Issuu on Google+

Booklet de Soluções Sociais Regiões Alentejo e Norte| Versão 5.0 Março 2014


Índice 0 | Introdução 1 | Apresentação do Projeto MIES 2 | Booklet de Soluções Sociais


Índice 0 | Introdução 1 | Apresentação do Projeto MIES 2 | Booklet de Soluções Sociais


0 | Introdução

Introdução Na Sessão de Apresentação dos Resultados Preliminares do MIES relativos à Região do Alentejo, realizada a 3 de Dezembro de 2013 na Fundação Calouste Gulbenkian, foram realizados diversos grupos de trabalho constituídos para reflexão e debate sobre os conteúdos do projeto MIES. Uma das principais conclusões foi a necessidade que os vários stakeholders do MIES demonstraram em terem conhecimento ao longo do decorrer do projeto, de iniciativas com quem a equipa vai contactando no terreno nas três fases da metodologia ES+. Somente no final do projeto ou à medida que vamos terminando o diagnóstico de cada região, iremos saber quais as iniciativas que são consideradas ES+ (de Alto Potencial em Inovação e Empreendedorismo Social) mas, tendo em conta o interesse demonstrado, preparámos o presente Booklet de Soluções Sociais que é uma compilação de uma amostra de iniciativas que o MIES tem vindo a conhecer, que não passaram após a Fase de Despiste, mas que constituem-se como soluções sociais a partilhar e divulgar. Antes da apresentação das soluções sociais identificadas, apresentamos seguidamente uma breve descrição do Projeto, os seus Promotores, conceito e detalhes metodológicos utilizados.


Índice 0 | Introdução 1 | Apresentação do Projeto MIES 2 | Booklet de Soluções Sociais


2 | Enquadramento IES

1| Apresentação do Projeto MIES

O Projeto MIES Os Objetivos Operacionais •

Um projeto de pesquisa de Mapeamento de Iniciativas Inovadoras de Empreendedorismo Social e de identificação e criação de conhecimento local nas vertentes: • Ecossistemas de Empreendedorismo e Inovação Social • Conceitos locais de inovação e empreendedorismo social • Necessidades Sociais • Especialistas e Estruturas de Inovação e Empreendedorismo Social • Investidores Sociais • Soluções Sociais

No âmbito geográfico do NUTS II: Norte, Centro e Alentejo;

Utilização de metodologia de proximidade com as comunidades locais – Metodologia ES + e focando a análise nos fatores de competitividade dos modelos de negócio inovadores identificados;

Divulgação e disseminação internacional de casos de sucesso e boas práticas nacionais identificadas.

Norte

Centro

Alentejo


2 | Projecto de Mapeamento de Inovação e Empreendedorismo Social (MIES)

1| Apresentação do Projeto MIES

Promotores, Financiadores e Parceiros Parceria entre organizações académicas, sociais, públicas e privadas

Promotores

Financiadores

Parceiro Governamental

Parceiros Académico

Parceiros Internacionais

7


2 | Projecto de Mapeamento de Inovação e Empreendedorismo Social (MIES)

1| Apresentação do Projeto MIES

Cronograma Geral 2012 4º trim

2013 1º trim

2º trim

2014 3º trim

4º trim

1º trim

2012

2º trim

3º trim

4º trim

Fase I: Questionários a Observadores Privilegiados (OP) Metodologia ES+

Fase II: Questionários de Despiste a Iniciativas Referenciadas (TD) Fase III: Questionário Profundo a Iniciativas Seleccionadas (QI) Fase IV: Apresentação ao Conselho Académico e Selecção Final das Iniciativas (CAC)

Ferramenta de Análise de Competitividade Base de Dados e Mapa Interactivo

Design Ferramenta “Avaliação Competitividade” Aplicação Piloto Ferramenta “Análise de Competitividade” Relatório de Competitividade Design Base de Dados e Mapa Interactivo Implementação do Mapa Interactivo Online Criação do Site e introdução de texto e vídeo Produção de Vídeos Institucionais Evento de Lançamento – organização e implementação

Divulgação e Promoção Legenda

Iniciado Por iniciar

Livro I.E.S. Portugal Evento Final Workshop I.E.S. Portugal

Legenda 8


1| Apresentação do Projeto MIES

Conceito de Inovação e Empreendedorismo Social

“Empreendedorismo Social é o processo de procura e implementação de soluções inovadoras e sustentáveis para problemas importantes e negligenciados da sociedade que se traduz em Inovação Social sempre que se criam respostas mais efetivas (relativamente às alternativas em vigor) para o problema em questão.” Filipe Santos, INSEAD 2012 Journal of Business Ethics

Porquê e como mapear a inovação social?


1| Apresentação do Projeto MIES

Mapeamento da Inovação e Empreendedorismo Social Conhecimento, Performance e Escala

Empoderamento, Investimento e Disseminação • Formação e Capacitação

• Base de Dados de Conhecimento de soluções sistematizadas

• Envolvimento participado dos beneficiários e comunidade nos projetos

• Replicabilidade das soluções

• Disseminação e promoção das soluções inovadoras

• Perceber riscos e falhas para preparar novos projectos • Diagnóstico de Necessidades e Avaliação e Medição de Impacto

•Critérios e Soluções de Investimento Social

• Criação de Parcerias e partilha de recursos

Porquê?

* Fonte: entrevistas referenciados especialistas para-700R com experiência relevante na indústria (do ES + metodologia)

• O Empreendedorismo Social normalmente é de pequena escala, low profile e não consciente de si próprio • O Empreendedorismo Social emerge em contextos diversos e inesperados • Inovação Social emerge de iniciativas com alto potencial social de Empreendedorismo Social • Inovação Social necessita ser alimentada, codificada e disseminada


1| Apresentação do Projeto MIES

Metodologia ES+

Metodologia reconhecida na EU aplicada em Cascais (2009), Vila Real (2010) e Porto (2011).

Todas as Iniciativas Sociais 100%

Iniciativas Sociais Despistadas ~25%

Iniciativas ES+ ~3%

Inovações Sociais

11


1| Apresentação do Projeto MIES

Um exemplo ES+

Um estudo de caso para muitos poderem aprender e seguir – Histórias da Ajudaris http://www.youtube.com/watch?v=JhowXmaGtIM

3 Missão Social e Ambiental

3

3

Impacto Social e/ou Ambiental

Inovação, Sustentabilidade Inspiração

3

3

Empoderamento e Inclusão Local

Escalabilidade e Replicabilidade

12


Índice 0 | Introdução 1 | Apresentação do Projeto MIES 2 | Booklet de Soluções Sociais


2| Booklet de Soluções Sociais

Booklet de Soluções Sociais No processo de investigação e mapeamento, mediante a aplicação da metodologia ES+, são identificadas iniciativas ao longo da cadeia de valor do projeto que apesar de meritórias não são enquadradas com os critérios e características de inovação e empreendedorismo social da metodologia ES+. Ainda assim, verificamos que muitas delas são soluções sociais com características e fatores muito positivos, quer sejam operacionais, processuais, ou metodológicos, com muito bons resultados, pelo que são de partilhar e divulgar. Neste sentido, compilámos no presente documento algumas das soluções sociais identificadas ao longo do processo até à Fase de Despiste, na Região do Alentejo e na Região Norte, mas que por não reunirem critérios e caraterísticas de inovação e empreendedorismo social da metodologia ES+ não passaram às fases subsequentes do MIES. Com este Booklet, pretendemos, sem querer comparar, ou fazer uma distinção qualitativa entre as iniciativas, quanto ao seus níveis de maturidade e desenvolvimento, apresentar algumas das características dos seus objetivos e resultados. Segue-se, nos próximos slides, uma apresentação sumária de um exemplo não exaustivo de soluções sociais que contribuem para o bem-estar social e desenvolvimento socioeconómico da sua localidade. Em todos os Concelhos analisados, foi possível identificar não só uma boa solução social, mas sim várias. Este documento não pretende ser uma lista extensiva, mas sim uma pequena amostra exemplificativa da Região.

14


Índice 0 | Introdução 1 | Apresentação do Projeto MIES 2 | Booklet de Soluções Sociais 2.1| Região do Alentejo 2.1.1| Sub-região Baixo Alentejo 2.1.2| Sub-região Alentejo Central 2.1.3| Sub-região Alentejo Litoral 2.2| Região do Norte


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.1 | Sub-região Baixo Alentejo Iniciativa FLORES DE ESPERANÇA

Entidade Promotora

Centro Social Recreativo do Bairro da Esperança

Responsável

Dulce Cachola

Ano de arranque

2013

Âmbito de Atuação

Envolvimento Comunitário

Público-alvo

A comunidade do Bairro da Esperança

Abrangência geográfica

Bairro da Esperança – cidade de Beja Promover a imagem do Bairro da Esperança, contribuindo para uma comunidade cada vez mais envolvida e socialmente saudável. A ideia partiu da iniciativa de Tó Romano “Florir Portugal”, que esteve presente no primeiro workshop. O objetivo central é criar um bairro florido onde, através do desenvolvimento de uma imagem de marca associada à flor, se crie uma atividade económica. Recorrendo a cursos de formação na área da floricultura e olaria, trabalham-se as competências necessárias para que os próprios habitantes do bairro possam dar continuidade à produção de artigos comercializáveis (inicialmente vasos e flores). São ainda realizadas uma festa anual, algumas atividades de animação e mercados, através da valorização dos empresários locais e escoamento dos respetivos produtos, integrando a componente da flor, nomeadamente, os comerciantes, como a padaria, mercearias, cafés, vendedores ambulantes e feirantes (carroceis, algodão doce e pipocas, farturas, insufláveis, roupas e sapatos) É copromotora a EAPN – PORTUGAL - Rede Europeia Anti-Pobreza – Núcleo de Beja. Até ao momento estão envolvidos na iniciativa nº 60 moradores. Esta iniciativa conta ainda com a participação de várias entidades da rede social (50), como a Universidade Sénior (com 150 alunos) ou o Centro de Paralisia Cerebral (com os seus alunos), Corpo Nacional de Escutas , Alunos do Ensino Superior. • Manutenção pelos próprios habitantes de algumas melhorias no bairro, nomeadamente na pintura das casas; • Nova dinâmica dos habitantes do bairro, registando-se aumentos de motivação e auto-estima, que se traduzem no registo dos primeiros voluntários (60). • Aparecimento em rádios locais: Voz da Planície, Pax e Rádio Nacional Antena 1; • Reportagens em Jornais Locais: Diário do Alentejo a 26.04.2013 e 19.07.2013.

Missão

Descrição da iniciativa

Nº de Clientes Principais Resultados alcançados Prémios e Reconhecimentos Testemunhos

http://da.ambaal.pt/noticias/?id=3039; http://www.rtp.pt/play/p470/e121678/portugal-em-direto

Website

https://www.facebook.com/flores.deesperanca; e-mail: projetofloresdeesperança@gmail.com

Vídeo

-


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.1 | Sub-região Baixo Alentejo Iniciativa MÚSICA DE GERAÇÕES

Entidade Promotora

Sociedade Filarmónica e Recreativa de Ferreira do Alentejo

Responsável

Margarida Maurício e Conceição Pereira

Ano de arranque

2011

Âmbito de Atuação

Educação/Formação

Público-alvo

Crianças e Jovens

Abrangência geográfica

Ferreira do Alentejo O grande objetivo da Sociedade Filarmónica e Recreativa de Ferreira do Alentejo (SFRFA) é promover o acesso à cultura, apostar no ensino de música e sensibilizar cada vez mais cedo as crianças para a música e, assim, também fidelizar um público-alvo na SFRFA, de modo a garantir a preservação da cultura local. A iniciativa da SFRFA engloba a Escolinha de Música, dirigida a crianças entre os 4 e os 6 anos de idade, e as Aulas para crianças dos 6 aos 10 anos. A Escolinha de Música é uma aula de música que ocorre uma vez por semana, aos sábados, em que o grande objetivo é a sensibilização para a música, repartidas entre conhecimento musical, sensibilização e uma parte lúdica. Em alguns momentos pontuais estas aulas expandem-se para outros dias da semana para interação com as classes de música regulares da SFRFA.

