Page 1

a graça de iniciar com prontidão e empeSenhor, nosso Deus, nesta celebração, ex- nho o caminho que tu nos propões nesta perimentamos o teu amor e o teu carinho Quaresma. Guia-nos em teus ensinamenpor nós. Pela força deste encontro, dá-nos tos. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

28. ORAÇÃO FINAL

O roteiro de “onde não houver missa” encontra-se no livro “Dia do Senhor”: de M. Guimarães e P. Carpanedo, Paulinas: Apostolado Litúrgico.

Arquidiocese de Goiânia

EIS O TEMPO DE CONVERSÃO Tempo Quaresmal e Campanha da Fraternidade Celebrar a Quaresma é reconhecer a presença de Deus na caminhada, no trabalho, na luta, no sofrimento e na dor da vida do povo! A Quaresma é tempo forte de conversão de mudança interior, de graça e salvação. Ele vai da Quarta-feira de Cinzas até a Missa da Ceia do Senhor, exclusive. Durante o tempo quaresmal deste ano, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) promove a Campanha da Fraternidade, cuja finalidade principal é vivenciar e assumir a dimensão comunitária e social da Quaresma. A Campanha da Fraternidade ilumina de modo particular os gestos fundamentais deste tempo litúrgico: a oração, o jejum e a esmola. Neste ano, o tema da Campanha é: “Fraternidade e Juventude”; e o lema: “Eis-me aqui. Envia-me” (cf. Isaías 6,8). Preparemo-nos, durante este tempo, para viver, de maneira intensa, livre e amorosa, o momento mais importante do ano litúrgico e da história da salvação: a Páscoa. Sugestões para as equipes de celebração: 1. Preparar o ambiente da celebração mantendo certa sobriedade: cor roxa para as vestes litúrgicas e a ornamentação da mesa da Palavra, sem flores; omite-se o canto do Glória e do Aleluia; os instrumentos musicais fazem apenas o acompanhamento dos cantos durante a celebração. O cartaz da CF/2013 com o lema poderá ser ampliado, emoldurado e colocado em lugar de destaque, junto à cruz. Evitar pregá-lo na estante da Palavra ou no altar. 2. Os(as) ministros(as) entram em procissão, trazendo a cruz, o evangeliário e algum símbolo ligado à Campanha da Fraternidade deste ano que possa permanecer bem visível durante toda a Quaresma. 3. As cinzas que sobram poderão, no final, ser distribuídas para

os doentes e pessoas que não puderam participar da celebração. 4. Notas para a Quarta-feira de Cinzas: • Dia de jejum e abstinência. • Na missa, depois do Evangelho e da homilia, se benzem e impõem as cinzas feitas de ramos de oliveiras ou outras árvo res, bentos no Domingo de Ramos do ano anterior. Omite-se o ato penitencial. • A bênção e imposição das cinzas também podem ser feitas sem missa; neste caso, oportunamente, precede uma Liturgia da Palavra, aproveitando o canto de Entrada, a Coleta e as lei turas da missa com seus cantos; depois da homilia, são bentas as cinzas e impostas, e o rito termina com a oração dos fiéis. 5. Hino da Campanha da Fraternidade 2013 (43º Curso: 08.12) 1. Sei que perguntas, juventude, de onde veio / teu belo jeito sempre novo e verdadeiro. / Eu fiz brotar em ti desde o materno seio / essa vontade de mudar o mundo inteiro. Estou aqui, meu Senhor, / sou jovem, sou teu povo! / Eu tenho fome de justiça e de amor, / quero ajudar a construir um mundo novo. Estou aqui, meu Senhor, / sou jovem, sou teu povo! / Para formar a rede da fraternidade, / e um novo céu, uma nova terra, a tua vontade. Eis-me aqui, envia-me, Senhor! (bis) 2. Levem a todos meu chamado à liberdade / onde a ganância gera irmãos escravizados. / Quero a mensagem que humaniza a sociedade / falada às claras, publicada nos telhados. 3. Para salvar a quem perdeu toda esperança / serei a força, plena luz a te guiar. / Por tua voz eu falarei, tem confiança, / não tenhas medo, novo Reino a chegar!

