Page 1

acolhes na comunhão do teu amor e re- reição, o Cristo nos reconciliou. Demo-nos P – Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe. novas nossos corações com a alegria da uns aos outros o abraço da paz! ressurreição de Jesus. 28. RITO DA COMUNHÃO T – Graças a Deus. (27º Curso: 03.04) (Após o Pai-Nosso, quem preside convida ONDE NÃO HOUVER MISSA T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! a comunidade a partilhar o pão, dizendo:) P – Esta comunidade aqui reunida recorda a P – Assim disse Jesus: “Eu sou o pão da vida. 24. COLETA FRATERNA vitória sobre a morte, escutando a tua Pala- Quem vem a mim nunca mais terá fome e o (É o momento de trazer donativos ou oferta vra e repartindo o pão, na esperança de ver que crê em mim nunca mais terá sede”. em dinheiro para as necessidades da comu- o novo céu e a nova terra, onde não haverá nidade, enquanto a assembleia canta o n. fome, nem morte, nem dor, e onde vivere- (Mostrando o pão consagrado:) P – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que 14 deste folheto.) mos na plena comunhão do teu amor. 25. DA PALAVRA À REFEIÇÃO T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! tira o pecado do mundo! T – Senhor, eu não sou digno(a)... (Quem preside convida a assembleia a se P – Por este sinal do corpo do teu Filho, aproximar do altar.) expressamos nosso desejo de correspon- (Comunhão: cantos n. 18 A e B deste folheto.) P – Trazendo o pão consagrado, bendigamos der com mais fidelidade à missão que nos 29. ORAÇÃO FINAL ao nosso Deus por Jesus, que se faz presente deste e invocamos sobre nós o teu Espíri- Ó Deus de ternura, nesta celebração, tu nos no pão que nos chama à sua comunhão. Que to. Apressa o tempo da vinda do teu reino, alegraste com o anúncio do Evangelho e nos o seu Espírito transforme o nosso olhar e nos e recebe o louvor de todo o universo e de renovaste com a tua energia de vida. Assim todas as pessoas que te buscam. dê energia e criatividade na missão. sustentados, possamos viver esta nova se(Alguém traz o pão consagrado e o coloca so- T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! mana movidos por teu Espírito e consagrabre o altar. Todos fazem uma breve inclinação.) P – Toda a nossa louvação chegue a ti em dos ao serviço dos pobres, para continuar a nome de Jesus, por quem oramos com as missão de Jesus, teu Filho e nosso Senhor, 26. ORAÇÃO DE AÇÃO palavras que ele nos ensinou: bendito para sempre. T – Amém. DE GRAÇAS T – Pai Nosso... pois vosso é o reino, o (Quem preside, ocupando o lugar no altar, poder e a glória para sempre. O roteiro de “onde não houver missa” convida a assembleia para o louvor.) encontrase no livro “Dia do Senhor”: de P – Nós te damos graças, ó Deus da vida, 27. ABRAÇO DA PAZ M. Guimarães e P. Carpanedo, Paulinas: porque neste dia santo de domingo nos P – Irmãos e irmãs, por sua morte e ressur- Apostolado Litúrgico.

23. DESPEDIDA

O ESPÍRITO DO SENHOR REPOUSA SOBRE MIM

O mistério que celebramos hoje Neste domingo, celebramos a manifestação de Jesus na Sinagoga de Nazaré, por ocasião do culto semanal, iniciando sua pregação, sua primeira atividade pública, como cumprimento da promessa de Deus e como um programa de vida: a Boa-Nova levada aos pobres. Somos convidados(as) a proclamar, na força do Espírito Santo, a Boa-Nova em palavras e ações, criando condições para que o “Dia da Graça”, o tempo da partilha e da libertação seja hoje. Sugestões para as equipes de celebração: 1. Dar destaque especial a todo rito da Palavra, procurando procla-

mar bem os vários textos bíblicos e, se possível, fazer uma procissão com o evangeliário do altar à mesa da palavra. 2. Um breve silêncio após cada leitura, após a homilia e após o canto do salmo, ajuda a assembleia a interiorizar a Palavra de Deus, entregando-se à ação do Espírito Santo. 3. O Evangelho de hoje merece especial destaque e poderia ser cantado, valorizando bem a palavra lida por Jesus no livro de Isaías. 4. Cuidar para que os ritos finais levem a assembleia a ser enviada em missão, testemunhando no dia a dia o que acaba de celebrar: o tempo da partilha e da libertação dos pobres é sempre hoje.

