Issuu on Google+

onde viveremos na plena comunhão do teu amor. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor. P – Por este sinal do corpo do teu Filho, expressamos nosso desejo de responder com mais fidelidade à missão que nos deste e invocamos sobre nós o teu Espírito. Apressa o tempo da vinda do teu reino, e recebe o louvor de todo o universo e de todas as pessoas que te buscam. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor. P – Toda nossa louvação chegue a ti em nome de Jesus, por quem oramos com as palavras que ele nos ensinou: T – Pai nosso..., pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.

27. ABRAÇO DA PAZ

P – Irmãos e irmãs, por sua morte e ressurreição, o Cristo nos reconciliou. Demo-nos uns aos outros o abraço da paz!

28. RITO DA COMUNHÃO

Após o Pai-Nosso, quem preside convida a comunidade a partilhar o pão, dizendo: P – Assim disse Jesus: “Eu sou o pão da vida. Quem vem mim nunca mais terá fome e o que crê em mim nunca mais terá sede.” Mostrando o pão consagrado: P – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo! T – Senhor, eu não sou digno(a)...

(Comunhão: canto n. 18 A e B deste folheto.)

29. ORAÇÃO FINAL

Bendito sejas, Senhor nosso Deus, porque nos deste a alegria de tua palavra e comunhão. Ajuda-nos a permanecer na tua aliança, a fim de que possamos, a cada dia, viver e trabalhar segundo a tua vontade. Que teu louvor esteja sempre em nossa boca, para cantar a tua glória para sempre. T – Amém. O roteiro de “onde não houver missa” encontra-se no livro “Dia do Senhor”: de M. Guimarães e P. Carpanedo, Paulinas: Apostolado Litúrgico.

“TU ÉS O MESSIAS”

O mistério que celebramos hoje A cada domingo, celebramos a Páscoa do Senhor e nele celebramos também a nossa Páscoa. Associamos ao Mistério da Morte e Ressurreição de Jesus, o mistério de nossas mortes e ressurreições vividas por nós e por tantos irmãos no dia a dia, das mais diferentes maneiras. Lembramos, especialmente neste domingo, tantos mártires de ontem e de hoje que entregaram sua vida; não tiveram medo de “perder a vida” por causa de Jesus e de seu Evangelho.

Sugestões para a equipe de celebração: 1. Destacar, no espaço celebrativo, a mesa da Palavra e o símbolo da cruz. 2. Após a homilia, convidar a comunidade a repetir a profissão de fé de Pedro, com a aclamação que poderá ser cantada: “É Jesus, o Messias, o Salvador, o Filho do Deus vivo! Aleluia!” (Ofício Divino das Comunidades, p. 430) 3. Destacar o momento da Profissão de Fé, que poderá ser feito diante da cruz erguida.

LEITURAS BÍBLICAS: 2ª-f.: 1Cor 11,17-26.33; Lc 7,1-10. 3ª-f.: 1Cor 12,12-14.27-31a; Lc 7,11-17. 4ª-f.: lCor 12,31-13,13; Lc 7,31-35. 5ª-f.: 1Cor 15,1-11; Lc 7,36-50. 6ª-f.: Ef 4,1-7.11-13; Mt 9,9-13. Sábado: lCor 15,35-37.42-49; Lc 8,4-15 Domingo: 25º Domingo do Tempo Comum – Sb 2,12.17-20; Tg 3,16–4,3; Mc 9,30-37.

Rádio Difusora Compromisso com a evangelização e a cidadania CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

Arquidiocese de Goiânia

24º Domingo do Tempo Comum – Ano B 16 de setembro de 2012 - Ano XXIX - Nº 1681

1. MOTIVAÇÃO

A – O Senhor nos reúne, nos acolhe e nos dirige sua Palavra. Ele nos fala das exigências de doação e de serviço que precisamos assumir para construir um mundo onde reine a vontade de seu Pai. Iniciemos, cantando.

2. CANTO DE ABERTURA (41º Curso: 08.11)

1. Ao Senhor dos senhores cantai, / ao Senhor, Deus dos deuses, louvai! / Maravilhas só Ele é quem faz, / bom é Deus, ao Senhor, pois, louvai! / Com saber, Ele fez terra e céu, / sobre as águas a terra firmou; / para o dia reger fez o sol / e as estrelas pra noite criou. Pois eterno é seu amor por nós. / Eterno é seu amor! (bis) 2. Poderosos sem dó abateu, / a famosos reis desbaratou; / sua terra Israel recebeu, / como herança a seu povo entregou. / Se lembrou de nós na humilhação, / ao Senhor, Salvador, proclamai, / dele nós recebemos o pão: / ao Senhor, Deus do céu, celebrai!

