Issuu on Google+

T – Senhor, eu não sou digno(a)... P – Assim disse Jesus: “Eu sou o pão da vida. (Comunhão: canto n.º 18 deste folheto.) Quem vem a mim nunca mais terá fome e o 29. ORAÇÃO FINAL que crê em mim nunca mais terá sede”. Ó Deus, amigo dos pobres, nós te agradece(Mostrando o pão consagrado:) mos porque, neste domingo, nos acolheste P – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que em tua casa e partilhaste conosco tua palatira o pecado do mundo! vra e tua energia. Renovados pela graça da a comunidade a partilhar o pão, dizendo:)

intimidade contigo, fiquemos sempre atentos à tua palavra de salvação e sensíveis às necessidades de nossos irmãos e irmãs. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

Arquidiocese de Goiânia

O roteiro de “onde não houver missa” encontra-se no livro “Dia do Senhor”, de M. Guimarães e P. Carpanedo, Paulinas: Apostolado Litúrgico.

16º Domingo do Tempo Comum – Ano C 21 de julho de 2013 – Ano XXX – Nº 1730

QUEM ACOLHE AS PESSOAS, ACOLHE A DEUS O mistério que celebramos hoje Neste domingo ‒ “Dia do Senhor” ‒ páscoa e descanso semanais, dia de maior convivência com o Senhor e com as pessoas, recordamos a visita amiga de Jesus a Marta e Maria: amigas, discípulas e testemunhas fiéis até o fim. Celebramos sua morte e ressurreição acontecendo hoje em todas as pessoas, comunidades e povos que, vencendo o individualismo, o comodismo e o ativismo na busca dos próprios interesses, se abrem ao acolhimento, à hospitalidade e a serviços diários em favor da vida, reconhecendo nas pessoas servidas a presença viva do Senhor, cuja Palavra dá sentido ‒ “o único necessário” ‒ para vivermos felizes. Nesta celebração, o Senhor nos acolhe como hóspedes em sua casa, nos oferece a melhor parte ‒ “sua Palavra e o Pão da Vida” ‒ fazendo-nos experimentar a gratuidade de seu amor sem medidas e nos tornando capazes de acolhida, de ternura e solidariedade generosa a todos de quem nos fazemos “ próximos” e encontramos sua presença. Sugestões para as equipes de celebração: 1. Destaque à saudação inicial do presidente, feita de “coração” e não apenas lida.

2. Fazer do rito da Palavra um diálogo com o Senhor que nos revela o “único necessário”. Faz parte da liturgia da palavra um tempo de meditação – silêncio, repetição ou partilha – após cada leitura, o salmo e a homilia. Evitar a pressa que impede o diálogo amoroso e a resposta interior (adesão) das pessoas à Palavra de Deus. 3. Cuidar para que todo o rito eucarístico se caracterize por uma refeição entre “amigos”, momento alto de nosso encontro como ‘hóspedes’ na casa do Senhor: pão ázimo, vinho e alegria cheia de gratidão e compromisso nos gestos, tom de voz, aclamações, cânticos... Tudo é acolhida. 4. O abraço da paz, “sem pressa”, seja um sinal de comunhão fraterna entre as pessoas que se amam, se acolhem e se comprometem... 5. Onde for oportuno, dar a bênção especial, no final da celebração, para os lavradores, motoristas e avós presentes, cujas comemorações acontecem dia 25 (Dia do Trabalhador Rural e do Motorista) e dia 26 (Dia do Avós). 6. No dia 26, sexta-feira, celebra-se a memória de São Joaquim e Sant´Ana, pais de Maria Santíssima.

LEITURAS BÍBLICAS: 2ª-f.: Ct 3,1-4a ou 2Cor 5,14-17; Jo 20,1-2.11-18. 3ª-f.: Ex 14,21 ‒ 15,1; Mt 12,46-50. 4ª-f.: Ex 16,1-5.9-15; Mt 13,1-9. 5ª-f.: São Tiago* (Maior), Apóstolo, festa – 2Cor 4,7-15; Mt 20,20-28. 6ª-f.: Eclo 44,1.10-15; Mt 13,16-17. Sábado: Ex 24,3-8; Mt 13,24-30. Domingo: 17º Domingo do Tempo Comum – Gn 18,20-32; Cl 2,12-14; Lc 11,1-13.

QUEM ACOLHE AS PESSOAS, ACOLHE A DEUS P – Cristo, tende piedade de nós. A – A liturgia de hoje nos ajuda a des- T – Cristo, tende piedade de nós. cobrir a grandeza do acolhimento. Na P – Senhor, tende piedade de nós. alegria de termos sido convocados e aco- T – Senhor, tende piedade de nós. lhidos pelo próprio Deus, iniciemos nossa 5. HINO DE LOUVOR celebração, cantando.

