Issuu on Google+

26. ORAÇÃO DE AÇÃO DE GRAÇAS (Quem preside, ocupando o lugar no altar, convida a assembleia para o louvor.) P – Nós te damos graças, ó Deus da vida, porque neste dia santo de domingo nos acolhes na comunhão do teu amor e renovas nossos corações com a alegria da ressurreição de Jesus. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Esta comunidade aqui reunida recorda a vitória sobre a morte, escutando a tua Palavra e repartindo o pão, na esperança de ver o novo céu e a nova terra, onde não haverá fome, nem morte, nem dor, e onde viveremos na plena comunhão do teu amor. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Por este sinal do corpo do teu Filho, expressamos nosso desejo de corresponder com mais fidelidade à missão que nos

deste e invocamos sobre nós o teu Espírito. Apressa o tempo da vinda do teu reino, e recebe o louvor de todo o universo e de todas as pessoas que te buscam. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Toda a nossa louvação chegue a ti em nome de Jesus, por quem oramos com as palavras que ele nos ensinou: T – Pai nosso... pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.

que crê em mim nunca mais terá sede”. (Mostrando o pão consagrado:) P – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo! T – Senhor, eu não sou digno(a)... (Comunhão: canto n. 18 deste folheto.)

Arquidiocese de Goiânia

11º Domingo do Tempo Comum – Ano C

29. ORAÇÃO FINAL

Ó Deus, ternura e compaixão, tu manifestaste o teu amor para conosco nesta celebração e derramaste, generoso, tua graça 27. ABRAÇO DA PAZ sobre nós. Fica conosco, hoje e sempre, e P – Irmãos e irmãs, por sua morte e ressur- sustenta-nos, para que sejamos, com toreição, o Cristo nos reconciliou. Demo-nos dos, instrumentos de tua paz e do teu amor sem limites. Por Cristo, nosso Senhor. uns aos outros o abraço da paz! Amém. 28. RITO DA COMUNHÃO (Após o Pai-Nosso, quem preside convida O roteiro de “onde não houver missa” a comunidade a partilhar o pão, dizendo:) encontra-se no livro “Dia do Senhor”: de P – Assim disse Jesus: “Eu sou o pão da vida. M. Guimarães e P. Carpanedo, Paulinas: Quem vem a mim nunca mais terá fome e o Apostolado Litúrgico.

TEUS PECADOS ESTÃO PERDOADOS O mistério que celebramos hoje Saboreamos neste tempo comum, com “gosto pascal” o Mistério de Cristo, acontecendo no cotidiano da vida. Hoje somos convidados(as) a ir ao encontro do Senhor com a mesma atitude da mulher pecadora que muito amou e muito foi amada. Experimentamos que Deus não nos trata conforme nossas fraquezas e pecados. A salvação é dom de Deus e se destina a quem se sente pequeno, frágil e pobre diante dele. Celebramos também a páscoa de Jesus que acontece nos gestos, atitudes e ações de humildade e misericórdia de pessoas grupos e comunidades, que se reconhecem pecadoras, por isso se abrem ao perdão de Deus e o oferece, como dom recebido, aos irmãos(ãs). Acolhamos com humildade, nesta celebração, o amor misericordioso do Senhor, que nos ama independente de nossas ações.

no ato penitencial, que poderá ser feito após a homilia, com abraço de reconciliação entre as pessoas. 2.  O Salmo 31 (32) merece todo destaque e atenção da equipe, principalmente do(a) salmista e dos tocadores, para que a assembleia experimente a alegria do perdão do Senhor, ao entoá-lo. 3. Como resposta ao evangelho, que poderá ser cantado, seria bom usar perfume ou água perfumada, no momento do abraço de perdão, ou na bênção final. 4. É importante que o canto de comunhão retome o conteúdo do evangelho, salientando a unidade que existe entre a mesa da Palavra e a mesa Eucarística, em que o único Pão da Vida nos é servido como alimento. 5.  No próximo domingo, 23, celebra-se o Dia Nacional do Migrante que, por determinação da 17ª Assembleia Geral da Sugestões para as equipes de celebração: CNBB é celebrado no dia 25 de junho, dia civil do migrante, 1. Destacar o sentido de perdão e misericórdia do Senhor caso caia no domingo. Caso contrário, será celebrado no presentes nos vários momentos da celebração, principalmente domingo imediatamente anterior a essa data.

