Issuu on Google+

P – Assim disse Jesus: “Eu sou o pão da vida. T – Senhor, eu não sou digno(a)... Quem vem a mim nunca mais terá fome e o (Comunhão: cantos n. 18 A e B deste folheto.) que crê em mim nunca mais terá sede”. (Mostrando o pão consagrado:)

30. ORAÇÃO FINAL

Ó Deus, criador do universo, que partiP – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que lhaste, generoso, teus bens nesta celebratira o pecado do mundo! ção, protege-nos ao longo desta semana

para permanecermos fiéis à tua palavra e justos nas pequenas coisas. Por Cristo, nosso Senhor. Amém. O roteiro de “onde não houver missa” encontra-se no livro “Dia do Senhor”: de M. Guimarães e P. Carpanedo, Paulinas: Apostolado Litúrgico.

Arquidiocese de Goiânia

25º Domingo do Tempo Comum – Ano C 22 de setembro de 2013 – Ano XXX – Nº 1739

NÃO PODEMOS SERVIR A DEUS E AO DINHEIRO O mistério que celebramos hoje Neste domingo, nossa páscoa semanal, recordamos a doação sem limites de Jesus e o seu compromisso fiel com a causa dos empobrecidos e injustiçados. O Senhor quer nos renovar em seu amor, para nos tornar ativos, criativos e competentes administradores dos bens que lhe pertencem. Que o Pai nos dê o seu Espírito para que possamos sempre optar por Jesus e seu Reino, sendo desprendidos, generosos, dignos de confiança e capazes de, em qualquer situação, realizar o seu Projeto de justiça, solidariedade e paz, vencendo toda a escravidão do apego e da corrupção. Sugestões para as equipes de celebração: 1. Continuar dando especial destaque à mesa da Palavra.

Preparar o ambiente com muitas flores, lembrando o início da primavera amanhã, 23 de setembro. 2. Cuidar que todos os textos bíblicos, inclusive o salmo, sejam bem preparados e proclamados como “acontecimento de salvação” para a comunidade reunida. 3. Lembrar que no próximo domingo, 29, celebra-se em todas as dioceses do Brasil o Dia Nacional da Bíblia. “Procure-se despertar e promover entre os fiéis o conhecimento e o amor aos Livros Santos, motivando-os para sua leitura cotidiana, atenta e piedosa.” (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Diretório da Liturgia e da organização da Igreja no Brasil 2013. Brasília: Edições CNBB, 2012.

LEITURAS BÍBLICAS: 2ª-f.: Esd 1,1-6; Lc 8,16-18. 3ª-f.: Esd 6,7-8.12b.14-20; Lc 8,19-21. 4ª-f.: Esd 9,5-9; Lc 9,1-6. 5ª-f.: Ag 1,1-8; Lc 9,7-9. 6ª-f.: Ag 1,15b ‒ 2,9; Lc 9,18-22. Sábado: Zc 2,5-9.14-15a; Lc 9,43b-45. Domingo:26º Domingo do Tempo Comum – Am 6,1a.4-7; 1Tm 6,11-16; Lc 16,19-31.

NÃO PODEMOS SERVIR A DEUS E AO DINHEIRO 1. MOTIVAÇÃO A – Nesta celebração, o Senhor nos convida a nos libertarmos da excessiva preocupação com o dinheiro, para que o Projeto do seu Reino seja o centro de nossa vida. Iniciemos, cantando.

2. CANTO DE ABERTURA (41º Curso: 08.11)

1. Ao Senhor dos senhores cantai, / ao Senhor, Deus dos deuses, louvai! / Maravilhas só Ele é quem faz, / bom é Deus, ao Senhor, pois, louvai! Com saber, Ele fez terra e céu, / sobre as águas a terra firmou; / para o dia reger fez o sol / e as estrelas pra noite criou. Pois eterno é seu amor por nós. / Eterno é seu amor! (bis) 2. Poderosos sem dó abateu, / a famosos reis desbaratou; / sua terra Israel recebeu, / como herança a seu povo entregou. Se lembrou de nós na humilhação, / ao Senhor, Salvador, proclamai, / dele nós recebemos o pão: / ao Senhor, Deus do céu, celebrai!

