Page 1

26. ORAÇÃO DE AÇÃO DE GRAÇAS (Quem preside, ocupando o lugar no altar, convida a assembleia para o louvor.) P – Nós te damos graças, ó Deus da vida, porque neste dia santo de domingo nos acolhes na comunhão do teu amor e renovas nossos corações com a alegria da ressurreição de Jesus. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Esta comunidade aqui reunida recorda a vitória sobre a morte, escutando a tua Palavra e repartindo o pão, na esperança de ver o novo céu e a nova terra, onde não haverá fome, nem morte, nem dor, e onde viveremos na plena comunhão do teu amor. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Por este sinal do corpo do teu Filho, expressamos nosso desejo de correspon-

der com mais fidelidade à missão que nos deste e invocamos sobre nós o teu Espírito. Apressa o tempo da vinda do teu reino, e recebe o louvor de todo o universo e de todas as pessoas que te buscam. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Toda nossa louvação chegue a ti em nome de Jesus, por quem oramos com as palavras que ele nos ensinou:. T – Pai nosso..., pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.

Quem vem a mim nunca mais terá fome e o que crê em mim nunca mais terá sede”. (Mostrando o pão consagrado:) P – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo! T – Senhor, eu não sou digno(a)... (Comunhão: canto n.º 18 deste folheto.)

17º Domingo do Tempo Comum – Ano C 28 de julho de 2013 – Ano XXX – Nº 1731

29. ORAÇÃO FINAL

Ó Deus, mãe de compaixão, que atendeste nossos pedidos e nos encheste de graças nesta celebração: envia teu Espírito sobre 27. ABRAÇO DA PAZ todos nós. Ele nos anime, para que, nesta P – Irmãos e irmãs, por sua morte e ressur- semana que começa, possamos ser persevereição, o Cristo nos reconciliou. Demo-nos rantes na oração e firmes na busca do teu rosto. Por Cristo, nosso Senhor. Amém. uns aos outros o abraço da paz!

28. RITO DA COMUNHÃO

O roteiro de “onde não houver missa” (Após o Pai-Nosso, quem preside convida encontra-se no livro “Dia do Senhor”, de a comunidade a partilhar o pão, dizendo:) M. Guimarães e P. Carpanedo, Paulinas: P – Assim disse Jesus: “Eu sou o pão da vida. Apostolado Litúrgico.

PERSEVERAR NA ORAÇÃO O mistério que celebramos hoje Celebramos neste domingo, o mistério sempre novo da Páscoa do Senhor, acontecendo no dia a dia de nossa realidade humana e garantindo-nos a vitória da vida e do bem contra a morte e todo o tipo de mal. Recordamos neste dia a oração de Jesus. Associamos a ela todos os clamores de nosso tempo para apresentá-los ao Pai, na certeza de sermos atendidos, pois sua alegria é o bem de todos os seus filhos e filhas. Todo o pedido traz um compromisso. Nesta celebração, peçamos que o Pai nos ajude a fazer da Oração de Jesus a nossa oração e entrarmos na sua experiência de

Arquidiocese de Goiânia

amor incondicional ao Pai e aos irmãos. Sugestões para as equipes de celebração: 1.  O evangelho é o ponto alto da liturgia da Palavra. É preciso sempre destacá-lo com aclamação bem festiva e proclamação feita com esmero. 2.  Dar um destaque à oração do Pai-Nosso, que poderá ser cantada, usando a letra que Jesus nos ensinou, acompanhada de algum gesto adequado. É bom aproveitar as várias opções de convite ao Pai-Nosso que o Missal oferece para suscitar atitude de oração e não mera recitação da “Oração que o Senhor nos ensinou”.

LEITURAS BÍBLICAS: 2ª-f.: 1Jo 4,7-16; Jo 11,19-27 ou Lc 10,38-42. 3ª-f.: Ex 33,7-11; 34,5b-9.28; Mt 13,36-43. 4ª-f.: Ex 34,29-35; Mt

13,44-46. 5ª-f.: Sto. Afonso Maria de Ligório BDr, memória – Ex 40,16-21.34-38; Mt 13,47-53. 6ª-f.: Lv 23,1.4-11.15-16.27.34b-37; Mt 13, 54-58. Sábado: Lv 25,1.8-17; Mt 14,1-12. Domingo: 18º Domingo do Tempo Comum – Ecl 1,2;2,21-23; Cl 3,1-5.9-11; Lc 12,13-21.

