Page 1

conserva nossos corações na alegria da Ó Deus amado de nossas vidas, nesta ce- comunhão contigo e faze-nos instrumenlebração, tu nos fizeste participar da festa tos da tua paz. Por Cristo, nosso Senhor. de tua aliança. Nesta semana que começa, Amém.

29. ORAÇÃO FINAL

O roteiro de “onde não houver missa” encontra-se no livro “Dia do Senhor”: de M. Guimarães e P. Carpanedo, Paulinas: Apostolado Litúrgico.

Arquidiocese de Goiânia

CELEBREMOS AS NÚPCIAS DO CORDEIRO

O mistério que celebramos hoje Bodas de Caná, lembrada no tempo comum, é uma Epifania, manifestação de Jesus, como nosso Salvador, realizando o primeiro sinal de sua ação libertadora entre nós. Através da vida e da atividade de Jesus, Deus veio ao nosso encontro, para nos tirar da dificuldade, do sofrimento e nos devolver a alegria da vida. O mudança da água em vinho, no casamento de Caná, é um sinal, um prenúncio de tudo o que Jesus realizará em sua vida. Ele é o encarregado do Pai para salvar e alegrar a humanidade. Assim os discípulos puderam acreditar nele e aceitaram continuar a sua ação salvadora. Hoje, somos convidados, como comunidade cristã, a acolher a pessoa de Jesus e continuar a gerar vida e alegria, servindo e doando-nos, gratuitamente, aos que mais necessitam.

Sugestões para as equipes de celebração: l. Cuidar que o espaço celebrativo seja acolhedor e, neste dia, expresse mais claramente o caráter festivo do domingo, como páscoa semanal. A cor litúrgica é o verde. 2. Onde for possível, colocar junto à mesa da Palavra uma ou mais talhas de barro. 3. Valorizar o encontro de irmãos, a acolhida das pessoas e a alegria que deverão perpassar toda a celebração. 4. Nas celebrações da Palavra, destacar as várias tarefas e serviços assumidos na comunidade, valorizando os dons de cada pessoa ou grupo. Quem preside poderia convocar as pessoas com suas respectivas tarefas na comunidade, convidando-as a renovar seu compromisso a serviço de uma vida mais feliz para todos. 5. Na preparação das oferendas, trazer além do pão, “vinho abundante” para garantir a comunhão nas duas espécies.

LEITURAS BÍBLICAS: 2ª-f.: Hb 5,1-10; Mc 2,18-22. 3ª-f.: Hb 6,10-20; Mc 2,23-28. 4ª-f.: Hb 7,1-3.15-17; Mc 3,1-6. 5ª-f.: Hb 7,25

‒ 8,6; Mc 3,7-12. 6ª-f.: At 22,3-16; Mc 16,15-18. Sábado: 2Tm 1,18 ou Tt 1,1-5; Lc 10,1-9. Domingo: 3º Domingo do Tempo Comum – Ne 8,2-4a.5-6.8-10; 1Cor 12,12-30; Lc 1,1-4; 4,14-21.

CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

2º Domingo do Tempo Comum – Ano C 20 de janeiro de 2013 – Ano XXX – Nº 1704

CELEBREMOS AS NÚPCIAS DO CORDEIRO T – Senhor, tende piedade de nós. A – Aqui estamos com Jesus: tudo começa P – Deus todo-poderoso tenha compaicom uma festa de núpcias e tudo termina xão de nós, perdoe os nossos pecados e nas núpcias eternas. Acolhamos sua pre- nos conduza à vida eterna. T – Amém. sença e seu amor e iniciemos cantando.

1. MOTIVAÇÃO

2. CANTO DE ABERTURA (40º Curso: 04.11)

5. HINO DE LOUVOR (40º Curso: 04.11)

Glória, glória, glória a Deus nos altos céus! / Paz na terra aos homens, bem amados filhos seus! 1. Deus e Pai, nós vos louvamos, / adoramos, bendizemos; / damos glória ao vosso nome, / vossos dons agradecemos! 2. Senhor nosso, Jesus Cristo, / Unigênito do Pai, / vós, de Deus Cordeiro Santo, / nossas culpas perdoai! 3. Vós, que estais junto do Pai, / como nosso intercessor, / acolhei nossos pedidos, / atendei nosso clamor! 4. Vós somente sois o Santo, / o Altíssimo, o Senhor, / com o Espírito Divino, / de Deus Pai no esplendor.

