Issuu on Google+

comunidade, enquanto a assembleia can- porque neste dia santo de domingo nos ta o canto n. 14 deste folheto.) acolhes na comunhão do teu amor e re26. DA PALAVRA À REFEIÇÃO novas nossos corações com a alegria da ressurreição de Jesus. (Quem preside convida a assembleia a se T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! aproximar do altar.) P – Vamos dar graças a Deus e repartir en- P – Por este sinal do corpo do teu Filho, tre nós o pão consagrado, memória viva expressamos nosso desejo de correspondo corpo do Senhor. Que esta comunhão der com mais fidelidade à missão que nos firme nossa amizade com ele e nos dê a deste e invocamos sobre nós o teu Espírigraça de um coração sempre vigilante e to. Apressa o tempo da vinda do teu reino, e recebe o louvor de todo o universo e de atento ao seu Reino. (Alguém traz o pão consagrado e o coloca so- todas as pessoas que te buscam. bre o altar. Todos fazem uma breve inclinação.) T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! (29º Curso: 04.05) P – Toda nossa louvação chegue a ti em O pão de Deus é o pão da vida, / que do nome de Jesus, por quem oramos com as céu veio até nós. / Ó Senhor, nós vos pedi- palavras que ele nos ensinou: mos, / dá-nos sempre deste pão. (bis) T – Pai nosso..., pois vosso é o reino, o poder e a glória para. 27. ORAÇÃO DE AÇÃO

29. RITO DA COMUNHÃO (Após o Pai-Nosso, quem preside convida a comunidade a partilhar o pão, dizendo:) P – Assim disse Jesus: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim nunca mais terá fome e o que crê em mim nunca mais terá sede”. (Mostrando o pão consagrado:) P – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo! T – Senhor, eu não sou digno(a)... (Comunhão: cantos n. 18 A e B deste folheto.)

30. ORAÇÃO FINAL Senhor, nesta celebração, confirmaste a nossa fé e a nossa missão pela comunhão com Jesus Cristo, nosso Salvador. Ajuda-nos a crescer sempre mais na confiança e na entrega de nossas vidas à causa do Evangelho. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

DE GRAÇAS

28. ABRAÇO DA PAZ O roteiro de “onde não houver missa” (Quem preside, ocupando o lugar no altar, P – Irmãos e irmãs, por sua morte e ressur- encontra-se no livro “Dia do Senhor”: de convida a assembleia para o louvor.) reição, o Cristo nos reconciliou. Demo-nos M. Guimarães e P. Carpanedo, Paulinas: P – Nós te damos graças, ó Deus da vida, uns aos outros o abraço da paz! Apostolado Litúrgico.

VIGILANTES E ALEGRES, SIRVAMOS AO SENHOR O mistério que celebramos hoje Fazemos neste domingo, a memória semanal da Páscoa ligada aos fatos concretos de nossa vida, hoje. O Senhor espera nos encontrar vigilantes, com nossas lâmpadas acesas, com nossos corações sem medo, cheios de esperança e confiança nele, que defende a nossa causa e não despreza clamores, necessidades e pedidos de “seu pequeno e frágil rebanho”. Lembrando o “verdadeiro tesouro”, celebramos também a vida e a missão dos pais, chamados a concretizar no mundo a imagem sempre amorosa, geradora de vida de Deus-Pai! Hoje, Dia dos Pais, se dá o início da Semana de Oração pela vocação para a vida em família. Sugestões para as equipes de celebração:

1. Procissão de entrada com os pais presentes, se possível trazendo velas acesas. Valorizar a participação deles nos vários momentos da celebração. 2. Antes da proclamação do Evangelho, convidar a comunidade a se aproximar, atenta e vigilante da mesa da Palavra. 3. Após a homilia, poderá haver o testemunho de alguns pais, em relação à sua missão na família e na sociedade. 4. A profissão de fé poderá ser feita com velas acesas, confirmando a atitude de fé e esperança vigilantes que o Evangelho nos propõe. 5. Destacar o sentido de oferenda e ação de graças de todo o rito eucarístico. Cantar as aclamações, o Santo, a doxologia e o Amém final. 6. Bênção final especial para as famílias e pais presentes.

LEITURAS BÍBLICAS: 2ª-f.: Dt 10,12-22; Mt 17,22-27. 3ª-f.: Dt 31,1-8; Mt 18,1-5.10.12-14. 4ª-f.: Dt 34,1-12; Mt 18,15-20. 5ª-f.: Js 3,3710a.11.13-17; Mt 18, 21-19,1. 6ª-f.: Js 24,1-13; Mt 19,3-12. Sábado: Js 24,14-29; Mt 19,13-15. Domingo: 20º DTC- Assunção de Nossa Senhora, solenidade – Ap 11,19a; 12,1-6a.10ab; 1Cor 15,20-27; Lc 1,39-56.

CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

Arquidiocese de Goiânia

19º Domingo do Tempo Comum – Ano C 11 de agosto de 2013 – Ano XXX – Nº 1733

VIGILANTES E ALEGRES, SIRVAMOS AO SENHOR 1. MOTIVAÇÃO A – Sejam bem-vindos. O Senhor nos chama a descobrir a alegria de servi-lo perseverantes e vigilantes, como fiéis discípulos. Na semana de oração pela vocação para a vida em família, com um carinho especial aos nossos pais, iniciemos nossa celebração, cantando.

2. CANTO DE ABERTURA (36º Curso: 09.08)

Eis-me aqui, Senhor! / Eis-me aqui, Senhor! / Pra fazer tua vontade, pra viver do teu amor. / Pra fazer tua vontade, pra viver do teu amor: / Eis-me aqui, Senhor! 1. O Senhor é o Pastor que me conduz, / por caminhos nunca vistos me enviou, / sou chamado a ser fermento, sal e luz / e, por isso, respondi: aqui estou! 2. Ele pôs em minha boca uma canção, / me ungiu como profeta e trovador / da história e da vida do meu povo / e, por isso, respondi: aqui estou! 3. Ponho a minha confiança no Senhor, / da esperança sou chamado a ser sinal, / seu ouvido se inclinou ao meu clamor / e, por isso, respondi: aqui estou!

3. SAUDAÇÃO P – Em nome do Pai... T – Amém. P – A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam sempre convosco. T – Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

4. ATO PENITENCIAL P – De coração contrito e humilde, aproximemo-nos do Deus justo e santo, para que tenha piedade de nós, pecadores. (Pausa) P – Tende compaixão de nós, Senhor. T – Porque somos pecadores. P – Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia. T – E dai-nos a vossa salvação. P – Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna.T – Amém.

P – Senhor, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós. P – Cristo, tende piedade de nós. T – Cristo, tende piedade de nós. P – Senhor, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós.

sários, serviu também para glorificar-nos, chamando-nos a ti. 9 Os piedosos filhos dos bons ofereceram sacrifícios secretamente e, de comum acordo, fizeram este pacto divino: que os santos participariam solidariamente dos mesmos bens e dos mesmos 5. HINO DE LOUVOR perigos. Isso, enquanto entoavam antecipadamente os cânticos de seus pais. (30º Curso:10.05) Glória a Deus nos altos céus! / Paz na ter- – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. ra a seus amados! / A vós louvam, Rei ce(Tempo de silêncio) leste, / os que foram libertados! (Amém!) 8. SALMO 32 (33) 1. Deus e Pai, nós vos louvamos, / adoramos, bendizemos; / damos glória ao vosso (Salmos e Aclamações / Ano C: 11.12 – vol. II) Feliz o povo que o Senhor / escolheu nome, / vossos dons agradecemos! 2. Senhor nosso, Jesus Cristo, / Unigênito por sua herança! do Pai, / vós, de Deus Cordeiro Santo, / nos- 1Ó justos, alegrai-vos no Senhor! / Aos sas culpas perdoai! retos fica bem glorificá-lo. / 12Feliz o 3. Vós, que estais junto do Pai, / como nosso povo cujo Deus é o Senhor / e a nação intercessor, / acolhei nossos pedidos, / aten- que escolheu por sua herança! 18 dei nosso clamor! Mas o Senhor pousa o olhar sobre os 4. Vós somente sois o Santo, / o Altíssimo, que o temem, / e que confiam esperando o Senhor, / com o Espírito Divino, / de Deus em seu amor, / 19para da morte libertar as sua vidas / e alimentá-los quando é Pai no esplendor. tempo de penúria. 6. ORAÇÃO 20 No Senhor nós esperamos confiantes, / P – Oremos. (Pausa para oração) porque ele é nosso auxílio e proteção! / Deus eterno e todo-poderoso, a quem ou- 22Sobre nós venha, Senhor, a vossa grasamos chamar de Pai, dai-nos cada vez ça, / da mesma forma que em vós nós mais um coração de filhos, para alcançar- esperamos! mos um dia a herança que prometestes. (Tempo de silêncio) Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. 9. SEGUNDA LEITURA T – Amém. Leitura da Carta aos Hebreus (11,12.8-19) – Irmãos, 1a fé é um modo de LITURGIA DA PALAVRA já possuir o que ainda se espera, a conA – Como discípulos e discípulas diante do vicção 2acerca de realidades que não se Pai, escutemos atentos o que o Senhor e Mes- veem. Foi a fé que valeu aos8antepassados um bom testemunho. Foi pela tre tem a nos dizer sobre a nossa vocação. fé que Abraão obedeceu à ordem de 7. PRIMEIRA LEITURA partir para uma terra que devia receLeitura do Livro da Sabedoria (18,6-9) ber como herança, e partiu, sem saber 6 A noite da libertação fora predita a para onde ia. 9 Foi pela fé que ele residiu como nossos pais, para que, sabendo a que juramento tinham dado crédito, se estrangeiro na terra prometida, morando em tendas com Isaac e Jacó, conservassem intrépidos. 7 Ela foi esperada por teu povo, como os co-herdeiros da mesma promessa. salvação para os justos e como per- 10Pois esperava a cidade alicerçada dição para os inimigos. 8Com efeito, que tem Deus mesmo por arquiteto e aquilo com que puniste nossos adver- construtor.