LEITURAS BÍBLICAS: 5ª-f.: Dt 30, 15-20; Lc 9, 22-25. 6ª-f.: Is 58,1-9a; Mt 9,14-15. Sábado: Is 58,9b-14; Lc 5,27-32. Domingo: lº Domingo da Quaresma – Dt 26,4-10; Rm 10,8-13; Lc 4,1-13.

CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

Quarta-Feira de Cinzas – Ano C 13 de fevereiro de 2013 – Ano XXX – Nº 1708

EIS O TEMPO DE CONVERSÃO no combate contra o espírito do mal. Por 6aFoi contra vós, só contra vós, que eu peA – Chegou o tempo da graça. Tempo de nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na quei, / e pratiquei o que é mau aos vossos olhos! preparação para a celebração da nossa unidade do Espírito Santo. 12 T – Amém. Criai em mim um coração que seja puro, / fé: a Páscoa do Senhor. De hoje até a dai-me de novo um espírito decidido. / 13Ó Quinta-feira Santa, vamos fazer um longo LITURGIA DA PALAVRA Senhor, não me afasteis de vossa face, / nem caminho de oração, jejum e caridade. Assim, o Senhor vai nos libertar de A – Escutemos a Palavra de Deus. Ela nos retireis de mim o vosso Santo Espírito! todo pecado e nos tornar instrumentos convoca para uma caminhada quaresmal 14Dai-me de novo a alegria de ser salvo / do seu amor. Unidos à Igreja no Brasil, em preparação para a Páscoa do Senhor. e confirmai-me com espírito generoso! / 17 Abri meus lábios, ó Senhor, para cantar, / vivamos a Campanha Fraternidade que e minha boca anunciará vosso louvor! nos convoca a trabalhar com vigor para 5. PRIMEIRA LEITURA que a juventude responda generosamente Leitura da Profecia de Joel (2,12-18) (Tempo de silêncio) ao chamado do Senhor. Iniciemos nossa 12“Agora, portanto, diz o Senhor, voltai celebração, cantando. para mim com todo o vosso coração, com 7. SEGUNDA LEITURA Leitura da Segunda Carta de São Paujejuns, lágrimas e gemidos; 13rasgai o 2. CANTO DE ABERTURA coração, e não as vestes; e voltai para o lo aos Coríntios (5,20 ‒ 6,2) – Irmãos, 20 (28º Curso: 09.04) somos, pois, embaixadores de Cristo, e Senhor, vosso Deus; ele é benigno e comé Deus mesmo que exorta através de nós. Eis o tempo de conversão, / eis o dia passivo, paciente e cheio de misericórdia, 14 Em nome de Cristo, nós vos suplicamos: da salvação. / Ao Pai voltemos, juntos inclinado a perdoar o castigo”. Quem deixai-vos reconciliar com Deus. andemos. / Eis o tempo de conversão! sabe, se ele se volta para vós e vos per21 Aquele que não cometeu nenhum pedoa, e deixa atrás de si a bênção, oblação 1. Os caminhos do Senhor são verdade, cado, Deus o fez pecado por nós, para que para o Senhor, vosso Deus? são amor. / Dirigi os passos meus; em e libação nós nos tornemos justiça de Deus. 15 Tocai a trombeta em Sião, prescrevei nele 6,1 vós espero, ó Senhor! / Ele guia ao bom Como colaboradores de Cristo, nós caminho quem errou e