1. MOTIVAÇÃO

2. CANTO DE ABERTURA (30º Curso: 10.05)

Alegres vamos à casa do Pai; / e na alegria cantar seu louvor. / Em sua casa, somos felizes: / participamos da ceia do amor. 1. A alegria nos vem do Senhor. / Seu amor nos conduz pela mão. / Ele é luz que ilumina o seu povo. / Com segurança lhe dá a salvação. 2. O Senhor nos concede os seus bens. / Nos convida à sua mesa sentar. / E partilha conosco o seu Pão. / Somos irmãos ao redor deste altar. 3. Voltarei sempre à casa do Pai. / De meu Deus cantarei o louvor. / Só será bem feliz uma vida / que busca em Deus sua fonte de amor.

3. SAUDAÇÃO P – Em nome do Pai... T – Amém. P – A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam sempre convosco. T – Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

(40º Curso: 04.11)

Glória a Deus nas alturas, / e paz na terra aos homens por Ele amados. (bis) Senhor Deus, / rei dos céus, / Deus Pai todo-poderoso: / nós vos louvamos, / vos bendizemos, / vos adoramos, / vos glorificamos, / nós vos damos graças / por vossa imensa glória. Senhor Jesus Cristo, / Filho Unigênito, / Senhor Deus, Cordeiro de Deus, / Filho de Deus Pai. Vós que tirais o pecado do mundo, / tende piedade de nós. / Vós que tirais o pecado do mundo, / acolhei a nossa súplica. / Vós, que estais à direita do Pai, / tende piedade de nós. Só vós sois o Santo, / só vós, o Senhor, / só vós, o Altíssimo, Jesus Cristo, / com o Espírito Santo, / na glória de Deus Pai, / na glória de Deus Pai. Amém! / Amém! / Amém! / Amém! / Amém!

6. ORAÇÃO

do dia. 2Levantando os olhos, Abraão viu três homens de pé, perto dele. Assim que os viu, correu ao seu encontro e prostrou-se por terra. 3E disse: “Meu Senhor, se ganhei tua amizade, peço-te que não prossigas viagem, sem parar junto a mim, teu servo. 4Mandarei trazer um pouco de água para vos lavar os pés, e descansareis debaixo da árvore. 5Farei servir um pouco de pão para refazerdes vossas forças, antes de continuar a viagem. Pois foi para isso mesmo que vos aproximastes do vosso servo”. Eles responderam: “Faze como disseste”. 6 Abraão entrou logo na tenda, onde estava Sara e lhe disse: “Toma depressa três medidas da mais fina farinha, amassa alguns pães e assa-os”. 7Depois, Abraão correu até o rebanho, pegou um bezerro dos mais tenros e melhores, e deu-o a um criado, para que o preparasse sem demora. 8A seguir, foi buscar coalhada, leite e o bezerro assado, e pôs tudo diante deles. Abraão, porém, permaneceu de pé, junto deles, debaixo da árvore, enquanto comiam. 9 E eles lhe perguntaram: “Onde está Sara, tua mulher?” “Está na tenda”, respondeu ele. 10aE um deles disse: “Voltarei, sem falta, no ano que vem, por este tempo, e Sara, tua mulher, já terá um filho”. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

P – Oremos. (Pausa para oração) Ó Deus, sede generoso para com os vossos filhos e filhas e multiplicai em nós os dons da vossa graça, para que, repletos de fé, esperança e caridade, guardemos fiel- 8. SALMO 14 (15) mente os vossos mandamentos. Por nosso (Salmos e Aclamações / ano C: 11.12 – vol. II) 4. ATO PENITENCIAL P – De coração contrito e humilde, apro- Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na uni- Senhor, quem morará em vossa casa? (bis) ximemo-nos do Deus justo e santo, para dade do Espírito Santo. 2 É aquele que caminha sem pecado / e T – Amém. que tenha piedade de nós, pecadores. pratica a justiça fielmente; / 3aque pensa a (Pausa) verdade no seu íntimo / be não solta em LITURGIA DA PALAVRA P – Tende compaixão de nós, Senhor. calúnias sua língua. T – Porque somos pecadores. A – Em atitude de escuta, deixemos a Pala- cQue em nada prejudica o seu irmão, / P – Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia. vra do Senhor chegar ao nosso coração e nos nem cobre de insultos seu vizinho; / 4aque revelar como acolher a Deus e ao próximo. T – E dai-nos a vossa salvação. não dá valor algum ao homem ímpio, / b mas honra os que repeitam o Senhor; P – Deus todo-poderoso tenha compai- 7. PRIMEIRA LEITURA 5 xão de nós, perdoe os nossos pecados e Leitura do Livro do Gênesis (18,1- não empresta o seu dinheiro com usura, / nos conduza à vida eterna. 10a) – Naqueles dias, 1o Senhor apa- nem se deixa subornar contra o inocente. / T – Amém. receu a Abraão junto ao carvalho de Jamais vacilará quem vive assim! / Jamais P – Senhor, tende piedade de nós. Mambré, quando ele estava sentado à vacilará quem vive assim! T – Senhor, tende piedade de nós. entrada da sua tenda, no maior calor (Tempo de silêncio)


