Issuu on Google+

P – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo! T – Senhor, eu não sou digno(a)... (Distribuição da comunhão: canto n. 18 A e B deste folheto).

29. ORAÇÃO FINAL

P – Senhor nosso Deus, o alimento e a energia que recebemos de ti nesta celebração, seja o guia seguro que nos conduza nos meandros e dificuldades da vida. E iluminados por ti e por teu Santo Espírito,

possamos, nesta semana que começa, ser obedientes e fiéis aos teus segredos e planos de amor. Por Cristo, nosso Senhor. O roteiro de “onde não houver missa” encontrase no livro “Dia do Senhor”: de M. Guimarães e P. Carpanedo, Paulinas: Apostolado Litúrgico.

Arquidiocese de Goiânia

29º Domingo do Tempo Comum – Ano A

“DAR A DEUS O QUE É DE DEUS”

O mistério que celebramos hoje Recordamos neste domingo, a Páscoa de Jesus realizada no seu enfrentamento com as autoridades de seu tempo. Louvamos ao Pai que faz Jesus, e hoje faz cada um de nós, vencer toda armadilha maldosa e nos dá força para levarmos em frente o seu projeto. Celebramos a Páscoa de Jesus Cristo que se manifesta em todas as pessoas e comunidades que permanecem firmes na sua opção por Deus e pela Vida, mesmo enfrentando dificuldades e tentações. Para darmos a Deus o culto que lhe é devido é preciso libertar-nos da dominação do dinheiro e de todos os sofrimentos que são provocados por causa dele. Este é o compromisso que a Palavra de Deus nos sugere hoje.

Sugestões para a equipe de celebração: 1. Fazer uma acolhida muito afetuosa a todas as pessoas. 2. Valorizar a bênção final, como envio de toda a comunidade em missão; poderá ser cantada e acompanhada de gestos. 3. Lembrar que o próximo domingo, penúltimo de outubro, é Dia das Missões e da Obra Pontifícia da Infância Missionária. Em todas as Igrejas, pode-se celebrar uma Missa “pela Evangelização dos povos”. Coleta em todo o mundo para as Missões (desta grande campanha se reservará uma percentagem adequada para as Missões da África e 10% para a Infância Missionária). O fruto da coleta deverá ser entregue integralmente à Cúria diocesana. (cf. Diretório da Liturgia e da organização da Igreja no Brasil, CNBB, 2010.)

LEITURAS BÍBLICAS: 2ª-f.: Rm 4,20-25; Lc 12,13-21. 3ª-f.: 2Tm 4, 10-17b; Lc 10,1-9. 4ª-f.: Rm 6,12-18; Lc 12,39-48.

5ª-f.: Rm 6,19-23; Lc 12,49-53. 6ª-f.: Rm 7,18-25a; Lc 12,54-59. Sábado: Rm 8,1-11; Lc 13,1-9. Domingo: 30º Domingo do Tempo Comum – Ex 22,20-26; 1Ts 1,5c-10; Mt 22,34-40.

Campanha Missionária 2011

20

de outubro

Dia Mundial das Missões

Missão na Ecologia coleta nacional - 22 e 23 de outubro CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

16 de outubro de 2011 - Ano XXVIII - Nº 1631

“DAR A DEUS O QUE É DE DEUS” 1. MOTIVAÇÃO

A – Tudo o que somos e tudo o que temos vem das mãos de Deus. Estamos reunidos para agradecer seus dons e para nos comprometer com seu projeto e viver como filhos e filhas dele. Iniciemos nossa celebração, cantando.

2. CANTO DE ABERTURA (36º Curso: 09.08)

Eis-me aqui, Senhor! / Eis-me aqui, Senhor! / Pra fazer tua vontade, pra viver do teu amor. / Pra fazer tua vontade, pra viver do teu amor: / Eis-me aqui, Senhor! 1. O Senhor é o Pastor que me conduz, / por caminhos nunca vistos me enviou / sou chamado a ser fermento, sal e luz, / e, por isso, respondi: aqui estou! 2. Ele pôs em minha boca uma canção, / me ungiu como profeta e trovador / da história e da vida do meu povo / e, por isso, respondi: aqui estou! 3. Ponho a minha confiança no Senhor, / da esperança sou chamado a ser sinal, / seu ouvido se inclinou ao meu clamor, / e, por isso, respondi: aqui estou!