quer voltar. / Ele é o16 jejum sagrado, convocai a assembleia; vos exortamos a não receberdes em vão a congregai o povo, realizai cerimônias bom, fiel e justo; Ele busca e vem salvar. graça de Deus, 2pois ele diz: “No momende culto, reuni anciãos, ajuntai as crian2. Viverei com o Senhor. Ele é o meu ças e lactentes; deixe o esposo seu apo- to favorável, eu te ouvi e no dia da salvação, eu te socorri”. É agora o momento sustento. / Eu confio mesmo quando minha sento, e a esposa, seu leito. favorável, é agora o dia da salvação. dor não mais aguento. / Tem valor aos olhos 17 Chorem, postos entre o vestíbulo e o seus meu sofrer e meu morrer. / Libertai o altar, os ministros sagrados do Senhor, – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. vosso servo e fazei-o reviver! (Tempo de silêncio) e digam: “Perdoa, Senhor, a teu povo, e 3. A Palavra do Senhor é a luz do meu não deixes que esta tua herança sofra incaminho; / ela é vida, é alegria; vou guardá- fâmia e que as nações a dominem”. Por 8. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO la com carinho. / Sua Lei, seu Mandamento que se haveria de dizer entre os povos: (Salmos e Aclamações / ano A: 11.10 – vol. II) é viver a caridade. / Caminhemos todos “Onde está o Deus deles?” 18 juntos, construindo a unidade! Então o Senhor encheu-se de zelo por Louvor e glória a ti, Senhor, Cristo, Palavra de Deus. (bis) sua terra e perdoou ao seu povo. 3. ACOLHIDA – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. Oxalá ouvísseis hoje a sua voz: / Não feP – Em nome do Pai... cheis os corações como em Meriba! (Tempo de silêncio) T – Amém. P – O Senhor esteja convosco. P – O Deus da esperança, que nos cumula 6. SALMO 50 (51) de toda alegria e paz em nossa fé, pela (Salmos e Aclamações / ano A: 11.10 – vol. II) T – Ele está no meio de nós. P – Proclamação do Evangelho de Jesus ação do Espírito Santo, esteja convosco! Piedade, ó Senhor, tende piedade, pois Cristo segundo Mateus. T – Bendito seja Deus que nos reuniu pecamos contra vós. T – Glória a vós, Senhor. no amor de Cristo. 3 Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia! / (6,1-6.16-18) – Naquele tempo, disse 4. ORAÇÃO Na imensidão de vosso amor, purificai-me! / Jesus aos seus discípulos: 1“Ficai atentos 4 Lavai-me todo inteiro do pecado, / e apagai para não praticar a vossa justiça na frenP – Oremos. (Pausa para oração) te dos homens, só para serdes vistos por Concedei-nos, ó Deus todo-poderoso, ini- completamente a minha culpa! ciar com este dia de jejum o tempo da Qua- 5Eu reconheço toda a minha iniquidade, / o eles. Caso contrário, não recebereis a reresma, para que a penitência nos fortaleça meu pecado está sempre à minha frente. / compensa do vosso Pai que está nos céus.

