Page 1

P – Esta comunidade aqui reunida recorda a vitória sobre a morte, escutando a tua Palavra e repartindo o pão, na esperança de ver o novo céu e a nova terra, onde não haverá fome, nem morte, nem dor, e onde viveremos na plena comunhão do teu amor. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Por este sinal do corpo do teu Filho, expressamos nosso desejo de corresponder com mais fidelidade à missão que nos deste e invocamos sobre nós o teu Espírito. Apressa o tempo da vinda do teu reino, e recebe o louvor de todo o universo e de todas as pessoas que te buscam. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Toda a nossa louvação chegue a ti em nome de Jesus, por quem oramos com as

palavras que ele nos ensinou: T – Senhor, eu não sou digno(a)... T – Pai Nosso... pois vosso é o reino, o (Distribuição da comunhão: canto n. 18 poder e a glória para sempre. A e B deste folheto).

27. ABRAÇO DA PAZ

29. ORAÇÃO FINAL

P – Irmãos e irmãs, por sua morte e res- P – Ó Pai, tu nos reuniste hoje entre surreição, o Cristo nos reconciliou. De- irmãos e irmãs e abençoaste nosso enmo-nos uns aos outros o abraço da paz! contro com o teu alimento. Acolhendo hoje tua visita, não apenas aspiramos a 28. RITO DA COMUNHÃO uma convivência humana mais profun(Após o Pai-Nosso, quem preside convida da, mas te suplicamos, ó Pai, o Dom da a comunidade a partilhar o pão, dizendo:) unidade visível em nossas comunidaP – Assim disse Jesus: “Eu sou o pão des. Nós te pedimos em nome do teu da vida. Quem vem a mim nunca mais Filho Jesus Cristo, nosso Senhor. terá fome e o que crê em mim nunca O roteiro de “onde não houver missa” mais terá sede”. encontra-se no livro “Dia do Senhor”: Mostrando o pão consagrado: de M. Guimarães e P. Carpanedo, P – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que Paulinas: Apostolado Litúrgico. tira o pecado do mundo!

LEITURAS BÍBLICAS: 2ª-f.: Cl 1,24 – 2,3; Lc 6,6-11. 3ª-f.: Cl 2,6-15; Lc 6,12-19. 4ª-f.: Cl 3,1-11; Lc 6,20-26. 5ªf.: Natividade de Nossa Senhora, festa – Mq 5,1-4a ou Rm 8,28-30; Mt 1,1-16.18-23 ou abrev. 1,18-23. 6ª-f.: 1Tm 1,1-2.12-14; Lc 6,39-42. Sábado: 1Tm 1,15-17; Lc 6,43-49. Domingo: 24º Domingo do Tempo Comum – Eclo 27,33 – 28,9; Rm 14,7-9; Mt 18,21-35.

2011

Jubileu de Ouro de Ordenação Episcopal de Dom Antonio Ribeiro Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

4 de setembro de 2011 - Ano XXVIII - Nº 1625

LIGADOS NA TERRA, LIGADOS NO CÉU 1. MOTIVAÇÃO

A – O verdadeiro amor exige a correção fraterna para nos ajudar a crescer. Isso faz parte da nossa vocação. Conscientes do desafio que isso representa, mas dispostos a viver o mandamento do Senhor, iniciemos nossa celebração, cantando. (41º Curso:08.11)

Sugestões para a equipe de celebração: 1. Dar destaque à Mesa da Palavra e a todo o rito da Palavra. 2. Na homilia, procurar concretizar bem o como fazer a correção fraterna, tão necessária à vida comunitária e familiar. 3. À luz do evangelho de hoje, será importante reconhecer a presença do Senhor na comunidade reunida. Isto poderá ser feito através da incensação da comunidade nos ritos iniciais e do abraço da paz e reconciliação entre as pessoas, antes da liturgia eucarística. 4. Valorizar, cantando ou acompanhado de gesto apropriado, o diálogo: “O Senhor esteja convosco! Ele está no meio de nós!”

CÚRIA ARQUIDIOCESANA

23º Domingo do Tempo Comum – Ano A

2. CANTO DE ABERTURA

LIGADOS NA TERRA, LIGADOS NO CÉU

O mistério que celebramos hoje Celebrando neste domingo, nossa páscoa semanal, recebemos do Senhor o mandamento da correção fraterna, do diálogo de ajuda entre os irmãos, como exigência do amor e a certeza de sua presença na comunidade reunida. O Pai vem hoje, em nosso auxílio, derramando seu Espírito e instruindo-nos em seu amor, para que nossa vida seja sinal da maneira de ser e de agir de Jesus Cristo no meio de nós. No Semana da Pátria, renovamos nosso compromisso com os excluídos, reconhecendo que isto é necessário para a reconciliação. Ser reconciliado supõe superar as desigualdades sociais que existem em nosso país.

