Issuu on Google+

terra, onde não haverá fome, nem morte, nem dor, e onde viveremos na plena comunhão do teu amor. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Por este sinal do corpo do teu Filho, expressamos nosso desejo de corresponder com mais fidelidade à missão que nos deste e invocamos sobre nós o teu Espírito. Apressa o tempo da vinda do teu reino, e recebe o louvor de todo o universo e de todas as pessoas que te buscam. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Toda a nossa louvação chegue a ti em nome de Jesus, por quem oramos com as palavras que ele nos ensinou:

T – Pai Nosso... pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.

27. ABRAÇO DA PAZ

tira o pecado do mundo! T – Senhor, eu não sou digno(a)... (Distribuição da comunhão: canto n. 18 deste folheto.)

P – Irmãos e irmãs, por sua morte e ressurreição, o Cristo nos reconciliou. De- 29. ORAÇÃO FINAL mo-nos uns aos outros o abraço da paz! P – Recebemos, Senhor, tua misericórdia em cada momento desta celebra28. RITO DA COMUNHÃO Após o Pai-Nosso, quem preside convida ção. Que ela se estenda por toda esta semana que se inicia e que possamos a comunidade a partilhar o pão, dizendo: construir relações novas, baseadas no P – Assim disse Jesus: “Eu sou o pão respeito à dignidade de cada pessoa. da vida. Quem vem a mim nunca mais Por Cristo, nosso Senhor. terá fome e o que crê em mim nunca O roteiro de “onde não houver missa” mais terá sede”. encontra-se no livro “Dia do Senhor”: Mostrando o pão consagrado: de M. Guimarães e P. Carpanedo, PauP – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que linas: Apostolado Litúrgico.

TEUS PECADOS ESTÃO PERDOADOS O mistério que celebramos hoje Na experiência do paralítico, recordamos neste domingo, mais um sinal salvador de Jesus: sua “autoridade” divina de perdoar que o leva também a enfrentar conflitos com seus opositores. Louvamos o amor misericordioso do Pai que, no mistério da páscoa de Cristo, nos liberta da culpa que nos mantém acorrentados por dentro e impedidos de caminhar erguidos e felizes. Que nesta celebração o Espírito do Senhor nos livre do comodismo que nos mantém paralisados e nos faça caminhar ao encontro de tantos que precisam se erguer como gente e como filhos(as) amados(as) de Deus. Sugestões para a equipe de celebração: 1. Destacar todos os momentos da celebração em que se expressa o perdão dos pecados: ato penitencial, orações, preces, oração eucarística... É importante garantir um clima de alegria e valorizar as muitas formas sadias que o povo encontra para festejar o Carnaval. 2. Fazer da proclamação do evangelho o momento alto da

liturgia da Palavra. 3. Valorizar o canto de Cordeiro de Deus, que acompanha o gesto da “fração do pão”. Esse gesto deve ser visto e acompanhado por toda a assembleia. 4. Rezar o Pai-Nosso de mãos unidas e destacar a dimensão da reconciliação: “Perdoai as nossas ofensas...” 5. Anunciar e motivar para o início da Quaresma e a abertura da Campanha da Fraternidade, na 4ª-feira de Cinzas, dia 22 de fevereiro. Avise-se aos fiéis que na 4ª-feira de Cinzas é dia de jejum e abstinência. Sobre o jejum e abstinência é bom esclarecer que estão obrigados à lei de abstinência aqueles que tiverem completado catorze anos de idade; estão obrigados à lei do jejum todos os maiores de idade (quem completou 18 anos) até os sessenta anos começados. Todavia, os pastores de almas e pais cuidem para que sejam formados para o genuíno sentido da penitência também os que não estão obrigados à lei do jejum e da abstinência, em razão da pouca idade (cf. Cân. 1252) (cf. CNBB. Diretório da Liturgia e da Organização da Igreja no Brasil 2012. Brasília: Edições CNBB, 2011).

LEITURAS BÍBLICAS: 2ª-f.:Tg 3,13-18; Mc 9,14-29. 3ª-f.:Tg 4,1-10; Mc 9,30-37. 4ª-f.: 4ª-feira de Cinzas: Jl 2,12-18; 2Cor 5,20 – 6,2; Mt 6,1-6.16-18. 5ª-f.: Dt 30,15-20; Lc 9,22-25. 6ª-f.: Is 58,1-9a; Mc 9,14-15. Sábado: Is 58,9b-14; Lc 5,27-32. Domingo: 1º Domingo da Quaresma – Gn 9,8-15; 1Pd 3,18-22; Mc 1,12-15.

CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

Arquidiocese de Goiânia

7º Domingo do Tempo Comum – Ano B 19 de fevereiro de 2012 - Ano XXIX - Nº 1651

1. MOTIVAÇÃO

TEUS PECADOS ESTÃO PERDOADOS

Este povo, eu o criei para mim e ele cantará meus louvores. 22Mas tu, Jacó, não me invocaste, e tu, Israel, de mim te fatigaste. 24bCom teus pecados trataste-me como servo, cansando-me com tuas maldades. 25 Sou eu, eu mesmo, que cancelo tuas culpas por minha causa e já não me lembrarei de teus pecados”. (40º Curso: 04.11) – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. Glória, glória, / glória a Deus nos altos (Tempo de silêncio) céus! / Paz na terra aos homens, / bem amados filhos seus! 8. SALMO 40 (41) 1. Deus e Pai nós vos louvamos, / ado- (Salmos e Aclamações / ano B: 11.11 – vol. II) ramos, bendizemos. / Damos glória ao Curai-me, Senhor, pois pequei contra vós! vosso nome, / vossos dons agradecemos. 2Feliz de quem pensa no pobre e no fraco: / o 2. Senhor nosso, Jesus Cristo, / unigênito Senhor o liberta no dia do mal! / 3O Senhor do Pai, / vós, de Deus Cordeiro Santo, / vai guardá-lo e salvar sua vida, o Senhor nossas culpas perdoai. vai torná-lo feliz sobre a terra, / e não vai 3. Vós que estais junto do Pai / como nos- entregá-lo à mercê do inimigo. so intercessor, / acolhei nossos pedidos, / 4Deus irá ampará-lo em seu leito de dor, / atendei nosso clamor. e lhe vai transformar a doença em vigor. / 5 4. Vós somente sois o Santo, / o Altíssi- Eu digo: “Meu Deus, tende pena de mim, / mo, o Senhor. / Com o Espírito Divino / curai-me, Senhor, pois pequei contra vós!” 13 de Deus Pai, no esplendor. Vós, porém, me havereis de guardar são e salvo / e me pôr para sempre na vossa 6. ORAÇÃO presença. / 14Bendito o Senhor, que é Deus P – Oremos. (Pausa para oração) de Israel, / desde sempre, agora e sempre. Concedei, ó Deus todo-poderoso, que, Amém! procurando conhecer sempre o que é (Tempo de silêncio) reto, realizemos vossa vontade em nossas palavras e ações. Por nosso Senhor 9. SEGUNDA LEITURA Leitura da Segunda Carta de São PauJesus Cristo, vosso Filho, na unidade do lo aos Coríntios (1,18-22) – Irmãos: 18Eu Espírito Santo. vos asseguro, pela fidelidade de Deus: O T – Amém. ensinamento que vos transmitimos não é

P – Senhor, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós. P – Cristo, tende piedade de nós. T – Cristo, tende piedade de nós. P – Senhor, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós.

21

A – Jesus nos reúne hoje para nos revelar a verdadeira alegria que não acaba: a força do amor e do perdão que é capaz de erguer os caídos e transformar a vida das pessoas abatidas e desesperadas. Acolhendo o chamado para participar da sua alegria, cantemos. 5. HINO DE LOUVOR

2. CANTO DE ABERTURA (36º Curso: 09.08)

Eis-me aqui, Senhor! / Eis-me aqui, Senhor! / Pra fazer tua vontade, pra viver do teu amor. / Pra fazer tua vontade, pra viver do teu amor: / Eis-me aqui, Senhor! 1. O Senhor é o Pastor que me conduz, / por caminhos nunca vistos me enviou, / sou chamado a ser fermento, sal e luz, / e, por isso, respondi: aqui estou! 2. Ele pôs em minha boca uma canção, / me ungiu como profeta e trovador / da história e da vida do meu povo / e, por isso, respondi: aqui estou! 3. Ponho a minha confiança no Senhor, / da esperança sou chamado a ser sinal, / seu ouvido se inclinou ao meu clamor, / e, por isso, respondi: aqui estou!

3. ACOLHIDA

P – Em nome do Pai... T – Amém. P – A vós, irmãos, paz e fé da parte de Deus, o Pai, e do Senhor Jesus Cristo. T – Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

4. ATO PENITENCIAL

P – No início desta celebração eucarística, peçamos a conversão do coração, fonte de reconciliação e comunhão com Deus e com os irmãos e irmãs. (Pausa) P – Tende compaixão de nós, Senhor. T – Porque somos pecadores. P – Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia. T – E dai-nos a vossa salvação. P – Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. T – Amém.