Missão

Descrição da iniciativa

Nº de Clientes Principais Resultados alcançados Prémios e Reconhecimentos

Nas aulas das crianças dos 6-10, é já trabalhado a prática do instrumento e o desenvolvimento da parte musical. Os alunos tornam-se os professores e ajudam os mais novos na aprendizagem. Realizam ainda espetáculos em alturas festivas e celebração de datas temáticas. 12 alunos. • Acesso e promoção da cultura e contacto com a música por parte das crianças; • Melhores resultados escolares; • Maior capacidade de autodisciplina; • Preservação da cultura local. -

Testemunhos

“As crianças sabem o nome de todos os instrumentos, começam a aprender a ler música, sabem o nome dos compositores e ensinam aos pais.”

Website

https://www.facebook.com/sfrfa.ferreiradoalentejo

Vídeo

http://videos.sapo.pt/GkrhDhz5uhrMaLN06mW7


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.1 | Sub-região Baixo Alentejo Iniciativa CANTE ALENTEJANO NAS ESCOLAS

Entidade Promotora

Câmara Municipal de Serpa

Responsável

Srª. Vª. Maria Isabel da Palma Estevens

Ano de arranque

2008

Âmbito de Atuação

Promoção da Cultura Local

Público-alvo

Crianças

Abrangência geográfica

Serpa Promover o legado cultural do cante alentejano através do incentivo e motivação das novas gerações para a sua aprendizagem.

Missão

Descrição da iniciativa

Consiste no ensino de canto alentejano a todas as crianças que frequentam os 3º e 4º anos (nas aulas de educação musical). Iniciada em 2005, esta iniciativa de cariz cultural, acabou por desenvolver também uma vertente social por promover a interação entre gerações , pela colaboração com a academia sénior e outros grupos corais do concelho..

Nº de Clientes

> 300 crianças

Principais Resultados alcançados

• •

Prémios e Reconhecimentos

-

Testemunhos

-

Website

http://www.cm-serpa.pt http://www.youtube.com/watch?v=Y1XHfEz_TCo ou http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=662394&tm=8&layout=123&visual=61

Vídeo

Foi criado e consolidado o grupo coral infantil para o cante alentejano – Grupo Coral Juvenil de Vila Nova de S.Bento ; Foram realizados vários espetáculos, deslocando-se a várias localidades.


Índice 0 | Introdução 1 | Apresentação do Projeto MIES 2 | Booklet de Soluções Sociais 2.1| Região do Alentejo 2.1.1| Sub-região Baixo Alentejo 2.1.2| Sub-região Alentejo Central 2.1.3| Sub-região Alentejo Litoral 2.2| Região do Norte


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.2 | Sub-região Alentejo Central Iniciativa HORTA PEDAGÓGICA

Entidade Promotora

Agrupamento Vertical de Escolas do Alandroal

Responsável

Tomé Laranjinho

Ano de arranque

2012

Âmbito de Atuação

Educação/Formação

Público-alvo

Jovens

Abrangência geográfica

Alandroal

Missão

Nº de Clientes

Ensinar e motivar os jovens para replicar o modelo de horta em casa, de forma a contribuir para a economia familiar A iniciativa Horta Pedagógica na escola, surgiu da perceção de a nível pedagógico as crianças, mesmo em contexto rural, não terem conhecimento sobre a produção de alimentos, uma vez que esta informação perdeu-se na geração anterior. Por outro lado era evidente o abandono do recurso terra, abundante neste contexto territorial, e que está a ser subaproveitada pelas famílias. A iniciativa, desenvolvida no tempo curricular da escola, consiste na implementação e desenvolvimento de uma horta pedagógica (aromática e hortícola) pelos alunos dos 5º e 6º anos do Agrupamento Vertical de Escolas do Alandroal, com a supervisão e apoio dos professores docentes da disciplina. A escola cede o espaço para a horta, sendo as sementes levadas pelas crianças com o envolvimento das suas famílias (pede-se que as famílias participem, principalmente os avós), é ainda feito o recurso a alguns utensílios e água. Cerca de 90 alunos.

Principais Resultados alcançados

• •

Prémios e Reconhecimentos

-

Testemunhos

“É mais um passo para conseguir quebrar o ciclo de subsidiodependência. Esta iniciativa capacita e contribui para uma maior independência das famílias, enquanto permite recuperar saberes locais e sementes típicas.”

Website

http://www.av-alandroal.pt/

Vídeo

-

Descrição da iniciativa

Os alunos estão comprometidos com o projeto e vão à escola mesmo durante as férias escolares para tratar da horta; Os alunos já ajudam os avós nas hortas.


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.2 | Sub-região Alentejo Central Iniciativa CARTÃO SORRISO

Entidade Promotora

Centro Social e Paroquial de Santo André

Responsável

Helena Chouriço

Ano de arranque

2013

Âmbito de Atuação

Apoio Social a Crianças e Famílias

Público-alvo

Crianças e Famílias

Abrangência geográfica

Estremoz Ajudar ao bem estar comum, acolher, respeitando idade, crenças, culturas e origem, e acreditar na construção de um mundo melhor. A iniciativa Cartão Sorriso é um cartão de descontos para as crianças de famílias carenciadas que frequentam regularmente o Centro de Atividades de Tempos Livres (CATL) do Centro Social e Paroquial de Santo André, aliado de um acompanhamento técnico prestado às famílias sobre gestão familiar de rendimento. O Cartão conta acordos de parceria com cinco entidades na cidade: uma clinica dentária, uma ótica, um supermercado, um cabeleireiro e uma papelaria, podendo as famílias usufruir de descontos através da utilização do Cartão Sorriso. Seguindo um regulamento interno, as crianças carenciadas (as suas famílias) usufruem de um cartão numerado e personalizado que lhes dá um conjunto de vantagens tais como: 10% desconto nas compras da família em produtos alimentares; 10% desconto em papelaria; 20% desconto na ótica; 20% desconto no cabeleireiro; consultas gratuitas na clínica. As entidades parceiras, por sua vez, têm um autocolante de identificação que pertencem à rede. O Cartão Sorriso tem uma validade interna de um ano, sendo a renovação validada pelo CATL. De referir ainda que o cartão, é de plástico, tipo multibanco, tendo sido obtido através de uma parceria com a Caixa Agrícola. 50 crianças. • Combate às carências de 50 crianças ao nível da alimentação, saúde e escolar, devido às carências económicas e má gestão orçamental das suas famílias; • Famílias formadas sobre a gestão de prioridades orçamentais familiares. http://centrosocialeparoquialdestoandre.webs.com/ https://www.facebook.com/pages/Centro-Social-Paroquial-de-Santo-Andr%C3%A9ATL/433462153377546 -

Missão

Descrição da iniciativa

Nº de Clientes Principais Resultados alcançados Prémios e Reconhecimentos Testemunhos Website Vídeo


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.2 | Sub-região Alentejo Central Iniciativa ESTAÇÃO BIOLÓGICA DO GARDUCHO

Entidade Promotora

CEAI – Centro de Estudos da Avifauna Ibérica

Responsável Ano de arranque Âmbito de Atuação Público-alvo

Carla Janeiro 2010 Ambiente Comunidade, Crianças e Jovens, Famílias

Abrangência geográfica

Mourão, Moura e Barrancos

Missão

Educação ambiental; Defesa da biodiversidade; Compabitibilização das actividades humanas com a conservação da Natureza. O Centro de Estudos da Avifauna Ibérica adquiriu o antigo posto fiscal do Garducho e transformou-o numa estação biológica Estação Biológica do Garducho. A Estação Biológica tem como objectivo contribuir para a conservação do património natural da região Moura-Mourão-Barrancos, através de acções concretas de conservação e da sensibilização dos cidadãos para a importância dos recursos naturais, desenvolvendo as seguintes actividades: • Fomentar a sensibilidade civil para a importância da biodiversidade; • Difundir o conhecimento científico sobre espécies e os habitats presentes na região de Mourão-Moura-Barrancos; • Promover o turismo de natureza; • Fomentar o conhecimento científico sobre os valores naturais de importância nacional e comunitária; • Difundir o uso de materiais e tecnologias ambientalmente sustáveis; • Contribuir para o desenvolvimento sócio-económico da região; • Incentivar o estabelecimento de parcerias institucionais de âmbito regional, nacional e internacional; • Facultar oportunidades a jovens investigadores, através de estágios e de trabalhos académicos. 3.000/ano

Descrição da iniciativa

Nº de Clientes Principais Resultados alcançados Prémios e Reconhecimentos

Envolvimento de 3.000 pessoas por ano

Website

“ Na sua conceção é uma ideia de mundo futuro possível, que se articula nas suas múltiplas valências, repartindo-se pela investigação e educação, pela promoção do riquíssimo património natural e cultural da região onde se insere, pela revitalização comunitária (...)”. http://www.ceai.pt/ebg/#home

Vídeo

http://www.youtube.com/watch?v=08oA351hVtw

Testemunhos


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.2 | Sub-região Alentejo Central Iniciativa CULARTES

Entidade Promotora

Cooperativa CulArtes

Responsável

Sónia Mendes (Presidente da Direcção)

Ano de arranque

2005

Âmbito de Atuação

Acesso à Cultura

Público-alvo

Crianças, Jovens e Adultos, portadores de deficiência mental e rara e seus familiares

Abrangência geográfica

Viana do Alentejo

Missão

Testemunhos Website

Apoio, promoção e divulgação artístico-cultural, nomeadamente nas áreas da música, belas artes, artes e ofícios A Cooperativa CulArtes tem como fins prioritários, o apoio, promoção e divulgação artístico-cultural, nomeadamente das seguintes áreas: (i) ensino artístico nas áreas da música, belas artes, artes e ofícios; (ii) valorização, divulgação e edição da música, belas artes, artes e ofícios; (iii) realização de projetos pedagógicos nas áreas da música, belas artes, artes e ofícios e educação escolar; (iv) promoção, edição e divulgação de artistas da zona; (v) Ocupação de tempos livres de crianças em idade escolar; (vi) intercâmbio cultural com associações ou cooperativas e afins, no país e no estrangeiro. Neste sentido, desenvolve um conjunto de como atividades centrais, designadamente: (i) Música para Bebés; (ii) Aprendendo a tocar…(viola acústica, viola baixo; piano; orgão elétrico; formação musical); (iii) Música na 3ª idade; (iv) Workshops / Espetáculos. A CulArtes, aposta sobretudo na formação musical clássica, sendo que fazem parte das suas actividades não centrais a produção de musicais, de um livro, de cd's. Abrange, ainda, formação ao nível do comportamento em ambientes públicos e de espectáculo, bem como outras actividades artísticas como a yoga e pilates, a técnica de blackbox, ou sessões de lançamento de livros. Tendo a preocupação de garantir o acesso à cultura por parte de toda a população, para além de um leque de atividades abrangente, pratica preços simbólicos acessíveis a todos. 35 alunos • Alunos que seguiram a sua formação e estudos ao nível profissional e superior no conservatório; • Aumento da sensibilidade da comunidade para a música e as artes. • A CulArtes foi objecto de estudo de caso em 2009; • Medalha de Mérito atribuída pela Câmara Municipal de Viana do Alentejo (13 de Janeiro de 2012). http://culartes.blogs.sapo.pt/; https://www.facebook.com/CulArtes/info

Vídeo

-

Descrição da iniciativa

Nº de Clientes Principais Resultados alcançados Prémios e Reconhecimentos


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.2 | Sub-região Alentejo Central Iniciativa APARTAMENTO DE AUTONOMIZAÇÃO

Entidade Promotora

Santa Casa da Misericórdia de Reguengos de Monsaraz

Responsável Ano de arranque Âmbito de Atuação Público-alvo Abrangência geográfica Missão

Dr.ª Vânia Pereira 2010 Comportamentos de risco Jovens em risco Abrangência Regional Autonomização de jovens institucionalizados e criação de oportunidades de educação para a cidadania e autonomia. O Apartamento de Autonomia existe para apoiar a transição para a vida adulta de jovens que possuem competências pessoais específicas. Funciona em edifício próprio e tem vaga para três jovens com mais de 15 anos com medida de promoção e proteção de autonomia aplicada pelo Tribunal ou Comissão de Proteção de crianças e jovens em risco. O Apartamento de Autonomia está vocacionado para apoiar jovens com trajetórias de vida de risco, provenientes de vários pontos do país, e privados de meio familiar “normal”, devido a situações de perigo diversas e a carências socioeconómicas, e que necessitam de apoio para aprender a viver sozinhos. Ao Apartamento de Autonomia compete:

Descrição da iniciativa

• • • •

Nº de Clientes Principais Resultados alcançados Prémios e Reconhecimentos Testemunhos Website Vídeo

Mediar processos de autonomia de vida e de participação ativa de jovens, minimizando riscos de exclusão social; Desenvolver processos individuais de acompanhamento e de apoio a nível psicossocial, material, de informação e de inserção sócio laboral; Dinamizar programas de formação específicos destinados ao desenvolvimento de competências pessoais, escolares e profissionais dos jovens; Partilhar competências com outros serviços e promover domínios comuns de conhecimentos e de prática com o objetivo de estabelecer uma intervenção articulada e integrada facilitadora da transição de jovens para a vida adulta.