O Espírito do Senhor repousa sobre mim. / O Espírito do Senhor me escolheu, me enviou. 1. Para dilatar o seu Reino entre as nações, / para anunciar a Boa-Nova a seus pobres, / para proclamar a alegria e a paz: / exulto de alegria em Deus meu Salvador. 2. Para dilatar o seu Reino entre as nações, / consolar os corações esmagados pela dor; / para proclamar sua graça e salvação / e acolher quem sofre e chora sem apoio, sem consolo. 3. Para dilatar o seu Reino entre as nações, / para anunciar libertação e salvação; / para anunciar seu amor e seu perdão, / e para 6. ORAÇÃO celebrar sua glória entre os povos. P – Oremos. (Pausa para oração) 3. ACOLHIDA Deus eterno e todo-poderoso, que governais o céu e a terra, escutai com bondade P – Em nome do Pai... as preces do vosso povo e dai ao nosso T – Amém. tempo a vossa paz. Por nosso Senhor P – A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do o amor do Pai e a comunhão do Espírito Espírito Santo. Santo estejam convosco. T – Bendito seja Deus que nos reuniu T – Amém. no amor de Cristo.

4. ATO PENITENCIAL

LITURGIA DA PALAVRA

A – A palavra de Deus anuncia a renoP – No início desta celebração eucarísvação da sua aliança com o seu povo. tica, peçamos a conversão do coração, Escutemos! fonte de reconciliação e comunhão com 7. PRIMEIRA LEITURA Deus e com os irmãos e irmãs. Leitura do Livro do Profeta Isaías (Pausa) (62,1-5) – 1Por amor de Sião não me P – Senhor, que sois a plenitude da verdacalarei, por amor de Jerusalém não de e da graça, tende piedade de nós. descansarei, enquanto não surgir nela, T – Senhor, tende piedade de nós. como um luzeiro, a justiça e não se acenP – Cristo, que vos tornastes pobre para der nela, como uma tocha, a salvação. 2 nos enriquecer, tende piedade de nós. As nações verão a tua justiça, todos T – Cristo, tende piedade de nós. os reis verão a tua glória; serás chamaP – Senhor, que viestes para fazer de nós da com um nome novo, que a boca do vosso povo santo, tende piedade de nós. Senhor há de designar. 3E serás uma

coroa de glória na mão do Senhor, um diadema real nas mãos de teu Deus. 4 Não mais te chamarão Abandonada, e tua terra não mais será chamada Deserta; teu nome será Minha Predileta e tua terra será a Bem-Casada, pois o Senhor agradou-se de ti e tua terra será desposada. 5 Assim como o jovem desposa a donzela, assim teus filhos te desposam; e como a noiva é a alegria do noivo, assim também tu és a alegria de teu Deus. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

8. SALMO 95 (96) (Salmos e Aclamações Ano C: 11. 12 - vol. II)

Cantai ao Senhor Deus um canto novo, / manifestai os seus prodígios entre os povos! 1 Cantai ao Senhor Deus um canto novo, / 2a cantai ao Senhor Deus, ó terra inteira! / Cantai e bendizei seu santo nome! / Cantai e bendizei seu santo nome! b Dia após dia anunciai sua salvação, / 3manifestai a sua glória entre as nações, / e entre os povos do universo, seus prodígios! / E entre os povos do universo, seus prodígios! 7 Ó família das nações, dai ao Senhor, / ó nações, dai ao Senhor poder e glória. / 8Dailhe a glória que é devida ao seu nome! / Oferecei um sacrifício nos seus átrios. 9 Adorai-o no esplendor da santidade, / terra inteira, estremecei diante dele! / 10Publicai entre as nações: “Reina o Senhor!”/ pois os povos ele julga com justiça. (Tempo de silêncio)

