ultimately, everything related to rotorcraft safety. To this end, the office in Brasília has a fundamental role of being in direct contact with representatives from all the Brazilian states in the area of public defense. Services provided by Fênix go from simple propeller maintenance to total aircraft reconstruction, that is, the interior, the frame, motorization, paintwork and complete equipment restructuring. They are also equipped to work on the Agusta Westland and Eurocopter lines. “Quality of service for our current clients is our concern; we want these long-established partners as a reference so that new clients know about our credibility in the market,” affirms the commercial director, Ricardo Silveira. Ronald Freire, who works with Silveira, says that delivering the services within the time agreed upon with the clients really helps to strengthen the business and increase the portfolio. “Helicopters are meant to fly,” he often says.

Executive Director Heading up the company’s whole restructuring process is CEO Joacy Araújo, an experienced professional with marketing sensitivity. Through his relationships, from Brasília, he has managed to maintain a national customer service standard with his clients from the civil and military forces and firefighters, Fênix’s main target niche. With a keen strategic vision, Joacy Araújo is expanding the company’s range of action, which will begin to develop aeronautical activities along with the private sector, another one of Fênix’s business goals. “We are working to expand our activities nationwide, with Goiânia and Brasília as our operational and business bases, respectively,” commented the CEO.


HELICÓPTEROS

Mecânico especializado produz peças para helicópteros // Specialized mechanic creates helicopter parts

Hangares A Fênix planeja construir em 2013 e 2014 dois novos hangares (com 30 metros de largura por 40 metros de profundidade e mais de sete metros de altura, cada um) na “Escolinha”, em Goiânia, uma área de 2.800 metros quadrados localizada na cabeceira 31 da pista local. No projeto consta a criação de dois novos helipontos, a ampliação da área de hangaragem, fortalecimento do setor de manutenção de aeronaves e a compra e venda de helicópteros. Todo esse investimento visa a geração de novos negócios aeronáuticos, com vistas a transformar Goiânia em um centro de excelência de asas rotativas nacionalmente.

Do garimpo aos helicópteros Marco Túlio começou a trabalhar com aviação em 1986, em 1990 já estava no garimpo Castelo do Sonho, em Itaituba. Esteve também em Patrocínio e Matupá, na região do Norte do Pará. Nesta vida de garimpeiro do ar, pois ganhava o salário em ouro, ficou dois anos, tempo suficiente para saber que sua aptidão era a de mecânico de aeronaves, na época, de asa fixa. “Naquele tempo voar era uma aventura que se pagava com a própria vida. Vi muitos acidentes e por isso aprendi que avião bom é aquele com manutenção, caso contrário não tem piloto que resista. Sou rigoroso com a mecânica para não deixar as pessoas morrerem”, comentou. De volta a Goiás, depois de ter passado por vários sustos no garimpo, Marco Túlio foi trabalhar na aviação agrícola atuando em Rio Verde (Goiás) e Dourados (Mato Grosso do Sul).

78

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Esteve também em Catalão, mas, finalmente, retornou para Goiânia, onde voltou a trabalhar no Grupo JB Aviação Agrícola, na “Escolinha de Aviação”, saída para Inhumas, ficando com eles sete anos. Depois passou por uma empresa aérea de grande porte e, por fim, montou a Fênix Aviação. Marcos Túlio é um mecânico experiente, que com sua habilidade mecânica e sensibilidade profissional, se transformou em uma referência do que de melhor se faz em helicópteros na região Centro-Oeste. “Passei por momentos dificeis nesses últimos anos, mas hoje posso dizer que encontrei, novamente, o rumo do sucesso com a nova equipe que está na Fênix ”, comentou.

Chefe de Inspeção de Aeronaves Almir Carlos Bezerra - “Temos todas as condições técnicas para atender os mais diversos modelos de aeronaves de asas rotativas. A frota de helicópteros está crescendo vertiginosamente e nós estamos preparados para este mercado, especialmente, no atendimento as polícias militares, civil, bombeiros e demais forças”.

Coordenador da Seção Ferramentaria Assumar da Conceição Borges - “Sou responsável pela liberação de ferramentas que são utilizadas pelos mecânicos no seu uso diário. Na oficina empregamos o SGA (Sistema de Gestão Aeronáutico), que serve para gerir esta área da empresa. Esse sistema foi implantado para a Fênix ter o controle total da ferramentaria, o que tem sido um sucesso pela qualidade da gestão dos equipamentos, em todas as áreas da oficina”.


Sócios-diretores da Fênix Aviação // Partnering directors of Fênix Aviação

Ronald Freire da área comercial ao lado do diretor da Fênix Marco Túlio // Ronald Freire from the commercial division next to Fênix director, Marco Túlio

// ENGLISH

Hangars Fênix plans to build two new hangars in 2013 and 2014 (each one with dimensions of about 30 meters wide by 40 meters deep and over seven meters high) at “Escolinha”, in Goiânia, a 2,800 square-meter area located at marker 31 on the local runway. The project includes the creation of two new helipads, the expansion of the hangar area, strengthening the aircraft maintenance sector and the purchase and sale of helicopters. All of this investment is aimed at generating new aeronautical business, with the intent of transforming Goiânia into a nationwide rotorcraft center of excellence.

From the mine to the helicopters Marco Túlio began working in aviation in 1986 and in 1990 he was already at the Castelo do Sonho mine, in Itaituba. He was also in Patrocínio and Matupá, in the northern region of Pará. He worked for two years as an airborne miner, earning his salary in gold, long enough to know that his talent lay in aircraft mechanics, specifically for fixed-wing airplanes at the time. “At that time, flying was an adventure that you paid for with your own life. I saw many accidents, so I learned that a good airplane is one that is well-maintained, otherwise no pilot stands a chance. I’m strict with the mechanics because I don’t want people to die,” he commented. Returning to Goiás, Marco Túlio went on to work in agricultural aviation in Rio Verde (Goiás) and Dourados (Mato Grosso do

Sul) after experiencing several scares at the mine. He also lived in Catalão for a period of time, but, finally, he returned to Goiânia, where he took up working at Grupo JB Aviação Agrícola again for a seven year period at “Escolinha de Aviação”, near the exit for Inhumas,. Afterwards, he joined a large airline before finally setting up Fênix Aviação. Marcos Túlio is an experienced mechanic who, with his skill in mechanics and his professional awareness, became a reference as the best in helicopter maintenance in the Central-West. “I’ve been through tough times in recent years, but today I can say that, once again, I’ve found the path to success with the new team at Fênix,” he tells.

Head of Aircraft Inspection - Almir Carlos Bezerra “We have all the technical conditions needed to service the most diverse range of rotorcraft. The helicopter fleet is growing dramatically and we are prepared for this market, especially in serving the military and civil police, firefighters and other forces.”

Tool Shop Coordinator - Assumar da Conceição Borges “I am responsible for the release of tools that are used by the mechanics on a daily basis. At the workshop we use SGA (Aviation Management System), which serves to manage this part in the company. This system was installed so that Fênix may have total control of the tools, which has been a success given the quality of equipment management, in all areas of the shop.”


ARTESANATO

Reportagem e Fotos Antonio Ximenes Colaboração Danielle Guimarães

Artesão produz aviões em miniatura e vende na Feira do Cerrado // Craftsman makes miniature airplanes sold at the Feira do Cerrado, a local market

Com uma produção bem humorada Walter Júnior constrói aeronaves de época // With a good-spirited production, Walter Júnior builds old-fashioned aircraft

Av. Totó, QD 103, LT 20 Balneário Meia-Ponte – Goiania – GO (62) 3292.8286 / 8141.6422 / 8417.7087

Aos domingos, o artesão Walter Júnior, 48, está na Feira do Cerrado ao lado do Estádio Serra Dourada, Goiânia, onde vende suas réplicas bem humoradas de aeronaves da primeira e segunda guerra mundiais. Há seis anos na feira, com a banca 15B, esse autodidata faz réplicas para sobreviver e atender o público que quer relembrar um pouco da infância, bem como os apaixonados pela aviação. Aos 14 anos Walter Júnior começou a fabricar réplicas de aeronaves. Suas matérias primas são isopor, madeira e papel marchê. “Construo os aviões como se fossem para mim, me inspiro nos desenhos animados e nos livros de história”, relatou Júnior. Com aeronaves personalizadas, ele consegue transmitir aos clientes leveza e harmonia aerodinâmica.

80

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

// ENGLISH On Sundays, craftsman Walter Júnior, 48, can be found at the Feira do Cerrado, next to Serra Dourada Stadium in Goiânia, where he sells his whimsical replicas of World War I and World War II aircraft. For the past six years, at booth 15B, this self-taught artisan has made a living from producing miniatures, catering not only to aviation enthusiasts, but also to those who want to reminisce about their childhood. At 14 years of age, Walter Júnior began crafting airplane models using styrofoam, wood and paper mache as his raw material. “I make the airplanes as if they were for me. My inspiration comes from cartoons and history books,” tells Júnior. Through personalized aircraft, he manages to convey levity and aerodynamic harmony to his clients.


julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

81


FISCALIZAÇÃO

Reportagem e Fotos Assessoria Anac

Operação suspende mais de 90 aeronaves em SP // Operation grounds more than 90 aircraft in SP Combate contra aeronaves irregulares resultou em 3.433 planos de voo fiscalizados e 350 aviões abordados // The fight against aircraft irregularities results in 3,433 flight plans reviewed and 350 planes inspected

Fiscalização da Anac foi em diversos tipos de aeronaves, aqui abordagem em um jato // The Anac inspection was performed on many kinds of aircraft. Here, a jet is inspected

82

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013


Mais de 350 aeronaves da aviação geral foram fiscalizadas durante a 5ª Operação Especial de Fiscalização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), realizada de 07 a 10 de maio em seis aeródromos do estado de São Paulo. O trabalho foi realizado em conjunto com a Receita Federal, Polícia Federal e o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), sob a coordenação da Secretaria de Aviação Civil (SAC). Além dos seis aeródromos fiscalizados (Congonhas, Campo de Marte, Jundiaí, Sorocaba, Amarais e Bragança Paulista), também houve ação em Atibaia e Condomínio Vale Eldorado, no interior do Estado. A operação ocorreu simultaneamente nos seis aeródromos, das 7 às 19h, e contou com cerca de 170 servidores de todos os órgãos envolvidos. Desde janeiro de 2013, a Anac tem realizado operações especiais de fiscalização na aviação geral, em conjunto com outros órgãos do Governo Federal e dos estados, com objetivo de identificar irregularidades e, ao mesmo tempo, atuar de forma preventiva. As ações também têm o objetivo de reforçar a consolidação da doutrina de segurança operacional e da disciplina de voo na aviação geral brasileira (operação de táxi aéreo, de helicópteros e aeronaves de pequeno porte). Desde o início do ano, foram quatro operações: no Rio de Janeiro (capital), na região de Angra dos Reis (RJ), na região Oeste de São Paulo, e em Manaus (AM). Outras fiscalizações especiais estão programadas para 2013.

// ENGLISH More than 350 general aviation aircraft were inspected during the National Civil Aviation Agency’s (Anac) 5th Special Inspection Operation which took place from May 7-10 in six aerodromes in the state of São Paulo. The operation was conducted in cooperation with the Federal Revenue Office, Federal Police and the Department of Aerospace Control (DECEA), under the coordination of the Civil Aviation Secretary (SAC). In addition to the six inspected aerodromes (Congonhas, Campo de Marte, Jundiaí, Sorocaba, Amarais and Bragança Paulista), there were also actions taken in Atibaia and Condomínio Vale Eldorado in the State’s interior. The operation was carried out simultaneously in the 6 aerodromes, from 7 a.m. to 7 p.m., and involved around 170 employees from all of the participating agencies. Since January 2013, Anac has conducted special inspection operations targeting general aviation, in cooperation with other federal and state government agencies, with the goal of identifying irregularities and, at the same time, work to prevent them. The actions also serve to reinforce safe operational practices and flight discipline in general Brazilian aviation (air taxi services provided by helicopters and small aircraft). Since the beginning of the year, there have been four operations: in Rio de Janeiro (capital), the Angra dos Reis region (RJ), western São Paulo, and in Manaus (AM). Other special inspections are scheduled for 2013.