LITURGIA DA PALAVRA A – Deus é capaz de transformar tudo com a força de seu perdão. Escutemos sua Palavra!

7. PRIMEIRA LEITURA

Leitura do Livro do profeta Isaías (43,18-19.21-22.24b-25) – Assim fala o Senhor: 18“Não relembreis coisas passadas, não olheis para fatos antigos. 19Eis que eu farei coisas novas, e que já estão surgindo: acaso não as reconheceis? Pois abrirei uma estrada no deserto e farei correr rios na terra seca.

“sim-e-não”. 19Pois o Filho de Deus, Jesus Cristo, que nós – a saber: eu, Silvano e Timóteo – pregamos entre vós, nunca foi “sim-e-não”, mas somente “sim”. 20 Com efeito, é nele que todas as promessas de Deus têm o seu “ sim “ garantido. Por isso também, é por ele que dizemos “amém” a Deus, para a sua glória. 21 É Deus que nos confirma, a nós e a vós, em nossa adesão a Cristo, como também é Deus que nos ungiu. 22Foi ele que nos marcou com o seu selo e nos adiantou como sinal o Espírito derramado em nossos corações. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)


10. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO

(Salmos e Aclamações / ano B: 11.11 – vol. II)

13. ORAÇÃO COMUNITÁRIA

P – Ao Senhor, Deus de ternura e compaixão, apresentemos nossa oração. 1. Ajudai vossa Igreja e seus ministros a revelarem a face misericordiosa de Jesus às pessoas oprimidas pelo pecado. T – Ó Senhor, escutai a nossa prece. 2. Sustentai as pessoas e as instituições que se dedicam ao serviço das políticas públicas de saúde, socorrendo os que sofrem na busca de cura e libertação. 3. Dai-nos o espírito de reconciliação e abri nosso coração para a vivência do perdão quando ofendemos e quando somos ofendidos. 4. Ajudai-nos a descobrir o valor do sacramento da reconciliação, na vivência do seguimento de Jesus, e a participar dele com fé e humildade. P – Rezemos pelo Sínodo Arquidiocesano. T – Divino Pai Eterno, colocamos em vossas mãos a nossa Arquidiocese. Agora que realizamos nosso Primeiro Sínodo, / nós vos damos graças por toda a caminhada até aqui realizada. Permiti que, experimentando o vosso amor, / possamos ser testemunhas do Evangelho. Senhor Jesus, fazei que possamos caminhar juntos, / unidos aos nossos bispos e ao nosso Papa, / para que sejamos sacramento de salvação universal para todo ser humano. Espírito Santo, continuai derramando vossos dons e carismas / para que, tendo nova vida, sejamos uma Arquidiocese de Discípulos Missionários, / com a mesma força que concedestes aos Apóstolos em Pentecostes. Virgem Auxiliadora, intercedei por nós para que sob o vosso amparo e proteção / este sínodo produza frutos abundantes de vida eterna, / para a glória do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém! (Conclusão pelo presidente)

Aleluia! Aleluia! Aleluia! Aleluia! (bis) Foi o Senhor quem me mandou / boas notícias anunciar; / ao pobre a quem está no cativeiro, / libertação eu vou proclamar! P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos. T – Glória a vós, Senhor. (2,1-12) – 1Alguns dias depois, Jesus entrou de novo em Cafarnaum. Logo se espalhou a notícia de que ele estava em casa. 2E reuniram-se ali tantas pessoas, que já não havia lugar, nem mesmo diante da porta. E Jesus anunciava-lhes a Palavra. 3 Trouxeram-lhe, então, um paralítico, carregado por quatro homens. 4Mas não conseguindo chegar até Jesus, por causa da multidão, abriram então o teto, bem em cima do lugar onde ele se encontrava. Por essa abertura desceram a cama em que o paralítico estava deitado. 5Quando viu a fé daqueles homens, Jesus disse ao paralítico: “Filho, os teus pecados estão perdoados”. 6 Ora, alguns mestres da Lei, que estavam ali sentados, refletiam em seus corações: 7“Como este homem pode falar assim? Ele está blasfemando: ninguém pode perdoar pecados, a não ser Deus”. 8 Jesus percebeu logo o que eles estavam pensando em seu íntimo, e disse: “Por que pensais assim em vossos corações? 9O que é mais fácil: dizer ao paralítico: ‘Os teus pecados estão perdoados’, ou dizer: ‘Levanta-te, pega a tua cama e anda?’ 10Pois bem, para que saibais que o Filho do Homem tem, na terra, poder de perdoar pecados, – disse ele ao paralítico: – 11eu te ordeno: levanta-te, pega tua cama, e vai para tua casa!” 12 O paralítico então se levantou e, carregando a sua cama, saiu diante de todos. E ficaram todos admirados LITURGIA EUCARÍSTICA e louvavam a Deus, dizendo: “Nunca (Onde não houver missa, segue a partir vimos uma coisa assim”. do nº 24 deste folheto.) – Palavra da Salvação. T – Glória a vós, Senhor. 14. CANTO DE PREPARAÇÃO (Tempo de silêncio) DAS OFERENDAS