9. SEGUNDA LEITURA Leitura da Carta de São Paulo aos Colossenses (1,24-28) – Irmãos, 24alegro-me de tudo o que já sofri por vós e procuro completar na minha própria carne o que falta das tribulações de Cristo, em solidariedade com o seu corpo, isto é, a Igreja. 25A ela eu sirvo, exercendo o cargo que Deus me confiou de vos transmitir a palavra de Deus em sua plenitude: 26o mistério escondido por séculos e gerações, mas agora revelado aos seus santos. 27A este Deus quis manifestar como é rico e glorioso entre as nações este mistério: a presença de Cristo em vós, a esperança da glória. 28 Nós o anunciamos, admoestando a todos e ensinando a todos, com toda sabedoria, para a todos tornar perfeitos em sua união com Cristo. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

Abel, o nosso sacrifício, para que os dons P – Irmãs e irmãos, como Maria e Marta, que cada um trouxe em vossa honra possam elevemos nossas preces confiantes. Que servir para a salvação de todos. Por Cristo, o Senhor nos ajude a pôr em prática sua nosso Senhor. T – Amém. Palavra.

13. ORAÇÃO COMUNITÁRIA

T – Ouvi-nos, amado Senhor Jesus. 1. Senhor, que o Santo Padre, o papa N., conduza a vossa Igreja na escuta atenta da vossa Palavra, para que ela seja fiel e acolhedora de todos. 2. Senhor, que o nosso arcebispo, os bispos e presbíteros escutem e acolham vossa Palavra sempre e atentamente. 3. Senhor, que cada templo-Igreja seja sempre casa de escuta da vossa Palavra. 4. Senhor, que nossas(os) catequistas saibam dedicar tempo, amor e atenção na escuta da vossa Palavra e conduzam os catequizandos no mesmo caminho. 5. Senhor, que nossos seminários e casas de formação sejam lugar privilegiado de escuta da vossa Palavra para todos os voca10. ACLAMAÇÃO AO cionados à vida consagrada e ao sacerdócio. EVANGELHO (Preces espontâneas) (Salmos e Aclamações / ano C: 11.12 – vol. II) (Conclusão pelo presidente) Aleluia, aleluia, aleluia! (bis) Felizes os que observam a palavra do SeLITURGIA EUCARÍSTICA nhor, / de reto coração, e que produzem (Onde não houver missa, segue a partir do muitos frutos, até o fim perseverantes! n. 24 deste folheto.) P – O Senhor esteja convosco. 14. CANTO DE PREPARAÇÃO T – Ele está no meio de nós. DAS OFERENDAS P – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas. (40º Curso: 04.11) T – Glória a vós, Senhor. 1. Bendito és Tu, ó Deus criador, / revestes o (10,38-42) – Naquele tempo, 38Jesus mundo da mais fina flor; / restauras o fraco entrou num povoado, e certa mulher, que a Ti se confia / e junto aos irmãos, / em de nome Marta, recebeu-o em sua paz o envias. casa. 39Sua irmã, chamada Maria, sentou-se aos pés do Senhor, e escuta- Ó Deus do universo, és Pai e Senhor, / por va a sua palavra. 40Marta, porém, esta- tua bondade recebe o louvor! / Ó Deus do va ocupada com muitos afazeres. Ela universo, és Pai e Senhor, / por tua bonaproximou-se e disse: “Senhor, não te dade recebe o louvor! importas que minha irmã me deixe so- 2. Bendito és Tu, ó Deus criador, / por quem zinha, com todo o serviço? Manda que aprendeu o gesto de amor: / Colher a fartura e ter a beleza / de ser a partilha dos frutos ela me venha ajudar!” 41 O Senhor, porém, lhe respondeu: na mesa! “Marta, Marta! Tu te preocupas e andas 3. Bendito és Tu, ó Deus criador, / fecundas agitada por muitas coisas. Porém, uma a terra com vida e amor! / A quem aguarsó coisa é necessária. Maria escolheu a dava um canto de festa, / a mesa promete melhor parte e esta não lhe será tirada”. eterna seresta! – Palavra da Salvação. 15. ORAÇÃO T – Glória a vós, Senhor. P – Orai, irmãos e irmãs, para que o nos(Tempo de silêncio) so sacrifício seja aceito por Deus Pai todo-poderoso. 11. HOMILIA T – Receba o Senhor por tuas mãos este (Após a homilia, pausa para reflexão.) sacrifício, para glória do seu nome, para 12. PROFISSÃO DE FÉ nosso bem e de toda a santa Igreja. P – Cheios de confiança, professemos a P – Ó Deus, que no sacrifício da cruz, único nossa fé. e perfeito, levastes à plenitude os sacrifícios T – Creio em Deus Pai... da Antiga Aliança, santificai, como o de

