Issuu on Google+

(Alguém traz o pão consagrado e o colo- deste e invocamos sobre nós o teu Espírica sobre o altar. Todos fazem uma breve to. Apressa o tempo da vinda do teu reino, e recebe o louvor de todo o universo e de inclinação.) todas as pessoas que te buscam. (29º Curso: 04.05) O pão de Deus é o pão da vida, / que do T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! céu veio até nós. / Ó Senhor, nós vos pe- P – Toda a nossa louvação chegue a ti em nome de Jesus, por quem oramos dimos, / dai-nos sempre deste pão. (bis) com as palavras que ele nos ensinou: 27. ORAÇÃO DE AÇÃO T – Pai Nosso... pois vosso é o reino, o DE GRAÇAS poder e a glória para sempre. (Quem preside, ocupando o lugar no altar, 28. ABRAÇO DA PAZ convida a assembleia para o louvor.) P – Nós te damos graças, ó Deus da vida, P – Irmãos e irmãs, por sua morte e ressurporque neste dia santo de domingo nos reição, o Cristo nos reconciliou. Demo-nos acolhes na comunhão do teu amor e re- uns aos outros o abraço da paz! novas nossos corações com a alegria da 29. RITO DA COMUNHÃO ressurreição de Jesus. (Após o Pai-Nosso, quem preside convida T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! a comunidade a partilhar o pão, dizendo:) P – Por este sinal do corpo do teu Filho, P – Assim disse Jesus: “Eu sou o pão da vida. expressamos nosso desejo de correspon- Quem vem a mim nunca mais terá fome e o der com mais fidelidade à missão que nos que crê em mim nunca mais terá sede”.

(Mostrando o pão consagrado:) P – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo! T – Senhor, eu não sou digno(a)... (Comunhão: cantos n. 18 A e B deste folheto.) Ó Deus, pai e mãe, criador da vida e protetor dos vivos, nós te bendizemos pelo pão que comemos, sinal da tua comunhão conosco em teu Filho Jesus Cristo. Renova a nossa fé e ajuda-nos a trabalhar com perseverança para construir, aqui na terra, o Reino de justiça que aguardamos. Atende-nos, ó nosso Deus, em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém. O roteiro de “onde não houver missa” encontra-se no livro “Dia do Senhor” de M. Guimarães e P. Carpanedo, Apostolado Litúrgico.

3. Pra ser sinal da Salvação – aleluia! –, / o Senhor nos enviou, aleluia!

O final do ano se aproxima e a liturgia destes últimos domingos do Tempo Comum, com forte tom de esperança, nos propõe realidades importantes de nossa fé: “o final dos tempos, a realização definitiva do Reino e o julgamento de Deus na história”. Recordando a Páscoa de Jesus, fonte de nossa esperança e de nossa fé na ressurreição, proclamamos neste domingo que “nosso Deus é o Deus dos vivos”; o Deus da vida que nos chama a viver “ressuscitados”, desde agora, pela prática do amor em nossas relações, em nossa comunidade, cultivando a alegria e a esperança mesmo em meio às aflições e “sufocos” do dia a dia. “A morte já foi vencida e carregamos em nós a semente da imortalidade”.

Sugestões para as equipes de celebração: 1. Canto de Abertura (2ª opção) (42º Curso: 03.12)

32º Domingo do Tempo Comum – Ano C

30. ORAÇÃO FINAL

FIRMES NA ESPERANÇA O mistério que celebramos hoje

Arquidiocese de Goiânia

4. Pra anunciar o Evangelho – aleluia! –, / o Senhor nos enviou, aleluia! 5. Pra servir na unidade – aleluia! –, / o Senhor nos enviou, aleluia! 6. Pra celebrar a sua glória – aleluia! –, / o Senhor nos enviou, aleluia! 7. Pra construir um mundo novo – aleluia! –, / o Senhor nos enviou, aleluia! 8. Pra caminhar na esperança – aleluia! –, / o Senhor nos enviou, aleluia! 2. A acolhida, o ensaio de cantos e um breve silêncio no início da celebração ajudam a criar um clima orante, simples e alegre para que possa acontecer um encontro amoroso entre Deus e as pessoas e das pessoas entre si e com Deus. 3. Cantar o Salmo 16 (17) de maneira que a assembleia participe repetindo o refrão. 4. Após a homilia, será oportuno um breve silêncio para que cada pessoa renove sua fé na ressurreição, antes de professá-la comunitariamente.