11. HOMILIA

(37º Curso: 08.09)

1. Bendito seja Deus Pai, / do universo criador, / pelo pão que nós recebemos, / foi de graça e com amor. 12. PROFISSÃO DE FÉ P – Cheios de confiança, professemos a O homem que trabalha / faz a terra nossa fé. produzir. / O trabalho multiplica os dons / que nós vamos repartir. T – Creio em Deus Pai... (Após a homilia, pausa para reflexão.)

2. Bendito seja Deus Pai, / do universo criador, / pelo vinho que nós recebemos, / foi de graça e com amor. 3. E nós participamos / da construção do mundo novo / com Deus, que jamais despreza / nossa imensa pequenez.

15. ORAÇÃO

P – Orai, irmãos e irmãs, para que o nosso sacrifício seja aceito por Deus Pai todo-poderoso. T – Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício, para glória do seu nome, para nosso bem e de toda a santa Igreja. Ao celebrar com reverência vossos mistérios, nós vos suplicamos, ó Deus, que os dons oferecidos em vossa honra sejam úteis à nossa salvação. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

16. ORAÇÃO EUCARÍSTICA VII (Prefácio próprio)

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Corações ao alto. T – O nosso coração está em Deus. P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. T – É nosso dever e nossa salvação. Na verdade, é justo e bom agradecervos, Deus Pai, porque constantemente nos chamais a viver na felicidade completa. Vós, Deus de ternura e de bondade, nunca vos cansais de perdoar. Ofereceis vosso perdão a todos, convidando os pecadores a entregar-se confiantes à vossa misericórdia. T – Como é grande, ó Pai, a vossa misericórdia! Jamais nos rejeitastes quando quebramos a vossa aliança, mas, por Jesus, vosso Filho e nosso irmão, criastes com a família humana novo laço de amizade, tão estreito e forte, que nada poderá romper. Concedeis agora a vosso povo tempo de graça e reconciliação. Dai, pois, em Cristo novo alento à vossa Igreja, para que se volte para vós. Fazei que, sempre mais dócil ao Espírito Santo, se coloque ao serviço de todos. T – Como é grande, ó Pai, a vossa misericórdia! Cheios de admiração e reconhecimento, unimos nossa voz à voz das multidões do céu para cantar o poder do vosso amor e a alegria da nossa salvação: T – Santo, Santo, Santo... Ó Deus, desde a criação do mundo, fazeis o bem a cada um de nós para sermos santos como vós sois santo. Olhai

vosso povo aqui reunido e derramai a força do Espírito, para que estas oferendas se tornem o Corpo e o Sangue do Filho muito amado, no qual também somos vossos filhos. Enquanto estávamos perdidos e incapazes de vos encontrar, vós nos amastes de modo admirável: pois vosso Filho – o Justo e Santo – entregou-se em nossas mãos aceitando ser pregado na cruz. T – Como é grande, ó Pai, a vossa misericórdia! Antes, porém, de seus braços abertos traçarem entre o céu e a terra o sinal permanente da vossa aliança, Jesus quis celebrar a Páscoa com seus discípulos. Ceando com eles, tomou o pão e pronunciou a bênção de ação de graças. Depois, partindo o pão, o deu a seus amigos, dizendo: Tomai, todos, e comei: Isto é o meu corpo, que será entregue por vós. Ao fim da ceia, Jesus, sabendo que ia reconciliar todas as coisas pelo sangue a ser derramado na cruz, tomou o cálice com vinho. Deu graças novamente, e passou o cálice a seus amigos, dizendo: Tomai, todos, e bebei: Este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos, para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de Mim. Eis o mistério da fé! T – Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus! Lembramo-nos de Jesus Cristo, nossa páscoa e certeza da paz definitiva. Hoje celebramos sua morte e ressurreição, esperando o dia feliz de sua vinda gloriosa. Por isso, vos apresentamos, ó Deus fiel, a vítima de reconciliação que nos faz voltar à vossa graça. T – Esperamos, ó Cristo, vossa vinda gloriosa! Olhai com amor, Pai misericordioso, aqueles que atraís para vós, fazendo-os participar no único sacrifício do Cristo. Pela força do Espírito Santo, todos se tornem um só corpo bem unido, no qual todas as divisões sejam superadas. T – Esperamos, ó Cristo, vossa vinda gloriosa. Conservai-nos, em comunhão de fé e de amor, unidos ao papa Bento e ao nosso bispo (N). Ajudai-nos a trabalhar juntos na construção do vosso reino, até o dia em que, diante de vós, formos santos com os vossos santos, ao lado