LEITURAS BÍBLICAS: 2ª-f.: 2Cor 6,1-10; Mt 5,38-42. 3ª-f.: 2Cor 8,1-9; Mt 5,43-48. 4ª-f.: 2Cor 9,6-11; Mt 6,1-6.16-18. 5ª-f.: 2Cor

11,1-11; Mt 6,7-15. 6ª-f.: 2Cor 11,18.21b-30; Mt 6,19-23. Sábado: 2Cor 12,1-10; Mt 6,24-34. Domingo: 12º Domingo do Tempo Comum – Zc 12,10-11;13,1; Gl 3,26-29; Lc 9,18-24.

CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

16 de junho de 2013 – Ano XXX – Nº 1725

TEUS PECADOS ESTÃO PERDOADOS 1. MOTIVAÇÃO A – Estamos aqui porque confiamos na misericórdia de Deus que sempre nos oferece seu perdão e sua força para podermos corresponder ao seu chamado. Agradecendo a Deus seu amor, iniciemos nossa celebração, cantando.

2. CANTO DE ABERTURA (42º Curso: 03.12)

Ó Pai, somos nós o Povo Eleito / que Cristo veio reunir! (bis) 1. Pra viver da sua vida – aleluia! –, / o Senhor nos enviou, aleluia! 2. Pra ser Igreja peregrina – aleluia! –, / o Senhor nos enviou, aleluia! 3. Pra ser sinal da Salvação – aleluia! –, / o Senhor nos enviou, aleluia! 4. Pra anunciar o Evangelho – aleluia! –, / o Senhor nos enviou, aleluia! 5. Pra servir na unidade – aleluia! – / o Senhor nos enviou, aleluia! 6. Pra celebrar a sua glória – aleluia! –, / o Senhor nos enviou, aleluia! 7. Pra construir um mundo novo – aleluia! –, / o Senhor nos enviou, aleluia! 8. Pra caminhar na esperança – aleluia! –, / o Senhor nos enviou, aleluia!

3. SAUDAÇÃO P – Em nome do Pai... T – Amém. P – A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam sempre convosco. T – Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

4. ATO PENITENCIAL P – O Senhor disse: “Quem dentre vós estiver sem pecado, atire a primeira pedra”. Reconheçamo-nos todos pecadores e perdoemo-nos mutuamente do fundo do coração. (Pausa) P – Confessemos nossos pecados: T – Confesso a Deus todo-poderoso e a vós, irmãos e irmãs, que pequei muitas vezes por pensamentos e palavras, atos

e omissões, por minha culpa, minha tão grande culpa. E peço à Virgem Maria, aos anjos e aos santos e a vós, irmãos e irmãs, que rogueis por mim a Deus, nosso Senhor. P – Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. T – Amém. P – Senhor, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós. P – Cristo, tende piedade de nós. T - Cristo, tende piedade de nós. P – Senhor, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós.

5. HINO DE LOUVOR (39º Curso: 08.10)

7. PRIMEIRA LEITURA Leitura do Segundo Livro de Samuel (12,7-10.13) – Naqueles dias, 7 Natã disse a Davi: “Esse homem és tu! Assim diz o Senhor, o Deus de Israel: Eu te ungi como rei de Israel, e salvei-te das mãos de Saul. 8Dei-te a casa do teu senhor e pus nos teus braços as mulheres do teu senhor, entregando-te também a casa de Israel e de Judá; e, se isto te parece pouco, vou acrescentar outros favores. 9 Por que desprezaste a palavra do Senhor, fazendo o que lhe desagrada? Feriste à espada o hitita Urias, para fazer da sua mulher a tua esposa, fazendo-o morrer pela espada dos amonitas. 10 Por isso, a espada jamais se afastará de tua casa, porque me desprezaste e tomaste a mulher do hitita Urias para fazer dela a tua esposa.” 13 Davi disse a Natã: “Pequei contra o Senhor”. Natã respondeu-lhe: “De sua parte, o Senhor perdoou o teu pecado, de modo que não morrerás! Entretanto, por teres ultrajado o Senhor com teu procedimento o filho que te nasceu morrerá”. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