Ó Pai, somos nós o Povo Eleito / que Cristo veio reunir! (bis) 1. Pra viver da sua vida – aleluia! –, / o Senhor nos enviou, aleluia! 5. Toda a Liturgia Eucarística expresse também a ação de graças 2. Pra ser Igreja peregrina – aleluia! –, / o Senhor nos enviou, aleluia! da comunidade pelo dom da vida.

LEITURAS BÍBLICAS: 2ª-f.: Sb 1,1-7; Lc 17,1-6. 3ª-f.: Sb 2, 23 ‒ 3,9; Lc 17,7-10. 4ª-f.: Sb 6,1-11; Lc 17,11-19. 5ª-f.: Sb 7,22 ‒ 8,1; Lc

17,20-25. 6ª-f.: Sb 13,1-9; Lc 17,26-37. Sábado: Sb 18,14-16; 19,6-9; Lc 18,1-8. Domingo: 33º Domingo do Tempo Comum – Ml 3,19-20a; 2Ts 3,7-12; Lc 21,5-19.

CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

10 de novembro de 2013 – Ano XXX – Nº 1748

FIRMES NA ESPERANÇA 1. MOTIVAÇÃO

T – Senhor, tende piedade de nós. P – Cristo, tende piedade de nós. T – Cristo, tende piedade de nós. P – Senhor, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós.

A – Estamos reunidos para celebrar o mistério da morte e ressurreição de Jesus. Este mistério nos faz elevar nosso olhar e nossa esperança para o futuro da Igreja e da humanidade. A plenitude de tudo é a vida eterna em Cristo, o Senhor. Iniciemos, cantando. 5. HINO DE LOUVOR

2. CANTO DE ABERTURA (44º Curso: 08.13) (Ver 2ª opção na 4ª página.)

1. A Tua Igreja vem feliz e unida / agradecer a Ti, ó Deus da vida, / com grande júbilo, rezar, louvar, / e a boa nova ao mundo anunciar. É Tua Igreja, Senhor, / que canta com alegria. / Esta que busca o amor vivenciar todo dia. / Que vai levar salvação, / esta é a nossa missão. 2. Nós que fazemos parte desta Igreja, / que missionária é por natureza, / Te damos graças por Teu esplendor. / Seremos eco do Teu grande amor. 3. Todos os povos serão Teus discípulos, / e batizados com Teu Santo Espírito. / Temos certeza de tua companhia / nos dando força hoje e todo dia.

3. SAUDAÇÃO P – Em nome do Pai... T – Amém. P – A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco. T – Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

4. ATO PENITENCIAL P – De coração contrito e humilde, aproximemo-nos do Deus justo e santo, para que tenha piedade de nós, pecadores. (Pausa) P – Tende compaixão de nós, Senhor. T – Porque somos pecadores. P – Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia. T – E dai-nos a vossa salvação. P – Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. T – Amém. P – Senhor, tende piedade de nós.