1. MOTIVAÇÃO


Por isso, quando deres esmola, não toques a trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem elogiados pelos homens. Em verdade vos digo: eles já receberam a sua recompensa. 3Ao contrário, quando deres esmola, que a tua mão esquerda não saiba o que faz a tua mão direita, 4de modo que a tua esmola fique oculta. E o teu Pai, que vê o que está oculto, te dará a recompensa. 5 Quando orardes, não sejais como os hipócritas, que gostam de rezar em pé, nas sinagogas e nas esquinas das praças, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo: eles já receberam a sua recompensa. 6Ao contrário, quando tu orares, entra no teu quarto, fecha a porta, e reza ao teu Pai que está oculto. E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa. 16 Quando jejuardes, não fiqueis com o rosto triste como os hipócritas. Eles desfiguram o rosto, para que os homens vejam que estão jejuando. Em verdade vos digo: Eles já receberam a sua recompensa. 17Tu, porém, quando jejuares, perfuma a cabeça e lava o rosto, 18 para que os homens não vejam que tu estás jejuando, mas somente teu Pai, que está oculto. E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa”. – Palavra da Salvação. T – Glória a vós, Senhor. (Tempo de silêncio) 2

9. HOMILIA (Após homilia, pausa para reflexão.)

10. BÊNÇÃO DAS CINZAS P – Irmãs e irmãos, rezemos a Deus para que abençoe com a sua graça estas cinzas que vamos colocar em nossas cabeças, como sinal de conversão. (Pausa para oração) Ó Deus, que vos deixais comover pelos que se humilham e vos reconciliais com os que reparam suas faltas, ouvi como um pai as nossas súplicas. Derramai a graça da vossa bênção sobre os fiéis que vão receber estas cinzas, para que, prosseguindo na observância da Quaresma, possam celebrar de coração purificado o mistério pascal do vosso Filho. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

11. IMPOSIÇÃO DAS CINZAS P – Convertei-vos e crede no Evangelho. Canto: (36º Curso: 09.08) 1. Pecador, agora é tempo / de pesar e de temor: / serve a Deus, despreza o mundo, / já não sejas pecador! 2. Neste tempo sacrossanto / o pecado faz

horror: / contemplando a Cruz de Cristo, / já não sejas pecador! 3.Vais pecando, vais pecando / vais de horror em mais horror: / Filho, acorda dessa morte, / já não sejas pecador! 4. Passam meses, passam anos, / sem que busques teu Senhor: / como um dia após o outro, / assim morre o pecador! 5. Pecador arrependido, / pobrezinho pecador, / vem, abraça-te contrito / com teu Pai, teu criador! 6. Compaixão, misericórdia / vos pedimos, Redentor: / pela Virgem, Mãe das Dores, / perdoai-nos, Deus de amor!

12. ORAÇÃO COMUNITÁRIA P – Ao darmos início ao tempo santo da Quaresma, oremos para que todos se convertam e tomem parte na renovação pascal. 1. Conduzi, Senhor, a santa Igreja, para que viva plenamente sua vocação de orientar a todos no caminho da reconciliação. T – Convertei-nos e santificai-nos, Senhor. 2. Conduzi, Senhor, os nossos líderes e governantes, para que promovam políticas públicas de qualidade para garantir um futuro promissor para nossa juventude. 3. Renovai, Senhor, pela oração, pelo jejum e pela penitência a todos os cristãos no mundo. 4. Conduzi-nos, Senhor, na escuta corajosa da vossa palavra, para que ela nos abra à conversão que vence todo mal. (Conclusão pelo presidente)

LITURGIA EUCARÍSTICA (Onde não houver missa, segue a partir do n. 23 deste folheto.)

13. CANTO DE PREPARAÇÃO DAS OFERENDAS (41º Curso: 08.11)

1. Que poderei retribuir ao Senhor, / por tudo aquilo que ele me fez? Oferecerei / o seu sacrifício e invocarei / o seu santo nome. 2. Que poderei oferecer ao meu Deus / pelos imensos benefícios que me fez? 3. Eu cumprirei minha promessa ao Senhor, / na reunião do povo santo de Deus. 4. Vós me quebrastes os grilhões da escravidão, / e é por isso que hoje canto vosso amor.

14. ORAÇÃO P – Orai, irmãos e irmãs, para que o nosso sacrifício seja aceito por Deus, Pai todo-poderoso. T – Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício, para glória do seu nome, para

nosso bem e de toda a santa Igreja. P – Oferecendo-vos este sacrifício no começo da Quaresma, nós vos suplicamos, ó Deus, a graça de dominar nossos maus desejos pelas obras de penitência e caridade, para que, purificados de nossas faltas, celebremos com fervor a paixão do vosso Filho. Que vive e reina para sempre. T – Amém.