Glória, glória! Anjos no céu! / Cantam todos seu amor! / E na terra, homens de paz: / “Deus merece o louvor!” 1. Deus e Pai, nós vos louvamos, / adoramos, bendizemos, / damos glória ao vosso Nome, / vossos dons agradecemos! 2. Senhor nosso, Jesus Cristo, / Unigênito do Pai, / vós, de Deus Cordeiro Santo, / nossas culpas perdoai! 3. Vós que estais junto do Pai, / como nosso intercessor, / acolhei nossos pedidos, / atendei nosso clamor! 4. Vós somente sois o Santo, / o Altíssimo, 8. SALMO 31 (32) o Senhor, / com o Espírito Divino, / de Deus (Salmos e Aclamações / ano C: 11.12 – vol. II ) Eu confessei, afinal, meu pecado / e Pai no esplendor! perdoastes, Senhor, minha falta. 6. ORAÇÃO 1 Feliz o homem que foi perdoado / e P – Oremos. (Pausa para oração) cuja falta já foi encoberta! / 2 Feliz o Ó Deus, força daqueles que esperam em homem a quem o Senhor não olha mais vós, sede favorável ao nosso apelo, e como como sendo culpado, / e em cuja alma nada podemos em nossa fraqueza, dai-nos não há falsidade! sempre o socorro da vossa graça, para que 5Eu confessei, afinal, meu pecado, / e possamos querer e agir conforme vossa minha falta vos fiz conhecer. / Disse: vontade, seguindo os vossos mandamentos. “Eu irei confessar meu pecado!” / E Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, perdoastes, Senhor, minha falta. na unidade do Espírito Santo. 7 Sois para mim proteção e refúgio; na T – Amém. minha angústia me haveis de salvar, / e envolvereis minha alma no gozo. / LITURGIA DA PALAVRA 11 Regozijai-vos, ó justos, em Deus, e A – Confiantes no amor de Deus que sem- no Senhor exultai de alegria! / Corações pre nos oferece perdão, escutemos atenta- retos, cantai jubilosos! mente a sua Palavra. (Tempo de silêncio)


9. SEGUNDA LEITURA Leitura da Carta de São Paulo aos Gálatas (2,16.19-21) – Irmãos: 16Sabendo que ninguém é justificado por observar a Lei de Moisés, mas por crer em Jesus Cristo, nós também abraçamos a fé em Jesus Cristo. Assim fomos justificados pela fé em Cristo e não pela prática da Lei, porque pela prática da Lei ninguém será justificado. 19 Aliás, foi em virtude da Lei que eu morri para a Lei, a fim de viver para Deus. Com Cristo, eu fui pregado na cruz. 20Eu vivo, mas não eu, é Cristo que vive em mim. Esta minha vida presente, na carne, eu a vivo na fé, crendo no Filho de Deus, que me amou e por mim se entregou. 21Eu não desprezo a graça de Deus. Ora, se a justiça vem pela Lei, então Cristo morreu inutilmente. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

10. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO (Salmos e Aclamações / ano C: 11.12 – vol. II)