3. SAUDAÇÃO

CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

P – Em nome do Pai... T – Amém. P – O Senhor, que encaminha os nossos corações para o amor de Deus e a constância de Cristo, esteja convosco. T – Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

4. ATO PENITENCIAL P – No dia em que celebramos a vitória de Cristo sobre o pecado e a morte, também nós somos convidados a morrer ao pecado e ressurgir para uma vida nova. Reconheçamo-nos necessitados da misericórdia do Pai. (Pausa) P – Confessemos nossos pecados: T – Confesso a Deus todo-poderoso e a vós, irmãos e irmãs, que pequei muitas vezes por pensamentos e palavras, atos e omissões, por minha culpa, minha tão grande culpa. E peço à

Virgem Maria, aos anjos e santos e a vós, irmãos e irmãs, que rogueis por mim a Deus, nosso Senhor! P – Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. T – Amém. P – Senhor, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós. P – Cristo, tende piedade de nós. T – Cristo, tende piedade de nós. P – Senhor, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós.

7. PRIMEIRA LEITURA

Leitura da Profecia de Amós (8,47) – 4Ouvi isto, vós que maltratais os humildes e causais a prostração dos pobres da terra; 5vós que andais dizendo: “Quando passará a lua nova, para vendermos bem a mercadoria? E o sábado, para darmos pronta saída ao trigo, para diminuir medidas, aumentar pesos, e adulterar balanças, 6 dominar os pobres com dinheiro e os humildes com um par de sandálias, e para pôr à venda o refugo do trigo?” Por causa da soberba de Jacó, jurou o Senhor: “Nunca mais esquecerei o 5. HINO DE LOUVOR que eles fizeram”. (42º Curso: 03.12) – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. Glória a Deus nos altos céus, / paz na (Tempo de silêncio) terra a seus queridos! / Senhor Deus e Rei celeste, / a vós louvam os remidos! 8. SALMO 112 (113) 1. Deus e Pai, nós vos louvamos, / adora- (Salmos e Aclamações / ano C: 11.12 - vol. II) mos, bendizemos; / damos glória ao vosso Louvai o Senhor que eleva os pobres! / nome, / vossos dons agradecemos. Louvai o Senhor que eleva os pobres! 2. Senhor nosso, Jesus Cristo, / Unigênito 1Louvai, louvai, ó servos do Senhor, / do Pai, / vós, de Deus Cordeiro Santo, / louvai, louvai o nome do Senhor! / 2Bennossas culpas perdoai! dito seja o nome do Senhor, / agora e por 3. Vós que estais junto do Pai, / como nos- toda a eternidade! so intercessor; / acolhei nossos pedidos, / 4O Senhor está acima das nações, / sua atendei nosso clamor! glória vai além dos altos céus. / 5Quem 4. Vós somente sois o Santo, / o Altíssimo, pode comparar-se ao nosso Deus, ao Seo Senhor. / Com o Espírito Divino, / de nhor, que no alto céu tem o seu trono / 6e se inclina para olhar o céu e a terra? Deus Pai no esplendor. Glória a Deus nos altos céus, / paz na terra 7Levanta da poeira o indigente / e do lixo a seus queridos! / Senhor Deus e Rei celes- ele retira o pobrezinho, / 8para fazê-lo assentar-se com os nobres, / assentar-se te, / a vós louvam os remidos! (Amém) com nobres do seu povo. 6. ORAÇÃO (Tempo de silêncio) P – Oremos. (Pausa para oração) Ó Pai, que resumistes toda a lei no amor a 9. SEGUNDA LEITURA Leitura da Primeira Carta de São Deus e ao próximo, fazei que, observando o vosso mandamento, consigamos chegar Paulo a Timóteo (2,1-8) – Caríssimo: um dia à vida eterna. Por nosso Senhor 1Antes de tudo, recomendo que se Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do façam preces e orações, súplicas e ações de graças, por todos os homens; Espírito Santo. 2 pelos que governam e por todos que T – Amém. ocupam altos cargos, a fim de que possamos levar uma vida tranquila e LITURGIA DA PALAVRA serena, com toda piedade e dignidade. A – Abramos o ouvido e o coração ao 3Isto é bom e agradável a Deus, nosso diálogo que o Senhor quer estabelecer Salvador; 4ele quer que todos os conosco. Escutemos! homens sejam salvos e cheguem ao


conhecimento da verdade. 5 Pois há um só Deus, e um só mediador entre Deus e os homens: o homem Cristo Jesus, 6que se entregou em resgate por todos. Este é o testemunho dado no tempo estabelecido por Deus, 7 e para este testemunho eu fui designado pregador e apóstolo, e ‒ falo a verdade, não minto ‒ mestre das nações pagãs na fé e na verdade. 8 Quero, portanto, que em todo lugar os homens façam a oração, erguendo mãos santas, sem ira e sem discussões. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

