Issuu on Google+

terá fome e o que crê em mim nunca mais terá sede”. Mostrando o pão consagrado: P – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo! T – Senhor, eu não sou digno(a)...

(Distribuição da comunhão: canto n. 18 guarde na simplicidade dos teus pequenos. Por Cristo, nosso Senhor. A e B deste folheto).

29. ORAÇÃO FINAL

O roteiro de “onde não houver missa” P – Ó Deus, mãe de amor, o alimento encontra-se no livro “Dia do Senhor”: que recebemos nos livre de todas as de M. Guimarães e P. Carpanedo, tentações de poder e prestígio e nos Paulinas: Apostolado Litúrgico.

Arquidiocese de Goiânia

31º Domingo do Tempo Comum – Ano A

NOSSA GRANDEZA: AMAR E SERVIR

O mistério que celebramos hoje A Páscoa de Cristo é a páscoa que hoje continua se realizando de tantas maneiras em nossa realidade são o grande motivo que nos reúne, como família de Deus, em cada domingo. Hoje recordamos Jesus que, ao contrário dos fariseus e escribas, é Mestre que honra a sua palavra até às últimas consequências. Ele mesmo é a realização fiel da Palavra: Verbo do Pai, anunciada pelos profetas. Celebramos hoje o Dia Nacional da Juventude, tendo presente a situação desafiadora dos jovens em nosso país e reconhecendo o grande potencial da juventude para transformação desta realidade pela vivência do amor e do serviço.

Sugestões para a equipe de celebração: 1. Fazer uma acolhida muito afetuosa aos jovens e adolescentes da comunidade. 2. Procissão de entrada com a participação dos jovens. Trazem a cruz, o evangeliário, velas, flores e algum símbolo ligado à realidade da juventude. 3. Um grupo de jovens poderia preparar uma coreografia para acompanhar o salmo deste domingo e também o canto do santo, as aclamações e o amém final. 4. Após o canto da comunhão, fazer um silêncio contemplativo e a oração após a comunhão. A seguir, os jovens poderão cantar um hino mais ligado à sua realidade e ao seu estilo. 5. A bênção final, como envio de toda a comunidade em missão, poderá ser cantada e acompanhada de algum gesto, atin-

gindo particularmente os jovens. 6. Anotações para o Dia de Finados: 1) Neste dia, não se ornamenta o altar com flores; o toque do órgão e de outros instrumentos só é permitido para sustentar o canto. 2) Aos que visitarem o cemitério e rezarem, mesmo que só mentalmente, pelos defuntos, concede-se uma Indulgência Plenária, só aplicável aos defuntos: diariamente, do dia 1º ao dia 8 de novembro, nas condições costumeiras, isto é: confissão sacramental, comunhão eucarística e oração nas intenções do Sumo Pontífice; nos restantes dias do ano, Indulgência Parcial (Enchir. Indulgentiarum, n. 13). 3) Ainda neste dia, em todas as igrejas, oratórios público ou semipúblicos, igualmente lucra-se uma Indulgência Plenária, só aplicável aos defuntos: a obra que se prescreve é a piedosa visitação à igreja, durante a qual se deve rezar a Oração dominical e o símbolo (Pai-Nosso e Creio), confissão sacramental, comunhão eucarística e a oração na intenção do Sumo Pontífice (que pode ser um Pai-Nosso e Ave Maria, ou qualquer outra oração conforme inspirar a piedade e devoção). 4) Por Constituição Apostólica do Papa Bento XV, de 1915, amanhã, todos os sacerdotes podem celebrar três Santas Missas, das quais, porém, uma deve ser por todos os Defuntos e uma pelas intenções do Santo Padre. (CNBB. Diretório da Liturgia e da Organização da Igreja no Brasil 2011. Brasília: Edições CNBB, 2010.)

LEITURAS BÍBLICAS: 2ª-f.: Rm 11,29-36; Lc 14,12-14. 3ª-f.: Rm 12,5-16a; Lc 14,15-24. 4ª-f.: Comemoração de todos os fiéis defuntos:leituras próprias à escolha no Lecionário (vol I, p. 1050 ss.) ou no Ritual das Exéquias. 5ª-f.: Rm 14,7-12; Lc 15,1-10. 6ª-f.: Rm 15,1421; Lc 16,1-8. Sábado: Rm 16,3-9.16.22-27; Lc 16,9-15. Domingo: 32º Domingo do Tempo Comum – Ap 7,2-4.9-14; 1Jo 3,1-3; Mt 5,1-12a.