3. ACOLHIDA

P – Em nome do Pai... T – Amém. P – A vós, irmãos, paz e fé da parte de Deus, o Pai, e do Senhor Jesus Cristo. T – Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

“TU ÉS O MESSIAS” P – Cristo, tende piedade de nós. T – Cristo, tende piedade de nós. P – Senhor, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós.

dor, por isso não me deixei abater o ânimo, conservei o rosto impassível como pedra, porque sei que não sairei humilhado. 8 A meu lado está quem me justifica; 5. HINO DE LOUVOR alguém me fará objeções? Vejamos. Quem é meu adversário? Aproxime-se. (39º curso: 08.10) 9 Sim, o Senhor Deus é meu AuxiliaGlória a Deus nos altos céus, / paz na dor; quem é que me vai condenar? terra a seus queridos! / Senhor Deus e Rei celeste, / a vós louvam os remidos! – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio) 1. Deus e Pai, nós vos louvamos, / adoramos, bendizemos; / damos glória ao 9. SALMO 114 (115) vosso nome, / vossos dons agradecemos. (Salmos e Aclamações / ano B: 11.11 – vol. II) 2. Senhor nosso, Jesus Cristo, / Unigênito Andarei na presença de Deus, / junto a do Pai, / vós, de Deus Cordeiro Santo, / ele na terra dos vivos. nossas culpas perdoai! 1 Eu amo o Senhor, porque ouve / o grito 3. Vós que estais junto do Pai, / como da minha oração. / 2Inclinou para mim seu nosso intercessor; / acolhei nossos pedi- ouvido, / no dia em que eu o invoquei. dos, / atendei nosso clamor! 3 Prendiam-me as cordas da morte, aperta4. Vós somente sois o Santo, / o Altíssi- vam-me os laços do abismo; / invadiammo, o Senhor. / Com o Espírito Divino, / -me angústia e tristeza; / 4eu então invode Deus Pai no esplendor. quei o Senhor: / “Salvai, ó Senhor, minha Glória a Deus nos altos céus, / paz na vida!” terra a seus queridos! / Senhor Deus e 5O Senhor é justiça e bondade, / nosso Rei celeste, / a vós louvam os remidos! Deus é amor-compaixão. / 6É o Senhor Amém. quem defende os humildes; / eu estava

6. ORAÇÃO

P – Oremos. (Pausa para oração) Ó Deus, criador de todas as coisas, volvei para nós o vosso olhar e, para sentirmos em nós a ação do vosso amor, fazei que vos sirvamos de todo o coração. Por 4. ATO PENITENCIAL nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na P – De coração contrito e humilde, unidade do Espírito Santo. aproximemo-nos do Deus justo e santo, para que tenha piedade de nós, T – Amém. pecadores. (Pausa) DA PALAVRA P – Tende compaixão de nós, Senhor. A – LITURGIA Escutemos a Palavra de Deus. Ela T – Porque somos pecadores. nos revela quem é o Senhor e qual é a P – Manifestai, Senhor, a vossa miseri- nossa missão. córdia. 7. PRIMEIRA LEITURA T – E dai-nos a vossa salvação. Leitura do livro do profeta Isaías P – Deus todo-poderoso tenha compai- (50,5-9a) – 5O Senhor abriu-me os ouxão de nós, perdoe os nossos pecados e vidos; não lhe resisti nem voltei atrás. nos conduza à vida eterna. 6 Ofereci as costas para me baterem e as T – Amém. faces para me arrancarem a barba: não P – Senhor, tende piedade de nós. desviei o rosto de bofetões e cusparadas. 7 T – Senhor, tende piedade de nós. Mas, o Senhor Deus é meu Auxilia-

oprimido, e salvou-me. 8 Libertou minha vida da morte, enxugou de meus olhos o pranto / e livrou os meus pés do tropeço. / 9Andarei na presença de Deus, / junto a ele na terra dos vivos. (Tempo de silêncio)