Aleluia, aleluia, aleluia! / Aleluia, aleluia, aleluia! Tanto amor Deus nos mostrou, que seu Filho entregou, / como vítima expiatória pelas nossas transgressões. P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas. T – Glória a vós, Senhor. (7,36-50) – Naquele tempo, 36um fariseu convidou Jesus para uma refeição em sua casa. Jesus entrou na casa do fariseu e pôs-se à mesa. 37Certa mulher, conhecida na cidade como pecadora, soube que Jesus estava à mesa, na casa do fariseu. Ela trouxe um frasco de alabastro com perfume, 38e, ficando por detrás, chorava aos pés de Jesus; com as lágrimas começou a banhar-lhe os pés, enxugava-os com os cabelos, cobria-os de beijos e os ungia com o perfume. 39 Vendo isso, o fariseu que o havia convidado ficou pensando: “Se este homem fosse um profeta, saberia que tipo de mulher está tocando nele, pois é uma pecadora”. 40Jesus disse então ao fariseu: “Simão, tenho uma coisa para te dizer”. Simão respondeu: “Fala, mestre!”. 41 “Certo credor tinha dois devedores; um lhe devia quinhentas moedas de prata, o outro, cinquenta. 42Como não tivessem com que pagar, o homem perdoou os dois. Qual deles o amará mais? 43“Simão respondeu: “Acho que é aquele ao qual perdoou mais”. Jesus lhe disse: “Tu julgaste corretamente”.

Então Jesus virou-se para a mulher e disse a Simão: “Estás vendo esta mulher? Quando entrei em tua casa, tu não me ofereceste água para lavar os pés; ela, porém, banhou meus pés com lágrimas e enxugou-os com os cabelos. 45 Tu não me deste o beijo de saudação; ela, porém, desde que entrei, não parou de beijar meus pés. 46Tu não derramaste óleo na minha cabeça; ela, porém, ungiu meus pés com perfume. 47Por esta razão, eu te declaro: os muitos pecados que ela cometeu estão perdoados porque ela mostrou muito amor. Aquele a quem se perdoa pouco, mostra pouco amor”. 48 E Jesus disse à mulher: “Teus pecados estão perdoados”. 49Então, os convidados começaram a pensar: “Quem é este que até perdoa os pecados? 50Mas Jesus disse à mulher: “Tua fé te salvou. Vai em paz!” – Palavra da Salvação. T – Glória a vós, Senhor. (Tempo de silêncio) 44

14. CANTO DE PREPARAÇÃO DAS OFERENDAS (23º Curso: 03.02)

1. Bendito, Senhor Deus, por este pão, / que estamos colocando em vosso altar. / Que seja pão de vida e salvação / e ensine a repartir e partilhar. Divino Pai Eterno, recebei / os dons do nosso vinho e nosso pão. / Com eles nossas vidas acolhei / no amor do vosso eterno coração. 2. Bendito, Senhor Deus, por este vinho, / que estamos colocando em vosso altar. / Que seja vida nova no caminho / do povo que não cansa de esperar. 3. Bendito, Senhor Deus, por nossa vida, / que estamos colocando em vosso altar. / Dignai-vos, neste gesto de acolhida, / a nossa humanidade recriar.

