Issuu on Google+

ESPECIAL Uma publicação da Associação Brasileira das Empresas de Transporte Internacional - Abril/2006

MERCADO

Prazos que prejudicam Na hora das negociações, os produtos brasileiros perdem competitividade para os de outros países exportadores devido à morosidade em todo o processo de remessa das cargas A capacidade de o Brasil exportar é prejudicada pela lentidão dos prazos de remessas das cargas ao exterior. “Na escolha por um país, ganha quem oferece, inclusive, o melhor prazo de atendimento. Nesse contexto, perdemos em competitividade”, diz Mário Fernandes da Costa, presidente da Abreti. Pág. 3

Programa beneficia importadores A Empresa Brasileira de InfraEstrutura Aeroportuária (Infraero) implantou no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), o programa VCP-Flex, que beneficia importadores com a redução de até 80% nas tarifas de armazenagem. Para participar do programa, o principal requisito é o comprometimento de clientes e empresas quanto à liberação das cargas em até 26 horas, a partir da entrada das mercadorias no terminal. O interessado deve fazer o preenchimento do termo de adesão ao VCP-Flex. Pág. 4

Movimentação de cargas: estudo aponta 39 dias para o produto brasileiro sair da fábrica até ser exportado

Abreti participa da Intermodal O estande da Associação Bra-

no país, diretores e funcionários da

sileira das Empresas de Transporte

entidade e das empresas associadas

Internacional (Abreti) na 12ª Inter-

discutirão no estande temas perti-

modal South America promete ser

nentes ao setor.

um dos mais movimentados da feira.

Esta é a primeira vez que a Abreti

Ao longo dos três dias de evento,

estará presente na Intermodal. Com

o local será o ponto de encontro

dois anos de existência, a associação

das 12 maiores freight forwarders

quer neste momento criar um conjunto

do mundo, que, juntas, respondem

de critérios que certifiquem todas as

por 50% desse mercado. “Nossa

empresas que trabalham de forma

intenção é captar as informações

correta, respeitando o recolhimento

dos membros e dos visitantes para

de impostos e os processos previs-

incrementarmos o comércio exterior

tos na legislação. Bax Global, DHL,

brasileiro”, explica Wilmar Onedis

Eagle, Expeditors, Hellmann, Jas,

Gomes, diretor da Abreti. Preocu-

Kuehne+Nagel, Panalpina, UPS, TNT

pados com a melhoria nos trâmites

e UTI são as empresas que fazem parte

do comércio exterior e da logística

da Abreti. 


OPINIÃO

Problemas e tendências do modal marítimo Roberto Prudente*

cidade. Prova disso é o porto de Santos de movimentação e teve um crescimento

e investe na modernização e am-

de 6,35%, gerando dificuldades para o

pliação da capacidade de armaze-

atendimento ao comércio exterior. Por

namento e escoamento de produtos

isso, é importante investir também em

nos portos por meio dos terminais de

portos alternativos, como o do Rio de

contêineres que administra. Já o se-

Janeiro (RJ) e de Paranaguá (PR).

tor público não assume corretamente

No entanto, apesar de todos os

a sua parte, deixando de investir na

entraves logísticos e de falta de infra-es-

infra-estrutura portuária. São muitos

trutura, o modal marítimo continua a ser

Um dos fatores que influenciou esse

os projetos, mas a maioria não sai

a grande tendência para as exportações.

movimento foi o aumento da frota

do papel.

Apenas três razões levam o exportador a

de navios, aliado a uma redução

optar por via aérea: o transporte de pro-

do volume de carga exportada,

É sempre bom lembrar que as deficiências percebidas no passado

levando a uma oferta maior que a

e ainda hoje poderão ser as mes-

demanda. No ano passado, houve

mas daqui a 20 anos. Portanto, os investimentos em infra-estrutura são urgentes e necessários para que os exportadores possam planejar seus negócios. Afinal, cerca de 80% das exportações brasileiras são feitas por meio do modal marítimo.