T – Senhor, escutai a nossa prece. 2. Dai, Senhor, aos governantes e políticos, luz e força para fazerem da política um espaço de serviço a todos. 3. Animai, Senhor, os catequistas. Que sejam perseverantes e tornem a Bíblia fonte de conhecimento de Cristo e de sua salvação para o povo. 4. Libertai-nos, Senhor, do apego ao dinheiro e do consumismo que tanto nos escravizam. (Preces espontâneas) P – Senhor, nosso Deus, livrai-nos do desejo imoderado das riquezas, e, com a ajuda de vossa misericórdia, fazei que 10. ACLAMAÇÃO AO levantemos do pó o indigente e tiremos o pobre da miséria. Por Jesus Cristo, nosso EVANGELHO (Salmos e Aclamações / ano C: 11.12 - vol. II) Senhor. T – Amém. Aleluia, aleluia, / aleluia, aleluia! / AleLITURGIA EUCARÍSTICA luia, aleluia, aleluia! / Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia! (Onde não houver missa, segue a partir do Jesus Cristo, sendo rico, se fez pobre, por n. 25 deste folheto.) amor; / para que sua pobreza nos, assim, 14. CANTO DE PREPARAÇÃO enriquecesse. DAS OFERENDAS P – O Senhor esteja convosco. (42º Curso: 03.12) T – Ele está no meio de nós. P – Proclamação do Evangelho de Jesus 1. Bendito e louvado seja o Pai, nosso criador! / O pão que nós recebemos é prova do Cristo segundo Lucas. seu amor! / O pão que nós recebemos, que T – Glória a vós, Senhor. é prova do seu amor, / é fruto de sua terra e (16,10-13) – Naquele tempo, Je- do povo trabalhador. / O fruto de sua terra sus dizia aos seus discípulos: 10Quem e do povo trabalhador, / na missa é transé fiel nas pequenas coisas também formado no corpo do Salvador! é fiel nas grandes, e quem é injusto nas pequenas também é injusto nas Bendito seja Deus, bendito seu amor. / grandes. 11Por isso, se vós não sois fi- Bendito seja Deus, Pai onipotente, nosso éis no uso do dinheiro injusto, quem Criador. (bis) vos confiará o verdadeiro bem? 12E 2. Bendito e louvado seja o Pai, nosso se não sois fiéis no que é dos outros, criador! / O vinho que recebemos é prova do seu amor! / O vinho que recebemos, quem vos dará aquilo que é vosso? 13 Ninguém pode servir a dois se- que é prova do seu amor, / é fruto de sua nhores, porque ou odiará um e ama- terra e do povo trabalhador. / O fruto de rá o outro, ou se apegará a um e sua terra e do povo trabalhador, / na missa desprezará o outro. Vós não podeis é transformado no Sangue do Salvador! servir a Deus e ao dinheiro”. 15. ORAÇÃO – Palavra da Salvação. P – Orai, irmãos e irmãs, para que o nosso T – Glória a vós, Senhor. sacrifício seja aceito por Deus Pai todo(Tempo de silêncio) -poderoso. T – Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício, para glória do seu nome, (Após a homilia, pausa para reflexão.) para nosso bem e de toda a santa Igreja. 12. PROFISSÃO DE FÉ P – Acolhei, ó Deus, nós vos pedimos, as P – Cheios de confiança, professemos a oferendas do vosso povo, para que possanossa fé. mos conseguir por este sacramento o que proclamamos pela fé. Por Cristo, nosso T – Creio em Deus Pai... Senhor. 13. ORAÇÃO COMUNITÁRIA T – Amém. P – Ao Pai querido, criador de todas as 16. ORAÇÃO EUCARÍSTICA V coisas, apresentemos nossas súplicas. 1. Sustentai, Senhor, a Igreja na missão (Prefácio próprio) de formar comunidades para a partilha e P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. o amor.