15. ORAÇÃO

P – Orai, irmãos e irmãs, para que o nosso sacrifício seja aceito por Deus Pai todo-poderoso. 11. HOMILIA T – Receba o Senhor por tuas mãos este (Após a homilia, pausa para reflexão.) sacrifício, para glória do seu nome, para 12. PROFISSÃO DE FÉ nosso bem e de toda a santa Igreja. P – Cheios de confiança, professemos a P – Ó Deus, que pelo pão e o vinho alimentais a vida dos seres humanos e os renovais nossa fé. pelo sacramento, fazei que jamais falte este T – Creio em Deus Pai... sustento ao nosso corpo e à nossa alma. Por 13. ORAÇÃO COMUNITÁRIA Cristo, nosso Senhor. P – Irmãs e irmãos, nós não podemos T – Amém. salvar-nos a nós mesmos e nada podemos sem Deus. Humildemente, apresentemos a 16. ORAÇÃO EUCARÍSTICA VII Ele nossas orações e súplicas, dizendo: (Prefácio próprio) T – Escutai, Senhor, a nossa oração. P – O Senhor esteja convosco. 1. Dai, Senhor, o perdão à vossa Igreja e T – Ele está no meio de nós. fazei que ela seja sempre instrumento de P – Corações ao alto. acolhida e reconciliação para os pecadores. T – O nosso coração está em Deus. 2. Dai, Senhor, o vosso perdão e libertai P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. todas as pessoas que usam do poder e dos T – É nosso dever e nossa salvação. cargos públicos para fazerem o mal. Na verdade, é justo e bom agradecer3. Dai, Senhor, o vosso perdão e libertai to- -vos, Deus Pai, porque constantemente das as pessoas que não sabem perdoar, so- nos chamais a viver na felicidade combretudo aquelas que são vítimas da violência. pleta. Vós, Deus de ternura e de bonda4. Dai, Senhor, o vosso perdão e libertai de, nunca vos cansais de perdoar. Ofeos homens e as mulheres que se perde- receis vosso perdão a todos, convidando ram na vida pelo desrespeito a si mes- os pecadores a entregar-se confiantes à vossa misericórdia. mos e aos outros. 5. Dai, Senhor, o vosso perdão e libertai T – Como é grande, ó Pai, a vossa mia todos nós quando não valorizamos o sericórdia. sacramento da Reconciliação como fonte Jamais nos rejeitastes quando quebrapermanente da vossa graça. mos a vossa aliança, mas, por Jesus, vosso Filho e nosso irmão, criastes com (Preces espontâneas) a família humana novo laço de amiza(Conclusão pelo presidente) de, tão estreito e forte, que nada poderá romper. Concedeis agora a vosso povo LITURGIA EUCARÍSTICA tempo de graça e reconciliação. Dai, (Onde não houver missa, segue a partir pois, em Cristo novo alento à vossa Igredo n. 24 deste folheto.) ja, para que se volte para vós. Fazei que,

sempre mais dócil ao Espírito Santo, se coloque ao serviço de todos. T – Como é grande, ó Pai, a vossa misericórdia. Cheios de admiração e reconhecimento, unimos nossa voz à voz das multidões do céu para cantar o poder do vosso amor e a alegria da nossa salvação: T – Santo, Santo, Santo,... Ó Deus, desde a criação do mundo, fazeis o bem a cada um de nós para sermos santos como vós sois santo. Olhai vosso povo aqui reunido e derramai a força do Espírito, para que estas oferendas se tornem o Corpo e o Sangue do Filho muito amado, no qual também somos vossos filhos. Enquanto estávamos perdidos e incapazes de vos encontrar, vós nos amastes de modo admirável: pois vosso Filho ‒ o Justo e Santo ‒ entregou-se em nossas mãos aceitando ser pregado na cruz. T – Como é grande, ó Pai, a vossa misericórdia. Antes, porém, de seus braços abertos traçarem entre o céu e a terra o sinal permanente da vossa aliança, Jesus quis celebrar a páscoa com seus discípulos. Ceando com eles, tomou o pão e pronunciou a bênção de ação de graças. Depois, partindo o pão, o deu a seus amigos, dizendo: Tomai, todos, e comei: isto é o meu Corpo, que será entregue por vós. Ao fim da ceia, Jesus, sabendo que ia reconciliar todas as coisas pelo sangue a ser derramado na cruz, tomou o cálice com vinho. Deu graças novamente, e passou o cálice a seus amigos, dizendo: Tomai, todos, e bebei: este é o cálice do meu Sangue, o Sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos, para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de Mim. Eis o mistério da fé! T – Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus! Lembramo-nos de Jesus Cristo, nossa páscoa e certeza da paz definitiva. Hoje celebramos sua morte e ressurreição, esperando o dia feliz de sua vinda gloriosa. Por isso, vos apresentamos, ó Deus fiel, a vítima de reconciliação que nos faz voltar à vossa graça. T – Esperamos, ó Cristo, vossa vinda gloriosa. Olhai com amor, Pai misericordioso, aqueles que atraís para vós, fazendo-os participar no único sacrifício do Cristo. Pela força do Espírito Santo, todos se