LEITURAS BÍBLICAS: 2ª-f.: Hb 9,15.24-28; Mc 3,22-30. 3ª-f.: Hb 10,1-10; Mc 3,31-35. 4ª-f.: Hb 10,11-18; Mc 4,1-20. 5ª-f.: Hb

10,19-25; Mc 4,21-25. 6ª-f.: Hb 10,32-39; Mc 4,26-34. Sábado: Apresentação do Senhor, festa – Ml 3,1-4 ou Hb 2,14-18; Lc 2,22-40 ou abrev. 22-32. Domingo: 4º Domingo do Tempo Comum – Jr 1,4-5.17-19; lCor 12,31 – 13,13; Lc 4,21-30.

CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

Arquidiocese de Goiânia

3º Domingo do Tempo Comum – Ano C 27 de janeiro de 2013 – Ano XXX – Nº 1705

O ESPÍRITO DO SENHOR REPOUSA SOBRE MIM 1. MOTIVAÇÃO A – O Senhor nos reúne. Coloquemos nosso olhar fixo em Jesus e deixemos que o Espírito Santo nos mostre quem é Jesus e o que o Pai espera de nós. Iniciemos nossa celebração, cantando.

2. CANTO DE ABERTURA (40º Curso: 04.11)

O Espírito do Senhor repousa sobre mim. / O Espírito do Senhor me escolheu, me enviou. 1. Para dilatar o seu Reino entre as nações, / para anunciar a Boa-Nova a seus pobres, / para proclamar a alegria e a paz: / exulto de alegria em Deus meu Salvador. 2. Para dilatar o seu Reino entre as nações, / consolar os corações esmagados pela dor; / para proclamar sua graça e salvação / e acolher quem sofre e chora sem apoio, sem consolo. 3. Para dilatar o seu Reino entre as nações, / para anunciar libertação e salvação; / para anunciar seu amor e seu perdão, / e para celebrar sua glória entre os povos.

irmãos e irmãs, que rogueis por mim a Deus, nosso Senhor. P – Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. T – Amém. P – Senhor, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós. P – Cristo, tende piedade de nós. T – Cristo, tende piedade de nós. P – Senhor, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós.

5. HINO DE LOUVOR (40º Curso: 04.11)

Glória, glória, glória a Deus nos altos céus! / Paz na terra aos homens, bem amados filhos seus! 1. Deus e Pai, nós vos louvamos, / adoramos, bendizemos; / damos glória ao vosso nome, / vossos dons agradecemos! 2. Senhor nosso, Jesus Cristo, / Unigênito do Pai, / vós, de Deus Cordeiro Santo, / nossas culpas perdoai! 3. Vós, que estais junto do Pai, / como nosso intercessor, / acolhei nossos pedidos, / aten3. ACOLHIDA dei nosso clamor! P – Em nome do Pai... 4. Vós somente sois o Santo, / o Altíssimo, T – Amém. o Senhor, / com o Espírito Divino, / de Deus P – A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, Pai no esplendor. o amor do Pai e a comunhão do Espírito 6. ORAÇÃO Santo estejam convosco. T – Bendito seja Deus que nos reuniu P – Oremos. (Pausa para oração) no amor de Cristo. Deus eterno e todo-poderoso, dirigi a nossa vida segundo o vosso amor, para que 4. ATO PENITENCIAL possamos, em nome do vosso Filho, fruP – No dia em que celebramos a vitória de tificar em boas obras. Por nosso Senhor Cristo sobre o pecado e a morte, também Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do nós somos convidados a morrer ao pecado Espírito Santo. e ressurgir para uma vida nova. ReconheçaT – Amém. mo-nos necessitados da misericórdia do Pai. (Pausa) LITURGIA DA PALAVRA Confiantes, confessemos nossos pecados: A – Coloquemos toda nossa atenção no SeT – Confesso a Deus todo-poderoso e a nhor e escutemos sua Palavra. vós, irmãos e irmãs, que pequei muitas vezes por pensamentos e palavras, atos e 7. PRIMEIRA LEITURA omissões, (e, batendo no peito,) por minha Leitura do Livro de Neemias (8,2-4a.5culpa, minha tão grande culpa. E peço à 6.8-10) – Naqueles dias, 2o sacerdote EsVirgem Maria, aos anjos e santos e a vós, dras apresentou a Lei diante da assem-