3. ACOLHIDA

P – Em nome do Pai... T – Amém. P – A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco. T – Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

4. ATO PENITENCIAL

P – De coração contrito e humilde, aproximemo-nos do Deus justo e santo, para que tenha piedade de nós, pecadores. (Pausa) P – Tende compaixão de nós, Senhor. T – Porque somos pecadores. P – Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia. T – E dai-nos a vossa salvação. P – Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. T – Amém.

Por causa de meu servo Jacó, e de meu eleito Israel, chamei-te pelo nome; reservei-te, e não me reconheceste. 5Eu sou o Senhor, não existe outro: fora de mim não há deus. Armei-te guerreiro, sem me reconheceres, 6para que todos saibam, do oriente ao ocidente, que fora de mim 5. HINO DE LOUVOR outro não existe. Eu sou o Senhor, (39º Curso: 08.10) não há outro”. Glória a Deus lá nos céus, e paz na ter– Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. ra aos seus! (bis) (Tempo de silêncio) 1. Glória a Deus nos altos céus! / Paz na terra a seus amados! / A vós louvam, Rei 8. SALMO 95 (96) (Salmos e Aclamações / ano A: 12.10 – vol. III) celeste, / os que foram libertados. 2. Deus e Pai, nós vos louvamos, / ado- Ó família das nações, / dai ao Senhor poramos, bendizemos; / damos glória ao der e glória! vosso nome, / vossos dons agradecemos! 1Cantai ao Senhor Deus um canto novo, / 2a 3. Senhor nosso, Jesus Cristo, / Unigênito 3 cantai ao Senhor Deus, ó terra inteira! / do Pai, / vós, de Deus Cordeiro Santo, / Manifestai a sua glória entre as nações, / e entre os povos do universo seus prodígios! nossas culpas perdoai! 4 4. Vós, que estais junto do Pai, / como Pois Deus é grande e muito digno de nosso intercessor, / acolhei nossos pedi- louvor, / é mais 5terrível e maior que os outros deuses, / porque um nada são os dos, / atendei nosso clamor! deuses dos pagãos. / Foi o Senhor e nosso 5. Vós somente sois o Santo, / o Altíssi- Deus quem fez os céus. mo, o Senhor, / com o Espírito Divino, / 7 Ó família das nações, dai ao Senhor, / de Deus Pai no esplendor. ó nações, dai ao Senhor poder e glória, / 8 dai-lhe a glória que é devida ao seu nome! / 6. ORAÇÃO Oferecei um sacrifício nos seus átrios. P – Oremos. (Pausa para oração) Deus eterno e todo-poderoso, dai-nos a 9Adorai-o no esplendor da santidade, / tergraça de estar sempre ao vosso dispor, e ra inteira, estremecei diante dele! / 10aPuvos servir de todo o coração. Por nosso blicai entre as nações: “Reina o Senhor!” / Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na uni- pois os povos ele julga com justiça. dade do Espírito Santo. 9. SEGUNDA LEITURA T – Amém. Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses (1,1-5b) – LITURGIA DA PALAVRA 1 Paulo, Silvano e Timóteo, à Igreja A – Deus sempre quer nos falar e re- dos tessalonicenses, reunida em Deus velar o seu projeto. Escutemos atenta- Pai e no Senhor Jesus Cristo: a vós, graça e paz! mente sua Palavra. 2 Damos graças a Deus por todos 7. PRIMEIRA LEITURA vós, lembrando-vos sempre em nossas Leitura do Livro do Profeta Isaías orações. 3Diante de Deus, nosso Pai, (45,1.4-6) – 1Isto diz o Senhor sobre recordamos sem cessar a atuação da Ciro, seu Ungido: “Tomei-o pela vossa fé, o esforço da vossa caridade e mão para submeter os povos ao seu a firmeza da vossa esperança em nosdomínio, dobrar o orgulho dos reis, so Senhor Jesus Cristo. 4 abrir todas as portas à sua marcha, e Sabemos, irmãos amados por Deus, para não deixar trancar os portões. que sois do número dos escolhidos.