Depois dos jovens sairem da instituição é feito um follow up durante o 1º ano de autonomia do jovem, com o objectivo de medir o impacto da iniciativa. 28 jovens Até hoje já autonomizaram 17 jovens.

http://www.scmreguengos.eu/SANTACASA_DETALHE.aspx?ID_Content=17 -


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.2 | Sub-região Alentejo Central Iniciativa GRUPO DE GINÁSTICA SÉNIOR

Entidade Promotora

Câmara Municipal de Sousel

Responsável

Jaime Barreiros

Ano de arranque

2009

Âmbito de Atuação

Envelhecimento Activo

Público-alvo

Idosos

Abrangência geográfica

Município de Sousel

Missão

Website

Dar vida aos idosos e tornar a população envelhecida mais activa O Grupo de ginástica sénior teve início em 2009 com aulas de hidroginástica e ginástica em pavilhão.. Pela adesão e envolvimento dos séniores (mais de 100), a Câmara Municipal sentiu a necessidade de dinamizar este grande grupo de pessoas, introduzindo outro tipo de actividades. Assim, de forma participativa foi desenvolvida uma tuna sénior, que conta com cerca de 80 elementos apoiados por dois técnicos. Também foi implementado o programa "Navegar é que está a dar" no qual os idosos têm oportunidade de se familirizar com as TIC, e plataformas de comunicação online. As actividades acontecem com muita regularidade, tornando os seus participantes mais activos, saudáveis, dinâmicos e com maior auto-estima. Abrange neste momento entre 60 e 100 idosos • Dinamização da população sénior, onde os idosos saiem à rua e participam da vida comunitária; • Formação de quatro turmas com 15 elementos cada, no programa “Navegar é que está a dar” • Participação de uma equipa no “Jogos do Norte Alentejano”: 54 elementos na fase distrital de hidroginástica sénior. “As pessoas passam na rua e comentam que têm a agenda completa devido às actividades do Grupo de Ginástica Senior. Nota-se que estes idosos estão mais activos.” -

Vídeo

http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=31&did=55086

Descrição da iniciativa

Nº de Clientes Principais Resultados alcançados Prémios e Reconhecimentos Testemunhos


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.2 | Sub-região Alentejo Central Iniciativa VIDA SAUDÁVEL VENDAS NOVAS

Entidade Promotora

AICVN - Associação de Intervenção Comunitária de Vendas Novas

Responsável Ano de arranque Âmbito de Atuação Público-alvo Abrangência geográfica

Website

Dr.ª Sílvia 2008 Saúde, pobreza e exclusão social Idosos Vendas Novas Combater a pobreza e exclusão social. Promover a inclusão e trabalhar a prevenção da doença. Tornar mais acessível o acompanhamento/cuidados de saúde. A iniciativa Vida Saudável desenvolve-se em três grandes linhas: acompanhamento de situações médicas e rastreios de saúde a idosos isolados (actividade continuada); Feira de Promoção da Saúde e Bem Estar de Vendas Novas (actividade pontual de sensibilização); e Feira do Idoso (actividade pontual que promove o convívio intergeracional).Os Rastreio e Acompanhamento de Saúde é a actividade central da iniciativa, acontece ao longo de todo o ano e é realizado com uma forte base voluntária. Para realização dos rastreios, as instalações são cedidas através de protocolos celebrados com grupos desportivos e associações existentes nas várias localidades, garantindo um local de atendimento. São também angariados kits de rastreio com os quais medem a glicémia, tensão arterial, controlo do peso, entre outros, dando posteriormente aconselhamento nutricional. São elaboradas ainda fichas individuais do "utente" relativas à medicação, doenças e outros aspectos médicos, que permite à associação ter uma base de dados actualizada, passível de ser usada nas consultas médicas. Nalguns casos é ainda realizado o acompanhamento social, dando informação e introduzindo a pessoa no sistema social usufruindo dos benefícios a que tem direito. Ao promover a Feira do Idoso, a associação pretende a promoção de aspectos culturais mais antigos e a inclusão social dos idosos, uma vez que estes são envolvidos também como voluntários da associação. A Feira da Saúde é um momento de divulgação e rastreios em massa, mas é também espaço para animação cultural e desportiva. • Realizam cerca de 500 rastreios mensalmente; • A Feira do Idoso vai na sua quarta edição. “É uma iniciativa que salva vidas. Sem o papel da associação este acompanhamento não existiria e já nos deparámos com casos em que foi necessária a intervenção imediata para acompanhamento hospitalar, em situação de AVC” http://aicvn-vnovas.blogspot.pt/

Vídeo

-

Missão

Descrição da iniciativa

Nº de Clientes Principais Resultados alcançados Prémios e Reconhecimentos Testemunhos


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.2 | Sub-região Alentejo Central Iniciativa BANCO DE TERRAS DE MONTEMOR

Entidade Promotora

Banco de terras de Montemor

Responsável Ano de arranque Âmbito de Atuação

Ana Fonseca 2011 Autonomia alimentar; Complemento económico às famílias

Público-alvo

Todos os que se queiram aproximar da terra através da produção dos seus próprios alimentos

Abrangência geográfica

Testemunhos Website

Montemor-o-Novo Produção de comida local, aproximação à terra e à produção de comida saudável, autonomização alimentar e económica das famílias, reforço de laços entre todos os intervenientes O Banco de terras de Montemor surgiu em Março de 2011 resultado do primeiro concurso, Agenda XXI – Apelos aos cidadãos, promovido pelo Município de Montemor-o-Novo. A iniciativa pretende incentivar a realização de pequenas hortas domésticas, utilizando práticas agrícolas sustentáveis, em terrenos atualmente “abandonados”. Os interessados podem inscrever-se para “fazer hortas”, “ceder terrenos”, “transmitir conhecimentos” ou “solicitar ajuda”, preenchendo as fichas disponíveis no blog da Rede de Cidadania de Montemor-o-Novo. A implementação do projeto/ideia é da responsabilidade das cidadãs envolvidas, que têm demonstrado muito dinamismo. Os voluntários do Banco de Terras fazem a mediação entre pessoas que queiram produzir alimentos e os proprietários de terrenos que não estejam a ser trabalhados, no perímetro urbano e rural. Estes terrenos são assim cedidos pelos proprietários com o propósito de serem cultivados por quem esteja interessado. Os produtores ficam com as respectivas colheitas. Além disso, têm ainda a possibilidade de frequentar alguns workshops relativos à prática de agricultura biológica. A iniciativa apenas recorre a recursos humanos voluntários. + de 20 famílias. • 10 pessoas/entidades privadas que cedem Terras; • 10 ha de parcelas cultivados, no perímetro urbano; • 21 talhões ocupados. • Vencedor do concurso Apelos Cidadãos 21 - Boas Ideias para o Desenvolvimento Sustentável do Concelho, promovido pelo Município de Montemor-o-Novo; • Publicação de várias notícias em jornais locais e nacionais. https://sites.google.com/site/bancodeterrasmn/; http://redemontemor.blogspot.pt/search/label/Banco%20de%20Terras

Vídeo

Consulta site do Banco de Terras

Missão

Descrição da iniciativa

Nº de Clientes Principais Resultados alcançados Prémios e Reconhecimentos


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.2 | Sub-região Alentejo Central Iniciativa PROJETO VIH/SIDA

Entidade Promotora

Universidade de Évora (UÉ) e Administração Regional de Saúde (ARS, através da Unidade de Cuidados na Comunidade-UCC e o centro de Aconselhamento e Deteção do VIH - CAD)

Responsável

Professora Ana Frias (Coordenadora)

Ano de arranque

2012

Âmbito de Atuação

Saúde

Público-alvo

Estudantes Universitários

Abrangência geográfica

Comunidade Académica de Évora

Missão

Conhecer e prevenir o VIH-Sida na Universidade de Évora Esta iniciativa consiste em campanhas de sensibilização e prevenção de VIH-Sida no contexto universitário. A intervenção é feita por pares, sendo dirigida aos estudantes universitários que são por contactados por outros estudantes universitários formados, para o efeito. Neste sentido, é criada uma bolsa de voluntários, que são alvo de formação específica (entre os temas abordados: comportamentos seguros e comportamentos de risco, dependências, formação em dinâmicas de grupo e metodologias de intervenção para a comunicação). Nos momentos de intervenção os alunos formados (voluntários) estão identificados com T-shirts e atraem os seus colegas para pontos de distribuição de informação (folhetos e preservativos). Os momentos de intervenção decorrem nos diferentes polos da universidade e mensalmente a unidade móvel do Centro de Saúde desloca-se ao terreno para testes rápidos do VIH-Sida, contando com o acompanhamento de um psicólogo. Cerca de 8.000 alunos

Descrição da iniciativa

Nº de Clientes Principais Resultados alcançados

Até ao momento foram já envolvidos nesta iniciativa diretamente 44 alunos voluntários, alvo de formação específica para sensibilização e informação dos seus pares, sendo estes principalmente das áreas de enfermagem, educação e psicologia. Nos momentos da receção ao caloiro e queima das fitas são abrangidos muitos estudantes, sendo realizados questionários rápidos de caracterização.

Prémios e Reconhecimentos

-

Testemunhos

-

Website

http://www.projetovihsida.uevora.pt/

Vídeo

-


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.2 | Sub-região Alentejo Central Iniciativa SOLIDÉVORA

Entidade Promotora

Câmara Municipal de Évora

Responsável Ano de arranque Âmbito de Atuação Público-alvo Abrangência geográfica

Prémios e Reconhecimentos Testemunhos Website

Ana Abrantes 2012 Combate à Pobreza e Exclusão Social Comunidade Concelho de Évora Contribuir para atenuar as consequências das situações de carência económica grave e de emergência social que se têm verificado nas famílias do Concelho de Évora. Criação de uma rede social de suporte a situações de carência e emergência social. Uma rede de compromissos solidários. Quer-se com este projeto reutilizar materiais e equipamentos úteis e em bom estado e colocá-los à disposição de quem precisa. Ações de responsabilidade social das empresas - criar novas respostas, complementar as que existem, partilhar recursos de forma a dar resposta às necessidades detetadas. Foi implementado um sistema local de vales solidários e/ou descontos de acesso a vários bens e respostas. Os apoios que já se encontram a ser implementados no terreno são na área da alimentação (9 restaurantes, 2 hotéis), com refeições gratuitas às famílias identificas pelo projeto. Fornecimento de lanches e pequenos almoços nas escolas de primeiro-ciclo do concelho em parceria com 10 Juntas de Freguesia e 4 Agrupamentos de Escolas. Adesão de uma Empresa de Mobiliário que fornece mobiliário gratuito em 2ª mão a famílias do programa. Uma Empresa de Ótica que fornece óculos e lentes gratuitas a crianças sinalizadas pela área de saúde escolar . Criada plataforma eletrónica de ajudas técnicas, onde todas as instituições podem recorrer para reserva e cedência de materiais e equipamentos desta área. • Desde Outubro de 2012 até Dezembro de 2013 foram dadas 5.320 refeições (média de 13 pessoas por mês e 10 famílias por mês). Desde Abril até Junho de 2013 foram fornecidas 76 refeições do tipo lanches e pequenos almoços nas escolas de primeiro-ciclo; • Apoio por parte das Empresas de Óptica (desde Junho de 2013) abrangeu 5 crianças desde Junho de 2013. Câmara Municipal de Évora: http://www.cm-evora.pt/pt/conteudos/projectos%20municipais/SOLIDEVORA.htm