Acesse o site www.arquidiocesedegoiania.org.br e leia o Jornal Brasil Central CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

30 de outubro de 2011 - Ano XXVIII - Nº 1633

NOSSA GRANDEZA: AMAR E SERVIR 1. MOTIVAÇÃO

A – Hoje, Deus nos chama a crescer no conhecimento da nossa verdadeira grandeza como pessoas humanas, criadas à sua imagem e semelhança. Unidos a todos os jovens que celebram o Dia Nacional da Juventude, iniciemos nossa celebração, cantando.

2. CANTO DE ABERTURA (36º Curso: 09.08)

P – Senhor, que congregais na unidade os vossos filhos dispersos, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós. (Conclusão pelo presidente)

5. HINO DE LOUVOR (39º Curso: 08.10)

Glória a Deus lá nos céus, e paz na terra aos seus! (bis) 1. Glória a Deus nos altos céus! / Paz na terra a seus amados! / A vós louvam, Rei celeste, / os que foram libertados. 2. Deus e Pai, nós vos louvamos, / adoramos, bendizemos; / damos glória ao vosso nome, / vossos dons agradecemos! 3. Senhor nosso, Jesus Cristo, / Unigênito do Pai, / vós, de Deus Cordeiro Santo, / nossas culpas perdoai! 4. Vós, que estais junto do Pai, / como nosso intercessor, / acolhei nossos pedidos, / atendei nosso clamor! 5. Vós somente sois o Santo, / o Altíssimo, o Senhor, / com o Espírito Divino, / de Deus Pai no esplendor.

Eis-me aqui, Senhor! / Eis-me aqui, Senhor! / Pra fazer tua vontade, pra viver do teu amor. / Pra fazer tua vontade, pra viver do teu amor: / Eis-me aqui, Senhor! 1. O Senhor é o Pastor que me conduz, / por caminhos nunca vistos me enviou / sou chamado a ser fermento, sal e luz, / e, por isso, respondi: aqui estou! 2. Ele pôs em minha boca uma canção, / me ungiu como profeta e trovador / da história e da vida do meu povo / e, por isso, respondi: aqui estou! 3. Ponho a minha confiança no Senhor, / da esperança sou chamado a ser sinal, / seu ouvido se inclinou ao meu clamor, / 6. ORAÇÃO P – Oremos. (Pausa para oração) e, por isso, respondi: aqui estou! Ó Deus de poder e misericórdia, que 3. ACOLHIDA concedeis a vossos filhos e filhas a graP – Em nome do Pai... ça de vos servir como devem, fazei que T – Amém. corramos livremente ao encontro das P – A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, vossas promessas. Por nosso Senhor Jeo amor do Pai e a comunhão do Espírito sus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Santo estejam convosco. T – Bendito seja Deus que nos reuniu T – Amém. no amor de Cristo.

4. ATO PENITENCIAL

P – O projeto de Deus para nós é a vivência do amor e do serviço generoso. Em que temos falhado? (Pausa) P – Senhor, que viestes procurar quem estava perdido, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós. P – Cristo, que viestes dar a vida em resgate de muitos, tende piedade de nós. T – Cristo, tende piedade de nós.

LITURGIA DA PALAVRA

A – Deus nos revela em que consiste a verdadeira grandeza da vida humana. Atentos(as), escutemos sua Palavra.

7. PRIMEIRA LEITURA

Leitura da Profecia de Malaquias (1,14b-2,1-2.8-10) – 14bEu sou o grande rei, diz o Senhor dos exércitos, e o meu nome é terrível entre as nações. 2,1 E agora este mandamento para vós, ó sacerdotes. 2Se não quiserdes

ouvir e tomar a peito glorificar o meu nome, diz o Senhor dos exércitos, lançarei sobre vós a maldição. 8 Vós, porém, vos afastastes do reto caminho e fostes para muitos, na observância da lei, pedra de tropeço; quebrastes o pacto de Levi, diz o Senhor dos exércitos; 9e eu também vos fiz desprezíveis e vos rebaixei aos olhos de todos os povos, na medida em que não guardastes meus caminhos e praticastes discriminação de pessoas no serviço da lei. 10 Acaso não é um só o pai de todos nós? Acaso não fomos criados por um único Deus? Então, por que cada um de nós, é desonesto com seu irmão, violando o pacto de nossos pais? – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

8. SALMO 130 (131)

(Salmos e Aclamações / ano A: 12.10 – vol. III)