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

83


FISCALIZAÇÃO

ANAC A Anac destinou 60 servidores para realização da Operação. Os inspetores de aviação civil da Agência fizeram a fiscalização das operações, de aeronaves, de pilotos, de empresas e profissionais envolvidos na manutenção de aeronaves. Ao todo, foram realizadas 350 abordagens em aeronaves, das quais 92 foram impedidas de voar por apresentarem irregularidades que poderiam comprometer a segurança de voo. Os autos de infração estão em curso.

Jato do cantor Gustavo Lima não escapou dos fiscais // Singer Gusttavo Lima’s jet didn’t escape the inspectors

// ENGLISH

ANAC Anac allocated 60 employees to complete the operation. The agency’s civil aviation inspectors investigated the operations of aircraft, pilots, companies and other professionals involved in aircraft maintenance. In all, 350 aircraft were inspected, of which 92 were prevented to fly due to the presence of irregularities that could compromise flight safety. The issuance of notices of infraction is underway.

DECEA O Comando da Aeronáutica exerceu o papel de monitoramento do cumprimento das regras de tráfego aéreo e dos perfis dos voos. No total, 3.433 planos de voo foram fiscalizados em tempo real somente na região da Operação. Destes, 26 apresentaram algum tipo de irregularidade e foram punidos com auto de infração.

DECEA Air Force Command monitored compliance of air traffic rules and flight profiles. In total, 3,422 flight plans were reviewed in real time only in the operation region. Of these, 26 presented some type of irregularity and were served notices of infraction.

POLÍCIA FEDERAL O apoio de policiais federais foi requerido para segurança da operação durante toda a ação e também para atuação em casos de identificação de ilícitos.

FEDERAL POLICE The support of the federal police was required for safety while carrying out the operation as well as working on cases of identifying illicit material.

RECEITA FEDERAL A Receita Federal teve como foco averiguar o processo de importação de aeronaves estrangeiras, mercadorias e peças de reposição também de procedência estrangeira.

FEDERAL REVENUE DEPARTMENT The focus of the Federal Revenue Department was to examine the importation process of foreign aircraft, merchandise and foreign replacement parts.

BALANÇO // AUDIT Turno

Session

Itens Items

Abordagens Inspections

TOTAL

Autos Fines

Suspenção Suspensions

Interdições interdictions

Cond. Vale Eldorado

TOTAL ANAC

DECEA

TOTAL GERAL

0

5

350

3433

3783

*

*

*

*

26

*

7

4

0

3

92

0

92

0

0

0

0

0

0

0

Congonhas

Marte

Jundiaí

Sorocaba

Amarais

Bragança Paulista

75

123

46

43

36

22

*

*

*

*

*

14

43

12

9

0

0

0

0

Atibaia

*Os autos de infração estão em curso // The assessments are ongoing Obs: O número de abordagens realizadas pela Anac na tabela são referentes à aeronaves e o número de abordagens realizadas pelo DECEA são referentes à planos de voo. // Note: The number of approaches made by ANAC in the table refer to aircraft and the number of approaches made by DECEA refer to flight plans.

84

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013


julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

85


CATEGORIA

Reportagem e Foto Antonio Ximenes

ABTAer quer mais ações da Anac contra transporte aéreo clandestino // ABTAer wants Anac to take greater action against illegal air transportation

Instituição defende que governo federal amplie este tipo de fiscalização nacionalmente // Institution argues that the federal government should expand this type of monitoring on a national level

Uma luta histórica da Associação Brasileira de Táxis Aéreos (ABTAer) é o combate ao transporte aéreo clandestino (Taca). Nesta direção, o presidente da instituição, Milton Arantes Costa, tem se mobilizado à frente da categoria para evitar a quebra de dezenas de empresas legalizadas e pagadoras de impostos. “Nós não aceitamos que as autoridades nos digam que não têm mecanismos, gente ou estratégia para fazer a fiscalização nas pistas e aeroportos em geral do Brasil, por isso que estamos, permanentemente, cobrando medidas práticas da Anac”, disse o comandante Milton Arantes Costa. Depois de muito insistir foi atendido em parte pela Anac, que em uma mega mobilização conseguiu deter mais de noventa aeronaves em situação ilegal no Estado de São Paulo. “Anteriormente, havia sido convocado pela Anac para uma reunião em Brasília, ocasião em que conheci uma nova estratégia coletiva, com a participação de vários órgãos federais, inclusive de inteligência, para coibir este tipo de crime, o transporte clandestino de passageiros e outras ilegalidades”, disse Milton Arantes Costa. Segundo ele, naquele momento, na capital federal, a ABTAer teve acesso a algo concreto,que, de alguma forma, começou a funcionar, como se observou nesta grande ação de fiscalização. Mas muito ainda tem que ser feito nacionalmente, “o importante é que a ABTAer de forma mobilizada conseguiu chamar a atenção para uma situação insustentável, que já fechou várias empresas de táxi aéreo, pela sua natureza nociva no meio aeronáutico, salientou Milton Arantes Costa, que permanece firme na cobrança de mais ações em outras partes do território nacional.

86

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Presidente da Associação Brasileira de Táxis Aéreos // President of the Brazilian Air Taxi Association

// ENGLISH The Brazilian Air Taxi Association’s (ABTAer) historic struggle has been combating illegal air transportation (Taca). The institution’s president, Milton Arantes Costa, has lead the group in an effort to avoid the failure of dozens of legal, tax-paying companies. “We don’t accept the authorities telling us that there are no mechanisms, personnel or strategies for monitoring runways and airports in general in Brazil. That’s why we are calling on Anac to implement practical measures,” says Commander Milton Arantes Costa. After insisting a great deal, their request was partially granted by Anac, in a large-scale operation, which managed to detain over ninety aircraft operating illegally in the State of São Paulo. “Previously, I had been summoned by Anac to attend a meeting in Brasilia and it was on this occasion that I was acquainted with a new collective strategy, with the participation of several federal agencies, including an intelligence agency, for counteracting this type of crime, the illegal transportation of passengers and other illegalities,” affirms Milton Arantes Costa. According to him, at that moment, in the federal capital, the ABTAer was presented with something concrete that, somehow, started working, as was seen in this extensive inspection operation. But there is still much to be done nationwide. “The important thing is that the ABTAer was prepared for action and managed to draw attention to a situation that cannot be upheld, and which has already shut down many air taxi companies due to the harmful effect on aviation,” emphasized Milton Arantes Costa, who remains dedicated to demanding greater action in other parts of the country.


julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

87


MANUTENÇÃO

Reportagem e Fotos Antonio Ximenes

Aliança Aviação é especialista em King Air, toda linha Beechcraft e Cessna // Aliança Aviação specializes in the whole Beechcraft line, including the King Air, and Cessnas Empresa tem sistema de monitoramento digital das peças das aeronaves em sua oficina de Goiânia // The company has a digital monitoring system for the parts of the aircraft that are serviced in the Goiânia-based workshop

88

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013


Importação

Computador tem software das aeronaves o que agiliza a manutenção // Computer is equipped with aircraft software which expedites maintenance

A Aliança Aviação em quinze anos de mercado se transformou na referência de manutenção de aeronaves turboélices, como King Air, Grand Caravan, entre outras das linhas Beechcraft e Cessna. Em sua oficina encontra-se os mais avançados equipamentos de manutenção existentes na área. Computadores com programas de avaliação de cada uma das peças das aeronaves monitoram a ‘saúde’ das máquinas no hangar da empresa. Com o objetivo de entregar os aviões rigorosamente nos prazos acordados com os clientes, o comandante Licurgo Filho determinou que todas as aeronaves da oficina fossem agendadas, obdecendo um planejamento rigoroso. “Preferimos trabalhar desta forma para agilizar a manutenção dos equipamentos e passar a segurança necessária para os nossos clientes, que não podem ficar muito tempo com seus aviões aguardando no solo. Nossa prioridade é a qualidade e não a quantidade”, afirmou o diretor geral Licurgo Filho. Com 22 funcionários, vários deles com experiência nas fábricas da América do Norte, a empresa está com o agendamento de suas manutenções pronto para 2013. Mesmo com a antecedência de manutenção na planilha, a empresa tem conseguido encontrar espaço para mais clientes, por entender que entregando antes do prazo acordado as aeronaves, imediatamente, sobram vagas, que são preenchidas na hora, por quem está na fila. “Esta é uma forma de mantermos a nossa carteira de clientes permanentemente ativa, porque eles sabem que seguimos um planejamento estratégico ”, disse a diretora comercial Renata, irmã do comandante Licurgo. O que tem garantido a confiabilidade técnica da Aliança Aviação, é o fato dela ser um Centro de Serviço Autorizado da Cessna no Brasil. Praticamente todas as suas peças desta linha são adquiridas diretamente da fábrica, o mesmo acontecendo com a linha Beechcraft.

Além dos serviços de manutenção, a Aliança Aviação também compra e vende aviões dos e para seus clientes. Com uma ampla infraestrutura de relacionamento nos Estados Unidos da América, a empresa tem conseguido importar aeronaves em excelente estado da América do Norte. Pela sua experiência técnica, ela faz toda a avaliação tecnológica do investimento/avião e se responsabiliza pelos documentos necessários para a nacionalização. Toda a importação fica sob o seu controle. Ela cuida das “papeladas” na América e no Brasil. O cliente, com este serviço, tem todas as garantias. Dezenas de negócios foram feitos pela Aliança, que trouxe vários King Air dos EUA para seus clientes no Brasil. Isso se dá por uma razão simples: experiência – como 95% das aeronaves que passam por sua oficina são da Beechcraft, mais especificamente King Air, ela é dotada de vasto conhecimento nessas aeronaves, que, como o próprio nome diz: é o rei dos céus do Brasil. A Aliança Aviação, sabe disso.

Monitoramento digital facilita o trabalho dos mecânicos // Digital monitoring makes the mechanics’ work easier

Diretor geral Licurgo Filho na frente do hangar da empresa // General director Licurgo Filho in front of the company’s hangar

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

89


MANUTENÇÃO

Aeronaves no hangar da Aliança aviação estão dentro de um cronograma de manutenção previamente agendado // Aircraft at the Aliança Aviação hangar are serviced according to a pre-scheduled timetable

// ENGLISH With fifteen years in the business, Aliança Aviação has become a reference in the maintenance of turboprop airplanes, such as the King Air, Grand Caravan, among others in the Beechcraft and Cessnas lines. The most advanced maintenance equipment in the field can be found at the company’s workshop. Computers equipped with programs for evaluating each part from the aircraft monitor the ‘health’ of the machines at the business’ hangar. Aiming to deliver the airplanes strictly by the deadlines agreed upon by customers, Commander Licurgo Filho determined that all aircraft serviced at the workshop be scheduled in, following rigorous planning. “We prefer to work in this manner in order to streamline equipment maintenance and convey the necessary safety to our clients, who can’t have their airplanes grounded for very long. Our priority is quality, not quantity,” affirms general director Licurgo Filho. With 22 employees, many of whom have experience in North American factories, the company’s maintenance calendar is complete for 2013. Even with advanced maintenance bookings, the business has managed to fit in more clients. Considering that by delivering aircraft before the established deadlines, openings appear instantly, time slots are made available and immediately filled by those next on the waiting list. “This is a way of maintaining our client base permanently active since they know that we follow a strategic plan,” says com-

90

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

mercial director Renata, Commander Licurgo’s sister. What has guaranteed Aliança Aviação’s technical reliability is the fact that the company is a Cessna Authorized Service Facility in Brazil. Virtually all parts for this line are acquired directly from the factory, which is also the case for the Beechcraft line.