Vídeo

-

Missão

Descrição da iniciativa

Nº de Clientes Principais Resultados alcançados


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.2 | Sub-região Alentejo Central Iniciativa GABINETE DA PAPELADA

Entidade Promotora

Suão – Associação de Desenvolvimento Comunitário

Responsável Ano de arranque Âmbito de Atuação Público-alvo Abrangência geográfica

Professor Doutor José Carlos Bravo Nico (Presidente da Direção) 1999 Educacional e Social Comunidade de S. Miguel de Machede Freguesia de S. Miguel de Machede (Concelho e Distrito de Évora) Promoção de uma atitude positiva face ao futuro, por parte de toda a comunidade, através da criação de condições para os indivíduos exercerem, localmente, os seus direitos básicos de cidadania e para resolverem, em espírito de solidariedade e de cooperação responsável e intergerecaional, os problemas com que se confrontam no seu quotidiano. Promoção da coesão intra e intergeracional, através de atividade cooperativa e dinamizadora da vida social. O Gabinete da Papelada é um espaço de Solidariedade Social e de Mediação Solidária entre os indivíduos e os respectivos direitos básicos de cidadania. O funcionamento deste serviço assenta na disponibilização de um serviço público gratuito e solidário que promove a resolução de problemas burocráticos e o acesso dos cidadãos aos serviços públicos e ao exercício dos seus direitos básicos (acessos à Saúde, Educação, Trabalho, Habitação, Apoio Social, Justiça, Informação, Cultura, entre outros). Uma outra característica do Gabinete da Papelada consiste no recurso à Solidariedade Intergeracional, como instrumento de resolução de problemas e de valorização das competências comunitárias. Mais de 90 beneficiários diretos. Cerca de 800 benificiários indiretos. • Participação dos jovens no apoio à população micaelense em geral e, em particular, à população mais idosa e iletrada na resolução de diferentes questões burocráticas e na construção de acessos entre os indivíduos e o exercício dos seus direitos de cidadania; • Criação de oportunidades de aprendizagem, para os jovens participantes, através do recurso à resolução dos problemas da comunidade; • Apoio à população; • Promoção da solidariedade intergeracional. http://www.suao.pt/; https://pt-br.facebook.com/pages/Su%C3%A3o-Associa%C3%A7%C3%A3o-para-o-DesenvolvimentoComunit%C3%A1rio/147890588582654 http://www.tvi.iol.pt/programa/a-tarde-e-sua/4140/videos/133829/video/14054498/1

Missão

Descrição da iniciativa

Nº de Clientes

Principais Resultados alcançados

Prémios e Reconhecimentos Testemunhos Website Vídeo


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.2 | Sub-região Alentejo Central Iniciativa GABINETE DE APOIO À FAMÍLIA

Entidade Promotora

Santa Casa da Misericórdia de Redondo

Responsável Ano de arranque Âmbito de Atuação Público-alvo Abrangência geográfica Missão

Website

Ana Branco 2003 Apoio Psicossocial Famílias Redondo Acompanhar, apoiar e capacitar as famílias em situação de vulnerabilidade psicossocial e económica O Gabinete de Apoio à Família (GAF) tem como principais linhas de atuação o atendimento e acompanhamento Psicossocial às famílias em situação de vulnerabilidade psicossocial e económica do Concelho de Redondo, fomentando a promoção de competências ao nível pessoal, social e organizacional, de modo a que as mesmas consigam, de forma ativa, adquirir uma melhor e maior qualidade de vida e assim (re)construir o seu projeto de vida. O GAF conta com o apoio dos seguintes técnicos: Assistente Social, Psicóloga, Administrativa. As principais atividades desenvolvidas pelo GAF são: Sessões de Psicologia; Atendimentos de Ação Social; Visitas Domiciliarias; Banco de Recursos: Alimentos e produtos de higiene, Vestuário, equipamentos domésticos e mobiliário; Acompanhamento dos beneficiários de RSI; Apoio ao Tribunal de Redondo; Colaboração com a Equipa Multidisciplinar de Apoio ao Tribunal (EMAT); Apoio ao Serviço Local de Segurança Social; Pólo de distribuição e de Coordenação do Programa Comunitário de Ajuda Alimentar a Carenciados em Redondo; Cantina Social; Projetos na área da juventude, nomeadamente o projeto 100 Riscos; Workshops; Ações de Sensibilização. Em suma, o Gabinete de Apoio à Família pretende com a sua intervenção contribuir para o desenvolvimento social do Concelho, existindo a consciência que para tal é essencial o trabalho de todos, instituições e comunidade. 320 utentes / 110 famílias O trabalho do GAF iniciou com o acompanhamento muito personalizado e direcionado de apenas 7 famílias. Tem crescido bastante nos últimos anos e em 2013 conseguiram acompanhar 110 famílias do concelho de Redondo. “Podemos não mudar o mundo, mas com toda a certeza mudaremos o mundo de alguém!” Santa Casa da Misericórdia de Redondo - http://misericordiaredondo.pt/

Vídeo

-

Descrição da iniciativa

Nº de Clientes Principais Resultados alcançados Prémios e Reconhecimentos Testemunhos


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.2 | Sub-região Alentejo Central Iniciativa APOIO ÀS CANTINAS ESCOLARES E LOCAIS

Entidade Promotora

Escola Profissional do Alvito

Responsável Ano de arranque Âmbito de Atuação Público-alvo Abrangência geográfica

Prof. António Coelho 2003 Mobilização de Recursos Crianças e Jovens Alvito

Missão

Optimização dos recursos disponíveis

Descrição da iniciativa

A Escola Profissional do Alvito celebrou uma parceria com a Câmara Municipal do Alvito com o objetivo de o curso de culinária da Escola Profissional assegurar as refeições das escolas do Concelho. Esta parceria que começou há 10 anos, em 2003, visa, assim, a optimização e redução de custos, através da utilização de recursos próprios inerentes aos cursos profissionais na área de hotelaria. É ainda uma iniciativa fortemente geradora de capacidade, pelas competências desenvolvidas ao longo dos cursos profissionais (em feiras, eventos, empresas e grandes unidades hoteleiras), sendo o conhecimento adquirido aplicado em iniciativas pessoais, estimulando a criação de empresas de catering e take away, por parte dos alunos. Este serviço ganhou maior carácter social também pela colaboração em jantares ou serviço de catering na dinamização de eventos de associações locais. A qualidade fica assegurada pela avaliação da associação de pais e pelo inquérito aos encarregados de educação, tendo sido o feedback desta acção muito positivo.

Nº de Clientes

300 alunos

Principais Resultados alcançados

• •

Prémios e Reconhecimentos Testemunhos

-

Website

-

Vídeo

-

São servidas actualmente 450 refeições/dia; São abrangidos cerca de 300 alunos.


Índice 0 | Introdução 1 | Apresentação do Projeto MIES 2 | Booklet de Soluções Sociais 2.1| Região do Alentejo 2.1.1| Sub-região Baixo Alentejo 2.1.2| Sub-região Alentejo Central 2.1.3| Sub-região Alentejo Litoral 2.2| Região do Norte


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.3 | Sub-região Alentejo Litoral Iniciativa APLICAÇÃO DA METODOLOGIA HUMANITUDE

Entidade Promotora

Instituto Gineste-Marescotti

Responsável

João Araújo

Ano de arranque

2011

Âmbito de Atuação

Saúde – Cuidados de Saúde e Bem-Estar

Público-alvo

Idosos ou doentes, institucionalizados ou alvo de serviço de apoio domiciliário Alcácer do Sal (aplicação a nível nacional em 6 unidades distintas, destaca-se a Santa Casa da Misericórdia de Alcácer do Sal como uma das unidades pioneiras) Divulgar e implementar a Metodologia de Cuidados Gineste-Marescotti em unidades de saúde em território nacional, com o intuito de promover a qualidade dos cuidados de saúde à população em geral e às pessoas com demência em particular.

Abrangência geográfica Missão

Descrição da iniciativa

Nº de Clientes

Principais Resultados alcançados Prémios e Reconhecimentos Testemunhos

Focado na pessoa idosa e na pessoa idosa com deficiência, a Metodologia de Cuidados Gineste-Marescotti consiste numa intervenção centrada na pessoa e não na tarefa, nos momentos de cuidados e relação diária. Do ponto de vista do cuidador que ganha estas competências, baseia-se na integração de regras simples no seu desempenho quotidiano tal como atitudes, gestos e técnicas simples, mas que são imperativos desta metodologia. Como exemplo, destaca-se a eliminação definitiva da chamada “mão em garra”. Desta forma, torna mais evidente as questões de ética de trabalho, privilegiando as necessidades do utente e não as da instituição. Permite também potenciar as capacidade que os utentes ainda têm para o seu dia-a-dia, sem se refugiarem em mecanismos de defesa de isolamento. 205 profissionais formados, abrangendo aproximadamente 600 utentes. • Diminuição significativa da agitação e agressividade dos utentes; • Aumento dos níveis de colaboração com os cuidadores; • Diminuição do elevado rácio utentes/funcionário não seja tão problemático. “A filosofia Humanitude pode ser aplicada no dia a dia e não só no plano da saúde. Leva-nos a ser mais pessoa. Nessa proximidade e compreensão com o outro, o mundo fica menos agressivo”

Website

http://www.humanitude.pt

Vídeo

http://www.youtube.com/watch?v=dVFW1_dpMMI&feature=youtu.be


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.3 | Sub-região Alentejo Litoral Iniciativa CASA DO PROFESSOR

Entidade Promotora

Casa do Professor do Concelho de Aljustrel

Responsável

Professor Pires Guerreiro

Ano de arranque

2001

Âmbito de Atuação

Envolvimento Comunitário; Educação

Público-alvo

Professores deslocados

Abrangência geográfica

Aljustrel

Missão

Estar ao serviço dos professores que trabalham na localidade, sendo um dos objetivos principais a integração dos novos professores que vêm dos mais diversos pontos do país. Faz também parte da sua missão servir, nos mais variados aspetos, a comunidade local, no espírito deontológico inerente à profissão docente.

Descrição da iniciativa

A Casa do Professor é um espaço de encontro (uma antiga escola primária cedida pela Câmara Municipal de Aljustrel) para professores que se encontrem deslocados ou em situação de maior isolamento. Os professores têm assim um espaço à sua disposição para conviver e estar para além da escola. A Casa é um espaço com bar, internet e biblioteca e dinamiza várias atividades como: recolhas solidárias, troca de manuais escolares, lições de pintura, e outras atividades também abertas à comunidade.

Nº de Clientes

Embora não existam registos, muitos professores passaram já pela Casa, desde que está em funcionamento (2001).

Principais Resultados alcançados

• • • • •

Prémios e Reconhecimentos

A Casa do Professor dinamiza e é ponto de partida para outros projetos; Aumento da motivação e envolvimento dos professores nas iniciativas locais; Rally-paper de integração na comunidade; Promoção de basquetebol na comunidade; Parcerias com instituições locais (por exemplo com a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Aljustrel).