Foi pela fé também que Sara, embora estéril e já de idade avançada, se tornou capaz de ter filhos, porque considerou fidedigno o autor da promessa. 12É por isso também que de um só homem, já marcado pela morte, nasceu a multidão “comparável às estrelas do céu e inumerável como a areia das praias do mar”. 13 Todos estes morreram na fé. Não receberam a realização da promessa, mas a puderam ver e saudar de longe e se declararam estrangeiros e migrantes nesta terra. 14Os que falam assim demonstram que estão buscando uma pátria, 15e se se lembrassem daquela que deixaram, até teriam tempo de voltar para lá. 16Mas agora, eles desejam uma pátria melhor, isto é, a pátria celeste. Por isto, Deus não se envergonha deles, ao ser chamado o seu Deus. Pois preparou mesmo uma cidade para eles. 17 Foi pela fé que Abraão, posto à prova, ofereceu Isaac; ele, o depositário da promessa, sacrificava o seu filho único, 18do qual havia sido dito: “É em Isaac que uma descendência levará o teu nome”. 19 Ele estava convencido de que Deus tem poder até de ressuscitar os mortos, e assim recuperou o filho ‒ o que é também um símbolo. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio) 11

10. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO (Salmos e Aclamações / Ano C: 11.12 – vol. II)

Aleluia, aleluia, aleluia! (bis) É preciso vigiar e ficar de prontidão; / em que dia o Senhor há de vir, não sabeis não! P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas. T – Glória a vós, Senhor. (12,35-40) – Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 35“Que vossos rins estejam cingidos e as lâmpadas acesas. 36Sede como homens que estão esperando seu senhor voltar de uma festa de casamento, para lhe abrirem, imediatamente, a porta, logo que ele chegar e bater. 37Felizes os empregados que o senhor encontrar acordados quando chegar. Em verdade eu vos digo: Ele mesmo vai cingir-se, fazê-los sentar-se à mesa e, passando, os servirá. 38 E caso ele chegue à meia-noite ou às três da madrugada, felizes serão, se assim os encontrar! 39Mas, ficai certos:

se o dono da casa soubesse a hora em que o ladrão iria chegar, não deixaria que arrombasse a sua casa. 40Vós também, ficai preparados! Porque o Filho do Homem vai chegar na hora em que menos o esperardes”. – Palavra da Salvação. T – Glória a vós, Senhor. (Tempo de silêncio)

14. CANTO DE PREPARAÇÃO DAS OFERENDAS (29º Curso: 04.05)

1. Os grãos que formam a espiga se unem pra serem pão; / os homens que são Igreja, se unem pela oblação. Diante do altar, Senhor, entendo minha vocação: / devo sacrificar a vida por meu irmão. (bis) 2. O grão caído na terra só vive se vai 11. HOMILIA morrer; / é dando que se recebe, morrendo (Após a homilia, pausa para reflexão.) se vai viver. 12. PROFISSÃO DE FÉ 3. O vinho e o pão ofertamos, são nossa P – Cheios de confiança, professemos a resposta de amor. / Pedimos humildemente: “aceita-nos, ó Senhor.” nossa fé. T – Creio em Deus Pai...