bleia de homens, de mulheres e de todos os que eram capazes de compreender. Era o primeiro dia do sétimo mês. 3 Assim, na praça que fica defronte da porta das Águas, Esdras fez a leitura do livro, desde o amanhecer até ao meio-dia, na presença dos homens, das mulheres e de todos os que eram capazes de compreender. E todo o povo escutava com atenção a leitura do livro da Lei. 4 Esdras, o escriba, estava de pé sobre um estrado de madeira, erguido para esse fim. 5Estando num lugar mais alto, ele abriu o livro à vista de todo o povo. E, quando o abriu, todo o povo ficou de pé. 6 Esdras bendisse o Senhor, o grande Deus, e todo o povo respondeu, levantando as mãos: “Amém! Amém!” Depois inclinaram-se e prostraram-se diante do Senhor, com o rosto em terra. 8E leram clara e distintamente o livro da Lei de Deus e explicaram seu sentido, de maneira que se pudesse compreender a leitura. 9 O governador Neemias e Esdras, sacerdote e escriba, e os levitas que instruíam o povo, disseram a todos: “Este é um dia consagrado ao Senhor, vosso Deus! Não fiqueis tristes nem choreis”, pois todo o povo chorava ao ouvir as palavras da Lei. 10 E Neemias disse-lhes: “Ide para vossas casas e comei carnes gordas, tomai bebidas doces e reparti com aqueles que nada prepararam, pois este dia é santo para o nosso Senhor. Não fiqueis tristes, porque a alegria do Senhor será a vossa força”. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

8. SALMO 18B (19) (Salmos e Aclamações / ano C: 11.12 – vol. II)

Vossas palavras, Senhor, são espírito e vida! 8 A lei do Senhor Deus é perfeita, / conforto para a alma! / O testemunho do Senhor é fiel, / sabedoria dos humildes. 9 Os preceitos do Senhor são precisos, / alegria ao coração. / O mandamento do Senhor é brilhante, / para os olhos é uma luz.


É puro o temor do Senhor, / imutável para sempre. / Os julgamentos do Senhor são corretos / e justos igualmente. 15 Que vos agrade o cantar dos meus lábios / e a voz da minha alma; / que ela chegue até vós, ó Senhor, / meu Rochedo e Redentor! (Tempo de silêncio) 10