tornem um só corpo bem unido, no qual todas as divisões sejam superadas. T – Esperamos, ó Cristo, vossa vinda gloriosa. Conservai-nos, em comunhão de fé e de amor, unidos ao Papa N. e ao nosso Bispo N. ajudai-nos a trabalhar juntos na construção do vosso reino, até o dia em que, diante de vós, formos santos com os vossos santos, ao lado da Virgem Maria e dos Apóstolos, com nossos irmãos e irmãs já falecidos que confiamos à vossa misericórdia. Quando fizermos parte da nova criação, enfim libertada de toda maldade e fraqueza, poderemos cantar a ação de graças do Cristo que vive para sempre. T – Esperamos, ó Cristo, vossa vinda gloriosa. Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre. T – Amém.

Onde reina o amor, fraterno amor, / onde reina o amor, / Deus aí está.

20. ORAÇÃO P – Oremos. (Pausa para oração) Ó Deus, esta comunhão na Eucaristia prefigura a união dos fiéis em vosso amor; fazei que realize também a comunhão na vossa Igreja. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

21. AVISOS DA COMUNIDADE RITOS FINAIS 22. BÊNÇÃO FINAL

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Que Deus todo-poderoso vos livre sempre de toda adversidade e derrame sobre vós as suas bênçãos. T – Amém. P – Torne os vossos corações atentos à sua palavra, a fim de que transbordeis de alegria divina. 17. PAI-NOSSO T – Amém. P – O Senhor nos comunicou o seu Espírito. Com a confiança e a liberdade de P – Assim, abraçando o bem e a justiça, possais correr sempre pelo caminho dos filhos, digamos juntos: mandamentos divinos e tornar-vos coT – Pai nosso... -herdeiros dos santos. T – Amém. 18. CANTO DA COMUNHÃO P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai (31º Curso: 04.06) e Filho e Espírito Santo. O Pão da vida, a comunhão, / nos une a T – Amém. Cristo e aos irmãos. / E nos ensina a abrir as mãos / para partir, repartir o pão! (bis) 23. DESPEDIDA 1. Lá no deserto a multidão, / com fome se- P – Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe. gue o Bom Pastor, / com sede busca a nova T – Graças a Deus. Palavra. / Jesus tem pena e reparte o pão. 2. Na Páscoa nova, da Nova Lei, / quanONDE NÃO HOUVER MISSA do amou-nos até o fim, / partiu o Pão, disse: “Isto é meu Corpo, / por vós doa- 24. COLETA FRATERNA do: tomai, comei!” (É o momento de trazer donativos ou ofer3. Se neste pão, nesta comunhão, / Jesus, ta em dinheiro para as necessidades da copor nós, dá a própria vida, / vamos tam- munidade, enquanto a assembleia canta o bém repartir os dons, / doar a vida por n. 14 deste folheto.) nosso irmão. 25. DA PALAVRA À REFEIÇÃO 4. Onde houver fome, reparte o pão, / e tuas trevas hão de ser luz. / Encontrarás (Quem preside convida a assembleia a se Cristo no irmão. / Serás bendito do Eter- aproximar do altar.) P – Vamos dar graças ao nosso Deus, reno Pai. 5. “Não é feliz quem não sabe dar,” / partindo entre nós o pão consagrado, em quem não aprende a lição do Altar / de memória de Jesus, que senta à nossa mesa abrir a mão e o coração, / para doar-se e nos dá o seu perdão, como fez com a mulher do Evangelho de hoje. Inclinemos nosno próprio dar. sos corações e alegremo-nos na firme certe6. “Abri, Senhor, estas minhas mãos, / za de que o seu amor nos recria totalmente. que, para tudo guardar, se fecham!” / Abri minh´alma, meu coração, / para (Alguém traz o pão consagrado e o coloca sobre o altar. Todos fazem uma breve inclinação.) doar-me no eterno dom!

19. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL Refrão meditativo: (22º Curso: 09.01)

(29º Curso: 04.05)

O pão de Deus é o pão da vida, / que do céu veio até nós. / Ó Senhor, nós vos pedimos, / dá-nos sempre deste pão. (bis)


11-domingo-do-tempo-comum_1725