9. SEGUNDA LEITURA

Leitura da Carta de São Tiago (2,1418) – 14Meus irmãos: que adianta alguém dizer que tem fé, quando não a põe em prática? A fé seria então capaz de salvá-lo? 15 Imaginai que um irmão ou uma irmã não têm o que vestir e que lhes falta a comida de cada dia; 16se então alguém de vós lhes disser: “Ide em paz, aqueceivos”, e: “Comei à vontade”, sem lhes dar o necessário para o corpo, que adiantará isso? 17Assim também a fé: se não se traduz em obras, por si só está morta. 18 Em compensação, alguém poderá dizer: “Tu tens a fé e eu tenho a prática!” Tu, mostra-me a tua fé sem as obras, que


eu te mostrarei a minha fé pelas obras! 13. ORAÇÃO COMUNITÁRIA – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. P – Ao Senhor apresentemos confiantes (Tempo de silêncio) nossas preces e súplicas. 1. Senhor, fazei que a Igreja santa 10. ACLAMAÇÃO AO procure sua força na cruz de Cristo e seja EVANGELHO testemunha da esperança. (Salmos e Aclamações / ano B: 11.11 – vol. II) T – Venha o vosso Reino, Senhor. Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia! (bis) 2. Senhor, que os governantes do mundo Eu de nada me glorio, a não ser, da cruz inteiro promovam a paz e a justiça entre de Cristo; / vejo o mundo em cruz pregado os povos e as nações. e para o mundo em cruz me avisto. 3. Senhor, que, escutando vossa palavra, P – O Senhor esteja convosco. não tenhamos dúvida nem medo de T – Ele está no meio de nós. renunciar a nós mesmos, tomar a cruz e P – Proclamação do Evangelho de Jesus seguir-vos em toda a nossa vida. Cristo segundo Marcos. 4. Senhor, que, escutando vossa palavra, T – Glória a vós, Senhor. sejamos atentos ao clamor de todos os (8,27-35) – Naquele tempo, 27Jesus que sofrem, e em nossos gestos e palavras partiu com seus discípulos para os povo- os façamos sentir vossa presença junto ados de Cesareia de Filipe. No caminho deles. perguntou aos discípulos: “Quem dizem (Preces da comunidade) os homens que eu sou?” P – Senhor Jesus Cristo, que dissestes 28 Eles responderam: “Alguns dizem aos vossos discípulos: “Se alguém quiser que tu és João Batista; outros que és seguir-me, que tome a sua cruz e sigaElias; outros, ainda, que és um dos prome”, dai-nos a graça de responder ao fetas”. vosso convite. Vós que sois Deus na 29 Então ele perguntou: “E vós, quem unidade do Espírito Santo. dizeis que eu sou?” Pedro respondeu: “Tu és o Messias”. LITURGIA EUCARÍSTICA 30 Jesus proibiu-lhes severamente de falar a alguém a seu respeito. 31Em se- (Onde não houver missa, segue a partir guida, começou a ensiná-los, dizendo do nº 24 deste folheto.) que o Filho do Homem devia sofrer 14. CANTO DE PREPARAÇÃO muito, ser rejeitado pelos anciãos, DAS OFERENDAS pelos sumos sacerdotes e doutores (42º Curso: 03.12) da Lei; devia ser morto, e ressuscitar depois de três dias”. 32Ele dizia isso 1. Bendito e louvado seja o Pai, nosso criador! / O pão que nós recebemos é prova abertamente. Então Pedro tomou Jesus à parte e co- do seu amor! / O pão que nós recebemos, meçou a repreendê-lo. 33Jesus voltou-se, que é prova do seu amor, / é fruto de sua olhou para os discípulos e repreendeu a terra e do povo trabalhador. / O fruto de Pedro, dizendo: “Vai para longe de mim, sua terra e do povo trabalhador, / na missa Satanás! Tu não pensas como Deus, e é transformado no corpo do Salvador! sim como os homens”. Bendito seja Deus, bendito seu amor. / 34 Então chamou a multidão com seus Bendito seja Deus, Pai onipotente, nosso discípulos e disse: “Se alguém me quer Criador. (bis) seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua 2. Bendito e louvado seja o Pai, nosso cruz e me siga. 35Pois quem quiser sal- criador! / O vinho que recebemos é prova var a sua vida, vai perdê-la; mas quem do seu amor! / O vinho que recebemos, perder a sua vida por causa de mim e do que é prova do seu amor, / é fruto de sua Evangelho, vai salvá-la”. terra e do povo trabalhador. / O fruto de – Palavra da Salvação. sua terra e do povo trabalhador, / na missa T – Glória a vós, Senhor. é transformado no Sangue do Salvador! (Tempo de silêncio)