Website

“ Tínhamos professores, desde o pré-escolar ao secundário que passavam aqui o ano inteiro e não se chegavam a conhecer entre eles. Neste espaço podemos encontrarmo-nos , conviver e estar de uma forma diferente, mais envolvidos” https://www.facebook.com/pages/Casa-do-Professor-de-Aljustrel/164356653604810

Vídeo

-

Testemunhos


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.3 | Sub-região Alentejo Litoral Iniciativa IGUALANDO (I/II)

Entidade Promotora

Taipa – Organização Cooperativa para o Desenvolvimento Integrado do Concelho de Odemira

Responsável

Fernando Parreira

Ano de arranque

2011

Âmbito de Atuação

Igualdade de géneros e violência doméstica

Público-alvo

Jovens; Vítimas de violência; Agressores; Comunidade em geral; Docentes e não docentes; Técnicos de intervenção social

Abrangência geográfica

Odemira

Missão

Contribuir para a igualdade de género O projeto Igualando desenvolve-se em várias frentes. Visa, por um lado, intervir nas situações de violência doméstica através de apoio às vítimas e aos agressores, por outro, sensibilizar e informar a comunidade em geral e alguns públicos estratégicos sobre diversas questões de (des)igualdade de género, com o objetivo de contrariar ideias tradicionais e preconceitos que atribuem a homens e mulheres um determinado papel social. As principais atividades são:

Descrição da iniciativa

Gabinete de Apoio à Vítima e ao Agressor (GAVA), com apoio psicológico e encaminhamento social para vítimas e agressores/as. O serviço estabelece um forte dinâmica de parceria com os parceiros locais, essencial ao bom funcionamento do serviço;

Rede Local de Intervenção para a Igualdade (RLII), que se concretiza num grupo de trabalho com 30 entidades do concelho, que encaminham e envolvem os casos;

Workshops para contrariar, que contam com a contribuição dos parceiros da RLII e abordam temáticas características do sexo oposto (por exemplo mecânica para mulheres ou puericultura para homens), para reflexão sobre os estereótipos associados a determinadas atividades que promovem a desigualdade de género e promover a mudança de atitudes tradicionais;

Escola de oportunidades, onde se dinamizam fóruns juvenis para a discussão de temas inerentes à realidade juvenil, dentro da área da igualdade de género. São ainda organizadas campanhas de sensibilização elaboradas pelos próprios jovens e a apresentação de teatros-debate e ciclos de cinema-debate nas escolas;

A Igualdade na Comunidade promove a reflexão sobre a Igualdade de Género e Violência Doméstica em dias temáticos (Dia dos Namorados, Dia da Mulher, etc.), na realização de exposições, na edição de publicações e na apresentação de teatros-debate por todo o Concelho. Conta ainda com ações de sensibilização/formação e seminários.


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.3 | Sub-região Alentejo Litoral Iniciativa IGUALANDO (II/II)

Entidade Promotora

Taipa – Organização Cooperativa para o Desenvolvimento Integrado do Concelho de Odemira

Nº de Clientes

Prémios e Reconhecimentos

62 técnicos, 1274 jovens, 36 parceiros, 96 vítimas/agressores, 9.790 pessoas na comunidade, • II Seminário “Igualdade de Género e Violência Doméstica (des)igualdades (irre)conciliáveis, com 138 participantes, em colaboração com o Plano Municipal para a Igualdade de Género no Concelho de Odemira; • 96 casos de violência doméstica acompanhados pelo GAVA; • Trabalho com a Agressores e aplicação do Programa para a Agressores de Violência Doméstica com indivíduos encaminhados pela Direção Geral de Reinserção Social e Serviços Prisionais; • Publicação "IGUALANDO pelas PALAVRAS“; • Envolvimento de jovens e atores amadores e outros agentes da comunidade na realização de ações de rua: exposições e teatro invisível. -

Testemunhos

-

Website

http://www.projeto-igualando.blogspot.pt/

Vídeo

-

Principais Resultados alcançados


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.3 | Sub-região Alentejo Litoral Iniciativa BIBLIOTECA ITINERANTE (I/II)

Entidade Promotora

Biblioteca Municipal de Grândola

Responsável Ano de arranque Âmbito de Atuação Público-alvo Abrangência geográfica

Carlos Areias 2011 Cultura, Educação Comunidade; Idosos; Crianças; Pessoas que vivem mais afastados da sede do concelho Grândola Promoção dos hábitos de leitura, levando a leitura a todas as pessoas do concelho principalmente às que estão mais longe da sede e com menor acesso a estes recursos. Este projeto tem, também, como missão contribuir para o combate ao isolamento e a solidão dos idosos.

Missão

Descrição da iniciativa

As pessoas cada vez leem menos e a leitura é um hábito que é importante estimular porque para além de dar conhecimento, e por isso contribuir para um crescimento pessoal, tem também um papel fundamental no desenvolvimento de mentalidades. A leitura para muitas pessoas é vista como uma companhia e pode mesmo chegar a transmitir esperança, tornando as pessoas mais felizes. Neste projeto leva-se a literatura às zonas mais isoladas do Concelho de Grândola. O trajeto muda de dia para dia, e voltam ao mesmo sítio de 15 em 15 dias. Desta forma, conseguem cobrir praticamente todo o Concelho. Dirige-se, preferencialmente, às pessoas idosas que vivem mais afastadas do epicentro do Concelho, e por isso não têm acesso a estes recursos por via própria. Nos últimos tempos, dirige-se, também, às pessoas que se encontram desempregadas e por isso têm mais dificuldades por motivos financeiros em se deslocar à sede do Concelho. A Biblioteca desloca-se, assim, às várias freguesias, aos centros de dia (onde contam histórias) espalhados pelo Concelho, às escolas e também ao Centro de Prisional de Pinheiro da Cruz. Ao Centro Prisional é levado o serviço de biblioteca itinerante mas também uma técnica com o intuito de promover a leitura a um grupo de 16 reclusos que se encontram em regime aberto. Levam livros, jornais, revistas, algumas outras coisas que as pessoas solicitem e também DVD's para as instituições. O transporte destes materiais é feito através de uma carrinha. As pessoas da comunidade quando veem a carrinha a aproximarse deslocam-se até ao local onde podem consultar os materiais ou até pedir emprestado. É um serviço gratuito para todas as pessoas. Os técnicos que se deslocam na carrinha vão ajudando as pessoas a ler (para quem não sabe) e vão criando uma ligação com as pessoas, estimulando-as para a leitura. Normalmente estacionam em locais onde esteja muita gente (cafés, etc.) para que as pessoas comecem por pedir jornais, revistas e posteriormente livros. Há também a hipótese de se fazerem encomendas de livros específicos que na quinzena seguinte são levados.


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.3 | Sub-região Alentejo Litoral Iniciativa BIBLIOTECA ITINERANTE (II/II)

Entidade Promotora

Biblioteca Municipal de Grândola

Nº de Clientes

5.044

Ano 2011 • Número de documentos emprestados: 332; • Documentos consultados (literatura para adultos e literatura juvenil): 775 ; • Número total de utilizadores: 1.208; • Novas inscrições, em 2011: 49.

Principais Resultados alcançados

Ano 2012 • Número de documentos emprestados: 2.221; • Documentos consultados (literatura para adultos e literatura juvenil): 3.887; • Número total de utilizadores: 4.988; • Novas inscrições, em 2012: 103. Ano 2013 • Número de documentos emprestados – 2.300; • Documentos consultados (literatura para adultos e literatura juvenil) – 4.043; • Número total de utilizadores: 5.044; • Novas inscrições, em 2013: 72; Ainda hoje continuam a ter inscrições. Cada dia há mais pessoas dedicadas à leitura e a desenvolver as mentalidades.

Prémios e Reconhecimentos

-

Testemunhos

“Damos asas à cultura.”

Website

Facebook da Biblioteca Municipal de Grândola - https://www.facebook.com/bmgrandola

Vídeo

Reportagem da sic: http://www.youtube.com/watch?v=w5F9dE_TB1w


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.3 | Sub-região Alentejo Litoral Iniciativa UNIVERSIDADE SÉNIOR DE SINES (I/II)

Entidade Promotora

Associação Prosas

Responsável

Assunção Duque

Ano de arranque

2006

Âmbito de Atuação

Educação, Envelhecimento Ativo

Público-alvo

Idosos

Abrangência geográfica

Sines

Missão

Incentivar a aprendizagem ao longo da vida, como veículo de desenvolvimento e fruição pessoal e social. A iniciativa nasceu como polo de uma universidade sénior já existente em Santo André - A Asas (Academia Sénior de Artes e Saberes do Litoral Alentejano). Em 2006, fizeram uma parceria com os Centros de Recursos Educativos da Câmara Municipal de Sines e, nesse mesmo ano, foram cedidas duas salas no Centro Cultural Emmérico Nunes para se darem as aulas (começaram com as disciplinas História, Pintura, Inglês e Informática - os formadores eram e são todos voluntários). Em 2007, criaram a Associação Prosas como Projeto do Centro Cultural Emmérico Nunes e foram reconhecidos como universidade sénior em Outubro desse ano, sendo creditados pela Rutis. Em 2009, tornaram-se associação independente e ficaram com um espaço cedido pela Câmara onde se encontram até este momento. Esse espaço possui algumas salas que já se encontram totalmente equipadas para dar as aulas.

Descrição da iniciativa

Atividades Curriculares: Italiano, Ginástica, Fotomontagem, Tuna, Português a Brincar, Informática e Fotografia, Castelhano, Pintura, Excel, Iniciação à Internet, Inglês, Ler Tarde, Literatura Portuguesa, Iniciação à Informática, Teatro, Espaço dos Números, Antropologia, Arraiolos, Inglês Iniciação. Atividades Extra-Curriculares: • •

• • •

Têm Jornal trimestral acerca das atividades da PROSAS; Uma vez por semana são convidados professores, técnicos e especialistas de diversas áreas que promovem ações de divulgação científica, cultural, de sensibilização para comportamentos saudáveis, para questões sociais, ambientais, de aprofundamento das questões de cidadania ou de lazer; Programa Grundtvig do PROALV - Voluntariado Sénior (GIVE); Programa Grundtvig do PROALV– Parcerias de Aprendizagem; Passeios culturais (Aljubarrota, Minas do Lousal, Londres, entre outros).


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.3 | Sub-região Alentejo Litoral Iniciativa UNIVERSIDADE SÉNIOR DE SINES (II/II)

Entidade Promotora

Associação Prosas

Nº de Clientes

150 alunos. • •

Principais Resultados alcançados

• • •

• •

Projeto Grundtvig “Parcerias de Aprendizagem” - 24 mobilidades de alunos portugueses, no âmbito deste projeto, entre alguns dos países que participam no Programa Aprendizagem ao Longo da Vida (34 países) - só há 3 universidades séniores em Portugal, pertencentes à RUTIS, que participam nestes projetos europeus. Projeto Grundtvig “Voluntariado Sénior (GIVE)” – 6 alunos portugueses deslocaram-se até à Polónia e 6 alunos polacos deslocaram-se até Portugal (intercâmbio) - só há 3 universidades séniores em Portugal, pertencentes à RUTIS, que participam nestes projetos europeus; Começaram com cerca de 30 alunos em 2006/2007 e neste momento têm 150 alunos; Deram um enorme contributo para a Literacia Informática na camada sénior do Concelho de Sines – cerca de 240 pessoas desde o início do projeto; Projeto “Poesia à Solta no Bairro” - comemoração da primavera e da poesia com a participação de tunas convidadas de outras regiões de Portugal para virem cantar (não teve custos) havendo um grande contacto com a população local e desta forma uma sensibilização para a importância para a aprendizagem ao longo da vida e do tanto que se pode fazer após a reforma; Literacia informática no Paiol e Porto Côvo – freguesia de Sines; 3 pessoas com mais de 80 anos aprenderam a ler e algumas pessoas aprenderam a pintar e neste momento já foram chamadas para fazerem exposições por conta própria.

Prémios e Reconhecimentos

• •

Testemunhos

“Quando alguém se reformar pense que é sempre tempo de mudar a vida e fazer aquilo que nunca conseguiu fazer enquanto esteve ativo”.

Website

www.prosas.org.pt

Vídeo

Tuna Prosas cantando “Se fores ao Alentejo” - http://www.youtube.com/watch?v=wHoY2vSC_-4

Reconhecidos pela Câmara Municipal como um dos principais parceiros no âmbito da Aprendizagem ao Longo da Vida. Reconhecidos pela Rutis (Rede das Universidades da Terceira Idade) como Universidade Sénior.