Importing In addition to maintenance services, Aliança Aviação also purchases and sells airplanes to and from their clients. With an extensive relationship infrastructure in the United States of America, the business has been able to import aircraft that are in excellent condition from North America. Given their technical expertise, the team is able to perform the whole technological assessment of the investment/airplane and assumes responsibility for the documents necessary for nationalization.The whole importation process is under their control. The company takes care of the paperwork in the United States and in Brazil. WIth this service the client has every assurance. Dozens of deals have been made by Aliança, who has brought over several King Air jets from the USA for their clients in Brazil. This happens for a simple reason: experience - seeing as 95% of the aircraft that go through their workshop are Beechcraft models, more specifically the King Air. The team is equipped with vast knowledge in this aircraft, which, as the name says, is the king of the Brazilian sky. Aliança Aviação knows this well


FORMAÇÃO

Reportagem e Fotos Érico Xavier Colaboração Alexsandro Machado

Amazon Air realiza sonhos aeronáuticos // Amazon Air fulfills aeronautical dreams

Comissários, pilotos e mecânicos se formam nas salas de aula da escola de aviação civil dirigida por Raimundo Nonato da Silva Santos // Flight attendants, pilots and mechanics graduate from the classrooms of aviation school led by Raimundo Nonato da Silva Santos Em cada carteira ocupada pelos alunos da Escola de Aviação Civil da Amazon Air há uma estória de luta e desafio, na tentativa de conquistar o sonho de torna-se piloto, comissário de voo e mecânico de aeronaves. No último dia 14 de maio, 64 novos profissionais se formaram em mecânica básica, 40 em comissários de voo e 15 alunos se tornaram pilotos em meados de junho. Todos aptos a realizar a prova da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Jordan Filho, de 27 anos, foi um dos egressos da turma de mecânica básica. O que me chamou atenção nesse aluno foi a tatuagem no braço, que tem o retrato do “pai da aviação”, Santos Dumont. “Para financiar o sonho de ser mecânico de aeronaves, tive que vender meu carro e investir o dinheiro no curso de corretor imobiliário; com a minha primeira venda de imóvel paguei a inscrição na Amazon Air. Hoje estou me formando e não vejo a hora de poder atuar em uma companhia aérea”, disse Jordan Filho.

92

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

O caminho para se tornar um profissional é árduo, e nem a idade impede a realização de um sonho. Marcelo Lucas de 46 anos segue o princípio de que nunca é tarde para sentar-se em uma carteira escolar e voltar a estudar. Ele é operador de equipamentos há sete anos em uma empresa aérea. “Onde trabalho, tenho a oportunidade de ter contato com mecânicos e percebi que é um emprego promissor na área da aviação, por isso busquei a Amazon Air, porque é uma escola pioneira e que muito me incentiva a alcançar meu objetivo, pois pretendo ser mecânico na empresa que atuo”, revela Lucas.

Jordan Filho, formando do curso de mecânica de aeronaves // Jordan Filho, final-year student of the aircraft mechanics course

Marcelo Lucas, formando do curso de mecânica de aeronaves // Marcelo Lucas, final-year student of the aircraft mechanics course


Antônio Lima, formando do curso de mecânica // Antônio Lima, final-year student of the mechanics course

Lucinalva Correia, formanda do curso de mecânica // Lucinalva Correia, final-year student of the mechanics course

Marcelo Cadaxo, professor instrutor do curso de comissário de voo // Marcelo Cadaxo, flight attendant course instructor

Willian Bernardo, professor instrutor do curso de comissário de bordo // Willian Bernardo, flight attendant course instructor

Francisco Melo, formando do curso de comissário de bordo // Francisco Melo, final-year student of the flight attendant course

Euller Palomino, formando do curso de mecânica de aeronaves // Euller Palomino, final-year student of the aircraft mechanics course

Aluna agraciada com medalha de destaque // Student awarded a special medal

// ENGLISH

Glaucia Moreno, formanda do curso de mecânica de aeronaves // Glaucia Moreno, final-year student of the aircraft mechanics course

Formando do curso de mecânica agraciado com medalha de destaque // Final-year student of the mechanics course awarded a special medal

Reginaldo Viana, coordenador e professor do curso de mecânica de aeronaves // Reginaldo Viana, aircraft mechanics course coordinator and teacher

In each desk occupied by students of the Amazon Air School of Civil Aviation there is a story of struggle and challenge in an attempt to achieve the dream of becoming a pilot, flight attendant or aircraft mechanic. On May 14th, 64 new professionals graduated in basic mechanics, 40 from the flight attendant course and 15 students will become pilots in June. All will be able to take the National Civil Aviation Agency (Anac) test. Jordan Filho, age 27, was one of the graduates in basic mechanics. What caught my attention about this student was the tattoo on his left arm, a portrait of the “father of aviation”, Santos Dumont. “To finance my dream of becoming an airplane mechanic I had to sell my car, invest the money in a real-estate agent course and, with the money from my first sale, I paid the enrollment fee at Amazon Air. Today I am graduating and I can’t wait to work for an airline,” said Jordan Filho. The journey to become a professional is difficult, but not even age can get in the way of realizing a dream. Marcelo Lucas, age 46, follows the principle that it’s never too late to sit at a school desk and study. He has worked as an equipment operator for the past seven years in an aviation company. “Where I work, I have the opportunity to have contact with mechanics and I saw that it is a promising job in the aviation field. That is why I went after Amazon Air, because it is a pioneering school and really incentivizes me to reach my goal. I intend to be a mechanic for the company I currently work at,” reveals Lucas.

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

93


FORMAÇÃO

Menino

Rosana Soares, formanda curso de comissário de voo // Rosana Soares, flight attendant course graduate

Lucas Delecrode, egresso do curso de comissário de voo // Lucas Delecrode, flight attendant course graduate

Mulheres Hoje, o mercado da aviação não é somente composto por profissionais do sexo masculino, pois as mulheres, cada vez mais, tem mostrado forte potencial em profissões como de mecânico e piloto; que, antes, eram exercidas, quase que exclusivamente, por homens. Janaina Leite, de 33 anos, é mãe, dona de casa, esposa e instrutora de auto escola, ela é a única mulher na turma de mecânica de 33 homens que formou-se recentemente. “A minha área não tem crescimento e, por gostar de mecânica de automóveis resolvi optar por mecânica de aeronaves, não é fácil trabalhar o dia inteiro e ainda estar aqui, mas está valendo a pena o investimento”. Ansiosa por finalizar o curso de piloto civil no mês de junho, Karen Cristina,19 anos, dedica-se integralmente em estudar para passar na prova da Anac. Para ter certeza do sonho de ser piloto, a jovem fez um sobrevoo sobre a cidade de Manaus ao lado de um experiente aviador. “Foi uma sensação emocionante e onde percebi que era o que queria para minha vida, estou ansiosa em concluir o curso para fazer as aulas de voo em São Paulo”, ressalta. Egressa do curso de comissária de voo, Rosana Soares, natural do município de Maués, enfrentou o preço da distância dos filhos e do marido para poder se tornar uma comissária de voo. Ela recebeu da Amazon Air a medalha de aluna destaque. “Eu achava que depois de ter filho e casar, não pudesse realizar meu sonho, mas consegui. Vestida com o uniforme já me sinto comissária, e agradeço a Amazon Air por me ajudar no meu objetivo”, pontua.

Janaina Leite, egressa do curso de mecânica
 // Janaina Leite, mechanics course graduate

94

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Lucas Delecrode se perdeu no Aeroporto de Guarulhos aos 6 anos de idade, quando fazia uma conexão para o Paraná. Ele foi encontrado pela equipe de segurança e cuidado por comissários e pilotos. Foi o suficiente para que nunca mais esquecesse daqueles momentos e que, posteriormente, escolhesse a profissão de comissário. Hoje, Lucas está com 19 anos, e já é comissário de voo, além disso, foi agraciado com a medalha de destaque pela comunicação e participação nas aulas. “Receber essa medalha só mostra o quanto a Amazon Air contribui para me moldar como profissional e ser humano, despertou em mim a comunicação e me deu a oportunidade para que eu realizasse o meu sonho, o próximo passo na carreira é me tornar instrutor de comissário”, almeja Delacroide.

Marlen Cadaxo e Formandas do curso de comissário de voo // Marlen Cadaxo and final-years students of the flight attendant course

Instrutores Amazon Air possibilita aos profissionais formados em suas dependências e que se destacam em suas funções no mercado da aviação civil, retornarem a instituição para lecionar. Formada em 2008 pela Amazon Air no curso de comissário de voo, Marlen Cadaxo, em poucos anos conseguiu trilhar um caminho de sucesso dentro da aviação. Após formar-se começou a trabalhar em uma companhia aérea e em 2009, a convite do proprietário da escola, conhecido, carinhosamente, por Da Silva, retornou para instituição para ministrar as disciplinas de maquiagem e etiqueta social. Atualmente, ela exerce a função de coordenadora do curso de comissários e professora das disciplinas de Regulamentação na Profissão Aeronáutica, Direito Aeronáutico, Emergência, Segurança de Voo e Sobrevivência na Selva Teórico. “A oportunidade que Da Silva me deu em poder retornar para escola e hoje coordenar o curso é muito significativa, é recompensador participar do processo de formação dos novos comissários, desejo aos formandos uma trajetória de sucesso”, destacou Marlen.


Metas A meta da escola até 2014 é adquirir um hangar-escola com avião e oficina para a prática dos alunos, e em 2015 disponibilizar cursos superiores em ciências aeronáutica e mecânica de manutenção em aviões e helicópteros.

Mecânicos

Reginaldo Viana, coordenador do curso de MMA // Reginaldo Viana, AMM course coordinator

Reginaldo Viana, coordenador do curso de MMA (Mecânica de Manutenção de Aeronáutica), com 23 anos de experiência na área, trabalhou durante 18 anos na VARIG e há 7 anos atua na TAM Linhas Aéreas. “A necessidade de mecânicos de aeronaves antes era suprida apenas com profissionais vindo de fora do Amazonas, mas a Amazon Air há seis anos tem mudado este quadro, oferecendo ao mercado local profissionais qualificados”, destaca o coordenador.

Moisés Santos, professor // Moisés Santos, teacher

Parabéns O empresário e diretor da Amazon Air, Da Silva, parabenizou os novos comissários de voo e mecânicos. “Agradeço a Deus e estou gratificado por poder contribuir com o sonho desses novos profissionais, a Escola deu o melhor pra forma-los, o primeiro passo foi dado, pois a prova da Anac vai ser apenas o desenrolar de uma carreira que iniciou na escola´´.

Ensino à distância Amazon Air contratou a empresa EAD de São Paulo, referência em tecnologia em transmissão de conteúdo, para desenvolver o projeto de curso à distância a ser apresentado na Anac e implantado na escola. O objetivo é oferecer ainda este ano os cursos de segurança da aviação civil, comissário de voo, piloto de avião e mecânico.

Raimundo Nonato da Silva Santos, proprietário da Amazon Air fala com alunos // Raimundo Nonato da Silva Santos, owner of Amazon Air speaks with students

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

95


FORMAÇÃO

// ENGLISH

Women Today, the aviation market is not only comprised of male professionals, as women have increasingly shown strong potential in professions such as mechanic and pilot which have, in the past, been held almost exclusively by men. Janaina Leite, 33, is a mother, housewife, driving instructor and the only woman to recently graduate in a group of 33 men. “There is no growth in my field, and since I like car mechanics, I decided to go into airplane mechanics. It’s not easy to work all day and still be here, but the investment is paying off.” Anxious to finalize the civil pilot course in the month of June, Karen Cristina, 19, totally dedicated herself to studying so that she can pass the Anac exam. To be sure about her dream of becoming a pilot, the young lady went on a flyover of the city of Manaus alongside an experienced aviator. “It was an emotional sensation and it was where I realized that this was what I wanted to do with my life. I am anxious to complete the course in order to take flying classes in São Paulo,” she says. Flight attendant course graduate, Rosana Soares, native of Maués, paid the price of being far from her children and husband to become a flight attendant. She received a medal from Amazon Air for being a distinguished student. “I thought that after having children and being married I couldn’t accomplish my dream, but I did. Wearing this uniform I already feel like a flight attendant, and I thank Amazon Air for helping me with this goal,” she states.

Boy Lucas Delacroide became lost at Guarulhos Airport at age 6 when he was making a connection to Paraná. He was found by security and cared for by flight attendants and pilots. It was enough for him to never forget those moments and subsequently chose to become a flight attendant as his profession. Today, Lucas is 19 years old and already a flight attendant, but furthermore, he was awarded with a medal of honor for communication and class participation. “Receiving this medal just shows how much Amazon Air has contributed in molding me as a professional and as a person. They awakened the communication within me and gave me the opportunity to fulfill my dream. The next career move will be to become a flight attendant instructor,” asserts Delacroide.