11. HOMILIA

15. ORAÇÃO

P – Orai, irmãos e irmãs, para que nosso (Após a homilia, pausa para reflexão.) sacrifício seja aceito por Deus Pai todopoderoso. 12. PROFISSÃO DE FÉ P – Cheios de confiança, professemos a T – Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício, para glória do seu nome, nossa fé. T – Creio em Deus Pai... para nosso bem e de toda a santa Igreja.

P – Sede propício, ó Deus, às nossas súplicas, e acolhei com bondade as oferendas dos vossos servos e servas para que aproveite à salvação de todos o que cada um trouxe em vossa honra. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

16. ORAÇÃO EUCARÍSTICA II (Prefácio próprio)

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Corações ao alto. T – O nosso coração está em Deus. P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. T – É nosso dever e nossa salvação. Na verdade é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças, sempre e em todo o lugar, Senhor, Pai santo, Deus eterno e todo-poderoso, por Cristo, Senhor nosso. Ele é a vossa palavra viva, pela qual tudo criastes. Ele é o nosso Salvador e Redentor, verdadeiro homem, concebido do Espírito Santo e nascido da Virgem Maria. Ele, para cumprir a vossa vontade, e reunir um povo santo em vosso louvor, estendeu os braços na hora da sua paixão a fim de vencer a morte e manifestar a ressurreição. Por ele, os anjos celebram vossa grandeza e os santos proclamam vossa glória. Concedei-nos também a nós associar-nos a seus louvores, cantando (dizendo) a uma só voz: T – Santo, Santo, Santo... Na verdade, ó Pai, vós sois santo e fonte de toda santidade. Santificai, pois, estas oferendas, derramando sobre elas o vosso Espírito, a fim de que se tornem para nós o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso. T – Santificai nossa oferenda, ó Senhor! Estando para ser entregue e abraçando livremente a paixão, ele tomou o pão, deu graças, e o partiu e deu a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e comei: Isto é o meu Corpo, que será entregue por vós. Do mesmo modo, ao fim da ceia, ele tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente, e o deu a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e bebei: Este é o cálice do meu Sangue, o Sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de Mim. Eis o mistério da fé! T – Todas as vezes que comemos deste pão e bebemos deste cálice, anunciamos, Senhor, a vossa morte, enquanto esperamos a vossa vinda!

Celebrando, pois, a memória da morte e ressurreição do vosso Filho, nós vos oferecemos, ó Pai, o pão da vida e o cálice da salvação; e vos agradecemos porque nos tornastes dignos de estar aqui na vossa presença e vos servir. T – Recebei, ó Senhor, a nossa oferta! E nós vos suplicamos que, participando do Corpo e Sangue de Cristo, sejamos reunidos pelo Espírito Santo num só corpo. T – Fazei de nós um só corpo e um só espírito! Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja que se faz presente pelo mundo inteiro: que ela cresça na caridade, com o papa Bento, com o nosso bispo N. e todos os ministros do vosso povo. T – Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja! Lembrai-vos também dos nossos irmãos e irmãs que morreram na esperança da ressurreição e de todos os que partiram desta vida: acolhei-os junto a vós na luz da vossa face. T – Lembrai-vos, ó Pai, dos vossos filhos! Enfim, nós vos pedimos, tende piedade de todos nós e dai-nos participar da vida eterna, com a Virgem Maria, Mãe de Deus, com os santos Apóstolos e todos os que neste mundo vos serviram, a fim de vos louvarmos e glorificarmos por Jesus Cristo, vosso Filho. T – Concedei-nos o convívio dos eleitos! Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre. T – Amém.

17. PAI-NOSSO

P – O Senhor nos comunicou o seu Espírito. Com a confiança e a liberdade de filhos, digamos juntos: T – Pai nosso...