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.1 | Região Alentejo > 2.1.3 | Sub-região Alentejo Litoral Iniciativa ATELIÊ CRUZINHAS

Entidade Promotora

Cruz Vermelha Portuguesa de Ermidas do Sado

Responsável

Marco Peres

Ano de arranque

2012

Âmbito de Atuação

Formação e Cidadania

Público-alvo

Crianças (5 aos 11 anos)

Abrangência geográfica

Ermidas do Sado "A brincar aprender a criar”. Com atividades sem custos combater a mentalidade negativa, criar laços com a população e cativar estas crianças para o voluntariado através da sua ligação com a organização (Cruz Vermelha Portuguesa)

Missão

Descrição da iniciativa

Nº de Clientes Principais Resultados alcançados Prémios e Reconhecimentos

Este projeto veio colmatar a falta de ocupação de tempos livres para as crianças de Ermidas do Sado. São desenvolvidas atividades ao sábado de manhã que são compostas por alguns ateliers: culinária, representação dramática, expressão plástica, hortas biológicas, dança, cantinho da leitura e do conto para o futuro. Quer-se com estes ateliers capacitar as crianças nas diversas áreas e ao mesmo tempo capacitá-las para a manutenção do projeto, sendo elas próprias a criar a sua fonte de sustentabilidade, usando produtos elaborados nos ateliers para venda. Estes ateliers são dinamizados por 4 voluntários de manhã e outros 4 à tarde. Em todas as atividades tenta abordar-se os temas de uma forma pedagógica, contribuindo para o desenvolvimento das competências das crianças e sensibilização para algumas temáticas. A Cruz Vermelha consegue, pelo envolvimento precoce das crianças, ainda que não seja o foco da atividade, transmitir os valores da organização (que é de abrangência mundial) e, assim, trabalhar, desde logo, as crianças para esta temática (respeito e ajuda aos outros), pois poderão ser estes os futuros voluntários. 45 -

Testemunhos

“Ateliê Cruzinhas uma pequena grande ideia que nasceu da imaginação de uma criança, do amor de uma mãe e foi abraçada por inúmeros voluntários e voluntárias.”

Website

Cruz Vermelha Portuguesa de Ermidas do Sado- http://ermidassado.cruzvermelha.pt/

Vídeo

-


Índice 0 | Introdução 1 | Apresentação do Projeto MIES 2 | Booklet de Soluções Sociais 2.1| Região do Alentejo 2.2| Região do Norte 2.2.1| Sub-região Grande Porto 2.2.2| Sub-região Entre Douro e Vouga 2.2.3| Sub-região Minho-Lima


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.2 | Região Norte > 2.2.1 | Sub-região Grande Porto Iniciativa CONCURSO IDEIAS EMPREENDEDORAS

Entidade Promotora

ADCE - Associação de Desenvolvimento do Concelho de Espinho

Responsável

Sandra Poupinha

Ano de arranque

2012

Âmbito de Atuação

Formação para o Empreendedorismo

Público-alvo

Alunos entre o 10º ao 12º ano dos Agrupamentos Escolares e Escolas Profissionais de Espinho

Abrangência geográfica

Espinho

Missão

Promover um concurso entre os alunos das escolas para incentivar a criação do próprio negócio/produto/serviço.

Descrição da iniciativa

Plano de formação e acompanhamento ao desenvolvimento de ideias empreendedoras a alunos entre o 10º e o 12º ano, com acompanhamento especializado por parte de especialistas e professores. Os alunos que se mostrarem interessados em participar formam equipas e juntos desenvolvem uma ideia que culmina com a execução do plano de negócios. O ciclo termina com a apresentação pública das ideias de negócio a um júri composto por representantes de várias entidades do concelho e potenciais investidores. São atribuídos prémios às 3 equipas vencedoras, patrocinados por empresas do concelho: 1º prémio – 500€; 2º prémio – 250€; 3º prémio – 150€.

Nº de Clientes

O desafio foi lançado a cerca de 300 alunos. Apresentaram propostas a concurso 15 equipas num total de 77 alunos.

Principais Resultados alcançados

• • •

Prémios e Reconhecimentos

-

Testemunhos

“Foi muito positivo, estamos inclusive a ponderar, com os recursos internos e de instituições parceiras, conseguir outras edições”

Website

https://www.facebook.com/#!/groups/atreveteapensarespinho/?bookmark_t=group

Vídeo

http://www.espinho.tv/index.php/2013-junho/item/1090-edeas-vencedora-do-concurso-atrevete-a-pensar

Foi promovido o espírito de dinamismo e iniciativa nos jovens do concelho, promovendo atitudes empreendedoras; Os jovens passaram a encarar a criação do próprio emprego como uma possibilidade para o seu percurso profissional; Foi promovida a valorização do trabalho das escolas junto da comunidade, bem como das competências dos próprios jovens junto do tecido empresarial.


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.2 | Região Norte > 2.2.1 | Sub-região Grande Porto Iniciativa VISITADORAS DOMICILIARES

Entidade Promotora

Câmara Municipal de Gondomar

Responsável

Fernando Paulo Ribeiro de Sousa

Ano de arranque

2005

Âmbito de Atuação

Educação e Ação Social Famílias acompanhadas pelos serviços de Ação Social, educação e Habitação da Câmara Municipal de Gondomar e pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Gondomar, em situação de risco e/ou perigo social Gondomar Apoiar as famílias sinalizadas na criação de um núcleo familiar coeso e equilibrado, com competências parentais, organizacionais, de gestão doméstica e familiar e de integração social.

Público-alvo Abrangência geográfica Missão

Descrição da iniciativa

Decorrente do trabalho com as famílias, detetou-se a necessidade de apoio na sua gestão doméstica. A organização doméstica das casas não estava funcional. Uma equipa desloca-se às casas dos beneficiários e dá apoio a toda a gestão doméstica (cuidado ao bebé e a criança, arrumar a casa, …).

Nº de Clientes

Até à data foram acompanhadas 129 famílias, das quais 25 encontram-se em acompanhamento.

Principais Resultados alcançados

Alterações ao nível da organização e gestão doméstica das famílias.

Prémios e Reconhecimentos

Tribunal de família e menores do porto através de oficio dirigido ao Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Gondomar.

Testemunhos

-

Website

E-mail: visitadoras.domiciliarias.cmg@gmail.com

Vídeo

-


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.2 | Região Norte > 2.2.1 | Sub-região Grande Porto Iniciativa CENTRO RARÍSSIMO DA MAIA (I/II)

Entidade Promotora Responsável

Joaquina Teixeira (Vice – Presidente)

Ano de arranque

2010

Âmbito de Atuação

Saúde – Doenças Mentais e Raras

Público-alvo

Crianças, jovens e adultos, portadores de deficiência mental e rara e seus familiares Toda a Zona Norte. Atualmente acompanhamos utentes dos seguintes concelhos: Maia; Porto; Gondomar; Matosinhos; Valongo; Vila Nova de Gaia; Vila do Conde; Santo Tirso; Famalicão; Madeira; Valença do Minho; Viseu. A RARISSIMAS tem como missão apoiar doentes, famílias, amigos de sempre e de agora que convivem de perto com as doenças raras. O Centro RarÍSSIMO da Maia oferece serviços de saúde qualificados, com destaque para a área da reabilitação intensiva de crianças, jovens e adultos portadores de deficiências mentais e raras. Em Portugal existem cerca de 800 mil portadores de doenças raras e várias centenas de doentes por diagnosticar. O Centro RarÍSSIMO da Maia é um Centro de Reabilitação Multidisciplinar Intensiva para portadores de doença rara. Os seus principais objetivos são desenvolver programas terapêuticos individuais, direcionados aos portadores de doenças raras, permitindo uma intervenção precoce; prestar apoio psicológico individual, familiar e/ou de casal a todos aqueles que vivem de perto com uma doença rara, ampliando o suporte familiar; encaminhar e orientar os utentes e respetivos familiares para as consultas da especialidade. Através de uma equipa multidisciplinar, desenvolvem-se programas terapêuticos individuais e intensivos que promovem o desenvolvimento motor, cognitivo e sensorial, não descurando a componente do apoio ao cuidador e aos familiares. Tem várias especialidades médicas e terapêuticas. Conta também com os seguintes projetos: • Centro de Atividades de Tempos Livres (CATL) que dá uma resposta a jovens portadores de deficiências mentais e raras que, atingindo a idade dos 16 anos, não encontram integração em estruturas socio educacionais, ficando muitas vezes completamente dependentes dos seus familiares; • Transporte Raríssimo que expande os serviços já disponibilizados por este Centro, facilitando assim o acesso dos utentes ao mesmo e aos serviços terapêuticos complementares de que este dispõe, fruto de variadíssimas parcerias com outras entidades do ramo; • Alojamento Temporário que acolhe gratuitamente utentes deslocados que adquiram um pacote intensivo de terapias (sujeito a disponibilidade).

Abrangência geográfica Missão

Descrição da iniciativa


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.2 | Região Norte > 2.2.1 | Sub-região Grande Porto Iniciativa CENTRO RARÍSSIMO DA MAIA (II/II)

Entidade Promotora Nº de Clientes

Principais Resultados alcançados

Prémios e Reconhecimentos

Testemunhos

60 crianças, jovens e adultos e suas famílias “Lili - Um caso de sucesso” A Lili é uma menina diagnosticada com Hidrocefalia Congénita cuja intervenção terapêutica foi inexistente até aos 8 anos de idade, momento em que chegou ao CR Maia, em Abril de 2011. A Lili deslocava-se em cadeira de rodas, os membros inferiores estavam sempre em posição fletida, não controlava os esfíncteres, não comia sozinha e tinha, regularmente, crises de autoagressão. Na primeira avaliação foram identificadas todas as necessidades da menina e família e efetuado o plano a seguir: plano de tratamentos intensivo para a Lili, acompanhamento multidisciplinar aos cuidadores no sentido incutir competências; alojamento da Mãe e da menina no apartamento da Raríssimas. Atualmente a menina continua com tratamentos nas valências de fisioterapia intensiva, hidroterapia, Hipo terapia, terapia da fala, terapia ocupacional e psicomotricidade tendo alcançado progressos bastante significativos – neste momento a Liliana já faz o controlo dos esfíncteres, come sozinha, adquiriu mais vocabulário, as crises de autoagressão e comportamentos anti sociais são praticamente inexistentes e já realiza marcha autónoma ainda que com supervisão. A continuidade dos tratamentos permitirá à menina tornar-se mais autónoma para a realização das atividades da vida diária. “Ninguém está preparado para a doença rara. Estes doentes e suas famílias andam perdidos no sistema, na área da referenciação, do diagnóstico, do tratamento. Até ao surgimento da Raríssimas não se falava em doenças raras - todos os doentes eram diagnosticados com uma suposta paralisia cerebral e/ou atraso mental. O correto diagnóstico irá influenciar toda a abordagem ao doente. Por isso, a Raríssimas é uma luz que se acende no buraco sombrio antes do diagnóstico…” “Jamais esquecerei tudo o que fizeram pelo meu filho e por mim!”

Website

“Chegar à Rarissimas foi encontrar um porto de abrigo....” http://www.crmaia.rarissimas.pt; http://www.rarissimas.pt/

Vídeo

-


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.2 | Região Norte > 2.2.1 | Sub-região Grande Porto Iniciativa MESTRE JARDIM (I/II)

Entidade Promotora

Adeima

Responsável

Âmbito de Atuação

Lília Pinto 2002: Arranque com Empresa de Inserção, com apoio do IEFP; 2009: Passa a funcionar como Empresa Social (estrutura atual). Empregabilidade; Inclusão Social

Público-alvo

Pessoas em situação de carência e desfavorecimento socioeconómico

Abrangência geográfica

Área Metropolitana do Porto Criar e desenvolver condições pessoais e profissionais que potenciem a inserção profissional de pessoas em situação em carência e desfavorecimento socioeconómico. A Mestre Jardim surge em 2002 com enquadramento no Mercado Social de Emprego, como Empresa de Inserção (com financiamento do Instituto de Emprego e Formação Profissional). Em 2009, e após a criação de condições que garantam a sua sustentabilidade, autonomiza-se como Empresa Social. A empresa presta serviços de jardinagem, criação e manutenção de espaços verdes na Área Metropolitana do Porto. 50 (aproximadamente) • Constituição e manutenção de uma carteira de clientes que garante a autossustentabilidade da empresa e a manutenção de resultados líquidos anuais positivos; • Integração de 15 pessoas no mercado de trabalho, durante o período de cofinanciamento; • Aumento da eficácia pessoal de todos/as os/as colaboradores (melhorias significativas ao nível do relacionamento interpessoal e do auto cuidado; aumento do sentido de responsabilidade); • O desenvolvimento de competências para a empregabilidade de todos/as os/as colaboradores (maior taxa de assiduidade e pontualidade; crescente autonomia no desempenho das funções); • O desenvolvimento de competências profissionais de todos/as os/as colaboradores (aquisição de conhecimentos técnicos na área da jardinagem); • Resolução de situações socias específicas (apoio no tratamento de dependências - orientação e acompanhamento a consultas, articulação com serviços, articulação e acompanhamento da família; consulta psicológica; resolução de problemas habitacionais; atendimentos psicossociais a outros elementos do agregado familiar); • Definição de um projeto de desenvolvimento pessoal com todos os colaboradores.