Instructors Amazon Air enables the professionals who graduate from their facilities and excel in their roles within civil aviation to return to the institution to lecture.

96

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Amazon Air 2008 flight attendant course graduate, Marlen Cadaxo, managed to tread a path of success in aviation in only a few years. After graduating, she began to work for an airline company and in 2009 was invited by the owner of the school, affectionately known as Da Silva, to return to the school to teach the art of makeup and social etiquette. Currently, she fulfills the role of flight attendant course coordinator and teaches Regulations of the Aviation Profession, Aviation Law, Emergency, Flight Security and Theory of Wilderness Survival. “The opportunity that Da Silva gave me to come back to the school and coordinate the course now is very meaningful. It’s rewarding to be able to participate in the process of turning out new flight attendants. I wish the graduates much success,” said Marlen.

Mechanics Reginaldo Viana, coordinator of the MMA (Aviation Maintenance Mechanic) course, has 23 years of experience in the area and worked 18 years for VARIG and has been with TAM Airlines for 7 years. “The need for airplane mechanics used to be fulfilled only by professionals coming from outside Amazonas, but for six years Amazon Air has changed all that by offering the market local, qualified professionals,” said the coordinator.

Congratulations Owner and director of Amazon Air, Da Silva, congratulated the new flight attendants and mechanics. “I thank God and I am very gratified to be able to contribute to the dreams of these new professionals. The school has done its best to graduate them; the first step was taken and the Anac exam will just be the start of the career that was began at the school.”

Distance Learning Amazon Air has hired EAD, a company from São Paulo, that is known for technical transmission of educational material, to develop a distance learning project to be presented at Anac and implemented at the school. The goal is to offer courses in civil aviation security, flight attending, piloting and mechanics this year.

Goals The school’s goals for 2014 are to acquire a teaching hanger with a plane and workshop so the students can practice. In 2015, they want to provide advanced courses in aeronautic science and airplane and helicopter mechanics.


EM TODO TERRITÓRIO NACIONAL, COM UMA EMPRESA COMPROMETIDA COM A SEGURANÇA DE VOO.

heisstaxiaereo@hotmail.com www.voeheiss.com.br

(91) 3244-0715 (91) 9116-1782

AEROPORTO BRIGADEIRO PROTÁSIO DE OLIVEIRA - SALA 07 AV. SENADOR LEMOS N.º 4700- CEP : 66120-000 - SACRAMENTA - BELÉM/PA

TÁXI AÉREO


FRANQUIA

Reportagem Letice Leal

Donos da Almanaque Bookstore saltam de paraquedas com o franqueado Alessandro Fortes // Owners of Almanaque Bookstore skydive with franchisee Alessandro Fortes Emoção dos empresários pelo primeiro salto aconteceu em Boituva, no interior paulista // The thrill of the business owners’ first jump happened in Boituva, in the interior of São Paulo state

98

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013


Gilson da Almanaque Revistaria (à direita) e o franqueado Alessandro (à esquerda) // Gilson from Almanaque bookstore (right) and franchisee Alessandro (left)

Alessandro Martins Fortes é apaixonado por paraquedismo e aviação em geral. Paraquedista com mais de três mil saltos e piloto privado, ele tem uma franquia da Almanaque Bookstores e Café em Goiânia, na avenida Bernardo Sayão, no setor Fama. “Eu salto pela emoção, o mesmo acontece quando estou voando. Nos céus estou em casa, me sinto a vontade saltando e pilotando”, disse Alessandro Martins Fortes, que é amigo de Gilson Júnior Faria dos Reis, empresário e um dos donos da franquia Almanaque. Amizade movida a adrenalina, porque foi Alessandro Fortes com seu entusiasmo e experiência, que levou os donos da Almanaque para o primeiro salto de paraquedas em Boituva, a meca do paraquedismo brasileiro, no interior de São Paulo em fevereiro de 2013. Desde então, eles estão ligados pelas mesmas paixões: voar e saltar. Segundo Fortes, o convite surgiu naturalmente para saltar. ‘‘Estava indo fazer um salto em Boituva e convidei o Gilson, que, prontamente, aceitou. Como eu sou franqueado dele ficou tudo mais fácil, porque já nos conhecíamos, e ele sempre se mostrou uma pessoa especial, foi super legal a aventura do salto, que ele me disse que vai repetir”, comentou sobre o amigo. Gilson Júnior Reis, que coordena 26 franquias da Almanaque nacionalmente, sendo que em Goiânia são treze; cinco em Brasília; uma em Palmas; duas no Rio de Janeiro; três em São Paulo; duas em Minas Gerais; e outras cinco que estão para serem inauguradas em Araraquara, Cascavel e Goiânia; tem um temperamento expansivo e está permanentemente de bom humor. Quando soube que Alessandro ia saltar em Boituva, Gilson aproveitou para convidar os outros sócios proprietários da Almanaque: Anderson Alcantara e Ricardo Siqueira para saltar com ele; aproveitou e chamou o amigo e analista de sistemas Genilson Soares. “Foi muito legal, uma sensação única que vou repetir muitas vezes”, disse Gilson.

// ENGLISH Alessandro Martins Fortes loves skydiving and aviation in general. A private pilot, with over three thousand jumps, he is the owner of an Almanaque Bookstores and Café franchise in Goiânia, on Avenida Bernardo Sayão, in the Setor Fama area. “I jump for the excitement; the same happens when I’m flying. I’m at home in the sky, I feel at ease skydiving and flying,” says Alessandro Martins Fortes, who is a friend of Gilson Júnior Faria dos Reis, businessman and one of the owners of the Almanaque franchise. Their friendship is fueled by adrenaline, as it was Alessandro Fortes, with his enthusiasm and experience, who took the owners of Almanaque on their first skydive in Boituva, the Brazilian skydiving mecca, in the interior of São Paulo state in February 2013. Since then, they have been connected by the same passions: flying and jumping. According to Fortes, the invitation to jump came naturally. ‘‘I was going to skydive in Boituva and I invited Gilson to come along. He promptly accepted. Seeing that I am a franchisee of his, it made everything much easier because we already knew each other and he has always been a special person. The skydiving adventure was really cool and he told me he’s going to jump again,” he commented on his friend. Gilson Júnior Reis, who coordinates 26 Almanaque franchises nationwide, thirteen of which are in Goiânia; five in Brasília; one in Palmas; two in Rio de Janeiro; three in São Paulo; two in Minas Gerais; and another five are set to open in Araraquara, Cascavel and Goiânia; has an outgoing temperament and is always in a good mood. When he discovered that Alessandro was going to jump in Boituva, Gilson took advantage of the opportunity to invite Almanaque’s other co-owners, Anderson Alcantara and Ricardo Siqueira, as well as his friend, systems analyst Genilson Soares, to skydive with him. “It was awesome; a unique sensation that I’m going to repeat many times over,” says Gilson.


ESTADO MAIOR

Reportagem e Foto Érico Xavier Colaboradora Danielle Guimarães

Brigadeiro-do-ar, Tarcisio Veloso, assume Estado-Maior do 7º Comando Aéreo Regional // Brigadier Tarcisio Veloso takes on General Staff leadership of the 7th Regional Air Command

O brigadeiro-do-ar, Carlos José Rodrigues de Alencastro, passou o cargo de chefe do Estado-Maior do 7o Comar para o brigadeiro-do-ar Tarcisio de Aquino Brito Veloso, no dia 11 de abril, no hangar do Primeiro do Nono Grupo de Aviação, na Base Aérea de Manaus. Alencastro assumiu o Comando da Nova Força Aérea (II FAE), no Rio de Janeiro. Alencastro esteve no posto de março de 2011 a abril de 2013 e coordenou as seções de pessoal, inteligência, operação logística, planejamento orçamentário, legislação, segurança e defesa. Sob sua responsabilidade também estiveram as áreas de mobilização, material bélico, ensino, engenharia, saúde, economia e finanças, intendência e patrimônio. Alencastro declarou que “o principal desafio à frente do Estado-Maior era o planejamento das ações em prol da manutenção da soberania do espaço aéreo na região”. O brigadeiro-do-ar Tarcísio de Aquino Brito Veloso é natural do Rio de Janeiro, ele disse que “pretende ajudar na excelência do trabalho do VII Comar”. O Comandante do VII COMAR major-brigadeiro-do-ar Marco Antônio Carballo Perez desejou boas vindas ao novo Chefe do Estado-Maior. “Caro amigo Veloso, seja bem-vindo de volta a Manaus, aqui você encontrará uma pequena, mas pujante equipe de trabalho que bem cumpre uma gratificante missão. Você será uma peça importante na engrenagem sinérgica e coesa que é o time das forças armadas que atua na Amazônia”, declarou Perez.

100

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Ele assume no lugar do brigadeiro-do-ar José Alencastro, que foi para o Comando da Nova Força Aérea no Rio de Janeiro // He assumes the position of Brigadier José Alencastro, who continued on to the New Air Force Command in Rio de Janeiro // ENGLISH Brigadier Carlos José Rodrigues de Alencastro passed on the title of Chief of General Staff at the 7th COMAR (Regional Air Command) to Brigadier Tarcisio de Aquino Brito Veloso, on April 11th, at the hangar of the First Air-Squadron of the Ninth Aviation Group, at the Manaus Air Force Base. Alencastro assumed the New Air Force Command (II FAE), in Rio de Janeiro. Alencastro held the post from March 2011 to April 2013 and coordinated the following sectors: personnel, intelligence, logistics, budget planning, legislation, security and defense. He was equally responsible for mobilization, war materials, teaching, engineering, health, economics and finances, administration and assets. Alencastro declared that, “the main challenge ahead of the General Staff was planning actions for the maintenance of the sovereignty of the region’s airspace.” Brigadier Tarcísio de Aquino Brito Veloso, a Rio de Janeiro native, said that he “intend[s] to help maintain the level of excellence in the work of the 7th COMAR.” Seventh COMAR Commander, Major-Brigadier Marco Antônio Carballo Perez, welcomed the new Chief of the General Staff. “Veloso, my dear friend, welcome back to Manaus. Here you will find a small yet mighty team that fulfills a very rewarding mission. You will be an important piece in the synergetic and cohesive machine that is the team of armed forces that operate in the Amazon,” declared Perez.


Acompanhamento pedagógico Higiene corporal e bucal Alimentação Balanceada Enfermagem Acompanhamento nutricional Atividades educacionais lúdicas e psicomotoras

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

101


SUPERAÇÃO

Reportagem e Fotos Antonio Ximenes

Piloto com prótese voa em helicóptero // One-armed pilot flies helicopter using mechanic prosthesis Após acidente de carro em Goiânia que arrancou seu antebraço direito, Carlos Alberto Santoro, o Babal, não desistiu do seu sonho de voar // After a car accident in Goiânia that tore off his right forearm, Carlos Alberto Santoro, also called Babal, didn’t give up his dream of flying

102

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013


Focado na arte de pilotar, Carlos Alberto Santoro observa a ponte sobre o rio Tocantins, na cidade de Marabá que fez 100 anos // Focused on the art of piloting, Carlos Alberto Santoro looks at the bridge over the Tocantins River, in Marabá, which is 100 years old

Carlos Alberto Vasconcelos Santoro, 25 anos, piloto de helicóptero é o único profissional no Brasil que pilota um Robson 44 com apenas um braço. Um acidente de carro em maio de 2010, em Goiânia, arrancou parte do seu braço direito. Determinado e consciente de que a aviação é tudo em sua vida, ele conseguiu que se fizesse uma prótese adequada às suas condições de trabalho e, desde então, provou que com força de vontade, técnica e profissionalismo é possível superar o trauma e se transformar em um dos pilotos mais respeitados de helicóptero, mesmo que em condições diferentes das normais. “Quando perdi o braço a primeira coisa que pensei foi: vou continuar pilotando, deve ter um jeito e não vou desistir do meu sonho. Consegui e agradeço a Deus e aqueles que me ajudaram”, disse. Sobrevoando Marabá de onde se vê o rio Tocantins e a bela cidade, Babal transmite segurança em sua forma de voar.A prótese fixada ao manche foi concebida de tal forma, que o piloto tem plena mobilidade e consegue fazer todas as manobras com leveza, em uma navegação aérea impecável. Sentado ao seu lado observo as manobras de Babal, que vão desde um razante sobre o rio aos deslocamentos pela esquerda e direita, na diagonal e; por fim, uma aterrisagem suave, onde, por alguns segundos, ele desliga o motor, para depois retomá-lo demonstrando uma técnica apurada de controle completo da máquina.