13. ORAÇÃO COMUNITÁRIA P – Confiantes, peçamos que o Senhor escute nossas orações e súplicas. 1. Senhor, ajudai a Igreja a ser vigilante e alegre servidora do vosso Reino. T – Ouvi-nos, amado Senhor Jesus! 2. Senhor, ajudai nossos governantes a serem verdadeiros defensores da vida e da dignidade da família. 3. Senhor, ajudai nossos pais a viverem sua vocação conforme o coração do Pai. 4. Senhor, ajudai-nos a viver a partilha com as famílias que vivem em situações desumanas. 5. Senhor, ajudai as famílias que sofrem com o problema das drogas e com tudo que destrói o lar. 6. Senhor, ajudai nossas famílias a serem igrejas domésticas: lugar de oração, partilha de vida e ajuda mútua. 7. Senhor, ajudai-nos a promover uma verdadeira pastoral vocacional, que leve os jovens a optarem pelo serviço do Reino. P – Rezemos a oração pelas vocações. T – Jesus, mestre divino, que chamastes apóstolos a vos seguirem, continuai a passar pelos nossos caminhos, pelas nossas famílias, pelas nossas escolas e continuai a repetir o convite a muitos dos nossos jovens. Dai coragem às pessoas convidadas. Dai força para que vos sejam fiéis na missão de apóstolos leigos, sacerdotes, diáconos, religiosos e religiosas, para o bem do Povo de Deus e de toda a humanidade. Amém. (Conclusão pelo presidente)

15. ORAÇÃO

P – Orai, irmãos e irmãs, para que o nosso sacrifício seja aceito por Deus Pai todo-poderoso. T – Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício, para glória do seu nome, para nosso bem e de toda a santa Igreja. P – Ó Deus, acolhei com misericórdia os dons que concedestes à vossa Igreja e que ela agora vos oferece. Transformai-os por vosso poder em sacramento de salvação. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

16. ORAÇÃO EUCARÍSTICA VI – A (Prefácio próprio)

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Corações ao alto. T – O nosso coração está em Deus. P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. T – É nosso dever e nossa salvação. Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças e cantar-vos um hino de glória e louvor, Senhor, Pai de infinita bondade. Pela palavra do Evangelho do vosso Filho reunistes uma só Igreja de todos os povos, línguas e nações. Vivificada pela força do vosso Espírito não deixais, por meio dela, de congregar na unidade todos os seres humanos. Assim, manifestando a aliança do vosso amor, a Igreja transmite constantemente a alegre esperança do vosso reino e brilha como sinal da vossa fidelidade que prometestes para sempre em Jesus Cristo, Senhor nosso. Por essa razão, com todas as virtudes do céu, nós vos celebramos na terra, cantando (dizendo) com toda a Igreja a uma só voz: Santo, Santo, Santo... LITURGIA EUCARÍSTICA Na verdade, vós sois santo e digno de lou(Onde não houver missa, segue a partir do vor, ó Deus, que amais os seres humanos e sempre os assistis no caminho da vida. n. 25 deste folheto.)

Na verdade, é bendito o vosso Filho, presente no meio de nós, quando nos reunimos por seu amor. Como outrora aos discípulos, ele nos revela as Escrituras e parte o pão para nós. T – O vosso Filho permaneça entre nós! Nós vos suplicamos, Pai de bondade, que envieis o vosso Espírito Santo para santificar estes dons do pão e do vinho, a fim de que se tornem para nós o Corpo e o Sangue de nosso Senhor Jesus Cristo. T – Mandai o vosso Espírito Santo! Na véspera de sua paixão, durante a última Ceia, ele tomou o pão, deu graças e o partiu e deu a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e comei: isto é o meu Corpo, que será entregue por vós. Do mesmo modo, ao fim da ceia, ele, tomando o cálice em suas mãos, vos deu graças novamente e o entregou a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e bebei: este é o cálice do meu Sangue, o Sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de Mim. Eis o mistério da fé! T – Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus! Celebrando, pois, ó Pai santo, a memória de Cristo, vosso Filho, nosso Salvador, que pela paixão e morte de cruz fizestes entrar na glória da ressurreição e colocastes à vossa direita, anunciamos a obra do vosso amor até que ele venha e vos oferecemos o pão da vida e o cálice da bênção. Olhai com bondade para a oferta da vossa Igreja. Nela vos apresentamos o sacrifício pascal de Cristo, que vos foi entregue. E concedei que, pela força do Espírito do vosso amor, sejamos contados, agora e por toda a eternidade, entre os membros do vosso Filho, cujo Corpo e Sangue comungamos. T – Aceitai, ó Senhor, a nossa oferta! Renovai, Senhor, à luz do Evangelho, a vossa Igreja (que está em N.). Fortalecei o vínculo da unidade entre os fiéis leigos e os pastores do vosso povo, em comunhão com o nosso Papa N. e o nosso Bispo N. e os bispos do mundo inteiro, para que o vosso povo, neste mundo dilacerado por discórdias, brilhe como sinal profético de unidade e de paz. T – Confirmai na caridade o vosso povo! Lembrai-vos dos nossos irmãos e irmãs, (N. e N.), que adormeceram na paz do vosso Cristo, e de todos os falecidos, cuja fé só vós conhecestes: acolhei-os na luz da vossa face e concedei-lhes, no dia