Guardai-me, ó Senhor, / convosco, em vossa paz! 1 Senhor, meu coração não é orgulhoso, / nem se eleva arrogante o meu olhar; / não ando à procura de grandezas, / nem tenho pretensões ambiciosas! 2 Fiz calar e sossegar a minha alma; / ela está em grande paz dentro de mim, / como a criança bem tranquila, amamentada / no regaço acolhedor de sua mãe. 3 Confia no Senhor, ó Israel, / desde agora e por toda a eternidade! Confia no Senhor, ó Israel, / desde agora e por toda a eternidade! (Tempo de silêncio)

9. SEGUNDA LEITURA

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses (2,7b-9.13) – Irmãos, 7bfoi com muita ternura que nos apresentamos a vós, como uma mãe que acalenta os seus filhinhos. 8 Tanto bem que vos queríamos, que desejávamos dar-vos não somente o evangelho de Deus, mas até a própria vida, a tal ponto chegou a nossa afeição por vós.


9 Irmãos, certamente ainda vos lembrais dos nossos trabalhos e fadigas. Trabalhamos dia e noite, para não sermos pesados a nenhum de vós. Foi assim que anunciamos o evangelho de Deus. 13 Por isso, agradecemos a Deus sem cessar por vós tardes acolhido a pregação da palavra de Deus, não como palavra humana, mas como aquilo que de fato é: Palavra de Deus, que está produzindo efeito em vós que abraçastes a fé. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

10. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO

(Salmos e Aclamações/ ano A: 12.10 –vol. III)

Aleluia, aleluia, aleluia! (bis) Só um é o vosso Pai, o vosso Pai celeste. / Um só é vosso Guia, Jesus Cristo, o Messias! P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus. T – Glória a vós, Senhor. (23,1-12) – Naquele tempo, 1Jesus falou às multidões e a seus discípulos: 2 “Os mestres da Lei e os fariseus têm autoridade para interpretar a Lei de Moisés. 3Por isso, deveis fazer e observar tudo o que eles dizem. Mas não imiteis suas ações! Pois eles falam e não praticam. 4Amarram pesados fardos e os colocam nos ombros dos outros, mas eles mesmos não estão dispostos a movê-los nem sequer com um dedo. 5 Fazem todas as suas ações só para serem vistos pelos outros. Eles usam faixas largas, com trechos da Escritura, na testa e nos braços, e põem na roupa longas franjas. 6Gostam de lugar de honra nos banquetes e dos primeiros lugares nas sinagogas. 7Gostam de ser cumprimentados nas praças públicas e de ser chamados de Mestre. 8 Quanto a vós, nunca vos deixeis chamar de Mestre, pois um só é vosso Mestre, e todos vós sois irmãos. 9Na terra, não chameis a ninguém de pai, pois um só é o vosso Pai, aquele que está nos céus. 10 Não deixeis que vos chamem de guias, pois um só é o vosso Guia, Cristo. 11Pelo contrário, o maior dentre vós deve ser aquele que vos serve. 12Quem se exaltar será humilhado, e quem se humilhar será exaltado”. – Palavra da Salvação. T – Glória a vós, Senhor. (Tempo de silêncio)

11. HOMILIA

(Após a homilia, pausa para reflexão.)