9. SEGUNDA LEITURA Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios (12,4-11) – Irmãos: 4Há diversidade de dons, mas um mesmo é o Espírito. 5Há diversidade de ministérios, mas um mesmo é o Senhor. 6Há diferentes atividades, mas um mesmo Deus que realiza todas as coisas em todos. 7A cada um é dada a manifestação do Espírito em vista do bem comum. 8 A um é dada pelo Espírito a palavra da sabedoria. A outro, a palavra da ciência segundo o mesmo Espírito. 9A outro, a fé no mesmo Espírito. A outro, o dom


de curas no mesmo Espírito. 10A outro, o poder de fazer milagres. A outro, profecia. A outro, discernimento de espíritos. A outro, falar línguas estranhas. A outro, interpretação de línguas. 11 Todas estas coisas as realiza um e o mesmo Espírito, que distribui a cada um conforme quer. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio)

10. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO (Salmos e Aclamações Ano C: 11. 12 - vol. II)

Aleluia, aleluia, aleluia! (bis) O Senhor Deus nos chamou, por meio do Evangelho, / a fim de alcançarmos a glória de Cristo. P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João. T – Glória a vós, Senhor. (2,1-11) Naquele tempo, 1houve um casamento em Caná da Galileia. A mãe de Jesus estava presente. 2Também Jesus e seus discípulos tinham sido convidados para o casamento. 3 Como o vinho veio a faltar, a mãe de Jesus lhe disse: “Eles não têm mais vinho”. 4 Jesus respondeu-lhe: “Mulher, por que dizes isto a mim? Minha hora ainda não chegou”. 5Sua mãe disse aos que estavam servindo: “Fazei o que ele vos disser”. 6 Estavam seis talhas de pedra colocadas aí para a purificação que os judeus costumam fazer. Em cada uma delas cabiam mais ou menos cem litros. 7 Jesus disse aos que estavam servindo: “Enchei as talhas de água”. Encheram-nas até a boca. 8Jesus disse: “Agora tirai e levai ao mestre-sala”. E eles levaram. 9 O mestre-sala experimentou a água, que se tinha transformado em vinho. Ele não sabia de onde vinha, mas os que estavam servindo sabiam, pois eram eles que tinham tirado a água. 10 O mestre-sala chamou então o noivo e lhe disse: “Todo mundo serve primeiro o vinho melhor e, quando os convidados já estão embriagados, serve o vinho menos bom. Mas tu guardaste o vinho melhor até agora!” 11 Este foi o início dos sinais de Jesus. Ele o realizou em Caná da Galileia e manifestou a sua glória, e seus discípulos creram nele. – Palavra da Salvação. T – Glória a vós, Senhor. (Tempo de silêncio)

P – Concedei-nos, ó Deus, a graça de participar constantemente da Eucaristia, (Após homilia, pausa para reflexão.) pois todas as vezes que celebramos este 12. PROFISSÃO DE FÉ sacrifício, torna-se presente a nossa reP – Cheios de confiança, professemos a denção. Por Cristo, nosso Senhor. nossa fé. T – Amém. T – Creio em Deus Pai...

11. HOMILIA

13. ORAÇÃO COMUNITÁRIA P – Apresentemos ao Senhor nossas talhas vazias, pedindo que Ele encha nossas vidas com o seu amor. 1. O Papa, os bispos e toda Igreja em fonte permanente de amor, perdão e graça... T – transformai, Senhor! 2. Os nossos governantes em fonte de justiça social para todos... 3. As nossas casas, nossas famílias e a vida de todos os casais em fonte de amor... 4. A vida de todos os jovens que sentem o chamado vocacional em fonte de serviço... 5. A todos nós, em nossa vida pessoal e comunitária, em fonte de oração e serviço humilde... (Intenções da comunidade) (Conclusão pelo presidente)

LITURGIA EUCARÍSTICA (Onde não houver missa, segue a partir do n. 24 deste folheto.)

14. CANTO DE PREPARAÇÃO DAS OFERENDAS (39º Curso: 08.10)

1. Por tua presença no meio de nós, / Senhor, sejas sempre bendito! / Na tua palavra, consolo e paz, / Senhor, sejas sempre bendito! Bendito, bendito sejas / pelo vinho e pelo pão! / Bendito pela Palavra / e pelo nosso irmão. 2. Por tua presença no meio de nós, / Senhor, sejas sempre bendito! / Nos irmãos da estrada em quem Tu estás, / Senhor, sejas sempre bendito! 3. Por tua presença no meio de nós, / Senhor, sejas sempre bendito! / Nos dons pelos quais alimento serás, / Senhor, sejas sempre bendito! 4. Por tua presença no meio de nós, / Senhor, sejas sempre bendito! / Na grande alegria de te descobrir, / Senhor, sejas sempre bendito!