P – Senhor, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós. P – Cristo, tende piedade de nós. T – Cristo, tende piedade de nós. P – Senhor, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós.

4


Porque o nosso evangelho não chegou até vós somente por meio de palavras, mas também mediante a força que é o Espírito Santo; e isso, com toda a abundância. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio) 5b

10. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO

(Salmos e Aclamações / ano A: 12.10 – vol. III)

Aleluia, aleluia, aleluia! (bis) Como astros no mundo vós resplandeçais, / mensagem de vida ao mundo anunciando, / da vida a Palavra, com fé, proclameis, / quais astros luzentes no mundo brilheis! P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus. T – Glória a vós, Senhor. (22,15-21) – Naquele tempo, 15os fariseus fizeram um plano para apanhar Jesus em alguma palavra. 16Então mandaram os seus discípulos, junto com alguns do partido de Herodes, para dizerem a Jesus: “Mestre, sabemos que és verdadeiro e que, de fato, ensinas o caminho de Deus. Não te deixas influenciar pela opinião dos outros, pois não julgas um homem pelas aparências. 17Dize-nos, pois, o que pensas: É lícito ou não pagar imposto a César?” 18 Jesus percebeu a maldade deles e disse: “Hipócritas! Por que me preparais uma armadilha? 19Mostrai-me a moeda do imposto!” Levaram-lhe então a moeda. 20E Jesus disse: “De quem é a figura e a inscrição desta moeda?” 21Eles responderam: “De César”. Jesus então lhes disse: “Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus”. – Palavra da Salvação. T – Glória a vós, Senhor. (Tempo de silêncio)

T – Senhor, escutai a nossa prece. 2. Senhor, que os governantes promovam o bem de todos, destinando os bens públicos para os seus verdadeiros fins. 3. Senhor, que nossa participação na Igreja e na sociedade nos faça construir uma realidade nova que supere toda injustiça e exclusão. 4. Senhor, que nosso arcebispo emérito, Dom Antonio Ribeiro, sinta a alegria e a gratidão desta Igreja particular por sua vida e ministério generoso. P – Caminhando juntos neste Ano Vocacional, rezemos a oração pelas vocações. T – Jesus, Mestre Divino, que chamastes os Apóstolos a vos seguirem, / continuai a passar pelos nossos caminhos, / pelas nossas famílias, / pelas nossas escolas / e continuai a repetir o convite a muitos de nossos jovens. / Dai coragem às pessoas convidadas. / Dai força para que vos sejam fiéis como apóstolos leigos, / como sacerdotes, / como religiosos e religiosas, / para o bem do Povo de Deus e de toda a humanidade. Amém. (Conclusão pelo presidente)

LITURGIA EUCARÍSTICA (Onde não houver missa, segue a partir do n. 24 deste folheto.)

14. CANTO DE PREPARAÇÃO DAS OFERENDAS (41º Curso: 08.11)

(Após a homilia, pausa para reflexão.)

1. Muitos grãos de trigo / se tornaram pão; / hoje são teu corpo, / ceia e comunhão. / Muitos grãos de trigo / se tornaram pão. Toma, Senhor, nossa vida em ação / para mudá-la em fruto e missão. / Toma, Senhor, nossa vida em ação / para mudá-la em missão. 2. Muitos cachos de uva / se tornaram vinho; / hoje são teu sangue, / força no caminho. / Muitos cachos de uva / se tornaram vinho. 3. Muitas são as vidas / feitas vocação, / hoje oferecidas / em consagração. / Muitas são as vidas / feitas vocação.