PERSEVERAR NA ORAÇÃO 1. MOTIVAÇÃO A – O Senhor nos reúne e nos revela que a oração autêntica é descobrir e assumir o projeto de Deus para nós. Animados a aprender com Jesus a sermos fiéis à vontade do Pai, iniciemos nossa celebração, cantando.

2. CANTO DE ABERTURA (30º Curso: 10.05)

Alegres vamos à casa do Pai; / e na alegria cantar seu louvor. / Em sua casa, somos felizes: / participamos da ceia do amor. 1. A alegria nos vem do Senhor. / Seu amor nos conduz pela mão. / Ele é luz que ilumina o seu povo. / Com segurança lhe dá a salvação. 2. O Senhor nos concede os seus bens. / Nos convida à sua mesa sentar. / E partilha conosco o seu Pão. / Somos irmãos ao redor deste altar. 3. Voltarei sempre à casa do Pai. / De meu Deus cantarei o louvor. / Só será bem feliz uma vida / que busca em Deus sua fonte de amor.

3. SAUDAÇÃO

CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

P – Em nome do Pai... T – Amém. P – A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam sempre convosco. T – Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

4. ATO PENITENCIAL P – Em Jesus Cristo, o Justo, que intercede por nós e nos reconcilia com o Pai, abramos o nosso espírito ao arrependimento para sermos menos indignos de aproximar-nos da mesa do Senhor. (Pausa) P – Senhor, que sois o caminho que leva ao Pai, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós. P – Cristo que sois a verdade que ilumina os povos, tende piedade de nós. T – Cristo, tende piedade de nós.

A – Em atitude de escuta, acolhamos a palavra de Deus que nos convida a ser perseverantes na oração.

Naqueles dias, 20o Senhor disse a Abraão: “O clamor contra Sodoma e Gomorra cresceu, e agravou-se muito o seu pecado. 21Vou descer para verificar se as suas obras correspondem ou não ao clamor que chegou até mim”. 22 Partindo dali, os homens dirigiram-se a Sodoma, enquanto Abraão ficou na presença do Senhor. 23Então, aproximando-se, disse Abraão: “Vais realmente exterminar o justo com o ímpio? 24Se houvesse cinquenta justos na cidade, acaso irias exterminá-los? Não pouparias o lugar por causa dos cinquenta justos que ali vivem? 25 Longe de ti agir assim, fazendo morrer o justo com o ímpio, como se o justo fosse igual ao ímpio. Longe de ti! O juiz de toda a terra não faria justiça?” 26 O Senhor respondeu: “Se eu encontrasse em Sodoma cinquenta justos, pouparia por causa deles a cidade inteira”. 27 Abraão prosseguiu dizendo: “Estou sendo atrevido em falar a meu Senhor, eu que sou pó e cinza. 28Se dos cinquenta justos faltassem cinco, destruirias por causa dos cinco a cidade inteira?” O Senhor respondeu: “Não destruiria, se achasse ali quarenta e cinco justos”. 29 Insistiu ainda Abraão e disse: “E se houvesse quarenta?” Ele respondeu: “Por causa dos quarenta, não o faria”. 30 Abraão tornou a insistir: “Não se irrite o meu Senhor, se ainda falo. E se houvesse apenas trinta justos?” Ele respondeu: “Também não o faria, se encontrasse trinta”. 31 Tornou Abraão a insistir: “Já que me atrevi a falar a meu Senhor, e se houver vinte justos?” Ele respondeu: “Não a iria destruir por causa dos vinte”. 32 Abraão disse: “Que o meu Senhor não se irrite, se eu falar só mais uma vez: e se houvesse apenas dez?” Ele respondeu: “Por causa dos dez, não a destruiria”. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

7. PRIMEIRA LEITURA

8. SALMO 137 (138)

P – Senhor, que sois a vida que renova o mundo, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós. P – Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. T – Amém.

5. HINO DE LOUVOR (40º Curso: 04.11)

Glória a Deus nas alturas, / e paz na terra aos homens por Ele amados. (bis) Senhor Deus, / rei dos céus, / Deus Pai todo-poderoso: / nós vos louvamos, / vos bendizemos, / vos adoramos, / vos glorificamos, / nós vos damos graças / por vossa imensa glória. Senhor Jesus Cristo, / Filho Unigênito, / Senhor Deus, Cordeiro de Deus, / Filho de Deus Pai. Vós que tirais o pecado do mundo, / tende piedade de nós. / Vós que tirais o pecado do mundo, / acolhei a nossa súplica. / Vós, que estais à direita do Pai, / tende piedade de nós. Só vós sois o Santo, / só vós, o Senhor, / só vós, o Altíssimo, Jesus Cristo, / com o Espírito Santo, / na glória de Deus Pai, / na glória de Deus Pai. Amém! / Amém! / Amém! / Amém! / Amém!