// ENGLISH Helicopter pilot, Carlos Alberto Vasconcelos Santoro, 25, is the only professional pilot in Brazil to fly a Robson 44 with only one arm. In May 2010, a car accident in Goiânia tore off part of his right arm. With a determined awareness that aviation is everything in his life, he managed to create a prosthesis that adequately meets his job requirements and has, since then, proven that, with willpower, technology and professionalism, it’s possible to overcome trauma and become one of the most respected helicopter pilots, even in conditions that are far from normal. “When I lost my arm the first thing I thought was, ‘I will continue to fly, there has to be a way and I won’t give up on my dream.’ I did it and I thank God and those who helped me,” he says. Flying over Marabá where you can look down on the Tocantins River and the beautiful city, Babal exudes confidence in the way he flies. The prosthesis, attached to the cyclic, was designed in such a way that the pilot has plenty of mobility and is able to perform all the maneuvers with deftness in flawless navigation. Sitting by his side, I observe Babal’s maneuvers, from buzzing low over the river to swerving to the left and right, diagonally and, at last, a light touchdown where he turns off the motor for a few seconds just to restart it, demonstrating a technique of complete control of the machine.

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

103


Acidente Aos 22 anos quando saia de uma festa no Parque Agropecuário de Exposição em Goiânia, com um colega, o carro em que estava se desgovernou na marginal Botafogo e, depois de rodopiar várias vezes, chocou-se com uma árvore, foi neste momento que seu braço, que estava para fora, sofreu a mutilação.”Vi tudo e não perdi a consciência, mas doia tanto que pedi que me anestesiassem, foi uma dor horrível, mas resisti”, comentou. Depois da cirurgia, no hospital, quando Babal acordou, sentiu a mão direita, mas era apenas uma sensação, porque quando o lençol foi levantado, ele viu apenas parte do seu braço. “Imediatamente pedi que avisassem os meus pais, que a primeira coisa que queria fazer quando saisse do hospital era voltar a voar”, disse.

Recuperação Durante o processo de recuperação, Babal fez sessões de fisioterapia e terapia ocupacional, ele precisava aprender a fazer as coisas com um braço só, e para um piloto era fundamental que se mantivesse em guarda para não desistir da ideia de pilotar. Quando lhe disseram que uma prótese seria feita para

104

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

que ele tivesse melhor mobilidade, foi logo dizendo: “por favor quero uma prótese que me permita voltar a voar”. Sua determinação recebeu como resposta da equipe do Centro de Reabilitação e Recuperação Dr. Henrique Santilo (CRER) em Goiânia, um sim animador. “São muitos os nomes das pessoas que me ajudaram no CRER, mas com respeito a todas que não citarei, porque a lista é grande, destacarei o Carlos, que fez a prótese, o Alysson, engenheiro de prótese e o Luiz gerente de operação”, comentou.

Próteses Do dia do acidente até o primeiro voo com a primeira prótese foram quatro meses. No primeiro teste ele pilotou dez minutos, mas ainda foram feitas outras três próteses para que na quarta em formato de z e de polipropileno com liga especial de alumínio, se chegasse ao ponto certo. “Quando consegui voar pela primeira vez, depois do acidente vibrei, porque se dava para pilotar com uma prótese que ainda não era a definitiva, chegaríamos a ideal e foi o que aconteceu”. No momento, ele está usando uma quinta prótese, agora em fibra de carbono, mas com o mesmo design.


Pai, mãe, sobrinha, irmã e cunhado do piloto Carlos A. Santoro (Babal) // Pilot Carlos A. Santoro’s (Babal) father, mother, niece, sister and brother-in- law

Empregadores Depois da recuperação e da nova prótese, Babal foi a luta para retornar ao mercado de trabalho e foi na cidade de Redenção no Pará, onde ele foi acolhido profissionalmente. Sua destreza e profissionalismo foram confirmadas pelos empresários Claudiomar Vicente Kerhuald e Marcos Borges, para quem pilotou. Atualmente, ele pilota para o empresário Diogo Sampaio Souza, dono da DC Mineração em Marabá.

Família A força interior para superar a mutilação do braço e voltar a pilotar profissionalmente é mérito de Babal, mas a base desta determinação é a sua família. Seu pai Carlos Almir Andrade Santoro, 58, a mãe Francisca Cláudia Maria de Vasconcelos Santoro, 57, Patrícia Santoro, 30, e o irmão Rafael Santoro, que é piloto da TAM, voa Airbus 321, em nenhum momento duvidaram que ele retornaria a voar e deram todo apoio emocional e profissional.

FRASES “Eu acredito que a moral cristã é uma força muito importante. A recuperação dele foi rápida e uma resposta a esta fé. Ele sempre foi ao encontro da solução e nunca se lamentou”, Patrícia Santoro, 30, irmã (jornalista). “O meu sonho sempre foi o de ser piloto, Deus me deu dois filhos pilotos e o Carlos é o exemplo mais profundo de que eu posso ser, mesmo com quase 60 anos”, Carlos Almir Andrade Santoro, 58, pai (zootecnista). “Encontrei o meu filho na maca, antes dele entrar no centro cirúrgico, vi a mão desligada do corpo. Eu senti que ele perderia o braço. Nunca pensei que ali seria o fim do piloto. Estava certa, Deus iluminou o meu filho, a quem sou eternamente grata”, Francisca Cláudia Maria de Vasconcelos Santoro, 57, mãe (assistente social). “Babal é um grande piloto e tenho total confiança no seu trabalho. Ele é disciplinado, técnico e muito detalhista, posso afirmar que é o melhor piloto com quem já voei”, Diogo Sampaio Souza, 30 (empresário de mineração).

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

105


// ENGLISH

Accident At age 22, while leaving a party at the Agricultural Exposition Center in Goiânia with a friend, the car that he was in went out of control on the Botafogo expressway and, after spinning around several times, slammed into a tree. It was at this moment that his arm, which was outside the car, was mutilated. “I saw it all and I never lost consciousness, but it hurt so much that I asked to be anesthetized. The pain was horrible, but I held on,” he commented. When Babal woke up in the hospital after the surgery, he could feel his right hand, but it was only a sensation, because when the sheet was pulled back he saw that only a part of his arm remained. “I immediately asked them to tell my parents that the first thing I wanted to do when I got out of the hospital was to go back to flying,” he says.

Recovery During the recovery process Babal underwent physical and occupational therapy. He needed to learn how to do things with just one arm, and as a pilot it was fundamental that he stayed on guard so as not to give up on piloting. When they told him that a prosthesis would be made to give him increased mobility, he quickly told them, “Please, I want a prosthesis that will allow me to fly again.” His determination earned him an encouraging ‘yes’ from the team at the Dr. Henrique Santillo Rehabilitation and Recovery Centre (CRER) in Goiânia. “So many people helped me at CRER, but with all due respect to those whose names will be left out, given that the list is long, I would like to give special mention to Carlos, who made the prosthesis, Alysson, a prosthetic engineer, and Luiz, the operations manager,” he commented.

Prostheses Four months passed from the day of the accident until the first flight with the prosthesis. During the first test, he flew for ten minutes, however, three other prostheses were fashioned before they finally arrived at a successful fourth model, made of polypropylene with a special aluminum alloy in the shape of a ‘z’. “When I managed to fly for the first time after the accident I was thrilled because if it was possible to fly with a prosthesis that was not yet final, we would arrive at the ideal model, and that’s

106

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

what happened.” Presently, he is using a fifth prosthesis, now in carbon fiber, but by the same designer.

Employers After his recovery and new prosthesis, Babal fought to return to the job market and it was in the town of Redenção, Pará where he was welcomed as a professional. His skill and professionalism were confirmed by businessmen Claudiomar Vicente Kerhuald and Marcos Borges, for whom he flew. Currently, he flies for Diogo Sampaio Souza, businessman and owner of DC Mineração in Marabá.

Family The inner strength to overcome the mutilation of his arm and to be able to fly again professionally were achieved by his own merit, but the basis for this determination is his family. His father, Carlos Almir Andrade Santoro, 58, his mother Francisca Cláudia Maria de Vasconcelos Santoro, 57, Patrícia Santoro, 30, and his brother Rafael Santoro, who is a pilot for TAM and flies an Airbus 321, never doubted that he would return to flying and gave him total emotional and professional support.

QUOTES “I believe that a Christian perspective is a very important source of strength. His recovery was quick and a response to this faith. He always sought a solution and never complained,” Patrícia Santoro, 30, sister (journalist). “My dream has always been to become a pilot. God gave me two sons who are pilots and Carlos is the most profound example of what I can be, even at almost 60 years of age,” Almir Carlos Andrade Santoro, 58, father (zootechnician). “I found my son on the stretcher, before going into the operating room, and I saw his hand detached from his body. I felt that he would lose his arm. I never thought that that was the end of his flying career. I was right; God, to whom I am eternally grateful, enlightened my son,” Francisca Cláudia Maria de Vasconcelos Santoro, 57, mother (social worker). “Babal is a great pilot and I have total confidence in his work. He is disciplined, technical and very detail-oriented. I can affirm that he is the best pilot with whom I have ever flown,” Diogo Sampaio Souza, 30, (mining entrepreneur).


Venha voar no ninho da Harpia. O melhor lugar para formação de pilotos é junto com quem entende de aviação. Vem para Harpia, aqui você voa mais alto.

Hangar 147 A - Aeródromo Brigadeiro Mário Epinghaus GO-070 - saída de Inhumas - Escolinha de Aviação Centro de Formação de Pilotos


MISSIONÁRIOS

Reportagem Letice Leal / Alexsandro Machado Fotos Letice Leal

Asas de socorro leva assistência médica e social às populações isoladas da Amazônia // Asas de Socorro (Wings of Help) brings medical and social assistance to the isolated populations of the Amazon

É por meio da aviação, que os “anjos da floresta” prestam ajuda humanitária ao povo amazônico // It’s by way of aviation that the “forest angels” provide humanitarian services to the Amazonian people

108

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Com a missão de levar o evangelho, saneamento básico e cidadania a milhares de brasileiros, que vivem nas regiões mais longínquas do país, a Asas de Socorro tem desenvolvido um trabalho há 57 anos de profunda responsabilidade social. Na Amazônia esses missionários são conhecidos como os ‘anjos da floresta’, dentre eles a comandante Joy Kimberly Rast (veja matéria a seguir). Neste período, a instituição atendeu aproximadamente 31 mil ribeirinhos em 61 comunidades da região amazônica, em projetos de saúde, educação e desenvolvimento comunitário. Crianças, adolescentes, mulheres, idosos, indígenas, negros e quilombolas têm sido beneficiados.


Estrutura

Dificuldades Em uma região de dificil acesso, onde as viagens pelos rios chegam a ser de até 28 dias (Manaus/Eirunepé, por exemplo, no Amazonas) a aviação se sobressai como alternativa para se chegar às comunidades isoladas mais rapidamente. “O avião veio para dar mais segurança e agilidade aos missionários, que levam nossos projetos ao público alvo, pois com isso se diminuiu o tempo gasto nas expedições. Isto é, o tempo que a pessoa gastaria navegando pelos rios, seria o tempo utilizado para executar as atividades designadas naquela localidade”, relata o diretor de Asas de Socorro Luis Carlos Huttenlocher. Nas operações aquáticas, assim como para os aviões terrestres, a falta de infraestrutura é uma das barreiras a serem “dribladas” pelos pilotos da Asas de Socorro, pois a hidroaviação é pouco explorada no Brasil e, até mesmo, na Amazônia. Tudo é improvisado sem um ancoradouro ou píer, o que dificulta, ainda mais, o atendimento na floresta.