9. SEGUNDA LEITURA Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios (12,12-30) – Irmãos: 12 Como o corpo é um, embora tenha muitos membros, e como todos os membros do corpo, embora sejam muitos, formam um só corpo, assim também acontece com Cristo. 13De fato, todos nós, judeus ou gregos, escravos ou livres, fomos batizados num único Espírito, para formarmos um único corpo, e todos nós bebemos de um único Espírito. 14 Com efeito, o corpo não é feito de um membro apenas, mas de muitos membros. 15Se o pé disser: “Eu não sou mão, portanto não pertenço ao corpo”, nem por isso deixa de pertencer ao corpo. 16E se o ouvido disser: “Eu não sou olho, portanto não pertenço ao corpo”, nem por isso deixa de pertencer ao corpo. 17Se o corpo todo fosse olho, onde estaria o ouvido? Se o corpo todo fosse ouvido, onde estaria o olfato? 18 De fato, Deus dispôs os membros e cada um deles no corpo, como quis. 19Se houvesse apenas um membro, onde estaria o corpo? 20Há muitos membros, e, no entanto, um só corpo. 21O olho não pode, pois, dizer à mão: “Não preciso de ti”. Nem a cabeça pode dizer aos pés: “Não preciso de vós”. 22 Antes pelo contrário, os membros do corpo que parecem ser mais fracos são muito mais necessários do que se pensa. 23 Também os membros que consideramos menos honrosos, a estes nós cercamos com mais honra, e os que temos por menos decentes, nós os tratamos com mais decência. 24Os que nós consideramos decentes não precisam de cuidado especial. Mas Deus, quando formou o corpo, deu maior atenção e cuidado ao que nele é tido como menos honroso, 25para que não haja divisão no corpo e, assim, os membros zelem igualmente uns pelos outros. 26 Se um membro sofre, todos os membros sofrem com ele; se é honrado, todos os membros se regozijam com ele. 27 Vós, todos juntos, sois o corpo de Cristo e, individualmente, sois membros desse corpo. 28E, na Igreja, Deus colocou, em primeiro lugar, os apóstolos; em segundo lugar, os profetas; em terceiro lugar, os que têm o dom e a missão de ensinar; depois, outras pessoas com dons diversos, a saber: dom de milagres, dom de curas,

dom para obras de misericórdia, dom de governo e direção, dom de línguas. 29 Acaso todos são apóstolos? Todos são profetas? Todos ensinam? Todos realizam milagres? 30Todos têm o dom das curas? Todos falam em línguas? Todos as interpretam? – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

10. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO (Salmos e Aclamações / ano C: 11.12 – vol. II)

Aleluia, aleluia, aleluia! (bis) Foi o Senhor quem me mandou Boas Notícias anunciar; / ao pobre, a quem está no cativeiro, libertação eu vou proclamar. P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas. T – Glória a vós, Senhor. (1,1-4;4,14-21) – 1Muitas pessoas já tentaram escrever a história dos acontecimentos que se realizaram entre nós, 2como nos foram transmitidos por aqueles que, desde o princípio, foram testemunhas oculares e ministros da palavra. 3 Assim sendo, após fazer um estudo cuidadoso de tudo o que aconteceu desde o princípio, também eu decidi escrever de modo ordenado para ti, excelentíssimo Teófilo. 4Deste modo, poderás verificar a solidez dos ensinamentos que recebeste. Naquele tempo, 4,14Jesus voltou para a Galileia, com a força do Espírito, e sua fama espalhou-se por toda a redondeza. 15 Ele ensinava nas suas sinagogas e todos o elogiavam. 16E veio à cidade de Nazaré, onde se tinha criado. Conforme seu costume, entrou na sinagoga no sábado, e levantou-se para fazer a leitura. 17Deram-lhe o livro do profeta Isaías. Abrindo o livro, Jesus achou a passagem em que está escrito: 18“O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção para anunciar a Boa-nova as pobres; enviou-me para proclamar a libertação aos cativos e aos cegos a recuperação da vista; para libertar os oprimidos 19e para proclamar um ano da graça do Senhor”. 20 Depois fechou o livro, entregou-o ao ajudante, e sentou-se. Todos os que estavam na sinagoga tinham os olhos fixos nele. 21Então começou a dizer-lhes: “Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir”. – Palavra da Salvação. T – Glória a vós, Senhor. (Tempo de silêncio)

11. HOMILIA (Após a homilia, pausa para reflexão.)

12. PROFISSÃO DE FÉ P – Cheios de confiança, professemos a nossa fé. T – Creio em Deus Pai...

13. ORAÇÃO COMUNITÁRIA P – Apresentemos, confiantes, nossas orações e súplicas ao Senhor. T – Repouse vosso Espírito, Senhor. 1. Sobre o Papa, os bispos e a Igreja. 2. Sobre os chefes das nações. 3. Sobre as vítimas das tragédias e calamidades. 4. Sobre os pobres, cativos e oprimidos. 5. Sobre as pessoas com deficiências. 6. Sobre a Vila São Cottolengo e o Instituto dos Cegos. 7. Sobre todas as obras e projetos de ajuda humanitária. (Intenções da comunidade) ( Conclusão pelo dirigente )

LITURGIA EUCARÍSTICA (Onde não houver missa, segue a partir do nº 24 deste folheto.)