6. ORAÇÃO P – Oremos. (Pausa para oração) Ó Deus, sois o amparo dos que em vós esperam e, sem vosso auxílio, ninguém é forte, ninguém é santo; redobrai de amor para conosco, para que, conduzidos por vós, usemos de tal modo os bens que passam, que possamos abraçar os que não passam. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. T – Amém.

LITURGIA DA PALAVRA

Leitura do Livro do Gênesis (18, 20-32)

(Salmos e Aclamações / ano C: 11.12 – vol. II)


Naquele dia em que gritei, / vós me escutastes, ó Senhor! 1 Ó Senhor, de coração eu vos dou graças, / porque ouvistes as palavras dos meus lábios! / Perante os vossos anjos vou cantar-vos / 2ae ante o vosso templo vou prostrar-me. b Eu agradeço vosso amor, vossa verdade, / cporque fizestes muito mais que prometestes; / 3naquele dia em que gritei, vós me escutastes / e aumentastes o vigor da minha alma. 6 Altíssimo é o Senhor, mas olha os pobres, / e de longe reconhece os orgulhosos. / 7aSe no meio da desgraça eu caminhar, / vós me fazeis tornar à vida novamente; / bquando os meus perseguidores me atacarem / e com ira investirem contra mim, / estendereis o vosso braço em meu auxílio / 7ce havereis de me salvar com vossa destra. 8 Completai em mim a obra começada; / ó Senhor, vossa bondade é para sempre! / Eu vos peço: não deixeis inacabada / esta obra que fizeram vossas mãos! (Tempo de silêncio)

9. SEGUNDA LEITURA Leitura da Carta de São Paulo aos Colossenses (2,12-14) – Irmãos, 12com Cristo fostes sepultados no batismo; com ele também fostes ressuscitados por meio da fé no poder de Deus, que ressuscitou a Cristo dentre os mortos. 13 Ora, vós estáveis mortos por causa dos vossos pecados, e vossos corpos não tinham recebido a circuncisão, até que Deus vos trouxe para a vida, junto com Cristo, e a todos nós perdoou os pecados. 14 Existia contra nós uma conta a ser paga, mas ele a cancelou, apesar das obrigações legais, e a eliminou, pregando-a na cruz. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

10. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO (Salmos e Aclamações / ano C: 11.12 – vol. II)

Aleluia, aleluia, aleluia! (bis) Recebestes o Espírito de adoção; / é por ele que clamamos: Abá, Pai! P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas. T – Glória a vós, Senhor. (11,1-13) – 1Jesus estava rezando num certo lugar. Quando terminou, um de seus discípulos pediu-lhe: “Senhor, ensina-nos a rezar, como tam-

bém João ensinou a seus discípulos”. 2 Jesus respondeu: “Quando rezardes, dizei: ‘Pai, santificado seja o teu nome. Venha o teu Reino. 3Dá-nos a cada dia o pão de que precisamos, 4e perdoa-nos os nossos pecados, pois nós também perdoamos a todos os nossos devedores; e não nos deixes cair em tentação”. 5 E Jesus acrescentou: “Se um de vós tiver um amigo e for procurá-lo à meia-noite e lhe disser: ‘Amigo, empresta-me três pães, 6porque um amigo meu chegou de viagem e nada tenho para lhe oferecer’, 7e se o outro responder lá de dentro: ‘Não me incomodes! Já tranquei a porta e meus filhos e eu já estamos deitados; não me posso levantar para te dar os pães’; 8 eu vos declaro: mesmo que o outro não se levante para dá-los porque é seu amigo, vai levantar-se ao menos por causa da impertinência dele e lhe dará quanto for necessário. 9 Portanto, eu vos digo: pedi e recebereis; procurai e encontrareis; batei e vos será aberto. 10Pois quem pede, recebe; quem procura, encontra; e, para quem bate, se abrirá. 11Será que algum de vós que é pai, se o filho pedir um peixe, lhe dará uma cobra? 12Ou ainda, se pedir um ovo, lhe dará um escorpião? 13 Ora, se vós que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do Céu dará o Espírito Santo aos que o pedirem!” – Palavra da Salvação. T – Glória a vós, Senhor. (Tempo de silêncio)

11. HOMILIA (Após a homilia, pausa para reflexão.)

12. PROFISSÃO DE FÉ

(Preces espontâneas) (Conclusão pelo presidente)

LITURGIA EUCARÍSTICA (Onde não houver missa, segue a partir do n. 24 deste folheto.)