Arquidiocese de Goiânia

1. Ao Senhor dos senhores cantai, / ao Senhor, Deus dos deuses, louvai! / Maravilhas só Ele é quem faz, / bom é Deus, ao Senhor, pois, louvai! Com saber, Ele fez terra e céu, / sobre as águas a terra firmou; / para o dia reger fez o sol / e as estrelas pra noite criou. Pois eterno é seu amor por nós. / Eterno é seu amor! (bis) 2. Poderosos sem dó abateu, / a famosos reis desbaratou; / sua terra Israel recebeu, / como herança a seu povo entregou. Se lembrou de nós na humilhação, / ao Senhor, Salvador, proclamai, / dele nós recebemos o pão: / ao Senhor, Deus do céu, celebrai!

3. ACOLHIDA

P – Em nome do Pai... T – Amém. P – O Senhor, que encaminha os nossos corações para o amor de Deus e a constância de Cristo, esteja convosco. T – Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

4. ATO PENITENCIAL

P – Seguir Jesus exige abertura à correção e à revisão de vida. Peçamos perdão por todas as vezes que fechamos o coração não ajudando o outro e não aceitando ajuda na correção fraterna. (Pausa) P – Senhor, que viestes procurar quem estava perdido, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós. P – Cristo, que viestes dar a vida em resgate de muitos, tende piedade de nós. T – Cristo, tende piedade de nós.

tindo-o a respeito de sua conduta, o ímpio vai morrer por própria culpa, mas eu te pedirei contas da sua morte. 9 Mas, se advertires o ímpio a respeito de sua conduta, para que se 5. HINO DE LOUVOR arrependa, e ele não se arrepender, (31º Curso: 04.06) o ímpio morrerá por própria culpa, Glória, glória, glória a Deus nos céus! / porém, tu salvarás tua vida. E na terra paz aos filhos seus! – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. 1. Deus e Pai, nós vos louvamos, adoramos, / (Tempo de silêncio) nós vos bendizemos por vosso amor; / damos glória eterna ao vosso Santo Nome, / 8. SALMO 94 (95) (Salmos e Aclamações / ano A: 12.10 – vol. III) vossos dons vos agradecemos, ó Pai! 2. Senhor nosso, Jesus Cristo, Salvador, / Não fecheis o coração, ouvi, hoje, a voz Filho Unigênito de Deus Pai, / vós de Deus de Deus! Cordeiro, vós, Cordeiro Santo, / nossas 1Vinde, exultemos de alegria no Senhor, / muitas culpas, Senhor, perdoai! aclamemos o Rochedo que nos salva! / 2Ao 3. Vós, que estais sentado junto de Deus seu encontro caminhemos com louvores, / Pai, / como nosso irmão, nosso interces- e com cantos de alegria o celebremos! sor, / acolhei, benigno, os nossos pedidos, / 6Vinde, adoremos e prostremo-nos por atendei, Senhor, este nosso clamor! terra, / e ajoelhemos ante o Deus que nos 4. Vós, Senhor Jesus, somente sois o criou! 7Porque ele é o nosso Deus, nosso Santo, de Deus o Altíssimo, o Senhor, / Pastor, / e nós somos o seu povo e seu com o Santo Amor, Espírito Divino, / de rebanho, / as ovelhas que conduz com Deus Pai na glória e no puro esplendor! sua mão. 8 Oxalá ouvísseis hoje a sua voz: / “Não fe6. ORAÇÃO cheis os corações como em Meriba, / 9como P – Oremos. (Pausa para oração) em Massa, no deserto, aquele dia, / em que Ó Deus, pai de bondade, que nos redimistes e adotastes como filhos e filhas, conce- outrora vossos pais me provocaram, / apedei aos que creem no Cristo a verdadeira sar de terem visto as minhas obras”. (Tempo de silêncio) liberdade e a herança eterna. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na uni- 9. SEGUNDA LEITURA dade do Espírito Santo. Leitura da Carta de São Paulo aos T – Amém. Romanos (13,8-10) – Irmãos: 8Não fiqueis devendo nada a ninguém, a não LITURGIA DA PALAVRA ser o amor mútuo, pois quem ama o A – Hoje a Palavra de Deus resume a próximo está cumprindo a Lei. 9 prática da vida cristã. Escutemos. De fato, os mandamentos: “Não cometerás adultério”, “Não matarás”, “Não 7. PRIMEIRA LEITURA roubarás”, “Não cobiçarás”, e qualLeitura da Profecia de Ezequiel quer outro mandamento, se resumem (33,7-9) – Assim diz o Senhor: neste: “Amarás ao teu próximo como a 7 “Quanto a ti, filho do homem, eu te estabeleci como vigia para a casa ti mesmo”. 10 O amor não faz nenhum mal contra de Israel. Logo que ouvires alguma o próximo. Portanto, o amor é o cumpalavra de minha boca, tu os deves primento perfeito da Lei. advertir em meu nome. 8 Se eu disser ao ímpio que ele vai – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio) morrer, e tu não lhe falares, adver-