11. HOMILIA

P – Corações ao alto. T – O nosso coração está em Deus. P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. T – É nosso dever e nossa salvação. É justo e nos faz todos ser mais santos louvar a vós, ó Pai, no mundo inteiro, de dia e de noite, agradecendo com Cristo, vosso Filho, nosso irmão. É ele o sacerdote verdadeiro que sempre se oferece por nós todos, mandando que se faça a mesma coisa que fez naquela ceia derradeira. Por isso, aqui estamos bem unidos, louvando e agradecendo com alegria, juntando nossa voz à voz dos anjos e à voz dos santos todos, para cantar (dizer): T – Santo, Santo, Santo... Senhor, vós que sempre quisestes ficar muito perto de nós, vivendo conosco no Cristo, falando conosco por ele, mandai vosso Espírito Santo a fim de que as nossas ofertas se mudem no Corpo e no Sangue de nosso Senhor Jesus Cristo. T – Mandai vosso Espírito Santo! Na noite em que ia ser entregue, ceando com seus apóstolos, Jesus, tendo o pão em suas mãos, olhou para o céu e deu graças, partiu o pão e o entregou a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e comei: isto é o meu Corpo, que será entregue por vós. Do mesmo modo, no fim da ceia, tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente e o entregou a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e bebei: este é o cálice do meu Sangue, o Sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos, para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de Mim. Tudo isto é Mistério da fé! T – Toda vez que se come deste Pão, toda vez que se bebe deste Vinho, se recorda a paixão de Jesus Cristo e se fica esperando sua volta. Recordamos, ó Pai, neste momento, a paixão de Jesus, nosso Senhor, sua ressurreição e ascensão; nós queremos a vós oferecer este Pão que alimenta e que dá vida, este Vinho que nos salva e dá coragem. T – Recebei, ó Senhor, a nossa oferta! E quando recebermos Pão e Vinho, o Corpo e Sangue dele oferecidos, o Espírito nos una num só corpo, para sermos um só povo em seu amor. T – O Espírito nos una num só corpo. Protegei vossa Igreja que caminha nas estradas do mundo rumo ao céu, cada dia renovando a esperança de chegar junto a vós, na vossa paz. T – Caminhamos na estrada de Jesus. Dai ao Santo Padre, o Papa N., ser bem

firme na Fé, na Caridade, e a N., que é Bispo desta Igreja, muita luz para guiar o seu rebanho. T – Caminhamos na estrada de Jesus. Esperamos entrar na vida eterna com a Virgem, Mãe de Deus e da Igreja, os apóstolos e todos os santos, que na vida souberam amar Cristo e seus irmãos. T – Esperamos entrar na vida eterna. A todos que chamastes para outra vida na vossa amizade, e aos marcados com o sinal da fé, abrindo vossos braços, acolhei-os. Que vivam para sempre bem felizes no reino que para todos preparastes. T – A todos dai a luz que não se apaga. E a nós, que agora estamos reunidos e somos povo santo e pecador, dai força para construirmos juntos o vosso reino que também é nosso. Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre. T – Amém!

anuncia: / só Deus pode o homem saciar! 3. Mendigos de amor e de graça, / às mãos estendidas tu passas, / e esperas que em nós também nasça / o gesto de dar e servir! 4. Tão fracos, em ti somos fortes, / vencemos o mal e a morte! / Em ti o repouso e a sorte / de quem se alimenta da fé! 5. Assim como o pai de família / os dons entre os filhos partilha, / tu fazes por nós maravilhas: / é eterno e fiel teu amor! 6. Feliz de quem foi convidado, / e, atento, ouviu teu chamado! / Na terra será saciado / e, à mesa do céu, sentará.

24. DESPEDIDA P – Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe. T – Graças a Deus.

ONDE NÃO HOUVER MISSA 25. COLETA FRATERNA (É o momento de trazer donativos ou oferta em dinheiro para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia canta o n. 14 deste folheto.)