14. CANTO DE PREPARAÇÃO DAS OFERENDAS (40º Curso: 04.11)

1. Bendito és Tu, ó Deus criador, / revestes o mundo da mais fina flor; / restauras o fraco que a Ti se confia / e junto aos irmãos, / em paz o envias. Ó Deus do universo, és Pai e Senhor, / por tua bondade recebe o louvor! / Ó Deus do universo, és Pai e Senhor, / por tua bondade recebe o louvor! 2. Bendito és Tu, ó Deus criador, / por quem aprendeu o gesto de amor: / Colher a fartura e ter a beleza / de ser a partilha dos frutos na mesa! 3. Bendito és Tu, ó Deus criador, / fecundas a terra com vida e amor! / A quem aguardava um canto de festa, / a mesa promete eterna seresta!

15. ORAÇÃO P – Orai, irmãos e irmãs, para que o nosso sacrifício seja aceito por Deus Pai todo-poderoso. T – Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício, para glória do seu nome, para nosso bem e de toda a santa Igreja. P – Acolhei, ó Pai, os dons que recebemos da vossa bondade e trazemos a este altar. Fazei que estes sagrados mistérios, pela força da vossa graça, nos santifiquem na vida presente e nos conduzam à eterna alegria. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

P – Cheios de confiança, professemos a 16. ORAÇÃO EUCARÍSTICA III nossa fé. (Prefácio dos Domingos do Tempo Comum, VI) T – Creio em Deus Pai... P – O Senhor esteja convosco. 13. ORAÇÃO COMUNITÁRIA T – Ele está no meio de nós. P – Irmãs e irmãos, o Catecismo da Igreja P – Corações ao alto. chama a oração do Pai-Nosso de a oração T – O nosso coração está em Deus. dos sete pedidos fundamentais para a vida da Igreja. Rezemos confiantes e atentos P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. ao que o Senhor nos ensina a dizer ao Pai. T – É nosso dever e nossa salvação. Na verdade, é justo e necessário, é nosso T – Pai, escutai o vosso povo. dever e salvação dar-vos graças, sempre e 1.  Ó Pai, santificado seja o vosso nome. em todo o lugar, Senhor, Pai santo, Deus 2.  Ó Pai, venha a nós o vosso reino. eterno e todo-poderoso. 3.  Ó Pai, seja feita a vossa vontade. Em vós vivemos, nos movemos e somos. E, ainda peregrinos neste mundo, 4.  Ó Pai, dai-nos o pão de cada dia. não só recebemos, todos os dias, as pro5. Ó Pai, perdoai-nos as nossas ofensas vas de vosso amor de Pai, mas também como nós perdoamos a quem nos ofendeu. possuímos, já agora, as primícias do Es6.  Ó Pai, não nos deixeis cair em tentação. pírito, por quem ressuscitastes Jesus den7.  Ó Pai, livrai-nos do mal. tre os mortos, esperamos gozar, um dia,

a plenitude da Páscoa eterna. Por essa razão, com os anjos e com todos os santos, entoamos um cântico novo, para proclamar vossa bondade, cantando (dizendo) a uma só voz: T – Santo, Santo, Santo... Na verdade, vós sois santo, ó Deus do universo, e tudo o que criastes proclama o vosso louvor, porque, por Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso, e pela força do Espírito Santo, dais vida e santidade a todas as coisas e não cessais de reunir o vosso povo, para que vos ofereça em toda parte, do nascer ao pôr do sol, um sacrifício perfeito. T – Santificai e reuni o vosso povo! Por isso, nós vos suplicamos: santificai pelo Espírito Santo as oferendas que vos apresentamos para serem consagradas, a fim de que se tornem o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso, que nos mandou celebrar este mistério. T – Santificai nossa oferenda, ó Senhor! Na noite em que ia ser entregue, ele tomou o pão, deu graças, e o partiu e deu a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e comei: isto é o meu Corpo, que será entregue por vós. Do mesmo modo, ao fim da ceia, ele tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente, e o deu a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e bebei: este é o cálice do meu Sangue, o Sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de Mim. Eis o mistério da fé! T – Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus! Celebrando agora, ó Pai, a memória do vosso Filho, da sua paixão que nos salva, da sua gloriosa ressurreição e da sua ascensão ao céu, e enquanto esperamos a sua nova vinda, nós vos oferecemos em ação de graças este sacrifício de vida e santidade. T – Recebei, ó Senhor, a nossa oferta! Olhai com bondade a oferenda da vossa Igreja, reconhecei o sacrifício que nos reconcilia convosco e concedei que, alimentando-nos com o Corpo e o Sangue do vosso Filho, sejamos repletos do Espírito Santo e nos tornemos em Cristo um só corpo e um só espírito. T – Fazei de nós um só corpo e um só espírito! Que ele faça de nós uma oferenda perfeita para alcançarmos a vida eterna com os vossos santos: a Virgem Maria, Mãe de Deus, os vossos Apóstolos e Mártires, N.