da Virgem Maria e dos Apóstolos, com nossos irmãos e irmãs já falecidos que confiamos à vossa misericórdia. Quando fizermos parte da nova criação, enfim libertada de toda maldade e fraqueza, poderemos cantar a ação de graças do Cristo que vive para sempre. T – Esperamos, ó Cristo, vossa vinda gloriosa. Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre. T – Amém.

P – Que Deus todo-poderoso vos livre sempre de toda adversidade e derrame sobre vós as suas bênçãos. T – Amém. P – Torne os vossos corações atentos à sua palavra, a fim de que transbordeis de alegria divina. T – Amém. P – Assim, abraçando o bem e a justiça, possais correr sempre pelo caminho dos mandamentos divinos e tornar-vos co-herdeiros dos santos. T – Amém. P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo. 17. PAI-NOSSO P – Guiados pelo Espírito de Jesus e T – Amém. iluminados pela sabedoria do Evange- 23. DESPEDIDA lho, ousamos dizer: P – Ide em paz, e o Senhor vos acomT – Pai nosso... panhe. T – Graças a Deus.

18. CANTO DA COMUNHÃO (21º Curso: 03.01)

1. Cantar a beleza da vida, / presente do amor sem igual: / missão do teu povo escolhido. / Senhor, vem livrar-nos do mal. Vem dar-nos teu Filho, Senhor, / sustento no pão e no vinho, / e a força do Espírito Santo, / unindo o teu povo a caminho! 2. Falar do teu Filho às nações, / vivendo como ele viveu: / missão do teu povo escolhido. / Senhor, vem cuidar do que é teu! 3. Viver o perdão sem medida, / servir sem jamais condenar: / missão do teu povo escolhido. / Senhor, vem conosco ficar! 4. Andar os caminhos do mundo, / plantando teu reino de paz. / Missão do teu povo escolhido. / Senhor, nossos passos refaz! 5. Fazer deste mundo um só povo, / fraterno, a serviço da vida: / missão do teu povo escolhido. / Senhor, vem nutrir nossa lida!

19. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL

ONDE NÃO HOUVER MISSA

24. COLETA FRATERNA

(É o momento de trazer donativos ou oferta em dinheiro para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia canta o n. 14 deste folheto.)

25. DA PALAVRA À REFEIÇÃO

(Quem preside convida a assembleia a se aproximar do altar.) P – Vamos dar graças a Deus e repartir entre nós o pão consagrado, memória viva do corpo do Senhor. Que Ele nos renove na alegria do seu perdão. (Alguém traz o pão consagrado e o coloca sobre o altar. Todos fazem uma breve inclinação.) (38º Curso: 03.10)

T – Vós sois o Caminho, a Verdade e a Vida, / o pão da alegria descido do céu.

26. ORAÇÃO DE

Refrão meditativo: (33º Curso: 03.07) AÇÃO DE GRAÇAS Ó Cristo, amado Senhor; ó Cristo, ama- (Quem preside, ocupando o lugar no altar, convida a assembleia para o louvor:) do Senhor! P – O Senhor esteja com vocês. 20. ORAÇÃO T – Ele está no meio de nós. P – Oremos. (Pausa para oração) Ó Deus todo-poderoso, concedei-nos P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. alcançar a salvação eterna, cujo penhor T – É nosso dever e nossa salvação. recebemos neste sacramento. Por Cris- P – Nós te damos graças, ó Deus da to, nosso Senhor. vida, porque neste dia santo de domingo nos acolhes na comunhão do teu T – Amém. amor e renovas nossos corações com a 21. AVISOS DA COMUNIDADE alegria da ressurreição de Jesus. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! RITOS FINAIS P – Esta comunidade aqui reunida recorda a vitória sobre a morte, escutan22. BÊNÇÃO FINAL do a tua Palavra e repartindo o pão, na P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. esperança de ver o novo céu e a nova


2012_fev_7-dtc-1651