É importante investir também em portos alternativos, como o do Rio de Janeiro e de Paranaguá

O que se busca com os investimentos na infra-estrutura portuária é o equilíbrio para enfrentar os picos do

dutos de alto valor agregado e de cargas

comércio exterior. Se ontem o volume

especiais, incluindo alguns tipos de pe-

das exportações bateu recordes e

recíveis que não podem ficar 15 dias em

hoje está menor, poderá amanhã

trânsito em um navio; a procura mesmo

novamente crescer. O que se es-

por parte dos fabricantes de produtos de

pera é ter a tranqüilidade de saber

alta tecnologia que têm utilizado o modal

que, se houver aumento das vendas

marítimo sempre que possível, pois as-

externas, haverá suporte logístico

sim conseguem reduzir seus custos de

suficiente para atender o cliente no

transporte; além dos atrasos de fabrica-

prazo e com planejamento.

ção que levam à opção por embarques

De qualquer forma, a indústria

com trânsito mais rápido.

uma grande pressão para que os armadores disponibilizassem mais navios, mas agora o volume das exportações tem caído. Equilibrando essa distorção, o valor do frete para a importação tende a aumentar devido à maior procura. Como o comércio exterior está totalmente atrelado ao câmbio, as empresas se vêem obrigadas a enfrentar os altos e baixos da moeda norte-americana em relação ao real. Afinal, quem se arrisca a prever a cotação do dólar em novembro? Em um ano bastante volátil devido às eleições, é um grande desafio para todos saber como estarão a economia, as taxas de juros e a movimentação da Bolsa de Valores em face desse cenário político.

brasileira e o mercado estão ativos e

Durante os últimos meses houve re-

pulsantes. Só o governo não reage a

duções de frete na maioria das rotas, en-

*Vice-presidente da Associação Brasileira

contrando-se estabilizados no momento.

das Empresas de Transporte Internacional (Abreti)

EXPEDIENTE

essa demanda com a mesma velo-

2

Arquivo Canal de Comunicação

(SP), que no ano passado bateu recorde O setor privado faz a sua parte

ESPECIAL

Especial ABRETI é uma publicação da Associação Brasileira das Empresas de Transporte Internacional (Abreti), produzida pela Canal de Comunicação – Diretora Responsável: Adriane Abdo – Editora: Ana Heloísa Ferrero – Projeto Gráfico e Editoração: Selma Quinália – Revisão: Juliana Boa – Colaboraram para esta edição: Ana Heloisa Ferrero, Angela Gusikuda, Maria Finetto e Marina Franco – Endereço para correspondência: Rua Tenente Gomes Ribeiro, nº 212 - Cj. 41 - Vila Mariana - São Paulo - SP - CEP: 04038-040. Fone/Fax: 11 5084-6439, e-mail: abreti@canaldecomunicacao.com.br Os artigos assinados e opiniões são de total responsabilidade de seus autores. Nenhum material desta publicação pode ser reproduzido sem prévia autorização.

ABRETI


Redução da margem de lucro

MERCADO

Prazos que prejudicam

Outro problema enfrentado pelos

Matéria de capa

agentes de cargas internacionais é a desvalorização do dólar em relação ao

esteve tão bem. Somente nos últimos

real. Mário Fernandes da Costa explica

três anos, as exportações nacionais

que, com a receita das empresas em

cresceram aproximadamente 95%, pas-

moeda norte-americana, a margem de

sando de US$ 60,4 bilhões em 2002 para

lucro diminui. “Nesta situação, temos

US$ 118,3 bilhões no ano passado, se-

que recuperar nossa rentabilidade,

gundo dados do Ministério do Desenvolvi-

cortando custos e renegociando os

mento, Indústria e Comércio Exterior. Mas a

preços com os clientes. Corte de

capacidade do país em exportar é posta em

custos pode implicar redução de em-

cheque quando o assunto é prazo de re-

pregos e perda de mão-de-obra qua-

messa. A via-crúcis feita pelos produtos da

lificada, que em geral demora para ser

Arquivo Canal de Comunicação

O comércio exterior do Brasil nunca

fábrica até os portos ou aeroportos é velha conhecida dos executivos que trabalham no setor, dentro ou fora do Brasil. “Infelizmente, todos já estão acostumados com essa ineficiência brasileira. O prazo de atendimento faz parte da matriz de decisão na hora da compra de um produto ou serviço. Não somente o preço do produto é considerado, mas todos os