14. CANTO DE PREPARAÇÃO DAS OFERENDAS (39º Curso: 08.10)

l. Por tua presença no meio de nós, / Senhor, sejas sempre bendito! / Na tua palavra, consolo e paz, / Senhor, sejas sempre bendito! Bendito, bendito sejas / pelo vinho e pelo pão! / Bendito pela Palavra / e pelo nosso irmão. 2. Por tua presença no meio de nós, / Senhor, sejas sempre bendito! / Nos irmãos da estrada em quem Tu estás, / Senhor, sejas sempre bendito! 3. Por tua presença no meio de nós, / Senhor, sejas sempre bendito! / Nos dons pelos quais alimento serás, / Senhor, sejas sempre bendito! 4. Por tua presença no meio de nós, / Senhor, sejas sempre bendito! / Na grande alegria de te descobrir, / Senhor, sejas sempre bendito!

15. ORAÇÃO P – Orai, irmãos e irmãs, para que o nosso sacrifício seja aceito por Deus Pai todopoderoso. T – Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício, para glória do seu nome, para nosso bem e de toda a santa Igreja. P – Ó Deus, acolhei com bondade as oferendas que vos apresentamos para que sejam

santificadas e nos tragam a salvação. Por T – O Espírito nos una num só corpo. Cristo, nosso Senhor. Protegei vossa Igreja que caminha nas estraT – Amém. das do mundo rumo ao céu, cada dia renoa esperança de chegar junto a vós, na 16. ORAÇÃO EUCARÍSTICA V vando vossa paz. (Prefácio próprio) T – Caminhamos na estrada de Jesus. P – O Senhor esteja convosco. Dai ao Santo Padre, o Papa Bento, ser bem T – Ele está no meio de nós. firme na Fé, na Caridade, e a N., que é BisP – Corações ao alto. po desta Igreja, muita luz para guiar o seu T – O nosso coração está em Deus. rebanho. P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. T – Caminhamos na estrada de Jesus. T – É nosso dever e nossa salvação. Esperamos entrar na vida eterna com a VirÉ justo e nos faz todos ser mais santos lou- gem, Mãe de Deus e da Igreja, os apóstolos var a vós, ó Pai, no mundo inteiro, de dia e todos os santos que na vida souberam amar e de noite, agradecendo com Cristo, vosso Cristo e seus irmãos. Filho, nosso irmão. É ele o sacerdote verdadeiro que sempre se T – Esperamos entrar na vida eterna. oferece por nós todos, mandando que se faça A todos que chamastes para outra vida na a mesma coisa que fez naquela ceia derradeira. vossa amizade, e aos marcados com o sinal Por isso, aqui estamos bem unidos, louvan- da fé, abrindo vossos braços, acolhei-os. do e agradecendo com alegria, juntando nos- Que vivam para sempre bem felizes no reino sa voz à voz dos anjos e à voz dos santos que para todos preparastes. todos, para cantar (dizer): T – A todos dai a luz que não se apaga. T – Santo, Santo, Santo... E a nós, que agora estamos reunidos e soSenhor, vós que sempre quisestes ficar mui- mos povo santo e pecador, dai força para to perto de nós, vivendo conosco no Cristo, construirmos juntos o vosso reino que tamfalando conosco por ele, mandai vosso Es- bém é nosso. pírito Santo a fim de que as nossas ofertas Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, se mudem no Corpo e no Sangue de nosso Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Senhor Jesus Cristo. Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre. T – Mandai vosso Espírito Santo! Na noite em que ia ser entregue, ceando com T – Amém! seus apóstolos, Jesus, tendo o pão em suas 17. PAI-NOSSO mãos, olhou para o céu e deu graças, partiu o pão e o entregou a seus discípulos, dizendo: P – Guiados pelo Espírito de Jesus e iluTomai, todos, e comei: Isto é o meu Corpo, minados pela sabedoria do Evangelho, ousamos dizer: que será entregue por vós. Do mesmo modo, no fim da ceia, tomou o T – Pai Nosso... cálice em suas mãos, deu graças novamente 18 A. CANTO DA COMUNHÃO e o entregou a seus discípulos, dizendo: To- (27º Curso: 03.04) mai, todos, e bebei: Este é o cálice do meu Sangue, o Sangue da nova e eterna alian- O Senhor me chamou / e me ungiu, me ça, que será derramado por vós e por todos, enviou: / Levarás a Boa Nova! / Vossos para remissão dos pecados. Fazei isto em pés vou lavar, / vou ser pão e levar-vos a cruz como prova. memória de Mim. 1. Vim da parte de Deus anunciar-vos / Tudo isto é Mistério da fé! novo tempo mais pleno de vida: / vim T – Toda vez que se come deste Pão, toda curar, reerguer, renovar, / libertar toda gente vez que se bebe deste Vinho, se recorda a oprimida. paixão de Jesus Cristo e se fica esperando 2. Dentre vós que não haja senhores: / que o sua volta. maior lave os pés dos irmãos, / que o mais Recordamos, ó Pai, neste momento, a pai- sábio se instrua com os simples / e que todos xão de Jesus, nosso Senhor, sua ressurreição se deem sempre as mãos. e ascensão; nós queremos a vós oferecer este 3. Não vos chamo de servos, amigos: / Pão que alimenta e que dá vida, este Vinho confiei-vos o amor de meu Pai! / Cultivai que nos salva e dá coragem. a semente, dai frutos, / toda a face da terra mudai. T – Recebei, ó Senhor, a nossa oferta! E quando recebermos Pão e Vinho, o Corpo 4. Sede fortes, brilhai como luz, / frente ao e Sangue dele oferecidos, o Espírito nos una ódio mantende o vigor, / perdoai, persisti, num só corpo, para sermos um só povo em sem ceder, / demonstrai o que tenho a propor. 5. Não vos peço impossíveis façanhas / seu amor.