16. ORAÇÃO EUCARÍSTICA IX (Prefácio próprio)

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Corações ao alto. T – O nosso coração está em Deus. P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. T – É nosso dever e nossa salvação. Deus nosso Pai, vós nos reunistes e aqui estamos todos juntos, para celebrar vossos louvores com o coração em festa. Nós vos louvamos por todas as coisas bonitas que existem no mundo e também pela alegria que dais a todos nós. Nós vos louvamos pela luz do dia e por vossa Palavra que é nossa luz. Nós vos louvamos pela terra onde moram todas as pessoas. Obrigado pela vida que de vós recebemos. T – O céu e a terra proclamam a vossa glória! Hosana nas alturas! Sim, ó Pai, vós sois muito bom: amais a todos nós e fazeis por nós coisas maravilhosas. Vós sempre pensais em todos e quereis ficar perto de nós. Mandastes vosso Filho querido para viver no meio de nós. Jesus veio para nos salvar: curou os doentes, perdoou os pecadores. Mostrou a todos o vosso amor, ó Pai; acolheu e abençoou as crianças. T – Bendito o que vem em nome do Senhor. Hosana nas alturas! Nós não estamos sozinhos para cantar vossos louvores. Estamos bem unidos com a Igreja inteira: com o Papa N., com o nosso Bispo, N. e com todos os nossos irmãos. T – Bendito o que vem em nome do Senhor. Hosana nas alturas! No céu também, ó Pai, todos cantam o vosso louvor: Maria, Mãe de Jesus, os apóstolos, os anjos e os santos, vossos amigos. Nós, aqui na terra, unidos a eles, com todas as crianças do mundo e suas famílias, alegres cantamos (dizemos) a uma só voz: T – Santo, Santo, Santo... Pai, para vos dizer muito obrigado, trouxemos este pão e este vinho: pedimos que mandeis vosso Espírito Santo para que estas nossas ofertas se tornem o Corpo e o Sangue de Jesus, vosso Filho querido. Assim, ó Pai, vos oferecemos o mesmo dom que vós nos dais. T – Bendito sejais, Senhor Jesus!

Jesus, antes de sua morte, pôs-se à mesa com os apóstolos, tomou o pão nas mãos e, rezando, deu graças. Depois partiu o pão e o deu a seus amigos, dizendo: Tomai, todos, e comei: isto é o meu Corpo que será entregue por vós. T – Bendito sejais, Senhor Jesus! Antes de terminar a ceia, Jesus pegou o cálice de vinho e vos agradeceu de novo. Depois o deu a seus amigos, dizendo: Tomai, todos, e bebei: este é o cálice do meu Sangue, o Sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos, para remissão dos pecados. E disse também: Fazei isto em memória de Mim. T – Bendito sejais, Senhor Jesus! Nesta reunião fazemos o que Jesus mandou. Lembramos a morte e ressurreição de Jesus que vive no meio de nós. Oferecemos, também, este Pão que dá a vida e este Cálice da nossa salvação. Junto com Jesus, ó Pai, entregamos a nossa vida em vossas mãos. T – Com Jesus, recebei nossa vida. Pai que tanto nos amais, deixai-nos aproximar desta mesa para receber o Corpo e o Sangue do vosso Filho. Pedimos que o Espírito Santo nos ajude a viver unidos na alegria. Ó Pai, sabemos que sempre vos lembrais de todos. Por isso, pedimos por aqueles que nós amamos (N.N.) e por todos os que morreram em vossa paz. Cuidai dos que sofrem e andam tristes; olhai com carinho o povo cristão e todas as pessoas do mundo. T – Com Jesus, recebei nossa vida. Diante de tudo o que fazeis por meio de vosso Filho Jesus, nós vos bendizemos e louvamos. Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre. T – Amém.