Mário Fernandes da Costa: prazos comprometidos pelas precárias condições do transporte rodoviário e pelas barreiras alfandegárias nos portos e aeroportos do país

componentes de custo. Nesse contexto,

formada. Além disso, a capacidade de investimentos das empresas é afetada, uma vez que algumas passam a nem sequer gerar caixa para manter a atividade”, diz o presidente da Abreti. O cenário atual faz com que muitas companhias de freight forwarders recorram a bancos. “Normalmente, existem duas alternativas: a busca de dinheiro junto a bancos brasileiros que

o Brasil perde competitividade”, afirma

conhecido tráfego caótico de algumas

possuem uma das maiores taxas de

Mário Fernandes da Costa, presidente da

cidades e as próprias barreiras alfande-

juros do mundo, ou a renegociação

Associação Brasileira das Empresas de

gárias nas estradas, portos e aeroportos.

de prazos de pagamento de fornece-

Transporte Internacional (Abreti).

Tudo isso contribui para que o tempo de

dores, que já não têm mais muita mar-

Um recente estudo do Banco Mundial

transporte e, conseqüentemente, o custo

gem para negociação. Você repassa

aponta que um produto brasileiro leva, em

sejam mais altos”, explica. O estudo

isso para o seu preço, trazendo um

média, 39 dias entre a saída da empresa

do Banco Mundial aponta a Dinamarca

risco a mais para o seu negócio.”

até a entrega ao porto. Com essa mo-

como o país mais desenvolvido nesse

O alto risco de perda de divisas

rosidade, o Brasil fica ao lado de países

aspecto, pois demanda apenas cinco

pode ser exemplificado também atra-

como Butão e Camarões. Hoje, a média

dias para a operação de exportação.

vés da responsabilidade que cada

mundial para esse processo é de 27 dias.

Países como México e Argentina ne-

companhia tem nos processos. “Em

“Não saberia dizer se o número apontado

cessitam, em média, de 18 e 23 dias,

muitos casos nos responsabilizamos

pelo Banco Mundial está correto, porém

respectivamente.

por erros de terceiros no decorrer da

ele me parece um tanto exagerado. Exis-

A possibilidade de unificar todo o

operação, o que significa a possibili-

tem casos em que realmente o atraso é

processo de fiscalização dos órgãos

dade de pagamento de multas, sem

enorme, como falta de documentação ou

brasileiros ligados à exportação para

a garantia de que seremos reembol-

outros entraves burocráticos”, observa o

diminuir a demora pode ser uma das

sados pelos responsáveis.” Diante

presidente da Abreti.

alternativas para agilizar parte do pro-

dessas barreiras, Costa ressalta a

No entanto, Costa lembra que, inde-

cesso, segundo o presidente da Abreti.

importância da ética nos procedi-

pendentemente da média levantada pelo

Para ele, se houvesse eficiência aliada

mentos realizados pelas empresas

estudo, a morosidade existe e há outros

à tecnologia, o tempo dos processos

associadas à Abreti. “A entidade é a

fatores que complicam os prazos de

seria reduzido. “A solução seria dotar o

favor do trabalho correto. Em longo

exportação. “Nosso transporte rodoviário

sistema de fiscalização de ferramentas

prazo, as companhias de sucesso

sofre com a precariedade das rodovias

modernas, buscando agilidade nos pro-

são as que têm a ética como parte

e infra-estrutura em geral, o que faz com

cessos”, diz Costa.

dos valores corporativos.”

que se diminua a velocidade de escoamento de produtos. Soma-se a isso o já

Continua na pág. 4 ESPECIAL

ABRETI

3


Continuação da pág. 3 Tal modernidade já está a ca-

folha salarial das empresas brasileiras

conjunto de ações que vão desde

minho dos portos e aeroportos

sejam de funcionários que trabalham

coisas básicas como o entendimento

brasileiros. Brevemente, a Receita

para cumprir obrigações governamen-

da legislação, que muitos, na verdade,

Federal deverá disponibilizar, em

tais. “A Abreti apóia todas as iniciativas

não compreendem, até a melhoria de

caráter experimental, o Siscomex-

que vão ao encontro da diminuição de

estradas e sistemas de transportes,

Carga, em que o importador comu-

custos e agilização dos processos de

simplificação tributária, modernização

nica com antecedência o produto

exportação, desde, é claro, que não

de processos de fiscalização, que en-

que dará entrada na aduana. Hoje,

interfiram no dever da autoridade alfan-

volvem muitos investimentos e muitos

é preciso ver primeiro a mercadoria.