15. ORAÇÃO P – Orai, irmãos e irmãs, para que o nosso sacrifício seja aceito por Deus Pai todo-poderoso. T – Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício, para glória do seu nome, para nosso bem e de toda a santa Igreja.

16. ORAÇÃO EUCARÍSTICA VI-A (Prefácio próprio)

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Corações ao alto. T – O nosso coração está em Deus. P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. T – É nosso dever e nossa salvação. Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças e cantar-vos um hino de glória e louvor, Senhor, Pai de infinita bondade. Pela palavra do Evangelho do vosso Filho reunistes uma só Igreja de todos os povos, línguas e nações. Vivificada pela força do vosso Espírito não deixais, por meio dela, de congregar na unidade todos os seres humanos. Assim, manifestando a aliança do vosso amor, a Igreja transmite constantemente a alegre esperança do vosso reino e brilha como sinal da vossa fidelidade que prometestes para sempre em Jesus Cristo, Senhor nosso. Por essa razão, com todas as virtudes do céu, nós vos celebramos na terra, cantando (dizendo) com toda a Igreja a uma só voz: T – Santo, Santo, Santo... Na verdade, vós sois santo e digno de louvor, ó Deus, que amais os seres humanos e sempre os assistis no caminho da vida. Na verdade, é bendito o vosso Filho, presente no meio de nós, quando nos reunimos por seu amor. Como outrora aos discípulos, ele nos revela as Escrituras e parte o pão para nós. T – O vosso Filho permaneça entre nós! Nós vos suplicamos, Pai de bondade, que envieis o vosso Espírito Santo para santificar estes dons do pão e do vinho, a fim de que se tornem para nós o Corpo e o Sangue de nosso Senhor Jesus Cristo. T – Mandai o vosso Espírito Santo! Na véspera de sua paixão, durante a última Ceia, ele tomou o pão, deu graças e o partiu e deu a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e comei: Isto é o meu Corpo, que será entregue por vós. Do mesmo modo, ao fim da ceia, ele, tomando o cálice em suas mãos, deu graças novamente e o entregou a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e bebei: Este é o cálice do meu Sangue, o Sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos para remissão dos pecados.

Fazei isto em memória de Mim. Eis o mistério da fé! T – Salvador do mundo, salvai-nos, vós que nos libertastes pela cruz e ressurreição. Celebrando, pois, ó Pai santo, a memória de Cristo, vosso Filho, nosso Salvador, que pela paixão e morte de cruz fizestes entrar na glória da ressurreição e colocastes à vossa direita, anunciamos a obra do vosso amor até que ele venha, e vos oferecemos o pão da vida e o cálice da bênção. Olhai com bondade para a oferta da vossa Igreja. Nela vos apresentamos o sacrifício pascal de Cristo, que vos foi entregue. E concedei que, pela força do Espírito do vosso amor, sejamos contados, agora e por toda a eternidade, entre os membros do vosso Filho, cujo Corpo e Sangue comungamos. T – Aceitai, ó Senhor, a nossa oferta! Renovai Senhor, à luz do Evangelho, a vossa Igreja (que está em N.). Fortalecei o vínculo da unidade entre os fiéis leigos e os pastores do vosso povo, em comunhão com o nosso Papa Bento e o nosso bispo N. e os bispos do mundo inteiro, para que o vosso povo, neste mundo dilacerado por discórdias, brilhe como sinal profético de unidade e de paz. T – Confirmai na caridade o vosso povo! Lembrai-vos dos nossos irmãos e irmãs, (N. e N.), que adormeceram na paz do vosso Cristo, e de todos os falecidos, cuja fé só vós conhecestes: acolhei-os na luz da vossa face e concedei-lhes, no dia da ressurreição, a plenitude da vida. T – Concedei-lhes, ó Senhor, a luz eterna! Concedei-nos ainda, no fim da nossa peregrinação terrestre, chegarmos todos à morada eterna, onde viveremos para sempre convosco. E em comunhão com a bem-aventurada Virgem Maria, com os Apóstolos e Mártires, (com S. N.: Santo do dia ou Patrono) e todos os Santos, vos louvaremos e glorificaremos, por Jesus Cristo, vosso Filho. Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre. T – Amém.