A sede administrativa de Asas de Socorro está localizada na cidade de Anápolis (GO) e suas outras cinco bases operacionais estão em cidades estratégicas da região Norte: Manaus (AM), Belém e Santarém (PA), Boa Vista (RR) e Porto Velho (RO). A entidade também tem uma ampla oficina de manutenção de aviões em Anápolis, homologada desde 1968, a de Manaus e Boa Vista foram homologadas em 2010. A Escola de Aviação de Asas de Socorro existe desde 1972 e está localizada no Aeroporto Civil de Anápolis. Ela é conhecida como uma das mais técnicas do País. A estrutura logística de apoio da Asas de Socorro conta com uma frota de cinco aeronaves – um Caravan (anfíbio) e quatro Cessna 206, sendo dois terrestres e dois anfíbios para os projetos.Há, ainda, dois Cessna 172, que servem para treinamentos da Escola de Aviação. Além das aeronaves, há um barco e duas unidades móveis de saúde, que dão apoio à equipe. Ao todo são 97 missionários, 36 funcionários e cinco estagiários; são cristãos que têm formação e conhecimento nas áreas de aviação, saúde, educação, cultura, administração, entre outras atividades.

PROJETOS Os serviços ofertados às comunidades são: atendimento médico (oftalmologia, fisioterapia clínica) odontológico, educação, lazer e em muitos casos distribuição de alimentos. Os projetos têm sempre um enfoque principal a ser abordado, por exemplo, o de Parintins (a 369 km de Manaus) em parceria com a ONG Terre des Hom-

mes (TDH) organização Holandesa, presta serviços junto às crianças locais, na prevenção da violência e do abuso sexual. “Os projetos ajudam essas pessoas com palestras, oficinas lúdicas, conscientização de adolescentes e crianças capacitando–os a se auto protegerem de possíveis agressões”, destacou Luis Carlos Huttenlocher.

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

109


MISSIONÁRIOS

// ENGLISH With the mission to bring the Gospel, basic hygiene and citizenship to the thousands of Brazilians who live in the farthest regions of the country, Asas de Socorro has cultivated 57 years of work in profound social responsibility. In the Amazon, these missionaries are known as “forest angels”, among them is pilot Joy Kimberly Rast (see next article). At this time, the institution has attended approximately 31 thousand river bank dwellers in 61 Amazon region communities in health, education and community development projects. Children, adolescents, women, the elderly, the indigenous, those of African descent and descendants of slaves have all been benefitted.

Difficulties In a region where access is difficult, where travel by river can take up to 28 days (Manaus/Eirunepé, for example, in the state of Amazonas) aviation stands alone as the alternative to reach isolated communities faster. “The plane came to give more safety and flexibility to the missionaries, who take our projects to the target audiences because it diminished the amount of time spent on expeditions. That is to say that the time that a person would spend navigating the rivers, would be the time used to perform the designated activities in that area,” says Luis Carlos Huttenlocher, the director of Asas de Socorro. In aquatic operations, as well as with land aircraft, the lack of infrastructure is one of the barriers to be overcome by Asas de Socorro pilots because floatplane operations are not well employed in Brazil, even in the Amazon. What makes assistance in the jungle even more difficult is that everything has to be improvised and done without the use of a dock or pier.

Structure The administrative headquarters of Asas de Socorro is located in the city of Anápolis (GO) and there are also five operational

110

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

bases in strategic cities within the northern region: Manaus (AM), Belém and Santarém (PA), Boa Vista (RR) and Porto Velho (RO). The organization also has ample aircraft maintenance shops in Anápolis, approved since 1968, and in Manaus and Boa Vista, which were approved in 2010. The Asas de Socorro Aviation School has been operating since 1972 and is located at the Civil Airport of Anápolis. It is considered to be one of the most technical schools in the country. The structure of Asas de Socorro’s logistical support consists of a fleet of five aircraft for flying missions: a Caravan (amphibian) and four Cessna 206s, two being land aircraft and two amphibious. There are also two Cessna 172s that serve for training at the aviation school. In addition to the aircraft, they have a boat and two mobile health care units that support the team. In all there is a total of 97 missionaries, 36 employees and five interns; they are all Christians who have graduated and have knowledge in the areas of aviation, healthcare, education, crosscultural issues, administration, among other activities.

Projects Services offered to the communities are: medical assistance (ophthalmology clinic, clinical physical therapy), dental services, education, leisure and, in many cases, food distribution. The projects always have a main focus to be addressed. For example, in Parintins (369 km from Manaus) they have a partnership with the non-governmental organization Terre des Hommes (TDH), a Dutch organization which provides services to local children and works toward the prevention of violence and sexual abuse. “The projects help people with lectures, recreational workshops, and raising awareness among adolescents and children, empowering them to protect themselves against possible attacks,” highlighted Luis Carlos Huttenlocher.


SOLIDARIEDADE

Missionária dos céus // Missionary in the skies Piloto voa pela selva amazônica em missões de solidariedade // Pilot flies in the Amazon jungle for solidarity missions A piloto Joy Kimberly Rast Carrera, 41 anos, atua profissionalmente em missões humanitárias há 19 anos. Atualmente, ela voa para a Associação Asas de Socorro, instituição presbiteriana que atende os ribeirinhos e indígenas do Brasil, especialmente da Amazônia. Casada com Bill Carrera e mãe de três filhos William (12), Cullen (10) e Camilla(5), ela é filha de pais missionários americanos Joseph Cullen Rast e Janet Marie Rast. Joy nasceu na cidade de York, localizada no Estado da Pensilvânia, mas foi criada em São Paulo (capital). Morou também em Recife por três anos, onde passou uma parte da adolescência. “Decidi ser piloto depois de um sobrevoo feito no Recife aos 12 anos, onde o piloto me deixou manobrar o avião e, desde então, me apaixonei pela aviação”, afirmou. Desde 2008, Joy faz parte da Associação Asas de Socorro com sede em Anapólis, Goiás, onde atua como piloto em missões de selva nas regiões Centro-Oeste e Norte. “Um dos desafios mais difíceis de vencer hoje em dia é o mau tempo, porque nem todas as cidades têm os equipamentos necessários para verificar a previsão do tempo.”

112

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Reportagem e Fotos Letice Leal


Joy Kimberly tem muito cuidado com a parte mecânica das aeronaves // Joy Kimberly is very careful with the mechanics of the aircraft

// ENGLISH

Preconceito Para Joy ser piloto e ainda ser do sexo feminino foi difícil no começo da carreira, porque o preconceito era muito grande por parte dos homens. Mas ela conquistou seu espaço e, principalmente, o respeito das pessoas com quem voou. “Vi e ouvi passageiros cochicharem e rirem por ser uma mulher piloto e, que, depois, disseram: que eu estava de parabéns por voar com tanta precisão e segurança” enfatiza Joy.

Acidente A missionária dos céus conta que vivenciou várias situações difíceis, mas, a que mais a marcou foi quando uma aeronave que decolou de São Paulo, com destino a uma aldeia indígena no Pará, tendo depois que voltar a São Felix do Xingu (PA), caiu. Durante o trajeto, o avião não suportou o impacto de uma tempestade e teve a asa quebrada, ao cair matou as quatro pessoas a bordo. O avião foi somente encontrado três dias após o acidente. “Tive que levar o corpo do piloto para São Paulo. Nunca mais vou esquecer-me desse dia do mau cheiro e bem atrás de mim, e, ainda, se tratando de um colega piloto”, destaca Joy.

Peru Em Agosto de 2013, Joy e sua família vão se mudar para o Peru. No país andino, ela voará pelas selvas e cordilheiras atendendo a população mais carente da nação dos incas. Seu instrumento de trabalho um avião monomotor e muita coragem.

Pilot Joy Kimberly Rast Carrera, 41, has been working professionally for humanitarian missions for 19 years. Currently, she flies for Asas de Socorro, a presbyterian institution that serves the riverside and indigenous communities of Brazil, especially in the Amazon. Married to Bill Carrera and mother to three children, William (12), Cullen (10) and Camilla (5), she is the daughter of American missionaries Joseph Cullen Rast and Janet Marie Rast. Joy was born in York, Pennsylvania but was raised in the capital city of São Paulo. She also lived three years in Recife where she spent part of her adolescence. “I decided to become a pilot after a flyover in Recife at 12 years old when the pilot let me steer the plane. From then on, I fell in love with aviation,” she states. Joy has served with Asas de Socorro at their Anápolis base since 2008 where she pilots missions into the jungle regions of the Midwest and North. “One of the most difficult challenges to overcome these days is the bad weather because not all cities have the necessary equipment to verify the weather forecast.”

Prejudice For Joy, being a pilot and a woman was difficult at the beginning of her career because of the great deal of prejudice among men. However, she has gained not only her place but, principally, respect among those she flies with. “I’ve seen and heard passengers whisper and laugh because I am a female pilot and then afterwards they would congratulate me for flying with such precision and safety,” emphasizes Joy.

Accident The missionary in the skies says that she has been through various difficult situations, but the one that impacted her the most was when an airplane that took off from São Paulo for an indigenous village in the state of Pará, after which was then returning to São Felix do Xingu (PA) when it crashed. During the flight, the plane was unable to support the impact of a storm which caused its wing to break and it crashed into the jungle with four people on board. The plane was found three days after the accident. “I had to take the pilot’s body to São Paulo. I will never forget that day: the bad smell coming from behind me and, worse yet, from a fellow pilot,” says Joy.

Peru

Família da piloto Joy Kimberly Rast // Family of pilot Joy Kimberly Rast

In August 2013, Joy and her family will move to Peru. In the Andean nation she will fly through the jungle and mountain ranges to serve the disadvantaged populations of the Inca nation. Her tools of the trade: a single-engine airplane and a lot of courage.


ARTIGO VANESSA GRAZZIOTIN Senadora PCdoB-AM

O turismo na Amazônia // Tourism in the Amazon

A Amazônia é uma região dotada de um imenso potencial para o turismo, em várias de suas mais novas e mais promissoras modalidades. Contudo, toda essa vasta potencialidade encontra grandes dificuldades em se materializar, função de uma gama relativamente ampla de obstáculos acerca dos quais precisamos rapidamente nos conscientizar, para depois remover de modo permanente e estrutural. O setor do turismo na Amazônia, em relação ao visitante internacional, reproduz, em grandes linhas, o quadro geral do Brasil, que certamente poderia ser muito melhor do que efetivamente é. Há muito que fazer para que o Brasil possa explorar, com melhor proveito, todo o campo de possibilidades que o setor turístico oferece na Região Norte. E lá não falta o que possa interessar ao viajante, seja ele de fora, seja ele de dentro do país. No campo do ecoturismo, ou turismo da natureza, as atrações são muitas e variadas, representadas pelo turismo de aventura, pelo turismo náutico, pela observação de répteis, pássaros e peixes ornamentais, pela busca por praias ou locais de prática de esportes náuticos, e pela hotelaria de selva, entre outras inúmeras possibilidades. No campo do turismo cultural, a riqueza é similar, podendo ser exemplificada, no segmento de festas populares, pelo festival folclórico de Parintins; no segmento de festas religiosas, pela festa do Círio de Nazaré, em Belém e em Macapá; e, nos segmentos histórico, gastronômico e cultural, pela infinidade de atrativos que oferecem Manaus, Belém e mais uma série de núcleos urbanos, rurais e de assentamento tradicional, em todos os Estados do Norte. A pergunta é: o que fazer a mais para explorar adequadamente toda essa riqueza, todo esse potencial, todas essas imensas possibilidades? O que fazer no setor de turismo para contribuir de modo mais decisivo com o desenvolvimento socioeconômico do Norte? Uma parte, já vem sendo tocada pelo governo federal com o Programa de Desenvolvimento do Ecoturismo na Amazônia Legal, o Proecotur Amazônia, criado em 2000 com a finalidade de gerar oportunidades de negócio capazes de conciliar desenvolvimento econômico, social e respeito ao meio ambiente. Porém, muito ainda resta a fazer, especialmente na implementação de obras de infraestrutura com o objetivo de preservar os atrativos naturais e melhorar as áreas de recepção turística. É preciso, sobretudo, investir numa série bastante extensa de melhoramentos críticos para garantir condições de crescimento ao setor, a exemplo de obras essenciais em aeroportos, na pavimentação de vias, na urbanização de orlas e portos, na qualificação de terminais fluviais e no saneamento ambiental.