Ano de arranque

Missão

Descrição da iniciativa Nº de Clientes

Principais Resultados alcançados


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.2 | Região Norte > 2.2.1 | Sub-região Grande Porto Iniciativa MESTRE JARDIM (II/II)

Entidade Promotora

Adeima

Prémios e Reconhecimentos

• •

Testemunhos

-

Website

https://www.facebook.com/mestrejardim

Vídeo

-

Prémio de Boas Práticas Institucionais no Território do Grande Porto e Tâmega – Supraconcelhia; Menção honrosa do prémio Maria José Nogueira Pinto em Responsabilidade Social.


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.2 | Região Norte > 2.2.1 | Sub-região Grande Porto Iniciativa HÁ FESTA NA ALDEIA (I/II)

Entidade Promotora

ADRITEM - Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Terras de Santa Maria

Responsável

Teresa Pouzada

Ano de arranque

2012

Âmbito de Atuação

Desenvolvimento Local

Público-alvo

Todos os atores locais das aldeias de Portugal de Terras de Santa Maria

Abrangência geográfica

Albergaria-a-Velha, Gondomar, Oliveira de Azeméis, Santa Maria da Feira e Valongo

Missão

Desenvolvimento sustentável das aldeias É um projeto de desenvolvimento comunitário inovador construído com todos os atores locais das aldeias de Portugal de Terras de Santa Maria. Baseia-se em 4 eixos: envolvimento (dos atores locais); qualificação (património material e imaterial e de recursos humanos); comunicação (interna e para o exterior) e identidade (reforçar identidade local).

Descrição da iniciativa

Esta iniciativa propõe o envolvimento ativo da população estimulando os usos e costumes, as tradições culturais e a gastronomia. Para este efeito apresenta um grupo de trabalho para cada aldeia, onde se reúnem uma comissão de representantes do lugar, coletividades, Junta de Freguesia, Município e ADRITEM. Este grupo tem como missão a construção da estratégia de desenvolvimento local da aldeia, bem como a sua implementação. Realizam-se vários Workshops: "cá se fazem cá se compram" para promover o artesanato e outros produtos locais; "a minha horta é um jardim" promove a agricultura e a requalificação da exploração agrícola; "o regresso do espantalho".

Nº de Clientes Principais Resultados alcançados

Faz-se também recolha cinematográfica das histórias e cantigas de antigamente: "as memórias da aldeia". O grupo "Retimbrar" requalifica os ranchos locais provocando a inovação dos ranchos. A meta anual é todos os anos fazer uma festa, que se chama "Há festa na aldeia". 5 aldeias envolvidas • Recuperar o sentimento de pertença dos seus habitantes unindo a população em torno de uma “ideia” ou de uma vontade coletiva; • Recuperar a atenção para dos “filhos da terra” aos seus laços materiais e imateriais a aldeia.


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.2 | Região Norte > 2.2.1 | Sub-região Grande Porto Iniciativa HÁ FESTA NA ALDEIA (II/II)

Entidade Promotora

ADRITEM - Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Terras de Santa Maria

Prémios e Reconhecimentos

O reconhecimento, neste, seu primeiro “ano de vida” surge por parte dos residentes das diferentes aldeias, dos parceiros locais (Câmaras Municipais, Juntas de Freguesia, empresas e associações) assim como da imprensa, nomeadamente numa reportagem alargada do Jornal Público (Fugas) e por parte do Jornal de Noticias.

Testemunhos

-

Website

www.hafestanaaldeia.pt http://www.youtube.com/watch?v=vyB-lvSKygU https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=fivs1a3VTW4

Vídeo


Índice 0 | Introdução 1 | Apresentação do Projeto MIES 2 | Booklet de Soluções Sociais 2.1| Região do Alentejo 2.2| Região do Norte 2.2.1| Sub-região Grande Porto 2.2.2| Sub-região Entre Douro e Vouga 2.2.3| Sub-região Minho-Lima


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.2 | Região Norte > 2.2.2 | Sub-região Entre Douro e Vouga Iniciativa AROUCA AGRÍCOLA

Entidade Promotora

AFEDV - Associação Florestal Entre Douro e Vouga / Câmara Municipal de Arouca

Responsável

Rosário Ferro

Ano de arranque

2013

Âmbito de Atuação

Agrícola (ambiental)

Público-alvo

Agricultores, Escolas, IPSS´s e Restaurantes do município

Abrangência geográfica

Arouca Incentivar os agricultores a produzir e apelar ao consumo de produtos da região (facilitando o escoamento dos produtos excedentes), dando simultaneamente às crianças produtos mais frescos e com mais qualidade. É uma parceria entre a AFEDV e a CMA e pretende recolher os excedentes agrícolas dos agricultores e produtores e vender/fornecer às cantinas das escolas do concelho, IPSS´s e restaurantes para que os agricultores possam escoar os seus produtos e os consumidores possam consumir produtos mais frescos e de qualidade.

Missão

Descrição da iniciativa

Nº de Clientes

A maioria dos agricultores praticam uma agricultura de sobrevivência e parte do agregado encontra-se desempregado, podendo encontrar neste projeto uma solução. Também dão formação aos agricultores para o incentivo a uma produção de qualidade com a utilização mínima de produtos químicos, podendo vir a apostar na agricultura biológica a longo prazo. 14 agricultores, 2 cantinas escolares, 1 restaurante

Principais Resultados alcançados

• • •

Prémios e Reconhecimentos

-

Testemunhos

“Aumentamos as condições de vida da população e conseguimos melhorar a qualidade da alimentação das crianças e dos adultos”

Website

-

Vídeo

-

Aderência de agricultores, escolas e restaurantes ; Aumento do rendimento dos agricultores; Melhoria da qualidade da alimentação das crianças e dos adultos.


Índice 0 | Introdução 1 | Apresentação do Projeto MIES 2 | Booklet de Soluções Sociais 2.1| Região do Alentejo 2.2| Região do Norte 2.2.1| Sub-região Grande Porto 2.2.2| Sub-região Entre Douro e Vouga 2.2.3| Sub-região Minho-Lima


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.2 | Região Norte > 2.2.3 | Sub-região Minho Lima Iniciativa EMPRESA DE INSERÇÃO DO CENTRO PAROQUIAL DE S. JORGE

Entidade Promotora

Centro Paroquial e Social de S. Jorge

Responsável

Adelaide Alves

Ano de arranque

2002

Âmbito de Atuação

Formação/Qualificação; Desemprego

Público-alvo

Desempregados de longa duração; Beneficiários de RSI

Abrangência geográfica

Arcos de Valdevez

Missão

Responder às necessidades bio psicossociais da comunidade envolvente com eficiência e qualidade. A iniciativa visa dar uma resposta problemas sociais locais detetados de (i) baixa qualificação e baixas competências de formação das pessoas locais; (ii) elevado desemprego nas pessoas com qualificação na área agrícola e/ou sem experiência laboral, aliado a (iii) ausência de resposta local de oportunidades de emprego para pessoas com estas características.

Descrição da iniciativa

Neste contexto, o Centro Paroquial de S. Jorge criou, com o apoio do IEFP, uma Empresa de Inserção de Agricultura e Apoio Domiciliário, como forma de aproveitar e potenciar as qualificações das pessoas locais. A Empresa tem um leque variado de oferta de serviços a preços de mercado mais baixos, nomeadamente propostas de atividades de animação, fisioterapia, transporte, deslocação, acompanhamento médico, lavandaria e horta pedagógica.

Nº de Clientes

73

Principais Resultados alcançados

• • •

Prémios e Reconhecimentos

-

Inserção profissional das pessoas desfavorecidas e inserção de jovens no mercado de trabalho; Produção agrícola, fixação dos jovens, garantir os serviços de apoio domiciliário aos fins de semana e feriados; A comercialização de produtos e autonomização da empresa de inserção.

Testemunhos Website

www.cpssjorge.pt

Vídeo

-


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.2 | Região Norte > 2.2.3 | Sub-região Minho Lima Iniciativa CARTÃO 65+

Entidade Promotora

Câmara Municipal de Caminha e Empresa/Comércio Local

Responsável

Paulo Pinto Pereira

Ano de arranque

2012

Âmbito de Atuação

Envelhecimento populacional; Pobreza

Público-alvo

Idosos

Abrangência geográfica

Caminha

Missão

Aumentar a qualidade de vida dos idosos do Concelho de Caminha. O Cartão 65 + é um Cartão Municipal do Idoso de descontos que visa apoiar os idosos residentes no Concelho de Caminha, com idade igual ou superior a 65 anos, principalmente os economicamente mais carenciados, tendo como fim contribuir para o bem-estar, a realização pessoal e a plena participação social das pessoas idosas. O cartão assenta numa parceria estabelecida pela Câmara Municipal com o comércio tradicional local, onde o idoso pode comprar produtos com desconto mediante a apresentação do cartão. O cartão é entregue pelo departamento de ação social da Câmara, o idoso só tem que ir à Câmara e requerê-lo.

Descrição da iniciativa

Prémios e Reconhecimentos

O Cartão do Idoso atribui ao seu titular vários benefícios: redução de 25% na entrada nos espaços culturais da autarquia; redução de 25% na utilização das piscinas municipais; participação gratuita nas atividades de Deporto Sénior; isenção referente a instalações de ramais de ligação de água e saneamento; redução de 25% no total da fatura da água, saneamento e lixo para consumidores de 1º escalão. Idosos do Concelho de Caminha • Melhoria da qualidade de vida dos idosos; • Dinamização do comércio tradicional; • Diminuição das desigualdades sociais. -

Testemunhos

“O sucesso dever-se-ia à proximidade com a comunidade local tendo em conta as suas necessidades específicas.”

Website

www.cm-caminha.pt

Vídeo

-

Nº de Clientes Principais Resultados alcançados


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.2 | Região Norte > 2.2.3 | Sub-região Minho Lima Iniciativa ATIVIDADE

Responsável

Câmara Municipal de Melgaço, Unidade de Cuidados na Comunidade, Unidade de Saúde Pública, Escola Superior de Desporto e Lazer e Empresa Municipal Melsport, Desporto e Lazer, E.M. Luísa Gomes

Ano de arranque

2006

Âmbito de Atuação

Envelhecimento populacional; Acesso a Saúde

Público-alvo

Idosos

Abrangência geográfica

Melgaço

Missão

Nº de Clientes

Melhoria objetiva dos índices físicos e saúde, resposta de melhoria de saúde da população idosa. É um projeto dinâmico de parceria, aberto a toda a comunidade idosa, a ser desenvolvido semanalmente em 3 freguesias distantes do Centro de Saúde e no Centro de Estágios de Melgaço. Tem como objetivo melhorar a qualidade de vida da população idosa (saúde física, estado de ânimo, perceção de rede social), através de sessões semanais de exercício físico com efeito treino, adaptadas e personalizadas, orientadas por um profissional de desporto, acompanhadas e com supervisão da equipa de enfermagem. A presença destes profissionais, para além de garantir uma prática saudável, permite que a Educação para a Saúde surja de forma participativa e espontânea (ingestão hídrica, cuidados de higiene…). Também possibilita a monitorização e deteção oportunista de eventuais problemas de saúde (controle da diabetes, da hipertensão…). É realizada anualmente uma avaliação estruturada do impacto do projeto, através das variáveis contempladas no mesmo. 150 idosos (+65 anos)

Principais Resultados alcançados

Notória melhoria dos índices físicos e saúde dos beneficiários: diminuição da taxa de prevalência da hipertensão, da solidão, da perceção do estado de saúde e da depressão, melhoria da mobilidade articular, resistência e força.

Prémios e Reconhecimentos

-

Testemunhos

“Medicar metade e acompanhar duas vezes”.