12. PROFISSÃO DE FÉ

15. ORAÇÃO

11. HOMILIA

P – Cheios de confiança, professemos a P – Orai, irmãos e irmãs, para o nosso nossa fé. sacrifício seja aceito por Deus Pai todoT – Creio em Deus Pai... poderoso. T – Receba o Senhor por tuas mãos 13. ORAÇÃO COMUNITÁRIA P – Confiantes, apresentemos nossas pre- este sacrifício, para glória do seu nome, para nosso bem e de toda a santa Igreja. ces ao Senhor. 1. Senhor, que o Santo Padre e toda a Dai-nos, ó Deus, usar os vossos dons serIgreja vivam na alegria de dar a Deus o vindo-vos com liberdade, para que, purificados pela vossa graça, sejamos renoque é de Deus.

vados pelos mistérios que celebramos em vossa honra. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

16. ORAÇÃO EUCARÍSTICA II

(Prefácio dos Domingos do Tempo Comum, VI)

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Corações ao alto. T – O nosso coração está em Deus. P – Demos graças ao senhor, nosso Deus. T – É nosso dever e nossa salvação. Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças, sempre e em todo o lugar, Senhor, Pai Santo, Deus eterno e todo-poderoso. Em vós vivemos, nos movemos e somos. E, ainda peregrinos neste mundo, não só recebemos, todos os dias, as provas de vosso amor de Pai, mas também possuímos, já gora, a garantia da vida futura. Possuindo as primícias do Espírito, por quem ressuscitastes Jesus dentre os mortos, esperamos gozar, um dia, a plenitude da Páscoa eterna. Por essa razão, com os anjos e com todos os santos, entoamos um cântico novo, para proclamar vossa bondade, cantando (dizendo) a uma só voz: T – Santo, Santo, Santo,... Na verdade, ó Pai, vós sois santo e fonte de toda santidade. Santificai, pois, estas oferendas, derramando sobre elas o vosso Espírito, a fim de que se tornem para nós o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso. T – Santificai nossa oferenda, ó Senhor! Estando para ser entregue e abraçando livremente a paixão, ele tomou o pão, deu graças, e o partiu e deu a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e comei: isto é o meu corpo, que será entregue por vós. Do mesmo modo, ao fim da ceia, ele tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente, e o deu a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e bebei: este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de Mim. Eis o mistério da fé! T – Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus! Celebrando, pois, a memória da morte e ressurreição do vosso Filho, nós vos oferecemos, ó Pai, o pão da vida e o cálice da salvação; e vos agradecemos porque nos tornastes dignos de estar aqui na vossa presença e vos servir.

T – Recebei, ó Senhor, a nossa oferta! E nós vos suplicamos que, participando do Corpo e Sangue de Cristo, sejamos reunidos pelo Espírito Santo num só corpo. T – Fazei de nós um só corpo e um só espírito! Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja que se faz presente pelo mundo inteiro: que ela cresça na caridade, com o papa Bento, com o nosso bispo (N) e todos os ministros do vosso povo. T – Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja! Lembrai-vos também dos nossos irmãos e irmãs que morreram na esperança da ressurreição e de todos os que partiram desta vida: acolhei-os junto a vós na luz da vossa face. T – Lembrai-vos, ó Pai, dos vossos filhos! Enfim, nós vos pedimos, tende piedade de todos nós e dai-nos participar da vida eterna, com a Virgem Maria, Mãe de Deus, com os santos Apóstolos e todos os que neste mundo vos serviram, a fim de vos louvarmos e glorificarmos por Jesus Cristo, vosso Filho. T – Concedei-nos o convívio dos eleitos! Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre. T – Amém.

2. Participar é criar comunhão, / fermento no pão, saber repartir, / comprometerse com a vida do irmão, / viver a missão de se dar e servir. 3. Os grãos de trigo em farinha se tornam, / depois se transformam em vida no pão. / Assim também quando participamos / unidos criamos maior comunhão.

P – Trazendo o pão consagrado, demos graças ao nosso Deus que em Jesus nos renova em seu amor e faz crescer em nosso íntimo a compaixão e a bondade. Que esta partilha nos confirme na obediência e fidelidade ao Pai e na vida de liberdade dos filhos e filhas de Deus. (38º Curso: 03.10)

19. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL

Vós sois o Caminho, a Verdade e a Vida, / o pão da alegria descido do céu.