P – Senhor, que congregais na unidade os vossos filhos dispersos, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós. (Conclusão pelo presidente)


10. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO

(Salmos e Aclamações / ano A: 12.10 – vol. III)

Aleluia, aleluia! / Aleluia, aleluia!/ Aleluia, aleluia, aleluia!/ Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia! O Senhor reconciliou o mundo em Cristo, confiando-nos sua Palavra; / a Palavra da reconciliação, a Palavra que hoje, aqui, nos salva. P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus. T – Glória a vós, Senhor. (18,15-20) – Naquele tempo, Jesus disse a seus discípulos: 15“Se o teu irmão pecar contra ti, vai corrigi-lo, mas em particular, a sós contigo! Se ele te ouvir, tu ganhaste o teu irmão. 16 Se ele não te ouvir, toma contigo mais uma ou duas pessoas, para que toda a questão seja decidida sob a palavra de duas ou três testemunhas. 17 Se ele não vos der ouvido, dize-o à Igreja. Se nem mesmo à Igreja ele ouvir, seja tratado como se fosse um pagão ou um pecador público. 18 Em verdade vos digo, tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu. 19 De novo, eu vos digo: se dois de vós estiverem de acordo na terra sobre qualquer coisa que quiserem pedir, isso lhes será concedido por meu Pai que está nos céus. 20Pois, onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estou aí, no meio deles”. – Palavra da Salvação. T – Glória a vós, Senhor. (Tempo de silêncio)

3. Senhor, ajudai-nos a viver a correção fraterna, eliminando entre nós o orgulho e a vaidade que nos afastam do amor verdadeiro. 4. Senhor, corrigi-nos quando fofocamos e comentamos a vida alheia. Converteinos para vivermos de acordo com os critérios do evangelho. P – Preparando-nos para celebrar o jubileu de ouro episcopal de Dom Antonio Ribeiro e conscientes de nossa vocação, rezemos juntos a oração vocacional. T – Mestre Divino, que chamastes os Apóstolos a vos seguirem, / continuai a passar pelos nossos caminhos, / pelas nossas famílias, / pelas nossas escolas / e continuai a repetir o convite a muitos de nossos jovens. / Dai força para que vos sejam fiéis como apóstolos leigos, / como sacerdotes, / como religiosos e religiosas, / para o bem do Povo de Deus e de toda a humanidade. Amém. (Preces da comunidade) (Conclusão pelo presidente)

LITURGIA EUCARÍSTICA (Onde não houver missa, segue a partir do n. 24 deste folheto.)