114

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Também será vital o investimento na capacitação dos agentes de recepção do turista, nos diversos segmentos técnicos e profissionais da hotelaria, gastronomia e transporte de passageiros, entre outros. Parte expressiva desses investimentos cabe, sem sombra de dúvidas, ao setor privado, como é o caso das instalações hoteleiras, da infraestrutura de operação turística e dos serviços pessoais prestados aos viajantes. Outra parte, entretanto, está incluída no rol dos serviços tipicamente públicos, sejam ou não sejam eles operados diretamente pelos governos. Sob esse aspecto, portanto, as iniciativas de melhoria cabem ao setor estatal, em todos os seus níveis: União, Estados e Municípios. Coroando tudo isso, é certo que temos à nossa disposição oportunidades verdadeiramente únicas de consolidar diversos destinos turísticos brasileiros, a partir da realização, entre nós, dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro e da Copa do Mundo da Fifa de 2014, que terá a cidade de Manaus como uma de suas sedes. Não temos o direito de menosprezar ou de subaproveitar esses eventos e a decorrente hiperexposição na mídia que o Brasil terá, de forma gratuita. Ao contrário, precisamos fazer no Norte os investimentos necessários ao cumprimento dos compromissos assumidos com a comunidade internacional, que espera que o Brasil dê o seu melhor na organização desses eventos. Com isso, poderemos obter, por fim, a consolidação, na Amazônia, de uma infraestrutura de apoio turístico capaz de, por anos a fio, trazer aos daquela terra trabalho, renda e prosperidade. Estou certa, de que esta é precisamente a intenção do Governo da Presidente Dilma Rousseff, Governo esse que terá total apoio para implementar medidas nessa direção. Estou certa, mais ainda, que além de cuidar do aprimoramento de toda a matriz de turismo na Amazônia, tudo decerto faremos para que ela nasça já ungida pelo princípio da sustentabilidade, uma vez que é precisamente essa característica de profundo respeito ao meio ambiente aquilo que empresta a toda a atividade turística da região seu maior apelo e atrativo.


// ENGLISH The Amazon is a region endowed with an immense potential for tourism in several of its newest and most promising modalities. However, great difficulties are met in realizing this vast potential due to a relatively wide range of obstacles, of which we must become quickly aware in order to systematically and permanently remove them. In regard to the international visitor, tourism in the Amazon, largely, reproduces Brazil’s general framework which could certainly be much better than it really is. Much is to be done if Brazil is to fully capitalize on the field of possibilities that the tourism sector offers to the Northern Region. There is no lack of things to interest the traveler, whether the they are from outside the country or from within. In the area of ecotourism, or nature tourism, the attractions are plentiful and various. They include adventure tourism, nautical tourism, reptile and ornamental fish observation, bird watching, the search for beaches or places to participate in water sports, wilderness resorts and other innumerous possibilities. There is a similar richness in the area of cultural tourism that can be illustrated in the following forms: in the general festival category there is the folklore festival of Parintins; in the religious festival category there is the celebration of Círio de Nazaré in Belém and Macapá; and in the historical and gastronomy categories there are endless attractions offered in Manaus, Belém as well as other urban centers, and rural or traditional settlements in all of the Northern States. The question then is: what is to be done to adequately take advantage of all of this richness, all of this potential, all of this immense possibility? What is to be done in the tourism sector that can decisively contribute to the socioeconomic development of the North? The federal government is already addressing on aspect with Proecotur, an ecotourism development program for the Legal Amazon created in the year 2000, whose purpose is to generate business opportunities capable of reconciling economic and social development with respect for the environment. However, there is a lot left to be done, especially with the implementation of infrastructure projects that have the objective to preserve natural attractions and improve the tourist reception areas. Above all, there is a need to invest in a fairly wide range of crucial improvements in order to ensure conditions necessary for growth within the sector, as in the case of essential projects at airports, the paving of roads, the urbanization of waterfronts and ports, the qualification of ship terminals and proper sanitation. It will also be vital to invest in training staff for tourist reception, in various technical and professional segments within the hospitality industry, gastronomy and passenger transportation, among others. A significant portion of these investments falls, undoubtedly, upon the private sector, as is the case of hotel facilities, the infrastructure of tourism operation and personal services provided to travelers. An additional part, however, is included in the list of services typically provided by the public sector, whether or not they are operated directly by the government. In that regard, therefore, the responsibility for improvement initiatives lies with the public sector, at all levels of government: federal, state and municipal. To top it off, we certainly have at our disposal truly unique opportunities to strengthen various tourist destinations in Brazil, with the realization of the Olympic Games in Rio de Janeiro and the FIFA World Cup 2014, for which Manaus will be one of the host cities. We have no right to belittle or underutilize these events and the resulting free media exposure that Brazil will receive. Rather, we need to make the necessary investments in the North to fulfill the commitments made to the international community, which expects Brazil to do its best in organizing these events. As a result of this, we will be able to establish an infrastructure for tourism support in the Amazon that will be capable of bringing in work, income and prosperity to that land for years on end. I’m sure that this is precisely the intention of President Dilma’s administration, an administration which will have full support to implement measures in this direction. I’m sure, even more so, that in addition to caring for the improvement of the entire tourism grid in the Amazon, we will certainly do all that we can so that it comes into being already anointed by the principle of sustainability, given that it is precisely the characteristic of profound respect for the environment that lends the region its greatest appeal and attractiveness to all tourist activities that lends to all tourist activity in the region its greatest appeal and attractiveness.


MANUTENÇÃO AGRÍCOLA

Reportagem e Fotos Antonio Ximenes

Aviação agrícola fortalece o desempenho da Águia Manutenção em Goiânia // Agricultural aviation strengthens the performance of Águia Manutenção in Goiânia Empresa se destaca pela agilidade na entrega dos serviços aeronáuticos // Company sets itself apart through its agility in delivering aeronautic services

A Águia Aviação Manutenção é especializada em aviões agrícolas. Mais de 30% do seu faturamento anual provém deste nicho de mercado, que com o agronegócio puxando o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, tem sido um dos principais motores da economia. “Temos uma carteira de mais de cem clientes, que está crescendo pela forte demanda das lavouras”, afirma Iron Ribeiro, proprietário da empresa. Com um hangar abarrotado de aviões e com uma equipe ágil de mais de 20 profissionais, a Águia Aviação Manutenção, que está localizada na “Escolinha”, saída para Inhumas, Rodovia GO-070,Km 05, em Goiânia, tem se caracterizado como uma das melhores oficinas para manutenção de aeronaves agrícolas do Centro-Oeste.

Máquinas Nas mãos dos profissionais da empresa passam Ag Truck, Pawnee, Ipanema,Thrush, Ag Wagon, Ag Husky,

116

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

Gippsland,enfim, todos os modelos que operam no Brasil. Mais recentemente tem aumentado a compra dos aviões com turbinas, como o Thrush, uma máquina superpotente capaz de transportar defensivos agrícolas e similares até três vezes mais do que o Ipanema,por exemplo, em uma lavoura de grande porte. Essa capacidade representa redução de custos em função da diminuição das horas voadas, bem como pelo seu desempenho. “Nós nos especializamos na manutenção desta máquina e temos recebido várias delas aqui. Os empresários nos procuram, porque conseguimos entregar os aviões dentro dos prazos, o que para eles é fundametal, já que as aeronaves trabalham intensamente na safra e, depois, elas precisam de manutenções, porque os defensivos são muito fortes e comprometem as suas estruturas, senão houver manutenção peródica”, disse o mecânico Mairon Avelar Ribeiro, que também é filho de Iron.


Equipe da empresa trabalha em linha de produção, o que permite a entrega dos serviços dentro dos prazos acordados com os clientes // The company team works on a production line, which allows them to perform the services within the timeframe agreed upon with the clients

// ENGLISH Águia Aviação Manutenção specializes in agricultural planes. More than 30% of their annual revenue comes from this market niche, which, as agribusiness influences Brazil’s Gross Domestic Product (GDP), has been one of the principle economic drivers. “We have a portfolio of more than one hundred clients which is growing due to the strong demand of the crops,” affirms Iron Ribeiro, owner of the company. With a packed aircraft hangar and an agile team of more than 20 professionals, Águia Aviação Manutenção, which is located at “Escolinha” in Goiânia, at Km marker 05 on Highway GO-070 at the exit for Inhumas, has characterized itself as one of the best shops for agricultural aircraft maintenance in the Central-West.

Machines

Empresário Iron trabalha com o filho mecânico Mairon na oficina // Executive Iron works with his son and mechanic, Mairon, in the workshop

Brands that pass through the company’s professional hands include Ag Truck, Pawnee, Ipanema, Thrush, Ag Wagon, Ag Husky, Gippsland, in short, all the models that operate in Brazil. More recently they have grown with the purchase of planes with turbines, such as the Thrush, a super powerful machine capable of transporting pesticides and the like up to three times farther than the Ipanema in a large-sized crop, for example. This capacity represents a reduction in costs as a result of the decrease in flight hours, as well as its performance. “We specialize in the maintenance of this machine and we have received many of them here. The business owners seek us out because we are able to return the planes within the specified period, which is very important to them since the planes work intensively during the harvest and afterwards they need maintenance because the pesticides are very strong and compromise their structure if they are not maintained periodically,” says Mairon Avelar Ribeiro, mechanic and also Iron’s son.

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

117


MANUTENÇÃO AGRÍCOLA

Equipe

Finanças

Trabalho em equipe é o segredo da Águia Aviação Manutenção. Os mecânicos trabalham em linha de produção, o que tem agilizado as operações encurtando os prazos de entrega. “Nós trabalhamos as células, os aviônicos, motores, pinturas em grupo, o que nos permite ter uma visão geral das aeronaves, e estabelecer metas para a entrega delas, segundo a complexidade do serviço. Até agora tem dado certo”, disse Iron, que mantém um excelente relacionamento com seus funcionários, outra das chaves do sucesso da empresa.

Amanda Grazielle Gomes Ribeiro, do Departamento Financeiro, está na empresa há dez anos, e disse que está sempre atenta ao faturamento e movimento financeiro da Águia. “Não podemos ser surpreendidos pelo mercado, por isso que o planejamento e o acompanhamento dos pagamentos dos clientes é muito importante. Nossa responsabilidade é para trabalhar com capital próprio, sem precisar dos bancos, que costumam cobrar juros elevados, o que resulta na diminuição das margens de rentabilidade, que já são reduzidas normalmente, por isso somos conservadores nas finanças”, destacou.

Mulheres Se na oficina o atendimento é altamente qualificado, permitindo a ampliação da empresa, já que um novo hangar deve ser construido ainda este ano para abrigar outras aeronaves dos clientes; é na administração, finanças e controle técnico, que se observa a mão firme das responsáveis, pois são mulheres que mandam nesses setores.

Criteriosa ‘Heyde’ Abadia dos Santos, está há 13 anos na empresa, e tem sido, ao longo desses anos, a fiel escudeira de Iron, na retanguarda operacional da Águia. Ela atua no registro de manutenção, no acompanhamento das vistorias

Presença feminina na empresa é determinante nas áreas de administração, finanças e controle técnico // The female presence within the company is purposeful in the areas of administration, finance and technical control

118

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013


técnicas inicial e especial, na verificação das publicações, entre outras atividades. “Na minha área tenho que ser muito criteriosa, porque todo o serviço realizado na oficina precisa, obrigatoriamente, passar pela avaliação documental. Eu cuido do padrão técnico da literatura da aviação e respondo diretamente à Anac, por tudo que se faz na manutenção”, comentou.

Suporte Cleidiane Soares de Oliveira, por sua vez, dá suporte técnico às atividades de Heyde e também de Amanda, quando solicitada. Ela é uma espécie de ‘faz tudo’, tanto na administração como nas finanças. Trabalha em equipe e mantém o espírito de solidariedade permanente da Águia Aviação Manutenção. “Estou há quase dois anos aqui e tenho aprendido muito com as minhas colegas, que são mais experientes e me ajudam orientando-me sobre as mais diversas funções da empresa.