(o santo do dia ou o padroeiro) e todos os santos, que não cessam de interceder por nós na vossa presença. T – Fazei de nós uma perfeita oferenda! E agora, nós vos suplicamos, ó Pai, que este sacrifício da nossa reconciliação estenda a paz e a salvação ao mundo inteiro. Confirmai na fé e na caridade a vossa Igreja, enquanto caminha neste mundo: o vosso servo o papa N., o nosso bispo N., com os bispos do mundo inteiro, o clero e todo o povo que conquistastes. T – Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja! Atendei às preces da vossa família, que está aqui, na vossa presença. Reuni em vós, Pai de misericórdia, todos os vossos filhos e filhas dispersos pelo mundo inteiro. T – Lembrai-vos, ó Pai, dos vossos filhos! Acolhei com bondade no vosso reino os nossos irmãos e irmãs que partiram desta vida e todos os que morreram na vossa amizade. Unidos a eles, esperamos também nós saciar-nos eternamente da vossa glória, por Cristo, Senhor nosso. T – A todos saciai com vossa glória! Por ele dais ao mundo todo bem e toda graça. Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre. T – Amém!

17. PAI-NOSSO

5.  Assim, comungando da única Vida / a morte vencida: será nossa sorte. / Se unidos buscarmos a libertação, / teremos com Cristo a ressurreição!

19. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL Refrão meditativo: (36º Curso: 09.18) Até que Cristo se forme em vós. / Em mim, em ti, em nós.

20. ORAÇÃO P – Oremos. (Pausa para oração) Recebemos, ó Deus, este sacramento, memorial permanente da paixão do vosso Filho; fazei que o dom da vossa inefável caridade possa servir à nossa salvação. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

21. AVISOS DA COMUNIDADE RITOS FINAIS 22. BÊNÇÃO FINAL P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – A paz de Deus, que supera todo entendimento, guarde os vossos corações e vossas mentes no conhecimento e no amor de Deus, e de seu Filho, nosso Senhor Jesus Cristo. T – Amém. P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo. T – Amém.

23. DESPEDIDA

P – O Senhor nos comunicou o seu Espírito. Com a confiança e a liberdade de P – Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe. T – Graças a Deus. filhos, digamos juntos: T – Pai nosso...

18. CANTO DA COMUNHÃO (39º Curso: 08.10)

1. Na mesa sagrada se faz unidade, / no pão que alimenta, que é pão do Senhor, / formamos família na fraternidade; / não há diferença de raça e de cor. Importa viver, Senhor, unidos no amor, / na participação, vivendo em comunhão. (bis) 2. Chegar junto à mesa é comprometer-se, / é a Deus converter-se com sinceridade. / O grito dos fracos devemos ouvir, / e em nome de Cristo, amar e servir. 3.  Enquanto na terra o pão for partido, / o homem nutrido se transformará, / vivendo a esperança num mundo melhor: / com Cristo lutando, o amor vencerá. 4. Se participarmos da Eucaristia, / é grande a alegria que Deus oferece. / Porém não podemos deixar esquecida / a dor, nesta vida, que o pobre padece.

ONDE NÃO HOUVER MISSA

24. COLETA FRATERNA (É o momento de trazer donativos ou oferta em dinheiro para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia canta o canto n. 14 deste folheto.)

25. DA PALAVRA À REFEIÇÃO (Quem preside convida a assembleia a se aproximar do altar.) P – Vamos dar graças a Deus e repartir entre nós o pão consagrado, memória viva do corpo do Senhor. Que esta comunhão firme nossa amizade com ele e nos dê a graça de perseverar no caminho da oração. (Alguém traz o pão consagrado e o coloca sobre o altar. Todos fazem uma breve inclinação.) (29º Curso: 04.05)

O pão de Deus é o pão da vida, / que do céu veio até nós. / Ó Senhor, nós vos pedimos, / dá-nos sempre deste pão. (bis)

17o-domingo-do-tempo-comum_1731  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you