15. ORAÇÃO EUCARÍSTICA II (Prefácio da Quaresma, IV)

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Corações ao alto. T – O nosso coração está em Deus. P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. T – É nosso dever e nossa salvação. Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças, sempre em todo o lugar, Senhor, Pai santo, Deus eterno e todo-poderoso. Pela penitência da Quaresma, corrigis nossos vícios, elevais nossos sentimentos, fortificais nosso espírito fraterno e nos garantis uma eterna recompensa, por Cristo, Senhor nosso. Por ele, os anjos celebram vossa grandeza e os santos proclamam vossa glória. Concedei-nos também a nós associar-nos a seus louvores, cantando (dizendo) a uma só voz: T – Santo, Santo, Santo... Na verdade, ó Pai, vós sois santo e fonte de toda santidade. Santificai, pois, estas oferendas, derramando sobre elas o vosso Espírito, a fim de que se tornem para nós o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso. T – Santificai nossa oferenda, ó Senhor! Estando para ser entregue e abraçando livremente a paixão, ele tomou o pão, deu graças, e o partiu e deu a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e comei: isto é o meu Corpo, que será entregue por vós. Do mesmo modo, ao fim da ceia, ele tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente, e o deu a seus discípulos, dizendo: Tomai todos, e bebei: este é o cálice do meu Sangue, o Sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de Mim. Eis o mistério da fé! T – Anunciamos, Senhor, a vossa morte, e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus! Celebrando, pois, a memória da morte e ressurreição do vosso Filho, nós vos oferecemos, ó Pai, o pão da vida e o cálice da salvação; e vos agradecemos porque nos tornastes dignos de estar aqui na vossa presença e vos servir.

T – Recebei, ó Senhor, a nossa oferta! E nós vos suplicamos que, participando do Corpo e Sangue de Cristo, sejamos reunidos pelo Espírito Santo num só corpo. T – Fazei de nós um só corpo e um só espírito! Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja que se faz presente pelo mundo inteiro: que ela cresça na caridade, com o papa Bento, com o nosso bispo N. e todos os ministros do vosso povo. T – Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja! Lembrai-vos também dos nossos irmãos e irmãs que morreram na esperança da ressurreição e de todos os que partiram desta vida: acolhei-os junto a vós na luz da vossa face. T – Lembrai-vos, ó Pai, dos vossos filhos! Enfim, nós vos pedimos, tende piedade de todos nós e dai-nos participar da vida eterna, com a Virgem Maria, Mãe de Deus, com os santos Apóstolos e todos os que neste mundo vos serviram, a fim de vos louvarmos e glorificarmos por Jesus Cristo, vosso Filho. T – Concedei-nos o convívio dos eleitos! Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre. T – Amém!

6. Salvará a sua vida quem a perde, quem a doa. / Eu não deixo perecer nenhum daqueles que são meus. / Onde salvas teu irmão, tu me estás salvando nele. 7. Da ovelha desgarrada eu me fiz o Bom Pastor. / Reconduze, acolhe e guia a quem de mim se extraviou: / onde acolhes teu irmão, tu me acolhes, também nele.

18. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL Refrão meditativo: (41º Curso: 08.11) Se o grão de trigo não morrer, fica só. / Mas se morrer, produzirá fruto abundante. / Mas se morrer, produzirá fruto abundante.

19. ORAÇÃO P – Oremos. (Pausa para oração) Ó Deus, fazei que sejamos ajudados pelo sacramento que acabamos de receber, para que o jejum de hoje vos seja agradável e nos sirva de remédio. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

20. AVISOS DA COMUNIDADE RITOS FINAIS 21. BÊNÇÃO FINAL

(Alguém traz o pão consagrado e o coloca sobre o altar. Todos fazem uma breve inclinação.) (38º Curso: 03.10)

Vós sois o Caminho, a Verdade e a Vida, / o pão da alegria descido do céu.