degária e tributária”, admite.

anos de desenvolvimento. O Brasil

“É uma excelente iniciativa, é uma

Para o presidente da Abreti, a

tem capacidade para desenvolver tudo

das formas de melhorar o trabalho

solução para resolver este imbróglio

isso. Temos tecnologia de ponta, mão-

de fiscalização”, opina o executivo.

envolve uma série de fatores. “Não

de-obra qualificada, temos tudo para

Atualmente, estima-se que 15% da

existe fórmula mágica. É preciso um

termos sucesso”, afirma. 

EM PAUTA

e da Suécia. Para as associações que integram a

Redução de tarifas em Viracopos

Aliança, entre elas a Abreti, o grande arco

Os importadores que utilizam o

de apoios é que vai garantir o processo

Aeroporto Internacional de Viraco-

de melhoria do comércio internacional.

pos, em Campinas (SP), poderão

Aliás, o grande objetivo do movimen-

ter redução de até 80% nas tarifas

to é justamente desenvolver, propor,

de importação de armazenagem,

conseguir aprovação e implementar um

com o VCP-Flex, novo programa da

sistema aduaneiro moderno que proteja

Infraero. O principal requisito para a

os interesses nacionais e facilite o co-

participação no programa é o com-

mércio exterior.

prometimento de clientes e empresas Procomex II

quanto à liberação das cargas em até

A atuação do Procomex este ano

26 horas, a partir da entrada das merDesses, 30 têm algum tipo de benefício

será concentrada em três frentes: proces-

O programa poderá ser aplicado

tarifário para importação de mercadorias.

sos, sistemas e temas. A primeira refere-

em lotes de mercadorias com valor

Portanto, o número potencial de usuários

se à criação de grupos de trabalho para

agregado mínimo de US$ 50 por

do novo programa é alto. Alguns impor-

analisar os processos/fluxos nas ope-

quilo e valor CIF (custo + seguro +

tadores, diz, já estão usando o programa

rações de importação e de exportação

frete) mínimo de US$ 5 mil, que não

para a retirada dos mais diversos tipos

dos modais aéreo, marítimo e terrestre,

sejam contemplados por regimes

de carga: de peças automobilísticas a

visando à diminuição do tempo desses

aduaneiros especiais da Receita Fe-

eletroeletrônicos.

processos.

cadorias no terminal de cargas.

Na segunda frente, serão oferecidos

deral (como Linha Azul e Recof). O

4

VCP-Flex quer acelerar os processos

Procomex I

sistemas para modernização do fluxo

de importação para colocar o terminal

A Aliança Pró-modernização Logís-

aduaneiro, enquanto na terceira serão

de cargas de Viracopos entre os mais

tica do Comércio Exterior (Procomex) já

discutidos temas específicos e imediatos

eficientes do mundo.

comemora uma das metas alcançadas:

que afetam o comércio exterior como a

“O objetivo é premiar a eficiência

a interação da sociedade civil com os

Instrução Normativa (IN) 455, que estabe-

da cadeia logística dos importadores

órgãos governamentais. Desde a criação

leceu os procedimentos para habilitação

brasileiros”, afirma Carlos Alber-

da Aliança, em 2004, iniciou-se um bom

do responsável legal da pessoa jurídica

to Cardoso Alcântara, gerente de

entrosamento entre as 32 associações

(importador/exportador) junto ao Sisco-

logística da Infraero no Aeroporto

fundadoras do movimento e represen-

mex e credenciamento de representantes

de Viracopos. Segundo ele, hoje o

tantes da Secretaria Adjunta da Receita

dos importadores e exportadores para

aeroporto registra um número de

Federal do Brasil e de aduanas interna-

a prática de atividades relacionadas ao

aproximadamente 500 importadores.

cionais, como as da República Tcheca

despacho aduaneiro. 

ESPECIAL

ABRETI


Boletim Abreti