17. PAI-NOSSO P – O Senhor nos comunicou o seu Espírito. Com a confiança e a liberdade de filhos, digamos juntos: T – Pai Nosso...

18. CANTO DA COMUNHÃO (43º Curso: 08.12)

1. Nas boda de Caná, / o vinho terminou, / Maria, ao perceber, / ao Filho seu falou. 2. Para atender os noivos, / Jesus vai, sem demora, / da era dos milagres / antecipar a hora. 3. Maria pede aos servos / que queiram executar / aquilo que seu Filho / lhes vai determinar. 4. A água, simples água, / humilde, tão banal, / Jesus, co’amor transforma / em vinho especial. 5. Se, um dia, faltar vinho / na vida do casal, / Jesus fará, na certa, / da água um vinho igual.

19. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL Refrão meditativo: (22º Curso: 09.01) O nosso olhar se dirige a Jesus, / o nosso olhar se mantém no Senhor.

20. ORAÇÃO P – Oremos. (Pausa para oração) Penetrai-nos, ó Deus, com o vosso Espírito de caridade, para que vivam unidos no vosso amor os que alimentais com o mesmo pão. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

21. AVISOS DA COMUNIDADE RITOS FINAIS 22. BÊNÇÃO FINAL

grado, vamos dar graças ao nosso Deus que manifesta o seu amor pela vinda de Jesus. Que o Senhor nos alegre com sua presença como em Caná, e como em tantas vezes que partilhou da mesa com seus discípulos, antes e depois da ressurreição. (Alguém traz o pão consagrado e o coloca sobre o altar. Todos fazem uma breve inclinação.) (38º Curso: 03.10)

Vós sois o Caminho, a Verdade e a Vida, / o pão da alegria descido do céu.

26. ORAÇÃO DE AÇÃO DE GRAÇAS (Quem preside, ocupando o lugar no altar, convida a assembleia para o louvor.) P – Nós te damos graças, ó Deus da vida, porque neste dia santo de domingo nos acolhes na comunhão do teu amor e renovas nossos corações com a alegria da ressurreição de Jesus. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Esta comunidade aqui reunida recorda a vitória sobre a morte, escutando a tua Palavra e repartindo o pão, na esperança de ver o novo céu e a nova terra, onde não haverá fome, nem morte, nem dor, e onde viveremos na plena comunhão do teu amor. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Por este sinal do corpo do teu Filho, expressamos nosso desejo de corresponder com mais fidelidade à missão que nos deste e invocamos sobre nós o teu Espírito. Apressa o tempo da vinda do teu reino, e recebe o louvor de todo o universo e de todas as pessoas que te buscam. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Toda a nossa louvação chegue a ti em nome de Jesus, por quem oramos com as palavras que ele nos ensinou: T – Pai Nosso... pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – A paz de Deus, que supera todo entendimento, guarde os vossos corações e vossas mentes no conhecimento e no amor de Deus, e de seu Filho, nosso Senhor Jesus Cristo. T – Amém. P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo. T – Amém. 27. ABRAÇO DA PAZ 23. DESPEDIDA P – Irmãos e irmãs, por sua morte e ressurP – Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe. reição, o Cristo nos reconciliou. Demo-nos uns aos outros o abraço da paz! T – Graças a Deus.

ONDE NÃO HOUVER MISSA 24. COLETA FRATERNA (É o momento de trazer donativos ou oferta em dinheiro para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia canta o canto n. 14 deste folheto.)

25. DA PALAVRA À REFEIÇÃO

Se houver amor na vida, / se houver (Quem preside convida a assembleia a se sempre, união, / Jesus faz de água vinho / aproximar do altar.) P – Na alegria de partilhar o pão consae multiplica o pão.

28. RITO DA COMUNHÃO

(Após o Pai-Nosso, quem preside convida a comunidade a partilhar o pão, dizendo:) P – Assim disse Jesus: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim nunca mais terá fome e o que crê em mim nunca mais terá sede”. (Mostrando o pão consagrado:) P – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo! T – Senhor, eu não sou digno(a)... (Comunhão: canto n. 18 deste folheto.)

segundo_domingo_do_tempo_comum_-n_1704  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you