14. CANTO DE PREPARAÇÃO DAS OFERENDAS (37º Curso: 08.09)

1. Bendito e louvado seja o Pai, nosso Criador! / O pão que nós recebemos é prova do seu amor! / O pão que nós recebemos, que é prova do seu amor, / é o fruto de sua terra e do povo trabalhador. / O fruto de sua terra e do povo trabalhador, / na missa é transformado no Corpo do Salvador! Bendito seja Deus, bendito seu amor. / Bendito seja Deus, Pai onipotente, nosso Criador. (bis) 11. HOMILIA 2. Bendito e louvado seja o Pai, nosso (Após a homilia, pausa para reflexão.) Criador! / O vinho que recebemos é pro12. PROFISSÃO DE FÉ va do seu amor! / O vinho que recebeP – Cheios de confiança, professemos a mos, que é prova do seu amor, / é o fruto nossa fé. de sua terra e do povo trabalhador. / O T – Creio em Deus Pai... fruto de sua terra e do povo trabalhador, / na missa é transformado no Sangue do 13. ORAÇÃO COMUNITÁRIA P – Dirigindo-nos a Deus, nosso Pai, pe- Salvador! çamos a Ele que nos ajude a viver como 15. ORAÇÃO sinais de seu amor para com todos. P – Orai, irmãos e irmãs, para que o 1. Senhor, dai à vossa Igreja um novo ar- nosso sacrifício aceito por Deus Pai dor para promover o diálogo e a paz entre todo-poderoso. todos. T – Receba o Senhor por tuas mãos T – Atendei, Senhor, a nossa prece. este sacrifício, para glória do seu nome, 2. Senhor, despertai os nossos governan- para nosso bem e de toda a santa Igreja. tes para que escutem o grito dos que são Ó Deus, fonte da paz e da verdadeira piedade, concedei-nos por esta oferenda excluídos da dignidade e cidadania.

render-vos a devida homenagem, e fazei que nossa participação na Eucaristia reforce entre nós os laços da amizade. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

16. ORAÇÃO EUCARÍSTICA VI - A (Prefácio próprio)

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Corações ao alto. T – O nosso coração está em Deus. P – Demos graças ao senhor, nosso Deus. T – É nosso dever e nossa salvação. Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças e cantarvos um hino de glória e louvor, Senhor, Pai de infinita bondade. Pela palavra do Evangelho do vosso Filho reunistes uma só Igreja de todos os povos, línguas e nações. Vivificada pela força do vosso Espírito não deixais, por meio dela, de congregar na unidade todos os seres humanos. Assim, manifestando a aliança do vosso amor, a Igreja transmite constantemente a alegre esperança do vosso reino e brilha como sinal da vossa fidelidade que prometestes para sempre em Jesus Cristo, Senhor nosso. Por essa razão, com todas as virtudes do céu, nós vos celebramos na terra, cantando (dizendo) com toda a Igreja a uma só voz: T – Santo, Santo, Santo... Na verdade, vós sois santo e digno de louvor, ó Deus, que amais os seres humanos e sempre os assistis no caminho da vida. Na verdade, é bendito o vosso Filho, presente no meio de nós, quando nos reunimos por seu amor. Como outrora aos discípulos, ele nos revela as Escrituras e parte o pão para nós. T – O vosso Filho permaneça entre nós! Nós vos suplicamos, Pai de bondade, que envieis o vosso Espírito Santo para santificar estes dons do pão e do vinho, a fim de que se tornem para nós o Corpo e o Sangue de nosso Senhor Jesus Cristo. T – Mandai o vosso Espírito Santo! Na véspera de sua paixão, durante a última Ceia, ele tomou o pão, deu graças e o partiu e deu a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e comei: isto é o meu corpo, que será entregue por vós. Do mesmo modo, ao fim da ceia, ele, tomando o cálice em suas mãos, deu graças novamente e o entregou a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e bebei: este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos para remissão

dos pecados. Fazei isto em memória de Mim. Eis o mistério da fé! T – Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus! Celebrando, pois, ó Pai santo, a memória de Cristo, vosso Filho, nosso Salvador, que pela paixão e morte de cruz fizestes entrar na glória da ressurreição e colocastes à vossa direita, anunciamos a obra do vosso amor até que ele venha e vos oferecemos o pão da vida e o cálice da bênção. Olhai com bondade para a oferta da vossa Igreja. Nela vos apresentamos o sacrifício pascal de Cristo, que vos foi entregue. E concedei que, pela força do Espírito do vosso amor, sejamos contados, agora e por toda a eternidade, entre os membros do vosso Filho, cujo Corpo e Sangue comungamos. T – Aceitai, ó Senhor, a nossa oferta! Renovai, Senhor, à luz do Evangelho, a vossa Igreja (que está em N.). Fortalecei o vínculo da unidade entre os fiéis leigos e os pastores do vosso povo, em comunhão com o nosso Papa Bento e o nosso Bispo (N) e os bispos do mundo inteiro, para que o vosso povo, neste mundo dilacerado por discórdias, brilhe como sinal profético de unidade e de paz. T – Confirmai na caridade o vosso povo! Lembrai-vos dos nossos irmãos e irmãs, (N. e N.), que adormeceram na paz do vosso Cristo, e de todos os falecidos, cuja fé só vós conhecestes: acolhei-os na luz da vossa face e concedei-lhes, no dia da ressurreição, a plenitude da vida. T – Concedei-lhes, ó Senhor, a luz eterna! Concedei-nos ainda, no fim da nossa peregrinação terrestre, chegarmos todos à morada eterna, onde viveremos para sempre convosco. E em comunhão com a bem-aventurada Virgem Maria, com os Apóstolos e Mártires, (com S. N.: Santo do dia ou Patrono) e todos os Santos, vos louvaremos e glorificaremos, por Jesus Cristo, vosso Filho. Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre. T – Amém.