Website

n.d.

Vídeo

-

Entidade Promotora

Descrição da iniciativa


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.2 | Região Norte > 2.2.3 | Sub-região Minho Lima Iniciativa SAÚDE EM MOVIMENTO (I/II)

Entidade Promotora

CENSO - Centro Social, Cultural e Recreativo de Messegães, Valadares e Sá (CENSO)

Responsável

Sónia Durães

Ano de arranque

2010

Âmbito de Atuação

Envelhecimento populacional; Acesso a Saúde

Público-alvo

Idosos

Abrangência geográfica

Monção e Melgaço Afirmar os direitos e responder às necessidades, dos clientes e das suas famílias, geradas pelas mudanças na sociedade criando e oferecendo serviços que correspondam às novas realidades sociais, numa visão esclarecida e humanista. Prosseguindo o lema: “Valorizar a vida, Dignificando o Homem”.

Missão

Descrição da iniciativa

A iniciativa Saúde em Movimento visa promover a saúde e prevenir a doença, bem como fomentar a reabilitação do indivíduo. Providenciam um conjunto integrado, vasto e diferenciado de serviços de prestação de cuidados de saúde e de cariz mais sociocultural, com o objetivo de promover o envelhecimento ativo: (i) Avaliação gerontológica global do idoso; (ii) Implementação de escalas de avaliação geriátrica; (iii) Cálculo do índice de massa corporal do indivíduo; (iv) Avaliação da necessidade de estimulação cognitiva e motora no idoso; (v) Criação de um plano de desenvolvimento individual; (vi) Encaminhamento dos idosos para unidades de saúde em carrinhas adaptadas; (vii) Acompanhamento do idoso e registo de eventuais alterações de comportamento; (viii) Dinamização de campanhas de sensibilização e rastreios para difundir hábitos e estilos de vida saudáveis; (ix) Sessões de actividade física (ginástica ocupacional, hidroginástica etc.); (x) Convívios intergeracionais e inter-comunitários; (xi) Sessões de esclarecimento no âmbito da saúde; (xii) Sessões de terapia ocupacional e reabilitação psicomotora. Em contexto de sala e no domicílio; (xiii) Avaliação intermédia das condições do utente; (xiv) Reformulação do plano de intervenção; (xv) Comunicação ao utente das alterações registadas. A solução é apoiada por uma equipa multidisciplinar de Terapeuta Ocupacional, Gerontóloga, Enfermeira, Educadora Social e Animadora Sociocultural. O Ministério da Saúde tem sido um dos principais parceiros chave neste projeto.

Nº de Clientes

130 idosos + 101 agregados familiares


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.2 | Região Norte > 2.2.3 | Sub-região Minho Lima Iniciativa SAÚDE EM MOVIMENTO (II/II)

Entidade Promotora

CENSO - Centro Social, Cultural e Recreativo de Messegães, Valadares e Sá (CENSO) • • • • •

Principais Resultados alcançados

• •

Melhoraria da qualidade de vida dos utentes; Criação de um espaço dedicado à reabilitação física e psíquica do indivíduo idoso, que possibilite a adesão de 80% da população envolvente; Desenvolvimento, em 100% dos séniores, planos de estimulação de acordo com as necessidades específicas da pessoa; Realização, trimestral, de uma avaliação gerontológica global do idoso; Desenvolvimento de estratégias em 100% dos abrangidos, de forma a retardar o processo de envelhecimento, intervindo junto de idosos com demência para estimular as suas capacidades cognitivas e motricidade, tanto na instituição como no domicílio; Minimização do período de convalescença do idoso, em 20%, proporcionando estratégias para ultrapassar as limitações, quando possível através de várias terapias; Aumento em 25% as redes sociais, e diminuir o sedentarismo e a inibição em 30% dos idosos, através das diferentes atividades, proporcionando-lhes uma melhor qualidade de vida; Garantir em 90% o transporte do utente ao exterior, sobretudos aos cuidados de saúde; Diminuir a incidência de doenças cardiovasculares e de depressão.

Prémios e Reconhecimentos

• • -

Testemunhos

“Idosos com mais confiança e mais alegres!“

Website

www.censo.pt

Vídeo

-


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.2 | Região Norte > 2.2.3 | Sub-região Minho Lima Iniciativa LOJA RURAL

Entidade Promotora

Câmara Municipal de Paredes de Coura

Responsável

Joana Rodrigues

Ano de arranque

-

Âmbito de Atuação

Desenvolvimento socioeconómico de potencialidades locais; Valorização de tradições, produtos e saberes do mundo rural

Público-alvo

Produtores agrícolas locais

Abrangência geográfica

Paredes de Coura Contribuir para novas dimensões do bem-estar rural, quer domínio da valorização e desenvolvimento socioeconómico de potencialidades locais, quer no domínio da valorização de tradições, produtos e saberes do mundo rural.

Missão

Descrição da iniciativa

Nos meios rurais existe uma enorme quantidade de micro-produtores e artesões que não tem capacidade de escoar os seus produtos, pois não conseguem competir com escalas maiores. Neste contexto, a Câmara Municipal de Paredes de Coura criou uma Loja Rural, um posto único de escoação e venda de produtos, onde os micro-produtores e artesãos colocam os seus produtos para venda ao grande público. A Loja é, assim, um espaço privilegiado de mostra, promoção e divulgação do que melhor se faz no Concelho de Paredes de Coura, incluindo a rica gastronomia.

Nº de Clientes

População do Concelho e Turistas

Principais Resultados alcançados

• •

Prémios e Reconhecimentos

-

Testemunhos

-

Website

www.cm.paredesdecoura.pt

Vídeo

-

Promoção dos produtos endógenos, desenvolvimento local; Aumento do número de produtores e melhor qualidade dos existentes.


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.2 | Região Norte > 2.2.3 | Sub-região Minho Lima Iniciativa COMÉDIAS DO MINHO

Entidade Promotora Responsável

Associação Comédias do Minho João Pedro Vaz

Ano de arranque

2003

Âmbito de Atuação

Cultura

Público-alvo

Comunidade local

Abrangência geográfica

Paredes de Coura, Melgaço, Monção, Valença e Vila Nova de Cerveira

Missão

Descrição da iniciativa

Nº de Clientes

Principais Resultados alcançados

Prémios e Reconhecimentos Testemunhos Website Vídeo

Dotar o vale do Minho de um projeto cultural próprio, adaptado à sua realidade socioeconómica com um enfoque especial no envolvimento das populações, a partir da construção de propostas de efetivo valor participativo e simbólico, para as comunidades a que se dirigem. A iniciativa visa colmatar a falta de respostas culturais locais e de acesso às mesmas, atento o isolamento das regiões do interior. Está alicerçada em três eixos de intervenção que agem em articulação para a construção de uma missão global. São eles uma Companhia Profissional de teatro, um Projeto pedagógico e um Projeto Comunitário (envolvendo as populações e as associações culturais locais). Procuram, assim, a captação de públicos, assente numa estreita relação com as comunidades locais pretendendo, através da criação e da difusão de uma oferta teatral regular inédita na região. Entre outros, providencia formação para técnicos e agentes locais, respondem a solicitações, fazem espetáculos em escolas, espetáculos itinerantes em registo de grande proximidade com as populações, em juntas de freguesias, salões paroquiais, cafés, rios, paisagens, praças. 13.400 abrangência total anual ; cerca de 200 pessoas em formação artística anualmente • Captação, sensibilização, formação e fidelização de públicos para as artes e a cultura; • Aproximação da comunidade do Vale do Minho dos projetos artístico-culturais; • Aumento do número de público participante nos projetos e atividades culturais; • Desenvolvimento de públicos atentos, críticos, informados e criativos; • Concretização de um trabalho de intervenção efetiva e reconhecida a nível cultural; • Abertura do território ao mundo, numa renovada cooperação nacional e internacional; • Contribuição para o desenvolvimento sustentado do território. • Menção de Boas Práticas da Comissão Europeia (no âmbito do programa Leader+); • Prémio Norte Criativo 2010 (CCDR-N e JN) e Prémio da Crítica 2011 (Associação Portuguesa de Críticos de Teatro). www.comediasdominho.com -


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.2 | Região Norte > 2.2.3 | Sub-região Minho Lima Iniciativa ACEP

Entidade Promotora

ACEP - Associação Cultural e de Educação Popular

Responsável

Luís Delgado

Ano de arranque

2000

Âmbito de Atuação

Acesso à cultura; Ocupação de tempos livres

Público-alvo Abrangência geográfica Missão

Crianças, Jovens e Adultos Viana do Castelo Promover o bem-estar da comunidade O Centro Comunitário da ACEP é um espaço que dá uma resposta integrada às necessidades de Animação Infantil, Animação Juvenil, Animação de Adultos e de Artes e Espetáculos. Promove o desenvolvimento de serviços com vista à promoção, integração social e desenvolvimento dos indivíduos e das famílias, estimulando a sua participação. No que concerne as atividades de animação infantil o centro acolhe crianças para atividades ocupacionais dinâmicas estimulantes e muito lúdicas (jogos, leitura, artes, expressão artística e motora, informática, audiovisuais). O trabalho desenvolvido numa lógica de para e com a criança, interligando-se com a família, escola e comunidade.

Descrição da iniciativa

Nº de Clientes

As atividades de animação juvenil dirigem-se a jovens entre os 10 e os 18 anos, propondo diversas atividades culturais e recreativas, que vão de encontro aos interesses dos jovens ( oficinas de artes, espetáculo, expressão, informática, música, audiovisuais, oficina do Banco Brincar e Ler, entre outras). Adicionalmente, existem outras atividades que são periódicas como fóruns temáticos, exposições, espetáculos e comemorações. O espaço de trabalho destinado a adultos e trabalha este setor numa perspetiva de animação sociocultural e de investigação ação. Para a sua dinamização conta com espaço de convívio, cultural e recreativo; recursos multimédia e bibliográficos diversos; visitas orientadas; atividades de desenvolvimento de competências pessoais no âmbito da Universidade Popular. • 125 crianças no ATL; 200 utentes do Centro comunitário ; 85 crianças pré escolar.

Principais Resultados alcançados

• •

Prémios e Reconhecimentos

-

Testemunhos

-

Website

www.acep-meadela.com

Vídeo

-

Criação de uma resposta da oferta de atividades lúdicas e recreativas no território; Oferta de ocupação de tempos livres.


2 | Booklet Soluções Sociais > 2.2 | Região Norte > 2.2.3 | Sub-região Minho Lima Iniciativa CRECHE COM HORÁRIOS ALARGADOS

Entidade Promotora

Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, entidade gestora Centro Social e Paroquial de Campos

Responsável

Severina Ribeiro

Ano de arranque

2006

Âmbito de Atuação

1ª Infância; Acesso à educação; Crianças e Famílias em Risco

Público-alvo Abrangência geográfica

Crianças dos 0 – 3 Vila Nova de Cerveira e Supraconcelhia Fomentar a igualdade de oportunidades de acesso ao emprego, superar a ausência na retaguarda familiar e diminui o absentismo no local de trabalho

Missão

Descrição da iniciativa

A resposta social creche, estrutura inserida no Centro de Apoio Social às Empresas, está em funcionamento desde o dia 4 de Dezembro de 2006. Construída de forma inovadora, organiza-se em função das necessidades e interesses das crianças, valorizando e respeitando a sua individualidade, beneficiando de um horário compreendido entre as 5h30 da manhã até às 19 horas da tarde. Entre os objetivos previstos conta-se com a criação de um apoio social sustentável pautado pelos princípios da igualdade/qualidade e pela edificação de um verdadeiro pilar de desenvolvimento social assente na promoção do emprego, integração social e erradicação de sinais de pobreza.

Nº de Clientes

75 crianças

Principais Resultados alcançados

• •

Prémios e Reconhecimentos

-

Testemunhos

-

Website

-

Vídeo

-

75 crianças com resposta de educação na 1ª infância; Estabilidade laboral para os pais e maior qualidade de vida por conseguirem ambos estar nos seus postos de trabalho.


Mapa de Inovação e Empreendedorismo Social - MIES Site | www.mies.pt Facebook | www.facebook.com/miesportugal E-mail | info@mies.pt


Booklet MIES - Março 2014