(36º Curso: 09.08)

Glória, glória, glória, aleluia! / Glória, glória, glória, aleluia! / Glória, glória, glória a Deus nos altos céus, / paz na terra a todos nós! 1. Deus e Pai nós vos louvamos (glória a Deus!), / adoramos, bendizemos (glória a Deus!); / damos glória ao vosso nome (glória a Deus!), / vossos dons agradecemos! 2. Senhor nosso, Jesus Cristo (glória a Deus!), / Unigênito do Pai (glória a Deus!), / vós, de Deus Cordeiro Santo (glória a Deus!), / nossas culpas perdoai! 3. Vós que estais junto do Pai (glória a Deus!), como nosso intercessor (glória a Deus!), / acolhei nossos pedidos (glória a Deus!), / atendei nosso clamor. 4. Vós somente sois o Santo (glória a Deus!), / o Altíssimo, o Senhor ((glória a Deus!), / com o Espírito Divino ((glória a Deus!), / de Deus Pai no esplendor!

6. ORAÇÃO P – Oremos. (Pausa para oração) Deus de poder e misericórdia, afastai de nós todo obstáculo para que, inteiramente disponíveis, nos dediquemos ao vosso serviço. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. T – Amém.

LITURGIA DA PALAVRA A – A Palavra nos chama a olhar para o nosso futuro em Deus. Escutemos atentamente.

7. PRIMEIRA LEITURA Leitura do Segundo Livro dos Macabeus (7,1-2.9-14) – Naqueles dias, 1 aconteceu que foram presos sete irmãos, com sua mãe, aos quais o rei, por meio de golpes de chicote e de nervos de boi, quis obrigar a comer carne

de porco, que lhes era proibida. 2 Um deles, tomando a palavra em nome de todos, falou assim: “Que pretendes? E que procuras saber de nós? Estamos prontos a morrer, antes que violar a lei de nossos pais”. 9 O segundo, prestes a dar o último suspiro, disse: “Tu, ó malvado, nos tiras desta vida presente. Mas o Rei do universo nos ressuscitará para uma vida eterna, a nós que morremos por suas leis”. 10 Depois deste, começaram a torturar o terceiro. Apresentou a língua logo que o intimidaram e estendeu corajosamente as mãos. 11E disse, cheio de confiança: “Do Céu recebi estes membros; por causa de suas leis os desprezo, pois do Céu espero recebê-los de novo”. 12O próprio rei e os que o acompanhavam ficaram impressionados com a coragem desse adolescente, que considerava os sofrimentos como se nada fossem. 13 Morto também este, submeteram o quarto irmão aos mesmos suplícios, desfigurando-o. 14Estando quase a expirar, ele disse: “Prefiro ser morto pelos homens tendo em vista a esperança dada por Deus, que um dia nos ressuscitará. Para ti, porém, ó rei, não haverá ressurreição para a vida!” – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

8. SALMO 16 (17) (Salmos e Aclamações / ano C: 12.12 – vol. II)

Ao despertar, me saciará vossa presença / e verei a vossa face! Ó Senhor, ouvi a minha justa causa, / escutai-me e atendei o meu clamor! / Inclinai o vosso ouvido à minha prece, / pois não existe falsidade nos meus lábios! Os meus passos eu firmei na vossa estrada, / e por isso os meus pés não vacilaram. / Eu vos chamo, ó meu Deus, porque me ouvis, / inclinai o vosso ouvido e escutai-me! Protegei-me qual dos olhos a pupila / e guardai-me, à proteção de vossas asas. / Mas eu verei, justificado, a vossa face / e ao despertar me saciará vossa presença. (Tempo de silêncio)


9. SEGUNDA LEITURA Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Tessalonicenses (2,16-3,5) Irmãos: 16Nosso Senhor Jesus Cristo e Deus nosso Pai, que nos amou em sua graça e nos proporcionou uma consolação eterna e feliz esperança, 17animem os vossos corações e vos confirmem em toda ação e palavra. 3,1 Quanto ao mais, irmãos, rezai por nós, para que a palavra do Senhor seja divulgada e glorificada como foi entre vós. 2Rezai também para que sejamos livres dos homens maus e perversos, pois nem todos têm fé! 3 Mas o Senhor é fiel; ele vos confirmará e vos guardará do mal. 4O Senhor nos dá a certeza de que vós estais seguindo e sempre seguireis as nossas instruções. 5Que o Senhor dirija os vossos corações ao amor de Deus e à firme esperança em Cristo. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

10. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO (Salmos e Aclamações / ano C: 12.12 – vol. II)

Aleluia, aleluia, aleluia! / Aleluia, aleluia, aleluia! (bis) Jesus Cristo é o Primogênito dos mortos; / a ele a glória e o domínio para sempre! P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas. T – Glória a vós, Senhor. (20,27-38) – Naquele tempo, 27aproximaram-se de Jesus alguns saduceus, que negam a ressurreição, 28e o interrogaram: “Mestre, Moisés deixou-nos escrito: se alguém tiver um irmão casado e este morrer sem filhos, deve casar-se com a viúva a fim de garantir a descendência para o seu irmão. 29Ora, havia sete irmãos. O primeiro casou e morreu, sem deixar filhos. 30Também o segundo 31e o terceiro se casaram com a viúva. E assim os sete: todos morreram sem deixar filhos. 32 Por fim, morreu também a mulher. 33Na ressurreição, ela será esposa de quem? Todos os sete estiveram casados com ela”. 34 Jesus respondeu aos saduceus: “Nesta vida, os homens e as mulheres casam-se, 35mas os que forem julgados dignos da ressurreição dos mortos e de participar da vida futura, nem eles se casam nem elas se dão em casamento; 36 e já não poderão morrer, pois serão iguais aos anjos, serão filhos de Deus, porque ressuscitaram. 37Que os mortos

ressuscitam, Moisés também o indicou na passagem da sarça, quando chama o Senhor de ‘o Deus da Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó’. 38Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos, pois todos vivem para ele”. – Palavra da Salvação. T – Glória a vós, Senhor. (Tempo de silêncio)

11. HOMILIA (Após a homilia, pausa para reflexão.)

12. PROFISSÃO DE FÉ P – Cheios de confiança, professemos a nossa fé. T – Creio em Deus Pai...

13. ORAÇÃO COMUNITÁRIA P – Irmãs e irmãos, voltemos o nosso olhar para o Senhor, que já nos deu como herança o mundo que há de vir, e supliquemos: T – Nós vos pedimos, Senhor. 1. Conduzi, Senhor, a santa Igreja, pastores e rebanho, no caminho da fidelidade e da perseverança, sobretudo em meio às tribulações e ameaças às verdades da fé! 2. Conduzi, Senhor, os governantes e líderes das nações na busca corajosa de superação de todos os conflitos e sofrimentos que a humanidade enfrenta. 3. Conduzi, Senhor, pesquisadores, cientistas e trabalhadores na colaboração generosa para consolidar a proteção e o cuidado da vida humana e da natureza. 4. Conduzi, Senhor, as pessoas infelizes com o presente e angustiadas pelo futuro, para que em vós encontrem o sentido pleno para as suas vidas. (Preces espontâneas) P – Senhor, Pai santo, concedei a todos o homens e mulheres a graça de saberem, pela verdade da fé, que são vossos filhos, para que experimentem a alegria nesta vida e aguardem na esperança a plena manifestação da vossa glória. Por Cristo, Senhor nosso. T – Amém.

O homem que trabalha / faz a terra produzir. / O trabalho multiplica os dons / que nós vamos repartir. 2. Bendito seja Deus Pai, / do universo criador, / pelo vinho que nós recebemos, / foi de graça e com amor. 3. E nós participamos / da construção do mundo novo / com Deus, que jamais despreza / nossa imensa pequenez.