Equipe técnica é especializada na aviação agrícola, mercado em crescimento // The technical team is specialized in agricultural aviation, a growing market

// ENGLISH

Team Working as a team is Águia Aviação Manutenção’s secret. The mechanics work on a production line which has streamlined the operation and shortened the delivery time. “We work together on the frames, avionics, motors and painting, which allows us to have a general vision of the aircraft and clarify the goals according to the complexity of the job in order to deliver them. Up until now it has worked out well,” says Iron, who maintains an excellent relationship with his workers, another one of the company’s keys to success.

Women If the workshop assistance is highly qualified, permitting company growth, as seen in the new hangar to be built still this year to accommodate other client aircraft, it’s due to administration, finance and technical control, where we observe a steady hand of responsibility because women control these sectors.

Finances Amanda Grazielle Gomes Ribeiro, of the Finance Department, has been with the company for ten years and says that she is always paying attention to Águia’s revenues and financial movement. “We can’t be surprised by the market, and therefore planning and following up on client accounts is very important. Our responsibility is to work with our own

capital, without the need for banks that usually charge high interest rates, resulting in decreased profit margins that are already normally reduced, therefore we are financially conservative,” she says.

Discerning ‘Heyde’ Abadia dos Santos, has worked for the company for 13 years and, during this time, has been Iron’s faithful assistant in Águia’s back-office operations. She works with the maintenance log, monitoring the initial technical and special inspections, verifying publications, among other activities. “In my area I have to be very discerning because all the services done in the workshop are obligated to go through documental evaluation. I take care of the technical standards of the aviation documents and I respond directly to Anac for everything that is done in maintenance,” she commented.

Support Cleidiane Soares de Oliveira, in turn, gives technical support to Heyde and Amanda’s activities when requested. She is a sort of ‘Jack of all trades’, both in administration and finance. Working in a team keeps up the spirit of solidarity within Águia Aviação Manutenção. “I have been here for two years and have learned a lot from my colleagues who are more experienced and have helped me get oriented in my diverse functions here at the company,” commented Cleidiane de Oliveira.


MAGO

Reportagem e Fotos Antonio Ximenes Colaboração Danielle Guimarães

Eli Cabeludo, o torneiro mecânico da criatividade // Eli Cabeludo, the creative lathe operator

Em seu torno, ele ‘fabrica’ peças de avião resolvendo a vida de centenas de empresas, que recorrem a sua habilidade de fazer réplicas // On his lathe, he ‘manufactures’ airplane parts, solving the problems of hundreds of companies that rely on his skills in crafting replicas

120

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

‘Eli Cabeludo’ é uma lenda na aviação civil de Goiânia. Nascido em 1957, no município de Itapuranga, Goiás, Eli Garcez Pimenta, este é o seu nome, faz peças sob medida para as empresas de aviação. Seus clientes são nacionais, porque quando não há no mercado uma peça similar de fábrica, é a ele que os empresários recorrem. “Eu faço as peças iguais as de fábrica, sou especialista em boca de cilindro, bomba de óleo, engrenagem de alternador e centenas de outras. No meu torno sou capaz de fazer quase tudo que vai em um avião, desde que tenha o modelo em mãos”, afirma Eli Cabeludo. Aos 19 anos em Goiânia, o ‘Professor Pardal’, como também é conhecido, iniciou sua vida profissional ao decidir ser piloto de avião; mas o seu talento de torneiro mecânico o levou à outra direção: o da oficina especializada em peças, de preferência, as mais complexas de uma aeronave. “Atendo empresas de táxis aéreos de Marabá, Manaus, Cuiabá, Goiânia, Belém, entre outras cidades” relatou.


Amigo Seu trabalho é reconhecido por mestres como Joaquim Martins da Silva Júnior, o comandante Catalão, que, com 50 anos de aviação, é um dos seus melhores amigos. “Eli é uma pessoa muito trabalhadora, pontual e um grande profissional, que atende com maestria e competência quase todas as empresas da área em Goiânia. Ele sempre utiliza material de primeira”, afirma Catalão. // ENGLISH

Joaquim Martins da Silva Júnior, comandante Catalão // Joaquim Martins da Silva Júnior, commander Catalão

Devoto Antigamente, Eli Cabeludo não era devoto de nenhum santo, mas, agora, é fiel de Nossa Senhora de Fátima. Ele conta que sonhou com a santa. “Ela pedia para que eu fosse devoto dela e que tivesse uma imagem sua na minha oficina”. Depois do sonho que mudou sua vida, Eli procurou uma amiga para contar-lhe do incrível pedido da santa. Ao longo da conversa descobriu que a amiga era devota de Nossa Senhora de Fátima. Após alguns dias da conversa, ela, a amiga, o presenteou com duas imagens da santa. Hoje, ele tem a imagem de Nossa Senhora de Fátima abençoando sua oficina e sua casa. “Sempre recorro à ela, minha protetora”, disse.

Known as ‘Eli Cabeludo’, Eli Garcez Pimenta is a civil aviation legend in Goiânia. Born in 1957, in the municipality of Itapuranga, Goiás, he machines custom-made parts for aviation companies. His customer base is nationwide, because when there is a need for a similar factory-made part in the market, business owners in the industry turn to him. “I make parts just like those made by factories. I specialize in cylinder openings, oil pumps, alternator gears and hundreds of other components. On my lathe, I can make just about everything that goes into building an airplane, so long as I have the model at hand,” asserts Eli Cabeludo. At 19 years of age, in Goiânia, ‘Professor Pardal’, as he is also known, began his professional life when he decided to become an airplane pilot. However, his talent as a lathe operator lead him in a different direction: toward a shop specialized in parts, preferably the most complex components of an aircraft. “I work with air taxi companies in Marabá, Manaus, Cuiabá, Goiânia, Belém, among other cities,” he informs.

Friend His work is recognized by masters like Joaquim Martins da Silva Júnior, the Commander from Catalão, who has 50 years of experience in aviation and is one of his best friends. “Eli is a very hardworking, punctual and great professional who serves, with mastery and competence, almost every business within this field in Goiânia. He always uses premium quality material,” asserts Catalão.

Devotee

Devoto de Nossa Senhora de Fátima, Eli Cabeludo começa o trabalho com uma oração // Devotee of Our Lady of Fátima, Eli Cabeludo begins work with a prayer

Previously, Eli Cabeludo wasn’t a devotee of any saint, however now he is faithful to Our Lady of Fatima. He tells that he dreamt of the saint. “She asked me to be a devotee of hers and that I place an image of her in my workshop.” After the dream that changed his life, Eli sought a friend of his, wanting to tell her about the saint’s incredible request. Throughout the conversation, he discovered that his friend was a devotee of Our Lady of Fatima. A few days after their conversation, his friend gifted him with two images of the saint. Today, he has the image of Our Lady of Fatima blessing his workshop and his home. “I always turn to her, my protector,” he said.

julho / agosto / setembro • 2013 • Voar na Amazônia / Brasil

121


ARTIGO GEORGES DE MOURA FERREIRA

INFRAERO, parceira ou vilã? // INFRAERO, Friend or Foe? Fundada em 1972, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária – INFRAERO, hoje vinculada à Secretaria de Aviação Civil, administra ao todo 63 aeroportos, 23 Estações Prestadoras de Serviços de Telecomunicações e de Tráfego Aéreo e 38 Unidades Técnicas de Aeronavegação, além de 34 terminais de logística de carga que corresponde a aproximadamente 97% do movimento do transporte aéreo regular do Brasil, e boa parcela do não regular. Apesar de uma longa parceria com diversos players do setor aéreo (linhas aéreas, táxis aéreos, aviação geral, oficinas de manutenção, etc.), tal premissa tem surtido resultados antagônicos, pois na prática, a INFRAERO demonstra empreender esforços no sentido de tirar de seus sítios aeroportuários as empresas de táxis aéreos, os operadores privados, as oficinas de manutenção, e até os prestadores de serviços aéreos especializados, como é o caso dos aeroclubes. Tanto tem sido percebido pela denúncia de diversos contratos dos operadores não regulares, ou por sua exagerada reapreciação, ou ainda, em meros pedidos de devolução dos espaços concedidos, com a finalidade de atender ao “interesse público”. Tal situação foi diagnosticada pelo relatório da Subcomissão da Aviação Civil do Senado, que em seu texto final apontou a necessidade da regulação, fiscalização técnica e econômica da infraestrutura aeronáutica por um órgão distinto do prestador. Resumindo, a INFRAERO deveria ser regulada e fiscalizada pela Anac, seguindo um plano global elaborado pela SAC. Além disso, aumentos repentinos das tarifas aeroportuárias praticadas pela Infraero também estão colocando em risco a sobrevivência de muitas empresas, sem que a Anac tome qualquer providência a respeito, apesar de inúmeras queixas. Também foi reportado que nos aeroportos coordenados, a alocação de slots também discrimina a aviação geral e os táxis aéreos, obrigando-a a fazer uso de aeródromos distantes. Como recomendação a médio e longo prazo, deve a INFRAERO conceder um tratamento isonômico aos táxis aéreos, aviação geral, oficinas de manutenção, etc., com relação à aviação comercial no acesso aos aeroportos e a alteração do instrumento de outorga de serviços aéreos públicos, de concessão para autorização, bem como a ampliação do prazo de vigência dos contratos de concessão de hangares, além da revisão das tarifas aeroportuárias. Fora isso, resta depender da boa vontade da administração pública em relação a situações focais, o que poderia incluir a licitação de diversas aéreas ociosas em lugar daquelas já ocupadas e devidamente aproveitadas, ou buscar junto ao judiciário, medi-

122

Voar na Amazônia / Brasil • julho / agosto / setembro • 2013

das que possam surtir efeitos possessórios por um prazo maior, e principalmente, indenizatórios, pois inúmeros empreendimentos se vêm na possibilidade de encerrar abruptamente suas atividades, sem qualquer reconhecimento, mesmo após de vários anos de bons serviços prestados à aviação e ao nosso país.

// ENGLISH Founded in 1972, Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (INFRAERO), linked today to the Department of Civil Aviation, manages a total of 63 airports, 23 telecommunications and air traffic service stations and 38 air navigation stations, in addition to 34 cargo terminals. This accounts for approximately 97% of regular air carriage activity in Brazil, and a good part of the non-regular activity. Despite a long-standing partnership with several players in the airline industry (airlines, air taxis, general aviation, maintenance shops, etc.), this premise has proven to be antagonistic because, in practice, INFRAERO demonstrates efforts to remove air taxi companies, private operators, maintenance shops, and even specialized aircraft service providers, such as flying clubs, from its airport sites. This has been perceived in the termination of several non-scheduled operator contracts, by their exaggerated reassessments or, in mere requests for the return of spaces provided for the purpose of serving the “public interest.” This situation has been analyzed by the report from the Senate Subcommittee on Aviation (SAC), who, in its final text pointed to the need for regulation and supervision of technical and economic aircraft infrastructure by an entity other than the provider. In short, INFRAERO should be regulated and supervised by Anac, following a comprehensive plan prepared by the SAC. Furthermore, bursts in airport fees charged by INFRAERO are also endangering the survival of many companies and Anac has yet take any action regarding this, despite numerous complaints. It was also reported that at coordinated airports the allocation of slots also discriminates against general aviation and air taxis, forcing them to make use of distant airfields. As recommended in the medium and long term, INFRAERO should grant equitable treatment to air taxis, general aviation, maintenance shops, etc., in relation to commercial aviation access to airports and the alteration of the mechanism of granting public air service contracts, from a concession to an authorization, as well as term extensions for the concession contracts of hangars, and the review of airport fees. Otherwise, it remains dependent on the goodwill of the public administration in relation to these specific situations, which may include bidding by various idle airlines rather than those that are already functioning and properly used, or seek, through legal means, measures that would grant them rights of possession for a longer period of time, and especially measures of a compensatory nature, since many enterprises find themselves in a situation where their activities may be terminated without prior knowledge, even after many years of good service to the aviation community and our country.


Voar 7  

Revista Voar na Amazônia / Brasil 7

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you