17. PAI-NOSSO P – O Senhor nos comunicou o seu Espírito. Com a confiança e a liberdade de filhos, digamos juntos: T – Pai nosso...

18. CANTO DA COMUNHÃO (39º Curso: 08.10)

1. Na mesa sagrada se faz unidade, / no pão que alimenta, que é pão do Senhor, / formamos família na fraternidade; / não há diferença de raça e de cor. Importa viver, Senhor, unidos no amor, / na participação, vivendo em comunhão. (bis)

2. Chegar junto à mesa é comprometer-se, / é a Deus converter-se com sinceridade. / O grito dos fracos devemos ouvir, / e em nome de Cristo, amar e servir. 3.  Enquanto na terra o pão for partido, / o homem nutrido se transformará, / vivendo a esperança num mundo melhor: / com Cristo lutando, o amor vencerá. 4. Se participarmos da Eucaristia, / é grande a alegria que Deus oferece. / Porém não podemos deixar esquecida / a dor, nesta vida, que o pobre padece. 5.  Assim, comungando da única Vida / a morte vencida: será nossa sorte. / Se unidos buscarmos a libertação, / teremos com Cristo a ressurreição!

19. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL

ONDE NÃO HOUVER MISSA 24. COLETA FRATERNA (É o momento de trazer donativos ou oferta em dinheiro para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia canta o canto n. 14 deste folheto.)

25. DA PALAVRA À REFEIÇÃO (Quem preside convida a assembleia a se aproximar do altar.) P – Vamos dar graças a Deus e repartir entre nós o pão consagrado, memória viva do corpo do Senhor. Que esta comunhão firme nossa amizade com ele e nos dê a graça de escolher a melhor parte. (Alguém traz o pão consagrado. Todos fazem uma breve inclinação.) (29º Curso: 04.05)

O pão de Deus é o pão da vida, / que do céu veio até nós. / Ó Senhor, nós vos pedimos, / dá-nos sempre deste pão. (bis)

Refrão meditativo: (22º Curso: 09.01) O nosso olhar se dirige a Jesus, / o nosso 26. ORAÇÃO DE AÇÃO olhar se mantém no Senhor.

20. ORAÇÃO P – Oremos. (Pausa para oração) Ó Deus, permanecei junto ao povo que iniciastes nos sacramentos do vosso reino, para que, despojando-nos do velho homem, passemos a uma vida nova. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

21. AVISOS DA COMUNIDADE RITOS FINAIS 22. BÊNÇÃO FINAL

DE GRAÇAS

(Quem preside, ocupando o lugar no altar, convida a assembleia para o louvor.) P – Nós te damos graças, ó Deus da vida, porque neste dia santo de domingo nos acolhes na comunhão do teu amor e renovas nossos corações com a alegria da ressurreição de Jesus. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor. P – Esta Comunidade aqui reunida recorda a vitória sobre a morte, escutando a tua Palavra e repartindo o pão, na esperança de ver o novo céu e a nova terra, onde não haverá fome, nem morte, nem dor, e onde viveremos na plena comunhão do teu amor. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor. P – Por este sinal do corpo do teu Filho, expressamos nosso desejo de corresponder com mais fidelidade à missão que nos deste e invocamos sobre nós o teu Espírito. Apressa o tempo da vinda do teu reino, e recebe o louvor de todo o universo e de todas as pessoas que te buscam. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor. P – Toda a nossa louvação chegue a ti em nome de Jesus, por quem oramos com as palavras que ele nos ensinou: T – Pai nosso... pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Que o Deus de toda consolação disponha na sua paz os vossos dias e vos conceda as suas bênçãos. T – Amém. P – Sempre vos liberte de todos os perigos e confirme os vossos corações em seu amor. T – Amém. P – E assim, ricos em esperança, fé e caridade, possais viver praticando o bem e chegar felizes à vida eterna. T – Amém. P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai 27. ABRAÇO DA PAZ e Filho e Espírito Santo. P – Irmãos e irmãs, por sua morte e ressurT – Amém. reição, o Cristo nos reconciliou. Demo-nos 23. DESPEDIDA uns aos outros o abraço da paz! P – Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe. 28. RITO DA COMUNHÃO T – Graças a Deus. (Após o Pai-Nosso, quem preside convida


16o-domingo-do-tempo-comum_1730