15. ORAÇÃO P – Orai, irmãos e irmãs, para que o nosso sacrifício seja aceito por Deus Pai todo-poderoso. T – Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício, para glória do seu nome, para nosso bem e de toda a santa Igreja. P – Lançai, ó Deus, sobre o nosso sacrifício um olhar de perdão e de paz, para que, celebrando a paixão do vosso Filho, possamos viver o seu mistério. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

16. ORAÇÃO EUCARÍSTICA III (Prefácio dos Domingos do Tempo Comum, IV )

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Corações ao alto. T – O nosso coração está em Deus. P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. T – É nosso dever e nossa salvação. Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever e salvação, dar-vos graças, sempre e em todo o lugar, Senhor, Pai santo, Deus eterno e todo-poderoso, por Cristo, Senhor nosso. Nascendo na condição humana, renovou inteiramente a humanidade. Sofrendo a paixão, apagou nossos pecados. Ressurgindo, glorioso, da morte, trouxe-nos a vida eterna. Subindo, triunfante, ao céu, abriu-nos as portas da eternidade. E, enquanto esperamos a plenitude de vosso Reino, com os anjos e com todos os santos, nós vos aclamamos, cantando (dizendo) a uma só voz: T – Santo, Santo, Santo... Na verdade, vós sois santo, ó Deus do universo, e tudo o que criastes proclama o vosso louvor, porque, por Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso, e pela força . LITURGIA EUCARÍSTICA do Espírito Santo, dais vida e santidade (Onde não houver missa, segue a partir do a todas as coisas e não cessais de reunir nº 25 deste folheto.) o vosso povo, para que vos ofereça em toda parte, do nascer ao pôr do sol, um 14. CANTO DE PREPARAÇÃO sacrifício perfeito. DAS OFERENDAS T – Santificai e reuni o vosso povo! (37º Curso: 08.09) Por isso, nós vos suplicamos: santificai 1. Bendito seja Deus Pai, / do universo pelo Espírito Santo as oferendas que criador, / pelo pão que nós recebemos, / vos apresentamos para serem consagrafoi de graça e com amor. das, a fim de que se tornem o Corpo e

o Sangue de Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso, que nos mandou celebrar este mistério. T – Santificai nossa oferenda, ó Senhor! Na noite em que ia ser entregue, ele tomou o pão, deu graças, e o partiu e deu a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e comei: isto é o meu Corpo, que será entregue por vós. Do mesmo modo, ao fim da ceia, ele tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente, e o deu a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e bebei: este é o cálice do meu Sangue, o Sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de Mim. Eis o mistério da fé! T – Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus! Celebrando agora, ó Pai, a memória do vosso Filho, da sua paixão que nos salva, da sua gloriosa ressurreição e da sua ascensão ao céu, e enquanto esperamos a sua nova vinda, nós vos oferecemos em ação de graças este sacrifício de vida e santidade. T – Recebei, ó Senhor, a nossa oferta! Olhai com bondade a oferenda da vossa Igreja, reconhecei o sacrifício que nos reconcilia convosco e concedei que, alimentando-nos com o Corpo e o Sangue do vosso Filho, sejamos repletos do Espírito Santo e nos tornemos em Cristo um só corpo e um só espírito. T – Fazei de nós um só corpo e um só espírito! Que ele faça de nós uma oferenda perfeita para alcançarmos a vida eterna com os vossos santos: a Virgem Maria, Mãe de Deus, os vossos Apóstolos e Mártires, N. (o santo do dia ou o padroeiro) e todos os santos, que não cessam de interceder por nós na vossa presença. T – Fazei de nós uma perfeita oferenda! E agora, nós vos suplicamos, ó Pai, que este sacrifício da nossa reconciliação estenda a paz e a salvação ao mundo inteiro. Confirmai na fé e na caridade a vossa Igreja, enquanto caminha neste mundo: o vosso servo o Papa N., o nosso Bispo N., com os bispos do mundo inteiro, o clero e todo o povo que conquistastes. T – Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja! Atendei às preces da vossa família, que está aqui, na vossa presença. Reuni em vós, Pai de misericórdia, todos os vossos filhos e filhas dispersos pelo mundo inteiro. T – Lembrai-vos, ó Pai, dos vossos filhos!