25. ORAÇÃO DE AÇÃO DE GRAÇAS Quem preside, ocupando o lugar no altar, convida a assembleia para o louvor:) P – É um prazer para nós te louvar e te adorar, Deus de bondade. Tu nos dás a cada ano a graça de esperar com alegria a santa Páscoa. De coração purificado, entregues à oração e à prática do amor fraterno, preparamo-nos para celebrar os mistérios pascais, que nos deram vida nova e nos tornaram teus filhos e tuas filhas. T – Louvor e glória a ti, ó Deus, força de paz! P – Assim como alimentaste teu povo no deserto, sustenta também a nós que esperamos a santa Páscoa. Lembrando a Santa Ceia de Jesus, colocamos nesta mesa o pão consagrado, sacramento da sua entrega. Nós te louvamos fazendo memória da sua vida, e do seu amor até o fim, enquanto aguardamos a sua vinda. Derrama sobre nós o teu Espírito, e recebe o louvor de todo o universo e de todas as pessoas que te buscam. T – Louvor e glória a ti, ó Deus, força de paz! P – Senhor Jesus, lembra-te de nós em teu reino e, agora ensina-nos a rezar: T – Pai Nosso... pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Inclinai-vos para receber a bênção! 16. PAI-NOSSO (Estendendo a mão sobre o povo) – Ó P – Guiados pelo Espírito de Jesus e ilu- Deus, fazei que o vosso povo se volte para minados pela sabedoria do Evangelho, vós de todo o coração, pois se o protegeis ousamos dizer: mesmo quando erra, com mais amor o guardais quando vos serve. Por Cristo, T – Pai Nosso... nosso Senhor. 17. CANTO DA COMUNHÃO T – Amém. (28º Curso: 09.04) P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai “Eu vim para que todos tenham vida. / e Filho e Espírito Santo. 26. ABRAÇO DA PAZ Que todos tenham vida plenamente.” T – Amém. P – Irmãos e irmãs, por sua morte e ressur1. Reconstrói a tua vida em comunhão 22. DESPEDIDA reição, o Cristo nos reconciliou! Demo-nos com teu Senhor! / Reconstrói a tua vida em uns aos outros o abraço da paz! comunhão com teu irmão: / onde está o teu P – Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe. 27. RITO DA COMUNHÃO T – Graças a Deus. irmão, eu estou presente nele. (Após o Pai-nosso, quem preside convida 2. Eu passei fazendo o bem, Eu curei todos ONDE NÃO HOUVER MISSA a comunidade a partilhar o pão, dizendo:) os males. / Hoje és minha presença junto a todo sofredor: / onde sofre o teu irmão, eu P – Da mesma maneira como este pão 23. COLETA FRATERNA estou sofrendo nele. posto sobre esta mesa, foi primeiro se3. Entreguei a minha vida pela salvação (É o momento de trazer donativos ou meado sobre as colinas e múltiplo em oferta em dinheiro para as necessidades da de todos. / Reconstrói, protege a vida de comunidade, enquanto a assembleia canta suas espigas, e depois recolhido para tornar-se um, congrega assim teus amaindefesos e inocentes: / onde morre o teu o n. 13 deste folheto.) dos e amadas de todos os cantos da terra irmão, eu estou morrendo nele. no teu reino, por Cristo, nosso Senhor. 24. DA PALAVRA À REFEIÇÃO 4. Vim buscar e vim salvar o que estava já perdido. / Busca, salva e reconduze a quem (Quem preside convida a assembleia a se (Mostrando o pão consagrado:) P – Eu sou a luz do mundo; que me perdeu toda a esperança: / onde salvas teu aproximar do altar.) irmão, tu me estás salvando nele. P – Vamos dar graças a Deus e repartir en- segue não andará nas trevas, mas terá 5. Este pão, meu corpo e vida para a tre nós este pão consagrado, memória viva a luz da vida. Eis o Cordeiro de Deus, salvação do mundo. / É presença e alimento do corpo do Senhor, que nos dá força para aquele que tira o pecado do mundo. nesta santa comunhão: / onde está o teu permanecermos fiéis ao Pai e nos chama a T – Senhor, eu não sou digno(a)... (Comunhão: canto n. 17 deste folheto.) irmão, eu estou, também com ele. preparar, com intensidade, a sua páscoa.

quarta-feira-de-cinzas-n-1708