12. PROFISSÃO DE FÉ

de misericórdia para nós. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

P – Cheios de confiança, professemos a 16. ORAÇÃO EUCARÍSTICA V (Prefácio próprio) nossa fé. P – O Senhor esteja convosco. T – Creio em Deus Pai... T – Ele está no meio de nós. 13. ORAÇÃO COMUNITÁRIA P – Corações ao alto. P – Confiantes na misericórdia do Se- T – O nosso coração está em Deus. nhor, apresentemos a Ele nossas orações. P – Demos graças ao senhor, nosso Deus. 1. Senhor, anima a Igreja a ser testemu- T – É nosso dever e nossa salvação. nha do amor, do diálogo e da unidade. É justo e nos faz ser mais santos louvar T – Ouve, Senhor, a nossa prece. a vós, ó Pai, no mundo inteiro, de dia e 2. Senhor, fortalece as lideranças políti- de noite, agradecendo com Cristo, voscas que são comprometidas com a defesa so Filho, nosso irmão. É ele o sacerdote verdadeiro que sempre se oferece por nós e luta pela vida e dignidade dos pobres. 3. Senhor, desperta nossos grupos e pas- todos, mandando que se faça a mesma torais da juventude para que sejam ins- coisa que fez naquela ceia derradeira. trumentos de acolhida, conscientização e Por isso, aqui estamos bem unidos, louvando e agradecendo com alegria, junesperança para os jovens. 4. Senhor, ajuda-nos a superar toda hipo- tando nossa voz à voz dos anjos e à voz crisia e apego às leis que nos fazem opri- dos santos todos, pra cantar (dizer): mir e excluir as pessoas de nossa vida, T – Santo, Santo, Santo ... família, comunidade e sociedade. Senhor, vós que sempre quisestes ficar (Preces espontâneas da comunidade) muito perto de nós, vivendo conosco no Cristo, falando conosco por ele, mandai (Conclusão pelo presidente) vosso Espírito Santo a fim de que as nossas ofertas se mudem no Corpo e no SanLITURGIA EUCARÍSTICA gue de nosso Senhor Jesus Cristo. (Onde não houver missa, segue a partir T – Mandai vosso Espírito Santo! do n. 24 deste folheto.) Na noite em que ia ser entregue, ceando 14. CANTO DE PREPARAÇÃO com seus apóstolos, Jesus, tendo o pão DAS OFERENDAS em suas mãos, olhou para o céu e deu (41º Curso: 08.11) graças, partiu o pão e o entregou a seus 1. Muitos grãos de trigo / se tornaram discípulos, dizendo: Tomai, todos, e copão; / hoje são teu corpo, / ceia e comu- mei: isto é o meu corpo, que será entrenhão. / Muitos grãos de trigo / se torna- gue por vós. ram pão. Do mesmo modo, no fim da ceia, tomou Toma, Senhor, nossa vida em ação / o cálice em suas mãos, deu graças novapara mudá-la em fruto e missão. / Toma, mente e o entregou a seus discípulos, diSenhor, nossa vida em ação / para mu- zendo: Tomai, todos, e bebei: este é o cádá-la em missão. lice do meu sangue, o sangue da nova e 2. Muitos cachos de uva / se tornaram eterna aliança, que será derramado por vinho; / hoje são teu sangue, / força no vós e por todos, para remissão dos pecaminho. / Muitos cachos de uva / se cados. Fazei isto em memória de Mim. tornaram vinho. Tudo isto é mistério da fé! 3. Muitas são as vidas / feitas vocação, / T – Toda vez que se come deste Pão, hoje oferecidas / em consagração. / Muitoda vez que se bebe deste Vinho, se retas são as vidas / feitas vocação. corda a paixão de Jesus Cristo e se fica esperando sua volta. 15. ORAÇÃO P – Orai, irmãos e irmãs, para que o nos- Recordamos, ó Pai, neste momento, a so sacrifício seja aceito por Deus Pai paixão de Jesus, nosso Senhor, sua restodo-poderoso. surreição e ascensão; nós queremos a vós T – Receba o Senhor por tuas mãos oferecer este Pão que alimenta e que dá este sacrifício, para glória do seu nome, vida, este Vinho que nos salva e dá copara nosso bem e de toda a santa Igreja. ragem. Ó Deus, que este sacrifício se torne uma T – Recebei, ó Senhor, a nossa oferta! oferenda perfeita aos vossos olhos e fonte E quando recebermos Pão e Vinho, o

Corpo e Sangue dele oferecidos, o Espírito nos una num só corpo, pra sermos um só povo em seu amor. T – O Espírito nos una num só corpo. Protegei vossa Igreja que caminha nas estradas do mundo rumo ao céu, cada dia renovando a esperança de chegar junto a vós, na vossa paz. T – Caminhamos na estrada de Jesus. Dai ao Santo Padre, o Papa Bento, ser bem firme na Fé, na Caridade, e a (N), que é bispo desta Igreja, muita luz pra guiar o seu rebanho. T – Caminhamos na estrada de Jesus. Esperamos entrar na vida eterna com a Virgem, Mãe de Deus e da Igreja, os apóstolos e todos os santos, que na vida souberam amar Cristo e seus irmãos. T – Esperamos entrar na vida eterna. A todos que chamastes pra outra vida na vossa amizade, e aos marcados com o sinal da fé, abrindo vossos braços, acolheios. Que vivam para sempre bem felizes no reino que pra todos preparastes. T – A todos dai a luz que não se apaga. E a nós, que agora estamos reunidos e somos povo santo e pecador, dai força para construirmos juntos o vosso reino que também é nosso. Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre. T – Amém.

17. PAI-NOSSO

P – Rezemos, com amor e confiança, a oração que o Senhor nos ensinou: T – Pai nosso...