18. CANTO DA COMUNHÃO (41º Curso:08.11)

Se eu não tiver amor, / eu nada sou, Senhor! / Se eu não tiver amor, / eu nada sou, Senhor! 1. O amor é compassivo, / o amor é serviçal. / O amor não tem inveja, / o amor não busca o mal. 2. O amor nunca se irrita, / não é nunca descortês. / O amor não é egoísta, / o amor não é dobrez. 3. O amor tudo desculpa, / o amor é caridade. / Não se alegra na injustiça, / é feliz só na verdade. 4. O amor suporta tudo, / o amor em tudo crê. / O amor guarda a esperança, / o amor sempre é fiel. 5. Nossa fé, nossa esperança, / junto a Deus terminarão, / mas o amor será eterno, / o amor não passa, não.

RITOS FINAIS

22. BÊNÇÃO FINAL

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Deus todo-poderoso vos abençoe na sua bondade e infunda em vós a sabedoria da salvação. T – Amém. P – Sempre vos alimente com os ensinamentos da fé e vos faça perseverar nas boas obras. T – Amém. P – Oriente para ele os vossos passos, e vos mostre o caminho da caridade e da paz. T – Amém. P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo. T – Amém.

18 B. CANTO DA COMUNHÃO

23. DESPEDIDA

19. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL

26. ORAÇÃO DE

P – Ide em paz, e o Senhor vos acomFeliz o homem que ama o Senhor / e panhe. segue os seus mandamentos. / O seu co- T – Graças a Deus. ração é repleto de amor, / Deus mesmo ONDE NÃO HOUVER MISSA é seu alimento. 1. Feliz o que anda na lei do Senhor / e 24. COLETA FRATERNA segue o caminho que Deus lhe indicou: / (É o momento de trazer donativos ou terá recompensa no reino do céu, / por- oferta em dinheiro para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia que muito amou. 2. Feliz quem se alegra em servir o ir- canta o n. 14 deste folheto.) mão, / segundo os preceitos que Deus lhe 25. DA PALAVRA À REFEIÇÃO ensinou: / verá maravilhas de Deus, / o (Quem preside convida a assembleia a Senhor, porque muito amou. se aproximar do altar.) 3. Feliz quem confia na força do bem, / P – Trazendo o pão consagrado, demos seguindo os caminhos da paz e o perdão: / graças ao nosso Deus que em Jesus nos será acolhido nos braços do Pai, / porque renova em seu amor e faz crescer em nosmuito amou. so íntimo a compaixão e a bondade. Que 4. Feliz quem dá graças de bom coração / esta partilha renove e confirme nossa vie estende sua mão ao sem-voz e sem-vez, / vência comunitária. terá no banquete um lugar para si, / porque (38º Curso: 03.10) muito amou. Vós sois o Caminho, a Verdade e a Vida, o pão da alegria descido do céu. (39º Curso: 08.10)

Refrão meditativo: (22º Curso: 09.01) AÇÃO DE GRAÇAS Onde reina o amor, fraterno amor, / onde O(a) presidente, ocupando o lugar no altar, convida a assembleia para o louvor: reina o amor, Deus aí está. P – O Senhor esteja com vocês. 20. ORAÇÃO T – Ele está no meio de nós. P – Oremos. (Pausa para oração) Ó Deus, que nutris e fortificais vossos P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. fiéis com o alimento da vossa palavra e T – É nosso dever e nossa salvação. do vosso pão, concedei-nos, por estes P – Nós te damos graças, ó Deus da vida, dons do vosso Filho, viver com ele para porque neste dia santo de domingo nos 17. PAI-NOSSO acolhes na comunhão do teu amor e resempre. Por Cristo, nosso Senhor. P – Rezemos, com amor e confiança, a novas nossos corações com a alegria da T – Amém. oração que o Senhor nos ensinou: ressurreição de Jesus. T – Pai nosso... 21. AVISOS DA COMUNIDADE T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor!

04-de-setembro-de-2011  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you