Acolhei com bondade no vosso reino os nossos irmãos e irmãs que partiram desta vida e todos os que morreram na vossa amizade. Unidos a eles, esperamos também nós saciar-nos eternamente da vossa glória, por Cristo, Senhor nosso. T – A todos saciai com vossa glória! Por ele dais ao mundo todo bem e toda graça. Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre. T – Amém!

19. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL

17. PAI-NOSSO

21. AVISOS DA COMUNIDADE

Refrão meditativo: (22º Curso: 09.0) Confiemo-nos ao Senhor, / Ele é justo e tão bondoso. / Confiemo-nos ao Senhor, / Aleluia.

20. ORAÇÃO P – Oremos. (Pausa para oração) Fortificados por este alimento sagrado, nós vos damos graças, ó Deus, e imploramos a vossa clemência; fazei que perseverem na sinceridade do vosso amor aqueles que fortalecestes pela infusão do Espírito Santo. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

P – O Senhor nos comunicou o seu Es22. ANTÍFONA MARIANA pírito. Com a confiança e a liberdade de (42º Curso: 03.12) filhos, digamos juntos: Ave, Rainha do céu; / ave, dos anjos T – Pai nosso... Senhora; / ave, raiz, ave, porta; / da luz do 18 A. CANTO DA COMUNHÃO mundo és aurora. (39º Curso: 08.10) Exulta, ó Virgem tão bela / as outras Felizes os de coração puro, / porque seguem-te após; / nós te saudamos: verão a Deus, / porque verão a Deus! adeus! / E pede a Cristo por nós! 1. Ao Senhor pertence a terra e o que ela Virgem Mãe, ó Maria! / Virgem Mãe, ó encerra, / o mundo inteiro com os seres Maria! (bis) que o povoam; / porque ele a tornou firme sobre os mares / e sobre as águas a RITOS FINAIS mantém inabalável. 2. “Quem subirá até o monte do Senhor, / 23. BÊNÇÃO FINAL quem ficará em sua santa habitação?” / P – O Senhor esteja convosco. “Quem tem mãos puras e inocente o co- T – Ele está no meio de nós. ração, / nem jura falso para o dano de seu P – A paz de Deus, que supera todo próximo”. entendimento, guarde vossos corações 3. Sobre este desce a bênção do Senhor / e vossas mentes no conhecimento e no e a recompensa de seu Deus e Salvador. / amor de Deus, e de seu Filho, nosso “É assim a geração dos que o procuram / Senhor Jesus Cristo. T – Amém. e do Deus de Israel buscam a face!” P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, 18 B. CANTO DA COMUNHÃO Pai e Filho e Espírito Santo. T – Amém. (39º Curso: 08.10)

Feliz o homem que ama o Senhor / e segue os seus mandamentos. / O seu coração é repleto de amor, / Deus mesmo é seu alimento. 1. Feliz o que anda na lei do Senhor / e segue o caminho que Deus lhe indicou: / terá recompensa no reino do céu, / porque muito amou. 2. Feliz quem se alegra em servir o irmão, / segundo os preceitos que Deus lhe ensinou: / verá maravilhas de Deus, o Senhor, / porque muito amou. 3. Feliz quem confia na força do bem, / seguindo os caminhos da paz e o perdão: / será acolhido nos braços do Pai, / porque muito amou. 4. Feliz quem dá graças de bom coração / e estende sua mão ao sem-voz e sem-vez: / terá no banquete um lugar para si, / porque muito amou. 

24. DESPEDIDA P – Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe. T – Graças a Deus.

ONDE NÃO HOUVER MISSA 25. COLETA FRATERNA (É o momento de trazer donativos ou oferta em dinheiro para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia canta o nº 14 deste.)

26. DA PALAVRA À REFEIÇÃO (Quem preside convida a assembleia a se aproximar do altar.) P – Vamos dar graças a Deus e repartir entre nós o pão consagrado, memória viva do corpo do Senhor. Que esta comunhão firme nossa amizade com ele e nos dê a graça de viver na força da ressurreição.


32o-domingo-do-tempo-comum_1748