da ressurreição, a plenitude da vida. T- Concedei-lhes, ó Senhor, a luz eterna! Concedei-nos ainda, no fim da nossa peregrinação terrestre, chegarmos todos à morada eterna, onde viveremos para sempre convosco. E em comunhão com a bem-aventurada Virgem Maria, com os Apóstolos e Mártires, (com S. N.: Santo do dia ou Patrono) e todos os Santos, vos louvaremos e glorificaremos, por Jesus Cristo, vosso Filho. Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre. T – Amém!

5. Tão fracos, em ti somos fortes, / vencemos o mal e a morte! / Em ti o repouso e a sorte / de quem se alimenta da fé! 6. Feliz de quem foi convidado, / e, atento, ouviu teu chamado! / Na terra será saciado / e, à mesa do céu, sentará.

19. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL Refrão meditativo: (36º Curso: 09.08) Enviai, Senhor, muitos operários para a vossa messe, / pois a messe é grande, Senhor, / e os operários são poucos!

20. ORAÇÃO

P – Oremos. (Pausa para oração) Ó Deus, o vosso sacramento que acaba17. PAI-NOSSO mos de receber nos traga a salvação e nos P – O Senhor nos comunicou o seu Es- confirme na vossa verdade. Por Cristo, pírito. Com a confiança e a liberdade de nosso Senhor. T – Amém. filhos, digamos juntos: 21. AVISOS DA COMUNIDADE T – Pai nosso...

18 A. CANTO DA COMUNHÃO (39º Curso: 08.10)

Feliz o homem que ama o Senhor / e segue os seus mandamentos. / O seu coração é repleto de amor, / Deus mesmo é seu alimento. 1. Feliz o que anda na lei do Senhor / e segue o caminho que Deus lhe indicou: / terá recompensa no reino do céu / porque muito amou. 2. Feliz quem se alegra em servir o irmão, / segundo os preceitos que Deus lhe ensinou: / verá maravilhas de Deus, o Senhor, / porque muito amou. 3. Feliz quem confia na força do bem, / seguido os caminhos da paz e o perdão: / será acolhido nos braços do Pai, / porque muito amou. 4. Feliz quem dá graças de bom coração / e estende sua mão ao sem-voz e sem-vez, / terá no banquete um lugar para si, / porque muito amou.

22. ANTÍFONA MARIANA (43º Curso: 08. 12)

Ave, Maria! Ave, Maria! / Ave, Rainha do céu! / Ave, dos anjos Senhora; / Ave, raiz, ave, porta; / da luz do mundo és aurora. Exulta, ó Virgem tão bela, / as outras seguem-te após. / Nós te saudamos: Adeus! / E pede a Cristo por nós! / Virgem Mãe, ó Maria! / Ave, Maria! Ave, Maria!

RITOS FINAIS 23. BÊNÇÃO FINAL

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Deus, criador da família humana, guarde e faça prosperar os vossos lares. T – Amém. P – O Senhor Jesus, que viveu na família de Nazaré, faça de vossas casas um lugar de aconchego, respeito, diálogo e harmonia cristã. T – Amém. 18 B. CANTO DA COMUNHÃO P – O Espírito Santo, que ilumina, anima e unifica, transforme vossas famí(38º Curso: 03.10) lias em verdadeiras igrejas domésticas. Amém! Eu aceito / teu corpo, Senhor! / T – Amém. Amém! Eu assumo / ser pão de amor! P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, 1. Famintos do pão da igualdade, / na mesa Pai e Filho e Espírito Santo. da fraternidade / tu és nossa vida e verda- T – Amém. de: / sustenta os que em ti são irmãos! 2. Sedentos de paz e alegria, / buscamos 24. DESPEDIDA na Eucaristia / a fonte que ao mundo P – Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe. anuncia: / só Deus pode o homem saciar. T – Graças a Deus. 3. Mendigos de amor e de graça, / às mãos estendidas tu passas, / e esperas que em ONDE NÃO HOUVER MISSA nós também nasça / o gesto de dar e servir! 4. Assim como o pai de família / os dons 25. COLETA FRATERNA entre os filhos partilha, / tu fazes por nós (É o momento de trazer donativos ou ofermaravilhas: / é eterno e fiel teu amor. ta em dinheiro para as necessidades da


19o-domingo-do-tempo-comum_1733