18 A. CANTO DA COMUNHÃO (43º Curso: 08.12)

Se alguém me quer seguir, / a si tem que negar, / tomar a sua cruz e vir / comigo caminhar... / Se alguém me quer seguir, / a cruz tomar! (bis) 1. Meu coração penetras e lês meus pensamentos; / se luto ou se descanso, Tu vês meus movimentos; / de todas minhas palavras, Tu tens conhecimento. 2. Quisesse eu me esconder do teu imenso olhar, / subir até o céu, na terra me entranhar, / atrás do horizonte, lá iria te encontrar! 3. Por trás e pela frente, teu ser me envolve e cerca; / o teu saber me encanta, me

excede e me supera; / tua mão me acompanha, me guia e me acoberta! 4. Se a luz do sol se fosse, que escuridão seria! / Se as trevas me envolvessem, o que adiantaria? / Pra Ti, Senhor, a noite é clara como o dia! 5. As fibras do meu corpo teceste e entrançaste; / no seio de minha mãe bem cedo me formaste; / melhor do que ninguém me conheceste e amaste! 6. Teus planos, insondáveis, sem fim tuas maravilhas! / Contá-las eu quisera, mas quem o poderia? / Como da praia a areia, só tu as saberias! 7. Que os maus da terra sumam, pereçam os violentos / que tramam contra ti! Com vergonhoso intento / abusam do teu nome, pra seus planos sangrentos. 8. Mas vê meu coração e minha angústia sente; / olha, Senhor, meus passos, se vou erradamente; / me bota no caminho, da vida para sempre!

18 B. CANTO DA COMUNHÃO (39º Curso: 08.10)

Feliz o homem que ama o Senhor / e segue os seus mandamentos. / O seu coração é repleto de amor, / Deus mesmo é seu alimento. 1. Feliz o que anda na lei do Senhor / e segue o caminho que Deus lhe indicou: / terá recompensa no reino do céu, / porque muito amou. 2. Feliz quem se alegra em servir o irmão, / segundo os preceitos que Deus lhe ensinou: / verá maravilhas de Deus, o Senhor, / porque muito amou. 3. Feliz quem confia na força do bem, / seguindo os caminhos da paz e o perdão: / será acolhido nos braços do Pai, / porque muito amou. 4. Feliz quem dá graças de bom coração / e estende sua mão ao sem-voz e sem-vez: / terá no banquete um lugar para si, / porque muito amou.

19. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL

Refrão meditativo: (36º Curso: 09.08) Não nos cansemos de fazer o bem. / Não nos cansemos de fazer o bem.

20. ORAÇÃO

P – Oremos. (Pausa para oração) Ó Deus, que a ação da vossa Eucaristia penetre todo o nosso ser para que não sejamos movidos por nossos impulsos, mas pela graça do vosso sacramento. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

21. AVISOS DA COMUNIDADE RITOS FINAIS 22. BÊNÇÃO FINAL

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Deus vos abençoe e vos guarde. T – Amém. P – Ele vos mostre sua face e se compadeça de vós. T – Amém. P – Volva para vós seu olhar e vos dê a sua paz. T – Amém. P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo. T – Amém.

23. DESPEDIDA

P – Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe. T – Graças a Deus.

ONDE NÃO HOUVER MISSA 24. COLETA FRATERNA

(É o momento de trazer donativos ou oferta em dinheiro para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia canta o n. 14 deste folheto.)

25. DA PALAVRA À REFEIÇÃO

(Quem preside convida a assembleia a se aproximar do altar.) P – Vamos dar graças a Deus e repartir entre nós o pão consagrado, memória viva do corpo do Senhor. Que esta comunhão firme nossa amizade com ele e o desejo de compreender e corresponder ao projeto pelo qual ele deu a sua vida. (Alguém traz o pão consagrado e o coloca sobre o altar. Todos fazem uma breve inclinação.) (38º Curso: 03.10)

T – Vós sois o Caminho, a Verdade e a Vida, / o pão da alegria descido do céu.

26. ORAÇÃO DE AÇÃO DE GRAÇAS

(Quem preside, ocupando o lugar no altar, convida a assembleia para o louvor.) P – Nós te damos graças, ó Deus da vida, porque neste dia santo de Domingo nos acolhes na comunhão do teu amor e renovas nossos corações com a alegria da ressurreição de Jesus. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor. P – Esta comunidade aqui reunida recorda a vitória sobre a morte, escutando a tua Palavra e repartindo o pão, na esperança de ver o novo céu e a nova terra, onde não haverá fome, nem morte, nem dor e


24-dtc-1681