18 A. CANTO DA COMUNHÃO (41º Curso:08.11)

Um só e o Pai de vocês, / um só é o guia: Jesus! / Quem quer ir à glória com Ele, / carregue com Ele sua cruz! 1. Eu me sinto feliz / perto de Deus, / em achar um abrigo no Senhor. 2. Eu agora estarei / sempre com Ele, / pois me veio trazendo pela mão. 3. Vosso plano de amor / me vai guiando, / pra chegar, finalmente, em vossa glória. 4. Quem se afasta de vós, / nada consegue, / quem se alegra sem vós não é feliz. 5. Vou cantar a bondade / do Senhor, / pelas ruas e praças da cidade.

chamou-nos à vida, nos deu muitos dons; / nossa resposta ao amor será feita / se a nossa colheita mostrar frutos bons. Mas é preciso que o fruto se parta/ e se reparta na mesa do amor! (bis) 2. Participar é criar comunhão, / fermento no pão, saber repartir, / comprometerse com a vida do irmão, / viver a missão de se dar e servir. 3. Os grãos de trigo em farinha se tornam, / depois se transformam em vida no pão. / Assim também quando participamos / unidos criamos maior comunhão.

25. DA PALAVRA À REFEIÇÃO

19. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL

26. ORAÇÃO DE AÇÃO DE GRAÇAS

(Quem preside convida a assembleia a se aproximar do altar.) P – Demos graças ao Senhor repartindo entre nós este pão consagrado, memória vida do corpo de Jesus, que se faz presente em nossa mesa, como tantas vezes na reunião dos discípulos, antes e depois da ressurreição. Que ele nos mantenha na estrada dos seus mandamentos. (38º Curso: 03.10)

Vós sois o Caminho, a Verdade e a Vida, / o pão da alegria descido do céu.

Refrão meditativo: (36º Curso: 09.08) O(a) presidente, ocupando o lugar no alNão nos cansemos de fazer o bem! / Não tar, convida a assembleia para o louvor: nos cansemos de fazer o bem! P – O Senhor esteja com vocês. T – Ele está no meio de nós. 20. ORAÇÃO P – Oremos. (Pausa para oração) P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. Ó Deus, frutifique em nós a vossa graça, T – É nosso dever e nossa salvação. a fim de que, preparados por vossos sa- P – Nós te damos graças, ó Deus da vida, cramentos, possamos receber o que pro- porque neste dia santo de domingo nos metem. Por Cristo, nosso Senhor. acolhes na comunhão do teu amor e reT – Amém. novas nossos corações com a alegria da de Jesus. 21. AVISOS DA COMUNIDADE ressurreição T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Esta comunidade aqui reunida recorRITOS FINAIS da a vitória sobre a morte, escutando a 22. BÊNÇÃO FINAL tua Palavra e repartindo o pão, na espeP – O Senhor esteja convosco. rança de ver o novo céu e a nova terra, T – Ele está no meio de nós. onde não haverá fome, nem morte, nem P – Que o Deus de toda consolação dor, e onde viveremos na plena comudisponha na sua paz os vossos dias e nhão do teu amor. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! vos conceda as suas bênçãos. T – Amém. P – Por este sinal do corpo do teu Filho, P – Sempre vos liberte de todos os pe- expressamos nosso desejo de corresponrigos e confirme os vossos corações der com mais fidelidade à missão que nos deste e invocamos sobre nós o teu Espíem seu amor. rito. Apressa o tempo da vinda do teu reiT – Amém. P – E assim, ricos em esperança, fé e no, e recebe o louvor de todo o universo e caridade, possais viver praticando o de todas as pessoas que te buscam. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! bem e chegar felizes à vida eterna. T – Amém. P – Toda a nossa louvação chegue a ti em P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, nome de Jesus, por quem oramos com as palavras que ele nos ensinou: Pai e Filho e Espírito Santo. T – Pai Nosso... pois vosso é o reino, o T – Amém. poder e a glória para sempre.

23. DESPEDIDA

P – Ide em paz, e o Senhor vos acom- 27. ABRAÇO DA PAZ P – Irmãos e irmãs, por sua morte e panhe. ressurreição, o Cristo nos reconciliou. T – Graças a Deus. Demo-nos uns aos outros o abraço da paz! ONDE NÃO HOUVER MISSA

24. COLETA FRATERNA

(É o momento de trazer donativos ou 18 B. CANTO DA COMUNHÃO oferta em dinheiro para as necessidades (11º Curso: 04.96) da comunidade, enquanto a assembleia 1. O nosso Deus, com amor sem medida, / canta o nº 14 deste folheto.)

28. RITO DA COMUNHÃO

(Após o Pai-Nosso, quem preside convida a comunidade a partilhar o pão, dizendo:) P – Assim disse Jesus: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim nunca mais


31_dtc_out_2011