26. DA PALAVRA À REFEIÇÃO

(Quem preside convida a assembleia a se aproximar do altar.) 19. MOMENTO DE SILÊNCIO P – Vamos dar graças a Deus e repartir enE ORAÇÃO PESSOAL tre nós o pão consagrado, memória viva Refrão meditativo: (36º Curso: 09.08) do corpo do Senhor. Que esta comunhão Não nos cansemos de fazer o bem! / Não firme nossa amizade com ele e nos dê a nos cansemos de fazer o bem! graça da compaixão e da misericórdia para com todos. 20. ORAÇÃO (Alguém traz o pão consagrado e o coloP – Oremos. (Pausa para oração) ca sobre o altar. Todos fazem uma breve Ó Deus, auxiliai sempre os que alimentais inclinação.) com o vosso sacramento para que possamos colher os frutos da redenção na litur- (29º Curso: 04.05) 17. PAI-NOSSO O pão de Deus é o pão da vida, / que do P – O Senhor nos comunicou o seu Es- gia e na vida. Por Cristo, nosso Senhor. céu veio até nós. / Ó Senhor, nós vos pedipírito. Com a confiança e a liberdade de T – Amém. mos, / dá-nos sempre deste pão. (bis) filhos, digamos juntos: T – Pai nosso...

18 A. CANTO DA COMUNHÃO (41º Curso:08.11)

Se eu não tiver amor, / eu nada sou, Senhor! / Se eu não tiver amor, / eu nada sou, Senhor! 1. O amor é compassivo, / o amor é serviçal. / O amor não tem inveja, / o amor não busca o mal. 2. O amor nunca se irrita, / não é nunca descortês. / O amor não é egoísta, / o amor não é dobrez. 3. O amor tudo desculpa, / o amor é caridade. / Não se alegra na injustiça, / é feliz só na verdade. 4. O amor suporta tudo, / o amor em tudo crê. / O amor guarda a esperança, / o amor sempre é fiel. 5. Nossa fé, nossa esperança, / junto a Deus terminarão, / mas o amor será eterno, / o amor não passa, não.

18 B. CANTO DA COMUNHÃO (38º Curso: 03.10)

Amém! Eu aceito / teu corpo, Senhor! / Amém! Eu assumo / ser pão de amor! 1. Famintos do pão da igualdade, / na mesa da fraternidade / tu és nossa vida e verdade: / sustenta os que em ti são irmãos! 2. Sedentos de paz e alegria, / buscamos na Eucaristia / a fonte que ao mundo

21. AVISOS DA COMUNIDADE 22. ANTÍFONA MARIANA (43º Curso: 08. 12)

Ave, Maria! Ave, Maria! / Ave, Rainha do céu! / Ave, dos anjos Senhora; / Ave, raiz, ave, porta; / da luz do mundo és aurora. Exulta, ó Virgem tão bela, / as outras seguem-te após. / Nós te saudamos: Adeus! / E pede a Cristo por nós! / Virgem Mãe, ó Maria! / Ave, Maria! Ave, Maria!

RITOS FINAIS 23. BÊNÇÃO FINAL P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Que Deus todo-poderoso vos livre sempre de toda adversidade e derrame sobre vós as suas bênçãos. T – Amém. P – Torne os vossos corações atentos à sua palavra, a fim de que transbordeis de alegria divina. T – Amém. P – Assim, abraçando o bem e a justiça, possais correr sempre pelo caminho dos mandamentos divinos e tornar-vos co-herdeiros dos santos. T – Amém. P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo. T – Amém.

27. ORAÇÃO DE AÇÃO DE GRAÇAS

(Quem preside, ocupando o lugar no altar, convida a assembleia para o louvor.) P – Nós te damos graças, ó Deus da vida, porque neste dia santo de domingo nos acolhes na comunhão do teu amor e renovas nossos corações com a alegria da ressurreição de Jesus. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Por este sinal do corpo do teu Filho, expressamos nosso desejo de corresponder com mais fidelidade à missão que nos deste e invocamos sobre nós o teu Espírito. Apressa o tempo da vinda do teu reino, e recebe o louvor de todo o universo e de todas as pessoas que te buscam. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Toda a nossa louvação chegue a ti em nome de Jesus, por quem oramos com as palavras que ele nos ensinou: T – Pai nosso..., pois vosso é o reino, o poder e a glória para.

28. ABRAÇO DA PAZ P – Irmãos e irmãs, por sua morte e ressurreição, o Cristo nos reconciliou. Demo-nos uns aos outros o abraço da paz!

29. RITO DA COMUNHÃO (Após o Pai-Nosso, quem preside convida a comunidade a partilhar o pão, dizendo:)


25o-domingo-do-tempo-comum_1739