A César darão o que é dele, / se a ele é que estão a servir! / A Deus o que é dele ofereçam, / se querem justiça cumprir! 1. Eu me sinto feliz perto de Deus, / em achar um abrigo no Senhor. 2. Eu agora estarei sempre com Ele, / pois me veio trazendo pela mão. 3. Vosso plano de amor me vai guiando, / para chegar finalmente em vossa glória. 4. Quem se afasta de vós nada consegue, / quem se alegra sem vós não é feliz. 5. Vou cantar a bondade do Senhor / pelas ruas e praças da cidade.

26. ORAÇÃO DE Refrão meditativo: (36º Curso: 09.08) Deus ama a quem dá com alegria. A AÇÃO DE GRAÇAS quem dá com alegria! O(a) presidente, ocupando o lugar no altar, convida a assembleia para o louvor: 20. ORAÇÃO P – O Senhor esteja com vocês. P – Oremos. (Pausa para oração) Dai-nos, ó Deus, colher os frutos da T – Ele está no meio de nós. nossa participação na Eucaristia para P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. que, auxiliados pelos bens terrenos, pos- T – É nosso dever e nossa salvação. samos conhecer os valores eternos. Por P – Nós te damos graças, ó Deus da vida, Cristo, nosso Senhor. porque neste dia santo de domingo nos T – Amém. acolhes na comunhão do teu amor e renovas nossos corações com a alegria da 21. AVISOS DA COMUNIDADE ressurreição de Jesus. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! RITOS FINAIS P – Esta comunidade aqui reunida recorda a vitória sobre a morte, escutando a 22. BÊNÇÃO FINAL tua Palavra e repartindo o pão, na espeP – O Senhor esteja convosco. rança de ver o novo céu e a nova terra, T – Ele está no meio de nós. P – Que Deus todo-poderoso vos livre onde não haverá fome, nem morte, nem sempre de toda adversidade e derrame dor, e onde viveremos na plena comunhão do teu amor. sobre vós as suas bênçãos. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! T – Amém. P – Torne os vossos corações atentos à P – Por este sinal do corpo do teu Fisua palavra a fim de que transbordeis lho, expressamos nosso desejo de corresponder com mais fidelidade à missão de alegria divina. que nos deste e invocamos sobre nós o T – Amém. P – Assim, abraçando o bem e a justi- teu Espírito. Apressa o tempo da vinda ça, possais correr sempre pelo caminho do teu reino, e recebe o louvor de todo dos mandamentos divinos e tornar-vos o universo e de todas as pessoas que te buscam. co-herdeiros dos santos. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! T – Amém. P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, P – Toda a nossa louvação chegue a ti em nome de Jesus, por quem oramos com as Pai e Filho e Espírito Santo. palavras que ele nos ensinou: T – Amém. T – Pai Nosso... pois vosso é o reino, o 23. DESPEDIDA poder e a glória para sempre. P – Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe. 27. ABRAÇO DA PAZ T – Graças a Deus. P – Irmãos e irmãs, por sua morte e ressurreição, o Cristo nos reconciliou. DeONDE NÃO HOUVER MISSA mo-nos uns aos outros o abraço da paz!

18 B. CANTO DA COMUNHÃO

24. COLETA FRATERNA

28. RITO DA COMUNHÃO

17. PAI-NOSSO

P – Rezemos, com amor e confiança, a oração que o Senhor nos ensinou: T – Pai nosso...

18 A. CANTO DA COMUNHÃO (41º Curso:08.11)

(É o momento de trazer donativos ou 1. O nosso Deus, com amor sem medi- oferta em dinheiro para as necessidades da, / chamou-nos à vida, nos deu muitos da comunidade, enquanto a assembleia dons; / nossa resposta ao amor será feita / canta o nº 14 deste folheto.) se a nossa colheita mostrar frutos bons. 25. DA PALAVRA À REFEIÇÃO Mas é preciso que o fruto se parta/ e se (O(a) presidente convida a assembleia reparta na mesa do amor! (bis) a se aproximar do altar.) (11º Curso: 04.96)

(Após o Pai-Nosso, quem preside convida a comunidade a partilhar o pão, dizendo:) P – Assim disse Jesus: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim nunca mais terá fome e o que crê em mim nunca mais terá sede”. Mostrando o pão consagrado:


29_dtc_out_2011