nem conquistas, nem feitos dos reis. / Simplesmente façais como eu fiz: / sem cessar, como amei, vos ameis. 6. Não temais trono algum deste mundo, / na verdade vivei, sem cessar: / sede assim testemunhas do Reino / que meu Pai quis na terra plantar.

18 B. CANTO DA COMUNHÃO (31º Curso: 04.06)

1. Quando o Espírito de Deus soprou, / o mundo inteiro se iluminou. / A esperança na terra brotou / e um povo novo deu-se as mãos e caminhou! Lutar e crer, vencer a dor! / Louvar ao Criador! / Justiça e paz hão de reinar! / E viva o amor! 2. Quando Jesus a terra visitou,/a Boa Nova da justiça anunciou: / O cego viu, o surdo escutou / e os oprimidos das correntes libertou. 3. Nosso poder está na união. / O mundo novo vem de Deus e dos irmãos, / Vamos lutando contra a divisão / e preparando a festa da libertação. 4. Cidade e campo se transformarão, / jovens unidos na esperança gritarão. / A força nova é o poder do amor, / nossa fraqueza é força em Deus libertador!

19. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL Refrão meditativo: (25º Curso:03.03) Tu és fonte de vida, / tu és fogo, tu és amor. / Vem, Espírito Santo. / Vem, Espírito Santo.

20. ORAÇÃO P – Oremos. (Pausa para oração) Concedei-nos, Deus todo-poderoso, que, tendo recebido a graça de uma nova vida, sempre nos gloriemos dos vossos dons. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

21. AVISOS DA COMUNIDADE RITOS FINAIS 22. BÊNÇÃO FINAL P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Que Deus todo-poderoso vos livre sempre de toda adversidade e derrame sobre vós as suas bênçãos. T – Amém. P – Torne os vossos corações atentos à sua palavra, a fim de que transbordeis de alegria divina. T – Amém. P – Assim, abraçando o bem e a justiça, possais correr sempre pelo caminho dos mandamentos divinos e tornar-vos co-herdeiros dos santos. T – Amém. P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo. T – Amém.

terceiro_domingo_do_tempo_comum_n_1705